Fórum dos Leitores

Atualizado às 6h07.

O Estado de S.Paulo

25 Abril 2013 | 02h05

GOVERNO DILMA

Dirigir o País

Dona Dilma Rousseff nega estar em campanha pela reeleição e argumenta que não quer, na metade do seu governo (?), discutir 2014, porque tem a obrigação, durante 24 horas por dia, de dirigir o Brasil. Dirigir o Brasil em que direção? Até agora, passada mais da metade do seu (des)governo, a inflação está comendo solta; o pibinho, cada vez mais irrisório; a violência, aumentando em números incontroláveis; a saúde, com filas enormes e macas no chão; das 6.424 creches prometidas na campanha, só umas 40 foram construídas; dos 800 aeroportos anunciados em viagem pela Europa, até agora nenhum foi iniciado; a transposição do Rio São Francisco só transpôs dinheiro público para o buraco, mas água, que é bom, nada... Isso só para citar alguns absurdos desse (des)governo. Assim sendo, podemos acreditar que dona Dilma realmente está dirigindo o Brasil, mas em direção a um precipício sem volta. Pobre povo brasileiro!

ANTÔNIO CARELLI FILHO
palestrino1949@hotmail.com
Taubaté

*
Inflação

Palavras de dona Dilma: "O Brasil não negocia com a inflação e nem flerta com a inflação". Mas o Brasil do PT convive há dez anos com a inflação...!

MILTON BULACH
mbulach@gmail.com
Campinas

*
CORRUPÇÃO

Não vai dar em nada

PF vai pedir a quebra de sigilo de assessor de Lula, diz o Estadão de ontem. Quanta bobagem e desperdício de dinheiro e de tempo! Nossos tribunais estão abarrotados de pendências antigas, não julgadas por falta de tempo (vide Carandiru, 20 anos!). Como sabidamente só ladrões de galinha, quando considerados culpados, vão para a prisão, por que deixar tantos casos pendentes, perdendo uma enormidade de tempo e gastando milhões de reais, para fazer julgamentos sensacionalistas que nunca dão em nada? Alguém ainda acredita que os do mensalão ficarão atrás das grades por um dia sequer? Doce ilusão, que a cada dia que passa se torna mais amarga. Para que começar de novo uma ação mirabolante, sabendo-se de antemão que não vai dar em nada, além de sensacionalismo? Alguém poderia pensar que o tal Freud acabará se dando mal? E o chefe a ser investigado? Menos ainda. Deixem o homem cair no esquecimento e parem de fazê-lo de pseudovítima, economizando assim o tempo de nossos juízes para coisas mais sérias.

MARTINO THOMAZ METZLER
tmetzler@uol.com.br
Botucatu

*
O grande circo

A Polícia Federal (PF) pede a quebra do sigilo de Freud e o ministro Lewandowski sugere vagareza no julgamento do mensalão. Nota-se que a quebra do sigilo do poderoso chefão fica de fora e o julgamento caminhará ao passo de tartaruga. Os mensaleiros podem festejar antecipadamente o julgamento em que foram condenados (no faz de conta). Dos dez ministros do STF, três são claramente pela absolvição e dos restantes pairam dúvidas sobre três. Assim, o grande circo pode ser armado em Brasília e o PT, como organizador do evento, desde já pode convocar seus adeptos para se servirem da grandiosa, recheada e crocante pizza, regada a finíssimos vinhos, tudo pago pelos palhaços espalhados pela imensidão deste Brasil, "um país de todos"!

VICENTE MUNIZ BARRETO
dabmunizbarreto@hotmail.com
Cruzeiro

*
Recursos do mensalão

Se o sr. Lewandowski não tem pressa para julgar os recursos do mensalão, o povo tem. Para que a justiça seja finalmente concretizada, e não empurrada com a barriga por meio de artimanhas jurídicas protelatórias, até que a dona Dilma coloque mais "cumpanheiros" no STF.

JOSÉ GIBERTO SILVESTRINI
jsilvestrini@hotmail.com.
Pirassununga

*
Chega de teatrinho!

Se o STF for fazer pizza do mensalão, então, nós, brasileiros, penhoradamente agradeceremos se a Polícia Federal parar imediatamente com os inquéritos Rose e Lula, já que não vão dar em nada mesmo, claro, igual ao julgado. Para que perder tempo e gastar o nosso dinheiro? Que esqueçam, podem dispensar o teatrinho, já cansamos de nos fazerem passar por otários.

ELIANA FRANÇA LEME
efleme@terra.com.br
São Paulo

*
MÍDIA E DEMOCRACIA

Genoino e os EUA

Em discurso na tribuna da Câmara, o deputado mensaleiro José Genoino, defendendo a "democratização da mídia", trouxe o argumento de que a questão deve ser debatida "à luz da experiência internacional, de países com democracia consolidada e mais avançada" que a nossa. Nessa linha, citou a "experiência americana" no caso do direito de resposta. Acho estranho que um comunista que participou da luta armada no Araguaia, como Genoino, venha falar em "democracia consolidada" (o que ainda não temos) e usar os EUA, onde a liberdade de imprensa é total - o oposto daquilo em que acreditam os defensores da "democratização da mídia" -, como parâmetro para nós, e não Cuba, o paraíso de seus sonhos e também de boa parte da companheirada da seita petralha. Se for para tomar Tio Sam como referência, fica aqui a minha sugestão para que se imitem os EUA também em outras áreas, como, por exemplo, a da célere e grave punição dos criminosos com todas as cores de colarinho. Se os graves delitos atribuídos pelo STF a Genoino e seus asseclas tivessem sido cometidos na terra de Barack Obama, todos os réus já estariam presos (em regime fechado!), condenados a muitos anos de cadeia, sem choro nem vela. E sem embargos infringentes nem declaratórios! 

SILVIO NATAL
silvionatal49@yahoo.com.br
São Paulo

*
Arenga demagógica

Duvido que na França ou nos EUA, países citados por José Genoino em sua arenga demagógica, um criminoso condenado, como ele, ocupe a tribuna do Parlamento para dar lições de moral sobre a liberdade de imprensa ou seja lá o que for.

NELSON PENTEADO DE CASTRO
pentecas@uol.com.br
São Paulo

*
Controle

Muito engraçado ver o mensaleiro condenado Genoino pedindo o "controle da mídia"! A única coisa que podemos dizer, parafraseando o ministro Luiz Fux, é: "Não polemizamos com réu!".

BEATRIZ CAMPOS
beatriz.campos@uol.com.b
São Paulo

*
COPA DOS CAMPEÕES

Lewandowski

O deles é muito melhor!

KÁROLY J. GOMBERT
gombert@terra.com.br
Vinhedo

*
O MENSALÃO DE VOLTA À CORTE

Se um novo julgamento do mensalão for feito apenas para invalidar as decisões do primeiro e poder favorecer José Dirceu, José Genoino, mas principalmente Lula, que está tendo seu nome agora envolvido no esquema – ele, que  sempre afirmou que “provaria” que o mensalão nunca existiu –, então  decrete-se de uma vez, em bom português e até em tupi-guarani, que o Supremo Tribunal Federal (STF), durante o governo do PT, não é confiável porque precisa sempre rever suas decisões. E, se tudo não passou da tal piada de salão, como o “abaité” (gente repulsiva) Delúbio Soares disse que seria este julgamento, então chega de nhenhenhém  (falação) e de “potoca” (mentira) sobre instaurarem inquérito contra Freud Godoy e Rose Noronha, gente ligada a Lula visceralmente. Pura perda de tempo e de dinheiro – e estamos nos tempos das vacas magras, não se esqueçam! Porém, ainda quero acreditar que o “Marãguassu” (grande chefe) Joaquim Barbosa saberá impedir que os condenados e seus advogados de defesa transformem o STF num “tiyukopauá” (lodaçal). “Tiririka” boa, grande chefe Barbosa, é aquela que a gente arranca da terra até com as batatinhas! É o que espero que aconteça, pelo bem do Brasil.

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com
São Paulo

*
FREUD EXPLICA
 
Quem não se lembra de Freud Godoy, aquele “faz tudo” do presidente Lula, muito citado logo após o  estouro do escândalo do Mensalão? Pois bem, o senhor Freud está de novo nos noticiários, posto que está   correndo  nas altas esferas da Justiça uma possível  abertura de investigação sobre a participação ou não do ex-presidente naquele escândalo. É esperar para ver. Como se  diz, Freud explica. Ou não!
 
José Marques seuqram.esoj@bol.com.br 
São Paulo

*
ESTÁ CHEGANDO O DIA

A Polícia Federal (PF) encaminhará à Justiça, nesta semana, um pedido de quebra dos sigilos bancários de Freud Godoy, ex-segurança e ex-assessor de Lula na Presidência da República. O operador do mensalão Marcos Valério, falou à Procuradoria-Geral da República em setembro do ano passado e foi reinquirido pela PF. Espero que as provas, sem dúvida que existem, incriminem este presidente metido a ser o único perfeito no mundo e tirem-lhe a máscara da corrupção que assola o PT sob o comando dele.

Antonio Jose G. Marques a.jose@uol.com.br 
São Paulo

*
PIZZA
 
Certo é que a providência tomada pela Polícia Federal, para conhecer as contas bancárias de Freud Godoy, é salutar, porquanto nelas deverão estar as somas mencionadas por Marcos Valério, em suas manifestações. O cidadão pesquisado pela PF é íntimo e “faz tudo” de Lula e vai, então, colaborar com o aparecimento da verdade. Entretanto, no STF, continua a discussão sobre pressa ou não no julgamento do caso e sobre a possibilidade de que os condenados José Dirceu e José Genoino possam cumprir pena com prisão parcial ou não, desde que a apenação poderá ser reduzida. Os brasileiros, infelizmente, já estão enxergando “pizza” no rumo a ser atingido pelo mensalão. Vale ressaltar que o conceito da Justiça brasileira havia subido bastante perante a população, mas poderá cair. E aí não seria para a posteridade?

José Carlos de C. Carneiro carneirojc@ig.com.br 
Rio Claro

*
O ILUSIONISTA

As estripulias de Lula parecem sintomáticas. Justo agora, que o ex-presidente, tornou-se colunista do respeitado jornal americano “The New York Times”, investigação da PF pede a quebra de sigilo bancário de Freud Godoy, amigo de Lula, a quem se atribui repasse de dinheiro do mensalão para pagamento de contas pessoais do ex-presidente em seu mandato. A julgar pelo “modus operandi” comum em seu governo, que sempre anunciava numa jogada de ilusionismo, novas descobertas de poços de petróleo a cada escândalo que estourava, se as investigações da Polícia Federal estiverem no rumo certo, em breve veremos Lula declarando em sua coluna do “NYT”, que o presidente Obama o convidou para ser o diretor da CIA.  

Peter Cazale Pcazale@uol.com.Br   
São Paulo 

*
INFELIZ IDEIA

A decadência do jornal “The New York Times” está evidente no “Estadão” de 24 de abril (página A5), ao noticiar como colunista o ex-presidente Luiz Inácio da Lula Silva. Onde foi parar o desprezo do jornal americano, que já qualificou Lula como bêbado e corrupto? Sem dúvida é o fim do mundo. Só espero que o “Estadão” não contrate o chefe do mensalão.
  
José Francisco Peres França josefranciscof@uol.com.br 
Espírito Santo do Pinhal

*
LULA EM PROCESSO DE FUGA?

Se o Ministério Público se debruça sobre as denúncias de Marcos Valério no envolvimento de Lula no mensalão; se no processo contra a Rosemary Noronha também vem sendo investigado o envolvimento de Lula enquanto presidente da República; e se Lula será colunista do “The New York Times”, pode ser que esteja em processo de fuga do Brasil. Só não entendo por que não para a Rússia, China, Cuba, etc.! Isso prova que todo comunista odeia os EUA, mas em qualquer rota de fuga correm para o país mais democrático e capitalista selvagem do mundo.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br 
São Paulo

*
LULA ESCLARECE

Lula escreverá no “The New York Times” para explicar ao mundo como consegue enganar milhões de eleitores no Brasil, detalhando, por exemplo: 1) Como ele e Dilma decretaram “o fim da miséria a partir de renda per capita mensal de R$ 70, equivalente a R$ 2,35 por dia”; para que milhões de brasileiros possam lidar com as despesas de alimentação, moradia, vestuário, transporte, etc. (Dirá que este valor é menor do que muitos pedintes / moradores de rua arrecadam pedindo esmolas nos sinais de trânsito, mas que, ainda assim, ele, Dilma e o governo petista fizeram campanha de marketing para alardear mais essa enganação como um feito histórico). 2) Explicará como, segundo Dilma e Lula, “40 milhões de pessoas foram para a classe média”, considerando “classe média” a partir de renda per capita de somente R$ 290 por mês (menos de R$ 10 por dia!). 3) Explicará como consegue propagandear “esses feitos”, mesmo sabendo que o Brasil ainda apresenta um dos piores níveis do mundo em termos de desigualdade e concentração de renda; e que o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) continua pior do que mais de oitenta países. 4) Explicará como consegue prometer Pibão e entregar Pibinho. 5) Explicará o enorme custo Brasil, os enormes gargalos da infraestrutura do País, e explicará que PAC é o “Programa que Adia o Crescimento”. 6) Explicará por que ele, Lula, afirmou que “o sistema de saúde brasileiro está próximo da perfeição e porque o Obama deveria copiar o SUS nos Estados Unidos” (enquanto brasileiros de todas as idades e regiões aguardam horas na fila para uma simples consulta, meses para uma cirurgia, e muitos são atendidos “improvisadamente” em corredores de hospitais extremamente precários). Explicará que afirmou isso mesmo sabendo que a Organização Mundial de Saúde classifica muito mal o Sistema Único de Saúde comparativamente ao estágio de dezenas de outros países em ranking mundial. 7) Explicará que, mesmo sabendo que a Unesco classifica muito mal o sistema de educação brasileiro em ranking mundial (pior que 87 países) e que, mesmo sabendo que diversos testes internacionais classificam muito mal o desempenho dos alunos brasileiros, ele continua afirmando que fez um trabalho extraordinário pela educação. 8) Explicará por que a diplomacia internacional brasileira continua apoiando, incondicionalmente, ditaduras declaradas e ditaduras disfarçadas, como Cuba, Venezuela, entre outros. 9) Explicará a tese do mensalão e dirá por que defende que o termo corrupção seja sinônimo de “apoio de caixa 2” e/ou “recursos não contabilizados de campanha”. Explicará aos responsáveis pela campanha de Obama, à imprensa americana e à Suprema Corte dos Estados Unidos como evitou um processo de impeachment, mesmo diante da confissão pública de Duda Mendonça, responsável por sua campanha à Presidência, que afirmou em rede nacional que foi pago pelo PT com caixa 2 e com remessa ilegal ao exterior. Em síntese, Lula explicará como comanda, há mais de dez anos, a maior farsa da história política brasileira. 

Marcus Antonio Porto marcusporto@hotmail.com
São Paulo
    
*
O ARTICULISTA-ILUSIONISTA
  
Quem diz aos quatro ventos que o “falecimento de Chávez foi uma grande perca” não pode estar capacitado a escrever nem mesmo em informativo de escola de samba, muito menos no consagrado “The New York Times”, jornal norte-americano onde Lula assinará uma coluna mensal. Todavia,  nosso apedeuta foi presidente;  é conhecido mundialmente e tem lá os “ghost-writers” de sua conveniência para facilitar sua vida de articulista ilusionista. Aliás, essa coisa de o Lula – um declarado inimigo da leitura – “escrever” é bizarra: como pode alguém, com náuseas à leitura, ter pendores para a redação, ainda mais em um jornal – leitura que assumidamente lhe dá “náuseas”? Bueno, para o público americano, que não o conhece bem, pode até passar e muita gente engolir os textos como se fossem mesmo escritos por Lula. Quem não te conhece que te compre, companheiro!
 
Silvio Natal silvionatal49@yahoo.com.br 
São Paulo 

*
NOVO COLUNISTA

Quem vai escrever o quê? Sobre o quê? Em qual idioma (em português certamente não será; em inglês então...)? Alguma coisa deve estar errada... Se o “cumpanhero” tem imensa dificuldade em falar um bom português, nunca leu (“com muito orgulho”) nenhum livro, como poderá escrever alguma coisa, sobre o que quer que seja?

Sergio Rodrigues serrod@uol.com.br
São Paulo
 
*
DO PRÓPRIO VENENO

Se realmente Lula for aceito como colunista do jornal “The New York Times”, como os petistas estão comemorando, esperamos que os norte-americanos exijam que a imprensa de seu país o censure, afinal seus “companheiros” vivem exigindo que a imprensa livre brasileira seja controlada.

Leila E. Leitão 
São Paulo 

*
AZIA

Deu a louca no mundo. O homem que nunca gostou de ler jornais virou colunista do “NYT”. Quem ficou com azia agora foi eu.
 
Ademar Monteiro de Moraes ammoraes57@hotmail.com 
São Paulo

*
CONTRA O BRASIL

Só pode ser campanha do “NYT” para denegrir a imagem do Brasil.

Corinto Luis Ribeiro corinto@corinto.arq.br 
São Paulo

*
MISERICÓRDIA, Ó PAI!

Quer dizer que o ex-presidente Lula vai escrever uma coluna mensal para o jornal norte-americano “The New York Times”?  Bom, a partir de agora já não se pode dizer, de um modo absoluto, que nada há novo debaixo do sol, como afirmam as sagradas escrituras...

Armando Lopes Rafael Armando.rafael@terra.com.br 
Crato (CE)

*
NADA QUE VER

Valha-me Deus! Acabo de ler que Lula vai escrever artigos para o jornal “The New York Times”. Será que de seu currículo faz parte a informação de que é semianalfabeto e tem náuseas ao ler?

Eliana Pace pacecon@uol.com.br 
São Paulo

*
PIADA

O povo norte-americano tem um humor a toda prova. Depois desta de “contratar” o Lula como colunista mensal, nada mais resta que rir, e muito. Ótima piada!

Jose Roberto Marforio bobmarforio@gmail.com 
São Paulo

*
POUPADOS

O novo colunista do “The New York Times”, ex-presidente Lula nem precisa se preocupar com seus artigos, pois eles não serão publicados no Brasil. Ainda bem, assim os leitores não sentirão azia.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com 
São Paulo

*
LULA NO NYT

Dúvida atroz: Não sei se dou parabéns ao ex-presidente ou pêsames ao jornal...

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br
São Paulo

*
A POLÍCIA LÁ E CÁ... LAMENTÁVEL

O mundo inteiro viu a grande caçada que 9 mil agentes policiais empreenderam na captura aos irmãos Tsarnaev, que detonaram as bombas na maratona de Boston. Um foi morto com mais de 100 tiros, o outro preso em estado crítico, e o povo aplaudiu, aliviado. Não apareceu ninguém para reclamar de violência ou excesso policial, apesar dos muitos tiros e bombas empregados na operação. Até o presidente assumiu a sua parcela de responsabilidade. Nos países desenvolvidos, até os excessos ou enganos que reconhecidamente cometem as polícias são perdoados pelo Estado e sociedade, em nome da manutenção da segurança publica. Exemplo disso é o brasileiro Jean Charles de Menezes, morto por engano no metrô de Londres. Os policiais que o eliminaram não foram punidos. O caso terminou como um “lamentável engano” e seus protagonistas lembram que, se, em vez de Jean, tivessem encontrado o terrorista procurado, teriam sido convertidos em “heróis”. Foi o que se deu em Boston. Mas a doutrina de segurança pública praticada no chamado “Primeiro Mundo” é ignorada em muitos lugares, inclusive no Brasil. O episódio do Carandiru é emblemático. Há 20 anos, facções criminosas que disputavam o domínio interno do presídio entraram em confronto. Depois de esgotadas as possibilidades de apaziguamento, a entrada da polícia foi determinada e, como resultado, 111 detentos morreram. O episódio foi politizado e sustentou o discurso fácil dos candidatos e até do próprio governo. Agora, parte dos policiais envolvidos é condenada à fantasiosa pena de 126 anos de prisão. A instituição policial já tem seus controles e pune os excessos. Mas, além disso, ainda existem os contumazes críticos que vêem excesso em toda ação. E, na cortina de fumaça que criam, desenvolve-se a escalada criminosa. Sensível diferença entre o tratamento recebido pelas polícias dos EUA, Inglaterra e outros países desenvolvidos, e a reprova a que se submete a polícia brasileira. Heróis os de lá, execrados e condenados os de cá. Lamentável... Lamentável, mesmo! 

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br
São Paulo                                                                                                     

*
RECONHECIMENTO

Condenaram 23 policiais militares a 156 anos de prisão para cada um deles. Passados 20 anos, aqueles detentos, muito deles, que cometeram crimes hediondos e violentos e seguramente incorrigíveis, viraram “mocinhos” nesse prazo. A Polícia Militar, a nossa Força Pública, é uma instituição centenária composta de profissionais e pessoas da maior e melhor competência e responsabilidade para cuidar da segurança – das pessoas e do patrimônio – de toda a sociedade. Essa sociedade como um todo deveria conhecer melhor e corretamente a essa instituição e a todos os seus integrantes, do menor ao maior escalão. Merece o nosso respeito e deve merecer o de toda a sociedade. Todos aqueles que foram atendidos pela Polícia Militar sabem e reconhecem a presteza e o destemor deles. Disse a advogada da defesa que “esperava o reconhecimento da ação legítima dos policiais militares”. Os detentos, quando provocaram a rebelião no Carandiru seguramente estavam armados e, muito provavelmente, fortemente. Os diretores da Anistia Internacional – que só se manifestam contra policiais militares e civis e nunca contra os bandidos que matam, roubam, violentam e estupram – disseram que “foi um passo importante na garantia da justiça para as vítimas” (vítimas?), “seus familiares e sobreviventes”. Em outros países, em especial nos Estados Unidos, vide o exemplo recente da prisão de um dos que praticou o atentado em Boston, os policiais foram saudados, aplaudidos e abraçados pela população em sinal de gratidão e respeito. A cultura do patriotismo e das defesas das causas e sentimentos nobres é uma prática a ser reconhecida. Assim, a parcela da sociedade – que deve ser a maioria – precisa e deve dar o merecido reconhecimento do trabalho desenvolvido pelos policiais e pela instituição Polícia Militar, a nossa Força Pública. Alguns só se darão conta e valor quando um seu ente querido sofrer as consequências mais graves causados pelos bandidos, infelizmente.

Pedro e Debora Fukumura fukumura@uol.com.br
São Paulo

*
ETANOL – CONTINUAMOS PAGANDO

Não foi surpresa saber que a redução de tributos sobre o etanol dificilmente vai chegar ao consumidor. Como sempre, os usineiros querem sempre ganhar o máximo com o mínimo de esforço. E, agora que o porcentual do etanol na gasolina vai subir de 20% para 25%, eles estão tranquilos, pois vão vender mais sem mexer um dedinho! A conta, como sempre, será paga pelo consumidor, já que o consumo de etanol por quilômetro rodado é maior que o da gasolina. Pior: aqui, em Minas Gerais, os usineiros têm um aliado muito especial: o governo. Os veículos com motor flexível da frota estadual (milhares, acrescento) só podem ser abastecidos com etanol, com grande prejuízo aos cofres públicos. Já reclamei desse absurdo na Ouvidoria-Geral do Estado, em janeiro de 2012 (protocolo 42993). Não deram a mínima.
 
Luciano Nogueira Marmontel automat_br@ig.com.br 
Pouso Alegre (MG)

*
DESPREPARADO

No dia 23 vimos e ouvimos o pronunciamento do ministro da Fazenda, Guido Mantega, na televisão, ocasião em que anunciou a desoneração do PIS/Cofins sobre o etanol, como também uma linha de crédito para produção no valor de R$ 4 bilhões e também R$ 2 bilhões para estocagem. O difícil foi vê-lo expor aos jornalistas a evolução da Medida Provisória, quando demonstrou claramente não estar a par muito menos familiarizado com o projeto: diante de qualquer pergunta feita pelos repórteres, além de demonstrar dificuldades para responder, tinha de obrigatoriamente ler antes para se orientar, procurando as respostas nas folhas em seu poder. Também para se esquivar das perguntas, a todo instante afirmava que todos receberiam uma cópia no final da “apresentação” para os esclarecimentos necessários. Vergonhoso!

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br 
São Paulo

*
ETANOL OU AÇÚCAR

Assisti à entrevista de Guido Mantega (rançosa) na TV, na companhia de Lobão e Graça Foster, sobre o etanol, anunciando um aumento do álcool na gasolina para 25% e uma redução nos impostos cobrados sobre o álcool combustível a partir de 1.º de maio. Ele falou ao vivo que era para reduzir a importação de combustíveis da Petrobrás (que está importando muito porque produz pouco). Isso forçará um aumento no preço do açúcar, porque ou se produz açúcar ou álcool, já que a maior produção de álcool leva a uma menor de açúcar, se não houver maiores plantações de cana.

Mário A. Dente dente28@gmail.com 
São Paulo

*
FAZ DIFERENÇA?

O governo perdeu uma enorme chance de inovar na embromação do povo brasileiro, poderia ter anunciado o aumento de adição de etanol na gasolina comum de 50% e o povão não iria nem entender que estaria comprando o etanol mais caro. Alguns iriam até elogiar a atitude de promover a indústria do açúcar e do álcool e reduzir a importação de gasolina. Afinal, gasolina com 25% ou 50% de etanol é a mesma porcaria.

Vagner Ricciardi vbricci@estadao.com.br 
São Vicente

*
A PETROBRÁS RUMO AO FUTURO

A notícia: “Petrobrás amarga déficit comercial de US$ 7,3 bilhões no 1.º trimestre”. Que futuro podemos esperar da Petrobrás, o orgulho brasileiro – o petróleo é nosso, e o pré-sal? E fica por isso mesmo? Cobrar a responsabilidade dos seus “dirigentes” e da Presidência da República, cabe ao Ministério Público, Judiciário, OAB ou a nós, brasileiros, com auxílio de outras forças? Comparem os números, o atual prejuízo em apenas um trimestre é maior em quatro vezes o déficit do 1.º trimestre do ano passado (2012). A ingerência é resultante do aumento em 40% nas importações e a redução em 50% das exportações. Onde ficou a nossa autossuficiência em petróleo e o que aconteceu com as maiores jazidas de petróleo do pré-sal? Foi mais uma das falácias eleitoreiras do PT? O Brasil é importante para todos os brasileiros, não pertence ao PT e muito menos dos petistas, que se locupletam com dinheiro público, alguém duvida? A situação é muito mais grave do que podemos imaginar... Petrobrás rumo ao futuro incerto e perigoso!
 
Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br 
São Paulo

*
PURO FACTOIDE PETISTA

Penso que o editorial de 22/4 do “Estadão” – “Autossuficiência mais distante” – dá uma versão dos fatos favorável ao (des)governo do metalúrgico que não corresponde à verdade. Na minha opinião o Brasil nunca atingiu a autossuficiência na produção de petróleo, nem durante o breve período a partir de abril de 2006 quando se montou o espetáculo midiático de Lula com as mãos sujas do ouro negro a bordo da plataforma P-150 da Petrobrás, anunciando mais uma das “conquistas” da sua administração em busca da emancipação econômica do Brasil. Para mim, só se pode dizer que o País atingiu a autossuficiência no momento em que a conta petróleo deixar de pesar negativamente na nossa balança comercial, isto é, as exportações do produto superarem em valor as suas importações. Ora, isso jamais aconteceu. Embora a nossa produção em volume físico tenha superado por pouco tempo o nosso consumo, continuamos dependentes de importações porque o nosso petróleo atualmente extraído é pesado, com elevado teor de enxofre e não o ideal para o refino dos produtos mais nobres como o óleo diesel, a gasolina e a nafta. Por isso continuamos forçados a importar petróleo leve e, como este tem valor mais alto que o pesado que exportávamos, o Brasil continuava a ter déficit em US$ na sua conta petróleo. Por isso não considero correto afirmar que por algum período, ainda que efêmero como dito no editorial em comento, o Brasil foi autossuficiente na sua contabilidade petrolífera. Não passou de um mero factóide petista que se tentou vender à Nação, infelizmente comprado por muitos incautos. Quanto à Refinaria Abreu e Lima também citada no artigo, é  um exemplo irrefutável do descalabro que foram os oito anos da administração lulista, a merecer uma investigação rigorosa para apuração da responsabilidade de Lula por ter  confiado no irresponsável caudilho Chávez e firmado com ele um acordo que a estatal petrolífera venezuelana PDVSA jamais cumpriu e ter acarretado assim um enorme ônus financeiro à Petrobrás.

Paulo Afonso de Sampaio Amaral drpaulo@uol.com.br 
São Paulo

*
‘NO LONGO PRAZO ESTAREMOS TODOS MORTOS’
 
Editorial de “O Estado” (22/4, A3) demonstra que nossa tão almeja autossuficiência em petróleo só será alcançada em 2020, se estiver certo o planejamento estratégico da Petrobrás. Até lá, continuaremos deficitários e importando derivados para atender à demanda interna. Uma das causas está no fracasso da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, em que a venezuelana PDVSA entrou como sócia (com 40% de participação), dada a amizade que vinculava o presidente Lula a Hugo Chávez, porém não aportou ao projeto sequer um níquel. A obra atrasada foi orçada em US$ 2,3 bilhões, mas seu custo real será de US$ 18 bilhões. E a Petrobrás importa o derivado, de modo a apresentar um déficit comercial da ordem de US$ 7,3 bilhões. Porém, os marqueteiros encarregados da reeleição da presidente Dilma, mais uma vez, nos posicionarão como um país rico em petróleo, cujas riquezas nos permitirão viver comodamente em seu próximo mandato. É possível que o petróleo ainda salve o Brasil, mas naquele prazo mencionado por John Maynard Keynes. 

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br 
São Paulo

*
TRUQUEZINHO

É verdade que a Petrobrás vem registrando queda de produção, mas é mentira que o seu déficit comercial, este ano, seja motivado apenas por uma questão fiscal por conta de uma instrução normativa da Receita Federal que permitiu atrasar os registros de importação em 2012. O prazo maior concedido à estatal para registrar US$ 2,6 bilhões somente em 2013 (ainda faltariam outros US$ 1,9 bilhões para serem computados) foi aprovado única e exclusivamente por pressão política para mascarar o resultado da balança comercial do ano passado. Mais um truquezinho irresponsável e de má-fé para salvar as aparências do governo petista da dona Dilma.

Sergio s. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br 
Monte Santo de Minas (MG)

*
INCOMPETÊNCIA

A incompetência do PT e da presidenta assusta. Veja-se o que estão fazendo com a Petrobrás, que tem agora plano de desinvestimento sendo a Shell uma interessada em comprar alguns de seus campos marítimos... (19/4, B3). Quem não consegue administrar uma grande empresa, tendo o domínio não só da empresa como também do seu mercado, que competência tem para administrar um país?

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br 
São Paulo

*
PICARETAGEM GOVERNAMENTAL

Aumenta cada dia mais a nossa total vassalagem aos acontecimentos políticos atrelados aos interesses financeiros de algumas empresas aquinhoadas com os beneplácitos do nosso BNDES, em que o S, de social, não tem nada. Muita grana empregada onde não se tem ou não vai ter retorno, pequenas e médias empresas que certamente fariam bom proveito de possíveis empréstimos, ficaram a ver navios, com negativas e falta de interesses do banco, em outros seguimentos, que gerariam mais progresso e  empregos. O outro lado da picaretagem governamental é a isenção à Fifa, no seu bilhão de reais, numa mostra que estamos nadando em dinheiro, com nossos hospitais e Santas Casas muito bem aparelhadas, médicos especialistas sobrando nos corredores, segurança de Primeiro Mundo, com tolerância zero em todas as grandes cidades, menores e adolescentes, cientes de suas responsabilidades futuras como cidadãos de primeira classe, educação no nível de uma Suécia, safras recordes, chegando aos portos numa velocidade espantosa. Toda essa celeuma seria risível, se não fosse trágica.  

Aloisio A. de Lucca aloisiodelucca@yahoo.com.br 
Limeira 

*
PARA A FIFA, TUDO

Pois é, amigos, a presidente Dilma trabalha para a Fifa: isenta-a de impostos e cumpre na risca seus projetos de estádios, deixando muito clara sua prioridade. Agora, amigos brasileiros, quando a Copa acabar, a inflação aumentar e em sua mesa a comida faltar, grite assim: “2 a 1 para o Brasil...”.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmaol.com 
São Paulo
  
*
PAÍS DO FUTEBOL

Realmente, este é o país do futebol. Além do R$ 1 bilhão que perderemos em benefício da Fifa, estão prevendo perdoar os débitos fiscais de muitos clubes no Brasil, onde os clubes cariocas são os maiores devedores.

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@ig.com.br
São Paulo

*
A COPA NO RIO
 
Muitos estádios foram ou estão sendo edificados especialmente para a Copa do Mundo de 2014, o que também deveria ter acontecido no Rio de Janeiro, para preservar o Maracanã, afinal ele foi tombado. No meu entendimento, tombar é preservar na forma mais original possível. Com os recursos despendidos, uma outra arena poderia ser, dentro das exigências da Fifa (inclusive infraestrutura), construída. Sob muitos aspectos seria benéfico um novo estádio no Rio, com tudo em cima, e não prejudicaria tanto os quatro grandes do futebol carioca (Engenhão interditado, Maracanã em obras durante 30 meses e, mesmo depois de pronto, eles só poderão usá-lo quase dois meses depois de entregue), afugentando o público e advindo daí pífias rendas. 

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br 
Vila Velha (ES) 

*
PROFESSORES EM GREVE

Dona Maria Izabel Azevedo Noronha, presidenta da Apeoesp, o Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (“Greve de professores”, “Fórum dos Leitores”, 24/4, A3). Só a denominação de “presidenta” já demonstra de que lado partidário está. Sabemos que, ainda longe do ideal, o Estado de São Paulo é o  que melhores condições, em todos os sentidos, oferece aos professores da escola pública. O governador propôs um aumento acima da inflação e qual foi a reação capitaneada pela senhora presidenta? Greve! Justifica para isso o abandono da escola pública. Abandono? Isso é dito com a maior aleivosia porque sabe que a grande maioria das pessoas não pisa em escolas públicas para constatar que aqui, em nosso Estado, estão as melhores e mais bem equipadas escolas do País. Queixa-se também da violência que, de fato, é assustadora. Mas isso é culpa da escola ou faz parte de um contexto maior de violência que tomou conta do País inteiro? Gostaria que, então, com a mesma ênfase, ela protestasse contra sua presidenta Dilma, quanto ao descaso que este governo vem tendo com a educação neste nosso Brasil, lembrando que no ranking internacional amargamos uns dos últimos lugares em qualidade de ensino. Quanto a isso não há protesto, nem sequer menção? A senhora presidenta da Apeoesp seria mais útil à categoria se, ao invés de contestar a carta de Dona Renata Oliva, que foi muito discreta, aliás, em suas observações, lutasse por uma melhor condição educacional para o País como um todo, mencionando o desprezo que este governo federal tem por sua categoria. Enquanto nos EUA o presidente Obama homenageia e premia um professor brasileiro como o melhor professor do ano, aqui, a presidenta Dilma jamais passou por uma escola (que vá m uma lá pelo sertão do Nordeste, onde existem tantos beneficários do Bolsa-Família) para ver as péssimas condições onde estudam estas pobres crianças. Menos cinismo, Dona Maria Izabel, e mais patriotismo. 

Eliana França Leme efleme@terra.com.br 
São Paulo

*
ORDEM INVERSA

E lá vai a Apeoesp para a sua já tradicional greve anual! Nossas crianças e jovens pagarão, mais uma vez, o custo da paralisação por “melhores salários”, sem a contrapartida de professores que se dediquem ao ensino. Se os professores do ensino público no Brasil apresentassem resultados compatíveis com o que eles acham que valem, este país seria uma maravilha! O problema é que a classe pensa muito em salário e política e pouco em qualidade do seu ofício. Que tal invertermos a equação, para variar? Os professores da Apeoesp façam seu trabalho, de forma que nossas crianças e jovens apresentem melhora considerável no seu aprendizado e desempenho, e, aí, então, falaremos em aumento de salário. Alguém topa?

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com 
Florianópolis

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos Leitores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.