Fórum dos Leitores

GOVERNO DILMA

O Estado de S.Paulo

06 Julho 2013 | 02h09

Solidão

Em desabafo recente, a presidente Dilma Rousseff ter-se-ia queixado: "Fugiram todos, ninguém me defende, fui abandonada!" (5/7, A6). Se fosse possível, eu perguntaria à presidente, hoje acabrunhada e abandonada por quase todos os que a cercam, incluindo muitos de seu partido que já entoam o "volta, Lula": dona Dilma, quem a senhora acha que lhe deixou uma herança maldita, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, com seu legado que estabilizou a moeda, acabando com a inflação alta, ou Lula e seus mensaleiros, com uma corrupção incontrolável e um ministro da Fazenda craque em maquiar os dados da inflação, que está levando, entre outros motivos, milhões de brasileiros às ruas em sinal de protesto?

AMÂNCIO LOBO

amancio lobo@uol.com.br

São Paulo

*

Isolamento

A presidente Dilma queixa-se de se sentir abandonada. Na procela tupiniquim - mera marolinha - as ratazanas pularam do barco e a capitã sentiu-se só. Até seu divino mestre e guru sumiu e se refugiou na África. Mas que mulher tão poderosa no mundo é essa que, desesperada, carece e roga por encosto? Estariam porventura todos os outros equivocados e somente ela correta?

PAULO BUSKO

paulobusko@terra.com.br

São Paulo

*

Encruzilhada

Dona Dilma deveria ter pensado melhor antes. O cargo de presidente, além das pompas e circunstâncias, exige também lucidez, racionalidade, jogo de cintura e muita responsabilidade, entre outros fatores. Antes autoritária sem resultado, agora abandonada pelo PT, pela base aliada e pelo próprio criador, chegou a hora da verdade. É nesta hora que o verdadeiro estadista tem de mostrar a que veio. Está em pleno teste de carga/o.

ULYSSES F. NUNES JUNIOR

ulyssesfn@terra.com.br

São Paulo

*

Pseudoamigos

Sempre votei em candidatos petistas, vou continuar votando e espero repetir a dose com Dilma Rousseff, que pela seriedade que impôs ao seu governo desagradou aos lulistas, que não se conformaram com a higienização que ela fez no início de seu mandato. Os xiitas do partido queriam que ela continuasse com os corruptos... Dilma estava indo tão bem, era bem aceita pela população brasileira, e quanto mais se distanciava do Luiz Inácio, melhor se apresentava diante do povo. Infelizmente, alguns de seus conselheiros, saudosos das maracutaias, devagar foram influenciando a presidente de tal forma que, mesmo sem querer, ela acabou cedendo e com isso a corrupção passou a pipocar por todos os lados. Na verdade, os lulistas queriam e querem destronar Dilma para que Lula seja o candidato à sua sucessão em 2014. Se isso ocorrer, esses maus petistas precisam cair do cavalo, até porque Dilma administrou com honestidade e seriedade. Hoje a presidente paga o pato por se ter deixado levar pelo canto dos safados do PT, que sabem que com ela terão dificuldade para manobras espúrias, pois ela é culta, mais capaz e enxerga onde está a malandragem. Só não percebeu a malandragem de alguns de seus circunstantes. Esses pseudoamigos do Palácio do Planalto não se deram conta de que Dilma não tem filho, filha ou parente milionário, ao contrário do antecessor, cujos filhos, sem ganhar na Mega Sena, esses, sim, estão milionários. É isso que está derrubando o PT, é o lulismo impregnado no governo que está acabando com o partido. Uma pena. Mas ainda há tempo, basta a sra. presidente se livrar dessa turma que a cerca e mostrar ao povo o que fez para moralizar o nosso país. Boa sorte e sucesso!

FRANCISCO PAULINO DE MOURA

franciscopaulinod@yahoo.com

São José do Rio Preto

*

Dois Brasis

Com um olhar mais atento às fotos que registram flagrantes de políticos em conchavos na primeira página do jornal de ontem - e de sempre - se percebem dois Brasis interdependentes: eles e nós, o Estado e o povo, os senhores e a plebe. A impressão é de que somos antagônicos. A leitura dessas imagens nos diz, nas entrelinhas, que nós, o povo que sustenta as suas mordomias, somos um mal necessário.

HELDER GALVÃO

hecoga@icqmail.com

Pindamonhangaba

*

AINDA A FAB DA ALEGRIA

Renan, o caroneiro

Como coronel de Infantaria na ativa, comandei a mais a oeste das nossas guarnições de fronteira, com sede em Rio Branco. Na época era a única capital não ligada ao restante do Brasil por estrada asfaltada e ficava isolada na temporada de chuvas. Enquanto o Rio Acre não dava vazão às embarcações fluviais, os produtos só chegavam de avião. Racionava-se ou faltava de óleo diesel a papel higiênico. A família militar, oficiais e sargentos oriundos de outras regiões, passava quase dois anos no Acre sem viajar nas férias. As distâncias eram longas e as passagens aéreas, caríssimas. Nunca conseguimos, comandante e comandados, "carona" da Força Aérea Brasileira. Já o senador Renan Calheiros, desconhecendo cinicamente o clamor das ruas, viaja de carona da FAB e ainda enfrenta e afronta a opinião pública. Pode?

ATHOS EICHLER CARDOSO

athosec@gmail.com

Brasília

*

Caronas

Que volte a vigorar aquela antiga disposição: caronas, apenas nos DC-3 a serviço do Correio, quando houver lugar...

CAIO AUGUSTO BASTOS LUCCHESI

cblucchesi@yahoo.com.br

São Paulo

*

Pé do baralho

Agora vai devolver o valor da viagem também, não é, Renan? Devagar vocês vão entender quem dá as cartas daqui em diante.

ALESSANDRO LUCCHESI

timtim.lucchesi@hotmail.com

Casa Branca

*

Crime hediondo

Não adianta decretar corrupção como crime hediondo se os corruptos não vestem a carapuça e continuam usando aviões da FAB como se isso fosse a coisa mais normal do mundo. A ética ou vem do berço ou não existe.

ANNA CAROLINA MEIRELLES

annacmeirelles@gmail.com

São Paulo

*

A cobra vai fumar de novo

Quem viu nossa gloriosa FAB na 2.ª Guerra Mundial, nos bons e heroicos tempos do Senta a Pua e A Cobra Vai Fumar, e a vê hoje transformada pelos políticos em simples transportadora de "autoridades" sente uma dor no coração. Todos os heróis da FAB que tombaram em batalha devem estar se revirando no túmulo: "Foi para isso que morremos?". Acorda, FAB, e volta a dizer bem alto: "A cobra vai fumar de novo, em nome do nosso povo!".

JOSÉ MILTON GALINDO

galindo52@hotmail.com

Eldorado

*

‘VOOS DA ALEGRIA’

Mesmo debaixo de protestos, essa cambada de malandros da política não deixam de praticar falcatruas e maracutaias. Estou me referindo aos presidentes do Senado e da Câmara dos Deputados, quem além de malandros são mentirosos também: mentiram à Força Aérea Brasileira (FAB) que suas viagens eram oficiais. Ao começar a expressar minha revolta com esses dois espertalhões caras de pau, vejo que também um ministro da quadrilha também utilizou os aviões da FAB para viagens particulares: trata se do ministro Garibaldi Alves, que, no maior cinismo, falou à reportagem que sempre pratica tal irregularidade e a acha normal. Olha, senhor ministro, vou dizer claramente o que penso do senhor: você é um pilantra e é por isso que os aposentados estão nessa situação de penúria. Com você de ministro da Previdência a situação só vai piorar. Por isso mesmo acho que os manifestos devem ser direcionados a você e toda à Previdência Social, até que seja demitido deste posto que não merece ocupar.

Jose Mendes josemendesca@ig.com.br

Votorantim

*

ROTA ALTERNATIVA

Tampa o sol com a peneira o presidente da Câmara, Henrique Alves, ao prometer indenizar o País pagando cerca de R$ 9.700, que seria o gasto que teria o grupo se tivesse viajado em avião comercial. Ora, se quisesse realmente ressarcir o País pela despesa feita, teria que pagar o preço do fretamento de um jato do mesmo tipo fazendo a mesma viagem, ida e volta.  Certamente o valor seria muito, muito maior que os míseros R$ 9.700. Pago o valor equivalente ao fretamento, se honrado fosse, teria que pelo menos pedir desculpa e depois... Sumir do mapa!

Gabriel Abuhab gabriel.abuhab@forjafrio.com.br  

São Paulo

*

LADRÕES IMPUNES

O ladrão rouba, se arrepende, devolve o que roubou, mas continua ladrão. Renan Calheiros e Henrique Alves devolvem o dinheiro, mas, para mim, continuam ladrões. Até quando serão ladrões impunes?

Salvador Bochembuzo salvadorbochembuzo@hotmail.com

Piracicaba

*

‘AUÊ’ COM A ‘MUIÉ’

Como todo macho fajuto e já sem nenhuma moral para ditar regras, o combalido Renan Calheiros diz que vai pagar R$ 32 mil reais por ter dado uma de esperto e usado o avião da FAB para fazer um “auê” com sua “muié”. Depois de tantas falcatruas e filhos fora do casamento, o cara está mais sujo que pau de galinheiro, e ainda quer dar uma de machão arretado de Alagoas?

Mas, como todo macho tem seu dia de donzela, caiu na real e viu que o buraco ia ser muito mais profundo.

Kaled Baruche kbaruche@bol.com.br

São Paulo

*

TEU PASSADO TE CONDENA

Por acaso alguém esperava outra resposta na ocasião que Renan Calheiros foi indagado sobre o uso com exclusividade de uma aeronave da FAB por ele e sua mulher para irem a um casamento na Bahia, se não pelo fato argumentar ter ido na condição de presidente do Senado? A verdade é uma: só o passado dele já o condena por uma série de denúncias e escândalos na pratica de corrupção. Portanto, para ele por estar no cargo em que está, acha que pode tudo, até o fato de ser incorreto, autoritário e antiético em suas atitudes e comportamentos.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

 

 *

MALANDROS PROVINCIANOS

Malandro pode ser encontrado em qualquer lugar e, se é pilhado em malandragem, tem sempre uma ótima desculpa. Mas o nosso presidente do Congresso não é malandro, é “provinciano”, considerando-se a resposta dada aos jornalistas pelo uso abusivo de um avião da FAB. Provavelmente, ao pleitear a presidência da Câmara, Calheiros deve ter pensado sobretudo nas vantagens pecuniárias e nas mordomias que poderia auferir. Henrique Alves sofre do mesmo provincianismo. Um cargo como o dele dá direito a levar a namorada e a família ao Rio. Malandramente se propõe a ressarcir a FAB em R$ 9.700 quando o deslocamento de uma aeronave do porte da usada para um voo daquela extensão e com espera custa mais de R$ 100 mil. Digamos que nossos congressistas foram “malandros provincianos”, pois suas respostas ridículas demonstram seus sofríveis níveis intelectuais, que certamente não seriam consentâneos com sua posições, em países mais sérios.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

‘OTORIDADES’

Muito se fala em corte de gastos. Aguardemos as providências. Uma delas, certamente, será diminuir o número de ministérios, pois se 39 não foram capazes de mexer uma só palha, qual a serventia de tantos, a não ser o desperdício do dinheiro público que é meu, seu, nosso, especialmente do povo pobre sem acesso a educação e saúde minimamente dignas que gere a eles esperança e perspectiva de um futuro melhor que vá além do consumo de eletrodomésticos e algumas parcas melhorias? Que se corte na carne todo tipo de luxo, desde maquiagens caríssimas até diárias de luxo aviltante em viagens de autoridades, enquanto tanta pobreza ainda persiste de tal forma que mereceu até o lema “País rico é país sem pobreza"; que se impeçam fretes de aviões da FAB para “otoridades” irem a casamentos e estádios; enfim, que se moderem as mordomias ao mínimo razoável. Que verbas absurdamente altas deixem de ser ofertadas a blogs de jornalistas chapa-branca e artistas da patota, que se restrinjam publicidades oficiais desnecessárias com atores globais militantes e por aí vai. Ter-se-ia muito a citar, mas fiquemos só nessas singelas sugestões. Ah! Já que não se consegue mesmo cortar de vez, que se coloque ao menos sob controle o excesso de corrupção, pois isso sim corrói o sistema por dentro, levando o País à falência múltipla dos órgãos como estamos vendo acontecer. Oremos enquanto conferimos as iniciativas neste sentido.  

 

Eliana França Leme efleme@terra.com.br

São Paulo

*

TRANQUEIRA POR TRANCOSO

O presidente do Senado, Renan Calheiros, usando arbitrariamente um avião da FAB, foi à festa de casamento da filha do líder de seu partido, deputado Eduardo Braga, na cidade de Trancoso, na Bahia. Para justificar tal procedimento, alegou que foi convidado como presidente do Senado e o fez em caráter oficial, cumprindo um compromisso de seu cargo , como sói acontecer com os outros chefes de Estado, como a presidente da República e do Poder Judiciário. Mas estes só usam aeronaves oficiais, atendendo motivos também oficiais, como segurança, emergência médica e viagem de serviços.Exceto isso, a FAB foi criada como força militar para defender o Brasil contra qualquer agressão estrangeira ou cumprir compromissos iguais com países aliados, como aconteceu na última grande guerra. Agora, usar aviões da FAB para comparecer a festas, usando-a como transporte oficial e como justificativa, é de uma mediocridade tamanha que nos qualifica como imbecis, idiotas, parvos, ignorantes e que tais. A festa em Trancoso não mereceu tanta tranqueira!

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br

Assis

*

LEGAL, PORÉM IMORAL

 

Não bastasse o excrescente artifício legal – porém imoral – que dá direito a parlamentares e demais “otoridades” do governo a usufruírem de jatos da FAB para viagens particulares – pagos, diga-se de passagem, pelos contribuintes brasileiros – somos obrigados a deparar com as indecorosas viagens que algumas “excelências” têm alegremente feito, trazendo a tiracolo família e amigos para, por exemplo, assistir a jogos de futebol, ir a casamentos de apadrinhados e sabe-se lá mais o quê.  Essas “excelências”, que se portam como verdadeiros parasitas do dinheiro público, deveriam ter alguma vergonha na cara e custear suas viagens particulares com os seus próprios bolsos. Mesmo porque salário para isso elas têm de sobra!

 

Paulo Ribeiro de Carvalho Jr. paulorcc@uol.com.br

São Paulo

*

CONSELHO

Srs. Renan Calheiros e Henrique Alves: deixem de ser indecentes enquanto há tempo. Não será surpresa se o Senado e a Câmara forem invadidos pelo povão durante o expediente. Conselho não se dá gratuitamente, mas continuar brincando com fogo é muito arriscado.

Ademar Monteiro de Moraes ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

*

ESQUIZOFRENIAS POLÍTICAS

Não me surpreendem as recentes notícias sobre a utilização indiscriminada de aviões da FAB pelos nossos representantes. Os administradores brasileiros utilizam-se dos meios estatais como se fossem seus; o princípio republicano é violado diametralmente todos os dias, diga-se de passagem, por quem mais deveria respeitá-lo. Creio que os administradores e representantes brasileiros precisam parar com essas atitudes quase esquizofrênicas. Nada adiantará transformar a corrupção em um crime hediondo, se nossos políticos agredirem frontalmente as bases da República brasileira, que está assentada na lisura e na publicidade dos atos administrativos.

Clóvis Alberto Bertolini de Pinho clovisab93@gmail.com

Curitiba

*

PULANDO CATRACAS

O presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Alves, acompanhado de seus parentes, foi flagrado passando debaixo da catraca do avião da FAB, para não pagar a viagem para assistir à final da Copa das Confederações. Sem jeito, resolveu dar uma de estudante para reembolsar apenas meia passagem da trupe. Já o presidente do Senado Renan Calheiros, que também passou debaixo da catraca do jatinho para ir a um casamento, alegou, pasmem, direito a passe livre. Lamentável.

 

Yoshitomo Tsuji y.ts@hotmail.com

São Paulo

*

DE OUTRO MUNDO

A atitude de Renan e seus pares, com tudo que anda acontecendo nas ruas, mostra o total desprezo pelo povo que representa! Vivem em outro mundo, distante da realidade que vive a maioria dos brasileiros! Esses cidadãos não tem o menor receio da ira do povo, continuam vivendo na bonança de uma instituição falida que é o Congresso e Senado!

 

Armando Favoretto Junior  malhariopardo@hotmail.com

São José do Rio Pardo

*

MÚMIAS

Ah! Que inveja dos egípcios que derrubaram um governo que não atendia aos anseios populares. E aqui, uma porção de múmias fingindo governar e até “cover” fajuta de faraó andando em avião da FAB de graça!

Flavio Marcus Juliano opegapulhas@terra.com.br

Santos

*

CHEFE DE PODER

Senador Renan Calheiros (PMDB), deixe de ser irônico, chefe de poder só existe um: Deus. Numa democracia como a nossa, quem manda e dita a normas é o povo. Devolva o dinheiro do povo gasto pela mordomia de que usufruiu na Bahia num avião da FAB. Direitos de representação eu entendo somente a serviço do Estado, não para servir amigos.

Antonio Rochael email antoniorochael@gmail.com

Iguape

*

VOCÊ SABE COM QUEM ESTÁ FALANDO?

Nosso Legislativo aposta na passagem do tsunami para que tudo volte ao esquecimento. Essa é a impressão que passa a atitude de seus líderes Renan Calheiros e Henrique Alves no recente evento em que foram flagrados com a mão na passagem grátis. O “Você sabe com quem está falando?” é o argumento de Renan para não pagar a viagem extemporânea. Já Alves, com mais de 40 anos de Legislativo, escapole pelo pagamento do devido. Essas atitudes comprovam a hipocrisia de suas manifestações recentes em prol do clamor popular. Tentam dar a impressão de reabilitados aos olhos da população, devido à alta rejeição manifestada por ocasião de suas escolhas para a posição que exercem, mas não conseguem. No final, a natureza fala mais alto.  Lamento pela população de Alagoas e do Rio Grande do Norte serem representadas por esses elementos nefastos e alheios ao momento vivido pelo povo brasileiro.

Sergio Holl Lara jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba

*

FARRA AÉREA BRASILEIRA

Pelo fim a jato da FAB – Farra Aérea Brasileira. Basta!

 

J. S. Decol decoljs@uol.com.br

São Paulo

*

MOVIMENTO PASSE LIVRE

Querem maior prova de que a Câmara e o Senado não só aderiram ao movimento como deram exemplos explícitos de adesão, voando nos jatos da FAB por esse Brasil afora, “tudo de grátis”? Tudo bem que eram situações emergenciais, uma era um casamento, a outra um jogo de futebol.

Jair Freire assim.soja@gmail.com

São Paulo

*

DETALHES DA FESTA

Não é preciso ouvir do ministro chefe do Supremo, Joaquim Barbosa, nem do presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Alves, e muito menos do ministro da Previdência Social, Garibaldi Alves, que o jogo final da Copa das Confederações entre o Brasil e Espanha foi ótimo, pois, afinal, o Brasil inteiro assistiu a ele e pagou para que essas ilustres personagens de nossa República assistissem ao jogo de futebol no Rio de Janeiro no Maracanã. Mas o que nós gostaríamos de saber mesmo é como é que foi o casamento no sul da Bahia. A noiva estava bonita? A festa e os comes e bebes estavam bons? Alguém reclamou que a festa não foi boa? A essas perguntas quem pode responder é o senador Calheiros: esteve por lá, ficou até as três da manhã do domingo, mas voltou a jato para Brasilia. Segunda-feira era dia de trabalho.

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

*

SOCORRO

Ontem ouvi e li de que o presidente da Câmara, (reservo-me o direito de não declinar seu nome) vai devolver aos cofres públicos o dinheiro gasto por uso indevido de avião da FAB, com a festança familiar no Rio de Janeiro. Não é por nada não, mas o referido cidadão faria muito se devolvesse também seu cargo. Com meus botões, penso: na ausência da presidente e do vice, o País estaria nas mãos dessa figura. Socorro!

J. Perin Garcia jperin@uol.com.br

São Paulo

*

BOCA NA BOTIJA

Diz um ditado popular que “o cachimbo vai indo que entorta a boca”. E é verdade, pois os maus hábitos já estão tão arraigados que, mesmo num momento de grande transformação da sociedade brasileira, como indicam as manifestações de rua da nossa população, certos políticos ainda não se aperceberam que a sociedade começa a lhes cobrar prestação de contas. Reembolsar posteriormente ao Estado um valor extremamente duvidoso só porque foi pego “com a boca na botija” não resolve. Queremos mais ética na Política.

Níveo A. Villa niveoavilla@terra.com.br

Atibaia

*

POLÍTICOS SURDOS

O Movimento Passe Livre já está beneficiando os presidentes da Câmara e do Senado. O primeiro utilizou avião da FAB para assistir a final da Copa das Confederações e o segundo utilizou avião da FAB para assistir, em Trancoso, ao casamento da filha de um senador do Amazonas. Alguém acredita que esse tipo de político ouve a voz das ruas?

Maurício Rodrigues de Souza mauriciorodsouza@globo.com

São Paulo

*

PATOLOGIA ÉTICA

 

O Brasil todo em ebulição e o folgado e inconseqüente presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, levando toda a sua família e agregados para assistir à final da Copa das Confederações no nosso avião da FAB. Muito bonito, hein? Fez graça com o nosso dinheiro e só devolveu porque foi pego. E você, Renan, vai devolver quando? Será que vocês não tem conserto mesmo?  Será que é patológico? Ou muita cara de pau?

 

Alessandro Lucchesi timtim.lucchesi@hotmail.com

Casa Branca

*

VOOS ILIMITADOS

Estudantes querem passe livre nos ônibus, parlamentares e seus familiares não abrem mão do passe livre nas aeronaves... Não é mesmo, senhor presidente da Câmara?

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

FUNÇÕES OFICIAIS?

O senador Renan Calheiros disse que usou o avião da FAB para ir a um casamento representando o Senado. Vem cá, senador, foi expedido pelos nubentes um convite endereçado ao Senado Federal? A instituição Senado foi convidada? Se foi, o Sr. tem razão. Se não, é antiético. Faltou com respeito ao dinheiro público. Sem maiores discussões.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

FESTA DA UVA

O “erro” do presidente da Câmara só veio à tona porque alguém deu com a língua nos dentes sobre a festa da uva no avião da FAB. E ele ainda acredita que basta fazer uma cara contrita e devolver o dinheiro das passagens para ficar bem na fita, como se o ato em si não configurasse, além do deboche, o eterno dolo que os políticos brasileiros infringem ao povo que lhes paga as contas.

 

Doca Ramos Mello ddramosmello@uol.com.br

São Sebastião

*

VOU DE AEROTÁXI

Ingênua era a Angélica, que ia de táxi...

 

A. Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

SAFADEZA

De acordo com a imprensa, o presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves, não tinha nenhum  compromisso oficial agendado no fim de semana, e, portanto, a sua declaração de que foi  um “equívoco”, dar carona no avião da FAB para levar a noiva e parentes para assistir ao jogo no Maracanã é malandragem e safadeza mesmo! Se não fosse a imprensa, ficaria por isso mesmo!

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com    

Campinas

*

MAU EXEMPLO

Os presidentes da Câmara e do Senado não honram o mandato, fazendo turismo alhures enquanto o circo pegava fogo por aqui. Atendem compromissos particulares em aviões da FAB, enquanto o povão anda esmagado nos ônibus, trens e metrôs. Uma nova geração de políticos precisa ser construída nesse país, se quisermos dar nova chance à democracia representativa. Sem voto obrigatório, sem reeleição e corte substancial das mordomias de parlamentares e políticos.

Yvette Kfouri Abrão m.abrao@terra.com.br

São Paulo

*

CONTA ESTRANHA

O presidente da Câmara levou a namorada e amigos num jato da FAB de Natal ao Rio para ver o jogo no último domingo. Disse que se arrependeu e vai pagar as passagens. Vai pagar o valor das passagens, em oferta, ou vai pagar o custo da viagem de jatinho?

 

Gaspar Gasparian Filho gaspar.gasparian@uol.com.br

São Paulo

*

A REFORMA QUE NÃO SAIRÁ

 

 Seja por plebiscito, referendo ou o que seja, a reforma política não ocorrerá, ou não será nada mais do que um arremedo, sem grandes mudanças. É claro: se os políticos é que vão escrevê-la e aprová-la, não vão alterar as formas como foram eleitos e muito menos perder todas as benesses conquistadas e que consideram como cláusulas pétreas, como verbas indenizatórias, voto secreto, senador sem voto, financiamentos de campanhas, etc., etc. A prova disso é a absoluta naturalidade, apesar das copiosas manifestações do povo contra o mau uso do dinheiro público, com que Renan Calheiros e Henrique Alves requisitaram jatinhos da FAB para eventos particulares, claramente desligados da representação funcional. Deveriam ser citados por indecoro parlamentar. Mas, na casa do “vicio insanável da amizade”, nada ocorrerá, assim como a reforma política – e dos políticos –, que é mãe de todas as batalhas, pois todas as reivindicações populares passam pelo Congresso.

 

Luiz Sérgio Silveira Costa lsscosta@superig.com.br

Rio de Janeiro

*

A MISTURA ENTRE O BRASIL E EGITO

O País pegando fogo e a presidenta só preocupada com plebiscito, que o povo não tem a mínima ideia  do que seja. Vamos virar outro Egito?

 

Harry Rentel harry@citratus.com.br

Vinhedo

*

AINDA HÁ TEMPO

Excelentíssima ministra Cármen Lúcia(TSE), caso a senhora tenha algum peso  no sentido de contribuir para que não seja  realizado  esse  “delírio” da presidenta Dilma chamado plebiscito,   por favor faça isso. Não permita essa mácula no seu  currículo.

 

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

POVO PACIENTE, NÃO ADORMECIDO

Se em apenas três semanas a popularidade da presidente Dilma caiu de 57% para 30%, será que vão querer arriscar em ouvir o povo num plebiscito? O brasileiro não estava dormindo. Somos apenas pacientes. Diz um ditado que um dia a “sorte” bate à nossa porta e, se não estivermos preparados, ela vai embora e pode nunca mais voltar. O PT abriu a porta, enganou a sorte e ela entrou. Mas na verdade nunca se preparou. Achou que com uma propaganda mentirosa conseguiria manter a porta fechada. Mas gestão se faz com preparo e a sorte se cansou com o povo brasileiro e a aprovação ao governo da presidente Dilma despencou. Os petralhas, ainda vaidosos, querem jogar nas costas do povo sua falta de competência política, impingindo a nós um plebiscito. Seria a saída? Na verdade a soberba e o descaso foram tantos que o povo está nas ruas respondendo que não se engana a “sorte” com mentiras e grita em uníssono: fora PT!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br   

São Paulo

*

MEDIDAS DE DESCONSTRUÇÃO

Haddad, a exemplo dos petistas que assumem a posição de comando, adora falar mal do antecessor e tomar medidas de desconstrução de medidas importantes tomadas em benefício dos cidadãos. Um exemplo a ser notado é a decisão do novo prefeito de São Paulo de suspender as obras em andamento de um túnel de 2,3 km na zona sul, obra que está em pleno andamento desde 2002. Essa atitude necessita de uma explicação aos paulistanos, uma vez que grande parte do dinheiro público já foi usada para essa obra de importante utilização. A quem interessa essa interrupção, senhor prefeito?  

 

Leila E. Leitão

São Paulo

*

PRESIDENTE INCOERENTE

Se “Ordem significa democracia, mas significa respeito às condições da produção, da circulação e da vida da população brasileira”, se “não concordamos com processos que levam a qualquer turbulência nas atividades produtivas e na vida das pessoas”, como concordam com as desordens e turbulências do MST?

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

ECAD É REGULAMENTADO

A tribuna de honra do plenário do Senado e a presidente receberam ontem a visita de mais de 30 artistas renomados da musica brasileira, que foram defender seus direitos de arrecadação; entre ele Roberto Carlos, Caetano Veloso e Fafá de Belém. Pois bem, e pelos direitos daqueles que compram seus CDs e vão aos seus shows, por que eles não brigam por eles também? Eles estão entre os maiores formadores de opinião, capazes de atingir boa parte da população que não lê jornal, que não tem informação, votos do bolsa família, para poderem também sair às ruas, protestar e reivindicar seus direitos. Artistas, está na hora de vocês fazerem alguma coisa, não deixem a Regina Duarte sozinha de novo!

Ricardo Nóbrega cnc.eng@terra.com.br

São Paulo

*

POUSO DE EVO É NEGADO

Antes de alguém sair criticando os Europeus porque não “liberaram geral” o “coqueiro boliviano”, não podemos nos esquecer de que fora a plantação de coca e sua exportação o outro ponto forte da Bolívia, além da importação de carros brasileiros, livre de impostos, por meio de roubo e desapropriação de refinarias de empresas estrangeiras pelo valor da cocaína.

Asdrubal Gobenati asdrubal.gobenati@bol.com.br

Rio de Janeiro

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos Leitores

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.