Fórum dos Leitores

.

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

06 de junho de 2019 | 03h00

TRÂNSITO

Bolsonaro e as multas

O presidente da República, numa atitude correta, visando a acabar com a suspeitíssima indústria das multas de trânsito, que assalta o bolso dos contribuintes, barrou a instalação de novos radares e lombadas eletrônicos nas rodovias federais e pretende impedir também a instalação de radares móveis. Além disso, enviou ao Congresso esta semana um projeto de lei que pretende, entre outras medidas, aumentar para 40 o número de pontos necessários para motoristas perderem a Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Deveriam ser 80 pontos, na minha opinião, lembrando que há motoristas que dependem da sua habilitação para trabalhar. Como já era esperado, os representantes desta indústria das multas, empregados nas várias esferas de poder, reagiram violentamente. Mas é preciso acabar com práticas como policiais rodoviários federais escondidos no mato, ao longo das rodovias, para aplicar multas indiscriminadamente. O que existe hoje é, indiscutivelmente, uma indústria arrecadatória a serviço de Estados falidos e incompetentes. Afinal, quem está ganhando dinheiro com a aplicação de tantas multas de trânsito?

FERNANDO THADEU

fernandothadeu10@gmail.com

Rio de Janeiro

Mudanças no CTB

O governo Bolsonaro quer presentear os criminosos do trânsito com o afrouxamento das regras do Código de Trânsito Brasileiro (CTB) e, pior ainda, o perdão das multas. Num país onde 35 mil vidas se perdem todos os anos em acidentes de trânsito, isso é uma catástrofe.

LUCIANO NOGUEIRA MARMONTEL

automatmg@gmail.com

Pouso Alegre (MG)

Receita para o desastre

É preocupante ver em pauta a discussão de medidas na área de trânsito com o propósito de cumprir “compromissos de campanha” sem atentar para estudos mais profundos dos resultados funestos que podem advir dessas ações. O homem é responsável, na maioria das vezes, pelos acidentes de trânsito, por desobedecer às regras ou por suas condições físicas em desequilíbrio. Sabemos que doenças orgânicas são responsáveis por grande parte dos acidentes fatais de trânsito no País e que os exames de aptidão física e mental para a obtenção da CNH são feitos diariamente por cerca de 3.600 especialistas em Medicina de Tráfego. Como especialista nesta área e em Oftalmologia, vejo diariamente doenças oculares progressivas que causam redução da visão a cada ano. Mesmo uma simples ametropia, com necessidade de atualização de correção óptica, precisa de uma avaliação anual. O que dizer num período tão extenso de dez anos? Certamente, haverá deficientes visuais com permissão para dirigir. É necessário obter dados sobre o uso de medicamentos pelo motorista para tratamentos de saúde e que interferem na direção, observar deficiências físicas, arguir o candidato sobre cirurgias anteriores, uso de drogas ilícitas ou uso não moderado de álcool, assim como se o motorista já sofreu algum acidente e suas causas. Discussões em nível médico devem ser feitas com auxílio dos conselhos ou associações de classe, para evitar erros de conduta. Enquanto relatório de 7/12/2018 da Organização Mundial da Saúde mostra que o trânsito já é a 8.ª principal causa de morte em todas as faixas etárias, superando HIV/aids e doenças diarreicas, e que a tendência mundial indica a necessidade de políticas mais duras, campanhas mais efetivas de redução de velocidade e melhoria das vias e da sinalização, medidas populistas como o veto presidencial à instalação de 8 mil radares nas estradas federais, cuja função é obrigar o motorista a trafegar na velocidade recomendada, demonstram o desrespeito a fatores de risco para a manutenção de um trânsito seguro. Decisões estimuladas pela perspectiva de aplauso fácil e imediato, sem a orientação especializada e científica, são, no caso do trânsito, uma receita para o desastre.

JACK SZYMANSKI, presidente da Associação Internacional de Medicina de Tráfego

drjackszymanski@gmail.com

Cascavel (PR)

Na contramão

Alguém tem alguma dúvida de que, à exceção da ampliação do prazo para renovação da CNH, as outras proposições do sr. presidente só vão incentivar abusos e transgressões e incrementar as cifras de acidentes de trânsito com consequentes mortes, mutilações e incapacitações? Além, é claro, dos gastos com assistência médica? Isso é próprio, mesmo, de um governante que insiste em andar na contramão do bom senso.

RICARDO HANNA

ricardohanna@bol.com.br

São Paulo

PREVIDÊNCIA

Combate às fraudes

A Medida Provisória (MP) 871, aprovada na segunda-feira (3/6), destina-se ao combate às irregularidades no pagamento de benefícios previdenciários. Movimentou-se o País para aprová-la. No entanto, o roubo foi feito na calada da noite, à margem da lei, e ninguém viu. Pergunto: os ladrões estão com a força? Quando vemos 12 senadores votarem contra a MP, notamos que sim.

ANTONIO M. V. GOMES

amavago@gmail.com

Rio de Janeiro

JUSTIÇA

Lula no semiaberto

Sobre a matéria Lula pode ir para o semiaberto, diz MPF (5/6, A10), por comandar e se beneficiar do maior esquema de corrupção do País, ficar preso por pouco mais de um ano pode ser considerado um prêmio. Tal benefício da Justiça poderia, contudo, desmotivar alguns ministros do STF a mudarem o entendimento atual sobre a prisão após condenação em segunda instância, o que favoreceria a impunidade. Enquanto isso, aguardamos a conclusão das demais ações contra Lula, que devem levá-lo para o mesmo lugar em que está agora.

ABEL PIRES RODRIGUES

abel@knn.com.br

Rio de Janeiro

CARNAVAL DO RJ

Virada de mesa

Pela terceira vez em três anos se deu a virada de mesa na Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro (Liesa). A agremiação Imperatriz Leopoldinense, penúltima colocada no último certame, ficará no Grupo Especial. É certo que o País está em pleno exercício de mudanças, mas alguns costumes e tradições se tornaram cláusulas pétreas pela credibilidade adquirida em sua história. O colegiado da referida associação, que abriga reconhecidos gestores da contravenção zoológica, patronos de superescolas de samba, contrariou o mandamento maior do mais popular jogo de azar de nossas ruas e esquinas. Na Liesa, não vale o que está escrito! Dane-se o seu fiel e constrangido presidente, que renunciou ao cargo depois da decisão. Tal qual Chico Buarque em Sonho de um carnaval, resta ao povo cantar com desconfiança: “Carnaval, desengano”.

CELSO DAVID DE OLIVEIRA

david.celso@gmail.com

Rio de Janeiro

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br


OPOSIÇÃO PELA OPOSIÇÃO

A MP que autoriza o governo a combater fraudes em benefícios indevidamente concedidos pelo INSS foi finalmente aprovada no Senado por 55 votos a 13. Postergada ao máximo pela oposição através de manobras indecentes de obstrução, só foi sacramentada minutos antes de caducar, o que, caso ocorresse, redundaria em prejuízo considerável para o País. Chama mais atenção, porém, não a ampla diferença de votos, indicativa de saudável posicionamento consciente da maioria dos senadores, mas a constatação de que treze deles praticam irresponsável oposição pela oposição e, desta forma, explicitam atitude visivelmente conspiratória, em benefício próprio, contra qualquer medida -  reforma da Previdência incluída - que vise a aliviar a angustiante crise fiscal que o Brasil vive. São atitudes como esta que contribuem para o descrédito da população na classe política, atingindo injustamente sua totalidade, por obra do que se pode denominar a parte podre do conjunto.

Paulo Roberto Gotaç pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro

*

PASSANDO A LIMPO

Felizmente, no último dia de sua validade, o Senado impediu que a Medida Provisória antifraude caducasse. Por 55 votos a favor e 12 contra foi aprovada esta MP do governo, que permite um pente fino nos benefícios do INSS, modifica regras para aposentadoria rural e principalmente, dá um fim à liberdade dos sindicatos de cadastrar trabalhador do campo, o que permitirá evitar fraudes. Este pente fino é de suma importância para alicerçar a reforma da Previdência. E a economia prevista com esta MP é de até R$ 10 bilhões em 12 meses. É bom lembrar que na gestão de Michel Temer foram economizados outros R$ 15 bilhões com a revisão do auxílio-doença e pensão por mortes e invalidez. É este Brasil que se espera, sendo passado a limpo.  

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

OPINIÕES DIVIDIDAS

A decisão de socorro financeiro aos Estados e municípios em crise enviada ao Congresso divide opiniões de economistas entre nós. Espera-se que as cabeças pensantes das lideranças nacionais, cheguem o mais rapidamente a um consenso, rumo à solução deste e de tantos outros problemas que estão engessando a recuperação de nosso desenvolvimento para a construção da grande nação tão sonhada que temos condições de ser.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

REFORMA EM BOA HORA

A notícia de que a maioria dos Estados e cidades querem aderir e fazer parte da reforma da Previdência que está em discussão no Congresso é sinal de que a reforma veio em boa hora e é necessária para o Brasil. Como acredito que não há possibilidade de fazer parte do processo em andamento, os governadores e prefeitos deveriam fazer campanha para a aprovação da reforma e, posteriormente, se esforçar para implantar um projeto semelhante nos Estados e municípios. Isto é fazer boa política usando inteligência.

Toshio Icizuca toshioicizuca@terra.com.br

Piracicaba

*

ESTADOS E MUNICÍPIOS NA PREVIDÊNCIA

Agora, o grande golpe é manobrar para deixar os Estados e municípios fora da reforma da Previdência, mantendo as vantagens enormes desses grupos desonestos. É lógico que, quando quebrarem, serão os nossos tributos que irão cobrir o rombo. Não podemos deixar que isso aconteça, seria terrível para o futuro de nosso País.

Aldo Bertolucci aldobertolucci@gmail.com

São Paulo

*

ÔNUS DO FUNCIONALISMO

Mais de um terço das emendas dizem respeito ao serviço público. Quase 40% das emendas apresentadas à reforma do sistema previdenciário na comissão especial da Câmara tratam do setor público. O objetivo é atenuar ônus ao funcionalismo. Aí está uma das dificuldades da aprovação da reforma da Previdência, que prevê justamente o fim dos privilégios injustificáveis em benefício do orçamento e do povo. E os da 'velha política' temem perdas de votos e a popularidade do presidente, que viria a ser o mais forte candidato nas eleições de 2022.

Harald Hellmuth hhellmuth@uol.com.br

São Paulo

*

OBRIGATÓRIA OU DISCRICIONÁRIA

Despesas obrigatórias (não discricionárias) não são condicionáveis? Despesas discricionárias são aquelas que o gestor pode modificar a orientação e despesas obrigatórias são aquelas que o gestor precisa executar de qualquer forma, afirmação que só é válida se a classificação de discricionária e obrigatória foi feita obedecendo a critérios defensáveis, não incorrendo em erros crassos de classificação como, por exemplo: como pode a verba para pagar o servidor que coloca a toga no Gilmar Mendes ser uma despesa obrigatória, enquanto a verba para alojamento de suspeitos de crimes que são mantidos algemados em porta malas de vans, em Porto Alegre, ser discricionária? Como pode a verba para pagar seguranças da ex-presidente, em boa hora defenestrada (com seus direitos mantidos ao arrepio da Constituição), ser obrigatória, enquanto o pagamento de guardas para evitar chacinas em Belém do Pará ser uma despesa discricionária? Considerando a situação de insolvência do Brasil, há uma urgente necessidade de rever a definição de discricionária e de obrigatória nas despesas, e a colocação de um adendo “se possível” na definição da obrigatória.

Tarcisio de B. Bandeira tbb@osite.com.br

São Paulo

*

NECESSÁRIA

Nelson Barbosa, economista ligado ao PT e ex-ministro da Economia no governo Dilma, afirmou que a reforma da Previdência é necessária e que será aprovada. Criticou a proposta da capitalização e afirmou que os trabalhadores informais terão dificuldade para alcançar aposentadoria. Todos os dias vemos enxurradas de declarações a respeito da necessária reforma previdenciária, portanto, já passou da hora de os parlamentares deixarem as picuinhas de lado e fazerem a lição de casa.

J. A. Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

VIVENDO O PASSADO

Não somente a contribuição do PT para o debate da reforma da Previdência é nula, como bem aponta Vera Magalhães, mas, mais que isso, e não por acaso, o partido vem intensificando sistematicamente seus ataques à reforma na medida em que sua aprovação se mostra cada vez mais próxima e em curto prazo. Pois para este PT que aí está, destronado, sem criatividade e vivendo do passado, a reforma significará o fim da pretensão de voltar ao poder já nas próximas eleições municipais. Em vez de promover festivais “Lula livre”, o melhor para o PT seria se ver livre de Lula.

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

CANETA E PAPEL

A respeito da polêmica e belicosa relação de Jair Bolsonaro com o Congresso, em que o presidente quer impor sua vontade à força e pela pressão popular das redes sociais, desrespeitando a intermediação própria do regime representativo do Parlamento no Estado Democrático de Direito, cabe destacar que, se o presidente tem na mão a caneta (Bic), o Congresso tem o papel. Um depende do outro para o País seguir adiante. Caso contrário, seguiremos em marcha à ré rumo ao precipício.

J.S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

PRIORIDADES

Ninguém pode dizer que a agenda do presidente Jair Bolsonaro não é recheada de prioridades para o País. Afinal, participar pela 3ª vez, em um mês, do programa do Ratinho; enviar à Câmara dos Deputados projeto para aumentar de 20 para 40 o limite de pontos na CNH e, também, a validade da mesma para dez anos; flexibilizar o uso da cadeirinha infantil nos veículos; flexibilizar a falta de capacete aos motociclistas; flexibilizar a compra e porte de armas, dentre outros quetais, não deixa de ser muito estressante. Ora, como ninguém é de ferro, só fazendo uma visita ao seu "mito", Donald Trump, para se reenergizar!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

INTENÇÕES X REALIDADE

Certamente o presidente Bolsonaro é uma pessoa bem intencionada. Entretanto, estou preocupado com seu governo face às circunstâncias. Seus filhos ainda não decidiram o que serão quando crescerem, são assombrados por fantasmas como “laranjas” e milicianos, e orientados por um guru que, seguramente, militou nas esquerdas, mas não conseguiu o sucesso financeiro, como alguns presidentes e sindicalistas. Eleito com significativo apoio dos evangélicos agora recebe a conta, como um lugarzinho no STF. Também os que tinham como objetivo destronar os petralhas já estão manifestando o arrependimento. Somando a isso o baixo nível da assessoria governamental (nem piada sabe fazer), não sobra esperança alguma ao pobre povo brasileiro.

Carlos Gonçalves de Faria sherifffaria@hotmail.com

São Paulo

*

GATO POR LEBRE

Folclóricos, mas encerrando grandes verdades, os ditos populares como “quem nunca comeu melado, quando come se lambuza”, ou “comendo gato por lebre” podem ser aplicados nas eleições de outubro de 2018, quando o candidato do PSL, Jair Messias Bolsonaro, saiu vencedor no segundo turno, obtendo 55,13% dos votos, o que não deixa de ser reconhecido como uma vitória apertada. Segundo comentaristas políticos, esse resultado pode ser interpretado como como o desejo do eleitor de se livrar da malta petista que habitava o Planalto por mais de 10 anos de administração nociva ao País. O vencedor lambuzou-se de melado e está nos servindo gato por lebre. Gatos como a flexibilização do porte de armas, a reforma da Previdência o pacote anti crimes, a transformação do governo num semi quartel militar e recentemente, o desejo de nomear um evangélico para compor o quadro de togados do Supremo Tribunal Federal (STF). É evidente que comemos lebre e arrotamos gato.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

SEMIABERTO

Perguntar não ofende. Se for concedido ao Lula regime semiaberto, terá ele que trabalhar? Será o único trabalhador com motorista e guarda costas.

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

*

CORRUPTOS LIVRES

O Brasil não deveria se preocupar tanto com Lula livre, ele já está preso há muito tempo pelos padrões de Banânia. O Brasil deveria se preocupar com o exército de criminosos que estão soltos e no poder, não há espaço suficiente neste jornal para nomear cada um dos corruptos livres que seguem mandando no Brasil e roubando o País em tempo integral.

Mário Barilá Filho

São Paulo

*

TRATAMENTO DIFERENCIADO

O crime compensa? Julgado e condenado por mais de uma década de prisão, segundo os mais rígidos preceitos da lei, e tendo a seu dispor o amplo leque de defesa a que tem direito, sempre assessorado por caros e espertos advogados, o senhor Lula cumpriu poucos meses. Ficou de 'bico' fechado, não entregou ninguém e não se cansa de se dizer inocente e que tudo não passou de fantasia da Justiça. É muito bem tratado enquanto “hóspede” numa suíte da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, seguro e longe de qualquer ameaça, diferentemente de seus colegas criminosos que vivem como animais em verdadeiras masmorras das prisões brasileiras. Melhor nem falar das precárias condições socioeconômicas de significativa parcela da população brasileira atual. Enfim, logo estará leve livre e solto para gastar seus milhões, quem sabe, bilhões de reais. Não doeu nada, diriam alguns. É assim que é!

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

EMBAIXADAS

Lula abriu embaixadas e representações diplomáticas em países inexpressivos,

sem nenhuma relação com o Brasil, apenas porque sim, ou para levar vantagens

pessoais, e nada mais. Agora o Itamaraty vai fechar todas as que não são convenientes

e só causam despesas. Muito boa essa decisão.

Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

INFANTILIZAÇÃO

Brilhante o ensaio de Bolívar Lamounier, no “Estado”, em 2/6, sobre a infantilização geral que acomete a política e o povo no Brasil. Se o mundo todo sofresse de uma idiotice aguda fatal, como a peste bubônica que dizimou a Europa de 1333 a 1351, mais de 90% da humanidade morreria. Este tema volta à pauta desde o surgimento das redes sociais, ou anti-sociais, na internet e que levou o notável pensador italiano, Umberto Eco, a afirmar que "as redes sociais deram voz aos imbecis."

Paulo Sergio Arisi paulo.arisi@gmail.com  

Porto Alegre

*

PEDIDOS DE REGISTRO DE PARTIDOS

Consultando o site do TSE deparei-me com algo surpreendente: há mais de 70 pedidos de registro de partidos políticos. Mas o que estaria a motivar tamanho interesse: um incomum interesse em participar da vida pública ou algum interesse escuso que leva o trabalhador a matutar: “Aí tem truta, aí tem truta!”?

Jomar Avena Barbosa joavena@terra.com.br

Rio de Janeiro

*

INTELIGÊNCIA E CONSCIÊNCIA MORAL

Temos uma política ridícula e políticos burlescos. Como se fossemos cegos e surdos para não entender que as prerrogativas da nação passam obrigatoriamente pelos interesses e vontades pessoais. O que desejam neste momento? Que tudo volte a ser como dantes no quartel d'Abrantes. O País perdeu a inteligência e a consciência moral.

Manoel Braga manoelbraga@mecpar.com

Matão

*

FALTA TRANSPARÊNCIA

A falta de transparência nos entendimentos entre os segmentos sociais que podem ditar regras nos encaminhamentos políticos, econômicos e sociais causam muitos problemas. Estamos vivenciando uma situação por demais preocupante. E que precisa de uma reflexão por parte de especialistas de modo a estabelecer alguns posicionamentos em todas as áreas, ou seja, na economia, na produção, no campo social. É preciso evitar o corporativismo, com negociações e debates de propostas e projetos objetivos. E que isto aconteça com a devida brevidade.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

EMPRÉSTIMOS SEM BANCOS

A aprovação pelos poderes necessários das Empresas Simples de Crédito (ESC) vai prestigiar os dois lados dos empréstimos: o concedente, que pode deixar de se sujeitar aos baixos juros pagos pelos bancos e o emprestador ou mutuário, que pode ter à sua disposição créditos sem a burocracia bancária e a juros muito menores, desde que os primeiros empréstimos já realizados tiveram juros em torno de 3,5%, cuja satisfação, dependendo dos negócios, será viável e possível. Essas empresas, sem dúvida, irão alavancar a economia, especialmente porque as pequenas empresas é que estão propiciando empregos e giro no mercado.

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojcc@uol.com.br

Rio Claro

*

BANQUEIRO INDIVIDUAL

Legislação cria "banqueiro individual". Agora os bancos, acostumados a captar dinheiro a juros baixíssimos e nos emprestar a juros exorbitantes, terão concorrentes compostos por pessoas físicas, o que fatalmente nos beneficiará com juros mais baixos. Em outras palavras, essa nova lei irá, nada mais nada menos, oficializar a agiotagem que todos sabemos existir em grande número e grande monta. Isso aumentará a concorrência e nós, tomadores de empréstimos, seremos beneficiados com juros bem mais baixos.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo

*

SOCIAIS DEMOCRATAS

Sobre o artigo “Merkel perde força após líder dos social-democratas renunciar”, publicado no “Estado, em 3/6. Os sociais democratas alemães e europeus, pela não atualização de suas propostas centenárias, baseados num marxismo light, sofrem sua lenta decomposição, com a queda de assentos no Parlamento Europeu. Isso provocou a renúncia de sua presidente Andrea Nahles de todos os cargos, inclusive de seu mandato de deputada. A manutenção da coalizão com Angela Merkel será o grande dilema do segmento fisiológico do partido, que acredita que possa influenciar mais estando no poder do que numa oposição. Na Europa os ventos sopram para a direita irresistivelmente, com reflexos até no Brasil e América Latina, para tristeza do segmento ideológico declinante em escala planetária.

Ulf Hermann Mondl hermannxx@yahoo.com.br

São José (SC)

*

DIA D

Todos nós devemos aos EUA o dia D, 6 de junho, o dia da vitória da Democracia!

Eugênio José Alati eugenioalati13@gmail.com

Campinas

*

CADEIRINHA

Criança fora da cadeirinha é algo gravíssimo, afinal, em uma colisão frontal, ela é a primeira a sair pelo vidro do carro. Em testes que avaliam a segurança de carros (Latin NCAP) é possível observar, pelo boneco que simula a criança na cadeirinha, como ela absorve o impacto e salva vidas. Sem o dispositivo de segurança, a criança sai voando. Desde 2010, quando o Brasil começou a seguir as normas de segurança europeias, muitas vidas foram salvas. Agora, se a penalidade passa a ser uma advertência, teremos um aumento de vítimas infantes no trânsito, voltaremos 10 anos em matéria de segurança. Presidente imprudente e irresponsável, cadeirinhas salvam crianças. O Brasil estava no caminho certo, voltaremos a ter um aumento de óbitos e de internação. Contran, socorro.

Leandro Ferreira ferreiradasilvaleandro73@gmail.com

Guarulhos

*

DEFENSORA DA ‘CURA GAY’

Pelo que sei, os conselhos que regulamentam diversas profissões foram criados, principalmente, para defender a sociedade de maus profissionais e, por esta razão, me causou estranheza o fato do Conselho Federal de Psicologia (CFP) não ter cassado o registro profissional da psicóloga Rozangela Alves Justino, aquela que diz fazer cura gay. E agora leio que ela faz parte de uma chapa para disputar algum cargo de direção de tal conselho. A omissão pode custar muito caro, prejudicando ainda mais a credibilidade dos profissionais.

Sérgio Barbosa sergiobarbosa19@gmail.com

Batatais

*

ROYALTIES PARA RECICLAGEM

Parte dos royalties do petróleo, digamos 10%, deveria ser direcionado ao meio ambiente sob a forma de usinas para reciclagem de lixo. As cidades, num raio de no máximo 100 km se associariam na construção e nos benefícios da usina na região. Cada prefeitura teria sua participação financeira na construção, proporcional aos seus royalties, e também no lucro na venda do lixo reciclado. Seria uma medida saneadora, benéfica ao planeta Terra. Urge pôr em prática tal providência, é para ontem.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                             

*

AMBIENTE URBANO

Também discutamos seriamente no "Junho Verde" assuntos espinhosos, como a distribuição de comida na rua e o desumano trabalho dos carroceiros, que, com o descarte irregular de entulho em algumas ocasiões, é prejudicial ao ambiente urbano. A primeira solução: a criação de uma ampla e bem planejada 'cozinha humanitária' no centro da capital paulista, onde entidades se dirigiriam para suas meritórias ações de caridade, bem como o encaminhamento de donos de carroça para um trabalho humanizado. Também se deve estudar uma legal e justa indenização para que parem de puxar carroça e se organizem, em grupos, tornando-se sócios ou donos de empresas sociais.

Devanir Amâncio devaniramancio@hotmail.com

São Paulo

*

A CBF NA HISTÓRIA

Sobre a acusação de estupro, que não sabemos se verdadeira ou não, feita a Neymar, que nega de forma veemente, cabe apenas à Justiça decidir. O que não se entende é o papel da CBF na história, que face o agito que provocou no ambiente da seleção, teve a cara de pau de requerer à justiça para adiar o depoimento do jogador para depois da Copa América. Se atender tamanho absurdo, a Justiça só faz aumentar a descrença nela. Em vez disso, fosse a CBF mais séria e o técnico Tite corajoso, ao invés de borrar a cueca com medo de perder Neymar, atitude mais certa seria dispensá-lo para resolver seu problema. Para a seleção, seria melhor que, em vez de treinar contra os Qatar e Panamás da vida, disputasse a Copa América sem o jogador. Nem a Argentina com Messi e o Uruguai de Suárez são capazes de derrotar o Brasil em casa.

Laércio Zanini spettro@uol.com.br

Garça

*

FALA EM INGLÊS

Ontem, 4/6, fui assistir a uma ótima peça de teatro, peça para adultos feita por crianças, no suntuoso SESC da Av. Paulista. Única apresentação, ingressos esgotados, havia uma parceria entre o SESC e americanos. A sala com capacidade para 65 pessoas tinha uns sete americanos desta parceria e o restante, simples mortais brasileiros, como eu. A peça tinha legenda em inglês e uma tradutora. No final, a diretora falou algumas coisas. Ao invés de falar em português, falou tudo em inglês, sem tradução. Um desrespeito aos brasileiros ali presentes, à nossa língua, só faltou bater continência para os americanos.

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

*

LIXO NAS RUAS

Como não há verbas para que a Prefeitura possa, através de inaugurações, se vangloriar, que tal aproveitar o descaso e de um limão fazer uma limonada?

Ao invés de recolher o lixo, basta deixá-lo acumular e inaugurar o "Lixão Santa Paula", localizado na Avenida Santo Amaro, altura do número 2.350.

Querem que a população jogue o lixo nos recipientes adequados, mas como? Já estão lotados.

Mauro Ribeiro Gamero mauro.gamero@yahoo.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.