Fórum dos Leitores

Atualizado às 6h00.

O Estado de S.Paulo

25 Fevereiro 2013 | 02h09

DÉCADA PERDIDA

Comemorar o quê?

A comemoração promovida pelo PT pelos dez anos no poder é uma vergonha. Primeiro, porque não há razão para um partido ou determinadas pessoas comemorarem a permanência no poder do País, já que tal situação não resulta do interesse particular de um partido ou grupo de pessoas que só se preocupam consigo mesmo. Em segundo lugar, porque demonstra que em dez anos nada fizeram do que prometeram em favor do povo brasileiro senão dar esmolas, como os atuais R$ 2 por dia para viver ou deixar de ser pobre, quando essa quantia é superada diariamente por muitos pedintes que perambulam pelas ruas das nossas cidades. Então, dar R$ 2 para tirar da pobreza, antes de auxílio ou compra de voto, é uma humilhação. Em terceiro lugar, porque os petistas não mudam a retórica de críticas ao governo anterior, como se isso afastasse a própria culpa por deixarem que ratos acabem com esta nação. Aliás, falam tanto da herança maldita, mas esquecem que, se não tiveram condições em dez anos de resolver o problema, isso é prova de incapacidade para gerir a nossa Pátria. E não se diga que grandes coisas foram feitas, além de farta propaganda enganosa que atinge justamente aqueles que, mesmo pobres, têm TV em casa e só assistem às novelas, exatamente nos horários em que tais propagandas são veiculadas. E mais: esse mesmo partido, que antes era contrário à privatização, agora pretende lotear o Brasil, vendendo também os nossos portos, e certamente terá uma desculpa para tal atitude. E o pior de tudo é que os condenados pelo mensalão fizeram parte dessa festa e foram ovacionados, é claro, pelos componentes da imensa quadrilha, que, por sinal, comemora como os traficantes e bandidos do morro, fazendo churrascada depois de um butim.

CLAUDIO MAZETTO
cmazetto@ig.com.br
Salto

*
Realidade mascarada

Vangloria-se o PT de que nos últimos dez anos o Brasil avançou e foram enormes as conquistas da população. Ledo engano. O que houve foi um mascaramento da situação real, com empréstimos concedidos à população de baixa renda e migalhas aos socialmente excluídos. Não bastassem essas anomalias, o crescimento econômico do País é sofrível e com o estreitamento comercial EUA-União Europeia (UE), superior a US$ 30 trilhões, o nosso "consolo" será angariarmos algumas posições no Mercosul, de maior protecionismo ou de intervenções estatais, que sacrificam a credibilidade das empresas, afugentando os investidores estrangeiros. O que houve, sim, foi uma década perdida, cujo reflexo é o endividamento público impagável, que as demais gerações sofrerão na pele, tal como a Europa atual, diante dos sacrifícios futuros previstos.

YVETTE KFOURI ABRÃO
abraoc@uol.com.br
São Paulo

*
Acordo EUA-UE

O Brasil é a maria-chuteira da economia mundial.

ADILSON MENCARINI
adilsonmencarini@uol.com.br
Guarulhos

*
PAC...

Com a estagnação econômica do País, a sucessão de pibinhos, a desindustrialização em curso, a inflação em alta e o desemprego crescente, pode-se dizer que PAC, agora, significa Programa Acelerado de Crise. O Brasil, de marcha à ré e vento em proa, está à deriva no mar vermelho petista. SOS!!! 

J. S. DECOL 
decoljs@globo.com
São Paulo

*
POLÍTICA ECONÔMICA

Mantega e os juros

No auge dos conhecimentos teóricos e práticos da economia moderna que vem acumulando ao longo do exercício de suas funções no Ministério da Fazenda, o esclarecido dr. Guido Mantega chegou à conclusão de que, levando em consideração que a baixa dos juros não alavancou a economia do País, quem sabe, agora, com a adoção da prática da elevação dos juros, ela possa apresentar substancial melhora. Baseado nessa premissa, tendo como instrumento cálculos diferenciais, exponenciais e logarítmicos, já deve estar a elaborar uma otimista previsão do PIB do Brasil para os anos de 2014 a 2017.

ROBERTO TWIASCHOR
rtwiaschor@uol.com.br
São Paulo

*
Teoria e prática

Partindo dos seguintes conceitos: teoria é quando se sabe tudo, mas nada dá certo, e prática é quando não se sabe nada, mas tudo dá certo... Então, o ministro Mantega conseguiu unir a teoria à prática: não sabe nada e nada dá certo.

CELSO VICENTE FIORINI
celsofiorini@ig.com.br
São Paulo 

*
Outra falácia

Que novidade o ministro da Fazenda e o Banco Central revelaram na sexta-feira: a inflação não deve convergir para o centro da meta (4,5%) em 2013! Nós e o mundo há tempos sabíamos disso... E cá pra nós, sr. Mantega, cravar 5,5% para o fechamento deste ano será mais uma falácia, pois já ninguém acredita na sua bola de cristal.

SÉRGIO DAFRÉ
sergio_dafre@hotmail.com
Jundiaí

*
Inflação

O sr. Alexandre Tombini, presidente do Banco Central, diz que "não existe hoje no País risco de descontrole da inflação". Não existe mesmo, porque a inflação é, em si, um descontrole.

EUCLIDES ROSSIGNOLI
euros@ig.com.br
Itatinga

*
Bye, bye, nova classe média

É fácil para o sr. Guido Mantega dizer que a inflação está controlada, uma vez que, como ministro, usufrui de todas as mordomias pagas com dinheiro do povo. Afinal, cartões corporativos existem para quê...?! Sugiro ao ministro que vá ao supermercado, faça uma lista de compras mensal com os preços e verá que em muito pouco tempo os parcos ganhos alcançados pela classe C serão engolidos pelas despesas consideradas básicas. E aí, adeus, carro, casa, geladeira, fogão, micro-ondas, etc.! Melhor segurar as contas públicas, porque a tendência é minguar a arrecadação.

BEATRIZ CAMPOS
beatriz.campos@uol.com.br
São Paulo

*
Palestra

Mantega deveria dar uma palestra cujo tema seria como acabar com a economia de um país em apenas dois anos.

VALDIR SAYEG
valdirsayeg@uol.com.br
São Paulo

*
Reforma ministerial

Que tal acabar com alguns ministérios inúteis?

ROBERT HALLER
robelisa1@terra.com.br
São Paulo

*
A CONCESSÃO DOS PORTOS

Era claro que a concessão de terminais para a iniciativa privada nos portos brasileiros redundaria em protestos de estivadores contra os planos do governo.  Não interessa a eles que as medidas visam a colocar em prática um novo programa de investimentos para o setor portuário, pretendendo o governo aplicar mais de R$ 54 bilhões até 2017 na ampliação e modernização da capacidade portuária. Afinal, a alteração das regras vai desmontar todo um esquema atrasado e corrupto implantado há muitas décadas pela estiva e comum a todos os portos brasileiros. Eles mesmo admitem que “as mudanças propostas pelo governo vão fragilizar as relações de trabalho da categoria”. Queixam-se eles, entretanto, de que tal medida está sendo imposta principalmente para beneficiar o empresário Eike Batista, já que sua assessoria jurídica redigiu diversos pontos da Medida Provisória 595/2012. Reclama o presidente do sindicato dos estivadores, Rodnei Oliveira da Silva: “Nossos sindicatos e federações, por sua vez, sequer foram ouvidos. Sabíamos da gestação da medida, mas apenas por alto. O governo simplesmente nos ignorou”. Será mesmo que Eike Batista, detentor de dois portos, continua com esta bola toda, sendo peixinho de Dilma tanto quanto foi de Lula? A ser verdade, qual a moeda de troca neste apadrinhamento, visto que nada se faz na política pelos belos olhos de alguém?

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com
São Paulo

*
GREVES

Funcionários dos portos de todo o Brasil anunciaram que entrariam em greve – e alguns de fato paralisaram. Sugiro que a “presidenta” Dilma mande chamar o ex-presidente Lula, até porque incentivar trabalhadores a fazerem greve foi a coisa que ele mais fez na vida.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com 
Jandaia do Sul (PR)

*
SOLUÇÃO URGENTE

A dura realidade dos altos custos para exportar nossos produtos é tarefa que governo tem de dar solução urgente, desatracando os portos da nossa Amazônia Azul, o mar que nos pertence. Sem isso veremos todos os esforços dos produtores e trabalhadores de produtos da pauta de exportação nacional, sendo em vão, face e essa face absurda de custos de nossos terminais portuários, que engessa nosso desenvolvimento econômico sustentado.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com 
Rio de Janeiro

*
PRIVATIZAR

A safra agrícola prevista é de grande volume. Esta é fruto do excelente trabalho dos agricultores e das empresas do setor. Enfim, é fruto da competência da iniciativa privada (Estadão, 12/2, A3). Sérios problemas de armazenamento, transportes e portos, iniciativas de infraestrutura e de responsabilidade predominantemente governamental, têm prenúncios de sérios problemas. Neste país o que não funciona são os governos, em seus três níveis, federal, estadual, municipal. Para o Brasil não parar, é bom privatizar.

Mário Rubens Costa costamar31@terra.com.br 
Campinas

*
PENSANDO NO BRASIL

Quando vejo ambições partidárias e pessoais de poder, o que é compreensível, pergunto-me se, em algum momento, um partido realmente preparou projeto que pensasse, prioritariamente, o País. Vejamos o governo atual, e a intenção da reeleição da presidente Dilma Rousseff. Depois de dois anos com crescimento medíocre da economia, cercada de ministros em geral fracos para a função que ocupam, problemas de infraestrutura que vão da saúde à segurança, de portos a aeroportos, de estradas às ferrovias, ela realmente se julga a melhor opção para o Brasil? Não digo para imitar o papa, mas que se avalie com honestidade e humildade, e desista da reeleição. Claro, utopia, infelizmente.

André C. Frohnknecht anchar.fro@hotmail.com 
São Paulo

*
MERCADO DE TRABALHO

Enquanto o PT festeja na quaresma 10 anos no poder da República, sabe lá por que, a criação de apenas 29 mil empregos (dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) em janeiro de 2013 representa uma queda desesperadora de 75,6% com relação ao mesmo período de 2012, que foi de 118.895 novas vagas. Se o PT da Dilma continuar sua festança de incompetência, e não parar para fazer um balanço que corrija os graves equívocos que estão cometendo na condução do nosso quadro macroeconômico, certamente, com a inflação em alta, e com o baixíssimo nível de investimentos que vem ocorrendo, o desemprego deve aumentar em 2013. E não foi por a falta de aviso que chegamos a essa penumbra administrativa! Todos os analistas já vinham prevendo há dois anos que a nossa economia estava em franca desaceleração.  E em consequência é bom lembrar a turma do Palácio do Planalto, que a não geração adequada de empregos não reelege ninguém nas urnas. E os fatos estão aí! Se em 2010 foram criados 2,52 milhões de postos de trabalho, já em 2011 foi menor com 1,9 milhão, e 2012 despencou para 1,3 milhão. E, em 2013, o que poderemos esperar?!  Talvez pela angústia dos maus resultados, e possível prisão dos mensaleiros neste ano, é mais provável que a tropa do PT, ataque a imprensa, a elite, a oposição, e lance mais um sem números de projetos sem pé sem cabeça, que só tem servido para afastar mais ainda os investidores, e a perspectiva de crescimento...  

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com
São Carlos

*
INFLAÇÃO

Guido Mantega, ministro da Fazenda, informou em teleconferência com jornalistas e analistas que “vê inflação de 5,5% este ano” no Brasil. Ou seja, fica dessa forma comprovado que, além de todos os problemas nele diagnosticados, ele tem uma mais grave ainda: a falta de visão.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br 
São Paulo

*
ENIGMÁTICOS

A economia brasileira está se tornando um enigma, diz o jornal britânico “Financial Times”.  E não é sem razão. Os CEOs, sigla em inglês de, “Confusos Enigmáticos Diretores”, Guido Mantega e Alexandre Tombini, vivem dando trombadas: um diz uma coisa, em seguida vem o outro e contradiz e nessas trombadas, e as vítimas são os empresários e investidores, que não sabem que rumo tomar, e por tabela, nós, os eternos prejudicados. O mercado passou a apostar na alta da Selic, com base em declarações do ministro Mantega de que a taxa básica poderia ser usada para controle da inflação. Semana passada, Alexandre Tombini, na tentativa de clarear os ruídos, negou riscos de descontrole inflacionário e reiterou que ainda é válida a estratégia de manter a Selic, inalterada. Acrescentou que, quando as projeções internas do Banco Central mostrarem a inflação acima da meta, a Selic poderá subir, ou seja, só não subiu ainda porque são cabeças duras e obedecem rigorosamente à “presidenta” Dilma, pois o índice inflacionário há muito tempo beira as nuvens. Por mais que tentem disfarçar a subserviência à presidente, para nós está clara demais.

Sérgio Dafré Sergio_dafre@hotmail.com 
Jundiaí

*
REDUÇÃO NA CONTA DE LUZ 

Como cidadão comum, e depois de ler tantas análises – que mais pareciam vaidades políticas – a respeito da redução na conta de luz, finalmente a minha conta de fevereiro chegou com uma redução de 16,3%. Como o meu partido é o Brasil, envio os meus parabéns à presidente Dilma.

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com
Campinas

*
SEM LUZ

Na terça-feira (19/2), por volta das 13 horas, passei pela lotérica do bairro, o proprietário e funcionários sem poder fazer nada. Estavam sem luz desde o dia anterior e ainda na quinta-feira (21/2) às 16 horas, ultrapassando mais de 48 horas sem energia e no escuro. Como fica esse tipo de comércio que para funcionar a energia elétrica é indispensável? E assim tantas outras atividades... O País estagnado e sem energia onde vamos parar? Mas nas propagandas enganosas não é o que mostram, tudo funciona às mil maravilhas. Como é possível enganar a tantos brasileiros? É deplorável! Diante da situação, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) deve multar a AES-Eletropaulo, quando na realidade deveria obrigar essa concessionária indenizar as empresas e pessoas que assumiram os prejuízos. Enquanto i$$o o “assistencialismo” torna-se a maneira mais vil e barata de compra de votos, até que o Ministério Público, ou o Judiciário ou a Ordem dos Advogados do Brasil denunciem trata-se de um crime de estelionato eleitoral. A impunidade vai continuar propiciando e prestigiando o ilícito e o ilegal?
 
Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br 
São Paulo

*
BANCOS OFICIAIS

Recordo-me de que no início da gestão Dilma, o presidente do Banco do Brasil foi demitido por preocupar-se com o lucro do banco (empresa de capital aberto) sob a alegação de que banco oficial “não era para dar lucro”.  Entretanto vemos hoje noticias com grande destaque do enorme lucro obtido pelo Banco do Brasil e pela Caixa Econômica Federal. Esses bancos não se importam com a inadimplência futura, pois prejuízos decorrentes da facilidade de credito serão cobertos pelo governo com nosso dinheiro.

Fabio Duarte de Araujo fabionyube@visualbyte.com.br 
São Paulo

*
FORÇA ESTRANHA

A revista The Economist classificou de “zumbis” os políticos brasileiros. Faz sentido, pois zumbi é um morto-vivo, uma pessoa que morreu e ressuscitou, que geralmente possui espírito maligno, agindo através de forças sobrenaturais, as mesmas que o fizeram voltar do mundo dos mortos. Renan é bom exemplo disso, pois não voltou? Essas “forças sobrenaturais”, no caso em questão, vão de Sarney a Temer, encontrando-se com Lula e, não tem como, com Dilma. A própria revista enfatizou o fato de ela ter aceitado a candidatura de Renan Calheiros depois de ter sido rígida na punição de ministros envolvidos com corrupção. Acho que os editores deste artigo britânico ainda desconhecem que Dilma está trazendo de volta estes ministros que eles “pensam” que ela puniu. Lupi e Nascimento are back, assombrando o cenário político! A “força sobrenatural” chamada Dilma os está trazendo do mundo dos mortos, para onde eles foram só de mentirinha. Afinal, toda esta encenação de “manda-embora” faz parte da construção da aura de austeridade de nossa presidente, aquela que não aceita “malfeitos”. Mas só de mentirinha!

Myrian Macedo myrian.macedo@uol.com.br 
São Paulo

*
UM PRETENSIOSO DONO DO BRASIL

Jactancioso como é de sua natureza, o ex-presidente Lula apregoa como favas contadas a reeleição de Dilma Rousseff. Isso poderá ocorrer, se o povo brasileiro insistir no masoquismo de ter a maioria das licitações públicas glosadas pelo Tribunal de Contas da União e obras apregoadas como fundamentais paralisadas; em consequência, a infraestrutura do país um conjunto de tristes sucatas; o estado aparelhado pelas estrelas vermelhas e seus parceiros que representam a antiga velhacaria do país; uma sexta economia do mundo cuja metade dos lares não tem saneamento básico e a outra de baixa qualidade; que não tem portos e aeroportos adequados e uma metrópole – São Paulo – tão amada por seus filhos, que suporta a nação, mas também os problemas mais sérios de todos os conglomerados urbanos do mundo. E um país sem educação e saúde. 
 
Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br 
São Paulo

*
2014 JÁ ESTÁ NA PAUTA DOS POLÍTICOS 
Faltando pouco mais de 20 meses para o primeiro turno das eleições de 2014, em ato de comemoração dos 33 anos do PT, e pelos 10 anos no comando do país, em discurso previamente programado para não chamar a atenção da justiça eleitoral, ligeiro que é o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sem querer querendo resolveu lançar a candidatura da presidente Dilma Rousseff a reeleição como fez em sua primeira campanha. Em contra partida o pré-candidato tucano Aécio Neves, usou a tribuna do Senado, afirmando que Dilma não cumpriu com suas principais promessas de campanha que fez em 2010 e ainda acusou a presidente de governar “sob a lógica da reeleição”, primeiro com o anúncio pela rede nacional de TV, da redução nas contas de energia. Já o padrinho político da presidente “Sor Lula” que pensa ser um semi Deus e dono do voto dos brasileiros, lançou a bravata de intimidação desafiando a oposição a "juntar quem quiser", que mesmo assim não saíra vencedor das urnas em 2014, esquecendo-se que o amanhã a Deus pertence e até lá muita água vai rolar por debaixo da ponte. Hoje por exemplo, não consigo enxergar nada de positivo no governo Dilma que mereça sua reeleição. A economia do país está patinando com o pífio crescimento do PIB por volta de 1% em 2012, a inflação já começa a se mostrar intermitente sem condições de ser controlada no curto prazo pela atual política de juros implantada pelo governo. O senador mineiro Aécio Neves fez bem ao listar os "13 maiores fracassos" do PT nos 10 anos de desgoverno petista a frente do Palácio do Planalto. Já o governador de Pernambuco e presidente nacional do "PSB" Eduardo Campos resolveu ficar na moita não participando da festa petista que contou com a presença dos mensaleiros condenados a prisão pelo Supremo Tribunal Federal (STF), cumprindo agenda em seu estado, deixando os petistas com a pulga atrás da orelha sobre qual será a posição de Campos nos próximos meses que antecede a 2014. O fato que deve ser levado em conta em toda essa comemoração pelos petistas é algo que só eles enxergam, já que estamos bem próximos de ver novamente de volta o "monstro" da inflação asfixiada no País pela má gestão da presidente e de seus ministros, que está levando a maior empresa brasileira, a Petrobrás, ao derretimento a cada dia, enquanto petistas e tucanos debatem quem "descobriu" o Brasil, se mister Lula ou o sociólogo FHC, enquanto Eduardo Campos e Marina Silva ainda sem partido vão pavimentando suas candidaturas, o que poderá botar água no chope de Dilma e Aécio. Porém, é cedo para saber o que vai acontecer com o xadrez político nos próximos meses. Do jeito que as coisas andam na economia do país, duvido que a popularidade de Dilma vai se manter como esta. Sua popularidade vai depender do bolso dos brasileiros como vai estar em outubro de 2014. Inflação em alta, desemprego, o País decrescendo, não tem Lula ou um bom marqueteiro que faça milagre, nem Jesus. Quem viver verá! Tem pessoas que não aprendem nem mesmo com seus próprios erros, como diz o ditado popular. Quem vive de passado é museu, FHC é passado!       

Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com 
São Caetano do Sul

*
UNIÃO PARTIDÁRIA

Aécio Neves começa bem sua trajetória rumo ao planalto, adotando o incontestável legado de FHC e atacando duramente Lula/PT/Dilma. FHC é o tutor de Aécio. Barack Obama, na primeira eleição em 2008, seu tutor foi nada menos que o senador Edward Kennedy, já na reeleição Obama foi socorrido pelo ex-presidente Bill Clinton.  Kennedy e Clinton colocaram o Partido Democrata de joelhos e a serviço de Barack Obama. Fernando Henrique Cardoso tem de fazer o mesmo em relação a Aécio Neves. Se tiver alguma dúvida, é só ligar para o amigão Bill Clinton. 
  
José Francisco Pere França josefranciscof@uol.com.br 
Espírito Santo do Pinhal

*
QUANDO A CONTA CHEGAR
 
Há uma frase de Mikhail Gorbachev que Aécio Neves deve incluir em sua agenda: "Um estadista faz aquilo que pensa ser melhor para o seu país; um político faz aquilo que pensa ser melhor para sua reeleição”. Nesses dias de euforia petista, um balancete seria oportuno. Infelizmente, poucos percebem a correlação entre conjuntura internacional, China e crescimento dos países exportadores de commodities. Na nossa América, os santos milagrosos são os amigos dos irmãos Castro: Chávez, Lula, Morales, Mujica, Ortega e outros políticos populistas. Aqui, exemplos irretocáveis do moderno estilo de governar estão diariamente expostos nos jornais: partidarização de empresas estatais, participação de marqueteiros nos projetos e na montagem de discursos, projetos paternalistas sem contrapartidas. Uma dose amarga de realidade? Nem pensar.   
 
Helena Rodarte Costa Valente helenacv@uol.com.br 
Rio de Janeiro 

*
CONTESTAÇÃO

Que infelicidade do senador Lindbergh Farias (PT-RJ). Sua tentativa de desqualificar o discurso do senador Aécio Neves é a prova cabal de que ele e sua turma não sabem fazer política sem demagogia. Usam as palavras povo, gente, miséria, emprego com tanta facilidade porque falam apenas o que o povo quer ouvir e não o que precisa ser dito.Se era para rebater o discurso do senador Aécio, por que não contestou os 13 fracassos do PT? Falta lhe recursos ou é tudo verdade o que ele disse? Ou as duas coisas ao mesmo tempo? E por falar em sua turma, como está se sentindo, nobre senador, junto de Collor e Renan? A tinta que pintou sua cara em 1992 descolloriu?   Pobre Estado do Rio de Janeiro por sua representação.

Arnaldo Andrade a3arnaldo@gmail.com 
Viçosa

*
PT X PSDB

Como disse o candidato do nordeste à Presidência da República, Eduardo Campos, a rinha antiga entre PSDB e PT, não ajuda o Brasil e está anacrônica. Olhar para o passado não é mais objeto de discurso de candidaturas. O prematuro embate entre os dois maiores partidos, não ajuda o povo. Ao contrário, prejudica. Os debates e conclusões sobre os assuntos importantes, como o controle do inflação, os investimentos maciços na educação, em infraestrutura, dentre outros, ficam em segundo plano. A mudança de viés na cabeça dos governantes deverá ser o caminho do futuro. Os projetos de poder pelo poder, são nocivos. Os políticos deveriam preocupar-se com o povo simplesmente pelo seu sentido humanitário, patriótico, despojado e utópico. Trabalhar sem interesse pessoal, mas abnegado na busca pelo bem estar social, pela paz, sem corrupção e utilização de meios escusos. Como foi dito e escrito pelo papa João Paulo II, "o fim não justifica os meios". 

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com
Rio de Janeiro

*
BRASIL SEM MISÉRIA

Ao disponibilizar R$ 70,00 aos novos ex-miseráveis, o governo deveria orientá-los a destinar parte dos recursos para a poupança.
 
Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br
São Paulo

*
POR DECRETO

Por dilmo-decreto, R$ 70 tiram o homem da miséria. Mas não retiram a miséria do homem.
 
A.Fernandes standyball@hotmail.com 
São Paulo

*
PAÍS DAS MARAVILHAS

Para o governo, o Brasil já está sem miséria. A presidente Dilma diz que, pelo menos, a visível desapareceu. E isso tem sido comprovado, por exemplo, pelos aposentados e professores deste país que lá pelo dia 15 de cada mês veem seus míseros salários sumir. A campanha petista é boa, mas o Brasil ainda está bem longe de se tornar o país das maravilhas. E olha que a bolha ainda não estourou.
 
João Direnna joao_direnna@hotmail.com 
Niterói (RJ)

*
ABAIXO-ASSINADO SIMBÓLICO

Um milhão e seiscentas mil assinaturas pedindo o impeachment de Renan (E não foi mais porque eleitor não é sinônimo de leitor). O Estadão mostrou de fato fazer jus ao título de mais imparcial e independente instrumento jornalístico do Pais, ao ser o único (leio quatro jornais) a publicar a entrega do manifesto. Sabemos o quanto já vem lhe custando a imparcialidade. Parabéns! 

José Domingos Batista jbd.13@hotmail.com 
São Paulo

*
DESABAFOS EMOCIONAIS

O diálogo entre alguns manifestantes que foram ao Congresso entregar uma petição solicitando a cassação do senador Renan Calheiros foi muito sugestivo. Um parlamentar sugeriu que esse pessoal saísse às ruas. A resposta foi imediata, ou seja, esta é uma prática adotada em vários países. A conclusão, portanto, é que não haverá mobilização, mas apenas desabafos emocionais. E mais, afastado o Renan do cargo para o qual foi eleito, ele continua com o senador? Não é mais fácil acompanhar seu trabalho com o devido rigor, exigindo mudanças na sistemática da direção daquela casa de leis? É para pensar.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br 
Santos

*
GOLPE

Eu acredito que um golpe bem dado aconteceu no Brasil e quase ninguém percebeu. Havia um partido que era contra a corrupção, a CPMF, os juros altos, a perda do poder aquisitivo da aposentadoria. Queria o fim do que há de pior na política, abominando Sarney, Collor, Renan, Maluf. O povo acreditou e o elegeu. Só que forças ocultas puseram em seu lugar, sorrateiramente, os maiores corruptos e aliados desse atraso e vergonha do Congresso. Se aí estão aqueles contrários a toda a decência, onde estão os que se elegeram?

Vanderley Jordão vanjord@gmail.com 
São João da Boa Vista

*
PREFEITURAS PÓS-ELEIÇÃO

Segundo cálculos, aproximadamente 70% das prefeituras do Brasil tiveram seus bens sucateados e contas não pagas entre o resultado das eleições em outubro e a efetiva posse dos novos prefeitos e vereadores em janeiro de 2013. Acredito que a legislação eleitoral deveria empossar novos prefeitos e vereadores imediatamente após a divulgação dos resultados, impedindo que tais desrespeitos ao patrimônio público aconteçam nas próximas eleições por mera vingança política. É inconcebível que o cidadão tenha a obrigação de votar sem que hajam garantias ao novo administrador de receber uma cidade governável.         

Daniel Marques danielmarquesvgp@gmail.com 
Virginópolis (MG)               

*
INSPEÇÃO VEICULAR

Durante a última campanha eleitoral para a Prefeitura de São Paulo, o sr. Fernando Haddad colocou como ponto de honra de sua candidatura, a extinção da inspeção veicular, que é realizada na capital de São Paulo. Agora, já empossado como prefeito, está se dirigindo ao governador paulista, exigindo que se faça a inspeção veicular no interior. E quanto à inspeção em São Paulo, ele está se enrolando todo na confusão que armou procurando através de artifícios “mandrakes”, minorar sua falseta

Douglas Jorge douglasjorge23@yahoo.com.br 
São Paulo 

*
PROMESSAS

“Haddad pressiona Alckmin a criar inspeção veicular no Estado de São Paulo.” Só faltava essa! O prefeito Haddad que assuma o ônus (ou o bônus) pelas promessas de campanha. Agora, com pressão de todo lado, ele não sabe o que fazer e quer empurrar o desgaste político para o governador do PSDB. Haddad, deixe o governo estadual de lado e chame o “deus” chefe que tudo sabe, que tudo pode. Não tente fugir de suas promessas de campanha!

Éllis A. Oliveira elliscnh@hotmail.com 
Cunha

*
TAXA DE INSPEÇÃO

Quem deve para São Paulo não terá de volta taxa de inspeção (Estadão), declaração do Sr. Haddad, atual prefeito de São Paulo. Pergunto: E quem deve para o distinto funcionário público, que não recebe o que é devido (precatórios) desde a mais ou menos 15 a 20 anos? Como é que fica? A Prefeitura sabe cobrar, mas pagar o que deve...
 
Nabor Jose de Andrade Neto naborandrade@yahoo.com.br 
São Paulo

*
ANTES DE DESCONTROLAR

O prefeito de São Paulo declarou que a empresa que monopoliza a inspeção veicular é "caça-níquel". Estou farto de ver veículos, de todos os tamanhos, circulando sem faróis, soltando fumaça, pneus carecas, carcaça podre. Peço ao prefeito,  conforme prometido,  devolver os meus "níqueis", antes de me descontrolar com tanta incompetência.

Flavio Marcus Juliano opegapulhas@terra.com.br 
Santos

*
ESTRANHO

Muito embora não aceite a inspeção veicular da maneira e forma como está sendo conduzida, me causa muita estranheza a “atitude” do prefeito Haddad em relação à empresa Controlar. Qual seria a “razão” da tentativa de denunciar o contrato? Muito estranho!
 
Jose Roberto Marforio bobmarforio@gmail.com 
São Paulo

*
PARQUE DO IBIRAPUERA

Lamentável a forma como algumas mudanças têm sido feitas na gestão pública municipal. O parque mais importante da América Latina, cartão postal do paulistano, teve seu diretor exonerado de forma fria e impessoal, por publicação no Diário Oficial, sem considerar todo o competente trabalho que vinha desenvolvendo há oito anos nesse parque. Além da forma como essa ruptura se deu, desrespeitando o indivíduo, eu enquanto cidadão (e membro do CGPI – Conselho Gestor do Parque Ibirapuera), me sinto desrespeitado, sobretudo no dinheiro pago em impostos para benfeitorias de um valioso bem público – o Ibirapuera, refém de ordens e nomeações que não parecem embasadas em critérios técnicos. Obs.: apenas para lembrar dois fatos: 1) Foi na gestão Marta que foram instalados os conselhos gestores nos então 32 parques municipais. 2) Foi na gestão Serra que passou a ser pré-requisito para os administradores de parques terem formação em área ambiental ou similar.

Otávio V. de Freitas otaviovf@gmail.com 
São Paulo

*
A RENÚNCIA DO PAPA

A última é que Bento XVI renunciou por ter lido o resultado de uma investigação sobre a rede de prostituição gay no Vaticano. Pelo andar da carruagem, dentro em breve vão recomendar ao ex-papa que se aposente como auxiliar do pastor Silas Malafaia, da Igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo...

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br
São Paulo

*
A FORMAÇÃO ELOQUENTE DE BENTO XVI
 
Mais uma vez o papa Bento XVI e a Igreja Católica, mostram com sua eloquente ação, que com exemplo que tem muito a ensinar a sociedade, sobretudo a sociedade moderna. O Romano Pontífice, mostrou que diferente do que o mundo prega sobre a Igreja, ela ainda é Mater et Magistra, e com ela podemos aprender e muito. O papa Bento XVI, além de grande intelectual dos nossos tempos, se mostra como "um humilde trabalhador da vinha do Senhor", como ele mesmo se intitulara por ocasião de sua primeira saudação ao mundo após o conclave de 2005. Um homem que ocupara um dos "cargos" mais importantes do mundo abdicou de todo “prestígio” que lhe era reservado e deixa um grande legado de humildade, e surpreende o mundo com sua decisão. Fez calar a boca de muitos críticos que diziam que seu serviço no pontificado de João Paulo II, era só uma ambição de chegar ao "poder". O "humilde trabalhador da vinha do Senhor", com sua atitude sóbria de renunciar ao ofício de Servus servorum Dei, mostrou que só queria servir a Deus na sua Igreja. Fez de tudo para melhorá-la, incentivou o amor caritativo, pregou em sua primeira encíclica Deus caritas est, que só queria difundir ainda mais o amor de Deus entre os homens. O serviço que Bento XVI prestou a Igreja foi extraordinário e vai ainda surtir muitos efeitos espirituais para a herança do sangue de Cristo. Contribuiu para acordos de paz, diálogo inter-religioso, propôs liberdade religiosa, defendeu a dignidade da família humana, tentou até libertar os católicos chineses da mão de ferro de seu governo. Enfim, esse papa, com todos os seus feitos, já entrou para a história. Obrigado, Bento XVI! Sua Santidade vai deixar saudades!
 
Frei Marcelo Amaral de Aquino marcelo_am81@yahoo.com.br
São Paulo

*
EM NOME DE DEUS

Queiram ou não, os católicos apostólicos romanos têm de reconhecer que estava mais do que na hora de acabar com a bandalheira feita por boa parte mas boa parte mesmo desses malandros que até agora se intitularam padres, bispos ou mesmo cardeais com práticas homossexuais e outros modalidades de libertinagem que muito provavelmente se arrastam por milênios. Certamente não foi diferente no meio das ditas religiosas com práticas idênticas e pior disso tudo sempre envolvendo jovens. É uma vergonha que boa parte dessa malandragem toda continue aí dando ordens e ditando normas de conduta. Tenho a lamentar que muitas famílias tiveram filhos vítimas dessa altíssima picaretagem travestida em moralidade e sempre em nome de Deus. Estava realmente mais do que na hora de trazer isso tudo à luz dos fatos dessa que é uma dura realidade. O pior disso tudo, é que conforme o novo Papa a ser eleito, tudo será encoberto novamente e a lei do silêncio será novamente imposta. Como disse certo pensador, “tudo precisa ser mudado para as coisas ficarem como estão”. 
 
José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br 
Avanhandava

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos Leitores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.