Fórum dos Leitores

PEC 37

O Estado de S.Paulo

27 Junho 2013 | 02h05

Mais um gancho no fígado

As ruas exigiram e a Proposta de Emenda Constitucional n.º 37 (PEC 37) foi sepultada no Congresso, e levou de cambulho para a tumba mais um pouco das tênues - mas não menos ignóbeis - esperanças dos corruptos que teimam em remeter para as calendas o resultado do julgamento do mensalão.

JOAQUIM QUINTINO FILHO
jqf@terra.com.br
Pirassununga

*
A pressão das ruas

Dadas a celeridade com que os nobres parlamentares votaram a PEC 37 e a sua acachapante rejeição na Câmara dos Deputados, creio que seria o caso de colocar em votação o mais rápido possível a PEC que acaba com a odiosa imunidade parlamentar. Com certeza será votada rapidamente e aprovada por unanimidade, antes mesmo da próxima manifestação de rua.

LUIZ HENRIQUE PENCHIARI
luiz_penchiari@hotmail.com
Vinhedo

*
PEC 33

A Câmara dos Deputados deu uma resposta aos anseios da população ao reprovar a PEC 37. Resta, agora, a PEC 33, que submete à avaliação do Congresso algumas decisões do Supremo Tribunal Federal (STF), uma proposta inconcebível.

JOSÉ CARLOS BATISTA CAMILO
jcbcamilo@ig.com.br
Jaú

*
Santos de junho

Parece que o Congresso acordou com a "Marcha da Fogueira", movimento iniciado no Santo Antônio, passado pelo São João e que ainda nem chegou a São Pedro. Vamos ver se outras centenas de projetos que dormem nos gabinetes e comissões terão o mesmo tratamento que a PEC 37 e os royalties do petróleo - na madrugada de quarta-feira decidiu-se também que esses recursos irão 75% para a educação e 25% para a saúde. A democracia é dinâmica e precisa de movimento. Foi isso que fez os deputados se mexerem, ainda que timidamente.

ADILSON ROBERTO GONÇALVES
prodomoarg@gmail.com
Lorena

*
ROYALTIES

O caminho até o dinheiro

Legal destinar os royalties do petróleo para a educação e a saúde. O problema é que, para que esses recursos sejam gerados, primeiro é necessário tirar a Petrobrás do estado pré-falimentar em que foi jogada pelo lulopetismo. Tudo o que se vê na estatal são planos, repletos de números fantásticos, centenas de bilhões aqui, outros bilhões acolá. Mas a realidade é que as refinarias seguem sucateadas e, a cada dia, estamos importando mais combustíveis. 

NESTOR RODRIGUES P. FILHO
rodrigues-nestor@ig.com.br
São Paulo

*
GOVERNO DILMA

Desembestou

Após os vários dias de manifestações do povo brasileiro nas ruas, a presidente Dilma Rousseff (PT) prometeu destinar 100% dos royalties do petróleo para a educação, criar um plano de mobilidade nacional que privilegie o transporte coletivo, convocar médicos do exterior para ampliar o atendimento no Sistema Único de Saúde (SUS), aumentar a oferta de vagas para cursos de medicina e de residência médica, acelerar a aplicação de R$ 7 bilhões para a construção de 20 mil Unidades Básicas de Saúde (UBS), 800 hospitais e 800 unidades de pronto-socorro e por aí vai. Depois de tantos anos no poder, o PT finalmente acordou ou teve um sobressalto? 

CLÁUDIO MOSCHELLA
arquiteto@claudiomoschella.net
São Paulo

*
Cortina de fumaça

Depois do "mal-entendido" sobre a Constituinte, o governo pretende realizar o plebiscito sobre a reforma política. É mais um entre muitos enganos e demagogias que levaram o País às atuais contradições e provocaram a revolta popular. É preciso lembrar à presidente Dilma que um plebiscito custa o mesmo que uma eleição geral e que esse gasto é desnecessário, porque todo brasileiro sabe o que precisa mudar. A reforma é discutida há quase 20 anos. Só não avança porque os próprios governos, os congressistas e as chamadas forças da sociedade não se interessam. Preferiram empurrar o problema com a barriga, enquanto lutam entre si pelo poder, toleram o corporativismo e a impunidade e, de quebra, ainda impõem ao povo fórmulas alienígenas como o desarmamento, o Estatuto da Criança e do Adolescente, etc. A casta dos eleitos, nomeados e concursados, hoje colocada na alça de mira das manifestações populares, tem deveres a cumprir. E, para evitar que as reivindicações pacíficas se tornem violentas, deve se desincumbir de suas atribuições em consonância com o clamor que vem das ruas e praças públicas, cumprindo aquilo que prometeram ao povo na campanha eleitoral, quando pediam o voto. Além da reforma política e administrativa, que evitem as falcatruas e roubalheiras e cumpram com as tarefas constitucionais de garantir saúde e educação ao povo. É preciso desengavetar e reformar as leis e procedimentos para melhorar a segurança pública, evitando, por exemplo, que um mesmo criminoso seja preso e solto sucessivas vezes e em curto espaço de tempo, por cometer um mesmo crime. O governo tem que governar e o Legislativo, de legislar. Feito isso, conseguirão reconquistar a desejada paz social e até o respeito do povo. Há que se enfrentar os problemas sem fazer cortina de fumaça. 

DIRCEU CARDOSO GONÇALVES
aspomilpm@terra.com.br 
São Paulo

*
PROTESTOS NAS RUAS

Quem são eles?

Chamados de baderneiros ou vândalos, um grupo de jovens tem-se destacado nas marchas que explodem neste país. Se conhecemos as reivindicações dos demais manifestantes, as deles ninguém conhece ainda. Têm voz? Têm direitos? Quebram, destroem, incendeiam por algum ideal? Não sabemos. Mas eles existem e estão presentes em quase todas as passeatas que vimos desfilar pelas ruas das cidades. As gravações das TVs mostram que eles agem de modo parecido em qualquer lugar: têm, portanto, um estilo. Urge conhecer, pesquisar, descobrir quem são eles. Se a população, o governo e as empresas, amedrontados, se escondem e não agem, é porque algo grave, mas muito grave, está acontecendo em nosso país.

EDNIR MELO BARBOSA
ednir.mb@gmail.com
Campinas

*
Suspeita

Não estava na hora de levantar quem são os baderneiros que estão tentando desestabilizar o movimento ordeiro de reivindicações pelo País? Começo a desconfiar de que pode haver interesses políticos envolvidos.

PAULO MAIA COSTA JÚNIOR
paulomaiacjr@hotmail.com
São José dos Campos

*
DILMA RECUA EM PACTO

A presidente Dilma Rousseff propôs a realização de um plebiscito para convocação de uma Assembleia Constituinte exclusivamente dedicada à reforma política, durante encontro com governadores e prefeitos, que foram convocados para discutir respostas à onda de manifestações que tomaram as ruas das grandes cidades nas últimas semanas. A repercussão causou um mal estar entre as instituições, fazendo com que reações partissem de várias instituições, como OAB, partidos aliados, da oposição, ex-ministro e juristas.  Esse desgoverno anda sem rumo mesmo. Percebendo a bobagem, Dilma recuou da proposta e seus homens do governo saíram a campo, tentando justificar o injustificável. Por outro lado, essas trapalhadas ajudam a consolidar aquilo que o povo já descobriu: o governo do PT é de fachada e o Brasil Carinhoso do PAC logo será enterrado. Que o grito das ruas dê uma cara nova ao Brasil.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com 
São Paulo 

*

10 ANOS DE LENIÊNCIA

Como este governo do PT (Lula e Dilma), com ampla base aliada, vem propor pactos de assuntos que ele poderia ter resolvido há 10 anos, mas não quis? Reforma política se faz, dona Dilma e aliados, com vontade política. Então não há necessidade de plebiscito. Isso é para ganhar tempo, mas as ruas acordaram e estes engodos não mais se sustentam.
 
Tania Tavares taniatma@hotmail.com 
São Paulo

*    

ESTADISTA, NÃO POLÍTICA

Com todo respeito, creio que ainda dá tempo de salvar sua biografia, presidente. Cumpra suas promessas eleitorais, não nos embrulhe com mais pacotes, seja uma estadista, não uma política, pense nas próximas gerações e não nas próximas eleições. Afaste os Mantegas, os Carvalhos, os Marcos Aurelios, os PMDBs, os PTs e outros de sua vida.

César Araujo cesar0304araujo@gmail.com 
São Paulo 

*

IMPEACHMENT JÁ

Como esperado, a proposta da presidente Dilma é vazia. Nada há de concreto. Iguais às propostas de sempre. Vazias. Não tem competência para apresentar nada de concreto porque não tem competência para administrar nada. Nem uma carrocinha de pipoca. Então querem o quê? Dali vocês só vão ouvir blá blá blá. Impeachment já.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com 
Vila Isabel

*

GRAVE CONJUNTURA

Propor um debate sobre a convocação de um plebiscito para decidir sobre a reforma política a um ano das eleições como meio para acalmar os dois milhões que já foram às ruas é colocar mais lenha na fogueira e mais uma prova de incapacidade de governar. A conjuntura torna-se ainda mais grave e o futuro, imprevisível. 

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br 
São Paulo

*

CRIANÇAS DESOBEDIENTES

O petismo, quando acuado, desespera-se e se compromete ao que não pode, tal qual crianças desobedientes ao chamamento dos pais: prometem, não cumprem, e tudo volta ao que era.
 
Mario Cobucci Junior maritocobucci@uol.com.br 
São Paulo

*

AULA DE PORTUGUÊS

“Um plebiscito popular” disse Dilma. Ora, plebiscito é uma consulta popular. Precisamos tomar cuidado com esse plebiscito, porque poderá resultar daí a oportunidade que esperam para mudar o Brasil da forma que eles querem: tipo a la Venezuela... Ou a la Fidel...
 
Alberto Nunes albertonunes77@hotmail.com 
São Paulo

*

SANGUE NOVO
Imaginar que estes parlamentares que aí estão irão fazer uma reforma política é acreditar em Papai Noel! Há que se ter um mecanismo de fazer uma reforma com pessoas novas, com sangue novo, com pessoas comprometidas com o Brasil, não com as suas manutenções no poder, como na época das capitanias hereditárias.

Ary Braga Pacheco Filho ary.pacheco.filho@gmail.com
Brasília

*

CRIADOR E CRIATURA

“Cumpanheiros”, desistam de uma vez por todas. O Brasil não é a Venezuela. Não aceitaremos calados uma Constituinte dilmista/lulista para a perpetuação no poder. O gigante acordou. Só falta o criador e criatura acordarem. 

Ataliba Monteiro de Moraes Filho ataliba@outlook.com 
Marília

*

PROPOSTAS INCOMPETENTES

As propostas da presidente Dilma não dependem dela, o que vai provocar muitos debates. No fundo, não vão resolver nada. Afinal, se, no passado, entre outras incapacidades, ela não conseguiu gerenciar uma loja de artigos com preços de R$ 1,99, teria alguma competência para “salvar” nosso país?

Nilton Freitas nfguimaraeseo@gmail.com
Rio de Janeiro

*

DESASTRE INEVITÁVEL

Dize-me com quem andas que eu te direi quem és. Dilma, que tem 40 ministros, fora dezenas de assessores, vai à mídia claramente muito mal assessorada e diz o que disse, no dia seguinte diz que não disse – ou que não quis dizer o que disse, como filosofou seu próprio ministro Afif, quando ela era candidata, há três anos, afirmando que eleger Dilma era o mesmo que dar um avião a jato a quem nunca havia pilotado um teco-teco. Um desastre inevitável. 

Gattaz Ganem gattaz@globo.com 
Carapicuíba

*

ATESTADO DE INCOMPETÊNCIA

Os cinco pactos propostos pela presidente Dilma são um atestado de incompetência do governo para lidar com a crise que ora se apresenta. A presidente, infelizmente, não se dá conta de que propostas irreais jamais farão cessar as manifestações de rua que, há muito tempo, eram um grito contido na garganta da população. A foto do “Estado” – edição de 25/6, A4 – mostra a reunião na qual há
muita gente que não sabe o que fazer, sobretudo a presidente. Deixaram chegar a esse ponto e hoje perguntam: “E agora?”. Provavelmente jogarão a culpa uns sobre os outros ou então sobre a imprensa, que só se ocupa de noticiar os acontecimentos, não os cria.

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com 
Santo André

*

UM PESO, DUAS MEDIDAS
 
É de um tremendo cinismo isso de vir o Supremo Tribunal Federal a público declarar que é só por meio de uma PEC (proposta de emenda constitucional) que poderá ser realizada uma constituinte para uma reforma política, descartando o plebiscito. Alegam que outra forma de alterar a Constituição representaria golpe. Mas se esquecem de que, quando taxaram os servidores públicos aposentados, rasgaram a cláusula pétrea do direito adquirido quanto à inalterabilidade dos salários. Aí pôde, “né”?
 
Conrado de Paulo conradopaulo@yahoo.com.br 
Bragança Paulista

*

‘ALTORIDADES’

As “altoridades” parecem não ter entendido o recado das ruas, talvez porque estão seguras e protegidas em seus castelos, livres de qualquer mal que sempre afeta apenas esses idiotas vulgarmente chamados de “pagadores de impostos”. O Brasil não quer consultinha, plebiscito para escolher a cor do rabo do pavão. O povo quer tão somente que cada autoridade de verdade trabalhe com honestidade, não roube o dinheiro suado do povo, que faça a sua parte para a qual é bem paga, seja competente e invista em prioridades, não em supérfluos

Manoel Jose Rodrigues manoel.poeta@hotmail.com 
Alvorada do Sul (PR)

*

MARKETING NEGATIVO

Pegou mal a atuação do marqueteiro de plantão no Palácio, João Santana, em tentar acalmar o povo nas ruas e propor um plebiscito, como quer a presidente Dilma, para a reforma política. O povo fará isso em 2014, nas urnas. Vão todos os maus políticos de volta para seus Estados, e dos Estados para os municípios. Essa é a verdadeira reforma: do povo e pelo povo. Quem viver verá.

Jose Pedro Naisser jpnaisser@hotmail.com 
Curitiba

*

PRESIDENTE MARQUETEIRO

Considerando a atuação de D. Dilma nos últimos acontecimentos, vamos aos “finalmentes”. Tendo em vista a eleição de 2014: “Basta de intermediários! Para presidente, João Santana, o marqueteiro!”
 
Alexandre de Macedo Marques ammarques@uol.com.br 
São Paulo

*

SUPER DILMA

Bem feito para os governadores e prefeitos que foram a Brasília atender uma convocação da “presidente criatura”. Pensavam que iriam discutir uma série de problemas e sentir que fizeram papel de trouxas, usados como claque para aplaudi-la ao discursar e sair na TV, parecendo que ela só não faz tudo o que é preciso porque o resto dos políticos não deixa! 

Laércio Zannini arsene@uol.com.br 
São Paulo

*

DEIXA COMIGO

Acompanhando as últimas notícias vindas de Brasília, mais especificamente acerca dos últimos pronunciamentos da presidente Dilma, é interessante notar como, de uma hora para outra, todos os gravíssimos problemas brasileiros podem ser resolvidos num piscar de olhos segundo a sua ótica, como se fosse uma “canetada” , como se diz. Só que não é bem assim, não, dona Dilma!

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br 
São Paulo                                                                                                                                         

*

CONCLUSÃO DEFINITIVA

Chego agora, finalmente, a uma conclusão para mim definitiva: depois do já falecido presidente João Goulart, incompetente e inconsequente “nu úrtimo”, a menos qualificada presidente que o Brasil (pobre país) já teve é a nossa atual primeira mandatária, Dilma Rousseff! Com sua incompetência, ela desqualifica, também, todos os que se dizem marxistas-leninistas e, de sobra, comunistas, gente que, para mim, é bem mais que um faz-de-conta... Mas também, convenhamos: quem sobrevive de frequentemente procurar conselhos com Lula tem que ser mesmo muito fraquinha. E tem mais: se quiser conselhos, a presidente que os procure porque atender os chamados dela, jamais... É muita falta de amor e respeito ao próprio cargo, não é mesmo?
 
João Guilherme Ortolan guiortolan@gmail.com 
Bauru

*

CIDADÃOS COMPLETOS

Político que não ficar com Dilma nessa quadra confusa e tumultuada brasileira estará dando tiro no próprio pé. Perderá o avião da História. Não é hora de torcer por desacordos, futricas ou acusações. Aquele que mostrar maturidade política e responsabilidade, trabalhando e somando esforços para tirar lições vindas das eloqüentes manifestações populares, crescerá junto do Brasil. Merecerá dias de orgulho. Será visto como cidadão completo, que não se omitiu nem se acovardou. 

Vicente Limongi Netto llimonginetto@hotmail.com
Brasília

*

O PREÇO DA BELEZA

A vaidade tem seu preço. E cada vez mais alto, por sinal, como mostra a evolução dos gastos para arrumar o cabelo e maquiar a presidente Dilma Rousseff para suas aparições em rede nacional de TV. Até o cabeleireiro é levado de São Paulo. Será que em Brasília não há um cabeleireiro competente?

Antonio Jose G.Marques a.jose@uol.com.br 
São Paulo

*

O PROVOCADOR

Acabo de ler que o autoritário presidente nacional do PT ameaça, dizendo que está convocando os militantes petistas para atos e passeatas em apoio a Dilma em locais próximos às manifestações feitas pelo Movimento Passe Livre (MPL). Pelo visto quer confronto, isso pode? Os militantes devem comparecer com bandeiras e faixas. Chamou de movimento vermelho e disse mais: “vermelho” vai ficar o chão das cidades, se houver confrontos. Que ameaça. Depois não reclamem da repressão policial militar – ou estão com saudades de 1964? Muita atenção, jovens pacíficos e apartidários, fiquem espertos, Rui Falcão é o nome do “provocador”, um dos que querem implantar o comunismo em nosso país. Cuidado, muito cuidado! Só pela ameaça esse cidadão não deveria receber alguma punição? Aviso às Forças Armadas e à Segurança Pública: é melhor prevenir do que remediar!
 
Maria Teresa Amaral mteresa0409@2me.com.br 
São Paulo

*

A ARTE DE REPARTIR

Tenho um amigo petista roxo. Depois dessas manifestações que se espalharam pelo Brasil, me lembrei de uma história. Aliás, nem é uma história, mas um ditado português, segundo meu amigo petista. “Quem parte, reparte e não fica com a maior parte ou é bobo ou não sabe fazer arte”. E eu, como amigo, brincava com ele, dizendo: “Cuidado!” E não é que o PT levava o ditado a sério mesmo? E aí vejam no que deu.

Isael Coleone isael.coleone@gmail.com 
Indaiatuba

*

CARTÕES CORPORATIVOS

Muito se tem falado sobre a “transparência” nos atos governamentais e em especial nas finanças públicas. Então, se for possível, eu gostaria de saber – acho que o Brasil todo quer – quantos cartões corporativos estão ativos. Não sei se haverá resposta, mas essa os governos federal, estaduais e o Congresso estão nos devendo. 

Ademar Monteiro de Moraes ammoraes57@hotmail.com 
São Paulo

*

MALANDRAGEM DELA

Assistindo aos pronunciamentos da Sra. presidente, Renan Calheiros e Aloízio Mercadante, lembrei-me me de uma música de Tom e Dito que diz assim: “Amigo velho, se ela chega pra você com cara de casamento/ com jeito de apaixonada, dizendo/ Grana já era./ Credite não, acredite não, não, não/ é malandragem dela/ é malandragem dela, iai, iai/ é malandragem dela...”

Mário Aldo Barnabé mariobarnabe@hotmail.com 
Indaiatuba

*

IMUNIDADE
 
Parlamentares deviam ter imunidade pelas palavras, não pelos atos, mas deviam ter preferência para serem alcançados pela Justiça quanto a “atos falhos”.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br 
Monte Santo de Minas (MG)

*

PEC 37 

No Brasil ficou claro que tudo tem que ser na pressão. A PEC 37 iria ser aprovada, sem nenhuma dúvida, mas por causa da pressão do povo e as passeatas foi rejeitada, ou seja, os políticos não estavam nem aí. Felizmente, o povo não está mais omisso e fiscaliza medidas que podem ajudar a acabar com a corrupção que nos assola. Com essa atitude, vamos melhorar a corrupção e também fazer com que leis mais fortes e verdadeiras sejam aprovadas. Já passou da hora de dizer um basta a isso.

Asdrubal Gobenati asdrubal.gobenati@bol.com.br 
Rio de Janeiro

*

A PRESSÃO DAS RUAS

A Câmara dos Deputados, após a pressão das ruas, derrubou a proposta da PEC 37, que era reflexo do corporativismo dos delegados de polícia. Eles estavam representados pelo deputado Lourival Mendes, delegado de polícia de classe especial, político do PTdoB-MA, que propôs esse absurdo de querer o monopólio da investigação criminal. Várias classes da sociedade estão nas ruas mostrando seus cartazes, mostrando um mosaico de reivindicações acumuladas ao longo de anos, porém os aposentados, que compõem um setor carente, injustiçado e abandonado, suportam os males da velhice com resignação, sofrimento e a ingratidão das autoridades. Eles não têm capacidade física de ir às ruas com suas placas e caminhar entre a multidão para pedir os reajustes justos em suas aposentadorias. Estão caminhando pouco a pouco para a depressão e para uma morte sem dignidade que é dolorosa e humilha os idosos. O esquecimento e o descaso são um crime hediondo, próprio de vândalos que ocupam as cadeiras do Executivo e Legislativo. A Justiça virá, quando o tempo chegar também para eles. 

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com 
Rio de Janeiro

*

DEMAGOGOS SALAFRÁRIOS

Para onde foi a maioria dos parlamentares que aprovava a PEC 37?  Esse bando de parlamentares demagogos e salafrários merece umas férias na Sibéria, sem volta. Os pobres idiotas acham que enganaram o povo com esse histerismo idêntico ao do impeachment de Collor de Mello. O difícil vai ser eles dormirem em paz. O grito das ruas vai mudar o Congresso, queiram os senhores ou não. 
 
Leônidas Marques leo_vr@terra.com.br 
Volta Redonda (RJ)

*

O PAÍS NAS RUAS

Esses movimentos dos manifestantes nas ruas foram muito proveitosos, mas nos próximos, em vez de passeatas, não poderiam ser marcados esses encontros e protestos em frente aos órgãos governamentais? Caso contrário, quem é punido é o próprio povo, que perde o seu sagrado direito de ir e vir. Pensem naquela mãe que perdeu a consulta do seu bebê; no doente que faleceu a caminho do hospital; daqueles que perderam o emprego ou outros compromissos por terem chegado atrasados nas vezes que houve o tráfego interrompido.

Cláudio de Melo Silva melo_riodoce@hotmail.com 
Olinda (PE)

*

MUDANÇAS JÁ

Direita ou esquerda, não importa, nem importa a sua preferência por qualquer partido político: vamos levantar a bandeira em uma única direção. Mudanças já para um Brasil melhor para todos. Vamos sugerir profundas reformas em todos os setores públicos, estaduais
e federais, e assinar um abaixo-assinado para transformar em lei.

Antonio De Souza D’Agrella antoniodagrella@yahoo.com.br 
São Paulo

*

JUVENTUDE MOBILIZADA

A juventude, mobilizada a favor de um Brasil melhor, deveria concentrar-se em organizar uma mega-passeata e ter como ingrediente a participação da família, pois dá mais força e, realmente, apavora os políticos.
 
José Millei j.millei@hotmail.com 
São Paulo

*

INFILTRAÇÕES
 
Posso estar redondamente enganado, mas quando o noticiário local e nacional mencionou que os baderneiros presentes às manifestações populares em Minas seriam elementos oriundos do Rio de Janeiro, São Paulo e Rio Grande do Sul, realizei um simples somatório e convenci-me de que essas infiltrações e atos de vandalismo são patrocinados por PMDB e PT, já que o Rio o é um reduto peemedebista, assim como São Paulo e Rio Grande do Sul são redutos do PT.
  
Nei Silveira de Almeida neizao1@yahoo.com.br 
Belo Horizonte

*

SUGESTÕES

Seguem sugestões para as perguntas: Dilma sai ou continua? Os mensaleiros vão ou não para prisão? Renan Calheiros renuncia ou não? Lula é indiciado ou não? O enriquecimento de “Lulinha” e de sua filha serão esclarecidos? Todos os corruptos devolvem ou não suas fortunas para os cofres públicos? Difícil saber essas respostas não? Ainda mais quando se sabe de antemão todas as nossas sinceras respostas! Se não tem moral ou idoneidade para perguntar isso aos cidadãos e cidadãs de moral desse país, cale-se, Dilma!

Raimundo Félix da Silva rfelixdasilva@yahoo.com.br 
São Paulo

*

BRAVA GENTE BRASILEIRA

Brava gente brasileira, longe vai tempo servil! O povo nas ruas, finalmente, num brado retumbante, para derrubar tudo isso que está aí! Mas mesmo depois de tanto grito vem a dona Dilma, com aquele discursinho de “me engana que eu gosto”, com medidas paliativas em vez das mudanças profundas pelas quais estamos trombeteando. Dilma e o PT ainda não entenderam que eles são o problema, não a solução; que a OAB não nos representa ao negar uma Constituinte para promover as mudanças que queremos. Então, por favor, leiam o editorial de ontem – “Estado”, A3 – cujo final esclarece: “Os parlamentares redentores não se contentam com pouco: querem uma Constituinte exclusiva para fazer, além da reforma política, a tributária, a administrativa e a da previdência – tudo em um ano”. Será que agora a presidenta, sua turma e a OAB entendem ou vamos ter de desenhar?

Carmela Tassi Chaves tassichaves@yahoo.com.br 
São Paulo

*

DELFIM NETTO E A COMISSÃO DA VERDADE

Seu primeiro professor foi Maluf, o segundo chefe foi Lula, não se precisa dizer mais nada. Daqui a pouco esses cretinos da Comissão da Verdade irão colocar Maluf na banca para que confesse o que sabe sobre a roubalheira pública! Por que não coloca Genoíno para dizer o que sabe sobre os crimes dos comunistas da guerrilha do Araguaia? Será que ele iria dizer alguma coisa?
 
Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com 
São Paulo

*

O CAMINHO DO PAÍS

Delfim Neto pontua que a educação é importante para salvar a economia e, fundamentalmente, a democracia. A ênfase neste último aspecto somente pode significar que, se o povo brasileiro continuar indo às ruas impulsionado por sua indignação existencial, sem formulações racionalistas, o caminho do País será uma solução autoritária, da qual o colunista já foi protagonista. Nenhuma medida adotada pelo governo de exceção que serviu criou condições de longo prazo e frutificantes para a economia e a política brasileira. 
 
 
Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br 
São Paulo

*

O PAVOR DE DILMA

O povo está a reclamar de tudo nas ruas do Brasil, mas não vejo referência a um infame projeto de lei encomendado secretamente por Dilma a um pouco conhecido deputado federal do PT, projeto cujo nome não sei, mas cujo conteúdo é escandaloso: pretende impedir que outros partidos sejam criados – especialmente o de Marina Silva, que obteve na eleição presidencial que elegeu Dilma cerca de 20 milhões de votos. Temerosa, Dilma quer excluí-la! O que ao meu ver, é uma degradante, infame, atitude não democrática. De certa forma, pode-se entender o pavor de Dilma: uma pesquisa que diz que Marina Silva terá 20% dos votos, vencendo a eleição de 2014, enquanto e Dilma apenas teria 10% dos votos!

Adinael Carlos duquevinte@uol.com.br 
São Paulo

*

FELICIANO E A CURA GAY

Afinal, ser gay tem ou não tratamento? Com a palavra, o médico-especialista Dr. Feliciano!

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com 
São Paulo

*

REAJUSTE NOS PLANOS DE SAÚDE

Não há quem não conheça estas manobras praticadas pelas operadoras de planos de saúde com a única finalidade de serem beneficiadas, pois quando procuradas por eventuais interessados alegam que os planos individuais estão com as vendas interrompidas e oferecem só planos coletivos a partir de duas vidas e com vantagens nos preços. A alegação utilizada é sempre a mesma “alta sinistralidade”, sobre a qual nada temos a fazer, pois esse índice é estipulado por eles mesmos e não temos parâmetros para compará-los. Ou seja, para eles, o ideal é terem associados que paguem suas mensalidades pontualmente, porém não utilizem o plano nunca.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br 
São Paulo

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos Leitores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.