Fórum dos Leitores

O PAPA NO BRASIL

O Estado de S.Paulo

26 Julho 2013 | 02h11

'Rezem por mim'

Como já havia feito na homilia voltada para os jovens e na missa em Aparecida, o papa Francisco reiterou mais uma vez, na sede da prefeitura do Rio de Janeiro, quando recebeu a chave da cidade, o pedido de que rezemos por ele. E ele vai precisar mesmo de muita oração, porque serão feitas mudanças consideradas drásticas na Cúria Romana. Segundo especialistas de Roma, o papa designou uma comissão para propor um projeto que vai mexer com interesses de gente poderosa no Vaticano, interesses esses que se tornaram sólidos através dos tempos e constam do dossiê de Bento XVI, ao qual teve acesso. A grande missão do papa Francisco - e seu legado - será fazer a Igreja Católica voltar a ser dos pobres e para os pobres. Que Deus o abençoe e que ele consiga atingir seus objetivos. Viva o papa Francisco!

JOSÉ EDUARDO VICTOR

je.victor@estadao.com.br

Jaú

*

Na favela

Nenhum político vai a favelas da maneira que o papa Francisco foi. Eles ficam lá, em Brasília, pensando em como dividir o "butim" acumulado com o suor do povo brasileiro.

LOURDES MIGLIAVACCA

lourdesmigliavacca@yahoo.com

São Paulo

*

Francisco entre nós

Enfim um papa de carne e osso!

ABELARDO VILLAS-BÔAS

abevillas@gmail.com

São Paulo

*

Palavras e obras

Mais do que qualquer reforma política, caso as palavras de Sua Santidade se tornassem parte da nossa Constituição, veríamos a luz: "A palavra é viva quando são as obras que falam. Cessem, portanto, os discursos e falem as obras. Estamos saturados de palavras, mas vazios de obras".

CAIO AUGUSTO BASTOS LUCCHESI

cblucchesi@yahoo.com.br

São Paulo

*

O PAÍS SEM PT

Prosa inútil

Lula ainda se acha o "salvador" da Pátria: "O que seria do Brasil se não fosse o PT?". Ora, sem o PT não teríamos R$ 2 trilhões de dívida para pagar. Sem os aloprados, os corruptos do PT, não estaríamos gritando nas ruas por tudo o que não foi feito de necessário para os brasileiros. Os petistas, sim, são a elite que se aproveita do trabalho do nosso suor. Sua prosa é inútil. Lula nunca viu nem ouviu nada...! Agora, por favor, é hora de se calar.

M. DE FÁTIMA PEREIRA NICCIOLI

fatima_pn4@hotmail.com

Jacutinga (MG)

*

A língua e a resposta

Não se trata das unhas. Lula afia mesmo é a língua, para os discursos vazios de sempre, com que emprenha os ouvidos e a inocência de parcela da população. Começou perguntando: "O que seria do Brasil sem o PT?". Se quiser mesmo saber a resposta, espere só mais um pouquinho.

DOCA RAMOS MELLO

ddramosmello@uol.com.br

São Sebastião

*

Menos...

"O que seria do Brasil sem nós?", pergunta Lulla. Seriam menos ministérios, menos incompetência, menos fisiologismo, menos corrupção, menos mentiras, menos marketing, menos inflação, menos arrogância, menos postes, menos...

HELEO POHLMANN BRAGA

heleo.braga@hotmail.com

Ribeirão Preto

*

Pitaco do ex

A coluna de Dora Kramer de ontem (A6) aborda no pé o soberbo recado do ex-presidente Lulla: "Não tem que diminuir ou aumentar o número de ministérios, tem que saber para que serve". Certamente ele é a pessoa mais indicada para informar para que "serve" (sic) 39 ministros.

J. PERIN GARCIA

jperin@uol.com.br

São Paulo

*

Foto sintomática

O painel de fundo da foto de Lulla e Dilma à página A4 do Estado de ontem relembra os painéis muito usados no passado nas ditaduras de Stalin, Mao e Perón. Demonstra e aflora o viés ditatorial escondido na ideologia petista. A ideia do plebiscito seria um atalho para imitar as alterações constitucionais populistas à maneira de Hugo Chávez e seguidores bolivarianos.

ANTONIO MARTINS FERRARI

amferrari@pobox.com

São Paulo

*

O 'Volta Lula'

Lulla deve voltar, sim, mas para a fábrica, a ver se trabalha, o que pouco fez na vida.

RENATO PIRES

repires@terra.com.br

Ribeirão Preto

*

IMPOSTOS E PROGRESSO

Artigos complementares

Parabéns ao Estado pela publicação dos artigos Marcha contra a ditadura e Estabilidade é progresso (24/7, A2), que são complementares e bem oportunos no contexto das manifestações populares que têm ocorrido desde junho. O economista Paulo Rabello de Castro contribui muito quando cita a falta de regulamentação do artigo 67 da Lei de Responsabilidade Fiscal, que trata do estabelecimento do Conselho de Gestão Fiscal, de formação paritária entre governo e representação técnica de órgãos da sociedade civil. Se a reforma política é a mãe de todas as reformas, essa regulamentação é o seu braço direito de execução. Em plano local, creio que a divulgação ampla não só da existência de conselhos municipais de saúde, de segurança, etc., quanto sobre seu papel, sua eleição e composição, constitui uma necessidade inerente aos seus objetivos. O último parágrafo do artigo Estabilidade é progresso fecha bem a questão da importância das manifestações, pois enfatiza, além da importância do fortalecimento das instituições, a relevância da conduta ética dos cidadãos. Em suma, a transparência do governo e a participação cidadã é que determinarão o progresso do nosso país.

CLERIA VALLE

cfsrv@bol.com.br

São Paulo

*

Marchar sem parar

Um ímpeto de marchar sem parar senti ao ler o brilhante artigo Marcha contra a ditadura, do economista Paulo Rabello de Castro. Quero externar meus cumprimentos ao autor pelo belíssimo texto e ao Estadão.

RICARDO COLUCCI

ricardocol23@hotmail.com

São Paulo

*

Manicômio tributário

Por que a presidente Dilma não contrata um "médico" cubano para cuidar do manicômio tributário de que trata o brilhante artigo de Paulo Rabello de Castro?

VINICIUS FERREIRA PAULINO

viniciusfpaulino@hotmail.com

São Paulo

*

DILMA E AS PESQUISAS

A aprovação pessoal da presidente Dilma Rousseff caiu 24 pontos percentuais em um mês, segundo a Confederação Nacional da Indústria, em conjunto com o Ibope. A avaliação negativa superou a positiva pela primeira vez na série histórica da pesquisa e atingiu 49%. Dilma tem de tomar cuidado, pois o santo é de barro e pode quebrar. Espero que ela continue caindo mais que balão apagado, pois é uma “enganation”.

Alice Baruk alicebaruk@bol.com.br

São Paulo

*

SINTOMÁTICO

A popularidade de Dilma deixou de cair. Sintoma que mostra o quanto temos ainda de caminhar em termos de educação.

 

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

‘É A ECONOMIA, ESTÚPIDO!’

O resultado, dos mais perversos, dos infinitos desacertos da equipe econômica da Dilma bate às portas do trabalhador brasileiro: o índice de desemprego em junho atingiu os 6%!  Muitos dos otimistas de plantão do Planalto, porém, vão querer enaltecer que esse índice de 6%, apresentado pelo IBGE, ainda está longe do que ocorre com o desemprego na zona do euro. Ledo engano! Não podemos desprezar a quase estagnação de nossa economia. O viés do possível fechamento de postos de trabalho é de alto. E, sem alternativa, nossos empresários, que relutaram em despedir seus funcionários em 2012, dado o alto custo das leis trabalhistas, neste momento não querem correr mais riscos, porque, com os baixos pedidos em carteira, o faturamento também, infelizmente, não evolui. Será que Dilma vai pedir desculpas em cadeia de rádio e TV?

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

QUESTÃO DE COMPETÊNCIA

Claro está que Lula é o copresidente, eminência parda e mentor de Dilma. Qualquer problema, ela corre a se consultar com ele, até mesmo se transferindo de Brasília para São Paulo quando ele não pode ir aonde ela está. Com a inflação apertando sua avaliação, um dos conselhos dele foi mencionar a inflação no governo Fernando Henrique Cardoso. Os petistas (Lula principalmente) não conseguem superar o sucesso, a classe e a educação (nos dois sentidos) de Fernando Henrique. Lula, principalmente, nunca se esquece dele porque a comparação de um com o outro é o que mais o incomoda. Lula nunca será nem em sonhos um FHC, pelo simples fato de que teria de nascer outra vez e viver outra vida para ser minimamente próximo. Com tantos problemas que o Brasil está enfrentando, tudo o que não precisamos mais é ainda ouvir a história manca da “herança maldita”. O PT está desde 2003 no poder, nada fez de eficiente para melhorar o Brasil de verdade, na sua essência. Dançaram nas benesses de um mundo que crescia e quando o cenário mudou ficaram pondo culpa nos “loiros de olhos azuis” no “tsunami monetário” e em outras baboseiras. Sempre a culpa é dos outros, nunca deles. Ações competentes não se viram. Agora está aí o resultado: tudo caindo, avaliação e crescimento. Só a inflação é que sobe. Chega de Lula, chega de lulopetismo. O Brasil precisa de muito mais. Precisa de gente competente, de ações eficientes, e não de blá, blá, blá.

 

Maria Tereza Murray terezamurray@hotmail.com

São Paulo

*

PAGANDO A FATURA

 

O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, tem a pior avaliação positiva do País, segundo pesquisa CNI/Ibope. O governador queria o quê? Que seus malfeitos fossem ficar impunes? Usou e abusou do dinheiro público, viajando de cá para lá em helicópteros do governo para fins particulares, enquanto a população fluminense perdia familiares e casas em enchentes.  E a viagem a Paris? Cabral achou que o eleitor não iria cobrar? Cabral criou a Comissão Especial de Investigação de Atos de Vandalismo em Manifestações Públicas com a finalidade de quebrar o sigilo telefônico e de internet dos suspeitos. Pelo visto, a pesquisa ainda não mediu a arbitrariedade de Cabral, que, segundo o advogado Bernardo Santoro, julga a alma dessa comissão como ditatorial e inconstitucional. Não vamos esquecer que Cabral era o menino dos olhos de Lula. E agora, ex-presidente? Mais um dos seus está caindo... Chegou a hora de pagar a fatura por tantos desmandos?  

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

CABRAL REPENSA DECRETO

Prova e atestado de incompetência: 24 horas após ter criado comissão para investigar atos de vandalismo, o governador Sérgio Cabral alterou o decreto, em razão dos artigos inconstitucionais de quebra de sigilo telefônico e de informática. Não sabe nem o que é constitucional ou inconstitucional. E, parece, nem sua assessoria sabe. Aproveitando o assunto, é preciso criar comissão para investigar esses atos? Não basta uma polícia eficiente? Basta, mas é justamente isso que não temos.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com  

São Paulo

*

O COMISSÁRIO CABRAL

Não chega a ser novidade que a figura  de Sérgio Cabral, que, decerto por sua estatura moral, sempre se deu muito bem com Lula, venha agora a dar mostras de autoritarismo. Ao determinar que as empresas de telefonia prestem informações em caráter urgentíssimo ao seu comissariado, o governador talvez ache isso natural, haja vista a onda de invasões de privacidade, censura e autoritarismo que vêm ocorrendo amiúde mundo afora, nos EUA, na Inglaterra, na América bolivariana. Um homem público que dá gritantes mostras de sua carência de limites éticos - pois a ética é justamente conviver com a falta -, ao usar e abusar ostensivamente dos helicópteros do governo do Estado para uso particular, evidentemente acha que pode tudo. Até mesmo atropelar a Constituição! É hora de o Supremo Tribunal Federal pôr um fim nas abusivas pretensões desse senhor, que, queira Deus, haverá de caminhar célere para o ostracismo.

 

Luiz M. Leitão da Cunha luizmleitao@gmail.com

São Paulo

*

CADÊ O AMARILDO?!!!

O governador de Paris (sic) tirou o lencinho da cabeça e resolveu se transformar em ditadorzinho do Rio de Janeiro. Ora, o decreto baixado (44.402) ia de encontro a Carta Magna. O despreparo dos governantes deste país é estarrecedor. Será que ele pensa que pode, regionalmente, pôr o Estado num regime de exceção? A sociedade brasileira assiste, pasma, à falta de seriedade nos atos praticados. Nunca antes na História deste Estado houve tantos desmandos como os praticados pelos assessores do “Monsieur Sergioux”. Os cariocas, mormente os moradores da Rocinha, querem saber se já foram identificados os PMs que levaram o servente de pedreiro Amarildo à delegacia. A que horas ele foi liberado? Quem o levou de volta para casa? Onde se encontra? Enfim, são perguntas que vão atormentar o sr. desgovernador até os eleitores transformarem, em outubro de 2014, seu candidato em pezinho.

 

Sebastião Paschoal s_paschoal@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

MEMÓRIA DE TEMPOS SOMBRIOS

O decreto do governo do governo Sérgio Cabral que “autorizava” a quebra do sigilo telefônico e da internet de investigados nos protestos de rua, sem o aval do Judiciário, mostra o descontrole governamental sobre os últimos acontecimentos. Tal decisão ilegal remonta a tempos superados entre nós, quando os direitos individuais eram desprezados pelos eventuais ocupantes do poder.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com  

Rio de Janeiro

*

BYE, BYE    

Cabral, se for por falta de adeus, suma em algum dos helicópteros do Estado, avião do Eike ou do ex-dono da Delta. Além de tudo é déspota!

 

Antonio Jose G. Marques jose@uol.com.br

São Paulo

*

PATÉTICO

Patético o papel da Polícia Militar carioca, ao infiltrar PMs nas manifestações para causar confusão. É algo ridículo e deprimente. Lembra a prática comum da máfia e do crime organizado. Por outro lado, na mesma tarde dos distúrbios, o Rio de Janeiro foi uma festa só, na chegada do Santo Padre Francisco: coquetel para paparicadores e puxa-sacos oficiais no Palácio Guanabara, tudo pago por nós, e coquetel molotov do lado de fora, na cabeça da ralé que paga a conta. Tudo isso arquitetado pelo governador fanfarrão e impopular Sérgio Cabral, que, por sinal, os manifestantes querem fora do governo do Rio de Janeiro!     

Turíbio Liberatto www.turibioliberatto.nafoto.net  

São Caetano do Sul

*

AS VERDADEIRAS CAUSAS

A Comissão Especial de Investigação de Atos de Vandalismo em Manifestações Públicas, criada no Rio de Janeiro vai analisar as consequências da crise política provocada pela própria Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, que se recusa a apurar as causas do problema: o uso do helicóptero pelo governador.

Luiz Roberto Da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br  

Campinas

*

PATACOADAS LULÍSTICAS

Depois do proposital sumiço, eis que o ex-presidente Lula retorna com patacoadas. Em palestra no Museu Nacional, em Brasília, diante de plateia  escolhida a dedo, Lula, o que nunca sabe de nada, volta-se novamente contra a “elite”, com a qual ama conviver, e ao “preconceito” contra a mulher, questionando se esse preconceito seria estendido a nossas mães e mulheres, segundo ele, como temos por Dilma. Não, Lula, não temos. Até porque nossas mães não são a presidente e, se por absurdo fossem, saberiam muito bem de suas limitações. Como administradoras do lar, não teriam teimosias e apreço por ditaduras e governos assassinos como Cuba, ao contrário de seu “poste”, ora protegido. E mais, nossas mães, não entendendo de inflação, déficit e geração de empregos, procurariam gente competente para orientá-las, em vez de procurar os neófitos do PT. Sem dúvida, nossas mães também ensinariam religião, respeito e seriedade e, em caso de corrupção, dariam umas palmadas nos filhos, deixavam-nos de castigo, em vez de os protegerem. Para que, quando crescessem, não se tornassem petralhas.

 

Mario Cobucci Junior maritocobucci@uol.com.br

São Paulo

*

LULA DE VOLTA

O ex-presidente Lula saiu do ostracismo e já chegou atirando para todo lado. Cá entre nós, se fosse para falar tantas incongruências, seria melhor que continuasse incógnito.

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

SURRADA LUTA DE CLASSES

Parece que Lula vai morrer e não vai perder o hábito de estimular a boa e velha luta de classes na sociedade brasileira.  A última manifestação do ex-presidente, em palestra no Museu Nacional, segue o mesmo script marxista-leninista ao dizer que Dilma Rousseff seria vítima de “preconceito” pelo único fato de ser mulher – nesse caso, pretende dividir por gênero a sociedade. Depois insistiu na tecla divisionista, assinalando que o “preconceito” que, a seu juízo, haveria contra Dilma é “maior” do que o que havia contra ele mesmo – neste caso, pretendendo dividir o povo por origem ou região, por ter sido ele um retirante nordestino. Balela. São Paulo – a cidade berço de boa parte da malfadada “elite” verberada por Lula – já elegeu duas prefeitas, uma delas de origem nordestina. Também elegeu um prefeito negro nascido em outro Estado.  O narcisismo, a soberba e as inclinações ideológicas de Lula não lhe permitem perceber – nem mesmo com o povo saindo às ruas em massa para protestar – que os gritos de “chega!” da população são direcionados contra o populismo, a demagogia, a corrupção e a incompetência gerencial, características das gestões petistas, e nada têm que ver com o gênero ou a origem de quem exerce o poder no País. Se Lula quiser lutar por Dilma, esqueça suas unhas e dê as caras quando o povão voltar às ruas.

 

Silvio Natal  silvionatal49@yahoo.com.br

São Paulo

*

VAIAS E TOMATES

Dilma e o PT são mesmo muito espertos: aproveitaram a presença do papa ao seu lado para fazer discurso político sobre como seu governo é bom. Sabem que assim não enfrentariam uma chuva de vaias, tomates e outras coisas desagradáveis. Que saibam aproveitar bem o momento, pois, quando o papa partir, os protestos voltarão à ordem do dia. E Lula não pode dizer que as vaias vêm da oposição e da elite por Dilma ser mulher. Quando presidente, ele dizia que recebia críticas por ser nordestino e pobre. Por acaso os jovens que encheram as ruas eram todos da oposição? Se eram, por que gritavam “sem partido”? Essa fala foi apenas para desviar o foco da insatisfação do povo com esse desgoverno.

Sérgio Aparecido Nardelli sergio9@ig.com.br

São Paulo

*

UNHAS AFIADAS

O sr. Lula deve dar graças a Deus por ainda existir alguém que pague para ouvir suas baboseiras, e não para ver suas unhas afiadas...

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

DRÁCULA

Dona Dilma disse que vai fazer o diabo na eleição e agora o Lula prometeu afiar as unhas. Só esta faltando “elle” pôr os dentinhos de vampiro para dar inveja a Boris Karloff.

Ivan Bertazzo bertazzo@nusa.com.br

São Paulo

*

FERA DESDENTADA

Quando Lula, o sumido diante das ultimas manifestações de rua, diz que está afiando as unhas para defender o governo da presidente Dilma e o PT, mais parece coisa de gatinho acuado no canto, que arreganha os dentes e levanta as garrinhas para se defender. Ele não percebeu que sua resposta está mais para fera enjaulada do que a do velho Lula com aprovação de 80%? Vai precisar suar a camisa e botar os pés na terra, o que não faz desde que foi presidente, pois se distanciou e só fez andar de jatão, bem longe do povão! Não foi Lulla que disse que saindo da Presidência pegaria um ônibus e viajaria pelo País para conhecer o “seu” povo? Já se passaram quase três anos e até hoje ele só soube fazer lobby. Suas unhas devem estar bem lixadas com o dinheiro fácil ganho de empresários.  Lula, hoje, está mais para fera desdentada do que de unha afiada!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

PAPO REQUENTADO

Lula continua com o mesmo discurso de uma década atrás. Será que ele, depois de eleito, ainda não percebeu que faz parte das elites? Se o problema é esse, acabe com as elites, começando por ele mesmo. Como escreveu um leitor na edição de ontem, o País mudou e ele continua com a mesma ladainha. Não suporto sua cara de peixe morto nos jornais. Eta, mídia!

 

Tanay Jim Bacellar tanay.jim@gmail.com

São Caetano do Sul

*

CIRO GOMES E OS MINISTÉRIOS

Ao chamar a equipe ministerial de “‘p...taria’ de quinta categoria”, Ciro Gomes desculpou-se pela “má palavra”. Ora, não há de quê, uma vez que o termo retrata com propriedade o (des)governo petista que fez de Brasília “a casa de Irene”. O ex-ministro fez-se porta-voz do clamor das ruas. Falou e disse!

 

J. S. Decol decoljs@globo.com  

São Paulo

*

MUNDO DA LUA

 

Tudo certo, tudo muito certo, mas, na minha visão, tudo errado tudo muito errado. O que está certo? A visão da jornalista e de certa forma cientista política Dora Kramer, quando analisa o comportamento irresponsável e desconectado do PT. Ainda bem que Dilma não entrou nessa de prestigiar a festança dos Zés - Dirceu e Genoino. Aliás, acho até que ela gostaria de sair do "Das Partido", mas neste caso e circunstância, é mais difícil sair do que foi entrar. O que está errado? A visão debochada do político petista sobre o povo brasileiro. De um lado, ele o vê como uma maioria que eles manobram como e quando querem e, de outro, uma minoria (é nóis na fita) que eles ignoram, pisam e gostariam que não existisse.

Jose Rosa jrosa1945@yahoo.com

São Paulo

    

*

FALTA COMPETÊNCIA

Contundente e preciso o artigo “Fuga para adiante” (25/7, A2), de José Serra, que eu resumo em falta comPeTência à presidentA, ao ex-presidentO e ao ParTido como um todo para gerir o Brasil.

Cecilia Centurion www.ceciliacenturion.com.br.

São Paulo

*

NÃO DÁ PARA ENTENDER

Serra resolveu falar só agora de coisas que devia ter dito na campanha perdida para Dilma. E termina, sugerindo ao PT abrir os olhos e começar a governar, quando, na verdade, deveria sugerir aos seus companheiros de oposição que saiam de vez dessa inércia irritante e partam para a luta com a mesma voluntariedade exposta no seu artigo. É incrível e desanimador ver o povo na rua e a oposição, calada como sempre.

Miguel Pellicciari emepe01@uol.com.br

Jundiaí

*

‘SOU, MAS QUEM NÃO É?’

Só vejo no Fórum do “Estadão” todo mundo malhando Lula e Dilma, vamos falar também do propinoduto dos tucanos!

Orlando Serrano o-serrano@uol.com.br

São Paulo

*

BENEFÍCIO DA DÚVIDA

Ao ministro Raimundo Carreiro não está sendo dado sequer o benefício da dúvida. O homem é visto como eficiente pelos colegas e revela que somente em data recente pôde dedicar-se a reparar um erro original, que, como o pecado de mesmo nome, não foi sua culpa. Se ele permanecer mais dois anos na ativa, vai causar prejuízo ou economia ao Estado brasileiro? Ele assegurou que não vai se aposentar, mesmo antes da idade-teto? Ele mostrou interesse em presidir o TCU, que ele, por tradição, teria direito de presidir? Sugiro que essas respostas sejam buscadas para que avaliemos corretamente este caso.

Roberto Viana Santos rovisa681@gmail.com

Salvador

*

O REMOÇADO

A lamentável, indecente, indecoros, escabrosa manobra do ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Raimundo Carreiro nada mais é do que um golpe para nos burlar e se beneficiar. Alterou seu ano de nascimento, rejuvenescendo, para forçar sua permanência por mais dois anos como ministro e poder, dessa maneira vil, vir a ocupar a presidência do órgão no biênio 2017-2018. Vergonhoso!

    

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br  

São Paulo

*

JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE

A chegada do papa ao Brasil é interessante pela grandiosa concentração de pessoas. Parece um extraterrestre que chega à Terra. Até onde sei, é um homem argentino que até há pouco era totalmente desconhecido dos brasileiros e dos demais povos. Veio para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que até agora não sei a que serve. Serviria para arrecadar fundos, agasalhos e alimentos a serem enviados a outros povos em condições miseráveis? Temos miseráveis no Nordeste necessitando de ajuda. Temos os povos da África morrendo de fome. Temos os refugiados da Síria concentrados aos milhares em barracas na Turquia e adjacências... Até no Haiti ainda vivem milhares em barracas por causa do terremoto. Sem contar outros povos que clamam por ajuda! Afinal, se a JMJ somente atende ao turismo, à música e à algazarra, isso significa que os verdadeiros fins da Divina Providência (a caridade, a misericórdia) não estão sendo seguidos e foram desviados pelos homens que se dizem representantes de Jesus Cristo na Terra. Ah, o papa é humilde, carrega a própria mala. Ah, o papa preferiu dormir num quarto simples. Isso nada significa para Deus se a Igreja Católica não tratar de ajudar povos flagelados pela guerra, refugiados passando tremendas necessidades e sem nenhuma ajuda, seja da ONU, seja das igrejas deste mundo que, como políticos, nem tocam no assunto nem procuram mobilizar nações para essa ajuda tão esperada!

 

Alberto Nunes albertonunes77@hotmail.com  

Itapevi

*

VISITA MUITO OPORTUNA

Lições de despojamento são a marca maior do Sumo Pontífice, num mundo onde a classe política, em especial a brasileira, vive permeada e agredida por tantas vaidades e ostentações à custa do erário. Porém, mais que de repente, temos a valiosa contribuição de desapego a bens materiais de Francisco, que mesmo com tão pouco tempo de papado, já revoluciona o próprio Vaticano. A sua estada em nossa imensa gleba veio no momento oportuno, quando grande parte da população exige veementemente não só que façam valer seus direitos de cidadania, mas, sobretudo, que os políticos tenham uma postura ética, que os torne dignos do título de representantes do povo, em vez de de si mesmos. Então Sua Santidade não é moda, mas é a melhor tendência a ser copiada perpetuamente por todos.

Fernando Arábia fernandosantacruz007@gmail.com

Gravatá (PE)

*

EXEMPLO EXCEPCIONAL

Seria bom demais se existisse no Brasil algum homem público para dirigir nossos destinos e que fosse despojado, simples, carismático e inteligente como o papa Francisco. Que exemplo excepcional esse homem vem demonstrando. É certo que passará para a História como uma das pessoas do século.

    

Ademar Monteiro de Moraes ammoraes57@hotmail.com  

São Paulo

*

TESOURO DA DEMOCRACIA

Transportando as palavras do santo papa Francisco à realidade brasileira (“Estado”, 24/7, A18), diria: “Os eleitores são o tesouro da democracia e temos de cuidar deles. E se não tivermos essa visão, nós construiremos uma democracia medíocre, morna, sem força”. Daí a relevância da histórica proposta do “voto distrital com recall”, cujo patrono no Brasil é o jornalista Fernão Lara Mesquita. É uma ideia simples (“troque o seu político com defeito por outro novo antes que ele provoque um desastre”), mas que está conseguindo fazer as pessoas sonharem, tirando-as do imobilismo mental. Será como uma bala de prata, única, mas no coração da corrupção e da mediocridade política.

Nilson Otávio de Oliveira noo@uol.com.br  

Valinhos

*

VIRANDO A TORTILHA

Artigo do “Wall Street Journal” para o “Valor” dá a medida exata da visita do papa ao Brasil, por ele determinada assim que assumiu o pontificado. O ponto nevrálgico é o compromisso com os pobres e, nesse sentido, distingue-se das correntes evangélicas, que propõem o valor do enriquecimento. A preocupação do papa Francisco é com o razoável, com “a saúde, alimentação, educação, habitação e trabalho... Para todos”. Sem milagres. Os pobres brasileiros são a classe média da demagogia lulopetista. Ainda se faz necessário virar a mesa ou, como diz o papa, “virar a tortilha”.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br    

São Paulo

*

PALANQUE INADEQUADO

Acrescer-se é preciso. Inconformar-se também, é claro. Assim, eu sou mais um brasileiro a manifestar o desmedido desgosto de ter visto a presidente Dilma fazer a apologia de seu partido para o religioso visitante, totalmente incabível para a situação. Porém, pensando melhor, no seu caso era previsível, dados sua formação e seu aprendizado político. Outra coisa, portanto, não se podia esperar senão uma manifestação de estultícia. De fato, esqueceu a presidente que, ao se postar para receber um visitante, a atitude correta e adequada de bons modos é não confundir com palanque o espaço para o singelo discurso de boas-vindas que o momento exigia. Desfazer o vitupério feito impõe a apresentação de um formal pedido de desculpas pelo mal feito. Enfim, a presidente Dilma não demonstrou ter-se preparado condignamente para o evento e por isso não soube receber o abraço afetuoso que o papa Francisco deu ao povo brasileiro.

Pedro Luís de Campos Vergueiro pedrover@matrix.com.br  

São Paulo

*

MUY AMIGOS

Vai se exigir o que, de quem a pequenez sobrepuja o bom senso

em qualquer situação? Aquele discurso da presidente na chegada

do papa deve ter sido sugerido por Lula e escrito por Gilberto Carvalho, o secretário-geral da Presidência. Carvalho, como ex-seminarista, ao cumprimentar o papa, deve ter acrescentado alguns conselhos, como é próprio dos petistas, donos da verdade. Carvalho, em seguida, cumprimentou Dilma efusivamente, cada um segurando as duas mãos do outro. Muy amigos!

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com     

Santo André

*

NOVA ORDEM EM GESTAÇÃO

Essa juventude que acorda o gigante adormecido, ou melhor, entorpecido, pela forma incompetente e debochada como este país está sendo desconstruído, tem em todo o mundo o desemprego como um pesadelo nos seus sonhos de futuro. A taxa mundial de desemprego, segundo a Organização Internacional do Trabalho, está em 12,6%, o que representa uma massa de 73,4 milhões de jovens sem emprego. O Brasil está sendo usado pela petralhada como laboratório de experiências de gestão, enquanto os fracassos se vão acumulando, mostrando um país que perdeu a bússola e o timoneiro sumiu. Está à deriva num oceano de procelas gigantescas. O papa Francisco, num de seus discursos, chamou a atenção para os jovens que estão expostos a perigos como a gravidez precoce e as drogas. A morte prematura ronda os jovens. Como disse o papa Francisco, “eles são o futuro”. Nem esse futuro nem o passado, os idosos, fazem parte do hediondo projeto de poder do governo. O planeta está convulsionado. Uma nova ordem está em gestação. Vive e verás.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

NOSSO REI

Estou começando a pensar que o verdadeiro pai dos pobres é argentino e adotou o Brasil para pôr fim em um impostor. E o povo já percebeu. O papa é nosso rei. Viva o papa! Salve o papa! Deus abençoe o papa! Benza Deus.

 

Nelson Pereira Bizerra nepebizerra@hotmail.com

São Paulo

*

MILAGRES

Realmente o papa Francisco  é abençoado e faz milagres... Pois pela simpatia, simplicidade e carisma, fez o brasileiro gostar de um argentino!

Carlos Roberto Gomes Fernandes crgfernandes@uol.com.br

Ourinhos

*

MANDOU BEM!

Durante a visita do papa à Varginha, um jovem membro da comunidade disse em seu discurso: “A sua vinda, pai Francisco, nos levou à mídia nacional e internacional, mas dessa vez não nas páginas policiais”. Mandou bem, lembrando que, depois do anúncio de que o papa visitaria a Varginha, ruas foram asfaltadas, lixeiras foram mais bem distribuídas e outras melhorias foram feitas (o que não acontecia antes).

 

Leônidas Marques leo_vr@terra.com.br  

Volta Redonda (RJ)

*

ALMA PURIFICADA

Apesar do erro do batedor e da mobilidade urbana, não foi atrapalhada a manifestação carinhosa do povão pelo Santo Padre. Tornou-se a mais espontânea e carinhosa das que se tem notícia. Maneira brasileira de expressar um sentimento de amor, calor e respeito. Apesar do montão de gente, o papa não levou nenhum beliscão e tocá-lo purificou a alma de muitos brasileiros. Nas ruas, já de papamóvel (sem vidro à prova de balas), sentiu-se em casa. Beijou várias crianças para purificar outros beijos em faces ocultas e perniciosas. No Palácio, apertou novamente mãos e em cada aperto, uma dor, até que surgiu um anjo negro e o cumprimentou. O papa, que vê e sente coisas que nós, mortais, não percebemos – tem um canal de comunicação com Ele –, ouviu aquela voz amiga dizer: pelo menos existe um que presta. Dormiu sossegado naquela noite, em plena floresta carioca, cercado de milhões de seres que desceram os morros para velar o seu sono: os bichos da Mata Atlântica. Enquanto dormia, o povão queria a cabeça de um malfeitor e a polícia reprimia.

Ney Julião Barroso nejubar@hotmail.com  

Rio de Janeiro

*

NEM OURO NEM PRATA

O papa, demonstrando sua sensibilidade e seu conhecimento do País, disse não trazer nem ouro nem prata. Antecipando situações como o travamento no trânsito, imaginem se o povo soubesse que seria portador de alguma ostentação.

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@ig.com.br

São Paulo

*

DESENCONTROS

Esses desencontros na condução do apoio à visita do papa têm uma explicação simples: a multiplicidade de órgãos envolvidos, com frouxa coordenação. Se houvesse um comando unificado e ele fosse dado ao Exército, nada disso aconteceria, embora, nesse caso, não houvesse espaço para o brilho dos políticos.

Ricardo Mello Santos pramar681@hotmail.com

Salvador

*

O RIO E A IMPRENSA INTERNACIONAL

O governo do Estado e a prefeitura do Rio de Janeiro têm demonstrado incompetência para conter os vândalos nas manifestações públicas, bem como a paralisação do metrô, ônibus lotados, banheiros químicos em quantidade insuficientes, e por aí vai. Esses fatos têm chamado a atenção da imprensa internacional, como a manchete do jornal “Chicago Sun” Times de ontem: “We lost to this?” ("Perdemos para isto?"). Essa manchete, que inclui a foto de vândalos ateando fogo, tem como referência a escolha de Rio como sede dos Jogos Olímpicos de 2016.

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com   

Campinas     

*

SÓ TRAPALHADAS

Mais um capítulo dos “Trapalhões Cariocas”, protagonizado pelo prefeito Eduardo Paes e sua equipe, acaba de ser posto no ar: o Campus Fidei, onde iriam ser realizadas a vigília e a missa de encerramento da Jornada Mundial da Juventude, o grand finale da visita do papa, não tem condições de uso por causa das chuvas não tão fortes que caíram no Rio nos últimos dias, mas que transformaram o local num grande lamaçal, forçando a mudança desses eventos para a Praia de Copacabana, numa improvisação de última hora. Será que o tempo gasto em planejamento e o enorme investimento financeiro para preparar o terreno não levaram em consideração que o Rio não é o Deserto de Atacama, que chuvas poderiam ocorrer e que o local deveria estar preparado para suportar eventualidades como essa? Depois daquele ridículo engarrafamento, do apagão do Metrô e do alagamento do Campus Fidei, o que mais falta acontecer nesta vista do papa?

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro  

*

A IGREJA E A MORAL SEXUAL

De acordo com estatísticas publicadas pelos jornais, o número de católicos do Brasil vem diminuindo. Entretanto, a grande maioria do povo brasileiro ainda é católica. Por isso constitui um grande desrespeito a essa maioria o que a minoria, ou os não religiosos, vêm fazendo. Inicialmente, insurgiram-se contra a presença de crucifixos em salas públicas. Agora criticam a Igreja por não aprovar a união de pessoas do mesmo sexo, por não apoiar o uso de preservativos nem a prática generalizada de abortos. Ora, o casamento normal é o de homem com mulher, de livre escolha, uma só vez, “até que a morte os separe”. Se o homem ou a mulher opta por conviver com pessoas do mesmo sexo, tal opção deve ser respeitada, mas não pode ser considerada normal como o “sagrado matrimônio”, realizado na Igreja. Quanto ao uso de preservativos, a Igreja apenas não se manifesta, pois opta pela abstinência do homem e da mulher até o casamento. Quanto ao aborto, a Igreja não é favorável à sua prática generalizada. Hoje, infelizmente, por causa, certamente, da proliferação de novelas imorais, exibidas pela televisão sem censura dos governos, os costumes degeneraram-se e tendem a piorar cada vez mais. Por isso moças e rapazes de boa formação, às vezes ainda adolescentes, se unem sem o devido e necessário  preparo, sem se casarem, e se separam, gerando filhos de pais e mães diferentes,  sem os cuidados, o amor e o carinho da família tradicional. Todas essas graves questões, uniões fora do sagrado matrimônio e a prática generalizada do aborto, seriam, certamente, extremamente aumentadas se não fosse a posição da Igreja Apostólica Romana, sempre firme e desejando a felicidade de todos, de qualquer religião.  Por tudo isso, resta-nos fazer a essa minoria um apelo: “Amai-vos uns aos outros”.  

Olavo Nogueira Dell’Isola olavondellisola@task.com.br

Belo Horizonte

*

INCOERÊNCIAS

A Igreja Católica quer ser mais realista que o próprio Rei. Deus diz: “Me inclua fora disso! Eu nem estou  dando conta das catástrofes ecológicas, como me poderia preocupar com essas banalidades?” Jesus perdoou Maria Madalena, perdoou os malfeitores, corruptos, ladrões e criminosos hediondos de toda natureza... Mas a Igreja não perdoa casais cristãos que se separam  e casam novamente. Afasta-nos  da Igreja e recusa-lhes o sacramento da eucaristia e novo matrimônio. Mantém seus filhos pagãos no limbo, fora do batismo. Ao ser contra camisinhas e outros contraceptivos, contribui para a proliferação desenfreada e irresponsável (além de doenças sexualmente transmissíveis), causando a miséria e a fome,  contribuindo para o desequilíbrio demográfico, para gáudio dos governantes demagogos com suas bolsas-miséria, que lhes garantem eternas governanças, por darem o peixe e sem nunca ensinar  a pescar. Ao ser contra  a união de gays, contraria a própria natureza da criação divina, pois eles não optaram por ser assim, nem antes nem depois de nascerem. Portanto, não se trata de mera opção sexual, como muitos querem ou dizem, mas de um distúrbio de cromossomos,   como qualquer outra peculiaridade decorrente da própria natureza, que deve ser respeitada, desde que se respeitem as demais características dos outros seres humanos. Estes são resultados dos desígnios de Deus,  como os demais portadores de alguma "diferença"! Se Deus não os quisesse assim, não os teria criado diferentes, pois até entre os animais essas diferenças existem e estes não “optaram” por isso. Sendo contra o aborto em certas circunstâncias humanitárias (estupros, anencéfalos),  afronta os princípios de compaixão, misericórdia e piedade para com os seres humanos. Relativizar o aborto, permitindo-o em circunstâncias humanitárias, não seria o mais sensato e coerente com a doutrina cristã? O celibato dos padres aborta a força da própria natureza do homem, propicia práticas homossexuais, a pedofilia, a chantagem e a corrupção financeira na Igreja. Este papa, desapegado dos bens materiais, reformador, adepto da humildade, da fé, esperança e caridade, conforme bem vem demonstrando, bem que poderia dar uma olhada nesses costumes arcaicos e bizarros que foram sendo impostos à humanidade através dos séculos. A Igreja Católica só teria a ganhar com isso. E a família verdadeiramente cristã, penhoradamente, agradeceria.

Sebastião C. Pereira jardins@oadministrador.com.br

São Paulo

*

PORTADORES DE ESPERANÇA

Dois meninos. Nascidos quase ao mesmo tempo. Um no Reino Unido, provável futuro rei, em berço de ouro, em hospital de ponta, pais famosos e ricos. O outro, em algum ponto do Brasil, sem pais conhecidos, encontrado por policiais dentro de uma caixa de sapatos. O inglês, após o nascimento, aconchegado pela mãe, foi para um palácio da família; o brasileiro, sem aconchego maternal, para uma delegacia, levado por policiais que o encontraram por acaso, onde aguardou as autoridades tutelares. Ambos demoraram um pouco a ter nome. O nobre finalmente recebeu nome igual ao de vários reis antepassados. O plebeu do Brasil recebeu o nome de padre atual que, por acaso, peregrina por aqui, emociona pela simplicidade e conclama todos a serem portadores da esperança. Tomara que os dois recém-nascidos portem bastante esperança. Para um será mais difícil que para o outro.  George já é uma esperança. Francisco precisará da esperança redobrada de todos nós para ele próprio ser portador dela.

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com  

Rio de Janeiro

*

AVE, GALO!

Que seja antecipada pelo Vaticano parte da liturgia natalina para que o carismático papa Francisco – que é fã de futebol – possa celebrar no Brasil a tradicional e festiva “Missa do Galo” em homenagem ao Clube Atlético Mineiro, campeão da Libertadores de 2013. Ave, Galo, campeão continental, a América te saúda!

Túllio Marco Soares Carvalho tulliocarvalho.advocacia@gmail.com

Belo Horizonte

*

CAMPEÃO DAS AMÉRICAS

O dia 24 de julho entra para a história do calendário do futebol brasileiro: Galo mineiro, campeão das Américas! Foi, como sempre, com sofrimento, mas levamos. Agora “é nós”, toda a massa de atleticanos e simpatizantes de outras equipes acreditaram e ao final sorrimos. Foi difícil, como tudo na vida do Atlético. Lavamos a alma, como se diz na gíria do futebol.

Julio José de Melo julinho1952@hotmail.com

São Paulo

*

ATLÉTICO X SÃO PAULO

Parabéns ao Clube Atlético Mineiro pela inédita conquista da Taça Libertadores da América. Com raça, fé e superação, o Galo trouxe para o futebol brasileiro a sua 17.ª Libertadores, a quarta consecutiva. De 1992 para cá os clubes brasileiros faturaram 12 títulos, além de 9 vices, em 21 finais, um domínio absoluto na maior competição das Américas. O Galo Carijó honrou dignamente as tradições do nosso futebol e voltou a conquistar merecidamente um grande título, algo que não acontecia desde 1971, quando foi o primeiro campeão Brasileirão da nova era. O oposto e contrário do campeão Galo é o SPFC, que chegou à sua oitava derrota consecutiva, a sexta seguida em casa, no Morumbi, e que já está há longos 11 jogos sem vitória. É o pior SPFC de todos os tempos, com grandes chances de rebaixamento para a segundona do Brasileirão em 2014, uma vergonha e motivo de vexame para o futebol paulista.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

O CUCA MERECEU

Parabéns ao Atlético pela conquista da Taça Libertadores da América. Mesmo que  o goleiro Victor tenha chegado próximo à marca do pênalti para defender o chute do jogador paraguaio, o técnico Cuca mereceu esse título.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

PRESOS NA BOLÍVIA

Nada como a queda de popularidade, as vaias recebidas e o projeto de reeleição em risco para fazer Dilma enviar seu ministro Antonio Patriota para negociar com o déspota boliviano e encerrar a ilegalidade, a injustiça e a afronta representada pela prisão dos brasileiros.

 

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br  

São Paulo

*

QUASE ESQUECIDOS

O mínimo que o Corinthians, deveria fazer com todos os torcedores que estiveram presos em Oruro, na Bolívia, é exigir que a renda dos dois próximos “clássicos” seja dividida entre esses torcedores. Já que não há como recuperar a liberdade perdida, que ao menos façam bom uso desse dinheiro pelo tempo em que estiveram presos e, cá entre nós, quase esquecidos.

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

*

MUJICA E A MACONHA

Isso é que é progresso. Muito provavelmente o Uruguai terá em breve um novo produto para comercializar no Mercosul. Temos até uma sugestão de marketing para o produto: M&M.

 

Ulysses Fernandes Nunes Junior ulyssesfn@terra.com.br

São Paulo

*

OMC

Pelo que entendi, Marcelo de Paiva Abreu (“Estado”, 24/7, B2) está afirmando que o Roberto Azevêdo entrou numa fria ao aceitar sua indicação para dirigir a Organização Mundial do Comércio (OMC). Entre a cruz e a caldeirinha, será que conseguirá levar adiante uma agenda de liberalização comercial multilateral, à revelia do apego protecionista dos ideológicos petistas?

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

ESPIONAGEM IANQUE    

A denúncia do jornalista Eugênio Bucci, publicada na edição de ontem do “Estado”, contra a rede montada pelos serviços de inteligência do governo dos EUA para espionar instituições brasileiras, foi a resposta que faltava aos sobrinhos de Tio Sam que ainda não entenderam que o Brasil não é mais seu quintal. Essa violação escancarada de nossa soberania coincide com o início das manifestações “espontâneas” para desestabilizar nosso governo, tal como foi feito na Operação Condor, que nos custou 20 anos de ditadura militar. Já vimos esse filme e esperamos que a História não se repita, nem como farsa nem como tragédia.

 

Arsonval Mazzucco Muniz arsonval.muniz@superig.com.br

São Paulo

*

‘IMPERIALISMO’

Será que ao elaborar o artigo “Imperialismo”, o sr. Eugênio Bucci, em suas observações críticas aos EUA em razão de supostas informações vazadas por um ex-agente da CIA sobre espionagens feitas no Brasil, se lembrou das palavras do grande democrata americano Thomas Jefferson, que pregava que o preço da liberdade é a eterna vigilância?

Paul Forest paulforest@uol.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.