Fórum dos Leitores

DILMA E A SECA

O Estado de S.Paulo

06 Abril 2013 | 02h08

Promessas vãs

A seca no Nordeste é um balaio de promessas vãs. A mais alta autoridade do País, a presidenta Dilma Rousseff, entrou no jogo. Veio ao Ceará, prometeu abastecer o sertão esturricado de milho vindo do Sul, aplicar montanhas de reais para aumentar a frota de carros-pipa, flexibilizar as dívidas dos coitados que não têm nem um grão de feijão na panela e outras medidas paliativas, isto é, empurrar o problema com a barriga, porque, se o resolver, estancará o manancial de mutretas que alimentam a politicagem de muitos municípios desta parte do Brasil. Argumenta-se que o Ceará tem uma invejável capacidade reservatória de água em seus açudes, mas estes secam dia a dia, pela inclemência do sol causticante e falta de reabastecimento. O caríssimo e inoperante Castanhão pode secar se houver mais uns dois anos de estiagem. Com o dinheiro gasto nesse piscinão poderiam ter sido construído milhares de poços profundos, em regiões estratégicas, para suprir a falta de água, ao menos para o gado não morrer de sede, e irrigação permanente, para os sertanejos plantarem milho e outras culturas regionais para si e seus animais. Tecnologia e energia elétrica há. Tudo o mais que se falar sobre o problema da seca é pura enganação.

JOSÉ BATISTA PINHEIRO

batistapinheiro30@yahoo.com.br

Fortaleza

Novo pacote

A presidente Dilma anunciou um novo pacote, desta vez para o combate à seca no Nordeste. Deve ser a enésima proposta de combatê-la, esperando que, a exemplo das anteriores, como aquela dos poços artesianos, a grana não suma e tudo continue igual. Afinal, R$ 9 bilhões são de aguçar o apetite de muitos políticos.

MARIO COBUCCI JUNIOR

maritocobucci@uol.com.br

São Paulo

Consolo inaceitável

Esse anunciado pacote de R$ 9 bilhões não chegará ao destino, pela insanidade dos governos, ou seja, dos políticos locais. Existe miséria extrema pela acentuada seca provocando a morte de brasileiros, dos animais e das lavouras no Nordeste há mais de dois anos de castigos. O Rio Grande do Norte está nesse deserto ocupado por 10 milhões de brasileiros. Vá lá a presidente pedir votos e nem suas várias bolsas comprarão e calarão os famintos, antes será escorraçada. O dinheiro será liberado nos próximos anos e, nesse tempo, não servirá para a compra de equipamentos, carros-pipa. E falar de cisternas e poços sem chuva é uma mentira apoiada na total ignorância da técnica disponível desde 1953 e com os cientistas em nosso país. Amenizar o sofrimento enganando o povo, explicando que a seca é um fenômeno com o qual os brasileiros têm de conviver, como ocorre em regiões setentrionais e meridionais do mundo, é um consolo de inaceitável cinismo. Precisamos de dinheiro e ações imediatos, sem desvios, como a transposição do Rio São Francisco. Constitua uma comissão de estudos para soluções urgentes, ditas emergenciais, formada por notáveis cientistas, sem pretensões políticas. A multidão está com sede!

JÜRGEN DETLEV VAGELER

E-mail: vatra_ind@yahoo.com.br

Campinas

Pegou de surpresa?!

Dilma disse aos nordestinos que a seca na região pegou o governo de surpresa. É difícil explicar que, depois de morrerem 750 mil cabeças de gado de fome e sede, a presidente tenha sido apanhada de surpresa. Ninguém a informou? Os jornais do Nordeste não chegam a Brasília? A TV nada informa? Há quanto tempo o povo lamenta a seca? Parece que Dilma adotou o sistema de Lulla "não sei de nada", ou o filósofo Sócrates: "Só sei que nada sei".

ALBERTO NUNES

albertonunes77@hotmail.com

Itapevi

ECONOMIA

O PIB de Mercadante

O sr. Aloizio Mercadante deve ter estudado na mesma Faculdade de Economia que a dona Dilma, pois "renda" (bolsas-esmola) e "emprego" (cabides de emprego) que não agregam valor e não produzem nenhum bem jamais serão PIB, e sim inflação!

JOSÉ GILBERTO SILVESTRINI

jsilvestrini@hotmail.com

Pirassununga

Meia verdade

O ministro Mercadante está sendo honesto quando diz que ao povo só interessam renda e emprego. Esse pensamento, fundamentalmente eleitoreiro, porém, está mergulhando o País, lentamente, num poço sem fundo.

LUCIANO HARARY

lharary@hotmail.com

São Paulo

CONSTITUINTE

Serra e o 'erro' de Ulysses

Segundo a coluna Entre amigos (4/4, A6), "de Ulysses (Guimarães) o ex-governador 'cobrou' a decisão de 'inaugurar' a reeleição na Câmara, ao se lançar candidato à reeleição". A afirmação não corresponde aos fatos históricos, pelo menos no período republicano. O portal da Câmara, na galeria de seus presidentes, informa que o então deputado Ranieri Mazzilli, representando o Estado de São Paulo, "foi presidente da Câmara dos Deputados de 1958 a 1965". É, pois, injusta a crítica do sr. José Serra ao seu antigo companheiro de jornadas políticas.

FERNANDO DA SILVA

fernandodasilva.adv@uol.com.br

Brasília

DIREITOS HUMANOS

Fundamentalismo

A respeito da carta do leitor sr. Rolando Körber (As igrejas e o STF - Representatividade, 3/4), com o respeito que me merece qualquer ser humano, tento dialogar com suas ideais e ver se aprendo alguma coisa. Em primeiro lugar, deve-se notar que pessoas que não têm ou não professam nenhuma religião não são antirreligiosas, apenas não religiosas. Se eu não como chocolate ou não tomo café, não sou antinada, apenas não estou inserida no corpo dos que os apreciam. Não existe, creio eu, nenhuma campanha homólatra agressiva e barulhenta. O que há é apenas um grupo de seres humanos que desejam ser reconhecidos nos seus direitos e deixar de ser, como até agora têm sido, agredidos e assassinados. O deputado Marco Feliciano não é execrado por princípio, ele é, como se pode provar por documentos, declarações e ações, preconceituoso, racista e - por que não dizê-lo? - leviano, como demonstrou com suas recentes declarações sobre a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados anterior a ele e Satã. Sinto dizer que esta última declaração não foi apenas infeliz, mas supinamente ridícula. O fato de um parlamentar ser declaradamente gay não constitui crime ou contravenção (pelo que os anos de Direito Penal no Largo de São Francisco me ensinaram). Trata-se de uma realidade apenas relativa à sua vida pessoal, que, no entanto, não interferiu na sua vida pessoal nem nos seus trabalhos parlamentares. Ou se deveria supor que só pastores fundamentalistas devam ser eleitos?

RENATA PALLOTTINI, professora emérita da Universidade de São Paulo, advogada e escritora

rpallott@uol.com.br

São Paulo

O POVO PAGA

 

É isso aí, o que está ruim pode piorar, sim, Tiririca. O Congresso Nacional acaba de aprovar a criação de quatro tribunais regionais federais, apesar de o próprio presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, ser contrário à criação desses tribunais. A presidente Dilma está preparando a criação de mais uma estatal, que será a quinta estatal criada em seu mandato, e, em breve, vem aí a "Hidrobrás". Vamos inchar a máquina pública, pois os babacas brasileiros estão aí para isto mesmo: trabalhar 12 horas diárias para pagar as contas do governo e ainda tentar fazer sobrar um pouquinho para viver. Se 12 horas forem insuficientes, podemos aumentar a carga para 14 horas. Aplausos a este governo que está destruindo o País.

 

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana *

MAIS UMA ESTATAL

Mais uma autarquia criada por Dilma Rousseff, agora para os Portos e Hidrovias. E, em breve, mais um Ministério, será o quadragésimo, da série iniciada pelo ex-presidente Lula, voltado para as pequenas e médias empresas, em função dos interesses políticos do Planalto. Afinal, em campanha, repita-se, "pode-se fazer o diabo", segundo a presidente Dilma. Na política externa, não raro esquecida, substituído o então exemplar Itamaraty por assessores cubanófilos que, seguindo o padrão, deverão postar-se a favor da Coreia do Norte e que pouco se preocupam com as ocorrências com as empresas brasileiras, como no caso da Argentina, entre outras, a combalida Petrobrás, a Vale e agora a Deca, enquanto perdura a ineficiência da política econômica cujo comando lembra o do exército de brancaleones. Na planície, apopléticos, assistimos aos desatinos petistas sem saber no que vai dar, exceto de que a conta será paga por nós, por força de uma política esquerdista tapuia, hipócrita, demagoga sem pé nem cabeça.

 

Mario Cobucci Junior maritocobucci@uol.com.br

São Paulo *

EM OBRAS

Infraero Serviços, Amazônia Azul Tecnologias de Defesa, Agência Brasileira Gestora de Fundos Garantidores e Garantias, Empresa Brasileira de Planejamento e Logística, Secretaria da Aviação Civil, Secretaria da Micro e Pequena Empresa, Hidrobrás... Só está faltando a Emobras para avisar aos contribuintes que todas essas estatais estão funcionando. Sergio s. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG) *

O QUE INTERESSA SÃO OS VOTOS

Dilma Rousseff acaba de criar mais uma estatal, e, com ela, centenas de novos cargos, que serão preenchidos por apadrinhados do PT. 200 cargos podem significar uns 5 mil votos. 5 estatais, 25 mil votos diretos, fora os indiretos. 35 Ministérios podem significar uns 35 mil cargos, respectivamente uns 350 mil votos. E assim a galinha vai enchendo o papo, de grão em grão. E o povo aplaude! No Norte e no Nordeste, logo teremos a bolsa-cabrita, a bolsa-ração de gado. Só falta mesmo a bolsa d'água, que está demorando e até seria muito justa. É que a esta acabaria com a bolsa-cabrita e com a bolsa-ração e, aí, menos votos. Isso é o que interessa para Dilma, Lula e o PT. Votos, apenas votos e, claro, a continuidade no poder. O País? Ora, o País que se dane. Quem quiser melhorar alguma coisa que se apresente. O que esperar de alguém que nunca trabalhou, não estudou, mentiu que estudou, fracassou como empresário(a), atacou nossas forças armadas, e outras maldades? Pobre Brasil. Não é à toa que vai caindo, despencando. E eu, que sonhei que um dia deixaríamos de ser um República de Bananas. Somos na verdade um país de "bananas" quando insistimos em eleger estas "coisas". Odair Picciolli odairpicciolli@moradadoscolibris.com.br

Extrema (MG) *

OS MINISTÉRIOS E AS ESTATAIS

À época de FHC havia 24 ministérios. Agora estamos com 39. Trata-se, pois, de herança bendita. Todas as estatais que davam enormes prejuízos foram privatizadas, o que deu azo a que o PT criasse o neologismo "privataria". Ainda, a presidenta vai criar a Hidrobrás, estatal que cuidará de portos e hidrovias, além de dar empregos para os "cumpanheiros" dos diversos partidos que agora estão ajudando na reeleição e nem tanto na governabilidade. Assim, poderíamos dizer que o governo atual realiza, em continuidade, a "ministeria", novo neologismo, como expressão máxima de que não tem piedade com as despesas da coisa pública, causa também da inflação. Entretanto, o monstro inflacionário importa menos que a reeleição, da mesma forma que aquele ensaio de moralidade que aconteceu no início deste governo, ou seja, os que saíram pela porta, voltam pelas janelas, como já alguém disse anteriormente. E então não é mesmo de se perguntar: o PT governa bem? José Carlos de C. Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro *

NUNCA ANTES NA HISTÓRIA DESTE PAÍS...

Viu-se tanta corrupção; tantos bandidos soltos tomando conta do Congresso; tantos ministros de estado investigados por corrupção; tantos ministérios utilizados para acomodar os bandidos de plantão; tanta sem-vergonhice; tanta pouca falta de vergonha. É, Lula estava certo. Só esqueceu de se incluir nesta relação um item: nunca antes na história deste país tivemos um ex-presidente suspeito de comandar toda esta safadeza. Geraldo Roberto Banaskiwitz geraldo.banas@gmail.com

São Bento do Sapucaí *

NEGOCIAÇÃO IMORAL

O recorde de 39 ministérios alcançado pela presidente Dilma, não reflete a eficiência de seu governo. Pelo contrário, creio que atrapalha o desempenho e controle das metas, da corrupção e do desempenho de investimentos. A necessidade de saciar a volúpia dos políticos por cargos pressiona a presidente a criar ministérios e secretarias sem necessidade real. Enquanto houver este tipo de negociação imoral entre Poder Legislativo e Executivo, sem a preocupação com o País e com os cidadãos, o Brasil não alcançará o desejado desenvolvimento e melhoria da qualidade de vida da população. Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro *

ENGORDANDO A MÁQUINA

O tamanho da máquina pública no Brasil explica a elevada carga de impostos que os cidadãos pagam, sem as contrapartidas esperadas, porque, além do peso da máquina, existem ineficiência e focos de corrupção. Com a aprovação de novos tribunais pela Câmara, o Judiciário passa a rivalizar em termos de tamanho e ineficiência com o Executivo e o Legislativo. É hora de os brasileiros saírem às ruas e protestarem por menos governo e mais prestação e proteção aos cidadãos. Yvette Kfouri Abrão m.abrao@terra.com.br

São Paulo *

CHALITA, O HOMEM QUE NÃO SE INDIGNA

Testemunha: "Gabriel Chalita teve suas contas de reforma do apartamento pagas por fornecedor público da Secretaria da Educação, comandada por ele, conforme notas fiscais reais, não fictícias, dos equipamentos de som de seu apartamento, comprováveis facilmente". Chalita: "Desconheço". Ele não deveria comprovar como pagou, do próprio bolso, e mostrar indignação, com a acusação, ao invés de "desconhecer", ou seja, não saber? Isso é vergonhoso e caro para o povo de São Paulo, Sr. Chalita! O senhor deve explicações, e muitas! Ademir Valezi valezi@uol.com.br

São Paulo *

QUE SE SALVE PELO MENOS O REAL

 Interesses econômicos maiores são utilizados por  vários dos nossos meios de comunicação, por interesses de alardearem a falsa ilusão de que o Brasil é uma próspera ilha e muito bem blindada, na qual nada de ruim pode atingi-la. Só que se esquecem de que o Brasil precisa ser blindado com mais energia de dentro pra fora. Com os disparates diários cometidos a partir de Brasília, onde pululam políticos e empresários mal intencionados, a começar pela nossa despreparada e estapafúrdia presidente, além dos mensalões, contamos ainda com pronunciamentos de políticos irresponsáveis como Dilma e Lula, este, no auge da crise norte-americana, proferiu a maior besteira do seu vasto repertório: "Esse não é problema nosso, é só do Obama..." Que bom se os países em crise, não atingissem a economia dos outros, num mundo globalizado. Só o Lula faz que não sabe! A economia mundial que de há a alguns anos para cá, vem enfrentando seguidas crises, crises estas que acabam produzindo o que se costuma chamar de efeito dominó. Mesmo para quem tem o privilégio de viver nesta ilha intocável, como dizem os caciques do PT, ao festejarem recentemente dez anos de um comando corrupto, deveriam se debruçar sobre números verdadeiros e avaliar com seriedade a situação desta ilha que já vem dando claros sinais de vulnerabilidade. Basta citarmos apenas um exemplo do custo Brasil: a situação dos portos, especialmente o de Santos. Os tsunamis que atingem outras economias já fazem estragos por aqui também, nem tanto pela sua força, mas com o empurrão da irresponsabilidade de quem já está nos palanques precocemente. E o povão apoia! Os números mostram que o Brasil já vive uma crise econômica, sem contar a imoralidade: o nosso PIB ficou em 0,9%; a inflação está sendo maquiada, mesmo que seja à custa de um abismo que o futuro nos reserva. Depois de várias tentativas frustradas em governos passados, coube ao falecido presidente Itamar Franco, com seu ministro da Fazenda FHC e a engenharia de Lara Rezende, Pérsio Arida, Edmar Bacha e outros, acabou sendo lançado o vitorioso real, mesmo enfrentando tiroteio petista. Graças à nova moeda, saímos de uma inflação de 3% ao dia para 3% ao ano. Presidente Dilma, lute pelo menos pela sobrevivência de alguma coisa real que ainda sobrevive no seu nefasto governo. Se ele também vier a fazer água, não há planos sociais, nem discursos capazes de deter a avalanche inflacionária para a qual não há barragem e nem pobreza que consiga nos salvar! Roberto Ianelli Kirsten rkirsten@uol.com.br

Amparo *

A POLÊMICA NO GOVERNO DE SP

O secretário do governador Geraldo Alckmin, o advogado Ricardo Salles, levanta uma questão interessante: o que foi pior para o Brasil? A ditadura militar ou a atual ditadura da corrupção e da incompetência que vivemos hoje? A tão querida democracia, pela qual se matou e se morreu, cantada em verso e prosa por Chico e Caetano, hoje se limita a ver qual partido tem o caixa dois maior e, portanto, elegerá o maior número de nulidades. Uma vez eleitas, as tais nulidades ocuparão cargos e ministérios, com o indisfarçado objetivo de alimentar o caixa dois de seus partidos com o dinheiro não contabilizado para as próximas eleições. Se olharmos apenas os indicadores de crescimento da época do regime militar e os atuais, fica bem fácil saber quem fez o Brasil andar para a frente e quem só sabe andar de lado. Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo *

DESRESPEITOSO

As declarações do jovem advogado Ricardo Salles, secretário particular do governador  Geraldo Alckmin, questionando os crimes ocorridos durante a ditadura, infelizmente não se restringem a ele. Refletem a opinião de uma parcela ingênua da população, desinformada e facilmente influenciável por ideias de teor fascista. O secretário faria melhor se guardasse tais opiniões para si, em vez de proferi-las de forma desrespeitosa e quase que sarcástica.

 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo *

PLURALIDADE DEMOCRÁTICA

Coitado do jovem assessor de Alckmin, de apenas 37 anos, jogado aos leões pelo próprio partido, pelo simples fato de ter opinião diversa de alguns de seus membros. Em 1994, o PSDB foi um ícone nacional em matéria de diversidade ideológica, ao fazer a aliança com o PFL para eleger FHC. O PFL era formado em sua maioria, por membros do ex-PDS e ex-Arena, mas mesmo assim nunca vi ninguém do PSDB sair reclamando da origem ideológica de seus recém-aliados pefelistas, assim como estes últimos, não falaram nada sobre alguns daqueles tucanos que haviam integrado a luta armada. Agora o PSDB está agindo como o PT, querendo "cartilhar" o discurso de seus membros através do alinhamento automático de ideias. Para mim, Alckmin é um dos grandes democratas da política brasileira, pois não foi nem agitador de esquerda, nem leão-de-chácara de quartel, o que o faz ser ponderado em suas escolhas ao acreditar que as pessoas podem evoluir com o passar do tempo. Agora, o que me lembro bem, assim como o Sr. Marcelo Rubens Paiva também deve saber, é que o famoso petista Diógenes Oliveira, que fora secretário de Olívio Dutra, colocou uma bomba na frente deste jornal em que ele trabalha, sem esquecer que também foi ele o artífice da bomba que dilacerou a perna do Sr. Orlando Lovecchio, perto da Avenida Paulista. Ninguém pode dizer que o então deputado Rubens Paiva não foi morto pelo regime militar, assim como ninguém pode justificar que as ações terroristas de Diógenes Oliveira, foram legítimas porque eram em nome da "liberdade". Nem Marcelo Rubens Paiva nem Ricardo Salles mentem ao fazerem suas afirmações. Bem-vindos à pluralidade democrática: sem patrulhamento ideológico nem distorção da verdade.

David Batista do Nascimento davidbatistadonascimento@hotmail.com

Itapetininga *

DA ESQUERDA PARA A DIREITA A matéria do "Estadão" sobre o assessor de Alckmin revela que a censura e o patrulhamento ideológico agora é da esquerda sobre a direita. Ele não disse nenhuma inverdade, apenas contrariou os arautos do discurso politicamente correto.

 

Antonio Carlos Whitaker antoniocwhitaker@gmail.com

São Paulo *

DEMOCRACIA DE VERDADE? Por que motivo o secretário particular do governador Alckmin, o advogado Ricardo Salles não pode ser "de direita", ou conservador? Qual o problema, se estamos numa democracia? Ele tem o direito de expressar a opinião que quiser, tenha ou não tenha razão, conheça ou não a história. Muita gente faz patrulhamento ideológico, mas poucos fazem patrulhamento ético e moral. Bom seria se essas mesmas vozes se insurgissem enfaticamente contra essa corrupção perversa que devassa este país! Lembremos que vários esquerdistas "históricos" tidos como heróis durante o regime militar já andaram aprontando demais nesta última década; há entre eles "mensaleiros" condenados por corrupção pela mais alta corte do país e outros tantos aloprados. Então, deixem Ricardo Salles trabalhar em paz, pois é um jovem promissor, íntegro, competente e "de direita". Sim, conservador! Com certeza dará contribuições muito melhores do que gente que a tudo se permite por ter lutado nos anos de chumbo, como se isso fosse um salvo conduto para seus malfeitos. Ser conservador não é demérito. Errado mesmo é ser desonesto, é roubar dos cofres públicos ou então endossar as ações de quem o faz sem um único gesto de reprovação. Chega de patrulhamento! Cada qual pode ter sua ideologia e visão de mundo, desde que não prejudique o povo a quem foi chamado a servir.

 

Eliana França Leme efleme@terra.com.br

São Paulo *

ABORDAGEM EQUIVOCADA Achei equivocada a abordagem geral da imprensa para com o assessor do governador Alckmin, sr. Ricardo Salles. Conheço-o pessoalmente e garanto tratar-se de um homem de bom caráter e princípios de respeito à vida e ao bem. Mas agora até parece que "ser de direita" é crime! Ninguém gostou do governo militar. Mas ele foi necessário para nos salvar de tornarmo-nos uma União Soviética, quando sob a ameaça comunista em 1964. O remédio foi amargo, ruim e causou danos. Mas foi menos pior do que deixar a doença progredir e nos matar. Ninguém vai acobertar ou negar os abusos militares, mas concordo com Salles em que o governo do PT quer abrir tudo em tom de revanchismo. Nada pela moral. É vingança mesmo.

 

Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz *

RICARDO SALLES

As declarações são públicas e não são novidade (desde que não sejam reinterpretadas). A questão a saber é a quem interessa o seu cargo. Pelo visto, a muitos dentro do PSDB!

Marcos Alcantara Machado marcos.machado@fidcjaragua.com.br

São Paulo *

ABIN NA POLÍTICA

É muito grave a informação veiculada na imprensa de que a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) estaria monitorando o Porto de Suape, área de divergências entre a presidente Dilma e o presidenciável Eduardo Campos. Tem sido uma constante nos governos petistas o uso exagerado de recursos do governo federal em suas campanhas. Muitas viagens, comícios diários com a mobilização de recursos públicos e o uso constante de instrumentos que deveriam ser utilizados apenas como ferramentas de governo, são inaceitáveis.  Até o número de ministérios e os verdadeiros motivos pelos quais eles são organizados deixam evidente que o único objetivo do governo é manter-se permanentemente no poder, em vez de administrar o País. Quanto ao uso de setores de inteligência nacional, elevam essas irregularidades a níveis insuportáveis para a democracia. Ou melhor, é a demonstração de que não se preservam os preceitos democráticos no País. Alguém precisa apurar o objetivo da operação em curso. O PT tem habitualmente burlado leis e regulamentos, como se o País fosse sua propriedade.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo *

ABIN NO REDUTO DE CAMPOS

Esta na hora de a população mais esclarecida e não dependente da esmola das bolsas família e outras contestarem fortemente contra essa ditadura partidária que estamos vivendo e que não difere em nada, no âmbito político,  da ditadura militar do passado. Não bastasse a criação desenfreada de empresas estatais cujo motivo principal é a criação de cabide de empregos para garantia de apoio políticos e votos, da intenção da arrecadação de dinheiro indevido através de obras e projetos que certamente serão superfaturados caracterizando a corrupção, o governo Dilma e o PT colocam a Abin como polícia política, vigiando o reduto de um dos possíveis candidato concorrente a próxima eleição. Sem dúvida o candidato mais preocupante porque, em função da proximidade de apoio até então de seu partido com o governo, deve conhecer muito bem as falcatruas praticadas. Além desses motivos que por si só já demonstram a prática ditatorial de regime de governo, temos a catastrófica situação econômica do país, com total falta de controle e estratégia provocando a volta da alta inflação, quedas constantes da lucratividade de empresas privadas e estatais, vide Petrobrás, Eletrobrás, Vale e outras e fuga de investidores internacionais e nacionais. Educação em estado lastimável de qualidade colocando-nos nos últimos lugares da classificação da ONU, serviços de saúde pública lastimável com falta de leitos, equipamentos para exames e profissionais da saúde por todos os Estados e municípios. Falta de infraestrutura generalizada impedindo inclusive o escoamento e as vendas dos produtos agrícolas produzidos no País responsáveis por importante parcela na formação do PIB nacional, vide o cancelamento recente da compra de milhares de toneladas de soja pela China devido aos atrasos na entrega do produto, estado das filas de caminhões nas estradas de acesso aos portos e do estado lastimável das estradas federais. As constantes mentiras ditas ao público pelo governo relacionadas com a economia  e construção de infraestrutura que são facilmente e invariavelmente desmentidas pelas mídias impressas. A permanente manutenção do curral eleitoral que são os programas sociais das "bolsas tudo" que não obrigam e não incentivam os beneficiados a procurarem empregos para melhorarem de vida, muito pelo contrário, é comum indivíduos largarem um emprego ou atividade para se tornarem beneficiários dessa esmola do governo e complementarem ganhos com "bicos" na informalidade. O governo apregoa estar erradicando a pobreza no País, será que na cabeça deles sustentarem perto de 50 milhões de beneficiário das tais bolsas é acabar com a pobreza? Com certeza são falas para enganar os mais desavisados de forma a garantir seus votos nas eleições. Por esses e por outros tantos desgovernos que estão acabando com país e nos levando a um retrocesso político e econômico que temos que protestar de forma clara e ruidosa contra toda essa situação e não somente através da internet, pois esse meio infelizmente ainda não os sensibilizam.

Marco Aurélio Rehder marcoarehder@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

CORREIÇÃO NO JUDICIÁRIO

A decisão do Tribunal de Justiça (TJ) de afastar um juiz acusado de "pedir dinheiro" a advogados é uma notícia que merece um grande destaque. É mais uma prova de que os tempos estão mudando comportamentos e atitudes e, sobretudo, não estão poupando quem comete erros no exercício de um cargo público. E,  no caso em tela, entre outras, podem ser citadas duas questões. Uma delas, a coragem da advogada que fez a denúncia e também  a decisão do TJ de afastar o juiz infrator. O Judiciário não pode perder seu caráter de ser o definidor de posturas corretas.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos *

O PT CONTRA A HOMOFOBIA?

Sensacional o argumento usado por deputados do PT para anular a eleição do Sr. Marco Feliciano e retirá-lo da presidência da Comissão dos Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados. Só que estes mesmos deputados não podem deixar de pedir a expulsão do Sr. Lula do PT, uma vez que o mesmo gravou vídeo na Venezuela dando total e irrestrito apoio ao Sr. Nicolás Maduro, candidato a presidente daquele país, que tem como regra acusar o seu oponente, Sr. Caprilles, de homossexual e não gostar de mulheres. Portanto, Lula está apoiando incondicionalmente um homofóbico confesso. Será que os deputados do PT vão ter coragem ou vão dizer que "não sabem de nada"?

 

Antônio Carelli Filho palestrino1949@hotmail.com

Taubaté *

DEMOCRACIA

Lula disse certa vez, criticando a oposição: "Deixem a Dilma trabalhar!". Portanto, parafraseando "Professor de Deus", digo: "Deixem o Feliciano trabalhar!". E prestem atenção: não sou religioso e muito menos evangélico! Apenas acho que a atual campanha contra o deputado (chamado o mais das vezes de "pastor", sendo que ele está lá como deputado, e não pastor, afinal) é pilantragem intelectual dos interessados em utilizar-se das minorias para seus próprios e escusos objetivos. Houvesse de fato coerência e sinceridade em democratizar e moralizar este país, estes mesmos que ora protestam contra Feliciano (e aí inclui-se tanto a parte oportunista das classes artística e jornalística) deveriam com muito maior empenho protestar contra a presença de condenados no mensalão nas outras comissões do congresso (com "c" minúsculo mesmo). Isso, sim, é um atentado à democracia, à moral cívica e aos bons costumes republicanos. Onde estão, no entanto, os protestos? A UNE? A OAB? Os sindicatos? Como se sabe, cachorro não morde a mão que o alimenta: viraram todos mais uma vez pelegos! Getúlio ainda influencia nossa política e, de quebra, prova que nossa "zelite" continua a mesma: pendurada nas tetas do Estado, privatizando para si própria os recursos públicos! Ainda bem, espero, que não se pode enganar a todos todo o tempo... Algum dia os eleitores deste país removerão democraticamente estes parasitas.

José Carlos Falcão de Andrade jcfalcao@icloud.com

Águas de São Pedro *

MARTA SUPLICY

Não vi a ministra se indignar com os mensaleiros condenados por roubo do dinheiro público, como se demonstra indignada com o pastor Marco Feliciano. Este pessoal do PT é mesmo do peru glugluglu.

Cesar Romero Galardo crgalardo@terra.com.br

São Paulo *

DIREITOS HUMANOS

Por uma questão de justiça, o deputado Marco Feliciano, presidente da Comissão de Direitos Humanos,  não deve em hipótese nenhuma deixar seu cargo  por força de pressões internas  ou  externas.  A menos que  seus colegas de Senado,  são centenas, envolvidos  em todo tipo de improbidades, também deixem seus cargos em nome da ética ou coisa parecida.

 

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo *

TRAGÉDIA OU PIADA DE MAU GOSTO?

Porque o pastor Feliciano é um destemperado além de seus outros qualificativos, ele incomoda e cria uma grita geral contra si. Porque João Paulo Cunha e José Genoíno se mantêm estrategicamente na muda, época em que passarinho não pia, ninguém se rebela contra a permanência de ambos os condenados pela Supremo Tribunal Federal na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados. Este país virou uma tragédia, ou uma piada de mau gosto?

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo *

HIPOCRISIA

Impressionantes as manifestações de repúdio contra o deputado Marco Feliciano, acusado de racismo e homofobia. Gostaria que esses mesmos ativistas dos Direitos Humanos demonstrassem esse mesmo apoio contra os corruptos que estão no poder. O presidente da Câmara, deputado Henrique Eduardo Alves, disse "ser insustentável a permanência desse pastor à frente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias". Os brasileiros que pagam impostos e não dependem de Bolsa-Família também repudiam e acham insustentável a permanência de corruptos no poder na Ilha das Fantasias, uns já condenados pela Suprema Corte, outros com processos dormindo nas gavetas dos tribunais, como: Paulo Maluf, Renan Calheiros, Romero Jucá, Jader Barbalho, Paulinho da Força Sindical, e João Paulo, José Genoino, Valdemar Costa Neto e outros, cuja lista é extensa. Os trabalhadores com carteira assinada também repudiam e acham insustentável serem surripiados compulsoriamente pelo imposto sindical e, que está no forno, assando,a substituição desse imposto pelo desconto de 1% do salário mensal, cuja "tungada" será 350% maior que o atual, imposto esse chamado de negociação sindical, sem consulta aos trabalhadores, que têm o direito de decidir se querem ou não ser sindicalizados. E o mais importante: desses mais de R$ 2 bilhões arrecadados atualmente e que serão triplicados os sindicatos não precisam prestar contas, graças à benesse do ex-presidente sindicalista Lula da Silva, que os liberou dessa prestação, podendo os sindicatos gastar como bem entenderem, como festas do dia primeiro de maio com contratação de artistas com cachês altíssimos, sorteios de carros e apartamentos promovidos pelos líderes sindicais com o único objetivo de se elegerem e se reelegerem em cargos políticos eleitorais. Aos hipócritas, gostaria de vê-los tendo a mesma disposição e os mesmos "chiliques" que estão demonstrando no caso do deputado Marco Feliciano, para repudiarem também contra essas bandalheiras.

 

Waldir Roberto wroberto04@yahoo.com.br

São Paulo *

JOÃO-TEIMOSO

 E o deputado pastor Marco Feliciano teima em permanecer como presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias. Resiste a tudo e a todos. Nobre deputado, o senhor já apareceu o suficiente, mostrou autoridade e foi "austero", portanto, fique tranquilo, sua reeleição no próximo pleito, está garantida. E saiba mais, sua excelência só ocupa essa cadeira, porque o partido governista provavelmente tenha julgado não ser esse cargo tão importante, se não,  já teria nomeado um presidente.

Sérgio Dafré Sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí *

E SE FOR CAPETA?

Se a presidente Dilma confessa em palanque, na presença de políticos, prefeito e governador de Estado, que se faz o "diabo" durante as eleições, por que o deputado Feliciano, em culto em igreja usando sua palavra de pastor, não pode falar em satanás? Que se saiba, e assim os dicionários explicam, são palavras sinônimas junto com mais de 130 outras.

 

Maria Tereza Murray terezamurray@hotmail.com

São Paulo *

JÁ CHEGA!

Está mais que na hora de a imprensa dar um basta na publicação das bobagens e dos impropérios de Marco Feliciano. Que a sociedade e os jornais voltem suas baterias para outros tantos políticos, como os condenados da Comissão de Constituição e Justiça (chamem Caetano Velloso e cia. para protestar). Alguém já escreveu que essa concentração em Feliciano aparenta uma cortina de fumaça para escamotear problemas outros de gravidade ainda maior, que os temos às pencas! Para ter uma medida da questão, até o emblemático Henrique Alves já teve a audácia de pedir que o pastor deixe o cargo, enquanto ele próprio nada de braçada no posto, o roto falando de esfarrapado.

 

Doca Ramos Mello ddramosmello@uol.com.br

São Sebastião *

LEIS MAIS DURAS JÁ!

O que anda acontecendo com os pais de hoje? Há menos de um mês, um jovem atropela um ciclista em São Paulo, não presta socorro e ainda joga no rio o braço do atropelado que poderia ser reimplantado. Esta semana, no Rio de Janeiro, um universitário, também jovem, provoca uma discussão com um motorista de um micro ônibus, dá-lhe um pontapé no rosto, provocando um terrível acidente onde morreram 7 pessoas e 15 ficaram feridas. Onde estavam esses pais que não deram a esses jovens educação, respeito, solidariedade e responsabilidade? Que educadores são esses, que diariamente vemos jovens aprontando barbaridade sem nenhum sentimento com relação às vitimas que encontram pelo caminho? Até onde a sociedade conviverá pacificamente com esses jovens? Pelo jeito as famílias não o fazem. Não estava na hora de o governo melhorar nosso Código Penal para pelo menos coibir essa garotada criada sem limite? Eu penalizaria os pais também, porque educar não é fácil e demanda tempo e paciência. O parlamentar que quiser arriscar a levantar esta bandeira irá se surpreender com a grande aprovação da sociedade. Leis mais duras com certeza atrairão votos. A sociedade brasileira está cansada!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo *

A QUESTÃO É FISCALIZAÇÃO

Agora, depois da morte de algumas pessoas, vão apresentar um projeto considerando infração gravíssima o motorista também cobrar passagem, sob a alegação de que lhe tira a atenção. É óbvio que tira a atenção. Nunca viram isso? Só agora? A questão, se aprovado, será a fiscalização. Não há fiscalização. O quadro de fiscais é ridículo. E por que não aumenta o quadro? Porque não deve interessar a alguém fiscalizar.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro *

TAÇA LIBERTADORES OU GLADIADORES

Recentes acontecimentos como no final da Taça Sul-Americana, quando o limitadíssimo e violentíssimo time do Tigre, percebendo a sonora derrota que se avizinhava, entrou nos vestiários do Morumbi, quebrou, provavelmente provocou ferimentos, para "justificar" o injustificável e se retiraram do campo, que deveria ser de esporte e não de batalha. Na quarta-feira, em Minas Gerais, novamente um time argentino, tal como o Tigre, bastante limitado, deu novas demonstrações de desequilíbrio e entraram em confronto com a Polícia Militar. Seria importante a Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) abrir as competições sul-americanas para times de 2.ª ou 3.ª divisão. Estes "times" estão acostumados a ganhar na base da pressão ao árbitro, time adversário, atuando em estádios acanhados, aonde a torcida quase toca nos jogadores. Assim não dá!

 

Renato Amaral Camargo natuscamargo@yahoo.com.br

São Paulo *

HIPOCRISIA

É uma hipocrisia doar a renda da partida entre Brasil e Bolívia para a família do garoto assassinado pela torcida do Corinthians, isso prova que a vida entre nós não tem importância, afinal, a vida dessa criança custa uma renda de uma partida? Uma vida não tem dinheiro que pague. Se eu fosse o pai dessa criança, não aceitaria essa esmola.

Paulo Francisco Siqueira dos Santos paulof.santos@hotmail.com.br

Santa Rita do Passa Quatro *

O ITAQUERÃO NA COPA

Como bem disse a jornalista Dora Kramer no final de seu artigo "Além da imaginação", a cada dia que passa, fica mais complicada a obra do Itaquerão para a abertura da Copa no ano que vem. Isso confirma a fala do ex-presidente do Corinthians, que afirmou, semanas atrás, que a obra pode parar. Mas contraria a entrevista dada pelo multifuncional Ronaldo ao "Estadão", garantindo a abertura da Copa naquele estádio. Ou o ex-jogador tem suas certezas vindas sabe-se lá de quem ou ainda não tirou a camisa do ex-clube e continua fazendo (mais um) papel de garoto-propaganda. E aí começa muito mal sua carreira "político-esportiva", como ele mesmo disse.

 Domingos Cesar Tucci d.ctucci@globo.com

São Paulo *

MUJICA E OS KIRCHNER

José Mujica, presidente uruguaio, deixou por alguns momentos a rainha Cristina "nua". Nem me reporto aos adjetivos "velha" e "caolho" usados por ele, pois o bom de se ouvir a liberdade poética de crianças e idoso, é que as vezes eles falam sem pruridos aquilo que se cochicham pelas esquinas. Mas quando ele afirma que ela não é política e que para se conseguir algo dela é preciso recorrer ao Brasil, fica claro, que se interferimos na casa do vizinho é porque também nós pagamos as suas contas que é produto de um populismo desvairado.

Leon Diniz leondinizdiniz@gmail.com

São Paulo *

COMENTÁRIOS EM OFF

Presidente Mujica, curti bastante o seu comentário sobre o casal Kirchner. Fale agora do cachaceiro e mentiroso. Estou esperando ansiosamente por esse novo comentário. Vai subir mais ainda no meu conceito, como um homem de opinião, sem papas na língua.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro *

NÃO TERIA PREÇO

A sinceridade do presidente do Uruguai, José Mujica, é impagável. Como não teria preço saber o que pensa, na verdade, de tantos outros dirigentes, em especial, os sul-americanos.

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo *

LONGE DO MENSALÃO

O Lula não toma jeito mesmo!  Gosta de aparecer e falar para massas desprotegidas de democracia como o povo venezuelano! E agora grava vídeo para apoiar a campanha presidencial de Nicolás Maduro, o mesmo que ao lado do já falecido Hugo Chávez, jamais em tempo algum respeitou a Constituição do país, os direitos humanos, e tampouco a imprensa. Ou seja, o ex-presidente brasileiro, enquanto aguarda a prisão de seus camaradas, protagonista que foi do mensalão, continua muito amigo de governos déspotas...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos *

DEMOROU

Nicolás Maduro confirma: Chávez ressuscitou. Devido à habitual incompetência bolivariana, voltou no formato de passarinho...

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.