Fórum dos Leitores

Cartas selecionadas para a edição impressa e portal estadao.com.br

Notas e Informações, O Estado de S.Paulo

02 Janeiro 2019 | 03h00

CONGRESSO NACIONAL

Câmara perdulária

Câmara gastou R$ 8 milhões com saúde de deputados (Estado, 30/12/2018, A4). Custa-me crer que a Câmara dos Deputados, dispondo de um departamento com 70 médicos de 17 especialidades, tenha ressarcido em 2018 despesas de 203 deputados com hospitais e clínicas particulares. Alguns municípios não têm essa receita na rubrica saúde. Sem entrar no mérito da necessidade, só a um deputado foram pagos R$ 3,2 milhões em despesas médicas. Quaisquer que sejam as justificativas, o Brasil da Praça dos Três Poderes não é o mesmo dos desassistidos pacientes desempregados, que agonizam pelos corredores e filas dos hospitais públicos por falta de médicos, leitos, remédios e insumos básicos. O Brasil tem de mudar!

MARIA NAZARETH DE C. PEREIRA

nazinhacp@yahoo.com.br

Rio de Janeiro

Eles querem mais

Afora as benesses já usufruídas pelos deputados federais – salário de R$ 33.763,00; auxílio-moradia de R$ 4.253,00; verba de R$ 106.866,59 para admissão de até 25 secretários; cota para o exercício da atividade, variável de R$ 30.788,00 a R$ 45.612,00; ajuda de custo equivalente ao valor mensal da remuneração no início e no fim do mandato; cota gráfica; e ressarcimento de despesas com saúde –, os deputados querem, agora, aumento salarial equivalente ao aumento recentemente concedido aos ministros do Supremo Tribunal Federal (Estadão, 30/12/2018, A4)! Os salários dos ministros do Supremo não deveriam ser parâmetro. E, quanto à assistência médica, esta deveria ser realizada no Sistema Único de Saúde (SUS). É uma vergonha o povo sem assistência médica e uns poucos deputados gastando só em 2018 R$ 8 milhões em reembolsos de serviços de saúde.

JOSÉ LUIZ ABRAÇOS

octopus1@uol.com.br 

São Paulo

Esta corrida por aumentos salariais de A ou B deveria ser de uma vez por todas resolvida assim: que seja estabelecida uma relação direta entre o aumento de todos os salários de todas as categorias e o aumento do salário mínimo, sem nenhum penduricalho. Não acumulável e com nenhum outro direito. Assim, o mesmo reajuste do mínimo seria igual para todos, enquanto houver grana, é claro.

ERIALDO GAZOLA DA COSTA 

erialdogazola@gmail.com

São Paulo

Desprezo

O ex-presidente Temer aconselhou Jair Bolsonaro a não desprezar o Congresso Nacional. Melhor teria feito Temer se aconselhasse o Congresso a não continuar agindo de forma a ser desprezado pela cidadania.

MÁRIO RUBENS COSTA

costamar31@terra.com.br

Campinas 

Anseios

O artigo Despertar da cidadania no condomínio Brasil (29/12/2018, A2), de Murillo de Aragão, expressou com todo vigor o maior anseio da população: ver seu país tornar-se moderno de fato, maximizando todo o seu potencial humano e de riquezas naturais. Se conseguirmos eliminar os ranços do corporativismo, os privilégios incomensuráveis e diminuir o peso do Estado, com certeza deixaremos aos nossos filhos e netos um país muito melhor e mais justo a partir deste novo governo.

ROBERTO BERKES

robertoberkes@terra.com.br

São Paulo

INOVAÇÃO

Mal servidos

A experiência que tive com o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi) é um exemplo exato do que descreveu o editorial Obstáculo à inovação (Estado, 29/12/2018, A3). Em 2004 depositei o pedido de patente de um sistema digital que permite ao consumidor conferir a autenticidade do produto que pretende comprar antes de pagar por ele, de maneira rápida e offline, isto é, sem depender de sinal de celular ou conexão com internet – uma consideração importante na época. Mas, como bem disse o editorial, considerando que em tecnologia da informação o que é de ponta hoje fica obsoleto em três ou quatro anos, os 12 anos que o Inpi levou até se manifestar sobre meu pedido foram um triste retrato de como nós, brasileiros, estamos mal servidos em proteção da propriedade intelectual. Mais triste foi constatar que, após o Inpi emitir parecer favorável à concessão da patente no exame preliminar, em 2007, passaram-se nove anos, até que outro examinador rejeitou a concessão argumentando que existia uma patente inglesa, anterior, da qual minha invenção “decorre evidentemente”. Ao ler o texto da dita patente, constatei que nada tinha que ver com o sistema que descrevi. Foi triste e constrangedor escrever uma contestação explicando algo simples a quem supostamente deveria ser uma autoridade técnica. Passados alguns meses, o examinador emitiu parecer definitivo, rejeitando a concessão de patente, desta vez sem justificativa. Daí o indício de que possivelmente o Inpi – movido pelo objetivo mencionado no editorial, de reduzir o estoque de pedidos de propriedade industrial à espera de decisão – esteja distribuindo a análise dos pedidos a examinadores não suficientemente capacitados para cada área. Espero que não.

ISAAC LÉO BAIN

leobain@terra.com.br

São Paulo

Fui sócio de uma pequena empresa de software. Em 2000, entramos com um pedido de registro de propriedade intelectual no Inpi. Vendi minha participação na empresa em 2008 sem ter conhecido o final do processo. Uma pouca-vergonha.

MARCELO MELGAÇO

melgacocosta@gmail.com

Goiânia

INTERNET

‘País conectado’

O editorial País conectado (Estado, 30/12/2018, A3) abordou com propriedade a questão da exclusão de muitos do acesso à internet, mas deixou de lado a questão custo. Em se tratando de conexão fixa, residencial, as opções se restringem a três operadoras, todas com preços abusivos e semelhantes, oferecidos em promoções ardilosas, geralmente em combos que impunemente configuram venda casada, com preços mais baixos só nos primeiros meses. Mas a internet móvel se tornou mais acessível e é raro ver nas ruas alguém sem celular. Aliás, não ter telefone com internet móvel significa, sem exagero, certa limitação da cidadania das pessoas, que deixam de poder usar as zonas azuis e uma gama de outros serviços. Praticamente já não há telefones públicos nas ruas, o que significa a impossibilidade de acionar serviços de emergência numa rua ou local desertos. Por isso, cabe ao governo estimular a concorrência e reduzir ou até zerar os impostos incidentes sobre o serviço móvel e sobre a compra de aparelhos, já que estes se tornaram bens e serviços de primeiríssima necessidade.

LUIZ MARIO LEITÃO DA CUNHA

luizmleitao@gmail.com

São Paulo  

PRESSÁGIOS


Ao final de cada ano, reaparecem astrólogos, numerólogos, cartomantes, babalorixás e outros adivinhos que tentam acertar o que o futuro reserva para o novo ano. Na passagem de 2018 para 2019, faço concorrência a eles, sem uso de baralhos, runas, bola de cristal ou qualquer outro aparelho de adivinhação e sem curso preparatório. Vamos lá: enchentes e desmoronamentos no Rio e em São Paulo, incêndios, quedas de edifícios e viadutos continuarão a ocorrer; no exterior, erupções vulcânicas e maremotos atingirão a Indonésia e adjacências e furacões os Estados Unidos. Na política, dois "novatos" tentarão ser presidentes da Câmara e do Senado, Rodrigo Maia e Renan Calheiros, Gleisi e Aécio não serão importunados pela justiça e, o agora ex-presidente Temer fará promessas para oxalá e a tudo quanto é santo para não ser preso. Por outro lado, Lula, presidiário, na esperança da liberdade, ora ao Padinho Ciço, que um de seus infindáveis HCs, seja julgado pela segunda turma do STF.  O ministro da Justiça, Sérgio Moro, mandará prender e o Supremo continuará com o famigerado, solta ou solta.  Além-fronteiras, Árabes e Judeus continuarão a se estranhar, refugiados continuarão a desembarcar na Europa, o Trump's Wall, não sairá do alicerce e Maduro, mesmo quase apodrecendo não cairá do poder. No esporte, Neymar será convocado para a Copa América, aparecerá com um novo corte de cabelo e continuará "caindo e caindo", de amores por Bruna Marquezine. Para tristeza dos palmeirenses, o verdão vai continuar sem título mundial. Acredito que vou dar um baile nos profissionais da adivinhação.


Sérgio Dafré sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí


*

FRESTAS MALIGNAS


Enfim, aconteceu! Encabeçada pelo deputado festeiro Fábio Ramalho (MDB-MG), conhecido como Fabinho Liderança, autointitulado "o amigo de todos", em campanha à presidência da Câmara, "deputados querem reajuste automático ao do Supremo" (30/12/18, A4). Inspirados no saudoso personagem Justo Veríssimo, doidivanos e desregrados parlamentares continuam a gritar: "Eu quero que o povo se exploda!" Dentre tantas, a leviandade e insolência são endêmicas no Congresso. Segundo o padre Marcelo Rossi: "Jesus entra pelas portas que nós abrimos, o inimigo entra pelas frestas que nós não fechamos". Em nome da sociedade, que os congressistas comprometidos efetivamente com os interesses da Nação fechem essas malignas frestas! Feliz 2019, Brasil! Eu acredito...


Celso David de Oliveira david.celso@gmail.com

Rio de Janeiro


*

ABSURDO


"Deputados querem reajuste automático igual ao do Supremo" publicado no Estadão em 30/12/2018. Um dos mais absurdos privilégios do alto funcionalismo dos Três Poderes é a indexação dos salários aos vencimentos dos ministros do Supremo. Enquanto não se acabar com isto, o estado sempre será inviável. Atualmente ele está falido, gasta mais do que arrecada, presta péssimos serviços ao povo e já arrecada 1/3 do PIB em tributos.    

                   

Ulf Hermann Mondl hermannxx@yahoo.com.br

São José (SC)


*

DESQUALIFICADOS


Como a gente poderia classificar está notícia: "deputados querem reajuste automático ao do supremo"? Algumas das justificativas: "há colegas que não dependem do salário, mas outros dependem e passam necessidade ... é preciso dar ao parlamentar  uma melhor qualidade de vida.... é melhor o parlamentar ser bem remunerado porque você pode cobrar dele a lisura...." Quem é esse defensor dos pobres coleguinhas? Um tal de Fábio Ramalho (MDB-MG), mais conhecido pelos íntimos como Fabinho, atual vice presidente da Câmara e candidato à presidência da casa no próximo período. As palavras para a qualificação dessa proposta e também do indivíduo são impublicáveis, portanto deixo por conta dos pagantes da esbórnia, como eu, a resposta para mais essa afronta!


Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul


*

SONHO DE UMA NOITE DE ANO NOVO


Depois que os ministros do STF conseguiram elevar seus salários em 16,38% - de R$33,7 mil para R$39,3 mil -, os candidatos à presidência da Câmara dos Deputados defendem a equiparação automática dos vencimentos nos três poderes e exigem que o Salário Mínimo em todo o país seja, imediatamente, reajustado pelos mesmos 16,38%. 


Flavio Bassi flavio-bassi@uol.com.br

São Paulo


*

GANHA POUCO? TROQUE DE EMPREGO


O deputado Fábio Ramalho (mdb MG)  declarou que há  colegas que passam necessidades com o salário  atual e pede o mesmo aumento que tiveram os membros do STF. Sugiro  que façam o mesmo que os da iniciativa privada: ganha pouco, pede demissão e vai procurar outro emprego. Mas não achou que os do salário mínimo, que ganham 34 vezes menos,  passam necessidades. 


Mário A. Dente eticototal@gmail.com

São Paulo

  

*

ORGIA COM RECURSOS DO POVO


Poucos sabem que a Câmara Federal, esnoba mantendo 70 médicos, de 17 especialidades diferentes, para atender 513 deputados. E a eterna orgia com recursos do povo prossegue, quando informados pelo Estadão, sabemos que 203 deputados federais, ou 40% do total da Casa, tiveram em 2018, reembolso médico de R$ 8 milhões, ou bem mais do que gasta anualmente com saúde centenas de pequenos municípios do País. O excrescente é que esse reembolso não tem limites... Como do que ocorreu com somente quatro deputados que receberam R$ 5,3 milhões, ou 66% dos R$ 8 milhões.  Esse é mais um dos múltiplos exemplos de privilégios a disposição de uma casta de servidores públicos que afrontam a nossa sociedade!  


Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos


*

A SAÚDE DOS DEPUTADOS


Considerando-se a má reputação construída por nossos políticos nos últimos 20/30 anos, só vou acreditar que o deputado federal Sabino Castelo Branco gastou R$ 3,2 milhões com despesas de saúde, se o mesmo apresentar as notas fiscais correspondentes, tendo ainda que serem submetidas à uma junta imparcial para checar se não há notas frias. Desculpe, mas esta dúvida advém somente pela costumeira postura de tantos e tantos picaretas políticos.


Luiz Roberto Savoldelli savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo


*

'ENXUGANDO GELO'


O artigo do advogado Modesto Carvalhosa, Enxugando Gelo, não poderia ser mais esclarecedor, objetivo e cristalino ao demonstrar o custo econômico imoral e proibitivo decorrente do regime de estabilidade concedido constitucionalmente aos 12,5 milhões de servidores públicos brasileiros. Faltou apenas acrescentar - e o jurista talvez não o tenha feito por delicadeza - a velha e conhecida indolência pela qual o funcionário público sempre foi, e continua sendo, conhecido, quase como um estigma. É evidente que tal indolência é consequência direta da estabilidade permitida pelo cargo, fazendo com que o servidor não se sinta minimamente ameaçado, o que gera, por sua vez, uma qualidade de serviço que, no mínimo, deixa muito a desejar. Será preciso sim,  como assinala o professor Carvalhosa, coragem do governo federal e do Congresso para resolver esse problema. Que, na verdade, é bem mais que um problema, é uma doença crônica. 


Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo


*

BOIS DE PIRANHA


A imprensa e os maus intencionados elegeram o funcionário público como os" bodes expiatórios" de um sistema administrativo brasileiro falido. Juízes, promotores, agentes políticos e políticos sugam os recursos públicos. Aquele idiota que presta concurso e lhes atende nos balcões da vida, escolas e delegacias e vive as mazelas (veja se consegue fazer um BO em delegacias de SP) dos governantes malditos dessa terra, ganham mal, aposentam com perdas salariais e sem FGTS. Este é colocado na vala comum daqueles que realmente roubam o erário público. Tenham paciência!


Edmar Augusto Monteiro eamonteiroea@hotmail.com

São Paulo


*

O BURACO É MAIS EMBAIXO


Os gastos com a Previdência representam 47% e os salários dos funcionários públicos representam 24% das despesas líquidas da União. 12,2 milhões de brasileiros estão desempregados. R$ 3,826 trilhões é o valor da dívida pública. Lula, Dilma e Temer deixaram uma bela herança para Bolsonaro. Esse é o cenário real que espera o presidente eleito Jair Bolsonaro, a partir de 1o. de janeiro de 2019. Bolsonaro e a sua equipe terão muitos problemas pela frente. A única alternativa é trabalhar com o apoio do Congresso, aprovando medidas amargas, com o objetivo de arrumar a casa, de diminuir gastos e de cortar despesas na carne.


José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte


*

ANO NOVO


Já estamos nos despedindo do ano de 2018. Há muito tempo estamos tentando consertar  os estragos   causados ao Brasil,  pelos governos petistas.  Juntar os cacos não está sendo fácil. Lula e Dilma fizeram o "diabo a quatro". Mas pode-se afirmar que o pior já passou. O risco do Brasil se tornar uma Venezuela, ficou para trás. No meu ponto de vista, a prisão de Lula, o desmascaramento do médium João de deus, que faço questão de escrever (deus),  com a inicial minúscula,    para não ofender o nosso Deus todo-poderoso e  a vitória de Jair Bolsonaro sobre o candidato Fernando Haddad, do Partido dos Trabalhadores, foram acontecimentos que fizeram muito bem ao Brasil. Me basta isto para que eu considere que 2018 foi um ano bom. Que os dois criminosos continuem presos pagando pelos seus crimes e que o presidente eleito Jair Bolsonaro, que será empossado no dia 1º de janeiro de 2019,  possa governar guiado por Deus,  para que todos nós,  filhos desta pátria mãe gentil, vivamos   dias melhores. Feliz 2019 Brasil.   


Jeovah Ferreira jeovahbf@yahoo.com.br

Taquari (DF)


*

O MESSIAS BRASILEIRO


Assim como o povo judeu esperava pelo Messias que libertaria o povo de Abraão e Jacó de um jugo que os privava da liberdade e de uma cidadania, os brasileiros passaram por um período, que poderia ser chamado de opressivo, pelo garrote aplicado nos brasileiros, tendo implantado um modelo de corrupção jamais visto na Terra. O nosso Messias, além dos problemas seríssimos, dos nós que terá de desatar, terá que fazer prevalecer o gigantismo das nossas riquezas e mudar de forma simbólica a estrofe do HIno Nacional no trecho que coloca o País, "deitado eternamente em berço esplêndido...". Bolsonaro terá a missão de "descobrir" o Brasil capaz de competir com as maiores potências do mundo. Livre dos petistas.


Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)


*

UM ANO PARA A OPOSIÇÃO ENTENDER E COLABORAR


Depois do 'marolão' de 13 anos e 8 meses, estamos precisando de 4 anos de reconstrução patriótica. Danem-se os partidos políticos, a maioria deles, senão cumprices, coniventes nessa corrida maluca rumo ao caos. Nós próximos quatro anos de caça às bruxas corruptas e de desintoxicação ideológica, as esquerdas pragmáticas ou não, deverão permanecer de molho, curtindo a ressaca desse festim diabólico do dilmolulopetismo. Boas vindas à volta da democracia.


Sergio S. de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas (MG)


*

POR ONDE ANDA?


Ao apagar das luzes de 2018, não custa perguntar: Por onde andará Zé Dirceu, condenado a quarenta anos de prisão? Com a palavra o responsável por sua liberdade, inclusive sem tornozeleira eletrônica, Dias Tofolli presidente do STF!  Será que ele já fugiu como Cesare Batistti? A conferir...


Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo


*

PROMESSA É DÍVIDA


Donald Trump, criticado e atacado, mas poupado no que se refere ao cumprimento de suas promessas de campanha. Cumpriu quase todas, com exceção da relativa ao atuial combate com o Congresso: o muro entre o México de os EUA. No Brasil, o Presidente Jair Bolsonaro está a demonstrar que cumprirá suas promessas, a começar com a posse de armas, carteira de motorista, combate à corrupção, além de muitas outras. É bom que assim seja, porque dará uma lição de ética aos políticos brasileiros, useiros e vezeiros em descumprir promessas, cometendo o irritante estelionato eleitoral!


José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro


*

'DIVINA PROVIDÊNCIA'


"A Divina Providência uniu Bolsonaro a Olavo Carvalho", sentenciou Ernesto Araújo, o Cavaleiro da Esperança Medieval, filho desta união da ignorância com o charlatanismo intelectual. Novo Chanceler do Brasil, nova piada pronta internacional!


Paulo Sergio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre


*

POSSE


Indicação de ministros, cultos  na Granja do Torto, mudança na embaixada e ameaças...Assim a bancada evangélica finalmente chega ao poder tomando posse em janeiro de 2019.


Maria Ísis M. M. Barros misismb@hotmail.com

Santa Rita do Passa Quatro 


*

RELIGIÃO E POLÍTICA


São contrastantes e importantes os dois artigos de opinião deste último dia de 2018. "Céticos, heróis e santos", de Carlos Alberto Di Franco, e "Meu reino é deste mundo", de Pedro Cavalcanti (Opinião, 31/12), mostram a dimensão do poder religioso sobre a elaboração de políticas públicas e nomeação para cargos. Ressaltam os perigos de uma teocracia nacionalista, que visa a interesses de um grupo e não de um País. Estado laico é tolerante por natureza, mas não é o que parece que se está construindo. Talvez tenhamos sido tolerantes demais, não com a liberdade religiosa, mas com a ignorância.


Adilson Roberto Gonçalves prodomoarg@gmail.com

Campinas


*

NOSSOS VERDADEIROS HERÓIS


Obrigado, Carlos Alberto, mais uma vez pela excelente análise do seu artigo "Céticos, heróis e santos", 31/12/17, A2. "... num mundo à deriva, dominado pelo culto ao prazer, a caridade genuína e límpida escandaliza." Isso também deveria nos inspirar a olharmos para nós mesmos e procurarmos ver o que nós poderíamos fazer ao nosso redor inspirados por estes santos. 


Rogério Ribeiro rogerio.ribeiro@daad-alumni.de

São Paulo


*

SERÁ O BENEDITO?


Pobre Brasil, quando parece que a coisa vai, sempre surge um contratempo para atrapalhar. A grita da vez é a briga pela mudança da embaixada em Israel, o que acaba novamente tirando o foco do principal: os graves problemas do País.


Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)


*

BRASIL-ISRAEL


Em lugar de se criticar a polêmica decisão do governo Bolsonaro de transferir a embaixada brasileira para Jerusalém,sob a alegação de que o País perderá em razão do anunciado boicote dos países árabes à milionária compra de carnes de frigoríficos nacionais,será melhor olhar com outros olhos o que o País certamente terá a ganhar em um acordo de cooperação maior com Israel.Enquanto os 22 países árabes nada mais são do que fornecedores de petróleo,a abençoada nação da Estrela de David é uma reconhecida e respeitada potência científica,agrícola,militar-nuclear,eletrônica,medicinal e digital,entre outros destaques.Como se sabe,o mercado árabe não compra carnes brasileiras porque a embaixada do País está em Tel-Aviv,mas por sua qualidade e preços acessíveis.Se deixar de comprar,por razões estritamente políticas,acabará pagando mais por produtos de outros países,um mal negócio,coisa que a boa tradição comercial árabe não costuma fazer.Por oportuno,cabe reproduzir o que bem disse o presidente eleito Bolsonaro em visita a uma sinagoga no Rio de Janeiro na recepção ao premiê Netanyahu:"Sempre citava o exemplo de Israel e dizia olha o que eles não têm e veja o que são;olhem para o Brasil,vejam o que nós temos e o que não somos." Decola,Brasil!


J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo


*

BONS FRUTOS


O céu é o limite para tantos bons frutos que podem surgir desta união. Que venham!


Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz


*

A IMPORTÂNCIA DA APROXIMAÇÃO BRASIL-ISRAEL


Apesar do nome não sou judeu, mas sou um técnico altamente atualizado em alta tecnologia.Onde Israel poderá nos ajudar, que a mídia desconhece ou não notícia. 1- Israel é detentor de altas tecnologias aplicadas a vigilancia de fronteira, assim , com um pouco mais de 10 milhões de habitantes, conseguem conter mais de 100 milhões de árabes.Como? Eles tem um sistema formidável de inspeção de fronteiras, digitalizado , conectado com satelites para defesa de territorio, ideal para a contencao de entrada de armas, além de contrabando e outros delitos fronteiriços. É uma versão melhorada de nosso SISFRON. 2- Estao fornecendo, em uma empresa nacional que pertence a Israel, no Rio Grande do Sul, material eletrônico de display de instrumentação de voo e de controle , que estão instalados em vários aviões da FAB, passarão a equipar os novos SAAB GRIPEN NG de nossa Força Aérea e por decisão dos suecos serão também equipamento original dos outros Gripen NG que serão vendidos a Suécia também, além de outras nações que o comprarão, pois o avião é muito bom e economico e sua hora de voo custa menos da metade de seus concorrentes bimotores, como o Super Hornet ou os Rafale. 3-Tem grande conhecimento de transformação de aviões de passageiros B 767 em B767  cargueiros , transportador de tropas, evacuação aeromédica para mais de 50 macas, além de reabastecimento em voo. Esta tecnologia querem passar para nos, e criando 150 empregos anuais de alta categoria durante 30 anos garantirão uma parcela grande para nossa indústria aeronáutica. 4- Tem alta tecnologia também em Drones, que poderão fazer patrulhas tanto marítima quanto terrestre na defesa de nossas terras fronteiriças, bem como no combate ao tráfico, entrada de armas e contrabando em geral. Alem de utilização na agroindústria,e outros. 5- alto conhecimento de dessalinização de água ou de retirada de água da umidade do ar, o que poderá melhorar em muito e talvez ate resolver os problemas do nordeste.

6- na Wilkpedia temos: O acelerador de partículasdo Instituto Weizmann da Ciência em Rehovot. Os campos de Ciência e Tecnologia em Israel estão entre os mais desenvolvidos do mundo.[1] Apesar de sua recente história e de seu pequeno tamanho, o Estado de Israel é cada vez mais visto como um centro de inovações utilizadas em escala global.[2] Através de instituições educacionais de ponta e de uma ampla rede de empresas start-ups, Israel vem se destacando graças à invenções e inovações que rapidamente se espalham pelo mundo.[3] Israel é um dos países que mais investe em Pesquisa e Desenvolvimento em relação ao seu Produto Interno Bruto e, em proporção ao tamanho da mão-de-obra, é o que ostenta o maior número de autores publicados nos campos das ciências naturais, engenharia, agricultura e medicina.[4] Até hoje, 10 cidadãos israelenses foram laureados com o Prêmio Nobel em diferentes áreas. Quando se coteja o número de adultos com formação universitária, Israel ocupa o 2.º lugar,[5] com 46%, enquanto o Brasil está na 100ª posição, com apenas 15%. Os gastos públicos em educação de ambos os países são equivalentes: 5,7% do PIB. Embora raramente ultrapassaram 0,5% da população mundial, mais de 19% dos prêmios Nobel foram concedidos a cidadãos de ascendência judaica 6-grande conhecimento na area Quimica, otica e na medicina. Grandes startups vieram de Israel. Tambem poderao atraves de acordos na area aeroespacial e nas energias renovaveis. Estao muito avançados nas tecnologias de energisa solar, o que poder'a ser otimo para o nordeste e no Cento-oeste. 7-Na  area de informatica , criaram o Waze, alem do IONROAD,TOURPOL, ALCOHOT, etc 8-Na area de remédios pesquise a TERVA, uma multinacional de 40 bi de dólares, o maior fornecedores de remédios genéricos do mundo,etc. Assim, paramos por ai, pois se forem nossos aliados podemos ter um grande desenvolvimento com eles,mas devemos também manter nossas amizades com os árabes e todos os povos sem vender o nosso país, mas vendendo coisas e bens de nosso país.


Ciro Bondesan dos Santos cirobond@hotmail.com

São José dos Campos


*

O CONTROLE DA SECA COMO MISSÃO


Mesmo antes da posse o novo governo federal já tratava da seca do Nordeste, a grande chaga nacional identificada desde o ano de 1580. O ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, vai, este mês, a Israel buscar a tecnologia e informações com que aquele país transformou o deserto numa área produtiva. O presidente Bolsonaro deve estar consciente de que, além de investimento, é preciso combater a cultura da seca, em que alguns lucram e a maioria sofre com o fenômeno. Estudos revelam que a média de chuva no Semiárido nordestino é superior à de muitas regiões da Europa onde, apesar da escassez do líquido, não há miséria. É uma questão de utilização equilibrada dos recursos naturais e técnicos. Tudo deve ser feito como missão de redenção regional, afastando ideologias políticas, interesses subalternos e, principalmente, a exploração do sertanejo por seus tradicionais rufiões políticos e econômicos. Controlada a seca, em alguns anos, o hoje pobre e explorado Nordeste poderá se transformar em mais uma região produtiva e, em vez de receber ajuda, contribuir para a grandeza da economia nacional. Questão de foco, ação e perseverança.

                               

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo                                                                                                     


*

OS CRÍTICOS


Todo mundo agora tem projeto melhor do que o israelense para a dessalinização no Nordeste. E passaram estes anos todos mantendo os nordestinos no sofrimento?


Moises Goldstein mg2448@icloud.com

São Paulo


*

GOVERNO DORIA


Senhores, a informação dada quanto ao Sr. Kassab que, pretende tomar posse no Governo Dória e imediatamente se licenciar, vai permitir a manutenção do seu Foro Privilegiado?


Marcelo Falsetti Cabral mfalsetti2002@yahoo.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.