Fórum dos Leitores

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

17 de setembro de 2019 | 05h27

GOVERNO BOLSONARO

Incompetência

Excelente o editorial O problema é a incompetência (15/9, A3). Realmente, a incompetência da família Bolsonaro é um espanto. Sabíamos que o “mito” era só propaganda, embora tenha servido para tirar do PT a possibilidade de continuar no poder e quebrar o País de vez. Quanto a Paulo Guedes não ter cumprido o que prometeu, com um Congresso como o nosso não dá para prometer nada: os políticos só defendem as corporações e seus interesses particulares.

KÁROLY J. GOMBERT

kjgombert@gmail.com

Vinhedo

*

Apreensão

O editorial O problema é a incompetência identifica um governo sem rumo. Efetivamente, qual o plano do presidente em relação às propostas de sua campanha eleitoral? Vivemos uma situação que causa muita preocupação, tanto em termos da economia como nas demais áreas, com destaque para o meio ambiente.

URIEL VILLAS BOAS

urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos


*

Atuação retrógrada

Depois de anunciar o cancelamento de bolsas para os estudantes e cientistas da Capes e do CNPq, algumas de valores ínfimos, o governo anuncia agora que vai liberar verbas para emendas parlamentares e distribuir cargos nos Estados, condicionando tudo isso ao apoio a projetos de seu interesse. O cancelamento de bolsas representa quebra de compromisso com quem acreditou na seriedade do governo. Essa decisão provocará maior atraso ainda num país já muito atrasado em ciência e tecnologia em relação aos países evoluídos. Para mim, fica claro que com esse governo continuaremos sendo um país fornecedor de commodities. Já decidiu terminar Angra 3, em vez de partir para a produção de energias limpas. E agora vamos continuar reservando verbas para políticos nem sempre escrupulosos, muitas vezes para obras que têm início, mas nunca terminam, apenas garantem a progressão da carreira desses maus políticos, quando não significativo aumento de seu patrimônio. Ou seja, continuamos com a velha política, que nos conduziu ao buraco onde nos encontramos. O presidente Jair Bolsonaro ficou atado a um passado que não volta mais. A Amazônia é muito mais valiosa para a humanidade com as árvores em pé, por causa do aquecimento global, e não como mais um espaço para o agronegócio e para hidrelétricas. O Brasil tem um potencial econômico formidável por sua condição ambiental ímpar. Com imensas reservas naturais, precisa aprender a explorá-las com inteligência. Contudo, tem de se modernizar e para isso o presidente tem de mudar radicalmente, pois como vem se conduzindo está atrapalhando, e muito.

GILBERTO PACINI

benetazzos@bol.com.br

São Paulo


*

REFORMA TRIBUTÁRIA

Retorno da CPMF, ainda?!

Malabarismo de demissão, indignação do presidente e pronunciamento de ilustres de sua confiança. Só entretenimento circense para o retorno da CPMF? Tributação única, sim. CPMF com nova roupagem, não!

ALICE A. C. DE PAULA

alicearruda@gmail.com

São Paulo


*

Fim de linha

A indústria recua pelo terceiro mês seguido, o comércio está às moscas, em situação caótica, os serviços encontram-se em retração brutal, o desemprego continua com altíssimo índice, catastrófico. Porém, em vez de aliviar os empregadores da carga tributária para estimulá-los a ativar as empresas e contratar, insistem, querem porque querem criar a “nova CPMF”. Tudo isso só tem uma finalidade: manter a máquina política inútil, vergonhosa, que nos assola dia a dia.

ANGELO TONELLI

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo


*

RODOVIAS

BR-319

Sobre o plano de retomada das obras na BR-319, ligação entre Porto Velho e Manaus (16/9, A12), o correto seria uma ferrovia. Esse modal reduziria muitíssimo as possibilidades de transporte ilegal de madeira, queimadas e ocupação irregular de terras próximas a seu traçado. Quanto à indolência do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), que há dez anos deve ao Ibama a revisão de um estudo mal feito entregue em 2009, é o que acontece quando não há consequências para o mau desempenho.

MARCELO MELGAÇO

melgacocosta@gmail.com

Goiânia

*

POLÍTICAS PÚBLICAS

Ciência e tecnologia

A preocupação com o uso adequado e otimizado de verbas públicas faz sentido, como alerta o professor José Goldemberg (Política públicas e ‘modismos’, 16/9, A2). Porém ciência e tecnologia são contínuos investimentos e mesmo em atividades que não representem soluções em primeira análise a consolidação do conhecimento é importante para quando for explicitamente necessário. De nada adianta nos mobilizarmos apenas quando o problema se faz presente. São inúmeros os exemplos de tecnologia que se originou de estudos científicos básicos para os quais não havia aplicação imediata.

ADILSON ROBERTO GONÇALVES

prodomoarg@gmail.com

Campinas

*

SAÚDE

Rótulos de alimentos

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) propõe o rótulo saudável, de acordo com novas regras de rotulagem nutricional de alimentos processados. A quantidade de informações que já são incluídas nesses rótulos exige caracteres de impressão cada vez menores. A indústria gráfica tem evoluído de tal forma que desenvolveu microletras para conter toda a informação exigida. Ora, para o rótulo ser eficiente, o tamanho das letras tem de permitir a leitura sem lente de aumento. Não é só imprimir os dizeres, têm de ser legíveis pelos consumidores.

MIGUEL GROSS

mgross509@gmail.com

São Paulo


*

CORRUPÇÃO

O honesto

Novos relatos de Léo Pinheiro, da OAS, incriminam ainda mais Lula da Silva. Léo Pinheiro diz ter sido obrigado a assumir obra deficitária na Bolívia em troca de outras mais rentáveis. Parte dos recursos de obras superfaturadas no Chile foi para a campanha de Michelle Bachelet. Costa Rica e Guiné Equatorial também foram citadas nas novas delações envolvendo o governo petista. Tudo isso, certamente, são mentiras para incriminar e manchar a vida de um petista de reputação ilibada e que se autoproclama o cidadão mais honesto na História deste país...

J. A. MULLER

josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

“Este 14 de setembro inaugurou, infelizmente, uma nova era do terrorismo, com o uso de drones. Prenúncio do apocalipse?”


MILTON CÓRDOVA JÚNIOR / VICENTE PIRES (DF), SOBRE O ATAQUE A REFINARIAS DE PETRÓLEO NA ARÁBIA SAUDITA

milton.cordova@gmail.com

*

“De novo candidato? Assim o Ciro Gomes vai acabar virando o Eymael das esquerdas”


PAULO CELSO BIASIOLI / SÃO PAULO, SOBRE AS SUCESSIVAS DISPUTAS ELEITORAIS PARA A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

pcbiasioli@yahoo.com.br


ATAQUE NA ARÁBIA SAUDITA

O Irã torna-se ainda mais perigoso quando acena mostrando moderação. Não dá para esquecer quão vulnerável é o fornecimento de petróleo a partir do Golfo Pérsico. E quão seguro é o seu principal pilar: a Arábia Saudita. Haja vista que suas maiores plantas petrolíferas foram pegas completamente indefesas. Detalhe: as maiores refinarias sauditas são as maiores refinarias do mundo. Bastaram dez drones suicidas para criar o maior baque no fornecimento internacional de petróleo, gerando instabilidade mundial. Quanto custou para Teerã montar esta flotilha? Uma bagatela. Nada em comparação com os prejuízos causados e a tendência altista dos preços do petróleo que o ataque gerou. Isso sem mencionar que este mesmo Irã que fornece drones, bombas e mísseis em profusão para milícias terroristas mundo afora forneceria armas de destruição em massa, se as tivesse, para todos os grupos terroristas que patrocina. Este pessoal não está para brincadeira: são os maiores especialistas mundiais na relação custo-malefício. Está na hora de os países da Otan e seus aliados acordarem e repensarem a sua estratégia de segurança. Ela passa por cortar o fornecimento de todo tipo de componentes estratégicos para os aitolás. Sairá muito mais caro, em recursos e vidas, deixar para fazê-lo mais tarde.

Jorge Alberto Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo


*

PREPAREM O BOLSO

Adriano Pires, do Centro Brasileiro de Infraestrutura (Cbie), avalia que crise na Arábia Saudita será “teste importante” para a política do governo de Jair Bolsonaro para a Petrobrás: alta nas refinarias pode chegar a 10%. Pobre Brasil, atacado de todos os lados. Quando não é pela Câmara dos Deputados, pelo Senado ou pela Suprema Corte, vem esta notícia da Arábia Saudita. Realmente, está difícil de melhorar este país. Essa previsão referente à alta no preço dos combustíveis já será sentida nas prateleiras do supermercado. Nem precisa aumentar a gasolina ou o diesel, basta ameaçar, que os especuladores de plantão farão o restante. O recado foi dado: preparem o bolso.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo


*

‘O GOVERNO E A REALIDADE’

Estarrecedora a fala do chanceler Ernesto Araújo no encontro do Council of the Americas, fórum de debates com a presença de corporações multinacionais, relatado num dos editoriais de ontem (16/9, A3), O governo e a realidade. Enquanto a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, se pautou pela seriedade, trazendo a verdade dos fatos sobre a Amazônia, mas defendendo os interesses do agronegócio, demonstrando extrema ética, o chanceler usou uma retórica repleta de fantasias persecutórias, que ele chama de “ideologia”, como se totalmente ideológico não tivesse sido o seu discurso, tentando defender a ideia de que o que os satélites mostram é tudo “fake” e fruto de versões da esquerda latino-americana. Para completar, depois desta versão inacreditável, o ministro Sergio Moro pediu aos que lá estavam que acreditem no Brasil. Acreditar como? Ora, por Deus! É muito constrangedor para os brasileiros com um mínimo de bom senso tomar conhecimento da exposição, feita para representantes estrangeiros que têm olhos de ver as imagens por satélites, desta lógica quase medieval do chanceler, que fala em nome do presidente do Brasil e, portanto, em nome de todos nós. Triste realidade vivemos hoje, quando podemos perder grandes oportunidades de investimentos por causa de delírios do chanceler e, por tabela, do presidente da República. Será que estamos em situação de arriscar perdermos o interesse de estrangeiros em trazer para o Brasil milhares de empregos? Francamente, isso beira à irresponsabilidade! Como definir de outra forma?

Eliana França Leme efleme@gmail.com

Campinas


*

FREUD EXPLICA

Não bastasse a prejudicial dupla mensagem esquizofrênica transmitida pelo governo brasileiro a investidores nacionais e estrangeiros no encontro promovido pelo Council of the Americas – de um lado, a posição honesta sobre os incêndios e o desmatamento da Amazônia manifestada pela ministra da Agricultura, Tereza Cristina; e, de outro, a opinião irreal ou, melhor, surreal do chanceler Ernesto Araújo sobre o mesmo tema –, chama a atenção o argumento evocado pelo ministro: “Suas cabeças (as pessoas que criticam o Brasil) estão sendo invadidas por um tipo de pensamento que não permite a elas ver a realidade, e isso é ideologia”. Ora, como pode um ministro que desde que assumiu o cargo profere discursos, estes sim, ideológicos, de vertente profundamente conservadora, muitos deles de racionalidade discutível e até mesmo ininteligíveis, acusar os que criticam o Brasil com base em fatos de ideológicos alheados da realidade? Ao apontar o outro, Ernesto Araújo está, inconscientemente, falando dele mesmo. Freud explica.

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo


*

ORÇAMENTO

Sobre a manchete Sem ajuda do Executivo, órgãos do Judiciário têm de cortar até estagiários (Estadão, 16/9, B1), é muito bom ler as notícias recorrentes sobre poderes e órgãos perdulários tendo seu orçamento reduzido. Agora é a vez do exorbitante e preguiçoso Judiciário. Que venham mais reduções e notícias.

Herman Mendes hermanmendes@bol.com.br

Blumenau (SC)

*

ARBITRARIEDADES

Os Poderes Judiciário e Legislativo precisam melhorar. O Supremo Tribunal Federal (STF), guardião da Constituição, faz vista grossa à injustificada regalia prisional de Lula e solta graúdos condenados em instâncias inferiores. A Câmara dos Deputados vai inviabilizar a condenação de legisladores em primeira instância, quer permissão para uso dos fundos políticos 0800 em defesa advocatícia de seus pares e está em vias de legalizar o caixa 2. O STF e o Legislativo têm vida própria para atuar, mas o fazem arbitrariamente e contrariando a opinião pública.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)


*

O POVO E A CENA

O ministro Gilmar Mendes, do STF, criticando a Operação Lava Jato, disse que o Brasil precisa encerrar o ciclo dos falsos heróis e, ainda, que a cúpula da força-tarefa deveria assumir que cometeu erros e sair de cena. No entanto, senhor ministro, o verdadeiro problema do País é o interminável ciclo dos anti-heróis que jamais saem de cena, e, em situações como esta, que o senhor coloca, deveríamos ter, sim, um sistema contínuo de plebiscitos para que a população brasileira pudesse, ela mesma, decidir quem deve ou não deve sair de cena, em todas as instâncias de governo e em todas as instâncias de poder, e aí poderíamos falar realmente em verdadeira democracia.

Marcelo G. Jorge Feres marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro


*

LAVA TOGA

“Se a CPI da Lava Toga for instalada, o STF manda trancá-la.” Uma passagem sem volta à conflituosa Faixa de Gaza aos que erradamente defenderem que essa indecorosa ameaça não partiu do tirano todo-poderoso (?) ministro Gilmar Mendes, arauto supremo da desordem republicana. Preclaros senadores, não creio que será necessário usar jipes, cabos e soldados para fazer valer a competência fiscalizadora do Senado sobre atos praticados por membros de tribunais superiores, desapegando-os de suas togas e canetas. Chegou a hora dos merecidos impeachments dos supremos ministros em desvio de conduta moral, regimental e constitucional, clama a República. Avante, Lava Toga!

Celso David de Oliveira david.celso@gmail.com

Rio de Janeiro


*

OLIMPO SUPREMO

Gilmar Mendes afirma que, se passar a CPI da Lava Toga no Senado, o STF a derruba. Ora, estes ministros são divindades ou há no País sem disfarces uma ditadura dos corruptos via STF? É só uma pergunta.

Olimpio Alvares olimpioa@uol.com.br

Cotia


*

FREIOS & CONTRAPESOS

Gilmar, O Supremo, disse que, “se instalarem a CPI da Lava Toga, o STF mandará fechá-la”. Parece que o tal “pacto”, o “acordão”, não garante a tal “independência” dos Poderes...

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo


*

A CPI E O CASO FLÁVIO

A senadora Selma Arruda, do PSL, uma das signatárias da CPI da Lava Toga, disse que o senador Flávio Bolsonaro está fazendo pressão contra a instalação da CPI. Não tem de gritar ou pressionar. O presidente do Senado pode rejeitar pedidos de CPI, dependendo da fundamentação do pedido. Se bem fundamentados e dentro dos requisitos exigidos para tal, não deve rejeitar. Não pode rejeitar por questões pessoais. Presidir o Senado não pode ser como torcida de futebol, que rejeita os torcedores adversários. Questões pessoais não podem nem devem entrar no mérito do julgamento, e o senador Flávio Bolsonaro, se nada tem a temer, não deveria, no grito ou nas ameaças, intimidar os parlamentares. É flagrante a oposição a esta CPI. Não só pelos parlamentares, mas também pelos membros do Judiciário, principalmente do STF. Quem deve que pague. Aliás, o presidente Bolsonaro disse, a respeito da questão envolvendo o senador Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz, que se seu filho tiver culpa que pague.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro


*

PERGUNTAR NÃO OFENDE

Como explicar que um inquérito contra o senador Renan Calheiros levou quatro anos na Procuradoria-Geral da República e acabou sendo arquivado, enquanto a procuradora Raquel Dodge em menos de um ano emitiu parecer pela cassação da senadora Selma Arruda? Um ingênuo personagem de Chico Anysio, constantemente traído pela mulher, já dizia: “Tendo explicação, eu aceito”.

Jomar Avena Barbosa joavena@terra.com.br

Rio de Janeiro


*

PRESSÃO

Major Olímpio quer que Flávio Bolsonaro saia do PSL. E quem vai querer este estrupício?

Robert Haller robelisa1@terra.com.br

São Paulo


*

CLAMOR DAS RUAS

A Lava Toga é irmã siamesa da Lava Jato. Ambas têm um inimigo comum: a 2.ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) e seus anexos da Corte. Nós, os 57 milhões de brasileiros minimamente esclarecidos, sabíamos que dar aos Bolsonaros a vitória era um passo arriscado, mas fomos avante acreditando que eles poderiam ser chamados e atenderiam a alguns sacrifícios pelo Brasil. A CPI da Lava Toga é incômoda, mas, como a reforma da Previdência, é a única forma de interromper a marcha do País para o caos. O clamor das ruas tem de ser atendido, sob pena de um retrocesso fatal para o País. É uma missão delegada pelos eleitores, que não pode ser frustrada. Brasil acima de tudo!

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo


*

CPI DA LAVA JATO

Os deputados da oposição que concordaram com a CPI da Lava Jato, protocolada pela deputada Jandira Feghalli (PSOL-RJ), para investigar suposta articulação entre membros da Procuradoria da República no Paraná e o então juiz Sergio Moro, estão dando um atestado de que pouco se importam com os atos de corrupção praticados nos governos anteriores, pois, além de idolatrarem os criminosos que atrasaram o desenvolvimento do País com o aumento da pobreza, 14 milhões de desempregados e a falência na saúde pública, na educação e na segurança, buscam desacreditar aqueles que se esforçaram para acabar com a cleptocracia no Brasil. Espera-se que o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, não concorde com esse absurdo.

José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br

São Paulo


*

SALVE-SE QUEM PUDER!

Os senhores parlamentares certamente não tiveram grandes dificuldades em conseguir assinaturas suficientes para protocolar o desprezível pedido de implantação da CPI da Lava Jato, até porque o desejo de acabar com a operação é enorme ali, naquele âmbito, posto que ainda existam centenas, quem sabe milhares, de corruptos leves, livres e soltos. Não é segredo para ninguém que entre a comunidade política há um número expressivo de excelências cujas “batatas estão assando” lá, para os lados da Polícia Federal. O desespero é total e a ordem é atirar para todos os lados, onde acertar é lucro.      

Maria Elisa Santos marilisa.amaral2020@bol.com.br

São Paulo


*

ELES NÃO ENTENDEM

Parece que não entendem ou não querem entender. É o caso do Supremo Tribunal Federal (STF), que, sem licitação, contratou estudos para a reforma do museu do STF no valor de R$ 240 mil (Estadão, 16/9, A6). Não resta dúvida, enquanto o povão aperta o cinto e faz milagres com o que ganha, os "endeusados" do STF vivem num mundo a parte e ignoram os gastos.

Jose Millei millei.jose@gmail.com

São Paulo


*

AINDA O SALÁRIO ‘MISERÊ’

Embora o assunto já tenha sido tratado diversas vezes, vale relembrar o absurdo desabafo do procurador de Justiça Leonardo Azeredo dos Santos. É o que podemos classificar, sem medo de errar, de indecoroso, vergonhoso, indecente, além de totalmente inadequado. Ele reclamou enfaticamente do seu contracheque no valor líquido de R$ 24 mil mensais, classificando-o como “miserê”, dizendo que terá de baixar seu nível de vida, coisa que não está habituado e muito menos quer fazer. Com a maior desfaçatez, afirmou que teve de baixar seus gastos no cartão de crédito de R$ 20 mil para R$ 8 mil, e, ainda, cinicamente e com uma cara de pau inacreditável, concluiu que terá de “virar pedinte” para sobreviver. E há uma ressalva: no mesmo mês, além do salário “miserê” de R$ 24 mil, foram somadas a este valor “indenizações”, “remunerações retroativas” e “temporárias” que fizeram seu contracheque chegar ao “miserê” de R$ 65.152,99. Pouco, “tadinho”, né não?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo


*

SURREAL

Desconheço as circunstâncias do infeliz pronunciamento do procurador de Justiça de Minas Gerais Leonardo Azeredo dos Santos, mas arrisco algumas coisas: necessidade de tratamento médico, desconhecimento total da realidade brasileira, escárnio do povo brasileiro e outros. É desagradável falar na primeira pessoa, mas posso atestar que nunca pedi uma promoção ou aumento de salário, e, com a soma de meu salário e o de minha esposa, bem inferior ao do promotor mineiro, consegui fazer três cursos universitários, minha esposa, um curso universitário e especializações pertinentes, carregando no ventre meus dois filhos, hoje engenheiros e profissionalmente bem sucedidos, tudo isso sem vender açaí na Região dos Lagos, ou vender carros usados no Rio, e nem mesmo reclamei numa famosa revista semanal contra salários ou soldos militares, ou ameacei dinamitar barragens como Ilha Solteira ou Guandu. Tudo o que conseguimos é fruto de nossos holerites.

Carlos Gonçalves de Faria sherifffaria@hotmail.com

São Paulo


*

PLANOS DE SAÚDE

Li em jornal de Economia que as grandes empresas reduziram seus custos de planos de saúde criando serviços próprios e obtendo sensíveis diminuições dessas despesas. Porém, pergunto o que fez o governo em relação às pessoas físicas ou às pequenas empresas criadas para a proteção de famílias que envelheceram e se aposentaram em suas profissões. Depender de um SUS que não tem recursos porque um deputado gasta R$ 145 mil em dinheiro público para tratar seus dentes não dá, há pessoas que morrem esperando algum socorro. Fazer um plano de saúde é a única alternativa possível, mas, no meu caso, o reajuste entre 2014 e 2019 foi de 137,82%, com a “vantagem” que no último reajuste, que seria de 13,4%, eu consegui reduzi-lo para “apenas” 5% (o dobro da inflação corrente), abrindo mão de alguma coisa. Já que o funcionalismo público ganha 67% a mais que o setor privado e o governo está procurando economizar despesas, minha sugestão é que estes senhores assumam suas despesas de saúde e esses recursos economizados passem para o SUS para melhorar a vida dos sem recursos.

Aldo Bertolucci aldobertolucci@gmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.