Fórum dos Leitores

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

12 de outubro de 2019 | 03h00

SINDICALISMO

Imposto de volta

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (sempre ele), e o deputado Paulinho da Força (aquele que declarou que os índices da economia não poderiam melhorar) articulam a volta disfarçada do imposto sindical compulsório. Quando se pensa que a doença que consome o paciente acabou, ela volta na calada da noite para destruir a saúde de suas vítimas: nós. Haja fé!

OLIMPIO ALVARES

olimpioa@uol.com.br

São Paulo

*

Novo golpe

Acostumados a extorquir os trabalhadores, os sindicalistas não se conformam com a extinção do famigerado imposto sindical obrigatório. Orientado e estimulado pelo Paulinho da Força Sindical (que responde a seis ações civis públicas, uma ação penal e quatro inquéritos), o deputado Marcelo Ramos (PL-AM) propõe descabida emenda à Constituição que cria um conselho plenipotenciário para comandar todos os trabalhadores e submeter todas as empresas do Brasil a meia dúzia de indivíduos. É imperioso desde já que a sociedade civil adote medidas protetivas, quer advertindo os parlamentares, quer acionando o Judiciário para impedir esse assalto ao bolso dos brasileiros. Se os sindicalistas querem dinheiro, convençam os trabalhadores dos benefícios de serem sindicalizados. Chega de sustentar diretorias e militantes de sindicatos!


JOÃO PAULO DE O. LEPPER

jp@seculovinteum.com.br

Rio de Janeiro

*

ECONOMIA

Agricultura e meio ambiente

O editorial Do plantio ao risco diplomático (11/10, A3) toca no ponto fundamental da razão de nosso sucesso agrícola e comercial nas últimas duas décadas. Foi com o equilíbrio entre preservação ambiental e tecnologia agropecuária que conseguimos bater recordes de produtividade e ter nossos produtos considerados ambientalmente sustentáveis. Mas tudo está sendo destruído por uma ideologia que nem dominante é. Muito havia para avançar e estávamos no caminho certo, com redução do desflorestamento, rastreabilidade, incentivo à agricultura familiar, etc. Agora conviveremos com as consequências desse retrocesso por muito tempo.

ADILSON ROBERTO GONÇALVES

prodomoarg@gmail.com

Campinas

*

Deflação em setembro

Uma ótima notícia para o bolso surrado do brasileiro: em setembro, anunciou o IBGE, os preços dos produtos estiveram bem comportados, resultando num IPCA com deflação de -0,04%. O melhor resultado para o mês desde 1998, que teve deflação de -0,22%. Com o IPCA negativo, a inflação acumulada no ano é de 2,49% e em 12 meses, inimagináveis 2,89%. Alimentos e bebidas, que mais pesam na formação do índice inflacionário, tiveram queda de 0,43%. Já o setor de saúde e cuidados pessoais apresentou alta de 0,58%. Com esse resultado, certamente o Banco Central, nas próximas reuniões do Copom, não terá dúvidas em reduzir a taxa Selic, hoje em 5,5% ao ano, para 4,75%, até dezembro. Oxalá também sejam reduzidos pelos bancos os juros para o consumidor final.

PAULO PANOSSIAN

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

EDUCAÇÃO

A âncora

O artigo de Simon Schwartzman A âncora da educação (11/10, A2) me fez lembrar de quando Cristovam Buarque foi candidato à Presidência, em 2006. Em todas as suas entrevistas e peças de campanha ele falava em educação. Um jornalista o criticou, dizendo que Buarque era “candidato de uma nota só”. Sabemos que não é só pela educação que avança um país, mas sem ela o atraso é certo. Melhor uma só nota bem tocada do que várias dissonantes.

MARCELO MELGAÇO

melgacocosta@gmail.com

Goiânia

*

CORRUPÇÃO

Marcelo, o justo

Marcelo Odebrecht, criminoso confesso, acha injusta a condenação de Lula da Silva. Qual a validade do juízo de valor sobre a moral e o sistema de Justiça de um criminoso, aliás, um dos maiores corruptores do planeta em todos os tempos? A opinião dele tem o mesmo valor que a opinião de Marcola sobre a liberação do porte de armas...

OSCAR THOMPSON

oscarthompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba

*

SEGURANÇA PÚBLICA

Área escolar

Todos os dias levo minha filha para a escola e temos de atravessar a Rua Inhaúma com a José Gomes Falcão. Os veículos passam sem parar e não dão passagem para os pedestres. Ontem o inevitável aconteceu, às 7 da manhã houve um atropelamento com vítima. É preciso um semáforo nessa área escolar, são duas escolas na região, com grande fluxo de alunos e carros. Além da questão de segurança no trânsito se faz necessário a segurança policial na área. Já presenciei tentativas de assalto e pedi à Polícia Militar (PM) policiamento constante por causa das escolas, mas até agora nada foi feito. Muitos alunos e funcionários transitam do metrô Barra Funda até as escolas pela Ruas Quirino dos Santos, Avenida Marquês de São Vicente, Rua José Gomes Falcão e Rua Inhaúma. A sensação é de um deserto sem lei. Esperamos uma solução satisfatória tanto da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) como da Polícia Militar.

TÂNIA GORODNIUK

taniagorodniuk@gmail.com

São Paulo

*

INDÚSTRIA DAS MULTAS

Rodovia dos Tamoios

É inaceitável a verdadeira indústria das multas em operação na Rodovia dos Tamoios (SP-099). Como milhares de outros motoristas incautos, já fui autuado: tomei e paguei várias multas de forma indevida e injusta, ao trafegar por essa estrada. Em muitos trechos da Tamoios não dá para saber se a velocidade máxima é de 60 km/h ou 80 km/h, porque não há placas sinalizando a alteração dos limites de velocidade. Em alguns trechos, como nos quilômetros 27 e 39, que pertencem ao município de Paraibuna, há radares colocados, no meu entender, de forma claramente de má-fé. O motorista é autuado sem saber por quê, pois o limite de 70 km/h muda para 60 km/h naquele trecho sem nenhum sinal de aviso. Um claro desrespeito às normas e diretrizes do Código de Trânsito Brasileiro pela Dersa e/ou pela concessionária da rodovia. É inadmissível o que acontece hoje na Tamoios, onde motoristas sérios, respeitadores das leis de trânsito, estão sendo autuados e multados de forma ilegal e abusiva. Algo precisa ser feito e corrigido. Nós, cidadãos, esperamos um mínimo de seriedade, bom senso, razoabilidade e responsabilidade da parte dos órgãos públicos responsáveis.

RENATO ISNARD KHAIR

renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

“Tornando demissíveis os funcionários dos três Poderes, veríamos um grande enxugamento, sem necessidade de novas contratações, pois aí os que ficassem teriam de trabalhar para valer”

GUSTAVO GUIMARÃES DA VEIGA / SÃO PAULO, SOBRE A REFORMA ADMINISTRATIVA

ggveiga@outlook.com

*

“Folguedos penais: Von Richthofen, Jatobá e Matsunaga livres, leves e já soltas para os folguedos do Dia da Criança. A execução penal no Brasil é mesmo uma brincadeira...”

A. FERNANDES / SÃO PAULO, SOBRE AS BENESSES DA LEI PARA OS CRIMINOSOS HEDIONDOS

standyball@hotmail.com

MILAGRES


A canonização de Irmã Dulce, amanhã, no Vaticano, é por causa de milagres, é o reconhecimento por suas obras. Deputados e senadores e os presidentes do Senado, da Câmara dos Deputados e do Supremo Tribunal Federal (STF), que viajarão para a Itália com ajuda diária de US$ 470 mais passagens pagas pelo erário, devem ficar constrangidos ao conhecerem de perto o trabalho de Irmã Dulce. Se o evento de amanhã tocar o coração destes visitantes, o Brasil mudará seu rumo, pois ouvirão exemplos de dedicação, compromisso e justiça. Renovados no espírito de santidade, votarão as reformas da Previdência, administrativa, tributária, o pacote anticrime e a Lei de Abuso de Autoridade sem “toma lá, dá cá”, pensarão no melhor para o Brasil e para o seu povo. Então, pode-se dizer que a bondade de Irmã Dulce foi transmitida por osmose. Todos estes milagres poderemos conferir, a partir da próxima semana.


Izabel Avallone  izabelavallone@gmail.com

São Paulo


*

PENITÊNCIA


Se a esmola é grande, o santo desconfia. Irmã Dulce não foge à regra, com o recente surto de devoção, fé e religiosidade de alguns políticos brasileiros...


A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo


*

CARAVANA


Quem não se lembra da votação do impeachment da ex-presidente Dilma, quando todos os parlamentares afirmaram apoiar o impeachment “pelos filhos e pela família”? Agora vemos a caravana deles, incluindo “supremos” do STF, para acompanhar a canonização de Irmã Dulce, no Vaticano. São católicos fervorosos desde criancinhas, mesmo sem nunca terem pisado numa igreja. Esta é a velha máscara apresentada para hoje – e qual será a de amanhã? Não devem nem saber realmente o que fez de relevante para o Brasil a Irmã Dulce, mas saberão o endereço dos lautos restaurantes, das lojas chiques onde se encontram belas gravatas, da Piazza Di Spagna e da Fontana de Trevi, onde jogarão moedinhas pedindo boa sorte na próxima reeleição. Tudo pago pelos pobres brasileiros, que rezarão realmente sem máscaras por Irmã Dulce. Até quando aguentaremos tanta hipocrisia?


Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo


*

MORDOMIA


A comitiva de congressista ao Vaticano é a prova cabal de que o Congresso é o maior cabide de emprego e mordomias da história, que nem a abrangente lição de filosofia política de Norberto Bobbio conseguiu retratar.


Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo


*

ROMARIA AO VATICANO


Eu respeito a atitude dos católicos em festejar a canonização de Irmã Dulce, mas não a viagem de nossos políticos à custa do dinheiro público. Ficaria mais contente se houvesse uma grande romaria à Suécia para assistir à entrega do Prêmio Nobel ao primeiro brasileiro a ser escolhido pela comissão de concessão do prêmio de renome mundial.


Toshio Icizuca toshioicizuca@terra.com.br

Piracicaba


*

INSULTO


Não é um insulto à memória de Irmã Dulce esta festa de políticos indo ao Vaticano com dinheiro público?


Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo


*

SANTA DULCE


Irmã Dulce, o “anjo bom da Bahia”, será canonizada amanhã, 13 de outubro, passando a ser chamada de Santa Dulce dos Pobres. Minha Senhora Bem-Aventurada Dulce dos Pobres, nós vos rogamos para que intercedas junto ao Pai no sentido de que nosso Brasil não se torne grande pela dor dos pequeninos e que este povo generoso e ingênuo não continue sendo enganado por tantos inescrupulosos que detiveram e ainda detêm o poder. Bendita sejas! Salve Santa Dulce dos Pobres!


Jomar Avena Barbosa joavena@terra.com.br

Rio de Janeiro


*

ORAÇÃO


Os brasileiros têm amargado derrotas sucessivas nos últimos anos em várias atividades da vida nacional. As que feriram mais os brios nacionais, a surra levada da Alemanha no futebol, gravada a ferro e fogo para nunca mais ser esquecida (7 a 1), contra a Alemanha na Copa do Mundo; a revolta de todo o mundo com o descaso da destruição da maior fábrica de oxigênio para o mundo; o petróleo que invade as praias do litoral do Nordeste; ou o recente expurgo do Brasil da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), em detrimento de uma vaga nessa importante organização para nossa tradicional rival, a Argentina, dos “hermanos”. E neste fim de semana senadores brasileiros promovem à custa do erário uma “caravana holiday” para prestigiar a canonização da primeira santa brasileira, Irmã Dulce – um acontecimento nacional, apesar de o Brasil ser um país laico onde o evangelismo se espalha como fogo morro acima. E, na política interna, o presidente da República quer deixar o partido político que o elegeu. Só, mesmo, a oração nos salvará.


Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)


*

O PETRÓLEO NAS PRAIAS DO NE


Sobre o artigo Esquerda cala sobre óleo no mar, de José Nêumanne (11/10), é muito oportuna a observação do articulista sobre o desastre ambiental em que há suspeitas de os restos de petróleo poluidor que chegou às praias nordestinas ter origem venezuelana. Agora, as esquerdas, tão histéricas em berrar contra qualquer infração ambiental a ser atribuída a Bolsonaro e a seu ministro Ricardo Salles, preferiram ficar caladas e aguardar, pois a grande “amiga” bolivariana estaria na berlinda. Caso a hipótese de origem venezuelana seja comprovada, seria esta uma das primeiras operações de guerra em que se ataca um inimigo com armas químicas inovadoras, no caso, o petróleo derramado propositalmente em alto mar, dispersado por correntes marinhas, para que chegue ao litoral poluindo-o. Um ataque ecológico inédito, uma nova modalidade de guerra, com grande prejuízo ambiental.                      


Ulf Hermann Mondl hermannxx@yahoo.com.br

São José (SC)


*

O GOVERNO E O MEIO AMBIENTE


O sr. José Renato Nalini, no artigo Rumo ao precipício (Estadão, 11/10, A2), se apresenta como reitor e professor de pós-graduação. Como tal, deveria ter mais responsabilidade e se informar melhor, estudar um pouco os assuntos sobre os quais escreve. Frases como “liberar os agrotóxicos de maneira considerada irresponsável”, “450 deles obtiveram livre acesso ao território brasileiro”, além de inverdades, são desrespeitosas, considerando o volume de tempo, pesquisa e estudos demandados para que se possam recomendar defensivos, ou agroquímicos, como queiram. No mínimo, o articulista deveria saber que o uso não é “liberado”, mas exige receita agronômica, da mesma forma que medicamentos exigem receita médica.


Ciro Antonio Rosolem, professor titular da Faculdade de Ciências Agronômicas da Unesp ciro.rosolem@unesp.br

Botucatu


*

‘RUMO AO PRECIPÍCIO’


Faria melhor o sr. José Renato Nalini se reconhecesse que o precipício brasileiro está no valor dos salários e aposentadorias milionárias do setor público, do qual desfruta sem dó.


Ademir Valezi valezi@uol.com.br

São Paulo


*

DOSE


Aqueles que adotam o termo agrotóxico, em vez do correto “defensivo agrícola”, por coerência, deveriam adotar antropotóxico em vez de remédio, porque este, em doses erradas, pode levar a óbito.


Zilmar Ziller Marcos zilmarzillermarcos@gmail.com

Piracicaba


*

SINAIS POSITIVOS


Com a passagem do tempo, a relação de Jair Bolsonaro com a imprensa começa a se normalizar. Embora as redes sociais tenham sido decisivas para a vitória do então candidato nas últimas eleições, nem só delas vive o prestígio de um presidente. De passagem por São Paulo, o chefe do Executivo visitou a sede do jornal O Estado de S. Paulo, onde lembrou suas origens – aos 15 anos, época de seu primeiro emprego na empresa, como entregador de jornal, chegou a produzir palavras cruzadas para o Estado, e durante a visita de quinta-feira o diretor do jornal o presenteou com um compilado de suas cruzadas. É um gesto que ajuda a pacificar mentes atormentadas com a chegada de um militar ao poder. Que essa relação entre o presidente e um dos pilares da democracia, a imprensa livre, se fortaleça com o tempo. Ao contrário dos últimos presidentes – em especial Lula –, que, em início de carreira, se valeu da imprensa para se vangloriar, mas ao final do mandato já tinha planos para cercear a liberdade de expressão com a criação do marco regulatório da mídia, que acusava estar sob o controle de meia dúzia de famílias, Jair Bolsonaro dá mostras de que sua relação com a imprensa a partir destes nove meses de governo deve ser pacificada, chegando ao fim de seu mandato com uma relação saudável e republicana que pode até deixar saudades.


Paulo R. Kherlakian paulokherlakian@uol.com.br

São Paulo


*

FLEXIBILIDADE


O presidente Jair Bolsonaro “contaminou” o espaço do Estadão com sua presença autoritária e retrógrada. Paciência. Aliás, sugiro ao Grupo Estado que convide seus leitores para igual deleite. Devorador de cruzadas outrora, como noticiado aqui, no começo do ano passado. Houvesse devorado apenas o editorial, teríamos um presidente muito melhor. Tem de ter estômago para compartilhar “tamanha” presença. Parabéns ao jornal, provou ter estômago e flexibilidade.


Leandro Ferreira silvaaleandro619@gmail.com

Guarulhos


*

RESULTADO DA VISITA


Bastante significativa a visita do presidente Bolsonaro ao Estadão, ocasião em que se comentou sobre a sua colaboração com palavras cruzadas antigamente. Foi bem tratado pelo sr. presidente Francisco Mesquita e, dessa visita, espera-se que muitos alertas dados pelo periódico lhe sejam úteis, relembrando que o Estadão, embora com imparcialidade, sempre tratou Bolsonaro com a devida consideração, mesmo em caso de críticas. E que estas sirvam de norte para suas manifestações, muitas delas dispensáveis e evitáveis, em seu próprio benefício e no da Nação.


José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojcc@uol.com.br

Rio Claro


*

FERNANDO COLLOR E A POLÍCIA FEDERAL


Sobre a matéria PF mira Collor por esquema de lavagem de R$ 6 mi em leilões (Estadão, 11/10), a Justiça pode demorar, mas um dia chega.


Robert Haller robelisa1@terra.com.br

São Paulo


*

NÃO PERDE O VIÇO


O também impedido ex-presidente e agora senador da República – eleito com todos os méritos de um político honesto – é alvo da Polícia Federal pela prática de branqueamento de capitais. Por intermédio de “laranjas”, Collor adquiria imóveis leiloados pela Justiça. Aliás, pensando bem, como terminou a busca e apreensão dos três automóveis esportivos e de alto luxo que ele sonegava o pagamento do IPVA? Afinal, como já dizia aquela velhinha de Taubaté, “o lobo nunca perde o viço”.


Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo


*

CORRUPÇÃO


Ninguém duvida de que a corrupção no Brasil é endêmica. Há muito presente nas esferas de poder, ondula ao longo do tempo, apesar do sentimento de que, nas última décadas, ela tenha adquirido características pandêmicas, mediante a generalização, em todos os níveis, de altas intensidades epidêmicas. Há que reconhecer, no entanto, o esforço da sociedade no sentido de minimizar os danos dela decorrentes por meio da Operação Lava Jato, cuja ação resultou em prisões antes consideradas improváveis. Mas o conquistado até agora, embora necessário, mostra-se insuficiente, se a falta de transparência, semente de todo ato ilícito, não for institucionalmente escrutinizada nas negociações envolvendo recursos que, se desviados em benefício de poucos, diminuirão a capacidade de investimentos em áreas prioritárias, como saúde, educação e segurança, além de afetar o próprio crescimento econômico do País.


Paulo Roberto Gotaç pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro


*

FUTEBOL BRASILEIRO


Que vergonha a seleção de Tite. É verdade que o salário do treinador é de R$ 1,2 milhão por mês? Com esse dinheiro, daria para pagar 545 bolsas de mestrado do CNPq de R$ 2.200,00. E a UNE, não fala nada? Haverá alguma manifestação na Avenida Paulista em razão da falta de verba nas universidades brasileiras? Bolsonaro é o culpado?


Julio Tirapegui tirapegu@usp.br

São Paulo


*

TITE, O IMPARCIAL


O treinador Tite vinha convocando recentemente os laterais direitos Daniel Alves e Fagner, mas na última convocação ele levou Daniel Alves e inventou um tal de Marcinho. Curiosamente, amanhã tem São Paulo x Corinthians, e o time do Morumbi perde seu jogador mais estrelado. Só coincidência?


Maurício Lima mapeli@uol.com.br

São Paulo


*

NEYMAR


Assistindo à entrevista do jogador Neymar em Singapura, na véspera do jogo da Seleção Brasileira contra a de Senegal, fiquei atônito diante da falta de humildade e do exibicionismo do atleta. Ele afirmou que tem privilégios na Seleção Brasileira por ser merecedor, em razão da sua importância, por ter carregado o time nas costas em várias oportunidades e por ser um dos principais nomes do elenco. Convém ilustrar que Neymar tem apenas um título pela Seleção Brasileira, o da Copa das Confederações, e fez apenas 61 gols em 100 jogos (média de gols de 0,61). Digo eu com conhecimento de causa que Pelé nunca teve privilégios na carreira, nunca os exigiu, nunca foi onipotente e sempre respeitou seus companheiros. Pelé sempre manteve a modéstia apesar de ter sido eleito “Atleta do Século” por três vezes, “Jogador de Futebol do Século” pela Unicef, de ter recebido “Diploma de Mérito de Cidadão do Mundo” pela ONU, ter sido agraciado com o título de “SIR” pela Rainha da Inglaterra e de ter sido honrado com sete Bolas de Ouro (“o melhor do mundo”) em revisão realizada pela revista France Football (criadora da honraria). Pela Seleção Brasileira, Pelé conquistou oito títulos e fez 95 gols em 111 jogos, uma média de gols de 0,86. Neymar, menos.


Junios Paes Leme junios.paesleme@outlook.com

Santos


*

FALA MUITO


Convenhamos, Neymar não é o único craque da seleção brasileira que fala muito melhor com os pés do que com a boca, pois não?


J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.