Fórum dos Leitores

COPA DAS CONFEDERAÇÕES

O Estado de S.Paulo

02 Julho 2013 | 02h11

Seleção campeã

Há mais de dez anos eu não gritava tanto de emoção a cada gol brasileiro. Numa partida tensa e nervosa, nossa seleção soube se impor e demonstrou garra e vontade para bater a então invencível Espanha, por 3 a 0, num Maracanã vibrante e sensacional. Só o Brasil seria capaz de quebrar essa longa e soberba invencibilidade; 21.º no ranking Fifa é brincadeira. A torcida estava com razão: o campeão voltou.

HABIB SAGUIAH NETO

saguiah@mtznet.com.br

Marataízes (ES)

*

O que mudou?

O Brasil ganhou essa Copa, milhões assistiram aos jogos e o comandante Felipão conseguiu montar finalmente um time. Tudo bem. Mas o que mudou no País? Melhoraram a educação, a saúde, os transportes e tudo o que precisamos, além do circo? Esse governo petralha realmente exorbitou, temos de continuar a protestar mesmo.

CARLOS E. BARROS RODRIGUES

ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

Nada de refresco!

O governo que não fique muito entusiasmado com a vitória da seleção, achando que o povo agora esteja entorpecido. Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa, como bem disse aquele filósofo futebolístico!

JOSÉ MARQUES

seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

Curiosidade

Por que será que o Lulla não foi ao Maracanã torcer pela seleção? Ele gosta tanto de futebol...

MARCO ANTONIO R. NUNES

nunesmarcelao@hotmail.com

Pindamonhangaba

*

Outros ausentes

E por que o governador fluminense, Sérgio Cabral, e o prefeito Eduardo Paes, do Rio, tampouco compareceram ao jogo de encerramento da Copa das Confederações? Alegaram dor de barriga? Não precisam responder. A pesquisa Datafolha já o fez.

PANAYOTIS POULIS

ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

Dilma e o Maracanã

Enquanto Lula viaja em confortáveis aviões particulares de construtoras, sua eleita, nossa presidenta, demonstra incapacidade de responder aos pedidos da Nação e - enorme surpresa -, apesar de ex-guerrilheira, mostrou covardia ao não comparecer ao Maracanã na final de sua vultosa Copa das Confederações. Esperava que fosse mais corajosa...

JOSÉ RUBENS MACEDO SOARES

federmacedo@terra.com.br

São Paulo

*

Nota zero

Terminou a Copa das Confederações e a seleção brasileira conquistou seu quinto título na competição. Mesmo tendo atendido a todas as exigências da Fifa - estádios suntuosos, segurança, liberação de bebidas alcoólicas, ainda que esta medida seja totalmente contra a atual legislação -, a dona do futebol mundial atribuiu à organização do torneio nota 7. Para tirar um 10 na Copa do Mundo de 2014 o que mais teremos de escancarar para a entidade internacional? Será que mais pontapés nos traseiros vamos ter de aguentar para atender a outras exigências absurdas? A Fifa descobriu só agora as dimensões gigantes do nosso país - o Brasil é muito grande e com diversas temperaturas e umidades, disse o técnico autor do relatório (29/6, D3). Portanto, está provado: a Fifa só vê cifrões à sua frente e em matéria de logística merece um enorme zero, do tamanho dos estádios que nos obrigou a construir.

SÉRGIO DAFRÉ

sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

*

Plebiscito

Os estádios para as Copas foram construídos com o dinheiro do povo, portanto, terminadas as competições, deveria ser realizada uma consulta popular para decidir o que deve ser feito com esses elefantes brancos. Penso que deveriam ser adaptados para hospitais e escolas e uma parte deles, transformada em presídios, para abrigar os bandidos que estão soltos por falta de vagas. Creio que assim a população estaria mais bem servida.

MARIA ELISA GHERINI STEPHAN

elisagherini@yahoo.com.br

São Paulo

*

Hino Nacional x Fifa

Pergunto se é alguma imposição da famigerada Fifa que o Hino Nacional seja cortado antes de terminar a primeira estrofe. A execução do nosso Hino tem regras estabelecidas: se for apenas instrumental, a tonalidade é si bemol maior e para o canto, fá maior. Cortar um hino tão lindo como o nosso, sem nem mesmo concluir a primeira estrofe, é um absurdo total e o Brasil não deveria sujeitar-se a isso. Aliás, é impressionante como o Brasil se submete à Fifa!

ODILON DA SILVA ROCHA

odilon.rocha@globo.com

São Paulo

*

PEDÁGIOS PAULISTAS

Redução e contratos

Em relação ao editorial O reajuste dos pedágios (1.º/7, A3), a Secretaria Estadual de Logística e Transportes de São Paulo esclarece que os contratos com as concessionárias foram cumpridos integralmente. As concessionárias receberam o reajuste estabelecido, que não será repassado ao usuário graças ao governo do Estado, que implementou medidas que balancearam essa equação. São quatro medidas que impactam diretamente o Estado, sem efeito para as concessionárias. Uma vez que as concessionárias do sistema paulista não terão ônus algum em razão das medidas adotadas, não há risco ou abertura de precedente que possa incorrer em futuras pendências jurídicas. Como amplamente anunciado, esta secretaria mantém desde janeiro de 2011 intensos contatos e realiza estudos para tornar viável a redução dos valores das tarifas de pedágio no Estado. No entanto, como já destacado pelo governador Geraldo Alckmin, o Estado de São Paulo "não rasga contrato". As negociações prosseguem em ritmo acelerado. Finalmente, ao contrário do afirmado no editorial, a relação de confiança entre o governo do Estado e as empresas concessionárias que atuam em São Paulo permanece firme e clara, capitaneada pela Artesp, agência responsável pela fiscalização e regulação das concessões rodoviárias.

CARLOS ALBERTO SILVA, Assessoria de Imprensa

transportes@transportes.sp.gov.br

São Paulo

N. da R. - As providências que estão sendo tomadas para "balancear a equação" configuram o que o editorial chamou de "gambiarras jurídicas" - medidas pragmáticas para tentar contornar problemas de quebra de contrato. Além disso, o editorial diz que os problemas da suspensão do reajuste dos contratos ocorrerão de hoje em diante - a nota da secretaria, espertamente, acena para o passado, falando que os contratos antigos foram cumpridos -, o que é óbvio.

*

'QUEDA LIVRE’ DA POPULARIDADE DE DILMA

Como era inevitável, a avaliação do governo da presidente Dilma despencou feio nas pesquisas do Datafolha depois que a população saiu às ruas para protestar contra tantos malfeitos dos governos. Como mandatária maior, ficou com a maior parte dos estragos em popularidade de todos os demais. O acontecimento totalmente imprevisto começou com as manifestações contra os aumentos das passagens dos coletivos que, aliás, não foram exagerados para causar tantas reações. Mas tiveram o condão de despertar o povo para a força que possui quando se une para combater os desmandos governamentais. E o brasileiro que assistia havia muito tempo, calado, aos abusos e às roubalheiras perpetradas pelos políticos de plantão partiu para a onda de protestos que nos encheram de orgulho. Lamentáveis apenas as depredações realizadas por elementos desclassificados que se infiltraram entre os que defendiam a boa causa. E a presidente é merecedora com méritos da recente desaprovação popular, pois prosseguiu nas decisões desvairadas de seu antecessor. Como resultado de tantas atitudes atabalhoadas a inflação ressurgiu, assim como o aumento da inadimplência. O superávit comercial despencou, o dólar está subindo adoidado e a Petrobrás perdeu muito do seu capital, pois foi utilizada à exaustão para impedir o aumento do índice inflacionário. Mas o que mais revoltou a população e a despertou para as banalidades do Planalto foram os estádios de futebol construídos para as Copas de Futebol, muitos com a significativa contribuição dos cofres públicos e fadados a se transformarem em elefantes brancos. O denominado "padrão Fifa" chocou a todos, que finalmente se deram conta das taperas em que funcionam os nossos hospitais e nossas escolas, quando comparadas com os novos estádios. O orixá dos petistas, nessa altura do campeonato, tomou chá de sumiço e só aparece em reuniões fechadas com seus adoradores. Uma ala do PT defende sua candidatura nas próximas eleições, pois sua sucessora não está agradando nem a gregos nem a troianos não só como presidente, mas muito menos como candidata à reeleição. Mas enganam-se estes, também, pois agora a população acordou e percebeu que o que mais teve até agora, nos dez últimos anos, foi pão e circo, uma tática herdada dos imperadores romanos, com uma nova roupagem, claro. O primeiro representado pelo programa Bolsa Família, sem contrapartida, e pelas facilidades para a compra de carros novos; o segundo, pela Copa do Mundo de Futebol.

Gilberto Pacini

benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

POSTURA PERVERSA

Corrupção, inflação em alta, baixo crescimento econômico, investimentos exorbitantes na Copa das Confederações, falta de infraestrutura, 39 ministérios, manifestações por todo o País. Nada disso é problema. Desenvolver uma agenda com a sociedade? Nem pensar. O que conta é a sonora vaia na abertura da Copa das Confederações e a perda de 27 pontos na última pesquisa Datafolha de popularidade. Qual é a melhor desculpa? Como desviar a discussão para longe de si? Dar a entender que está tomando providências e ganhar tempo, sugerindo propostas rápidas, mesmo que inviáveis, seguindo os conselhos políticos de marketing. E, se possível, aproveitar o clamor do momento para confundir com ações de seus aliados e fazer avançar a agenda de poder de seu partido. Como sempre, uma postura perversa. Vamos ter que lutar muito.

Carlos Avila

gardjota@gmail.com

São Paulo

*

SEGUNDO TEMPO

Com a popularidade em vertiginosa queda livre, de 57% para 30%, segundo a última pesquisa do Datafolha, Dilma Rousseff não deverá voltar para o "segundo tempo" do jogo e precisará de muita torcida e sorte para conseguir terminar o "primeiro tempo" em campo. Lugar de jogador perna-de-pau é no vestiário! Fora!

J. S. Decol decoljs

@globo.com.br

São Paulo

*

O TOMBO

Para um tombo tão grande na popularidade, recomendo participação na "Dança dos Famosos", do Domingão do Faustão, com o objetivo de reverter a queda. PAC, aumento no Bolsa Família, transposição do Rio São Francisco, descoberta de novos poços de gás e óleo, criação de novas cotas e demais truques já não enganam mais ninguém.

Maurício Rodrigues de Souza

mauriciorodsouza@globo.com

São Paulo

*

UMA QUESTÃO DE PERSPECTIVA

Popularidade de Dilma cai de 57% para 30%, indica Datafolha. Eu ainda acho que está muito alta.

Vagner Ricciardi

vbricci@estadao.com.br

São Vicente

*

O POVO NÃO É BOBO

A popularidade de Dilma caiu de 57% de aprovação para 30%, conforme pesquisa Datafolha. Caiu por quê?! Porque o PT abusou do poder como jamais um governo fez na história deste país! Por causa da soberba e do populismo de Lula e o poste Dilma, que não consegue iluminar a nossa agenda macroeconômica! E ainda por continuarem apoiando a quadrilha de seus camaradas do mensalão! Da transposição do Rio São Francisco, que, de um orçamento inicial de R$ 4 bilhões, hoje está custando em torno de R$ 8 bilhões - mesmo com a obra completamente abandonada, enquanto milhões de brasileiros também abandonados e sem água perdem suas esperanças no flagelo da seca do nordeste. Como "gran finale" de estupidez institucional, com o único objetivo de colocar uma neblina na frente dos olhos da população, o governo quer fazer um plebiscito para a reforma política, num prazo exíguo que não permite o debate (o que é um golpe) em que serão gastos R$ 500 milhões! Sabem por quê?! Para que se conquiste nas urnas a aprovação do financiamento público de campanha, que vai desviar mais de R$ 1 bilhão do bolso dos contribuintes, bem como o voto em lista dos partidos, tirando dos eleitores o direito de escolher seus candidatos preferidos. Um novo e grande golpe certeiro contra o povo brasileiro. E como o povo não é bobo, Dilma teve essa queda de popularidade.

Paulo Panossian

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

GUERRILHA CIBERNÉTICA

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, deu uma de oráculo tupiniquim e disse em dezembro de 2012 que no ano seguinte "o bicho ia pegar". O ano de 2013 chegou e o bicho que pegou não foi o imaginado pelo secretário. Dilma e seu numeroso e incompetente gabinete tem que admitir que a ficha caiu, ou, no melhor jargão policial, "a casa caiu", como caiu também fragorosamente nas pesquisas a presidente Dilma, agora com 30% de aprovação, de acordo com o Datafolha. Creditar à queda os vinte centavos de aumento da tarifa de transportes é se autodenominar o maior dos Eremildos. O País estava tenso, com a corda esticada ao máximo, pronta para arrebentar diante de tanta rapina, tanta corrupção, tanta farra com dinheiro público em detrimento de uma população a cada dia mais condenada à morte trágica nos hospitais da rede do Sistema Único de Saúde, nos postos de saúde, nas estradas esburacadas, nas ruas e nos lares, onde o banditismo, impune, rouba, humilha e mata. As práticas arcaicas das mobilizações convocadas pelos jornais, partidos políticos e carros de som foram superadas pelo poder de se autoconvocar por meio das mídias sociais. Uma verdadeira guerrilha cibernética: milhares de pessoas são capazes de mobilizar milhares de outras em um dia. Dilma disse que ouve a voz das ruas, mas não domina o seu idioma. A falta de respeito com o cidadão gerou esse movimento formidável que tem duas moedas de dez centavos como simbolismo, assim como a queda da Bastilha teve no brioche de Maria Antonieta, rainha da França, seu simbolismo. "Presidenta, o povo reclama pela saúde e pela educação". "Dêem-lhes arenas de futebol". "Cesse tudo que a Musa antiga canta, que outro valor mais alto se alevanta" (Luís de Camões).

Jair Gomes Coelho

jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

DESVIANDO O FOCO

Enquanto pipocam manifestações por causa dos cancelamentos de exportações dadas à precariedade portuária e rodoviária, do desleixo com a educação que nos coloca na rabeira mundial, do abandono que faz faltar tudo na área de saúde e da segurança, que está entregue às moscas, a presidente Dilma, seguindo as recomendações de seu marqueteiro e mentor, alheia ao movimento reivindicatório das ruas, tenta desviar a atenção para a reforma política, que não tem nada a ver com o momento brasileiro. Quer, a qualquer preço, desviar o foco, mas não consegue, e seu público cativo são aqueles que desfrutam das benesses governamentais.

Humberto Schuwartz Soares

hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

O POVO MANIPULADO

O povo foi manipulado no plebiscito de 1993. 56% dos eleitores votaram pela continuidade do presidencialismo. 44% não compareceram, votaram em branco, ou anularam o voto. Os partidos ditos da direita eram a favor do parlamentarismo, por meio da frente de Ulisses Guimarães, Fernando Henrique, José Serra e Mário Covas. Os da esquerda, encabeçados pelo PT - tendo Lula na presidência do partido -, por meio de consulta interna na época aos seus correligionários, ficaram a favor do presidencialismo. Eu mesmo votei pelo presidencialismo (era Petista na época) e segui a orientação do partido. Vamos ser coerentes e exigir novo plebiscito. Para que seja realizada a decisão do povo nas urnas, democraticamente. Manter o velho sistema presidencialista - provado, há décadas, corrupto - ou mudar para o novo (no Brasil) parlamentarismo.

Milton dos Santos

milton1943@gmail.com

São Paulo

*

PLEBISCITO SÓ EM 2014

Se essas pessoas que responderam à pesquisa sobre a realização desse plebiscito inócuo inventado de última hora por Dilma para desviar a atenção do povo dos reais problemas de seu governo e aprovaram a realização do mesmo soubessem que aproximadamente R$ 500 milhões sairão do seu bolso para que ele seja operacionalizado, teriam 500 milhões de motivos para irem às ruas manifestar-se contra o mesmo. Chega de embromação! Vão trabalhar para honrar o mandato que lhes foi outorgado pelos brasileiros! Se o governo quer um plebiscito, espere até outubro de 2014 para que o povo lhe mostre o resultado dele.

Ronaldo Gomes Ferraz

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

DO BOLSO, PARA O BOLSO, PELO BOLSO

O governo não entendeu que o povo quer tão somente honestidade e prioridades para o Brasil, porque essa idéia de plebiscito é um meio de enrolar as pessoas. Se for para ter um plebiscito, o povo deveria responder "sim" ou "não" para os governantes saírem do poder, mas como para descobrir isso não é preciso perguntar, que vossas excelências façam sua parte, porque, como diz o ditado, "quem não atrapalha já está ajudando muito". Aqui parece que temos uma paródia da democracia que ouvi outro dia: do bolso, para o bolso e pelo bolso. País sem miséria é um país sem políticos demagogos incompetentes. Compartilhe o Brasil porque esta terra é nossa.

Manoel José Rodrigues

manoel.poeta@hotmail.com

Alvorada do Sul (PR)

*

NATAN DONADON É PRESO

O deputado Natan Donadon, condenado a 13 anos por formação de quadrilha e peculato, entregou-se à Policia Federal, em cumprimento à ordem de prisão determinada pelo STF. Vamos ver até quando o "danadão" vai ficar encarcerado. Queremos que cesse a impunidade em nosso país, o mal maior que faz a população tornar-se descrente de tudo.

Alvaro Salvi

alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

*

MENOS MAL

Após o julgamento do mensalão e seu consequente desdobramento , eu, como milhões de brasileiros, descrentes da Justiça, concluí que um político corrupto jamais seria condenado e preso nesse país, por mais evidente que fosse seu crime. Embora não devamos nos regozijar, a prisão do deputado federal

Natan Donadon (PMDB-RO) por improbidades vem demonstrar primeiro quão falido está o sistema político partidário, e depois nos desmentir a todos, já que um deputado federal pode, sim, ser preso. Menos mal!

José Marques

seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

NOVA ERA?

Espero que a prisão do deputado Natan Donadon seja o começo de uma nova era no Judiciário brasileiro, em que criminosos que ocupem, ou tenha ocupado cargos públicos, sejam condenados e presos. Que tal darmos continuidade a esse processo com a prisão dos mensaleiros e do chefe?

Fernando Fenerich

ffenerich@gmail.com

São Paulo

*

‘DANADÕES’

Com a prisão do deputado federal Natan Donadon, condenado a 13 anos, 4 meses e 10 dias de prisão por formação de quadrilha e peculato, o 1° deputado preso desde 1974, com o risco de perda do mandato, todos os deputados federais condenados a várias penas pelos mesmos crimes e por outras infrações delituosas, cometidas e provadas no famigerado processo do mensalão estão pondo suas barbas de molho. Chega de complacências para com os "danadões"!

Antonio Brandileone

abrandileone@uol.com.br

Assis

*

LEI DESIGUAL

Alguém poderia me explicar, por gentileza, qual é a diferença entre um bandido deputado e um bandido comum? Se todos somos iguais perante a lei, com que direito o deputado Natan Donadon negociou e foi atendido pela Polícia Federal para não ser exposto e muito menos fotografado pela imprensa?

Arnaldo de Almeida Dotoli

arnaçldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

DANOU-SE

Donadon já se danou. E os condenados mensaleiros? Falta danarem-se já.

Roberto Twiaschor

rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

 

*

A IMPUNIDADE NO PAÍS

Não vejo nas ruas protestos contra a impunidade no nosso país. Será que não entendem que tudo isso está acontecendo por falta de leis que levem os corruptos, os criminosos, os menores infratores, os assassinos e os ladrões para a prisão? Precisamos urgentemente de um novo código penal! Nossos políticos não pensam nisso porque serão os primeiros a ir em cana. Ladrões de outros países estão vindo para cá, pois sabem que não ficarão presos. Gostaria de ver nas ruas o povo gritando por mais segurança e justiça.

Paulo Umberto Henn

paulohenn@hotmail.com

Jaboticabal

*

FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS

A nova lei do Fundo de Participação dos Estados (FPE), que vinha se arrastando desde 1992, finalmente foi aprovada pelo Congresso. Se lembrarmos que os parlamentares trabalham três dias por semana, com férias em julho, quinze dias em dezembro, mais férias em janeiro e alguns dias de folga no carnaval, como é que irá sobrar tempo para analisar e votar, por exemplo: os 3060 vetos presidências e a Lei de Greve dos Funcionários Públicos, que está 24 anos parada? Será que dá para pensar em um Brasil melhor com essa ineficiência?

Edgard Gobbi

edgardgobbi@gmail.com

São Paulo

*

CORRUPÇÃO COMO CRIME HEDIONDO

Há muito eu já sabia que dona Dilma é uma incompetente e pau mandado de Lula. Após seu último pronunciamento na TV, diga-se de passagem, forçada pelo medo das manifestações de rua, tenho certeza de que é também mentirosa. Imaginem: ela propôs aplicar os royalties do pré-sal na educação. Ora, a Petrobrás está falida e jamais teria condição de financiar tal prospecção com retorno nos próximos dez anos, e esse dinheiro, aplicado em educação, levaria outros dez para efetivamente aparecer como benefício social. A segunda mentira foi propor que corrupção "dolosa" seja crime hediondo. Gostaria de saber da "presidenta" se no código civil existe a corrupção culposa. Finalmente, propôs uma Constituinte específica para realizar a reforma política, ou seja, adaptar nossa atual constituição ao modelo bolivariano. Tudo isso com o apoio do gênio Aloízio Mercadante, que por ora esqueceu que é o ministro de plantão na pasta da Educação. Está cada vez mais difícil e intolerável ligar a TV e ver essa bandidagem oficial reunida para nos chamar de idiotas.

Humberto de Luna Freire Filho

hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

‘DE ONDA’

Entendi direito? Com que então os apenados no julgamento do mensalão cometeram um crime hediondo, como interpreta a presidente? Hediondo ou é de onda?

Flavio Marcus Juliano

opegapulhas@terra.com.br

Santos

*

MINISTÉRIOS DEMAIS, SOLUÇÕES DE MENOS

Depois das mancadas da dona Dilma, falando em convocar uma Constituinte e depois a desmentindo, o senhor Mercadante assumiu o lugar das ministras Ideli Salvatti e Gleisi Hoffmann e tornou-se o conselheiro-mor da presidente. Como em época de crise a criatividade aflora, Dilma poderia fundir os três ministérios num só e aproveitar para tomar a mesma medida quanto aos demais ministérios, logicamente eliminando os mais incompetentes e incapacitados, passando de 39 para 13 o número de "cabides de emprego". Infelizmente, o que não poderia acontecer com o novo "super ministro" Mercadante aconteceu: de maneira ridícula, imitou os senhores Rui Falcão e Gilberto Carvalho, alegando que, o dito pelo não dito de Dilma em relação à convocação da Constituinte foi um mal entendido da imprensa? Pode isso?

Antônio Carelli Filho

palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

*

O BRASIL QUE É A FAVOR DOS PROTESTOS

A opinião pública tem sido favorável aos movimentos que são realizados nas mais diferentes localidades. Mas há uma questão que precisa ser levada em consideração: os pesquisados estão participando dos movimentos? Ou limitam-se a acompanhar os acontecimentos pelos meios de comunicação? E mais, foram convidados a discutir as propostas e os encaminhamentos? E têm noção do que precisa ser feito para solucionar os problemas levantados, principalmente na área de saúde, educação, transporte coletivo e segurança pública? Essa é uma questão muito importante, pois o acúmulo de problemas tem a ver exatamente com a falta de organização popular para cobrar dos organismos públicos ações de forma objetiva. O exercício da cidadania exige que o assunto mereça a devida atenção da comunidade.

Uriel Villas Boas

urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

EDUARDO PAES E A IMPUNIDADE

Na opinião do prefeito do Rio Eduardo Paes (PMDB), o que muda um país é a impunidade. Discordo totalmente, pois, na verdade, o que muda um país é ter políticos de caráter, bom senso, idôneos, honestos, bem intencionados e principalmente princípios patrióticos. Pois eles, sim, poderão modificar e alterar leis e normas para evitar a impunidade, corrupção, etc. Não estarão fazendo nenhum favor, e sim apenas cumprindo suas obrigações. É para isso que neles votamos e os pagamos.

Angelo Tonelli

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

O SILÊNCIO DE LULA

Eu não sei por que tantas cartas perguntando sobre o silêncio e o sumiço do Lula. Abraham Lincoln disse há anos: "É melhor calar-se e deixar que as pessoas pensem que é um idiota do que falar e acabar com a dúvida!"

Tanay Jim Bacellar

tanay.jim@gmail.com

São Caetano do Sul

*

ALCKMIN CORTA GASTOS

Do que adianta o governo Geraldo Alckmin reduzir a quantidade de Secretárias com o propósito de economizar para compensar a redução das tarifas dos transportes anunciadas se os funcionários dessas pastas serão transferidos para outros cargos no governo e ganhando, talvez, até mais do que ganham atualmente? Governador, por favor, vá baixar em outro centro.

Valdy Callado

valdypinto@hotmail.com

São Paulo

*

E AGORA?

Alckmin anuncia medidas que visam ao corte de despesas de seu governo. Contas de telefone e de gasolina serão atingidas. E, pasmem, até o helicóptero oficial quer vender! E agora, como fica o transporte da filha, do genro e dos netos, de Cumbica para o Palácio dos Bandeirantes? Ô raça!

Gilberto Martins Costa Filho

marcophil@uol.com.br

Santos

*

CPI DOS TRANSPORTES

Quem quer apostar que esta CPI não vai dar em nada? Pago 5 a 1. Talvez nem convocada será. Segundo a mídia, políticos das esferas estaduais e municipais têm suas campanhas bancadas pelas empresas de transportes. Não é nem salário indireto - é direto mesmo. Devem estar devolvendo a propina recebida ou ela estará sendo abatida de campanhas futuras, tendo em vista terem reduzidos os valores em razão do clamor popular recente. Na verdade, não existe caixa preta. O que existe é muita sujeira. E ela não esta nas garagens dos ônibus, e sim nos gabinetes dos governantes. Esta análise vale para qualquer município, particularmente das capitais.

Paulo Henrique Coimbra de Oliveira

ph.coimbraoliveira@gmail.com

São Paulo

*

ACINTE INSUPORTÁVEL

Brasileiros de verdade: temos outro motivo para indignação. Os tribunais do País, incluindo o Supremo, entram em recesso de sessenta dias todo ano! De 2 a 31 de janeiro e de 2 a 31 de julho. Isso é uma agressão ao cidadão, é uma inominável imoralidade, é um acinte insuportável! Nossa Justiça já é normalmente lenta, lentíssima, horripilantemente lenta! E, além dessa estagnação que lhe é vergonhosamente peculiar, ainda se regala na permissividade de uma lei amalucada (LC 35/79, art. 66) típica de uma República verde-amarelada envolta por nuvem turva onde o povo jaz entregue à própria sorte.

José Rubens Medeiros

jrubensmedeiros@oi.com.br

Conselheiro Lafaiete (MG)

*

A ADVOCACIA E OS CARTÓRIOS

Com todo respeito, acho que esta na hora de a advocacia paulista sair dos escritórios e de trás das escrivaninhas e mostrar para a população, a opinião publica e o Poder Judiciário seu verdadeiro valor, que, ao que parece, alguns teimam em não reconhecer ou fingem ter esquecido. Bastião na luta pela democracia do País e na defesa intransigente dos direitos difusos e coletivos, estamos sendo colocados de lado há tempos pelo Judiciário e Legislativo nacionais. Mais especificamente, no caso do Estado de São Paulo, é uma vergonha os valores aviltantes que são pagos pelo convênio da assistência judiciária, bem como o tratamento dispensado pela Defensoria aos profissionais inscritos no convênio. Agora novo golpe cai sobre nossas cabeças. Não bastasse a imposição legal da desnecessidade de advogado em causas com valor inferior a 20 salários mínimos, agora somos presenteados com a vergonhosa decisão baixada via provimento que determina que conciliações possam ser realizadas em cartórios extrajudiciais sem a presença de advogado! Senhor presidente da seccional, convoque a classe, vamos à luta! Gostaria de saber se os cartórios interinos estão aptos a homologar conciliações. Acorda, OAB-SP!

Flávio Henrique Moraes

flaviomoraes.moraes@aasp.org.br

Poá

*

A CAIXA PRETA DO TJ-SP

Já passou da hora de abrir a caixa preta do Tribunal de Justiça de São Paulo! Foram pagos R$ 119,2 milhões a seus juízes, desembargadores e servidores a título de indenizações e restituições trabalhistas (!!!) O que é isso?

Cleo Aidar

cleoaidar@hotmail.com

São Paulo

*

RECUPERANDO PONTOS

A PEC de cobrança de IPVA de pequenas aeronaves, inclusive jatos executivos, já está aprovada antes de ser votada e a presidenta Dilma pode festejar uma recuperação de alguns pontos perdidos nas pesquisas. É o tipo de projeto que tira do rico para dar aos pobres. Presidenta, se a senhora quiser ser reeleita, cobre IPVA de barcos e iates de luxo, cortadores de grama a gasolina, carrinhos de autorama e geradores de prédios de luxo, enfim, qualquer coisa que seja movida a gasolina ou óleo diesel. É a cara dos seus partidos, PT e PMDB. O Brasil foi fatiado e esses dois são os maiores latifundiários da política brasileira. Presidenta, o seu governo não é bom, regular ou péssimo, ele simplesmente não existe.

Luiz Ress

txblindagens@hotmail.com

São Paulo

*

GIGANTE BAIXINHO

Gigante, o baixinho Romário - dentro e fora dos campos - disse um monte de verdades a dona Dilma, políticos, José Maria Marin, Fifa, Congresso, Joseph Blatter, Jerome Valcke e Pelé. Parabéns ao deputado Romário .

Carlos Roberto Gomes Fernandes

crgfernandes@uol.com.br

Ourinhos

*

A ALEGRIA DO PALHAÇO

Em caminhada nesta sexta-feira, ouvido de conversa entre duas diaristas na calçada: "Se o governo gastou tudo isso, agora ‘nós’ quebra os ‘estádio’" É o ditado: "A alegria do palhaço (aqui, o povo) é ver o circo pegar fogo."

Paulo Busko

paulobusko@terra.com.br

São Paulo

*

TIRO PELA CULATRA

As manifestações de rua e quebra-quebra perto dos estádios de futebol mostram como Lula e petralhas avaliaram mal trazer a Copa para o Brasil. Quiseram engabelar o povo, achando que dando o circo estariam garantidos no poder. Qual brasileiro comum, em sã consciência, poderá pagar o preço dos ingressos exigidos pela Fifa, se na final da Copa das Confederações o valor do ingresso era a partir de R$ 1.732,92 até R$ 8.665,13? Fora a área VIP! Agora está explicada a revolta do povo: poucos abastados terão acesso às grandes e caras arenas que foram totalmente financiadas pelos cofres públicos. Isso é mirar um alvo e o tiro sair pela culatra. O povo continua amando futebol, mas à Copa poucos terão o privilégio de assistir ao vivo, embora financiando-as!

Beatriz Campos

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

VIOLÊNCIA EM SÃO PAULO

É inaceitável o aumento do número de casos de latrocínio em São Paulo. Matar para roubar é crime gravíssimo, que ceifa inúmeras vidas precocemente e destroça famílias. Onde está a política de segurança pública do governo Alckmin? Os paulistanos não podem mais sair à rua em paz e segurança e têm o seu direito de ir e vir tolhido e ameaçado pela insegurança e pelo aumento da violência. Quase 20 anos de governo do PSDB em São Paulo nos levaram a esta triste situação, de medo e insegurança.

Renato Khair

renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

ASSASSINATO EM SÃO MATEUS

Já que Dilma quer plebiscito que tal entregar o assassino da criança boliviana ao povo e perguntar o que querem fazer com ele?

Gilberto Dib

www.dib.com.br

São Paulo

*

ABERRAÇÃO

Cruel. Pavoroso. Selvagem. Horripilante. Brutal. Quanta maldade existe na mente de um ser - será que é humano? Não acredito - como este? Não acredito. Brayan Yanarico Capcha, cinco anos, chorou e pediu pela vida da mãe, Verônica Capcha Mamani, que, ajoelhada, implorava ao desumano bandido pela vida do filho. O pai, Edberto Yanarico Quiuchaca, com membros de outra família de bolivianos, a tudo assistiu horrorizado, não acreditando que o choro da criança fosse despertar a mente apodrecida de um irracional embrutecido pelo simples fato de não suportar o choro e apelo de um menino. Mesmo depois de receber R$ 4.500 reais da mãe, economia que restava à família, reclamou, achando pouco. Não titubeou, atirou sem nenhuma piedade. Mais uma brutal cena vivida pela cidade. Por mais violento que exista, não há conceito que possa enquadrar o ato dessa aberração da natureza.

Modesto Laruccia

modesto.laruccia@hotmail.com

São Paulo

*

ESTATUTO DO NASCITURO

Os absurdos continuam brotando da cabeça dos políticos! O Estatuto do Nascituro tramita pela Câmara dos Deputados, em Brasília. Reza que o estuprador deve sustentar o fruto do seu crime e que, no caso de o elemento não ser identificado, o Estado - leia-se contribuinte - sustentaria a criança até sua maioridade! Aceitar o estupro, legalizar esse ato indigno, seria devastador para nossa sociedade já em plena decadência. Aqui, assassinos, ladrões, estupradores e traficantes agem certos da sua impunidade enquanto famílias de bem choram seus mortos, sua honra e seus prejuízos materiais! A simples ideia da criação da "bolsa estupro" já basta para desmoralizar, um pouco mais, a todos nós brasileiros! Até onde conseguirão nos degradar nossas "excelências"? É para isso que lhes pagamos a fortuna que ganham? Estaríamos bem melhor sem "elles"!

Anita M. S. Driemeier

lindyta9@gmail.com

Campo Grande

*

‘O AGITADOR CHAPA BRANCA’

O Sr. Gilberto Carvalho, Secretário Geral da Presidência, não irá responder à acusação de ter participado do assassinato de Celso Daniel, prefeito de Santo André ("Estado", 28/6, A02)? Como diz o ditado, quem cala, consente.

Fabio Anderaos de Araujo

fanderaos@gmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.