Fórum dos Leitores

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2019 | 03h00

FINANÇAS PÚBLICAS

Teto do funcionalismo

Estadão publicou pesquisa do Partido Novo com base em mais de 200 mil contracheques de servidores públicos, em que se constata que, apesar da crise fiscal, o teto salarial do funcionalismo, de R$ 39,3 mil, continua a ser vergonhosamente desrespeitado em todo o País, em especial por cerca de 65% dos magistrados (23/9, B1). Mais que nunca, urge que o Parlamento dê andamento ao projeto de lei já existente que regulamenta essa intrincada questão dos supersalários e as pertinentes isenções de caráter indenizatório, pondo ponto final nessa excrescência.

JOSÉ AMÉRICO FIGUEIREDO SILVA

jose-americo@uol.com.br

Itu


*

Penduricalhos

Como noticiado pelo Estado, 65% dos juízes ganham acima do teto de R$ 39,3 mil, em grande medida por conta dos penduricalhos. Trata-se de uma imoralidade perpetrada por um contingente de elite. Transferem-se recursos do erário, que faltarão aos carentes, para os mais bem remunerados. Estes os reivindicam e defendem com desfaçatez. Trata-se de um “roubo” de recursos públicos e os beneficiados – além de juízes, deputados, senadores e servidores em geral – devem ser acusados e sentenciados. Nenhuma política econômica remove esse obstáculo ao crescimento do PIB.

HARALD HELLMUTH

hhellmuth@uol.com.br

São Paulo


*

Equiparação

Se “só” 65% dos juízes ganham acima do teto de R$ 39,3 mil, os outros 35% que entrem com pedido de equiparação no STF e a igualdade com certeza será concedida. Alguém tem dúvida?

WILSON LINO

wiolino@yahoo.com.br

São Paulo


*

Mais benesses

Além de 65% dos magistrados ganharem acima do teto do funcionalismo, temos agora a aprovação do auxílio-saúde pelo Conselho Nacional de Justiça. A situação vai se agravar mais contra nós, que pagamos tudo isso. Só falta eles solicitarem pagamento de horas extras, adicional noturno e de insalubridade...

ANGELO TONELLI

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo


*

CONGRESSO NACIONAL

Eternos privilegiados

Recente pesquisa mostrou que 70% dos brasileiros não possuem plano de saúde, seja individual ou empresarial. Essas pessoas querem saber por que têm de pagar plano de saúde ilimitado para senadores, deputados e seus dependentes. É um privilégio inconcebível.

JOMAR AVENA BARBOSA

joavena@terra.com.br

Rio de Janeiro


*

Lei acintosa

A lei aprovada pela Câmara para regular as eleições de 2020 é um acinte. No Congresso os interesses dos parlamentares têm precedência sobre os interesses do País: projetos tramitam mais rápido, superam sem dificuldades os ritos legislativos e até atropelam obstáculos éticos.

JOSÉ TADEU GOBBI

tadgobbi@uol.com.br

São Paulo


*

Partidos em excesso

A reforma trabalhista extinguiu a obrigatoriedade da contribuição sindical e, por conseguinte, desestimulou o surgimento de novas agremiações sindicais e fez desaparecer muitas delas. Da mesma forma deveria ser criada regra que norteasse a criação de partidos políticos, pois o fundo partidário, que em 2018 girou em torno de R$ 1,8 bilhão, é um grande incentivador para políticos amealharem dinheiro público. É inadmissível a existência de 28 partidos com representação no Congresso Nacional.

J. A. MULLER

josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré


*

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Os mais iguais

Pelo andar da carruagem, parece que a reforma da Previdência vai atingir somente aqueles que trabalham e produzem na iniciativa privada, os quais receberão em média, na velhice, um valor aproximado de R$ 1.200 de aposentadoria. Na casta privilegiada que corrói o País, ninguém vai mexer. Pobre Brasil.

CARLOS DOS REIS CARVALHO

bigcharleso20@gmail.com

Avaré


*

MEIO AMBIENTE

Exploração sustentável

É possível vislumbrar formas de retirar de maneira econômica e sustentável toras de madeira da floresta, mas para programar essa retirada é necessária a participação efetiva de botânicos e pedólogos (geólogos do solo) com experiência quanto à seleção de áreas e à fixação de formas e prazos para a retomada da cobertura florestal após a retirada da madeira. Numa delas, em caso de a retomada da floresta ser estimada em 50 anos, o processo passaria pela seleção de grandes áreas, que seriam divididas em 50 lotes de igual extensão, permitindo que a cada ano sejam retiradas árvores de interesse de apenas um dos lotes, onde, ao final do ano, deveriam ser plantadas mudas de árvores iguais às retiradas. Quando se retirassem árvores do último lote, o primeiro já estaria totalmente recuperado, pronto para ser trabalhado novamente. No processo seriam instalados rede de estradas e centros de trabalho e moradia. Além de viveiros de mudas, claro. Haveria trabalho para milhares de pessoas. A mata baixa deve ser preservada ao máximo, nunca ser incendiada, o mesmo quanto às embaúbas, que aparecem espontaneamente em áreas desmatadas, crescem rápido e garantem sombra para as árvores nativas crescerem.

WILSON SCARPELLI

wiscar@terra.com.br

Cotia


*

CORRUPÇÃO

Político preso

Marta Suplicy, no seu panorâmico apartamento nos Jardins, declarou em entrevista ao Estadão que Lula da Silva é um “preso político”. Há controvérsias, pelo conjunto da obra a quatro mãos – Lula e Dilma – desestruturando o Brasil e mais outros malefícios. Marta confundiu-se. Lula não é um “preso político”, é só mais um político preso, o que faz enorme diferença.

HUMBERTO SCHUWARTZ SOARES

hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)


*

FIFA FAN AWARD

Amor e dignidade

Que atitude digna a da Fifa para com a torcedora do Palmeiras sra. Silvia Grecco, que levou o filho Nickollas, de 12 anos, portador de deficiência visual, para assistir à partida de futebol e narrou o jogo todo para o menino. A Fifa premiou-a como a melhor torcedora. Uma bela prova de dignidade e amor em nosso país!

ARTUR TOPGIAN

topgian.advogados@terra.com.br

São Paulo


*

“Para os funcionários públicos, tudo, até benefícios injustificáveis. Já os brasileiros comuns, ora, paguem e não reclamem”

JONAS DE MATOS / SÃO PAULO, SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA, CUJA VOTAÇÃO NO SENADO FOI ADIADA

jonas@jonasdematos.com.br


*

“Desconheço a autoria desta frase que circula na internet, mas ela expressa a mais pura verdade: ‘A aposentadoria é a devolução do dinheiro de quem foi descontado quando estava na ativa. Nunca foi caridade do governo!’”

MARIA DO CARMO ZAFFALON LEME CARDOSO / BAURU, IDEM

zaffalon@uol.com.br

SOBERANIA

 

O discurso do presidente Jair Bolsonaro na abertura da Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), não importa se foi agressivo ou de confronto, conforme opinião de alguns analistas, foi importante para defender a soberania brasileira na Amazônia diante de interesses econômicos e políticos externos.

 

José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br

São Paulo

 

*

O DISCURSO DO PRESIDENTE

 

Cumprimento o presidente pelo brilhante discurso na ONU. Com altivez expôs o novo Brasil, que veio à luz com sua posse. Com orgulho, falou do novo Brasil que preza sua soberania e mantém seu compromisso com os valores universais reconhecidos pelas verdadeiras democracias. Com clareza, expôs a nossa posição com relação à Amazônia e aos povos indígenas que nela vivem. Ressaltou a importância de sua participação na sociedade brasileira como seres humanos, e não como relíquias pré-históricas. Com sinceridade, expôs o desejo do nosso país de comercializar com todo o mundo e fazer parte da confraternização universal. Com breves observações, descreveu o estado desastroso a que os governos anteriores levaram o Brasil. Com altivez, demonstrou que o Brasil respeita, mas não teme a opinião mundial e não lhe será submisso como no passado. Finalizou ressaltando o valor da verdade e o desejo do Brasil de se integrar ao resto do mundo, convidando todos a visitarem o Brasil para tomar contato com um país exuberante e que está progredindo. Em resumo, contrariando, mais uma vez, a quase totalidade da imprensa, que se uniu aos que conduziram o País à ruína para alardear que seu discurso seria desastroso, fez um discurso bem feito, coerente e bem claro, que foi bastante aplaudido. Mais uma vez, parabéns ao presidente que elegemos por acreditarmos que realizaria uma mudança radical no País. Estamos satisfeitos.

 

Carlos Ney Millen Coutinho cncoutinho@uol.com.br

Rio de Janeiro

 

*

BOLSONARO NA ONU

 

Enfim, alguém que se pode ver como presidente de um país. Falou o bicho para os bichos.

 

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

 

*

DOIS CONTRA O MUNDO

 

Bolsonaro e Trump, com seus discursos de ódio e ressentimento na ONU, declaram briga ao mundo e ao povo de seus países.

          

Paulo Sergio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

 

*

US$ 500 MILHÕES

 

A charge publicada na imprensa jornalística de ontem, além de hilária, é de uma constatação tão verídica quanto se afirmar que amanhã a Terra estará girando e gerando dias e noites. Na segunda-feira o presidente da França, Emmanuel Macron, afirmou que os países do Primeiro Mundo irão dispor de US$ 500 milhões para amparar medidas sérias para preservação da Floresta Amazônica, onde não há fiscalização, nas queimadas criadas por pecuaristas para aumentar suas áreas de pastagens, do roubo de madeira de lei e da mineração proibida, mas acobertada pelos interesses dos próprios indígenas. Há tempos a Amazônia arde, mas só agora, com as alterações climáticas, o mundo desenvolvido se volta para o grave problema que afeta seus pulmões. O perigo é quem gerenciará essa grana. Rápido, chamem a Lava Jato.

 

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

 

*

EXIGIMOS RESPEITO

 

“É por semana ou por mês que irão pagar isso?”, foi a resposta debochada do sr. Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente, ao ser questionado pelo Estado sobre a verba de US$ 500 milhões da União Europeia destinada à preservação de florestas tropicais do mundo, incluindo a Amazônia. Além de se destacar a total ausência do governo brasileiro nestes debates, mais uma vez se repete um recorrente comportamento desrespeitoso e omissivo, em absoluta dissonância com os anseios à preservação do verde e do habitual comportamento respeitoso da grande maioria do povo brasileiro, também massacrado por um Legislativo irresponsável e um Judiciário ineficiente, ambos moralmente apodrecendo em privilégios. Embora há tempos estes mandatários de araque se esqueceram do que é o respeito, nós continuamos a praticá-lo, seja em família ou em público.

 

Honyldo Roberto Pereira Pinto honyldo@gmail.com

Ribeirão Preto

 

*

UM NOVO PARADIGMA

 

Basta observar as evidências da História humana e como conflitos de posse costumam ser resolvidos. Observar realisticamente as condições militares do Brasil, se comparadas a outros países. E vai perceber que, eventualmente, tomar a Amazônia do Brasil seria mais que uma probabilidade. Uma possível alternativa para evitar isso seria ocupá-la segundo um novo paradigma de desenvolvimento. Um modelo inteligente, referência para a humanidade, que aponte para equilíbrio ambiental e justiça social. Um farol científico, ético e espiritual para o século 21. Já uma forma de acelerar a tomada é isto que se está fazendo: destruindo, queimando – floresta, indígenas e pontes diplomáticas – e dizendo “é meu, faço o que quiser”.

 

Céu D’Ellia, cineasta de animação e ambientalista ceudellia@gmail.com

São Paulo

 

*

PUXÃO DE ORELHA

 

Greta Thunberg, ativista sueca de 16 anos, é um fenômeno. Em sua precoce maturidade, é desinibida, eloquente e sagaz defensora do meio ambiente para evitar a extinção em massa devido ao efeito estufa. Sua fala da ONU foi um puxão de orelha nos líderes mundiais. Esperamos que não caia no vazio, que a economia cresça, mas reduza o aquecimento térmico da Terra, preservando o meio ambiente.

 

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

 

*

GRETA THUNBERG

 

Interessante que quando a ONU abre espaço para alguém falar sobre temas ambientais, coloca uma adolescente de 16 anos sem nenhuma formação científica – como fizeram com Greta Thunberg. Em compensação, cientistas e pesquisadores renomados que discordam do “mainstream” sobre o aquecimento global nem sequer são convidados a expor suas pesquisas, a exemplo dos brasileiros Luiz Carlos Molion (Ufal) e Ricardo Felício (USP). O que deu para perceber é que Thunberg fez um belíssimo curso de interpretação.

 

Raquel Amorim quel.amorim7@gmail.com

Belo Horizonte

 

*

MAIS UMA VÍTIMA

 

Ághata, o anjinho de 8 anos, queria ser bailarina. Irresponsáveis armados e fardados acabaram com a vida e com os sonhos da doce criança. Sua ternura, pureza e alegria foram para o melhor lugar do mundo: para perto de Deus. Uma caravana de anjos e reis veio buscá-la. Ághata foi mais uma vítima da brutalidade, da impunidade, da covardia, da intolerância e da insegurança que tomaram conta do Rio de Janeiro. Diante dos clichês e das desculpas esfarrapadas e cretinas das autoridades, restam aos pais, amigos e familiares de Ághata o desespero, o choro, a agonia e a indignação. O Brasil, por sua vez, cobre-se mais ainda de vergonha aos olhos o mundo. O clarão de luz, esperança, bondade e energia com que Ághata encantou todos na Terra vai iluminar ainda mais as estrelas. O orvalho da eternidade terá em Ághata uma sublime parceira.

 

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

 

*

A GUERRA DO RIO DE JANEIRO

 

É ridículo, se não fosse má-fé, o ataque da mídia e das forças políticas de esquerda ou mesmo de centro-esquerda contra os governos de direita, seja o federal ou o estadual do Rio de Janeiro. Só se fala na morte da menina Ágatha numa operação policial na “Cidade Maravilhosa”. Um dia foi Amarildo, depois Marielle e, agora, esta pobre menina. O mais engraçado é que a população do Rio (com a mídia dando apoio e cobertura total) exige mais segurança e, no entanto, quando o governador defende uma política de enfrentamento contra os “inimigos” da “guerra” de fato que ocorre há tempos nas comunidades locais, todos da imprensa escrita, falada e televisionada “caem de pau” nele. Seria o mesmo que a ONU e a mídia internacional atacarem as ações desenvolvidas pelas forças antiterror contra o Estado Islâmico, na Síria, e o Taleban, no Afeganistão, pelas mortes de centenas de Ágathas que aqueles confrontos causam todos os dias. Qual a diferença com o que está ocorrendo no Rio? Na forma pode ser um pouco diferente, mas no conteúdo é idêntico. Lá, no Oriente, são exércitos regulares daqueles países ou seus aliados tentando aniquilar os exércitos de terroristas internacionais que se escondem “embaixo das saias” das populações civis locais. No Rio são bandidos assassinos traficantes, fortemente armados, que formam o “exército da delinquência” que se protege “embaixo das saias” da população civil nas comunidades. O pior é que cada vez mais, pela inação das autoridades responsáveis pela segurança e/ou pelo medo que os policiais têm de agir e virem a ser punidos, os facínoras estão dominando os seus territórios. Qual a sugestão que a mídia e as oposições sinistras (sinônimo de esquerda) têm para resolver o problema da segurança pública no Rio de Janeiro? Ninguém sabe responder. Só o governador do Estado sabe.

 

José Claudio Marmo Rizzo jcmrizzo@uol.com.br

São Paulo

 

*

DESCASO

 

O descaso excruciante do governador carioca em relação à morte trágica da menina Ágatha evidencia apenas uma falta de elevação moral.

 

James Robert Jernigan jimmyjjernigan@gmail.com

São Paulo

 

*

ÁGATHA E A POLÍCIA DO RJ

 

Não podemos perder de vista que a culpa da morte da menina Ágatha não é da Polícia, mas do tráfico e das milícias. E estes têm de ser combatidos. O Estado foi retirado das comunidades por governantes lenientes e só conseguirá voltar à força.

 

Radoico Câmara Guimarães radoico@gmail.com

São Paulo

 

*

PREMEDITADO

 

É lógico que se lamenta a morte da menina Ágatha, no Rio de Janeiro. Mas colocar a culpa – de modo apressado – na polícia parece algo premeditado. Uma estratégia do crime organizado, para desestimular a presença policial e postergar o domínio sombrio dos fora-da-lei. Até quando engoliremos toda essa hipocrisia social?

 

Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

 

*

SOLUÇÃO AMPLA, GERAL & IRRESTRITA

 

A Polícia é corrupta, violenta e letal. Assim sendo, o cidadão deve chamar os bandidos assim que precisar de socorro numa eventualidade qualquer...

 

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

 

*

GRATOS

 

Os traficantes penhoradamente agradecem ao PT estar explorando ao máximo a morte acidental de Ágatha!

 

Eugênio José Alati eugenioalati13@gmail.com

Campinas

 

*

NOVA ROUPAGEM

 

Depois do cansaço provocado pelo movimento Escola Sem Partido, insatisfeito com a rejeição pela maior parte da sociedade, o Ministério da Educação lança o programa Escola de Todos: novo no nome, antigo no propósito. Alguém quer chocolates? 

 

Maria Lucia R. Jorge mlucia.rjorge@gmail.com

Piracicaba

 

*

ESCOLA DE TODOS

 

Cumprimentos ao ministro da Educação, Abraham Weintraub, e ao MEC pelo oportuno ofício encaminhado às secretarias municipais e estaduais e entidades de classe determinando que as escolas adotem o pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas e que evitem a propaganda político-partidária. O projeto Escola de Todos vem a bom tempo, contendo cinco direitos fundamentais do corpo discente, entre os quais o de não sofrer nenhum tipo de intimidação (bullying) em razão de sua identidade composta por suas características físicas, crenças e convicções, da liberdade de fé, de expressão, da tolerância de opiniões e da diversidade cultural, bem como do veto à promoção inadequada de comunicação comercial de qualquer natureza. Lecionar, sim, doutrinar, não. Basta!

 

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

 

*

FLERTANDO COM O PERIGO

 

A 2.ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), adepta da política de celas abertas para condenados presos pela Operação Lava Lato, vai se reunir com o plenário da corte nesta quarta-feira para julgar outro pedido de habeas corpus (HC), desta vez o de Marcio de Almeida Ferreira, ex-gerente da Petrobrás que reivindica prazo diferente de delatores para apresentar sua defesa, a exemplo de Aldemir Bendine, ex-presidente da estatal condenado a 11 anos de reclusão por corrupção e lavagem de dinheiro, que teve seu pedido de liberdade aceito em HC concedido pelo STF. Não satisfeita em premiar com a liberdade notórios escroques encarcerados, a ala libertadora do Supremo parece decidida a comprar briga em prol da “alma mais honesta” do País, presa em Curitiba por corrupção e lavagem de dinheiro, tendo anulando recentemente uma sentença proferida pelo então juiz Sergio Moro que pode pavimentar o caminho para colocar Lula em liberdade. É disso que se trata quase todas as decisões que ultimamente vêm sendo tomadas por essa turma de iluminados que vem tentando beneficiar outros condenados em processos semelhantes para abrir caminho para a libertação do presidiário #001. Pergunto: se o resultado do julgamento levar a mais anulações de condenações da Lava Jato e beneficiar o ex-presidente presidiário, podendo levá-lo até mesmo à liberdade total, quais seriam as consequências? O dinheiro roubado que já foi devolvido e as multas aplicadas pela Justiça deveriam ser entregues aos ex-detentos, acompanhados de um pedido de desculpas? Afinal, foram presos sem acusação. A cereja do bolo seria os larápios transformados em ficha-limpa entrarem, ainda, com pedidos milionários de indenização aceitos prontamente pelo STF, sendo os custos, como de costume, repassados aos contribuintes. Uma aberração total. Pensem bem, ministros. Paciência tem limite.

 

Paulo R. Kherlakian paulokherlakian@uol.com.br

São Paulo

 

*

FANTASIA E REALIDADE

 

Sobre a matéria Toffoli marca para quarta julgamento de alegações finais de delatores, publicada no Estadão em 24/9, vamos ver até que ponto chegarão as distorções de uma suposta “falta de imparcialidade”, capazes de invalidar provas robustas que constaram no rol das provas elencadas, como base das condenações da Lava Jato genericamente. Agora se verá até que ponto chegou o aparelhamento do Judiciário, nesta quarta-feira, em dar mais valor a formalidades sem muito significado do que a fatos nus e crus fartamente comprovados. Para esquerdistas, agora, uma vazia formalidade deve superar fatos reais, na sua visão mentirosamente distorcida. No frigir dos ovos seria a fantasia valer mais do que a realidade!            

      

Ulf Hermann Mondl hermannxx@yahoo.com.br

São José (SC)

 

*

NAS NUVENS

 

Sempre ele, STF. No fim, uma grande pedra no caminho da justiça. Vejam as últimas decisões previstas pela magnânima “Corte”. Pessoal implicado na Lava Jato nas nuvens.

 

Itamar C. Trevisani itamartrevisani@gmail.com

Jaboticabal

 

*

A LEI VALE OU NÃO?

 

O bordão de que “juiz só fala nos autos” significa que não deve dar declarações públicas sobre seu trabalho, devendo se limitar a manifestações nos autos dos processos sob sua responsabilidade. Temos presenciado pelos diversos meios de comunicação alguns ministros do STF manifestando-se sobre temas em análise pelo Judiciário. Até onde sabemos, é vedada pela Lei Orgânica da Magistratura a manifestação sobre casos da pauta antecipando suas posições. Está valendo ou não a lei? Pelo jeito, lei foi feita para alcançar os mortais e não os “deuses togados”.

 

Jomar Avena Barbosa joavena@terra.com.br

Rio de Janeiro

 

*

O BRASIL E AS LEIS

 

Cumprimento o articulista Fernão Lara Mesquita, pela clarividência na análise de mais este problema brasileiro (A lei é a arma com que se assalta a NaçãoEstadão, 24/9, A2). Uma análise sensata e profunda, sem resvalar para partidarismos ou preferências políticas que geram tantos raivosos e críticas preconceituosas.

 

Luiz Calejon luizcalejon@hotmail.com

Catanduva

 

*

A MESMA LADAINHA

 

Fernão Lara Mesquita (24/9, A2) repete de forma monocórdia e incansável a cantilena do voto distrital e do recall, lembrando o imposto único de Marcos Cintra e a renda básica de cidadania de Eduardo Suplicy. A diferença é que me parece que ele está absolutamente certo, uma vez que todo o resto está um desastre. Mas por que as suas sugestões são absolutamente ignoradas (lá vem o cara falando de novo sempre a mesma ladainha), nenhum outro jornalista toca no assunto, nem que fosse para fazer um contraponto? Gostaria de saber.

 

Albino Bonomi acbonomi@yahoo.com.br

Ribeirão Preto

 

*

INTERESSES

 

Foi adiada a votação da reforma da Previdência no Senado. O que mais seu presidente, Davi Alcolumbre, sabe fazer contra o Brasil? Devia envergonhar-se!

 

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.