Fórum dos Leitores

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

19 de fevereiro de 2020 | 03h00

Petrobrás

Greves políticas

TST considera greve dos petroleiros ilegal e libera Petrobrás a aplicar sanção (Estadão, 18/2). Estamos assistindo ao fim de greves políticas que visam a influir nas decisões de gestão de empresas estatais, como a Petrobrás. Esta greve foi deflagrada por sindicatos esquerdistas, que teimam em achar que têm o direito de obrigar a Petrobrás a manter um negócio de fertilizantes deficitário, a ponto de ser invendável, além de ser uma empresa realmente estranha à atividade petrolífera. Pelo visto, o aval da Justiça permite à Petrobrás aplicar sanções por esse abuso do direito de greve. Os tempos mudaram, o povo elegeu Jair Bolsonaro para acabar com a ditadura sindical dos pelegos.

ULF HERMANN MONDL

HERMANNXX@YAHOO.COM.BR

SÃO JOSÉ (SC)

Quanto pior...

Mais de 20 mil trabalhadores da Petrobrás estão em greve em protesto contra a privatização de alguns órgãos da petroleira e o fechamento da empresa de fertilizantes no Paraná. 

A greve é apoiada pelo PT da dupla Lula da Silva-Dilma Rousseff, os grandes responsáveis pela quase insolvência da empresa. Apostar no quanto pior, melhor é só o que o PT faz.

J. A. MULLER

JOSEALCIDESMULLER@HOTMAIL.COM

AVARÉ

Desemprego

Uma chance

O maior drama do Brasil, hoje, é o desemprego. A trágica herança do banditismo petista e sua gente corrupta aflige quase 12 milhões de pessoas e suas famílias. Para a mídia é apenas uma estatística e matéria para reportagem. Para servidores inativos e aposentados, um assunto irrelevante. Mas para os desempregados, que não conseguem pagar suas contas, nem mesmo comprar alimentos, ficam o gosto amargo de ver funcionários de estatais, com altos salários e estabilidade fazerem greve remunerada para pedir ainda mais e a revolta por verem magistrados recebendo diversos auxílios e tanto desperdício de dinheiro público sem nenhum retorno. Torço para que o Brasil volte a ter crescimento econômico para minimizar essa terrível situação e permitir que particularmente os nossos jovens tenham alguma chance no “país do futuro”.

ANDRÉ LUIS COUTINHO

ARCOUTI@UOL.COM.BR

CAMPINAS

Liberalismo

Novos modelos

Uma verdadeira aula o artigo do dr. Celso Lafer sobre o liberalismo (16/2, A2). Muito oportuno e muito bem colocado. Mas nos levou a meditar sobre um futuro não muito longínquo, quando a alta tecnologia substituir de forma muito intensa o homem no trabalho. Os modelos socioeconômicos que imperam hoje em todo o mundo estão celeremente se tornando obsoletos. Parece que não mais se enquadram nas necessidades sociais, desde as instituições mais fundamentais até os costumes mais efêmeros. Há uma forte demanda por mudanças profundas. Que novos modelos poderiam substituir os atuais, mantendo as quatro liberdades enunciadas por Franklin D. Roosevelt, muito bem expostas pelo professor Lafer? E isso será possível? A História nos relata as grandes mudanças desde o sistema feudal, destacando o mercantilismo, a revolução industrial e o império da tecnologia como as marcas mais profundas. E daqui por diante? O que estará por vir, numa sociedade praticamente sem o trabalho humano? Como as necessidades sociais/econômicas poderão ser satisfeitas? Alguém consegue prever os modelos possíveis?

LUIZ AUGUSTO CASSEB NAHUZ

LUIZ.NAHUZ@GMAIL.COM

SÃO PAULO

Reforma administrativa

Adequação à realidade

Segundo dados oficiais apresentados pela imprensa, dentro 

de três anos teremos mais de 60 mil servidores atuais aposentados, o que representará, sem dúvida, um verdadeiro desfalque no funcionalismo público federal. Ainda assim, vejo como justa a iniciativa de aproveitar os fatos para impulsionar a reforma administrativa, ficando a abertura de novos concursos públicos para o preenchimento das vagas abertas condicionada à votação da PEC. Assim se operará o ajuste do excesso de funcionários a números mais adequados, aprovando-se, ainda, novas diretrizes, como a não estabilidade para futuros ingressantes. Emular a iniciativa privada nesse aspecto será muito bom para o Brasil.

JOSÉ CARLOS DE CARVALHO CARNEIRO

CARNEIROJCC@UOL.COM.BR

RIO CLARO

Era da tecnologia

Fiquei surpreso ao ler no Estadão de ontem: Concursos públicos só os essenciais, diz Bolsonaro, pois achava que esse era o procedimento de praxe, e não somente agora, às vésperas da apreciação da PEC sobre a matéria. Justamente por isso o funcionalismo público está com excesso de trabalhadores concursados, apesar de estarmos na era da tecnologia, quando a iniciativa privada está reduzindo o número de empregados sem afetar a produção. Esperamos que a reforma administrativa não esqueça esse detalhe.

TOSHIO ICIZUCA

TOSHIOICIZUCA@TERRA.COM.BR

PIRACICABA

Carteira de estudante

Financiamento político

Por não ter sido pautada para votação, a medida provisória da gratuidade das carteiras estudantis caducou. Graças ao presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia, os estudantes voltarão a ter de pagar pela emissão do documento. Durante muitos anos tal cobrança, em grande parte, financiou partidos políticos e atividades que nada têm que ver com o interesse dos estudantes. Lamentável!

JOMAR AVENA BARBOSA

JOAVENA@TERRA.COM.BR

RIO DE JANEIRO

Desperdícios

Farra aérea

É triste um país que precisa de uma lei para definir que ocupantes de cargos púbicos podem voar em aviões da Força Aérea Brasileira. Mas é ainda pior um país que ainda não dispõe dela.

ELY WEINSTE

ELYW@TERRA.COM.BR

SÃO PAULO

______________________________________________

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

CANDIDATURAS FEMININAS E AS COTAS

 

Li no Estadão de 17/2 (A4) que, sem coligação para as eleições proporcionais, os partidos buscam mulheres para conseguir formar os 30% de candidaturas femininas exigidos na regra eleitoral vigente. Esse porcentual deverá legitimar os 70% de candidatos masculinos, segundo o raciocínio lógico. Mais uma vez a mulher é usada indevidamente e corre o risco de cair em problemas como o das candidaturas-laranja, registrado nas eleições passadas. O ideal seria que homens e mulheres tivessem a mesma densidade eleitoral. Mas, apesar dos avanços recentes, isso ainda não ocorre. Dos 513 deputados federais, apenas 77 são mulheres, isso porque nas últimas eleições a vitória feminina cresceu 51%. Sempre que se tenta resolver problemas por meio de legislações restritivas, acaba-se com os burros n’água. Além da geração das candidatas-laranja, as regras eleitorais que regulam os gastos em campanha e foram criadas para supostamente proteger os candidatos pobres em relação aos ricos, mas acabaram por ensejar os mensalões e os escândalos apurados pela Operação Lava Jato. E, como resultado prático, temos normas de custeio de campanha, com dinheiro público, que escandalizam a Nação. É preciso eliminar atalhos e improvisações. Tanto na política quanto na Educação, nos concursos públicos e onde quer que haja competição, a presença das cotas é perniciosa. Não resolve os problemas e, em contrapartida, pode criar outros ainda mais graves.

 

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

‘VIRADA DIGITAL’

O editorial do dia 17/2 (A3), de título A ‘virada digital’ dos partidos, foi feliz e bem sucinto. Os partidos políticos carecem de identidade, carecem de uma mensagem verdadeira. Se os partidos políticos estão intrinsecamente ligados à democracia brasileira, por que ninguém “veste a camisa”? Se uma candidatura política no sentido avulso não faz sentido, por que o que faz sentido (partidos) não seduz novos adeptos? Como ter uma “assinatura”, de quem não tem uma mensagem sedutora? Queremos nos comprometer com partidos políticos, vestir a camisa, ser “assinantes”. Mas como ser parte integrante de algo que mais parece uma ilha deserta, totalmente desconectada do mundo real? Como fazer parte de um partido, como, por exemplo, o PT, se o todo (partido) é menos importante do que a parte (Lula)? Enquanto partidos políticos precisarem de “demiurgos”, ou mesmo de heróis, não serão partidos, serão seitas. E seitas em democracias padecem nas urnas. Vale lembrar que um bom jornal tem os seus assinantes, assim como uma igreja tem o seu dízimo. Partidos políticos, atentem para isto: façam por merecer!

Leandro Ferreira silvaaleandro619@gmail.com

Guarulhos

*

CORREÇÃO DE RUMO

Com figuras que se consolidam no cenário político, tais como, mas não restritas a, Valdemar Costa Neto, Ciro Nogueira, Valdir Raupp, Romero Jucá e outros, não há virada nenhuma que devolva aos partidos credibilidade, e muito menos pode dar consistência política aos partidos. Urge que se admitam candidaturas avulsas, a meu ver único remédio para chacoalhar o cenário político. Tudo começa na representatividade. Não é possível que os números totais de senadores (81) e deputados federais (513) sejam mantidos. Tais quantidades foram estabelecidas durante o regime militar, quando visavam a atender a determinados objetivos que hoje nada têm que ver com a vida política nacional. Redução no número de ambos parlamentares, redistribuição dos números de deputados por Estados (proporcionalidade a suas populações) e volta a senadores por Estado, esta é a virada necessária para corrigir nossos rumos. Ah, ia me esquecendo: voto distrital, com recall. Barateamento absurdo de campanhas eleitorais e responsabilidade dos parlamentares atrelada ao seu eleitorado, muito próximo deles, eis a panaceia que precisamos implantar. Isso, sim, seria uma “virada”!

Abel Cabral abelcabral@uol.com.br

Campinas

*

BAIXARIA

A CPI das fake news e as ofensas contra um ministro da Justiça dentro do Congresso mostraram que a oposição política (a esquerda) é um amontoado de organizações criminosas povoadas por gente da pior espécie (corruptos, vagabundos, drogados, etc.).

André Coutinho arcouti@uol.com.br

Campinas

*

GOVERNO QUER OU NÃO REFORMAS?

Já que o ministro Paulo Guedes perdeu ou jamais teve carta branca para que tocasse as reformas econômicas, como havia prometido Jair Bolsonaro, o que realmente existe hoje no Planalto é medo de enfrentar projetos polêmicos como as reformas tributária e administrativa. E o Congresso Nacional, muito a favor de debater e até de aprovar reformas relevantes, já está cansado de esperar os prometidos projetos do governo. Neste aspecto, Bolsonaro se parece com Lula, que também tinha receio, ou medo, de principalmente enfrentar o forte corporativismo dos servidores públicos federais. A reforma administrativa, como é esperado, vai, se aprovada, atacar grandes privilégios desta categoria que prejudicam há décadas as contas públicas. Está mais do que na hora de o presidente enfrentar com coragem os grandes problemas nacionais.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

‘A MÃO NA CHIBATA’

Excelente a crônica de J. R. Guzzo (Estadão, 16/2)! Realmente nós, brasileiros, não somos cidadãos, e sim súditos desta burocracia insensível. Parabéns ao Estadão, por ter em seus quadros tão ilustre e brilhante jornalista.

Eros Pedrozo erospedrozo@gmail.com

Rio de Janeiro

*

NOME AOS BOIS

Divulgou-se a notícia que a Polícia Federal (PF), a partir de escutas realizadas na deep web, alertou o Supremo Tribunal Federal (STF) de que seus ministros podem ser alvos de ataques terroristas perpetrados por uma célula terrorista. No atual Brasil, de tantos vácuos e vazios contraditoriamente preenchendo as notícias, as investigações e os esclarecimentos sobre atividades e ações ilícitas e criminosas, seria bom, pelo menos, dar alguns nomes a alguns bois, pois, dependendo do ponto de vista, células terroristas podem ser compostas por qualquer grupo, quer seja político, criminoso ou revolucionário, ou por nenhum deles, ou, ainda, por todos eles.

Marcelo G. Jorge Feres marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro

*

HERDEIROS DO AGRONEGÓCIO

Sobre manchete dos herdeiros do agronegócio (Estadão, 16/2), a tradição material é importante, mas gostaria de ver a tradição espiritual desta gente abastada. Entrar no que está feito e tocar o negócio é uma coisa, ganha-lo suando, como fizeram os antepassados, é outra coisa.

Benedito Antonio Dias da Silva beneadvdiasdasilva@terra.com.br

Tatuí

*

SINAL DE ALERTA

Fevereiro foi marcado com fortes chuvas em São Paulo. O paulistano teve de enfrentar um grande desafio: a travessia feita a pé ou de carro pelas ruas da cidade e o alagamento de algumas residências. A enchente levou e/ou estragou móveis, derrubou paredes, destelhou casas, arrancou árvores pela raiz, fez vítimas por toda parte. No trânsito, nem se fala: veículos parados nas avenidas submersas donde não havia espaços para retorno. Um início de semana bastante agitado para centenas de pessoas. A “queda d’água” veio de surpresa após nebulosidade vista no céu. Parecia noite em pleno meio dia. Horas seguidas de chuva intensa trouxeram para o cidadão uma série de problemas, dentre eles a perda do lar. Famílias inteiras abandonaram sua moradia por causa da situação de risco. Há casos também de animais como cavalos/éguas que precisaram de socorro no momento do alarde. Muitos objetos dispersos foram arrastados pela força da água. Vários moradores se viram ilhados embaixo do próprio teto com receio do temporal. Agora, neblina ainda tímida não cessa de cair na capital e região metropolitana. Acende, pois, sinal de alerta.

Thiago Valeriano Braga tvbraga1989@gmail.com

Guarulhos

*

CADÊ A ESTÁTUA?

Inacreditável! A estátua de aproximadamente 400 kg e 2 metros de altura de d. Rosa Paulina da Fonseca, mãe do Marechal Deodoro, proclamador da República, foi roubada do monumento que homenageia o primeiro presidente do Brasil, na zona sul do Rio de Janeiro. “Se sumiu, ninguém sabe, ninguém viu”, dirão os nossos ineptos administradores e gestores, lavando as mãos como Pilatos, tal qual fizeram em passado recente com as longas e pesadas vigas da antiga Perimetral da Zona Portuária, da mesma forma surrupiadas e até hoje sem a apuração de responsabilidades. Enquanto isso, carnaval já bombando, os irreverentes arlequins desdenham essa colombina que se foi. “Até quarta-feira”, o palhaço carioca seguirá o seu dia feliz, cantando “Quanto riso, ó, quanta alegria” nos salões, blocos de rua, praças, avenidas e logradouros. Pelo jeito, esse ano também vai ser igual àquele que passou...

Celso David de Oliveira david.celso@gmail.com

Rio de Janeiro

  

*

PROGRESSO

Numa cidade onde se roubam enormes vigas de ferro que ninguém sabe, até hoje, após mais de três anos, onde foram parar e subtraem-se diariamente toneladas de cabos elétricos da rede ferroviária, prejudicando a mobilidade de milhões de pessoas, surripiar parte de um monumento evocativo da memória da mãe do primeiro presidente da República constitui até um progresso que só poderá ser suplantado por acontecimento mais bizarro, como, por exemplo, a captura na calada da note de um camelo do zoológico. 

Paulo Roberto Gotaç pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro

*

LULA, O SÃO LULA

A Igreja Católica, a que pertenço e admiro como uma organização religiosa de Cristo, nos decepciona com certas atitudes que não refletem os princípios morais que ensina. Embora o papa represente todos os humanos deste planeta e necessite receber a todos, deveria ter o bom senso para dar aquela audiência pessoal ao ex-presidente e ex-presidiário Lula. A igreja se desmoraliza ao receber com sorrisos e abraços o maior chefe da quadrilha de ladrões que saqueou o Tesouro brasileiro. Quantas vidas foram ceifadas pela falta de dinheiro nos hospitais, falta de dinheiro para educação, falta de investimentos em infraestrutura, enfim, com toda sorte de malandragens? Será que no Vaticano também prevalece a política dos espertos, ladrões, larápios e mentirosos?  Lula é o grande praticante do mantra “uma mentira dita dez vezes se torna verdade”. O papa se esqueceu de um dos dez mandamentos de Deus, não roubar? Ao receber com sorrisos Lula, o maior ladrão de todos os tempos, o papa sem papos concede a bênção que será usada como redenção em seus discursos aos seus pobres seguidores do PT. A notícia de que o Vaticano avalia a canonização de São Lula merece destaque. Razões não faltam, os milagres da multiplicação de pobres incautos e a divisão de pão com mortadela. Pobre da Igreja Católica, até o papa foi enganado.

Takashi Sanefuji tsanefuji@terra.com.br

São Paulo

*

‘O HOMEM INVISÍVEL’

Muito estranho que nenhum jornalista, repórter ou fotojornalista tenha registrado em foto o embarque de ida ou o desembarque de volta a Itália do demiurgo de Garanhuns. Nenhum passageiro de uma companhia aérea registrou. Fica a dúvida: foi muito bem camuflado em voo de jatinho particular? É “o homem invisível” (H. G. Wells).

José Luiz Abraços octopus1@uol.com.br

São Paulo

*

AÍ TEM!

Acho que o papa Francisco só recebeu o homem “mais honesto do Brasil” porque não lê jornais e é mal informado. Atualize-se!

       

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

PEDIDO DE PERDÃO?

Se o companheiro Lula é o homem “mais honesto do Brasil”, por que pediu perdão ao papa? E qual a legitimidade que um chefe absolutista de Estado, também absolutista, tem para perdoar os pecados de um ex-presidente tão democrático e impoluto quanto o companheiro Lula?

Ney José Pereira neyjosepereira@yahoo.com.br

São Paulo

*

SEM ARREPENDIMENTO?

Se a leitora sra. Vera Augusta Vailati Bertolucci me permitir uma opinião sobre seu comentário de 15/2/2020 neste Fórum, o perdão que Deus nos oferece não é automático. Nós precisamos ir até a cruz e, além de confessar nossos pecados, nos arrepender da sua prática para sermos perdoados. O senhor que o papa Francisco recebeu em audiência, pelo seu discurso e atitudes, nega os crimes pelos quais está condenado, não se arrepende e poderá repeti-los, se tiver oportunidade.

Adriano Luchiari afluchiari@bol.com.br

Americana

*

LULA E O PAPA

De nada adiantará ficar discutindo o encontro de Lula com o papa, que, como chefe de Estado, não deve se negar em receber aqueles que o procuram. Ele não tem recebido somente comunista no Vaticano, mas inúmeros outros nomes importantes da geografia mundial, de diversos pensamentos socioculturais e denominações religiosas. Tem viajado pelo mundo em busca da paz, levando a mensagem do Evangelho. Publicações de cunho fake news invadem as mídias sociais e são absorvidas pelos menos avisados, atingindo principalmente figuras públicas. Vale ser lembrado neste instante que a pedra, depois de lançada, jamais voltará à mão de quem a lançou.

Pedro Paulo Penna Trindade pennatrindade@gmail.com

São Paulo

*

REAPRENDER A PENSAR

O Estado até que foi delicado e parcimonioso no editorial A velha arrogância petista (16/2, A3), ao discorrer sobre a tradicional prepotência do partido. Além da conhecida arrogância e da falta de ideias novas, faltou mencionar um ponto importante: é patente nas redes sociais o desejo visceral das lideranças e da militância petista de que o presidente Bolsonaro não chegue ao fim do seu mandato. Tal desejo, cuja principal motivação é a mera vontade de vingança em resposta ao impeachment de Dilma Rousseff e às condenações e prisão de Lula, demonstra a total falta de visão quanto às consequências de um possível impedimento de Bolsonaro. Só para citar uma delas: se isso acontecer, quem vai assumir a Presidência da República, de acordo com a Constituição, será o vice-presidente, General Hamilton Mourão. Ou seja, a tétrade militar que hoje ocupa o terceiro andar do Palácio do Planalto, se tornará uma quina e assim o Brasil terá, para deleite dos saudosos dos tempos da ditadura, um governo plenamente militar. A esquerda precisa urgentemente se reinventar, se quiser sobreviver. Mas, antes, é preciso reaprender a pensar. 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

PROGRAMA 

Será que o único projeto político do PT é “Lula livre”?

Luiz Frid  luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

QUEIMANDO DINHEIRO

Entre as inúmeras ações filantrópicas, gentilezas e favores feitas pelo “poste” encravado no Planalto pelo “cara”, a ex-presidenta Dilma Rousseff, uma delas foi a confecção de 63,7 milhões de cédulas haitianas, que estão estocadas no Brasil há dez anos. Este presente foi oferecido por ela ao Haiti após o terremoto que devastou aquele país, com uma agravante: as cédulas nunca foram finalizadas, portanto não podiam ser utilizadas. Foram, pois, corroídas, perdendo seu valor pela inflação do país caribenho. Para finalizar a falta de respeito e o descaso com a população e o nosso dinheiro – pois fomos nós que pagamos mais uma vez a tal desastrosa aventura –, as cédulas serão incineradas. Ou seja, literalmente, queimadas e jogadas no lixo. 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

BRASILEIROS DEPORTADOS

Aos “maltratados” deportados, bastava seguir os procedimentos legais de ingresso. Não transgredindo as leis, ninguém é “maltratado”, preso e deportado dos Estados Unidos.

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

BRASIL-EUA

Dispara nos EUA prisão de brasileiros que relatam fome, frio e abandono (Estadão,15/2). Para que serve o “namoro” Bolsonaro-Trump?

Luigi Vercesi luigiapvercesi@gmail.com

Botucatu

*

INVASÃO E RECLAMAÇÃO

Brasileiros, especialmente os mineiros, sem qualquer autorização dos órgãos competentes, tentam invadir os EUA e são deportados. Com “cara de cachorro que quebrou o pote”, chegam reclamando de fome, frio e abandono. Afinal, será que pretendiam ser recebidos por Donald Trump no Salão Oval da Casa Branca? Não seria mais honesto percorrer o caminho legal para entrar na casa dos outros?

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

A PÃO DE LÓ?

Migrantes ilegais brasileiros querem ser tratados a pão de ló? Lugar de brasileiro é no Brasil!

Eugênio José Alati eugenioalati13@gmail.com

Campinas

*

ATÉ QUE PONTO?

A população de Damasco não chega a 2 milhões de habitantes. Mas os refugiados sírios na Turquia já ultrapassaram a cifra de 3,5 milhões. Com o avanço do governo em Idlib, mais 800 mil fugiram para abrigos improvisados nos quais muitas crianças morrem de frio. Mas fugindo de quem? Do governo de seu país, aquele que usou suas armas químicas contra os seus cidadãos. Eles fogem da paz do ditador Assad. As tropas que os perseguem falam persa. Afinal, são soldados iranianos vestindo uniforme sírio que não tiveram tempo para aprender a falar árabe. Erdogan, da Turquia, agora ameaça entrar em guerra para evitar que Assad faça com os sírios sunitas aquilo que seus soldados turcos querem fazer com os sírios curdos. Os EUA observam a distância junto com a ONU. Israel aparece de tempo em tempo por lá para bombardear arsenais estratégicos, mas tomando todo cuidado para não atingir soldados. E os russos colaboram para o sucesso das partes, fornecendo armas e equipamentos. Mas a pergunta principal é: Erdogan, Assad e Khamenei, até que ponto pretender ir? 

Jorge A. Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

PÃO DE QUEIJO

Um pão de queijo no aeroporto internacional de Guarulhos custa R$ 15. Isso só acontece porque nas agências reguladoras cada um deve receber “o seu”, para permitir um assalto deste.

Orivaldo Tenorio de Vasconcelos professortenorio@uol.com.br

São Paulo

*

MENOS UMA MAZELA

O Brasil também tem destas sortes: parece que o coronavírus não é muito de samba. Que bom!

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

*

CORONAVÍRUS

Tão ou mais preocupante do que as mais de 60 mil vítimas fatais e as mais de 50 mil contaminadas pelo coronavírus made in China é o fato de que há cerca de 1,5 mil médicos infectados e quase uma dezena falecida. O que fazer quando começam a morrer os que tratam da doença? Salve-se quem puder.

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.