Fórum dos Leitores

Atualizado às 6h12.

O Estado de S.Paulo

27 Fevereiro 2013 | 02h07

SUCESSÃO PRESIDENCIAL

A hora da verdade

Duas ótimas notícias encerradas numa só. Fernando Henrique Cardoso está de volta, com sua competência, sua respeitabilidade e seu magnetismo, apoiando e disposto a fazer campanha para o candidato do PSDB em 2014, e o partido finalmente exaltará seus feitos, seus mandatos. As baboseiras e a ladainha da "herança maldita", repetidas à exaustão sem se firmarem como uma nova verdade, serão desmentidas e o Brasil retomará o rumo do desenvolvimento com responsabilidade e visão de futuro.

LUIZ NUSBAUM
lnusbaum@uol.com.br
São Paulo

*
FHC na campanha eleitoral

Será que desta vez o PSDB vai deixar FHC participar da campanha? Lembrem-se: em 2002 (José Serra), em 2006 (Geraldo Alckmin) e em 2010 (Serra de novo) FHC foi "esquecido" pelos candidatos tucanos. Destaque para 2010, quando Serra, além de ignorar o príncipe dos sociólogos, ainda elogiou Lula no jingle de campanha: "Depois de Lula, vem Zé". Ocorre o contrário com Lula: sua presença nos palanques é sempre disputada a tapa! Fatos, apenas fatos.

MAURICIO NARDI JR.
mauricionardi@hotmail.com 
São Paulo

*
O silêncio que constrangia

Finalmente Fernando Henrique desceu do muro. Ingratos são os oportunistas que se aproveitaram do "prato em que comeram". E não foi só a estabilidade monetária. Vejam a revolução na telefonia, trabalho do saudoso Sérgio Motta. O fator previdenciário, medida de austeridade, como todas as antipáticas ao povo, segurou a Previdência. A Lei de Responsabilidade Fiscal. E o segundo milagre brasileiro não foi calcado nessas medidas, mas proveio do carisma de um ser místico e de sua descendente mitológica, como se os governos participassem do reino do fantástico. Há tempos FHC e PSDB deviam ter assumido essa atitude, que agora vem em apoio da candidatura de Aécio Neves.

AMADEU R. GARRIDO DE PAULA
amadeugarridoadv@uol.com.br
São Paulo

*
Ingratidão

Curiosa a "descoberta" do ex-presidente FHC: "Dilma é ingrata e cospe no prato em que comeu". Estariam os tucanos tão embevecidos com a plumagem que não perceberam quando o vociferante Lula urrava contra todas as ações do governo anterior que propiciaram ao dele sair-se bem, com a estabilidade econômica do País? Dona Dilma Rousseff, a criatura, apenas repete seu criador, obedecendo às ordens emanadas de quem detém o poder de fato e não faz questão de disfarçar. Será que a oposição saiu do coma? Por que tão tarde, propiciando o crescimento dessa cobra voraz e letal de nome PT?

APARECIDA DILEIDE GAZIOLLA
rubishara@uol.com.br
São Bernardo do Campo

*
Linguagem que o PT entende

"Dilma cospe no prato em que comeu!" Finalmente, e já não era sem tempo, alguém da oposição usa a linguagem que o PT e sua trupe de fanáticos, "boquinheiros" e bufarinheiros entende. A linguagem abrupta, clara, contundente. A que vai na medalhinha. Se o PSDB quer ser bem-sucedido na desconstrução do império da mentira erguido pela rede de "blogueiros sujos", internautas a soldo, revistas, jornais, rádios e TVs clientes de outro tipo de mensalão propiciado por Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal, tem de usar esse tipo de comunicação. Cada aleivosia da "presidenta", do presidente "da presidenta", dos tresloucados dirigentes petistas, dos órgãos de imprensa da quinta-coluna petista, dos vendilhões peemedebistas tem de ser rebatida nesse tom. O tom que o povão entende. Não aquele nhenhenhém de almofadinha que amarela a todo instante.

ALEXANDRE DE M. MARQUES
ammarques@uol.com.br
São Paulo

*
Apropriação indevida 

Tomar para si o que é de outros ou se atribuir a criação de terceiros é, no mínimo, desleal e antiético. Mentir, usurpar, apropriar-se indevidamente, porém, são as especialidades do PT, que credita a seus filiados tudo de bom que só foi possível fazer nos seus dez anos de governo por terem sido mantidas a estabilidade da moeda e as bases macroeconômicas do governo FHC, as quais contrariavam frontalmente a política econômica defendida pelos petistas desde a sua criação. Dilma Rousseff, ao negar a herança bendita que recebeu de FHC, dizendo que nada recebeu dos governos tucanos, além de ingrata, falta com a verdade histórica e se apropria indevidamente de méritos que definitivamente não podem ser creditados ao seu partido. Que coisa feia, dona Dilma!

ANA MARIA CARMELINI
anacarmelini@yahoo.com.br 
São Paulo

*
Terra arrasada

O tempo passa e Dilma continua fazendo declarações infelizes que demonstram sua falta de humildade e a cultura do PT: "Não herdamos nada, construímos tudo". É lamentável, pois quem acompanha a realidade do Brasil sabe que, na verdade, o PT "destruiu", principalmente na economia, o que foi construído no governo de FHC. O PT está sucateando a indústria nacional, não oferecendo condições, com raríssimas exceções, para que tenha competitividade exigida pelo mercado mundial. A continuarmos nesse ritmo, logo chegaremos à falência total.

LAERT PINTO BARBOSA
laert_barbosa@ig.com.br
São Paulo

*
Toque de Sadim

Quando assumiu, o Brasil estava bombando. Quebrou a Petrobrás, afundou a plataforma, acabou com o etanol, açucarou o pré-sal, reduziu o PIB, sucateou a indústria, anulou o Congresso, a inflação voltou e agora a Vale dá prejuízo. Não há mais dúvidas: Lula tem o toque de Sadim. O Timão que se cuide...

GILBERTO DIB
gilberto@dib.com.br
São Paulo

*
ETANOL

Triste ironia

Reiteramos o relato da real situação do setor de fabricação industrial de etanol, ante o editorial desse conceituado jornal As usinas estão parando (25/2, A3), referente ao grave quadro em que se encontra o setor. Muito nos surpreende essa preocupante realidade, em que a falta de políticas governamentais contrasta com ações e opiniões ressaltadas em administrações passadas, quando o mundo buscava alternativas energéticas mais limpas e a voz de um presidente da República se fazia ouvir, chamando a si a responsabilidade, como voz ativa e institucional, na defesa do etanol como matriz menos poluente. Uma triste ironia, em que pese também o emprego de milhões de trabalhadores, junto ao desenvolvimento social e econômico da Nação. 

SÉRGIO LUIZ LEITE, presidente da Federação dos Trabalhadores 
nas Indústrias Químicas e Farmacêuticas do Estado de São Paulo (Fequimfar)
sergio@fequimfar.org.br
São Paulo

*
QUANTO MAIS FICHA SUJA, MAIS PRESTÍGIO

Se, depois de todas as denúncias envolvendo Renan Calheiros e Henrique Alves, presidentes do Senado e da Câmara, respectivamente, eles foram eleitos por seus pares, seria hilário perguntar o que vai acontecer com Gabriel Chalita, que está sendo acusado de ter recebido R$ 50 milhões em propina. A imprensa incansável noticia os desmandos, a corrupção que corre solta neste país. A presidente Dilma Rousseff, que no seu discurso de posse passou a imagem de quem não toleraria a sujeira, está hoje refém da negociata a que se prestou para ser a mandatária do País. Não dá um passo sem que seu guru lhe diga o que fazer. Peguem suas fichas e apostem: quanto mais a ficha é suja, mais os sujeitos têm prestígio e conseguem cargos de alto comando. Pobre Brasil! A politicalha brasileira chegou ao fundo do poço.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com 
São Paulo

*
RUMO À ESPLANADA

Será que a presidente Dilma cumprirá a promessa de presentear Gabriel Chalita (PMDB-SP) com um Ministério, mesmo após as denúncias graves que recaem atualmente sobre ele? Com base na tão alardeada “presunção de inocência”, é bem possível que Chalita seja agraciado com uma pasta, pois neste país da impunidade tudo é possível quando o assunto é favorecer o governo. É ver para crer.
 
Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br 
São Paulo

*
BOMBÁSTICO

Roberto Grobman, ex-assessor de Gabriel Chalita quando este era secretário da Educação de São Paulo, em entrevista ao Estadão, impressiona pelos detalhes de sua denúncia sobre atos de corrupção supostamente praticados pelo deputado do PMDB. Assim como o outro Roberto, o Jefferson, denunciou de forma cristalina o esquema do mensalão (e este se comprovou), Grobman relata com muita precisão que os desvios de recursos públicos por Chalita podem alcançar a milionária soma de R$ 50 milhões. E que a maior parte destes recursos era entregue em espécie, e em caixas, como se fossem de guitarras (para disfarçar) no seu apartamento. Ou, como o pagamento dos 25% de propina que solicitava sobre os contratos, era descontado também na reforma de sua residência, ou em suas viagens em aviões particulares de fornecedores e até com eletroeletrônicos, etc. Se comprovado mais este crime contra o erário – e o que se espera é que o Ministério Público urgentemente apure –, fica mais uma vez a certeza de que temos verdadeiras máfias dentro das nossas instituições. E Gabriel Chalita, político, escritor, cristão, apresentador de TV, com pinta de bom moço, está fadado a ser mais uma decepção como homem público, e exemplar, entre tantos outros, à altura de um Zé Dirceu, chefe da quadrilha condenada pelo mensalão; e de um Demóstenes Torres, que enganou muito bem até quando pôde o Brasil, como um opositor implacável, e competente no Senado...  E a sociedade, mais uma vez enganada, porque apostava em nomes como os citados, que um dia poderiam nos representar com dignidade até no Palácio do Planalto. Chalita vai precisar ser muito convincente e até fazer uma acareação com o seu acusador, ao que já se dispôs, para amenizar esta desilusão de seu eleitorado. 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com
São Carlos

*
O MUQUE DE CHALITA

Para que o analista Roberto Grobman acuse Chalita de ter cobrado cerca de R$ 50 milhões (milhões!) de propina é porque deve estar municiado de provas, é claro. E quando Chalita nega e diz não haver provas do que Grobman afirma, está apenas empurrando o tempo com a barriga, enquanto seus advogados se armam com alguma estratégia legal que tente desqualificar as provas que ainda nem foram apresentadas. É um jogo de gato e rato, mas espero que sirva para derreter a aparente musculatura política de Chalita, que, convenhamos, precisou do “suplemento protéico” do PMDB para mostrar um ligeiro muque. 

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com
São Paulo

*
VIROU MODA?

Até o educado e delicado ex-secretário de Educação de São Paulo (2202-2006), ex-candidato a prefeito de São Paulo (2012), Gabriel Chalita (PMDB) – escritor, advogado, professor –, passa a ser manchete de jornal, envolvido em “modesta” falcatrua de R$ 50 milhões. A acusação quem faz é o analista de sistemas Roberto Grobman. E agora? Que audácia... Deve ser perseguição política, injúria ou difamação. Será? Pasmem, até o governador paulista diz ter “confiança absoluta” no dito cujo. É ruim. Não foi o PT que inventou a corrupção, mas com certeza a disseminou em grande escala, fez virar moda e rotina de políticos e nos órgãos públicos. Não há quem suporte e aguente tanta falta de ética, honestidade e moralidade.
 
Maria Teresa Amaral mteresa0409@2me.com.br 
São Paulo

*
CORRUPÇÃO

O noticiário que se atualiza em comentários sobre religião pela renúncia do papa Bento XVI nos faz recordar a época distante, quando John Wesley, teólogo e pastor protestante, afirmou: “A escravidão é a soma de todas as infâmias”. Agora, em nossa mordente realidade política, resta-nos protestar: “A corrupção é a somatória de todas as infâmias”.

Fernando Averbach reginalili@yahoo.com 
São Paulo

*
RESPONSABILIDADES
 
Como cidadão brasileiro, exijo maior respeito ao controle e fiscalização de qualidade nas aprovações de contas públicas, nos Estados e no federal, pois alguém tem de ser condenado pelas irregularidades constantes. Nem aos tribunais poderiam ficar isentos das constantes corrupções brasileiras.
 
Antonio de Souza D Agrella antoniodagrella@yahoo.com.br
São Paulo

*
CENSORES

As manifestações contra Renan Calheiros no fim de semana foram notícia em todos os jornais. O que nenhum mostrou foram os cartazes, nas mesmas manifestações, pedindo investigação e responsabilização de Lula, por seus inúmeros “malfeitos”, inclusive no mensalão. Não que fosse difícil registrá-los: as imagens são abundantes e espalham-se nas redes sociais. Quem diria! A própria imprensa, ameaçada pelo “controle da mídia”, censura uma manifestação popular contra Lula. Desta forma, pouco a pouco vão quebrando a espinha da opinião pública, colocando-a de joelhos, roubando a sua voz. Que imenso e terrível poder é este que Lula exerce sobre um setor importante do País, a ponto de torná-lo censores e mordaça do povo?

Maria Cristina R. Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com 
Florianópolis

*
A LIÇÃO DA IRONIA

Renan ironiza protestos: “Fiz muito isso quando era jovem”. Essa declaração serve de alerta para estes jovens idealistas que protestam contra a eleição de Renan à presidência do Senado, para que mantenham essa pureza de sentimentos, para que não trilhem caminhos obscuros e não se percam ao longo de sua vida, tentados pelo poder e pela riqueza fácil, obtidos sem ética e sem honestidade. Se Renan foi um deles num passado longínquo, resta aos jovens usarem esse exemplo negativo e fazer tudo de modo bem diferente, para não sofrerem algum dia o mesmo desprezo e a mesma rejeição que o senador sofre.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com 
Rio de Janeiro   

*
AUTOREPROVAÇÃO

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), afirmou que, se fosse estudante, também teria assinado manifesto pala saída dele próprio da presidência do Senado. Sr. Renan, quando um homem reprova a si próprio, se continuar exercendo suas atividades no Senado Federal, irá causar prejuízos não só ao País, como ao seu povo também...

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com 
Jandaia do Sul (PR)

*
TUMOR MALIGNO

Com o gasto de R$ 23 milhões por dia em 2013, equivalente ao de seis ministérios, o Congresso Nacional se assemelha a um tumor maligno, num estágio em que não cabe mais nenhum tipo de tratamento. E, o pior, apresenta sinais claros de metástase, evidenciados, por exemplo, pelos mais de 3 mil vetos que aguardam exame, alguns há mais de dez anos, pelo viciado processo de eleição, em votação secreta, para a liderança do Senado do Sr. Renan Calheiros e para a presidência da Câmara do Sr. Henrique Alves, nomes impregnados de forte rejeição manifestada – e ignorada em ambas as Casas – por parcela significativa da sociedade, pelos  espetáculos melancólicos exibidos nos vácuos de plenários já às quintas-feiras e pela torrente de apaniguados desqualificados, com salários de fazer inveja a muitos executivos da cadeia produtiva, sem falar das frequentes erupções de corrupção. Será que o povo, na esperança de um dia ver mudança nesse panorama, realmente acha que o voto é a sua arma?

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com
Rio de Janeiro

*
BNDES – LUCRO CAIU 93%

Depois da notícia de que o lucro do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) caiu mais de 90%, o que esperam o Tribunal de Contas da União (TCU), o Banco Central ou o órgão de competência para fazerem uma devassa naquele banco para descobrir para quais bueiros o lucro sumiu? Porque existem várias denúncias de que o BNDES só presta conta dos empréstimos feitos entre órgãos do governo. Já para os eventuais clientes privados dizem que existe necessidade de “sigilo”. Resta saber se empréstimos feitos a Cuba, Venezuela, Bolívia, Equador estão entre os sigilosos, porque todos esses países estão com os cofres totalmente vazios e, na hora do aperto, imaginem quem deverá receber o calote? Os “imperialistas brasileiros”, claro!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br 
São Paulo

*
BODES EXPIATÓRIOS

Até quando teremos de aceitar, suportar e conviver com esse atual governo totalmente corrupto, ineficaz e incapaz de administrar o País decentemente e honestamente, sem roubos, desvios, superfaturamentos, etc.? Basta ver as más indicações que causaram péssimas gestões na Eletrobrás e Petrobrás, que, junto com a LBR Lácteos, a maior companhia privada de laticínios do Brasil, estão sendo responsabilizadas pela queda vertiginosa e assombrosa no lucro do BNDESPar, de 93%.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br 
São Paulo

*
OPOSIÇÃO FRACA

No mais ousado ataque da oposição ao governo, Fernando Henrique Cardoso criou coragem e, depois de se reunir com seus advogados, ousou dizer que a presidente Dilma Rousseff é ingrata! Ele não se lembrou de criticá-la pelos tantos escândalos de corrupção do atual governo, pelos péssimos resultados econômicos, nada disso, apenas a chamou de ingrata. Ora, a situação, leia-se o PT, não irão titubear um instante em pulverizar a candidatura natimorta de Aécio Neves, que será bombardeado com a questão da sua dependência química. Ou seja, as próximas eleições não serão mais que uma farsa, um teatro para a reeleição do poste Dilma, que parece ser o que todos realmente querem, inclusive FHC e a dita oposição. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br 
São Paulo

*
ELOGIOS

As afirmações do ex-presidente Fernando Henrique mostram que o sociólogo ainda se julga merecedor de elogios pelo governo que fez. Por que, ao contrário de atacar os pronunciamentos da presidenta Dilma, ele e seu grupo não formulam propostas e planos de governo visando às próximas eleições? E mostram argumentos, como a situação do Estado de São Paulo, há 20 anos dirigido pelos tucanos?

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br 
Santos

*
CONVICÇÃO ZERO

Ao completar 80 anos de idade, em 2011, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso recebeu uma carta repleta de elogios de Dilma Rousseff. Nela, Dilma afirmava que FHC foi “o ministro-arquiteto de um plano duradouro de saída da hiperinflação e o presidente que contribuiu decisivamente para a consolidação da estabilidade econômica”. Pois quase dois anos mais tarde, em festa organizada pelo PT, a mesma Dilma disse, com todas as letras, que seu governo e o do seu antecessor “não herdou nada; nós construímos”. Cabem duas perguntas: qual Dilma estava sendo realmente sincera e qual o motivo de duas versões diferentes para um mesmo assunto? Aliás, a presidente tem amplo histórico sobre opiniões conflituosas: antes de virar candidata ao Executivo, era abertamente favorável à legalização do aborto; em 2010, de repente, virou contrária à tese. Isso é que é convicção!
 
Henrique Brigatte hbrigatte@yahoo.com.br 
Pindamonhangaba

*
FHC E O PT

Assino embaixo das palavras do ex-presidente FHC em relação ao PT, que até agora só mostrou força na corrupção. Podemos encher o peito e dizer nunca antes neste país um governo foi tão corrupto e envolveu tanta gente, que talvez até fosse honesta, mas foi engolida pelo tsunami do poder pelo poder. Não nos podemos esquecer dos R$ 153 milhões nunca. Realmente, o PT pegou o bonde do FHC e fez sucesso em alguns setores, mas graças também ao aspecto global. Mas, em matéria de ingratidão, realmente o PT só quer ver o seu, e os outros que se explodam. Até com Maluf, Collor e outros, que sempre foram eminências pardas para eles, viraram “cumpanheiros”. Então que o PT faça uma reflexão e pare de chutar todos os outros.

Antonio Jose G. Marques a.jose@uol.com.br 
São Paulo

*
O DEBATE DO SÉCULO

O debate político entre FHC e Lula seria o debate político do século no Brasil. Com toda certeza, apenas um dia não seria suficiente para abordar todos os assuntos, portanto sugiro um debate por mês, até outubro de 2014, nos mesmos moldes do Roda Viva, da TV Cultura: vários jornalistas fazendo perguntas para os dois entrevistados e avaliando a veracidade das respostas, sem pirotecnia e marqueteiros políticos.

Vagner Ricciardi vbricci@estadao.com.br 
São Vicente 

*
ACONTECE DE TUDO!

Segundo FHC, Dilma cospe no prato que comeu. O todo ético cristão e ex-secretário Chalita recebe R$ 5 milhões em caixas de papelão, o número de latrocínios e estupros dispara e, agora, pergunto: o que mais falta acontecer em São Paulo, quiçá no Brasil?
 
Luiz Felipe Dias Farah felipefarah@gmail.com
São Paulo

*
CAMPANHA PRESIDENCIAL

Tenho ouvido alguns comentários sobre a precocidade do início da corrida presidencial para 2018.  Nos últimos três pleitos para presidente, em nome da ética e dos bons costumes e de vaidades particulares, o PSDB, foi demasiadamente lento para entrar na disputa e deu no que deu; vitória dos petralhas. É público e notório que o PT, desde que assumiu em 2003 está sempre em campanha, só o que faz é política eleitoreira visando à manutenção do poder e com discursos demagogos, oportunistas e mentirosos tem conseguido seus objetivos. Portanto, é bem vindo o engajamento já, do ex-presidente Fernando Henrique na campanha de Aécio Neves, para a presidência.  Estadista culto e honesto, verdadeiro pai dos pobres, foi em seu governo que os mais necessitados voltaram a ter direito a frequentar supermercados sem o assombro da inflação, que assolou nosso País por longos anos, com a criação do bem sucedido Plano Real. Feito, jamais reconhecido por Lula e tão pouco pela atual mandatária, Dilma Rousseff, que prefere dar ouvidos às bravatas de seu “adjunto” e padrinho político. Claro, o domínio popular, mesmo que ilusório tem que ser conquistado a qualquer custo, mesmo que este peso recaia uma vez mais sobre os eternos enganados.  O crédulo eleitor. 

Sérgio Dafré Sergio_dafre@hotmail.com 
Jundiaí

*
DILeMA

Do jeito que a coisa anda, com o Lula e o PT abrindo a campanha eleitoral de 2014 já no segundo mês de 2013, ou a presidente Dilma inaugura o Ministério da Caça (já que o Ministério da Pesca sempre foi moeda da barganha) ou entrega a indicação do 11.º ministro do STF a um dos partidos insatisfeitos da base aliada. Se estava ruim, aguardem, que vai piorar com o passar dos meses.

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com 
São Paulo 

*
A TRAGÉDIA EM ORURO

As regras e julgamentos relativos ao futebol parecem seguir uma lógica paralela ao mundo real. Se um bandido explode um caixa eletrônico com dinamite, o banco fecha as portas e seus clientes são impedidos de utilizar suas contas? Essa parece ser a lógica da Confederação Sul-Americana de Futebol (Comenbol), que não puniu os responsáveis diretos pela segurança no estádio de Oruro, que permitiram a entrada de artefatos proibidos, mas puniu um clube de futebol visitante, que não era responsável direto pela vida de cidadãos de um país estrangeiro. Além disso, a cidade não satisfaz aos requisitos de conforto e segurança de jogos de futebol de nível de primeiro mundo. Esse sinalizadores e fogos de artifício, não sei bem por que, são permitidos nas praias, comemorações e festas de todo Brasil, livremente. Enfim, pensa-se que a justiça será feita afetando famílias, patrocinadores e pessoas inocentes, simplesmente fechando os portões do Pacaembu esta noite (quarta-feira). Ao invés de punir responsáveis pela tragédia em Oruro, começando pelos que vendem os artefatos até os que permitem sua utilização, opta-se por punir os torcedores de um time. A seguir essa linha, não penso mais em assisitir a jogos de futebol. Vai que a Comenbol me puna (novamente) por algo que não fiz. 
 
Denis Schaefer schaeferdenis@hotmail.com 
São Paulo 

*
DECISÃO INJUSTA
Sou, sim, com muito orgulho, corintiano de nascimento e de coração. Porém, achei injusta a atitude tomada pela Confederação Sul Americana de Futebol (Conmebol) de punir a equipe do Corinthians pela morte de um torcedor boliviano durante uma partida válida pela Copa Libertadores. No meu ponto de vista, se alguém tem de ser penalizado são o San José e a Conmebol, pois o mando de jogo, como também a revista dos torcedores, era de responsabilidade do San José e da Conmebol, e não do Corinthians, que jogou como visitante. Por decisão da Conmebol o timão jogará hoje sem a presença do seu 12.º jogador, que é sua fanática torcida, não a dos delinquentes e bandidos, mas a dos verdadeiros torcedores que ficarão fora do estádio. Que culpa tenho eu de não poder ir ao estádio por algo que não fiz? Quem incita ou prática violência, esse, sim, tem de pagar pelos seus erros. Quero, sim, como sempre fiz, ver o timão jogar ao vivo, e não pela TV.

Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com 
São Caetano do Sul

*
CULPA DE QUEM?

Foi uma tragédia a morte do menino Kevin, na Bolívia; lançador de um artefato, o menino brasileiro fanático expôs o Brasil a uma saia-justa nos noticiários, mas, voltando um pouco atrás, de quem é a culpa realmente, da segurança inexistente nos estádio de futebol? Então a culpa é de todos os envolvidos. E tem mais: quantos brasileiros morrem de overdose de cocaína vendida por este país, cuja receita de cocaína foi declarada como fonte de renda? Quanto ao time do Corinthians, acho que não deveria jogar até que se esclareça todo o episódio. Lembram-se do episódio de Santa Maria? Tudo é bem parecido.
 
Maria José da Fonseca fonsecamj@ig.com.br
São Paulo

*
JEITINHO

Interessante, para dizer o mínimo, a  “aparição” deste “di menor” para assumir a culpa pela morte do garoto boliviano. Existem algumas questões a serem abordadas: se o culpado é menor de idade – e, pela lei, todo menor precisa de autorização assinada pelos pais (ou responsáveis), com firma reconhecida, transferindo a guarda para alguém, esse alguém é responsável pelas atitudes e pelo comportamento da “crionça”. Onde está esse indivíduo? Por que também não é apresentado? Os argumentos do advogado de defesa se sustentarão, a despeito de toda a cortina de fumaça? A justiça boliviana vai aceitar essa encenação? Muito conveniente esse jeitinho, bem à brasileira, que nos envergonha!

Aparecida Dileide Gaziolla rubishara@uol.com.br 
São Bernardo do Campo

*
NA BOLÍVIA

O.k. O jovem responsável pela morte do torcedor boliviano apresentou-se. Pessoa de caráter. E quando o mesmo se apresentará às autoridades bolivianas? Tenho certeza de que seu advogado (isto é, do Corinthians) já está providenciando a viagem do jovem a La Paz. Afinal, como é “di menor”, pode ser que os irmãos bolivianos não aceitem as duras penas que ele poderá ser condenado, se julgado no Brasil. 

José Wilson Lopes jose.wilson.lopes@terra.com.br 
Garça

*
DUVIDEODÓ!

Será que os bolivianos vão acreditar nessa lorota que está sendo engendrada pela torcida organizada do Corinthians, ao ventilar a hipótese de apresentar como autor do disparo que matou um jovem torcedor adversário, durante a última partida internacional dos corintianos, na cidade de Oruro, na Bolívia? Só mesmo sendo “abestado” para aceitar como verdadeira essa cínica armação. Afinal, é estranho que só agora, quando não existem mais condições técnicas para executar exames periciais, e estar garantido pela frágil legislação brasileira, o tal “di menor” resolva assumir a culpa pelo ato criminoso praticado na Bolívia, o que faz parecer que tudo seja parte de uma sórdida estratégia, armada para “livrar a cara” de alguns coleguinhas que estão em poder da polícia boliviana. Será que os bolivianos vão engolir essa “conversa mole”? Duvideodó!

Júlio Ferreira julioferreira.net@gmail.com 
Recife

*
ADVOGADO DE QUEM, AFINAL?

A quem serve o defensor do menor supostamente envolvido no lamentável episódio em solo Boliviano?  À torcida organizada em si, aos 12 suspeitos ou ao menor (propositalmente relacionado por último)? Pertinente a leitura do artigo 18 do Código de Ética da Ordem dos Advogados, que diz:  “Sobrevindo conflitos de interesse entre seus constituintes, e não estando acordes os interessados, com a devida prudência e discernimento, optará o advogado por um dos mandatos, renunciando aos demais, resguardado o sigilo profissional”.

Guilherme Asta guilherme@asta.adv.br 
Barueri

*
INVESTIGAÇÃO

Nossos geniais “adevogados” encontraram uma saída, corriqueira aqui, provavelmente inédita na Bolívia: lançaram um menor como sendo o responsável pelo lançamento do sinalizador e morte do jovem boliviano. Ficamos anos e anos discutindo como acabar a violência e isso passa, necessariamente, pela extinção das facções organizadas. Discussões em vão. Peguemos este caso. Polícia Federal logo de cara. Algumas perguntas ao “di menor”: Trabalha? Quanto ganha? Faltou no trabalho quantos dias pelo amor ao timão? Quanto pagou para ir? Quem pagou? Onde comprou o sinalizador? Quanto custou (sabe-se que comprou 6)? O que gastou – viagem, alimentação, ingresso, sinalizador, etc. – é compatível com o que ganha (Receita Federal)? Aí verá se tem condições ou não. Se não tiver terá de explicar quem deu o dinheiro. Foi a mamãe? Investiguem-na! Foram os “manos da gaviões”? Investiguem-nos! Foi gente do Corinthians? Investiguem-no! Assim, Polícia Federal e Receita Federal, juntas, quebram o financeiro dessa facção. E de outras facções também. Uma vez investigado, que tenhamos um Judiciário forte que faça cumprir a lei e tirar de circulação essa corja. Senão continuaremos, como alguém um dia disse, no Brasil onde “até pena de morte se cumpre em regime semiaberto”. A meu ver, uma das únicas alternativas que nos resta.

Celso de Arruda celso0503@hotmail.com
São Paulo

*
PAÍS DO AVESSO

Um paradoxo confuso: normalmente os advogados fazem de tudo para provar a inocência de seus clientes, mesmo culpados, mas não no país do PT. Aqui, produzem um menor inimputável para assumir a culpa – no caso do garoto boliviano o advogado faz de tudo para seu cliente ser aceito como assassino. Pode? só mesmo no país dos petralhas, onde os errados estão certos.

Julio Jose de Melo julinho1952@hotmail.com 
Sete Lagoas (MG)

*
A FARSA DO SINALIZADOR

Para a farsa ficar completa, está faltando o mais famoso torcedor do time entrar em campo: “Ô cumpanhero Evo, que sinalizador? Que torcida? Que jogo? Vamu num sabê de nada cumpanhero”.

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br
São Paulo

*
CAMISA VERDE

No caso do “di menor”, nem a camisa “bate”: verde?!

Guto Pacheco daniguto@uol.com.br 
São Paulo

*
TORCIDA ORGANIZADA

Ficou até pior entregar o menor aqui, no Brasil, pois agora ficou patente a responsabilidade dos dirigentes da Gaviões em não fiscalizar e/ou orientar a torcida,  causando péssimo mal-estar mundial por este episódio horrendo e inusitado. Seria mais digno reconhecer suas falhas e oferecer uma indenização  elevada  e espontânea  aos pais e ao time San José, com um sincero pedido de perdão pela vida de um menino inocente que se foi,  infelizmente!

Maria Ines Ribeiro Bueno ignea44@nokiamail.com 
São Paulo

*
EUROPA – O FRACASSO DA AUSTERIDADE

As eleições na Itália apenas confirmaram o fracasso das políticas de austeridade adotadas na Europa após a crise econômica de 2008. Assim como acontece na Itália, a Espanha, Portugal, Grécia e outros países europeus vivem o drama do desemprego, da depressão econômica e adotaram equivocadamente políticas de austeridade que só pioraram e agravaram ainda mais a situação, que já é crítica. A Europa, como bem diz Paul Krugman, precisa investir no consumo e na produção, deve proteger os direitos sociais de seus cidadãos e erra feio ao insistir em políticas de austeridade fracassadas, que são boas para os banqueiros e donos do capital, mas péssimas para o povo.
 
Renato Khair renatokhair@uol.com.br
São Paulo

*
ELEIÇÃO NA ITÁLIA

Sou italiano e moro no Brasil há 15 anos. Sou leitor do Estadão e respeito profundamente o vosso jornal e o papel que desempenha neste Brasil. Mas o título e o teor da matéria “Sete milhões votam na ‘antipolítica’” (26/2, A11) destoam profundamente do porte de jornal sério e respeitado que é. Se antipolítica significa estar cansado, farto de décadas de roubalheiras, burocracia, ineficiências, cargas tributaria iníqua e tudo o que de “antigo” estiver na política, aí, sim, os 25% dos italianos votaram na antipolítica! Não façam o jogo da velha política: quem não é conosco é antipolítica, é desestabilização, é salto no escuro, etc. É como se amanhã, no Brasil, surgisse uma nova força agregadora de novos ideais, baseados na ética, honestidade, eficiência, e o Estado titulasse: “Os brasileiros votaram na antipolítica...”.

Nicola Santoro nicksant2@hotmail.com 
Rio de Janeiro

*
YOANI SÁNCHEZ

Uma mera cidadã cubana vem ao Brasil, armada apenas com suas ideias e sua voz, e é recebida entre nós, por alguns poucos (mas barulhentos e organizados, alguns destes poderosos), de forma abertamente hostil. Questiona-se quem financia suas viagens, como se o direito à associação e à liberdade de expressão fosse proibido. E ela é instada a falar sobre a prisão de cubanos em solo norte-americano e sobre o embargo econômico ao seu país, como se ela tivesse algo que ver com isso ou fosse do governo americano ou cubano, ou como contraponto ao simples fato de ela expor, destemida, algumas das mazelas de seu país, coisa que aqui podemos fazer normalmente. Por que ela causa tanto medo e ódio? Pena que a maioria silenciosa que concorda com ela não grite igualmente para que ela possa simplesmente falar (imitem o exemplo do senador Suplicy!). Pelo menos tudo isso foi bem didático. Deu corda a quem quis de forma voluntária se enforcar e serviu para que outros tantos morressem pela língua, passando uma baita vergonha. 

Luiz Augusto Módolo de Paula luaump@yahoo.com.br 
São Paulo

*
LIBERDADE DE EXPRESSÃO

A ridícula e indecente recepção que Yoani Sánchez teve desde que chegou ao País, por parte de integrantes de alguns movimentos ditos “sociais”, que parecem ter estacionado de vez em ideais politicamente paleolíticos, deve ter feito a blogueira se sentir “em casa”. Talvez tenha faltado a essa turba a chance de morar – e tentar se manifestar – em países como a extinta Alemanha Oriental, a Coreia do Norte ou mesmo Cuba, lugares de onde parecem ter vindo seus conceitos de liberdade de expressão.

Flávio Guimararães De Luca flaviolucca@bol.com.br 
Limeira

*
FALTA O QUE FAZER

As manifestações contra Yoani Sánchez terem sido maiores que as favoráveis tem uma explicação: os que são contra a jornalista cubana não precisam trabalhar.

Lucília Simões lulu.simoes@hotmail.com 
São Paulo

*
QUINTAL DE CUBA

Indignação, revolta e vergonha foi o que senti ao ver estampada na primeira página deste nosso heroico Estadão na edição de 22/2 as figuras de jovens protestando violentamente, como se fossem feras atiçadas dentro de suas jaulas. Tudo para prejudicar a pessoa de frágil estatura corpórea, porém grande de estatura moral e cívica, a cubana Yoani, única com fibra para denunciar, democraticamente, a ditadura dos irmãos Castro. Gostaria que essa moçada, travestida de palhaços, como de fato são, teleguiados pelo PT e pelo embaixador daquela ilha, dedicassem o tempo para protestar contra os desmandos, roubos, corrupções e unção no poder, de grandes trambiqueiros, como José Genoino, Zé Dirceu, João Paulo Cunha, Renan Calheiros, Henrique Alves e outros tantos. No passado se dizia que Cuba era o quintal dos EUA; hoje podemos dizer que, graças ao seu Lula, dona Dilma e outros petralhas mais, que o Brasil virou quintal de Cuba...

Ubiratan de Oliveira Uboss20@yahoo.com.br
São Paulo

*
DEFESA DA LIBERDADE

Dia 22 de fevereiro vocês fizeram uma capa maravilhosa: “Brasil se omitiu sobre direitos humanos em Cuba, diz Yoani”. Parabéns ao Estadão. Que bom que existe um veículo de comunicação com esta credibilidade que defende a liberdade de expressão, coisa que no Brasil é sistematicamente questionada pela incansável alcateia petista liderada pelo Sr. Rui Falcão. 

José Eduardo Gibello Pastore eduardopastore@pastoreadvogados.com.br
São Paulo

*
SEM NOÇÃO

A foto na 1ª página da edição de 22/2, dos manifestantes contra a blogueira Yoani Sánchez, mostra exatamente o inverso da realidade do povo cubano, ou seja: belos jovens, de boa aparência, bem trajados, todos de boca aberta (podendo protestar, se expressar livremente), com certeza não precisarão se prostituir por apenas um sabonete ou creme dental, não precisarão implorar por uma calça jeans a uma garota na rua, como pudemos testemunhar eu e minha esposa, em visita pela ilha. Com todo  respeito, meus queridos, vocês não sabem o que estão fazendo...

Mário Aldo Barnabé mariobarnabe@hotmail.com 
Indaiatuba

*
MEDO

O que será que os baderneiros temem tanto que Yoani Sánchez diga que não a deixaram falar?

Diva Azevedo Andrade Mazbouh, diva.am@uol.com.br
São Paulo

*
LIÇÕES

Quero agradecer a Yoani Sánchez a visita a nossa casa e as lições de civilidade, educação e tolerância que estão acima de qualquer figura e partido político, acima de qualquer ideologia. E peço perdão pelo comportamento de alguns dos nossos cidadãos que sabem falar, mas não sabem ouvir. E ficou claro que  esta surdez existe em qualquer setor e nível de nossa sociedade e é este comportamento que nos leva as guerras, as injustiças sociais e a má distribuição de renda e, enquanto existirem pessoas assim, existirão seres humanos que vivem na extrema miséria. Dois polos antagônicos que se completam.

Gislaine Perpetua Roberto gi.roberto@hotmail.com
São Paulo

*
SINTOMÁTICO
 
Na manifestação que impediu Yoani Sánchez de falar na Livraria Cultura, entre os adolescentes estava um  sorridente e vetusto senhor ostentando uma camiseta estampada com a fotografia de Stalin.
 
Rogerio Belda rbelda@terra.com.br 
São Paulo 

*
O SONHO DO COMUNISMO

A todos aqueles que protestaram durante a passagem de Yoani Sánchez no Brasil, sugiro que se mudem para os paraísos de Cuba, Venezuela, Irã, Coreia do Norte, etc. Nestes países vocês encontrarão o mundo encantado da ditadura nefasta do comunismo idealizado por Lula, por sua fiel escudeira e a sua quadrilha de mensaleiros e sanguessugas, verdadeiros inspiradores de suas ideias.
 
Ricardo A. Rocha rochaerocha@uol.com.br 
São Paulo

*
NOBEL A YOANI SÁNCHEZ

A luta da cubana Yoani Sánchez para libertar  seu povo das garras da  ditadura a credencia  ao Prêmio Nobel da Paz. Os protestos contra  ela são  mais do que patéticos, é falta de ocupação da turma do barulho (o que querem  os seguidores da ditadura  aqui e  em outras partes do mundo?). Os manifestantes deveriam  colocar sentido em sua vida, pensar   na  democracia, empunhar bandeiras e cartazes  contra a corrupção no Brasil e  lutar pela liberdade de expressão no mundo. Não existe  paz  sem a  livre  manifestação do pensamento. Yoani Sánchez merece ganhar o Nobel da Paz. Ela representa os oprimidos pela tirania.

Devanir Amâncio devaniramancio@ig.com.br
São Paulo

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos Leitores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.