Fórum dos Leitores

PROTESTOS E BADERNA

O Estado de S.Paulo

01 Agosto 2013 | 08h05

Manifestações deturpadas

A História se repete como farsa. Essa frase muito conhecida tem que ver com o comportamento de pessoas convocadas pelas redes sociais para manifestações. Que estão sendo deturpadas por integrantes de grupos que aproveitam para praticar atos que não correspondem aos objetivos de quem quer mudar o que considera errado. É lamentável o que está ocorrendo e quem teve as primeiras iniciativas precisa refletir sobre a necessidade de dar um rumo adequado a um movimento que mereceu tanto alarde e destaque na imprensa.

URIEL VILLAS BOAS

urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

Vandalismo

Só foi a Tropa de Choque da Polícia Militar tomar posição que os vândalos se dispersaram quando iam em direção à Avenida Paulista, na noite desta terça-feira. Deu pra entender? Esses vândalos precisam ser tratados como vândalos. Só isso.

JOSÉ PIACSEK NETO

bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

*

Dedo político

A princípio não se vislumbra insatisfação popular que justifique a manifestação "Fora Alckmin" registrada na noite de anteontem na capital paulista. Salvo alguns grupos de funcionários públicos que nos últimos dias promoveram passeatas em que misturaram reivindicação salarial com melhores condições de trabalho e até a prisão de um delegado, não se tinha notícia de algum movimento parecido com a rejeição dos cariocas ao governador do Estado do Rio de Janeiro. Assim, dá para presumir que a manifestação não foi espontânea, como fizeram anunciar. Parece-nos que se trata mais de antecipação da campanha de 2014, já que o governador Geraldo Alckmin lidera as pesquisas eleitorais. Tanto o PT como o PMDB e outros partidos de menor expressão parecem não dispor de candidato viável, então, entrar na onda das "manifestações populares" seria uma forma de tentar desestabilizar o tucano.

NOEL GONÇALVES CERQUEIRA

noelcerqueira@gmail.com

Jacarezinho (PR)

*

O 'Fora Alckmin'

Com a aproximação das eleições (segundo elles), apesar de já não nutrir o mesmo entusiasmo por Alckmin, alerto-o quanto à continuidade das depredações, das quais todos sabemos o nome, sobrenome e DNA dos autores - os mesmos que dizem estar com as "unhas afiadas" e tudo farão para conquistar a joia da coroa.

JOSÉ ROBERTO PALMA

palmapai@ig.com.br

São Paulo

*

Campanha violenta

Se voltarmos no tempo, veremos que as badernas ocorridas na época das eleições municipais em São Paulo são do mesmo molde das atuais, os mesmos agentes... Enfim, é a ganância do poder vermelho de conseguir a governança do maior Estado brasileiro. Estão ficando feias na fita essas ações criminosas, pois nada têm que ver com o momento político. O que o povo quer são outras coisas. Baderna é da índole dos maus, dos covardes, dos mascarados.

JULIO JOSE DE MELO

julinho1952@hotmail.com

Sete Lagoas (MG)

*

Gota d'água

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, avaliou que se o aumento da tarifa de transporte público tivesse sido feito no início do ano, como estava previsto, as manifestações de protesto na capital paulista não teriam acontecido. O prefeito não entende que essa foi apenas a gota d'água necessária para derramar o líquido do copo. Essa gota fatalmente viria de qualquer uma das muitas outras demandas de serviço público, prometidas e não entregues pelos governantes.

ABEL PIRES RODRIGUES

abel@knn.com.br

Rio de Janeiro

*

ELEIÇÃO PRESIDENCIAL

'Daqui não saio...'

Não temam, petistas. No ano que vem Lulla e Dillma dobram o valor e a quantidade dos apaniguados servis do Bolsa Família e vocês ganham as eleições. Simples assim.

KLAUS REIDER

vemakla@hotmail.com

Guarujá

*

GOVERNABILIDADE

Compra de apoio

Notícias de Brasília dão conta de que a presidente Dilma Rousseff resolveu atender aos congressistas da base aliada com a liberação de R$ 6 bilhões para as emendas parlamentares. Em outras palavras, é a oficialização do mensalão, que o PT sempre afirmou que nunca existiu...

EDGARD GOBBI

edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

Salve-se quem puder

O líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (CE), afirmou que "a grande questão do momento é a sobrevivência política de cada um" (31/7, A4). Caso eles sobrevivam, resta-me a pergunta final: quem pagará a conta?

JOSÉ MANOEL OLIVEIRA SILVA

josemos@rigotti.pro.br

São Paulo

*

CONGRESSO NACIONAL

Esbórnia

Se o voto distrital com "recall" estivesse valendo para a Câmara dos Deputados e o Senado, comandados respectivamente por Henrique Eduardo Alves e Renan Calheiros, esses dois senhores já estariam no olho da rua. Depois de terem prometido mais austeridade, em seguida autorizaram um aumento de despesas das duas Casas de R$ 137 milhões! O ideal seria que essa dupla respondesse pessoalmente aos manifestantes, caso estes invadissem o Congresso Nacional, porque insistem em fazer a sociedade de palhaça.

PETER CAZALE

pcazale@uol.com.br

São Paulo

*

CONTESTAÇÃO

Coluna de Dora Kramer

Muito me surpreendeu a publicação, na coluna de Dora Kramer no Estado de 18/7, de uma afirmação improcedente atribuída a mim sobre a presidenta Dilma Rousseff, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o governador Eduardo Campos (PE). Transmito meu repúdio diante dessa colocação, posta como se fato verdadeiro fosse, e desminto veementemente seu conteúdo. Essa pretensa afirmação nunca foi dita, pois não costumo fazer avaliações individuais em público. Admiro e respeito cada uma das autoridades e lideranças citadas. A presidenta Dilma Rousseff, o governador Eduardo Campos e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tiveram e têm responsabilidades conferidas por voto popular e como cidadã e cidadãos que buscam o melhor para o nosso país.

EMÍLIO ODEBRECHT

juliana.souza@cdn.com.br

Salvador

N. da R. - A colunista mantém as informações publicadas.

*

MAUS NÚMEROS NA ECONOMIA

O superávit primário do governo no primeiro semestre do ano é o pior desde 2001. E agora a culpa é de quem? Da crise, de FHC? De um governo incompetente, que só divulga dados que lhe interessam, distorce fatos e maquia resultados é para esperar o quê? Um governo que administra mal seus projetos, gasta muito e pouco investe vai acabar onde? Dona Dilma insiste em dizer que a inflação está controlada. Coitada, só se for no bolso dela, porque o poder de compra do cidadão caiu vertiginosamente. Depois da geada, os preços do pão e do café vão subir. O consumidor brasileiro é a vítima do clima, dos maus gestores e da corrupção desenfreada que toma conta deste país. Será que algum dia essa situação terá jeito?

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

HUMOR NEGRO

Papo entre dois executivos do mercado financeiro: um, de uma empresa privada, cujas ações com valor de troco de padaria e previsão de cotação a preço de bala vendida por camelo (R$ 0,10); outro, de uma estatal com as ações a 20% do que já valeu. Disse o primeiro: “Eu sou você amanhã”.

 

Paulo H. Coimbra de Oliveira ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro

*

MÃOZINHA

Se tudo esta mal no Brasil, como os bancos conseguem ter tanto lucro? Vejam o caso do Itaú: em apenas três meses, obteve um lucro de R$ 3,5 bilhões. Seria isso um milagre? Seriam seus gestores mandrakes ou têm a mãozinha de nossos governistas nesses números? Como o macaco, eu só queria entender...

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

LUCRO DO ITAÚ

Um absurdo ver empresas e cidadãos quebrarem para pagar juros estratosféricos e taxas abusivas para os bancos, que não produzem, baterem recordes de lucratividade.

Yves Martin ymb52@terra.com.br  

São Paulo

*

PAC PAULISTA

Atenção, paulistanos: preparem-se para usufruir, a partir de agora, o período de maior prosperidade e desenvolvimento de toda a sua vida! Afinal, nunca antes na história deste país um governo federal anunciou medidas tão eleitoreiras, ops!, ousadas e concretas para a capital paulista como as divulgadas nessa quarta-feira. O extraordinário plano de investimentos ganhou a alcunha do “PAC São Paulo”. Apenas o fato de o programa adotar a brilhante marca PAC já demonstra o nível de credibilidade da iniciativa. Oras, trata-se do Programa de Aceleração do Crescimento, gestado pelos últimos governos lulopetistas no plano federal e tido como o grande responsável pelo crescimento econômico sem precedentes que experimentamos nos últimos anos – como duvidar de seu sucesso diante de taxas tão exuberantes como 2,7% em 2011 (uau!) e 0,9% em 2012 (uaaaau!)? Foi também durante a vigência do PAC que a taxa de investimentos caiu de 19,3%, em 2011, para 18,1%, em 2012, situando-se em patamares pífios relativamente aos verificados em outros mercados emergentes. Diante de números vistosos como esses, só resta aos paulistanos entoarem, em uníssono, um vigoroso “agora vai”! Depois do lançamento do PAC São Paulo, a vida dos paulistanos nunca mais será a mesma. Agradeçam, de antemão, aos super competentes Fernando Haddad e Dilma Rousseff!

Henrique Brigatte hbrigatte@yahoo.com.br

Pindamonhangaba

*

POLITICAMENTE MELHOR

Mal assumiu a Prefeitura, Haddad caiu na real. A cidade simplesmente não tem dinheiro para cumprir promessas de campanha por causa dos altíssimos juros pagos ao governo federal. Entre arrecadação e dívida não sobra nada para investir. Primeiro, Haddad disse que procuraria revisão dos contratos com a União. Recebeu um belo não, porque a presidente Dilma precisaria refazer o contrato com todos os municípios do País. Agora, Haddad anuncia que o governo federal lançará o PAC São Paulo. Alguns bilhões serão investidos em corredores de ônibus, moradia urbana, etc., etc. Por que essa bondade apenas com São Paulo, se todos os municípios estão em situação semelhante? Fica mais barato e politicamente compensatório em termos de “aprovação da presidente” enviar dinheiro apenas para São Paulo do que refazer os contratos com os municípios. O governo federal é o pior e mais caro agiota do planeta. Se eu fosse prefeita engrossaria uma bela passeata até o Palácio do Planalto e acamparia por lá não deixando a presidente trabalhar e dormir. Com certeza São Paulo precisa muito, mas o resto do Brasil também.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

O LEBLON COMO PALANQUE

O papa Francisco deixou claro na visita ao Brasil que apoia e incentiva a rebeldia dos jovens. Salientou, apenas, que tenham cuidado para não serem manipulados por aproveitadores travestidos de isentos e democráticos. É o que vem ocorrendo, lamentavelmente, nas manifestações contra o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral.  Longe de mim defender o governador. Reivindico o bom senso. Cabral não mora em casa. São imensos os transtornos para os moradores que moram no Leblon, perto do governador. A população perdeu o direito sagrado de ir e vir. Idosos, crianças, motoristas e ciclistas passam por enorme sufoco. Não está certo. Está mais do que claro que a turba ruidosa em frente ao prédio do governador é incentivada por grupos políticos desafetos de Cabral. Finórios que transformaram parte do populoso Leblon em palanque eleitoreiro.

 

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com  

Brasília

*

RECAÍDA OFICIAL

O governador carioca afirmou que a visita papal deixou-o mais humilde. A lamentar, somente o fato de que Francisco só voltará ao Brasil em 2017. Até lá, só nos resta temer por uma recaída oficial, entre o Palácio Guanabara e Mangaratiba... No helicóptero, é claro.

 

Gilberto M. Costa filho marcophil@uol.com.br  

Santos

*

CABRAL EM BAIXA

Interessantes as colocações do governador do Rio de Janeiro, sr. Sérgio Cabral, sobre as críticas que vem recebendo a respeito dos seus desmandos com o dinheiro público. Falou nos filhos! Honestidade e decência são preceitos básicos que devemos passar às crianças, dando bons exemplos. Ele não faz isso, mas dá para imaginar o porquê: certamente está educando seus  filhos para seguirem seus passos na política.

Anita M. S. Driemeier lindyta9@gmail.com  

Campo Grande

*

ENFIM...

Cabral descobriu o Brasil e o povo descobriu Cabral.

 

Vidal dos Santos vidal.santos@yahoo.com.br

São Paulo

*

PEGO NO ‘CONTRAPEZÃO’

Sergio Cabral, na sua ânsia de permanecer mandando no Rio de Janeiro após o término do seu segundo mandato, havia arquitetado um esquema semelhante ao de Lula que era o de eleger um poste. Esse poste seria o seu fiel escudeiro, homem de sua total confiança, mas ilustre desconhecido para a maioria da população do estado, o seu vice Pezão. Gastou rios de dinheiro fazendo uma inusitada e extemporânea propaganda que há meses atrás era insistentemente veiculada em horário nobre, além de ter criado um perfil no Facebook e postado vídeos no Youtube com o tema “Você conhece Pezão?”. Gravou vários depoimentos elogiosos e exaltou uma pretensa proximidade do pré-candidato a governador com a presidente Dilma. Não contava, porém, com a inesperada onda de protestos que detonaram a sua popularidade e a da presidente Dilma. Em outras palavras, pior do que um goleiro pego no contrapé, Cabral foi pego no contrapezão e não vai conseguir eleger ninguém.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

FOGO AMIGO

Sérgio Cabral já pode ser considerado um ex-afilhado de Lula, pois está sendo devidamente descartado para dar lugar ao novo peixinho de Lula, Lindenbergh Farias, que ambiciona assumir o posto de governador do Rio de Janeiro. Ou será que alguém duvida que essa desconstrução de imagem de Cabral, orquestrada em todo o País, seja fogo amigo do PT destinado a fritar o ex-aliado? Mas, se o carioca pensar bem, a troca de um por outro seria apenas um “trocar seis por meia dúzia”. É só cavoucar um pouquinho a vida política do Lindenbergh... Que já vai se encontrar o ouro de um “mensalinho”.

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com   

São Paulo

*

SEM PALAVRA

O governador Sérgio Cabral declarou que o Parque Aquático Júlio Delamare não será mais demolido e tem uma reunião com o presidente da Federação de Atletismo do Rio para decidir sobre o Estádio Célio de Barros. Tudo indica que não deve ser demolido. Até uns dois meses atrás, estava sacramentada a sorte deles. Seriam demolidos para não atrapalharem o visual do novo Maracanã. O consórcio que assumiu a concessão do estádio precisa explorar aqueles espaços e agora o governador, em face das passeatas e das manifestações, com a queda vertiginosa nas pesquisas, volta atrás. O que dirá o Consórcio Maracanã? Não sei. Mas eu diria para eles: isso é que dá fazer negócio com quem não tem palavra.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com  

Rio de Janeiro

*

PASSEATAS ­– PRENDAM OS MASCARADOS

 

Vivemos um momento crucial. O povo finalmente descobriu o direito de se manifestar pacificamente em busca de mudanças. Mas pequenas parcelas, sorrateiramente infiltradas, transformam os atos reivindicatórios em baderna. Quebram bancos, lojas, terminais e repartições e, com isso, descaracterizam os verdadeiros objetivos e mergulham a sociedade na incerteza. A polícia, quando age, é denunciada como violenta, se não age é considerada omissa, na mais perversa das equações em que, independentemente do que fizer, perde sempre. Uma situação como esta requer urgentes providências, principalmente porque os vândalos ou baderneiros, via de regra, agem a soldo de segmentos políticos radicais e até do crime organizado, interessados em estabelecer o caos para, com isso, alcançarem seus fins. As autoridades têm de encontrar um meio de separar manifestante pacífico e baderneiro. Uma alternativa é a montagem de um protocolo entre Segurança Pública, Ministério Público e Poder Judiciário, definindo claramente os detalhes desse trabalho profilático. Já que a polícia é encarregada de acompanhar as manifestações para garantir segurança e, inclusive, o direito do povo protestar democrática e pacificamente, também deve ser orientada a prender em flagrante e enviar para averiguação os mascarados e os portadores de produtos e instrumentos que possam ser utilizados ou caracterizados como armas de vandalismo e depredação. Os vândalos infiltrados são verdadeiros guerrilheiros, que têm de ser combatidos de forma eficaz para não continuarem a roubar a paz e a segurança da população. Os militantes violentos e seus financiadores têm de ser alcançados e exemplarmente punidos. Do contrário, teremos dias difíceis pela frente...

 

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo                                                                                                     

*

A POLÍCIA E AS PASSEATAS

 

Todos estão cansados de saber que, em todas as passeatas, vândalos acorrem para saquear lojas e depredar prédios públicos. A polícia também sabe disso. O estranho é que os agentes da lei se limitam aos espaços atrás das cercas, nos prédios visados, deixando as ruas a mercê dos vândalos, como se não fosse. Também seu dever nos proteger e a nossos bens. Tal atitude, absolutamente incoerente, pode levar à suposição de que se trata de um artifício para desprestigiar os movimentos civis, induzido pelas autoridades pressionadas. Necessitamos de esclarecimentos delas, civis e militares.

 

Nelson Carvalho nscarv@gmail.com

São Paulo

*

VANDALISMO

É impressionante como, até o momento, parece que nenhum órgão de inteligência, em qualquer dos níveis governamentais, foi capaz de identificar, rastrear e acompanhar, buscando se antecipar, às ações das hordas mascaradas de meliantes que tanto dano têm causado às pessoas e ao patrimônio público e privado. São verdadeiros guerrilheiros urbanos, empregando ensinamentos previstos na cartilha do Marighella. Já pensei em contratar serviços de detetives particulares: será que darão conta da missão? Ou os nossos destemidos jornalistas investigativos, que sempre descobrem as coisas ocultas? Pode-se, também, pedir o apoio dos americanos: o canal está aberto desde o telefonema do vice deles, não é verdade? A outra opção seria conceder asilo a Snowden – ele viria para cá trabalhar para os governos, o que acham? Só sei que do jeito que está é que não pode continuar, não é verdade?

Marco Antonio Esteves Balbi mbalbi69@globo.com

Rio de Janeiro

*

DILMA E LULA

A “presidenta” Dilma Rousseff declarou que o ex-presidente Lula sempre fez parte de seu governo, até porque, para ela, Lula é indissociável. Espero que em 2014, após as eleições presidenciais, os dois fiquem “solúveis” e deem os cargos para um governo cujos colaborares não sejam “insolúveis”...

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

SEM PERDÃO

Ao dizer que Lula “não vai voltar porque não saiu” e que os dois “são indissociáveis” (28/7, A7), Dilma admite que é apenas o preposto do antecessor na Presidência, pois, quem manda mesmo é ele. Ela é apenas a pessoa que transmite os recados do chefe. Num outro momento de sua entrevista à “Folha de S.Paulo”, ela disse que sabe “perfeitamente que tudo o que sobe, desce, e tudo o que desce sobe”. Não é bem assim, nem tudo que desce, torna a subir. Falar sem pensar é problemático e, frequentemente, constrange quem o faz, principalmente na política. Com relação ao plebiscito sugerido por ela porque “tá todo mundo pedindo reforma na política”, não é isso o que se vê nas manifestações de rua. O que se pede mais é o fim da corrupção, melhorias no transporte, na saúde, na educação e na segurança para que possamos ir e vir, sem medo. Dona Dilma, mudar o sistema político não vai acabar com o desvio de conduta dos políticos e as ilegalidades cometidas por eles, porque contam com a impunidade existente em nosso país. Outra besteira dita é, novamente, culpar o governo FHC por todos os problemas surgidos e não resolvidos, por incompetência, nesses 12 anos de governo do PT. Se havia coisa errada, no governo anterior, no entender deles, tiveram muito tempo para corrigi-las e não o fizeram. O único momento da entrevista em que ela pode ter razão é quando diz que Lula não vai voltar, nem ela, pois, se são “indissociáveis”, aquele não voltando, esta também não. Não abrir os olhos e querer transformar mentiras em verdades, para os menos esclarecidos, é teimosia, é má intenção e, certamente, não merece perdão.

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

*

PARLAMENTARISMO

Finalmente Dilma acabou confirmando, Lula implantou o parlamentarismo no Brasil, ele continua presidente e ela é a sua primeira ministra.

Jorge Mano jrmano@yahoo.com

São Bernardo do Campo

*

POSTE ASSUMIDO

“Eu acho que Lula não vai voltar porque ele não foi”. Finalmente Dilma admitiu que Lula nunca deixou de ser o verdadeiro presidente. Poste assumido.

 

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com

São Paulo

*

UM CARA DE SORTE

Esse Lula é um cara de muita sorte. Alem de ser um malandrão, consegue ficar imune a investigações necessárias, porque são tantos políticos safados, arrogantes e incompetentes que estão aí na mídia que o sr. Luiz Inácio fica esquecido. Espero que um dia o “Ministério Público” investigue a vida desse senhor, pois ele é, sim, o maior responsável por prejuízos que este país vem sofrendo. Estou torcendo e até rezando para que ele se candidate à Presidência da República e quero crer que a oposição use todo o arsenal para demolir o telhado de vidro que o ex-presidente possui. Têm de desmitificar esse grande enganador, que continua presidindo e lesando o Brasil, já que sua afilhada declarou que ele nunca deixou o governo.

Ademar Monteiro de Moraes ammoraes57@hotmail.com  

São Paulo

*

VOCÊ DECIDE

Diante da sinceridade explícita de Dilma Rousseff, ao declarar em alto e bom som que “Lula não vai voltar porque ele não foi, ele não saiu”, qual das duas imagens serve como melhor ilustração? O Brasil como um piano desafinado a quatro mãos ou um calhambeque em marcha à ré com piloto e co-pilota rumo ao precipício? Você decide.

 

J. S. Decol decoljs@uol.com.br

São Paulo

*

ZORRA PRESIDENCIAL

Chico Anísio, Ronald Golias, Costinha e tantos outros saudosos humoristas, se vivos fossem, estariam sofrendo uma concorrência desleal da nossa presidente, que ultimamente só tem nos feito rir com suas patacoadas, preferindo lançá-las sempre diante de uma plateia numerosa. Só é aplaudida em suas incursões no Norte e Nordeste, onde uma organizada claque de dependentes do Redil do PT agitam a bandeira ideológica do Bolsa Família, a algema dos grotões. Nas suas últimas aparições, no Ceará, disse que se dirigia ás bravas mulheres cearenses e aos cearenses homens. Fechou sua verborragia demonstrando que jamais foi aprovada em História do Brasil ao afirmar que o Brasil começou no Ceará e que o descobrimento teria acontecido na terra de Chico Anísio. Na recepção ao papa Francisco, destoou na cerimônia ao proferir loas e osanas aos dez anos de desgoverno do PT. Na missa, acompanhada de Cristina Kirchner e Evo Morales, como se estivessem numa missa, mandou que uma assessora procurasse no meio do público um chapéu para se proteger do sol. A última dessa revelação, candidata ao “Zorra Total”, foi a declaração de que Lula não iria voltar porque jamais havia saído. Em pouco tempo Dilma Rousseff passou de militante guerrilheira a ajudante de ex-presidente e por último a piadista.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

LULA E A ‘MAMULENGA’

A presidente criatura disse aquilo que nós sabemos: Lula é o presidente de fato e ela é apenas sua “mamulenga”.

Laércio Zanini arsene@uol.com.br

Garça

*

XÔ!

“Lula não vai voltar porque nunca saiu”. A presidente encontrou a fórmula mágica para espantar assombrações de 2014.

Carlos Rolim Affonso profrolim@globo.com

São Paulo

*

LIÇÃO

Depois da declaração de Dilma de que Lula não vai voltar porque ele nunca saiu, não sei para quem envio esta mensagem. Seja lá para quem for, gostaria de saber se nossa(o) presidente ouviu as entrevistas com o papa e se aprendeu a se portar como verdadeiro estadista.

Silvio Leis silvioleis@hotmail.com

São Paulo

*

ALMA PECADORA

Quem fala de si para um discípulo de Deus está confessando; se mente, agrava seus pecados.  Pobre Dilma, se não se penitenciar, ai de sua alma.

 

Suely Jung sjungborges@yahoo.com.br

São Paulo

*

RECADO À PRESIDENTE

 

Seria inédito se a presidente Dilma, à semelhança do papa Francisco, utilizasse voos comerciais, tendo a bordo repórteres brasileiros e estrangeiros e, sem restrições, de forma franca e honesta, concedesse entrevista à imprensa e respondesse a todas as perguntas. Seria uma forma democrática de satisfazer, sem limites, aos anseios da mídia e do povo brasileiro, distante das contumazes falas apressadas e entrevistas restritas, ao que tudo indica, a perguntas previamente combinadas. Dei o meu recado. Agora é com a presidente...

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

FOME DE DINHEIRO

Em 1997, o eleitor ficou sabendo pela imprensa que os ex-deputados Ronivon Santiago, João Maia, Zilá Bezerra, Osmir Lima e Chicão Brígido, todos do Acre, venderam seus votos a favor da reeleição de um segundo mandato para Fernando Henrique Cardoso por R$ 200 mil cada. Naquela época, Ronivon afirmou que os compradores foram os governadores Osleir Carmelí, do Acre, e Amazonino Mendes, do Amazonas. Nós, eleitores, estamos aguardando os nomes dos parlamentares que em 2013 vão vender os seus votos para mandar para o espaço a Emenda Constitucional n.º 16 de 4/7/1997 para possibilitar a candidatura do sr. Luiz Inácio Lula da Silva em 2014. Alguém tem dúvidas de que a maioria dos parlamentares continua com fome de dinheiro?

 

Leônidas Marques leo_vr@terra.com.br  

Volta Redonda (RJ)

 

*

DANÇANDO CONFORME A MÚSICA

O Soba, como normalmente o “Estado” se refere ao glorioso e eterno dança-conforme-a-música, José Sarney, está sendo transferido do Maranhão, seu Estado, literalmente falando, para São Paulo. Apesar de mandar e comandar esse paupérrimo Estado brasileiro, por ele e por toda sua família, o Soba vem se tratar numa ilha de excelência de São Paulo. Por que será? E os hospitais maranhenses, não são bons, por acaso? Segundo o nosso ex e excelentíssimo salve-salve presidente, o Sistema Único de Saúde (SUS) estava à beira da perfeição. Como ele nunca sabe de nada, talvez tenha acreditado em assessores aloprados. Aliás, ele nem “sabe” que tem neoplasia maligna. Enfim, na hora que a água bate no nariz, esses senhores que se locupletam às nossas custas tomam aviões. Só espero que não seja da linha aérea FAB (Folgados a Bordo) para se descolar do Amapá, seu “reduto” político, do pobre Maranhão ou de Brasília para chegar a São Paulo.

Renato Amaral Camargo natuscamargo@yahoo.com.br

São Paulo

*

UM VICE SEM SERVENTIA

A ética no meio político brasileiro e tão vulgar e desrespeitada que fez com que até a Comissão de Ética Pública da Presidência da República agisse de tal forma desprestigiando-a. Na ocasião que deu sinal verde para o acúmulo de cargos do ministro da Secretaria da Micro e Pequena Empresa, Guilherme Afif Domingos (PSD), que assumiu o posto sem deixar de ser vice-governador de São Paulo, sendo o processo arquivado por unanimidade, sob a alegação de que ele não exerce nenhuma função como vice-governador. Isso posto, e por ele nada fazer, como foi dito, por que não devolver todos os salários, benefícios e vantagens obtidas no cargo e a partir de agora abrir mão, nada recebendo? Quem fez tal afirmação foi a Comissão, né não?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

AFIF E A COMISSÃO DE ÉTICA

É como alguém se olhando num espelho. Uma é a cara do outro.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

SEM CARTÃO

Sim, Afif pode cobrar escanteio e correr para cabecear...

 

A. Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

O APARTAMENTO DO MINISTRO

Representante da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), no Conselho Nacional do Ministério Público, Almino Afonso cobrou investigação sobre a compra de apartamento em Miami pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa. Será que até o “Joaquinzão” entrou em algum esquema? Isso seria o fim do mundo. Espero que tudo esteja legalmente feito.

Asdrubal Gobenati asdrubal.gobenati@bol.com.br

Rio de Janeiro

*

E DAÍ?

Fica difícil entender por que tanta notícia ou comentário sobre o fato de o presidente do STF ter comprado um apartamento em Miami. Se o dinheiro tem origem e a forma adotada tem resguardo da lei, que diferença faz se ele comprou apartamento em Miami, Sorocaba ou Barra da Tijuca? É noticia para desinformar mais do que para informar.  Milhares de brasileiros têm apartamentos em Miami, legalmente. E daí?

Darcio Sayad Maia darcio@sp.senac.br

São Paulo

*

O MITO SE DESFAZ

 

O povo brasileiro vive agarrado a esperanças personalizadas, não a soluções político-institucionais. As ruas clamaram pela Presidência da República ao ministro Joaquim Barbosa, que simplesmente cumpriu seu dever de juiz, com o concurso de dezenas de outros magistrados que ouviram as provas e dos assessores da Suprema Corte. Seu voto, de resto, foi abrilhantado pela maioria do tribunal, por meio de intervenções solidamente fundamentadas. Agora, tem de explicar-se sobre o fato de ter constituído uma empresa (o que é vedado pela Lei Orgânica da Magistratura Nacional) e de fachada, fora do País, somente para driblar o imposto sobre heranças. O pior caminho para um povo é valorizar o culto a alguma personalidade como fórmula política.

 

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

JULGAMENTO DO MENSALÃO

O julgamento do mensalão será retomado em meados do próximo mês, quando serão apreciados os tais “embargos declaratórios e infringentes”, uma tentativa desesperada da defesa em “melhorar” o resultado que já é do conhecimento de todos. Há uma grande preocupação, já que o senhor Roberto Gurgel, procurador-geral da República – que para muitos foi o carrasco dos réus do mensalão – deixa o cargo exatamente quando estiver sendo retomado o julgamento. E mais, até onde se sabe, seu substituto é ainda uma incógnita. É realmente uma grande preocupação!

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

‘PONTO FORA DA CURVA’

Nós todos, que esperávamos ver a cambada do mensalão na cadeia, estamos com um pé atrás depois que o advogado Barroso, o 11º ministro recém nomeado, sem ao menos entrar no ritmo do processo e levar em consideração os futuros colegas daquele órgão, como que os censurou pela “dureza” adotada contra os envolvidos no julgamento  que, segundo ele, foi  um  “ponto fora da curva” do Supremo Tribunal Federal. Sua expressão parece prever uma mudança, saindo da  tal “dureza” que ele julga ser o tratamento dado aos  acusados e mudar para a “moleza” – ou  melhor,  um  “ponto dentro da curva” – com que sempre foram tratados os políticos envolvidos em maracutaias. Tomara que não venha acontecer, porque seria a desmoralização do maior órgão da Justiça do País.

Laércio Zanini arsene@uol.com.br

Garça

*

O MENSALÃO E O GRITO DAS RUAS

 

Os réus foram condenados de forma inequívoca. Os recursos, na realidade, são paliativos. Desejam o ganho de tempo, inclusive, para eventuais negociações. Entretanto, os ministros da Suprema Corte, na verdade, precisam ter os olhares distribuídos entre os autos dos processos respectivos e as possíveis manifestações de rua, porque elas virão certamente se a impunidade mais uma vez mostrar a sua face repudiada por milhões de brasileiros. O desejo de enterrar o mensalão pode ser muito grande, mas o medo da execração pública é maior, de tal sorte que os julgadores precisam se esquecer da gratidão já vista e desaprovada no curso processual e julgar com o pensamento voltado para a realidade brasileira, como farão aqueles que não desejam manifestar atitudes de comprometimento. O Brasil inteiro está olhando para o STF!

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

MAIS MÉDICOS

Para a oferta de mais de 10 mil vagas para médicos com mínimos critérios de seleção, houve a inscrição de 4.657, entre formados no Brasil (3.891) e outros países (766).  Devemos considerar essa campanha um sucesso, meio sucesso ou fracasso?  Com a palavra, o governo federal.

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

A SAÚDE NA FRONTEIRA

Mães brasileiras do Rio Grande do Sul que moram na fronteira vão fazer seus partos e ter seus filhos no vizinho Uruguai, onde há médico, maternidade e atendimento digno. No Brasil, ao contrário, há filas, falta de médicos e de assistência á maternidade. Elas têm de se deslocar 75 km até Uruguaiana (RS) e ainda enfrentam filas e mau atendimento. Quem é mais rico, o Brasil ou o Uruguai? E qual o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de cada país? É mais um triste retrato de como a saúde pública é tratada no Brasil e de como o governo brasileiro gasta mal, desperdiça dinheiro público e maltrata os seus cidadãos.

 

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

CONEXÃO BRASIL-ESPANHA

Um maquinista admite estar conduzindo seu trem num limite muito superior ao máximo permitido, sendo, portanto, responsável pelo acidente que matou quase 80 pessoas na Espanha. Um juiz permitiu que ele seja processado em liberdade. Estamos falando da Espanha? Parece Brasil...

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

MAU AGOURO PARA O TREM-BALA

O projeto do trem-bala brasileiro não deve ter o apoio do Vaticano. Alertados pelo recente acidente ferroviário na Espanha, justamente no roteiro de Santiago de Compostela, comprometendo o destino de uma das peregrinações mais importantes do mundo, as autoridades eclesiásticas temem por acidente similar justamente no roteiro de Aparecida do Norte, comprometendo o destino da mais importante peregrinação do continente sul-americano.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

BOLHA IMOBILIÁRIA

Pelo andar da carruagem, sonho da casa própria vai virar pesadelo. Com o comprometimento da renda familiar já na casa de 44,20%, não vai ser fácil pagar as prestações da casa própria. Com a economia em frangalhos, o desemprego crescente e a confiança em baixa, é bem possível que a tão temida bolha imobiliária se instale no Brasil.

Arnaldo de Almeida Dotoli  arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

CONTA DE LUZ

Só queria entender. Se a redução na conta de luz (para o brasileiro contribuinte) remete a uma despesa adicional de R$ 6,7 bilhões para o contribuinte, onde vai aparecer o resultado? Talvez seja encontrado nas pesquisas de (in)popularidade da Dilma, não?

 

Ulysses Fernandes Nunes Junior Ulyssesfn@terra.com.br

São Paulo

*

QUEIMOU

Conforme texto do “Estadão” de 30/7/2013, plano da conta de luz queimou-subsidiar a conta de luz para maquiar os custos e a inflação. Parece que queimou novamente o poste 1 em Brasília.

 

Nelson Pereira Bizerra nepebizerra@hotmail.com

São Paulo

*

TAQUICARDIA

Cada vez que o governo fala em “carimbar dinheiro” eu começo a ter taquicardia. Primeiro porque assisti, ao longo da vida, às nossas cédulas monetárias serem carimbadas com novos nomes e menos zeros, mas com os mesmos vícios inflacionários de sempre. Quando o governo resolve “carimbar” certos impostos que cria para serem temporários e cobrirem certos rombos (ou roubos), tal como a CPMF que financiaria a saúde – que da emergência foi para a UTI e de lá jamais saiu – ou, como na semana passada, quando Dilma vetou a extinção da multa adicional de 10 % do FTGS, que deveriam cobrir o rombo dos Planos Collor, sob a alegação de que os recursos serão usados  no programa Minha Casa, Minha Vida. A notícia do final de semana é que os fundos setoriais destinados a subsidiar a redução das contas de luz, anunciadas com estardalhaço e pompa pela presidente Dilma em rede nacional de televisão, foram desviados para cobrir rombos de outros setores. Pois agora o déficit de R$ 6,7 bilhões será pago pelo Tesouro Nacional, ou seja, pelos contribuintes; aqueles mesmos que deveriam ser desonerados na conta de luz. Fica mais uma vez a certeza de que, para os governos perdulários e descomprometidos com as necessidades e anseios do povo, qualquer recurso que caia no caixa do governo, independente de carimbo ou propósito de destinação, simplesmente some, quer seja no custeio da mastodôntica máquina federal, quer seja desviado mesmo para os “gestores” de plantão.

 

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo

*

BOLSÕES DE IDHM

Não é justo comemorar esses 47% de avanços no Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) no Brasil nos últimos 20 anos porque 50% da população brasileira vivem quase ao relento. Ainda 60 milhões desses sobrevivem a duras penas com recursos do Bolsa Família (clonado do Bolsa Escola, de FHC). Outros 50 milhões nem sequer têm serviços de água potável ou coleta de esgotos. Somente 30% da população têm atendimento de regular a bom na saúde. O restante se humilha quando precisa desse importante serviço nas portas dos hospitais ou pronto-socorros públicos. E o que falar dos serviços públicos, de um modo geral um caos?! A Justiça, lerda e boa, só para abonados! Transporte público para o trabalhador, um desastre. Educação idem!  Mas, em contrapartida, vivemos numa República fértil em subtrair altos impostos de uma população sofrida e dividir parte desses recursos dos contribuintes, como se fosse um dízimo reservado regiamente para a orgia e a corrupção daqueles que estão no poder.  Na realidade, deveríamos ter vergonha desses números de pseudoavanços do IDHM. E a verdadeira classe média deste país, que teve a oportunidade de estudar em bons colégios, universidades, tem casa própria, carro do ano, etc., é que deveria, como bom missionário, como exalta papa Francisco, lutar para tornar realidade a vocação pelo bem comum no seio de nossa sociedade! E enterrar de vez o uso nefasto dos privilégios por aqueles incautos metidos nas entranhas das nossas instituições...  Aí sim, quem sabe um dia vamos poder comemorar avanços! Porque os números apresentados neste novo IDHM são exclusivos de pequenos bolsões de qualidade espalhados pelo nosso imenso Brasil...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Paulo

*

PRÉ-SAL E PÓS-SAL

A Petrobrás produz um dos poucos produtos que continua tendo grande demanda mundial e nacional, o que, em época de crise geral de demanda, deve ser priorizado e aproveitado pela empresa e pelo País.  A balança comercial pode ser ajudada demais pelo petróleo brasileiro. Estamos produzindo no pós-sal a mesma quantidade que produzimos em 2009, devido às quedas da Bacia de Campos. Não conseguimos tocar nem o pós-sal e queremos abraçar o pré-sal, que vai demorar. Por que, então, não se dá uma atenção especialíssima para esse produto?  O importante é produzi-lo, agora, independentemente de onde venham os equipamentos necessários.  A hora é agora. Quanto à inflação, poder-se-ia considerar o núcleo com expurgo de energia (petróleo) e alimentos, como nos EUA, com a vantagem adicional de reduzir o consumo de bobagens, quando o petróleo está alto.

 

Luiz Carlos Abel luizcarlosabel@uol.com.br

São Paulo

*

O FENÔMENO DAS FINANÇAS

Pelo andar da carruagem, Eike teria de chamar o Lulinha – aquele que ganhava R$ 650 como monitor do zoológico antes de o papai assumir e brincar de presidente e hoje é megaempresário das comunicações e da agropecuária – para dar umas orientações e consultoria. Talvez Eike consiga recuperar sua fortuna. Afinal, o “Lulão” disse que o filho era o fenômeno das finanças.

Carlos Roberto Gomes Fernandes  crgfernandes@uol.com.br

Ourinhos

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.