Fórum dos Leitores

CORRUPÇÃO

O Estado de S.Paulo

29 Junho 2013 | 02h13

Natan Donadon

Ops! Até que enfim um corrupto, mesmo com imunidade parlamentar, vai ficar atrás das grades. Bom começo.

FRANCISCO ZARDETTO

fzardetto@uol.com.br

São Paulo

Justiça hoje e sempre!

O STF manteve a condenação do deputado federal Natan Donadon e expediu mandado de prisão contra o réu por formação de quadrilha e peculato. Ele é o primeiro parlamentar condenado à prisão desde a Constituição de 1988. E já se apresentou à polícia. Agora aguardamos com ansiedade o desfecho do mensalão e esperamos que os ministros do STF, que vêm assegurando o exercício da democracia com respeito à Carta Magna, cumpram a determinação exteriorizada de dar um basta à impunidade. E que se fortaleçam em suas decisões, fortalecendo, assim, o próprio Supremo. Porque, pelos últimos grandiosos protestos Brasil afora, percebemos que o povo tem sede de justiça e não mais aceita uma justiça de faz de conta; porque o povo está cobrando seus direitos; porque não mais aceita pagar sem receber; porque está endereçando sua insatisfação àqueles que não os honram como representantes e se não o fazem, enriquecendo à custa da desgraça alheia, que sejam julgados e condenados. O povo chegou ao seu limite e reivindica decência com a coisa pública, dignidade, responsabilidade nos gastos do governo. O povo veio às ruas para mudar a cara feia e impune do Brasil. Finalmente, para cuidar do que é dele! E para que tenha seus anseios resguardados é preciso que a Justiça deste país se faça de verdade e assegure a ordem. Glorioso momento o que vivemos agora!

MYRIAN MACEDO

myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

Crime hediondo

Ufa! Até que enfim o nosso Senado acordou, após 20 anos, para o fato de que "corrupção e falcatruas públicas" são crimes hediondos. Agora vamos aguardar para saber se realmente vai funcionar. Mas, e os que já "aprontaram", foram julgados, condenados e continuam perambulando dentro das cúpulas palacianas, como ficam? Não se esqueçam de que ainda temos muitas outras medidas necessárias para que tenhamos um Brasil melhor e digno de seu povo.

JOSÉ DE ALMEIDA SPAOLONSE

sspaolonse@uol.com.br

Guarulhos

De que adiantará o crime de corrupção ser considerado hediondo se não conseguimos definir quem são os criminosos?

FLAVIO LANGER

diretoria@spaal.com.br

São Paulo

Pouco importa a classificação que se dá ao crime de corrupção, a maioria dos corruptos não é condenada e, se o for, eles não cumprem a pena, nossas leis lhes garantem infinitos recursos para protelarem suas condenações ad aeternum. Político corrupto tem de perder o cargo automaticamente assim que a Justiça aceitar a denúncia contra ele.

JORGE MANO

jrmano@yahoo.com

São Bernardo do Campo

Graças à influência da presidente Dilma, o Senado aprovou a corrupção como crime hediondo. Isso vai agravar a situação dos mensaleiros apenados? Lula deve estar uma arara com ela ante a probabilidade de complicar a vida dos seus cumpanheiros.

HUMBERTO SCHUWARTZ SOARES

hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

Ritmo frenético

No meio dessa afobação toda, podiam mandar executar logo as penas dos malditos mensaleiros petistas!

JOÃO PAULO RIBAS

jpribas@icloud.com

São Paulo

Agora vai?

A decisão do STF de mandar prender imediatamente o deputado Natan Donadon acende a esperança de que a Justiça começa a responder às demandas das ruas. Que venham as punições para a quadrilha do mensalão.

ANTONIO CARLOS MESQUITA

emaildomesquita@gmail.com

São Paulo

Punição exemplar

Lula e Temer declararam, e a mídia publicou, que basta molhar a mão da base aliada que tudo é aprovado. Tal declaração deveria ser anexada aos autos do processo do mensalão para que os ministros, ao analisarem os embargos, em vez de reduzirem as penas, as aumentem. E o novo ministro possa também refletir melhor antes de se pronunciar, como já o fez, falando impropriedades. O povo quer, pois nas ruas o que mais se via eram cartazes pedindo os mensaleiros na cadeia. Donadon já foi exemplarmente punido e esperará ansioso seus novos colegas na cadeia.

PAULO HENRIQUE C. DE OLIVEIRA

ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro

Mensalão

Se não houver já uma manifestação contra a demora na prisão dos condenados pelo crime hediondo conhecido como mensalão, ficarei com a certeza de que tudo não passou de armação política sob o comando do PT para desviar a atenção dos brasileiros.

LUCAS ALVES DOS SANTOS

dossantoslucasalves@yahoo.com.br

Juiz de Fora (MG)

Faxina no Congresso

De fato, toda essa manifestação popular deveria acentuar ainda mais a necessidade de expurgar do Congresso a corja de pusilânimes condenados pelo STF.

JOÃO PAULO GARCIA

jotapege88@yahoo.com.br

São Paulo

Reivindicações

Na pauta dos protestos, todos os itens partem da corrupção...

A. FERNANDES

standybqll@hotmail.com

São Paulo

ABL

Mais um duro golpe

O ex-presidente Lula recebeu o mais duro golpe desde que estourou o caso Rosegate: o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso foi eleito imortal na Academia Brasileira de Letras (ABL). Lá se vão mais alguns meses digerindo o gosto amargo do sucesso de seu antecessor.

MAURÍCIO RODRIGUES DE SOUZA

mauriciorodsouza@globo.com

São Paulo

Imortal

Merecidamente, nosso ex-presidente Fernando Henrique Cardoso se tornou imortal. Em contrapartida, tanto a presidente Dilma Rousseff como o ex-presidente Lula estão, politicamente, em fase terminal...

ARNALDO DE ALMEIDA DOTOLI

arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

PLEBISCITO PARA REFORMA POLÍTICA

Se políticos governistas e aliados do governo petista de Dilma Rousseff são a favor do plebiscito proposto por ela para uma reforma política, eu, desconfiada, já me coloco na trincheira contrária. Primeiro porque o povo não pediu por reforma política nas ruas... Segundo porque me lembro muito bem da armadilha que o governo armou no referendo do desarmamento, em que a resposta "sim" aparentemente equivalia a um "não" e vice-versa, tudo para confundir o povo. Deu muito trabalho esclarecer o cidadão, mas o povo entendeu que o cidadão nunca deveria entregar sua vida e segurança às mãos de um Estado completamente inepto em protegê-lo. É aquilo que seria um balão de ensaio para conferir a possibilidade de nos conduzir para outro plebiscito, nos moldes do de Hugo Chávez, que nos colocaria sob o lulopetismo por muitas décadas. Pois bem, nesse momento, eu não quero reforma política por meio de plebiscito nem de forma nenhuma, pelo menos enquanto o PT ocupar o Poder Executivo e o Congresso. Nada do que eles proponham me dá a segurança de que não ficaremos pior do que já estamos!

 

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

 

*

 

POPULAÇÃO DE OLHO

Muito estranho o apetite do PT para a realização de um plebiscito a toque de caixa acerca das propostas para a reforma política. É certo que a sociedade espera por mudanças no sistema eleitoral e pela redução do número de partidos atualmente existente (afinal, muitos se dedicam apenas ao comércio de tempo de televisão durante as campanhas dos pleitos majoritários), mas é justamente por conta da importância dessas medidas que uma reforma política não pode e não deve ser realizada com o açodamento pretendido pelo governo. Resta evidente que a pressa defendida por governistas na discussão da reforma se deve por dois motivos: em primeiro lugar, como bem colocaram membros de partidos oposicionistas, essa é a manobra diversionista que PT e outros partidos aliados encontraram para desviar a atenção dos protestos que tomaram conta do País ultimamente. Em segundo lugar, tudo indica tratar-se de estratégia para que prospere uma regulamentação favorável ao projeto de poder do PT, que prevê sua perpetuação no governo federal. Que a sociedade fique de olho: essa gente não brinca em serviço.

 

Henrique Brigatte hbrigatte@yahoo.com.br

Pindamonhangaba

 

*

 

A COMEDEIRA POLÍTICA

Para a consulta popular que está sendo estudada pelo governo, o secretário-geral da Presidência, Gilberto Carvalho, já declarou que o PT é a favor do financiamento público (fundo partidário) nas campanhas eleitorais. Pelo visto, o PT esqueceu que partido político é uma organização privada - nos pequenos partidos predomina o nepotismo na direção - que reúne pessoas em torno de ideias a fim de conquistar o poder político. Quem deve financiar os partidos políticos são seus militantes e apoiadores por contribuições pessoais, não o governo. Já não chega o governo federal obrigar os trabalhadores a financiar os sindicatos - que não prestam contas à sociedade - por meio do imposto sindical, que é o desconto de um dia de trabalho por ano do trabalhador com carteira assinada? Se persistirem essas "mamatas", as manifestações populares nas ruas não irão terminar tão cedo. Tomara!

 

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

 

*

 

A VONTADE DO POVO

No plebiscito, a vontade do povo brasileiro deve ser aceita categoricamente, não dando margem a interpretações dúbias de "terceiros".

 

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

 

*

 

PRIMEIRA PERGUNTA

Concordo com Dora Kramer ("Estado", 28/6, A6): uma reforma política há tempo, muito tempo, se faz necessária - aliás, urgente. Porém, para começar uma reforma política, poderíamos começar perguntando à população se quer ser obrigada a votar.

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

 

*

 

CONSULTA AFOBADA

Um plebiscito viria em boa hora, fosse a população brasileira esclarecida acerca dos assuntos que envolvem a sua vida política. Por incompetência dos parlamentares, por ignorância e falta de investimento em educação em todos os governos, somos um país que não participa ativamente da política. Não há nenhuma preocupação em levar esse debate para as salas de aula, haja vista a alienação dos estudantes. Para começo de conversa, há milhões de brasileiros que votam porque são seduzidos pelas promessas eleitoreiras. Passados seis meses, não se lembram para quem deram seus votos. Como explicar a esse povo, em menos de um mês, o que é fidelidade partidária, financiamento de campanha, lista aberta ou fechada, voto proporcional ou distrital e os malefícios dos suplentes de senadores e da reeleição? Da forma como hoje está posto o sistema político, seria um perigo o voto deixar de ser obrigatório. Vamos aproveitar o grito das ruas e esclarecer esses pontos antes que seja feita uma reforma somente para apaziguar os ânimos e continuar tudo na mesma.

 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

 

*

 

LULA SE ESCONDE

Por onde será que o único "ex-presidente em exercício", o apedeuta Lula, está se escondendo? Do que será que ele está com medo? Lógico que, com o fraquíssimo desempenho do seu "primeiro poste eleito" - ou seria "primeira posta eleita"? - no enfrentamento dos protestos do Movimento Passe Livre e com as medidas escalafobéticas divulgadas e imediatamente canceladas, além da saída temperamental precoce na reunião com os lideres sindicais em 26/6, ele não quer ser lembrado como o responsável pela criação desta criatura politicamente tão frágil e incompetente. Esse que se diz parecido com Deus e até mesmo com Abraão Lincoln foge e se esconde sempre que acuado. Fez assim nos episódios do mensalão e "Rosegate", mostrando toda a sua covardia para enfrentar os fatos adversos. Mostre a cara, senhor Lula, faça como os grandes estadistas, assuma suas convicções e não faça como o Capitão Italiano Schettino, que abandonou o barco mesmo antes da salvação dos passageiros e tripulação, ocasionando aquela catástrofe que todos queriam evitar, porém, desgraçadamente e efetivamente, ocorreu.

Antônio Carelli Filho palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

 

*

 

ALGUÉM?

Alguém viu o Lula por aí?

 

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@ig.com.br

São Paulo

 

*

 

POR ONDE ANDARÁ?

Ele tomou "Doril" e sumiu ou está com medo que lhe sobre "a parte que lhe cabe nesse latifúndio" da herança maldita que deixou para Dilma. Acuado, se esconde como nunca antes nesses dez anos.

 

Leila E. Leitão

São Paulo

 

*

 

BARRA PESADA

Diante das pressões populares, todos são envolvidos de uma maneira ou de outra; sejam os políticos, dirigentes da nação, juristas, etc. Como ontem escreveu uma jornalista: "Cadê o Lula?" Se ele é onipresente onde lhe interessa e lhe trazem glórias, aparece dando ordens e assumindo as vitórias de Dilma e Haddad como suas; agora, perante a pressão que seus discípulos sofrem, por onde ele andará? Será que a "barra" pode estar pesada para ele? Será que o caso "Rosegate" o atingiu tão duramente? Por onde anda o cara "deus Lula"?

 

Éllis A. Oliveira elliscnh@hotmail.com

Cunha

 

*

 

CADÊ O LULA?

Uma importante colunista e articulista política de um grande jornal fez a pergunta fatal: " Cadê o lula?". Sem comentários.

 

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

 

*

 

ALOPRADO

 

Enquanto Fernando Henrique Cardoso é nomeado Membro da Academia Brasileira de Letras, o Lula é membro dos aloprados.

Edward Brunieri patricia@epimaster.com.br

São Paulo

 

*

 

MENTE BASTANTE

Bill Gates, mente brilhante, Steve Jobs, mente fantástica, Lula mente bastante. Não precisa dizer mais nada.

 

Mustafa Baruki mustafa-baruki@bol.com.br

São Paulo

 

*

 

A OAB E AS MANIFESTAÇÕES

Durante as recentes manifestações e protestos que tem sacudido positivamente o País, nota-se claramente a ausência e omissão de algumas figuras e instituições. Além do ex presidente Lula, que tomou chá de sumiço, pouco se vê a participação efetiva das carreiras jurídicas (Ministério Público, magistratura, Defensoria Pública, Procuradoria do Estado, etc.). A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) também não deu as caras. No passado recente, a OAB participou ativamente da luta contra a ditadura militar e pela redemocratização do país, dando importante contribuição às boas causas cívicas, públicas, populares e republicanas. Hoje, ao contrário, infelizmente, a OAB não passa de uma pálida sombra do que foi no passado, atuando mais como uma mera entidade de classe, corporativa, do que como instituição de vanguarda, proativa e comprometida com as grandes causas nacionais e populares. Tanto a OAB quanto as carreiras jurídicas do Estado precisam se reinventar e estar junto do povo na luta por mudanças e transformações tão necessárias ao Brasil.

 

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

 

*

 

FAZER E FALAR

Dilma parece estar mesmo desesperada com a voz das ruas. Sempre afoita em fazer pronunciamentos, diz, em reunião com sindicalistas, que seu governo disputara a voz das ruas. Soa inconclusa e sem nexo essa afirmação. Neste momento em que fervilha a indignação, Dilma não deveria proferir palavras a esmo. Deveria, sim, ouvir a voz das ruas com serenidade e agir com firmeza nas reformas necessárias clamadas pela população. Para iniciar, por que não começa de imediato a suprimir alguns ministérios caros ou ociosos?

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

 

*

 

TRANSPARÊNCIA JÁ

Essa semana o mais novo ministro do STF disse que há demanda social pelo fim da corrupção, mas nem ele nem ninguém até hoje disse como fazer isso. Na minha opinião, não haverá fim da corrupção enquanto atos do governo forem mantidos em segredo por até vinte e cinco anos. Não adianta mudar as leis, pois elas sempre deixam um buraco para os espertos aproveitarem. A melhor e mais simples solução é a transparência total em todos os atos dos governos e de todas as suas empresas e órgãos. O povo é o melhor e mais barato fiscal desses atos todos.

 

Renzo Orlando renzoorlando@netpartners.com.br

São Paulo

 

*

 

PEC 00

A vibrante voz das ruas protesta, exigindo a imediata implantação da PEC 00: Programa de Erradicação da Corrupção no Brasil. Basta!

J.S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

 

*

 

POSSÍVEL AUSÊNCIA

Não estranhem se Dilma Rousseff apresentar repentinamente um motivo de "força maior" para não comparecer à final da Copa das Confederações no Maracanã.

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

 

DIRCEU E A PEC 37

A declaração feita aos jornais por José Dirceu de que ele era a favor da PEC 37 é mais uma eloquente confirmação da sapiência do ditado "Vox populi, vox Dei".

 

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

 

*

 

CORRUPÇÃO COMO CRIME HEDIONDO

O Congresso aprovou a lei que torna a corrupção crime hediondo, Até aí tudo bem. O corrupto, apanhado, julgado e condenado, pelo que se supõe, irá para a cadeia. Essa lei carece de credibilidade, se analisarmos o extenso processo nº 470, dos mensaleiros que foram apanhados, julgados e condenados e estão aí ditando regras e ordens, e até reempossados na Câmara Federal, como é o caso dos condenados José Genoíno e João Paulo Cunha.

 

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

 

*

 

ALCKMIN CORTA GASTOS

Alckmin vai economizar R$ 350 milhões reduzindo gastos com prédios, aluguéis, 4000 veículos, um helicóptero, enxugamento de funcionários e ainda estima melhorias na qualidade do serviço. E a gente ainda acha que o Estado é bem administrado. Grita povão!

 

Angelo Antonio Maglio angelo@rancholarimoveis.com.br

Cotia

 

*

 

NATAN DONADON

O deputado foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal por ter roubado R$ 8 milhões. Corrigidos, são R$ 25 milhões, para o dinheiro ser restituído. Como são grandes fazendeiros, suas terras poderiam ser aplicadas na reforma agrária. E não esquecer também os bens dos mensaleiros.

 

 

Hildeberto Rubin Alessio hralessio@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

 

DE ARREPIAR

Há bem pouco, estávamos quase todos com vergonha de ser brasileiros. Agora, a cada hino, um rio de lágrimas.

Alessandro Lucchesi timtim.lucchesi@hotmail.com

Casa Branca

 

*

 

RATOS E HOMENS

Constato, assombrado: a turma de baderneiros e vândalos, autênticos canalhas, irresponsáveis e covardões cresce assustadoramente. Infelizmente, os malfeitores estão me parecendo, em determinadas ocasiões das manifestações, em maior número que aqueles que realmente estão nas ruas para protestar civilizadamente. Nessa linha, creio que a polícia precisa ser mais enérgica com esses marginais. Seguramente, quando a polícia realmente prender e baixar o sarrafo nessa corja de vagabundos e divulgar que foram presos, a situação ficará mais tranquila e ordeira. A polícia e as autoridades têm de ser firmes. Bandido tem que ser preso ou morto. Reitero aqui e alhures: quem destrói patrimônio público e privado não é homem, é rato.

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

 

*

 

ECONOMIA

O que está acontecendo após três semanas de manifestações pelo país é o começo do governo Dilma, com atraso de pelo menos 30 meses. Em meio à desconfiança do mercado em relação à gestão das contas públicas, por um lado, e ao combate à inflação, por outro, o ministro da fazenda, Guido Mantega, anunciou na quinta-feira, 27/6, que o governo vai recompor parcialmente o imposto sobre produtos industrializados (IPI) da chamada linha branca (refrigerador, fogão e máquina de lavar, além de outros) e de móveis. É como dar com uma mão e tirar com a outra, aumentando impostos. Lembrando o que disse a revista inglesa meses atrás sobre a saída do ministro, até Lula da Silva teria sugerido a Dilma a substituição de Mantega. O fato é que hoje o ministro está entre a cruz e a caldeirinha, como diz o ditado popular. Mas nem só de desgraça vive o País. Para o bem da Nação, o Brasil está na final da Copa das Confederações, que será disputada domingo no majestoso Maracanã contra a "poderosa e invicta" fúria espanhola. Se jogar com os brasucas como jogou contra os italianos, o Brasil tem tudo para mais uma vez levar o caneco que os espanhóis não possuem e quebrar a hegemonia de que a seleção da Espanha é imbatível! Esse era um jogo esperado por todos há muito tempo, mesmo porque a seleção brasileira, entre as seleções do mundo, é a mais vitoriosa, a única pentacampeã, o que tem tudo para ser um excelente espetáculo futebolístico para os endinheirados. Voltando ao assunto que tem levado milhões de manifestações nas últimas semanas para as ruas, o fato negativo é que, de qualquer forma, nem tudo são flores, pois a economia brasileira caminha aos trancos e barrancos para ter, neste ano, mais uma vez, um "pibinho", o BC já se antecipou e reduziu a projeção para 2,7%, porém o mercado financeiro trabalha com índices bem inferiores, o que vai impactar a reeleição da presidente Dilma levando o partido dos trabalhadores (PT) à derrota, se levarmos em conta que o dragão da inflação voltou a dar as caras. Nem tudo está perdido, vai Brasil, pelo menos o caneco deve ser nosso!

 

Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com

São Paulo

 

*

 

DESONERAÇÃO

A desoneração da folha de quem emprega ajudará a reduzir o preço do produto final e a competição com os importados. Se eliminar gradualmente os 40% da multa do empregado, algum dia aumentaremos a produtividade de nossa mão de obra, tão importante para competir em nível global. O argumento de a multa desestimular as demissões é verdadeiro e atinge igualmente tanto os bons como os maus trabalhadores, mas cabe ao empregador a livre escolha de quem julgar é mais bem preparado, sem ser punido por isso.

 

Gunther Scheidt gkschei@superig.com.br

São Paulo

 

*

 

CORTESIA COM CHAPÉU ALHEIO

Peço socorro ao Congresso Nacional, à CNI, à CNA, à CNC e a todos os empresários brasileiros. Não permitam que Dilma prorrogue os 10% sobre rescisão trabalhista. Ela que fazer cortesia com o chapéu alheio.

Odomires Mendes de Paula odomires@abrampe.com.br

Uberlândia (MG)

 

*

 

SUBIU, CAIU

No programa jornalístico Manhattan Connection, em 13/3/2011, Diogo Mainardi deu uma enquadrada no Eike Batista sobre o verdadeiro objetivo de suas empresas. Isso há dois anos e três meses atrás. Incrível como uma pergunta tão objetiva teve uma resposta tão folclórica e acabou dando no que deu. Parabéns, Diogo, acho que só você enxergou o que os grandes investidores e o mundo dos negócios não enxergaram. Na mesma velocidade que subiu, caiu.

 

Manoel Braga manoelbraga@mecpar.com

Matão

 

 

*

 

PADRÃO FIFA DE NEGÓCIOS

A Fifa define o que o Governo deve ou não deve fazer. Manda derrubar estádios recentemente reformados porque as "arenas" não podem ter arquibancadas, só cadeiras numeradas (elitistas). O Governo aplica bilhões para atender a essas e a outras exigências. Nos estádios, a Fifa diz que é preciso vender cerveja. OK. "Flexibiliza-se" a lei que proíbe bebidas alcoólicas. A Fifa é quem vende os ingressos para os jogos. A renda é dela, portanto. Pergunta: quanto é que a Fifa paga de aluguel pelo arrendamento dos estádios? As seleções nacionais são organizadas pelas Confederações de cada país. Quem paga aos jogadores e aos técnicos?

Roldão Simas Filho rsimas@aos2.com.br

Brasília

 

*

 

ME ENGANA QUE EU GOSTO

Das 14 cobranças de pênaltis do jogo Itália e Espanha, em 10 o goleiro escolheu o lado errado para pular! Quando os goleiros vão entender que um pênalti bem batido não tem defesa? A única chance que ele tem é se o pênalti for mal batido e ele for à bola. No pênalti que Julio Cesar pegou, ele foi na bola. Eu sugiro lançar o concurso de goleiros "me engana que eu gosto".

Ricardo Nobrega cnc.eng@terra.com.br

São Paulo

 

*

 

CURA GAY

Ele debocha de todos os brasileiros, ao pegar para ele a causa homofóbica. De maneira esperta, se mantém eleito, pois, infelizmente, a sociedade tem mais gente retrógrada do que espiritualizada e livre de demônios de culpas, não é possível que ele seja levado a sério com esta criação da "cura gay". Não posso acreditar que exista alguém que leve isso a sério e mais: nos dias de hoje só falta perderem tempo e dinheiro público com essa idiotice, sendo que o País precisa de tantas outras coisas na saúde publica. Isso é tão ridículo. Seria como alguém inventar um tratamento para a cura "heterossexual" .Quem vai se curar do desejo natural de sua sexualidade? Chega de deboche infeliz e imbecil.

Roberto Moreira da Silva rrobertoms@uol.com.br

São Paulo

 

*

 

ALGOZES MIRINS

Senhores políticos deste país de faz-de-conta: se querem aplacar pela metade a justa fúria da esgotada população de todos os rincões e para obterem um rápido retorno de seus cacifes moral e políticos, elaborem em regime urgentíssimo uma PEC para a redução da maioridade penal para 16 anos, ou melhor, para 14 anos. Esse é o maior anseio do brasileiro honesto, que vê apavorado a matança de seus entes queridos por esses desumanos assassinos "de menor". Dirão os empedernidos contrários que muitos dos que fazem as passeatas estão nessa condição de idade e não apoiariam. Tergiversam, pois sabem que os bons de alma e coração não praticam essas barbáries. Se pesquisarem os vândalos detidos pelas polícias de todos os Estados, verão que mais de 70% são dessa raça de algozes mirins! Acalmar a outra metade do povo seria aprovar uma PEC relativa à obrigatoriedade de vergonha na cara de muitíssimas de vossas excelências.

 

Klaus Reider vemakla@hotmail.com

Guarujá

 

*

 

PENA DE MORTE

Antes de qualquer assunto tratando de reforma política, infraestrutura e outros dos mais variados e, a bem da verdade, extremamente necessários, não seria bom e primordial cuidarmos da legalização da pena capital para a bandidagem que aqui entre nós campeia? Que tal pena de morte para esse monstro que matou esse pobre menino boliviano de cinco anos de idade no colo de sua mãe? Que tal a pena de morte para esses bandidos estupradores e assassinos da menina de 14 anos na cidade de Colombo, no Paraná? Que tal acabarmos com os monstros que incendiaram os 2 dentistas? Que tal, hein? Congresso Nacional, esqueça os padres e os pastores que são contra a pena capital e criem com urgência essa lei. Matou, menor ou maior de idade, pena de morte. Não venham com a balela de prisão perpétua, nem vocês acreditam nisso. O negócio é já. É pena de morte! Acordem para a realidade. Daqui a alguns tempos, quando o Brasil estiver com ótimos níveis de educação, trabalho etc., vamos revogá-la, mas agora é preciso dar um basta nisso.

 

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

 

*

 

JOÃO MELLÃO NETO AJUDA O PAÍS

Ainda não tive o prazer de conhecer pessoalmente o Sr. João Mellão Neto. Apenas o conheço por suas colunas, às sextas-feiras, no Estadão e, por meio delas, aprendi a admirá-lo. Uma simples pergunta: por que a política séria deste país (se é que ainda existe...) não utiliza a contribuição desse homem, que só traz dignidade a este país tão fragilizado moralmente?

 

Tarciso Alberto Barbieri tabanahy1@gmail.com

Laranjal Paulista

 

*

 

‘INDIGNAÇÃO OU CRÔNICA DA REVOLTA ANUNCIADA"

Simplesmente sensacional a crônica de Ignácio de Loyola Brandão na edição de ontem. Que capacidade de resumir a absoluta e repulsiva atividade dessa quadrilha formada pelo PT no governo! Viva a imprensa livre!

 

João Paulo Garcia jotapege88@yahoo.com.br

São Paulo

*

 

‘PROBLEMAS DEMAIS, GOVERNOS DE MENOS’

A cada grito de determinado Estado, a Guarda Nacional é acionada com todo o estardalhaço possível, ninguém lembra de dizer que ela foi criada no governo FHC e era chamada de Guarda Pretoriana pelo PT. Serra, em seu artigo de ontem ("Estado", 28/6, A2) explica que o negócio é arrumar dificuldade para vender facilidade. Parece que o pessoal acordou: olha o Cesare Battisti indo Embora. Agora é um tal de plebiscito, nova constituição, referendo...

João Camargo democracia.com@estadao.com.br

São Paulo

 

*

 

UM RELATO EMPRESARIAL

Sinto-me como um político honesto em Brasília; foi muita inocência da minha parte achar que a área nos ajudaria a expor suas próprias deficiências... Por outro lado, a única pessoa que saiu ganhando nessa história fui eu, que levarei o conhecimento adquirido para sempre. O trabalho realizado é digno de mérito em qualquer lugar onde se procura produtividade e lucratividade, o que parece não ser o foco dessa empresa. Outro detalhe importantíssimo foi meu contato com as diversas áreas, onde pude ver na prática que a política aqui é o ponto mais forte a ser tratado, e não a solução dos problemas. E que os funcionários da produção são considerados os culpados de todos os problemas existentes, como foi dito abertamente por colaboradores da qualidade e da manutenção. Aliás, entender como funciona a política dentro da empresa é o passaporte para ser reconhecido e admirado e começar a fazer carreira aqui. A empresa exige a implantação de um novo processo, método ou conceito, colocam alguém aleatoriamente, disposto a realizar a função, porém sem dar o menor recurso ou apoio. Se o trabalho flui e não interfere nos relatórios finais de alguma área, ele é absorvido e alguém assume a autoria dele; caso contrário, o trabalho é abandonado e esquecido, e nunca mais se toca no assunto, como no filme "Tropa de Elite", em que a mancha criminal desagradou ao comandante e teve de ser refeita... Além de tudo isso ainda há o fator humano: os próprios colaboradores se sentem ameaçados a cada novo processo implantado e criam uma resistência que dificultará a todo custo a realização do trabalho. Aqueles que acabaram de subir um degrau na hierarquia imediatamente se voltam contra os funcionários da produção, mudando totalmente de atitude e assumindo os conceitos que lhe foram passados como se fossem de si mesmos. A indiferença e o descaso com que fui tratado por certas pessoas e a falsa pró-atividade de outras me mostraram quem é quem aqui dentro, fazendo-me concluir que os interesses pessoais estão acima de tudo, até o do caminhão aqui produzido. Se, por um lado pareço estar completamente frustrado, por outro, todos esses fatos simplesmente significaram a confirmação de tudo o que eu via, como ficou claro nas palavras de um colaborador, que afirmou que o importante para crescer aqui é ter 95% de relacionamento interpessoal e apenas (inacreditavelmente) 5% de conhecimento técnico. Manter as aparências e os números é o suficiente para segurar sua posição, independente da dificuldade que algum operador esteja passando ao executar seu trabalho. A prioridade, aqui, é sempre do que é mais ostensivo, do que salta aos olhos da gerência e nunca daquele equipamento que ninguém nunca vê. Passando por tudo isso me vejo obrigado a retornar às minhas origens dentro da empresa, me preparando para encarar outros desafios fora dela, pois tenho total confiança no meu trabalho e a certeza de que eu estou muito além dos 5% exigidos por ela...

 

Felipe de Aguiar Viana felipe_viana@uol.com.br

São Paulo

*

 

CESARE BATTISTI

Por uma dessas estranhas coincidências do destino, ao passar agora minhas férias em Roma, ao comprar bilhetes de trem para Florença na Estação Termini, encontrei a pessoa de Alberto Torregiani, o filho do joalheiro da cidade de Milão assassinado por Cesare Battisti e seu bando criminoso, cujas balas também o colocaram para sempre em uma cadeira de rodas. Tendo lembrado de mim e de nossas trocas de emails quando, não só eu, mas tantos outros brasileiros, de origem italiana ou não, tentamos, ao seu lado, forçar o nefando governo Lula a negar asilo a esse terrorista, disse-me ele, com lágrimas nos olhos: "Mas como um povo tão bom e humano como o povo brasileiro pode permitir que seu governo proteja esse terrorista? O Brasil não deve ser um refúgio seguro para terroristas!". Se o senhor ministro da Justiça, Eduardo Cardozo, tiver um pingo de decência pessoal, moral e senso real de justiça, além de respeito pela gente brasileira, expulsará Cesare Battisti do Brasil para que cumpra sua justa sentença na Itália - pois entrou em nosso país usando documentos e carimbos falsos - como assim decidiu a quinta turma do STJ, o que, pela lei, inviabiliza sua concessão de asilo e anula seu status de "refugiado"! Os brasileiros agradeceriam pois, assim como eu, diante daquele homem em uma cadeira de rodas, não mais se sentiriam tão envergonhados em nome de nosso país!

Paulo Boccato pofboccato@yahoo.com.br

São Paulo

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.