Fórum dos Leitores

Cartas selecionadas para a edição impressa e portal estadao.com.br

Notas e Informações, O Estado de S.Paulo

22 de março de 2019 | 03h00

REFORMAS

Em compasso de espera

A demora do início dos trabalhos no Congresso Nacional está contribuindo para aumentar a ansiedade dos eleitores que desejam uma solução urgente para os temas mais polêmicos, como o pacote anticrime, entregue em tempo hábil por Sergio Moro, ministro da Justiça e Segurança Pública. Acontece que o presidente da Câmara o engavetou e poderá ficar para o segundo semestre. Quanto à reforma da Previdência, entregue pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, está em negociações (benefícios, verbas, emendas parlamentares, etc.) e sua aprovação será o ápice triunfante do presidente Jair Bolsonaro. No momento os três Poderes estão envolvidos numa briga de comadres – e o povo que se dane. Tudo faz crer, ainda, que os novos políticos estão seguindo a escola dos seus predecessores. 

JOSÉ MILLEI

millei.jose@gmail.com

São Paulo

Pelo Brasil

Se o governo Bolsonaro, hoje, conta com apenas 180 deputados dispostos a votar a favor da reforma da Previdência, e mesmo assim com ressalvas, podemos dividir o restante desta forma: 100 da esquerda raivosa, que quer que este governo se lasque; dos outros 233, formando o tal Centrão, estão os sindicalistas que querem na marra a volta do imposto sindical e os representantes do funcionalismo público. Assim sendo, sabem quando a reforma da Previdência vai sair? Nunca, porque as corporações e os privilegiados jamais a apoiarão, até que o País fique travado, em xeque-mate. Mas eles não se importam, os brasileiros comuns que sustentem os filhos privilegiados da Nação. Enquanto isso, a nossa economia continua patinando, à espera de que o Congresso Nacional trabalhe pelo Brasil.

BEATRIZ CAMPOS

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

Oposição com juízo

A oposição, ausente há algum tempo, parece que está se articulando. Agora se uniu para declarar guerra ao projeto do governo para a Previdência Social. Salvo engano, são 171 os deputados que fecharam questão contra e vão torpedear a proposta. Devem ter suas razões. Entretanto, penso que as excelências têm a obrigação moral e cívica de apresentar um modelo alternativo. Estar contra por estar é virar as costas para o problema social mais grave deste país. Precisamos de oposição, faz parte do jogo democrático, mas com juízo.

JOSÉ PERIN GARCIA

jperin@uol.com.br

Santo André

Compromisso com a Nação

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a cada dia apresenta uma nova “dificuldade” para a aprovação da reforma da Previdência, como a de que na Casa não existem 320 liberais. Diante da calamitosa situação econômico-financeira da Previdência, o sr. Maia deveria declarar-se totalmente favorável ao que se propõe neste momento. Se contribuições para melhorar o projeto existem, que se façam, mas leve-se o processo avante. Maia foi eleito pelo povo e como seu representante tem de exercer o mandato a seu favor. Não é o que ele vem fazendo. Chega da velha política! 

ABEL CABRAL

abelcabral@uol.com.br

Campinas 

Paladino...

Rodrigo Maia é ostensivo defensor da prática do “toma lá dá cá”, com pitadas de fisiologismo político; crítico da importância da vontade do povo, de quem é “funcionário”, em decisões e debates do Parlamento; autoritário e arrogante, como indica sua reação ao ministro Sergio Moro quando este solicitou celeridade na tramitação do pacote anticrime, além de emissor de comentários impróprios e deselegantes sobre a aposentadoria dos militares. Fica difícil identificar nele as qualidades que parece desejar vender de paladino das reformas de que o Brasil tanto necessita. Que tal conduzir as discussões sobre elas com serenidade e deixar um pouco de lado a vontade de se exceder no protagonismo que lhe cabe?

PAULO ROBERTO GOTAÇ

pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro

Normalidade

Perfeitamente normal a reação do deputado Rodrigo Maia à iniciativa de Sergio Moro, que disse que procuraria o presidente da Câmara para pedir celeridade na tramitação da sua proposta naquela Casa. Afinal, nenhum político profissional vê com bons olhos o pacote anticrime do ministro da Justiça.

MARCELO MELGAÇO

melgacocosta@gmail.com

Goiânia

Ego descontrolado

O sr. Rodrigo Maia deve ponderar as suas palavras e controlar o seu ego quando se aborrece com o governo, pois como presidente da Câmara dos Deputados tem responsabilidades maiores que as dos demais parlamentares. Sugiro ao sr. Rodrigo Maia a leitura do penúltimo parágrafo do artigo A crise na Caxemira (21/3, A2), do coronel Paulo Roberto da Silva Gomes Filho: “Por mais que se discorde dos princípios, da ideologia e das ações do adversário, reconhecer seus dilemas, entendendo a lógica que norteia seu comportamento, é um princípio fundamental a ser observado na condução de uma crise. Outro é manter abertos os canais de comunicação, proporcionando ‘saídas honrosas’, de modo a evitar que, emparedado, o oponente não veja outra solução a não ser aumentar o grau de enfrentamento”.

ROBERTO M. CALÇADA JUNIOR

robcalcada@gmail.com

São Paulo

CONFLITOS

Entre países vizinhos

Muito oportuna a sutil advertência do coronel Paulo Roberto da Silva Gomes sobre os perigos envolvidos em conflitos armados entre países vizinhos. Embora ele se refira aos eventos entre a Índia e o Paquistão, parece clara a preocupação com as consequências de alguma aventura militar contra a Venezuela.

TIBOR RABÓCZKAY

trabocka@iq.usp.br

São Paulo

EM SÃO PAULO

O preço da incúria

O editorial Salvar pontes e viadutos (21/3, A3) poderia ter incluído no custo da reforma o custo do congestionamento provocado pelo abandono do viaduto que cedeu na Marginal do Pinheiros, de R$ 3 bilhões. Bilhões mesmo! Pois o aumento do congestionamento na cidade, estimado em 20%, durou quatro meses, aumentando o já absurdo custo anual de R$ 45 bilhões do congestionamento “normal”, calculado pelo professor Marcos Cintra (FGV). Pela incúria das passadas administrações estaduais e municipais, esse dinheiro foi arrancado da população, na forma de perda de oportunidade e de produtividade.

SERGIO EJZENBERG

sergioejzenberg@gmail.com

São Paulo

*

MICHEL TEMER PRESO

Será que agora os petistas ainda mantêm o "Fora Temer"?

Silvio Leis silvioleis@hotmail.com

São Paulo

*

O BRASIL MUDANDO

Lula preso, Michel Temer preso, Beto Richa preso também, isso tudo é o Brasil que está mudando. Nem Aladim conseguiria prever tudo isso.

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

*

TÉDIO

Jornalistas brasileiros jamais poderão reclamar de tédio em suas atividades, ao passo que os políticos corruptos, de surpresa!

Guto Pacheco jam.pacheco@uol.com.br

São Paulo

*

RECOMENDAÇÕES

Com relação à prisão de Michel Temer, apenas duas recomendações: a primeira, para o motorista da viatura "sempre pela porta da frente da delegacia e nada de garagem, viu?"; e a segunda é para a Justiça, em especial o STF e o seu soltador-mór contumaz, o sr. Gilmar Mendes, "tem de manter isso, viu?". Portanto, nada de habeas corpus amigão!

Paulo Boccato pofboccato@yahoo.com.br

São Carlos

*

TEMER NA CADEIA

Plagiando Rui Barbosa: de tanto ver triunfarem os habeas corpus, de tanto ver prosperar a propina, de tanto ver crescer a impunidade, de tanto ver agigantarem-se as incompetências dos maus gestores, eu chego a desanimar da honestidade, a rir da ética e a ter vergonha de ser brasileiro.

Ailton de Souza Abrão a.abrao@terra.com.br

São Paulo

*

EMENDA CONSTITUCIONAL

Nossa Constituição deveria receber uma nova emenda, a saber: cada vez que um presidente da República for preso por crimes de corrupção, os ministros plantados por ele no STF perderiam imediatamente o cargo. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo 

*

VOTO NO STF

Agora eu entendi o voto do ministro Alexandre de Moraes contra a Lava Jato na quinta-feira 14/3. Foi Michel Temer que o indicou para a Corte...

Eduardo Cavalcante da Silva cavalcante_1000@hotmail.com

São Paulo

*

DISCURSO MORTO

Parafraseando o senador Cid Gomes, "Temer tá preso, babaca!". O recado serve aos mesmos destinatários da mensagem original, quais sejam aqueles fiéis adoradores do até então único ex-presidente encarcerado. Sim, porque a estes passa a falecer, definitivamente, o discurso vitimista de "perseguição política", de "injustiça" e de "vingança" contra Lula (Eduardo Azeredo, um tucano de alta plumagem, também já estava preso, mas não era suficiente ao conformismo petista). Lula e Temer são o que se pode chamar de "farinha do mesmo saco", e consequentemente devem sair das manchetes políticas para as criminais; do palácio para a polícia. E assim vamos tentando nos livrar desta corrupção arraigada nas entranhas do poder.

José Eduardo Louzã Prado jeduardo@fprado.com.br

São Paulo

*

E AGORA, PT?

Com a prisão do ex-presidente Temer, será difícil para o batalhão de advogados do ex-presidente Lula continuar com o discurso de perseguido político. Não dou 24 horas e eles entrarão com pedido de prisão domiciliar, confirmando que é, sim, preso por corrupção e com provas. Não dá mais para sustentar o discurso de preso político. E agora, Gleisi Hoffman, presidente do PT? Seu membro mais famoso está, sim, "preso por corrupção, babaca". A Lava Jato ainda vive!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

EX-PRESIDENTES

Agora a pergunta que não quer calar: e dona Dilma? Quando será presa?

Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

*

PRISÕES

O "demiurgo de Garanhuns" está preso, vários outros também. Temer foi ontem. Pergunto: quando irá a "presidenta incompetenta", que continua por aí torrando dinheiro público e falando asneiras pelo mundo afora?

Antonio Molina molinaengenharia.santafe@gmail.com

Santa Fé do Sul 

*

INCÓLUME

Temer na cadeia foi o fato da semana. Mas o que ninguém jamais comenta ou questiona é como José Sarney continua absolutamente incólume.

Oscar Thompson oscarthompson@hotmail.com 

Santana de Parnaíba

*

QUE PAÍS É ESTE?

Mais um ex-presidente da República preso. Que país é este? Mas ainda faltam mais alguns, como Sarney, Collor e Dilma, que, pelos crimes que praticaram, já deveriam estar enjaulados.

Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

XILINDRÓ FASHION

Do jeito que a coisa vai, uniforme de presidiário vai ter faixa presidencial...

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

OS POLÍTICOS PRESOS

Lula pode comemorar, já não é o único ex-presidente a ser preso. Temer também está preso. Eles não são presos políticos, são políticos presos e sabem muito bem o que fizeram e quanto receberam. Por outro lado, a população também comemora, mas quer mais: além da prisão, esta gente precisa devolver o que roubou. Basta olhar a situação do Brasil, sem educação, sem saúde, sem segurança, mas cercado de corruptos, ladravazes sem vergonha na cara. Quanto querem apostar que agora vão dizer que a votação da reforma da Previdência pode ser prejudicada por causa dessas prisões? Afinal, o sogro de Rodrigo Maia, Moreira Franco, também foi preso. Será que isso explica o ataque de Maia a Moro? Tudo é possível quando o assunto é dinheiro e poder.

  

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

RODRIGO MAIA E O PACOTE ANTICRIME

Rodrigo Maia teve uma atuação medíocre e não tem um décimo de valor comparado ao dr. Sérgio Moro. Ontem, com a prisão do sogro, ficou clara sua atuação contra Moro e a corrupção ("Maia ataca Moro e desqualifica pacote", 21/3, A8).

Manuel Pires Monteiro manuel.pires1954@hotmail.com

São Paulo

*

PROJETO CONTRA A CRIMINALIDADE

Tendo participado de vários protestos nas ruas, ouvi muitos gritando "Moooro!", mas nunca ouvi "Maaaia". Então, considero a declaração do presidente da Câmara, grosso modo não falar com subalternos, no caso Sérgio Moro, mero arrufos de sinhá. O que me preocupa é outra declaração de Rodrigo Maia sobre o projeto anticriminalidade do ministro da Justiça: a de ser uma "copia e cola" do já existente apresentado por Alexandre de Moraes, ministro do STF. E em que pé está este projeto? Até onde se sabe, não foi debatido, muito menos votado. A quem interessa, então, proteger bandidos, já que o projeto versa sobre endurecimento de pena aos contraventores, seja de que naipe for? Porque o povo está cansado de ser abatido feito gado, de uma forma ou de outra. Viu?

Marcia Meirelles marciambm@yahoo.com.br

São Paulo

*

DISSIMULAÇÃO

Rodrigo Maia, o dissimulado presidente da Câmara dos Deputados, continua sempre o mesmo. Agora, resolveu atrapalhar as ações do ministro Sérgio Moro. Seria algum receio de perder protagonismo? Se atentarmos aos passos e detalhes, confirmaremos que Rodrigo Maia trabalha contra o Brasil. Neste momento, em que ele deveria estar atento ao fato de que a nova Previdência é necessidade extrema, não estaria fazendo jogo duplo, ora dizendo que está completamente favorável à reforma, mas no mais das vezes apontando problemas, a maioria dos quais indicando que o novo governo precisa atender aos parlamentares? A eterna e grande metáfora da corja que forma nossa Parlamento - refiro-me aos que estão há anos na Câmara. Muitos dos novos parlamentares estão cientes do que devem fazer, mas os velhos políticos ainda criam dificuldades para atos que corrijam o emaranhado de erros e travas deixados pela administração petista. Ainda analisando a postura de Rodrigo Maia, impossível ignorar que, quando se tratava de liberar recursos para o Rio de Janeiro, ele sempre "trabalhou" de forma positiva, abrindo as torneiras federais para o descarregamento de verbas em favor do Rio, seu Estado. Não notava ele que estava levando verbas para Sérgio Cabral e Luiz Pezão? Pode haver maior inconsequência do que esta? Ou não era inconsequência, mas determinação para se aproveitar de alguma forma das verbas federais? Lamentável! 

Abel Cabral abelcabral@uol.com.br

Campinas

*

MOSCA VENENOSA

Assino embaixo da carta do leitor sr. Celso David de Oliveira ("Que festa é esta?", neste "Fórum dos Leitores" de 21/3) sobre os pronunciamentos agressivos do deputado federal Rodrigo Maia aos militares. Não satisfeito, o parlamentar direcionou ainda a sua bílis ao ministro Sérgio Moro, trazendo à tona algum entrevero pessoal sob a forma de covardes e baixas críticas ao projeto anticrime do ministro da Justiça. Ó, Deus, por que isso? Parece que o deputado foi mordido pela mesma mosca venenosa que infectou os supremos ministros adictos da soberba, dos microfones e holofotes. Dr. Moro, lembre-se do saudoso Ibrahim Sued: "Os cães ladram e a caravana passa!". O povo está ombreado com o senhor. Brilhante a sua réplica. Vencerá o Brasil!

Júlio Armando Echeverria Vieira jecheverria50@gmail.com

Santa Cruz, Califórnia (EUA)

*

O STF E A LAVA JATO

Não é possível que pessoas com discernimento suficiente para entender as artimanhas de criminosos não consigam perceber a gravidade da decisão de 6 dos 11 ministros do STF na quinta-feira. O Brasil criou uma quantidade tal de escaninhos de justiça que qualquer advogado razoavelmente preparado nunca perderá uma demanda. O STF acabou de criar mais uma repartição para evitar que os corruptos e criminosos sejam levados à cadeia. Qualquer crime cometido por político, agora, será levado ao tribunal eleitoral, que por sua estrutura não terá condições de julgar tantos processos. Resultado: a farra continua. Eu questiono severamente a isenção dos senhores ministros em decidir por considerar a Justiça Eleitoral habilitada a julgar crimes de caixa 2. O presidente da Corte, num arroubo de indignação pela revolta da população e procuradores com a decisão, resolveu criar uma investigação sobre as atitudes desses cidadãos. E, pior, sigilosa; que é para que assim os depoimentos dos envolvidos não venham a sujar as togas de seda de suas excelências. Repulsa total a este colegiado objetivado em compadrio e parcialidade.

Célio Dal Lim de Mello celiomello02@gmail.com

Curitiba

*

'A LAVA JATO E A LEI'

Sim, o respeito à lei vai fortalecer a Lava Jato ("Estadão", "A Lava Jato e a lei", 17/3, A3). Mas precisamos ficar atentos às decisões do STF, pois já assistimos a um ministro rasgando a nossa Constituição ao manter os direitos políticos de Dilma Rousseff após ela sofrer impeachment. Também já assistimos a outro ministro conceder diversos habeas corpus para "amigos". Não queremos e vamos lutar para que os políticos corruptos sejam julgados, condenados e presos. Que seus crimes não prescrevam em razão da ineficiência, da incompetência ou da conivência do Poder Judiciário. Vamos continuar defendendo a Lava Jato, pois quanto mais ela avançar mais dinheiro será recuperado e voltará aos cofres públicos. Que este dinheiro recuperado seja usado para sua finalidade e que não seja desviado novamente. Basta de corrupção, mas para que isso ocorra os corruptos precisam ser punidos. A fila parou. Precisa voltar a andar.

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

LAVA JATO

Os Bolsonaros e Dallagnois precisam refletir sobre as consequências de seus extremismos! Se, no futuro, a esquerda voltar ao poder, essas interpretações, de acordo com suas conveniências, poderão causar um jet leg contra si próprios!

José Eduardo Bandeira de Mello josedumello@gmail.com

Itu

*

O CRIME E A JUSTIÇA ELEITORAL

A Nação precisa de brasileiros éticos que não destruam as coisas boas do País conquistadas com muita garra, e não inimigos de toga que levem grandes preocupações ao já sofrido povo honesto e trabalhador da Nação.

Roberto Hungria cardosohungria@gmail.com

Itapetininga

*

JOGADA ENSAIADA

Agora que caixa 2 é competência da Justiça Eleitoral, só falta a volta da contribuição das empresas para as campanhas eleitorais. Liberou geral.

Vital Romaneli Penha vitalromaneli@gmail.com

Jacareí

*

MESMO PLACAR EM ABRIL?

Em abril será julgada no STF (de novo) a prisão após condenação em segunda instância, que poderá beneficiar o presidiário mais honesto "deçe país". Pintando mais um 6 a 5.

Luiz Henrique Penchiari lpenchiari@gmail.com

Vinhedo

*

'TEORIAS DA CONSPIRAÇÃO' NO SUPREMO

"Toffoli vê 'movimento para assassinar reputações' no País". A matéria de primeira página do "Estadão" de 16/3/2019 reflete o clima de "teorias da conspiração" tão em voga no País. Houve reunião dos presidentes dos Três Poderes da Nação, tendo os presidentes do Senado e da Câmara, Davi Alcolumbre e Rodrigo Maia, como algodão entre cristais. O Supremo está dividido em duas turmas antagônicas, como é de conhecimento geral. Os seis ministros que aprovaram a remessa de processos de caixa 2 para a Justiça Eleitoral são os mesmos que gostariam de acabar com a prisão após condenação em segunda instância e que vivem distribuindo habeas corpus para corruptos do colarinho branco. Contra a atuação destes seis ministros, entre os quais se inclui o atual presidente do STF, Dias Toffoli, há 208 milhões de brasileiros. Não é teoria da conspiração, é um fato. Mas também não é assassinato de reputação, é simplesmente o desejo de todos nós de que o Supremo faça justiça. 

     

Paulo Sergio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

ENGANO

O presidente do STF, Dias Toffoli, se engana redondamente ao declarar que existem movimentos para "assassinar reputações do Supremo". Não sei se é ingenuidade sua, ministro, mas vamos relembrá-lo de que os mesmos ministros que sempre votaram a favor de criminosos o fizeram novamente, e o povo já sabia, de antemão, qual seria o voto deles. Será que os demais ministros, que sempre votaram também contra o crime, estarão ao lado deste "movimento" que o sr. diz, presidente? O que o senhor e alguns de seus pares de toga ainda não entenderam, ou não querem aceitar, é que este país está mudando e a velha política do "toma lá dá cá" caminha para o fim. Não culpe nenhum movimento, senhor presidente, o brasileiro sabe muito bem quem são estes seus companheiros de votos e quem eles representam. Não dá mais para enganar ninguém. Quer que eu cite quem os 6 votos na decisão de enviar crimes ligados ao caixa 2 para a Justiça Eleitoral representam ? Acho que não precisa, não é? Entenda, de uma vez por todas, ministro, a campanha que está nas ruas não é orquestrada por ninguém, mas de uma população sofrida, indignada e revoltada com todas as ações perpetradas por esta Corte, que deveria ser um exemplo de justiça, mas, infelizmente, não é. Cumprimento o discurso, sempre coerente, do ministro Luis Roberto Barroso, em quem o senhor deveria se espelhar e seguir o exemplo.

Elias Skaf eskaf@hotmail.com

São Paulo

*

EM BUSCA DE RESPEITO

O ministro Toffoli quer rastrear e punir todo mundo que "desrespeitar" o STF (sic). Que piada, meu Deus! Acorde, ministro, respeito não se impõe, se adquire. Quem desmoralizou toda a Suprema Corte deste país foram vocês mesmos, os 11 togados pagos por nós para fazer justiça, não badernar mais o País. Não precisa ser esclarecido na área da Justiça para ver os mandos e desmandos, o prende e solta e os acertos de mesa de boteco, para sentir aonde os ministros chegaram, ao fundo do esgoto fétido. Será que o magistrado tem alguma dúvida de que seu marginal preferido vai morrer na cadeia? Seja inteligente pelo menos uma vez, ponha sua barbinha de molho, e lembre-se do primeiro item da nossa Constituição: o poder emana do povo. Acabou a roubalheira.

Leonidas Ronconi ronconileonidas@gmail.com

São Paulo

*

FRACASSO E INCONFORMISMO

"Presidente da OAB cobra 'clareza' em inquérito do Supremo" ("Estadão", 20/3). O atual presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), entre outros, mostrou seu inconformismo com os novos rumos que estão acontecendo no Brasil, pois parece ser membro da "resistência petista". Enquanto as esquerdas deitavam e rolavam na internet atacando seus adversários, "tudo bem", mas agora, quando seus adversários se organizaram vitoriosamente no "cyber space" contra eles, aí são "milícias organizadas nas redes sociais". As esquerdas estão inconformadas com a crescente perda de espaço, esquecendo que foram as grandes causadoras da grande crise administrativa, econômica e moral que assola o País, além de fracassaram totalmente enquanto governo.                        

Ulf Hermann Mondl hermannxx@yahoo.com.br

São José (SC)

*

STF, PREVISÍVEL E INSUSTENTÁVEL

O STF vem cumprindo um papel desastroso na história do País. Insensível, autoritário, autossuficiente, seletivo em suas pautas, tem assumido posições diametralmente opostas aos anseios da sociedade. Desde já, interfere no futuro, emperrando soluções precípuas no que concerne à corrupção (diga-se, deslavada). Alguns dos seus ministros estão lavando as mãos, dando as costas para o Brasil, e o fazem sem franzir um só músculo da face, fato que por si só causa estranheza e corrobora hipóteses nada protocolares sobre juízes de notório saber jurídico.

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

*

MENOS...

Para o ministro do STF Alexandre de Moraes, uma "rede de robôs" estaria atuando para desestabilizar o STF. Não acredito em sua ingenuidade depois de decisões da Corte totalmente contrárias à aspiração de justiça dos brasileiros. Um pouco de humildade cairia bem!

Luiz Frid fridluiz@gmail.com

São Paulo

*

O DIREITO DE ESPERNEAR

"Podem espernear (jus sperniandi) e criticar à vontade. Quem interpreta o regimento do Supremo é o Supremo. O regimento autoriza e nós vamos prosseguir a investigação", disse o supremo ministro Alexandre de Moraes, relator do inusitado inquérito baixado pelo presidente Dias Toffoli para apurar quem fala mal da Casa, de seus membros e famílias. "Jus sperniandi" é o direito de espernear, a que todos têm direito, quando não satisfeitos com as decisões dos magistrados. Ministro, poderíamos dizer que o referido inquérito é a resultante de um supremo "jus sperniandi" corporativo? Para tal fim, o insatisfeito ministro Marco Aurélio Mello declarou que foi preterido nas negociações de gabinetes. O ministro Gilmar Mendes vive esperneando e gritando microfones afora! Serão os preclaros ministros autênticos "jus sperniandi" raízes?

Celso David de Oliveira david.celso@gmail.com

Rio de Janeiro

*

NÃO VALE INTIMIDAÇÃO

A quem o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, quer intimidar mandando investigar o que é publicado em redes sociais e na imprensa? O presidente do STF deve se lembrar de que o poder emana do povo, de 210 milhões de brasileiros, e não de 11 ministros politiqueiros, que tomam decisões atabalhoadas para livrar a cara de políticos bandidos e corruptos - como foi na decisão por 6 votos a 5, pela desconstrução do entendimento da força-tarefa da Lava Jato, confirmado em dezenas de condenações, de que caixa 2 em campanha eleitoral e pagamento de propina são crime. O fato é que a repulsa e a ira dos justos tomou conta da cidadania e das redes sociais, que, impotente diante de tal decisão esdrúxula e nefasta, sentiu-se diretamente atacada pela aleivosia da banda podre do órgão supremo. É evidente que os seis votantes a favor do envio de todos os crimes coalescentes com caixa 2 para a Justiça Eleitoral agiram de má-fé, como causídicos das organizações criminosas políticas que ainda dominam o País das bananas. É uma vergonha! Mas era o esperado. Fato é que, com a decisão, dez em cada dez réus na Lava Jato, a serem julgados ou já condenados, devem ter varado a noite da sexta-feira (15/3) comemorando. É hora de a Lava Jato dar um "drible da vaca", como faziam Garricha e Pelé, que jogavam a bola de um lado e vazavam do outro, contornando o adversário, que ficava zureta e fula da vida ao não saber quem ou o que seguir. Se o atual Congresso tiver um mínimo de vergonha na cara, aprovará a íntegra do projeto anticrime do ministro Sérgio Moro, reduzindo a pó a tentativa retroativista da máfia togada e de seus mandantes. Isso seria para a sociedade honesta um gol de placa.

Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

*

O SUPREMO E O POVO

A grande verdade que escancara por todos os rincões do Brasil é que o povo, de onde deveria emanar todo poder, não está nada satisfeito com a Suprema Corte. Haja vista para os constantes 6 a 5, demonstrando que eles mesmos não estão nada satisfeitos com suas decisões.

Geraldo de Paula e Silva geraldo-paula2019@bol.com.br

Teresópolis (RJ)

*

DE QUE LADO?

Há pouca esperança para um país que mantém na sua Corte Suprema um ministro que há dez anos foi apontado, ao vivo e a cores, pelo então presidente do respectivo colegiado como elemento destruidor da credibilidade do Judiciário brasileiro. Mal se sabia àquela época como tal declaração se tornaria melancolicamente profética. A partir de lá, assistiu-se a um desfile de ações chanceladas pelo referido magistrado, pontilhadas por absurdas decisões monocráticas e desconcertantes mandados de soltura que só fizeram estimular a impunidade nos crimes de corrupção. Não surpreende, portanto, seu recente voto favorável à transferência para uma desestruturada Justiça Eleitoral do julgamento de crimes de caixa 2, por exemplo. Pensando bem, não é somente ele que vem diligentemente preparando o enterro do Judiciário, mas uma boa parte da equipe dos togados supremos que parece reafirmar a todo momento, sem a devida reação da sociedade, de que lado está.

Paulo Roberto Gotaç pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro

*

CREDIBILIDADE

EUA, ano 2000, terminada a apuração das eleições presidenciais, vitória de George W. Bush sobre Al Gore por estreita margem de votos. Fortes suspeitas de fraude no Estado da Flórida, governado por Jeb Bush, irmão do candidato vitorioso. Com a recontagem em andamento, a Suprema Corte dos EUA declara George W. Bush presidente eleito e manda parar a recontagem. Nem uma palavra de ninguém. Segue a vida. A isso dá-se o nome de instituições democráticas fortes, altíssima credibilidade e respeito da sociedade. E o nosso STF, instituição fundamental para a democracia, como está para os brasileiros?

José Jairo Martins josejairomartins7@gmail.com

São Paulo

*

LAVA-TOGA RECEOSA?

As notícias para que a instauração da CPI denominada de Lava Toga "aguarde" nas prateleiras do Congresso seria para não tumultuar a votação da reforma da Previdência ou, como já aconteceu lá atrás, para atender aos pedidos dos próprios ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) receosos do que possa acontecer com suas respectivas carreiras? Afinal, quem viver verá!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

TIRA-MANCHAS

De nada adiantará a CPI Lava Toga sem a aplicação de poderosos tira-manchas.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

'BANNON SORRIU'

Luis Fernando Veríssimo, na crônica com o título acima (21/3, C6), ironizou a visita do presidente Jair Bolsonaro aos Estados Unidos. Falou em entreguismo, escrúpulo, como se o encontro com o presidente Donald Trump tivesse sido de "beija-mão". Eu diria que entreguismo feito com inteligência traz resultados favoráveis para o País "entreguista". O Japão, ao perder a Segunda Guerra, praticamente se "entregou" aos Estados Unidos, mas soube tirar proveito da "amizade" e tornou-se uma potência mundial. Se o Brasil seguir o exemplo, quem sabe o futuro pode ser bem promissor?

Toshio Icizuca toshioicizuca@terra.com.br

Piracicaba

*

PRÓDIGOS NA LIBERALIDADE

Nosso presidente vai aos EUA, que, sendo a maior economia do mundo, é importante potencial de negócios para quaisquer países. Entretanto, é difuso o que se sabe sobre objetivos buscados versus resultados alcançados. De concreto, mesmo, soubemos de suas concessões. A contrapartida americana conhecida foi de âmbito abstrato: promessas. O presidente Bolsonaro se diz satisfeito. Será uma satisfação real? Já no cenário paulista, o governador de São Paulo aparece vitorioso em fotos, atribui-se à sua ação a GM manter fábricas e empregos em São Paulo e investir R$ 10 bilhões. A contrapartida: concessão de todo tipo de isenção de impostos, por anos. Quanto a GM economizará? Não sabemos. Por que não se fala a verdade, a realidade dos fatos: quem bancará a permanência da GM e sua estratégia obsoleta de produtos com resultados negativos é o contribuinte paulista? Um personagem que não mereceu nenhum crédito na doação que está fazendo por meio de tributos pagos, à revelia de sua vontade. O governador promete mais: virá a doação à Ford... Pródigos na liberalidade, não liberais de fato.

Sergio Holl Lara jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.