Fórum dos Leitores

TRANSPORTE PÚBLICO

O Estado de S.Paulo - Atualizado às 5h43

13 Junho 2013 | 02h07

Caso de polícia

Armados com pedras, fogos de artifício, máscaras de gás e até minibotijões de gás, arruaceiros provam que não se trata de uma manifestação contra R$ 0,20 no aumento da tarifa do transporte público em São Paulo. Estivessem tão preocupados com os rumos da Nação, já teriam ido às ruas por motivos mais sérios, como a corrupção no País, que permite até termos um ladrão assassino como deputado. Entre os manifestantes - que depredaram o patrimônio público, incendiaram ônibus, feriram policiais militares e aterrorizaram transeuntes - havia representantes do PT, do PSOL e da UNE, que (ora vejam), tão quieta diante dos desmandos de seu querido governo petista, resolveu brigar por míseros centavos, quando somos roubados em bilhões pela corrupção. Protestar é válido e é até positivo vermos tantos jovens nas ruas para reivindicar, mas arruaça não! Isso não é coisa de gente bem-intencionada. Por isso, cana aos baderneiros!

MYRIAN MACEDO

myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

*
Mascarados

Quem protesta com o rosto mascarado boas intenções não tem, certo? Depredar ônibus, agências bancárias, bancas de jornal e estações do metrô mostra o real objetivo desse movimento.

ADRIANA AULISIO

aulisiodri@gmail.com

São Paulo 

*
Balaio de gatos

Punks, anarquistas, feministas, socialistas, gays, abortistas, pichadores, rapaziada da UNE, da ala jovem do PT, do PSOL, celerados que só querem "causar", universitários, secundaristas. A lista do lumpesinato esquerdopata dedicado ao terror urbano é extensa e deve, provavelmente, incluir até descontentes com o (módico) reajuste das tarifas de ônibus na capital.

SILVIO NATAL

silvionatal49@yahoo.com.br

São Paulo

*
Erraram o alvo

Os manifestantes responsáveis por grandes transtornos à população e extensos prejuízos ao patrimônio público erraram seu alvo. O governo federal, como é público, promove incomensurável arrecadação de impostos na cidade de São Paulo. Para onde são enviados esses recursos? Para obras faraônicas, mal projetadas e desastrosamente executadas, como transposição de rios, hidrelétricas impropriamente localizadas, estádios de futebol sem perspectiva de utilização futura e outras tantas obras carentes de planejamento. Enquanto isso, os contribuintes paulistas aguardam a formação de uma abrangente rede de metrô, a extensão e modernização das linhas férreas, a construção do anel rodoviário, das estradas vicinais e outros componentes de um planejamento idôneo. A irracionalidade só pode resultar em desastre e prejuízo à população.

BENEDITO LIMA DE TOLEDO 

bltoledo@uol.com.br

São Paulo

*
O que está errado?

O reajuste de R$ 0,20 na tarifa do transporte público foi de 6,6%, inferior à inflação do período em que não houve reajuste. O que está errado? Certamente, é a inflação decorrente do abandono das políticas que nos levaram à estabilidade econômica. Estão mais caros a energia elétrica, os itens de manutenção do transporte público, o investimento no sistema interligado de transporte da região metropolitana e os salários no setor. Então a indignação maior deveria ser contra o descontrole da economia em geral. Mas esses manifestantes preferem afrontar a polícia e depredar a cidade. Suspeito de que o objetivo não seja contestar o reajuste, mas criar fatos políticos e mascarar nosso verdadeiro problema: a volta da inflação por causa da má gestão do governo federal, que gasta muito e gasta mal.

CARLOS AVILA

gardjota@gmail.com

São Paulo

*
Carga pesada

A reação desproporcional ao reajuste da tarifa indica pelo menos que tem gente querendo reagir. Por que, então, não fazer protesto contra uma política irresponsável de gastos públicos que tem comprometido o sucesso do Plano Real? Transporte público em grandes capitais é só um dos castigos para quem se arrisca no trânsito em busca de produzir o seu sustento pagando uma das maiores cargas tributárias do mundo: quase 40% em relação ao PIB. Não há economia que decole com um Estado tão pesado nas costas. Por isso, sim, deveríamos ir às ruas.

JOÃO B. JUNQUEIRA NETTO

jonjunq@gmail.com

São Paulo

*
'Basta!'

Os protestos podem, sim, ser um primeiro sinal de basta!, que está preso na garganta da população diante de tanto descaso com o dinheiro público no País. A incompetência resultou na volta da inflação. O governo petista não sabe o que fazer e não pode mais culpar a crise internacional. O problema é aqui mesmo, com gente pilotando mal a nossa economia.

SERGIO E. STEMPNIEWSKI

sergueistemp@uol.com.br

São Paulo

*
O valor da liberdade

Sou a favor do protesto nas ruas, até porque é uma vitória da sociedade, tendo em vista que vivemos por 21 anos sob um regime ditatorial que suspendeu todas as nossas liberdades. Mas protestar dilapidando o patrimônio público e fazendo da vida dos outros cidadãos um inferno não se justifica.

MARCOS BARBOSA

micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

*
Netos de luta

Como integrante da geração estudantil dos anos 60 que protestou nas ruas daqui, do Rio de Janeiro, contra os arbítrios da ditadura militar, vejo uma fundamental diferença nestes jovens protestantes: o uso do vandalismo como força motriz dos protestos contra o aumento das passagens. Sugiro aos líderes - nossos netos de lutas - desses insensatos atos que revejam sua estratégia de atuação, para que seus objetivos tenham condição de ser alcançados.

JOSÉ DE A. NOBRE DE ALMEIDA

josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*
GABINETE DE CRISE

Nós sempre teremos Paris

Tal qual sua colega petista Marta Suplicy, que no exercício de seu mandato na Prefeitura de São Paulo permaneceu em Paris durante uma das piores enchentes sofridas pela capital paulista, o prefeito Fernando Haddad prefere continuar na capital francesa, em vez de lidar pessoalmente com os graves tumultos causados pelos protestos contra o aumento da tarifa no transporte público municipal.

SERGIO SARAIVA RIDEL

sergiosridel@ig.com.br

São Paulo

*
MANIFESTAÇÃO PELO PASSE LIVRE

Esse confronto da Avenida Paulista de vândalos baderneiros com a polícia cheira a atos praticados pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), sempre patrocinados pelo PT. O poder a qualquer custo. Perto da eleições de 2014, tem tudo para ser orquestração politiqueira. Será que alguém duvida disso?
 
Conrado de Paulo conrado.paulo@uol.com.br 
Bragança Paulista

*

PULSO FIRME

Ao verificar na TV as imagens dos “vândalos”, como bem descreveu o governador Alckmin, pude observar que os integrantes da turba são do mesmo “modelo” dos que invadiram o prédio da USP, em novembro de 2011, e que também foram contra a patrulha da PM no campus universitário, que visava coibir o tráfico e o consumo de drogas nas dependências da referida universidade. Não identifiquei na multidão desvairada em questão nenhum trabalhador, pai ou mãe de família, e sim um monte de “filhinhos de papai” metidos a revolucionários da década de 1970, onde alguns trajavam camisetas do PSOL, PSTU, entre anarquistas e baderneiros de plantão, que gostam de fumar maconha e sair para revirar lixo, como cães de rua.
Queria parabenizar aqui a ação do Comando de Policiamento de Choque da Polícia Militar (CpChq) e lembrar que o prefeito Haddad deveria ter assumido sua responsabilidade como máxima autoridade municipal e ter mandado a Guarda Civil Municipal (GCM) proteger o patrimônio público da cidade e não ter deixado tudo nas costas da PM. Governador Alckmin, seja pulso firme e não tenha dó de repelir esses baderneiros de plantão!

Frederico d'Avila fredericobdavila@hotmail.com 
São Paulo

*

O PREÇO DA IMPUNIDADE
                                                             
São as impunidades que levam a todos os tipos de manifestações, depredações, incêndios, pichações além de assaltos, arrastões e mortes. Espero que estes jovens do Movimento Passe Livre, que não sabem apenas reivindicar (alguns são vândalos), sejam cobrados pelos estragos públicos feitos em suas manifestações e que os órgãos responsáveis por estas punições não venham com a “lenga lenga” usada em relação às punições aos alunos da USP, na greve de 2011. Disseram que não tinham como identificá-los como quadrilha e quem depredou e estragou a coisa pública. Então ficou por isso mesmo, ou seja, incentivaram-nos a repetir a dose. Já escutei gente pedindo para levarem o “brucutu” (blindado com jatos d'água) para acalmá-los!
 
Tania Tavares taniatma@hotmail.com 
São Paulo

*

PRETEXTO

Aumento de preços na tarifa de ônibus é só pretexto, há objetivos rasteiros e políticos por trás desses estudantes e esquerdistas vestidos de bandidos traficantes. Estão querendo mortes para se fazerem de vítimas.
 
Nelson Pereira Bizerra nepebizerra@hotmail.com 
São Paulo

*

LENIÊNCIA OFICIAL

As manifestações contra o reajuste das passagens de ônibus, trem e metrô, cada dia mais violentas, em São Paulo e no Rio de Janeiro, chegam a um nível preocupante. As autoridades, que detêm a concessão dos transportes e a segurança pública, têm a obrigação de impedir que cenas como essas continuem ocorrendo. É de sua responsabilidade fixar tarifa justa para os serviços e garantir o seu funcionamento. Aos insatisfeitos há que se informar, com toda a transparência, o porquê do valor das passagens e estes, se ainda restarem insatisfeitos, dispõem de instrumentos judiciais e sociais para contestar e até protestar. Mas nunca pela pauta da violência, que todos sabemos como começa, mas ninguém é capaz de prever como pode terminar. Não devemos ignorar a existência do crime organizado, que pode se infiltrar, potencializando os distúrbios e provocando mais danos materiais, mortes e até a instabilidade institucional, seu permanente objetivo. Se as autoridades administrarem as tensões, dificilmente terão de recorrer à força. Precisam também acabar com a impunidade – se os vândalos tivessem a certeza de que pagariam caro pelos seus atos, certamente não os cometeriam. A leniência oficial os fez perder o respeito à autoridade e às instituições. Se não for dado um fim a tudo isso, logo outras manifestações, por diferentes motivos, surgirão. Não será de estranhar se a turba vier a exigir até a renúncia de governantes. Aí não restará aos democratas de plantão nada além do que beber no cálice amargo dos artigos 137 a 139 da Constituição, que regulam o estado de sítio. Perto do que poderá acontecer em nosso país, em razão do clima de corrupção, impunidade e insegurança hoje aqui reinantes, a chamada “primavera árabe”, que varre o Oriente Médio, poderá ser comparada a um inocente filme de enredo infantil...
 
 
Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br                                                                                                       
São Paulo

*

DE PERNAS PARA O AR

Está na hora de colocar o exército na rua. O que temos visto acontecer não são manifestações, são atentados terroristas. Bem aos moldes do que já se viu no passado, praticado pelos que hoje estão no poder, travestidos de democratas. É o “modus operandi”. O País está tão de pernas para o ar, num desmando total e descontrole, que acabaremos sentindo saudade do regime militar.

Heloisa A. Martinez heloisa_martinez@hotmail.com 
Mogi das Cruzes

*

POSTES E BANANAS

Os vândalos da tarifa revelam que o prefeito não é um poste, é um banana.

A. Fernandes standyball@hotmail.com 
São Paulo

*

VANDALISMO X SOCIALISMO
O inexistente PSTU confundiu vandalismo com socialismo? Isso que fizeram e estão fazendo na Paulista é inaceitável. Deviam ser banidos como partido e virar concorrentes do PCC. Não podemos mais ficar brincando de democracia e aceitar provocações de ignorantes e irresponsáveis. Por que não fizeram essa maldita reivindicação antes dos aumentos? Todos sabiam que isso ia aumentar. A PM precisa detonar esses caras. Já temos pouca violência neste país da brincadeira. Precisamos desses manifestantes para perturbar nosso pouco sossego?

Kaled Baruche kbaruche@bol.com.br 
São Paulo

*

COINCIDÊNCIA

Coincidência: Alckmin bem posicionado nas pesquisas, e a onda de agitação cresce na capital de São Paulo. Por quê?
 
Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br 
São Paulo

*

ANTES TARDE DO QUE NUNCA

Demorou, mas está acontecendo uma revolta contra o aumento das passagens do transporte público em várias capitais brasileiras. O que vimos como exemplo em São Paulo, onde lutam para baixar de R$ 3,20 para R$ 3,00, mesmo enfrentando a Polícia Militar e a Guarda Municipal, enquanto os governantes, enclausurados em seus palácios – federal, estadual e municipal – pensam em rever a carga tributária, que pesa 35% em cima de cada passagem. Poucos sabem disso. Os maus governantes têm nadado de braçada em cima de nossos impostos, que, em sua maioria, nas três esferas, vão depois para a corrupção, formação de quadrilhas, mensalões, maracutaias e desvios para os maus políticos por meio de emendas parlamentares. Ironia do destino: em 2011, o PT ajudou nas passeatas; hoje, é governo. Está ai concretizada a Lei da Causa e Efeito. Reforma tributária já, com medo dos impostos nas NF, o governo federal adiou por um ano a divulgação da cadeia dos impostos em todos os produtos. Apoio aos jovens que lutam, principalmente pelos humildes trabalhadores que gastam um terço de seus salários em passagens para ir e vir ao trabalho.

Jose Pedro Naisser jpnaisser@hotmail.com 
Curitiba

*

OS DESORDEIROS DE SEMPRE

Já chega desses quebra-quebras promovidos por verdadeiros marginais, supostamente contra o aumento nos preços dos transportes. A população não está nem aí para esse aumento, que é irrisório. Existem motivos mais do que suficientes para prender e processar as lideranças identificáveis. A maioria dos envolvidos nem utiliza os transportes públicos. Pelas imagens percebe-se que são “boyzinhos”, sem mais o que fazer, ou “militontos” querendo reeditar os antigos movimentos estudantis. Só que hoje em dia, por mais que critiquemos, estamos vivendo numa democracia. Outro problema é que o “movimento” é engrossado pelos desordeiros de sempre, que perambulam por aí – vi na TV um garoto quebrando os vidros de um ônibus com um skate.

Nestor Rodrigues Pereira Filho rodrigues-nestor@ig.com.br 
São Paulo

*
PROTESTO ILEGÍTIMO

É lamentável ver mais um dia da baderna que está ocorrendo na capital paulista. E o que é pior: se fizessem uma pesquisa, 99,9% dos participantes desse “protesto” não são de trabalhadores que tomam ônibus. Presumo que nossas autoridades terão muito trabalho daqui para frente, principalmente a polícia e seus cassetetes.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com 
Jandaia do Sul (PR)

*

QUEM ESTÁ NO COMANDO?

Muito estranhas e suspeitas essas manifestações de destruição e vandalismo pela cidade. Nos últimos oito anos não houve isso. Agora, o governo do Estado reajustou as tarifas de trens e metrô pela inflação cheia e a Prefeitura reajustou as tarifas de ônibus pela metade da inflação. Poderia ser mais de 3,20 reais. E eles resolvem destruir tudo pela frente por causa de 20 centavos?! Quem comanda?

Antonio C. Ciccone cicconeac@hotmail.com 
Carapicuíba

*

BANDEIRAS VERMELHAS

Não há bandeiras vermelhas quando o prefeito é “deles”.

Flávio Cesar Pigari flavio.pigari@gmail.com 
Jales 

*

ATÉ QUANDO?

O tal Movimento Passe Livre pertence a uma entidade que recebe dinheiro publico da Petrobrás e do Ministério da Cultura para destruir os bens públicos? Nós gostaríamos de entender como o governo tolera tal baderna. Até quando?

Leila E. Leitão
São Paulo

*

BRASIL X RÚSSIA

Penso que é preciso proibir radicalmente todas as comemorações, festas, passeatas, absolutamente tudo na Paulista e em outras vias de importância estratégica dentro de São Paulo. Há coisas que não podem ficar na chamada “zona cinzenta”. Penso, também, que em Moscou – e só imagino por quê – não aconteceriam essas depredações!
 

Osnir Geraldo Santa Rosa osnirsantarosa@bol.com.br 
São Paulo 

*

PAULISTA PARA OS PAULISTANOS
 
A revolução dos 20 centavos está ganhando a cada dia mais adeptos ou desocupados, pois manifestações em horário de expediente não têm a participação de trabalhadores na ativa. Se houver, são alguns gatos pingados. Se o índice de desemprego é tão baixo, como pode haver tantos desempregados em várias capitais fazendo arruaças? Segundo o IBGE, a população brasileira é de aproximadamente 200 milhões de brasileiros. Sem considerar crianças e idosos, devemos ter 130 milhões de indivíduos aptos ao trabalho e apenas 6% de desempregados (dados do IBGE). Só uma dúvida: quem recebe o Bolsa Família é considerado empregado ou desempregado? No segundo caso, o índice de desemprego sobe para o patamar de 15%, correto? São 13,5 milhões de beneficiados.  Voltando à “revolução dos 20”. O que a bandidagem do PSOL, PT e o Movimento Passe Livre pretende com essa baderna? Tarifa zero. Pois bem, o governo decreta que as tarifas de ônibus e metrô não serão mais cobradas nas catracas. De alguma forma, os meios de transporte devem ser remunerados, pois os seus funcionários e seus maquinários dependem de dinheiro para funcionar. E esse dinheiro virá de que fonte? Um pouco da Saúde, um pouco da Segurança, bastante da Educação que já não existe, um novo imposto como a CPMF e outras artimanhas que todos nós pagaremos, inclusive os empregados/desempregados do Bolsa Família e até vocês, manifestantes desempregados e possivelmente bem pagos para promover o caos em São Paulo. O objetivo de vocês é bem claro: é preciso um corpo, um cadáver para ser exposto em praça pública para que a polícia seja a culpada. Vocês são todos massa de manobra barata, vendem-se por bem pouco. Agora digam: quem está pagando para que a nossa vida vire esse inferno diário? Vocês chegam na paulista de ônibus, metrô ou de carro? Quem financia as tintas e as despesas com transporte e máscaras? Um dia, quem vai cansar de tudo isso será o povo, que vai declarar que a Paulista é dos paulistanos e não de arruaceiros.
 
Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br 
Osasco

*

EFEITO MORAL?

“Credo quia absurdum!”, isto é: “creio porque absurdo” que a polícia paulistana está usando bombas de efeito moral para fazer chorarem os revoltados contra o abusivo aumento dos preços dos transportes coletivos. Ora... Desde quando chorar à força é tradução de efeito moral?! Moral se aprende pelo respeito adquirido pela educação de alto nível ético, cultural e social, isso sim é o verdadeiro efeito moral que civiliza e torna o convívio a melhor opção existencial dentro da democracia!

Sagrado Lamir David david@powerline.com.br 
Juiz de Fora (MG) 

*

MOTIVOS CURIOSOS

É algo para ser investigado o motivo por que o Movimento Passe Livre, que pertence à ONG Alquimídia, está realizando manifestações – e depredações – em protesto ao aumento de passagens de transportes urbanos. É ligado ao governo do PT, pois recebe recursos que provém da Petrobras, do Ministério da Cultura e da Lei Rouanet. Qual seria o interesse do governo federal e de seu partido em realizar movimentos politicamente dirigidos com o intuito de desmoralizar dirigentes locais? Como o transporte é um ponto nevrálgico na vida do cidadão, esse movimento tem objetivos semelhantes aos que foram realizados em São Paulo na ocasião da eleição para prefeito, quando grupos “realizaram” acidentes e incidentes com metrô, trens urbanos, ônibus e com o transito para denegrir as autoridades locais. É preciso investigar quem, do governo, está por trás disso.  

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br 
São Paulo

*

‘ROSEGATE’

Ainda bem que o procurador José Roberto Pimenta requisitou à presidente Dilma cópia do processo que apura os ilícitos de Rosemary Noronha, ex-chefe do escritório da Presidência da República em São Paulo. Esse fato deixa clara a importância e eficiência do Ministério Público, para que casos como esse não caiam no esquecimento e fiquem engavetados infinitamente.
 
Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com     
Campinas

*

O CANDIDATO DO PT

Sugiro aos governistas, principalmente a presidente Dilma, a candidatura do deputado estadual Luiz Moura – “Da vida de assaltante à cadeira de deputado”, “Estado”, 9/6, A8 – do PT, ao governo paulista... Este, sim, tem todos os predicados, qualidades e requisitos para governar o Estado de São Paulo, um verdadeiro representante do partido dos trabalhadores...

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com 
São Paulo

*

AFIF DOMINGOS

Em 1989, em pleno debate eleitoral televisivo para presidente da República, o então candidato Guilherme Afif Domingos acusou o outro candidato Mário Covas de duas caras. Este prontamente repondeu a Afif “que poderia ter duas ou mais caras, mas todas elas tinham vergonha”. Hoje, vemos exatamente o contrário. Afif tem muitas caras e nenhuma delas tem vergonha.
 
Auro C. Oliveira auro.c.oliveira@uol.com.br
São Paulo
 

*

ECONOMIA

“A Petrobrás inspira o povo brasileiro”... Para eleger governos que a aspiram.

Sergio S, de Oliveira
Monte Santo de Minas (MG)

*

EX-PRESIDENTE AUSENTE

Hoje eu revirei o jornal de ponta à cabeça e não vi nenhuma foto do Lula estampada. Ele anda sumido. Precisamos urgentemente que ele seja encontrado para se manifestar sobre a economia brasileira: inflação em alta, PIB em baixa, credibilidade do governo em queda, dólar subindo e também sobre o caso da Rosemary, o caso do boato da Bolsa Família, etc. A economia brasileira está igual ao seu time de coração, o Corinthians: lá embaixo, na tabela de classificação. Por favor, encontrem ele.
 
Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br 
Americana

*

SOLIDARIEDAD À PT

Dilma agora quer que a turma se endivide mais, comprando móveis e eletrodomésticos. A turma já não está pagando a prestação da casa própria nem a do carro e provavelmente não vai pagar estas. Bingo! Dilma, que já foi empresária de R$ 1,99 e faliu feio, no fundo está preocupada com os empresários de eletrodomésticos e móveis. Não querem que eles repitam sua malograda carreira. Isso sim é que é solidariedade. Bem ao estilo petista.
 
Paulo Henrique Coimbra de Oliveira ph.coimbraoliveira@gmail.com 
Rio de Janeiro

*

IMPOSTOS E NOTAS FISCAIS

O governo brasileiro quer mais prazo para descrição dos impostos na nota fiscal, pois neste espaço de tempo com certeza estudará uma maneira de derrubar tal exigência. Esta manobra é para que a população não venha a saber o quanto nos roubam diariamente em impostos, taxas e etc., em absolutamente tudo.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br 
São Paulo

*

INCAPACIDADE ESTADUAL

É incrível como o Estado de São Paulo não consegue receber mais de R$ 200 milhões da dívida ativa – “Estado”, 12/6, A3 – e não aceita estabelecer uma compensação com os créditos de precatórios, preferindo arrastá-los “ad eternum”. O Rio de Janeiro e outros Estados criaram essa possibilidade e deram uma grande equacionada nos dois problemas.
 
Rosangela Delphino touligada@hotmail.com 
São Paulo

*

A LEI E A MORAL

Vejam a disparidade de salário entre um professor e um vereador na cidade de Juazeiro no Nordeste brasileiro. Um professor com  20 horas  semanais em escolas precárias recebe R$ 850,00  mensais e um vereador que comparece uma  vez por semana na Câmara tem um salário de R$ 10.500. E ainda dizem que é legal. Onde está a moralidade na Lei?

Antonio Rochael antoniorochael@gmail.com 
Iguape

*

VIOLÊNCIA

Os atuais surtos de violência urbana em nossas grandes megalópoles, independente das causas que nos levaram a essas tragédias, só poderão ser combatidas eficazmente com duas medidas: reforço do policiamento nas ruas e alteração em nossas leis penais, para que punam com severidade os delinquentes que infringem as normas de civilidade. Se isso não ocorrer rapidamente, corremos o risco de entrarmos num perigoso processo de barbárie nas ruas e que a todos atingirá, sem restrição de classe socioeconômica que pertençamos. 

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com 
Rio de Janeiro

*

O BRASIL E AS ARMAS

Lamentável que a Câmara dos Deputados estude a aprovação de projeto de lei que altera o Estatuto do Desarmamento e permite a compra e venda de armas de fogo livremente no País. Será um enorme retrocesso, se isso acontecer, o que causará o aumento da violência e de mortes causadas por armas de fogo. Há um forte lobby da indústria armamentista no Congresso Nacional e a chamada “bancada da bala” defende os seus interesses e não os da sociedade brasileira, que quer viver de forma pacífica e desarmada. Os EUA são o melhor exemplo de como o fácil e amplo acesso ás armas de fogo pela população é um grave erro, que só gera o aumento da violência e mortes.
 
Renato Khair renatokhair@uol.com.br 
São Paulo

*

COMBATENDO O LATROCÍNIO

Para combater o latrocínio é preciso mudar o Estatuto do Desarmamento. Porte de armas já.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br 
São Paulo

*
PODER DE FOGO

Está em curso um edital internacional para que a polícia do Rio compre 750 fuzis. O governo deve gastar R$ 7 milhões com a nova aquisição. Existem várias justificativas, sendo a principal a de que “o armamento é o mais indicado para tiro incapacitante”. Tudo bem, pois há um clima de total insegurança por parte da população – uma guerra civil mesmo – e as polícias são nossa malha protetora. Portanto, não podem ficar, nunca, em desvantagem. Mas o problema consiste em saber quantas, quais e com quem estão os milhares de armas que todos os dias matam inocentes. E mais: quando haverá uma política séria de se retirar das mãos dos criminosos o poder de fogo, punindo-os, de fato, sem nenhuma trégua? Com a palavra, os senhores congressistas.
 
João Direnna joao_direnna@hotmail.com 
Niterói (RJ)

*

TUDO SE COPIA

No Brasil se gasta tanto dinheiro e tudo é feito para dar problema – aeroporto, rodovias, etc.Viajei recentemente de Madri a Toledo e o trem era maravilhoso, limpo, sem correria, com assento marcado. Saí no horário, tudo correto e justo. Por que não fazemos o mesmo? Porque temos que fazer puxadinhos, quebra galhos, adendos, e a grana indo para o ralo? Será que não podemos imitar os que já têm serviços funcionando e corretamente? Por favor, lembrem do Chacrinha: nesta vida nada se cria, tudo se copia.
 

Antonio Jose G.Marques a.jose@uol.com.br 
São Paulo

*

MANO MENEZES E O FLAMENGO

Cada vez mais fica evidente que este negócio de técnico bom é balela. Se ele não tiver elenco bom para trabalhar, não consegue nada. Vejam agora o Mano Menezes analisando a proposta do Flamengo. Ele quer garantias de condições e de elenco bom. Então não tem essa de técnico bom. Se há, é só colocar um desses técnicos ditos bons para treinar o Votuporanguense (SP) ou o Audax (RJ) e ser campeão. Com elenco de 1ª na mão até eu. 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com 
Vila Isabel (RJ)

*

OS GASTOS DA CBF

Li no “Estado” de 12/6 – A20 – a matéria sobre a CBF ter pagado os 120 apartamentos livres para que os jogadores da seleção não fossem incomodados. Está em linha com o lema do governo federal: “País rico é país sem pobreza”! Afinal, o valor gasto é uma miséria em relação aos gastos da CBF... Quando teremos administradores sérios na CBF ?

João Paulo Parreira jpmparreira@hotmail.com 
São Caetano do Sul

*

OS EUA E A PRIVACIDADE
Dois personagens emblemáticos ocuparam a preocupação e perseguição dos EUA, em 2013, na questão da segurança nacional: Julian Assange, fundador do site Wikileaks, que divulgou violações graves de direitos humanos em nome da “guerra contra o terror”; e Edward Snowden, que revela a espionagem do governo dos Estados Unidos, através de um superprograma de tecnologia, o Prism, também sob o mesmo prisma do combate ao terror. Detalhe: atinge todo o mundo. O nazismo, quando surgiu, também usou o mesmo argumento do inimigo externo (no caso, o comunismo) para se desenvolver. Tudo se justificava nessa luta. Teve o apoio interno e internacional dos inimigos do comunismo. Deu no que deu. O ovo da serpente, como retratou Bergman, no seu filme. Cadê as entidades internacionais que defendem a liberdade de opinião, expressão e de imprensa?
 
Antonio Negrão de Sá negraosa1@uol.com.br   
Rio de Janeiro
   
*

‘PARA ENTENDER O GOVERNO DILMA’

Sem contestar a famosa socióloga Lourdes Sola, seu texto – “Estado”, 12/6, A2 – merece algumas considerações.  A socióloga se equivoca como os economeses, tirando conclusões à luz de considerações parciais. A Constituição de 1988, que estabeleceu no Brasil o governo socialista escudado pela “coronelada” do poder, está provisória e inacabada até hoje, pelo simples fato de que nasceu provisória mesmo, aguardando que se emplacasse pela via dos votos, o comunismo que só aconteceu por vias de fato no mundo inteiro. Foi um passa-moleque no povo brasileiro, pelas besteiras cometidas pelos milicos no poder, apesar de terem tirado o Brasil do marasmo de mera coloniazinha. Mas apenas deram o chute inicial: o jogo se tornou uma “pelada” quando os socialistas e coronéis assumiram de vez o governo tupiniquim. Fernando Henrique Cardoso tentou implementar a “república socialista” por meio do achaque público pelos impostos, Lula tentou levar avante a obra fazendo o expurgo ser mais eficaz, mas se perdeu na corrupção, enquanto na União Soviética isso foi o ponto final da “obra”. Dilma foi uma opção dos “pajés de Lula”, todos comunas. Dilma era uma “terroristas dos bastidores” – dizem que nem mesmo os “colegas” a respeitavam quando se tratava de tirar alguma vantagem. A escolha da “terrorista de araque” foi uma exigência de Lula, que tinha que descer do poleiro. Dilma parecia talhada para completar a obra comunista no Brasil. Só que os simpatizantes do comunismo entendem de política, de produção e de administração como os índios entendem de ciência. Estamos chegando à encruzilhada a que chegaram os comunistas soviéticos: falir. A socióloga está analisando o governo Dilma sob a ótica do economês, de que uma nação se faz pela sua economia exclusivamente, como os burocratas soviéticos se equivocaram ao acreditar que, com armas nas mãos, dominariam o mundo! Faliram armados até os dentes, sem que o “inimigo” precisasse disparar uma espoleta sequer! Na realidade, Dilma é o fim do voo de galinhas do comunismo “light” abrasileirado pela Constituição de1988, depois de falhar por várias vezes com o comunismo quixotesco de Prestes. O que nos causa preocupações é “o que vem no lugar”? A história mostra um rosário sem fim de ditadurazinhas das bananas desde a época do império dos “Pedros”! Nossas constituições são comemoradas quando fazem “20 aniversários”, como se fossem feitos políticos!
 
Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com 
São Bernardo do Campo

*

‘VISÃO GLOBAL’

 A propósito da coluna “Visão Global” de hoje, “Obama, JFK e Teerã” (“Estado”, 12/6, A9): Até entendo o ponto de vista de Matthew Bunn, comparando a crise entre os EUA e URSS de 50 anos atrás à crise atual entre EUA e Irã. No entanto, creio que há um fator que escapa da razoabilidade dos argumentos. Hoje, analisando a História que inclusive levou ao fim a URSS, sabemos que os dirigentes daquela nação lutavam contra o dualismo da expansão do seu modelo de regime a qualquer custo e as reais dificuldades internas, econômicas e sociais (originadas da colcha de retalhos de nações que era a URSS) que também enfrentavam. O que me parece no caso do Irã – correndo o risco que sempre envolve a generalização – é que a maioria dos estados radicais islâmicos não se importa com custos, sejam eles sociais, sejam políticos. Não se importam com as sanções econômicas, com o sacrifício do seu próprio povo, com o derramamento de sangue. Tudo serve a uma causa maior, que justifica os meios empregados. A primavera islâmica não deu em nada. Os países saíram de uma ditadura pessoal para uma ditadura religiosa que pouco ou nada modificou na estrutura dos Estados ou na condição das populações. Creio que mais do que copiar a atitude de JFK no caso da crise EUA x URSS, o correto seria adotar a mesma inteligência. JFK descobriu que adotar a política de antecipar o primeiro passo surtiria efeito junto aos soviéticos. Talvez baseado nas informações da CIA de que na verdade os soviéticos estivessem tão ou mais interessados na parada da corrida armamentista que sangrava os recursos de que não dispunham. Copiar a inteligência neste caso é descobrir qual é a moeda de troca, ou seja, qual é o real anseio que motivaria o Irã, e, por tabela, os demais países radicais islâmicos, a aceitar diminuir suas ações bélicas. No caso especifico, armas nucleares. O ponto é entender que é uma sociedade diferente. A URSS não era tão diferente assim, os países que a compunham tinham anseios ocidentalizados. As tentativas de impor o modelo ocidental no Islã não deram resultado (vide Iraque). Então é botar a cabeça para funcionar e descobrir qual é o anseio dessas sociedades culturalmente tão diferentes da ocidental. Talvez, dessa forma, seja possível construir uma ponte entre o abismo que existe entre os dois mundos.
 
Ramiro Silvio Soares Pereira ramirosspereira@gmail.com 
São Paulo

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos Leitores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.