Fórum dos Leitores

PROTESTOS X VANDALISMO

O Estado de S.Paulo

21 Julho 2013 | 02h04

Bandidagem contratada?

Como é que os vândalos mascarados só aparecem nos locais e nos horários das manifestações de protesto e atacam da mesma forma, com as mesmas "armas", em diversas cidades de norte a sul do Brasil? A quem interessa desmoralizar e desencorajar os protestos? Já repararam a semelhança entre esses atos e os da "tropa de choque" contratada pela embaixada cubana com certos partidos de esquerda para hostilizar Yoani Sánchez em todo local aonde ia quando visitou o País?

ALBERTO FUTURO

carlos_futuro@viscondeitaborai.com.br

São Paulo

Terrorismo

Os grupos de vândalos que desde o início tomaram carona nas manifestações populares estão se transformando em terroristas organizados e como tal devem ser enfrentados. As ações de dispersão da PM devem converter-se em ações de bloqueio das vias de fuga, enfrentamento, captura e encarceramento, se necessário com o apoio do Exército. Os bandidos devem ser identificados, bem como seus líderes e objetivos, devidamente processados e punidos não só com perda de liberdade, mas com ressarcimento dos bens destruídos ou roubados. Chega de complacência!

CÉSAR F. M. GARCIA

cfmgarcia@gmail.com

São Paulo

SAÚDE PÚBLICA

Passeata dos remédios

Os brasileiros têm uma vaga ideia de que os remédios por aqui são caros. Caros, não, caríssimos! São poucos os que tiveram necessidade e oportunidade de comprar medicamentos no exterior, EUA ou Europa. No dia em que o povo souber a diferença entre o que paga no Brasil e o que se paga por lá pelos mesmos remédios, ou equivalentes, sem dúvida teremos a "passeata dos remédios". Dou alguns exemplos, mas existem centenas. Na Espanha, 40 comprimidos de Naproxeno Sódico, um anti-inflamatório de uso comum, custam 4, ou R$ 12, ao câmbio de sexta-feira; nas drogarias de São Paulo são vendidos, em média, por R$ 45 - um aumento de 275%! Na França, 30 comprimidos de Piascledine 300, fitoterápico para combater artrose, reumatismo, etc., custam 15, ou R$ 45; nas drogarias de São Paulo são vendidos, em média, por R$ 167 - uma diferença a maior de 271%! Nos EUA, um vidro com 120 cápsulas de Neovite (ou Ocuvite) Lutein, fabricado pela Bausch Lomb, vitamina usada para combater problemas de visão, é vendido por cerca de US$ 20, ou R$ 44; a mesma quantidade é vendida nas drogarias de São Paulo, em média, por R$ 200 - 344% mais! Qual a razão para tais diferenças? Impostos? Custo dos insumos? Lucros excessivos das farmácias e dos laboratórios? Sobre essa questão tão importante o governo não se manifesta. Silencia. Prefere o engodo da "Farmácia Popular", com poucos remédios e difícil de encontrar, além de contar com a má vontade das farmácias em atender por esse programa. Acorda, Brasil!

ROBERTO CATALDI

ro.cataldi@hotmail.com

São Paulo

Residência médica

Está em foco a tentativa de contar com médicos em regiões onde eles são pouco numerosos. Soluções são cogitadas e almejamos que ocorra uma boa resolução. Contudo surgem propostas criticáveis, como a de médicos mal preparados e, ainda mais, para exercerem atividades em locais que não dispõem de estrutura que possibilite atendimento adequado. Agora, entre as condutas lembradas, e por vezes impróprias, há quem deseje contratar médicos residentes, preparados fundamentalmente para se tornarem especialistas ou docentes. É um sistema que tem sido muito proveitoso e não é justo descaracterizá-lo.

VICENTE AMATO NETO, médico

amatonet@usp.br

São Paulo

Sem condições

Sou médico e sei exatamente o que significa trabalhar numa instituição pública sem as mínimas condições de estrutura. A sensação é desesperadora e desestimulante. O governo insiste nessa absurda medição de forças com a classe médica, pondo a população contra ela, e não dá nenhuma resposta convincente acerca da questão da infraestrutura necessária para um bom atendimento. Ao atrair profissionais para o programa Mais Médicos com um salário sedutor, sem maiores explicações quanto aos locais de trabalho, o governo age de forma incorreta e imoral.

LUCIANO HARARY

lharary@hotmail.com

São Paulo

Recém-formados no SUS

Com relação à iniciativa do Ministério da Saúde de prolongar o curso médico em dois anos para estágios no SUS, gostaria de dar meu depoimento, depois de quase 20 anos como consultor permanente da Organização Pan-Americana da Saúde. Vários países latino-americanos tentaram implementar um "internato rural" para atender populações carentes. Tive duas experiências opostas nesse período. No México, na fronteira com Belize, encontrei um médico recém-formado, totalmente desiludido da profissão, realizando atendimentos como agora se propõe no Brasil, num centro de saúde que não apresentava nenhuma condição de funcionamento, sem energia elétrica para conservar vacinas, sem laboratório nem apoio de radiologia. Exausto! Nos Andes peruanos encontrei outro jovem, que havia feito dois anos de residência em Clínica Médica após o internato. Ele montou seu próprio minilaboratório para análises básicas, tinha um hospital próximo para referência de casos e recebia revistas médicas e outros documentos para sua atualização. Se o ministério pensa que seis anos de curso médico, mais um ou dois de internato, são suficientes para formar profissionais competentes, está totalmente enganado. A formação médica leva tempo, necessita preceptoria acadêmica constante após o curso. Enviar recém-formados para o SUS sem condições laboratoriais e radiológicas mínimas, sem preceptoria diária, sem hospitais de referência é um erro, como comprovam desastrosas tentativas semelhantes feitas na América Latina.

HUMBERTO DE MORAES NOVAES

hmnovaes@aol.com

Merritt Island, Florida (EUA)

Valorização profissional

As autoridades que governam o Brasil deveriam imaginar que quem precisa de oito ou nove anos para ser médico(a) necessita de remuneração digna, equivalente, por exemplo, ao salário do mordomo do sr. vice-presidente da República. A propósito, os médicos formados em Cuba que serão importados não são os escolhidos pelo PT, custeados pelo contribuinte, sem uma seleção séria, que só foram indicados para estudar em faculdades cubanas por serem parentes ou amigos de petistas? Não seria uma maneira de empregar "enfermeiros de luxo" que não tiveram capacidade de ingressar numa faculdade de medicina séria no País? Com a palavra a oposição.

ERALDO B. CIDREIRA REBOUÇAS

real742@yahoo.com.br

São Paulo

*

CONSPIRAÇÃO INTERNACIONAL

A situação dos humoristas profissionais no Brasil está cada vez mais crítica. Estão sendo substituídos, nos grandes jornais, por políticos de moral duvidosa e a custo zero. O ridículo governador do Rio de Janeiro declarou que as manifestações na cidade, mais precisamente na sua porta, são promovidas por grupos internacionais. Tenho ouvido declarações idiotas vindas do Planalto Central, mas esta última, temperada com sotaque carioca, sem dúvida é a campeã da semana. Há poucos dias o rei de Guaratiba havia dito que tudo não passava de uma antecipação da campanha eleitoral, desencadeada pela oposição. Agora foi mais longe, concluiu que são movimentos internacionais. Acredito que se os protestos continuarem, o seu eficiente serviço de informação, provido de especialistas em Exobiologia, detectará ETs, com guardanapos na cabeça, agindo no pedaço. Seremos o primeiro país no mundo a descobrir e comprovar a existência de vida inteligente em outros mundos. Uma honra para o país da desonra.

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

CABRAL E AS FORÇAS EXTERNAS

Tem razão o governador Cabral, a mais pronta das piadas cariocas. Têm origem no exterior as manifestações contra S. Exa. Os garçons do Maxim's, do Grand Véfour, do La Coupole, da Brasserie Lipp estão tiriricas com a ausência do governador Cabral e seu grupo de funk "Guanabarinos Guardanapos Fandangueiros". Devem ser coisa deles as manifestações no Leblon, na tentativa de que o régio cliente e moço de fino trato Sérgio Cabral volte logo a Paris. No que são apoiados pelo pessoal da Maré, da Vila do João, do Vidigal, da Rocinha e do Alemão.

Alexandre de Macedo Marques ammarques@uol.com.br

São Paulo

*

NOCAUTE

A desculpa esfarrapada mostra que, grogue como está, não demora e Cabral joga a toalha, isto é, o guardanapo...

Ald. Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

INVENCIONICE PUERIL

Se fosse aquele Cabral, naquela época, que supostamente descobriu o Brasil, dizendo que existem grupos internacionais "estimulando o vandalismo e o quebra-quebra", poderíamos até acreditar em tais conjeturas. Sérgio Cabral Filho, governador do Rio de Janeiro, diz que sabe que existem organizações internacionais orquestrando a baderna que ocorre em seu Estado. Ele diz que sabe, mas não diz de onde vem a orientação para tumultuar a vida do carioca. Assim é fácil, portanto, vemos isso como uma invencionice pueril, para fugir à responsabilidade inerente ao cargo que ocupa. Idiotice pura!

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

*

FANTASIAS

As declarações do governador do Rio atribuindo os protestos a organizações internacionais não identificadas, além de fantasiosas, demonstram uma capacidade de análise oscilando entre o ingênuo e o tendencioso. É fácil perceber que os movimentos são originados pela indignação da sociedade em relação a um governo que, mesmo de origem popular, não sobe produzir uma qualidade de vida condizente com o momento econômico favorável. É também fácil ver que o protesto apresenta as mais diferentes matrizes a partir de uma esquerda fragmentada que se expressa nos mais diferentes movimentos, uma direita conservadora, reacionária, nacionalista, confiante no desenvolvimento capitalista, que, ao lado dos militantes mais intransigentes, junta muitas pessoas mal informadas e normalmente pouco interessadas nas questões políticas. Os grupos principais dos manifestantes são, entretanto, representados pela população das periferias e, particularmente, por jovens sem uma precisa posição política, mas conscientes da condição de marginalizados de um sistema econômico que beneficia somente uma minoria. As praças continuam se enchendo com dinâmicas confusas e de não fácil interpretação deixando, porém, clara a esperança que estes dias de protesto representem uma ocasião para que os movimentos sociais saiam do impasse e da estagnação destes últimos anos cheios de promessas e com poucas realizações.

Francesco Magrini framagr@ig.com.br

Cachoeira

*

ATOLEIRO CARIOCA

O governador Sérgio Cabral quer dar um tom internacional ao quebra-quebra do Leblon, culpando "organizações da Irlanda e dos EUA". É ridículo o argumento. Cabral sabe quem fomenta o vandalismo no Rio é o PT carioca e um ex-governador trambiqueiro. Mas a desordem da Cidade Maravilhosa tem origem,na era Brizola, quando se reuniam em festas, nas coberturas de Ipanema e Leblon, todos juntos, juízes, traficantes, milicianos, bicheiros, travestis, prostitutas, artistas, jornalistas, empresários, jogadores de futebol e políticos de todos os partidos. Sem dúvida, a desgraça do socialismo moreno se perpetuou no Rio de Janeiro.

José Francisco Peres França josefranciscof@uol.com.br

Espírito Santo do Pinhal

*

DEMAGOGIA

Governador Sérgio Cabral, deixe de demagogia barata e culpe exclusivamente sua gestão medíocre pelo protesto pacífico da população carioca.

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

CRISE POLÍTICA NO RJ

A grave crise política no Estado do Rio de Janeiro é resultado direto da não convocação de uma CPI por improbidade administrativa contra o governador por uso do helicóptero. Se a Assembleia Legislativa ouvisse a voz das ruas e usasse suas prerrogativas, provavelmente não haveria manifestação nas ruas contra a grande distância existente entre os representantes e os representados.

Luiz Roberto Da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br

Campinas

*

VIOLÊNCIA NO RIO

Tenho uma pergunta: a televisão esteve lá, onde estava a polícia? Tivemos cinco minutos de transmissão sem comentário na TV Globo, o time de reportagem acompanhou os mascarados de perto, mas a polícia estava longe, por quê?

Eckhard E. Kupfer ekupfer@martiusstaden.org.br

São Paulo

*

A QUEM INTERESSA?

Onde estava a polícia durante os atos de vandalismo ocorridos no Leblon, além de estar protegendo as redondezas do prédio de Sérgio Cabral? Pasmo, assisti pela televisão a um quebra-quebra inacreditável, com grupos de marginais e aproveitadores destruindo e roubando tudo o que viam pela frente, sem que um único policial aparecesse para impedi-los. Fico até pensando que esses atos de violência são do interesse dos nossos governantes, pois amedrontam os cidadãos que saíram às ruas em protestos pacíficos e os farão pensar duas vezes antes de saírem em novas passeatas, pela possibilidade da ocorrência de uma tragédia, com os vândalos participando livremente ao seu lado e uma consequente repressão de seus atos. É bem provável que a polícia tenha sido instruída a deixar o caos ser instalado para que o povo passe a achar que sair às ruas é uma atitude de extremo risco.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

DEPREDAÇÕES E SAQUES

Comovente e revoltante o pranto de um comerciante que teve seu estabelecimento depredado e saqueado nessa onda de terrorismo que assola o País. Na mesma matéria da TV, o comandante da PM do Rio de Janeiro declarou que a tropa é constantemente provocada com cuspe e até urina jogados neles. Isso está acontecendo em várias cidades. Temos uma situação esdrúxula: governantes determinam demagogicamente que não haja reação das tropas com balas de borracha e bombas de gás. Até quando a população ordeira e cidadã ficará refém desses bandidos?

Armando Madeira armando.madeira@vivointernetdiscada.com.br

Campinas

*

ESTADO DE DIREITO E ANARQUIA

Existe certa parcimônia por conta das Polícias Militar e Civil quanto à repressão aos saques que ocorrem no Rio de Janeiro contra o cidadão ordeiro, cumpridor dos seus deveres, principalmente encher os cofres dos governantes para suas farras em terra, mar e ar. O que se tem notado é que as turbas que invadem as ruas não estão a fim de protestar coisa nenhuma, é, sim, uma operação coordenada de gente do ramo. Chamar essa malta de vândalos e baderneiros é até elogio. Só podem ser chamados de ladrões e criminosos, pois esses movimentos têm como objetivo a destruição do patrimônio alheio e o saque de lojas, numa agressão sem limites ao direito de propriedade. Sem falar na proverbial ausência de proteção daqueles que cuja atribuição é usar a força para conter esses infratores da ordem pública. Essa atitude das polícias, "observando à distância", é orientação dos próprios governantes, que antes de qualquer ordem para preservar a vida e o patrimônio dos munícipes pensam na repercussão que a medida poderá causar na próxima eleição. Os proprietários de estabelecimentos comerciais que foram saqueados e destruídos devem cobrar seus prejuízos do Estado, a quem pagam seus impostos para ter segurança. Qual a diferença que existe entre bandidos que explodem um caixa eletrônico bancário e um saqueador de lojas? Quantos até agora foram presos e julgados?

Jair Gomes Coelho

Vassouras (RJ)

*

PROTESTOS E CRIMES

Uma das grandes falhas da nossa legislação penal é o tratamento de crimes cometidos por grandes grupos ou multidões. Como aconteceu com os invasores da Reitoria da USP e integrantes do MST em inúmeras invasões, muitos dos vândalos que há semanas arrebentam tudo nas grandes cidades, se processados, provavelmente terminarão absolvidos pela ausência da exigida "individualização das condutas", o que, no atual estágio, é apenas um estímulo à covardia, à lei do mais forte e ao comportamento tribal. Explico. Se um sujeito, sozinho, sai cometendo vários atos de vandalismo, ele responderá sozinho e integralmente pelo que fez. Já se ele se juntar a um grupo de colegas e cometer os mesmos atos, como não se conseguirá identificar quem fez o quê (um quebrou uma vitrine, outro queimou uma lixeira, etc.), todos provavelmente serão absolvidos, o que não é nada justo. Em tempo, pergunta que não quer calar: a Polícia do Rio de Janeiro (e de outros lugares) não consegue conter cem vândalos em poucas ruas ou não quer fazê-lo, pois a mídia parece que está sempre a apoiar a minoria de vândalos, e tem medo da reação desta? Já é hora de apoiarmos um pouco mais a nossa polícia, não?

Luiz Augusto Módolo de Paula luaump@yahoo.com.br

São Paulo

*

GIGANTESCO ENGODO

As notícias nos dão conta de que o novo Código Processual Civil (CPC) se distanciou daquele texto original que foi passado a todos os tribunais do País. Não que isso seja um grande problema, mas indica que nem sequer sentido mais democrático o novo texto observa. Quem trabalha diuturnamente com essa ferramenta e possui sentido prático, voltado para melhor operacionalidade e rapidez do processo civil, sabe que não precisamos de um texto longo e minucioso. Apenas um único procedimento deveria ser previsto, com um único artigo prevendo as hipóteses deflagradoras da concessão de liminares, cautelas e antecipação de tutela. Os dois maiores entraves que perturbam atualmente o processo ocorrem em momentos opostos, que são o seu ponto inicial, com a citação formadora da lide, e o seu ponto final, materializado pela demora no reconhecimento do trânsito em julgado, alongado em razão da multiplicidade de recursos, mormente porque os tribunais de Brasilia ampliaram, com interpretações extensivas, a competência constitucional para o conhecimento de recursos especial e extraordinário. De que adianta uma fórmula enxuta de processo se este claudica no seu ponto inicial, pois no Brasil não há o que seria fundamental, a previsão de ENDEREÇO OFICIAL, onde as citações, intimações e notificações se efetivam sem entraves e demora, realizadas por simples carta registrada no endereço indicado para a formação do banco de dados oficial? Para se ter uma ideia da prática forense, por exemplo, num usucapião constitucional, o ciclo de citação dos confrontantes tem uma demora aproximada de cinco a oito anos, com um custo elevado e a eternização do processo. Esse ponto nem sequer foi considerado pela comissão. Uma lástima. Também a questão recursal não foi tratada com a atenção necessária. Seria relevante que os relatores do novo texto soubessem que o segundo grau de jurisdição, tribunal que deveria dar a quase totalidade dos julgamentos finais (afora casos ESPECIAIS e EXTRADORDINÁRIOS), em razão da burocracia processual que está sendo preservada, chegam a julgar um mesmo processo SETE vezes, considerando o recurso principal, os embargos, agravos regimentais e a terrível fase de repercussão geral e recursos repetitivos, momento em que o julgamento passa a ser considerado não como um produto artesanal, para aquele caso e aquelas pessoas, mas como uma indevida forma de julgamento por atacado. Lamentamos muito, mas efetivamente não tínhamos esperança de um porvir processual adequado. Afinal, é da formação do brasileiro a tentativa de criar leis burocráticas e maçantemente detalhistas. Um novo CPC não precisaria ter mais do que 100 artigos. Estamos sempre perdendo o trem do progresso. Salve o agronegócio, que viabiliza economicamente a Nação, dando fôlego para todas as besteiras institucionais.

Venicio Salles, desembargador do TJSP veniciosalles@uol.com.br

São Paulo

*

ECONOMIA

Eike Batista teve êxito em levantar bilhões de reais com juros subsidiados no BNDES, apresentando somente projetos. Consistência? Somente promessas. Então, como pode ter havido algo de social nessa negociação, se nem os milhares de empregos foram criados? Com influência de quem essas operações foram concretizadas? Acho oportuno o "Volta Lula", mas para ele explicar toda essa lambança com dinheiro do Tesouro Nacional (leia-se dinheiro público), haja vista sua proximidade com esse empresário. O Ministério Público tem a obrigatoriedade de ouvir todos os envolvidos e mostrar muita transparência nesse assunto, que interessa, sim, a todos os brasileiros. Esse possível prejuízo não pode simplesmente ser debitado ao contribuinte e a toda a sociedade.

Ademar Monteiro de Moraes ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

*

LULA É O NOSSO EIKE POLÍTICO

Prometeram mundos e fundos, torraram uma grana em marketing e agora estamos vendo a realidade. Um nos enganou com a miragem dos poços de petróleo, o outro nos fez acreditar que um "poste" era a mãe do PAC. Triste sina de um povo iludido. "O grande perigo que corremos, iludindo os outros, é que acabamos por nos iludirmos" (Eléonore Duse).

Achille Aprea newplay1@terra.com.br

Vitória

*

VOLTA, LULA

Tem gente do PT querendo Lula de volta... Volta Lula, volta, mas não volta pra Brasília, volta para Garanhuns pra decepcionar sua quadrilha...

Gilberto Dib www.dib.com.br

São Paulo

*

IRMÃOS SIAMESES

Qualquer pessoa letrada entende que o PT e o Lula são irmãos siameses: um depende do outro. O recente sumiço do ex-presidente mostrou que a presidenta respira com dificuldade, mas respira. Já no caso do PT sem o Lula, somente com aparelhos e a caminho da UTI.

João Camargo democracia.com@estadao.com.br

São Paulo

*

ESTROINAS

"Numa casa que não tem pão, todo mundo grita e tem razão!" Desse jeito nos conduziu o desgoverno do PT, com figuras ridículas como a dona Redonda Ideli Salvatti; personagens cínicos como o Mantega; sorrateiros como o Mercadante; enganadores como José Eduardo Cardozo; submissos como Gleisi; falsos como Gilberto Carvalho, todos sob a vara de um poste voluntarioso, soberbo e incompetente! Agora se vêem perdidos sem o rei! Os 22 mil assessores diretos, os 39 ministros, os sindicatos pelegos, a UNE, o MST e a base parlamentar? Resposta: não passam de estroinas da Nação!

Eugênio José Alati eugeniojosealati@yahoo.com.br

Campinas

 

*

COMPLICAÇÕES PARTIDÁRIAS

O governo do PT está tão complicado que até a próxima eleição presumo que terá petista mudando de partido.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

PERDIDINHA E PERDIDÃO

Lá em Brasília é a perdidinha, enquanto aqui em São Paulo é o perdidão.

Nelson Pereira Bizerra nepebizerra@hotmail.com

São Paulo

*

A QUEDA

A queda vertiginosa na aceitação do governo Dilma é um alerta aos petralhas, que sempre acharam, em sua arrogância, que governar é equivalente a fazer marketing, visando a influenciar os eleitores de que o "produto" oferecido é o melhor. Porém propaganda de serviços que nunca existiram acaba sendo desmascarada e a verdade não condiz com a realidade vivida. Aquele bando de tolos acordou pra vida e o marqueteiro terá de ralar pra mostrar uma Dilma eficiente.

Leila E. Leitão

São Paulo

*

VERGONHA E BOM SENSO

Os atuais partidos que dominam o "pudê" no País há mais de 11 anos precisam criar vergonha e bom senso, deixando de responsabilizar sempre a oposição, atribuindo-lhe culpa pelos tumultos ocorridos durante as manifestações populares. É de nosso pleno conhecimento quem os infiltrou para essa finalidade. Além disso, é sabido que as manifestações e os protestos ocorrem em função da irresponsabilidade do atual governo corrupto, roubando, desviando e superfaturando.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

A BARATA DIZ QUE TEM

Todos nós já fomos criança um dia e aprendemos a cantar as coisas do nosso país. É por isso que cantamos hoje:

A barata diz que tem

Um governo competente

É mentira da barata

Seu governo rouba a gente

Ah-ah-ah, oh-oh-oh

Seu governo rouba a gente!

A barata diz que tem

Um governo controlado

É mentira da barata

Seu governo é desastrado

Ah-ah-ah, oh-oh-oh

Seu governo é desastrado!

A barata diz que tem

Manejo pra governar

É mentira da barata

Ela sabe é trambicar

Ah-ah-ah, oh-oh-oh

Ela sabe é trambicar!

A barata diz que tem

Amigos de confiança

É mentira da barata

Todos eles são pilantras

Ah-ah-ah, oh-oh-oh

Todos eles são pilantras!

A barata diz que tem

Meta pra economia

É mentira da barata

Lá vem mais patifaria

Ah-ah-ah, oh-oh-oh

Lá vem mais patifaria!

A barata diz que tem

Dinheiro pra educação

É mentira da barata

Só tem pra corrupção

Ah-ah-ah, oh-oh-oh

Só tem pra corrupção!

A barata diz que tem

Melhoria pros transportes

É mentira da barata

Vai ser só mais um calote

Ah-ah-ah, oh-oh-oh

Vai ser só mais um calote

A barata diz que tem

Um projeto pra saúde

É mentira da barata

Compre logo um ataúde

Ah-ah-ah, oh-oh-oh

Compre logo um ataúde!

A barata diz que tem

Como impor a segurança

É mentira da barata

Ela só pensa em vingança

Ah-ah-ah, oh-oh-oh

Ela só pensa em vingança!

A barata diz que tem

Fama de ser arrojada

É mentira da barata

Ela tá muito é folgada

Ah-ah-ah, oh-oh-oh

Ela tá muito é folgada!

A barata diz que tem

Dinheiro na sua beca

É mentira da barata

Ela guarda é na cueca

Ah-ah-ah, oh-oh-oh

Ela guarda é na cueca!

A barata diz que tem

Amor pela sua tia

É mentira da barata

Ela ama a anistia

Ah-ah-ah, oh-oh-oh

Ela ama a anistia!

A barata diz que tem

Muita grana pra doar

É mentira da barata

Ela quer é te enrolar

Ah-ah-ah, oh-oh-oh

Ela quer é te enrolar!

A barata diz que tem

Prova que foi torturada

É mentira da barata

É pra ser indenizada

Ah-ah-ah, oh-oh-oh

É pra ser indenizada!

A barata diz que tem

Diploma de economista

É mentira da barata

Ela ainda é terrorista

Ah-ah-ah, oh-oh-oh

Ela ainda é terrorista!

A barata diz que tem

Plano para melhorar

É mentira da barata

Ela só vai piorar

Ah-ah-ah, oh-oh-oh

Ela só vai piorar!

A barata diz que tem

Coragem pra resistir

É mentira da barata

Ela gosta é de mentir

Ah-ah-ah, oh-oh-oh

Ela gosta é de mentir!

Francisco Ribeiro Mendes mendes.brasilia@gmail.com

Brasília

*

LUGAR DE CHORAR

O poste do Lula Haddad diz que não pode fazer nada em relação ao péssimo serviço dos ônibus? Só pode ser brincadeira ou piada de mau gosto. Se é a Prefeitura que paga as empresas, então é só não pagar. Afinal de contas, ele queria ser prefeito para quê? Para nada assumir? Então que peça para ir e vá embora. No Brasil, resolvem-se os problemas mexendo no bolso dos canalhas e dos crápulas. A hora é agora. O serviço tem de ser melhorado. É para isso que existe o tal prefeito. Por favor, lugar de chorar é no cemitério.

Mustafa Baruki mustafa-baruki@bol.com.br

São Paulo

*

REFORMA POLÍTICA

Do jeito que vamos, que condições tem dona Dilma de continuar como presidenta do Brasil? Não consegue perceber o que quer a multidão nos protestos: educação, saúde, segurança, fim da corrupção, fim do loteamento dos ministérios pelos políticos e seus privilégios, etc. "Ella" vem com plebiscito sobre regras para a eleição a toque de caixa (só pensa nisso) e fala como se fosse ventríloqua, inábil com os partidos coligados, inábil com as soluções para a saúde, vaiada pelas multidões e agora vaiada por seus pares políticos. Aonde vamos, nessas mãos?

Maria Cecilia Centurion www.ceciliacenturion.com.br.

ceciliacenturion.g@gmail.com

 

*

CRISE SISTÊMICA

Que uma reforma política no País é necessária não há dúvidas, assim como reformas em vários aspectos, pois está claro que temos uma crise sistêmica com raízes estruturais e que não há o menor interesse das classes dominantes de realizar essas mudanças, pois ela é quem aufere os lucros destes desarranjos. O modelo que temos está falido, mas quem vai ter a coragem de propor e lutar para uma mudança significativa no status quo? Projetos com aparência de efetivos são na verdade um tiro no pé, como é o do fim do foro privilegiado para deputados, senadores e juízes. Quando se constata que o sr. Paulo Maluf apoia, é de se pensar bem por que isso seria bom para a sociedade. Ele é um deputado federal procurado pela Interpol, sua mulher tem um anel posto para leilão na Christie’s, confiscado pela promotoria de Manhattan. Isso já explica tudo. Não houvesse foro privilegiado, o processo do mensalão estaria lá embaixo, sabe-se lá em que instância, e não julgado e condenado como está. Na primeira instância de Minas Gerais, por exemplo, dorme processo contra o sr. Lula da Silva e seu ministro da Previdência pelas cartas recomendando o BMG para aposentados. Portanto, as reformas das quais necessitamos são tão grandes que dificilmente as teremos.

Maria Tereza Murray terezamurray@hotmail.com

São Paulo

*

PELA METADE

Dona Dilma, ninguém falou em meia reforma política, ok?

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

PERGUNTAR NÃO OFENDE

Será que os salários e as mordomias dos nossos políticos vão ser glosados com a tal reforma política? Ou podemos ter a certeza de que não? Pois uma coisa é certa: o que os nossos inescrupulosos políticos mais sabem fazer é administrar, e muito bem, seus próprios bolsos, enquanto a Nação fica à deriva. Coitado do massacrado contribuinte, que, além de não ter retorno de nada, ainda tem de sustentar esse bando de "lesa-pátria".

José Pedro Zanetti zanettao@yahoo.com.br

Rio Claro

*

OS VERDADEIROS VÂNDALOS

A presidência da Câmara dos Deputados gastou R$ 28,4 mil num jantar na residência oficial do presidente da Casa para 80 pessoas. Eu não vou nem dizer o que foi servido para não me irritar mais ainda. Será que essas pessoas sabem que tem brasileiro que sai de casa sem café da manhã? Vem cá, quais são os verdadeiros vândalos, hein? Os das passeatas ou esses políticos?

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA

Os partidos somente deveriam apresentar candidatos a presidente que tivessem sido governadores. Periodicamente deveria haver uma análise comparativa da gestão de todos os governadores para avaliar os melhores métodos de administração – os mais adequados seriam candidatos a presidente.

Alfredo Muradas Dapena, alfredomdapena@gmail.com

Rio de Janeiro

*

UM ALERTA E UM APELO

Diante da triste situação em que se encontra o País, fazemos um alerta e um apelo aos partidos políticos: selecionem os candidatos que irão lançar nas próximas eleições. Procurem os fichas-limpas, pessoas que encarem a política com seriedade, como os suíços, e não como meio de vida, buscando o poder e a riqueza para si, para a família e para os amigos. Que eles possam apresentar bons projetos para melhorar a vida, principalmente dos mais carentes, na educação e na saúde, pilares fundamentais para o trabalho e para a prosperidade de qualquer cidadão. Tudo na vida tem começo, meio e fim: começa com os partidos indicando os candidatos, depois vem a responsabilidade dos eleitores, votando com consciência e, finalmente, não passamos novamente pela vergonha de denunciar mensalões.

Odiléa Mignon cardosomignon@gmail.com

Rio de Janeiro

*

SÉRIA DECISÃO

Logo, logo, estarei desobrigado de votar, e vou ter de tomar uma séria decisão: se desisto do exercício da cidadania ou continuo por teimosia. Até aqui eu só perdi. Nem sei dizer quantas leis, portarias e o diabo a quatro foram editados para criar obrigações para os cidadãos, ou seja, para nos pôr na linha. Mas nada, nadinha, para colocar os membros dos três Poderes na obrigação de servidores da Nação. Chego à reta final sem saber o que é viver numa República democrática. O máximo que vivi foi a obrigação de votar e poder falar sem ser ouvido. Vou pensar!

Sérgio Barbosa sergiobarbosa@megasinal.com.br

Batatais

*

MENSALEIROS

No ano de 2012, no mês de julho, eu estava ansioso pela chegada do dia 2 de agosto. Era o início do julgamento do mensalão pelo Supremo. Chegara o dia tão aguardado. Até o brilho do sol estava diferente. Foi bonito de ver. Durante o julgamento o País tomou conhecimento, com detalhes, das safadezas praticadas por homens que posavam de benfeitores no cenário político brasileiro, mas que, na realidade, eram lobos travestidos de cordeiros. Concluído em 17 de dezembro, com 25 condenados à prisão, de lá para cá me sinto como uma criança que ganhou de presente uma viagem à Disney e conta nos dedos os dias, ansiosa pela chegada do momento do embarque. Quase todas as noites eu sonho com os condenados sendo levados para as prisões. Quando será que isso vai acontecer? Quando toco nesse assunto com outras pessoas, às vezes ouço a frase "Tô pagando para ver. Isso no Brasil jamais acontecerá". Senhores ministros do STF, tenho a certeza de que milhões de brasileiros continuam acreditando que a Justiça não vai afrouxar.

Jeovah Ferreira jeovahbf@yahoo.com.br

Taquari (DF)

*

O LUGAR IDEAL

Encontramos o lugar ideal para prender José Dirceu com toda turma do mensalão: cadeia de Itirapina. Assim eles podem avaliar como anda nosso sistema carcerário e, quem sabe, refletir melhor sobre o que eles fizeram com o nosso dinheiro, que podia muito bem ser aplicado na segurança, que anda tão esquecida.

Silvio Leis silvioleis@hotmail.com

São Paulo

*

FÉTIDA IMPUNIDADE

Por que os corruptos, responsáveis pela aberração delituosa apelidada de "mensalão", já condenados pelo Supremo Tribunal Federal, ainda não foram conduzidos para a penitenciária? Por que determinado ministro do Supremo declarou que o julgamento dos "recursos" (meros embargos de declaração) poderiam levar dois anos?! Embargos de declaração são um tipo de recurso que se julga em minutos – quando muito, em escassos dias! Estaríamos nós, os brasileiros, sendo alvo de chacota por parte do Poder Judiciário?! Será que nós, brasileiros, cidadãos, eleitores, contribuintes, vamos assistir a mais uma mise-en-scène que redundará na prescrição desse crime e, consequentemente, na impunidade dos delinquentes do mensalão?

José Rubens Medeiros jrubensmedeiros@oi.com.br

Conselheiro Lafaiete (MG)

*

JUSTIÇA

Nós somos um país de hipócritas, o processo dos mensaleiros transitou em julgado, eles foram condenados no STF e continuam sentados no Congresso Nacional, além de circularem por aí!

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo

*

PEGAR OU LARGAR

Que seja para o bem ou para o mal: se a oposição não puser os pés no chão agora e começar a se movimentar no sentido de fazer frente à corrida presidencial, pode esquecer, pois oportunidade como a que se apresenta hoje não aparecerá nunca mais.

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

PRESENTE DE GREGO

Talvez não seja à toa que os partidos de oposição estejam quietos no seu canto. Se pensarmos friamente, o próximo presidente da República, eleito em 2014, herdará um problema imenso. Com pouco dinheiro em caixa, muitas dívidas, a máquina pública obesa e nada eficiente, somados aos gargalos em todas as áreas que se possam imaginar, a sucessão de Dilma é um presente de grego.

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

SEM CULPADOS

A Polícia Federal confirma que não houve crime nesse engodo do Bolsa Família. Eu fico pensando: será que não foi um ensaio para medir a reação do povo? Muito estranho ninguém ser culpado...

Marlene Orlando casemiro_kz@hotmail.com

São Paulo

*

COMPRANDO VOTOS

Depois que uma beneficiária do Bolsa Família disse que não conseguia comprar calça para filha de R$ 300 com o beneficio, vem a notícia de que um beneficiário na Bahia tentou pagar uma prostituta com o cartão do mesmo programa. Muitos outros casos grotescos pipocam pelo País. Pelo jeito, está mais do que na hora de o governo acabar com essa palhaçada, já que não vêm utilizando adequadamente com a família, como diz o programa. As ruas deveriam exigir que na reforma política que está sendo maquinada pelo PT na Câmara os beneficiários, enquanto não saírem do "programa", não tenham direito ao voto. Só assim para termos uma real noção dos benefícios trazidos à população pelo Bolsa Família, já que o governo esconde a sete chaves seus resultados! Se não, com certeza continuará caracterizando compra de votos com dinheiro do contribuinte e deverá ser considerado caso de cadeia para os dirigentes do País! Compra de votos é crime!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

BOM NEGÓCIO

Acredito que 90% dos brasileiros trocariam seus salários ou rendimentos por apenas a Gratificação Especial de Desempenho (GED) de um deputado paulista.

Alessandro Lucchesi timtim.lucchesi@hotmail.com

Casa Branca

*

VOOS DA ALEGRIA

"As despesas de custeio administrativas, como passagens aéreas, não cresceram"... Permaneceram absurdamente elevadas.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

PROGRAMA MAIS MÉDICOS

Em cada uma das consultas médicas feitas no SUS em São Paulo daqui em diante os médicos saberão administrar à população, em doses homeopáticas, o que é e como funciona nosso sistema de saúde. E aí então sugiro ao ministro da Saúde, o também médico Alexandre Padilha, ir clinicar em algum grotão paraense, como ele bem diz, para servir de exemplo à sua classe profissional, pois candidatura ao governo paulista, nem pensar. Os seus colegas paulistas de profissão vão se encarregar do resto.

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

*

QUESTÕES

Como cidadão, seguem as minhas dúvidas sobre o novo programa Mais Médicos, que aumentou de seis para oito anos o tempo de duração dos cursos de medicina no Brasil. Por que um jovem que pagou de seu próprio bolso uma faculdade de medicina particular tem de trabalhar dois anos para o SUS? Se, por exemplo, um estudante terminou o curso de medicina no Rio de Janeiro e for designado para trabalhar dois anos no interior do Amazonas, como sua faculdade irá monitorar e dar assistência a esse estudante? O estudante de medicina da USP, a partir do terceiro ano, já não trabalha no Hospital das Clínicas e no Hospital Universitário, que já fazem parte do SUS? O estudante que tem crédito educativo poderia substituir o pagamento em dinheiro pelos dois anos de trabalho no SUS? Será que nessas cidades distantes o estudante poderá contar com um mínimo de estrutura, como ambulâncias, remédios e aparelhos para exames básicos de doentes? E, para finalizar, será que esse programa do governo não abre um precedente para um intervencionismo do Estado em outras áreas universitárias brasileiras, como economia, engenharia, etc.?

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

INCOMPREENSÍVEL

Realmente, não dá para entender o motivo que faz o governo peitar a opinião da maioria dos médicos, que é contra a vinda de médicos estrangeiros. Não há infraestrutura material ou pessoal para sustentar isso. Com recursos adequados e o salário estipulado, muitos médicos brasileiros iriam com prazer morar em locais que necessitam de assistência. Se não vão é porque não dá e se não dá para a gente, que dirá para eles.

Geraldo Siffert Junior siffert18140@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

SIMPLISMO E POPULISMO

O governo quer importar médicos para espalhar pelo interior do Brasil, como se isso fosse a solução para todos. Como sempre, esses governos incompetentes procuram soluções simplistas e populistas para os graves problemas nacionais, porque de nada adiantam médicos se não existem espaço físico, aparelhos próprios, leitos, laboratórios, faltando até esparadrapo para tratar os infelizes que necessitam de atendimento especializado. As "altoridades" precisam pôr o dedo na ferida da saúde pública, que está na UTI (Unidade de Tapeação de Idiotas). Um Brasil sem miséria é um Brasil sem esses miseráveis no comando.

Manoel José Rodrigues manoel.poeta@hotmail.com

Alvorada do Sul (PR)

*

FUTEBOL E CARNAVAL

Quando perguntei na cidade de Taubaté a um jovem em passeata que levava um cartaz na mão o que era a PEC 37, continuando a andar, ele me respondeu: "Bom, eu não sei direito, mas a farra está valendo". Em São José dos Campos, um senhor de meia idade desfilava com o seguinte cartaz: "Mais investimento para o povo". Perguntei: "Investimento onde?". A resposta: "Na bolsa de valores, com certeza, uai!" Acho que estão gastando demais o Hino Nacional, que já nasceu desgastado desde a sua composição. Assim, cheguei à seguinte conclusão: logo o nosso Hino Nacional estará em roda de batuque no ritmo do samba, para alegrar os turistas estrangeiros, os políticos corruptos e a baixa produtividade do brasileiro, que só pensa em futebol e carnaval. E viva o nosso pobre Hino Nacional.

Ubirajara Vieira Xavier ubirajaravieiraxavier@yahoo.com.br

Tremembé

*

PROTESTANTES MASCARADOS

Por que não proibir o uso de máscaras em passeatas? Os policiais, assim como os responsáveis pela manifestação, teriam autorização para prender e fichar qualquer um que esteja ou fique mascarado durante a manifestação. É claro que só usa máscara quem planeja fazer vandalismo. Quem se manifesta pacificamente não tem por que esconder o rosto!

Silvano Corrêa scorrea@uol.com.br

São Paulo

*

PEC DA PUNGA OFICIALIZADA.

Os que ainda estão trabalhando não têm o que reclamar, porém no

dia em que se aposentarem sentirão na pele a punga de 11% aplicada pela Previdência por meio da PEC 41/06. Continuarão pagando previdência até morrer, sem direito a retorno ou devolução. É o governo do PT arrecadando!

Newton Faro newtonfaro@yahoo.com.br

Rio de Janeiro

*

MAIS UM CALOTE NOS PRECATÓROS

Li em 18/7, no "Estadão" (A21), que o prefeito Fernando Haddad, a exemplo de seus antecessores, pretende postergar mais uma vez os pagamentos dos precatórios da Prefeitura do Município de São Paulo. Sob a alegação que o pagamento tornaria a cidade ingovernável. Preliminarmente cumpre ressaltar que, quando ele se candidatou ao cargo, sabia de antemão o tamanho da dívida da cidade e em momento algum constou de sua plataforma de governo dar mais um calote naqueles que há anos esperam pelo pagamento do que lhes foi surrupiado. A reportagem aponta que a Prefeitura tem uma dívida de R$ 54 bilhões e que, em função da dívida da cidade, pretende sensibilizar o STF para que ela pague só 3% das receitas em precatórios, o que com certeza aumentará ainda mais a fila dos infelizes caloteados pelo Município. A matéria aponta que, segundo o prefeito, a dívida com os precatórios atinge 56% das receitas, mas deve haver aí um engano, já que a maior dívida da Prefeitura é com a União. Segundo ele, a dívida inicial era de R$ 11 bilhões, a cidade já pagou R$ 20 bilhões e ainda está devendo R$ 54 bilhões. Ora, e o prefeito tenta nos convencer de que o problema são os precatórios? O problema está na cobrança absurda que a União tira do Município, aliás, o Município que mais contribui para suas receitas. Em seu programa de governo durante a campanha eleitoral o prefeito alegava que iria governar com o apoio do governo federal. Pois está na hora de cumprir a promessa e cobrar da presidente, que é do seu partido, e não ir bater às portas do STF. Postergar mais uma vez os pagamentos dos precatórios será mais um calote, igual àqueles efetuados pelos seus antecessores.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

DIFERENÇAS SALARIAIS

Referente à matéria "Haddad vai revisar salário de todos os servidores municipais", em 20/7, na página A18 do "Estadão", entendo que, em qualquer situação, a lei deve ser aplicada, seja quanto a vencimentos salariais ou a quaisquer outros direitos. Por isso gostaria de alertar ao senhor alcaide que, contrariamente às suas declarações, existem diferenças salariais que, mesmo garantidas por lei, não estão sendo pagas, pelo menos desde janeiro deste ano, pela Secretaria das Finanças. Os prejudicados são aposentados da municipalidade e as razões podem ser burocráticas ou outras, menos nobres. Sou um dos prejudicados. Embora tenha pedido informações, nada me foi explicado. Nesse sentido, esperamos que, se a revisão for feita, pelo menos, seja de forma republicana.

Gilmar de Mello Pereira gil_mello@estadao.com.br

São Paulo

*

CRIMINALIDADE

Tal como a saúde, a população paulistana está cada vez mais preocupada com a segurança. Nenhum governador ou prefeito teve coragem de se aprofundar no problema. Estão cansados de saber que estariam metendo a mão em cumbuca. Cumbuca corrompida. Por que temos duas polícias, e desde quando? Por que os salários dos policiais, aqueles que arriscam a vida nas ruas (não os chefes, estes muito bem pagos, em seus gabinetes), são tão baixos? Por que não querem fazer o bloqueio de celulares nos presídios, de onde os chefes das quadrilhas emitem suas ordens? Milhares de famílias com membros assassinados têm o direito de saber, bem como aquelas que ainda não foram atingidas. Políticos ignoram as passeatas...

Nelson Carvalho nscarv@gmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.