Fórum dos Leitores

TSE-SERASA

O Estado de S.Paulo

09 Agosto 2013 | 02h09

Nossos donos

Quem acredita que os dados roubados dos eleitores ainda não haviam sido enviados à Serasa? Há necessidade de apreensão dos computadores da Serasa pela Polícia Federal (PF), justificada pelo ato torpe, a fim de verificar a transmissão e excluir a informação dos arquivos - se preciso for, apreendendo os discos rígidos definitivamente. Há também que pôr na prisão o(s) funcionário(s) público(s) e/ou membro(s) do Judiciário que perpetraram o crime contra a privacidade de 141 milhões de brasileiros - por improbidade administrativa e certamente por corrupção explícita -, já que ninguém pode acreditar que um arquivo valioso desses tenha sido vendido por uma merreca em certificados digitais. A única verdade ora comprovada é que qualquer funcionário público se julga, e é, nosso dono. Quanto à eventual ação da Serasa, a quem quiser analisar cabe lembrar que não existe corruptor sem o necessário corrupto - devendo a PF simplesmente assegurar a extinção da lucrativa profissão brasileira de corrupto. Quanto ao TSE, jogou sua credibilidade e sua capacidade administrativa pelo ralo - tornando sua urna eletrônica um perigo para a democracia, devendo ela, portanto, ser extinta.

SUELY MANDELBAUM

suely.m@terra.com.br

São Paulo

*

Dados públicos?

Se os dados da Serasa são públicos, como afirma a empresa, então por que ela cobra das empresas e dos cidadãos pelo acesso ao seu sistema? Tenta justificar o injustificável. Cadastro Positivo, "troca" de arquivos, onde vamos parar? Esses "processos", cujo fim seria benéfico para os cidadãos, começam a cheirar mal e a deixar todo mundo com a pulga atrás da orelha.

RENATO AMARAL CAMARGO

natuscamargo@yahoo.com.br

São Paulo

*

Partidos e candidatos

E o que é que a Serasa poderia fazer com o cadastro de 141 milhões de eleitores? Uma possibilidade é vender os dados a partidos políticos ou candidatos, para os quais são bem úteis...

JULIAN WHITE

julian.white1@yahoo.com

Campinas

*

Síndrome de Francenildo

Não me surpreendeu a notícia sobre o convênio TSE-Serasa, já que há muitos anos os aposentados são vítimas de quebra de seu sigilo pelo próprio presidente da República anterior, ao utilizar o cadastro do INSS para enviar a todos eles cartas com fins eleitoreiros, divulgando a "facilidade" criada por seu (des)governo para obtenção de empréstimo consignado. Nada aconteceu. Teria elle assinado aquelas cartas sem saber do que se tratava? Mas não é só isso: o mesmo cadastro foi posto à disposição dos bancos comprometidos com o esquema, que passaram a infernizar a nossa vida com telefonemas e e-mails oferecendo o maldito empréstimo. E mais: esgotado o veio do empréstimo consignado, agora o cadastro foi fornecido a "associações" e escritórios de advocacia que também infernizam a nossa vida com ligações oferecendo "assessoria" para ações de pedido de revisão de aposentadoria. Como se não bastasse termos nosso sigilo violado impunemente, ainda não respeitam o bloqueio de nossas linhas telefônicas, pelo Procon, para ligações desse tipo. Haja paciência... Depois reclamam dos americanos. É muita cara de pau!

ANGELA CARACIK

angelacaracik@terra.com.br

São Paulo

*

EDUCAÇÃO

Falta de professores

Sobre a matéria 4 em cada 5 escolas têm turma sem professor (5/8), a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo esclarece que não há "salas vazias" sem a figura do professor. Atualmente na rede estadual de ensino são atribuídos em torno de 2 milhões de aulas que compõem a grade curricular dos alunos, atendidos por 181,5 mil professores efetivos. Deste total, as 4.800 "aulas livres" - apontadas pela reportagem - representam 0,24% e equivalem à jornada de 200 professores efetivos, que são substituídos por professores temporários. Nesses casos, a ausência do efetivo é suprida pelo professor temporário, que dispõe de material didático (Caderno do Professor) que subsidia o docente para a continuidade da aula, minimizando eventuais perdas de conteúdo para os estudantes. Esse quadro de 49 mil professores temporários, número erroneamente apontado pela reportagem como déficit de docentes, também é acionado em casos de licença-saúde dos professores efetivos. É importante esclarecer que nesses pedidos de afastamento, por haver oficialmente um professor nomeado para determinada vaga, a ausência não pode ser suprida com a contratação de um novo profissional. Por isso, embora esteja atuando pela ampliação de professores efetivos - São Paulo anunciou há uma mês concurso para contratação de mais 59 mil docentes -, a figura do temporário garante que o aluno não fique sem professor na sala de aula.

FLÁVIA BRAZ, assessora de Comunicação da secretaria

Imprensa@edunet.sp.gov.br

São Paulo

N. da R. - A reportagem utilizou dados da própria Secretaria da Educação e da Coordenadoria de Gestão de Recursos Humanos. A explicação da secretaria de que professores eventuais suprem as ausências dos efetivos está contemplada no texto.

*

CASO ALSTOM

Esclarecimento

Absurda a forma como a matéria Caso Alstom: PF vê pagamentos a partido e governo de SP e indicia 10 (8/8, A16) liga meu nome a supostos favorecimentos. Por um motivo simples: a troca de correspondência entre executivos da Alstom - na qual, aliás, não há nenhuma menção a meu nome - citada em documento da Polícia Federal, que o infográfico da matéria usa para dizer que eu "tinha pleno conhecimento" dos fatos, é de 1997, ano anterior à minha posse como secretário de Energia. Fui secretário de Energia do Estado de São Paulo por sete meses, de 26 de janeiro de 1998 a 10 de agosto de 1998. Ou seja, eu não era secretário naquela época. À exceção dos diretores da EPTE que lá estavam quando assumi a Secretaria de Energia, não conheci nem conheço nenhuma das pessoas citadas na reportagem. Durante o período em que fui secretário, reitero: não tive conhecimento, não discuti nem assinei nenhum aditivo ou contrato que esteja sendo investigado. As atas das reuniões do Conselho de Administração das empresas energéticas podem comprovar. Os indícios apontados pelo delegado da Polícia Federal são apenas o fato de eu ter sido secretário de Energia e pertencer ao mesmo partido político que governava São Paulo. Meu advogado Antônio Cláudio Mariz de Oliveira vem tomando as medidas cabíveis para que os fatos prevaleçam. É com muita indignação e repulsa que vejo meu nome envolvido, pela primeira vez em 20 anos de vida pública ilibada, em denúncias infundadas sobre assuntos dos quais jamais tive conhecimento ou participação.

ANDREA MATARAZZO

andrea@andreamatarazzo.com.br

São Paulo

*

PÕE O BODE, TIRA O BODE

Primeiro, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) anuncia que vai repassar os dados de 141 milhões de eleitores brasileiros à empresa Serasa. O “Estadão” revela o acordo e o TSE vai cancelar o repasse. Quem o TSE pensa que somos? Gado? Estelionatários já têm acesso facílimo a todas as informações cadastrais de qualquer cidadão: clonagens, cópias de documentos, cadastros falsos – feitos, quem sabe, com a ajuda de pessoal interno de bancos e financeiras. Com a provável comercialização dessa massa de informação, o risco para o cidadão honesto seria incrivelmente maior do que os benefícios que receberia. Além dos inconvenientes acessos de telemarketing e e-mails de instituições “interessadíssimas” nos honestos. Se houver divulgação de meus dados pessoais ou de familiares, um processo será aberto, certamente.

Flavio Marcus Juliano opegapulhas@terra.com.br

Santos

*

SEM AUTORIZAÇÃO

O TSE não agiu eticamente, pois não autorizei repassar os dados da minha pessoa para qualquer empresa. Serasa é uma empresa privada (estrangeira) de fins econômicos. Será que agora, na área pública, o que não está autorizado por lei pode ser executado?

Minoru Takahashi minorutakahashi@hotmail.com

Maringá (PR)

*

SEMPRE AS MESMAS DESCULPAS

Como noticiado na quarta-feira, o TSE e a Serasa assinaram um acordo para que o TSE transferisse todo o seu banco de dados, com mais de 140 milhões de eleitores lá cadastrados, para esta empresa privada que somente serve para a verificação da situação financeira de cada um de nós perante o mercado em geral. Isso é uma afronta à integridade a cada cidadão deste país, ferindo nossa Constituição no que tange à privacidade de cada cidadão! Se já não tínhamos mais qualquer tipo de confiança nos Poderes Executivo e Legislativo, agora passamos a questionar a lisura também de nosso Judiciário como um todo. Como já pessoalmente passei por situações questionáveis perante processos por mim abertos na Justiça em São Paulo, fico na dúvida do que realmente possa estar ocorrendo nos corredores de todos os níveis de nossa Justiça. No tocante a mais este escândalo, TSE-Serasa, cabe uma investigação profunda e que todos os envolvidos dos dois lados sejam exemplarmente punidos, afastados de seus cargos (no caso do TSE) e que seja punida com base nas leis vigentes a Serasa com o maior rigor possível, para que isso dificilmente volte a ocorrer – dificilmente, pois “nunca mais” tornou-se utopia no Brasil.

Boris Becker borisbecker54@gmail.com

São Paulo

*

A PRIVACIDADE A CONSTITUIÇÃO

 

O repasse de dados pessoais de 141 milhões de cidadãos brasileiros, pelo TSE à Serasa, sem a autorização expressa dos mesmos, representa, sem dúvida, a quebra do sigilo que deve presidir as informações pessoais de todos os cidadãos brasileiros, porque a privacidade, como direito constitucional que é, não pode ser violada sem ordem judicial específica, sob pena de, doravante, ser autorizada a terceirização até de processos resguardados pelo sigilo na Justiça. Sem dúvida que cabe à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e ao Ministério Público ingressarem com a ação competente no Supremo Tribunal Federal (STF), que é o tribunal e Corte Suprema responsável por zelar pelo respeito à Constituição da República, sustando-se, até decisão final, o procedimento encetado pelo TSE.

 

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

VIOLAÇÃO DE PRIVACIDADE II

E noçasotoridades que criticaram a tal espionassãodusamericanu...

 

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

É ASSUSTADOR

Presidente do TSE suspende contrato que repassava dado de eleitor à Serasa. A situação em que o Brasil se encontra é assustadora. De um lado, temos o pedido do governo para que as suspeitas de espionagem pelos EUA fossem tratadas com repúdio pela ONU e, do outro, temos a descoberta de que o Estado brasileiro pretendia repassar dados pessoais de eleitores para empresas particulares. Mesmo com o susto e o ato final realizado pela presidente do TSE, ainda me parece que o governo insiste em tomar decisões que prejudicam a sua credibilidade, como a retirada da palavra “ética” do código de conduta a ser seguida por políticos ou a afirmação da presidente Dilma a respeito do ET de Varginha.

Ariele Barreto Haagsma arileli1@hotmail.com

Curitiba

*

ET DE VARGINHA

Diz o dito popular que “nem tudo o que reluz é ouro e nem tudo o que balança cai” e eu acrescento que nem tudo o que pode parecer o é. Analisem este texto: “Eu queria te dizer que eu tenho muito respeito pelo ET de Varginha. Eu sei que aqui, quem não viu conhece alguém que viu ou tem alguém na família que viu, mas de qualquer jeito eu começo dizendo que esse respeito pelo ET de Varginha está garantido”. Quem seria o autor dessa pérola fecal? Eremildo, o idiota, criação de Élio Gaspari, ou um fugitivo de algum sanatório psiquiátrico qualquer? Nenhuma das hipóteses. Esse texto faz parte de um discurso da presidente Dilma Rousseff às rádios Vanguarda FM e Itatiaia, do município de Varginha (MG). A segunda mulher mais poderosa do mundo, a mulher que desgoverna a 6.ª economia do planeta, a mulher que representa 190 milhões de pessoas, não pode se dar ao desplante de sair por aí dando vexame à Presidência da República, como se esta fosse uma VAL-Palmares ou similar. É difícil acreditar que uma pessoa sem qualidades mínimas para ocupar essa posição esteja engarupada nela por obra e graça de um apedeuta que cultua a verborragia. Há poucos dias, numa solenidade no Ceará, Dilma mostrou o seu conhecimento em História do Brasil ao afirmar no palanque que o Brasil começou no Ceará, e não em Porto Seguro (BA). Basta de dez anos de retrocesso e humilhação. “Para tudo há um tempo, para cada coisa há um momento debaixo dos céus” (Eclesiastes 3:1-15). O modelo vigente está esgotado. É tempo de mudar.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

DESAPARECIDOS

Onde está o Amarildo? Onde está o ET de Varginha? Enquanto o governo do Rio de Janeiro é pressionado para dizer onde está o Amarildo, agora o governo federal colocou-se na situação de ser pressionado para dizer onde está o ET de Varginha.

Luiz Roberto da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br

Campinas

*

TUDO PELA POPULARIDADE

Vendo sua popularidade despencar, após tantos desmandos, mesmo tendo feito acordo com o “diabo”, a presidente Dilma apela para o ET de Varginha...

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

ELEITORES DE VARGINHA

Dilma declara ter “muito respeito” pelo ET de Varginha. Mais uma vez, na tentativa de agradar a todos e ser popular, as palavras de nossa presidente são equivocadas. Não posso acreditar que nossa autoridade máxima do Poder Executivo, que governa nosso país, nossa presidente, acredite em seres extraterrestres. Acredito que, mais uma vez, ela faz suas declarações de modo a concordar com todos para não perder eleitores. Como foi com os protestos. Falava como se não estivessem protestando contra ela. Uma mulher sem personalidade alguma, que se preocupa em agradar a todos. Pergunto-me se é realmente por ela que estamos sendo governados. Ou pelo interesse de outras pessoas, outros países com os quais ela quer concordar.

Luiza Deretti Martins luuhdmartins@hotmail.com

Curitiba

*

VERGONHOSO

A nossa grandiosa “presidenta”, após ter dito que “tem muito respeito pelo ET de Varginha”, acabou, infelizmente, passando de todos os limites. Depois das manifestações nas ruas de todo o Brasil, das vaias no final da Copa das Confederações, a nossa querida Dilma ainda faz questão de passar essa vergonha, porque afirmar tal absurdo pode ser considerado vergonhoso diante de todo o País. Depois desse discurso dado à rádio local, nem os extraterrestres querem ser presididos por uma mulher tão “mente aberta”.

Maria Vitória Ferreira mariavferreira@outlook.com

Curitiba

*

ET DE ONDE?

Ficou uma dúvida sobre a localização do ET da presidente Dilma. Seria Varginha mesmo ou São Bernardo do Campo?

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo

*

CASO SIEMENS-METRÔ

 

Segundo matéria veiculada no UOL no dia 8/8/2013, da “Folha de S.Paulo”, um executivo da empresa Siemens afirmou que José Serra, ex-governador de São Paulo (PSDB), “sugeriu” um acordo para evitar que uma disputa empresarial travasse uma licitação da CPTM, em 2008, sendo que essa informação está documentada em um e-mail que foi apresentado ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e à “Folha” pela empresa Siemens. Ainda de acordo com a matéria, “os documentos examinados pela “Folha” não contêm indícios de que Serra tenha cometido irregularidades, mas sugerem que o governo estadual acompanhou de perto as negociações entre a Siemens e suas concorrentes. Serra, procurado pelo jornal, informou que não se encontrou com executivos das empresas interessadas no contrato da CPTM e afirmou que a licitação foi limpa, com vitória da empresa que ofereceu menor preço. Pois é, quem não deve não teme. Serra foi procurado e encontrado e respondeu o que lhe foi questionado pelos repórteres. Já o Lula até hoje não foi encontrado para falar sobre as viagens realizadas em companhia de sua protegida Rosemary, que, segundo foi publicado, muitas vezes viajou como clandestina. E aí, cadê o Lula? O caso Siemens já cansou minha beleza.

 

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

HOMEM DE PALAVRA

Sem entrar no mérito da análise dos governos do PT, gostaria de fazer alguns comentários sobre o artigo “As palavras e as coisas”, no “Estadão” de 8/8/13, de autoria de José Serra. O articulista deve sofrer de amnésia, pois as críticas aos governos do PT são claramente extemporâneas, tendo em vista que, nas últimas eleições presidenciais, blindou o Fernando Henrique Cardoso e fez propaganda política utilizando-se da foto do Lula, de maneira oportunista e dissimulada. Em campanha para eleições municipais, firmou um compromisso registrado em cartório e não cumpriu, faltando com sua palavra. José Serra, no seu próximo artigo, poderia explicar como funcionava o cartel do Metrô, durante o seu governo e dos correligionários Mario Covas e Geraldo Alckmin. Perguntar não ofende: José Serra apoiará Aécio Neves nas próximas eleições ou agirá como “quinta coluna”?

Wilson Haddad wilson.haddad@uol.com.br

São Paulo

*

CORRIDA AO PLANALTO

O senador Aécio Neves deve começar a colocar suas barbas de molho. Há rumores de que José Serra poderá ser seu adversário para concorrer à Presidência da República. Se isso ocorrer, pressuponho que o PT vai agradecer.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

A LEVIANDADE DAS PALAVRAS PETISTAS

Da leviandade das palavras e da dureza das coisas (demagogia) que o artigo de José Serra aponta em “O Estado”, as palavras do PT na “Carta ao Povo Brasileiro” e o atual estado deplorável da Nação, a Grécia dos Brics, lembramos Jorge Luis Borges sobre nosso país: “O Brasil e o tirano. Aquela história/Desenfreada. O todo pelo todo./Data vermelha dos aniversários, Pompas dos Mármores, árduos monumentos/E pompas das palavras, Parlamentos/Centenários e sesquicentenários/São apenas a cinza, a menor flama/Dos vestígios de uma antiga fama”.

 

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

DESÂNIMO

Enfim, os petralhas estão conseguindo se livrar das manchetes que marcaram o governo Lula, com escândalos comprovados, que levaram ao processo do “mensalão”, resultando na fama de ser o governo mais corrupto da história do País. Isso está acontecendo porque o Cade está “pingando”  uma informação aqui e outra ali, tiradas de processos em que constam os nomes dos governadores Covas, Serra e Alckmin como envolvidos em mutretas com a empresa Siemens para conseguir contratos com o Metrô e a CPTM. Enfim, um prato cheio para o jornal “FSP” jogar em letras grandes como manchete de primeira página os nomes tucanos envolvidos num processo que os aponta como corruptos e receptores de propinas. É uma pena ver o nome de Mário Covas na lista, porque foi um dos poucos políticos que eu e muitos brasileiros separamos dessa corja de ladrões do erário que infesta o País do Oiapoque ao Chuí. Com essas notícias, os petistas que andavam murchos estão como que num orgasmo, basta ver comentários como o do Veríssimo neste jornal. Uma pena, se verdade, que Covas ou Serra, até então nomes de respeito, também estejam no rol, porque nos leva ao desânimo completo, ao ponto de muitos, como eu, acreditar que aqui só mesmo governos militares podem tocar essa baiúca de país. Civis eleitos por um povo composto em sua maioria de analfabetos, ou quase, só pode dar nisto que está aí. A última esperança de mudar essa situação será o STF pôr na cadeia os culpados apontados no processo “mensalão”, mas, se não acontecer, será o “fim da picada”.

Laércio Zanini arsene@uol.com.br

Garça

 

*

SERRA

Chegou a vez e não era surpresa para ninguém o nome do ex-governador José Serra aparecer no caso Siemens. Agora é preciso que as investigações sejam realmente sérias, pois, se inquéritos serão reabertos, é porque o Ministério Público não deu a devida atenção, à época, aos fatos.

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

*

ANARQUISTAS

As afirmações de uma multinacional alemã conseguiram fazer com que o Lula saísse e o Serra entrasse. Justificando o “hay gobierno, soy contra”, levando os “sebos” da cidade a venderem como nunca as obras de Bakunin...

Caio Augusto Bastos Lucchesi cblucchesi@yahoo.com.br

São Paulo

*

A IMPUNIDADE É INACEITÁVEL

As denúncias sobre a formação de suposto cartel em contratos do metrô de São Paulo são graves (especialmente porque o dinheiro desviado seria mais bem utilizado para melhorar o sistema do transporte, que é caótico e ineficiente, especialmente nos horários de pico) e, em vez de politizarem a questão, caberia aos nossos governantes esclarecem o ocorrido, longe do clima de fla-flu. Que os responsáveis pela investigação façam um trabalho isento, resultando em provas que comprovem a veracidade da denúncia e possibilitem a punição dos envolvidos no esquema, seja funcionário estadual, diretor de empresa, empresário, político, pouco importa. O que não podemos assistir é à impunidade de corruptos, seja do partido que for, da esfera da administração pública que for.

Júlio César Cardoso Costa cesarecosta@yahoo.com.br

São Paulo

*

APURAÇÃO

As denúncias da multinacional Siemens, que faz graves acusações sobre o andamento dos procedimentos em relação a algumas concorrências para obras públicas em São Paulo, continuam sem uma explicação adequada por parte dos acusados. Além de outras empresas, são citados também integrantes do governo estadual. O mais recente, um ex-governador do Estado, que nega os fatos – e dele não poderia se esperar uma reação diferente. O que se espera agora é que o seu segmento político adote um comportamento que leve à apuração de tudo o que aconteceu. Afinal de contas, a Siemens tem um nome que não colocaria em risco fazendo acusações  sem  fundamento.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

MATO SEM CACHORRO

Em se confirmando estas últimas denúncias de corrupção, significa que estamos no mato sem cachorro. Se ficar o bicho pega, se correr o bicho come. Não sabemos para onde ir e qual rumo seguir. Tanto à direita como à esquerda esses caminhos estão cercados por gaivotas famintas ocupando fatias do poder! Escândalos afloram todos os dias e ninguém faz nada. Temos de desraposar todos os luxuosos mas fétidos gabinetes ocupados por essa canalhada que infelicita a Nação de norte a sul. Isso não pode continuar: temos de reagir. A sociedade como um todo tem de se juntar ao recente furor juvenil de junho passado e botar o bloco na rua, antes que a vaca se atole na lama imunda do brejo. A boiada tem de estourar, antes que seja tarde demais, pois, se continuar assim, daqui a pouco não saberemos mais separar o joio do trigo, até porque  já estamos bem próximos daquilo que disse o Barão de Itararé: “Ou se restaure a moralidade pública ou nos locupletemos todos”. Esses maus brasileiros que infelicitam a Nação e sugam o povo brasileiro em todos os quadrantes não podem continuar deitando, rolando e roubando o povo.

Manoel Antunes antunesmanoel@yahoo.com.br

São José do Rio Preto

*

CADE DOS CARVALHO ENTENDE DE FRITURA

Através de depoimento do vereador Floriano Pesaro (PSDB/SP), fiquei sabendo que outros contratos com a denunciante Siemens estão sendo investigados em vários Estados da Federação. Por que então a mídia está noticiando apenas o que se refere ao Estado de São Paulo? Será que esta atitude da mídia demonstra que existe uma firme determinação do governo petista em atingir o PSDB paulista e o governador, Alckmin? Será mesmo verdade que as informações que dariam clareza a este caso estão sendo sonegadas pelo Cade, cujo presidente é sobrinho do Gilberto Carvalho, para que assim dê tempo para que se processe a fritura indiscriminada de tudo quanto é político tucano? Bem que Dilma prometeu que em época eleitoral o PT iria fazer o diabo. Pois eu garanto que quem com ferro fere com ferro será ferido, basta aguardar!

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

ABUTRES

Cumprimento os jornalistas Bruno Ribeiro e Marcelo Godoy (“Estadão”) pela cobertura do processo de corrupção envolvendo altos funcionários do governo paulista acusados de receber propina de multinacionais. Ao que se apurou, não são “tucanos” os denunciados. São abutres que vêm bicando, há anos, o erário paulista. O povo dará a resposta na próxima eleição.

 

Arsonval Mazzucco Muniz arsonval.muniz@superig.com.br

São Paulo

 

*

MODERNIZAÇÃO

Enquanto houver gente que acredita em propaganda sem constatar se tem fundamento, os petistas vão se dando bem. E os marqueteiros também. No primeiro semestre de seu governo, Fernando Haddad ainda não começou a trabalhar, mas já gastou cerca de R$ 40 milhões com campanhas publicitárias. Campanhas negativas dos governos tucanos, como a que está sendo feita pelo Cade com o aval de José Eduardo Cardozo, não tem os seus custos declarados, mas devem custar mais ainda aos cofres do governo, mantidos com nossos impostos. E é tão óbvio que a liquidação do Banco Rural serviu como boi de piranha para contrabalançar com essas denúncias, assim como o papa serviu de desculpa para o palanque de Dilma, que ficamos consternados ao ver a frivolidade imoral das pessoas que estão nos mais altos cargos do País. Seria esse tipo de procedimento que Lula definiu como “antiquados”? Devemos, então, esperar modernização da demagogia e das falcatruas?

Carmela Tassi Chaves tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo

*

A MELHOR DEFESA

Se a denúncia do Cade é jogada política, fogo amigo ou inimigo, cabe ao governo de São Paulo agir com lisura e mostrar como são feitos seus contratos. A melhor defesa que se tem é: quem não deve não teme. O que se sabe é que na maioria dos contratos de licitações existem fraudes. Em todos os governos e em todas as instâncias. Basta ter uma obra de grande vulto e lá estarão as raposas das empresas interessadas no setor. Essas fraudes ao longo do tempo são as responsáveis pelo atraso em todos os setores em que o cidadão depende dos serviços, seja da infraestrutura, nos transportes, na educação na saúde, etc. O fato é que todo mundo leva uma parte e quem sofre e sai prejudicado é sempre o contribuinte, o trouxa que paga a conta.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

FILHA DE PEIXE

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, deu parecer pela cassação do mandato da governadora do Maranhão, Roseana Sarney, e de seu vice, Washington Luiz Oliveira, por abuso de poder político e econômico nas eleições de 2010. O processo foi movido pelo ex-governador José Reinaldo Tavares – ele disputou as eleições para o Senado em 2010 – e tramita no Tribunal Superior Eleitoral. Tudo o que balança cai, tudo o que vai volta e, claro, filha de peixe peixinho é.

 

Antonio Jose G. Marques a.jose@uol.com.br

São Paulo

*

UM PASSO CONTRA A CORRUPÇÃO

Fiquei muito feliz ao ler a reportagem “Procurador-Geral da República recomenda cassação de Roseana Sarney” (8/8, A7). Talvez esse tenha sido mais um passo para a mudança de que o Brasil necessita, e que essa situação vire mais um exemplo para finalmente acabar com a corrupção aqui existente.

Maria Vitória Pessoa maria.ppessoa98@gmail.com

Curitiba

*

AINDA FALTA VERGONHA

Na página E4 do caderno “Aliás”, de domingo (4/8/2013), há uma frase do senhor governados do Rio de Janeiro, Sergio Cabral, que diz: “Estava me faltando humildade”. O que continua faltando é senso crítico. Na realidade, o que falta é vergonha. No mesmo caderno, na página E7, André Ryoki ilustra uma das fotos com a expressão: “Queria documentar o pessoal se apropriando da rua”. Só resta ao povo apropriar-se das ruas. Os palácios estão todos tomados por gente da estirpe, da mesma falta de decência, do sr. Sérgio Cabral, de Renan Calheiros, Sarney e outros. Nós estamos cansados. Esses seres nos causam desconforto físico e moral. A mídia deveria suprimir essa gente de seus noticiários. Fazer como na revolução: uma receita de bolo por notícia política, e uma prece por foto de cada um. Não noticiar.

Caio Mario Britto caiomario.britto@terra.com.br

São Paulo

*

SALVADOR DA PÁTRIA

Com é possível as pessoas falarem da vida privada do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF)? A esperança do Brasil para virarmos a página da corrupção, da ignorância, da falta de educação, da falta de justiça, da falta de saúde, da dignidade, da esperança, da alegria de ser brasileiro, da felicidade de vermos um belo horizonte no futuro de nossos filhos? É muita maldade falarem mal do presidente do Supremo, homem culto e de origem humilde, que teve a coragem de afrontar a história da mesmice da corrupção, do superfaturamento, do nepotismo, da política rasteira da corte portuguesa do século 16, da política das capitanias hereditárias, etc., etc., etc. Joaquim Barbosa é o fenômeno social que ocorreu pela mão de Deus para salvar a Pátria.

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

*

SEM CONTAS A PRESTAR

É inacreditável os interesses políticos e até de classe para tentar abalar ou mesmo derrubar o presidente do STF, sr. Joaquim Barbosa. Não se questiona o poder aquisitivo ou estratégia de investimento de se ter um apartamento de 70 metros quadrados em Miami. É bem mais barato lá do que um de 70 metros quadrados em Perdizes (SP). O que se questiona é o fato de ele abrir uma empresa nos EUA para que seus herdeiros paguem menos tributo quando ele vier a falecer. Gostaria de saber se os advogados paraenses Ismael e Marcelo gostariam de deixar metade do patrimônio que eles acumularam para o governo, ao invés dos herdeiros, quando eles se forem... Falta do que fazer esses advogados de porta de cadeia que só querem aparecer. Bem dito o sr. Barbosa, quando afirma: “Não tenho contas a prestar a esses politiqueiros”. Bem dito o compositor Chico Buarque quando escreveu a música “Vai Trabalhar, Vagabundo!”.

 

Mario Augusto Lima e Silva malsilva@uol.com.br

São Paulo

*

É CORRETO?

Na matéria sobre Joaquim Barbosa, presidente do STF, “Não tenho contas a prestar a politiqueiros”, elogio o “Estadão” pelo texto, já que mostra que uma das pessoas que deveriam ser responsáveis pela justiça do País está corrompendo as leis de dois países, já que, ao comprar um imóvel em Miami, Barbosa também fundou a empresa Assas JB Corp. para não pagar alguns dos impostos que seriam cobrados no futuro. Mas e quanto aos juízes “comuns”, que devem prestar muitas contas e que são questionados quando compram algum bem desse tipo, além de sofrerem críticas da população? A população poderia também se questionar se isso está correto.

 

André Vinícius Candeo Haddad Figueira, 14 anos andrecandeo@hotmail.com

Curitiba

*

A FAMA DO MINISTRO

A partir dos recentes eventos envolvendo o julgamento do  mensalão e os frequentes manifestos ocorridos em todo Brasil, Joaquim Barbosa ficou muito mais conhecido publicamente do que a maioria dos presidentes do STF, logo que o povo brasileiro não tem muito conhecimento sobre política e justiça. Joaquim Barbosa hoje é considerado um símbolo de uma mudança em relação ao governo, sendo até considerado por muitos um possível candidato à Presidência capaz de “salvar” o Brasil. Por isso não é surpresa que suas contas sejam investigadas com mais firmeza. Acredito que, como todos os humanos, Barbosa cometa seus erros, mas não acredito haver uma fraude na compra de um apartamento em Miami, já que o salário de um membro do Supremo é realmente bom, dando condições financeiras à compra. Cabe a Barbosa lidar com as críticas e perseguições políticas, pois esse é o preço por ser um herói nacional. Agradeço ao “Estadão” pela publicação de mais uma ótima matéria.

Helena de Paula Wagnitz helenawagnitz@hotmail.com

Curitiba

*

JUSTIÇA – MOROSIDADE E PARCIALIDADE

É indiscutível e causa pasmo a morosidade do Judiciário brasileiro. Impensável, quando copiamos tudo do americano, deixar de copiar o modelo de justiça adotado naquele país. Lá, ao contrário daqui, determinadas ações, mormente as penais, são resolvidas na hora por juízes distritais. Aqui, ao contrário de lá, briga-se para criação de mais cabides de emprego, isto é, tribunais federais desnecessários. Lá, ao contrário daqui, os juízes e ministros vão desde a pé, quanto de metrô para o trabalho. Aqui, ao contrário de lá, os magistrados ganham diversas mordomias, tais como moradia, alimentação, veículos, assessores em demasia. Outra coisa que acontece aqui e não acontece lá é a clara parcialidade com que os magistrados daqui, ao contrário de lá, julgam as causas, principalmente, dos grandes escritórios de advocacia, donde saem desembargadores nomeados em conluio com os governantes. Lá, ao contrário daqui, a justiça funciona rápido, as fianças são pagas e as penas são cumpridas rigorosamente. Ah! Que bom se imitássemos os americanos, juridicamente falando.

 

Schindler Pedroza s_paschoal@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

SUPERSSALÁRIOS

Felizmente, o Tribunal de Contas da União (TCU) mandou o Itamaraty reduzir os superssalários dos diplomatas brasileiros, alguns ganhando R$ 59 mil mensais, bem acima do teto constitucional do presidente do STF, de R$ 28 mil. Oxalá o TCU faça o mesmo com os superssalários dos juízes e desembargadores do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ/SP), que tem 60 dias de férias e tem desembargador paulista ganhando salários de até R$ 117 mil mensais, a título de “vantagens eventuais”, em evidente burla ao teto constitucional do STF.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

MÉDICOS MILITARES

O Senado aprovou proposta que autoriza médico militar a trabalhar no Sistema Único de Saúde (SUS). Muito interessante. Penso que, além de não precisar de médicos do exterior, conseguimos saber que o aluno de Medicina passou por uma das universidades do Brasil, comprovando que este teve um estudo adequado e tem CRM, beneficiando o usuário do SUS para que possa ter um atendimento onde não se encontra um profissional sem a capacidade de colocar em prática a sua profissão.

Manoel Pedro Wasem manoelwasem@gmail.com

Curitiba

*

SOLUÇÃO SIMPLES E ERRADA

Então combinamos assim: os médicos militares, mal remunerados como todos os militares, aderem ao Mais Médicos. Como são obrigados a dar expediente integral e plantões nas Forças Armadas, sem limites de horário (embora com carga mínima de 40 horas), vão trabalhar quando deveriam estar descansando e na hora da sua atuação principal estarão... cansados. Se cometerem falhas, nem poderão ser punidos pelos seus chefes ou entidades médicas, seus erros serão relevados. Estou enganado? Como diria Malan, todo problema complexo tem uma solução simples e errada!

Roberto Maciel, general de Divisão rvms@oi.com.br

Salvador

*

FUKUSHIMA – UM PROBLEMA GLOBAL

Fukushima libera 300 toneladas de água contaminada no mar. “Nós somos aquilo que fazemos repetidamente. Excelência, então, não é um modo de agir, mas um hábito” (Aristóteles). Nações que se esquecem de pensar no futuro, a verdade é essa, num mundo onde poucos se importam em como estão agindo e, ao mesmo tempo destroem e colocam em risco milhares de vidas e espécies, as chances de um futuro próspero só tendem a diminuir. O fato é que o problema de Fukushima não se concentra apenas na região, é certo que, se não forem aplicadas as medidas corretas com determinada urgência, o problema só tende a piorar, uma vez que já se passaram dois anos desde que começou a ser liberada a água contaminada no oceano, deve-se dar ênfase ao fato de que eles já não conseguem mais estimar a área afetada, o governo do Japão diz que vai intervir, e que fará o possível para combater o desastre, mas, afinal, quando isso vai acontecer? Em aptidão aos fatos, bem como ao andamento do processo, acredito ser inadmissível que os demais países se calem diante de um problema global. É necessária a tomadas de atitude e que haja uma pena para que o problema não torne a ocorrer.

Giulienny Maria Antunes Gonçalves giulymaria1@yahoo.com.br

Curitiba

*

‘RODA VIVA’

Quero deixar registrado o meu desapontamento com a dispensa do jornalista Mario Sérgio Conti, que elevou o nível do programa “Roda Viva”. Com a sua saída, perdem a TV Cultura e seus telespectadores. Mais um triste episódio.

Sonia Jafet soniaajafet@gmail.com  

São Paulo

*

HENRY SOBEL

Li, ontem, no jornal “O Estado de S. Paulo” uma longa entrevista do rabino Henry Sobel dada à jornalista Laura Greenhalgh, que, após saber que o mesmo deixará o Brasil, o procurou para essa entrevista. Como se sabe, o rabino foi afastado da Congregação Israelita Paulista desde o rumoroso caso que o envolveu em um furto de gravatas ocorrido no ano de 2007, em uma loja de Palm Beach, nos Estados Unidos. Na ocasião, a principal versão que circulou na grande imprensa para justificar o ato foi o fato de que ele fazia uso de medicamentos controlados, sedativos, os quais o teriam induzido a tal prática. Como médico, e conhecendo a farmacologia, ou seja a interação das substâncias químicas com o sistema biológico, e também a farmacocinética, etapas que a droga sofre desde a administração, passando pela biodisponibilidade até a excreção, enviei na época, para o “Fórum dos Leitores” do “Estadão”, uma despretensiosa carta negando que isso fosse possível por conta do medicamento em uso. Foi o suficiente para que a comunidade Israelita de São Paulo, do Rio de Janeiro e de outras cidades onde o jornal tem penetração, me bombardeasse com um inesperado volume de e-mails. Tenho todos arquivados. Acontece que nessa recente entrevista (8/8, A8), o senhor Sobel confessa, segundo suas próprias palavras: “Furto foi falha moral, não doença”. Como eu não engulo sapos, mesmo passados seis anos, quero lembrar a todos que me criticaram, inclusive alguns que classificaram meu comentário de puro antissemitismo, preconceito esse que nunca tive, nem tenho, que meu e-mail (hlffilho@gmail.com) continua à disposição de todos.

 

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

BOM EXEMPLO

Mesmo que tardia, não podemos deixar de enaltecer a atitude do rabino Henry Sobel que, durante entrevista ao “Estadão”, admitiu que o caso das gravatas em que foi envolvido numa loja de Palm Beach, nos Estados Unidos, foi um furto ocasionado por uma “falha moral”, e não doença, como foi aventado. Em razão desse episódio e em face de o acontecimento o ter abalado, abatido e magoado, ele relutou, porém optou em se retirar do Brasil após 43 anos de história pessoal e vida profissional, preparando-se para sua aposentadoria. Como seria bom se tal comportamento pudesse servir de exemplo e iluminasse nossos políticos corruptos a fazer igual, mesmo que isso ocasionasse o esvaziamento total no Planalto, dos Ministérios, do Senado, da Câmara, etc. Ruim com eles, porém muito melhor sem eles, não é?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

DIA DO FICO

O autoexílio do rabino Sobel deixará órfãos: a comunidade judaica, a democracia brasileira e seus muitos amigos. Proponho um Dia do Fico!

 

Alberto Zeiger albertozeiger@hotmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.