Fórum dos Leitores

INSEGURANÇA PÚBLICA

O Estado de S.Paulo

27 Abril 2013 | 02h03

Dentista é queimada viva...

... no ABC paulista. Estamos perdidos. A criminalidade virou estatística! Perguntem a quem teve um ente querido morto por um bandido se tem interesse em dados porcentuais da violência. É nojento o discurso dos governantes a cada evento. Ou se toma uma medida radical e urgente ou dia após dia continuaremos chorando a morte de inocentes. Afinal, nem todos podem ter carros blindados, não é mesmo, sr. Afif?

SEBASTIÃO CARLOS MAZIN

smazin@terra.com.br

Santo André

Por que tanta crueldade?

De um lado, três homens jovens. Do outro, uma senhora de 47 anos. Álcool, fogo, e a senhora é incendiada. Os homens saem do local deixando a pobre vítima sofrendo as dores das queimaduras que a levaram à morte. O que se passa na mente de quem comete tal atrocidade? Qual o castigo merecido? Merecerá outra chance de viver em sociedade sem oferecer risco? Há um mínimo que seja de sentimento de compaixão ou humanidade nesses indivíduos?

LUIZ NUSBAUM

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

Direitos bandidos

A criminalidade e a barbárie crescem de modo assustador. O governo federal, com sua política assistencialista do "deixa disso" e "não é tão sério", vai fazendo vista grossa para o horror a que nós, cidadãos, estamos sujeitos. Quero só ver quem vai ser o primeiro cínico cara de pau que virá a público defender esses criminosos que torturaram e mataram a dentista em São Bernardo do Campo. Nosso país precisa de pena de morte!

SÉRGIO ECKERMANN PASSOS

sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

Latrocínio em São Bernardo

O que fazer com bandidos dessa natureza? Se fossem animais, seriam melhores. Que tipo de direito eles podem ter? Não sou a favor da pena de morte, mas bandidos parecem ser soberanos quanto a isso. Eles "julgam" e "executam" a seu gosto. E ficam impunes ou cumprem penas risíveis. O problema da segurança chegou a um nível tão absurdo que alguma medida contundente precisa ser tomada. Não adianta dar aspirina a quem precisa de morfina. Vamos pressionar as autoridades, o governo, o papa... Temos de mudar o cenário. Vamos usar a imprensa e as redes sociais a favor das pessoas de bem. Vamo-nos articular e nos mobilizar por algo que realmente tem valor: a vida de todos nós.

LUIZ CLAUDIO MATTOS RAPOSO

luizraposo@gorillapropaganda.com.br

Santo André

Criminalidade sem controle

Ao escolher os representantes para o Legislativo, espera-se que tenham a inabalável determinação de trabalhar visando o bem da população, que tenham resistência moral, sobrepondo-se às tentações, e que produzam leis cuja aplicação diminua a violência que nos assusta e limita na vida diária. Mas, uma vez eleitos, sentem-se poderosos no cargo em que nós os colocamos e acabam servindo-se das leis, em vez de nos servirem, não se dobram aos desesperados apelos, vindos do País todo, por uma legislação de emergência, rígida, que iniba os crimes assustadores nas cidades brasileiras. Eles nos devolvem com a indiferença diante da barbárie diária que vivemos.

FÁBIO HADDAD

fabhaddad@ig.com.br

Campinas

Tolerância zero

Parabéns aos jornalistas srs. Bruno Paes Manso e Marcelo Godoy pela análise publicada ontem no Estado (página A20), em que tratam da necessidade de mudanças no combate ao crime. A impunidade e a corrupção, realmente, são os "cânceres" da criminalidade em nosso Estado e no País. Não poderia ser diferente, uma vez que aqueles que de direito se deveriam mobilizar para termos um Estado e um País mais justo e pacífico são os primeiros a "legalizar" a impunidade e a corrupção em suas ações, achando-se acima de tudo e de todos. Até quando as pessoas de bem e o povo de modo geral continuarão sendo vacas de presépio e dizendo amém a tantos desmandos e decisões inócuas de nossos políticos? Tolerância zero já!

JOSÉ LUIZ L. SANTOS

jllraposo@hotmail.com

Águas de Lindoia

Povo dominado

Enquanto dona Dilma Rousseff prossegue incólume na sua campanha para a reeleição e enquanto o Judiciário e o Legislativo discutem se prendem ou soltam os mensaleiros, o povo vai sendo dominado pelos bandidos sem cargo oficial.

VICTOR GERMANO PEREIRA

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

MENSALÃO

Responsabilidade ao STF

É bom que os ministros e as ministras do Supremo Tribunal Federal (STF) pensem bastante antes de decidirem acatar os tais embargos infringentes na nova etapa do julgamento do mensalão - a validade desse dispositivo legal, aliás, nem está mais prevista, segundo lei que se sobrepõe ao Regimento Interno do STF. Se os nossos magistrados, que deram ao País notável exemplo de baixa tolerância com desmandos de corruptos poderosos na apreciação da Ação Penal 470 no ano passado, abraçarem a causa mensaleira, poderão estar alimentando ainda mais o assédio petista à autoridade da instância máxima do Poder Judiciário. E darão ainda mais motivos de regozijo àqueles que pretendem submeter ao Congresso Nacional decisões da Suprema Corte - proposta descabida e inédita no mundo democrático, aprovada na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados com amplo entusiasmo de parlamentares do PT. Ainda mais, nesse caso, estarão flertando com a própria mordaça, a que terão de se render futuramente, e condenando o STF à autodesmoralização. Responsabilidade, srs. ministros. É tudo o que nós, brasileiros decentes, queremos de V. Exas. neste momento.

HENRIQUE BRIGATTE

hbrigatte@yahoo.com.br

Pindamonhangaba

MORDAÇAS

'Revolução dos Bichos'

Ao que parece, diante dos últimos acontecimentos em Brasília, não se trata apenas de um ato para limitar a ação do STF. É a implantação da Revolução dos Bichos no Brasil que segue a todo o vapor. Alguns políticos querem a regulação da mídia para controlarem a informação por dentro. Desejam também amordaçar o Ministério Público, que investiga e incomoda alguns espertalhões rotulados de excelências. E agora querem avacalhar a Suprema Corte do Brasil. Tudo isso depois de levarem as urnas eleitorais às Fundações Casas e aos presídios, permitindo que os presos votem... de preferência neles! E ainda dizem que os menores criminosos, que podem votar, não podem ser condenados pelos crimes praticados.

LEON DINIZ

leondinizdiniz@gmail.com

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

BARBÁRIE

Mais um crime bárbaro nas manchetes dos jornais: "Ladrões queimam dentista viva por ela só ter R$ 30". Estes bárbaros assassinaram esta dentista dentro de sua própria casa, onde mantinha seu consultório, e também destruiu a vida dos pais, casal de 70 anos, e da irmã deficiente mental, que eram cuidados e dependiam financeiramente da dentista. A polícia identificou a dona do carro de luxo usado pelos bárbaros, pertencente à mãe de um deles. Políticos, governantes, façam alguma coisa! Vocês têm obrigação de fazer alguma coisa. Neste caos generalizado vocês estão condenando as famílias de bem ao cárcere domiciliar.

 

Vagner Ricciardi vbricci@estadao.com.br

São Vicente

 

*

BRUTALIDADE

Mais um crime brutal entristece a população brasileira. Desta vez, a vítima foi a dentista Cínthia Magaly Moutinho Sousa, que tinha seu escritório dentário em São Bernardo do Campo (SP). Segundo relatos, o crime mais uma vez teve participação de um menor. Já que os legisladores de nosso país não permitem que menores trabalhem, por que não criar uma lei que obrigue menores de 14 a 18 anos, principalmente os de famílias mais carentes, a servirem o Exército? Na minha opinião, seria uma alternativa para que esses menores tivessem oportunidade de seguir uma carreira e aprenderem alguma profissão.

 

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

 

*

GUERRA É GUERRA

O crime hediondo da semana tem adolescente envolvido, de novo. Muito diferente de um Barack Obama e de todos os solidários americanos que prezam pela vida dos seus, aqui, a cambada finge que não é com ela, nem a candidata em campanha, muito menos seus supostos defensores de direitos humanos, até, quem sabe, que um filho desta "casta" seja atingido. Ou será que existe acordo de parceria para os criminosos pegarem somente os pobres mortais? Dados a gravidade e o avanço incontrolável do crime no País e o descaso das autoridades, somados à generalizada incompetência e à falta de vontade política em resolver a situação, parece já ter passado da hora de a sociedade se rearmar, visto que é ela que está refém dos assassinos, por sua própria conta e risco.

 

Ronaldo Parisi rparisi@uol.com.br

São Paulo

 

*

PUNIÇÃO SEVERA

O que se pode dizer de um monstro sanguinolento que comete um assassinato como este que aconteceu na quinta-feira (25/4) em São Bernardo do Campo, contra uma dentista totalmente indefesa? O que merece um cidadão que pratica um crime bárbaro e hediondo como este? Prisão perpétua, pena de morte o que você diria, se fosse com alguém de sua família? Será que vai ter algum advogado com estômago e coragem para defender alguém que pratica uma monstruosidade dessa? Todos nós da sociedade que temos família temos o dever de protestar e exigir das autoridades que encontrem esses facínoras o mais rápido possível para que vão para atrás das grades, e que sejam julgados e condenados a apodrecer na cadeia. Pois, quanto mais passa o tempo, mas difícil fica acreditar que os seres humanos vão melhorar. Parece que estamos bem próximos do fim dos tempos, pelas atrocidades de crimes violentos que estamos vivenciando nos últimos anos. A violência está à nossa volta, fato inegável, e qualquer coisa é motivo para que os bandidos decidam matar a vítima, pelo simples prazer de matar. Porém, a maldade dos crimes chega a assustar. Foi o que aconteceu com a jovem dentista em São Bernardo aqui, no ABC. Um bando invadiu o consultório dentário e fez refém a dentista e uma paciente. Como a profissional não tinha dinheiro no consultório, entregou aos bandidos cartão do banco e a senha para que pudessem sacar o dinheiro. Ela porém, os avisou de que não tinha quantia alta à disposição para saque. Revoltados por terem encontrado apenas R$ 30 na conta, os criminosos resolveram torturar a dentista Cinthya Magaly Montinho, de 47 anos, jogando álcool em seu corpo e, em meio ao ato animalesco, resolveram atear fogo na profissional, que sem chance de se defender morreu no local, apesar de os vizinhos terem ouvido os gritos de pavor vindos do consultório e chamando a polícia e o Corpo de Bombeiros, que chegaram logo em seguida, mas que não puderam fazer nada para que a vítima não viesse a óbito. Por obra do destino, para que os criminosos não fiquem impunes, a polícia obteve a gravação de um dos suspeitos que foi retirar o dinheiro em caixa eletrônico e, agora, é correr para prender a quadrilha o mais rápido possível, pela comoção que gerou na sociedade, pela crueldade do crime, como também para que não cometa outros delitos semelhantes. Com o blá, blá, blá de sempre das autoridades de segurança, como também do governador do Estado, o fato é que estamos à mercê dos bandidos. Segurança pública é uma palavra que fica cada vez mais distante da realidade dos moradores do ABC, como também de São Paulo, e por que não dizer do País. O povo tem a carta na manga para tentar mudar toda essa bandalheira que estamos vivenciando nos últimos meses, nas eleições de 2014, tirando todos os incompetentes do poder. Quem faz as leis, como também aqueles que são responsáveis por colocar em prática. Quem estiver vivo até lá verá!

 

Turíbio Liberatto Gasparetto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

 

*

ATÉ QUANDO?

Até quando a sociedade, o povo e os homens poderosos deste país deixarão que assassinos matem inocentes pessoas produtivas e do bem? Matam com tesouradas, facadas, tiros, picotam os corpos, queimam e dão para os cães comerem... Atenção, sociedades ditas de homens honrados e poderosos, vão deixar que aconteça com seus filhos e filhas para mudar o Código Penal? No mínimo, prisão perpétua. Senão, esses monstros sairão em três anos e farão tudo de novo. Os senadores, os magistrados, a presidente, enfim, os Três Poderes deste país de bananas moles têm de endurecer. Estamos reféns e em cárcere privado, nas mãos de bandidos. A sociedade brasileira tem que se mobilizar já. Basta!

 

 

Eduardo Zago jeduardozago@ig.com.br

São Paulo

 

*

A CRIMINALIDADE MAQUIADA

Ontem pela manhã sintonizei na Rádio Estadão e, naquele momento, o colunista (coronel José Vicente) falava sobre segurança pública. Não ouvi a matéria desde o início, mas pelo pouco que ouvi fiquei absolutamente chocado com a opinião desse cidadão. Eu não pude acreditar nas coisas que ele falou: afirmou que o índice de criminalidade diminuiu e que a imprensa de uma maneira geral está interpretando de maneira equivocada os números fornecidos pela Secretaria de Segurança; ele afirma que os dados do primeiro trimestre desse ano devem ser comparados ao último trimestre do ano passado, e não com primeiro trimestre do ano passado. Bom, confesso que nunca ouvi uma asneira tão grande, em qualquer segmento a estatística leva sempre em consideração os dados para comparação o mesmo período do ano, por exemplo, a economia, receita, juros, chuvas, etc., etc. Por que seria diferente no índice de criminalidade? Num segundo momento, o colunista afirmou que a notícia de que o número de roubos a carros aumentou em março, comparando com fevereiro, está errada, pois março tem três dias a mais do que fevereiro. Ora, quando o dado favorece a segurança pública, deve-se desconsiderar o mesmo período, quando o dado desfavorece a segurança pública, deve-se considerar o período. São dois pesos e duas medidas. Outro comentário infeliz deste senhor se refere à comparação da criminalidade com Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, etc. Se alguém está preocupado com a segurança pública no Estado, não deve tentar desviar o foco para outro Estado, se quer comparar, que compare com os índices da Europa e dos Estados Unidos. Não podemos usar o Rio de Janeiro como parâmetro para comparação. Vivemos nunca cidade violenta, sanguinária, sem lei. Vivemos cercados pelo medo, pela falta de confiança na polícia e, principalmente, na Justiça. Irritou-me muito este senhor tentando justificar o injustificável. Se ele possui experiência em segurança pública, não soube transparecer isso nas afirmações infelizes que fez. Na minha visão, a posição de um coronel deve ser sempre de propiciar a sensação de segurança ao cidadão, e não tentar "maquiar" os números que o governo fornece.

 

Marcio A. Bizzo marciobizz@gmail.com

São Paulo

 

*

LEGISLATIVO X JUDICIÁRIO

 

Sem um mínimo de dúvidas, dá para dizer que esta é mais uma artimanha para proteger os réus do mensalão: A Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados (CCJ) acaba de aprovar uma proposta de emenda à Constituição que pode dar ao Congresso Nacional o poder de mandar para o espaço decisões do Supremo Tribunal Federal (STF). É o que faltava para afirmar que foram colocados na CCJ da Câmara para darem as cartas e jogarem de mãos os deputados João Paulo Cunha (PT-SP) e José Genoino (PT-SP), dois réus condenados pelo STF. Acorda, Brasil. Essa malandragem, certamente acordada entre a CCJ da Câmara e o deputado Henrique Alves (PMDB-RN), presidente daquela Casa, tem tudo para levar o País à bancarrota. Só não vê quem não quer.

Leônidas Marques leo_vr@terra.com.br

Volta Redonda (RJ)

 

*

ABUSO DE PODER

Se já não bastasse a tentativa de instituir censura prévia contra a imprensa e de proibir a procuradoria de investigar, além do coleguismo covarde do voto secreto no Parlamento, vem agora a desmoralizada e despudorada Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara, que abriga réus condenados da mais grave ação de corrupção a que este país já assistiu, propor a possibilidade de o Legislativo vetar decisões da mais alta Corte do País. É muita cara de pau.

 

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

 

*

CORAGEM, DOUTOR

 

Um sonoro auê balizou a sessão da CCJ da Câmara ao aprovar mudanças na Constituição no que se refere às atribuições e competência do Poder Judiciário, em especial do Supremo Tribunal Federal. Temos na vice-presidência da República a pessoa do Dr. Michel Temer, um ilustre especialista em Direito Constitucional. Em face da proposta aprovada, na condição de professor (e não de político), cabe ao Dr. Michel Temer pronunciar-se a respeito. Não pela tangente, mas corajosamente manifestar-se na condição de mestre que é nessa área do Direito. A Nação e a classe profissional a que pertence com ansiedade aguardam um vigoroso, e corajoso, pronunciamento.

 

Pedro Luís de Campos Vergueiro pedrover@matrix.com.br

São Paulo

 

*

O SUPREMO É SUPREMO

 

A República Federativa do Brasil, segundo o artigo 1º da Constituição federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem, dentre seus fundamentos, "a dignidade da pessoa humana", como preceitua o item III do mencionado artigo. Dignidade humana é sinônimo de grandeza moral. Pois bem, a Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados federais aprovou Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que autoriza ao Congresso o poder de rever (melhor falando, de julgar) decisões do Supremo Tribunal Federal. Essa emenda constituir-se uma aberração constitucional, eis que ela tira da mais alta Corte de Justiça o poder em última instância de julgar Ação Direta de Inconstitucionalidade de lei (artigo 102 -item I - letra A da Constituição). Além disso, acrescentará mais um órgão judicial ao artigo 92 da nossa Carta Magna. Será que os ilustres membros da comissão em tela não sabem que a palavra "supremo" quer dizer que está acima de tudo? Finalmente, o que é mais triste é que os "ilustres" deputados federais José Genoino e João Paulo Cunha, condenados a vários anos de prisão no famigerado processo mensalão (Ação Penal 470), pelo próprio STF, e passíveis de cassação dos seus mandatos, não tiveram a dignidade constitucional de se julgarem suspeitos, abstendo-se de votar a favor da emenda que quer tirar o principal poder do STF e que os beneficiará. Que falta de caráter, de vergonha dos nossos ditos legisladores.

 

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br

Assis

 

*

SINAIS INQUIETANTES

 

Diziam os antigos oráculos e as mais respeitáveis pitonisas que uma grande tragédia, ou um acontecimento de suma importância para uma nação ou o mundo, era sempre precedida de sinais que estudados podiam dar indícios dessa tragédia que se avizinhava. O que os americanos do "The New York Times" pretendem? Gozação com os brasileiros? Soa piada de mau gosto contratar um analfabeto confesso (Luiz Inácio Lula da Silva) para mensalmente escrever (?) uma coluna num jornal que deveria preservar o nome conquistado. Outro fato que faz pouco da nossa ignomínia é a Proposta de Emenda à Constituição que, com a participação de mensaleiros condenados, manda para a aposentadoria os juízes togados do Supremo Tribunal Federal (STF). Coisa de "Brasilis Papagallis", o condenado punindo o juiz. Lula, o "NYT" e o deputado Nazareno Fonteles (PT-PI), autor da proposta, protagonizaram as duas notícias-deboche da semana. Parodiando o saudoso poeta Casimiro de Abreu: "Oh! Que saudade que eu tenho, de um março da minha vida, sessenta e quatro querido que precisamos demais".

 

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

 

*

VAMOS REAGIR

Inaceitável, indecorosa, repugnante a proposta de PEC do deputado petista do Piauí, Nazareno Fonteles, querendo, com isso, retirar poderes pétreos do Supremo Tribunal Federal. Isso mostra o que petistas representam, com poucas exceções, de ruim para o País. É claro: entendemos que tal absurdo jamais seria aceito no Congresso Nacional, onde existem representantes de amor à Pátria, para impedir o que pretende o irresponsável deputado, por sinal apoiado, entre outros, por Genoino e João Paulo Cunha, ambos condenados no mensalão. Vamos reagir com bravura e determinação contra isso.

Luiz Nunes de Brito rosahollmann@rocketmail.com

Rio de Janeiro

*

PEC 33

Conforme emenda do deputado Nazarento Fonteles (PT-PI), infeliz na ideia de tirar o poder do STF, os gatunos não perdem tempo, este sujeito deveria ir para a cadeia junto com dos demais, que já foram julgados, que fazem parte da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados, uma vez que tentaram dar um golpe de Estado.

Maria José da Fonseca fonsecamj@ig.com.br

São Paulo

 

*

POLÍTICOS E CONGRESSISTAS

A classe mais corrupta, mais abjeta e menos acreditada do País, os políticos e os congressistas em particular, aprovaram na CCJ projeto que limita poder do STF. É uma vergonha que congressistas condenados a anos de prisão, justamente pela Suprema Corte, tenham assento na CCJ, onde aprovaram (?) projeto que limita tais poderes. Só em um país de 5ª categoria isso poderia acontecer. Ou a parte consciente da Nação reage a essa aberração ou caminhamos para a barbárie. O País não pode passar por semelhante desaforo. Quem está a precisar ter seus poderes e privilégios limitados são os congressistas e membros do Executivo em geral, em especial os réus condenados. Basta de disparates.

 

Mário Rubens Costa costamar31@terra.com.br

Campinas

 

*

BRIGA DE FOICE

Briga de foice no escuro é o que parece que está acontecendo entre os Poderes da República. Renan Calheiros, presidente do Senado, responde ao ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF): "Não aceitamos influência do Judiciário". E nós, brasileiros, dizemos: então façam a sua parte, sem ficar de joelhos, só aprovando assuntos de conformidade com a politicagem do governo e outros que atendem a seus próprios bolsos. O atual Congresso Nacional nos envergonha por vários motivos, e eles ainda têm coragem de afirmar que estão lá representando os cidadãos. Pagamos altos salários e vergonhosas benesses, e eles não estão nem aí para seu mister. O STF tem por ofício honrar a nossa Constituição, portanto...

 

Leila E. Leitão

São Paulo

 

*

UM DIA A CASA CAI

A PEC n.º 37, que tira o poder de investigação dos procuradores de investigar desmandos do Executivo e do Legislativo, somada, agora, à proposta indecente da CCJ da Câmara em querer aprovar nova emenda à Constituição, com a possibilidade de vir a contestar e rever decisões do STF, levam-nos a uma triste conclusão: estão brincando com a paciência e o silêncio das casernas, com a não mobilização - patética - das massas, num torpor até agora inconcebível. A enganação não se perpetua, um dia a casa cai.

 

Aloisio A. de Lucca aloisiodelucca@yahoo.com.br

Limeira

 

*

NOVO RETROCESSO?

O governo brasileiro, plagiando os governos de Argentina e Venezuela, quer implantar em nosso país não somente o controle sobre os meios de comunicação, mas também o controle do Judiciário, conforme moção aprovada na CCJ da Câmara, sob os auspícios dos senhores "digníssimos deputados fichas limpas" José Genoino e João Paulo Cunha, mensaleiros de carteirinha, respectivamente, dólares na cueca e saque na boca do caixa. Há 50 anos tivemos situação bem menos complexa que a de agora e nosso país teve um retrocesso constitucional que durou quase 30 anos, mas o respeito à nossa Constituição foi mantido. E agora, o que poderá acontecer?

Marcos Antonio Scucuglia sasocram@ig.com.br

Santo André

*

O ACÓRDÃO E OS PESSIMISTAS

Por onde tenho andado, após a publicação do acórdão do mensalão pelo Supremo Tribunal Federal, (STF), tenho ouvido de pessoas pessimistas a seguinte frase: "Eu quero ser um mico se essa quadrilha for para a cadeia". Peca quem pensa assim. A Suprema Corte não estava brincando durante os quatro meses e alguns dias que mostrou com detalhes a periculosidade de cada um dos envolvidos no que foi considerado o maior escândalo político do governo Lula. Uma página negra na história do Brasil. Estejamos certos de que veremos, sim, que todos estão sujeitos à lei. Eles terão, sim, a liberdade restringida. Está chegando a hora do "teje preso!". Haja banana para tanto mico! Ah, o meu sobrinho adolescente está querendo saber se há possibilidade de os políticos votarem pelo fim da mais alta instância do Poder Judiciário, o STF? Ele viu pela televisão dois deputados condenados por envolvimento no mensalão e que fazem parte da CCJ da Câmara e isso o deixou bastante preocupado. Ele chegou a pensar na possibilidade de manobrarem para que fiquem presos os ministros que votaram pelas condenações, em vez dos condenados. Acreditem, o meu sobrinho adolescente conseguiu colocar grilo na minha cabeça.

Jeovah Ferreira jeovahbf@yahoo.com.br

Taquari (DF)

 

*

FREUD GODOY, NO TÚNEL DO TEMPO

O inquérito aberto contra Freud Godoy foi colocado num túnel estreito de tempo, visto que só quer investigar o ano de 2003, referente ao propinoduto do mensalão e o desvio de dinheiro para cobrir despesas pessoais de Lula da Silva. Ora, Freud Godoy, para ser bem investigado em suas relações viscerais com o PT e com Lula, merece uma abertura de tempo maior, que abarque pelo menos desde 2001, quando da morte de Celso Daniel, visto que Freud era dono da Caso, empresa de segurança com sede num apartamento da Rua Vergueiro, bairro do Paraíso (SP). Aliás, perfeita coincidência este imóvel estar situado relativamente próximo de onde ocorreu o sequestro de Celso Daniel, na Rua Antonio Bezerra, mais conhecida como ladeira dos 3 tombos do Sacomã, e Celso só foi achado dias depois... O local de cativeiro apontado pelo suposto assassino, um menor de idade (claro!), nunca foi digno de crédito. Outra coincidência é Freud ser muito próximo de Sergio, o Sombra, que estava com Celso Daniel naquela noite fatídica. Tudo obra do acaso, como ficou decidido pela Polícia de São Paulo. E, como no tricô, puxando um fio se desmancha uma ou mais carreiras, a gente pode lembrar que Freud, junto com Gilberto Carvalho, foram apontados como as pessoas que levavam o dinheiro arrecadado no mensalinho de Santo André direto para as mãos de José Dirceu. Aliás, é bom lembrar que o mensalão, como tal, nasceu mensalinho, em Santo André, e não em Minas Gerais, como querem fazer crer os petistas! Resta saber se a justiça quer mesmo desmanchar este tricô por inteiro, formando, finalmente, uma bela meada!

 

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

 

*

LIXO DESCOBERTO

A Polícia Federal pode pedir a quebra de sigilo de Freud Godoy, o "faz tudo" de Lula. O que não se sabe é se será ouvida, só para lembrar quem é mesmo o ministro da Justiça? A grande verdade é que estamos no Brasil e aqui as denúncias só são esclarecidas se forem interessantes ao governo e, nesse caso, a raposa vigia a porta do galinheiro como nunca, pois as denúncias sobre o governo petista não param. Quem mandou esconder o lixo sob o tapete?

 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

 

*

LULA NO MENSALÃO

Nem Freud explica.

 

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

NEM FREUD EXPLICA

O Lula é um raro ex-presidente desta República tupiniquim, que teve vários colaboradores de primeiro costado como laranjas, arrecadando recursos ilícitos para tentar se perenizar no poder... Os mais notáveis, e bem conhecidos do grande público, o José Dirceu, Marcos Valério, José Genoino (estes já condenados pelo STF). E, agora, o Freud Godoy, segurança e ex-assessor de Lula, que com recursos desviados do erário que recebia do Marcos Valério alimentava o orçamento particular do ex-todo-poderoso do Palácio do Planalto! E que provavelmente será também indiciado pela Polícia Federal. Já a Rosemary Noronha era a laranja bem doce de Lula... Que currículo este do ex-metalúrgico! Mamma Mia!

 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

 

*

O AMIGO DE LULA

A usina de etanol São Francisco, de propriedade de José Carlos Bumlai, amigo pessoal e conselheiro do ex-presidente Lula, é a maior devedora do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e do Banco do Brasil (BB), em nada menos que R$ 540 milhões. Entrou em recuperação judicial poucos dias atrás para, com isso, ganhar tempo e não falir imediatamente, pois possui uma dívida de R$ 1,2 bilhão. Quem será o responsável que intermediou e interferiu em tal façanha?

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

AJUDINHA

Será que o Lulinha não poderia ajudar o amigo do pai, José Carlos Bomlai? Ouço com frequência que os negócios do Lulinha prosperam a uma velocidade enorme. Deve ter se tornado um excelente empresário!

 

Clézio D. Goulart clezio_goulart@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

O DINHEIRO SUMIU

Eu sempre me questionei onde estaria o dinheiro arrecadado através dos impostos pagos pelos brasileiros. Sabemos que esse dinheiro não é usado pelo governo para melhorar a saúde, a educação, a segurança, a infraestrutura e tantas prioridades necessárias ao desenvolvimento do País. Esta semana, lendo o "Estadão", encontrei a resposta. Uma pequena parte desse dinheiro é usada para pagar as bolsas-esmolas, o que agrada a uma multidão de brasileiros miseráveis e garante a eleição dos "postes". E uma grande parte do dinheiro é usada para abastecer os cofres do BNDES, que depois abastece os cofres dos amigos do Lula, tais como Eike Batista e José Carlos Bumlai. Alguém poderia me explicar por que esses amigos do Lula, mesmo recebendo milhões de reais a juros subsidiados, estão em situação financeira ruim, à beira da falência? Onde foi parar todo o dinheiro "emprestado" pelo BNDES? Não é à toa que Lula e Dilma têm uma alta taxa de aprovação, pois estão distribuindo dinheiro feito Silvio Santos (quem quer dinheiro? Quem quer dinheiro?), só que alguém precisa avisá-los de que dinheiro não nasce em árvore. Quanta ingenuidade a minha, como se eles não soubessem disso, assim como eles também sabem que a dívida não será cobrada deles, pois com certeza suas "economias" estão bem guardadas em paraísos fiscais. A conta será faturada para nós, brasileiros babacas e acomodados.

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

 

*

COMPANHEIROS

BNDES e Banco do Brasil são os maiores credores de amigos de Lula. A Usina São Fernando, em recuperação judicial, é de propriedade do senhor José Carlos Bumlai, amigo pessoal e conselheiro do ex-presidente Lula. O senhor José Bumlai é devedor de R$ 1 bilhão para 15 instituições financeiras, mais da metade para bancos federais, empréstimos concedidos a ele ainda na gestão do senhor Lula. Vejam o que disse Guilherme Bumlai, filho do senhor José Carlos Bumlai: "É preciso separar as coisas, o amigo do ex-presidente é meu pai, quem toca a usina somos eu e meu irmão Maurício". Só faltou ele dizer "meu pai e o ex-presidente Lula nem sabem desse empréstimo, fizemos a revelia dos dois". Que maravilha, queria ter um pai assim, cercado de amigos poderosos! Falando em amigos, Lula tem outro também, o senhor Eike Batista. Sabem, aquele dos portos...?

 

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

 

*

AMIGOS DO REI

Ao ler o artigo de Demétrio Magnoli ("Eike, emblema e indício", 25/4, A2), reportei-me à época do império, quando os privilegiados viviam junto da corte aplaudindo, esbanjando elogios e admiração pelo seu "rei", com as mesmas finalidades atuais: obter favores pessoais e seu consequente poder e enriquecimento. O que assistimos hoje entre os Grupos EBX, Friboi, Odebrecht, Camargo Corrêa (da aquisição do Carrefour pelo Sr. Diniz nos salvamos), neste dia, é o "rei" em absurdos e abusos junto a uma instituição cuja última letra, e não poderia deixar de ser, refere-se ao social (BNDES), que na realidade por eles é interpretada como o social restrito aos amigos do "rei". O micro, pequeno e médio empresário, base maior de sustentação da cadeia de empregos e do verdadeiro social da sigla, é o que menos tem condição de acesso as benesses dessa instituição, sempre fadado a passar pelo crivo da análise dos bancos privados, repassadores do crédito, que criam todo tipo de dificuldade para vender seu produto a juros mais caros. Será que o "rei" ou a "rainha" nos receberiam, pequenos empresários, com as mesma receptividade que recebem os Batistas, Wesley/Eike (talvez os nomes impressionem), Odebrechts, Camargos, Geerdaus, etc., etc., etc.?

 

Manoel Braga manoelbraga@mecpar.com

Matão

 

*

MÉRITO?

O artigo do Sr. Demétrio Magnoli, veio a confirmar minha suspeita. O Eike era conhecido como apenas rico, através da Luma de Oliveira. Depois do Lula, ele se transformou no 7.º (?) homem mais rico do mundo? Agora, devido à sua competência, voltou à condição inicial...

 

Luiz Clombardo Luizclombardo@gmail.com

São Paulo

 

*

‘EIKE, EMBLEMA E INDÍCIO’

Bastaria a frase do operário Lula "as pessoas ricas foram as que mais ganharam dinheiro no meu governo" para que o artigo do competente sociólogo Demétrio Magnoli fosse classificado como brilhantíssimo. Mas tem muito mais e explica muita coisa que acontece neste país. Ele só se esqueceu de mencionar que o sr. Eike Batista arrematou em leilão, ao lado da esposa do grande operário, o terno com que este tomou posse no seu primeiro mandato. Parabéns, Magnoli, afinal, seriam necessários vários livros para contar as relações espúrias dos petralhas com os ricos e poderosos.

José Gilberto Silvestrini jsilvestrini@hotmail.com

Pirassununga

 

*

NEGÓCIOS SUSPEITOS

O artigo foi fundo nas relações do poderoso chefão Lula com negócios suspeitos. O cara é um inocente que vive sendo apunhalado pelas costas (mensaleiros, Eike, Frigorífico JBS, OAS em Costa Rica, usineiro José Carlos Bumlai - Usina São Fernando -, Telecom e mais uma turma bem grande). A bancada de opositores (?) atua muito frouxa, tem de descer o pau neste cara.

 

Carlos Norberto Vetorazzi cnorbertovetorazzi@yahoo.com.br

São José do Rio Preto

 

*

DINHEIRO PERDIDO

Interessante artigo de Demétrio Magnoli ("Estadão", 25/4, A2) explicando a subida e queda das empresas de Eike Batista. Só deixou em duvida o segundo dono que poderíamos chamar de Y? Se X + Y viajaram de jatinho para o Porto do Açu de propriedade das empresas X para resolver negócios pendentes, é porque "Y" anda preocupado com seu patrimônio e resolveu colocar a mão na massa, saindo da clandestinidade! Como no texto Magnoli dá como maior investidor nas empresas bancos públicos, isso é nosso dinheiro, ficaria uma pergunta pertinente: Poderíamos dar bilhete azul a "X e Y", para resgatar empréstimos do BNDES, Banco do Brasil, Caixa Econômica e outras estatais do ramo que investiram pesado nessas empresas meteóricas? Porque sabemos que devolver dinheiro público nem pensar! Pelo menos que as empresas tenham gerenciamento competente, porque "Y" já largou o Brasil quebrado!

 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

 

*

FAZENDO ‘O DIABO’

Dilma e o PT já estão "fazendo o diabo", como ela própria disse, para ganhar a eleição em 2014 e manter o poder, do qual ela e principalmente Lula, não querem se desgrudar. O projeto de lei que dificulta a criação de novos partidos é uma tentativa antidemocrática e ditatorial que tem endereço certo: Marina Silva (25/4, A8). Isso só demonstra que o PT, Dilma e Lulla temem a ex-senadora e candidata à Presidência em 2014. Se esse projeto prosperar, Marina Silva ainda terá o recurso de filiar-se a um partido já existente e mais parecido com seus propósitos ou aliar-se a um dos outros candidatos, Eduardo Campos ou Aécio Neves, entrando em seus partidos. Eu, pessoalmente, gostaria de ver os três juntos.

 

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

 

*

CORRIDA SOLITÁRIA

Pelo visto, Dona Dilma quer correr sozinha para o enfrentamento de 2014. Impedir a criação de partido político, nestas alturas, com o PSD gozando de vantagens de dinheiro e de horário televisivo, é falta de espírito democrático, especialmente para quem tanto fala em democracia. E ainda bem que, na atual democracia, o STF fala alto e resoluções e decisões sob rolo compressor podem ser alteradas e modificadas para eliminar as ofensas constitucionais. As forças nacionais precisam estar coesas para, em nome de nossa Carta Magna, possibilitar a ocorrência de um pleito salutar, em 2014, para a Presidência da República, para cujo evento todos os candidatos dignos e aptos devem poder concorrer, porque ninguém e nenhum partido político pode ser dono das aspirações deste país. E os partidos políticos dominantes e de plantão não podem afogar os desejos de milhões de brasileiros, inclusive com a indigesta proposta de controle da mídia, embora com discurso falso em nome da liberdade de imprensa.

 

José Carlos de C. Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

 

*

SELEÇÃO BRASILEIRA

Acho que a tão falada experiência da comissão técnica da seleção está em fazer experiências com a nossa seleção. Faltando 50 dias para o início da Copa das Confederações, não definiram nem o goleiro...

 

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

 

*

OS ESTÁDIOS DA COPA

Os estádios de futebol para a Copa "do Terceiro" Mundo, depois de 2014 servirão para ajudar aos atingidos pela seca no Nordeste. Até mesmo o estádio da Fonte Nova tem o nome correto, porque servirá para se fechar com cimento e usar como cisterna para matar a sede dos jumentos, não esquecendo a grama que servirá para o povo nordestino comer, pois sabemos que os bolsas-esmolas não resolvem nada. Se alguém acha que é exagero, tente viver com R$ 100, 100 dignidade, 100 água e 100 esperanças. Quem diz que sabe de tudo nem sabe o que está dizendo.

Manoel José Rodrigues manoel.poeta@hotmail.com

Alvorada do Sul (PR)

 

*

UM BOM FUTURO PARA AS ARENAS

Taí, ó! Toda a dinheirama gasta com as construções dos megaestádios para atender os "joguinhos" da Copa 2014 poderia ser recuperada em parte se os mesmos, já que não terão utilidade após o evento, fossem transformados em silos para armazenamento de grãos para as safras sempre recordes de soja e milho. O prejuízo futuro talvez não seria tão grande e desafogaria um dos grandes gargalos da exportação.

José Rubem Bellato Bellato bellato@terra.com.br

Joinville (SC)

 

*

ABOBRINHAS

Ridículas as explicações dadas pelos integrantes do governo do Estado do Rio de Janeiro nesta questão das cadeiras perpétuas nos estádios. Devem achar ou querer nos fazer de idiotas. Agora falam que aos proprietários está assegurado o direito na Copa de 2014 e que antes eles tinham direito sobre um estádio degradado. Sim, e daí? São os proprietários responsáveis pela degradação? Não é dever do Estado zelar e conservar o patrimônio público? Na compra das cadeiras perpétuas há alguma menção restringindo as condições deste direito ou dizendo que nas reformas teriam que contribuir proporcionalmente? Onde eles estavam quando os proprietários adquiriram estes direitos, na década de 40? Que ironia. O Estado há poucos meses brigou por seus direitos na distribuição dos royalties, e não quer reconhecer o direito dos outros? As entidades que vão promover os eventos no Maracanã têm que ser avisadas com antecedência dos direitos dos proprietários das cadeiras perpétuas. Explicar por que não construíram um novo estádio, que ficaria mais barato que esta reforma, não explicam. Olha, é abobrinha atrás de abobrinha. Governo fraquinho este, hein.

 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.