Fórum dos Leitores

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

18 de fevereiro de 2020 | 03h00

Economia e saúde pública

Medicamentos x dólar


Considerando que numerosos medicamentos, talvez a maioria, são inteiramente ou têm insumos importados, como fica o tabelamento de preços máximos de medicamentos da Anvisa ante a alta do dólar? Por exemplo, estou procurando uma vacina, com preço abaixo de R$ 100, que sumiu dos mercados privado e público – o que já pode estar indicando uma tendência no desabastecimento na sensível área da saúde no Brasil. Porque, que eu saiba, laboratórios farmacêuticos não são empresas sem fins lucrativos e a fase da economia brasileira de substituição de importações terminou há muito tempo. O ministro Paulo Guedes disse que a alta do dólar é boa para as exportações, mas ele ainda não explicou as providências governamentais para manter as importações de medicamentos, tanto genéricos quanto de marca, cruciais para os brasileiros e sua disponibilidade no SUS, nas prefeituras e nos sistemas privados. Os brasileiros ainda vão ter de apelar ao Judiciário para obter até um simples antitérmico?


SUELY MANDELBAUM

SUELY.M@TERRA.COM.BR

SÃO PAULO


*

Partidos políticos

De arrogância


A velha arrogância petista (16/2, A3) camufla um imenso desamparo: a tecnologia matou o romantismo do marxismo tornando seu herói, o “trabalhador explorado pelo capital”, substituível pela máquina. Sem ele, resta ao PT rodar, atônito, atrás do próprio rabo tentando se apropriar do que não lhe pertence para se transformar em novo herói (o ambiente, as minorias, a cultura, etc...) ou acenar envergonhadamente para o liberalismo. Seu romantismo também está morto e enquanto não elaborar o luto pelas perdas será tal qual uma alma penada perambulando por aí entre o céu e o inferno, em busca de socorro na bênção papal, e atrapalhando o desenvolvimento do Brasil.


SANDRA MARIA GONÇALVES

SANDGON46@GMAIL.COM

SÃO PAULO


*

Em São Paulo

Caos carnavalesco


Será que merecemos? Chuvas torrenciais devastando tudo, enchentes, pessoas ilhadas e até mortes. Teria terminado o sofrimento? Não, agora temos os famigerados blocos de carnaval de rua perturbando toda a cidade. Ruas e acessos interditados; concentração de bêbados, drogados, traficantes e marginais; ambulâncias presas, com dificuldade para prestar socorro e chegar aos hospitais. Esta cidade vira um verdadeiro caos. Os luminares que estabelecem e autorizam os locais de concentração, por que não pensam, por exemplo, no sambódromo, local ocioso, usado apenas nos dias de carnaval para desfile das escolas de samba?


GUNTHER CLAUSSEN

CLAUSSENG@YAHOO.COM.BR

SÃO PAULO


*

Nos outros é refresco...


Pergunta para o nosso prefeito “paraquedista”: até o final da “maior folia do País”, das centenas de blocos autorizados a infernizar a vida de quem não gosta de carnaval, quantos desfilarão na frente de sua casa?!


RENATO OTTO ORTLEPP

RENATOTTO@HOTMAIL.COM

SÃO PAULO


*

Pesadelo


Muito oportuno o editorial Hora do pesadelo (16/2, A3). Mas o problema é bem mais grave, pois o desrespeito às leis não se restringe ao carnaval, é o ano todo, sem que nenhuma autoridade tome providências. Talvez o ministro Paulo Guedes tenha razão... Clubes sem estrutura prevista em lei promovem festas madrugada adentro com ruídos (nego-me a chamar de música) acima do permitido para a região e o horário. Como conseguem? Sons provenientes de instrumentos de tortura chamados subwoofer atravessam qualquer janela antirruído. Carros e motos com o escapamento aberto não são incomodados pelo poder público e atrapalham o sono de quem precisa dormir. Sopradoras de ar, varredeiras a gás, compressores de água são utilizados por empresas e condomínios, emitindo decibéis acima dos permitidos. Na região das Ruas Tucumã e Dr. Mário Ferraz um ambulante anuncia a qualidade de suas frutas utilizando um megafone de modo ininterrupto por mais de uma hora. Não é contra a lei? Ninguém vê? No meu entender, é uma questão de saúde pública. A OMS prevê que, em 2030, 20% da população mundial terá perda de audição significativa. Em cidades grandes essa proporção será, evidentemente, maior. Bem, devem existir realmente os tais parasitas referidos por Paulo Guedes...


MÁRIO CORRÊA DA FONSECA FILHO

MARIO@MARIOFONSECA.COM.BR

SÃO PAULO


*

Sob o signo da água


Muito interessante o contraponto apresentado pelo leitor sr. Milton Akira Kiyotani (Enchentes inexoráveis, 16/2), pois, como a absorção de água pelo solo é lenta, as chuvas intensas inexoravelmente provocarão alagamentos. Uma curiosidade por vezes esquecida é que, em 25 de janeiro de 1554, a cidade de São Paulo foi fundada ali, onde hoje é o Pátio do Colégio, porque naqueles dias uma chuva torrencial impediu os jesuítas de seguirem viagem. O plano original era se estabelecerem um pouco mais para o interior, mas, então, foi montado o acampamento no local, que tinha apenas um acesso mais seco – hoje Rua 15 de Novembro. A região do entorno totalmente alagada facilitava a identificação de eventuais ataques indígenas. Como não parava de chover, a cidade foi fundada ali mesmo. Hoje, soluções existem para enchentes, como, por exemplo, os piscinões – a Avenida Pacaembu nunca mais foi alagada depois do piscinão sob a praça em frente ao Estádio Paulo Machado de Carvalho.


PEDRO PAULO PRADO

PEDROPAULOPRADO@INSTALE.ENG.BR

SÃO PAULO


*

Horário de verão

Sentiu falta?


Domingo deveria estar acabando o horário de verão deste ano. Alguém sentiu falta dele? Houve racionamento de energia? Que não volte nunca mais.


MAURÍCIO LIMA

MAPELI@UOL.COM.BR

SÃO PAULO


______________________________________________

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br


MORADORES DE RUA


A situação dos moradores de rua em São Paulo é crônica, antiquíssima e de difícil resolução (Criando os filhos na rua, Estadão, 14/2/2020). De nada adianta responsabilizar diretamente este ou aquele governo, seja federal ou municipal, como causadores diretos do aumento progressivo da população de rua. As causas são multifacetadas, vão desde problemas familiares ou mentais até a crise econômica e social pela qual passa o País há anos. Não existe solução mágica de curto prazo e são altamente elogiáveis os esforços da Prefeitura, assistência social e ONGs para mitigar o problema. Apontar o dedo para um gestor ou partido específico, sem oferecer alguma solução viável, é mera retórica e perda de tempo.


Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo


*

BRASILEIROS DEPORTADOS


Enquanto o presidente Jair Bolsonaro se gaba de sua amizade (diria improdutiva) com o soberbo Donald Trump, 17.893 brasileiros (em 2018 eram 1.504) estão detidos nos EUA e serão expulsos da terra do Tio Sam porque cometeram um único crime: o sonho de viver nos EUA. O truculento Trump decidiu que, no total, serão deportados 28.316 brasileiros. E, conforme publicou o Estadão, os relatos destes detidos são de que estão em celas lotadas, passando fome, frio e abandono – inclusive crianças! Se o serviçal ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo nada faz a respeito, deplorável, mesmo, é o silêncio de Jair Bolsonaro. O presidente, no lugar de fortalecer prioritariamente um elo institucional entre os dois países, como sempre agiu o Itamaraty, prefere, infelizmente, valorizar mais sua amizade com Donald Trump. E os brasileiros que estão sendo humilhados que se virem...


Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos


*

BRASIL-EUA


Os brasileiros que estão sendo detidos e expulsos dos Estados Unidos reclamam dos procedimentos adotados por organismos policiais que os colocam em prisões sem um mínimo de respeito. Como se comporta o governo brasileiro nesta situação, levando em conta o relacionamento que o presidente Bolsonaro mantém com o presidente daquele país?


Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos


*

SUPLÍCIO


Não bastava termos um incompetente na Presidência, agora temos de assistir a brasileiros desprotegidos pelo governo, incluindo nossas crianças, serem supliciados por americanos. E Bolsonaro acha que está certo.


Ademir Valezi valezi@uol.com.br

São Paulo


*

LEI


Brasileiros, vocês sabem o que significa a palavra lei? Todo este alvoroço em torno dos deportados porque tentaram entrar clandestinamente num país que não é deles e, pior, traumatizando a vida de suas crianças, só para chegarmos à conclusão de que por simples e total ignorância ainda acreditam que podem burlar a palavra que não respeitam.


Carmen Silvia Ayusso Rosario csilviayusso@icloud.com

São Paulo


*

ILEGAIS


Gozado: o cara quer entrar ilegalmente nos EUA, é preso e ainda reclama! Pelo jeito, ele queria ser recebido com um tapete vermelho...


Milton Bulach mbulach@gmail.com

Campinas


*

CRUZES INFERNAIS


As cruzes heterogêneas, acumuladas, negras e pontiagudas publicadas na primeira página do Estado de 15/2 bem simbolizam o destino trágico dos brasileiros que estão sendo deportados para o México como ato de campanha – sórdida – de Donald Trump para sua reeleição. A via crucix nunca amortalhou o caminho de nossos irmãos para cumprir ordem de um presidente ao qual o nosso se genuflexou. Pior, a conduta dos Pilatos e Césares contra nosso povo é inaceitável: os romanos espremeram os judeus e torturam Jesus barbaramente, mas jamais deixaram de defender seus cidadãos, certos ou errados. Se fossem advogados criminalistas, os integrantes do Itamaraty e a Presidência da República seriam destituídos, por traição à causa que lhes coube defender. Os brasileiros não têm caminhos, salvo saltando por essas cruzes terríveis. Sua única esperança seria movimentar-se por uma curva longa, na acepção poética de Mário Quintana: “A curva é o caminho mais agradável entre dois pontos”, mas ela não está disponível, se o próprio governo lança seus cidadãos aos mármores do inferno.


Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo


*

‘QUANDO OS BÁRBAROS BATERAM EM RETIRADA’


Luiz Sérgio Henriques (16/2, A2), tradutor de Gramsci, classificou o “agressivo populismo de direita de nossos dias” como “um desses fenômenos regressivos que de tempos em tempos reagem virulentamente a mudanças havidas na estrutura do mundo”. No Brasil, o populismo de direita se aproveitou dos efeitos das inúmeras “mudanças” conduzidas pelo Partido dos Trabalhadores e siglas aliadas com o objetivo de assaltar o País.


Herman Mendes hermanmendes@bol.com.br

Blumenau (SC)


*

CÉLULA TERRORISTA


É grave e preocupante a informação (ou informe?) divulgada por uma jornalista do Grupo Bandeirantes de que a Polícia Federal detectou uma célula terrorista que atentaria contra os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Em decorrência disso, prudentemente, o presidente Dias Toffoli, em expediente formal, recomendou que seus pares reforcem a sua segurança e quetais. Longe de qualquer admissibilidade do fato (toc, toc, toc), afastada a discussão dos insensatos se a causa é justa ou não, porque a sabedoria popular diz que prudência, caldo de galinha e dinheiro no bolso não fazem mal a ninguém, para que não sejamos manchetes internacionais, a sociedade do bem apreciará se os doutos supremos requererem a imediata aposentadoria, tornando sem sentido as intervenções e o planejamento da referida célula no tocante ao cruel espetáculo midiático que perseguem mundo afora.


Celso David de Oliveira david.celso@gmail.com

Rio de Janeiro


*

ENTRE AGRESSÕES E INSULTOS, PIBINHO


Ao contrário do que se esperava com o novo governo, o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro vem decepcionando numa constante preocupante, contrariando a esperança de muitos, inclusive devido ao início de recuperação da nossa economia na presidência de Temer. Tal fato não parece preocupar o presidente Bolsonaro, e muitos dos seus ministros, que seguem atacando e ofendendo pessoas e organizações com tal constância que parecem crer ser essa a principal função dos cargos que ocupam. Normalmente, as frases são ditas em tom de insinuações, mas que expressam com clareza a sua intenção, seja por meio da imprensa ou das redes sociais. Os exemplos são tão numerosos, já do conhecimento da população, que é desnecessário, portanto, mencioná-los mais uma vez. Basta nos atermos às mais recentes, quando o ministro da Economia ofendeu empregadas domésticas, enquanto comete um ato falho em relação ao salário mínimo. Já o presidente, mais uma vez ele nos humilha, ao acusar a “Polícia do PT”, da Bahia, de ter matado um miliciano carioca condenado e foragido da Justiça, que estava homiziado na Bahia. Obviamente, a polícia é do Estado da Bahia, e não do partido que ele abomina. E por qual motivo tamanha reação? Pelo fato de o miliciano ter tido uma ligação com um dos filhos do presidente quando ele era deputado no Rio de Janeiro, e estar ligado a uma investigação envolvendo o esquema da rachadinha, prática indecente, mas muito comum nos Legislativos deste pobre país. A cena do presidente e de um dos seus filhos acusando a “Polícia do PT” na Bahia, por queima de arquivo, foi ridícula. Ficou evidente que o fato preocupa a família do presidente e a reação virulenta a que assistimos, ao fim e ao cabo, se tornou o que conhecemos como “passar recibo”. Afinal de contas, em nenhum momento do episódio as autoridades envolveram a família Bolsonaro. No dia seguinte o presidente, mais comedido, voltou ao caso, fazendo uma declaração mais condizente com o seu cargo. Ora, por uma questão de lógica, tais atitudes intempestivas e exacerbadas de membros do governo, tendo à frente o presidente, certamente vêm causando prejuízos ao Brasil. Enquanto a equipe econômica se empenha em atrair capital estrangeiro para o nosso desenvolvimento, membros do governo demonstram uma instabilidade emocional preocupante. Não é difícil de imaginar a dúvida desses investidores em investir aqui, ao assistir, ao vivo e em cores, a tantos destemperos.


Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo


*

EXPLICANDO O INEXPLICÁVEL


O presidente Jair Bolsonaro e seu filho Flávio Bolsonaro saíram em defesa do miliciano e grileiro capitão Adriano da Nóbrega, morto pela polícia baiana, que, segundo consta, fazia “rachadinha” com o “01” e também pela possível ligação com a morte da vereadora carioca Marielle Franco e seu motorista, entre outras várias lambanças. Ora, os Bolsonaros estão tentando, de todas as formas, explicar o inexplicável para proteger a memória do amigão. Afinal, mais uma saia justa que o governo impõe ao povo brasileiro.


Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo


*

MANTRA


Ao culpar, novamente, o PT pela morte do ex-Bope o policial Adriano, o presidente Jair Bolsonaro demonstra que não tem outra explicação, a não ser este seu mantra, para a ligação de sua família com o chefe das milícias.


Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca


*

O PT E O MILICIANO


O PT não soube aproveitar a oportunidade de prender o miliciano Adriano. Vivo, ele poderia revelar muita coisa que Lula adoraria saber. Morto, o arquivo queimou e ficam só as fake news. 


Jota Treffis jotatreffis@outlook.com

Teresópolis (RJ)


*

‘MEMÓRIAS DE ADRIANO’


Memórias de Adriano rendeu a consagração internacional à escritora Marguerite Yourcenar. Um improvável “Memórias do Capitão Adriano” renderia uma nobre execução a quem se atrever a tamanha audácia, já que tanto bolsonaristas quanto petistas e a imprensa afirmam que foi “queima de arquivo”. Uma unanimidade nacional sobre o motivo da morte. O que não se sabe é o que o capitão Adriano fez e por que tanto temia fosse “queimado”. Outro título seria: “Memórias de um Capitão de Milícias”.


Paulo Sergio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre


*

AUTORIA DOS CRIMES


Os anos passam e a mesma pergunta se repete em vão, mudando apenas o nome das vítimas: quem mandou matar P.C. Farias, Celso Daniel, Marielle Franco, Adriano da Nóbrega?


J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo


*

A BÊNÇÃO PAPAL


A cidade de Assis, Estado de São Paulo, está orgulhosa ao saber que na Itália existe uma cidade com idêntico nome. Infelizmente, assim ficou sabendo porque o papa Francisco, no seu infinito e bondoso cristianismo, recebeu o ex-presidente Lula, em reunião privada, na mencionada italiana cidade de Assis. Numa foto à página A8 do dia 14/2/2020, o Estadão mostrava o papa abençoando o ex-presidente Lula, pondo uma das mãos em sua cabeça, com um sorriso. O caradurismo de Lula prova cabalmente que ele jamais cumpriu pena de verdade, pois sai do Brasil, viajando livremente, embora com várias condenações criminais. Onde está nossa Justiça?


Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br

São Paulo


*

PASTORAL CARCERÁRIA?


A visita de Lula, o presidiário, momentaneamente em liberdade condicional e respondendo a muitos processos criminais no Brasil, ao papa Francisco, em Roma, em caráter privado e não formal, me faz indagar se agora também haveria uma Pastoral Carcerária em nível internacional.                        


Ulf Hermann Mondl hermannxx@yahoo.com.br

São José (SC)


*

CONDESCENDÊNCIA


Tomei conhecimento de que o papa Francisco recebeu Lula em reunião privada no Vaticano (Política, 13/2, A8). A foto do Pontífice acariciando a cabeça do multicondenado Lula evidencia uma condescendência estarrecedora para quem sabe que o ex-presidente foi inequivocamente responsável pela destruição da economia nacional prejudicando milhões de trabalhadores honestos e suas famílias, mediante corrupção desenfreada de magna dimensão. Fico estarrecido em saber que Lula adiou seu depoimento à Justiça para se encontrar com o papa Francisco no Vaticano. Que poderes tem ele para decidir o adiamento? Seria o mesmo que ele tinha para adiar seu recolhimento em cela “vip” da Polícia Federal de Curitiba quando sentenciado? Ele estava certo ao dizer do acovardamento do Poder Judiciário perante sua força “moral”, pois é o que estamos constatando. Imagino que o papa ignorava o histórico político dessa figura nefasta, acreditando inocentemente que se tratava da “alma mais pura”, como ele se autoatribuiu. Para o bem de todos e felicidade geral da Nação, Lula e sua quadrilha petista nunca mais deveriam estar na mídia escrita ou falada. Ostracismo já!


Paulo Eduardo Grimaldi pgrimaldi@uol.com.br

Cotia


*

O PAPA E LULA


Em realidade, o papa Francisco não se confraternizou com Lula, que foi condenado em segunda instância, mas que a Justiça brasileira não consegue prender e sequer tomar o seu passaporte diplomático. O chefe do Vaticano apenas gentilmente atendeu ao solicitado pelo presidente da República Argentina para receber um ex-presidente do Brasil em audiência particular, como foi feito. O que soa inadequado é uma alta autoridade brasileira criticar em rede social (como é de costume agora) o Bispo de Roma por atender ao solicitado pelo conterrâneo recém-eleito. Ademais, um bom cristão tem a obrigação de detestar o pecado, mas ser fraternal com o pecador e só em tempo de guerra é proibido confraternizar com o inimigo. Às vezes, infelizmente, o cargo obriga a confraternização com Lula, até com honras militares, como fizeram durante muito tempo os nossos comandantes militares, prestigiando Lula, que por sinal, como condenado, deveria devolver todas as condecorações honoríficas militares que recebeu.


Paulo Marcos Gomes Lustoza pmlustoz@gmail.com

Rio de Janeiro


*

PERDÃO


O papa Francisco vive no Vaticano uma vida de luxo, se não confortável. Tem correspondentes em todos os cantos do mundo, logo é muito bem informado. Nesse sentido, não é admissível que não conheça a real história do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que o visitou na condição de um injustiçado pela instituições brasileiras que o julgaram e condenaram à prisão. A visita de Lula só se justificaria se fosse para o papa lhe conceder o perdão por todos os males que causou ao País e aos brasileiros, chefiando o maior esquema de corrupção nacional e um dos maiores mundialmente.


Abel Pires Rodrigues abel@knn.com.br

Rio de Janeiro


*

MOTIVAÇÕES


Impossível determinar as exatas motivações de Lula da Silva, condenado por corrupção e liberado da cadeia somente através de entendimento maroto dos togados da Corte Suprema, quando articulou viagem à Santa Sé, e do papa Francisco, ao concordar recebê-lo no Vaticano. Provavelmente, o primeiro buscava uma arremetida de sua combalida decadência política e o segundo tencionava confirmar suas sinistras e indecifráveis tendências recorrentemente exibidas, ao acariciar figuras de esquerda, algumas das quais governando ditatorialmente. A serem verdadeiras tais suposições, o resultados permitem concluir que Lula da Silva não foi bem-sucedido e continua sua queda e que Francisco perdeu mais alguns milhões de fiéis no Brasil.


Paulo Roberto Gotaç pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro


*

ARROGÂNCIA


Na página A3 de 16/2 o editorial A velha arrogância petista diz tudo. Fora os que terceirizaram seu cérebro para apoiar as polarizações entre brasileiros e o “Lula Livre”, como artistas, intelectuais, algumas mídias, corporações, estudantes... nós, os “golpistas”, conseguimos enxergar o que realmente eles queriam e querem o poder.


Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo


*

CARNAVAL


Se sambar no carnaval fosse obrigatório, será que alguém sairia nas ruas para pular? Seria considerado coisa de direita, de conservador, do Guedes, e por aí vai.


Geraldo Siffert Junior  siffert18140@uol.com.br

Rio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.