Fórum dos Leitores

DEZ ANOS NO PODER

O Estado de S.Paulo

24 Fevereiro 2013 | 02h08

A década perdida

Assim podemos chamar os dez anos dos petistas no poder. Eles melhoraram a infraestrutura, a saúde pública, a segurança, a educação? Algumas fontes até afirmam que a educação piorou. Quebraram a Petrobrás e a Vale que se cuide... Todas as obras em andamento estão superfaturadas e algumas já deterioradas antes da conclusão, como a transposição do Rio São Francisco; outras nem do papel saíram ainda. O setor industrial está ano a ano perdendo produtividade e terreno no comércio internacional, sem falar do pibinho, um dos piores das Américas. Nossa balança comercial está realmente balançando... para baixo! Em contrapartida, o que aumentou? A violência, os homicídios, os furtos, o pouco-caso das autoridades com a segurança. Aumentaram também a corrupção, a roubalheira de maneira geral, ambiente típico do PT, e principalmente a falta de vergonha dos políticos, que deveriam representar os interesses do povo, e não os deles próprios. Isso, sim, foram os dez anos de PT no poder, conquistado com a compra de votos por meio das várias bolsas, que nada exigem em troca do benefício. E Dilma Rousseff ainda reafirma compromisso com a estabilidade da nossa economia!

KÁROLY J. GOMBERT

gombert@terra.com.br

Vinhedo

Passou do limite

O criador Lula e a criatura Dilma agora deram até para renegar o que foi construído por gerações de brasileiros, como se o Brasil tivesse dez anos de vida, e não 513 anos de História. Com sua síndrome de deus e deusa elevada ao máximo, sobem no sapato de salto alto e chamam para a briga quem quer que seja. Soberba é a palavra de ordem nas hostes da escuridão mental. Mentem que estão tirando o Brasil do atraso, mas se esquecem de dizer que se aliaram ao que de mais arcaico existe na política. Na era Lula, José Sarney virou "incomum". Na era Dilma, Renan Calheiros foi reconduzido à presidência do Senado. Será isso modernizar o País? Até injustiças escravagistas do século retrasado foram reparadas pela "princesa" Dilma, já que em nossa História nunca houve nenhuma "presidenta" Isabel. A Petrobrás decerto não foi obra de Getúlio Vargas, mas do operário que só trabalhou 12 anos em toda a sua vida. As instituições públicas eram só miragens antes da chegada do PT ao Palácio do Planalto, pois Lula criou o Brasil em seis dias e descansou no sétimo. Quem sabe, até a moeda nacional, o real, não tenha sido criada pelos heróis de si mesmos, e não mais pelos ex-presidentes Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso...? Chega! Alguém precisa lembrar à criatura que a única coisa que ela produziu até agora foram pibinhos e frases vazias de conteúdo e sentido lógico. O Brasil merece mais do que esse culto à ignorância e à preguiça. Passou do limite da paciência.

SANDRO FERREIRA

sandroferreira94@hotmail.com

Ponta Grossa (PR)

Lula x FHC

Na comparação entre os governos de Lula e de FHC, também esqueceram o item em que o PT ganhou de lavada, a corrupção.

SILVIO LEIS

silvioleis@hotmail.com

São Paulo

Nunca antes...

Comparar o governo FHC com o governo Lula é comparar o Plano Real com o Plano Mensalão, ambos bem planejados e bem-sucedidos. O primeiro, no combate à inflação e na recuperação econômica do Brasil, e o segundo, na institucionalização da corrupção e da falta de vergonha na cara, fatos nunca antes vistos neste país, o que torna o julgamento pelas urnas previsível.

PEDRO AZEVEDO

francisco@azevedonegocios.com.br

São Paulo

Cópia infiel

Abraham Lincoln proclamou num discurso que a "democracia é o governo do povo, para o povo e pelo povo". Os petistas, imitando o prestigioso presidente dos EUA, copiaram a famosa frase e pretendem usá-la como novo bordão. Só rindo diante de tanto disparate. Petrobrás em decadência, inflação em alta, desenvolvimento pífio, aparelhamento completo das estatais, 38 ministérios, alguns plenamente dispensáveis, mensalão, etc. Isso significa governar para o povo e pelo povo? Seria cômico se não fosse trágico.

FRANCISCO ZARDETTO

fzardetto@uol.com.br

São Paulo

EUA como exemplo

Esses petralhas falam tão mal dos EUA e agora estão "chupando" o que Lincoln disse no discurso de Gettysburg: "Governo do povo, pelo povo e para o povo". Essa frase tem 150 anos. Mamar na sabedoria dos outros e no que outros fizeram (vide o belíssimo trabalho que FHC deixou) e dizer que é deles, isso eles sabem. E como! RUTH PENNA MOREIRA

ruthmoreira@uol.com.br

São Paulo

O PT é pura contradição

Na festa de comemoração de dez anos plagiaram o slogan do grande estadista Abraham Lincoln. No entanto, ao recepcionarem a cubana Yoani Sánchez, vítima da violenta ditadura militar cubana, mostraram toda a vocação do partido para atitudes antidemocráticas, impedindo que ela se manifestasse livremente sobre as condições de vida em seu país, até com agressões previamente ensaiadas sob a tutela da Embaixada de Cuba e com o apoio implícito e o patrocínio de setores do governo brasileiro. Afinal, por que não utilizaram os slogans de Fidel e Raúl Castro, de quem são profundos admiradores? Não teria sido muito mais coerente?

ADEL FERES

adel@terra.com.br

Goiânia

Ofuscou

Com essa Lula e Dilma não contavam! Membros dos partidos radicais de esquerda, aliados a um embaixador trapalhão, conseguiram fazer a passagem da cubana Yoani Sánchez por nosso país ser muito mais noticiada que a comemoração dos dez anos do PT no poder. Minha sugestão é que programem uma comemoração dos 11 anos para o ano que vem. Não é um número especial como o 10, mas, do jeito que as coisas vão, talvez seja a última chance de comemorarem alguma coisa.

RONALDO GOMES FERRAZ

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

MENSALÃO

Apelação não vingou

Vez por outra as lideranças petistas e mesmo os réus da quadrilha do mensalão vêm a público dizer que vão recorrer à Corte Interamericana de Direitos Humanos porque o julgamento no STF foi irregular, houve violação dos seus direitos, etc. Finalmente o presidente daquela Corte, Diego García-Sayán, fechou as portas a essa pretensão, elucidando que o órgão não é instância de revisão de sentenças penais proferidas pelas Supremas Cortes dos países, e ponto final. Enfim, era o que todo mundo já esperava: a apelação petista era como uma nota de R$ 3.

EDGARD GOBBI

edgardgobbi@gmail.com

Campinas

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

DANE-SE A LEI

Na quarta-feira, durante festa comemorativa dos dez anos do Partido dos Trabalhadores no comando do governo federal, o ex-presidente Lula, desrespeitando novamente as leis eleitorais do País, deu início à campanha de reeleição de Dilma Rousseff à Presidência da República em 2014. Os petistas comemoraram, nesse dia, uma década de administração medíocre, exercida por administradores medíocres, que, entre outras vergonhas, se caracterizaram por desrespeitar a legislação brasileira.

 

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

 

*

CASO ROSEMARY

Lula poderia ter aproveitado a festa do PT para explicar o escândalo Rosemary. Estamos esperando há 90 dias!

 

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

 

*

A FESTANÇA DO PODER

Muito a gosto dos petistas, a estrondosa festança pelos dez anos do PT no poder contou com a presença do Lula, atual fugitivo da imprensa, com a largada para a campanha fora de hora, como sempre, da reeleição de Dilma. O mais grave na festança foram a acolhida dos réus do mensalão, a traição de Kassab vira-casaca, e a falta das explicações do "Guru", há mais de três meses, sobre os escândalos que o envolvem junto da sua protegida Rosemary. Isso, além dos ataques costumeiros ao PSDB, partido que deixou em andamento um País que tinha tudo para caminhar para a frente. Ele deveria ter explicado muitos fatos e escorregadas nos últimos dez anos de PT no governo, que está mostrando a que veio. Uma década em constante caminhar para trás, em muitos aspectos.

 

Leila E. Leitão

São Paulo

 

*

RECADO PARA A OPOSIÇÃO

Bem, já que Lula rompeu o silêncio e está mandando recados, é bom que explique também para a população o caso Rosemary, que, afinal, diz respeito a todos nós, que pagamos essa conta. Mas, por favor, explicações sem menosprezar a nossa inteligência.

Heloisa A. Martinez heloisa_martinez@hotmail.com

Mogi das Cruzes

 

*

10 ANOS DE PODER

Ali estava de fato reunido o que é o PT, um bando de mensaleiros, comunistas, sindicalistas pelegos, corruptos etc., o que realmente é e o que sempre foi o PT, o partideco de Lula.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

 

*

NA TERRA DO MENSALÃO

Têm razão o seu Lula, Dona Dilma, o Zé Dirceu, o Genoíno e tutti quanti que têm farto proveito de "estarem" petistas. O Brasil mudou, realmente. Transformou-se numa gigantesca gruta de Ali Babá e trocentos mil afanadores. "Como nunca na história deste país".

Alexandre de Macedo Marques ammarques@uol.com.br

São Paulo

 

*

A CARTILHA DO PT

A arte da capa da cartilha distribuída no evento do PT é, sem tirar nem por, a técnica utilizada nos tempos do camarada Mao Tse-Tung para inspirar seus súditos. No caso do PT, seriam Kumpanhero Mau e Kumpanhera Má.

 

Eduardo Spinola e Castro spinola.adv@gmail.com

São Paulo

 

*

CRUELDADE

É de uma crueldade atroz, um governo que vem à televisão para anunciar, com todo orgulho, que irá tirar milhões de pessoas da pobreza absoluta, doando-lhes R$ 70,00 mensalmente. Melhor nem citar de qual país e governo estamos falando. Mas que ele existe, existe!

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

 

*

YOANI SÁNCHEZ

 

A blogueira Yoani Sánchez não sabe por que o governo cubano autorizou sua saída de Cuba, mas nós sabemos. Estava tudo já articulado com os bolivarianos de plantão. Resta saber como será sua visita à Argentina, cuja presidente, Cristina, reza a mesma cartilha. Provavelmente receberá as mesmas hostilidades, porque a exemplo de lá os baderneiros daqui devem ser filhos e netos de ex-guerrilheiros anistiados e foram chamados para pagar o dízimo pelas fortunas recebidas pelos pais ou avós, pela Lei da Anistia. Só não sei como vive essa turma. Porque estar à disposição para protestar em horário comercial, contra uma mulher simples, franzina, como se fosse um leão devorador, só gente desocupada mesmo. Trabalhador não tem tempo nem disposição para isso!

 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

 

*

QUESTÕES EM ABERTO

A passagem da blogueira cubara Yoani Sánchez pelo Brasil vai deixar algumas questões em aberto. Entre elas, as manifestações contrárias e a favor de sua presença. Mas sua forma de agir é nitidamente caracterizada pelo confronto com o governo de seu país. Mas não demonstra a mesma ênfase em relação aos Estados Unidos, que invadiu Guantánamo, que pertence a Cuba. E quem fala em direitos humanos, deveria lutar pela libertação dos prisioneiros ali mantidos, sequestrados de seus países pelos invasores americanos. E o fim do bloqueio econômico. E que autoridade tem ela para cobrar mais energia do Brasil em relação a Cuba?

 

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

 

*

CONTRA

"É preciso ser contra ditaduras de esquerda e de direita. Não se pode fazer distinção" (Yoani Sánchez, no programa "Roda Viva")

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

 

*

ADMIRADORES DE FIDEL

Acredito que todos nós, honestos e democratas verdadeiros, pagaríamos com muita satisfação a passagem de ida para Cuba de todos os admiradores do senhor Fidel Castro. Com uma única condição: não voltarem nunca mais. Ao mesmo tempo, ajudaríamos aquela população escravizada a fugir de lá. Brasileiros e brasileiras, pensem nesta proposta, acho que vale a pena! Aquela gente merece o direito de se expressar e andar pelo mundo como quiser.

 

Odiléa Mignon cardosomignon@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

ÓDIO À DEMOCRACIA

Alguns comentaristas de política ficam exaltados e parece que ofendidos quando os manifestantes que tem hostilizado blogueira cubana Yoni Sánchez são comparados aos grupos nazistas que haviam na Alemanha e na Itália no começo dos anos 30. Eles perseguiam e importunavam pessoas nas ruas, em restaurantes enfim, em lugares públicos chegando a atacá-las fisicamente. O objetivo era calar e punir aqueles que eram contra o regime. Se os de agora não usaram da força para machucar fisicamente a usaram para impedir que Yoani fale e diga o que pensa. Estes grupos foram criados por partidos de esquerda por solicitação da embaixada de Cuba que pediu ao PT que os organizasse. O governo federal nada faz para impedir as grosseiras manifestações de apoio à ditadura cubana e nem mesmo viabilizou à blogueira a segurança para que ela possa se movimentar sem ser agredida. O direito de ir e vir é proibido pela ditadura dos Castro em Cuba e estes grupelhos os apoiam integralmente. Yoani foi impedida em vários lugares de falar livremente por pessoas que não gostam da democracia e que adulam governos que oprimem o povo. Estes também apoiam os quadrilheiros do mensalão e agridem o STF e seus ministros. Poderiam colocá-los todos em aviões e enviá-los para lá para que desfrutem das "maravilhas" dos irmãos Castro, acrescentando aqueles que querem censurar e manipular a imprensa do Brasil.

Maria Tereza Murray terezamurray@hotmail.com

São Paulo

 

*

COMUNISTAS

Nunca imaginei que ainda havia tantos comunistas no Brasil. Mesmo matando mais de 120 milhões de pessoas pelo mundo afora e com fracasso total onde conseguiram se instalar, é assustador ver que esses quadrilheiros ainda existem. Pelo jeito, o PT está fazendo uma boa doutrinação!

Paulo Ferraz Costa Negraes paulonegraes@trident.com.br

Itapui

 

*

A PEDIDO DE CUBA

Os comunistas brasileiros que estão no poder apoiam as manifestações orquestradas contra a blogueira cubana Yoani, obviamente a pedido do chefe cubano.

Alpoim da Silva Botelho alpoim.orienta@uol.com.br

São Paulo

 

*

AINDA SOMOS LIVRES

Não sabia que os irmãos Castro tinham tantos adeptos no Brasil. Estou muito preocupado: se todos forem para o paraíso tropical, onde vão colocar tanta gente na ilha maravilhosa? E haja transporte para todos voltarem correndo para onde ainda temos liberdade de expressão... O pior cego é aquele que não quer enxergar.

 

Delpino Veríssimo da Costa dcverissimo@gmail.com

São Paulo

 

*

INOCENTES ÚTEIS

Nas fotos publicadas pelo Estado em 22/2, nas páginas A1 e A15, o que se vê são adolescentes, com nariz de palhaço, o que é muito próprio, pois eles nem sabem por que estão protestando. Não sabem o que é comunismo, socialismo e qual é o regime que é adotado em Cuba e como vivem os cubanos. Não há adultos entre eles e para estarem fazendo isso, são desocupados fazendo badernas em várias partes, por onde vai a blogueira e sendo pagos por quem tem interesse em desqualificar Yoani Sánchez. Denúncias colocam o Planalto, que não se manifesta a respeito, em conluio com a embaixada de Cuba, que, em obediência a regras diplomáticas, devia abster-se de tais práticas em solo brasileiro. Só que as manifestações tem tido efeito contrário ao desejado pelos ideólogos retrógrados. Quanto mais barulho fazem, mais se lhe dedica atenção e mais famosa ela fica. Exemplo, o Estadão dedicou, em 22/2, duas páginas inteiras sobre ela. Esses jovens, de nariz de palhaço, são inocentes úteis e, infelizmente, não se dão conta disso. Esses jovens não se manifestaram contra o asilo concedido a Cesare Battisti, o terrorista e assassino italiano. Esse pode movimentar-se tranquilo por todo território nacional. Questão de ideologia, evidentemente. O governo faz de conta que nada vê, mas cabe a ele o dever de zelar pela segurança de um visitante estrangeiro, a quem foi concedido o visto de entrada no país. Enquanto isso, estão fazendo campanha política para a eleição para presidente, em 2014.

 

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

 

*

PERIGO

A (falta) de ideologia do pessoal do PT em preocupa-se somente com o que diz sua cúpula, e não com o País, é de fato gritante! Dão abrigo à Battisti, um antigo suposto assassino foragido, defendem Zé Dirceu, condenado, executor do projeto de compra de votos e corrupção no Planalto, se calam por apoiar Renan e sua trupe na presidência do congresso (minúscula, por favor) para fazer sua belíssima gestão e não estão nem aí com as alianças (fisiológicas) partidárias em nome da governabilidade. Perigosa, para "elles" é a jovem Yoani.

 

Flávio Cesar Pigari flavio.pigari@gmail.com

Jales

 

*

VERGONHA

A minoria querendo se impor com violência. Eles não representam o povo brasileiro. Este não é o meu Brasil. Bem vinda, Yoani.

 

Carlos Roberto da Silva Calderon crscalderon@hotmail.com

São Paulo

 

*

SEM IDEIAS

Observando as expressões dos jovens que "protestavam" contra a cubana Yoani na primeira página do Estadão de 22/2, pergunto-me: qual a sua idade e escolaridade? Isso porque, com relativa experiência ao lecionar para o segundo e terceiro graus, tenho certeza de que a leitura não é um dos hábitos dessa faixa etária. Talvez ao perguntar-lhes o significa a sigla CIA? Onde se localiza Cuba? Como os irmãos Castro chegaram ao poder na ilha? Ou outros questionamentos básicos, tivéssemos respostas que alimentariam fartamente o Febeapa ("Festival de Besteiras que Assolam o País", de Stanislaw Ponte Preta). Por que, ao invés de colocar narizes de palhaços (que, aliás, vêm bem a caracterizá-los), não se submetem a um debate com a visitante? Certamente porque seriam ridicularizados e humilhados por ela. Diga-se de passagem, todos os que nos envergonham com seu comportamento agressivo em Pernambuco, Bahia, Brasília, etc. deveriam participar de tal debate, ocasião em que, de forma civilizada, poderiam expor suas ideias (se é que as têm) e ouvir os argumentos da visitante. Mas isso é pedir demais aos "manifestantes".

 

Heleo Pohlmann Braga heleo.braga@hotmail.com

Ribeirão Preto

 

*

‘PARA CUBA, COM CARINHO’

Eugênio Bucci escreveu um texto lúcido, que representa na quase totalidade os meus sentimentos sobre a visita de Yoani Sánchez ("Para Cuba, com carinho", 21/2, A2). Estou envergonhado com o que aconteceu esta semana. Mais uma vez, jovens que se dizem socialistas agiram de modo fascista e impediram que a visitante respondesse perguntas e autografasse seu livro, na Livraria Cultura. Não permitiram o mínimo debate de ideias. É essa juventude que pretende liderar politicamente o País, um bando que provavelmente estudou em algumas das melhores universidades do País? Defender seus valores é importante, mas impedir a livre manifestação de ideias é ditadura.

Valdir Amado da Silva valdir.amado@bol.com.br

São Paulo

 

*

QUAL É A MELHOR DITADURA?

Gostaria de saber por que a nossa ditadura é merecidamente repudiada pelos mesmos brasileiros que inexplicavelmente vivem apoiando a ditadura cubana? Como deploro as duas e as eventuais, entendo que a cubana surgiu porque na guerra fria, a ex-URSS, precisava de uma base de apoio nas barbas dos norte-americanos, e a nossa, porque aproveitou-se da ousadia sem sentido de João Goulart, para que os nossos militares no primeiro cochilo a iniciassem imediatamente. Tanto que ela aconteceu num dia 1º de abril, não podiam esperar mais um dia? Conheci pessoalmente e conversei com gente íntima de Goulart, como o ex-presidente da Rede Bandeirantes João Jorge Saad e seu genro, Adhemar de Barros, governador de São Paulo à época. Acredite: esses dois senhores (já falecidos) , em oportunidades diferentes, disseram a mim e a outros colegas "que viviam puxando as orelhas de JG, tentando demovê-lo a mudar seu comportamento, porque tinham informações que os milicos estavam irritados e que já estavam azeitando os canhões". Tenho acompanhado há algumas décadas atitudes de muitos intelectuais da música, cinema, teatro, letras e, principalmente, de políticos que estão atualmente no poder, e que vivem escarafunchando o nosso período negro, mas que enaltecem a ditadura de Fidel Castro, Che Guevara e outros caudilhos que exterminaram no paredon milhares de pessoas contrárias ao regime da Ilha. Exemplo disso está ocorrendo neste momento em que o Brasil hospedou a blogueira Yoani Sánchez, na sua maratona pelo mundo, lançando um livro, no qual condena a ditadura dos irmãos Castro, mesmo enfrentando uma conspiração petista-castrista de espionagem e hostilidades em nosso democrático Brasil?! Faço de conta que não estou entendendo porque essa gente acha que só a ditadura cubana é santa...

 

Roberto Ianelli Kirsten rkirsten@uol.com.br

Amparo

 

*

PRESTIGIADO

O Brasil não só se omitiu sobre os direitos humanos em Cuba, como disse Yoani Sanchéz, como prestigiou amplamente o regime cubano dos irmãos Castro, durante a gestão petista. Que o diga o digníssimo assessor das Relações Internacionais do governo, Marco Aurélio (top-top) Garcia.

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

 

*

YOANI E A CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA

De acordo com a nossa Carta Magna no Título I dos Princípios Fundamentais em seu parágrafo único diz: A República Federativa do Brasil buscará a integração econômica, política, social e cultural dos povos da América Latina, visando à formação de uma comunidade latino-americana de nações. Mas será que foi isso que podemos ver nos últimos dias com a vinda da militante política Yoani Sanchez? Não, o que vimos aqui foi um verdadeiro desrespeito a Constituição brasileira que garante vários direitos aos povos de vários países latino-americanos principalmente ao que diz respeito à área social, cultural e política. Mas parece que alguns pseudointelectuais se esqueceram de o Brasil possui uma constituição que garante o direito de opinião até mesmo aos povos de língua latina que aqui veem para poderem se expressar de forma livre e democrática o que infelizmente não aconteceu com a blogueira Yoani Sanchez, que por mais absurdo que possa parecer não teve o seu direito constitucional nem mesmo de poder se expressar dentro de uma livraria, lamentável para um país que no próximo ano sediará uma Copa do Mundo.

 

Mauro Alexandre Pereira de Almeida perer80@globo.com

São Paulo

 

*

VALOR NUNCA RECONHECIDO

Observando a ação, em nível nacional, diga-se, dessas milícias tentando a todo custo cercear a liberdade de expressão da cubana Yoani Sánchez, sabotando e tumultuando cada passo dessa valorosa e corajosa jovem, chego a conclusão (mais uma vez) que ainda não sabemos avaliar o grande bem que nossas Forças Armadas fizeram ao nos livrar do enorme atraso e do pavoroso terror esquerdistas. Se estamos vivendo em um pais (ainda) democrático, o grande mérito são dos militares que derrotaram aqueles que sonhavam, e ainda sonham, com um regime igual ao de Cuba.

 

Maurício Rodrigues de Souza mauriciorodsouza@globo.com

São Paulo

 

*

A CEGUEIRA DE ESQUERDISTAS

Lamentavelmente, Yoani Sánchez, a mulher corajosa e oprimida de Cuba, foi impedida por esquerdistas cegos e inconsequentes de se contatar com blogueiros em São Paulo. Tais elementos, obviamente, pertencem à facção radical de PT, PCdoB e Psol, agremiações que se prestam a esses tipos de manifestações antidemocráticas, apesar de nos seus programas partidários defenderem a democracia. Agora, temos certeza de que defendem a sua democracia e não a de todos e para todos. Ficamos sabendo, também, que tais esquerdistas somente respeitam o seu livre pensamento e nunca o do semelhante, resultando, então, que estão, na verdade, fazendo a apologia da Revolução de 1964, cujo objetivo era impedir que cidadãos radicais, como os censores da blogueira, tomassem o poder. Pensaram se isso tivesse acontecido?

 

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

 

*

TOGAS MIMADAS

A proibição pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) dos tribunais receberem patrocínio privado para eventos não resistiu à pressão dos magistrados e o conselho acabou aprovando uma resolução que permite o recebimento de patrocínio até o limite de 30%. A ministra Eliana Calmon propôs a proibição completa. Mas, por incrível que possa parecer, esse porcentual de 30% foi sugerido pelo presidente do Conselho e do Supremo, ministro Joaquim Barbosa, o "El Cid" do mensalão, que temia o boicote dos colegas. A medida, nos seus efeitos originais está corretíssima, pois a liberdade de julgamento do magistrado não pode ser minimizada por razões de mimos ofertados por empresários. A ética na magistratura fica a desejar. Não há como controlar o patrocínio de um terço e os empresários perderia o interesse. É elementar, meu caro Watson. A Constituição é taxativa em proibir que o magistrado receba qualquer contribuição da iniciativa privada para preservar a imparcialidade do juiz. Que se cumpra a lei maior. Na atual conjuntura brasileira seria necessário muitas Elianas Calmon para tentar endireitar os caminhos da ética. O corregedor, ministro Francisco Falcão, sugere que daqui a uns meses a restrição poderá ser total e acrescenta que a maioria dos eventos é feita nas praias.

 

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

 

*

TAXA DE ÉTICA

O forte corporativismo dos magistrados, aliado à cultura existente no seio desse grupo que se considera merecedor de privilégios e benefícios especiais que não pertencem ao cidadão comum que é quem paga os seus salários, impediu que os tribunais fossem totalmente proibidos de receber patrocínios privados em eventos de juízes. Acabou sendo feito um acordo que permite que esses absurdos patrocínios sejam permitidos até o limite de 30% do custo dos eventos, ou seja, estabeleceram uma taxa de ética. Como declarou o ministro Joaquim Barbosa, essa foi uma primeira tentativa de segregar o Judiciário dessas relações duvidosas, senão promíscuas. Um dia ainda chegaremos lá, numa situação em que não existirão castas privilegiadas, e onde todos terão o mesmo direito o que, aliás, é matéria que nossos magistrados deveriam conhecer em profundidade.

 

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

 

*

MISSÃO SAGRADA

Ministros dos altos tribunais, desembargadores federais ou estaduais, magistrados de cortes internacionais são, antes de tudo, juízes. Há tanta grandeza na função, o ser humano é tão pequeno para ser juiz, é tão de empréstimo o eventual poder que alguém possui para julgar, que me parecem desnecessários tantos vocábulos para denominar a mesma função. Talvez fosse bom que os titulares de altos postos da Justiça nunca se esquecessem de que são juízes, cônscios da sacralidade da missão.

 

João Baptista Herkenhoff jbherkenhoff@uol.com.br

Vitória

 

*

REFORMA ELEITORAL

Reportagem reveladora do jornal "O Estado de S. Paulo", publicada no dia 11 de fevereiro, diz que partidos injetaram quase R$ 61 milhões em campanhas de seus aliados em 2012. PSDB e PT repassaram R$ 31 milhões para outras agremiações. É claro que não é um novo mensalão, mas por certo é uma terceirização ideológica. Fica evidente que depois da crise do socialismo e da queda do muro de Berlim, as ideologias foram para o brejo. O PT irrigou as finanças do DEM, PDT, PP, PSB, PC do B, PTB, PTC e PSDC. Sem preconceitos, o PSDB foi à luta, apoiando regionalmente as mesmas siglas. Estes fatos evidenciam o imperativo de uma reforma eleitoral. No eixo de tudo, é necessário um mínimo de coerência doutrinária das agremiações. Muitas, infelizmente, deveriam ser registradas nas juntas comerciais. Também considero imprescindível a imprensa nacional abrir espaço para o debate sobre a reforma política, ouvindo as principais lideranças políticas, empresariais e sindicais do país, a fim de se chegar a um consenso sobre temas como o financiamento de campanhas.

 

Aníbal Teixeira institutojk@yahoo.com.br

Belo Horizonte

 

*

CORINTHIANS

Não tem cabimento o Corinthians receber uma punição de inteira responsabilidade do promotor do evento, a Conmebol. O fato lamentável ocorrido em Oruro, na Bolívia, que culminou com a morte trágica de um jovem com apenas 14 anos, durante o jogo da Libertadores entre San José e Corinthians, clubes que participaram do evento com os seus artistas, os jogadores, enquanto o promotor do evento a Conmebol pune o Clube Corinthians pela irresponsabilidade de alguns torcedores, que ao adentrarem no estádio deveriam ser revistados na entrada pelos policiais ou seguranças, desde que proibidos de entrarem com fogos de artifício. O infrator é a Conmebol, não o clube, pela falha exclusiva do promotor do evento. O clube pode, sim, ser punido com uma multa, mas prejudicar os muitos torcedores bons em detrimento de alguns ruins não é justo e não tem a mínima lógica. É preciso rever a injusta punição de quem é o próprio infrator.

Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

 

*

MAIS UMA MORTE

Dizem que o maior prazer do sádico é dizer não ao masoquista. É sabido que a parte mais sensível do ser humano é o bolso. Então impedir a torcida de acompanhar o time e causando prejuízo aos cofres do clube me parece mais do que justo, por enquanto. E quem sabe assim a maioria esmagadora da torcida, que se preocupa tão somente com o futebol, possa fazer o que a lei dificilmente fará que é banir definitivamente estes indivíduos que nem merecem o nome de torcedores.

 

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

FANATISMO

Lamentável a morte do menino boliviano Kevin, morto covardemente por um atirador, que irresponsavelmente disparou um sinalizador em direção a torcida adversária. Seria somente uma morte a mais nessa "guerra" em que se transformou uma partida de futebol, válida por um torneio medíocre num terceiro mundo, onde tudo pode para se obter um vitória. Infelizmente isso é alimentado pela nossa imprensa esportiva, notadamente a redes de TV que inflamam os torcedores na busca incessante de captação de público. Fortalecimento de mídia e Ibope. Tivemos sorte em Tókio, mas não em Oruro. Esperaram acontecer o pior para criticar quando antes apoiavam e aplaudiam a "invasão". As torcidas, organizadas ou não, ou uma multidão podem ser manipuladas por qualquer órgão da mídia, o que historicamente já tivemos triste comprovação. O fanatismo leva a consequências desastrosas. Depois, aparecem dirigentes de clubes, jornalistas e atletas, em atitudes teatrais, tentando justificar o caso como fatalidade. Incrível, chegam até a chorar perante as câmeras, verdadeiros atores. E como ficam os familiares do menino morto? Fatalidade? Como, se o provocador portava dispositivo proibido pelas autoridades? É como se motorista bêbado no volante provocasse acidente fatal. A Fifa deve por um fim nesse estado de coisas, com leis duras evitando mais mortes e tornando o futebol mais entretenimento. Infelizmente o desfecho é visível: daqui a alguns dias ninguém mais fala sobre isso, e a vida segue...

Luiz Carlos Zacari zacari@uol.com.br

São Paulo

 

*

CARANDIRU

Tentando forçar a barra para liberar a torcida para os próximos jogos do time, o diretor jurídico do Corinthians, Alberto Bussab soltou esta: "Somos referência nacional na realização de eventos". Pelo menos nisso tenho que concordar com ele, moro em São Paulo e vejo como ficam as principais avenidas da cidade após as vitórias do time. E além do mais o que esperar da diretoria de um time que dá apoio total e irrestrito a uma torcida cuja alcunha é "Pavilhão 9".

Jatiacy Francisco da Silva jatcar@ig.com.br

Guarulhos

 

*

A RENÚNCIA DE BENTO XVI

Desde a renúncia de Bento XVI, assistimos a uma verdadeira enxurrada de notícias veiculando todo tipo de suposições, e muito poucos fatos. Assim, os artigos estão coalhados de frases como "a decisão irritou grupos conservadores" (não se detalha quais) ou "a atitude é vista com reserva por cardeais ligados a NNN", ou ainda "os cardeais pareciam constrangidos com as palavras do pontífice", em uma verdadeira teoria da conspiração. No caso da possibilidade de antecipação do Conclave, por exemplo, os jornais assumem a priori que se trata de uma manobra política. A explicação oficial (perfeitamente razoável, aliás), de que já se sabe quando a sede ficará vacante, e que por isso já é possível programar-se mais rápido sem a necessidade da reorganização de urgência que se segue imediatamente à morte de um papa nem sequer é levada em consideração. O desejo dos cardeais (e de boa parte dos católicos) de garantir que já haja um novo papa para as celebrações da Páscoa também não é considerado de forma nenhuma. Não: tudo tem que ser uma sórdida manobra política, que ninguém consegue provar. Na verdade, não parece ser a Igreja que está em crise, mas sim a imprensa, que insiste em valer-se da fofoca como fonte de informação.

 

Mateus Leme mateusdl@gmail.com

São Paulo

 

*

SACRIFÍCIO OU COVARDIA?

A renúncia do papa Bento XVI causa estranhamento pela sua intrínseca contradição. Conforme a doutrina católica, quem escolhe o papa não são os cardeais fechados no Conclave, mas o Espírito Santo que os ilumina. É nisso que está fundamentado o dogma da "infalibilidade" do papa, quando fala ex cattedra sobre fé e costumes. Ele é considerado um ser humano especial, pois ungido por Deus, assim como são tidos Moisés, Cristo, Maomé e profetas de outras religiões. Se, portanto, ele assumiu o cargo de Sumo Pontífice, não por vontade própria, mas por desígnio divino, não poderia renunciar, sem cometer um gravíssimo pecado. Assim entendeu o poeta italiano Dante Alighieri, o autor da Divina Comédia, ao colocar no Inferno, no círculo dos covardes, o primeiro e único papa que renunciou espontaneamente ao pontificado, Celestino V, no longínquo ano de 1294: "Che fece per viltà il gran rifiuto" (aquele que fez por velhacaria a grande recusa): canto III, v. 60. A meu ver, mais do que covardia ou fraqueza física devida à idade ou doença, foi uma crise de consciência que levou Joseph Ratzinger a renunciar ao papado. Sendo um ser humano dedicado ao estudo, sua mente extremamente culta, inteligente e crítica deve tê-lo levado a questionar a eficácia de seu ministério. Sua saída acusa o fracasso em apaziguar as correntes conservadoras e revolucionárias dentro do próprio Vaticano, em reprimir o apego ao poder e ao dinheiro, como também a prática da pedofilia de cardeais, bispos e sacerdotes. Outro motivo pode ter sido a impotência em atender aos anseios da sociedade moderna a favor da liberação do divórcio, do aborto, da homossexualidade, do celibato eclesiástico, da ordenação de mulheres, do uso de contraceptivos, da pesquisa com células-tronco. A revista Veja de 20/2/2013 dedica a reportagem de capa ao assunto da renúncia do papa com o título: "O sacrifício de Bento XVI para salvar a Igreja", na expectativa de que outro papa, mais jovem, tenha forças suficientes para enfrentar o ninho de corvos que habita o Vaticano, relacionados com o triste espetáculo de um banqueiro enforcado, um mafioso envenenado, um mordomo traindo a confiança do Sumo Pontífice. Leda ilusão! Não será a troca de um homem no mais alto poder do pontificado a sanar a decomposição moral da Igreja Católica. Mais do que o indivíduo, errado é o sistema, a estrutura eclesiástica. A renúncia de Bento XVI deixa às claras que no Vaticano acontece o mesmo que se encontra no governo de Estados dominados pelo autoritarismo: corrupção, impunidade, círculos de poder, proteção de privilegiados, exploração da ignorância e da miséria do povo para conseguir votos, substituição da justiça pela caridade. O ex-padre franciscano Leonardo Boff (antes amigo e mais tarde desafeto de Bento XVI), expoente da vanguarda católica brasileira de idéias socialistas, denominada "Teologia da Libertação", diz a Patrícia Britto (Folha, 15/2/2013): "a Igreja precisa de pontífice mais pastor que professor". Peço desculpas para pensar exatamente o oposto: o povo não é uma manada de ovelhas que precisa ser guiada por um pastor, acreditando em falsas promessas e sendo constantemente vítima de hipocrisias. O ser humano que renuncia a pensar com sua própria cabeça, a refletir sobre religião, moral, política, ciência, arte, deve ser considerado igual a um animal ou a uma criança que, não tendo discernimento próprio, se deixa levar apenas pelo instinto ou pela mão de algum alucinado ou espertalhão. Pena que Ratzinger, no estilo de Getúlio Vargas ou Jânio Quadros, não tivera a coragem de revelar publicamente as razões ocultas que o induziram a demitir-se do cargo. Isso sim, chutando o balde, teria contribuído para a renovação dos costumes religiosos e políticos. Daí pensarmos mais em covardia do que em sacrifício.

 

Salvatore D’Onofrio saldo1@ig.com.br

São Paulo

 

*

RENÚNCIA DO PAPA E PEDOFILIA

Com a renúncia do papa, a Igreja Católica vem sendo, ainda mais, alvo de enormes críticas com casos de pedofilia. Esquecem, entretanto, do quanto isto esta enraizado em nossa sociedade através dos tempos, nas mais diversas instâncias e locais, não só na Igreja, mas em todas as instituições no geral; e a dificuldade em se tratar da questão, para a qual já foram feitas as mais variadas propostas nos mais diversos países, de castração, inclusive, como na Dinamarca. Talvez este fosse o momento para se tentar dar uma solução para este problema que nos aflige com tanta gravidade, e não só ficar apontando para a Igreja Católica como se a única responsável. No Estado de São Paulo, por exemplo, várias cidades nem chegam a ter Conselho Tutelar. Raros são os edifícios do fórum, ou delegacias, devidamente adaptados e aparelhados para estas questões, além do falta de profissional especializado. Sem falar de advogados inescrupulosos intimidando estas crianças vitimizadas para que não contem a verdade em sala de audiência, quando a criança fica sozinha durante o julgamento, sendo inquirida sem a presença de alguém de seu conhecimento; ou mesmo falando da nulidade dos autos em 2ª instância para casos de abusos comprovados em 1ª instância.

 

Clovis Winther Yassuda wintheryassuda@uol.com.br

Taubaté

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.