Fórum dos Leitores

.

Opinião, O Estado de S.Paulo

26 Dezembro 2018 | 03h00

RELAÇÕES EXTERIORES

Chuta o balde quem pode

Tem razão o atual ministro do Exterior, Aloysio Nunes, quando afirmou que “não somos um país poderoso a ponto de chutar o balde”. Referia-se ao fato de que o futuro governo pretende rever o Acordo de Paris e mudar a Embaixada do Brasil em Israel, por iniciativa do futuro chanceler, com suas ideias excêntricas, que incluem, principalmente, a crença de que “o aquecimento global é criação dos marxistas para prejudicar o Ocidente”. O ministro Aloysio Nunes declarou que “as metas do Acordo do Clima, nós propusemos. Se não conseguirmos atingir, vão invadir o Brasil? Vão replantar a vegetação do cerrado na marra? Não. Tem quem ache que o aquecimento global é uma ficção. Há gente que acredita que a humanidade nasceu de Adão e Eva. É uma crença”. Ora, nossa participação na luta para procurar estancar o aumento da temperatura média do planeta é fundamental, por causa das nossas florestas, principalmente a amazônica. Portanto, não tem cabimento o presidente do Brasil trocar o conhecimento científico por uma crença sem pés nem cabeça, como a do futuro ministro, que acredita piamente nas declarações de Trump. Tem razão o nosso atual chanceler, pois as demais nações não vão invadir o Brasil, não precisam chegar a tanto. Porém, com certeza, elas nos farão pagar caro não só pelo desrespeito ao acordo, como pela esdrúxula ideia de mudar a nossa embaixada em Israel para Jerusalém. Essa crença insana causará prejuízos incomensuráveis ao País e ao planeta. Para piorar, o futuro ministro de Minas e Energia declarou como sua prioridade terminar a usina nuclear de Angra 3. Mas reportagem no Estado (24/12) mostra que, de acordo com consultoria especializada em energia, a energia atômica é a mais cara de todas em uso no País, incluídas a eólica e a solar. Também sua produção é extremamente perigosa, no caso, por estar próxima das maiores cidades brasileiras e de seu maior parque industrial. Mesmo desmontando o que já foi feito, é vantagem abandonar a sua construção.

GILBERTO PACINI

benetazzos@bol.com.br

São Paulo

CORRUPÇÃO

‘Renovação capenga’

O editorial Renovação capenga (25/12, A3), com toda a razão, menciona que os brasileiros em geral e os cariocas em particular precisam escolher melhor os candidatos a cargos eletivos. Realmente, é a pura verdade. O que se vota de forma irresponsável é uma grandeza, seja por preguiça de pesquisar, seja por ignorância. Porém não menciona o editorial as infindáveis manobras legais de que os candidatos bandidos dispõem, muitas delas até com a, digamos, cumplicidade do TSE e dos TREs, que sempre encontram um jeitinho de acomodar as picaretagens, sem contar que os “julgamentos” são realizados muitos anos após os fatos criminosos. O que o Brasil precisa é de leis severas que não permitam jeitinhos, recursos, questionamentos, procrastinações e juízes complacentes, muitas vezes passando esse sentimento de cumplicidade. É a famosa “escreveu não leu, o pau comeu”. Enquanto as leis brasileiras e o viés de juízes forem “o cara é bandido, mas vamos acomodar a situação, afinal, é um político importante”, nunca teremos ordem no Brasil e muito menos progresso.

JOÃO PAULO LEPPER

jp@seculovinteum.com.br

Rio de Janeiro

Reformas?

Quem acredita que serão realizadas as reformas necessárias na administração federal pode esquecer, porque aos políticos não interessa aprovar quase nada, porque são eles os que mais se aproveitam da atual situação. A politicalha fingirá que discute e aprovará apenas o que não mexa com seus privilégios. E a Nação só se dá mal.

LAÉRCIO ZANNINI

spettro@uol.com.br

Garça

SERVIÇO PÚBLICO

Auxílio-moradia

Não são só os políticos, magistrados, representados na pessoa do sr. Fernando Mendes, da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), também agem com deboche. Descobriu uma brecha no documento do Conselho Nacional de Justiça e do Conselho Nacional do Ministério Público para engabelar a regra e reincorporar o auxílio-moradia para todos os companheiros. É, continuamos ferrados.

ARNALDO VIEIRA DA SILVA

arnaldosilva1946@gmail.com

Aracaju

Filosofia

Considerando os cargos transitórios (políticos) e os vitalícios, ambos regiamente remunerados, será que um dia teremos um governo honesto e corajoso para cancelar todos os penduricalhos da folha de pagamentos? Tais penduricalhos são pesado ônus, que compromete investimentos e serviços essenciais. É preciso mudar a filosofia atual de “o que posso obter do meu país” para “o que posso fazer pelo meu país”.

HUMBERTO SCHUWARTZ SOARES

hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

Funcionalismo

As gratificações no serviço público são as grandes vilãs do momento. As disparidades são maiores que as noticiadas pela mídia, representam 32% da folha de pagamentos. Após 41 anos de serviço ativo, estou na reserva desde 2008, recebo soldo básico e gratificações, todas conseguidas com meu suor. E vou pagar a mesma contribuição para a pensão militar e para o Imposto de Renda até morrer. Tenho uma vida digna. Exemplo de disparidade: algumas carreiras do executivo têm salários iniciais iguais ao meu, após 41 anos de serviço. Esqueçamos Legislativo e Judiciário. A generalização apressada prejudica. Ah, o adicional natalino é o nome pomposo para o 13.º salário devido a todos os trabalhadores brasileiros.

ANTONIO M. VASQUES GOMES

amavago@gmail.com

Rio de Janeiro

BOAS-FESTAS

O Estado agradece e retribui os votos de boas-festas e feliz e próspero ano novo de Associação Comercial de Sorocaba, Celso Neves Dacca, Cláudio de Melo Silva, Comunicação Vertical, Imprensa 360WayUP, Kolorines Tecnology, Rafaela Manzo, Repórter Diário, Roberto Chadad – Associação Brasileira do Vestuário, Roberto Maurício Lopes e família, Roberto Moreira da Silva, Roberto Twiaschor, Rodney Vergili – Digital Assessoria Comunicação Integrada, Rotary Distrito 4420, Santa Casa de Marília, Santander, São Paulo Chamber of Commerce, Seção de Imprensa e Diplomacia Pública da Embaixada da China no Brasil, Sergio Salgado de Oliveira, SescSP, Tâmara Scala, Torre Forte, T&C Printing Solutions, Vicente Limongi Netto, Walber Gonçalves de Souza, Wilson Marinho da Cruz e Zelo.

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br


LAVANDO ROUPA

A mídia está criticando as fotos em que Bolsonaro aparece lavando roupa. Para quem tem formação militar, a foto é normal. Aliás, deveria ser normal para todos, sem distinção, saber lavar e passar. Já dizia minha avó, o saber não ocupa lugar. Quem sabe o preconceito não estaria tão em evidência. A patrulha é tão grande que incomoda, uma simples tarefa caseira. Mas a patrulha não se incomodou quando Lula, com sua quadrilha, lavou e esbanjou dinheiro que era meu, seu, de todos. O dinheiro foi embora, sabe-se lá para quais paraísos, poucos foram punidos e o povo desempregado continua amargando a crise deixada pela Orcrim. Mas sobre esse assunto, a patrulha continuou calada. Melhor lavar roupa suja do que cumprir pena por lavagem de dinheiro. Vamos torcer para que o Brasil mude, pois o benefício será de todos.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

A CEIA DE LULA

Nem uma cesta básica para alegrar o Natal do presidiário?

Robert Haller robelisa1@terra.com.br

São Paulo

*

MENU

No cardápio, a ausência de assados, muito embora o ministro tenha colocado uma capivara no forno...

A. Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

PAPAI NOEL

Que o Papai Noel nos devolva tudo que o sapo barbudo nos tomou

Cecilia Centurion www.ceciliacenturion.com.br

São Paulo

*

AMARGO FIM DE ANO

Lula e sua quadrilha fizeram de tudo para estragar as nossas festas de fim de ano, na última década. Desejamos um longo período de reclusão para toda essa gangue, que tirou os nossos empregos e tentou levar embora a nossa esperança. Vamos ficar atentos e cobrar resultados positivos dessa nova equipe de governo. Vamos reconstruir o Brasil que essa corja saqueou. Vamos tirar de nossas bocas esse gosto amargo de grandes perdas.

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

*

TUDO GENTE FINA

Mais um boa notícia para o PT: João de Deus foi filiado por mais de 20 anos ao partido. Mais um belo exemplo de ética, cidadania, honestidade – e, claro, levar vantagem...

Zureia Baruch Jr, zureiabaruchjr@bol.com.br

São Paulo

*

DEVIL'S JOHN

Agora está tudo explicado. O médium de Abadiânia é filiado ao PT há mais de 20 anos. Isso explica tudo o que surgiu a seu respeito, como as 27 propriedades, garimpo, pedras preciosas guardadas, dinheiro escondido, R$ 4 milhões da Lei Rouanet para um filma a seu respeito. Cadeia, rápido.

Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

INDULTO

Ainda bem, sábio é aquele que aprende.

Moises Goldstein mg2448@icloud.comSão Paulo

*

FELIZ ANO NOVO!

Por que será que uma parte da mídia procura relacionar a ditadura militar de 50 anos atrás, subliminarmente, com o atual governo eleito? São outros tempos, outros militares e vivemos uma plena democracia, além de uma clara disposição de devolver aos brasileiros o perdido orgulho do País. Se conseguirem que todos tenham as mesmas oportunidades já terá válido a pena.

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

‘BOMBAS NAS CONTAS DE 2019’

Primoroso o Editorial de 24/12 "Bombas nas contas de 2019". A irresponsabilidade dos políticos e de membros do STF de escassa moral e de baixíssima ética, estão a levar este triste País à falência econômica. As pessoas de bem, que são muitas na Nação, são reféns da súcia de malfeitores desclassificados que governam o Brasil. Esperamos que os novos tempos de 2019 corrijam as graves irregularidades e desvios que envergonham a Nação.

Mário Rubens Costa costamar31@terra.com.br

Campinas

*

CONTAS DE CUSTEIO

Trata-se de um sintoma saudável que nas vésperas do início do novo governo as despesas sejam discutidas em público. O cidadão contribuinte tem o direito de conhecer a situação de forma mais completa e detalhada. E deverá também ter condições de acompanhar um processo de racionalização através de relatórios periódicos. Os números devem ser apresentados no contexto do Orçamento. Não deve surpreender que uma redução das despesas de custeio na ordem de 25% será realizável num prazo curto de meio a um ano. Os recursos economizados serviriam para o investimento em projetos com ocupação de mão de obra pobre e pouco educada, então alavancando a economia através do aumento do consumo.

Harald Hellmuth hhellmuth@uol.com.br

São Paulo

*

PENÚRIA X ESBÓRNIA

Inacreditável, mas no mesmo dia (18 de dezembro) tomo conhecimento da situação de prefeituras, câmaras e entidades filantrópicas. Prefeituras em estado falimentar, deixando de pagar fornecedores e funcionários, cortando despesas que a racionalidade não poderia prever. Exemplo da minha cidade: cortar o repasse que é feito para a Apae de R$108.900 pra R$ 54.450, isto para uma entidade de suma importância e que há muito vem capengando. Hospitais, Santas Casas e muitas outras entidades de assistência vivendo numa penúria, porque governo federal, estadual e municipal não reajustam as subvenções faz muito tempo. Agora vem o mar de rosas: As malditas câmaras de vereadores nadando em dinheiro. Esbanjam muito e mesmo assim é comum no final de cada exercício sobrar dinheiro. As notícias são revoltantes e acredito que já teria corrido muito sangue, se nossa índole fosse diferente. Outro exemplo da minha cidade: Eram 11 vereadores, mas ficaria dentro dos parâmetros legais se fosse reduzido para 9. Os nada nobres vereadores elevaram para 15. Esse cenário é uma realidade para todo o Brasil.

Sérgio Barbosa sergiobarbosa19@gmail.com

Batatais

*

RAPOSA-SERRA DO SOL

O futuro presidente Jair Bolsonaro, ao declarar que analisará a situação da Terra indígena Raposa do Sol, demonstra que está atento aos problemas do Brasil criados por ex-presidentes. A demarcação da referida reserva foi uma aberração. Como no Brasil toda decisão que só traz prejuízos ao País sempre vem à lembrança que deve haver muita corrupção alicerçando as decisões. A revogação desse tratado é necessária, para o bem do Brasil e do Estado de Roraima. Os índios poderão ser beneficiados de outra forma, sem impor tão pesado ônus ao País.. Portanto, aquela decisão da criação da reserva não só deve ser cancelada, como investigada.

Edson Baptista de Souza baptistaedson384@gmail.com

São Paulo

*

O BRASIL NÃO PRECISA DE IMIGRANTES

Aloysio Nunes, atual chanceler, afirma que “não somos poderosos a ponto de chutar o balde”, ao criticar posturas do presidente eleito Jair Bolsonaro sobre embaixada em Israel e “controle de imigrações”. A velha esquerda continua boazinha com o chapéu alheio, porque com uma imigração sem controle os maiores prejudicados seriam os brasileiros desempregados, porque um imigrante aceita qualquer trabalho para se fixar no país e sabemos que muitos empresários correm atrás de “facilidades e controle de custos”. Será que o exemplo de imigração desenfreada adotada pelos países ricos não serviu de exemplo? Basta olhar o que passam a França, a Alemanha, a Itália, etc., que se aproveitaram da riqueza das suas colônias e hoje pagam o custo. A abrir as portas para uma imigração desenfreada, estaremos apenas ajudando esses países ricos a resolverem o “problema criado pela bondade deles”. Não estamos em condições de pensar em estrangeiros pobres, já temos nossa própria cota para ajudar.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

CONFIANÇA

Um belo dia resolvi comprar um carro. Só que não estávamos no Brasil. Estávamos morando em Londres. Procurei na Internet e achei um. O dono morava há cinquenta metros do Estádio de Wembley. Liguei para o vendedor e perguntei como fazer. “Pode vir buscar o carro. Basta trazer o dinheiro”, disse-me ele. O preço era aproximadamente quatro mil e quinhentas libras, um bom dinheiro em se tratando da UK. Meio desconfiado, saquei o dinheiro e fomos. O rapaz abriu a porta da casa com a chave do carro na mão e nos mandou dar uma volta. “Não quer ir junto?”. “Não, podem ir.” Foi o primeiro sinal de confiança. Para fechar o negócio ele pegou um pedaço de papel e simplesmente anotou meu nome e endereço. Disse que os documentos chegariam em casa em uma semana. Segundo sinal de confiança. Ai pegou o dinheiro e, sem olhar, colocou sobre a mesa. “Não é melhor conferir?”, sugeri. “Mas o senhor já conferiu e disse que está correto!”, exclamou ele como que meio indignado. Fiquei pasmo. Foi o terceiro sinal. Saímos com o carro, eu apanhando, pois era a primeira vez que dirigia com o volante do lado direito e seguindo pela mão esquerda. Dora quase morreu de susto. Uma semana depois chegavam em casa os documentos atualizados pelo “Detran” de lá. Aprendi que a confiança que o Estado deposita no cidadão é transmitida para a população. Em países avançados você não precisa “provar” nada. Basta falar. Mas, ai de você se mentir. Essa é a diferença. Assim, se você se envolver num acidente de trânsito, o guarda simplesmente pergunta se você tem carta de habilitação. A resposta afirmativa é suficiente. Você só irá mostrá-la ao se apresentar na delegacia ou fórum dias depois. Já no Brasil e em outros países subdesenvolvidos, a desconfiança do Estado em relação ao indivíduo é a mola propulsora da burocracia e da corrupção. Aqui não basta você falar, nem declarar, nem assinar. Tem de reconhecer a firma. Quer dizer, você é culpado até prova em contrário. Fiscais em todas as áreas atazanam empresários, não com o objetivo de melhorar os serviços, mas de extraírem propinas. Todo este artigo é baseado numa recente declaração da futura Ministra da Agricultura, Tereza Cristina, que afirmou querer dispensar a Inspeção Sanitária dos frigoríficos e afins por fiscais do governo, deixando essa fiscalização a cargo dos próprios estabelecimentos. Vi amigos aqui reclamarem dessa ideia. Pois eu a aplaudo veementemente. É o princípio de uma nova era, onde a Confiança, a famosa Presunção de Inocência, será a chave do relacionamento cidadão/ cidadão ou Estado/cidadão. Mas, um aviso importante: para que essa regra civilizada funcione, é preciso acabar de vez com a impunidade. No caso em foco, os próprios frigoríficos se autofiscalizarão. E, de vez em quando, fiscais do governo ou de agências internacionais, ou mesmo dos próprios importadores, verificarão se está tudo ok. Se não estiver, as penalidades deverão ser duras, muito duras, fazendo com que o cidadão e as empresas aprendam que confiança é uma estrada de duas mãos. E é com providências simples assim que se diminui o tamanho de um Estado paquidérmico, que tudo quer controlar. Deixemos o controle das coisas para os próprios interessados, que arcarão com as consequências se mentirem ou falharem com sua responsabilidade. Isso é Confiança. Isso é inteligência! PS: Londrinos não seguem regras porque são “educados”. É porque a fiscalização e as penas são duras e não falham. Estava um dia num bairro meio distante e não tinha moeda para o parquímetro. Dezenas de vagas. Perguntei a uma residente se haveria problema em parar, pois não vi nenhum guarda. “Aqui não tem guarda, tem câmera. É parar e receber a multa em uma semana”. Como não consegui uma moeda, fiz o teste. Bingo!

Percy de Mello Castanho Jr. percy@clubedoscompositores.com.br

Santos

*

MATADOUROS

Matéria de capa do Estadão: “Futura ministra quer acabar com a inspeção diária obrigatória em frigoríficos”. Por favor, senhora , antes de ser empossada, consulte a Lei Federal 5.517/68, que torna obrigatória a presença do responsável técnico(médico veterinário) em todas as atividades em que estejam envolvidos animais. A lei, em seu artigo 5.º, incisos de a a j, é a maior defesa do nosso agronegócio em questões da pecuária. Já chega de agricultor e fazendeiro falarem mal da melhor e mais eficaz vacina contra a febre aftosa do mundo. Já chega de rodeios e vaquejadas com bois itinerantes sem responsável técnico. Temos os 26 (tirando o da J&S) melhores e mais seguros matadouros para carne de exportação. Vamos pôr os pontos nos is e acabar com esses 14 anos de de desgoverno de uma vez. Vamos acabar com vaquejada que disseminam mormo para cavalos e aftosa e possível doença da vaca louca. Vamos incentivar as 1.800 fazendas produtoras de carne rastreada com o prêmio de seguro rural. Agilizado. A lei aprovada no Senado Federal de autoria do senador Jarbas Passarinho (1968) aumentou de imediato centenas de milhares de emprego com carteira assinada. É lei federal e não pode, como no governo petista, ser ignorada ou não respeitada. Cito novamente a metáfora hermética de Kubric: “A arma de fogo dispara apenas a bala, quem mata é quem puxa o gatilho”. É isso aí.

Flavio Prada, professor titular USP, aposentado, médico veterinário CRMV SP 0526

São Paulo

*

ATENTADO A BOLSONARO

A campanha Bolsonaro teve como principal alvo o crime e a defesa das polícias. Ora, quem mais que o PCC pode ter pago ao “voluntário", bem como a seus advogados?

Jorge Eduardo Gonella Zambra jorgegonella@hotmail.com

São Paulo

*

BARRADOS NO BAILE

Os ditadores da Venezuela, Nicolás Maduro, de Cuba, Miguel Díaz-Canel, e agora também o da Nicarágua, Daniel Ortega, foram "barrados no baile" para a posse do presidente Jair Bolsonaro, em 1.º de janeiro de 2019. Por desrespeitarem as liberdades individuais e os direitos básicos de seus povos, estão impedidos de entrar no nosso País. Além disso, a trinca tem medo de ficar enjaulada na cela da Polícia Federal, juntamente com seu padrinho "mão aberta" e presidiário Lula da Silva - que abriu as burras aos amigos da tigrada petista. A entrada deles está proibida até mesmo para quitar suas dívidas junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Fora, ditadores caloteiros irresponsáveis!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

CALOTE CUBANO

O governo cubano está, desde junho, com as parcelas do “financiamento” do BNDES para a construção do porto de Mariel atrasadas. Como esse empréstimo foi uma das bondades “paitrocinadas” pelo inominável a seu ídolo sanguinário, sugiro que a indenização seja cobrada não da União, como pretende o banco, mas sim do responsável pela benesse, aquele inquilino da PF de Curitiba, e da criatura que lhe sucedeu. Sugiro ainda a deportação dos dois para aquele país, tendo em vista a admiração pelo regime e pelo fato de, criminosamente, terem criado empregos lá, deixando 13 milhões de desempregados aqui, no Brasil.

Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

*

SUPREMO DELÍRIO

Os 11 capas-pretas saíram direto de "O Processo" de Kafka para "Muito Barulho para Nada", de Shakespeare. Absurdo kafkiano mesclado com tragicomédia bufa à brasileira.

Paulo Sergio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

TEMOS 11 STFs

Palmas para o ex-ministro Delfim Netto que em entrevista ao Canal Livre (Bandeirantes), disse que temos 11 Supremos Tribunais Federais, pois os 11 ministros fazem o que querem, monocraticamente, levando o País não só à insegurança jurídica, como a motivos de chacota no exterior.

Lucilia Costa pirajuense@hotmail.com

São Paulo

*

CAOS JURÍDICO

Quem assiste a uma sessão do Supremo Tribunal Federal normalmente verifica que o país tem 11 Constituições diferentes, 11 Códigos de Processo Civil e Penal e 11 visões doutrinárias do Direito. Agora Marco Aurélio Mello nos mostrou que um ministro, monocraticamente, tem poder para revogar uma decisão do pleno do STF. Quando a mais alta Corte sinaliza que ministros com voto vencido estão desobrigados de seguir uma decisão do colegiado, temos um caos jurídico. Abençoado por Deus, o País verifica que possui 11 Supremos em atividade

José Tadeu Gobbi tadgobbi@uol.com.br

São Paulo

*

BAFÔMETRO

O articulista José Nêumanne tem razão quando diz que ministros do STF têm de passar pelo teste do bafômetro. Certas decisões monocráticas só podem ser justificadas por alto grau etílico.

J. A. Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

LAVA JATO

Porque nenhum juiz ainda foi apanhado pela Lava Jato?

Orivaldo Tenorio de Vasconcelos professortenorio@uol.com.br

Monte Alto

*

LONGEVIDADE

O artigo “Reflexões sobre a longevidade”, do dr. Silvano Raia, publicado no Estadão de 24/12 (A2), é uma preciosidade. Aborda com rara competência as múltiplas interações geradas pela longevidade. É leitura obrigatória para jovens, adultos e idosos.

José Sebastião de Paiva jpaiva1@terra.com.br

São Paulo

*

PLANEJAMENTO

A graça da longevidade é que tem de ser boa, até quando o longevo possa ser respeitado como pessoa lúcida , ser independente e, principalmente, não ser um dependente funcional. A dependência causa transtornos. A longevidade será boa se houver planejamento adequado, em todos os sentidos, principalmente com um bom planejamento financeiro.

Arcângelo Sforcin Filho arcangelosforcin@gmail.com

São Paulo

*

‘EQUÍVOCOS FREQUENTES’

Há muito tempo, tanto que perdi a conta, ouvimos dizer que um dos problemas do sistema educacional brasileiro são as autoridades perdendo tempo e recursos em coisas que ao final não geram crescimento e desenvolvimento para o aprendizado. Tempo em que deixam de somar esforço nas ações que realmente deveriam importar. Governantes torram milhões em licitações para a compra de equipamentos de informática, prédios, merendas e salários dos professores. Pouco se investe em coisas importantes como – formação dos quadros de professores e direção, discussão e modernização das práticas de sala de aula, dever de casa, avaliação, qualidade dos livros didáticos e dos materiais de apoio, currículo e o envolvimento com os resultados, pontos que costumam ser deixados de lado. Segundo Gustavo Ioschpe: “A quantidade de estudos seria suficientes para fazer um túnel de papel daqui à Lua”, mostrando as duas situações acima elencadas. Nas ruas, os brasileiros comuns pensam que os problemas da Educação no Brasil se resumem a recursos financeiros, ledo e cruel engano. Primeiro porque recursos existem, o grande desafio é fazê-lo chegar ao seu destino intacto. A corrupção no Brasil tem tentáculos em diversos escalões, estando presente em praticamente todos os lugares onde haja dinheiro e processos licitatórios. Sabemos que a corrupção tem várias formas de atuação, podendo ocorrer na licitação, na forma de propinas, no desvio de verbas, etc. O Brasil precisa antes de qualquer coisa, ser estudado com profundidade, reformulado e redescoberto para poder do zero recomeçar. Se o processo passar incólume pelo veio da corrupção, precisará ainda ultrapassar a barreira dos burocratas, dos incompetentes e dos intelectuais de plantão. Estes atuam em projetos que acabam desvirtuando o processo educacional, confundindo a sociedade e muitas vezes atraindo o ódio da mídia, dos pais e principalmente dos professores. Para poder começar uma revolução na Educação é preciso prender os corruptos e afastar os demagogos usando a ferramenta universal da transparência, enquanto os incompetentes você reeduca. Ainda sobram os tecnocratas que lutam por programas quantitativos baseados apenas na ideologia. Para estes, é necessários implantar uma agenda maximalista. Não adianta encher o currículo escolar de matérias como se a simples inclusão destas fosse dar a qualidade necessária em sala de aula idêntica as que os alunos do ensino privado e dos países de primeiro mundo possuem. É mais do que importante que a sociedade questione: Nossas escolas conseguem dar conta de tanta inserção, tantas temáticas transversais? Óbvio que não, definitivamente não conseguem, bastando pesquisar e perceber que nossos alunos estão abaixo da média em Matemática e Língua Portuguesa.

Rafael Moia Filho falandoummonte.blogspot.com.br

Bauru

*

PREVIDÊNCIA MILITAR

Alguns itens poderiam mudar na previdência militar, sem prejuízos para o pessoal. O primeiro item seria acabar com os limites de idade para permanência na ativa, por posto ou graduação, quando um militar pode passar à reserva remunerada com proventos integrais e sem sequer os 30 anos de serviço – beneficia quem entrou tardiamente nas Forças e nem passou pelas escolas militares. E ainda há a cota compulsória voluntária, quando oficiais podem voluntariamente concorrer a situação anterior, aos 25 anos de serviço. Cadetes e alunos podem contribuir para pensão e fundo de saúde, lembrando que todos os militares contribuem até a morte e sobre o total dos proventos. Na área da saúde, além do desconto mensal, militares e pensionistas indenizam 20% das despesas feitas. As Polícias Militares têm de se enquadrar da mesma forma. Todavia é preciso esclarecer que o teto remuneratório dos militares é inferior ao teto de várias categorias de servidores civis. Um general de Exército percebe brutos R$ 22 mil, enquanto delegados da PF, fiscais diversos e auditores podem chegar a R$ 29 mil. Há prefeituras, como a do Rio de Janeiro, que não efetuam descontos previdenciários de seus inativos e pensionistas. Todos os militares, à exceção de cadetes e alunos, descontam sobre o total da remuneração, até a morte, 7,5% ou 9% sob o título Pensão Militar e, no mínimo, 3,5% para o fundo de saúde (além de indenizar 20% das despesas). Portanto, já chega aos 11% e às vezes ultrapassa.

Heitor Vianna P. Filho lagos@araruama.com.br

Araruama (RJ)

*

PREVIDÊNCIA PAULISTANA

Todas as prefeituras, mais cedo ou mais tarde, terão de enviar propostas aos seus respectivos legislativos no sentido de modificar o sistema previdenciário. Além disso, os governos estaduais terão de fazer o mesmo, caso contrário, a máquina pública vai quebrar. Mas, registra-se, é indispensável acabar com a mordomia de todos os políticos. Eles, ao contrário dos servidores, prestam mais um desserviço do que qualquer outra coisa. O tumulto ocorrido na noite de sexta-feira 21/12 é comum e faz parte do jogo democrático. Os servidores têm todo o direito de manifestar e expor sua insatisfação quanto às propostas, desde que apresentem alguma alternativa viável para custear as aposentadorias. A conta precisa fechar, não há o que questionar. Registra-se, contudo, que a população e o funcionalismo não podem pagar a conta sozinhos.

Willian Martins martins.willian@globo.com

Guararema

*

CRIANÇAS VENDENDO BALAS

Crianças pequenas voltaram a venda de balas na esquina da av. 9 de Julho com av. Brasil, uma situação absolutamente vergonhosa que não tem fim. A primeira vez que vi a menina, que deve ter uns 5 anos, ela ainda era bebe e era carregada nas costas do pai enquanto este distribuía os saquinhos pelos espelhos dos carros parados. A carta enviada ao Fórum do Leitor do Estadão (que está nesta mensagem) surtiu efeito por uns dias, mas a situação voltou ao que era em poucos dias. Nenhuma situação justifica a venda de balinhas por crianças, pré-adolescentes e adolescentes nas esquinas. As crianças fazem a distribuição dos saquinhos de balas (provavelmente industrializados) descalços no asfalto tórrido para causar dó nos motoristas, o que já vi várias vezes. Os tênis ficam escondidos em alguma moita e são vestidos quando voltam para casa. Exaustos caminham lentamente entre os carros para recolher os saquinhos de balas (provavelmente industrializados), o que deixa o trânsito mais lento ainda, o que gera imensas perdas econômicas para toda cidade. Tudo indica que há toda uma indústria por trás deste trabalho infantil, o que constitui crime. Ademais, repito o que já escrevi: quando alguém atropelar uma das crianças, de tão pequenas invisíveis dependendo do tipo de veículo, de quem será a responsabilidade criminal? Provavelmente a responsabilidade recairá sobre o motorista ou motociclista. É de uma desonestidade social sem tamanho.

Arturo Condomi Alcorta arturoalcorta@uol.com

São Paulo

¨*

ESPÍRITO DE NATAL

Enquanto a árvore de Natal simboliza o consumismo, o presépio destaca a caridade e a simplicidade. O papa Francisco lamentou a diferença entre ricos e pobres. Pediu pela singeleza e pela vida sem o acúmulo de bens e ostentação. As festas de fim de ano mais parecem festas profanas do que a constrição religiosa que enaltece o silêncio e a reflexão espiritual. Lamento que grande parte da população só se interesse por banquetes e presentes e se esqueça do principal motivo da celebração do Natal.

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.