Fórum dos Leitores

YOANI SÁNCHEZ

O Estado de S.Paulo

23 Fevereiro 2013 | 02h06

Vacina

Li com espanto num dos cartazes empunhados pelos jovens no Conjunto Nacional os dizeres "Cuba, o único país com vacina contra o câncer", o que suscita a pergunta: por que não a usaram em Hugo Chávez? Esses jovens fariam muito melhor se, em vez de ficarem na porta da Livraria Cultura, se tornassem seus clientes e ainda frequentassem as bibliotecas do País. Seria bom para eles e o Brasil agradeceria.

ITALO JOSÉ PORTINARI GREGGIO

italogreggio@hotmail.com

São Paulo

A máscara caiu

Até agora não deu para entender por que a blogueira cubana não recebeu proteção da polícia. Se todos sabiam dos planos de PT, PCdoB e CUT para tornar sua visita ao Brasil um inferno e se já no Recife a reportagem que denunciava esses planos se mostrou certeira, é incompreensível que a famosa visitante ficasse por sua conta e risco. Mais ainda, Yoani foi agredida seguidamente e não se ouviu a voz dos ativistas dos direitos humanos ou da Secretaria das Mulheres em sua defesa. De tudo ficam apenas a nossa vergonha e o consolo de ver a máscara "democrática" petista caindo diante dos olhos do mundo. Já não enganam ninguém. A democracia no Brasil está em estado terminal.

M. CRISTINA ROCHA AZEVEDO

crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

Duas faces da moeda

Para Cesare Battisti, condenado à prisão perpétua na Itália por quatro assassinatos, tapete vermelho e coroa de louros. Para a filóloga e jornalista Yoani Sánchez, crítica da situação social cubana, caminhos de carvão em brasa e coroa de espinhos. São os dois lados da mesma moeda do poder atual.

VANDERLEI ZANETTI

vanzanetti@uol.com.br

São Paulo

Ingerências consentidas

Se tivéssemos um governo zeloso, patriótico e sério, que não se pautasse por apreço a ideologias, o embaixador cubano seria expulso do Brasil, ou ao menos advertido, por ter coordenado as manifestações de protesto contra Yoani Sánchez. Trata-se de atitude política contrária à diplomacia, praticada em nosso território nacional. Bem como teria feito o mesmo com o embaixador venezuelano por ter participado de reunião do PT em apoio aos mensaleiros condenados pelo Supremo Tribunal Federal. Mas como temos um governo que dá mais valor às ditaduras e até pretende segui-las, seria esperar demais qualquer atitude diferente das que têm sido tomadas. Infelizmente, hoje o que temos no País é uma maioria silenciosa e uma minoria muito agressiva que pretende impor, aos gritos e com ameaças, suas ideais aos demais. O que podemos garantir é que o brasileiro não é um povo dado a nenhum outro regime político que não seja o democrático. Tentem sufocar a sua voz!

ALVARO SALVI

alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

Exemplo de nada

O que mais me aborrece nessa coisa toda da visita dessa moça ao Brasil é que ainda estamos a discutir Cuba. Como se Cuba fosse exemplo positivo para alguma coisa. Cuba é exemplo de como não ser. Cuba é uma imensa e perpétua favela, sem chances, pelo regime atual, de progresso. Sabem qual a salvação para Cuba? O capitalismo. Tudo isso me chateia.

CARLITO SAMPAIO GÓES

carlitosg@estadao.com.br

São Paulo

REFORMA AGRÁRIA

Celeiro do mundo

Enquanto os agricultores trabalham arduamente para apresentar safra recorde de 185 milhões de toneladas de grãos em 2013, grupos de sem-terra, liderados pelo MST, ocupam as margens das estradas em Mato Grosso do Sul, prontos para novas invasões.

SERGIO S. DE OLIVEIRA

ssoliveira@netsite.com.br

Ponta Porã (MS)

Favelas rurais

Tenho de discordar de que não há nada de contundente, muito menos de exatidão, na afirmativa do ministro Gilberto Carvalho de que os assentamentos se transformaram em "quase favelas rurais" (18/2, A3). Não existe essa de quase, ou é ou não é. E com precisão de quem ainda "briga" com o Incra pela inadequada desapropriação de minha propriedade rural, posso afirmar que ela virou uma verdadeira favela. A começar que o Incra, ao desapropriá-la, nem levou em conta o laudo de seus próprios engenheiros vistores, que consideraram a propriedade imprópria para a agricultura. É estranho que só agora, após a fúria arrecadatória do Incra, que vinha agindo sem nenhum critério técnico, apenas ideológico, e mais, com o respaldo do Judiciário, que pouco entende da matéria, venha o ministro Carvalho dizer que não pode mais fazer assentamentos em terras sem condições de desenvolvimento agrícola. Para exemplificar o resultado desse desastre: os sem-terra que estão alojados na minha propriedade vivem de bolsas e para fazer algum dinheiro extra começaram a cortar as árvores da mata, que é reserva legal. Não vou entrar no mérito da minha causa, porém não me pude furtar a comentar o desastre que é reforma agrária no Brasil.

MARIA LUCIA FERNANDES

mldamfer@hotmail.com

Garça

INSEGURANÇA PÚBLICA

Direitos humanos...

Minha sogra e meu sogro, de 81 anos, foram assaltados dentro de casa por volta das 2 da madrugada de 12/2. Não bastasse a covardia dos bandidos, que os amarraram, bateram na cara do meu sogro, torceram o braço da minha sogra, ameaçaram, levaram joias, TV, computador e muitas peças de valor sentimental, ainda tivemos de lidar com o pouco-caso do Estado. A polícia veio e cerca de uma hora depois voltou dizendo que havia encontrado o carro e os assaltantes, mas - pasmem - precisou libertá-los porque a favela começou a apedrejá-la! Que polícia é essa? Que país é esse? Dá para acreditar que a polícia encontra os bandidos e precisa deixá-los ir? Fontes da polícia informaram que esta é a recomendação do comando em São Paulo: não ferir bandidos e não arrumar problema com os direitos humanos! E onde estão os nossos direitos humanos? Onde estão a nossa dignidade, a nossa segurança? E onde está a vergonha do poder público? Não posso e não me vou calar.

CLÁUDIA PRIORE

milsonlb@yahoo.com.br

São Paulo

O 190

É humanamente impossível conseguir falar sobre barulho com o 190. Já fiquei uma madrugada quase inteira na espera. É muita gente ligando? Não é o caso de haver mais atendentes? Senão, aonde vamos parar? Vai vencer quem não nos deixa dormir? O que a bancada dos vereadores contra os pancadões está fazendo? Falando do 190, não seria mais lógico atender "Polícia Militar" e pronto? Para que a gravação dizendo que é para dar o endereço completo da ocorrência, etc...? Já pensaram, ter uma arma apontada na cabeça e ter de ouvir tudo isso?

LAILA ALVES

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

O BICHO JÁ ESTÁ PEGANDO

Mais uma vez, comuno-fascistoides ligados ao PCdoB e ao PT impediram a cubana Yoani Sánchez de externar seus pontos de vista no Brasil. Agora, as cenas lamentáveis de agressão explícita à liberdade de expressão se deram num shopping paulistano, onde Yoani participaria de um encontro com blogueiros. Essa gente não quer deixá-la nem mesmo falar! Consideram um crime que pessoas, sejam elas quem forem, tenham pensamentos diferentes dos seus. Resta evidente, diante desses fatos, que a insídia tramada por funcionários do governo cubano em conluio com representantes do governo petista contra Yoani, noticiada pela revista Veja, era mesmo verdadeira. E praticamente todos os veículos da grande imprensa teimam em informar que os lamentáveis atos de autoritarismo representam apenas manifestações democráticas daqueles que concordam com a cubana e dos que dela discordam. Esquecem-se, porém, de que esses últimos, ao impedir Yoani de dizer o que pensa em vários eventos pelo País - os quais, em virtude disso, tiveram de ser cancelados - afrontam gravemente o artigo 5.º da nossa Constituição. Esquecem-se de que as agressões representam o ovo da serpente: hoje, a vítima da truculência petista é Yoani; e amanhã, tendo em vista que Gilberto Carvalho afirmou, há algumas semanas, que "em 2013 o bicho vai pegar"? Pelo visto, já está pegando...

 

Henrique Brigatte hbrigatte@yahoo.com.br

Pindamonhangaba

*

PELA LIBERDADE

No Estadão de 22/2, vi a foto de um bando de jovens protestando contra a blogueira, gritando insultos, com narizes de palhaço. E, como perguntar não ofende, já que ainda somos uma democracia, por que eles agridem uma pessoa que está bravamente lutando para que ela e seus compatriotas tenham o mesmo que eles têm aqui: liberdade de ir e vir, de protestar, de ter e usar todo o tipo de tecnologia disponível na sua casa, de ter acesso no dia a dia a tantas outras coisas que nosso abençoado país nos permite?

 

Helena Majuri majuri.helena@gmail.com

São Paulo

 

*

NARIZ DE PALHAÇO

Gostaria de comentar que achei bastante adequado aquele narizinho de palhaço nos manifestantes contra Yoani na foto de capa da edição de ontem.

 

Emilia Grossman planshopping@bighost.com.br

Curitiba

 

*

INOCENTES ÚTEIS

Causa tristeza a imagem de jovens estampada na capa do Estadão de ontem. Inocentes úteis que ignoram o que sejam direitos humanos, democracia, liberdade de expressão, república. Com uma juventude como essa, que futuro nos esperava?

Orlando Nogueira Filho orlando.nogueira.filho@gmail.com

Florianópolis

 

*

INACREDITÁVEL

Inacreditável que um grupo de jovens brasileiros, que vive num país amplamente democrático como o Brasil, cometa esta insanidade de fazer manifestações contra a blogueira cubana Yoani Sánchez. Seria bom cientificá-los de que, se estivessem em Cuba, já estariam presos. O regime cubano, que permite e controla um único jornal no país, que limita drasticamente o acesso da população à internet, chega a este ridículo de perseguir uma simples blogueira que não concorda com algumas bobagens praticadas pela ditadura cubana.

 

Antonio Augusto Barella aabarella@hotmail.com

Valinhos

 

*

BOLSA PROTESTO

Yoani Sánchez, não se deixe impressionar por meia dúzia de mercenários pagos pelo PT. É apenas o resultado da "Bolsa Protesto", mais uma modalidade de bolsa distribuída ao povo pelo Partido dos Trabalhadores, que se especializou em comprar a opinião das pessoas...

 

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

 

*

SELVAGERIA OU FANATISMO IDEOLÓGICO?

O que se viu na chegada da blogueira cubana Yoani Sánchez na cidade de Feira de Santana, interior da Bahia, para participar da exibição do documentário "Conexão Cuba- Anduras", de Dado Galvão, para o qual foi entrevistada, é algo deplorável e vergonhoso, um grupo de pessoas organizadas pelos partidos políticos PT, PCdoB, da Uni e por jovens que se intitulam como membros da União da Juventude Socialista. Dona do blog "Generacion Y", no qual tem feito duras críticas ao regime de Fidel e Raul Castro, imperadores da ilha caribenha, finalmente conseguiu após várias tentativas autorização para sair de seu país. O destino foi nossa terra tupiniquim, que, apesar de vivermos uma democracia, tem muita gente que confunde com democradura como os que vaiaram e hostilizaram a blogueira em sua chegada. Porém, o Brasil é um lugar onde a democracia impera e todas as pessoa tem o direito de se expressar livremente, mas sem ultrapassar os limites aceitáveis. Essa liberdade que alguns confundem com libertinagem faz com que algumas pessoas tenham o direito de contestar as opiniões de Yoani, que tem como meta ver um dia seu país e seu povo livres do regime opressor que já dura mais de meio século. E não para por aí: em visita ao Congresso Nacional, a convite de parlamentares, novamente Yoani foi hostilizada por pessoas que deveriam se mudar de uma vez para Cuba com malas e cuia para sentir na pele como é viver sem liberdade, privada até mesmo as coisas elementares como por exemplo ter em casa um computador e acesso irrestrito as redes sociais como temos no Brasil. Como já dizia meu bisavô, que morreu com mais de cem anos, "pimenta no olho do outro é refresco", esses filinhos de papai alienados pensam que as conquistas de liberdade que temos hoje no Brasil veio de graça, mal sabem quantas pessoas foram presas, humilhadas, torturadas e mortas para que hoje tenhamos uma das maiores conquistas que é a de ser livre para fazer e falar o que bem entendermos. Vá conhecer a ilha de Fidel e Raul e verá como é viver no inferno, onde falta de tudo principalmente a liberdade de ir e vir sem ser vigiado a todo momento. Cuba tem centenas de cidadãos vivendo, ou "sobrevivendo", em prisões simplesmente por defenderem a liberdade. A luta de Fidel Castro era para que Cuba tivesse independência dos Estados Unidos, porém se passaram muitas décadas e Cuba ficou livre dos americanos, mas não de Fidel e dos seus mentores do regime, do atraso e da repressão. Se aqui no Brasil lutamos tanto para ter esse direito elementar, porque ainda temos pessoas que defendem algo tão ruim? Penso que temos de mudar a frase "viva la revolucion" para viva a liberdade de expressão de um povo aprisionado e oprimido há mais de meio século.

 

Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

 

*

DISSIDENTE, E NÃO BLOGUEIRA

Referir-se a Yoani Sánchez usando a expressão blogueira não é justo, inclusive dá uma conotação pejorativa. Afinal, José Dirceu tem no seu blogue o seu principal alicerce de comunicação e nem por isso é chamado de blogueiro. Yoani é uma dissidente do regime cubano e simplesmente usa a internet para se comunicar, uma vez que em Cuba não há liberdade para falar o que se pensa. Menosprezá-la e diminuir sua importância interessa muito ao PT. As limitações impostas a Yoani mostram muito bem o amor que os petistas têm pela liberdade em sentido lato e à democracia como forma de governo.

Geraldo Siffert Junior siffert18140@uol.com.br

Rio de Janeiro

 

*

EM CUBA É MELHOR

A blogueira Yoani Sánchez, com aquela carinha estereotipada de Maria Madalena arrependida, constantemente exibida pela mídia, deveria visitar a periferia nos bairros da capital de São Paulo, Estado mais desenvolvido da União, nos campos da economia, segurança, saúde pública e escolaridade e observar com atenção a maravilhosa política capitalista democrática aqui exercida. Por certo e sem qualquer espírito de parcialidade, concluirá que lá, em Cuba, a coisa funciona melhor.

 

Carlos Laué Junior bibalaue@volny.cz

 

São Paulo

 

*

TIRO NO PÉ

É, verdadeiramente, lastimável constatar que algo corriqueiro como, em princípio, deveria ser a passagem pelo País de uma jornalista, possa gerar tanto frisson entre a militância pró-ditadura comunista de Cuba, a ponto de se mobilizarem mundos e fundos visando a sufocar a voz dessa personagem por onde quer que ela vá. Recursos vultosos são consumidos para arregimentar "protestos" de minorias (insignificantes, porém barulhentas); um emissário da Casa Civil de Dilma vai a Cuba - seguramente tratar do tema - e autoridade do nível de um embaixador (Carlos Zamora, de Cuba) visita o Palácio do Planalto, para, claramente, discutir o impasse que tal "incômoda" passagem representa para o regime cubano. A pergunta que não quer calar é: por que tudo isso? Se tudo está indo tão bem em Cuba; se o povo cubano está tão "feliz" com sua vida, se a prosperidade é sentida por todo o canto daquela ilha, por que razão tanto temor pelo que Yoani Sánchez possa dizer à mídia internacional sobre o país em que vive? Não seria mais honesto e produtivo o governo cubano ignorar Yoani e, em lugar de hostilizá-la, exibir as e estatísticas de seu portentoso progresso econômico e bem estar de seus cidadãos, a par do impecável respeito aos direitos humanos existentes naquela ilha? Muito melhor que patrocinar megafones e apitaços antidemocráticos, exibindo truculência e intolerância ao dissenso por todo canto em que pisam. Essa gente é tão obtusa que não atina o enorme tiro no pé que representa toda essa mobilização anti-Yoani, que só faz amplificar o alcance de sua voz num país como o nosso em que, felizmente, a contragosto dessas turbas, a mídia não foi "regulada" ao gosto do PT.

Silvio Natal silvionatal49@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

RETROCESSO NA LIBERDADE DE IMPRENSA

O Brasil está numa lista do Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) ao lado de apenas 10 países em que a liberdade de imprensa mais sofreu retrocessos em 2012. Preocupa-nos essa notícia, principalmente quando vemos a imprensa comprada com dinheiro publico, a tal chapa branca, para só deitar loa ao governo e escrachar com a oposição, que se cala não por não ter voz, mas em consequência da imprensa conivente. É sem dúvida uma forma de acobertar a censura. Brasil vive uma desmonte velado da democracia, tudo como sempre planejaram os petralhas.

 

Leila E. Leitão

São Paulo

 

*

DE VOLTA PARA O PASSADO

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) discursou na Tribuna do Senado esta semana e apontou 13 pontos que ele afirma serem fracassos da gestão atual (PT). Entre outras coisas, disse que o Brasil parou. Há de se concordar em gênero, número e grau com o senador. Na verdade, o Brasil não só parou, como começou andar para trás. É um país cuja opinião pública do seu povo não tem o menor valor, e sua memória não passa de uma vaga lembrança. É por essas e outras que elegem e reelegem tantas pessoas sem a menor condição de ocupar o poder, como as que aí estão. De qualquer forma, há de se perdoar todos aqueles que estejam hipnotizados ou mesmo ludibriados pelas mentiras palacianas federais. Só para dizer o mínimo!

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

 

*

FEDERAÇÃO QUE JAMAIS EXISTIU

Dentre as 13 diatribes petistas mencionadas por Aécio Neves, não procede a assertiva de que o atual governo destruição a Federação de um país que, sempre, quis-se e declarou-se federativo, porém jamais o foi. Com efeito, nunca tivemos um sistema federativo construído e sua edificação não foi assumida por nenhum governo. Basta ver que temos cerca de 3 mil demandas entre Estados Federados no Supremo Tribunal Federal (STF). Esse desenho conflitivo não corresponde ao de nenhuma Federação e é um dos principais problemas de nosso país. Pode-se dizer que é um dos desafios que esse governo pífio e patético não encara.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

 

*

FRASE DE POUCO EFEITO

Enquanto Aécio Neves, seu parceiro de oposição, discursava em plenário os 13 pecados do PT desde que assumiu a Presidência há dez anos, mostrando à população a diferença entre o discurso desenvolvimentista do PT e a realidade brasileira (PT fez efusiva festa em comemoração aos dez anos), o governador Geraldo Alckmin saiu-se com esta: "Em festa de jacu, inhambu não pia"! Engraçado que como oposição preferíamos vê-lo como "maritaca" falando pelos cotovelos, porque todos os dias a mídia denuncia aos borbotões as mazelas desse governo petista. A impressão que dá é de que o governador Alckmin se sente constrangido em ser oposição e com sua estupenda frase mostrou o descompasso que existe entre ele e seus próprios correligionários. Depois Alckmin não quer ser chamado de picolé de chuchu!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

 

*

O PT É A LEI

Enquanto no Congresso o desaparecido senador Aécio Neves (PSDB-MG), provável adversário de Dilma na eleição, apresentou em seu discurso no plenário do Senado, entre outras críticas, "os 13 fracassos" em 10 anos de governo do PT. O senador usa o número do partido satirizando o título, mas sabe que os fracassos desse governo esquerdopata ultrapassa muito o número usado como título. De uma forma um tanto tímida, Aécio Neves não se declara candidato à Presidência, indecisão que é marca de seu partido. Desancou duramente a festa promovida em São Paulo pelo PT em comemoração aos 10 anos de tomada do poder central e do principal objetivo, que era a tutela do Tesouro público. Nessa comemoração Lula lançou, mesmo fora da lei, a candidatura de Dilma Rousseff, garantindo, com a sua costumeira verborragia, a reeleição, talvez a pior gestão presidencial, só comparada à de Lula. O desânimo se instala no brasileiro, que ainda acredita no efeito das leis, pela presença nessa festa de arromba de cabeças coroadas e condenadas no processo do mensalão, aclamados como "pop star" da política do PT. O trânsito dos mensaleiros na festa a violação da lei eleitoral e a certeza de que os mensaleiros condenados jamais verão o sol nascer quadrado reforçam a afirmação de Lula de que, na "falta de oposição, esse papel coube à imprensa durante o seu governo e o de Dilma". A oposição está fragilizada.

 

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

 

*

PT E PSDB NÃO SÃO EXCLUSIVOS

O verdadeiro embate entre PT e PSDB, lançado dia 20, em reunião do PT e em manifestação no Senado, de Aécio Neves, vem demonstrar que pensam existir neste país somente só dois partidos políticos e somente dois candidatos: Dilma e Aécio Neves. Eduardo Campos, do PSB, é candidato forte à Presidência, porque jovem, de boa formação moral e intelectual e sai do campo político viciado em que militam as agremiações pugnantes. No entanto, o desafio de Lula demonstra que o poder lhe subiu à cabeça. Não é o Deus que Marta Suplicy quer que seja e nem é aquele presidente preparado que todos os grandes países têm e tiveram. É uma obra de intelectuais e operários, mas não do Brasil como um todo como é o caso de FHC. Então, vê-se que o jogo precisa mudar, porque os times e os jogadores já estão ofegantes e desinteressantes para os torcedores menos fanáticos. Até 2014, no entanto, muita coisa vai acontecer e a arrogância de Lula e de seus asseclas poderá cair no chão da realidade e das verdades.

 

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

 

*

MÃO NA MASSA

Qual é a lógica do PT/Lula em lançar a pré-candidatura de Dilma Rousseff para presidente em 2014 com os resultados desastrosos de seu governo vindo à tona? Os 13 fracassos do PT apontados por Aécio são uma amostra de que o barco-PT está fazendo água e, infelizmente, arrastando junto o barco-Brasil. Lula bravateiro diz que não temer comparação nem temer debater corrupção. Ora, e Lula alguma vez usou de seu tempo para discorrer sobre corrupção? Lula prefere a prática à teoria, Lula prefere por a mão na massa! Quanto às alianças que se vê forçado a fazer, Lula disse: "Sabemos quanto é importante manter uma base aliada com gente que a gente até não gosta. Ora, não é para casar! Eu casei foi com a Marisa". Putz, pensei numa coisa, mas é melhor não dizer mais nada...

 

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

 

*

DEZ ANOS DE PT

A retrospectiva dos 10 anos deixa uma certeza: a herança maldita deixada por FHC foi o próprio Lula. Como tantos do PSDB, FHC acreditava que a eleição de um homem do povo fazia parte do ideário e emocionou-se ao passar-lhe a faixa. Se não apoiou Lula em 2002, também não ajudou Serra. Agora espero que apoie Aécio com todas as forças. Fora Lula!

 

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

 

*

ELEIÇÃO 2014 EM PAUTA

Com mais de uma de antecedência das eleições de 2014, os políticos já se movimentam no sentido de pleitear cargos eleitorais. À semelhança dos desfiles de moda, os futuros candidatos se exibem em eventos variados, objetivando ganhar as atenções do eleitorado. Cabe a nós, opinião pública, prestar muita atenção em ditos postulantes, principalmente em seus currículos, para que possamos fazer as escolhas mais corretas possíveis, objetivando melhorar a qualidade dos dirigentes públicos, atualmente muito desgastados perante a população brasileira.

 

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

 

*

FOGO CRUZADO

Pelos discursos da "presidenta" Dilma Rousseff (PT) e do senador Aécio Neves (PSDB), já temos a amostra de como será a campanha política das eleições presidencial de 2014.

 

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

 

*

ELEIÇÃO X POBREZA

A eleição para presidente está próxima, já em 2014, aquilo que não se fez em mais de dez anos de PT e que jamais conseguirão fazer, mas com certeza será o "trunfo" da campanha petista para 2014, "o voto que intere$$a , o resto não tem pre$$a", o alvo agora é a pobreza. É só se lembrar daquele enfático discurso do ex-presidente dirigido aos mais humildes brasileiros, no final do seu segundo mandato e buscando votos para a eleição da dona Dilma, quando disse: "Vocês, que estão na merda, vou tirá-los da merda", mas não tirou e lá continuam... Votaram porque acreditaram e deu o óbvio "top, top, top". Será que ainda querem continuar alienados à mentira do PT? Aí já é burrice. Quem corre de gosto não cansa, salve, salve a esperança!

Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

 

*

NO BRASIL

 

Dilma Rousseff, conforme aparece em foto do Estadão de 20/2, está rodeada por falsos, cínicos e interesseiros políticos e puxa-sacos como: Marcelo Déda (PT), Henrique Alves (PMDB), Michel Temer (PMDB) e Renan Calheiros (PMDB). Na ocasião, afirmou que um país só pode retirar 36 milhões de pessoas da miséria com um programa como o Bolsa-Família, porém, para que isso ocorra, seus dirigentes devem ter sensibilidade para entender a dor dos mais pobres, possuir capacidade técnica, qualidade de gestão, honestidade moral e coragem política. Com certeza, ela não se referia a nós, brasileiros, pois aqui o comportamento é exatamente o contrário.

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

DOIS REAIS

Dilma acaba de dar aos brasileiros em extrema pobreza cerca de R$ 2 e alguns centavos por dia. A pátria, emocionada, às lágrimas, agradece comovida.

 

Attilio Cerino attiliocerino@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

EDUCAÇÃO

Diz-se que a maior pobreza é a ignorância, logo, chegamos à conclusão de que a extrema-unção à pobreza está longe de acontecer. A filosofia de barriga cheia e cabeça vazia é desastrosa. É necessário valorizar os professores, acabarmos com essa minoridade perversa e investir naquilo que é o alicerce da Nação: o ensino sério e responsável a todos.

 

Odilon Stefani dilostefani@hotmail.com

São Paulo

 

*

O LASTRO DO PT

Marina Silva criou um novo partido político. Não importa o nome, mas a finalidade. Com seus 20 milhões de votos, vai levar a eleição de 2014 para o segundo turno e depois fingir que nada tem que ver com a disputa. Dona Marina, seus eleitores esperam da senhora um pouco mais de determinação e que dirija seus eleitores para um dos lados da disputa do segundo turno. Na sua história parece não haver covardia, talvez omissão, em 2012.

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

 

*

OPORTUNISMO?

Marina Silva afirma que a Rede não é um partido de esquerda nem direita. Ora, a sra. Heloisa Helena, uma das figuras de proa dessa "nova agremiação", é radicalmente de esquerda e já saiu do PT, fundou o PSOL e já o abandonou. Isso aí tá muito parecido com mais do mesmo, ou seja, oportunistas buscando espaço no mundo sujo da política brasileira.

 

Ademar Monteiro de Moraes ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

 

*

MAIS UM

Aí vem Marina, formando mais um partido, que não é de esquerda, não é de direita nem de centro. O que você, eleitor, espera disso? Para mim, está procurando chifre na cabeça de cavalo.

 

Miguel Rizzo miguel.rizzo@terra.com.br

São Paulo

 

*

EM TODAS AS CANOAS

Kassab fez escola e dona Marina Silva diz que seu partido "não será de direita ou esquerda, mas de frente". Será o partido da colcha de retalhos. Nada como ficar com pés em todas as canoas. Credo!

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

 

*

BALAIO

A tal Rede tem tudo prá ser um balaio. De gatos. Ou ratos...

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

 

*

NOVA FRAUDE

Marina Silva, Rede de Sustentabilidade. Que é isto? Isso é uma nova piada. Será que há quem acredite no falido sistema político nacional? Quais os autênticos, os respeitáveis e confiáveis líderes políticos deste país? Se os há, alguém precisa torná-los do conhecimento público. Os conhecidos valem zero, com honrosas exceções. Que tristeza o futuro desta Nação.

 

Mário Rubens Costa costamar31@terra.com.br

Campinas

 

*

NEM SIM NEM NÃO

Marina Silva acaba de criar um novo partido cuja linha de ação definida por ela lembra o famoso "nem sim nem não, muito pelo contrário", que em síntese quer dizer absolutamente nada! Esse seu comportamento foi definido pelo linguajar popular como aquele tipo "empata foda", quando disputou uma eleição presidencial que serviu apenas para atrapalhar a oposição e favorecer o corrupto governo "Burla".

Laércio Zannini arsene@uol.com.br

São Paulo

 

*

MORTE NO ESTÁDIO

Pela morte de um torcedor do San José em Oruro, o Corinthians foi punido com a manutenção de portões fechados nos seus próximos compromissos. Se o punissem com a eliminação da Libertadores, também não seria injusto. Por outro lado, a violência e mortes acontecem em todo o mundo, e pouco ou nada foi feito pela Fifa e autoridades locais, para acabar com esse problema. Creio que a melhor forma de punir o "torcedor" irresponsável é penalizar o seu clube, assim, cada vez que tiver um tumulto nos estádios o clube(s) perderão os pontos do jogo, assim como, se houver tumulto dentro do campo entre os jogadores. Mas isso não basta. Os clubes não poderão financiar torcidas, e os torcedores apanhados brigando, fazendo depredação etc., deverão ser presos e impedidos de frequentar os estádios. Não serão permitidas torcidas uniformizadas, portando qualquer tipo de instrumento musical e principalmente fogos. Os assentos não devem ser ocupados por grupos que se unem para intimidar os outros e brigar, a venda de ingressos deve ser aleatória. Por fim, os policiais devem ser mais preparados e o entorno do estádio tem que ser vasculhado evitando a venda de drogas e bebidas (nada de barraquinhas etc.), a justiça deve ser rápida e a imprensa deve colaborar não levando ao ar ou por escrito declarações de torcedores instigando o ódio contra os rivais.

 

Alberto Bastos Cardoso de Carvalho albcc@ig.com.br

São Paulo

 

*

A TRAGÉDIA DE ORURO

Infelizmente, a tragédia de Oruro era esperada; a Taça Libertadores da América é um dos torneios mais desorganizados do futebol: Grandes clubes das Américas, misturados com timecos de quinta categoria, jogando em estádios precários e completamente sem segurança, em altitudes que chegam a 4 mil metros; jogadores medíocres, liberados, por árbitros complacentes, para distribuírem botinadas e toda sorte de agressões antiesportivas, onde os cartões amarelos (até o último torneio) representavam apenas uma multa de US$ 100. O menino foi atingido por um sinalizador disparado pela torcida do Corinthians, mas no estádio, o que mais se viam, eram sinalizadores e toda sorte de fogos de artifício; apesar da proibição da entradas destas "armas", constar especificamente das regras do lamentável Campeonato.

Luiz Antonio Alves de Souza zam@uol.com.br

São Paulo

 

*

BARGANHA

Pungente a declaração do treinador corintiano, ao dizer que trocaria o título mundial pela vida do garoto assassinado. Quase me cortou o coração tamanha exaltação da vida humana. De esperar que breve se manifestarão - se já não fizeram - com a mesma sutileza de novela mexicana, o apedeuta, seus acólitos, a CBD, Ronaldo e quetais. Depois, é seguir a vida, que os eventos da bola vem aí, e ninguém é de ferro.

Jaquim Quintino Filho jqf@terra.com.br

Pirassununga

 

*

IMPUNIDADE

Sou corintiano, mas antes de tudo sou pai e pediatra. A presença de criminosos dentro das torcidas organizadas, com agressões e mortes, afastam muitos torcedores dos estádios. Por isso, o julgamento deste caso, pela Conmebol, tem de ser muito rigoroso. Tais indivíduos deveriam ser banidos definitivamente das torcidas e dos estádios. Infelizmente, em nosso país, continuamos a ver a impunidade: comemoram os mensaleiros, maus torcedores se gabam de suas "proezas" na internet.

 

Hugo Hideo Kunii hugo.kunii@terra.com.br

Campinas

 

*

BÁRBAROS

 

Mais uma tragédia no futebol. Torcedor boliviano morre atingido por um sinalizador disparado pela torcida corintiana. Em que isto vai dar, não sabemos. De repente vai ser mais uma morte para a estatística. Todos conhecem a omissa Conmebol. O fato é que na América do Sul não temos torcidas de futebol. O que temos é uma horda de bárbaros de fazer inveja ao Átila, rei dos hunos. Há um mês, mais ou menos, a torcida do Grêmio, com aquela avalanche, quebrou o alambrado de um estádio recém construído. Será não tem outra maneira mais civilizada de comemorar? No Rio, brigas entre torcidas resultam em morte de torcedores, e por aí vai. Positivamente não temos torcidas civilizadas. Na Inglaterra o público fica a poucos metros do campo e sem alambrado. Precisa dizer mais alguma coisa?

 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

HISTÓRIA DO BRASIL

Com todo respeito ao trabalho de pesquisa de campo feito com seriedade pela historiadora e arqueóloga Valdirene do Carmo Ambiel e pela Universidade de São Paulo (USP), do desenterro e exumação dos nobres cadáveres do Imperador D. Pedro I e de suas esposas, as Imperatrizes D. Leopoldina e D. Amélia, cabe a ingênua pergunta: Qual é mesmo a importância dessas revelações na História do Brasil?

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

 

*

FAMÍLIA IMPERIAL

A professora Valdirene, se quiser apresentar um trabalho isento e sem omissões sobre a trajetória do imperador pelos trópicos, deverá dar seguimento ao seu meticuloso trabalho de pesquisa, exumando diversas outras sepulturas, trazendo aos compêndios históricos fragmentos que parecem esquecidos, a começar pelo Cemitério da Consolação (Domitila), companheira (hoje convivente) que influenciou o estilo sui generis de sua majestade administrar o Brasil, seguindo-se uma lista interminável de outras namoradas do rei, conforme narrativa de Laurentino Gomes, 1822 (Ed. Nova fronteira).

 

Gisele Montenegro gamadvsp@uol.com.br

São Paulo

 

*

D. PEDRO I, UM MERO TROFÉU?

Quero registrar meu protesto contra a forma com que o Estado estampou em plena primeira página da edição de terça-feira o crânio do fundador da nação brasileira, exibido nas mãos de uma pesquisadora, como um mero troféu. Uma publicidade profanadora, que reduz os despojos de D. Pedro a uma atração publicitária. A reverência fúnebre por uma figura histórica brasileira é um dever de todos cidadãos brasileiros, o mínimo que se espera de uma instituição que, com todos os méritos, também faz parte de nossa história: o Estado. Nada contra o projeto arqueológico, de inegável valor, ao lançar novas luzes sobre nosso passado. Publicar, ótimo! Faltar ao respeito, não.

 

Ricardo G. Neuding ricardo@atapart.com.br

São Paulo

 

*

DENÚNCIA - EUTANÁSIA

Ao procurar atendimento no Sistema Único de Saúde (SUS), a pessoa já pode esperar pelo pior, são atendidos por médicos da pior qualidade, muitos praticam a eutanásia sem saber, mas, diante da denúncia da médica que estava praticando eutanásia, fica a impressão de que ela só cumpria ordens superiores, talvez para contensão de custos. Isso é muito grave e deve ser investigado, pois ela pode ser somente a ponta do iceberg, seja apenas uma peça do conjunto orientada por um poder central.

 

Jose Mendes josemendesca@ig.com.br

Votorantim

 

*

O BRASIL EXIGE EXPLICAÇÕES

Pelo rosto e expressão vistos pela televisão desta médica da UTI do hospital de Curitiba, a dita doutora deveria estar não na UTI, mas sim no hospício, mas como paciente. A pergunta é como podem manter alguém assim em lugar desses? Isso é o que se chama de irresponsabilidade na gestão do hospital. O Brasil exige explicações.

José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

 

*

UM CASO MUITO ESTRANHO

O caso da Dra. Virginia Helena Soares, da UTI do hospital Evangélico de Curitiba, se confirmadas as acusações, será mais uma tragédia humana causada por outro ser humano. Caso contrário a tragédia terá atingido somente a ela. Mas um fato me causa estranheza. Se era sabido do péssimo relacionamento, agora denunciado, dela com os demais funcionários e até com alguns pacientes, como ela se manteve na chefia do serviço?

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

 

*

VIOLÊNCIA E PENA DE MORTE

Existem, no Brasil, duas situações onde há possibilidade de aplicar a pena de morte. Uma, pouco conhecida, é legal e prevista na vigente Carta Magna (art. 5º inc. XLVII,a). A outra, é informal e aplicada pelo banditismo contra a sociedade sem dó ou piedade. Não acho que esse instrumento extremo de punição seja a solução para nossos problemas de violência, no entanto, não dá mais para continuar ouvindo retóricas de autoridades e acadêmicos teorizando sobre políticas penais brandas para "recuperar" assassinos que não apresentam a mínima condição de conviver em sociedade (alguns com apenas 12 anos de idade), enquanto eles (os bandidos cruéis) aplicam penas de morte "informais", contra cidadãos indefesos e desprotegidos, a qualquer hora do dia ou da noite.

 

Gabriel Fernandes gabbrieel@uol.com.br

Recife

 

*

CASO GIL RUGAI

Não acompanhei o julgamento de Gil Rugai, condenado pelo Tribunal do Júri. Mas fiquei impressionado com o circo criado em torno do julgamento, que foi tratado pela mídia sensacionalista como um evento cinematográfico. Não sei se o réu é culpado ou inocente. Pelo que saiu na imprensa, culpado. Mas sei que as decisões do Tribunal do Júri são mais do que duvidosas e que não é raro que culpados sejam inocentados, enquanto inocentes são condenados pelos jurados. É uma grande loteria, um circo, uma espécie de ópera bufa com atores canastrões e não Justiça de verdade. A Constituição Federal deveria ser emendada para que o Tribunal do Juri fosse extinto no Brasil. Mesmo com inúmeras falhas e erros, é melhor ser julgado por um juiz togado, de direito, do que por sete populares sem a menor noção de direito, como acontece no Júri, que decide os chamados crimes dolosos contra a vida.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.