Fórum dos Leitores

Atualizado às 6h31.

O Estado de S.Paulo

28 Fevereiro 2013 | 02h10

LULA X FHC

Contra-ataque do adjunto

Interessante: quando o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso resolve falar a verdade sobre os comentários da criatura, dizendo que o governo petista, e especialmente ela (a presidente Dilma Rousseff), cospe no prato em que comeu, o presidente adjunto, Lulla da Silva, resolve contra-atacar, exortando a que a deixem trabalhar. Ora, o adjunto se esquece dos movimentos orquestrados pelo PT logo após a posse do presidente Fernando Henrique, quando a companheirada saiu às ruas com o slogan "fora, FHC". Em seguida foram contra o Plano Real e torceram para não dar certo. Atacavam as privatizações e hoje são campeões nessa modalidade. Portanto, quando a pimenta está ardendo nos olhos dos outros, tudo muito bonito. Mas quando é nos seus próprios olhos, não é justo?! Fica aqui uma sugestão aos petistas: olhem para seus umbigos, sujos de corrupção e de erros em cima de erros, que estão levando o gigante Brasil à falência total de órgãos e à consequente morte do outrora "país do futuro".

OLAVO FORTES C. RODRIGUES
olavo_terceiro@hotmail.com
São Paulo

*
Ingratidão e amnésia

O sr. Luiz Inácio da Silva, com certeza, apagou da memória os excelentes conselhos do tucano Henrique Meirelles e a gritaria amotinadora do coro "fora, FHC". 

HELENA RODARTE C. VALENTE
helenacv@uol.com.br
Rio de Janeiro 

*
Ojeriza ao contraditório

No seu costumeiro léxico de botequim, Lulla aconselhou o ex-presidente FHC, o "pai da estabilidade", a deixar "a mulher trabalhar". Mais uma vez revela a ojeriza ao contraditório e à crítica, associada ao autoritarismo. Por que só elle pode falar? Espero que as críticas a FHC não o desestimulem a continuar desmascarando todo o retrocesso da estabilidade econômico-financeira, duramente conquistada em seu governo, causado pelos dez anos de incomPeTência no governo federal.

EDUARDO BIRAL
elbiral@ig.com.br 
São Paulo

*
O boquirroto

Mais uma vez lhe falta compostura na inequívoca demonstração de um mal disfarçado autoritarismo, característica de sua personalidade exclusivista, não admitindo que uma imensa bobagem, para não dizer uma deslavada mentira, proferida em discurso pela presidenta Dilma ("nós construímos"), seja contraditada por quem de direito.

ANTONIO CARLOS GOMES DA SILVA
acarlosgs@uol.com.br
São Paulo

*
Conselhos

Siga seu próprio conselho, sr. Lula da Silva, cale-se e deixe a dona Dilma trabalhar. Ninguém mais do que o ex deveria ficar "taciturno", pois sua constante intromissão no governo deve deixar a presidente em situação de extremo constrangimento, parecendo aos mais atentos que ela não aprendeu ainda que é a presidente de fato. Mais de 50% dos brasileiros a elegeram, mas quem decide?

LEILA E. LEITÃO
São Paulo
A dependente

*
Até quando, ó ex, abusarás da nossa paciência? Quem suporta ser tão pressionada, influenciada e até minimizada pelo próprio guru? De que valeu a votação livre e consciente que a elegeu? Agora nós é que questionamos: deixe a mulher trabalhar, do contrário, até uma renúncia faz sentido. É hora de abandonar os "palpiteiros" de ocasião e partir para o autoexercício de sua função. Condições há, falta independência. Acorde, presidente! 

RUTH DE SOUZA HELLMEISTER
rutellme@terra.com.br
São Paulo

*
Explicações públicas

Após a fala de Fernando Henrique, o "deus" Lulla I disparou: "FHC deveria, no mínimo, ficar quieto". Ué, Lulla resolveu falar? Talvez agora, após meses calado, ele possa vir a público explicar o caso Rosemary Noronha, sua secretária na "embaixada federal" em São Paulo, investigada pela Polícia Federal na Operação Porto Seguro. Ou responder às acusações de Marcos Valério sobre favorecimentos ilícitos, já inquérito no Ministério Público. Quem sabe, dá para responder a isso e a muitos outros fatos obscuros, sem atrapalhá-lo para seguir dando as cartas na Presidência da República e na cidade de São Paulo. Lá certamente ele fala muito.

ÉLLIS A. OLIVEIRA
elliscnh@hotmail.com
Cunha

*
Língua solta

Lula compara-se a Lincoln, manda FHC ficar quieto, em referência às críticas pertinentes do tucano a recentes declarações desastrosas de Dilma sobre os governos do PSDB, ataca a imprensa... Lula anda muito buliçoso ultimamente, falando pelos cotovelos! Alguém poderia aproveitar a língua solta do ex e questioná-lo sobre a Operação Porto Seguro e as aventuras de Rose, sua "amiga íntima", no coração de sua gestão...

HENRIQUE BRIGATTE
hbrigatte@yahoo.com.br
Pindamonhangaba

*
Bronca

Além de se comparar a Lincoln, Lula diz que adversários têm "bronca" dele e de Dilma. Alguém avise a ele que a bronca é pela falta de algumas explicações - no caso dele, Gamecorp, fazenda no interior de São Paulo, Rose, etc.; e no caso deles (petistas), como andam o esclarecimento da morte de Toninho de Campinas e de Celso Daniel, a transposição do São Francisco, a Transnordestina, a saúde e a educação no País e, principalmente, a política monetária (eles só usam cartões corporativos, então, não existe inflação...). Lincoln deve ter-se revirado no túmulo, coitado.

JOSÉ ROBERTO PALMA
palmapai@ig.com.br
São Paulo

*
Lincoln vira na tumba

O ex-presidente Lula comparou-se a Abraham Lincoln, mas certamente nunca ouviu falar do 16.º presidente americano até domingo passado, na cerimônia do Oscar. Dona Marisa Letícia deve ter lido alguma coisa sobre o filme e comentado com o marido que a imprensa nos EUA (diferentemente do Brasil) há mais de 200 anos é livre. Então Lula foi à CUT e como não poderia falar de certos assuntos - economia em queda, Petrobrás quebrada, BNDES com prejuízo bilionário, mensalão, Rosemary Noronha - sobrou para Lincoln.

JOSÉ FRANCISCO PERES FRANÇA
josefranciscof@uol.com.br
Espírito Santo do Pinhal

*
Incoerência

Não consegui entender o motivo da comparação do sr. Lula com o grande líder dos EUA. Quando da fundação do PT, o que Lula mais fazia era criticar com toda a veemência os nossos irmãos norte-americanos. E agora, de repente, quer se comparar a Abraham Lincoln? Fala sério! 

ISAEL COLEONE
isael.coleone@vivointernetdiscada.com.br
Indaiatuba

*
MORDOMIA CASTRADA

A Câmara dos Deputados votou ontem lei que elimina uma das maiores excrescências, comuns entre os políticos: a extinção do direito ao pagamento do 14.º e o 15.º salários aos 513 deputados federais. O deputado José Reguffe (PDT-DF) abriu mão do benefício desde o início de seu mandato, em 2011, e concluiu: “É algo tão óbvio que não precisava essa polêmica toda. Todo trabalhador tem direito a 12 meses de salário e o 13.º”. O deputado deixou de acrescentar que as condições e carga de horário de trabalho, o salário e a instabilidade no emprego não podem ser comparadas às condições de trabalho dos parlamentares, medalha de prata no ranking dos Congressos mais caros do planeta, só superados pelos Estados Unidos. Essa sangria aos cofres públicos, incluindo senadores, provoca nas contas do Legislativo um impacto de R$ 31 milhões. Essa gastança não fica somente no caso dos meses extras, mas já é um alento para outras correções vindouras. O Congresso Nacional padece de falência múltipla dos órgãos, mas, para a nossa capenga democracia, é preferível que permaneça na UTI.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com 
Vassouras (RJ)

*
CONTINUAMOS INSATISFEITOS

Como os parlamentares estão ficando bonzinhos! Aboliram o 13.º e o 14.º salários. Por que não conseguimos nos sentir agradecidos? Porque a indignação que essa locupletação, essa exploração do povo brasileiro nos causa nos dá asco, tristeza e revolta sempre que vem à tona. Sejam essas medidas meras artimanhas, ou não, esses figurantes da Câmara, do Senado e também do Poder Executivo só conseguirão o nosso respeito quando fizerem uma reforma política decente, como merece o povo brasileiro. Esse povo que a maioria deles nunca soube representar.

Maria Toledo Arruda Galvão de França mariatagalvao@gmail.com 
Jaú

*
E NO SENADO...

A extinção do serviço médico do Senado é mais um gesto de bondade de Renan Calheiros para tentar acalmar os movimentos que não aceitam a sua eleição à presidência da Casa. Renan não vai sofrer impeachment nem abrir mão do cargo que tanto lutou para conseguir. Se para os brasileiros Renan é um limão amargo, essas pressões populares sobre ele, pelo menos, estão conseguindo que se tire uma limonada dessa situação, e precisam continuar. O inacreditável é que nesse serviço médico do Senado, mordomia esdrúxula que os senadores mantinham há muitos anos com 137 profissionais exclusivos, existia até médico pediatra. Será que os ilustres senadores estavam prevendo a entrada na casa do deputado Garotinho? 

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com 
Rio de Janeiro 

*
O TEMPO NO LEGISLATIVO

É necessário que haja uma regulamentação nacional sobre o trabalho de vereadores, senadores e deputados para aproveitarem seu tempo no Legislativo de forma útil à sociedade. Tem sido ridículo o tempo e o dinheiro desperdiçados para homenagear artistas ou conceder títulos de cidadão honorário, entre outros, a pessoas que nem sequer se dignificam a buscar essas honrarias absolutamente inúteis. Temos inúmeros projetos de importância social, econômica e política aguardando anos para serem votados sendo substituídos por meras bajulações.

Daniel Marques danielmarquesvgp@gmail.com 
Virginópolis (MG)

*
QUEREMOS INVESTIGAÇÃO

São gravíssimas as denúncias de corrupção contra Gabriel Chalita (PMDB-SP), acusado pubicamente por um ex-assessor seu de fraude com dinheiro público e enriquecimento ilícito – teria ele desviado R$ 50 milhões dos cofres públicos. A corrupção domina o País, e Chalita repete o mesmo filme feio e de quinta categoria de Aurélio Miguel. Pior ainda é o fato de Chalita posar como religioso e defensor da educação. Oxalá o Ministério Público investigue o caso a fundo e que a Justiça faça a sua parte. Chega de corrupção e impunidade no Brasil. Não podemos ficar à mercê de bandidos que só entram na política em busca de poder e riqueza.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br 
São Paulo

*
PUNIÇÃO

O analista Roberto Leandro Grobman, 41, diz ter presenciado a chegada de malas de dinheiro ao apartamento do deputado federal Gabriel Chalita em 2005, quando ele era secretário da Educação de São Paulo. As malas teriam sido levadas ao apartamento pela advogada Marcia Alvim, uma das principais assessoras de Chalita. Por essas e outras se explica a grande afinidade de Chalita com o PT. Que o Ministério Público busque todas as provas deste novo beato e, se ele tiver errado, que seja expulso da vida pública.

Kaled Baruche kbaruche@bol.com.br 
São Paulo

*
POR QUE SÓ AGORA?

O deputado Walter Feldman (PSDB-SP), que encaminhou Roberto Grobman ao Ministério Público para fazer acusações contra Chalita, não é o mesmo que foi acusado de envolvimento na operação conhecida como Castelo de Areia, da Polícia Federal? Se Grobman era colaborador de Chalita há muito tempo e conhecia as eventuais irregularidades por ele praticadas, não teria compactuado com as mesmas, ao não denunciá-las na época oportuna? 
 
Paulo Sergio Fidelis Gomes psf.gomes@ig.com.br
São Paulo

*
SURPRESOS OU DECEPCIONADOS?

Planalto não quer mais Chalita no ministério de Dilma? Como assim? Chalita é a Rosemary do PT, a protegida de Lula que até não ser denunciada reinava como secretária da Presidência de República em São Paulo. Como se pode notar, o PSDB também tem telhado de vidro. Denunciante do ex-secretário da Educação de São Paulo, Roberto Grobman deu detalhes da corrupção, pois trabalhou na pasta da Educação como assessor informal de Chalita. O denunciante disse ter presenciado ao menos seis vezes Chalita recebendo montanhas de dinheiro. Que audácia! Os professores do Estado mais rico ganham salário de fome, enquanto na Secretaria da Educação o chefinho da pasta e amiguinho do governador Geraldo Alckmin, que o defende com unhas e dentes, fazia suas farras com dinheiro público sem o menor pejo. Que falta de pudor, de vergonha e de caráter. Sendo verdade tudo isso, como ficarão os eleitores de Chalita, surpresos ou decepcionados? O PMDB é grande e não lhe faltarão nomes para o ministério de Dilma. Quanto ao deputado, merece cair nas mãos do Supremo Tribunal Federal (STF), hoje a casa com maior credibilidade do País para analisar esse caso.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com 
São Paulo

*
CONTAS

Até tu, Chalita? Assim titio Geraldinho fica brabo. Coisa feia, mocinho!
 
José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br 
Avanhandava 

*
PIADA

Partindo de Lula um comentário dizendo que FHC deveria ficar quieto (ao invés de chamar Dilma de ingrata), soou, no mínimo, como a maior piada do ano. Justo ele, que não ousou parar de falar até agora.
 
Maria do Carmo Zaffalon Leme Cardoso mdokrmo@hotmail.com
Bauru

*
CALA A BOCA, FHC

Lula pediu para FHC ficar quieto senão a mulher (Dilma) não consegue trabalhar. Já se passou uma década e eles (PT) ainda não conseguiram trabalhar. E tudo por causa do FHC. Cala a boca, FHC!

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br
São Paulo

*
OUSADIA

Lula, ex-presidente do Brasil e atual “presidente adjunto”, durante todo seu mandato e além dele, fez e faz referências em demasia a Fernando Henrique Cardoso. Na verdade, é mesmo um caso de psicanálise, como afirmou FHC. O falastrão de sempre pede agora a FHC para ficar “quieto e deixar a mulher trabalhar”, referindo-se a Dilma. E os petralhas, deixaram FHC governar? Nunca antes na história deste país uma oposição foi tão ferrenha, tão aguerrida, tão destruidora como foi a do PT durante a gestão de FHC. Muitos projetos de grande interesse do País não se materializaram pela fúria petista em obstruir tudo. E agora o falastrão vem com sua cantilena ousando sugerir comportamentos ao ex-presidente FHC. É muita ousadia do dito cujo.
 
Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br 
São Paulo

*
SILÊNCIO
 
Lula, cuja cara de pau é feita de “carvalho”, mandou FHC ficar quieto e deixar Dilma governar. Ora pois, durante os oito anos de mandato Lula, sempre proferindo besteiras, não saiu de palanques nacionais e  de outros países. Depois de eleger Dilma, continua falando mais do que nunca. Com que autoridade moral manda FHC ficar quieto? 
 
José Sebastião de Paiva j-paiva2@hotmail.com
São Paulo

*
LULA X FHC

Lula, ex-presidente (ex?), disse “FHC deveria ficar quieto”. Mas ele fala pacas, sempre mentindo, não fica quieto – só fica quando o assunto não lhe convém, tipo Petrobrás, ser campeão mundial na produção de álcool, e vários etcs. – ou não tem resposta para as denúncias de malfeitos dele e dos componentes da sua máfia. Sobre ficar quieto, ele deveria falar na frente do espelho.

Mário A. Dente dente28@gmail.com
São Paulo

*
CARA DE PAU         
 
Que moral tem o sr. Lula para mandar ficar quieto a qualquer brasileiro? Quem devia calar a boca, e há muito tempo, é o sr. Lula, pois  não adianta dizer que há uma mulher na Presidência, se sua pupila não é mais do que ventríloqua dele!
 
Tania Tavares taniatma@hotmail.com 
São Paulo

*
DEIXE A MULHER TRABALHAR

Fernando Henrique Cardoso sempre foi um homem elegante em suas atitudes, tanto na política quanto pessoalmente, por isso seus últimos comentários surpreendem, mas não chocam, simplesmente porque, todos nós sabemos, paciência tem limite. É, portanto, compreensível. O PT está no governo há dez anos e, nesse período, nunca deixou de criticar o governo FHC, tendo começado com a classificação de seus feitos como “herança maldita”. O que o PT fez foi apropriar-se de tudo de bom do governo anterior e mentir descaradamente a respeito do antecessor. Se Lula achava que existia algo de errado quando assumiu o governo, teve tempo suficiente para corrigir, mudar, inovar. O que se viu e o que se vê ainda hoje não foi nada disso. Lula tem um ódio mortal de FHC, ninguém sabe por que, apenas podemos imaginar: FHC, no governo, foi um grande estadista, coisa que não se vê com frequência em qualquer lugar. O ódio que Lula manifesta é exigido de todos os seus companheiros do PT, que não sabem pensar com a própria cabeça ou são proibidos de pensar diferente do chefe. Os que ousaram ter pensamento próprio já deixaram o partido. Quanto à recomendação de Lula para que FHC “fique quieto e deixe a mulher trabalhar”, ele é que não está quieto e não deixa Dilma governar por si própria. FHC nunca se meteu no governo dele, pelo contrário, transferiu a faixa presidencial ao eleito com muita consideração e elegância, um verdadeiro estadista. 

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com
Santo André

*
GOVERNO FHC

De que mundo são os leitores do Estadão? Na seção Fórum dos Leitores, 100% dos missivistas fazem graves críticas aos governos de Lula e Dilma e, ao revés, elogiam os governos de FHC. Isso é absurdo. Apenas para exemplificar: no governo FHC a inflação (2001) beirava 25% (hoje é em média 6%); em 2002 o Brasil era devedor do FMI (hoje somos credores); em 2002 os juros (Selic) beiravam 30% (hoje é de 7,25%); em 2002 o salário mínimo era o equivalente a US$ 70 (hoje é de aproximadamente US$ 350). Antes de falarem tantas atrocidades, seria preciso ver e ler o Estadão de 2002, de onde foram tiradas as informações acima.
 
Alberto Benedito de Souza abssba@uol.com.br 
Campinas 

*
O LEGADO DE LULA

Só faltava essa para completar o quadro anedótico que Lula, PT et caterva  têm pintado em cores fortes em nosso país. Nunca antes, nem depois, da histórica condenação dos mensaleiros – xipófagos  de petralhas e da “base governista” –, da comédia encenada no escritório paulista do “big boss”, da escandalosa maquiagem de contas do governo, do engodo do pré-sal, da pré-quebra da Petrobrás,  da “aleluia” de dinheiro mal aplicado pelo BNDES, da palhaçada petista encenada durante a visita da blogueira cubana Yoani, vem o Lula mandar o ex-presidente Fernando Henrique calar a boca, só porque este disse uma grande verdade: o Brasil não começou em 2003, o PT não criou nada. Só aproveitou a herança do Plano Real e dos ajustes da economia feitos no seu governo, agora avacalhados no atual. É, Dilma é mesmo ingrata ao negar a boa herança que o governo petista herdou, o palrador Lula fala mais que papagaio e não pode mandar ninguém calar a boca!
 
Luiz Carlos Soares Fernandes lucasofer@yahoo.com.br 
São Paulo

*
PAPO DE BOTEQUIM

Quem diria, um tremendo antiamericano como o Lula, querendo se comparar a notável história de Abraham Lincoln! Só faltou ao ex-presidente neste evento que participou da CUT, arrotar para seus camaradas que foi ele também que acabou com a escravidão no Brasil... Pelo amor de Deus, será que não tem ninguém sensato dentro do PT, para dizer ao Lula, que esta não é a hora para ficar contando vantagens que a história não contabiliza, porque o momento que vivemos é de fracasso para o governo petista, e ruim para a nossa economia?! Não basta este desmonte da Petrobrás, de  o BNDES emprestar recursos do contribuinte para quem não deve, de uma inflação em estado galopante, investimentos raquíticos, e PIBs medíocres?! Sinceramente, bem melhor seria o Lula visitar um psiquiatra!

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com
São Carlos

*
MAIS DO MESMO

O presidente adjunto e também prefeito adjunto de São Paulo, afinal conseguiu eleger dois postes, continua desbocado e usando a pretensão que lhe convém. Comparar-se a Lincoln?! Ora, o ex-presidente americano foi um estadista e lutou por uma causa nobilíssima que era o fim da escravidão nos Estados Unidos. Já o barbudinho daqui, além de nunca ter sido um estadista, passeou mundo afora com a galega, a filial da galega e subiu em palanques a não poder mais. Governar? Trabalhar? Não são seus pontos fortes. Na cabeça dos petralhas, o mundo se divide em a.L. e d.L. Como diz o velho ditado, “pretensão e água benta, cada um usa quanto quer”.
 
Renato Amaral Camargo natuscamargo@yahoo.com.br 
São Paulo

*
DEPRIMENTE

Voltamos a ser brindados, infelizmente, com as falas cada vez mais absurdas, dignas de “Napoleão de hospício”, do sr. Luiz Inácio Lula da Silva! É impressionante verificar que nada do que ele fala é aproveitável. Na maior parte, é pura bobagem. Que interessa ao País se Lula agora se considera um novo Lincoln ou sua velha e  mofada conversa “nós contra eles”? É deprimente!

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com 
Florianópolis

*
DENGUE

Casos de dengue triplicam em todo o País? Sim! O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, diante deste resultado que parece nada ter que ver com o descaso com que a saúde é tratada no País, vem afirmar na imprensa que “a luta está só começando”, pois o período de transmissão vai até maio. Mas a luta contra a dengue não deveria ser sazonal, mas sim fruto de uma estratégia contínua do governo para dominá-la. E Padilha está desde 2011 no Ministério da Saúde. Portanto, se os casos de dengue triplicaram em todo o País, só podemos jogar a responsabilidade é nele mesmo, no ministro Alexandre Padilha!

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com
São Paulo

*
FALTA DE VONTADE

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, diz que a luta contra a dengue está só começando. As notícias não são nada favoráveis, pois o número de Estados que estão com perigo de epidemia é alto. Como a luta só estaria começando, se esse senhor esta ministro da Saúde desde 2011? Realmente, a saúde do povo pagante nunca é tratada como prioridade. Seria preciso vários governantes em questão e seus parentes ficarem enfermos e até vir a óbito para que essa gente sinta na pele os efeitos dessa doença, que só está presente em nosso país por falta de vontade dos governantes. “Isso é uma vergonha”.

Leila E. Leitão
São Paulo

*
A PAGA DO VOTO

O Rio de Janeiro está em estado de alerta para a epidemia de dengue. Independentemente da falta de cuidados e prevenção da população, a incompetência e o descaso das autoridades públicas da área de saúde, estadual e municipal, contribuíram fortemente para este quadro. Pois é, cidadão, eis o seu retorno nos que você vota.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com 
Rio de Janeiro

*
PEIXE DADO

O Brasil ocupa o 84.º lugar nos índices de desenvolvimento humano, em especial nas áreas da saúde (hospitais públicos, dengue), da segurança, derrotada pelas drogas, e não construiu sequer uma grande obra de infraestrutura. Como se pode constatar, o PT paternalista proporcionou o Bolsa-Família, isto é, deu o peixe, mas não ensinou a pescar!

Eugênio José Alati eugeniojosealati@yahoo.com.br 
Campinas

*
ARQUIBANCADA VAZIA

De futebol eu gosto, e muito. Mas, depois da adolescência, perdeu um pouco a graça, na medida em que o meu senso crítico foi se desenvolvendo. Passei a olhar o futebol como uma mera diversão, um passatempo, nada sério, nada além disso. Entretanto, sendo uma forma de entretenimento, é bastante eficaz porque faz parte da minha formação cultural como brasileiro. Como esporte, o futebol é um espetáculo emocionante graças a seu dinamismo e contemplação plástica das jogadas, táticas e técnicas. Como flamenguista, acompanho o desempenho do meu clube em todos os campeonatos, porém gosto de acompanhar clubes do mundo todo. Porém, quando o futebol transforma-se numa máquina de fabricar dinheiro, como qualquer outra indústria ou comércio, o seu sentido original, para mim, se perde. Futebol para mim é drible de garrincha, gol de placa e soco no ar de Pelé, arrancada de Messi, de Cristiano Ronaldo, de Neymar, de Romário, é chapéu de Ronaldinho gaúcho, é bicicleta de Leônidas da Silva, é falta batida por Zico, é de defesa de Taffarel, de Dida, de Rodolfo Rodrigues, é finta de Maradona, é classe de Zidane, Cruyff, Franz Beckenbauer, etc. Futebol para mim não é torcida organizada, selvageria, como se estádio fosse uma arena de gladiadores, e como em seus arredores ou em qualquer lugar fora dele o mundo fosse uma guerra só porque você veste uma camisa, como se ela fosse um uniforme de exército, uma armadura pronta para entrar em brigas, impetrar violência e causar morte... As pessoas participam de torcidas organizadas por motivos psicológicos, para ter uma identidade, por causa de sua autoestima e da necessidade de participar de grupos. O torcedor encontra no futebol uma fuga de uma dura rotina, mas transforma essa fuga em válvula de escape para seus instintos mais selvagens e animalescos. E matam. Jogar sem torcida é pena de morte para a torcida organizada cujo integrante matou Kevin Spada, na Bolívia. Por isso o maior castigo nesse circo é que o espetáculo esteja vazio, que a arena esteja de arquibancada vazia, causando prejuízo  e reflexão, pois só assim, quem sabe no futuro, as coisas melhorem e ninguém nunca mais morra assistindo a uma emocionante partida de futebol.
 
Andre Luis Aquino meucaminhar@yahoo.com.br 
São Sebastião

*
LUGAR DE BANDIDO É NA CADEIA

Quem agride, mata ou atemoriza torcedor nos estádios é bandido. A morte do jovem torcedor boliviano no estádio, no jogo com o Corinthians, aflora a cumplicidade das autoridades com os bandidos. Primeiro, essa turma que agride, mata e atemoriza torcedores nos estádios é bandida. E sabe quem financia esses bandidos que esvaziaram nossos estádios? Resposta: os dirigentes dos clubes. As autoridades policiais também são complacentes com esses bandidos travestidos de torcedores. Não queremos a polícia distribuindo cacetadas na porta dos estádios, isso só aumenta a violência, mas precisamos filmar e fotografar esses vândalos e avisá-los de que eles não podem ir ao estádio, caso contrário, serão presos. Outra atitude seria acabar com a maioria das torcidas organizadas, pois algumas agem como verdadeiras quadrilhas, sendo que a torcida autorizada a permanecer seria obrigada a assumir, diante das autoridades, a responsabilidade pelos seus membros, o que seria cobrado em caso de qualquer ato de vandalismo. Por enquanto, ao que assistimos é um conluio, a ponto de a direção do Corinthians colocar advogados para defender essa gente. Lugar de bandido é na cadeia, estádio de futebol é local para gente civilizada!

Emanuel Cancella emanuelcancella@uol.com.br 
Rio de Janeiro

*
IRRESPONSABILIDADE, E NÃO FATALIDADE

O que ocorreu no caso da morte do torcedor boliviano, causada pelo sinalizador lançado pela torcida do Corinthians, não foi uma fatalidade acidental, como muitos estão alegando. Fatalidade seria um torcedor ser atingido por um raio no estádio assistindo a um jogo. Irresponsabilidade é o nome que se dá aos dirigentes e autoridades que permitem a entrada de sinalizadores nas mãos de irresponsáveis torcedores.

David Volyk
São Paulo

*
NÃO À PUNIÇÃO AO TIMÃO!

Ari, Roberto e eu somos três corintianos indignados com a injusta pena imposta pela Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) ao maior clube do continente e atual campeão mundial e apresentamos algumas questões para meditação e debate: 1) Que culpa temos Ari, Roberto e eu se um inconsequente torcedor comete um ato impróprio que gera uma fatalidade? Por que, além de sofrer e lamentar muito a morte do menino, temos que sofrer com a punição ao inocente Corinthians? 2) Por que a Conmebol resolveu punir apenas o bicampeão mundial? E o São Paulo no jogo contra o Tigre em que os truculentos seguranças do Morumbi quase mataram os argentinos? E o bandeirinha que quase foi morto recentemente na Colômbia no jogo do Milionários? Lá também não houve qualquer punição! E ainda mais, tem sido frequentemente visto no torneiozinho de hermanos (que, felizmente, somos os grandes vencedores- invictos) as polícias locais protegerem  com escudos os jogadores adversários de pedradas quando vão cobrar escanteios. 3) E nada acontece. Não sei se todos sabem, mas quando os jogadores do Corinthians foram ao gramado para o aquecimento habitual antes do fatídico jogo lá, na Bolívia, foi uma chuva de pedras e de outros objetos em nossos jogadores campeões mundiais por vândalos bolivianos. E nada fizeram! E o pior, nada falaram. Ari, Roberto e eu sofremos com a agressão aos nossos ídolos. E a polícia verde azeitona assistia passivamente. 4) Por que permitiram entrar no estádio todos estes objetos e os sinalizadores? Será que todos sabem que a torcida deles tinha mais sinalizadores que a nossa? O controle não era nosso, e sim do San José. Novamente, Ari, Roberto e eu não temos nada com isso. Nem o Corinthians nem a Nação com seus 29.999.988 fiéis, que não cometem atos de agressão a jogadores e a torcedores adversários (vide o comportamento de nossa torcida no Japão, louvado até pelos dirigentes da Fifa). 5) Querem provas? Tentem entrar no Pacaembu em nossos jogos com um copo d’água e poderão certificar-se de que não será possível. Mais: nos sete jogos no mesmo estádio, da inigualável campanha invicta de 2012, nenhum ato de vandalismo foi identificado. E mais de 250 mil pessoas lá estiveram! 6) Crime premeditado, deliberado, reconhecido e temido é submeter atletas ao esforço físico na altitude insuportável. A Fifa e a Conmembol sabem do risco das baixas concentrações de oxigênio. Mais ainda, sabem com clareza da desigualdade flagrante quanto ao desempenho dos atletas. 7) Somos uma nação pacífica e não podemos sofrer as consequências de um ato isolado, sem dúvida sem justificativa, precedido de  inúmeras agressões prévias. 8) Mas também entendemos que erramos. Nossa direção errou! Como os maiores ganhadores do torneiozinho, e o maior clube do continente, tínhamos cacife para enfrentar a Conmembol e não disputar a Libertadores sobre as atuais condições (altitude, cidade sem aeroporto, estádios sem segurança). Tudo isso estava presente em Oruro e aceitamos. A lei tem de ser cumprida, mas na América Latina, quando ela é cumprida, é chamada de tentativa de golpe. Infelizmente, deu no que deu, aconteceu com a Fiel, a mesma que havia encantado o mundo há pouco mais de dois meses... Que injustiça e dor profunda... 9) Não menos importante o amadorismo incoerente dessa Conmembol. Amadorismo que penaliza uma empresa organizada chamada Corinthians. O maior faturamento do futebol latino-americano. A maior marca de futebol fora da Europa! Exemplo a ser seguido pelo Brasil. Exemplo que é motivo de campanha que estimula a adesão de sócios torcedores a seus respectivos times. Agora, com essa medida absurda, os senhores amadores da Conmembol comprometem os compromissos dessa brilhante empresa que já vendeu mais de 100 mil ingressos antecipados a seus organizados sócios, que pagam mensalidades. Que culpa, Ari, Roberto e eu temos disso tudo? Contra a punição ao inocente Corinthians e muito a favor da punição aos culpados organizadores locais e torcedor delinquente.

Fausto Feres, Ari Timerman e Roberto Botelho arit@terra.com.br 
São Paulo

*
‘ASSASSINATO EM ORURO’

Acho que o jornalista José Nêunanne (“Assassinato em Oruro”, 27/2, a2) exagerou, pisou na bola. Vejamos a seguinte situação: sou torcedor do Palmeiras, por exemplo, e quero prejudicar um time adversário; coloco o uniforme daquele time, vou ao estádio e, do meio da aglomeração da torcida, lanço foguete (ou algo equivalente) no campo ou na outra torcida, provocando a punição do time rival. E aí? Portanto, não é por aí que se solucionam tais tipos de problemas, mas sim com câmeras e maior policiamento.
 
André C. Frohnknecht anchar.fro@hotmail.com 
São Paulo

*
‘NAÇÃO’

Li no Estadão, dia 27/2, página A2, o artigo do jornalista José Neumanne, intitulado “Assassinato em Oruro”. Destaco: “O Corinthians é uma ‘nação’ quando convém ao clube e deixa de sê-lo se não lhe convém, é?’. A frase  já diz tudo e, como  penso igual ao articulista, recomendo a leitura.

Olympio F. A. Cintra Netto ofacnt@yahoo.com.br
São Paulo
 
*
TIMÃO
 
Os corintianos deveriam assumir o novo jargão: ao invés de “Ó nóis na fita, mano”, “Ó nóis nas grades, mano”.
 
Tanay Jim Bacellar tanay.jim@gmail.com 
São Caetano do Sul

*
SÓ NO BRASIL

Nem Dias Gomes, nem Jorge Amado, nem Janete Clair conseguiriam chegar à realidade louca brasileira. Somos o único lugar no mundo em que um “di menor” tem de arrumar um advogado de defesa para provar que é culpado. O Brasil não existe, é um misto de “Terra Nova”, do seriado da Globo, com o filme “Luar sob Parador”. Com toques de “O bem amado”.
 
Roberto Moreira Da Silva rrobertoms@uol.com.br 
São Paulo

*
BENTO XVI

Quero prestar minha homenagem ao papa Bento XVI, que, durante oito anos, como ele mesmo disse, teve momentos de alegrias e tristezas. Essa minha homenagem é um vídeo do YouTube do grupo inglês Pet Shop Boys do ano de 1987 com o sugestivo título It’s a sin (é tudo pecado): https://www.youtube.com/watch?v=DWw0PKgFDbc.

Mauro Alexandre Pereira de Almeida perer80@globo.com
São Paulo

*
ATO DE FÉ

Maior e merecida homenagem não poderia ser outorgada ao papa renunciante Bento XVI, que deixa seu pontifício, passando a viver como qualquer mortal, do que manter a dignidade e a  respeitabilidade do nome de papa da Igreja Católica, passando a chamar-se “papa emérito”, embora não possa usar o anel do pescador (São Pedro), que simboliza o poder de pontífice, os calçados vermelhos (representando o sangue de Cristo), que terão de mudar para a cor  marrom, e outras peças do vestuário próprias do seu ofício. Repito, ainda que tudo isso lhe seja negado, foi digna sua renúncia para salvar a Igreja Católica dos maus elementos que a conspurcam (sacerdotes, bispos e até cardeais), e ninguém tira a grandeza do seu ato de fé. É como diz o ditado: quem foi rei nunca perde a majestade.

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br 
Assis

*
VIVA O PAPA!

Bento XVI, preso a seus princípios, é o papa polêmico que não poupou a Igreja ao apontar sua podridão privada, protestando com provas e tornando públicos os pecados em torno do “presépio” que cerca o trono de Pedro. É o primeiro pontífice a abalar o papel do papado em dois milênios. Viva o papa!
 
J. S. Decol  decoljs@globo.com 
São Paulo

*
A PARTE ADMINISTRATIVA DA IGREJA
 
O papa Bento XVI, com sua renúncia calculada e projetada, demonstrou ao próximo sucessor de São Pedro que medidas enérgicas e até drásticas precisam ser tomadas quanto à parte administrativa da Igreja. As desobediências a ordens papais expressas, cometidas por cardeais precisam ser apuradas e apenadas nos termos e limites do Código Canônico. De outro lado, providências outras vão ter que ser tomadas pelo novo papa, caso se queira que não haja uma verdadeira debandada de fiéis. Na verdade, nenhum católico pode manter sua fé e atenções à Igreja Católica se a parte administrativa da religião está em estado periclitante e repleta de cometimentos pecaminosos. O exemplo precisa vir de cima.

José Carlos de C. Carneiro carneirojc@ig.com.br 
Rio Claro

*
O PAPA SEGUE FIDEL
 
Em 28 de março de 2012, o papa Bento XVI encontrou-se com o ex-líder cubano Fidel Castro, em Havana. Segundo o porta-voz do Vaticano, tiveram uma “troca de ideias” numa atmosfera “muito cordial”, apesar das profundas divergências ideológicas que os separam. É sabido que Fidel tinha já nessa época renunciado ao cargo de primeiro-ministro e se afastado da vida política por causa da idade. Quase um ano depois, o papa também renuncia. Com certeza Fidel fez a cabeça dele. 
 
Francisco J. D. Santana franssuzer@gmail.com 
Salvador

*
AUSTERIDADE

Achei muito prudente que a imprensa divulgasse o valor em euros que o papa Bento XVI irá receber mensalmente após deixar seu cargo. Como ex-chefe de Estado do Vaticano, considero o valor de 2.500 euros mensais uma quantia parcimoniosa. Um exemplo para todos aqueles que pertencem a alguma instituição da Igreja Católica; coerente sobretudo com a pregação sobre o desprendimento dos bens materiais, aspecto relevante da doutrina cristã, que pode ser motivo para edificar ou escandalizar uma vocação recente. Creio que seria importante também que todas as pessoas que ocupassem cargos públicos usassem da mesma transparência e parcimônia. A convicção de que ocupam esses postos como servidores dos contribuintes deveria ser o parâmetro para uma atitude coerente, austera e humilde. Não parece ser esta a realidade brasileira. O senador Renan Calheiros, que, por exemplo, utilizou R$ 15.118,56 em dezembro de 2012 como cota para exercício de atividade parlamentar, recebeu o subsídio de R$ 26.544,00, gratificação natalina de R$ 8.840,00 mais auxílio de R$ 3.800,00 e uma verba de R$ 26.723,00 designada como “outras vantagens indenizatórias” (fonte: site do Senado).

Irene Maria Dell’Avanzi irenedellavanzi@hotmail.com 
Itapetininga 

*
LULA E O PAPA

Por mais inacreditável que possa parecer, a política no Vaticano parece copiar a do governo atual do Brasil. O papa renunciou, ao contrário dos seus antecessores nos últimos seiscentos anos, e poderá assim influir na escolha do seu substituto, em uma aparente estratégia semelhante à do ex-presidente Lula por aqui. E a noticia de que se afastará durante o Conclave não é garantia nenhuma do seu distanciamento político que, aliás, já vem ocorrendo. Aproveitou seus últimos dias de papado para impedir que cardeais que toleraram pedófilos escolhessem o novo papa. O cardeal Joseph Alois Ratzinger foi a bola mais cantada para a indicação do substituto de João Paulo II, pela sua grande argúcia política e agora dá mais uma prova disso ao renunciar e poder mexer seus peões para a escolha do novo papa. 

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br 
São Paulo

*
O DILEMA DOS RELIGIOSOS

Os crentes em Deus parecem sem alternativas: igrejas evangélicas, perpassando crendices pedestres pela mídia e a tradicional igreja católica romana desabada pelo estresse causado por uma luta intestina e desbragada pelo poder, inclusive pelo econômico, sem contar as absurdidades pedófilas de personalidades deformadas por um inconcebível celibato. Só lhes resta seguir  uma das sempre realizadas previsões de Jesus: falar com Deus do recôndito solitário de suas alcovas, opção de Bento XVI. 
 
Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br 
São Paulo

*
PROGRAMA DIRF

Venho novamente usar dos préstimos do Estado para passar à Receita Federal algumas sugestões quanto ao programa da Declaração do Imposto de Renda (Dirf). Desejo sugerir que na cédula “bens e direitos”, uma vez selecionado um item na lista, um botão na barra inferior da lista permita repetir o valor sem necessidade de se abrir o mesmo. A inclusão, também nessa tela, de um botão “repetir tudo” seria altamente desejável. Ainda nessa cédula de “bens e direito”, eu sugeriria que, para descrição de cada item, no caso de imóveis, fosse incluído um campo para “data de aquisição”, um campo para “propriedade integral/participação numa propriedade/usufruto”, um campo para “localização”, um campo para enumeração dos coparticipantes e um campo para “documentação”. Desejo sugerir também que nesse item fosse encontrado um posicionamento mais favorável para o botão “ok”. Além disso, acho que na cédula “rendimentos recebidos de pessoas jurídicas”, uma vez recuperadas as fontes e respectivos CNPJs, fosse possível a edição na lista, sem necessidade da abertura do item somente para colocação do valor  e do Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF). Mais uma vez desejo propor que o programa possa permitir a operação de “copiar/colar” do sistema operacional. Já é hora de que se proceda a uma reavaliação dos ativos da “pessoa física”, uma vez que os valores constantes para itens muito antigos estão enormemente desvalorizados. Tal procedimento viria a facilitar grandemente o preenchimento da cédula “ganhos de capital” e permitiria ao declarante uma visualização melhor do seu patrimônio. Deixo para uma outra vez as sugestões que tenho para a cédula “resumo da declaração”.
 
Fabio Gabriel Giannoni u235@globo.com 
São Paulo

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos Leitores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.