Fórum dos Leitores

DIPLOMACIA E ECONOMIA

O Estado de S.Paulo

02 Junho 2013 | 02h04

Joe Biden no Brasil

Enquanto o vice-presidente americano, Joe Biden, propõe, em visita ao Brasil, o fortalecimento dos laços diplomáticos e comerciais entre os dois países, num momento em que os EUA estão em ritmo de crescimento e ainda são a maior economia do mundo, podendo-nos ajudar a progredir, a somar, nossos craques da economia e da diplomacia bolivariana, herdados do governo Lula, insistem em manter acordos com países falidos como Cuba, Venezuela e Bolívia, que até agora só nos deram prejuízos - além do péssimo exemplo importado da argentina de atingir metas de inflação maquiando os índices oficiais. Em vez do velho discurso esquerdista de que tudo o que vem dos americanos é ruim para nós, está na hora de deixarmos de lado o complexo de vira-lata, e as alegadas vantagens que o "socialismo do século 21" traz, e partirmos para alianças com parceiros de peso. Se quisermos ser grandes, temos de pensar, agir e nos relacionar com os grandes.

PAUL FOREST

paulforest@uol.com.br

São Paulo

Dívidas africanas

O governo brasileiro perdoou dívidas de US$ 900 milhões de países africanos paupérrimos. Poderia ser um ato de humanidade, mas não é. Grande parte dessas sofridas nações é governada por cleptoditadores sanguinários e genocidas. Isso significa que o nosso dinheiro vai direto para o bolso de políticos bandidos, bilionários e que possuem dezenas de propriedades luxuosas no Continente Europeu, enquanto o povo subnutrido sobrevive com um dólar por dia. Em outras palavras, o PT confirma que é realmente solidário com gente da sua estirpe.

LEÃO MACHADO NETO

lneto@uol.com.br

São Paulo

GOVERNO DILMA

Competitividade global

Pesquisa revela que o Brasil caiu cinco posições no ranking de competitividade global, passando de 46.º para 51.º, entre 60 países. Ou seja, estamos entre os dez últimos colocados. Quando o estudo começou a ser feito, dez anos atrás, ocupávamos a 34.ª posição. Afinal, o que há com o Brasil? Por que estamos andando para trás, retrocedendo em certos campos, como esse da competitividade internacional? Por que não fazemos as reformas (fiscal, previdenciária, trabalhista, eleitoral, educacional, etc.) de que tanto precisamos? Independentemente do partido ou grupo que esteja no poder (PT, PSDB, PMDB, etc.), o que queremos é ver o País melhorar, crescer, evoluir, desenvolver-se, civilizar-se, educar-se, dar um salto rumo à modernidade, ao progresso e ao desenvolvimento sustentável. Somos a sétima economia mundial, um país continental e pujante, com 200 milhões de habitantes, rico em recursos, com enorme potencial e não podemos continuar desperdiçando oportunidades, talentos e possibilidades futuras, como estamos fazendo, atolados no atraso do corporativismo, da burocracia, da corrupção e do subdesenvolvimento.

RENATO KHAIR

renatokhair@uol.com.br

São Paulo

Fracasso econômico

Quem manda no País é a economia. A inflação, "controlada" pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, tem-se mostrado um fracasso a olhos vistos, basta ver o crescimento do produto interno bruto (PIB) de 0,6% no primeiro trimestre do ano. O presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, sinaliza que a era do consumo chegou ao fim. A equipe econômica desvalorizou o real, com a consequente subida do dólar, e aumentou a taxa básica de juros (Selic), dificultando a vida de muitas pessoas que têm dívidas a pagar. Já vimos esse filme no passado e parece que o dragão da inflação nos ronda. Pelo terceiro ano consecutivo o Brasil vem caindo no ranking das economias mais competitivas do mundo. O relatório a esse respeito aponta um país pouco comprometido com o investimento em setores como infraestrutura, educação, inovação e produtividade. E tudo isso por quê? Porque o governo não faz a lição de casa, não corta gastos, não diminui a carga tributária e não promove as reformas de que tanto o Brasil necessita. É preciso ser economista para perceber o fracasso?

IZABEL AVALLONE

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

Causa e efeito

Nenhuma surpresa quanto ao PIB de 0,6%. Afinal, com uma taxa de investimento na faixa dos 18%, o que mais esperar? Pibão?! Só mesmo na cabeça da "presidenta"... O fato é que, enquanto durou o boom econômico da primeira década deste século, o desgoverno petralha conseguiu "enganar", apresentando algum crescimento (ficou em 96.º lugar no ranking dos PIBs globais entre 2003 e 2010). Medíocre, todavia, se cotejado com os demais, mas razoável se comparado aos números pós-marolinha. O que turbinou o crescimento nos dois governos Lulla não foi uma suposta excelência de sua gestão, foram os ventos que vieram fortes com a emergência da Ásia, antes do tsunami de 2008. Cessada a causa, cessou o efeito. Simples assim.

SILVIO NATAL

silvionatal49@yahoo.com.br

São Paulo

Déjà-vu

Em 2012 o governo começou o ano projetando crescimento econômico do País em mais de 4%. Depois foi caindo para 3,5%, 3%, enquanto o mercado, mais pé no chão, já alertava para menos de 1%. Em 2013, a mesma ladainha: Mantega projetou mais de 4% e agora já fala em 2,7%. Como o governo tenta ser mais otimista do que a realidade dos fatos, pode-se dizer que essa trama é um déjà-vu e continuaremos na lanterninha entre os países da América Latina e os Brics. E a presidente Dillma com popularidade estratosférica... Povo ignorante é povo feliz mesmo!

BEATRIZ CAMPOS

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

Tabuada

O que mais precisa acontecer para que a presidente perceba a fraqueza da sua equipe econômica? Em matemática, dois mais dois serão sempre quatro, e não cinco, como o governo quer.

GERALDO DE PAULA E SILVA

geraldodepaula@ibest.com.br

Teresópolis (RJ)

Questionando o PIB

Enquanto se discute na imprensa, inclusive no Fórum dos Leitores, o baixo crescimento do PIB brasileiro, passou despercebido à mídia o 4th International Workshop - Advances in Cleaner Production, na cidade de São Paulo, evento em que acadêmicos brasileiros, norte-americanos e europeus questionaram seriamente o produto interno bruto como medida adequada do progresso econômico num momento em que se projeta o esgotamento cada vez mais próximo de vários recursos do planeta.

TIBOR RABÓCZKAY

trabocka@hotmail.com

São Paulo  

BOLSA FAMÍLIA

É fácil entender o porquê de Lula, Dilma, Maria do Rosário e a "petezada" quase toda dispararem contra a oposição, no recente episódio do tumulto no pagamento do Bolsa Família pela Caixa Econômica Federal. Apenas se lembraram que praticariam as mesmas técnicas, caso estivessem na condição de oposição em vez de situação.

Geraldo Alaécio Galo

Guarulhos

*

NO VERMELHO

As "explicações" mostram que o "saldo" da credibilidade lullopetista está no "vermelho"...

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

NOS TEMPOS DE ANTIGAMENTE

Com esse negócio de Bolsa Família, os petralhas fizeram com que o Brasil voltasse ao tempo em que os coronéis e senhores de engenhos, com o sórdido artifício da venda de mantimentos através do "barracão", faziam com que os empregados, em função da dependência financeira, passassem a viver em condição análoga à escravidão. Será que a Justiça Eleitoral é cega o suficiente para não perceber que os petralhas de hoje, com esses artifícios de "esmolas oficiais", estão usando estratégias de dominação semelhantes aos que eram usados pelos coronéis do passado?

Júlio Ferreira julioferreira.net@gmail.com

Recife

*

NO AGUARDO

O presidente da Caixa pede desculpas pelo "mal feito" do Bolsa Família. Agora só ficam faltando os pedidos de desculpas da presidente Dilma e da ministra Maria do Rosário. No aguardo.

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

GOVERNO DILMA

A oposição nunca foi tão insignificante do ponto de vista numérico e de fazer barulho. Dilma reina sozinha e tem a maior base aliada de todos os tempos, porém isso não é garantia de sucesso. Temos uma presidente autoritária, centralizadora, que cumpre ordens de Lula e não dá autonomia à sua fraca duplinha de ministras. A ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, e Ideli Salvatti, ministra da Secretaria de Relações Institucionais da Presidência da República, parecem menininhas de recado. Não conseguem articular nada, pois o poder delas não passa da página um. O PMDB controla o Congresso Nacional, está na vice-presidência, e ainda assim está levando um baile da presidente Dilma, que finge não precisar do apoio do maior partido do País, mas sabe que não há almoço grátis. Qualquer desagrado torna-se inútil, se não houver a compensação. É do jogo votar e cobrar. Na maioria das vezes, cobra-se antes do voto.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

UMA MENTIRA A MAIS

A República Socialista-Coronelista Brasileira segue "ipsis literis" a cartilha soviética, que a levou à falência pura e simples. É esperar para ver. Conforme atuais "sócios" do governo - Paulo Maluf, Sarney, Collor e seu ex-braço direito PC, Lula e seu braço direito Zé Dirceu, Renan, Barbalho e outros dinossauros da velha política - de tanto mentir, a mentira vira verdade. As bolsas sempre foram uma mentira, uma mentirinha a mais não muda absolutamente nada.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

NINHO DE COBRAS

Foi exatamente da Caixa que saiu o responsável pelo ato criminoso da extração do extrato da conta do caseiro Francenildo. Agora, como tudo indica, foi também da Caixa Econômica Federal que saiu o boato a respeito do Bolsa Família. Com isso, está provado que os petralhas estão de plantão, a serviço da criminalidade. Alguém disse que esse boato é vandalismo. E é.

Paulo Francisco paulof.santos@hotmail.com.br

Passa Quatro

*

DESCULPA É POUCO

O senador Aécio Neves foi tímido ao exigir que Dilma somente peça desculpas à Nação sobre a barbeiragem da Caixa Econômica, que fomentou os boatos culminando com a corrida humilhante dos beneficiários do Bolsa Família às agências bancárias! É muito pouco! A presidente deveria também pedir mil desculpas a sociedade, em rede nacional de Rádio e TV, pela inflação alta, pelos investimentos que não se concluem, pelos PIBs raquíticos, e pelos bilhões de reais que estão sendo gastos improdutivamente, que já começam afetar de forma preocupante as contas do governo federal. E até pela irresponsabilidade de ter aliciado o Banco Central a baixar os juros a canetada, como no caso da taxa Selic. Agora assistimos ao que a maioria dos prudentes analistas já previa lá atrás: a sua alta, como a recente de 0,50%, elevando ao ano para 8%. Não sei o que é mais "desumano, e criminoso", se os tais boatos citados ou uma administração pública como a do PT, relapsa, que desperdiça sem se ruborizar os recursos dos contribuintes.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

SAUDADES

Depois do vexame governamental no caso da diminuição da tarifa de energia elétrica, D. Dilma nomeia Aloízio Mercadante para auxiliar Gleisi Hoffmann e Ideli Salvatti no trato com o Congresso Nacional. Ai que saudades do mensalão...

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

FIDELIDADE PARTIDÁRIA

Página A6 do "Estado" de 27/5: "TSE analisa nova brecha contra a fidelidade partidária". A meu ver, a lei eleitoral no Brasil há muito deixou de cumprir o seu objetivo constitucional e tem que ser refeita, pois a atual está morta e já devia ter sido enterrada. Ademais, vejamos o caso ocorrido na cidade de Osasco, onde 150 mil eleitores que no dia das eleições de 2012 se dirigiram a cabine de votação onde se encontrava uma urna eletrônica, homologada pela justiça eleitoral, digitaram o número do candidato de sua preferência, mas, depois, tiveram os seus votos anulados pela Justiça Eleitoral, e até hoje não receberam justificativa por parte da Justiça de mais essa violência cometida contra o eleitorado de Osasco. Fica aqui uma pergunta: como acreditar na Justiça Eleitoral no Brasil? Com a palavra, a Justiça Eleitoral.

José da Silva jsilvame@gmail.com

Osasco

*

LADEIRA ABAIXO

O que se pode esperar, pelo menos no curto ou médio prazo, de um país onde um bandido, chefe de quadrilha, condenado da Justiça em última instância, continua solto e vendendo para empresários corruptos sua influência nesse governo não menos corrupto? José Dirceu acabou de juntar-se a Erenice Guerra e criaram uma Joint Venture para assaltar os cofres públicos. Não é de se estranhar. Essa dupla de ratos foram paridos e criados nos sujos porões da Casa Civil. Conhecem bem os meandros da bandidagem que impera no País nos últimos 10 anos. Infelizmente, só resta ao cidadão que trabalha, produz e paga pesados impostos ver seu dinheiro engordar a conta corrente de ladrões e o País descer a ladeira.

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

HIPÓTESES

Hipótese nº1: mantida a atual conjuntura, com Lula e Dilma vivos e saudáveis, Dilma ganha de qualquer candidato no primeiro turno. Hipótese nº2: se, por acaso, Lula sucumbir enfermo ou vier a falecer, Dilma ganha de qualquer candidato no primeiro turno porque os eleitores dele votarão nela, em massa, para homenageá-lo indiretamente. Hipótese nº3: se, por acaso, Dilma ficar impedida em virtude de problema de saúde ou vier a falecer, Michel Temer, do PMDB, assume, abandona a incômoda coligação com o PT, se desvencilha de Lula, para em seguida patrocinar nova coligação com outros partidos que lhe garantam uma governabilidade mais civilizada.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

LULAIATOLÁ

Desconfio de que o Estado Lulocrático do Brasil manipula a política eleitoral para aclamar a reeleição de Dilma Rousseff, bonifrata de irrestrita lealdade ao supremo lulaiatolá, o companheiríssimo pós-presidente desta República Luiz Inácio Lula da Silva.

Ney José Pereira neyjosepereira@yahoo.com.br

São Paulo

*

AOS MEUS INIMIGOS, A LEI

A pedido do PT, a ministra Laurita Vaz do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), suspendeu propaganda do PSDB em que aparece o presidente do partido Aécio Neves, provável candidato a presidência em 2014, dizendo que "juntos podemos cuidar melhor do Brasil". Que descaramento do TSE! Desde o início do ano temos visto propaganda do PT com a presidente Dilma e seu mentor, fazendo até alusão a tomarem o governo de São Paulo, e o tribunal não pensou em suspender? O presidenciável Eduardo Campos, do PSD, também fez propaganda pelo partido, cuja frase "podemos fazer mais pelo Brasil", foi posteriormente copiada pela própria presidente. Ou o PSDB comeu bola e não solicitou impedimento dessas propagandas ou o Brasil está virando Venezuela, Argentina, Bolívia, etc., onde o esquema é "governo pode, senão a lei"? A presidente Dilma não parou até agora de se mostrar como provável candidata a reeleição. O TSE não viu que ela faz com campanha política antecipada com dinheiro público?

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

PROJETO DE PODER

O presidente do PT, Rui Falcão, considera que somente o que foi realizado pelo governo Lula não assegura a reeleição de Dilma. São necessárias novas medidas, entre elas a "democratização dos meios de comunicação" e o financiamento público das campanhas. Com essas duas medidas - imprensa controlada pelo PT e dinheiro público para sustentar as campanhas - o projeto de poder dos companheiros estaria viabilizado.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

TIRO NO PÉ

Quando menino eu tinha um vizinho que era inspetor da Polícia Civil. Eu adorava ouvi-lo contar casos de investigações e prisões de bandidos e criminosos. Entre as histórias, recordo-me que um dia ele disse: "Bandido comete o primeiro, o segundo e o terceiro delito com muito cuidado morrendo de medo. Depois vai achando tudo muito mole e começa a relaxar. É aí que a gente põe a mão no infeliz: quando ele dá um tiro no próprio pé". Assim vai acabar a moleza dessa mega quadrilha. José Dirceu abriu a boca na hora errada e delatou o ministro do STF Luiz Fux como indicado com o compromisso de absolvê-lo no julgamento do mensalão. Com isso, acabou comprometendo a presidente, que foi quem fez a nomeação, o que indica que fez isso em função desse acordo. Se eles já começam a atirar no próprio pé, não demora muita a casa cair.

Nei Silveira de Almeida neizao1@yahoo.com.br

Belo Horizonte

*

BATALHA MORAL

O Brasil está num compasso de espera. Quem vencerá a batalha da Justiça, o Brasil ou o PT? Ao final da primeira fase do julgamento do mensalão, quando os réus foram legalmente condenados após inúmeros dias de julgamento e horas de discussões e defesas a que os réus tinham direito, aparecem no cenário dois juízes indicados pela presidente, com ligações íntimas com o partido e/ou seus membros. Buscam-se nos escaninhos da legislação maneiras de reversão dos resultados como se nada de importante tivesse acontecido. O julgamento ocorrido "não valeu"? Há indícios legais de que não foram dadas todas as "chances" aos acusados, alegam seus defensores. A sociedade, estarrecida, assiste ao dilema. Quem estava certo, a justiça ou o PT? Está se tornando uma lei no País que "o PT está sempre com a razão". E, assim, querem rasgar o julgamento ocorrido, como se nada houvesse, julgando novamente 11 condenados - com dois novos juízes mais favoráveis aos réus - na tentativa de tornar suas penas mais brandas ou, se possível, modificar o julgamento. E assim, o trabalho de moralização da justiça a que o ministro Joaquim Barbosa e outros se dedicaram terá sido em vão, porque o PT vencerá. E no Brasil estará comprovada, mais uma vez, a sensação de que há uma diferente justiça para os que detêm o poder.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

BRASIL NA OMC

Sabíamos que a eleição favorável ao diplomata Roberto Azevedo como diretor da Organização Mundial do Comércio (OMC) não ia ficar de graça. Simplesmente nos custou US$ 900 milhões em perdão de dívidas dos países africanos para com o Brasil. Como sabemos, "não há almoço de graça", e quem está pagando essa conta somos nós, os pagadores de altíssimos impostos. Os petistas adoram dar barretadas com o chapéu dos outros. Essa não é a primeira vez que nos deparamos com essa forma de agir deste governo.

Leila E. Leitão

São Paulo

*

DIPLOMACIA FINANCEIRA

Dilma levou Roberto Azevedo, recém-eleito diretor da OMC, para sua viagem à África, para que ele pudesse agradecer os votos recebidos dos países africanos. Talvez por gratidão, perdoou US$ 900 milhões em dívidas daqueles países. Dilma não é muito esperta. No país do mensalão, ela deveria ter desvinculado uma coisa de outra e deixado o diplomata em casa. É inevitável que liguemos uma coisa a outra.

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

EXPLOSÃO ECONÔMICA

Para nossa sorte, os números nos mostram que a economia vai explodir em 2014, e não em 2015. Mais precisamente após as eleições de 2014, como previa a nossa presidente, ao tomar tantas medidas inconsequentes e eleitoreiras, todas visando à sua reeleição. Vejam o porquê de sua derrota em 2014: a péssima escolha, puramente política, de seus ministros e assessores, e o desprezo por técnicos, fizeram de seu governo essa baderna que aí está: déficit comercial e inflação galopantes, desemprego crescente, produção quase parando, logística inexistente, empresas chinesas destratando contratos de compras de nossos produtos por não terem certeza se os receberão. O que está te salvando, senhora presidente, são as bolsas esmolas, o que ficou bem claro quando, do boato da sua extinção, a senhora acionou todas as polícias brasileiras para achar os culpados pelo boato, que, no final, seu próprio governo assumiu.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

DEUS E O DIABO

Juros, inflação e dólar morro acima; PIB, economia e poder de compra ladeira abaixo. Em cartaz, o filme "Deus e o Diabo na Terra Brasilis". Sem happy end.

J.S. Decol jsdecol@globo.com

São Paulo

*

O PACOTINHO DOS APAIXONADOS

O Dia dos Namorados está chegando e eu já estou aguardando com muita ansiedade o pronunciamento em rede nacional da nossa querida presidente Dilma Rousseff para anunciar mais um pacotinho: o pacotinho dos apaixonados. Fico imaginando quais serão os produtos que serão beneficiados com redução tributária, para mais uma tentativa de incentivar a economia nacional: preservativos, anticoncepcionais, desoneração da folha de pagamento dos funcionários de motéis e similares, etc. Será que, com mais este pacotinho, Dilma consegue atingir o PIB sonhado, 2,7%? Eu duvido.

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

PIB POR DECRETO

Conforme o governo anunciou, a economia não pode crescer menos que 2,7% neste ano, mesmo sabendo que este objetivo está cada vez mais longe. Porém, como definiu uma fonte qualificada da equipe econômica ao "Estado", o governo não vai permitir que o Produto Interno Bruto (PIB) cresça abaixo do patamar de 2011, que é igual ao ora fixado, como se isto pudesse acontecer por decreto. Porém, se não ocorrer, com certeza os números serão manipulados para atingir o objetivo, né não?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

EDUCAÇÃO DESESTRUTURADA

A que ponto chegamos: professores às portas da aposentadoria, com direito à licença prêmio, têm a mesma, quando solicitada, diminuída em dias de gozo, pois não há professores substitutos. E quem quer ser professor? Muito se comenta sobre o despreparo dos professores e eu concordo. Realmente, o professor está despreparado para lidar com alunos oriundos de famílias desestruturadas, alunos drogados, sem limites, sem respeito e sem valores. Despreparado para trabalhar sem estrutura, apesar de a mesma ser apregoada pelo poder público. Despreparado ao sair das faculdades, que só dão teoria e nada de prática. Agora: dêem aos professores estrutura de trabalho, boa formação pedagógica, alunos com valores morais, pais responsáveis, e teremos ótimos e preparados profissionais.

Therezinha Stella Romualdo there.stella@hotmail.com

Santos

*

PROGRAMA BRASIL CRIMINOSO

Espalhar boatos e acusar a oposiçã; perdoar dívidas de outros países enquanto a situação da Saúde, principalmente a das Santas Casas, está em situação difícil; e altos índices de corrupção no Executivo e no Legislativo fazem parte do Programa Brasil Criminoso.

José Mendes josemendesca@ig.com.br

São Paulo

*

TUDO EM ORDEM

Com rodovias e ferrovias brasileiras em excelentes estados e com a segurança e a saúde pública funcionando de maneira satisfatória, o governo brasileiro optou por perdoar dívidas de países africanos. Brasil, um país de todos.

Virgilio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul

*

BÔNUS PARA POLICIAIS

Quando um cidadão se propõe a ingressar num órgão da segurança pública, ele tem o dever de se empenhar com afinco no combate à criminalidade. É sua principal missão e finalidade. O bônus acaba descriminando uma parcela de policiais que trabalham em áreas de índice baixo de ocorrências criminosas, o que evidentemente pode causar uma frouxidão à própria carreira. O que é preciso, no caso do Estado de São Paulo, é rever a política salarial dos seus integrantes, colocando-os nos primeiros lugares do "ranking" nacional, a fim de que seus quadros sejam formados pelos melhores e mais competentes profissionais. Este seria o principal "Bônus" para todos.

Roberto Julião rjjuliao@uol.com.br

São Paulo

*

'BÔNUS PARA POLICIAL EFICIENTE'

Reportando-nos ao artigo com o título em epígrafe - página A3 da edição de 30/5 do "Estado" - especificamente no que tange à queda em 7,8% do índice de homicídios do mês de abril, cabe fazer adendo, por uma questão de justiça, à assertiva de Luciana Guimarães, diretora do Instituto "Sou da Paz", de que a "letalidade policial é um indicador importante, pois recentemente passou a representar grande parte dos homicídios". Esqueceu-se ela de dizer que tal letalidade, decorrente da maior eficácia policial no combate à violência do delinquente, dá-se, de regra, dentro dos parâmetros legais das excludentes de criminalidade. E mais: que a queda desse índice, ao contrário do desejável, pode revelar certa intimidação do miliciano, face a posturas dessa natureza.

José Hamilton Port port.jose@hotmail.com

Vinhedo

*

VIOLÊNCIA CONTRA DENTISTAS

Para desespero da classe profissional odontológica e também de toda sociedade brasileira, mais um dentista foi queimado vivo ontem por não ter dinheiro em seu poder. Até quando poderemos suportar tal terror em nossas vidas? Nosso direito de ir e vir, de viver em paz, não existe faz tempo. Pior é ler e escutar falácias de falsos cientistas e teóricos de plantão que nada produzem de prático e se autointitulam donos da verdade, defendendo e protegendo esses degenerados. Por ocasião do primeiro ataque incendiário contra a dentista há um mês, um tal de Leonardo Sakamoto disse em seu blog que, embora não concordasse com o ato covarde, entendia que nós, sociedade, somos os culpados pelo ato insano daquele coitado de 17 anos que ainda não está preparado para entender o que é certo ou errado e que nós armamos os bandidos. Ora, como membro da sociedade, não permito que ele ou qualquer outro defensor de direitos humanos dos bandidos me acuse de maneira tão vil. Se ele arma os bandidos, então assuma a responsabilidade pelo seu crime de conivência. Como membro da sociedade, faço minha parte todos os dias. Ajudo os mais necessitados (dentro de minhas possibilidades), atendo pacientes carentes gratuitamente e, principalmente, pago meus impostos rigorosamente em dia. Os culpados por esse estado de terror em que vivemos pertencem a duas classes: 1) esses tipos que defendem os bandidos; 2) os políticos de todos os partidos e níveis, desde os vereadores até a presidente da República. Nossa única culpa, talvez, seja o fato de sermos acomodados e não irmos às ruas clamar contra nossos governantes, exigindo que abandonem seus cargos, que sejam presos os já condenados, brigando civilizadamente para que esse estado de terror acabe de uma vez por todas para podermos viver em paz e preparar um futuro melhor para nossos filhos.

Fernando Augusto De Luca fkdeluca@uol.com.br

Botucatu

*

IMPUNIDADE GERAL

Em apenas 15 dias dois amigos internautas perderam seus filhos para a criminalidade: Pepe Chaves, que perdeu Igor, e Pedro Paulo Rocha, que perdeu Ingrid. Que país é este cujos políticos insensíveis, incluindo o ministro da Justiça José Eduardo Cardozo, se recusam a proceder um endurecimento das leis para todos os criminosos? E nosso problema não é somente o bandido menor de idade. Nosso problema é a impunidade geral que serve de estímulo aos degenerados de alma, aos corrompidos de caráter, aos maus de qualquer idade, que passaram a nos usar como num jogo perverso de roleta russa mental, nos matando por sádico prazer e quando lhes der na "telha". Até quando veremos correr o sangue de nossos jovens, impunemente?

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

O PIOR BANDIDO

O pior bandido é aquele que mata com a caneta ou quando deixa de usá-la de modo correto. Principalmente no que diz respeito ao nosso caduco Código Penal.

Gilberto de Paula Santos jr19abril@yahoo.com.br

Valinhos

*

CAUSA OU EFEITO?

Os acadêmicos de esquerda defendem a bandidagem usando o argumento de que os bandidos são vítimas da desigualdade social. Mas a diferença entre as classes sociais vem diminuindo bastante ao longo dos tempos. Nos anos 70, por exemplo, o padrão de vida de uma pessoa pobre era muito aquém do de uma pessoa da classe média. Com o desenvolvimento tecnológico e a ação de políticas públicas, foi aumentando o acesso a bens como água, luz, telefone, geladeira, televisão, etc. Hoje é comum o filho da empregada ter um tênis ou celular mais sofisticado do que o do filho da patroa. Então era para criminalidade ter diminuído nos dias atuais e não ter aumentado, tanto quantitativamente como em relação à crueldade aplicada. O pior é que essa teoria da desigualdade social como causa da bandidagem foi apropriada pelos rappers, que gozam de muito carisma entre as pessoas propensas ao crime. Hoje, essas pessoas também estão usando essa teoria para justificarem seus atos. Eu acho que não é a desigualdade social que é a responsável pelo aumento da criminalidade, mas sim a teoria da desigualdade social.

Geraldo Magela da Silva Xavier beetolado@yahoo.com.br

Belo Horizonte

*

ALTOS IMPOSTOS, BAIXA SEGURANÇA

É inaceitável que São Paulo registre 37 casos de estupro de mulheres por dia. Isso sem falar nos inúmeros casos que não são levados ao conhecimento da polícia e que não aparecem nas estatísticas oficiais. A violência sexual é um dos crimes mais covardes e cruéis. Além de revelar a barbárie em que vivemos, esses números revelam a falência da política de segurança pública adotada pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) e a incompetência da sua Secretaria de Segurança Pública. Pagamos altíssimos impostos e não temos sequer um mínimo de segurança para nós e nossas famílias. Quase 20 anos de governo do PSDB no Estado mais rico da Federação e este é o resultado: aumento do número de latrocínios, estupros, violência, insegurança e medo da população paulista.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

PARADA GAY

Daniela Mercury, que já não pode mais mostrar o que a baiana tem, vai ter seu show na Parada Gay de São Paulo patrocinado pelo governo baiano. Está sobrando dinheiro nos cofres baianos?

Cléa Corrêa cleacorrea@uol.com.br

São Paulo

*

NA CONTRAMÃO DA HISTÓRIA

O parlamento da Nigéria aprova lei "antigay". O projeto torna crime o casamento homossexual, inclusive a adesão a grupos de defesa de direitos gays, desafiando a pressão das potências ocidentais, que respeitam os direitos de gays e lésbicas, fazendo crescer o movimento "antigay" na África. A pena de prisão pode chegar a 14 anos. O sentimento "antigay" e a perseguição a homossexuais são comuns na Nigéria, fazendo com que a nova legislação tenha apoio popular. Quem está na contra mão da nossa origem e da história? Sem preconceitos e discriminações!

Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

*

LIBERDADE IGUALDADE E FRATERNIDADE

O país da revolução, da liberdade, da igualdade e da fraternidade, que teve nomes como, Simone de Beauvoir, Gustave Flaubert, Albert Camus, Jean-Paul Sartre, Voltaire, Emile Zola, promove em pleno século 21 uma passeata contra o casamento gay. Que falta de igualdade, fraternidade e liberdade com o próximo.

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

*

A REDE EM CUBA

Finalmente uma boa notícia para os petralhas de carteirinha e os genéricos esquerdopatas que divinizam a grande democracia castrista: o acesso à internet vai "melhorar" no paraíso insular dos irmãos Castro, com ampliação da rede em 118 pontos de todo o país a partir de 4 de junho. Com esse avanço da revolução cubana, praticamente sem paralelo no mundo, o bravo povo cubano, cujo salário é, em média, de formidáveis US$ 20 por mês, redimido pela justiça social marxista-leninista, vai poder, agora, pagar US$ 4,50 por hora (!) para usar a web. Mas, como ninguém é de ferro e tudo tem uma contrapartida, o regime já mandou avisar que o acesso será devidamente acompanhado pelos serviços de bisbilhotagem cibernética da ilha, advertidos os usuários de que não poderão usar as conexões para "pôr em perigo ou prejudicar a segurança pública, ou a integridade e a soberania da nação". Patria o muerte!

Silvio Natal silvionatal49@yahoo.com.br

São Paulo

*

ALIANÇA DO PACÍFICO E MERCOSUL

Nos primeiros quatro meses do ano, o déficit comercial brasileiro foi de US$ 6,15 bilhões em razão do crescimento das importações de petróleo e derivados, e a queda das exportações de manufaturados e commodities. Enquanto o Brasil permanece no estagnado Mercosul (1991), com uma postura política ou ideológica, o grupo Aliança do Pacífico (junho/2012), integrado pelo Chile, Peru, Colômbia e México, continua avançando a todo vapor para uma área de livre comércio com os EUA e a União Européia. Os quatro países da Aliança do Pacífico, sem alarde, politicagem ou burocracia, tiveram em 2012 um crescimento médio de 5% (Brasil: 0,9%) e uma inflação média de 2,4% (Brasil: 5,84%). Em suma, o Mercosul está fazendo água há 22 anos, e só tem acordo de livre comércio com Israel, Palestina e Egito, e insiste em ignorar os grandes mercados mundiais.

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

DE CLUBES E FEDERAÇÕES

Encarregado por seu governo em Marte de introduzir o futebol em seu país, um emissário é enviado à Terra. Antes da viagem, as autoridades do seu governo entregam-lhe um dossiê cuidadosamente preparado sobre os países considerados os melhores na prática do esporte aqui na terceira pedra a partir do Sol. Muito bem informados, fizeram constar no documento que um país chamado Brasil possuía o título de pentacampeão do mundo (Terra), mencionando ainda outros que, embora campeões algumas vezes, nunca tinham conseguido honraria semelhante. Apoiado neste fato objetivo, o documento sugeria em suas conclusões que o emissário concentrasse sua permanência no Brasil e colhesse lá o maior número de informações que pudesse e visitasse os outros centros de futebol somente se dispusesse de tempo para tal. Ao chegar à pátria dos pentacampeões, começou a observar seus craques, como eram formados e como progrediam na fase profissional. Alguns atingiam a excelência e passavam a provocar delírios nas respectivas torcidas. Descobriu cedo, no entanto, que quando atingiam o nível máximo eram vendidos a clubes localizados no continente chamado Europa, onde havia também bons centros do esporte. Além de serem atraídos por melhores salários, eram estimulados por comentaristas e dirigentes dos clubes aos quais pertenciam, endemicamente desequilibrados financeiramente, sob a alegação de que somente a transferência para lá faria com que melhorassem seu nível técnico. Isso intrigou o nosso marciano, que não conseguia entender por que os melhores jogadores do mundo tinham que sair do seu país, onde se praticaria teoricamente o mais apreciado futebol, para conseguirem melhorar. Pela lógica válida no seu planeta, e provavelmente em todo o sistema solar, o movimento inverso é que deveria ocorrer. Tal fato o obrigou a realizar viagens frequentes à Europa para descobrir a causa de tal anomalia. Uma das conclusões é que, tanto no Brasil como nos países do outro continente, havia os clubes, verdadeira origem dos craques, entidades que deveriam, portanto, auferir os maiores benefícios da sua fase mais produtiva, e as federações, que reuniam os clubes e realizavam a parte burocrática e normativa. Mas havia uma diferença. Na Europa, os clubes cresciam e as federações se mantinham nas suas atribuições básicas. No Brasil, ocorria exatamente o contrário: as federações enriqueciam e os clubes funcionavam dentro de um modelo ultrapassado, esmolando, impossibilitados de competir com os salários e condições de alguns países do outro continente. Aí o nosso marciano entendeu o paradoxo e sugeriu no seu relatório que os clubes que geravam os craques e os formavam deveriam impor, eles, um modelo que lhes permitisse manter e melhorar o nível de seus atletas e que as federações fossem mantidas no seu curral burocrático, abrangendo somente o absolutamente necessário para organizar os torneios e as leis do jogo. De posse dessa preciosa lição, retornou ao seu país em Marte.

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.