Fórum dos Leitores

CORRUPÇÃO

O Estado de S.Paulo

18 Agosto 2013 | 02h11

O mal maior

As atenções voltam-se novamente para o STF, que agora julga os embargos do mensalão. Mas não se pode esquecer de que os milhões desviados e distribuídos não são o mal maior. Muito mais grave foi o atentado à democracia, ao se comprarem políticos do Poder Legislativo. Esse, sim, deve ser o crime a ser julgado.

HELEO POHLMANN BRAGA

heleo.braga@hotmail.com

Ribeirão Preto

O mensalão e a democracia

O novo ministro do STF, Luís Roberto Barroso, tem toda a razão quando diz que corrupção não é para ser politizada e que ela existe em todos os partidos. Existe, sim, em todo lugar e não é invenção tupiniquim. Mas quando alega que o mensalão é só mais um caso de corrupção está redondamente enganado, ouso dizer. O mensalão não foi um mero caso de corrupção, mas um atentado à nossa democracia, que outra vez fica ameaçada quando um ministro do Supremo diz o que ele disse. No mensalão foi montado um esquema abjeto para concentrar o poder político em poucas mãos, mantendo parlamentares cerceados e controlados pelo dinheiro. Uma compra de votos que tolhia o processo democrático. Barroso disse ainda ser o mensalão algo que sempre ocorre no Brasil e na política. Essa é a tese dos petistas e só serve ao PT. É uma forma de amenizar a magnitude dos fatos. O mensalão foi um grande atentado à democracia!

MARIA TEREZA MURRAY

terezamurray@hotmail.com

São Paulo

Filosofando

Para o novato Barroso, "não existe corrupção do PT, do PSDB ou do PMDB. Existe corrupção". Mas corrupção supõe um autor. Quem? Queremos saber! Segundo uma regrinha básica de lógica, diminuindo a extensão, aumenta-se a compreensão. Então, afunilando, chegamos à compreensão de que foram 40 pessoas ligadas ao PT que, sob o comando de José Dirceu, deram dinheiro a deputados para votarem nos projetos do governo Lula. Claro que poderiam ter sido do PSDB ou do PMDB, só que foram do PT. E ponto.

MARIA DA GLÓRIA DE ROSA

mg-de-rosa@hotmail.com

Agudos

Proteção

Para a felicidade e tranquilidade dos mensaleiros, eles conseguiram mais um defensor na Ação Penal 470, frustrando a maioria da população de bem do País. Tudo indica que os corruptos estarão sempre protegidos por alguns julgadores que estão lá como um ponto fora da curva.

JOSÉ WILSON DE LIMA COSTA

jwlcosta@bol.com.br

São Paulo

Cheiro de pizza no ar

O ministro Barroso, ao afirmar que o escândalo do mensalão não foi o maior da História do País e que não existe corrupção deste ou daquele partido, mas simplesmente corrupção, esqueceu-se de dizer que só existe corrupção porque existem corruptos e corruptores. Não existe grande ou pequena corrupção, pois, como diz o ditado popular, quem rouba tostão rouba milhão! Os milhões roubados diariamente condenam milhões de brasileiros a morrer nas portas dos hospitais, enquanto os que desviam são atendidos no Sírio-Libanês, o preferido por dez entre dez políticos brasileiros, principalmente os socialistas, que estranhamente não querem tratar-se em Cuba. Só a reforma política, como afirma o ministro, não seria suficiente para diminuir a corrupção no País, e sim a punição exemplar dos corruptos. Porém, ao que tudo indica, ninguém irá para a cadeia, possivelmente os mensaleiros serão condenados a penas alternativas, como, por exemplo, ensinar ética nas escolas públicas! A pizza já está no forno. Quem viver verá.

JOSÉ MILTON GALINDO

galindo52@hotmail.com

Eldorado

O maior escândalo

Estou plenamente de acordo com o ministro Barroso, o mensalão não foi o maior escândalo da História do País. Com todas as provas colhidas atestando o assalto aos cofres públicos, se o STF não mandar ninguém para a cadeia, isso, sim, será o maior escândalo de todos os tempos!

EDUARDO A. DE CAMPOS PIRES

eacpires@terra.com.br

São Paulo

A luta continua

Se os 20 centavos levaram os brasileiros às ruas, imaginem se houver reversão das condenações do mensalão, sem dúvida alguma, o maior escândalo político do País. O mensalão foi um projeto auspicioso para corromper membros do Legislativo, cuja intenção clara era a perpetuação de um só partido no poder.

ARCANGELO SFORCIN FILHO

arcangelosforcin@gmail.com

São Paulo

Momento de reflexão

Os pronunciamentos do ministro Barroso parecem mais justificativa antecipada de seus futuros votos do que convicção. Ameniza as improbidades cometidas pelos políticos que estão sendo julgados, fazendo alusões a outras julgadas brandamente no passado. Esquece, porém, que o Brasil está mudando. O momento não é para despertar a ira dos brasileiros, que acabam protestando, e com razão, porque não aguentam mais a corrupção. O momento é de muita reflexão.

RUBENS STOCK

rsstock@uol.com.br

São Paulo

Último baluarte

Espero que Barroso respeite a opinião pública e venha complementar o trabalho de recuperação de imagem do STF que o ministro Joaquim Barbosa vem fazendo com tanto esforço. Senão vamos achar que tudo está dominado e o PT conseguiu desmoralizar o último baluarte do País.

FERDINANDO PERRELLA

fperrella@hotmail.com

Sorocaba

Revisor sugere pena menor

Se o ministro Lewandowski diz querer fazer justiça, por que rejeitou o pedido para incluir Lula no processo do mensalão?

ROBERT HALLER

robelisa1@terra.com.br

São Paulo

Compromisso

O único fato concreto na retomada do julgamento dos recursos do mensalão é que Lewandowski não tem o menor constrangimento em mostrar seu comprometimento com o lulopetismo.

FRANCISCO JOSÉ SIDOTI

fransidoti@gmail.com

São Paulo

'Político tem que blefar'

Essa é a mentalidade do PT, na opinião do seu líder, e prevalece em inúmeras ocasiões quando o fator corrupção domina as suas principais ações.

ALCIDES BENJAMIN PORCARO

porcaro2010@hotmail.com

São Paulo

 

OS ABUSOS DE SEMPRE

O abuso e o desmando com o dinheiro do contribuinte brasileiro não têm mãos a medir no Congresso Nacional. Foram gastos R$ 2 milhões em estampilhas (selos) em um ano e quatro meses. Em plena era eletrônica, não se sabe o porquê desse gasto inútil com a compra de 1,4 milhão de unidades de selos. É revoltante sabermos que não há fiscalização alguma da compra de materiais inúteis, da costumeira orgia de gastos e de outros desmandos que ocorrem no Senado federal. Sob o comando de Renan Calheiros, sucessor de Sarney na presidência da instituição, pouco ou nada pode se esperar em termos de moralidade naquela Casa.

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

CORREIO CARO

Somente em selos, o Senado gastou em 16 meses R$ 2 milhões. Que tal pesquisar o cafezinho, o açúcar, a caneta Bic e os clips? É bem possível que cheguemos a uns R$ 10 milhões, isso sem contar os elásticos.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

SELO PARA QUE TE QUERO

Selos ou não selos, eis a questão. A cada dia descobre-se uma nova falcatrua na Ilha da Fantasia, cada uma mais cabeluda que a anterior. Imaginem o montante de dinheiro para a compra da quantidade de selos a serem utilizados pelos "nobres" congressistas. Para onde foi o dinheiro e para onde foram os selos?

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

*

FORA DA REALIDADE

A respeito dos "iluminados" que compraram R$ 2 milhões em selos, tenho duas singelas sugestões. Uma é que mantenham estes "funcionários" de boca aberta e língua de fora, para que sua saliva seja utilizada na colagem da correspondência. A outra sugestão é colar os selos no corpo desses zelosos "servidores", para que todos possam saber quem eles são e como agiram bem. Bem fora da realidade, diga-se de passagem. Que o Tribunal de Contas da União (TCU) ou o Ministério Público Federal (MPF) investiguem estes "profissionais".

Renato Amaral Camargo natuscamargo@yahoo.com.br

São Paulo

*

R$ 2 MILHÕES EM SELOS

E isso considerando que são apenas três "iluminados senadores" por Estado, imagine o elefante branco do governo de Brasília! Claro que são baboseiras que vão direto para o lixo dos destinatários, quando não são de fato negociatas que rendem milhões para os interessados. Em Brasília os Correios se tornam de fato um bom meio de negócios, não é, pois, de admirar ser um dos pivôs dos mensalões.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

FORMIGUINHAS

Ao que parece, a atmosfera de Brasília induz ao roubo do dinheiro público. E não são só ministros e altos funcionários que agem assim, mas formiguinhas também, com uma esperteza impressionante. Quando se olha para outro lado avista-se outro roubo. Assim é que o Senado da Republica descobriu um novo roubo, o de selos para correspondência, em época de correspondência digital. O surpreendente roubo envolveu R$ 2 milhões, o que equivale a 1,4 milhão de selos no valor de R$ 1,40 cada um. Alguns funcionários já foram afastados. Vejam que, talvez, o motivo de Brasília ter se tornado a terra dos ladrões é que lá os ladrões são afastados e não presos. Sim, porque estranhamente se afasta o funcionário porque ele roubou, mas, se é ladrão, deveria ir para a cadeia. Talvez seja esse o problema da Brasília onde um juiz ladrão vai para casa "aposentado" e com salário integral e bandidos que roubaram o erário têm assento no Congresso Nacional após condenados pela Justiça. É muito grave a situação do País.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

TETO

Como pode um país como o Brasil – onde os aposentados chegam a passar fome com a defasagem que enfrentam – ter uma casa como a Câmara dos Deputados pagando mais de R$ 28 mil a mais de 1.600 funcionários? Alguns ganham mais de R$ 40 mil. É o cúmulo dos absurdos e contrastes: milhões sem teto e uma cambada de afortunados acima do teto ganhando salários proibidos em países sérios, o que infelizmente ainda não é o caso do Brasil. Só mesmo o povo voltando para as ruas para apavorar e fazer estes chefes de poder agirem com responsabilidade e consciência, tomando conta do patrimônio público como se fosse um patrimônio seu, cortando e exigindo a reposição desses saques aos cofres públicos.

Habib Saguiah Neto saguiah@mtznet.com.br

Marataízes (ES)

*

O DINHEIRO DE VOLTA!

A atitude do Tribunal de Contas da União (TCU) em suspender salários recebidos acima do teto na Câmara dos Deputados nada mais foi que uma obrigação contra o que, se houvesse decência, honestidade, boas intenções e não predominasse a corrupção, não deveria ter ocorrido por saberem ser irregular e, consequentemente, roubo. Agora livrar os beneficiados de devolver os recursos recebidos indevidamente, no valor de R$ 577 milhões, é simplesmente lamentável e ridículo. Tal atitude mostra e comprova que no Brasil vale a pena ser político corrupto e desonesto.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

DA CÂMARA À SALA DE AULA

Na Câmara dos Deputados, 2,2 mil funcionários recebem acima do teto (R$ 28 mil). Perguntar não ofende: qual é o teto dos professores?

Cyro Barrella cyrobrp@hotmail.com

Ribeirão Preto

*

PROFESSORES X PARLAMENTARES

O ensino vai mal, os professores mal remunerados e sem estruturas para trabalhar estão doentes e por isso faltam às aulas. Na outra ponta da fila, os parlamentares deste país assaltam os cofres públicos, prejudicando serviços essenciais que poderiam ser de primeira não fossem os roubos em série há tantos anos. Pelo visto o exemplo do papa Francisco quando esteve por aqui de nada valeu. O grito das ruas é a maior arma do povo para mudar esse estado de coisas. A única coisa que amedronta político ainda é o voto.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

AGORA VAI?

A educação no Brasil parece que agora vai. Pelo menos é o que todos esperam. Foram aprovados os 75% dos royalties do petróleo para o setor, proibição de lanches gordurosos nas cantinas das escolas e, até, Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) para os alunos que terminarem as três últimas séries do ensino fundamental. Ficarão, faltando "apenas" uma melhor remuneração dos profissionais, maior rigor com a aplicação das verbas e, claro, os estudantes voltarem a ter mais interesse e respeito dentro das salas.

João Direnna joao_direnna@hotmail.com

Quissamã (RJ)

*

A ESPERANÇA

O Brasil atualmente vive um período complicado onde, volta e meia, espocam sérias e profundas crises. Estamos à beira de grave impasse na economia, apesar dos brados otimistas emanados da equipe responsável, e há no ar um indiscutível vácuo de representatividade revelado abruptamente pelas manifestações recentes e que decorre do baixo nível moral e ético da classe política. Tal situação repercute em todas as camadas da população, colocando os valores num confuso caldeirão onde o principal ingrediente é um relativismo que tende a acentuar a taxa de decomposição, já evidente, da sociedade. As razões desse confuso e desalentador astral residem na atmosfera de falta generalizada de confiança que começa nas ações dos agentes públicos e se ramifica para todos os alvéolos da estrutura organizacional do país, transformando o povo brasileiro numa massa descrente e até meio cínica, que a todo momento questiona "o que há por trás "das decisões e políticas postas em prática. Por outro lado, a educação pública desassistida, nunca prioritária, está na origem do baixo nível da massa votante, resultando num processo eleitoral viciado, que garante aos corrosivos feudos políticos a eternização no poder. Há, portanto, pouca perspectiva de mudança desse melancólico panorama. Mesmo assim, sem reação antes que seja tarde, a esperança poderá não ser a última a morrer.

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.om

Rio de Janeiro

*

CASO SIEMENS-GOVERNO DE SP

Acuado, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, usa do mais infantil dos subterfúgios dizendo que "eles também fizeram" e ainda diz que vai processar a Siemens. E quem vai processar o governo, que os indícios vêm mostrando claramente uma arrecadação corrupta em detrimento do erário?

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

*

A LUZ

Sim! Há uma luz no fim do túnel e desta vez não é um trem! É o metrô.

Ilan Rubinsteinn ilanrubi@uol.com.br

São Paulo

*

CORRUPÇÃO NO METRÔ

O fim do túnel está às escuras: a corrupção desviou a luz!

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

FISCALIZAR AS CONTAS PÚBLICAS

O povo brasileiro lamenta o nível da política partidária. A corrupção tomou conta dos noticiários e o povo está indignado. Jesus foi trocado por Barrabás. Pilatos lavou as mãos e foi omisso diante da possibilidade de salvar o Salvador da humanidade. Nós não seremos omissos! Iremos responder aos verdadeiros culpados evitando votar em corruptos. Ou fazemos assim, ou seremos a herança impura para as futuras gerações. Quem vota em corrupto está sendo corrupto. Está elegendo um representante à altura de quem votou nele. Não faremos como Pilatos! Seremos justos e buscaremos a verdade mesmo que o preço seja alto. O Brasil necessita de mudanças! A mentalidade de tomar vantagem em tudo não pode prevalecer. Com a consciência tranquila de um bom voto, vamos fiscalizar as contas públicas e saber direitinho para onde vai o dinheiro dos nossos impostos. O preço da liberdade é a eterna vigilância!

Paulo Roberto Girão Lessa paulinhogirao@uol.com.br

Fortaleza

*

SE O TREM-BALA (BRASIL) DESCARRILOU...

...cabe à oposição, em particular ao PSDB, mostrar como fazê-lo entrar nos trilhos. Nunca esteve tão fácil. O PSDB tem dois grandes nomes para disputar a Presidência em 2014. Ao contrário disso se constituir um problema, é o seu ponto forte! Nenhum outro partido tem essa vantagem. Basta fazer os dois disputarem com ideias e propostas o apoio dos seus correligionários em debates públicos, como ensina a sólida democracia americana. Findo o período em que cada um apresentaria suas ideias de como acabar a corrupção, fortalecer a economia, conquistar o respeito internacional, etc., e com base em prévias eleitorais, o partido escolheria o seu candidato. A visibilidade junto ao eleitorado seria imensa, sobretudo havendo o firme compromisso do vencedor ter como principal auxiliar no futuro governo, o seu opositor nas previas partidárias.

Nilson Otávio de Oliveira noo@uol.com.br

Valinhos

*

MANIA DE GRANDEZA

Trem- bala, Olimpíada de 2016, Copa do Mundo de 2014, doação de grandes somas de dinheiro a países governados por ditadores, são verdadeiros delírios de grandeza dos dirigentes de um país pobre, que não tem saúde, educação e segurança dignas; é gesto digno de governantes merecedores da maior censura popular.

Conrado de Paulo depauloconrado@yahoo.com.br

Bragança Paulista

*

O BRASIL NO RUMO ERRADO

No sistema democrático de governo, criado na Grécia Antiga, a maioria prevalece. A recente pesquisa feita pelo Instituto Ipsos com mil pessoas de 70 cidades revelou que 58% (!) acham que o Brasil está no rumo errado. Em 2014, vamos recolocar o País na direção certa. Fora PT!

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

PREMONIÇÃO DE LULA

Já ouvi pessoas assegurarem que votou em fulano e ele não teve nenhum voto naquela urna. Lula, que costuma dizer que não sabe de nada, mas que sabe de tudo, numa recente declaração em Brasília, alardeou que "Dilma já está reeleita". Isso põe em xeque a credibilidade do sistema eletrônico brasileiro. É ou não é? Convenhamos, países ricos, de Primeiro Mundo (onde internamente o básico obrigatório do governo funciona – saúde, educação, segurança...), produtores e exportadores de tecnologia, não adotaram o rápido e eficaz sistema eletrônico eleitoral idêntico ao brasileiro. Será por quê? Pense nisso...

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

O QUE MAIS ESPERAR DELE?

Lula surpreende a toda nova declaração. É na realidade o maior aproveitador da grande massa que se submete a receber o cabresto da bolsa-família e outros. Sua futura inserção nos livros de história servirá para alertar ao mundo sobre a necessidade de limitar o acesso a cargos do alto escalão a pessoas sem um mínimo de preparo, como é nitidamente o seu caso. Deveria ser punido pelo peculato cometido e partidariamente escorraçado pela falta de caráter e desconhecimento de ética que demonstra diariamente desde que tomou posse, logo na primeira vez. Quem o segue age apenas com agenda própria, querendo se locupletar igualmente, sem exceções! O Brasil não merece isso, seguramente!

Antonio Carlos de Souza Queiroz Cardoso kcardoso@uol.com.br

São Paulo

*

SEM SENSO DO RIDÍCULO

A quadrilha dominante, após a baixa de popularidade da chefe, está perdendo a noção do ridículo e parte para as ameaças, desconhecendo a essa altura o direito de livre expressão. Há dois dias recebi e-mail de um "cachorro louco" que se diz advogado com atuação na baixada santista, dizendo que, após contato com Luiz Inácio Lula da Silva, decidiram enviar uma lista com meu nome e de pelo menos mais 20 cidadãos, inclusive meia dúzia de jornalistas que atuam nos principais jornais do País, para apreciação do departamento jurídico do PT. Todos passíveis de ação judicial por críticas no nível ético e moral do ex-presidente. Quero agradecer ao militante e dizer que me sinto honrado e agradecido por meu nome constar (e ser o quarto) da famosa lista, que estará à disposição desse "digno" departamento jurídico. E mais, deixar claro que, após a condenação, os réus exigem presídios com padrão Fifa. Afinal, vai abrigar gente com padrão ético e moral dos melhores do mundo, além de um altíssimo, inegável e inabalável espírito de cidadania, e capazes de, quando libertos, refundarem a República com dirigentes competentes e sem ladrões do erário.

Humberto de Luna Freire Filho, médico hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

ELEIÇÃO GANHA

O brilhante Lula já dá como reeleita a sua criatura na próxima eleição presidencial. Bem que o povo brasileiro poderia lhe dar uma tremenda lição, pela arrogância, achando que este país é um curral particular dele. Acorda, Brasil!

Ademar Monteiro de Moraes ammoraes57@gmail.com

São Paulo

*

NÃO BOTO FÉ

Que me perdoe o instituto de pesquisas Datafolha. Ponho em dúvida a metodologia usada para afirmar que Lula venceria já no primeiro turno, caso candidato à Presidência em 2014. Estranho, pois, com certeza, não venceria no Estado de São Paulo, onde uma outra pesquisa demonstrou que teria a metade dos votos de Alckmin para o governo do Estado; não venceria em Minas, pois lá Aécio é quem tem a preferência do eleitorado. Não venceria também no Sul. Ou seja, estaria sem Minas, São Paulo, Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul. Assim, como seria possível Lula ter mais de 50% dos votos dos eleitores, se terá pela frente, inclusive, Eduardo Campos como candidato no Nordeste? Não parece incongruente este resultado? Para parafrasear o papa Francisco, que "bota fé nos jovens", eu não "boto fé" no Datafolha, não desta vez.

Eliana França Leme efleme@terra.com.br

São Paulo

*

TRUQUE

Durante as manifestações pelas ruas do País, as pesquisas sobre a popularidade de Dilma foram in loco. Agora são feitas nos feudos, e o povo embarca!

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

PROPAGANDA

Dona Dilma tem de pôr muito (dinheiro) para parecer boa.

Flávio Cesar Pigari flavio.pigari@gmail.com

Jales

*

PESQUISA ELEITOREIRA

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em convênio com o Ministério da Saúde (leia-se Alexandre Padilha, indicado pelo PT ao governo de São Paulo), iniciou em 12/8 a coleta de informações da Pesquisa Nacional da Saúde (PNS), para visitar cerca de 80 mil domicílios em 1.600 municípios do País para saber como anda a saúde e o estilo de vida da população, coletando além de amostras de sangue e urina, dados como peso, altura, cintura e pressão arterial. Um exército de entrevistadores serão contratados e uma montanha de dinheiro será gasta para levar adiante esta pesquisa. Ela é inútil? Não, só que, para saber como anda a saúde dos brasileiros e onde se faz necessária uma maior intervenção do governo, não precisariam gastar uma fortuna para realizar esta pesquisa: é só o ministro da Saúde ler os jornais para ter uma ideia do caos na saúde e na qualidade de vida de milhões de brasileiros que em diferentes regiões do País não contam com hospitais e postos de saúde minimamente aparelhados para atendê-los. Deve estar sobrando dinheiro nos cofres do governo para investir esta barbaridade em ano pré-eleitoral só para promover e dar visibilidade a um candidato do PT. Pena que o ministro Padilha em sua gestão não tenha investido tanto na prevenção da gripe A no Estado de São Paulo, pois este estado é o que já conta com o maior número de contaminados e infelizmente, também de óbitos. Para saber destes números me bastou a leitura dos jornais.

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

O SIGILO DOS BANCOS DE DADOS

O incidente da transferência do cadastro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para a empresa Serasa e a venda de dados daquele arquivo na internet, por uma associação de funerárias ("Estado", 11/8), lançam dúvidas sobre o que é feito com o conteúdo dos bancos públicos de dados. Essas informações, coletadas e armazenadas pelos órgãos públicos para o cumprimento de uma finalidade, não devem dali sair. Mas, como ficou provado nos últimos dias, os responsáveis pela burocracia do órgão detentor as repassam até sem o conhecimento das autoridades responsáveis pela repartição. Além do TSE, existem bancos com informações estratégicas da vida econômica e pessoal do indivíduo, como o da Receita Federal, por exemplo. Isso sem falar dos informes da Saúde, que podem revelar moléstias que, tornadas públicos, venham a constranger o cidadão portador. É perigoso quando essas informações caem no domínio público. Empresas de telemarketing podem com eles abordar clientela potencial e, o pior, quadrilhas são capazes de utilizá-los para a prática de delitos. Informação é arma mais potente do que as armas tradicionais. Não seria demais que os governantes e os parlamentares se interessassem pelo aperfeiçoamento na manutenção e guarda das informações armazenadas sobre cidadãos e contribuintes. A sociedade daria um salto de qualidade se, valendo-se dos conhecimentos hoje disponíveis nas áreas do Direito, Economia, Informática, Comunicações e outros setores, criasse mecanismos de aperfeiçoamento no setor cadastral e pudesse, inclusive, prever a sua periódica atualização tecnológica.

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

A ESPIONAGEM DOS EUA

Conforme notícias vindas de Brasília, o governo brasileiro não ficou nada satisfeito – poderá levar o caso à ONU – com as explicações do secretário de Estado dos EUA, John Kerry, sobre o caso de espionagem no Brasil, feita pelos norte-americanos. Na verdade, a população brasileira não está nada preocupada com esse caso de espionagem, pois ela sempre existiu, e não é agora que irá deixar de existir. O que a população deseja mesmo é melhor atendimento médico, melhor educação, transporte público de qualidade e as tão esperadas reformas estruturais (política, trabalhista, tributária, previdenciária). Será que é sonhar alto demais?

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

A TERRA DOS LIVRES E NEURÓTICOS

Jonh Kerry, secretário de Estado americano, e seu colega Antonio Patriota, segundo analisa o editorial de "O Estado" (15/8), cuidaram, no melhor estilo diplomático, do problema de nossa liberdade vigiada, uma contradição em termos. O 11 de Setembro fez da terra dos livres a terra dos neuróticos pós-traumáticos. "Mutatis mutandis", por outras causas, a liberdade dos brasileiros não é menos viciada em sua essência: a vida se processa nos apartamentos, condomínios fechados e seus seguranças. O planeta se tornou pequeno e os homens, seres confinados, vigiados e combalidos pelo pior dos sentimentos – o medo.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

EGITO – OMISSÃO E SILÊNCIO

É inaceitável o massacre de centenas de civis no Egito, praticado pelas tropas do exército. O golpe militar depôs o presidente eleito, instaurou a ditadura no país e jogou uma pá de cal na Primavera Árabe, que tinha tantas esperanças de florescer. Na Síria, o sanguinário tirano Assad continua promovendo um banho de sangue contra civis inocentes. Fala-se em mais de 100 mil mortos até o momento. Quando parecia que os povos do Oriente Médio tinham acordado e seus países seriam mais democráticos, livres e abertos, as coisas voltam a andar para trás. E a ONU, o que faz a respeito? E o Brasil? Pelo visto, teremos mais uma vez a omissão e o silêncio ensurdecedor e pusilânime da presidente Dilma Rousseff (PT) e do chanceler Patriota.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

A LIÇÃO DOS ‘HERMANOS’

Os argentinos deram uma lição à sra. Cristina Kirchner no pleito realizado na semana passada. Não existe nada pior para um político do que ver-se rejeitado nas urnas, por isso aprendamos e, em 2014, cacemos os corruptos incompetentes e trapaceiros pelo voto, uma vez que eles são surdos e não ouvem e não querem entender à voz das ruas. Parabéns aos "hermanos".

Ademar Monteiro de Moraes ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

*

AO LADO

Com todo esse auê no Brasil, será que Cristina Kirchner está dormindo bem?

Dennis Ramos Pinto dennisramos@ig.com.br

Rio Claro

*

MENOS UM

Acredito que o resultado das primárias argentinas demonstra a decadência, o início do fim, do kirchnerismo. O povo que é quem vive a realidade diária começa a abandonar o discurso demagogo e mentiroso. Exemplos históricos, tais como lulismo, janismo, brizolismo, carlismo, peronismo, hitlerismo, stalinismo, maoismo, não faltam para demonstrar a maldição dos "ismos" que tanto atraso, prejuízo e sofrimento tem imposto à humanidade. É menos um.

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

O DURO REVÉS DE CRISTINA

Pedindo licença à Vodka Orloff, quero crer que a dona Dilma Rousseff, com todos os ésses e éfes, sente calafrios ao pensar que poderá ser a Cristina... amanhã.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

TANGO PELA ÉTICA

Os hermanos eleitores argentinos desiludidos não querem mais ouvir os ricos acordes de um tango envolto pelo populismo indigerível desta malfadada era Kirchner, que emporcalha as instituições portenhas. E felizmente nas eleições primárias de domingo, 77% dos votos depositados nas urnas foram favoráveis a candidatos da oposição. Esse é um recado importante aos governos quase totalitários também do Equador, Bolívia, Venezuela, e íntimo destes ideais também desta gente o governo brasileiro sob as ordens do PT, mas, sem anuência do povo brasileiro. A sociedade argentina cansou das picaretagens da corrupção reinante, da manipulação dos índices de inflação, dos congelamentos de preços nos supermercados, da tentativa de calar a imprensa responsável e independente, como no caso do Grupo Clarín de Comunicação, e do total desrespeito as leis de mercado. Ou seja, clara percepção do ostracismo em que se encontra o populismo na América do Sul, protagonizados pelos países citados acima, incluindo a nosso governo! E urge o fim do reinado destes desgovernos no seio do nosso pobre e maltratado continente. Esses são também os verdadeiros manipuladores, e idealizadores de um cartel do Mercosul, que de forma totalitária expulsaram o Paraguai, por não comungar com a entrada pelas portas dos fundos da Venezuela, e que hoje de cócoras imploram para o retorno desse país vizinho a zona deste pseudo livre comércio. Cristina Kirchner não está sozinha, tem a companhia do PT, que, além de protagonizar uma corrupção bem difusa no País, tenta há 11 anos o controle de conteúdo da mídia, manipula com traquinagens contábeis os números do superávit primário, congela preços dos combustíveis prejudicando a eficiência e investimentos da Petrobrás, força o não aumento do preço das passagens do transporte público, quebra contratos como os do setor elétrico, não respeita o mercado que inclusive quer impor a lucratividade das empresas nas futuras concessões de rodovias, aeroportos, e ferrovias, e ainda produz dossiês contra opositores, etc., etc. Portanto, é de esperar que o resultado dessas primárias realizadas na Argentina, com a vitória esmagadora da oposição, também respingue em 2014 nas urnas tupiniquins dando um basta principalmente ao desprezo do petismo, que jamais e em tempo algum foi cúmplice dos valores éticos e dos bons costumes tão caros a uma sociedade como a nossa que mercê ser respeitada. E está mais do que na hora de unir o tango ao samba, que na ginga da democracia evolua seus passos exclusivamente em direção ao bem comum...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

GRUPO X – PIMENTA É REFRESCO

Quando assisto a alguns programas pela TV aberta, que são raros com qualidade, penso que o Brasil tem muito para aprender em termos de críticas. Sinceramente, a desgraça alheia é um prato cheio para os nossos pseudohumoristas atualmente. Às vezes assisto a um programa que se julga de "alto teor" de comicidade e que pretende ser o guardião da moral e bons costumes desse nosso Brasil, falido em termos de cultura e civismo, que em algumas vezes se farta em ridicularizar o empresário Eike Batista. Acompanho o caso das empresas do Grupo X pelos jornais e, se houve malversação do dinheiro das empresas, especulações escusas, apoio ou não do governo, trambiques e falcatruas, eu não sei afirmar e nem quero, pois para isso deveríamos ter uma justiça séria e competente para atuar nesse caso. A minha crítica não é para o empresário, que não pretendo defender ou acusar, mas fico preocupado é que nas "críticas humoradas" desse programa provavelmente atingem pessoas que, porventura, trabalham ou dependem desse conglomerado de empresas e provavelmente estão passando por dificuldades que esses comediantes não sabem e nem querem saber. Sentir prazer em apreciar alguém em plena derrocada faz parte da condição humana, mas as consequências ao redor podem ser desastrosas. Espero que quando alguém tiver a grande ideia de arrecadar dinheiro para ajudar o Grupo X, pense também em dividir com os empregados. Este jornal publicou, no dia 12 de agosto de 2013, que a empresa OGX não financiara UPPs, deixando de investir R$ 20 milhões por ano, dinheiro que realmente fará falta. Espero que os pseudocomediantes façam uma arrecadação para ajudar as UPPs.

Fabio Picchi fabiopicchi22@gmail.com

São Paulo

*

TRÂNSITO EM SÃO PAULO

Prefeito Fernando Haddad, os corredores ficaram ótimos! Agora só falta descongestionar as ruas no entorno dos corredores e providenciar os ônibus...

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

GASOLINA MAIS CARA, PELO TRANSPORTE PÚBLICO

Alguém precisa dizer ao prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, que sua proposta de aumento de 20% na gasolina não garantiria que a passagem de ônibus cairia para R$ 1,80, mas certamente causaria alta do custo de vida, graças a uma correção de preços de muitos produtos, mesmo que não transportados por este combustível.

Laércio Zannini arsene@uol.com.br

São Paulo

*

SEGURANÇA PÚBLICA

Reconheçamos: por décadas vivemos sob a égide de um estamento de segurança pública que apostava na subjugação da população como instrumento de controle social. A partir de abordagens seletivas, sempre voltadas para as pessoas mais simples e, regra geral, realizadas sob protocolo inadequado. Até mesmo nos eventos esportivos – logo na entrada o espectador era (ou é) humilhado por uma "busca pessoal" em geral realizadas por verdadeiros brutamontes. Já observaram que os policiais, particularmente os mais jovens, buscam se aproximar da figura do "mister universo"? E os "confrontos", matreiramente registrados como "resistência com morte" (do cidadão, evidentemente!). O atendimento nas delegacias fica a desejar a partir do registro da ocorrência – regra geral o ambiente é sinistro, pouco asséptico e a má vontade do agente é regra. Seria de observar que a melhora no atendimento não se traduz em aumento de despesa ou aumento de pessoal – sugestão feita pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB Guarujá, por ocasião das Conferência da Segurança Púbica, obviamente não acolhida. Não há que se falar na qualidade do serviço – suponho que os órgãos de segurança apostam no caos quando oferecem serviço de má qualidade, até parece que querem ter a população refém do medo. Não venham dizer que as más condições de trabalho e a baixa remuneração são os responsáveis por essa realidade. Nunca admitem que a baixa formação intelectual, vocação para o serviço policial e retidão de caráter nem sempre estão presentes no perfil do agente – sua prioridade é pegar a carteirinha e colocar a arma na cinta e sair por aí. No "bico", as condições de trabalho, na maioria dos casos, são degradantes e ainda assim prestam serviço eficiente e de qualidade, pois do contrário o "português da padaria", o "empresário do bingo" ou o "dono do posto de gasolina" os dispensa – sem qualquer direito trabalhista. Agora, diante das manifestações populares – na sua maioria ilegítimas e sem representatividade –, parecem baratas tontas quando questionados sobre a truculência no controle de multidões (na maioria dos casos, apenas alguns gatos pingados). Preferem se acovardar – nem imagino um grupo quebrar a porta da delegacia e ficar impune. Não concebo deixarem dez jovens, debutantes em manifestações públicas, se assenhorarem do plenário de uma casa legislativa, sem que houvesse qualquer ação imediata do poder público, lamentavelmente também da justiça (com letra minúscula, mesmo!). Enquanto isso, ficamos na berlinda – sob o jugo de vândalos sem causa ou clamamos pela repressão sem limite. Por certo haveremos de encontrar uma terceira via – bem mais democrática, mas não aquela recomendada pelo Barroso!

Noel Gonçalves Cerqueira noelcerqueira@gmail.com

Jacarezinho (PR)

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.