Fórum dos Leitores

CORRUPÇÃO

O Estado de S.Paulo

28 Julho 2013 | 02h07

Até o papa!

"Não desanimem na luta anticorrupção. (...) Façam manifestações." Até o papa pôde ver, com apenas uma semana no País, como anda o nosso Brasil.

SILVIO LEIS

silvioleis@hotmail.com

São Paulo

*

Bem informado

Ao dizer aos jovens que "não desanimem na luta anticorrupção", o papa Francisco mostrou conhecer muito bem o Brasil!

LUIGI VERCESI

luigiapvercesi@gmail.com

Botucatu

*

Exortação

No discurso do papa faltou a frase: os jovens têm de se revoltar contra a corrupção!

ROBERTO TWIASCHOR

rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

Reação

Assim que o papa Francisco for embora do nosso país, será criticado pelos governantes brasileiros por ter incitado e convocado os jovens a continuarem protestando contra a corrupção.

ANGELO TONELLI

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

REELEIÇÃO

Tríade nefasta

A presidente Dilma Rousseff tem contra ela uma poderosa força que pode impedir não só a sua reeleição, mas a de qualquer outro petista. Essa força tem nome e sobrenome, chama-se "tríade nefasta", composta pelos inimigos corrupção, nepotismo e clientelismo e já identificada pelos movimentos sociais.

CARLOS ROLIM AFFONSO

profrolim@globo.com

São Paulo

*

Oligarquias

Se quiser ganhar a eleição, Dilma terá de se afastar de Lula, Sérgio Cabral, José Sarney, Renan Calheiros, etc. O que se espera da presidente-candidata é que ouça a voz das ruas e rompa com as oligarquias centenárias.

SEBASTIÃO PASCHOAL

s_paschoal@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

Inflação galopante

O que derrotará Dilma, Lula e o PT nas próximas eleições não serão as alianças ou os discursos, mas algo muito mais prosaico: o tric-tric das maquininhas que reajustam os preços nos supermercados, que ouviremos cada vez com mais frequência!

EUGÊNIO JOSÉ ALATI

eugeniojosealati@yahoo.com.br

Campinas

*

ECONOMIA

Desgoverno Dilma

Não podemos mais deixar que esses caras que estão no Ministério da Fazenda, no Tesouro Nacional, no BNDES, no Banco do Brasil, na Caixa Econômica Federal (CEF) e outros órgãos do povo ponham o País numa rota de retrocesso daquilo que foi muito árduo conquistar. Os que teriam competência para evitar isso não o fazem. Precisamos de seres superiores como o papa ou os jovens seus discípulos.

LUIZ CARLOS ABEL

luizcarlosabel@uol.com.br

São Paulo

*

FGTS - multa indevida

Quem teria orientado Dilma a cometer mais esse erro de vetar a extinção da multa adicional de 10% sobre o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS)? Não é onerando ainda mais as empresas, principalmente as indústrias, de que tanto precisamos para a criação de empregos, que ela vai conseguir o desenvolvimento por todos desejado. Como pode dar seguidos tiros no pé? A continuar assim, sua avaliação cairá ainda mais nas próximas pesquisas. É o preço que vai pagar por não andar com as próprias pernas, sair sempre em busca do seu mentor.

ALVARO SALVI

alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

*

Novo imposto

O veto da presidente à extinção dessa multa adicional de 10% paga pelas empresas em caso de demissão sem justa causa, depois de a CEF ter informado ao Conselho Curador do FGTS que o rombo de R$ 42 bilhões já foi extinto - com a receita desse adicional, criado exatamente para esse fim -, cria, na prática, um novo imposto (tributo sem destinação específica). Inconstitucional, portanto. Com as devidas consequências.

JOSÉ ETULEY B. GONÇALVES

etuley@uol.com.br

Ribeirão Preto

*

Chance perdida

Dillma perdeu a chance de fazer algo positivo ao vetar a eliminação da multa de 10% do FGTS em caso de demissão. Indo totalmente na contramão, nossa "presidente" não pensa em medidas saneadoras e redução de custos, ao contrário, precisa arrecadar cada vez mais para manter a tigrada nos seus 39 ministérios. Só isso não será suficiente para reelegê-la. As empresas e as pessoas físicas já estão mais que fartas de só pagar impostos e não terem nenhum retorno em serviços públicos.

RENATO AMARAL CAMARGO

natuscamargo@yahoo.com.br

São Paulo

*

A lei do mais fácil

Mais que falta de capacidade e de tino, o arrazoado que sustenta o veto da "presidente da República do PT" à extinção da multa do adicional do FGTS é regido pela lei da providência mais fácil, que é sempre o bolso do contribuinte. Ei-lo: a sanção do texto do projeto de lei aprovado no Congresso, argumenta o Palácio do Planalto, levaria à redução de investimentos em importantes programas sociais e em ações estratégicas de infraestrutura, particularmente impactaria "fortemente" o programa Minha Casa, Minha Vida (26/7, B3). O arrazoado explicita indubitavelmente que Dilma não tem o destemor ou a audácia de enfrentar a petralhada, sob a batuta de seu amo, o Lula. O mais sério, correto e imprescindível seria cortar despesas, ainda que para isso fosse necessário mandar para a rua mais da metade dos nomeados para os chamados cargos de confiança, que só no governo Dilma somam até agora cerca de 24 mil - isto é, sem contar as nomeações promovidas nos governos Lula da Silva. Eis aí uma boa oportunidade para que o Congresso se mostre já não mais submisso à "chefa" do Poder Executivo.

JOÃO GUILHERME ORTOLAN

guiortolan@hotmail.com

Bauru

*

Descrédito

O veto da presidente à extinção da multa indevida sobre o FGTS só confirma o descrédito do poder público perante a população. Essa multa foi instituída com objetivo específico. Como fica o custo Brasil? Veremos como vão agir os deputados.

MINORU TAKAHASHI

minorutaakahashi@hotmail.com

Maringá (PR)

*

SEMANA INESQUECÍVEL

A vinda do santo padre ao Brasil foi uma dádiva e será lembrada como uma semana inesquecível. O povo encantou-se com sua humildade, bondade e solidariedade aos mais carentes. Suas palavras de fé serão guardadas nos corações, um verdadeiro banho do renascer da esperança, no celeiro do País que contempla o maior rebanho de católicos, mas que na última década vem perdendo suas fileiras para os pentecostais. Agora é tempo de aumentar o rebanho granjeado por Francisco

 

Yvette Kfouri Abrão abraoc@uol.com.br

São Paulo

*

PAPA FRANCISCO

A coisa mais notória desse pontífice não é o fato de ser papa, mas o ser humano excepcional que é. Isso independe de religiosidade. Parabéns, Franscisco!

Cecilia Centurion www.ceciliacenturion.com.br.

São Paulo

*

MOSQUETEIRO DO AMOR

Ser você mesmo, na plenitude de sua própria autocrítica, naquilo que devemos sempre aprimorar em nós mesmos, mudando do mal para o bem, do pior para o melhor, do ódio para o amor, do egoísmo para o desprendimento, da volúpia para o prazer instintivo, da solidão para o convívio, do tomar para o doar, enfim, em tudo aquilo em que o eu é substituído pelo nós! Enfim, que todos os verbos só tenham a pessoa do nós, do presente do indicativo ao futuro, dispensando as pessoas do eu, que nada mais são, em suas somas, representados pelo democrático nós! De fato, como afirmou o poeta Jacob, "uma personalidade não passa de um erro persistente", pois o homem, em si mesmo, é uma soma de todos os seus semelhantes, naquilo que a igualdade, a fraternidade e a liberdade permitirão que o lema dos três mosqueteiros se repita na humanidade: "Um por todos,  todos por um!" Seja um mosquiteiro do amor, como o papa  Francisco!

Sagrado Lamir David david@powerline.com.br

Juiz de Fora (MG)

*

O LEGADO DE FRANCISCO

A simpatia, o contato com o povo, a humildade de um homem mexeu com todos os brasileiros que por uma semana esqueceu que existem políticos, deputados, senadores, prefeitos, governadores. Isso é um bom sinal, o de que são dispensáveis, juntamente com a monstruosa máquina que os acompanha e cresce a cada dia, a cada eleição. O gasto de R$ 1 trilhão no primeiro semestre, sem retorno algum para a população, acendeu uma luz vermelha, indicando que algo de muito errado está acontecendo nas finanças do País. Moralmente, a classe política não tem mais credibilidade para tentar explicar o porquê e onde foi parar o dinheiro. A presidente Dilma, abandonada, não tem saída a não ser apelar para a boa vontade do PMDB e do ex-presidente Lula. Ela e o Brasil estão reféns do que há de pior na política brasileira e o povo sabe disso. E também sabe que a violência nos protestos é plantada para que o povo condene o próprio povo ordeiro, uma armadilha que cedo ou tarde será desarmada e, descobertos os mandantes, a reação popular é imprevisível, mas será forte, decisiva. Após a partida do papa Francisco, o argentino com carisma do tamanho do mundo, o Brasil vai voltar ao normal e esse vazio imediato vai servir para uma reflexão de todos os brasileiros que se uniram em torno do papa, sem coordenação, apenas por amor, simpatia e fé de que somos capazes de nos unir para salvar o Brasil. As eleições de 2014 serão mil vezes mais importantes do que a Copa, pois poderemos exigir a extinção de ministérios, uma reestruturação no serviço público, que mais dia, menos dia, vai conseguir superar a iniciativa privada. O número de funcionários e as despesas diretas e indiretas geradas por cada um torna o Brasil ingovernável, pois o que é arrecadado é consumido pelo dragão que só engorda a cada dia. Para cada pequeno problema o poder público movimenta milhões de reais, mobiliza milhares de servidores e o resultado é um lanche com chá servido para 600 pessoas custando R$ 850 mil, a bagatela de R$ 1.415 por pessoa. Se o papa soubesse do custo, mandaria cancelar e doar o dinheiro aos pobres. Isso é o Brasil de hoje, mas não será o de 2015, será a volta do cipó de arueira no lombo de quem mandou dar, o troco do povo nas urnas.

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

O QUE VAI MUDAR COM A VISITA DO PONTÍFICE

É fato recorrente que após a passagem do pontífice pelo Brasil a Igreja jamais será a mesma. O santo padre veio para participar da Jornada Mundial da Juventude, o que atraiu milhares de pessoas por onde passou, cativando com suas atitudes, com seu olhar doce e amoroso, característica que transparece em todos os passos do pontífice no País. Porém, apesar do bom humor e de não tocar em temas polêmicos, como aborto e homossexualidade, o papa Francisco não deixa de criticar pontos espinhosos para boa parte dos governantes, como pobreza, desigualdade, segurança, saúde, educação e tráfico de drogas. Em todos os seus discursos, inclusive no que foi feito no Theatro Municipal no Rio de Janeiro para uma plateia da sociedade civil, há cunho político e social, o que evidente quando conclama o povo, principalmente os jovens, a lutar pelos seus direitos apoiando as manifestações de rua. O que ficou claro nessa semana que passou é que Francisco está mudando a trajetória, os paradigmas da Igreja Católica, como também de seus antecessores, e com humildade está colocando a Igreja junto aos pobres. Cabe ressaltar que, pelos acontecimentos negativos durante a jornada, será que estamos preparados para receber eventos de grande porte? A julgar pelos problemas ocorridos no evento que termina hoje, podemos concluir que poderão ocorrer durante a Copa do Mundo. A visita do papa ao Brasil serviu de base para matéria do jornal “The New York Times”. A reportagem destaca que a estadia do pontífice fica marcada por "tensões e erros" cometidos pelos organizadores brasileiros. O periódico chegou a entrevistar  um advogado brasileiro, que criticou veemente o governador do Rio, Sérgio Cabral, e lavou roupa suja ao afirmar que "há uma torneira de dinheiro entrando (no município), mas é mal administrado! E pensar que vêm por aí a Copa do Mundo e a Olimpíada... O caos vai ser instalado não só no Rio, mas em outros Estados que vão sediar os jogos de futebol. É esperar para ver se algo será feito para evitar o vexame ocorrido na Jornada Mundial da Juventude!  

Turíbio Liberatto www.turibioliberatto.nafoto.net

São Caetano do Sul

*

PIADA DE PORTUGUÊS...

Um dos traços mais deploráveis da pseudoesperteza brasileira é contar nefandas “piadas de português", em contraponto à nossa esperteza, safos e malandros geniais, enciclopédicos malandros agulha. A visita do papa Francisco e os últimos acontecimentos nesta "pátria amada" mostra a nossa faceta de incompetência, incapacidade, embuste, irresponsabilidade, omissão e fuga ao compromisso. Quedo-me certo de que a melhor "piada de português" somos nós. Nossos políticos, nossos planejadores, nossas autoridades, nossos técnicos, nossa "presidenta" e seu tutor.

Alexandre de Macedo Marques ammarques@uol.com.br

São Paulo

*

CAMPUS FIDEI, SÍMBOLO DO CAOS

O episódio do Campus Fidei, no Rio de Janeiro, é a prova concreta da incompetência, do despreparo e da falta de planejamento que assola o poder público brasileiro. As Forças Armadas, que, na minha opinião, seriam as únicas capazes de organizar um evento dessa magnitude com excelência no planejamento e qualidade na execução, foram alijadas do processo, para variar. Hoje os militares devem estar rindo nos quartéis. A administração pública brasileira é um verdadeiro caos. Se nossos governantes abrissem um negócio próprio ao terminarem seus mandatos, iriam à falência em no máximo três meses. Assistimos a mais um episódio de dinheiro público sendo jogado no lixo. Dinheiro esse oriundo de impostos escorchantes que servem para promover um verdadeiro carnaval de incompetência, burrice e descaso com a população.

Frederico d'Avila fredericobdavila@hotmail.com

São Paulo

*

SUNTUOSA INCOMPETÊNCIA

 

Concordo com o leitor sr. Rui Barbosa, que em e-mail publicado no “Fórum” de ontem no Estadão.com, sob o título “Vergonha na JMJ”, se declarou envergonhado, como engenheiro, pelo alagamento e o barro em Guaratiba, onde seria realizado o principal evento da jornada católica no Rio de Janeiro. Eu sou engenheiro industrial mecânico, mas jamais assinaria um projeto tão ridículo como aquele. Aliás, espero que o monstrengo não tenha recebido a assinatura de nenhum engenheiro, pelo menos brasileiro, pois nossa engenharia não merece tal vexame. De qualquer maneira, deveria o CREA-RJ tomar as providências que o caso requer.  O prefeito carioca alegou que não houve aplicação de dinheiro público no projeto de Guaratiba, mas, segundo o informado, a prefeitura gastou R$ 6 milhões em sua infraestrutura. No final das contas, com certeza causaram prejuízos aos moradores daquela área, sem contar os danos ambientais numa região de mangue. O constrangimento a que aquelas autoridades, e outras também presentes, submeteram o Brasil perante o resto do mundo não pode sair de graça para os incompetentes que eleitos erradamente pelos eleitores cariocas e os demais brasileiros. Foi uma vergonha de fazer corar padre de pedra.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

DESCULPAS

Peregrinos da JMJ pouco versados no idioma português, já estão chamando o prefeito do Rio de Eduardo DesculPaes.

Luiz Henrique Penchiari luiz_penchiari@hotmail.com

Vinhedo

*

FICA A LIÇÃO

Sobre os contratempos relacionados principalmente à mobilidade dos peregrinos por ocasião da JMJ, várias vezes obrigados a ficar durante horas à espera de um ônibus ou enfrentar vagão superlotado de um metrô mal mantido, haja vista a interrupção durante horas num dos dias, o prefeito do Rio, Eduardo Paes declarou, perturbado, que não haveria cidade no mundo com infraestrutura adequada para atender num curto espaço de tempo ao mais de 1 milhão de pessoas que deixaram a Praia de Copacabana. O que se discute, e parece que o alcaide está evitando falar ou o faz tangencialmente, é que a questão não é só de infraestrutura disponível, pois o que se viu algumas vezes, por exemplo, foi o intervalo de horas entre a chegada dos ônibus. Assim, o que pareceu transparecer foi uma lamentável falta de planejamento, acompanhada da ausência de um canal ágil de comunicação entre os responsáveis pelos vários serviços, incluída aí a segurança do papa. O jornal “Chicago Sun Times”, da cidade que perdeu para o Rio o direito de ser sede da Olimpíada de 2016, ainda não conformada com a preferência, em matéria de 23 de julho, após reconhecer que Chicago, como toda grande cidade, também tem seus  problemas, faz comentário irônico ao indagar se o COI estava arrependido da escolha. Lembra o fato de que a cidade foi capaz de, em três dias, se planejar para uma festa dedicada aos vários milhões de torcedores que se concentraram para festejar a vitória dos Blackhawks (não sei se é basebol ou futebol americano), acrescentado maldosamente, sem necessidade gás lacrimogêneo. A menos do tom sardônico do autor da matéria, Neil Steinberg, é de todo aconselhável que a prefeitura do Rio se planeje melhor e  se dedique com mais empenho a  desentupir os canais de comunicação entre as autoridades. Fica a lição.

 

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

O PAPA E A DIFERENÇA QUE FAZ

A fortuna que se gasta em segurança, com carros blindados, batedores, para dar garantia aos políticos brasileiros mostra o quanto nosso dinheiro é desperdiçado neste país.  Quem precisa de segurança é quem não é amado pelo povo. E nesse sentido ainda veremos muito dinheiro ser jogado na lata do lixo. O gesto do papa Francisco mostrando ao povo que estar junto das pessoas e falar a linguagem delas é uma demonstração de competência,  amor e respeito. Experimente um parlamentar sair às ruas sem segurança. A começar pelo discurso vazio e hipócrita, esses picaretas só se  saem bem quando a plateia é paga para aplaudi-los.    

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

IMÓVEL

Manchetes nos jornais estrangeiros: papa Francisco no Brasil, andando de “papaimóvel”?

 

Asdrubal Gobenati asdrubal.gobenati@bol.com.br

Rio de Janeiro

*

O GRITO

O papa Francisco, ao ser indagado sobre a falta de ação dos políticos, pergunta: “E você, o que está fazendo? Se não faz nada, então grite”. Nada mais atual nestes tempos de protestos nas ruas brasileiras, onde nossa juventude está levando tal conselho ao pé da letra. Oremos.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

COMITIVAS DE RECEPÇÃO

Não foi fácil para o papa Francisco cumprimentar uma fileira de políticos que deveriam estar na cadeia naquela hora, entre outros, Renan Calheiros, Henrique Alves, Gilberto Carvalho, Sérgio Cabral, Eduardo Paes, Marta Suplicy e Dilma Rousseff. João Paulo II encontrou-se com João Figueiredo e FHC. Bento XVI foi o mais crucificado de todos os papas que vieram ao Brasil: teve de se encontrar com o chefe do mensalão. Luiz Inácio Lula da Silva.    

 

José Francisco Peres França josefranciscof@uol.com.br

Espírito Santo do Pinhal

*

QUESTÃO DE FÉ

O papa Francisco não tem a menor dúvida de que nossos políticos são muito católicos, até porque de todas as obras que vão inaugurar eles já levam um terço.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

E BOTA FÉ!

Basta dos pecados de abuso, corrupção e desgoverno! Bota fé, Brasil, bota fora o PT!

 

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

PERDÃO

Esse pessoal do PT que trouxe o País até essa situação, depois de uma dúzia de anos de desgoverno, deveria, no mínimo, aproveitar a ocasião e pedir perdão...

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

CANDIDATO EM 2014

Será que o papa Francisco, por sua habilidade e por tudo o que já fez e mostrou em tão pouco tempo, não gostaria de se candidatar a presidente do Brasil em 2014?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

ERRANDO O ALVO

Há 1.700 anos a Igreja Católica diz que deve atender os pobres, e essa declaração simplesmente fica no ar, porque quem tem de atender os pobres, ou melhor, eliminar a pobreza, são as elites que governam cada nação. A própria Igreja, quando fazia isso na Idade Média, também não eliminou a pobreza, pois também usou a pajelança de governos do “mentir para governar”. Eliminar a pobreza significa oportunidades iguais para todos pelas leis; a pajelança de governos, da qual nem a Igreja se isolou, dá oportunidades para poucos e impõe deveres para os muitos. O papa precisa falar isso para a elite política. Para o povão, já vem falando há milênios, e a pregação fica no vazio.

 

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

TODOS IGUAIS

Pura ingenuidade daqueles que acham que o papa Francisco poderia ser diferente dos outros. Afinal, o dogma rígido, criado há mais de 2 mil anos, só tende a se solidificar, e cada vez mais. Como poderiam os papas escapar da lavagem cerebral por que passam há mais de 20 séculos?

Conrado de Paulo conrado.paulo@uol.com.br

Bragança Paulista

*

PARCIMÔNIA DESNECESSÁRIA

Existe uma crise no governo federal com que ninguém se está importando. Ou porque não querem ou porque não veem. A presidente Dilma tem demonstrado despreparo total para o cargo. Seus discursos evidenciam isso. O apoio que ela tinha não existe mais, nem na camada da população que a elegeu. Já não representa os brasileiros. Não sei por que essa parcimônia com uma situação séria e grave.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

GRANDE PASSO PARA A NAÇÃO

Um grande passo em direção à reeleição da Dilma seria, sem dúvida, seu distanciamento do chefão dos petralhas.

 

Sergio Diamanty Lobo diamanty18@gmail.com

São Paulo

*

SUCESSOR SEM SUCESSO

Temo pelo candidato que suceder a Dilma no cargo de presidente. O presente que vai receber é uma herança maldita pior do que a que Lula deixou para ela. Dívidas, desmanche das agências reguladoras, bancos públicos com o pires na mão, caos na educação e na saúde, só para começar.

Leila E. Leitão

São Paulo

*

JOSUÉ E JERICÓ

Viajemos pelos meandros das hipóteses para tecer uma situação da política nacional se o PT perder as eleições de 2014. Por certo nos setores do poder se desencadeará uma abertura da amostra do apocalipse, do fim dos tempos, tal o desespero de talvez centenas de milhares tentando salvar a própria pele de um tsunami em sua vida e, mais diretamente, em seu bolso. Antes das manifestações urbanas, durante o mês de junho, os oligarcas do Planalto dormiam o sono angelical, tendo como favas contadas a reeleição de Dilma e a continuidade da rapina de fazer inveja a mestres como Cavendish, Barba Negra, Morgan e Jack Sparrows. Os que vão verter lágrimas sentados no meio-fio serão representados por 39 ministros e uma trupe de secretários e auxiliares que apenas recebem seus salários no fim do mês. Mais 25 mil “cumpanheros”. Um exército de apaniguados dos milionários fundos de pensão gerenciados pelos petistas e chefes sindicais. Adicione-se a esse mar de apavorados o oceano dos aliados, e não deixemos de considerar a onda de parentes, amigos e amantes que circulam ao redor do poder. O medo e o pânico instalaram residência no Palácio do Planalto. Que os eleitores conscientes façam de seus votos o que as trombetas de Josué fizeram com Jericó.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

REPRESSÃO

Getúlio Vargas se valia da Polícia Especial, Dilma Rousseff da Força Federal.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br  

Monte santo de Minas (MG)

*

NOVELA VERMELHA

Se o governo atual fosse uma profusão de personagem de novelas, com certeza o elenco e a direção seriam assim

Autor: Luiz Inácio Lula da Silva.

Estrelando: Dilma Rousseff, como Viúva Porcina, de “Roque Santeiro”.

Participação pspecial: Aloizio Mercadante como conselheiro Vanolli Berval, e Gilberto Carvalho como Ravengar, de “Que Rei Sou Eu”; José Dirceu como Zeca Diabo, de “O Bem Amado”; Ideli Salvatti como Carminha, de “Avenida Brasil.

Atores convidados: Gleisi Hoffman como Professora Helena, de “Carrossel”; Rui Falcão como Leleco, de “Avenida Brasil”; Celso Amorim como Florindo Abelha, de “Roque Santeiro”, Marco Aurélio Garcia como Miss Pirangi, de “Gabriela”.

Direção Geral: João Santana.

David Batista do Nascimento davidbatistadonascimento@hotmail.com

Itapetininga

*

DANÇA DAS CADEIRAS

Se os 39 ministros do governo Dilma resolvessem trocar de pasta entre si, nada aconteceria! Como as nomeações são políticas, tanto faz quem ocupa tal ou qual ministério, nenhum deles vai realizar nada de relevante em seus mandatos. Quem sabe um dia a presidente Dilma se dê conta de que seu governo não consegue realizar nada por causa das nomeações políticas para cargos técnicos. O afastamento de todos os ministros e a nomeação de técnicos de carreira competentes em cada pasta seria um bom começo para a reforma política.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

TESTE DE RESISTÊNCIA

Existe hoje no Brasil um teste de resistência. O governo e os políticos estão testando os limites da paciência do povo. Já foi dado o primeiro sinal de fadiga.

 

Ulysses Fernandes Nunes Junior ulyssesfn@terra.com.br

São Paulo

*

GOVERNO FRACO

Vamos ilustrar alguns pontos do governo Dilma, de conhecimento da maioria dos brasileiros, que o ex-presidente Lula vai defender com “unhas afiadas”, segundo sua alegação: déficit nas contas externas cresce 72% só no primeiro semestre; inflação provocando alta geral dos preços; crescimento estagnado; 39 ministérios, alguns plenamente dispensáveis; 22 mil cargos de confiança; manobras contábeis para fechar as contas federais; Petrobrás, antes um orgulho nacional, em dificuldades financeiras; BNDES esbanjando empréstimos de retorno duvidoso; governo propondo um plebiscito fora de época e de forma ilegal; importações desnecessárias de médicos estrangeiros, em manifesto desrespeito aos profissionais brasileiros, etc., etc. O ex-presidente Lula deveria refletir sobre a realidade brasileira atual, acalmar seus ânimos e não pretender defender com tanta garra um governo fraco, que deixa muito a desejar.

 

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

UM NÃO UNÍSSONO

Ao sair em defesa dos projetos de Dilma e do PT, referentes ao programa Mais Médicos e à realização do plebiscito (que só interessa ao PT), Lula chegou a dizer que vai afiar as unhas em sua defesa, uma imagem claramente excessiva dirigida ao Congresso e à elite empresarial por estar carregada de ameaças e de advertência. Também rejeitou a ideia de diminuir o número de ministérios, afinal, o PT não pode, nesta altura do “campeonato”, desagradar a seus aliados: vai precisar de todo o apoio que puder para o PT continuar no poder. Mas que tipo de recado carregado de ameaças e de constrangimento aos parlamentares e também à elite empresarial brasileira se esconde atrás da promessa de Lula de lutar com as unhas afiadas? Quantos rabos presos Lula mantém em rédea curta? Essa é a maneira lulopetista de fazer política... Que rejeitamos em uníssono pelas ruas de todo o País: chega! Queremos um jeito mais digno de fazer política, queremos um Brasil muito melhor!

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

PARAFRASEANDO O REI DA ESPANHA

Lulla “por què no te callas”?

Alice Baruk alicebaruk@bol.com.br

São Paulo

*

AGENDA ABERTA PARA A JUVENTUDE

“O cara” abriu sua agenda para a juventude: tenta compreender os motivos dos protestos. Falou durante três horas seguidas para universitários do ABC, quer abrir um diálogo com a juventude. Oh, meu Deus! Se não entendeu ainda os motivos das demandas, vai, sim, tentar agravar a metástase da mediocridade. O que ele deve entender claramente é que está devendo desculpas ao País pelo lamentável e irrecuperável buraco em nossa economia.

 

Luiz Carlos Cunha luiz.cunha@terra.com.br

São Paulo

*

INSANOS INTERESSES

O Brasil está totalmente à mercê dos interesses insanos do PT. A onda de protestos que envolve o País é totalmente protagonizada pelo partido que tem a primazia de mobilizar as classes populares, quer com meros fins pacíficos de protestos, quer com fins badernistas. Na alternância dos dois modelos, eles conseguem confundir ate a opinião da direita e assim avançam nos seus objetivos de implementação do socialismo. É evidente que os grupos de vandalismo também fazem parte do movimento, pois assim eles conseguem enfraquecer o crescimento das reivindicações da direita, que são justas e devidas, e também criam o ambiente de desordem que é propício para justificar medidas políticas contundentes e favoráveis à consecução de seus objetivos maiores. Para validar essa tese basta analisar o currículo do partido e principalmente de seus integrantes, como também o estreito relacionamento com os movimentos da Venezuela e de Cuba diante do cenário altamente favorável do grande circo de espetáculos esportivos e festivos sociais programados para o período eleitoral geral do próximo ano.

José Carlos C. Ribas ribistico@yahoo.com.br

Cascavel (PR)

*

ALVES E A MALA

O presidente da Câmara dos Deputados não pode presidir as sessões daquela Casa depois da volta do recesso, pois é muito grave a crise política, enquanto o caso do roubo da mala com R$ 100 mil não for devidamente apurado pelo Conselho de Ética.

Luiz Roberto Da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br

Campinas

*

SALVE-SE QUEM PUDER

Quando membros de um partido político começam a brigar entre si, é sinal de que alguma coisa está muito errada. É o caso do PT.  A mais recente desavença foi entre o líder petista José Guimarães (CE) e Cândido Vaccarezza (SP). Guimarães declarou que Vaccarezza não representa o partido na comissão especial que discute a reforma política, para a qual foi designado pelo presidente da Câmara dos Deputados. E 2014 já está batendo às nossas portas!

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

GALINHEIRO

Acalmai-vos, galinhas, o futuro já começou! A empresa Congresso de Raposas Inc. já está trabalhando no projeto do novo galinheiro.

Carlos Pacheco Fermandes Filho c-pacheco-filho@uol.com.br

São Paulo

*

A REFORMA POLÍTICA DO POVO

Duvido que a reforma política seja feita, pois os parasitas já deixaram bem claro: nem em 2014 nem em 2016. Eles contam com o arrefecimento dos ânimos da população e com a proteção das polícias. Reforma só sai com pressão sem tréguas sobre o Congresso, mesmo com violência ou por uma revolução! A reforma política que o povo deseja é bem diferente da que os políticos do Brasil querem. Não queremos financiamento público de campanha nem voto em lista imposta pelos partidos. Queremos um Congresso unicameral, extinguindo-se o Senado; a extinção das inúteis Câmaras Municipais; o fim dos “suplentes”; que os votos em branco e nulos sejam computados como válidos nas eleições; o fim do quociente eleitoral; a proibição de que parlamentares se reelejam por mais de um mandato, como no Poder Executivo; o fim da famigerada aposentadoria parlamentar (parlamento não é emprego, é representação popular temporária); a cassação definitiva de parlamentares envolvidos em corrupção e outros crimes (parlamentar corrupto não deixa de sê-lo após oito anos); o fim do voto secreto; o fim das emendas parlamentares ao Orçamento da União, que propiciam e impõem negociatas com o Executivo; o fim dos recessos parlamentares; desconto nos salários por ausência nas sessões; eleições a cada quatro anos na mesma data para todas as esferas de governo (da Presidência às prefeituras e Legislativos), o que vai gerar economia de gastos públicos; fim do foro privilegiado; que os salários do Poder Legislativo sejam determinados e reajustados por um conselho superior formado pelo Poder Executivo, o Poder Judiciário, a OAB, cidadãos comuns, sindicatos e outras instituições, e não casuisticamente e de forma corporativa pelo próprio Poder Legislativo; que o Supremo Tribunal Federal seja formado por juristas de notório saber e por mérito (carreira), e não indicados pela Presidência da República; que os ministros dos Tribunais de Contas não sejam escolhidos por deputados, e sim juízes de carreira e de ilibada conduta; e, ainda, que cada deputado federal e estadual se eleja com, no mínimo, 1 milhão de votos.

João M. V. Azambuja veleda@ufpel.edu.br

Pelotas (RS)

*

PROPOSTA

Artigo único: fica vedada a ocupação de cargos ou funções nos Poderes Executivo Federal, Estadual, Municipal e empresas estatais, em todos os escalões, de todos os ocupantes de cargos eletivos, vice-governador, senador, deputado, vereador, inclusive parentes de até segundo grau. Para tais funções deverá ser nomeada pessoa com formação profissional e reconhecida qualificação ao cargo requisitado. Que tal, passa?

Manoel Braga manoelbraga@mecpar.com

Matão

*

BRADO RETUMBANTE

Em 7/9/1822, “independência ou morte” trouxe liberdade sem mortes. Em 7/9/2013, “eficiência ou morte” pode trazer qualidade, se o brado for retumbante. Eficiência reduzindo pela metade os excessos dos salários dos políticos, dos ministérios e dos impostos; qualidade dobrando o que tem qualidade escassa, como a educação, as punições e o transporte. Se em 1822 bastaram cavalos e uma espada, agora celulares e uma rede social também podem bastar... Tudo depende do grito. Avante, Brasil!

Gilberto Dib www.dib.com.br

São Paulo

*

CARREIRO E A FONTE DA JUVENTUDE

“Carreiro vem, carreiro vai...”, letra imortalizada na música sertaneja? Não, não é essa, não! Refiro-me àquele Carreiro que fazia parte da assessoria da Mesa do Senado. Como remoçou, não?

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

*

AÇÃO ARQUIVADA

A decisão pelo arquivamento da ação movida pelo ex-estagiário do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Marco Paulo dos Santos contra o ministro da Corte Ari Pargendler não causa nenhuma surpresa, pois é praxe em nosso país nenhum poderoso ser condenado por cometer excessos contra pessoas humildes. O "você sabe com quem está falando?" prevalece em nossa legislação. Mas gostaria de saber qual foi o resultado da sentença da justiça divina, pois esta é dada de forma justa e não há dinheiro que compre um habeas corpus divino.

 

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

AUTORIDADE DE ARAQUE

É muito triste perceber que, no Brasil, ainda a maioria dos que detêm cargo, eletivo ou não, nas nossas instituições se julguem criaturas superiores ou donas de privilégios que a própria Constituição não lhes assegura. Ou seja, infelizmente, de guardiões que deveriam ser, são os primeiros a desrespeitar as leis vigentes... Mas, conscientes de que vivem no país da impunidade, humilham de todas as formas a nossa sociedade. E está aí um caso típico dessa moléstia institucional tupiniquim. O jovem ex-estagiário do judiciário Marco Paulo dos Santos foi escorraçado e agredido pelo ex-presidente do STJ Ari Pargendler, que chegou a tentar puxar seu crachá do pescoço, só porque Marco estava atrás do magistrado quando este utilizava o caixa eletrônico do tribunal. E por que a preocupação do juiz? Será que sua transação financeira era irregular, ilícita, para ficar irado com alguém que estava exatamente na faixa de distância indicada nos caixas eletrônicos e somente naquele equipamento poderia fazer a movimentação desejada? Ou, o magistrado maltratou o rapaz por ser negro? E para estarrecer, esse jovem foi demitido de seu estágio pelo próprio juiz! Aliás, um péssimo exemplar do nosso Judiciário. Mas a indignação não termina aí. O até então respeitável procurador-geral da República, Roberto Gurgel, depois de deixar por três anos na gaveta do corporativismo a ação do Marco contra o magistrado em questão, simplesmente teve a desfaçatez de arquivar o processo, dizendo que Pargendler não ofendeu esse humilde cidadão... Nada melhor nesse caso do usar aquela velha metáfora: quando uma autoridade constituída não, humm, digamos, faz na entrada, faz na saída...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

JUSTIÇA MINÚSCULA

A Justiça no Brasil deve ser escrita em minúsculo diante de tantos absurdos utilizados por juízes em benefício próprio. A situação é vergonhosa!

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@ig.com

São Paulo

*

VANTAGENS EVENTUAIS

Não há nada de ilegal nos pagamentos, conforme o sr. Henrique Calandra afirma sobre os pagamentos das “vantagens eventuais” e sobre os salários de seus insignes companheiros de magistratura. Mas que é de uma imoralidade tal, ninguém pode contestar. Essas e outras discrepâncias salariais entre notáveis e comuns têm de ser abolidas, porque a humilhação de quem mata dois leões por dia para ganhar uma “merreca”, comparativamente, chega a ser desumana. Que o papa Francisco ore pelo povo brasileiro, nós merecemos pela nossa total subserviência aos áulicos do poder.    

Aloisio A. De Lucca aloisiodelucca@yahoo.com.br

Limeira

*

PROFILAXIA

Lendo a matéria sobre as “vantagens eventuais”, vemos como funciona o Judiciário. E mais revoltante ainda é o comentário do presidente da AMB, sr. Henrique Nelson Calandra, de que isso não tem nada de imoral nem ilegal. Com essa opinião, entendemos por que a nossa Justiça só prende ladrão de galinha e de margarina em supermercado. O Judiciário precisa passar por uma profunda “profilaxia”.

Alberto Coelho coelho.av@gmail.com

Mariporã

*

SILÊNCIO SELETIVO

Por que será que há um silêncio estarrecedor diante dos escândalos que assolam o governo Alckmin e outros tucanos de bico fino? Como justificar a indecência do Metrô e da CPTM na maior cidade da América Latina, enquanto o dinheiro do contribuinte, que deveria ser investido na melhoria desses transportes, foi para as contas da Siemens e da Alstom? Tanto dinheiro que foi para bolsos indevidos não é digno de uma boa CPI? Por que tanto dengo com o governador Alckmin? Será que o cidadão não merece um metrô de qualidade? Como justificar a palhaçada que ocorre todos os dias? “O trem está aguardando o carro da frente” para justificar tamanha lerdeza e inoperância; “o trem será evacuado no metrô Tucuruvi” para impedir os passageiros de irem sentados. Espero que haja parlamentares capazes de abrir uma CPI para essa “festa” com o dinheiro do contribuinte. O que não pode é continuarem fingindo que não acontece nada no Estado mais rico da Nação e ausente de serviços públicos de qualidade.

Luciano Martins luciano.martinswpt@gmail.com

São Paulo

*

MENSALÃO TUCANO

O julgamento do mensalão do PSDB não pode nem deve servir de pretexto para dar moral e esquecimento ao mensalão petista, pois ambos são vergonhosos e seus participantes devem devolver ao erário o produto do roubo e ir para trás das grades, como os contribuintes quando condenados.

Julio Jose de Melo julinho1952@hotmail.com

Sete Lagoas (MG)

 

*

TAPA-BURACOS

Em vez de reformar estradas, nosso governo tapa os buracos. É assim que trabalha Dilma. Como a população reclamou da saúde pública nas manifestações de junho, a presidente inventou um plano absurdo para conseguir mais médicos. Na realidade, o governo atua na superfície dos problemas e não atinge suas causas. Um dos setores em que nosso governo menos atua é o do saneamento básico, a origem de grande parte dos males de nossas regiões mais pobres e muitas das mais ricas, causadora da imensa quantidade de problemas de saúde que o governo tenta ignorar. Guarulhos, por exemplo, com 1,2 milhão de habitantes e o principal aeroporto do País, trata apenas 50% de seus esgotos, jogando grande parte dos dejetos não tratados no Rio Tietê, que atravessa várias cidades, inclusive São Paulo. Quanta população do País vive no meio do esgoto a céu aberto? A presidente Dilma sabe, ou deveria saber, que o principal problema de saúde pública no País é a falta de saneamento básico em primeiro lugar e a falta de educação, assuntos irrelevantes em sua pauta de trabalho. Com mais educação as pessoas saberiam conviver melhor com o saneamento básico, a alimentação, o vestuário e outros assuntos relacionados à saúde, como a nutrição. Agora, mais uma vez  Dilma “tapou buracos”.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

MAIS MÉDICOS?

Uma notícia que se repete frequentemente acaba tendo pouco destaque na imprensa. Talvez seja esse o motivo da pouca divulgação de mais uma tragédia da saúde pública. A epidemia de diarreia no Estado de Alagoas já causou muitas mortes. E aí, ministro Padilha? É por falta de médicos ou das péssimas condições de saneamento, educação e da qualidade de água?  Nunca ouviram falar em hipoclorito de sódio?

 

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

SIMPLES SOLUÇÃO

Um simples decreto presidencial poderá disponibilizar 10 mil médicos imediatamente. Basta revogar a proibição para que os médicos militares aposentados possam exercer outra atividade remunerada...

Caio Augusto Bastos Lucchesi cblucchesi@yahoo.com.br

São Paulo

*

MÉDICOS SEM MEDICAMENTOS

Arrumar a maracutaia de médicos cubanos para uma imensa parcela da população é um grande feito do governo vermelho. Claro, esse povo não tem capacidade de avaliação... Poucos entendem, nem mesmo os incompetentes membros do Foro de São Paulo, que o problema da saúde no País se deve a três fatores: seriedade, aparelhamento e organização. Imaginem que um garoto brasileiro de 2 anos de idade, com leucemia, consiga um doador de medula compatível na Alemanha, mas falta leito em hospitais do interior de São Paulo. De que servirão médicos (?) cubanos sem leitos, equipamentos e medicamentos?

 

Nei Silveira de Almeida neizao1@yahoo.com.br

Belo Horizonte

*

PASSEATA DOS REMÉDIOS

Por anos não encontrei quem me ouvisse. Fui responsável pelo setor de custos de dois laboratórios multinacionais, um deles campeão de vendas várias vezes no Brasil, à época em que existia o chamado controle de preços por causa da inflação. Um dos laboratórios tinha um produto que rendia 1.032 % de lucro na maioria dos produtos, o custo da embalagem era várias vezes maior que o do conteúdo, mesmo levando em consideração que os ingredientes ativos eram superfaturados com a proteção da Lei de Patentes. Num dos laboratórios, como o superfaturamento nas importações dos ingredientes ativos era insuficiente para esgotar o extraordinário lucro com remessas disfarçadas para o exterior, usava-se o artifício da coprodução com o México. Tudo isso amparado por lacunas nas leis (também sou formado em Direito). Não adianta recorrer a autoridades brasileiras, quando não há lacuna legal, há conivência. Os juristas responsáveis pelos esquemas são desumanos e impatriotas. Os chamados desenvolvidos conseguiram a posição explorando a riqueza material e a pobreza moral dos subdesenvolvidos. O comentário com o título acima, do leitor sr. Roberto Cataldi, no “Fórum dos Leitores” de domingo passado me deu a satisfação de conhecer, finalmente, alguém que fez emergir a exagerada exploração.

José Domingos Batista jbd.13@hotmail.com

São Paulo

*

MENTIRA E ASSALTO

O sr. Roberto Cataldi também precisa saber que os famosos remédios que a mãe dos pobres manda distribuir de graça, para diabetes e pressão alta, são uma grande mentira. O medicamento Maleato de Nalapil de 20 mg custava R$ 4,25 e o do 10 mg, R$ 3,20. Pois bem, ela dá de graça o de 10 mg e liberou o preço de 20 mg, que passou a custar R$ 45, um assalto! Que belo presente para o povo, como sempre, enganado. Precisamos fazer, sim, uma grande passeata para diminuir os preços dos remédios.

Natal Sapia n.sapia@hotmail.com

Guarujá

*

LULA E EIKE

Nunca antes no país do “bolsa esmola” um Lula valeu um Eike, apesar de o segundo ser cria do primeiro.

 

Antonio Jose G. Marques a.jose@uol.com.br

São Paulo

*

CRIMINALIDADE

As leis do Estatuto do Menor foram feitas pensando no mundo como ele deveria ser, não como é. Impedir o jovem de trabalhar até os 16 anos e torná-lo impune até os 18 empurra-os para a marginalidade. Estávamos vivendo num país do faz de conta e agora estamos acordando. Urge começar a legislar sobre o mundo real.

Oscar Seckler Muller oscarmuller2211@gmail.com

São Paulo

*

O BRASIL E AS ARMAS

Não sou a favor do porte de armas para amadores nem da facilitação para a compra delas, a exemplo do que ocorre em muitos Estados americanos. Também não defendo a pena de morte. Mas, na onda dos referendos e plebiscitos, a presidente Dilma deveria ousar mais nesse particular e perguntar à população o que ela acha disso tudo. Certamente a maioria também não quer cidadãos armados e a decretação do fim da vida pela justiça dos homens, como vem acontecendo. Muito menos criminosos, usando todo tipo de armas, matando, incapacitando, amedrontando, mantendo as pessoas presas em casa e, no final, ao serem “presos”, saindo livres pela porta da frente e rindo de nossa cara.

 

João Direnna joao_direnna@hotmail.com

Quissamã (RJ)

*

POR UM MUNDO LIVRE

Quem ama não mata. As paixões são as verdadeiras fontes da violência. No mundo inteiro, atentados terroristas anunciam a morte de inocentes. Ninguém é de ninguém. Tentar ser dono de alguém é uma violência. A liberdade de pensar e ser diferente é a bandeira levantada em nossos tempos. Deixemos livre quem deseja não pensar como nós! A tolerância e a paciência diante das discórdias podem evitar a radicalização das ideias e a violência. Ninguém é obrigado a pensar como você. Cada um pensa como quer e sofre as consequências de seus pensamentos e suas ações. Assim teremos uma humanidade que busca a liberdade. E pensa em viver unida, apesar das diferenças. Por um mundo livre!

 

Paulo Roberto Girão Lessa paulinhogirao@uol.com.br

Fortaleza

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.