Fórum dos Leitores

Cartas selecionadas para a edição impressa e portal estadao.com.br

O Estado de S.Paulo

20 Outubro 2018 | 03h00

ELEIÇÕES

Histriônico

Os cardeais do PT, quando denunciam a campanha do candidato Jair Bolsonaro como ilegal por ter sido supostamente catapultada pelas redes sociais via ação de agentes que atuam no “subterrâneo da internet” – expressão empregada em recente pronunciamento pela presidente do partido, senadora Gleisi Hoffmann –, aproximam-se da fronteira tênue entre a arrogância e o ridículo. Arrogância por não serem capazes de reconhecer todo o mal de natureza econômica, política e moral que o PT produziu enquanto esteve por mais de 13 anos encastelado no poder, dando origem à polarização das atuais disputas eleitorais. Ridículo por exibir comportamento histriônico ante a provável maior derrota desde que seu ícone máximo, hoje condenado e preso por corrupção, subiu a rampa do Palácio do Planalto, numa onda de esperança que rapidamente feneceu. 

PAULO ROBERTO GOTAÇ

pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro

Audácia ‘fake’

Como o PT tem a audácia de pedir o cancelamento da candidatura de Jair Bolsonaro por propagação de fake news, quando Fernando Haddad é admitida e sabidamente o candidato fake do PT?

OSCAR THOMPSON

oscarthompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba

Tapetão, não!

Alimentando a luta de classes, incentivaram a cizânia, instauraram a intolerância, institucionalizaram a roubalheira e partiram para o jogo do tudo pelo poder. Agora que o placar eleitoral indica que tomarão de goleada nas urnas do “nós x eles”, querem melar o jogo. No tapetão, não! Como julgamento popular, eleição se decide no voto. Mesmo para o cargo de pau-mandado.

A. FERNANDES

standyball@hotmail.com

São Paulo

Nem para poste o pseudopostulante à Presidência está servindo. É obrigado a andar acompanhado de um bando de fracassados que sonham com um milagre eleitoral para terem as “boquinhas” de volta. Que dirá, então, da fabulosa e caríssima equipe de advogados que, pelas linhas do Direito, não safaram da cadeia o ex-poderoso chefão? Vergonha na cara, honestidade e competência são artigos raros para essa cambada desesperada, que ainda não se deu conta de que a farra criminosa acabou. A Dilma ainda fazia cara feia ou se virava de lado quando o “patrão” se apresentava, digamos, descomposto, no seu palanque, e foi uma marionete um pouco mais recatada. Já o candidato polichinelo engole tudo. Merece!

ROGÉRIO AMIR RIZZO

rizzomoreno41@gmail.com

Praia Grande

Quem se diz democrata tenta ganhar no tapetão? Acontece que, quando o conto de ser “democrata” não colou, pôs-se em prática a estratégia do tapete, que é bem mais promissora. Não faltam advogados que possam defendê-la com paixão e destreza. A ideia até poderia colar se, além de acusações, também houvesse provas. Um dos lemas mais caros aos petistas é que sem provas não pode haver condenação. E sem condenação não haverá tapetão. E sem tapetão, não vai dar para ter o “golpe”. E sem golpe a vontade democrática do povo prevalece.

JORGE A. NURKIN

jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

Tudo ou nada

Ao ver a viola em cacos, o PT lança mão de sua derradeira estratégia: fazemos qualquer negócio.

EDUARDO A. DELGADO FILHO

eadelgadofilho@gmail.com

Campinas

‘O que será será’

Sou uma dos milhares de pessoas que fazem propaganda de graça para Jair Bolsonaro. Faço porque me identifico com suas propostas e porque acredito que o Brasil pode ser um país diferente. E faço porque é inadmissível o que a esquerda fez conosco na última década. Contudo não sou cega nem hipócrita e digo isso para enaltecer o lúcido e excelente artigo de Fernando Gabeira de ontem (A2). Sim, teremos muito trabalho e dificuldades, mas a voz do povo é soberana. Essa é a realidade.

ANGELA CARVALHAES RENOLDI

angelarenoldi@gmail.com

São Paulo

O exercício do contraditório nunca foi tão oportuno e necessário. Nesse sentido, a reflexão de Gabeira é um alento para o brasileiro atônito com a situação política do País. Nada de bolhas ou contos de fadas, apenas a análise desapaixonada dos caminhos que a própria realidade nos impõe. É sempre um prazer ler seus textos.

CLODOALDO FREIRE DE BRITO

eulaaldo@gmail.com

São Paulo

Jornalismo perverso

Assinei durante mais de 30 anos alguns dos principais jornais e revistas do Estado de São Paulo. Hoje só leio o Estadão. Aqueles cuja assinatura cancelei não são veículos de imprensa sérios.

ORIVALDO T. DE VASCONCELOS

professortenorio@uol.com.br

Monte Alto

Casa que pensa o Brasil

Vendo os primeiros movimentos ostensivos da equipe do candidato Bolsonaro para a formação de um governo, cada dia mais provável, lembro que há uma casa que pensa exclusivamente o Brasil desde meados do século passado: a Escola Superior de Guerra (ESG). Vinculada ao Ministério da Defesa, a ESG forma quadros civis e militares nos campos da política, estratégia e alta administração, vindos de todas as partes do País e de todos os estamentos sociopolíticos. A ESG tem dois câmpus principais: Rio de janeiro e Brasília. Essa gente, altamente capacitada, depois de um ano de estudos intensos sobre o mundo e, particularmente, sobre o Brasil, retorna a seus Estados e postos de origem e ali são agentes multiplicadores, por meio da Associação dos Diplomados na Escola Superior de Guerra (Adesg). Percebam a capilaridade e a unidade de doutrina – que não é o mesmo que unidade de pensamento, mas sim de objetivos e valores. Bolsonaro ou Haddad, uma vez eleito, deveria iniciar formalmente suas ações visitando a ESG, excepcional ferramenta do próprio governo. 

PAULO ROBERTO SANTOS

prsantos1952@bol.com.br

Niterói (RJ)

CORREÇÃO

No artigo Choques de realidade (19/10, B9), de Rogério Werneck, saiu truncado o seguinte trecho: “Grosso modo, as pesquisas eleitorais mostram que Fernando Haddad tem quase o dobro dos votos válidos de seu adversário no Nordeste e cerca de metade dos votos de Jair Bolsonaro nas demais regiões. O que o deixa com cerca de 70% dos votos válidos de Bolsonaro no País como um todo”.

DEBATE PELO GOVERNO DE SP

Quem assistiu ao debate entre os candidatos ao governo de São Paulo, na noite de quinta-feira, sentiu de longe o cheiro de "naftalina" espargido por Marcio França (PSB). Cheiro do velho político que aprendeu a falar para um povo carente e ignorante. Menosprezou o fato de João Doria (PSDB) ser um empresário rico, dono de um "jato estrangeiro" - como se isso fosse um descrédito -, quando só na cidade de São Paulo temos aproximadamente 2 milhões de desempregados que devem ter visto as empresas onde trabalharam falir por causa dos erros cometidos pelo PT no poder. França fala como se os paulistas não tivessem consciência, hoje, de que se não existem empresários para investir não existe emprego. Depois ele quer se desvincular do PT, mas seu discurso continua  o mesmo: "O pobre trabalhador explorado pelo cruel empresário". Ainda bem que Doria, como empresário de sucesso, terá condições de gerenciar nosso Estado, porque nas mãos das velhas raposas da política, como França, sei não.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

BAZÓFIA

Nestes últimos dias a propaganda de Márcio França enfatiza que ele mudou a cara da Polícia de São Paulo. Comprou armamentos pesados, coletes e mil viaturas. Para um desavisado, isso pode impressionar. Acontece que este senhor pegou o bonde andando, entrou no cargo em maio e agora estamos em outubro, e todas as verbas já estavam contingenciadas pelo orçamento que foi feito ainda no ano passado, com Geraldo Alckmin no governo. Portanto, França está se exibindo com uma obra que não é dele. Em bom Português, está se apropriando da obra do ex-governador. Deveria ter a hombridade  de assumir que apenas está inaugurando. Isso se chama mentir para o povo. É assim que pretende governar o mais rico Estado da Nação?

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

PROPOSTAS

No debate entre Doria e França, o candidato do PSDB ficou o debate todo, ao invés de dizer suas propostas de governo, tentando colar o nome de seu adversário ao PT. Num ato falho, Doria apenas certifica que não tem proposta alguma ao governo.

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

*

AGRESSÕES

Na quinta-feira, na dúvida, eu não sabia se assistia ao debate entre João Doria e Márcio França, candidatos ao governo do Estado de São Paulo, exibido pela Rede Bandeirantes, ou se assistia ao programa "A Praça é Nossa", do SBT. Acabei optando pelo debate. Agora pasmem, amigos leitores: as agressões foram tantas, tanto de um lado quanto do outro, que acabei sem saber quem era mais canalha. Além de falso e mentiroso, descobri que Doria comprou um jatinho com dinheiro do BNDES e que Márcio  França abandonou a prefeitura de São Vicente para servir ao então candidato ao governo do Rio de Janeiro Anthony Garotinho, e que pleiteava um ministério de Dilma Rousseff, a quem servia, tendo votado contra sua expulsão do governo. Em  outras palavras, embora indignado e assistindo ao roto malhar o rasgado, acabei me divertindo e descobrindo o lobo com pele de carneiro existente em cada um dos candidatos.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo

*

DESRESPEITO

O bate-boca entre os candidatos ao governo do Estado de São Paulo no debate mostra apenas o desrespeito ao eleitor e que cada um somente procura atacar seu adversário. Muitos pensam em anular o voto por serem ambos nulos nas suas propostas de melhorias das condições de vida da população paulista. Faltam propostas objetivas e o sentido administrativo gerencial de grandes políticos no comando do maior Estado da Federação.

Carlos Henrique Abrao abraoc@uol.com.br

São Paulo

*

DEBATE-BOCAS

Candidatos, debate, sim, debate-bocas, não. Basta!

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

OS ADVOGADOS DE HADDAD

Um grupo de aproximadamente 200 advogados teria se reunido em São Paulo para manifestar apoio ao candidato à Presidência pelo PT, Fernando Haddad - o contrário do pensamento de quase 50 milhões de eleitores no primeiro turno. Dentre os advogados, ilustres criminalistas que recebem vultosos honorários oriundos decerto de atividades criminosas, portanto, recursos evidentemente ilícitos. Parece que é chegada a hora de uma legislação a respeito, obrigando a comprovação da fonte desses recursos, com o estabelecimento de duras sanções aos seus beneficiários.

Milton Córdova Júnior milton.cordova@gmail.com

Vicente Pires (DF)

*

HONORÁRIOS

Ao ler a matéria onde cerca de 1.096 advogados subscreveram petição em favor de Haddad, a única justificativa que vejo é que estes devem fazer parte da turma que vai perder os honorários pagos pelo PT para defender tantos condenados.

Luiz Roberto Savoldelli savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo 

*

APREENSIVOS

Antes mesmo da posse, advogados pró-PT não querem perder a boquinha. Desespero!

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

*

HADDAD JOGA A TOALHA

O candidato Fernando Haddad, já se sentindo derrotado, joga a toalha. Com o consentimento da cúpula do PT, deseja acionar o Judiciário contra empresários que supostamente estariam financiando nas redes sociais mensagens contra o petista, com o intuito de beneficiar o líder nas pesquisas, Jair Bolsonaro. Um delírio. Junto com o PDT, de Ciro Gomes, o PT ainda sonha até com a anulação desta eleição! Pode? O PT e Haddad cospem no prato em que sempre comeram, afinal, há tempos pagam profissionais de comunicação que infestam com falsas mensagens as redes sociais contra seus opositores. O PT não tem como falar em ética na política! Se fosse essa a vocação do partido de Lula, já teriam pedido desculpas à Nação pela quebra da nossa economia e pela ampla roubalheira que promoveram nas nossas estatais.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

SABIDOS

Ao anunciar que iria pedir a cassação do registro da candidatura de Bolsonaro, Haddad tinha ao seu lado vários advogados, entre eles Antonio Claudio Mariz  e Carlos Alberto Kakay. Parece-me que eles estavam ali na expectativa de arranjarem novos clientes, já que ambos são especializados em defender políticos corruptos.

Sabidos  esses advogados.

Godofredo Soares godofredocaetanosoares@gmail.com

São Paulo

*

COM CASCA E TUDO

O candidato "Andrade", digo, Haddad. Declarou que está entrando com uma ação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra Jair Bolsonaro, por falsas mensagens de WhatsApp enviadas por várias empresas, denegrindo seu "ilibado" caráter. O ato foi apoiado por vários e notórios advogados que defendem a "tigrada petista", pois, afinal, não querem perder a "boquinha" dos superhonorários advocatícios. Na verdade, "Andrade" soçobrou nestas eleições e vai ter de engolir Jair Bolsonaro, com casca e tudo, como já dizia o demiurgo de Garanhuns!  

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

NO BREJO

A militância petista, vendo que a vaca já foi para o brejo, recorreu à Polícia Federal e ao Tribunal Superior Eleitoral acusando Jair Bolsonaro de chefiar uma verdadeira organização criminosa com apoio de alguns empresários que estão patrocinando, via WhatsApp, disparos em massa de mensagens mentirosas contra  o novo poste de Lula, Fernando Haddad. O PT, partido "da ética, da moral e dos bons costumes", está fazendo uma campanha acima de qualquer suspeita, totalmente honesta, apesar de coordenada por um condenado presidiário em regime fechado. Se a PF, o TSE, a ONU e o papa não vetarem a candidatura Bolsonaro, resta uma última esperança: chama o Meirelles!

José A. Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

VISÃO DISTORCIDA

"Haddad promete ir à Justiça por suposta disseminação paga de mensagens contra o PT" ("Estadão", 18/10). O poste de Lula, ao ver que o adversário vai vencer as eleições, acontecendo o impensável de admitir para sua turma que um militar da reserva vai vencer por voto popular, tenta o factoide da disseminação de mensagens pagas do outro lado, recorrendo à Justiça, como se não praticasse a disseminação de mentiras sobre seu adversário. Não cabe na sua cabeça que não engana mais ninguém, agarrando-se à tênue esperança de que a Justiça vai invalidar a eleição. Na sua visão doentiamente distorcida, vale apenas o voto para seu lado, não cabendo os votos para os adversários, que seriam ilegais.

Ulf Hermann Mondl hermannxx@yahoo.com.br

São José (SC)

*

BURRO OU CARA DE PAU?

O advogado Fernando Haddad concorda com que caixa 2 e organização de quadrilha são crimes. E afirma sua acusação publicamente, na TV, com toda seriedade. É burro ou cara de pau? Ele é acusado de caixa 2 e defende o maior caixa 2 preso da história do mundo.    

José R. de M. Soares Sobrinho joserubens@jrmacedoadv.com.br

São Paulo

*

TRÁGICO, SE NÃO FOSSE CÔMICO

A organização criminosa ainda travestida de partido político patrocina uma pantomima ao ingressar na Justiça Eleitoral contra a campanha do seu adversário, acusando-a de ter cometido uma série de crimes às vésperas do primeiro turno e já prontos para desencadear modelo semelhante no segundo turno. Só para refrescar a memória, no episódio conhecido como mensalão, o marqueteiro da campanha disse que recebeu seus honorários por meio de uma conta aberta num paraíso fiscal no exterior. Já por isso caberia a cassação do registro do partido, de acordo com a legislação. Na campanha de 2014, os marqueteiros destroçaram a reputação da candidata Marina Silva no programa do partido no horário eleitoral. As fake news ainda não estavam em moda, mas poder-se-ia caracterizar como tal, tranquilamente. Na campanha atual, utilizaram inserções do presidiário ficha-suja mesmo diante da proibição da Justiça Eleitoral. Eis que, agora, acusam o adversário daquilo que sempre fizeram, inclusive diante da delação do companheiro Antonio Palocci sobre os gastos miliardários com as campanhas anteriores. Quem garante que não estão fazendo o mesmo agora? É o velho truque das esquerdas. 

Marco Antonio Esteves Balbi mbalbi69@globo.com

Rio de Janeiro

*

'O DIABO'

Como já bem sabemos, o PT faz até "o diabo" para vencer eleições. Fiquemos alertas nos próximos dias.

Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz 

*

APELAÇÃO

Nesta reta final de campanha, quando o desespero bate na campanha do PT, fico imaginando quem será a Lurian Silva da vez.

Fernando Cesar Gasparini phernando.g@bol.com.br

Mogi Mirim

*

TROCANDO O DISCURSO

Fernando Haddad já está elogiando o juiz Sergio Moro. Falta pouco para ele aceitar que Lula deve continuar preso.

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

O COLETE

Haddad indo a igrejas, mudando seu programa de governo e elogiando o juiz Moro me fazem lembrar de Alckmin em 2006, vestindo um colete cheio de emblemas de estatais, para dizer que não privatizaria nenhuma: patético desespero!

Marcello Menta Simonsen Nico mentanico@hotmail.com

São Paulo

*

A COLHEITA

O PT está colhendo o que sempre plantou com as fake News. E, ao invés de entrar na Justiça - inclusive com Jean Wyllis, do PSOL do Rio de Janeiro, que nada fez ou faz pela cidade em relação à violência -, deveria, sim, processar o senador eleito Cid Gomes, que foi direto ao ponto e colocou os dedos na ferida da vergonha que é o PT como partido dito democrata. Pior ainda: por que o PT nada faz em relação à Venezuela e à Nicarágua, onde centenas morreram e comem até carne de cachorro? E Bolsonaro é que gera violência? A falta de visita ao patrão está deixando Haddad sem chão.

Zureia Baruch Jr.  zureiabaruchjr@bol.com.br

São Paulo 

*

CID GOMES

Bolsonaro sendo eleito deveria dar um troféu ao nobre Cid Gomes, por ter colocado os pingos nos is. E o nome do troféu deveria ser "a verdade dói". 

Marieta Barugo mbarugo@bol.com.br

São Paulo

*

DESESPERO

As propagandas do PT colocando uma criança com arma na mão para criticar Bolsonaro não passa de desespero. Quando o candidato fez gestos de uma arma com a mão, foi criticado pela esquerda, que tentou de toda forma tirar o voto do eleitor de Bolsonaro. Não adianta, podem espernear à vontade. Nada vai mudar. Quem está com Bolsonaro está e ponto final. Agora, o senhor Haddad chamar a "Folha de S.Paulo" de o maior jornal do País mostra que tem todo interesse no barulho que este jornal poderia fazer. Em toda a campanha, a "Folha" não descansou um dia tentando interferir na opção do eleitor. O que aconteceu? Os eleitores passaram a votar mais ainda em Bolsonaro. Para piorar, Haddad declara: "O segundo turno tem de ser entre mim e Ciro". Quando alguém reclama de fraudes nas urnas, logo vem a patrulha dizendo que é preciso respeitar as instituições; agora, quando Haddad diz essa bobagem, onde está a patrulha? Dormindo? Também não é um desrespeito às instituições não reconhecer o resultado do primeiro turno?

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

NEGAR SEMPRE 

Haddad está prestes a tentar um pacto com Mefistófeles para vencer as eleições. Mas o diabo é aquele que sempre nega! 

 

Eugênio José Alati eugenioalati13@gmail.com

Campinas

*

CAMPANHA DIGITAL

A campanha eleitoral continua e tem como destaque o uso de mecanismos eletrônicos, o que, lamentavelmente, levanta questões para denegrir a imagem do concorrente. Enquanto isso, um dos candidatos usa do artifício de não participar de debates ao vivo com o seu adversário, eventos que são fundamentais para que o eleitorado entenda seus posicionamentos se vencer as eleições. Ele não quer debater, prefere as agressões verbais. Ou seja, sua preferência é bater.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

INFOCALIPSE

Diante da disseminação de fake news e do conceito de pós-verdade, o mundo caminha para o "infocalipse" (neologismo criado para o apocalipse da informação). A circulação de matérias falsas ajuda a separar as pessoas e a polarizar o campo político de forma a desestabilizar a democracia. A criação de realidades alternativas virtuais, mas não verdadeiramente reais, gera a impressão de realidade e há provavelmente a prevalências delas. A disfuncionalidade do governo prejudica a organização de um país e a sociedade pode desmoronar e ficar apática, pois cada pessoa acredita no que quer e não há como ter democracia. A falta de confiança pública faz muitos indivíduos desistirem da política e do diálogo no debate público, optando por viver numa bolha de filtragem ou numa apatia à realidade. Os impactos negativos da tecnologia vieram para ficar neste século 21.

Luiz Roberto Da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br

Campinas

*

FAKE NEWS DO PT

Fernando Haddad, acuse o seu adversário, Bolsonaro, do que você faz, chame-o do que você é. Quem sabe o resultado a ser obtido no TSE poderá ser a seu favor, desde que não haja do outro lado uma doutora Janaína Paschoal para destruir a argumentação petista e demonstrar que foi o PT que utilizou robôs no WhatsApp.

Benone Augusto de Paiva benonepaiva@gmail.com

São Paulo

*

O QUE PODE?

Fake news não pode, mas candidato fake pode?

Oscar Thompson OscarThompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba

*

'FAKE CANDIDATOS'

Muito pior que as fake news são os "fake candidatos" à Presidência da República. 147 milhões de eleitores podem ter sido enganados e a Justiça Eleitoral lavou as mãos.

Paulo Sergio Arisi  paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

O CULPADO DE TUDO

Gleisi Hoffmann, como presidente do Partido dos Trabalhadores (PT), deveria propor uma moção de censura contra Luiz Inácio Lula da Silva pelo erro de ter imposto Fernando Haddad para concorrer à Presidência da República.

Sergio S. de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

*

MANIFESTO

O jornal "Estado" informou que um grupo de 1.096 juristas e intelectuais manifestou-se a favor de Fernando Haddad nesta eleição presidencial. Recentemente, 49 milhões, 397 mil e 416 brasileiros repudiaram essa preferência. Não entendi a conotação. Gostaria de uma explicação dos juristas. Como no caso dos magistrados que processaram os jornalistas por publicarem inverdades sobre eles receberem acima do teto salarial. Na ocasião, ficou comprovado que salário e subsídios são diferentes. Os magistrados estavam, portanto, dentro da lei. Agora, gostaria de saber por que próximo das eleições essa conotação política e tendenciosa em relação aos magistrados. Existe alguma subversão à ordem? Gostaria que o jornal fizesse uma matéria explicando.

Flávio Prada flavioprada39@gmail.com

São Paulo

*

VALENTES

Manifesto pró-democracia? Pois, sim! Quero ver manifestações contra a miséria; contra o abandono da educação; contra o inaceitável da saúde pública; contra o caos da segurança; contra as mordomias dos políticos; contra o aparelhamento do Estado; contra tudo o que aí está; e, muito principalmente, contra a roubalheira patrocinada por muitos que estes mesmos signatários agora defendem. Vamos lá, valentes!

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

RESPEITO

Adoraria, como democrata que sou, que os nobres que fizeram um manifesto contra o candidato Jair Bolsonaro - ignorando, inclusive, que os eleitores de Bolsonaro também consomem e merecem respeito - fizessem também um manifesto em favor dos povos oprimidos mortos e que se alimentam de carne de cachorros na Venezuela, ou das famílias cubanas que doam seus filhos por não terem condições de criá-los. Afinal de contas, o PT apoia os governos da Venezuela, da Nicarágua e de Cuba como exemplos de democracia (palavras da Gleisi Hoffmann). Por que nenhum destes democratas se preocupa com isso? Porque pimenta no olho dos outros é colírio...

Antonio Jose Gomes Marques a.jose@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

CONTRA MILHÕES

Mais de mil juristas, professores, magistrados e ex-ministros lançaram um manifesto por Haddad. São contra a "violência física ou simbólica". E a favor da tortura de quase 14 milhões de desempregados e respectivos dependentes, totalizando assim cerca de "somente" 96 milhões de brasileiros, que foram atingidos pelos nefastos desgovernos de um certo partido que se diz dos trabalhadores, cujo líder principal nunca trabalhou e que hoje está encarcerado em razão de condenação em segunda instância.

José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br

São Caetano do Sul 

 

*

CONVICÇÃO

Ao ler a declaração dos juristas, advogados, ex-ministros e professores em apoio ao candidato do PT, fiquei ainda mais convicto da necessidade de que nosso país realmente seja comandado por outras mãos, não mais aquelas que até agora nos jogaram na desgraça do lulopetismo e no pré-bolivarianismo. São os mesmos que se locupletaram, até aqui, das benesses governamentais, do "toma lá, dá cá" e das prestações advocatícias de corruptos e corruptores. Com o novo paradigma a ser implantado pelo governo em 2019, muita coisa vai mudar, e as tetas das instituições e das autarquias serão cortadas, os juízes e ministros terão de julgar com equidade, sem viés ideológico. A voz do povo desta vez terá de ser ouvida, doa a quem doer.

Aloisio Arruda De Lucca aloisiodelucca@yahoo.com.br

Limeira 

*

ATÉ O SEGUNDO TURNO

Jair Bolsonaro não deve se expor na rua nestes dias que antecedem o segundo turno - nem deve mandar em seu lugar o general Mourão, que, apesar de preparado, não tem a habilidade dos políticos. Vão jogar um monte de cascas de bananas para ele escorregar. Bolsonaro deve fazer, isso sim, uma declaração ao povo brasileiro conclamando todos para uma eleição em harmonia e que todos exerçam sua cidadania pelo voto.

Eduardo Augusto de Campos Pires eacpires@gmail.com

São Paulo

*

PROBLEMAS COMPLEXOS, SOLUÇÕES TACANHAS

As propostas do candidato Jair Bolsonaro para o meio ambiente mostram que ele não reúne as qualidades para ser um bom presidente da República. Bolsonaro só enxerga um lado do problema, propõe extinguir o Ministério do Meio Ambiente, que seria incorporado pelo Ministério da Agricultura, e todos os cotados para assumir esse novo ministério são ruralista. Um bom presidente da República deveria ser capaz de enxergar os dois lados dos problemas e propor soluções de consenso, e não apenas puxar a brasa para o lado que lhe interessa. Hoje a agricultura é uma das mais importantes locomotivas da economia brasileira. Com a preservação ambiental e a valorização e incremento dos parques nacionais e áreas de reserva, as receitas com o turismo poderiam crescer enormemente e até superar a agricultura. Países muito menores e sem tantos atrativos naturais têm receitas muito maiores que o Brasil na conta turismo. Um bom presidente da República precisa enxergar todos os lados das questões, e não apenas oferecer soluções tacanhas para os problemas complexos que o País enfrenta. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

DESMATAMENTO ZERO

O próximo presidente eleito enfrentará uma feroz oposição dos ambientalistas nacionais e internacionais se se mostrarem desinformados com a realidade moderna do século 21. O Acordo de Paris, assinado em 2015 para conter o aquecimento do planeta, apenas confirma o cumprimento da legislação brasileira sobre o Código Florestal. O presidente da União Democrática Ruralista (UDR), Luiz Antonio Nabhan Garcia, está correto em afirmar que o desmatamento zero é uma expressão equivocada, porém o desmatamento ilegal, como está sendo feito no Brasil, é, sim, um absurdo. Para continuarmos sendo competitivos no agronegócio, precisamos respeitar a Floresta Amazônica e demais biomas brasileiros, porque nossos clientes querem saber como é feita a produção de carne, da soja e de demais produtos de exportação. 

 

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro 

*

A AMAZÔNIA E O AQUECIMENTO GLOBAL

Sob o título "Absurdo falar em desmatamento zero", o presidente da União Democrática Ruralista (UDR), Luiz Antônio Nabhan Garcia, tece críticas sobre eventuais resistências dos países signatários do Acordo de Paris a mudanças na legislação ambiental brasileira, como desmatamento - inclusive na Amazônia - e à fusão dos Ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente, no governo Jair Bolsonaro". O entrevistado é da opinião de que o Brasil tem de ser soberano e não pode aceitar intervenções externas de "interesses escusos". Tem razão o sr. Garcia, de que o Brasil não pode abrir mão de sua soberania, com o que, obviamente, todos nós concordamos, assim como desmatamento zero é utópico e não precisamos chegar a tal extremo. Porém, o Acordo d e Paris foi elaborado em decorrência do aquecimento global, que é real e já atingiu um ponto crítico para a própria sobrevivência dos seres vivos do planeta, como conhecemos atualmente. Entendo que está em discussão não, no caso do Brasil, o Código Florestal, mas, sim, a Lei da Conservação das Massas, ou Lei de Lavoisier, que diz que "na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma", de 1774. O que classificamos como progresso, no sentido de tornar nossa vida mais confortável, também ocasionou mudanças significativas no planeta. Por oportuno, cabe lembrar que em 1987 foi firmado o Protocolo de Montreal, com o objetivo de preservar a camada de ozônio, que na estratosfera funciona como um escudo natural contra os raios ultravioletas. O ozônio se desintegrava por causa da ação do homem. Os principais causadores são os gases CFCs, que eram usados nos aparelhos de refrigeração, como o ar-condicionado. Foram proibidos pelo acordo internacional e substituídos pelos gases HFCs, inofensivos à camada de ozônio, mas que contribuem para o aquecimento global, como o CO2. Sua proibição vem proporcionando a recuperação da camada de ozônio. E o Acordo de Paris tem finalidade assemelhada, porém mais complicada, ao continuarmos a desobedecer a Lei de Lavoisier, transformando matérias essenciais ao equilíbrio do planeta em gases que vêm provocando o aquecimento global. As forças naturais reagirão para restabelecer o equilíbrio drasticamente, pondo nossa vida em perigo. Para reverter a situação atual, a Amazônia é fundamental, pois é a maior floresta do planeta e o maior trunfo da humanidade. 

Gilberto Pacini  benetazzos@bol.com.br

São Paulo 

*

TEORIA DA CONSPIRAÇÃO

Quando o Corinthians foi campeão paulista, o ex-presidente Lula estava solto. Agora, o Corinthians foi vice-campeão na Copa do Brasil e Lula está preso. Ah, se Lula estivesse solto! Teríamos Corinthians campeão da Copa do Brasil.

Carlos Roberto da Silva Calderon crscalderon@hotmail.com

São Paulo

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.