Fórum dos Leitores

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

31 de outubro de 2019 | 03h00

CRIME E JUSTIÇA

Meia-sola na prescrição

Como escusa para remendar os casos que continuarão a tramitar posteriormente à previsível decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) possibilitando a prisão apenas depois do trânsito em julgado dos processos judiciais, o ministro Dias Toffoli solicitou ao Poder Legislativo normas para interromper a prescrição. Essa meia-sola parece mais um mea culpa do STF e serviria para se justificar perante o povo brasileiro. Não seria o caso de o Poder Legislativo se quedar silente a tal pedido?

JOSÉ CARLOS DE C. CARNEIRO

carneirojcc@uol.com.br

Rio Claro

*

Graves consequências

Tendo em vista a evidente divisão entre os ministros do Supremo Tribunal e as graves consequências do resultado do julgamento sobre a prisão somente após o trânsito em julgado, que não serão minimizadas pelo remendo proposto pelo ministro Dias Toffoli quanto à suspensão do prazo da prescrição até o julgamento definitivo, o que apenas dará maior tranquilidade aos tribunais superiores para julgarem os processos quando bem entenderem, deveria algum dos próximos ministros a julgar pedir vista dos autos e deixar a decisão para o Congresso Nacional, representante do povo, que está mais do que cansado da impunidade.

JOSÉ WILSON DE LIMA COSTA

jwlcosta@bol.com.br

São Paulo

*

Prescrição da pena

O presidente do STF, Dias Toffoli, ao tentar protelar a prescrição penal após o julgamento em segunda instância, deixou bem claro o seu voto. Na realidade, porém, Toffoli deveria estar preocupado é com a celeridade processual, e não com a morosidade. Fica claro que teremos, sim, a libertação de milhares de presos condenados em curto espaço de tempo. Alguém acredita que da forma que o STF está conduzindo os destinos da Nação vamos ter uma diminuição da criminalidade? A tendência, ao contrário, a meu ver, será o caos. E ainda vai aumentar a incidência dos crimes de colarinho-branco, ou seja, os políticos e empresários desonestos vão novamente prevalecer. Agora com mais gana, dada a certeza de impunidade.

EDSON R. PEREIRA DA SILVA

roberto.inv@hotmail.com

Jaú

*

Campeões da corrupção

Paulo Vieira de Souza, mais conhecido como Paulo Preto, meteu a mão em R$ 210 milhões e já está condenado a 170 anos de cadeia. Geddel Vieira Lima, flagrado com R$ 51 milhões em dinheiro vivo e contado, está condenado a 20 anos de cadeia. Renato Duque se apropriou de cerca de R$ 100 milhões (20 milhões de euros) e está condenado a 20 anos de cadeia. Sérgio Cabral roubou R$ 400 milhões e, condenado, suas penas já somam 300 anos de cadeia. Anotem aí: logo, logo, estarão todos soltos e ricos.

PAULO SERGIO ARISI

paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

Ação suspensa pelo STJ

Pela Constituição brasileira, na prática, uns são mais iguais que outros. Lula da Silva, por exemplo, está “preso” numa unidade de Polícia Federal em Curitiba, privilégio que nenhum outro condenado em segunda instância por roubo e corrupção jamais teve. O correto seria dizer que está “detido”, tal o grau de benesses que ele desfruta. Está tão bom que ele recusa o direito ao regime semiaberto, em que teria de ser recolhido a um presídio comum e trabalhar, o que certamente lhe soaria como “trabalhos forçados”, dado o seu histórico laboral. O recurso de Lula em tribunal da Lava Jato andou mais rápido que 85% dos casos. A ação levou 71 dias do momento em que foi protocolada no Tribunal Federal da 4.ª Região (TRF-4) até a entrega do voto pelo relator. E pensar que ele reclamou da celeridade com que o processo contra ele correu no TRF-4...

CLAUDIO JUCHEM

cjuchem@gmail.com

São Paulo

*

ECONOMIA

Resiliência empresarial

Excelente a análise de Ana Carla Abrão (Estado, 29/10) sobre as dificuldade para empreender no Brasil, como mostra a posição de nosso país no Relatório Doing Business. Faltaram entre os obstáculos mencionados duas dificuldades adicionais enfrentadas por quem cria negócios: a corrupção no setor público, que “cria dificuldades para vender facilidades”, e a existência de órgãos de defesa do corporativismo, como os chamados conselhos profissionais.

MARIO ERNESTO HUMBERG

marioernesto.humberg@cl-a.com

São Paulo

*

Burocracia

Os dados do Banco Mundial, divulgados pelo relatório Doing Business 2020, classificando o Brasil na 124.ª posição (dentre os 190 países avaliados) no ranking que analisa a facilidade de fazer negócios, confirma a arraigada burocracia existente em todos os níveis de governo.

JORGE DE JESUS LONGATO

financeiro@cestadecompras.com.br

Mogi Mirim

*

Indústria 4.0 e as cidades

Para pôr o Brasil na rota da indústria 4.0 não basta revolucionar o setor industrial, o que dificilmente produzirá os resultados esperados, se não houver em paralelo uma grande revolução para melhoria da qualidade de vida nas cidades brasileiras. O ambiente hostil de nossas cidades comprovadamente prejudica, e muito, a educação, o aperfeiçoamento e o treinamento, que são essenciais para qualquer mudança, principalmente a exigida não só pelas indústrias 4.0, mas também nas mudanças que se impõem tão rapidamente. É muito difícil compreender o que é de fato valor agregado se a base da vida, a cidade, é uma baderna, funciona mal, é suja, poluída, imprevisível, com esgoto correndo a céu aberto... O Brasil não conseguiu sequer consolidar o patamar de qualidade de décadas atrás. Os trabalhadores de indústrias e serviços com selo ISO não conseguiram replicar o básico do sistema de qualidade do ambiente de trabalho em suas comunidades, em seus bairros, em suas casas. Quando há uma dissociação, um conflito e até um abismo entre o padrão de vida pessoal e o do trabalho, a probabilidade de haver problemas e distorções diversas no macro é grande. A verdade é que o Brasil não conseguiu sequer implementar em todos os seus sistemas administrativos, econômicos e sociais o básico de qualquer sistema de qualidade. As principais cidades do planeta estão sendo preparadas para a nova realidade que está aí. Aliás, o jogo que se apresenta foi bem definido no excelente e tenebroso editorial O Brasil e a indústria 4.0 (19/10, A3): ou se está dentro ou se está fora dessa revolução industrial. Vale para as cidades. Vale para o nosso futuro.

ARTURO ALCORTA

arturoalcorta@uol.com.br

São Paulo

*

“A África tem uma população imensamente superior à da Amazônia e no continente africano milhares de pessoas morrem de fome, de doenças como a malária, por guerras e perseguições políticas e religiosas, além de acomodar ditaduras sanguinárias, o que provoca um êxodo incontrolável, em especial para a Europa. Por que não um sínodo sobre a África?”

MARIA G. CRUZ / VINHEDO, PROPOSTA PARA NOVA AÇÃO DO VATICANO

mm.cruz23@gmail.com

*

BOLSONARO E O CASO MARIELLE


O assassinato da vereadora Marielle Franco e de seu motorista, numa emboscada no Rio de Janeiro, ganhou contornos que enriqueceram sobremaneira a novela sem fim. Passou-se tempo demais do evento sem que as autoridades, com propósitos definidos, tenham posto um ponto final no caso, apontando (o que interessa) quem é o mandante. É de estarrecer que, agora, o presidente Jair Bolsonaro apareça como personagem dessa história (Citação a Bolsonaro em caso Marielle pode levar investigação ao STF, Estadão, 29/10). É evidente que nem a kriptonita consegue atingir o escudo protetor do presidente, mas é fato que, no caso ridículo do vídeo do leão e das hienas, ele levou o Brasil a um mais baixo patamar. Diante de repórteres em entrevista coletiva, o presidente revidou com excesso de autoridade, como se ali estivesse um militar do Exército brasileiro. Com as nossas instituições democráticas em estado pré-falimentar, é preciso ouvir o recado que mandam os nossos vizinhos mais próximos da América Latina.


Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)


*

MASSACRE


Teoria da conspiração é o termo correto para analisar as informações de que tratam o caso Marielle e o presidente da República. Não há absolutamente nenhum indício de participação do presidente no referido caso, no entanto há um massacre jornalístico e nas redes sociais alimentando uma fake news que beira um atentado contra a autoridade máxima deste país. Não seria mais interessante saber quem paga os caríssimos advogados de Adélio Bispo? O que se percebe é que não importa a verdade, desde que caia o presidente. Isso já aconteceu outras vezes e forças estranhas o estão tentando novamente. Lamentável.


Eduardo Cavalcante da Silva cavalcante_1000@hotmail.com

São Paulo


*

PROVOCAÇÃO


Tendo constatado a incoerência no que fora afirmado pelo porteiro e ainda assim apresentar a reportagem, a emissora de TV só causou sensacionalismo, indignação e instabilidade política. No dia 1 de abril de 1964, apesar de o então presidente João Goulart estar em território nacional, o senador Auro de Moura Andrade, à frente do Congresso Nacional, declarou vaga a Presidência da República. Sentado na primeira fila do plenário, Tancredo Neves dirigiu-se, aos berros, a Auro: “Canalha! Canalha! Você não pode fazer isso”. 


Paulo Tarso J. Santos ptjsantos@yahoo.com.br

São Paulo


*

REAÇÃO INTEMPESTIVA


Apesar de tudo indicar que a tentativa de envolvimento do presidente Bolsonaro no caso Marielle parece falsa, a reação intempestiva do presidente não se justifica. Parece a postura de Luís XIV quando disse “L’État c’est moi”. Ele só delega poder aos filhos...


Luiz Frid  luiz.frid@globomail.com

São Paulo


*

INTEMPERANÇA


Mais uma vez o presidente Jair Bolsonaro reage de forma desnecessariamente intensa e impulsiva a um fato sem importância, ao menos até agora. A mera citação pelo porteiro do condomínio onde ele mora no Rio de Janeiro, de que um suspeito de envolvimento no caso Marielle o teria procurado no dia do crime, é, em si, irrelevante. Não representa absolutamente nada. Se as diligências demonstrarem outros fatos ou se o caso for parar no STF é outra história. A intemperança do presidente é que mais prejudica sua imagem, mais do que as patacoadas dos seus filhos. Pelo visto, seu entorno imediato pouco ajuda ou até piora a situação. Serenidade, qualidade imprescindível a qualquer mandatário, definitivamente não faz parte do repertório de Jair Bolsonaro.


Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo


*

BASTA DE INFANTILIDADE!


Por que não te calas, Bolsonaro? Meus Deus, será impossível governar com sabedoria?


Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)


*

JUSTA RESPOSTA


Em viagem à Arábia Saudita, a reação do presidente Bolsonaro à notícia transmitida na terça-feira (29/10) pela TV Globo no Jornal Nacional foi espetacular. Nada mais justo que as palavras enérgicas do presidente. Sou assíduo espectador do Jornal Nacional há muitos anos, mas as notícias tendenciosas e sempre negativas ao atual governo começam a fazer balançar a minha paciência nipônica.


Takashi Sanefuji tsanefuji@terra.com.br

São Paulo


*

PERSEGUIÇÃO


A TV Globo quer vincular o nome do presidente Bolsonaro ao homicídio que vitimou a sra. Marielle. Esta perseguição ao presidente Bolsonaro está ultrapassando a fronteira do ridículo.


Eraldo Bartolomeu Cidreira Rebouças real742@yahoo.com.br

Poços de Caldas (MG)


*

CASO MARIELLE


Quanto tempo de vida tem o porteiro testemunho?


James Robert Jernigan jimmyjjernigan@gmail.com

São Paulo


*

ATREVIMENTO


O ministro Celso de Mello reagiu ao vídeo postado nas redes sociais em que o presidente da República é retratado como um leão sendo encurralado por várias hienas, entre elas o Supremo Tribunal Federal (STF). O decano falou em “atrevimento sem limites” de Jair Bolsonaro por ter postado o tal vídeo. Assim como Celso de Mello se arvora no direito de julgar as atitudes da Presidência (fora dos autos e sem ter representação oficial da Corte), o presidente tem todo o direito de se sentir acuado pelos inúmeros ataques que vem sofrendo desde que assumiu a Presidência, começando pela facada da qual foi vítima até a mais recente tramoia em curso tentando envolvê-lo na morte da vereadora carioca Marielle Franco. Uma dúvida: atrevimento não seria o engajamento do STF em derrubar a prisão após a condenação em segunda instância, decisão que colocaria em liberdade milhares de bandidos perigosos só para tirar Lula da cadeia – o mesmo a quem o decano nos tempos do mensalão qualificou como “partícipe de um projeto criminoso de poder”, cujas práticas antidemocráticas configuravam uma “macrodelinquência governamental”? Custa crer que o ministro mais antigo da Corte tenha se bandeado para o lado dos colegas que sonham em colocar o chefe da orcrim em liberdade, enquanto acusam a Operação Lava Jato de “organização criminosa” e o mais respeitado ministro de Jair Bolsonaro, Sérgio Moro, como chefe de quadrilha e torturador de inocentes. De que Direito andam se servindo os ministros?


Peter Cazale pcazale@uol.com.br

São Paulo


*

O LEÃO DA MONTANHA


O vídeo do leão Bolsonaro atacado por hienas, lançado na rede social do presidente, portanto de sua inteira responsabilidade, é um escracho inadmissível. O presidente da República do Brasil, no caso, tem de se manifestar pelos meios de comunicação oficiais e nada mais. O que o atual presidente vem fazendo é um absurdo, que está cobrindo de vergonha o nosso país perante as demais nações do planeta, e isso com certeza é um crime. O ministro Celso de Mello, decano do STF, disse sobre o insólito episódio: “A ser verdadeira a postagem feita pelo senhor presidente da República em sua conta pessoal no Twitter, torna-se evidente que o atrevimento presidencial parece não encontrar limites na compostura que um chefe de Estado deve demonstrar no exercício de suas altas funções, pois o vídeo que equipara, ofensivamente, o Supremo Tribunal Federal a uma ‘hiena’ culmina, de modo absurdo e grosseiro, por falsamente identificar a Suprema Corte como um de seus opositores”. Por sua vez, o cientista político Carlos Melo disse: “Episódios assim têm banalizado o absurdo; normalizado a agressão gratuita e o disparate”. Não mais se pergunta “o que ocorreu – os acintes já compõem o cenário”. E, adiante: “Mas gestos assim não se diluem no vento: ou minam as instituições, deixando-as à mercê de aventureiros; ou esgarçam o tecido social; ou abalam a credibilidade da Presidência da República, que requer dar-se ao respeito”. Melhor resumo, impossível. Quanto a mim, a figura do nosso presidente da República já está tão desgastada que, ao ver o vídeo, não me lembrei do Rei Leão, mas sim do Leão da Montanha, um desenho de Hanna-Barbera. Ao visitar a Constituição, encontrarei em seu art. 85: “São crimes de responsabilidade os atos do presidente da República que atentem contra a Constituição federal e, especialmente, contra: V – a probidade na administração”, ou seja, o decoro, a decência, a respeitabilidade, etc. Ora, o presidente da República não o é apenas no horário de expediente, mas, sim, ele está presidente sempre, tanto que, mesmo se ficar doente e não se licenciar, continuará a presidir o País, ainda que seja de um hospital. Assim, quando o presidente da República se manifesta pelas redes sociais, ele continua em pleno exercício do seu cargo e, portanto, deve continuar a ter a exigida probidade. Caso contrário, ele deverá responder por seus atos. E o vídeo do leão com certeza não pode ser resolvido com apenas uma desculpa, que até onde sabemos dificilmente é sincera. Tem de responder conforme prevê a Carta Magna.


Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo


*

O LEÃO E AS HIENAS


Fica-se com a impressão de que Bolsonaro e filhos estão procurando medir as reações dos agredidos e esperando que nossas instituições se cansem de reagir. Pergunto-me qual é o objetivo e fico preocupado com a primeira conclusão que me ocorre. Espero que saibamos resistir a estes ataques estúpidos.


Aldo Bertolucci aldobertolucci@gmail.com

São Paulo


*

INJUSTA COMPARAÇÃO


Este “vídeo das hienas” que circulou na internet é uma terrível injustiça para com as hienas. As hienas, apesar de sua péssima fama e aspecto repulsivo, ao comerem toda espécie de carniça e restos de animais mortos por outros predadores, são responsáveis pela saúde das savanas africanas. Quanto ao outro lado, não podemos afirmar sobre sua real utilidade à saúde política do País.


Luiz Antônio Alves de Souza zam@uol.com.br

São Paulo


*

PEDIDO DE DESCULPAS


Foi isto mesmo que eu li: o presidente pediu desculpas ao STF, por publicação de memes comparando as excelências a hienas?  Pobres dos animais, não mereciam a comparação.


Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul


*

SIMPLÓRIO, MAS REAL


O presidente pede desculpas porque é um homem educado. Mas não há dúvidas de que o vídeo, por mais simplório que seja, expressa a realidade.


Ottfried Kelbert okelbert@outlook.com

Capão Bonito


*

INDIGNAÇÃO


As imagens que exibiram um leão sendo atacado por hienas não ofenderam ninguém, pois retratam uma luta que é real, gostem ou não os dissimulados de plantão. Indignados devemos ficar todos nós quando sentimos que “jararacas” se enroscam nos pilares de todos os Três Poderes!


Arlete Pacheco arlpach@uol.com.br

Itanhaém


*

TOFFOLI ESPERTALHÃO


O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), um dos estrategistas que visam a favorecer criminosos e amigos corruptos, com o provável voto que pode enterrar a prisão após condenação em segunda instância, espertalhão que é, sugere agora uma saída nada honrosa para remediar este golpe contra a ética no País. Às vésperas do julgamento sobre esse tema, que será retomado no dia 7 de novembro, encaminhou à Câmara e ao Senado uma proposta de alteração do Código Penal que, pela duvidosa ótica de Toffoli, poderá dificultar a prescrição de um crime se houver recursos dos advogados no Superior Tribunal de Justiça (STJ) com o intuito de atrasar o processo. Trata-se de uma proposta paliativa, cosmética, mais para engana trouxa e que não vai resolver absolutamente nada. Isso porque estamos, infelizmente, no país do eterno jeitinho brasileiro dentro das nossas instituições. Ora, não fosse assim, então de nada valeu a decisão do próprio STF quando, em 2016, por 6 votos a favor e 5 contra, foi consagrada a autorização da prisão em segunda instância? E por que acreditar, agora, nesta proposta de Dias Toffoli? Na realidade, o presidente do STF sentiu o peso da imensa indignação da sociedade brasileira. Lembremos que, sob a sua presidência da Corte, estamos assistindo estarrecidos à suspenção das investigações que se utilizaram dos dados do Coaf, que beneficia, entre outros milhares de condenados, também sua esposa e o filho Flávio de Jair Bolsonaro – além desta muito bem preparada cama para derrubar a prisão em segunda instância, com a cumplicidade de outros ministros, repito, só para beneficiar criminosos e amigos corruptos. Portanto, é difícil de acreditar que esta nação um dia será desenvolvida, se da própria Corte Suprema vem o pior dos exemplos.


Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos


*

PUXADINHO SUPREMO


Diante da malcheirosa decisão já claramente manifestada fora dos autos por alguns ministros do Supremo Tribunal Federal de anularem prisões feitas após condenação em segunda instância, fato que acabou gerando grande repulsa da sociedade, o presidente do STF, Dias Toffoli, resolveu criar um puxadinho para amenizar os ânimos ao propor à Câmara dos Deputados um projeto de mudança do Código Penal para barrar a prescrição de casos quando o réu é condenado na segunda instância e recorre às Cortes superiores. O plano é evitar que advogados tentem atrasar o andamento de processos, a fim de extinguir a ação. Pergunto: essa decisão impedirá que o presidiário de Curitiba se beneficie da decisão a ser tomada em breve pela Corte contra um dos pilares da Lava Jato e se torne inelegível pela Lei da Ficha Limpa? Se não, então é a mais abjeta encheção de linguiça.


Paulo R. Kherlakian paulokherlakian@uol.com.br

São Paulo


*

ANTECIPAÇÃO DE VOTO


Dias Toffoli, ao propor suspender a prescrição após condenação em 2.ª instância, praticamente antecipou o voto contra a prisão.


Marineide B. Santos dedipaulo@gmail.com

São Paulo


*

FAZ DE CONTA


Toffoli vai fazer de conta que dará o voto de Minerva: santa ignorância, isso só acontece em tribunais com 12 juízes, como no mito grego. E o Brasil é tão micho que nem isso temos!


Marly N. Peres marly.lexis@gmail.com

São Paulo


*

JEITINHO?


Sr. Rodrigo Maia, queremos a votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 410/18, que deixa claro na Constituição a prisão em 2.ª instância, e não a sugestão e intromissão oportunista do sr. Toffoli, de mudança no Código Penal, que sabemos não dificultará a prescrição de casos de réus condenados!


Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo


*

NÃO VAI RESOLVER


Mandando para o Congresso projeto para que os crimes não prescrevam, Toffoli imagina que somos idiotas ou ele é ignorante?


Cecilia Centurion ceciliacenturion.g@gmail.com

São Paulo


*

INDECENTE, MAS INCLUDENTE


Ninguém culpado poderá ser preso por falta de inocência. Patrocinada pelo STF, vem aí a “Inocência pra Todos”...


A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo


*

DINOSSAUROS


Ainda bem que os dinossauros do STF estão deixando pegadas de suas destruições para as novas gerações deste país.


Carlos Gaspar carlos-gaspar@uol.com.br

São Paulo


*

SIMBOLISMO


Numa coluna recente de Gil Castello Branco num jornal carioca, ele fez um paralelo bem factível com a situação que vivemos atualmente. Ele ressalta que, enquanto a nossa imagem de Justiça caracterizada pela escultura de Alfredo Ceschiatti, defronte ao STF, aparece sentada, com a espada sobre as pernas, sem balança e com os olhos vendados, temos a imagem grega a representando, em que ela se encontra de pé, com espada em punho, a balança e, principalmente, os olhos bem abertos. Nada mais significativo do momento em que vivemos, em que o presidente do STF envia projeto para alterar o Código Penal para acabar com o prazo de prescrição para réu julgado em segunda instância. Menos mal. Temos uma Justiça preguiçosa (sentada), sem balança e com os olhos vendados. Mais significativo da inoperância do nosso tribunal, impossível. Realmente, eles não querem enxergar o que é fazer justiça. É mais fácil ir para o lado da conivência. Triste realidade.


Edmir de Machado Moura negrinho10@hotmail.com

Caçapava


*

FERIDA ABERTA


Parabéns a Fernão Lara Mesquita pelo artigo Brasil unido jamais seria vencido (Estado, 29/10, A2), honrando o sobrenome que carrega. Sintetizou todo o emaranhado e a barafunda a que se resume a vida política e das instituições neste país. Principalmente ao que toca ao STF, falou pouco, mas tocou na ferida aberta deste órgão maior das instituições, que não cumpre seu papel e desvirtua suas decisões. Criticou as pretensas esquerda e direita. Petistas e bolsonaristas, colocando-os a todos no mesmo balaio. Não se salvando ninguém. Que Deus tenha pena deste nosso pobre país.


Henrique Schnaider  hschnaider4@gmail.com

São Paulo


*

PRISÃO NO RIO DE JANEIRO


Anthony Garotinho foi preso pela quinta vez e sua mulher, Rosinha Mateus, pela terceira vez. Na última prisão o casal ficou detido por 21 horas. Por quanto tempo o famoso casal de corruptos ficará detido?


José A. Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré


*

PIADA


Casal Garotinho foi preso de novo. Faz-me rir! Daqui a pouco aparece um habeas corpus e estão soltos de novo. Lei neste país, só para ladrão de galinha.


Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro


*

CASAL GAROTINHO


Preso novamente. Piada pronta. Prende e solta.


Moisés Goldstein mg2448@icloud.com

São Paulo


*

PENA CUMPRIDA


O casal Garotinho – Anthony e Rosinha –, “ex-tudo” na política do Rio de Janeiro, teve novamente sua prisão decretada pela Justiça fluminense, sob a acusação de várias trambicagens. Ora, se confirmada a condenação, certamente o casal, com tantas idas e vindas, já terá cumprido um sexto da pena e ficará livre, leve e solto, como outros políticos corruptos. Este é o Brasil. Quem viver verá!


Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.