Fórum dos Leitores

LULOPETISMO

O Estado de S.Paulo

23 Setembro 2015 | 02h04

Sinais dos tempos

Quando políticos de alto escalão se recusam a indicar ministros e candidatos a altos cargos governamentais, é porque ou o governo já acabou ou os indicadores e indicados se recusam a embarcar em barco naufragando. Até quando "a pata vai mancar"?

CLAUDIO JUCHEM

cjuchem@gmail.com

São Paulo

CPMF x impeachment

Enquanto o Planalto não ouve a voz das ruas e das entidades empresariais e insiste na CPMF, o processamento do impeachment está parado. O presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), estava ansioso para demonstrar oposição ao governo, mas foi-se aquietando, falando menos e escutando mais. Algo deve ter acontecido, porque precisa exarar seu despacho nos pedidos (17) que estão sob sua jurisdição. Seria algum objeto misterioso a impedir sua ação? O povo aguarda sua manifestação com ansiedade!

JOSÉ CARLOS DE C. CARNEIRO

carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

Sai, Dilma, sai!

Segunda-feira, jornais, rádios e TVs noticiavam que o PIB caiu 3,04%, o dólar bateu em R$ 4 e economista disse que a inflação será igual ou maior que 10% este ano. E segundo o pessoal do mercado, a tendência é piorar. Motivo: a política está atrapalhando a economia. Dilma é foco do problema político: decisões erradas, práticas fora da lei, várias ações pelo impeachment. Na última vez que o dólar bateu nos R$ 4 foi com a eleição de Lula. Hoje se verifica que o mercado tinha razão de se amedrontar, como tem agora. Neste momento, com "todas as cartas na mesa", se Dilma não sair a economia não se recupera. O mercado desconfia da honestidade e da capacidade técnica de Dilma e seus assessores mais próximos.

FABIO FIGUEIREDO

fafig3@terra.com.br

São Paulo

Em perspectiva

Dizer que o dólar atingiu ontem o maior valor da história do real é correto, mas preparem-se todos: em valores corrigidos pela inflação brasileira e americana, os quase R$ 4 de 2002 são cerca de R$ 8 hoje. Ainda temos longo caminho a andar (ou afundar).

ANTONIO CLAUDIO LELLIS VIEIRA

lellisvieira@gmail.com

São Paulo

Corrupção

Renato Duque e João Vaccari Neto condenados. No PT, só infâmia, vergonha e humilhação.

EUGÊNIO JOSÉ ALATI

eugeniojalati@gmail.com

Campinas

Outro tesoureiro condenado

Seria mera perseguição, incompetência do Judiciário ou realmente há algo de errado no PT (perda total?) para que dois tesoureiros tenham sido condenados? E continuam afirmando que as doações foram feitas na forma da lei? E há gente que ainda faz doações ao partido?

M. MENDES DE BRITO

voni.brito@gmail.com

Bertioga

Perguntas da cidadania: Vaccari agiu por conta própria? Ele embolsou tudo o que arrecadou? Alguém acredita? Quem foram os seus mandantes? Não serão averiguados e identificados? Não serão sujeitados a inquéritos, acusados, julgados e condenados?

HARALD HELLMUTH

hhellmuth@uol.com.br

São Paulo

Por que só ele?

A vara da Justiça Federal onde está lotado o juiz Sergio Moro funciona com velocidade admirável para o padrão brasileiro. Considerando que as prerrogativas jurisdicionais, remuneração e estrutura de suporte administrativo são iguais, por que as outras varas judiciais, federais ou estaduais, não têm a mesma rapidez na tramitação dos processos e na emissão de sentenças?

HONYLDO R. PEREIRA PINTO

honyldo@gmail.com

Ribeirão Preto

Na Prefeitura paulistana

Parabéns pelo editorial Incompetência e compadrio (22/9, A3). Infelizmente, saiu num momento em que as atenções estão voltadas para a crise política, econômica, moral e ética em que o Brasil está imerso, criada pelo maior instalador de postes que este país já viu. Além da aprovação de imóvel irregular e da injustificável alteração de traçado de ciclovia, têm de ser explicados também o uso das verbas provenientes da recém-criada indústria de multas e o custo das ciclovias que resolveram os problemas de trânsito desta grande cidade. Peço encarecidamente que o Estadão não deixe este assunto morrer. Acredito que multas de carros oficiais sejam canceladas. Se isso for verdade, gostaria de conhecer as infrações cometidas por carros da Prefeitura e da CET. Acho que eles deveriam dar o exemplo, só sendo aceitáveis infrações em comprovadas situações de emergência. É possível fazer esse levantamento? De minha parte, mais que o impeachment de Dilma - não creio que resolva o problema -, queria o impeachment do sr. Fernando Haddad e de seu miniposte irresponsável pelos transportes. Felizmente, no ano que vem teremos a oportunidade de enterrar os fios e nos livrar desse poste.

MÁRIO CORRÊA DA FONSECA FILHO, engenheiro

mario@mariofonseca.com.br

São Paulo

Prestação de serviço público

O Estado, baluarte da briga por decência e ética, bem que poderia levantar de quem são compradas e qual o preço que se paga pelas tintas usadas na demarcação das ciclovias. Poderemos ter surpresas "grandiosas".

ABEL CABRAL

abelcabral@uol.com.br

Campinas

SABESP

Crise hídrica

Em relação ao texto Cantareira tem transição catastrófica, diz estudo (19/9), é curioso que os autores do artigo citado na reportagem do Estado mantêm um site (http://cantareira.github.io) no qual se reconhece que quando se trata de prever o futuro não é possível ir além de 30 dias. O fato é que a crise hídrica foi gravíssima. Com os dados disponíveis até 2013, a probabilidade de que na afluência anual de 2014 acontecesse algo tão baixo, como foi a vazão afluente do Sistema Cantareira, é de 0,004, um evento de baixíssima probabilidade de ocorrer. E não é razoável recorrer a comentaristas de videoteipe, que dizem que seria possível prever a maior seca da História, para afirmar o que deveria ou não ser feito. O fato é que a Sabesp combateu a crise hídrica com planejamento e obras e garantiu o abastecimento de água sem prejudicar a população com medidas drásticas.

CARLOS ALENCAR, assessor de Comunicação da Sabesp

vmida@sabesp.com.br

São Paulo

DÓLAR A R$ 4,00

Uma semana antes das eleições do ano passado, o então ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou que quem apostasse na alta do dólar iria quebrar a cara. Não é preciso ser muito inteligente para saber que as previsões de Mantega e as de um girino têm relevância similar, mas hoje, infelizmente, verificamos que quem quebrou foi o “Brasil Maravilha” do PT.

 

Leão Machado Neto lneto@uol.com.br 

São Paulo

*

A HORA E A VEZ DO BASTA

Senhores incompetentes, a quanto precisa chegar o dólar para que vossas excelências abandonem os cargos, mesmo porque imperícia, imprudência e negligência também são crimes?

Marcos Catap marcoscatap@uol.com.br

São Paulo

*

E AS RESERVAS?

Surge a dúvida: será que existe mesmo a tal reserva internacional de US$ 370 bilhões? Se existe, por que o governo não a usa, em vez de querer aumentar impostos? Ou será outra patacoada? Ou a reserva sumiu?

  

Sergio Tadeu Neri Antonio sergiotneri@hotmail.com

São Paulo

*

PARA QUE SERVEM?

Está certo que nossas reservas são uma falácia, que grande parte desses dólares foi comprada com nosso endividamento no Brasil e aplicados nos Estados Unidos a uma taxa ínfima, mas pagando juros no Brasil a uma taxa altíssima, a Selic ou algo mais. Então nossas reservas acarretam milhões de despesas ao Brasil anualmente. O fato, porém, é que os R$ 370 bilhões estão aí, e para que servem? Falou-se num déficit para 2016 de R$ 30 bilhões, mas deve ser muito mais em virtude da imensa irresponsabilidade da ex-terrorista, o poste de seu criador. Estão querendo recriar a maldita CPMF e outros tributos mais, além de cortes de despesas que parecem fantasia para enganar trouxa. Por que não dedicar R$ 100 bilhões para arrumar as contas do País por três anos? Ainda teríamos R$ 270 bilhões. Será que é difícil pensar nisso ou isso é proibido? Se é proibido, então para que servem as reservas? O medo é de que parte desse dinheiro vá para o bolso dos petralhas.

 

Orlando Cesar Esteves Orlando.power@hotmail.com

São Paulo

*

UM EQUÍVOCO

Alguns leitores escrevem para este espaço com uma concepção equivocada sobre o uso das reservas sob tutela do Banco Central. Utilizar esses recursos para cobrir rombos orçamentários, como sugerido, seria o mesmo que emitir moeda, e, como sabemos, isso gera mais inflação, que certamente acarretaria maior desorganização na economia, já tão combalida.

Adriano Rodrigues adriano.rod@bol.com.br 

Tremembé

*

CULPA

O Brasil vai mal, e de quem é a culpa? Primeiro, do povo inocente que, enganado, pôs no Planalto um homem primário e jejuno, cuja sucessora é do mesmo naipe, criatura dele. Segundo, culpo o PSDB, que foi incapaz de fazer oposição, desde 2003, ao governo eleito e empossado. Partido tímido, anêmico, frouxo, comodista, omisso, covarde, sem ação para fiscalizar os desmandos do governo petista. Acuso o PSDB pela situação calamitosa que vivemos, uma vez que o bom e ingênuo eleitor de Lula e de Dilma nem se apercebe do quanto tem sido enganado por quem cultiva a mentira.

Décio Pereira Martins de Andrade dpmapf@gmail.com 

Porto Ferreira  

*

O CRÍTICO DELFIM NETTO

Delfim Netto, mentor intelectual da comprovada farsa do “milagre econômico” da década de 1970, vem novamente a público e diz que a presidente Dilma Rousseff é uma “trapalhona” (“‘A Dilma é simplesmente uma trapalhona’”, 20/9, B5). Essa qualificação infantil e primária tenta amenizar a responsabilidade dela pelo caos econômico, financeiro e moral por que passa a Nação. Trapalhona é personagem de comédia, e o País está passando por uma tragédia. Delfim tem de enfiar a “viola no saco” e desaparecer da vida pública, porque há muito seu tempo se esgotou.

Frederico Fontoura Leinz fredy1943@gmail.com 

São Paulo

*

‘SIMPLESMENTE TRAPALHONA’

O professor Delfim Netto, do alto do seu currículo, em entrevista a Eliane Cantanhêde (20/9, B5), resumiu numa simples frase a sua definição sobre a presidente Dilma Rousseff: “Simplesmente trapalhona”. Em sua explanação, o economista emitiu seu parecer sobre a atuação do governo com as frases que segue: “O primeiro equívoco mortal foi encaminhar para o Congresso uma proposta de Orçamento com déficit. Foi a maior barbeiragem política e econômica da história recente do Brasil”. E completou, sobre o coração do plano governamental: “A CPMF é um imposto cumulativo, regressivo, inflacionário, tem efeito negativo sobre o crescimento e quem paga é o pobre”. Foi, para mim, um alívio saber que eu não tinha ensandecido quando considerei o tal Orçamento um absurdo, assim como a nova CPMF, já que o governo confessava que pretendia gastar mais do que poderia arrecadar. Outra afirmação do professor é de que o economista de fato do governo é a própria presidente, o que muitos de nós já imaginávamos, em decorrência de tantas sandices. Ora, se, como afirma o professor Delfim Netto, é a presidente quem comanda a economia, não existe razão para o ministro Joaquim Levy ainda permanecer no cargo.  Eu, por muito menos, pedi exoneração de um cargo público. Eu jamais me permitiria apresentar aquela excrescência econômica. A entrevista em questão comprova, com os argumentos irrefutáveis apresentados pelo professor, que o ex-presidente Lula escolheu errado a sua substituta e, pior, insistiu no erro ao ajudar a sua reeleição, o que o torna tão culpado quanto a presidente pelo caos em que se encontra a nossa economia.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br 

São Paulo

*

LEMBRANDO OS ANOS 80

Por volta do mês de novembro de 1982, com intenção de adquirir um equipamento para cirurgia de catarata (estava iniciando minha carreira de cirurgião oftalmológico), eu me perguntava se devia começar a comprar alguns dólares, pois o equipamento em questão era americano. Em dezembro daquele ano, o então ministro Delfim Netto veio à televisão e disse, mais ou menos textualmente, que “quem resolvesse investir em dólar iria arrepender-se amargamente”. Acreditei no ministro. Sosseguei. Guardei meus cruzeiros novos (acho que era essa a moeda do momento) para comprar o tal equipamento em abril de 1983. Pois bem: na sexta-feira, véspera do carnaval de 1983, o sr. ministro anunciou uma maxidesvalorização de 35% da nossa moeda ante o dólar! Resultado: tivemos de postergar os nossos planos em mais de um ano. Esse é o nível de sinceridade do homem! Hoje o sr. Delfin Netto vem dar entrevista dizendo, entre outras coisas, que a presidente é “simplesmente trapalhona”. Mas ele diz que votou nela! Mesmo sabendo – conforme está na entrevista – que desde 2012 ela vinha fazendo trapalhadas. Trapalhão é o ex-ministro! Boa conversa, bom uso da palavra, mas é o tipo do cara que só faz previsão do que já passou. Só dá o diagnóstico depois da autópsia. Causa-me espécie um meio de comunicação como o “Estadão”, um dos poucos em que se pode confiar neste país, continuar a dar espaço a figuras como este ex-ministro. Espero que o “Estadão” busque para falar de economia gente mais capaz e mais sincera.

 

Pedro M. Piccoli piccoli@pmp7.com 

Curitiba 

*

ESCADA ACIMA

Delfin Netto por fim surge como o “guru dos economeses” e, como todo economês, fala bobagens. Dilma de fato é trapalhona, mas dizer que é dona do País, como faz supor no seu texto, é mera “enganação”, como, aliás, Delfim é expert desde a época da ditadura. Delfim é um legítimo colarinho branco dos banqueiros, e, como tal, a mentira faz parte do sistema puro e simples de cacique e seus pajés. Dilma é uma marionete desengonçada dos banqueiros, esta é a verdade que Delfim não expõe. Na realidade, os banqueiros manipulavam de fato Lula e Dilma agia como ventríloquo do ex-presidente. Contudo, como comunista fanática, acha que no “poder” pode também meter os pés pelas mãos até independentemente de seu “chefe hierárquico”. Claro que Delfim não expõe que hoje vivemos uma ditadura socialista-coronelista, como, aliás, já era também na ditadura militar e em todas as ditaduras que a precederam desde o império dos Pedros. Delfim é um legítimo colarinho branco de qualquer ditadura, seria “consultor” de Dom Pedro II, como está sendo do PT, e foi ministro na ditadura militar. São aqueles caras geniais na história que conseguem sempre “rolar escada acima”, não escada abaixo, como qualquer mortal que faz qualquer merda. Por que o País convive com trapalhões como Dilma, Lula e outras figurinhas carimbadas do PT, PMDB, PSDB, DEM, PTB, PCB, etc.? Simples, porque estamos numa ditadura, e ditadura significa enfiar goela abaixo do povo qualquer traste. Senhor Delfim é o economês das estatísticas “arrumadas”, e o PT simplesmente o tem como consultor nisso.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

NÃO DÁ MAIS

Segundo Delfim Netto, Dilma é simplesmente uma trapalhona. Basta ver os índices de nossa economia hoje: devastados! Gilmar Mendes acusou o PT de instaurar a cleptocracia como modelo de governo. E os brasileiros, com ciência total sobre esses dois pontos, foram e vão às ruas quantas vezes forem necessárias para pedir o seu impeachment. Qualquer um, em sã consciência, sabe que não há mais condições de a presidente continuar presidente por mais três anos. Seria o fim do Brasil, que já conta com falta de credibilidade lá fora e aqui dentro. O PMDB vai mesmo, no Senado, não apoiar o afastamento de Dilma? Não é hora de abandonar seus interesses e estar do lado do bem do Brasil,  uma vez que fosse?

Myrian Macedo myrian.macedo@uol.com.br 

São Paulo

*

ELEIÇÃO

Sr. ex-ministro, ex-deputado e afinadíssimo economista Delfim Netto, admiro muito sua personalidade, mas como é que o sr. foi ajudar a eleger esta “trapalhona” que aí está? O sr. devia, na hora do seu voto, ser o “afinadíssimo economista que certamente o é”, e não o político igual à maioria  deles. Foi o maior erro da sua vida, e todos nós vamos pagar muito caro por isso. E metade dos eleitores deste país, que certamente não tem currículo igual ao seu, não votou nela, mas vai pagar também!

Sidney s-gallina@uol.com.br

São Paulo 

*

PÉRFIDOS

 

Tudo para Dilma Rousseff é golpe. Mas 92% dos eleitores acham que mentir para enganar a população para se perpetuar no poder, com tanto desemprego, inflação, desvio dos 10% ao partido e o caso Pasadena, com aumento de tributos para cobrir o rombo de R$ 30,7 bilhões, tudo isso, sim, é que é golpe. Sempre prejudicando os trabalhadores, quando, na verdade, teria é de cortar gastos, despesas, mordomias de coligados, etc. Sua fala e a de Lula ninguém aguenta mais, pois, ao invés de governar, ficam com desculpas demagógicas, por não terem propostas e saídas para a crise, que, afinal, foi toda criada por eles mesmos. Chega de incompetência! O povo está esgotado com o desgoverno e a falta de identidade. Temos limites! Golpe foi o que o PT deu em nós, brasileiros trabalhadores.

 

Nelson Scatena nelson.scatena@hotmail.com 

São José dos Campos

*

O AJUSTE DAS CONTAS DO GOVERNO

O alegado “déficit previdenciário”, para o qual o governo quer ressuscitar a CPMF, na verdade é originário de políticas sociais (área rural/Loas) e da previdência do sistema público, além de isenções dadas, erroneamente, pelo próprio governo a alguns setores da economia, pois, como informado pelo próprio ministério responsável, a previdência urbana é superavitária. Então o ministro está distorcendo a realidade quando diz que o novo imposto deverá cobrir o “déficit previdenciário”, como se isso fosse responsabilidade do trabalhador privado, visando a acobertar o fato de que as despesas que pretende cobrir com a CPMF são de políticas sociais e econômicas para as quais deveria haver dotação orçamentária específica, e, se não a há, é por esses recursos estarem sendo utilizados para outros fins, indevidamente. O governo não pode continuar aumentando a carga fiscal, legitimando sua incompetência com o aval do Congresso Nacional e praticar desvios de finalidade dos recursos de nossos impostos. Tem de cortar as despesas e não querer aumentar a receita. Basta!

Jorge Alves jorgersalves@gmail.com

Jau

*

PREVIDÊNCIA PÚBLICA E A PRIVADA

Pelo que entendi, a nova cobrança da CPMF é destinada à Previdência Social, isto é, para cobrir o enorme rombo existente, em razão de os pagamentos dos benefícios serem muito maiores que as correspondentes receitas, e isso se agrava bastante quando se constata a enorme disparidade na conta da previdência entre os setores público e privado. Conforme estimativas apresentadas pelo jornal “Folha de S.Paulo” em 3/12/2014, no ano de 2013 o déficit da previdência dos servidores públicos foi de R$ 64 bilhões, para atender cerca de 1 milhão de aposentados civis e militares, enquanto o déficit no regime geral da previdência foi de R$ 50 bilhões para atender 24 milhões de beneficiários. Portanto, o déficit do setor público no ano de 2013 já era maior do que o do setor privado, e hoje deve ser maior ainda, atendendo um número muito menor de beneficiários. Com essa nova cobrança do imposto, querem colocar a população toda contribuindo para a cobertura de um déficit primordialmente originado da previdência dos servidores públicos. Quando é que vão limitar os valores das aposentadorias dos servidores públicos aos níveis dos da iniciativa privada? Seria um bom começo para a redução dos custos que ora se faz necessária. E enterrem definitivamente esse imposto sobre a movimentação financeira, cujo propósito inicial, do dr. Adib Jatene, era o financiamento da saúde brasileira, mas que foi totalmente desvirtuado.

Sebastião Adilson Tartuci Aun sebastiao.aun@uol.com.br 

São Paulo 

*

ROMBO PREVIDENCIÁRIO

Mais uma vez eu ouço esta exclamação do governo nos meios de comunicações do País sobre o “rombo na Previdência Social”. Seria impossível eu afirmar quantas vezes já ouvi o governo alegar esse mal para curar os efeitos do mal provocado pela má administração pública. Porém nunca ouvi o governo informar os brasileiros que no mês tal a previdência arrecadou “xis” valor para os cofres da Previdência, só déficit. Nunca ouvi nos últimos 13 anos de mandato petista o governo informar os previdenciários de que somente nos dois mandatos do ex-presidente Lula ele sacou mais de R$ 200 bilhões da Previdência Social para outros fins, políticos e até para custear despesas da própria Presidência. A presidente Dilma Rousseff, também, até hoje nada informou sobre isso e só anuncia “rombo” na Previdência. Além disso tudo, nunca ouvi os governos anunciarem quantos cabides de empregos existem na Previdência Social, que não é dele, e, sim, dos previdenciários que contribuem com ela.

Maria do Carmo Leite Alves m.carmo1946@bol.com.br 

São Paulo

*

CPMF PARA A PREVIDÊNCIA

Sabemos que 85% do déficit da Previdência vem de funcionários públicos aposentados com salário integral. São somente 950 mil. Por que a população toda tem de pagar essa excrescência criada pelos constituintes de 1988? Não reduzem a nossa aposentadoria com o fator previdenciário? Que reduzam em 50% a deles, e se resolve o déficit.

Marcelo Heilberg marcelo.heilberg@hotmail.com

São Paulo

*

FERIDA PURULENTA

O acerto do Orçamento indiscutivelmente passa pela reforma da Previdência. Por que ninguém, nenhum técnico ou político, toca na ferida mais purulenta, a dos cerca de 950 mil brasileiros que gozam de privilégios, isto é, receberão quando da sua aposentadoria o salário integral. Quem seriam esses sortidos? Com a palavra, o ministro Nelson Barbosa ou algum político corajoso, se existir.

Itamar Carlos Trevisani bia.trevisani@terra.com.br 

Jaboticabal

*

CAIXAS PRETAS

Está mais do que na hora de os governos federal, estaduais e municipais, assim como o Poder Judiciário e as Forças Armadas, abrirem suas caixas pretas dos benefícios dos seus pensionistas. Aí, sim, vamos ver quem é a elite nociva do Brasil e um dos maiores escândalos deste país.

  

André Coutinho arcouti@uol.com.br

Campinas

*

FALTA DE UNIDADE DE AÇÃO

O Brasil está passando por muitas crises. E o que preocupa é a falta de clareza nas discussões de propostas para superá-las. A começar pela classe política, que coloca na frente o encaminhamento de questões de interesses pessoais ou corporativos. A crise econômica, por sua vez, não envolve  o procedimento conjunto das várias classes produtoras. E o mais grave: as críticas são dirigidas à presidente Dilma, como se ela e a equipe que a assessora fossem as responsáveis pelo que está acontecendo. Até quando o povo brasileiro vai aguentar tanta falta de unidade de ação?

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br 

Santos

*

CUIDADO COM A COISA PÚBLICA 

Se o governo privatizasse Petrobrás, o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal, estaria resolvido o rombo da Previdência e, de quebra, acabaria com a corrupção e a necessidade de o Senado “perder” seu precioso tempo sabatinando indicados a cargos diretivos nessas empresas. Talvez ainda desse para reduzir o número de senadores...

Renato Simeira Jacob rsjbr61@gmail.com   

São Paulo

*

PARA AS RUAS, URGENTE!

A carga tributária brasileira já está há muito tempo num nível insustentável e o País só não tinha quebrado ainda porque grande parte da economia sobrevive na informalidade, total ou parcial. Não tem cabimento, portanto, qualquer iniciativa do governo no sentido de criar e aumentar impostos e “contribuições”. O ajuste fiscal tem de ser feito pelo corte de despesas, que aumentaram muito acima do PIB nos últimos anos. O governo Dilma já provou ser incapaz de qualquer ação nesse sentido e seu fim será o primeiro passo de um programa de salvação nacional. Também não podemos confiar na boa vontade do Congresso, onde está grande parte dos maiores causadores e beneficiários do descalabro atual. Só com grandes manifestações de rua e muita, muita pressão popular eles votarão a favor do real interesse nacional. Com a palavra, o Movimento Brasil Livre, o Vem Pra Rua, o Revoltados On Line e outros. Urgente!

Jorge Manuel de Oliveira jmoliv11@hotmail.com 

Guarulhos

*

GREVE NO INSS

Cumprindo seu calendário anual habitual, os servidores do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) mais uma vez entraram em greve. Sem dúvida essa é a instituição do governo campeã em greves realizadas anualmente. Além das férias regulamentais, os funcionários do INSS resolvem tirar outras tantas com dia marcado. Os contribuintes do INSS que se danem, que vão aos excrementos fecais. Em princípio, a instituição pede um porcentual elevado, sabendo de antemão que não será atendida, a direção do INSS contrapõe oferecendo um terço ou um quarto do exigido pelos líderes da greve, e finalmente entram num acordo aceitando a metade. Trata-se de uma rotina anual. A direção do INSS corta o ponto dos grevistas, mas, como sempre, volta atrás. Acostumados com as férias extraordinárias, os funcionários grevistas antecipadamente fazem reserva em hotéis, alguns vão até para o exterior. Desgraçadamente, o Poder Legislativo, por falta de vontade política, não regulamenta o direito de greve dos funcionários públicos.

José Carlos de Castro Rios jc.rios@globo.com 

São Paulo 

*

ATÉ QUANDO?

Por favor, informem o leigo aqui: o que é necessário para suspender os pagamentos dos salários dos funcionários grevistas do INSS? Dependendo da boa vontade dessa gente, eles nunca voltarão ao trabalho. Se seus salários continuarem a ser pagos em dia, para que trabalhar? Muitos devem estar desfrutando gostosas férias nas praias, enquanto o povo, justamente a parcela mais necessitada, espera inutilmente nas filas pelas madrugadas.

Nestor R. Pereira Filho rodrigues-nestor@ig.com.br 

São Paulo

*

‘GREVES QUE CASTIGAM OS POBRES’

O artigo de Suely Caldas no “Estadão” de domingo (“Greves que castigam os pobres”, 20/9, B2) não somente nos brindam com a lucidez e oportunidade do assunto, mas renovam as esperanças de que precisamos realmente lutar para fazer as mudanças de que nosso país tanto necessita. Hoje o funcionalismo público brasileiro passou a ser uma casta privilegiada, protegida pelos políticos oportunistas, covardes pela força do corporativismo, e nada fazem para consertar essa enorme situação injusta. É fácil fazer greve e continuar recebendo salário sem nenhuma punição, ter estabilidade no emprego, aposentadoria integral, planos de saúde e por aí vai. A Previdência está indo para a falência e 90% disso pode ser debitado do funcionalismo, que ainda acha que pode exigir mais privilégios. Qualquer “Mané” concursado ou indicado politicamente no Judiciario, no Legislativo ou no Executivo, nas prefeituras e nas estatais, ganha pelos R$ 20 mil – exceto, evidentemente, os pobres das cozinhas, das portarias, etc. As universidades querem “autonomia total” para não haver interferência nos processos acadêmicos, mas fiquei estarrecido ao ver que na USP/Unicamp existem mais de mil pessoas entre professores e servidores ganhando acima do teto constitucional. E gastam 105% das receitas com a folha de pessoal. Bela autonomia, não? E tome greve todo dia, porque “ganham pouco”. Nessa instituição, uma nutricionista ganha R$ 18 mil, quando o mercado em que ela teria de ralar mesmo pagaria por volta de R$ 3 mil. Dizem que a Petrobrás é do povo brasileiro. É brincadeira? Ela é dos politicos e dos seus  funcionários, que fazem parte do sistema de privilégios. Ainda agora, a empresa, na maior pindaíba, promoveu 69 mil funcionários por “desempenho”, evidentemente com aumento de salários e benefícios. Todo funcionário, ao receber um cargo de chefia, passa a ganhar uma gratificação. Se perde o cargo, até por incompetência, o aumento permanece para sempre. Os tais direitos adquiridos são outra chaga. 

Paulo Cezar Mantovani pcmantovani@ig.com.br  

São Paulo

*

BLEFADA

A promessa do governo de pagar os 50% do 13.º salário dos aposentados neste dia 24 de setembro parece que não vai acontecer. Nos lançamentos futuros da conta corrente do banco em que eu tenho conta não aparecia esse lançamento do dia 24, mas, sim, para o dia 6 de outubro, junto com o pagamento de setembro. Mais uma “blefada”, para não dizer outra coisa. Sr. ministro Levy e dona presidente Dilma, parabéns! Mais uma invertida para seu desgoverno.

César Roberto Alves Moreira caesar.joi@terra.com.br   

Joinville (SC)

*

CORTES NO SISTEMA S

Não faltava mais nada: o governo, agora, quer se intrometer no Sistema S (Sesi, Senai, Sesc, Senac), uma organização muito bem administrada e que vem propiciando aos trabalhadores da indústria, do comércio e dos serviços excelente atendimento em saúde, educação, lazer, etc. Já não chegam as trapalhadas governamentais e teremos de suportar mais uma? O time está jogando, está ganhando, portanto não mexam nele. Trabalhadores brasileiros, mobilizem-se para evitar mais uma derrocada.

Paulo Juvenal da Costa costa-paulo@ibest.com.br

São Paulo

*

O POVO PAGA

O povo brasileiro ainda não atingiu o estado mental em que a razão prevalece. Por isso, paga pelo erro de eleger governos populistas, demagogos e corruptos.

Sergio Vilalva Figueira lu_zirundi@yahoo.com.br 

Votuporanga

 

*

DE OLHO NO FGTS

A pretensão do governo de usar o dinheiro do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para financiar o programa Minha Casa, Minha Vida será desastrosa para os aposentados. O dinheiro do FGTS tem de ser aplicado em algo de baixo risco e que dê retorno. Só assim haverá dinheiro no futuro para pagar as aposentadorias. Gastar o dinheiro do FGTS nos programas de compra de votos do PT irá jogar uma verdadeira bomba no colo do próximo governo. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br    

São Paulo

*

MINHA CASA?

A retomada, pelo governo federal, dos imóveis dos beneficiários inadimplentes do programa Minha Casa, Minha Vida é sinal claro da deterioração dos programas sociais alardeados com pompa e circunstância ao longo de 13 anos de gestão petista, que não só nunca tiveram sustentabilidade convincente, como visavam exclusivamente à manutenção do PT no poder. Para arrematar, o governo parece pouco se importar com o que acontecerá com os “despejados”. Trágico. 

Luciano Harary lharary@hotmail.com 

São Paulo

*

ONDE ESTÁ?

Por falar em crise, onde está o sr. João Santana? Esgotaram-se suas brilhantes ideias marqueteiras?

Cesar Araujo cesar0304araujo@gmail.com 

São Paulo

*

GOVERNO DO PT

Parece que o governo do PT é parecido com aquelas pessoas que dizem que sabem errar sozinhas e não precisam de conselho. Aliás, conselho não se dá, senão quando pedido. Um pouco de sabedoria, e muito seria evitado. Vale lembrar Abraham Lincoln: “Não criarás a prosperidade se desestimulares a poupança. Não fortalecerás os fracos por enfraqueceres os fortes. Não ajudarás o assalariado se arruinares aquele que o paga. Não estimularás a fraternidade humana se alimentares o ódio de classes. Não ajudarás os pobres se eliminares os ricos. Não poderás criar estabilidade permanente baseada em dinheiro emprestado. Não evitarás as dificuldades se gastares mais do que ganhas. Não fortalecerás a dignidade humana, se subtraíres ao homem a iniciativa e a liberdade. Não poderás ajudar os homens de maneira permanente se fizeres por eles aquilo que eles podem e devem fazer por si próprios”. 

Edair Ghirello Corrêa edaircorrea@hotmail.com 

Barueri

*

SINAIS DA DECADÊNCIA PETISTA

Se num passado recente o ex-presidente Lula, do alto da sua popularidade, pedia votos para reeleger seu poste Dilma Rousseff, como conseguiu, hoje o ex-presidente, desmoralizado com a corrupção que protagonizou e com a nossa economia sucumbindo pelas mãos de uma presidente que avalizou, de cócoras pede para o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para não dar prosseguimento a nenhum pedido de impeachment de Dilma. Porém Lula que se prepare, porque logo mais poderá, em razão da Operação Lava Jato, pedir ajuda também ao seu desafeto ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, que diz que o PT instalou no País uma “cleptocracia” ou “o caos por conta desse método de governança corrupta”. Ou seja, sinais evidentes da decadência de um partido comandado por um charlatão, Luiz Inácio Lula da Silva.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

LULA E O IMPEACHMENT

Esteve o ex-presidente Lula visitando Eduardo Cunha, presidente da Câmara dos Deputados, com a finalidade de pedir o não encaminhamento dos 17 pedidos de impeachment contra a presidente da República, Dilma Rousseff. Sabe ele que, admitido o processamento de um deles, especialmente o de autoria dos juristas Hélio Bicudo e Miguel Reale Júnior, a voz das ruas acabaria por derrubar dona Dilma, e, é claro, isso obstaria totalmente a sua candidatura em 2018. Então, Lula atuou por si, e não por dona Dilma. Agora, todos os atores estão sob os olhares do povo deste país, estando, ainda, os partidos de oposição prontos a efetuar recurso para o plenário da Câmara, caso o presidente resolva arquivar ou não encaminhar os pedidos de impeachment.

José C. de Carvalho Carneiro carneiro.jcc@uol.com.br 

Rio Claro

*

A ADVERTÊNCIA DE DILMA

Esclarecendo: demiurgo petista, mais conhecido como Luiz Inácio “Lula” da Silva, é o ser intermediário de Deus na criação do Partido dos Trabalhadores, responsável por todos os malfeitos que não poderiam ser atribuídos ao Criador supremo.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br 

Monte Santo de Minas (MG)

*

DILMA ROUSSEFF

Por que será que a chamada grande imprensa, a mando dos ricos e poderosos, está muito empenhada em tirar do poder a presidente Dilma? Por ser ela séria e honesta e ter dedicado toda a sua vida ao Brasil? Por estar ela dando toda liberdade à Polícia Federal e ao Ministério Público para investigar os casos de corrupção? Por defender os mais necessitados?

Antonio Augusto Barella aabarella@hotmail.com  

Valinhos

*

PETISTAS CONDENADOS

A Operação Lava Jato condenou, esta semana, uma dezena de petistas por envolvimento com a corrupção na Petrobrás. Poderiam prender o partido todo, seria economicamente mais viável e o dinheiro gasto para provar que uma minoria é honesta seria muito menor.

Roberto Castiglioni rocastiglioni@hotmail.com 

São Paulo

*

JOGO ULTRAPASSADO

 

Quando o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto foi preso, o presidente nacional do partido, Rui Falcão, bradou aos quatro cantos que ele era inocente, que sua prisão era extremamente injusta, etc. Agora Vaccari foi condenado a 15 anos de prisão pelo juiz Sérgio Moro. Perguntamos, então, ao senhor Rui Falcão: as provas contra Vaccari não foram robustas e inquestionáveis pela merecida pena que lhe foi aplicada? Lembrar ao presidente do PT que essa balela de dizer sempre que todos os petistas incursos em crimes são inocentes, que não cometeram ilícitos, é jogo ultrapassado que não convence mais ninguém.

  

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br 

São Paulo

*

O DISCURSO DO PT

A criação de sofismas na defesa dos companheiros envolvidos no petrolão é uma tarefa árdua, pelas evidências reunidas pela Polícia Federal na Operação Lava Jato. A cúpula petista repete o mantra de que “todas as doações foram legais e declaradas”, ignorando deliberadamente o processo da corrupção. O dinheiro da cota do partido cobrado além do preço do serviço era  pago pela Petrobrás às empreiteiras e repassado legalmente ao Partido dos Trabalhadores. Isso não implica que doações em dinheiro vivo na calada da noite tenham ocorrido. Por mais que se repita esse mantra, ninguém acredita.

Cloder Rivas Martos closir@ig.com.br  

São Paulo

*

‘NESSUM DORMA’

“Ninguém Durma”. Será que o nome dado à 19.ª fase da Operação Lava Jato foi inspirado nas noites insones de Lula e de Dilma? “Quem tem c... tem medo”, prega o ditado.

Luís Lago lago.luis2010@gmail.com

São Paulo

*

INSÔNIA

O nome da19.ª fase da Lava Jato tem tudo a ver com o contexto da  música “Nessun Dorma”, da ópera Turandot, de Puccini. Na ópera, a princesa governante desesperada e seus três ministros Ping, Pang e Pong ordenam que ninguém da população durma para descobrirem o nome de seu pretendente. Aqui, Dilma, desesperada, seus 39 ministérios e os políticos incompetentes não  precisam ordenar ou pedir para ninguém dormir, pois a população já não dorme de tanta preocupação com a corrupção, a inflação, o petrolão e com a insegurança e o futuro incerto do País promovidos por este desgoverno do PT.

Conrado Niemeyer  cmn60@icloud.com 

São Paulo

*

BUSCAS SELETIVAS

As operações da Lava Jato estão em vias de alcançar a casa de duas dezenas. O sucesso na expressiva maioria dessas ações é inegável: as prisões e as condenações estão aí para demonstrar sua eficiência. No entanto, porém, parecem que são seletivas. Isso porque não alcançam o grupo político – em particular, os partidos envolvidos, instrumentos e beneficiários do esquema criminoso. Penso que não seria sem tempo para a Justiça, o Ministério Público e a Polícia Federal voltarem seus olhos para as sedes dos partidos políticos, verdadeiras fortalezas de ladrões do dinheiro público, onde essas tramas foram urdidas, podendo ser encontradas provas e até mesmo o produto dos crimes perpetrados. Diante das evidências e provas já carreadas durante as investigações, acredito que a Justiça não colocará óbice para a realização dessas buscas e as autorizará imediatamente. Acontecendo, sugiro o nome “Queda da Bastilha”, como indicativo de um novo tempo para a nossa tenra democracia.

Noel Gonçalves Cerqueira noelcerqueira@gmail.com 

Jacarezinho (PR)

*

O RETORNO DO MENSALEIRO

A Itália está devolvendo para o Brasil Henrique Pizzolato, corrupto do mensalão. Neste caso, haverá mais um petralha na Papuda, por 12 anos. Também não poderão alegar que os valores foram de acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que seriam doações legais. Pizzolato vai exigir chuveiro de água quente e smart TV.

Celso de Carvalho Mello celsosaopauloadv@uol.com.br 

São Paulo

*

FATURA DIABÓLICA

Fizeram “o diabo” para ganhar as eleições. Agora, o capeta cobra a fatura: além do mensalão e do petrolão, agora até o Pizzolato vai voltar.

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br 

São Paulo

*

LULA E A DUPLA CIDADANIA

Ter cidadania italiana, como Pizzolato, não impede extradição por corrupção. Então tem gente aqui, no Brasil, que não poderá fugir!

 

Tania Tavares taniatma@hotmail.com 

São Paulo

*

AJUSTE NA CORRUPÇÃO

Segundo o procurador Deltan Dallagnol, da Lava Jato, são desviados cerca de R$ 200 bilhões por ano (aproximadamente 6% do produto interno bruto, PIB, do País) com a corrupção. Sugestão à presidente e ao ministro da Fazenda: tomar medidas para diminuí-la, já que acabar com ela é praticamente impossível. Se conseguirem reduzir em 50% a corrupção, o governo ganharia R$ 100 bilhões a mais por ano, mais que o triplo necessário para fechar as contas. Aposto que ninguém se oporia a esse tipo de ajuste.

Paulo de Tarso Abrão ptabrao@uol.com.br 

São Paulo

*

JOGATINA

 

Congressistas do PT não concordam com a volta dos bingos, caça-níqueis e afins. Não é por receio ao crime organizado, à sonegação fiscal ou a lavagem de dinheiro, mas, sim, porque não querem concorrência.

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

MAIS ESCOLAS MÉDICAS E MAIS IMPOSTOS 

Os Ministérios da Saúde e da Educação aprovaram a criação de mais 2.290 vagas distribuídas em 36 novos cursos de Medicina criados no Brasil, 13 deles no Estado de São Paulo. Também foram contratados milhares de médicos estrangeiros, principalmente cubanos, para a tentativa de melhorar as condições da saúde púbica no Brasil, que há anos vem sendo desconsiderada pelos governantes. O problema é antigo. O Sistema Único de Saúde (SUS) é, sem dúvida, o melhor sistema de atendimento à saúde. Mas nunca foi aplicado corretamente. Sempre ocorreram falhas, especialmente na falta de verbas. Quando foi nomeado para o Ministério da Saúde, o competente professor de Medicina dr. Adib Jatene sugeriu a criação de uma fonte de recursos necessários para o aprimoramento da  saúde pública: a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). Tudo parecia que finalmente a saúde pública cresceria em qualidade com os recursos vindos do novo imposto. Mas, como é comum acontecer no Brasil, o projeto não foi atendido como deveria ser e o imposto passou a ser mais uma fonte de recursos para “controle” da política brasileira, tão confusa e aliada à infeliz prática da corrupção. Tudo chegou a um ponto insuportável de desvirtuamento da finalidade para a qual foi criado o imposto. Tudo isso somado à prática da corrupção levou à reação geral dos contribuintes e dos políticos e tudo acabou com o fim do imposto. Agora o governo pretende recriar o imposto para cobrir o déficit previdenciário, outro setor mal conduzido nos últimos tempos... Mas voltemos ao assunto inicial: novas escolas estão sendo criadas sem os recursos necessários e imprescindíveis para a formação do médico. Muitas das escolas atuais já mostram isso. Os exames de capacidade feitos pelo Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp) mostram reprovação de 60%. O Brasil já possui mais escolas médicas que os Estados Unidos. Com a crise atual,   podemos prever o futuro da qualidade da saúde   pública  brasileira...

Plínio Zabeu pzabeu@uol.com.br

São Paulo

*

O JULGAMENTO DOS POUPADORES

Como escrivão da Justiça aposentado, idoso e poupador-credor, juntamente com milhares de brasileiros credores, aguardamos que o Exmo sr. presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), se permitido, convoque extraordinariamente, com urgência, um ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) para compor o quórum necessário para o julgamento das ações relacionadas a poupança movidas contra nós, poupadores, pelas instituições financeiras. Segundo consta, existem cerca de 300 mil a 500 mil processos aguardando esses julgamentos e, caso essas ações sejam julgadas o mais rápido possível, qualquer que for o resultado, a favor ou contra os poupadores, esses processos, dentro de aproximadamente seis meses, serão pagos ou arquivados, liberando-se os juízos de origem para o processamento e julgamento de outros tipos de processos. Se isso não for possível (convocação), que estude solicitar essa possibilidade a quem de direito.

João Alcindo Mardegan joaoamardegan@gmail.com  

São Paulo

*

RESPEITO PELO BRASIL

A atitude do cantor Seal, em seu show no Rock in Rio, foi honorável. Ao pegar uma bandeira brasileira, dobrou-a com todo o cuidado para apenas então começar seu show. É um exemplo de respeito à Pátria que enche os olhos. Ainda mais vindo de um estrangeiro. Respeito pelo Brasil, coisa que os políticos deste país já perderam – há tempos –, pela Pátria e por nós.

Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br 

Porto Feliz

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.