Fórum dos Leitores

GOVERNO DILMA

O Estado de S.Paulo

03 Julho 2013 | 02h05

Corte de gastos

A presidente Dilma Rousseff perdeu o rumo! Declarou que cortar gastos é demagogia... Ora, cortar gastos não é demagogia, é dever do administrador, especialmente quando, no caso, o País gasta mais do que arrecada. Na verdade, a nossa ex-guerrilheira não tem coragem e/ou competência na administração do País. Não tem coragem de enxugar a máquina estatal de sanguessugas que sustentam o PT com o dízimo. As prioridades da presidente são, primeiro, o partido e os companheiros, depois a Pátria. Estamos perdidos.

ALPOIM DA SILVA BOTELHO
alpoim.orienta@uol.com.br
São Paulo

*
Demagogia

Dona Dilma diz que não fará demagogia. Então, mudará de comportamento e deixará de dar o pontapé inicial em cada novo gramado. Também não poderá concordar com a voz das ruas, que protesta contra o governo dela. A propaganda governamental é demagógica, pois todos sabemos que o Brasil não é um país de todos. Eis um dinheiro para ser poupado. Sem falar na Petrobrás investindo na refinaria do Texas. Finalmente, pergunto: acabar com o Ministério da Pesca seria demagogia?

CLODER RIVAS MARTOS
sheinerivas@hotmail.com
São Paulo

*
Padrão Felipão

Demagogia pura na primeira página do Estadão de ontem. "O meu governo é padrão Felipão", disse a sra. Dilma, tomando carona na vitória da nossa seleção no domingo. Como o seu governo está completamente perdido num mar de incompetência, a presidente ainda não notou a tremenda goleada que as ruas estão dando no seu governinho?!

EDUARDO A. DE CAMPOS PIRES
eacpires@terra.com.br
São Paulo

*
Carona

Presidente Dilma, não pegue carona no sucesso da seleção brasileira de futebol. A senhora teve sua chance no dia do jogo, mas preferiu se esquivar das possíveis vaias... E padrão por padrão, sou muito mais o modelo Bernardinho de gestão.

PAULO CÉSAR PIERONI
pcpieroni@hotmail.com
Campinas

*
Cartão vermelho

Na minha opinião, há uma grande diferença entre os dois comandos, o de Dilma e o de Felipão. Até porque no time do governo existem vários jogadores que já foram expulsos e ainda permanecem atuando no time.

VIRGÍLIO MELHADO PASSONI
mmpassoni@gmail.com
Jandaia do Sul (PR)

*
Metáforas e embromação

Dona Dilma, os brasileiros não querem metáforas futebolísticas nem embromação de plebiscito. Eles anseiam por um governo sem corrupção, com planejamento e gestão eficientes.

LUIGI VERCESI
luigiapvercesi@gmail.com
Botucatu

*
REFORMA POLÍTICA

A quem confiá-la?

O sistema político brasileiro é anacrônico, pois se mantém enraizado nas origens coloniais e feudais que ainda predominam na cultura da Nação. A reforma política é uma necessidade premente para a modernização do País e a consolidação da democracia. A quem podemos, porém, confiá-la? Certamente não a um Congresso pouco representativo como o nosso, cujos membros estão interessados, sobretudo, em salvaguardar as benesses absurdas que desfrutam. Para efetuar uma verdadeira reforma política seria necessário recorrer a especialistas brasileiros e estrangeiros para analisar as condições do Brasil e apresentar uma proposta inovadora. Neste mundo globalizado, não podemos ficar à margem do que os mais desenvolvidos já conseguiram e apenas procurar culpá-los por nossa própria incompetência.

GILBERTO B. SCHLITTLER, diretor e subsecretário-geral da ONU (1964-1996)
gschlittler2@mac.com
São Paulo

*
Só populismo

Roberto Troster (1.º/7, B2) pôs o ovo em pé! É isso mesmo. Para os políticos que só pensam em reeleição (99%), não há a menor possibilidade de aprovarem projetos impopulares. Pior, votam os projetos populistas que arruínam as finanças públicas e comprometem a competitividade. Ou seja, conspiram em favor da nossa estagnação. A proposta de uma só eleição para os parlamentares dos três níveis vem dar seriedade ao cargo. Temos de pensar seriamente nessa alternativa.

JOSÉ PASTORE, professor da USP
j.pastore@uol.com.br
São Paulo

*
PEC 37

Rejeição

Gostaria de registrar minha indignação em relação ao editorial A rejeição da PEC 37 (30/6, A3), por meio do qual o Estado assumiu, pela quarta vez consecutiva em período inferior a dois meses, sua posição contra o poder de investigação do Ministério Público. Reconheço que a imprensa livre é um dos alicerces da democracia brasileira. Reconheço, mais, que os editoriais dos jornais são forma contundente de registro e opinião de suas convicções acerca dos mais variados assuntos de interesse do País. Registro, entretanto, realmente indignado, que quatro editoriais consecutivos sobre o mesmo tema não são mais opinião, são campanha aberta do jornal contra o poder de investigação de promotores e procuradores da República. Não há nenhuma dúvida sobre isso. O erro é inerente às instituições, de forma que, com a rejeição da proposta de emenda constitucional, o Congresso evitou a exclusividade da investigação em mãos de organismos policiais, tornando viável a busca da verdade por outros mecanismos externos a eles. No jogo de pressões que compõem os interesses levados ao Congresso Nacional, ganhou a pressão do povo, nas ruas, contra a PEC 37. Perdeu a pressão do jornal, expressada em seus seguidos editoriais.

JOSÉ REINALDO G. CARNEIRO
apolguimar@uol.com.br
São Paulo

*
Rumos desviados

Pelo menos uma voz lúcida quanto à estranheza pela rejeição da PEC 37. Parabéns ao Estadão pela coragem ao abordar tecnicamente o assunto (A rejeição da PEC 37). Quando o Ibama foi desmembrado para ser criado o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), os argumentos eram os mesmos: separar a atividade de fiscalização da atividade de preservação ambiental. A PEC 37 seguia os mesmos rumos, desviados agora pelo agito das ruas. Sua rejeição segue os anseios populares ou a necessidade de mais emprego e mais confusão (alimento desse emprego) por parte dos operadores do Direito?

ADILSON ROBERTO GONÇALVES
prodomoarg@gmail.com
Lorena

*
DILMA E O PLEBISCITO

 Dilma manda proposta, (ou saída pela tangente) de plebiscito para os presidentes do Congresso. Governo e Parlamento acabam de fazer uma “mise-en-scène” na frente das TV em volta da reforma política, com uma consulta aos cidadãos eleitores. Decididamente o governo e seus pares nada entenderam das mensagens que as ruas invocaram. Só para mostrar serviço? É tudo do que estamos saturados de assistir das “excelências”! A gastança vai continuar, pois esse plebiscito vai custar uma fortuna.
 
Leila E. Leitão
São Paulo

*

CHEGA DE ENGANAÇÃO

Engraçado como as duas casas do Congresso Nacional votaram de maneira bem acelerada várias demandas que foram colocadas em xeque pelas várias passeatas das últimas semanas em todo o País!
Isso é apenas pano de fundo para enganar aqueles que somente iniciaram as lutas que devem continuar ocorrendo, pois nada, de fato, ocorreu de positivo. A simples proposta de um plebiscito por parte de Dilma é uma afronta à inteligência da população um pouco esclarecida como um desvio do foco das aberrações feitas por seu governo e de seu antecessor, Lula da Silva, nos últimos 10 anos! Desviam dos focos principais, que são: a corrupção desenfreada dentro de toda a gestão do PT no governo federal; as falcatruas dentro do Congresso Nacional, com pessoas que lá nem deveriam mais estar, por serem réus condenados pelo Supremo e em outras acusações gravíssimas; desvios de verbas; superfaturamento de obras em todos os níveis; péssima qualidade em todos os serviços públicos existentes no Brasil, mormente aqueles ligados à União; malversação de verbas em todos os níveis; e a existência de 39 ministérios para colocar apadrinhados da base aliada, gerando gastos inúteis para a Nação, sem necessidade alguma de existirem a não ser para mais desvios de verbas, que fazem falta em áreas primordiais em nosso país. O povo não pode e não deve cair neste engodo do plebiscito de Dilma para se desviar de seus focos de requisições junto a todos os níveis de governos. Chega de ludibriar o povo cansado de tanta enrolação e mentiras! O PT já não engana mais ninguém!
 
Boris Becker borisbecker@uol.com.br   
São Paulo

*

FUTURO INCERTO

Os últimos acontecimentos políticos, originários das manifestações populares, censurando principalmente o governo federal, são o resultado da grande farsa iniciada há onze anos pelo PT, que culminou nesse descrédito generalizado. Toda a propaganda enganadora feita pelo partido e por Lula e Dilma apareceu com clareza diante da massa, que invadiu as ruas do País neste mês de junho e que provavelmente terá desdobramentos além. Ao final, Dilma encontra uma saída por meio de medidas sugeridas, incluindo o perigoso plebiscito, como quem diz que o problema não é com ela, transferindo-o ao Congresso. Não esperava que a população não mais aceitasse suas tergiversações, como demonstrou a pesquisa da Datafolha que a jogou ao chão, com míseros 30% de aprovação. Essa é uma eloquente demonstração de incompetência política da presidente e de que seu futuro, a eleição de 2014, está provavelmente comprometido. O povo certamente buscará uma solução mais adequada e, sobretudo, mais honesta do que a atual. Aparentemente, a carreira política de Da. Dilma termina aqui, pelo menos na Presidência. Fim de linha para ela.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br 
São Paulo

*

ACRÔNIMO

D(esmandos)I(luisionismo)L(ábia)M(alfeitorias)A(utoritarismo). 
Pobre Brasil, em que mãos estás.
 
Vinicius Ferreira Paulino viniciusfpaulino@hotmail.com 
São Paulo

*

CONTAGEM REGRESSIVA

Enquanto isso nos palácios presidenciais e governamentais,  Dilma  cai em queda livre. Geraldo Alckmin  e Fernando  Haddad seguem o mesmo caminho.  A verdade é uma só,  nenhuma dessas   “figurinhas carimbadas” que hoje orbitam a política brasileira ficarão para contar a história  nas próximas eleições. A contagem regressiva já começou!
 
José Marques seuqram.esoj@bol.com.br 
São Paulo

*

NÚMEROS COMPRADOS

Há um mês, o Ibope divulgou uma pesquisa de avaliação da Presidente Dilma: estava em 56%, hoje está em 26%. Eu pergunto: será que estamos todos loucos? Que pesquisas são essas? De onde eles tiram esse resultado? Pesquisas válidas e corretas são estas que estamos assistindo pela TV todos os dias, e isso não ocorreu de repente, esse grito já estava na nossa garganta havia muito tempo. Chequei à conclusão de que, com dinheiro, compramos o resultado que queremos.
 
Maria José da Fonseca fonsecamj@ig.com.br 
São Paulo

*

ALERTA BRASIL

As pesquisas mostram que, com os manifestos, Dilma perdeu 21% dos eleitores. Perdeu? Eles são os 21% volúveis que decidem a eleição, mas não têm opinião própria. Seguem a opinião dos que têm. Os manifestantes mostraram que têm e já tinham opinião formada contra o estado de coisas criado por Lula e mostraram-na com veemência. E os volúveis aderiram. Mas Lula e seus petistas são mestres no uso das palavras e na formação de opinião e agora virão como lobos famintos para retomar a presa. Basta uma frase de Lula para eles voltarem. Alerta Brasil!

Gilberto Dib www.dib.com.br
São Paulo

*

DOS TEMPOS DE CABRAL

É patético desferir acusações num governo que está há pouco tempo no poder, em um país que tem vícios corruptíveis desde sua colonização e na época imperial.

Célio Borba celioborba@ovi.com 
Curitiba

*

RACIOCÍNIO LIMITADO

Dona Dilma parece ter raciocínio bem limitado. Não consegue enxergar muito além do nariz, que já é pequeno. Seu alcance de ação social chega apenas a uma distribuição de mera esmola (Bolsa Família). Não percebe que o pífio crescimento, a falta de investimento, a perspectiva de inflação, etc., vão tirando do povo qualquer esperança de melhorar seu padrão. Muito provavelmente está querendo nos conduzir para um perfil cubano, cuja medicina está tentando impor ao Brasil. 
 
Ulysses Fernandes Nunes Junior ulyssesfn@terra.com.br 
São Paulo

*

DIAS E NOITES

Humildade não se adquire do dia pra noite.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br 
Monte Santo de Minas (MG) 

*

CORTES NECESSÁRIOS

Existe uma fórmula mais fácil do que a equação do segundo grau para o governo conseguir mais dinheiro no seu fluxo de caixa para construir mais hospitais, mais escolas, ter mais policiais com melhores armamentos e com melhores qualificações para ter uma arma na cintura, fazer mais linhas de metrô, ampliar as linhas ferroviárias, estradas, reduzir os impostos, etc., etc., etc. É fácil, muito fácil. Reduzir em 60% o número de ministros – muitos não sabem nem o que estão fazendo lá. Reduzir em 50% o número de senadores – tem muitos que não sabem o que falam, não conhecem os problemas do Brasil. Um deles já está lá há um bom tempo e só vai ao plenário para cantar e dormir. Reduzir em 50% o número dos deputados federais e estaduais (cantores e humoristas). Reduzir em 50% o número dos vereadores – só sabem dar nome a ruas de São Paulo e criar datas comemorativas. 
Tenho certeza que a quantidade de corruptos irá reduzir bastante.

Valdir Pereira Cardoso valdircardoso2012@yahoo.com.br
São Paulo

*

LULA, O SUMIDO

Ele criou as Olimpíadas, as Copas, um poste em Brasília e um poste em São Paulo e, agora que a coisa está explodindo, ele sumiu...

Fábio Duarte de Araujo fabionyube@visualbyte.com.br 
São Paulo

*

A MAIOR TORCEDORA

Acredito que no domingo a presidente Dilma foi quem mais torceu pela vitória do Brasil. Talvez, em sua cabeça, a vitória deva aliviar em alguma coisa o fardo que está carregando sozinha, pois seus companheiros já sumiram. Lula, cadê você?
 
Luiz Felipe Dias Farah felipefarah@gmail.com 
São Paulo

*

NEVER MORE

O Lula, assim como todos os petistas, adora dar uma de macho quando está “por cima da carne seca”. Essa fuga para a África e aconteceu porque ele pode ter todos os defeitos, inclusive o de chefe dos mensaleiros, mas burro ele não é. Nessa hora, ele tomou Doril e disse para a Dilma andar de vaqueiro porque sumiu. Isso pode chamar de “cumpanheiro” e ainda homenageá-lo, pois a musica diz “companheiro é companheiro e filho da... é filho da...”. Dilma, segura essa peão, que a coisa vai apertar para o teu lado e a reeleição “never more”.

Kaled Baruche kbaruche@bol.com.br
São Paulo

*

O FUTURO DO BRASIL

Eu, José Alves de Vasconcellos, com 88 anos de idade, comandante da Corveta Ipiranga na revolução de 31 de março de 1964, subordinado ao então presidente da República, general Castelo Branco, sem aspirações políticas, estou apreensivo com o futuro do Brasil ao analisar o atual Congresso e os doze anos do poder Executivo, tendo em vista a atual cultura da maioria do nosso povo.

José Alves de Vasconcellos javc1925@terra.com.br 
Rio de Janeiro

*

A HORA DO CONGRESSO

Chegou a hora de o povo brasileiro conhecer a real missão do atual Congresso. O Congresso Nacional é o órgão constitucional que exerce, no âmbito federal, as funções do Poder Legislativo, quais sejam: aprovar leis e fiscalizar o Estado. Ou apenas um grupo de políticos subserviente ao Executivo petista que segue as ordens do atual governo? Chegou a hora de o Congresso Nacional mostrar para o povo brasileiro que não é um grupo de picaretas.

Vagner Ricciardi vbricci@estadao.com.br 
São Vicente 

*

FALTA ESPAÇO
 
Que absurdo! A presidente Dilma convoca reunião de 38 ministros (menos a ministra “faz me rir” da Cultura, que está em viagem) para reunião na Granja do Torto. Qual foi a ideia de levar a reunião para a Granja? Simples, no Palácio do Planalto não há espaço para abrigar tantos ministros em uma única reunião. Esse é mais um episódio que nos mostra o quão inflada está a máquina federal , em especial no primeiro escalão. Dona Dilma quer dar uma resposta às ruas? Simples, que comece a promover um enxugamento sério em sua administração, poupando recursos que poderiam ser alocados para fins mais nobres, como saúde e educação. A população, sensibilizada, agradeceria de coração.
 
Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br 
São Paulo

*

QUARENTA... MINISTROS
 
Dilma cobra de todos os ministros agilidade para que os problemas do País sejam resolvidos agora! Presidente Dilma, menos, bem menos. Presidente, quem mandou convocar os ministros? Todos têm real capacidade para o cargo? O ministro da Pesca também foi convocado? A senhora entendeu o porquê das perguntas? Porque são necessários apenas 10 ou 12 ministros para tocar o Brasil, os outros ministérios servem apenas para a compra de alianças e votos na Câmara e no Senado. Todo o Brasil sabe disso e torce para que o 40º ministério seja criado para que a piada tenha sentido. 

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br 
Osasco

*

‘ALLIADOS’

D. Dilma, se a Sra. dispensar, no mínimo, um terço de seu ministérios, além de economizar uma grana para investir em saúde, educação, transporte e infraestrutura, também colherá dividendos políticos dessa decisão. O problema está em quem dos ditos “alliados” se manterá sem uma boquinha no governo...

Flávio Cesar Pigari flavio.pigari@gmail.com 
Jales 

*

TÃO QUERIDOS CARGOS

A presidente Dilma se reúne com todos os ministros para, juntos, tentarem sair da crise que desabou sobre o governo. Nessa reunião ficará claro que é impossível esperar soluções desse ministério formado quase que exclusivamente por políticos profissionais, leigos, sem qualquer conhecimento específico sobre as pastas que ocupam. A ocupação política de cargos técnicos é uma das causas dos problemas que assolam o País. O fim da ocupação política de cargos técnicos seria um passo importante para sair da crise, mas é pouco provável que os 39 ministros renunciem aos seus tão queridos cargos. 

Mário Barilã Filho mariobarila@yahoo.com.br 
São Paulo

*

O TSUNAMI

O tsunami varre o País há dias e nada daquelas pesquisas do Ibope/CNI. Vamos lá, Montenegro, tira do forno os índices crescentes da tia Dilma!

Maria Coelho maricotinha63@gmail.com 
Salvador

*

O RATO

A resposta de Dilma às manifestações das ruas lembrou o parto da montanha! Gemeu, gemeu e, sob o olhar incompetente de seus parteiros, Ideli Salvatti, Aloízio Mercadante, José Eduardo Cardoso e Gilberto Carvalho, pariu um rato! Literalmente um roedor abjeto com que ninguém quer ficar, nem sequer sua base política. Mas o bichinho fugiu do Palácio do Planalto, mas já fez um estrago danado na imagem da presidente! Agora, instalou-se no Congresso e pretende causar o mesmo impacto!

Eugênio José Alati eugeniojosealati@yahoo.com.br
Campinas

*

TIRO NO PÉ

“Quando o navio naufraga, os ratos saltam” foi o que disse Carlos Lupi, ex-ministro do trabalho de Lula (“Estado”, 1/7, A4). Prevendo uma possível implosão da coligação “lulopetista-populista” e a evasão da “parte podre” dessa aliança espúria, sem querer, deu um tiro no pé do seu omisso patrono. Da África, provavelmente a conselho de correligionários e marqueteiros, espertamente aguarda as consequências das manifestações populares. Até elogiou os protestos no Brasil para fugir à sua responsabilidade e não contabilizar as consequências de sua herança.  Essa, sim, “herança maldita”.

Arnaldo Amado Ferreira Filho amado1930@gmail.com 
São Paulo

*

MEMÓRIA SELETIVA

Anteontem, José Serra deu uma entrevista à Jovem Pan e falou sobre desperdício de dinheiro. Os entrevistadores da JP se “esqueceram” de perguntar por que ele, como governador, contra a opinião de especialistas em mobilidade urbana, desperdiçou mais de R$ 1,5 bilhão na construção da inútil e congestionada nova pista da Marginal do Tietê, dinheiro que faria muitos  quilômetros de corredores exclusivos para ônibus.

Antonio C. Ciccone cicconeac@hotmail.com 
Carapicuíba

*

NATAN DONADON

A prisão do deputado Natan Donadon está mais para boi de piranha do que para o início de limpeza no governo. Enquanto se preocupam com ele, “muitos” conseguem atravessar o rio sem nenhum problema. Pior do que ele, outros mais evidentes fizeram muito mais e estão em Brasília dando ordens de prisão. Falta muito ainda para acabar com as passeatas.

Marcos Pougy marcoslaly@gmail.com 
São Paulo

*

ECONOMIA

Que vergonha essa malandragem de o governo usar o Tesouro e as duas instituições financeiras das quais detém 100% das ações, a Caixa e o BNDES, para gerar uma receita fictícia por meio de pagamentos de dividendos e engordar a arrecadação federal sem gerar despesa. O governo insiste em não escutar a voz das ruas, continua gastando muito mais do que arrecada e se vê numa situação em que é obrigado a recorrer a uma reles maquiagem contábil como essa, passando atestado de otários para todos os cidadãos brasileiros. Não perde por esperar. Será pago na mesma moeda nas eleições de 2014. 

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com 
Rio de Janeiro

*

EIKE EM APUROS

Está surgindo no mercado um novo Naji Nahas, pois ações de empresas criadas com dinheiro público estão despencando. Intenções de se apoderar da Marina da Glória foram obstadas pelo Judiciário e por órgãos do Patrimônio. Enfim, está para desmoronar um patrimônio construído sob areia movediça e quem tem seus papéis (ações) que abra bem os olhos.
 
S. Paschoal  s_paschoal@hotmail.com 
Rio de Janeiro 

*

UMA DÚVIDA

Gostaria de saber se os bancos estatais e fundos de pensão
“investiram” nas empresas do grupo X.
 
Jose Candido da Silveira Lienert Jr. jclienert@gmail.com 
São Paulo

*

A QUEDA DE MIDAS
 
O valor das ações das empresas X de Eike Batista está virando pó: OGX caiu 27,84%, MMX caiu 10,20% e LLX caiu 9,09%. Foram as três maiores baixas no pregão de 01/07/2013. E eu que pensei que para uma empresa abrir capital e operar na Bolsa de Valores precisava ter boa governança corporativa. Ledo engano. Basta ser amigo do “deus” Lula. Sinto pena dos pequenos investidores que caíram no golpe do falso Midas. Esta é apenas uma das muitas heranças malditas deixadas por Lula. E a CVM, não tem nada a declarar? Como fica a credibilidade da nossa Bolsa de Valores perante os investidores estrangeiros?
 
Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br 
Americana

*

TUDO QUE É SÓLIDO DESMANCHA NO AR

Atendendo a costumeira megalomania, a mostrar que só no petismo conseguiríamos ter o homem mais rico do mundo (no caso o pré-inadimplente Eike Batista) o ex-presidente Lula comprova que a ineficiência do governo petista e das empresas de seu consultado e amigo é igual: ambos derretem, sólidos quanto as espumas.
 
Mario Cobucci Junior maritocobucci@uol.com.br 
São Paulo

*

PROMESSAS AO VENTO

O governo Dilma não tem jeito mesmo! Promete austeridade fiscal e não cumpre. As traquinagens contábeis continuam, dessa vez com o pedido de antecipação de dividendos do BNDES, mesmo sem ter auferido os resultados, com o difícil objetivo de fechar a meta fiscal. Será que a nossa economia vai escapar ilesa dessa forma relapsa de governar do PT? Gestão que nem sequer consegue melhorar nossa caótica infraestrutura, nosso saneamento básico, nossa saúde e nossa educação, etc. E ainda utilizam de forma irresponsável os recursos dos contribuintes, contratando sem qualificação 22.417 camaradas e aliados para cargos de confiança (no governo FHC eram apenas 9.800). Não satisfeitos com tanto desperdício nesses 11 anos no poder, se FHC fazia funcionar sua administração com 23 ministérios, Lula e Dilma elevaram esse número para 39! Uma barbaridade! Os EUA, com uma população 110 milhões maior que a do Brasil, têm somente 15 ministérios... E, como pouca orgia para o Planalto não serve,      criaram também ao longo desses anos mais 10 estatais, que certamente ajudam a incentivar a corrupção! E como resultado dessa insensatez, o governo federal consumiu em 2012, só para manter essa máquina improdutiva pela bagatela de R$ 611 bilhões...   E ainda quer um plebiscito para reforma política, que vai consumir algo próximo de R$ 500 milhões, só para tentar a autorização do eleitor, visando ao financiamento público de campanha, que deverá, se aprovado, desviar alguns bilhões de reais dos cofres públicos! Não é por outra razão que o povo ocupa as ruas deste país, demonstrando sua indignação...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com
São Carlos

*

BATATA QUENTE

A foto do “Estado” de anteontem (A4) em que se vê fumaça negra como que saindo do teto do Palácio da Alvorada, evoca, metaforicamente, batatas assando em seu interior, onde Dilma preferiu passar o domingo digerindo, com alguns ministros, os números cadentes de sua “popularidade” a comparecer – e ser vaiada – no palco da final da Copa das Confederações, em cujos arredores a polícia procurava conter novos protestos da população. Nunca antes na História deste país as excelências de turno, acostumadas a falar em bilhões, sentiram o quanto R$ 0,20 podem fritar seu futuro político.

Silvio Natal silvionatal49@yahoo.com.br 
São Paulo

*

DO QUE A POPULAÇÃO PRECISA

Senador Suplicy, não precisamos de sua presença nos velórios das vítimas da violência. O que mais precisamos é que o senhor proteja a população, aprovando leis mais duras que mantenham assassinos presos por mais tempo e, em alguns casos, eternamente.

Maurício Rodrigues de Souza mauriciorodsouza@globo.com 
São Paulo

*

VIOLÊNCIA CONTRA JORNALISTAS

Incompreensíveis e injustos os ataques aos 53 jornalistas e a destruição dos 13 veículos das redes de TV durante as manifestações de rua contra a corrupção que assola o País, há mais de uma década governado pelo PT. Isso com certeza não deve ter partido dos verdadeiros manifestantes, e sim de grupos de anarquistas infiltrados nas manifestações, com o intuito de amedrontar e calar a imprensa que, nessa altura, já deve ter acendido o sinal de alerta. O povo unido jamais será vencido!
 
Valdy Callado valdypinto@hotmail.com 
São Paulo

*

COPA DAS CONFEDERAÇÕES

Será que os espanhóis beberam a mesma água que os brasileiros beberam na final da Copa do Mundo de 1998 contra os franceses?
França 3 x 0 Brasil?

Carlos Roberto da Silva Calderon crscalderon@hotmail.com 
São Paulo

*

SURPRESAS

A final da Copa das Confederações foi surpreendente por duas situações que não se viam há muito tempo: a primeira foi a Espanha jogar mal e a segunda foi o Brasil jogar bem. 

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br
São Paulo

*

SEM CRITÉRIO, SEM RESPEITO

Gastaram mais de R$ 1 bilhão na reforma do Maracanã e não fizeram um acesso decente para os atletas irem à tribuna de honra para receberem a premiação. Viram por onde os jogadores tinham que passar para chegar até lá? Numa passagem estreita, entre os torcedores. O que custava fazer como nos estádios da Europa, por exemplo? Dinheiro público usado sem o mínimo de critério e respeito. 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com 
Rio de Janeiro

*

FUTEBOL HORIZONTAL

Legal o Brasil ganhar a Copa das Confederações. Mas, como sempre, quando o Brasil ganha qualquer torneio, por mais insignificante que seja, os ufanistas de plantão se destacam. A Espanha se destacou mais nessa Copa pelas farras protagonizadas por seus jogadores do que pelo futebol vistoso de sempre. Exceção ao primeiro jogo contra os uruguaios, talvez por que as farras ainda não tinham mostrado seus efeitos. E de onde tiraram essa historia de “futebol vertical”? Futebol vertical, para mim, é quando o zagueirão chuta a bola para cima. Tirando isso, futebol é sempre horizontal.

Rogério Tófoli Kezerle rogeriokezerle@hotmail.com    
São Paulo

*

VOTOS VENCEM PRINCÍPIOS

Certo ou errado, justo ou injusto, o pastor evangélico Silas Malafaia faz uma comparação no mínimo estranha ao se pronunciar pedindo aos evangélicos acordarem, dizendo: “Dilma se encontra com representantes da Igreja Católica, LGBT, vadias, e etc. E nós? Nada”; “Depois vai querer nosso voto”. E considerou tal ato como “desprezo e desconsideração” com os evangélicos. Ou seja, o que vale para ele é vender a força do voto em massa e não os princípios mínimos e básicos, não é ?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br 
São Paulo

*

DORMINDO EM BERÇO ESPLÊNDIDO

Na França, um assassino de 17 anos é condenado à prisão perpétua pelo estupro e morte de uma menina de 13 anos. Nos EUA, uma menina adolescente que com 15 anos assassinou sua vizinha de 9 anos é condenada a prisão perpétua. Também nos EUA, um adolescente assassino de 17 anos que matou três outros menores foi condenado à prisão perpétua sem possibilidade de condicional. No Brasil, o ministro da Justiça José Eduardo Cardozo, dorme, tergiversa, balbucia alguns discursos vazios, mas não aborda de frente e de maneira objetiva a questão da reforma do Código Penal e do Estatuto da Criança e do Adolescente. Enquanto nas ruas e nos lares a chacina da população indefesa continua, cometida por menores e maiores – a grande maioria com “passagens”, “foragidos do sistema”, no “semiaberto” ou “condicional” – no Senado o projeto da reforma navega em águas estagnadas da Comissão de Reforma do Código Penal. Dá para esperar? Dá para confiar? Não dá para esperar, não dá para confiar, em razão da distância do povo a que o governo tem se colocado, pela leniência e pela incompetência no trato dos assuntos administrativos e jurídicos e pela criminosa corrupção que assola a classe política. O ministro, que já se declarou contra a redução da maioridade penal, poderia, pelo menos para iludir a plateia, seguir a “presidenta” Dilma e, a seu gosto, convocar um plebiscito para ouvir o povo. Engana, enrola um pouco mais, mas passa a ilusão de algum interesse pelo clamor do povo.

Otoni Gali Rosa otoni.ogrcom@uol.com.br  
São Paulo

*

OPORTUNISMO ELEITOREIRO

É aviltante: os políticos do Congresso Nacional nada fazem para enrijecer as leis para acabar com a impunidade geral e com o fato de criminosos, pagando fiança, poderem esperar o infindável processo em liberdade. Somos obrigados a conviver com eles em nosso dia a dia, somos dizimados por eles nas ruas, em casa, nos restaurantes, enquanto a elite do poder desfruta de seguranças e carros blindados. E agora vejo na TV: o senador Eduardo Suplicy, sempre pegando uma beiradinha do prato de farinha da miséria humana, aproveitou para aparecer no enterro do garotinho boliviano, morto por um daqueles que a lei tanto beneficia. Para quê? Para garantir votos nas urnas? Por favor, são atitudes hipócritas e eleitoreiras como essa que nos levaram às ruas! Ajude o povo lutando por uma legislação mais justa com o mesmo empenho com que trabalhou pelo seu famoso projeto de renda mínima! Mais trabalho, senador, e chega de encenação! Queremos leis mais justas e não é pedir demais!

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com 
São Paulo

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos Leitores

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.