Fórum dos Leitores

GOVERNO DILMA E O PAPA

O Estado de S.Paulo

30 Julho 2013 | 02h06

Eminência parda

Agora está confirmadíssimo! Talvez motivada pelo "efeito papa", a presidenta Dilma Rousseff resolveu confessar à Nação o que significativa parcela da sociedade já sabia e a outra parte desconfiava: "Lula não vai voltar porque nunca saiu"... Assim, fica fácil entender também por que o País está nessa situação periclitante. Para dizer o mínimo!

JOSÉ MARQUES

seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

O exemplo do pontífice

Ao dizer que Lula nunca saiu do governo, Dilma assume que não tem brilho próprio e não governa sem recorrer a seu criador, numa clara ligação de dependência com o ex-presidente, que, de seu lado, nunca soube sair de cena como tal. Disse também que "na política se faz o diabo" e Lula já falou que "na política tem de blefar". Ora, como ambos não se constrangem em utilizar tais expedientes ad nauseam sem nenhum constrangimento, o que mais se pode esperar? Que o povo brasileiro saiba dizer "chega!". Porque agora não estamos sós, temos alguém do nosso lado nos convidando a pôr a ética em nossa vida cotidiana e a prosseguir na luta contra o que foge a isso: corrupção, malfeitos e desprezo aos humildes pelo uso escandaloso de privilégios e desperdício do dinheiro público. Vamos em frente, pois. E, pacificamente, seguir sem esmorecer o que nos pontificou o papa Francisco, seja qual for a crença que abracemos, pois o que vale são os princípios que ele nos instou a perseguir. Obrigada por tudo, Francisco, sobretudo pelo exemplo de humildade e de entrega que deixou ao povo brasileiro.

ELIANA FRANÇA LEME

efleme@terra.com.br

São Paulo

*

Promoção capenga

Ao declarar que não cabe o "Volta Lula" pois ele nunca foi, a presidente Dilma confirmou o que muitos já sabiam: temos um governo a quatro mãos e duas cabeças. Eles tentam convencer-nos de que com isso levamos vantagem, ao pagar uma e levar dois. Mas sabemos que essa "promoção" é capenga, porque, se um já não sabia de nada, dois parecem estar sabendo muito menos.

SILVANO CORRÊA

scorrea@uol.com.br

São Paulo

*

O que nos aguarda?

É uma vergonha para os brasileiros saber que a presidente Dilma divide o exercício de seu mandato com quem não foi eleito. E como a herança deixada por Lulla é maldita (mensaleiros, PIB ridículo, falta total de infraestrutura e de todas as reformas prometidas nos blefes lulistas), o que nos aguarda? Já estamos sentindo. Acorda, juventude do Brasil!

SEBASTIÃO VANDERLEI PINHEIRO

vanderlei106@terra.com.br

São Paulo

*   Decepção

Votei em Dilma Rousseff no segundo turno em 2010. Esperava muito mais dela e de seu governo, que é uma enorme decepção. Dilma não cumpriu suas promessas de campanha, manteve as alianças espúrias do PT, não fez as reformas prometidas, não reduziu os juros e a taxa Selic, adotou uma política internacional frouxa e pusilânime, piorou nossa economia e se acomodou com as benesses e mordomias do poder. Esperava dela mais idealismo, competência, coragem, nacionalismo, espírito público e republicano, que fosse mais progressista e ética, até por seu passado nobre de luta contra a ditadura militar. Mas não foi nada disso que se viu. Hoje a sensação que fica é a de que nós, o povo, não somos representados e que a política é algo torpe e viciado. Lamentável.

RENATO KHAIR

renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

Incompetência criativa

Novo paradigma luliano adotado pelo governo Dilma: nunca antes na História deste país houve tanta incompetência criativa. Isso nos remete ao Princípio de Peter (Laurence J. Peter) e seus corolários: "Todo trabalho útil será feito por aqueles que ainda não alcançaram seu nível de incompetência", o que justifica o fato de não haver trabalho útil em Brasília. Esse fenômeno é analisado por Rodney Crawford, em artigo na conservadora revista American Thinker, que pode ser aplicado diretamente ao Brasil. "O Princípio de Peter analisado em face do governo federal sofre de uma 'metástase' e ele o enuncia da seguinte forma: o Princípio de Peter diz que todo mundo é promovido para o nível de sua incompetência, onde permanece, cometendo erros (no caso de serviço público), até que ele se aposenta (lembremos que funcionários federais no Brasil não se aposentam com a miséria dos pobres mortais). Demissão não é basicamente uma opção com funcionários federais". Quando a presidente Dilma declara publicamente que governa juntamente com o ex-presidente Lula ("Lula não vai voltar porque nunca saiu") ou a ministra Ideli Salvatti diz que não vislumbra "nenhuma modificação na estrutura de governo feita pela presidenta Dilma", estamos diante de aplicação explícita do novo paradigma luliano. Aos brasileiros sobra a esperança de não terem de chegar ao caos para que este estado de coisas mude.

FILIPPO PARDINI

filippo@pardini.net

São Paulo   *

Queda de popularidade

Se perguntassem ao papa sobre a queda de popularidade de Dilma e do PT, decerto responderia o mesmo que sobre a perda de fiéis da Igreja Católica: falta de proximidade e abandono.

ARNALDO DE ALMEIDA DOTOLI

arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

Apagão

Pela a última pesquisa Ibope, a avaliação da presidente Dilma caiu 24 pontos porcentuais, tendo a avaliação "ruim" empatado com a "ótima" (31%). Conclusão: deu apagão geral no poste.

CLAUDIO JUCHEM

cjuchem@gmail.com

São Paulo

*

Francisco tem razão

O papa demonstrou estar bem informado sobre a atualidade brasileira quando, em várias ocasiões, chamou a atenção para duas de nossas maiores carências: saúde e educação. Mostrou ainda estar a par dos maiores problemas, como a enorme corrupção. E foi muito feliz ao incentivar os jovens a reagir e se manifestar e ao falar da sociedade voltada para o dinheiro e que excluiu jovens e anciãos. São advertências que os brasileiros precisavam ouvir, principalmente nossos governos e o Congresso.

FABIO FIGUEIREDO

fafig3@terra.com.br

São Paulo   *

Sem bandeiras

O papa Francisco encantou e emocionou todos nós. Que maravilha ver milhões de jovens reunidos sem bandeiras do MST, do PSTU, do PT... Viva o papa!

DINA DE CARVALHO PALMA

rcpalma@uol.com.br

São Manuel

*

LOUVOR A FRANCISCO

Ainda fascinados pela visita do papa Francisco, eis que ele nos surpreende, mais uma vez, positivamente. "Se uma pessoa é gay, busca Deus e tem boa vontade, quem sou eu para julgá-la?". Que belo exemplo de tolerância, piedade, humildade, respeito e amor ao próximo, compreensão e aceitação da realidade, que muitos condenam por puro preconceito, chegando ao absurdo de rotular preferências sexuais de doentias. Imagino que alguns retrógrados e obtusos darão várias "interpretações" ao que foi dito, mas pouco importa. Importa, sim, que pela primeira vez um homem da expressão religiosa do papa Francisco teve a graça de assumir posição a favor da diversidade.

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

OBRIGADO, SANTIDADE

O papa Francisco deixa uma mensagem que abrange todas as religiões. Suas atitudes e palavras de carinho, humildade e generosidade para com todos tocam não só os cristãos, mas também os budistas, islâmicos, judeus e seguidores de outras fés. Creio que todos nós vivenciamos a renovação dos nossos votos para que a humanidade caminhe rumo à paz. Temos nossas próprias religiões. Podemos ter nossos próprios messias. Mas todos seguimos o mesmo Deus. E os princípios de bondade e simplicidade, para a coexistência, são a base de todas as fés.

Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

*

‘HABEMUS PAPAM’

Não sei se havia 3 milhões de pessoas, eu acho que não.

Não sei se todos os que estavam lá eram católicos, eu acho que não. Não sei se o prefeito devia ter previsto que a chuva inviabilizaria a realização do evento no Campo da Fé, eu acho que não. Mas que importa tudo isso? Importante foi a mensagem que um homem simples, desprovido de qualquer vaidade, pregador da humildade, deixou. Católicos, evangélicos, judeus, muçulmanos, budistas, enfim, todos os religiosos, credores de todas as fés e até mesmo os que em nada creem, se dobraram ao sorriso e à voz serena e pausada desse homem. A mensagem foi clara, direta ao ponto, quer seja no sentido da evangelização, quer na direção dos jovens que se manifestam nas ruas, quer aos políticos que ocupam nossas Casas Executivas e Legislativas. É gratificante saber que ainda existem homens equilibrados, sóbrios e com autoridade a falar de cima para baixo com qualquer governante do mundo. Ainda novo no cargo de Sumo Pontífice, já demonstra segurança e traça seu perfil sem sofismas, sem engodos, mostrando qual é o caminho que ele espera que o mundo siga. Habemus papam!

João Menon joaomenon42@gmail.com

São Paulo

*

HERMANO QUERIDO

Concordo plenamente com o "mão santa" Oscar Schmidt: nunca poderia imaginar que fosse gostar tanto de um argentino.

Leão Machado Neto lneto@uol.com.br

São Paulo

*

VIRTUDE E CORAGEM

Lá se foi o papa! Apesar de algumas trapalhadas do governo fluminense e da prefeitura carioca, com certeza foi o maior evento que o Rio de Janeiro já teve e uma grande alegria para o Brasil. Um papa que soube falar a língua dos jovens e mostrou que a simplicidade e a humildade são as maiores virtudes do ser humano. Com certeza tocou o coração de muita gente, não só dos jovens que acompanharam a JMJ, mas de todos, independentemente de credos e religiões. Deus queira que ele encare com coragem os grandes desafios que tem pela frente, principalmente na reforma da Cúria Romana.

Fernando P. Dutra fffdutra@hotmail.com

São Paulo

*

CRISTÃOS ANTICATÓLICOS

Costuma se dizer em São Paulo que quem não é torcedor do Corinthians é simplesmente anticorintiano, ou seja, não é palmeirense, santista ou são-paulino. Através dos tempos tenho visto que certos cristãos são simplesmente não católicos e acabam esquecendo serem cristãos, isto é, esquecem-se de ser cristãos para serem anticatólicos. Pois agora que o papa Francisco voltou a Roma, o que dizer dos católicos? Os 3,5 milhões de peregrinos em Copacabana foram o quê? Farsa ou foi demonstração de fé e carinho por seu líder? Com a palavra os ditos cristãos anticatólicos.

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

*

ESTAVAM NA MISSA?

Pela foto estampada na capa do Estadão de 29/7, as presidentes Dilma Rousseff e Cristina Kirchner não parecem assistir à missa celebrada pelo papa Francisco em Copacabana. A imagem das duas mais parece a de uma plateia de Jockey Club em dia de grande prêmio. Precisavam vestir-se assim?

Toshio Icizuca toshioicizuca@terra.com.br

Piracicaba

*

PARECIAM DE LUTO

Não deu para entender por que as presidentas Dilma e Cristina foram à missa de encerramento de Jornada Mundial da Juventude com vestimentas e acessórios próprios para velório de ricos. Roupa preta?! Óculos escuros?! Sisudez na face?! A foto de ambas na primeira página do "Estado" de ontem transparece muita tristeza e solene aspecto de cerimônia fúnebre. Elas não se contaminaram com a intensa alegria e simplicidade do papa Francisco e dos jovens que compuseram a JMJ? Toda a JMJ foi muito alegre, descontraída, com a juventude interessada nas coisas do Alto e fé em Jesus Cristo. Uma parte dos jovens do Brasil e do mundo está corrompida pelas drogas, imoralidade, mazelas de um modo geral, mas ver esses jovens participarem com tanta disposição, amor, alegria desse evento cristão é um momento de muita emoção e confiança no futuro, pois dá a esperança de que a nossa juventude caminhe para um futuro alegre, tranquilo, sadio, de amor e de respeito. Parabéns ao papa Francisco e aos jovens brasileiros e meus pêsames a Dilma e Cristina.

Neusa Maria Lora Franco neusalora@uol.com.br

São Paulo

*

PROVAÇÃO

Sem dúvida que a visita do papa Francisco mexeu com as estruturas, tanto morais, como sociais e dentro da Igreja. Ele foi simples, prático e objetivo. Sem demagogia. Falou não somente para os jovens, mas para toda a sociedade. A maratona de visitas, discursos, beijos, bênçãos, etc., deve ter sido muito desgastante. Mas acho que a parte mais difícil da viagem desse incrível papa foi ter de aturar o que há de pior na sociedade: gente corrupta a abjeta chamada político brasileiro, sem exceção. Será que essa turma de inúteis aprendeu alguma coisa?

André Luis Coutinho arcouti@uolcom.br

Campinas

*

OPORTUNIDADE PERDIDA

Na programação a ser cumprida durante a permanência

do papa Francisco no Brasil, poderia ter havido uma mudança que seria muito benéfica para todos nós. A confissão na Quinta da Boa Vista poderia ter sido realizada no Congresso Nacional. Os religiosos envolvidos nessa missão ouviriam nas confissões pecados até então inimagináveis por eles, que os deixariam certamente traumatizados, sendo que os mais sensíveis teriam até de se recolher a clínicas de recuperação. Em contrapartida, os pecadores sairiam aliviados, apesar de terem grandes penitências a cumprir. Perdeu-se uma grande oportunidade.

Ricardo Pereira de Miranda ricarmiran@terra.com.b

Salvador

*

SURREAL

Nunca vi tanto político junto na despedida do papa como no saguão do aeroporto no Rio. Naquela hora, parecia que todos haviam virado "católicos apostólicos romanos". Mesmo tendo se despedido de todos após a cerimônia, quando ia subir no avião o papa até se surpreendeu ao ver a corriola toda se despedindo novamente. Foi surreal. Só faltou vê-los distribuindo "santinhos" para o papa Francisco levar como lembrança, como fazem em todas as "campanhas políticas". E o pior: nem ficaram com vergonha!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

FALTA DE COMPOSTURA

O ainda governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, pareceu-me não estar sóbrio na despedida do papa Francisco, no Aeroporto do Galeão. Seu comportamento não condizia com o de uma autoridade, mas, sim, de um penetra manguaceiro, com a gargalhada absurda que deu diante do papa.

Agnes Eckermann agneseck@yahoo.com.br

Porto Feliz

*

ALCOOLIZADO?

É impressão ou o governador Sérgio Cabral estava alcoolizado na despedida do papa Francisco no Galeão? Seu comportamento galhofeiro, exclamando "De novo!" e dando uma sonora gargalhada diante do papa, ao cumprimentá-lo pela segunda vez sob as escadas do avião, não pode ser considerado normal. Não é possível que um governador de Estado tenha tão pouca compostura e educação.

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianopolis

*

TRANSPOSIÇÃO

O papa Francisco passou uma semana conosco, chegou dizendo que não trazia ouro nem prata e saiu deixando muitas saudades e esperança. A dupla Lulla e Dilma já está no poder máximo desta nação há quase 12 anos. Detentores do ouro e da prata, prometeram fazer a transposição do Rio São Francisco, mas a obra está abandonada, trazendo desesperança para o sofrido povo nordestino. Quanta diferença!

José Carlos Degaspare degaspare@uol.com.br

São Paulo

*

TROFÉU DISPUTADO

Quando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva decidiu fazer a transposição do Rio São Francisco, eu acreditava que seria impossível aparecer alguém com tanta disposição para jogar dinheiro público na lata de lixo. Com o dinheiro que foi gasto no Campus Fidei, em Guaratiba, presumo que o prefeito Eduardo Paes já esteja apto a disputar o troféu.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

INDÚSTRIA DA SECA

O sofrimento do nordestino é imenso! A seca já deixou dezenas de cidades em estado de alerta e o racionamento nessas ali já começou. O milho que chegou a preço subsidiado fica limitado a alguns quilos por agricultor e já se sabe de desvios! A indústria da seca tem nova edição. Alguns poucos tomam vantagem e compram barato o que custou anos para o pequeno agricultor juntar. A seca deve ser questão de Justiça, pois, em situação de emergência, a família, as crianças órfãs e os idosos abandonados devem ter prioridade. Para salvar o pouco que restou, todos temos de nos unir para o bem comum. Justiça e solidariedade em tempo de tragédia.

Paulo Roberto Girão Lessa paulinhogirao@uol.com.br

Fortaleza

*

PRENÚNCIO DE NOVOS FRACASSOS

Depois de tantas falhas absurdas na recepção do papa, a Copa de 2014 e a Olimpíada de 2016 estão fadadas a verdadeiro fracasso. Teríamos ganhado muito mais se esses gastos milionários fossem aplicados em hospitais, transporte, segurança, etc., investimentos essenciais para o povo. Felizmente, parece que o tiro saiu pela culatra e esse governo corrupto, que pensou que tiraria vantagens, caiu em desgraça.

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@ig.com.br

São Paulo

*

PRÉ-ESTREIA

A baderna, os desencontros, a série de erros e a falta total de planejamento que ocorreram no Rio para a recepção do papa Francisco, que é só uma pessoa, é apenas uma "avant-première" do que ocorrerá por ocasião da Olimpíada de 2016, que deverá atrair milhares de pessoas para o País. Será o caos generalizado, né não?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

ESPAÇO ADEQUADO

A presença do papa Francisco no Brasil ainda vai servir para muitas avaliações. Mas é uma pena que alguns "infiéis" esqueçam seus posicionamentos no campo social e se prestem a buscar formas de desgastar a presidente Dilma. Cada situação tem um espaço adequado.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

ACESSO NEGADO

Ao citar, em sua entrevista ao jornalista Gerson Camarotti, apenas e tão somente protestantes, ortodoxos e judeus, o papa Francisco deixa bem claro que as demais religiões não têm acesso ao verdadeiro Senhor.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

DÚVIDAS INFERNAIS

Ao deixar o Brasil, o papa fez uma autocrítica: a Igreja está "atrasada" e tem estruturas "caducas". E o inferno? Ainda existe? Lembrei-me dos milhões de infelizes que ali sofrem, condenados ao fogo eterno. Haverá esperança para eles?

Arsonval Mazzucco Muniz arsonval.muniz@superig.com.br

São Paulo

*

INSPIRAÇÃO DIVINA

Os sete dias do papa Francisco no Brasil foram uma bênção sobre o nosso País, já abençoado pela natureza. Seus pronunciamentos foram emocionantes e trouxeram de volta os cristãos que, por algum motivo, abandonaram sua crença. Tomara que iluminem também os homens públicos, inspirando bons sentimentos e boas ações.

Flávio Tiné tine@estadao.com.br

São Paulo

*

ABRINDO OS OLHOS

A passagem do papa Francisco pelo Rio de Janeiro, em seu exemplar comportamento e postura, nos abriu os olhos. Espero que, por um Brasil melhor, desperte nossas lideranças e elas deem uma guinada radical no trato da coisa pública. É-nos perniciosa a filosofia de chegar pobre ao poder e "enricar" rapidamente. É momento de, numa nova atitude, dar prioridade ao País, deixar a soberba de lado, cuidar do erário com austeridade, abdicar da manutenção no poder a qualquer preço e sanar os precários serviços públicos prestados à população. Chega de gastança perniciosa com os apaniguados a troco de uma sustentação rigorosamente prejudicial ao País!

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

UM PAPA A PAR DO MUNDO

Quantas lições o papa Francisco deixou aos brasileiros! Num gesto de humildade e amor ao próximo, Francisco imprimiu sua marca. Os políticos deste país devem ter ficado muito envergonhados depois de verem a simplicidade do papa, sem luxo de hotel ou carro, carregando sua própria mala, enquanto aqui, no Brasil, todo luxo é pago com dinheiro público. O papa mostrou ser um homem atualizado: disse que quem manda no mundo é o dinheiro, que as manchetes, quando a bolsa de valores cai, se propagam, mas o mesmo não acontece quando um inocente é queimado vivo por marginais que seguem impunes. Aqui, no Brasil, os governos seguem de costas para a sociedade. A frase do governo federal "país rico é país sem miséria" deve ter ficado na memória do papa, pois, como ele pôde perceber, a corrupção sustenta o ditado do governo e a cada ano que passa os pobres aumentam cada vez mais, enquanto uns poucos enriquecem...

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

VISITA DESMITIFICANTE

Nem mesmo o mais empedernido coração ateu será capaz de contestar o magnetismo e a aura de santificação que o papa Francisco impregnou nos milhões de peregrinos presentes na 28.ª Jornada Mundial da Juventude. Durante a semana do evento predominou o mais puro ecumenismo, com a liderança brilhante e segura de uma das mais acertadas escolhas da Cúria Romana. Francisco desmitificou a figura até então santificada, intocada e acima dos mortais

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

ESFORÇO DE REPORTAGEM

Congratulo e expresso meus parabéns e um muito obrigado pela formidável, limpa e objetiva cobertura de reportagem do "Estado" no decorrer da Jornada Mundial da Juventude 2013. Deus lhes pague!

José Maria Tardeli afonsotardeli@hotmail.com

São Paulo

*

PROTESTOS CONTRA CABRAL

A fama de político corrupto de Sérgio Cabral extrapolou os limites de seu Estado e, surpreendentemente, tornou-o alvo de protestos em São Paulo. Sua infâmia ganhou o Brasil e deverá ganhar o mundo com protestos que provavelmente ocorrerão em Nova Iorque, Paris, Londres e outros grandes centros. Para quem tinha grandes aspirações políticas, não lhe vai restar nem a candidatura a síndico de seu edifício, com seus vizinhos maldizendo a hora em que Cabral se mudou para lá.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

NO RIO E EM SÃO PAULO

Os últimos atos de protesto carregados de vandalismo devem alertar as forças de segurança para que mantenham patrulhas especializadas e treinadas nos principais locais dessas manifestações. Não é possível que duas das maiores cidades do País, Rio e São Paulo, fiquem paralisadas, vendo tudo acontecer sem que forças de segurança com métodos próprios combatam os mais exaltados e defendam o patrimônio depredado sem racionalidade alguma.

Carlos Henrique Abrão abraoc@uol.com.br

São Paulo

*

BLACK BLOCKS

Agora essa: temos de engolir os anarquistas dos Black Blocks depredando São Paulo! Parece que a segurança estava apática.

João Camargo democracia.com@estadao.com.br

São Paulo

*

OS ANARQUISTAS DA PAULISTA

Quando li a reportagem sobre um grupo de baderneiros que se autodenomina Black Blocks e se tem infiltrado nas passeatas ordeiras da população paulistana para depredar estabelecimentos comerciais, principalmente bancos, a minha reação foi a mesma manifestada ontem pelos leitores no "Fórum" do "Estadão" impresso. Mas depois comecei a analisar as declarações do estudante de Direito do Rio de Janeiro, igualmente pertencente ao tal grupo, que estuda em universidade particular. Tem dificuldades em se sustentar, a própria família vive com dificuldades, mas se uniu aos depredadores como forma de protesto. O referido grupo já peca do início ao copiar uma denominação estrangeira e, consequentemente, todos os seus objetivos, seja lá quais forem, pois são contra o estabelecido por definição. Obviamente os que aqui depredaram as agências bancárias na Paulista também não possuem nenhuma ideologia, nem sequer a anárquica, acredito eu. Não perceberam, pelo menos aparentemente, que, na verdade, o fazem por puro espírito de porco, ou pig’s spirit, se preferirem os americanizados. Chega a ser inacreditável que sejam estudantes universitários. Será que não sabem que os edifício bancários estão segurados e que, além disso, todos os eventuais custos extras serão compensados nos aumentos dos serviços e juros bancários? Idem para os demais edifícios comerciais? Eu também em meu tempo protestei como estudante de uma faculdade paga e que tinha de me virar para pagar. E era época da ditadura militar. Também ocupamos o prédio da faculdade, mas não quebramos nada e o devolvemos nas mesmas condições em que estava quando o invadimos. Porque simplesmente tínhamos outra mentalidade, ou seja, sabíamos que protestávamos contra um estado e coisas, e não contra prédios e objetos. E foi por meio de inúmeras manifestações assemelhadas que conseguimos, embora lentamente, restabelecer a democracia neste país, mesmo que seja apenas a atual, em que antigos políticos da velha guarda ainda ocupam cargos estratégicos de comando, em nome da tal governabilidade. O que causa espanto, e muito mais, é as polícias assistirem a tais absurdos sem prender os vândalos. Ou lhes falta competência?

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

MEROS DESFILES

Não sou a favor, desculpem-me, mas se todas as passeatas tivessem sido pacíficas, concordam que tudo não teria passado de um lindo desfile? Às vezes, quando as palavras não bastam, umas palmadas não fazem tanto mal...

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

VANDALISMO OPORTUNISTA

Um protesto de militantes vândalos oportunistas, que depredaram 13 bancos na Avenida Paulista e emporcalharam nosso cartão-postal, posicionando-se com faixas contra o governador Geraldo Alckmin, é fato mais do que suficiente para nos convencer de que o caminho certo é ficarmos do lado oposto ao desse grupo e daqueles que estão por trás de tal movimento. Estar com o governador Alckmin significa estar contra tudo e todos os que esse grupelho de vândalos representa.

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

ENCAPUZADOS

O anonimato não é vedado pela Constituição? Temos de assinar e assumir o que falamos e escrevemos, valendo a mesma lei para os mascarados que, anônimos e covardes, não assumem seu atos infames por saberem que infringem a lei. Qualquer mascarado deve ser abordado e detido pela polícia para responder por crime previsto na Constituição.

Lucília Simões lulu.simoes@hotmail.com

São Paulo

*

À PAISANA

É obrigação das polícias, federal ou estadual, infiltrar agentes entre os participantes dos protestos quase diários no Rio ou noutros lugares. É uma operação necessária para poder identificar entre os manifestantes pacíficos aqueles que promovem arruaças, danos ao patrimônio público e privado e saques, como tem acontecido. Indivíduos portando coquetel molotov têm de ser tratados como terroristas.

Laércio Zannini arsene@uol.com.br

São Paulo

*

PERGUNTAS OPORTUNAS

Milhares de pessoas saíram às ruas em manifestações contra a ineficiência do governo, o excesso de ministérios e cargos comissionados para funcionários despreparados, os 3.300 servidores recebendo supersalários, a maioria no Congresso Nacional, o sistema de saúde ineficiente, a falta de assistência decente e as estradas mal cuidadas e perigosas. E agora vândalos a serviço do mal quebram e incendeiam tudo e a polícia nada faz? Nossa presidente ainda não deu o ar da graça, fazendo mudanças rápidas, radicais. Queremos isso, Dilma. Pedir conselhos a Lula, o responsável por essas coisas erradas? O criador reaparece e ninguém lhe pergunta sobre o caso Rose? Isso me preocupa, o silêncio de quem deveria botar as cartas. Só falam frases idiotas feitas por marqueteiros também desonestos. Agindo assim, nada mudará. Tantas perguntas a serem feitas a Lula e ninguém pergunta?

Julio José de Melo julinho1952@hotmail.com

Sete Lagoas (MG)

*

PAÍS DE VÍBORAS

O papa teve de sair de Roma para vir até o Brasil ensinar que não roubar, mas não punir quem roubou, é errado; que falar em pobreza, porém andar de helicóptero e aviões da Força Aérea Brasileira para as festinhas, não combina; que colocar "policinhas" nos morros sem infraestrutura para os miseráveis que lá vivem é errado, porque quem mora no morro é gente, não animais perigosos. Enfim, o papa tão somente disse que a exclusão social, a esmola governamental sem o "ensino da pesca" e a hipocrisia dos que falam dos pobres, porém vivem luxuosamente da miséria do povo, não combinam. O povo quer exemplos e seriedade, só isso. É difícil, "altoridades", entender? Ou seria preciso que o papa deixasse um desenhinho para vocês? País sem miséria é um país livre dessa raça de víboras, assim como disse um dia o chefe do papa.

Manoel José Rodrigues manoel.poeta@hotmail.com

Alvorada do Sul (PR)

*

‘ELE NUNCA SAIU’

Quando Lula deu à luz seu poste Dilma, a parteira se esqueceu de cortar o cordão umbilical.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

BIZARRO ESQUERDISMO

Mais do que mostrarem que a governança do País vai mal, os indicadores econômicos e de confiança, além das pesquisas, ratificam essa interpretação. No entanto, a obstinação da presidente Dilma quanto a ideias dogmáticas mostra que os erros que vêm ocorrendo se baseiam em suas próprias expectativas, originárias da inexperiência, da incompetência e do esquerdismo bizarro, que não existe mais nem sequer para com os próprios fundadores, não admitindo quaisquer mudanças na política em geral e na econômica em especial, que vai de mal a pior. Para o PT é difícil entender que o governo deve ser um sustentáculo adicional, e não um fim a si mesmo.

Mario Cobucci Junior maritocobucci@uol.com.br

São Paulo

*

REELEIÇÃO

Continua a farra aérea do alto escalão. A presidente Dilma – que tem cara de séria, mas não é – bem que poderia dar um basta nessa brincadeirinha de gastar dinheiro à toa. Aliás, poderia muito mais: encurtar aquela mesa oval de reuniões e reduzir esse elefante branco de 39 ministros para uns 18, no máximo. E dar um basta nessa aliança fajuta com esses partidos nanicos e políticos corruptos. Se quiser ganhar a eleição, terá que romper com Lula e Cabral, Sarney e Calheiros, etc. A seriedade que se espera dessa presidente candidata é que ouça o ronco das ruas e

rompa com essas oligarquias centenárias. Que faça o País tomar o rumo do crescimento, divulgando índices reais de inflação, e não "à la Ricupero".

Sebastião Paschoal s_paschoal@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

PERNAS DE PAU

Imaginem o Brasil como um time de futebol: os 39 ministros são os jogadores que têm de ganhar o jogo. Fica fácil de entender que esse time não vai ganhar jogo algum porque os jogadores não sabem jogar! O time Brasil está perdendo feio, mal toca na bola, o goleiro engole frangos sem se mexer, o técnico, a presidente Dilma, está sendo vaiado pela torcida, que já ameaça invadir o campo. Quem sabe com essa linda metáfora futebolística a presidente Dilma entenda que o time Brasil não vai ganhar o jogo com jogadores que não sabem jogar. Não será com o Lobão nas Minas e Energia nem com o Mercadante na Educação que o Brasil vai ganhar a Copa. Muda esse time, Dilma, antes que o Brasil decida mudar de técnico.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

JOAQUIM BARBOSA E O RACISMO

Data venia, o ministro Joaquim Barbosa está equivocado. Se os EUA, onde o racismo é muito mais evidenciado e menos hipócrita que no Brasil, elegeram Barack Obama presidente, por que o Brasil não faria o mesmo? Saia candidato sem partido em 2014 e comprove que o País que já elegeu um operário sem escolaridade completa e uma ex-guerrilheira como presidentes está mais do que preparado para ser governado por um negro. Meu voto está garantido.

J. S. Decol decoljs@uol.com.br

São Paulo

*

ECONOMIA

"A situação do emprego é estável no País", diz Mantega, numa atitude fingida diante dos novos números do desemprego. Chama de crescimento menor do emprego a taxa de desemprego, que cresceu e atingiu 6%. Como o governo considera "empregados" os beneficiários do Bolsa Família, esconde-se o desemprego real de mais de 11%, segundo o Dieese, próximo ao número de alguns países europeus da área em crise. Diz ainda o ministro que não dá para manter o ritmo anterior porque "não temos mão de obra qualificada", problema sobre o qual o governo nada fez. A errada opção da presidente Dilma foi manter 13 milhões de famílias no Bolsa Família para ganhar votos, em vez de usar pelo menos parte desse contingente para educar e formar a mão de obra mais qualificada que falta ao País. Foi uma decisão prejudicial ao Brasil e a esses cidadãos que não receberam os meios – de obrigação do Estado – para progredirem na vida. Teríamos mais mão de obra qualificada se o governo se dedicasse a isso, em vez de importar mão de obra, como estamos fazendo há algum tempo. O pior é que há uma tendência de aumento do desemprego e o governo não dá sinais de preocupação com essa área, exceto na hora de dar desculpas esfarrapadas.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

LENTES SECTÁRIAS

A visão do PT sobre a realidade dos acontecimentos é tão sectária que atribui à mídia todos os seus males, inclusive o mau desempenho do PIB, o aumento dos juros e da inflação. Ou seja, os culpados de tudo são os que registram, não os causadores dos fatos!

Eugênio José Alati eugeniojosealati@yahoo.com.br

Campinas

*

‘FAIRPLAY’

Já faz um bom tempo que a privatização dos aeroportos está em andamento, com vista aos eventos internacionais. No entanto, as mudanças prometidas estão em passos lentos. Já passou da fase do risco: a ameaça é atual. Em Brasília, por exemplo, as obras continuam ameaçando a vida de toda a população. O caminho para o aeroporto apresenta extremo perigo, sem a sinalização devida. À noite, então, nem se fala. O volume de tráfego já é extremamente perigoso, imaginem, então, sem sinalização nem iluminação. A Copa do Mundo vai ter toda a mídia planetária de olho na capital de todos os brasileiros. Já não basta a vergonha que passamos na Copa das Confederações? E o "fairplay" do presidente da Fifa vai se repetir?

João Coelho Vítola jvitola@globo.com

Brasília

*

CONTA DA LUZ

"Redução da conta de luz pode custar R$ 6,7 bilhões para o contribuinte" ("Estado", 29/7, B1), ou seja, não vão devolverão nada (coisa de ladrão safado!).

Ricardo Guerrini irgguerrini@uol.com.br

São Paulo

*

NADA DE NOVO

O Tesouro (nós) bancará o buraco nas contas da redução tarifária da energia elétrica. Novidade? Nenhuma. A formação profissional da presidente parece muito fraca, como a de seu ministro da Fazenda. O que lhes falta para compreender o que tantos profissionais competentes indicam? Inflação se combate com cortes de despesa supérfluas, enormes e inúmeras. O crescimento vem logo atrás, como consequência, e aumento de arrecadação. Elementar.

André C. Frohnknecht anchar.fro@hotmail.com

São Paulo

*

O BLEFE

Desde 2002, nos debates eleitorais, o PT carimba "privatização" no DNA dos tucanos, mas o vento anda assobiando e, quando ele sussurra Eike, Pandora abre a caixa e deixa escapar alguns segredos, vendas de ilusão, mentiras, devaneios, conchavos, apadrinhamentos, delírios, privilégios, desvios, espertezas, mancomunações. Quatro letras. Alguém conhece outra imagem tão concisa desse governo Lula Rousseff?

Helena Rodarte Costa Valente helenacv@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

PETISTAS X NAZISTAS

A Farmácia Popular simplesmente é uma vergonha. Nas farmácias ou drogarias participantes do programa, o sistema invariavelmente está fora do ar. Deve ser de propósito, para o necessitado não tomar o remédio e morrer logo. Aí o governo gasta menos com o programa. Deve ser uma nova maneira de dizimar os doentes. Os nazistas incineravam. O PT tira o sistema do ar.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

VIOLÊNCIA

Segundo o noticiário, a taxa de homicídios caiu 10%, mas a de roubos aumentou 9% em São Paulo. Donde se conclui que já estão roubando sem matar e temos de comemorar. Deve ser o efeito papa!

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

ÍNDICES ASSUSTADORES

O número assustador de imprudentes e irresponsáveis que "dirigem" falando no celular, que não ligam a seta e que até hoje não aprenderam a atravessar corretamente a faixa de pedestre é equivalente à escassez de médicos para atender, em todo o País, brasileiros de baixa renda. Uma indignidade e humilhação nacional. Não se sabe até quando.

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.