Fórum dos Leitores

LEILÃO DO PRÉ-SAL

O Estado de S.Paulo

21 Setembro 2013 | 02h11

A espionagem valeu?

Aparentemente, a espionagem norte-americana na Petrobrás teve consequências. O governo federal anunciou que as maiores empresas petrolíferas do mundo, as norte-americanas, não se apresentaram para participar do leilão do campo de Libra, extremamente promissor, segundo os dados fornecidos pelo governo Dilma Rousseff. Aparentemente, essas empresas não se apresentaram por terem algum tipo de informação importante, já que as europeias e as asiáticas vão participar, talvez por não terem as mesmas informações. É sabido que a Petrobrás, que obrigatoriamente participa de todos os grupos com 30%, está com dificuldades de caixa e de crédito e possivelmente traria problemas aos sócios do projeto. Por outro lado, há muita descrença quanto à veracidade do potencial do pré-sal brasileiro, uma vez que foi usado por Lula como propaganda política para sua eleição.

FABIO FIGUEIREDO

fafig3@terra.com.br

São Paulo

Gigantes ausentes

O governo federal esperava 40 e só se inscreveram 11 empresas no leilão do pré-sal. E destas, apenas cinco estrangeiras. Não se interessaram quatro das consideradas gigantes mundiais, empresas americanas e inglesas. Terá sido obra da espionagem na PeTrobrás e descobriram que o pré-sal não passa de uma grande enganação? Macaco esperto e espião não põem mão em cumbuca sem melaço, digo, petróleo. O governo, para disfarçar, diz que foi um sucesso. Sucesso com menos 29 dos 40 previstos realmente é um sucessão para nenhum americano e inglês botar defeito!

BEATRIZ CAMPOS

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

POLÍTICA EXTERNA

Brasil, Irã, EUA

O Brasil é um país atrasado. Na Itália, o Parlamento está prestes a cassar um senador bilionário e corrupto, enquanto no Brasil a mais alta Corte de Justiça protege o segundo homem mais importante de uma quadrilha, que deu prejuízos bilionários ao povo brasileiro - o segundo porque o verdadeiro chefe do mensalão nem foi indiciado. O presidente do Irã, Hassan Rohani, com a permissão do aiatolá Ali Khamenei, quer de qualquer forma se encontrar com Barack Obama, enquanto no Brasil a presidente espionada Dilma Rousseff quer de qualquer forma desculpas dos EUA e não vai ao encontro com Barack Obama. Conclusão: ficamos com os mensaleiros soltos e sem investimentos norte-americanos.

JOSÉ FRANCISCO PERES FRANÇA

josefranciscof@uol.com.br

Espírito Santo do Pinhal

MENSALÃO

Recuperar a credibilidade

O Supremo Tribunal Federal (STF) poderia redimir-se perante a opinião pública, que chegou a acreditar que enfim se faria justiça no Brasil, e, além de manter a condenação dos mensaleiros, levar a julgamento o maior culpado de tudo isso e muito mais, que continua incólume, o Lula. É impressionante como todo mundo se acovarda e faz de conta que ele nada tem com isso.

RICARDO NÓBREGA

cnc.eng@terra.com.br

São Paulo

Prisão dos mensaleiros

Apesar das declarações do relator dos embargos infringentes, ministro Luiz Fux, de que será rápido na relatoria, e relembrando que tais recursos não têm efeito suspensivo, a prisão poderia ocorrer desde já. Mas o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, informa que só pedirá a prisão dos condenados após o trânsito em julgado da Ação Penal 470. Portanto, brasileiros e alienígenas, podem esperar sentados, porque os poderosos julgados e condenados jamais serão presos e podem rir à vontade da Justiça e de nossas insustentáveis filigranas jurídicas, sempre usadas a pretexto de respeito ao direito de defesa. Um viva à impunidade e aos transgressores das leis vigorantes! Cumprimentos também ao Delúbio Soares.

JOSÉ CARLOS DE C. CARNEIRO

carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

Transparência

Luiz Fux, o novo relator, depende da entrega dos votos dos demais ministros para reiniciar o julgamento. Nós, pobres mortais, poderemos conhecer a ordem de entrega? Assim, às claras, saberemos quem é quem no STF, separando o joio do trigo.

LUIZ ANTONIO FESCINA

terrasfescina@terra.com.br

Conchas

De novo?

Neste novo julgamento, se houver quatro votos favoráveis aos corruptos, vão ser aceitos, novamente, os embargos infringentes? Não duvido! Com a palavra o "deu o cano".

CARLOS ALBERTO ROXO

roxo_7@terra.com.br

São Paulo

Justiça tardia

O Brasil, país democrático que é, jamais poderia negar a defesa aos réus do mensalão. Depois de oito anos dos crimes cometidos, ficou claro para a Nação que "eles podem, sim", corromper, roubar, traficar, delinquir, burlar as leis - basta ter dinheiro para pagar advogados. O voto do ministro Celso de Mello deixou clara a diferença entre Direito e justiça. O direito foi garantido, a justiça continua a tardar.

IZABEL AVALLONE

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

Embargos infringentes

Ainda sobre a sessão do STF, rápido e rasteiro: summum jus summa injuria...

RAUL DREWNICK

rdrewnick@gmail.com

São Paulo

Suprema injustiça

O ministro Celso de Mello deu o seguinte recado aos corruptos: roubem à vontade porque serão defendidos até os últimos recursos, quando, então, seus crimes prescreverão. Cícero definia essa prática como summum jus summa injuria, ou seja, o excesso na aplicação do Direito pode levar à suprema injustiça! Só há uma explicação, a soberba. É que pessoas acostumadas com raciocínios altamente complexos e extremamente sutis se afastam da realidade do dia a dia do homem comum e passam a se julgar incomuns, acima dos que erram, e se presumem os donos da verdade. Então, tendem a não prestar atenção a raciocínios mais simples que talvez possam encerrar preceitos mais verdadeiros, mas que foram modificados por confusões semânticas criadas por outros arrogantes.

EUGÊNIO JOSÉ ALATI

alatieugenio@gmail.com

Campinas

Teomania

Para o ministro Celso de Mello, a voz do povo não é a voz de Deus. Para ele, a voz de Deus é a sua própria voz.

ROBERTO MORETTI BUENO

robmoretti@terra.com.br

São Paulo

_______________

POBRE DIPLOMACIA DO PT

Um reflexo da desastrosa atitude de Dilma Rousseff – de cancelar o convite do governo americano para uma visita de Estado a Washington em razão de supostas espionagens do serviço de inteligência de Tio Sam sobre as ações da presidente e da Petrobrás – foi a decisão das gigantes empresas petrolíferas americanas Exxon Mobil, Chevron e das inglesas BP e BG de não participar do leilão do Campo de Libra, na Bacia de Santos, área do pré-sal, em 21 de outubro. É nisso que dá um partido, como o PT de Lula, governar o País voltado para o seu próprio umbigo. Ou seja, como sempre, a prioridade do petismo consiste em direcionar suas decisões governamentais unicamente para as urnas eleitorais. A ação destes alojados no Planalto despreza se a decisão que tomam será prejudicial à Nação, como certamente foi este cancelamento do encontro com o presidente Barack Obama, nos EUA. Isso porque, para definir se iria ou não à Casa Branca, em vez de se reunir com o nosso ministro das Relações Exteriores, reconhecido diplomata do Itamaraty, Dilma preferiu ouvir a posição de Lula e de seu marqueteiro, João Santana... Coisa de governo irresponsável e amador! Portanto, a recusa das empresas citadas acima de participarem do leilão de Libra certamente põe em risco o sucesso do evento, de extrema importância não somente para reabilitar a Petrobrás (que a própria gestão petista vem prejudicando), mas para trazer investimentos maciços de que tanto o Brasil necessita. Mas Dilma Rousseff segue tranquilamente fumando seu charuto cubano, sem dar ouvidos à indignação das ruas.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

MAU NEGÓCIO

Qual petista poderia afirmar que se o pré-sal fosse um bom negócio, se as gigantes do petróleo ficariam fora do leilão da Agência Nacional do Petróleo (ANP)? O pré-sal é outra grande mentira, outro engodo deste governo do PT. Corroborado por seus aliados, criou uma expectativa totalmente falsa em torno dos recursos de seus royalties apenas com objetivos eleiçoeiros. A prova cabal de que tanto a tecnologia como as consequências de uma prospecção a 7 mil metros de profundidade são completamente desconhecidas foram as decisões de quem entende do assunto.

Eugênio José Alati alatieugenio@gmail.com

Campinas

*

O GOVERNO NÃO SABE O QUE MUDAR

Sabe, sim, senhor. Fazem bons acordos em leilões e, depois, se ajustam os preços das empresas "escolhidas" por critérios politicamente bem planejados. Nada diferente do que acontece no PAC e na Copa do Mundo de 2014. Nada mais do os ratos corroendo o Brasil.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

FORCINHA

Dona Dilma cancelou sua ida aos EUA após informação do presidente americano de que não haveria tempo hábil para que houvesse uma apuração detalhada sobre a espionagem contra ela e contra a Petrobrás, antes da programada reunião em Washington. A imprensa nacional deveria dar uma forcinha no sentido de esclarecer à "presidenta" o seguinte: primeiro, no que diz respeito a sua pessoa, a espionagem não trouxe mais informações além de confirmar a sua jurássica posição ideológica e o seu passado, bem como a constatação de sua astronômica incompetência administrativa, que está levando o País ao caos. Segundo: quanto à Petrobrás, ela deverá ficar sabendo que a empresa não perderá nenhuma gota de petróleo do pré-sal, até porque daqui a dez anos, quando o primeiro barril for extraído, os EUA serão autossuficientes e exportadores em razão da exploração do xisto e seus derivados. O "poste" ainda deveria ser lembrado de que a Petrobrás perdeu uma refinaria para a Bolívia sem espionagem, simplesmente tendo ela sido invadida pelo Exército boliviano, e que o jerico na época presidente do Brasil, por pura covardia, nada fez para defender nosso patrimônio.

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

VISITA CANCELADA

Quem diria que chegaria o dia em que Zé Carioca daria uma "banana" ao Tio Sam, hein?! Bravo, Brasil!

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

‘MALDIÇÃO DO PETRÓLEO’

Dona Dilma fez um discurso para lá de maluco em Porto Alegre há alguns dias, na cerimônia de assinatura de contratos para a construção de plataformas para a Petrobrás. Dominada pela euforia de mais um contrato assinado para extrair petróleo em 2020, do alto de seus tamancos, anunciou solenemente que o Brasil está evitando a "maldição do petróleo", que vitimou países exportadores em todo o mundo. Trata-se de uma loucura desvairada ou então de uma tremenda gozação com todos os brasileiros que tenham mais de um neurônio no cérebro. O País tem hoje um déficit na conta petróleo, nestes oito meses do ano, superior a US$ 15 bilhões, com a importação de óleo bruto e produtos refinados. Onde está a superexportação de petróleo, eventual criadora da "maldição do petróleo"? Quando o Brasil vai acordar e colocar essa senhora numa camisa de força? Os homens sensatos do Brasil, políticos não necessariamente de oposição, empresários e organizações civis precisam acordar, antes que seja tarde demais. 2014 está aí!

Geraldo Veloso velosogc@hotmail.com

São Paulo

*

LEMBRANDO RUY BARBOSA

Disse Ruy Barbosa: "A justiça atrasada não é justiça; senão injustiça qualificada e manifesta". Neste ano de 2013 o crime do mensalão completa oito anos de tramitações. Quando finalmente a sociedade brasileira esperava o seu final, o Supremo Tribunal Federal (STF) votou pela sua continuidade.

José Carlos Degaspare degaspare@uol.com.br

São Paulo

*

BRASIL, UM PAÍS DE TOLOS

O Brasil perdeu a última esperança que estava por vir no voto do ministro Celso de Mello. O decano do STF deixou passar a oportunidade que tinha em suas mãos de colocar de vez a quadrilha do mensalão no lugar em que ela merecia ficar. Para quem assistiu às quase 60 sessões envolvendo o caso dos mensaleiros, uma cena ficará gravada na memória dos brasileiros: um cidadão honrado, corajoso e ciente de seu papel marcou seu nome na presidência do STF. Parabéns, Joaquim Barbosa, fosse seu o último voto, o País estaria agora comemorando a vitória. No entanto, os corruptos riem de nossa cara e fazem troça com nosso dinheiro. Brasil, um país de tolos!

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

INGÊNUO

Como já era previsto desde o início deste julgamento do mensalão, tudo terminou em pizza! O ministro Celso de Mello pode entender de leis, mas se mostrou um grande ingênuo. Dizer que os ministros são imparciais, independentes e justos é uma grande piada. Pelo menos dois destes juízes, Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli, tiveram e têm relação com os acusados e não deveriam participar deste julgamento. O que vai ocorrer agora é que os advogados irão fazer uma série de chicanas, o tempo vai passar, as penas vão prescrever e alguns juízes vão se aposentar. Fica comprovado que, desde o descobrimento do Brasil, quem tem poder e dinheiro não vai para cadeia. Este é um país dos espertos, malandros e ladrões. Pobre dos nossos filhos!

Eduardo Marcondes ermarcondes@terra.com.br

Campinas

*

UM POVO DESMORALIZADO

Câmara dos Deputados desmoralizada, Senado desmoralizado, STF, agora, desmoralizado. Somos um povo desmoralizado. Vergonha de ser brasileiro!

Celso Ribas G. de Carvalho crgc22@gmail.com

São Paulo

*

ANOMALIA

O voto de 18/9 do ministro Celso de Mello, no STF, a favor da protelação da sentença final contra os mensaleiros, foi meramente técnico – e não ideológico. Essa atitude burocrática pode ser rotulada como "Síndrome de NENA" (Não Estou Nem Aí). Uma significativa parte dos burocratas que ocupam funções públicas são portadores desse tipo de anomalia. A característica básica desse comportamento é acreditar que a pretensa majestade de seus cargos permite colocar chicanas legais acima do espírito das leis – e do clamor da população. Como consequência, acham também que a opinião pública é irrelevante diante da sua douta opinião pessoal.

Claudio Janowitzer cjano@terra.com.br

Rio de Janeiro

*

SUPREMA PIZZA

Na quarta-feira foi servida a grande pizza que estava sendo preparada há sete anos. Como demorou! Este julgamento deve encerrar de uma vez, porque o resultado nós já sabemos qual será. Para que nos causar mais indignação, revolta, nojo, etc.? Pobre Brasil, país da impunidade dos poderosos e dos políticos.

Maurilio Pereira mauriliopereira@uol.com.br

São Paulo

*

EMBARGOS INFRINGENTES

Se até o ministro Celso de Mello, ao prolatar o seu voto, refere-se a legisladores ordinários, por que eu, um simples mortal, iria contradizê-lo?

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

VALE PARA ‘QUALQUER RÉU’?

Será que os advogados de Fernandinho Beira-Mar e de Marcola estão acompanhando o julgamento do mensalão? Aprenderam que "embargos declaratórios e embargos infringentes" poderão amenizar seus clientes de vários anos de cadeia? Essas sessões são importantíssimas para criar certas "jurisprudências" que livram quadrilhas e bandidos poderosos da prisão. Não existem bandidos diferentes entre si. Todos são iguais perante a lei e merecem tratamento igual!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

ATÉ QUANDO?

Eis o placar melancólico do mensalão: corrupção 6 x 5 Brasil. Infelizmente ainda vamos conviver com este mal: corruptos sem punição. Por mais quantos anos?

Álvaro Brito Rezende alvarobr1964@hotmail.com

Barretos

*

PLACAR NO STF

Pizza 6 x 5 Brasil

Gattaz Ganem gattaz@globo.com

Carapicuíba

*

SONO TRANQUILO

O ministro do Supremo Celso de Mello diz que julgamento do Judiciário não pode deixar-se contaminar pela opinião pública. Infelizmente, nosso regimento tem força maior. José Genoino, Delúbio Soares, Marcos Valério e outros nove mensaleiros foram beneficiados com os embargos infringentes. Com essa decisão a quadrilha que assaltou os cofres da União voltará a ser julgada em 2014. E, como 2014 coincide com ano de eleição e Copa do Mundo, essa quadrilha poderá dormir tranquila, até porque os cofres públicos ficaram vazios.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

AGORA É OFICIAL

Se alguém ainda tinha alguma dúvida de que está tudo dominado, ali pelos lados de Brasília essa foi totalmente dissipada quando o ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, aceitando os embargos infringentes, confirmou novo julgamento do mensalão.

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

SAPIENTES

Os ministros do Supremo Tribunal Federal Celso de Mello e Ricardo Lewandowski são de longe, "data vênia" aos outros integrantes da Corte, os que de fato conhecem a ciência jurídica e têm postura de juízes de uma Suprema Corte.

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

*

PIZZARIA SUPREMA

Com nossos mais profundos sentimentos de gratidão e respeito pela elevada honra e coragem do quinteto de nobres ministros do STF, composto pelos senhores Joaquim Barbosa, Gilmar Mendes, Marco Aurélio, Cármen Lúcia e Luiz Fux, manifestamos nossa solidariedade por tudo o que fizeram para salvar a honra e a credibilidade da Justiça brasileira. Infelizmente, os corruptos venceram. O STF agora ostenta uma vistosa placa de neon onde se lê: Pizzaria Suprema. Para quem passa por ali, pode sentir o cheiro de manjericão exalando das dependências da nova casa. Se entrar, irá contemplar um ambiente agradável, com pessoas alegres, gargalhando das piadas de salão contadas por um conhecido frequentador.

Wilson Sanches Gomes sancheswil@hotmail.com

Curitiba

*

UM PAÍS PARA POUCOS

Brasil, um país de elites, ladrões protegidos por advogados caríssimos, custeados não sei por quem, com estilo de vida milionária, com contas em paraíso fiscal e doutrina socialistas de igualdade, mas de comportamento antagônico: para os pobres pregam contra as elites e vivem delas fazendo o seu jogo de interesse, recebendo altas comissões através de palestras, do perdão de dívidas de países de Terceiro Mundo ou financiando obras no exterior com dinheiro do povo (BNDES), por onde as comissões são pagas sem ter de provar nada ao Fisco do Brasil. Viva 18 de setembro, um país para "elites" de corruptos e ladrões do PT e companhias ltdas. Para os pobres, cadeias.

Luiz A. Lopes Fagundes luiz.fagundes@hotmail.com

Campinas

*

O STF, AGORA, É OUTRO

A impunidade e a corrupção estão mesmo generalizadas em todas as instituições. Eles estão dizendo que a aprovação dos embargos não significa a absolvição. Piada, não é? Alguém acredita nisso? Agora os corruptos têm mais dois ministros a seu serviços, ou seja, garantia total da impunidade, inclusive talvez com mudanças de votos que podem também surpreender esta população tão condescendente, despreparada e fraca.

Marco Aurélio Rehder marcoarehder@yahoo.com.br

São Paulo

*

VÍRUS MORTAL

Acorda, Brasil! Com certeza, esse vírus "celsodemellolewandowskitoffolibarrosozavasckiweber" é mais violento que o H1N1, H5H1, H7N9. Foi colocado dentro do STF para enlouquecer todas as cabeças pensantes deste país.

Leômidas Marques leo_vr@terra.com.br

Volta Redonda (RJ)

*

TROQUEMOS!

Não entendi por que houve tanta indignação com o resultado do julgamento dos embargos infringentes do Mezzalão! Para que tanto tempo perdido com sessões, advogados, acusações, defesas, etc.? Resolvo rápido e com menos custo. Vamos prender os cinco ministros que votaram contra os embargos, encabeçados pelo digníssimo e brilhante Joaquim Barbosa, e soltaremos todos os mensaleiros, os 12 condenados dos embargos mais o resto. Para comerem um grande pizzão, ops!, menzzalão! Junto com os seis ministros que votaram a favor dos embargos, pagos com o dinheiro dos nossos impostos, pois temos educação, saúde, transporte e saneamento básico de Primeiro Mundo. Dinheiro para nós, simples mortais, é um detalhe. Esqueci: o pizzão é de mussarela. E viva o PT!

Wallace Ortiz Rodrigues wallaortiz@hotmail.com

São Paulo

*

UM VOTO POLÍTICO

Apesar de leigo na área jurídica, sempre ouvi dizer que às decisões no Supremo Tribunal não cabiam recursos, porém, agora assistindo à solução do impasse em que se tornou o desempate. Fiquei confiante, pois Dr. Mello, durante os julgamento dos corruptos, sempre demonstrou que haviam chegado a veredictos brandos, pois gostaria que fossem mais firmes ao declararem as penas. Sempre soube também que, no impasse entre o Direito e a Justiça, a balança sempre devera pender para a justiça, e não foi o que aconteceu, pois Dr. Mello, com muitas citações de juristas, resolveu pender para os 12 de direito contra milhões que queriam a justiça, nos deixando descrentes do órgão máximo da Justiça. Um voto político, apesar de querer parecer com um voto totalmente pautado pelo Direito.

Luiz Alberto de Paula Souza alp.souza@terra.com.br

São Paulo

*

CELSO DE MELLO

Não é à toa que o Judiciário não funciona. Com seu discurso absolutamente longo (apesar de que já se imaginava seu voto), acredito que completou o tempo que faltava para sua aposentadoria. Embora agora, ainda que legal, o resultado foi imoral. Aonde esse pessoal quer chegar?

Luiz Carlos Lombardo luizclombardo@gmail.com

Embu das Artes

*

TAL É A LEI

Com sua argumentação aparentemente irretocável do ponto de vista jurídico, o ministro Celso de Mello só não lembrou que o STF não é uma torre de marfim, incrustada no meio do reino de Atlântida. Ele lavou suas doutas mãos, mesmo sabendo que a última instância da Justiça está tomada por chicaneiros, por juízes cujos escritórios mantêm contratos com estatais e até por quem já advogou pelos condenados e que só por isso o processo chegou aonde chegou. Despejando toda sua erudição, ele pretendeu livrar a própria cara, dizendo em alto e bom som aos brasileiros: "F... vocês, que elegem crápulas para legislar ou que elegem canalhas para postos de decisão. F... tal é a lei".

José Benedito Napoleone Silveira nenosilveira@aim.com

Campinas

*

UM PAÍS NADA SÉRIO

Poderia analisar aqui o caráter de alguns ministros do STF. Também poderia divagar a respeito da efusividade petista diante da possibilidade de absolvição dos réus, agora que um novo julgamento – sob um novo STF, mais esquerdista – ocorrerá. Mas resumirei o meu descontento – que imagino ser o de muitos brasileiros – com a célebre frase: o Brasil não é um país sério.

Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

*

O LADRÃO DE GALINHA E OS MENSALEIROS

O ladrão de galinha não tem direito a recursos. Não teve pena e comeu uma penosa, merecendo uma pena pesada. Não tem recursos para contratar um advogado, mesmo que seja de poucos recursos intelectuais. Os mensaleiros têm direito a recursos. Amealharam e estocaram muitos recursos, suficientes para contratas seus caríssimos advogados. E agora se pergunta: ô, Joaquim, o que será do nosso país, o que será de mim? Barbosa, o que será de sua luta e sua justa prosa? É a construção de um Brasil socialista, enriquecendo a elite petista. Brasil para todos os privilegiados da Corte.

Mario Camata Mario_camata@uol.com.br

São Paulo

*

LÁ VAMOS NÓS NOVAMENTE

Se, a exemplo dos humanos, os países tivessem uma espécie de DNA, que determinasse seu destino, certamente o Brasil teria ausência de numerosos genes e outros tantos defeituosos. É incrível nossa capacidade de dar um passo à frente e dois para trás, numa espécie de bolero torto. Não entendo por que tanto blá blá blá, se todos os ministros do STF já tinham sua opinião sobre os tais embargos infringentes, e nenhum deles é tão brilhante a ponto de, com seus argumentos, mudar a opinião de um colega. Portanto, tudo não passa de uma enorme perda de tempo, que só beneficiará as bancas de advocacia envolvidas, que continuarão a faturar uma grana enorme, que, em última análise está saindo dos nossos bolsos, pois nenhum dos réus tem capacidade financeira legítima para arcar com tantas custas. E como dinheiro não dá em árvores nem cai do céu, é fácil adivinhar que o contribuinte está envolvido nesses meandros.

Nestor R. Pereira Filho rodriguepereirafilho.nestor@gmail.com

São Paulo

*

E O POVO QUE SE EXPLODA

A festa da pizza, com leis duvidosas de impunidades, continua no Brasil, zero para a nossa Suprema Corte, que rendeu-se, contra as forças da direção tortuosas da realidade, demonstrando a sociedade da necessidade de sua extinção imediatamente, sem recursos. Perdendo a força de fazer Justiça, desprotegendo o patrimônio público do Brasil e a Constituição. Vergonha geral aceitar embargos, após as condenações próximas do fim, para um novo julgamento. Não pode ser real, é um sonho, ou um teatro.

Antônio de Souza D Agrella antoniodagrella@yahoo.com.br

São Paulo

*

CALEJADO

Alguns jovens idealistas tinham esperança de ver, pela primeira vez, corruptos punidos, mas eu, que já vivi bastante e convivi com esse nosso estado de coisas, tinha a certeza de que o episódio do mensalão acabaria em pizza. Acontece que nossas leis penais foram cuidadosamente elaboradas para prevenir que a "elite" fosse punida e o PT, partido que subiu ao poder justamente para combater isso, mas que vem, pouco a pouco, traindo seus princípios e ideais, aproveitou-se bem dessa realidade. Nossas leis preveem, por exemplo, cadeia especial para a "elite", embora todos sejam "iguais perante a lei", segundo nossa Constituição, e a própria indicação ao nosso STF não representa um ápice de carreira, mas sim promoção para aqueles que são simpáticos ao poder. Por outro lado, modificar nossas leis é uma "missão impossível", porque depende de pessoas que temem um dia serem alcançadas por suas malhas (político, por exemplo) e de advogados que navegam tranquilamente no "status quo" de onde retiram ganhos milionários. Imaginem só se não houvesse tantos recursos, e sim um sistema Judiciário ágil e correto. Prova disso é que, em meus mais de 50 anos de atividade profissional, nunca vi um movimento autêntico de nosso Poder Judiciário no sentido de mudar leis ultrapassadas, mas muitas ameaças de greve por aumento de salários, benefícios ou outras benesses.

Sérgio Cunha sermeg2000@yahoo.com.br

São Paulo

*

AÇÃO PENAL 470

Ao assistir ao "Jornal Nacional" de quarta-feira, vários sentimentos restaram: vergonha, tristeza, abandono, nojo. Este é o retrato mais real do nosso país.

José Renato Nascimento jrnasc@gmail.com

São Paulo

*

MENOS, MINISTRO

O sr. Celso de Mello poderia ter poupado o povo brasileiro de mais de 2 horas de peroração insuportável. Poderia ter deixado de lado as Ordenações Filipinas e outros anacronismos e firulas expostos num exercício infindável de grande e profundo estrelismo. Poderia perfeitamente ter seguido os votos de cinco ministros, votos esses por ele elogiados, e livrado o País dessa agonia infinda que é esse inacreditável processo que se arrasta há tanto tempo. Enfim, seria pedir demais para portador de tamanho ego "jurídico".

Nelson Penteado de Castro pentecas@uol.com.br

São Paulo

*

O MENSALÃO CONTINUA

O decano deu o cano. A Justiça é cega, mas ficou surda, e pior que não muda.

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo

*

CIRCO

Com todo respeito aos palhaços, o decano (grande coisa) confirmou: todos os brasileiros fazem parte deste circo. O cara é amicíssimo do irmão de Zé Dirceu. Valeu, Brasil... Ops, os caras do Supremo Tribunal ganham muito bem, portanto que paguem os impostos, se não seremos todos indiciados.

Jose Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

*

PIADA DE SALÃO

Agora entendi o que Delúbio Soares quis dizer com "piada de salão". O salão é o próprio plenário do STF.

Ricardo Sanazaro Marin s1estudio@ig.com.br

Osasco

*

QUEM SÃO OS PERSONAGENS

Aqueles que alimentavam a esperança de ver cair por terra o dito popular "no Brasil só vai para a cadeia ladrão de galinha" vão ter de esperar mais. Até quando? Parecia tão claro que desta vez os brasileiros de bem não veriam a imoralidade se sobrepor à moralidade, mas não deu. Eu já ouvi dizer que "a maior decepção é aquela que vem de quem nunca esperamos". Nenhum acontecimento em minha vida havia me dado a oportunidade de concordar com essa afirmação. Mas, como é sabido que há tempo para todas as coisas, 18 de setembro de 2013 foi o tempo determinado para que eu não discordasse da afirmação. Veio de onde eu não esperava, ou melhor, de onde milhões de brasileiros não esperavam. Muitos estão comemorando a vitória. Provavelmente brindando com as bebidas mais caras do mundo. Isso faz parte da vida dos corruptos que estão sempre dando a volta por cima e que sabem perfeitamente que os seus brados fazem murchar as orelhas daqueles que lhes cobram retidão. Caro leitor, você sabe do que eu estou falando. Permita-me não usar de mais clareza, pois sei que, como o ladrão de galinha, poderei ser castigado.

Jeovah Ferreira jeovahbf@yahoo.com.br

Taquari (DF)

*

ONDE ESTÃO OS JOVENS?

Jovens brasileiros, está muito difícil amar nosso país. Será melhor deixá-lo? Ou vocês mostrarão o vigor da juventude?!

Luigi Vercesi luigiapvercesi@gmail.com

Botucatu

*

O PAÍS DE LUTO

Não há palavras para definir um país onde temos um deputado presidiário ou mensaleiros com embargos infringentes aceitos. Cobriu-se de vergonha, de opróbrio hediondo a Suprema Corte. Cobriu-se de vergonha todo o povo brasileiro honesto e trabalhador. Sr. Celso de Mello, sua excelência jogou fora todo e qualquer mérito que em sua vida pudesse ter havido. Em nome de um preciosismo/tecnicismo sem sentido ou utilidade, juntou-se à lama pútrida e infecta daqueles que dilapidam nossa pátria. Triste epitáfio que jazerá na lembrança de sua pessoa.

Priscila de Aquino e Ferro pyscynahh@gmail.com

São Paulo

*

SLOGAN: UM PAÍS DE TODOS

Instaurada a impunidade, locupletemo-nos todos!

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

EGO

O decano Celso de Mello deu o grande cano no próprio país! Vergonha essa retórica jurídica que usou para justificar seu voto com a exclusiva finalidade de inflar seu ego megalômano que esse "decanismo" desenvolveu! Esse mesmo ego megalômano não lhe permitiu reconhecer que são justamente esses meandros da legislação deficitária, protelatória e terceiro-mundista que cometem as grandes injustiças. Esse mesmo ego megalômano traiu milhões de brasileiros que ansiavam, desesperadamente, por assistir ao mínimo de resgate da moralidade e da ética, para poder posicionar-se como aquele que contraria as multidões em nome da justiça. É, "ministro", seu caso é grave. Terapia urgente! Ah, duas coisinhas mais: não se esqueça de pagar o tratamento com seu farto salário e ir às sessões usando seu carro particular. O salário que lhe pagamos é mais do que suficiente para isso. Não seja mais um a nos espoliar.

Margareth Tuma megy@uol.com.br

São Paulo

*

ALIANÇA

Na mão estendida do ministro Celso de Mello percebe-se a ausência de uma aliança. Quem será responsável? A tecnicidade que inibe a argumentação do cônjuge leigo ou a intenção insuportável de ser mais católico que o papa?

Jaime Manuel da Costa Ferreira jaimemcferreira@hotmail.com

São Paulo

*

CAIU A MÁSCARA

Depois de muitos anos, caiu-lhe a máscara. A partir de 18/9, de nada mais valerão a pose e os bombásticos e nada mais que hipócritas discursos. O povo brasileiro haverá de nunca esquecer.

Carlos Macruz

São Paulo

*

BRASILEIROS

Não consigo entender o nosso país, os ladrões do mensalão que cometeram crimes de formação de quadrilha e lavagem de dinheiro serão beneficiados pelos embargos infringentes concedido pelo nosso ministro Celso de Mello (voto de desempate), e não para por aí. O STF dará aos advogados mais tempos para que o mesmo apresentem os embargos infringentes no prazo de 30 dias, brasileiros gostaria de lembrar que no passado uma mulher roubou de um supermercado um shampoo no valor de no máximo R$ 6,00, foi presa por seis meses, sendo agredida todos os dias, vindo a perder um de seus olhos na prisão, e com certeza o nosso querido ministro Celso Mello não fez nenhuma intervenção, pois o roubo desta mulher era de uma vultuosa monta, crime muito maior que o de formação de quadrilha e lavagem de dinheiro destes políticos que merecem cadeia e não uma possibilidade de perdão, roubam o pais sem nenhum escrúpulo, mas eles sempre tem a certeza que a lei os protege.

Jose Marcio Penha marciopenha@ig.com.br

São Paulo

*

INVENÇÃO

O tal embargo infringente não consta da Constituição e de nenhuma lei. Gostaria de saber qual foi o embasamento legal para trazer à baila uma norma que não existe na legislação do Brasil, pois Regimento Interno não é lei. Senhores ministros (seis), é proibido inventar.

Abenor Garcia Ferreira

São Paulo

*

EMBARGOS INFRINGENTES

18 de setembro, dia da pizza à brasileira.

Fernando B. Nogueira fernando@bikeways.com.br

São Paulo

*

DA FAXINA À CHANTAGEM

Se já não bastasse o STF dar o voto à impunidade, o Congresso Nacional ter dois presidentes "suspeitos" e respondendo a processos e demonstrar que o que vale é o corporativismo, chegando ao cúmulo de não cassar o mandato de um dos seus que está preso, temos agora a presidente da República acuada pelo ministro dos Transportes, que, suspeito de estar envolvido no crime de corrupção, se recusa a deixar o cargo e ameaça falar o que não deve se for demitido. A presidente que se elegeu prometendo fazer uma faxina se vê agora como cúmplice. Quem salvará o Brasil?

José Carlos Costa policaio@gmail.com

São Paulo

*

CORRUPÇÃO NOS TRANSPORTES

Em 2011 a revista "Veja" denunciou um esquema fraudulento envolvendo o Ministério dos Transportes e o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), cujos membros estariam recebendo propina em troca de contratos. Na época a presidente Dilma afastou os diretores do Dnit e o ministro dos Transportes Alfredo Nascimento pediu demissão do cargo, e não se falou mais no assunto. Considerando que foi desviado quase R$ 1 bilhão, gostaria de saber se esse dinheiro foi recuperado e devolvido aos cofres da União e se alguém foi preso por ter cometido este crime considerado hediondo.

José Carlos Costa policaio@gmail.com

São Paulo

*

SAQUEADORES DO BRASIL

As prisões da Operação Miquéias constituem mais um fator de desencanto do povo para com a classe política que, em face de dezenas de outros escândalos, recebe, a cada dia, pior avaliação pública. Pena que o Estado brasileiro não foi capaz de identificar as fraudes em tempo real. Elas são descobertas só quando o crime já ocorreu e o erário ou terceiros já estão no prejuízo. Via de regra, os errantes ainda contam com a crônica lentidão da desaparelhada justiça, que se agrava pela multiplicidade dos recursos e todas as benesses de quem pode pagar bons advogados. Isso quando não acabam, através do corporativismo, varrendo seus crimes para baixo do tapete. É preciso investir em auto-regulação. As próprias instituições públicas e privadas têm de ser dotadas de auditorias e mecanismos que, ao sinal de qualquer inconformidade, acionem os órgãos de fiscalização e evitem a fraude e o esbulho. Pior que prefeitos, parlamentares e até um ministro está metidos nisso; todos precisam ser cassados e alijados do processo político. Mensalões, sanguessugas, pedras preciosas, desvios da Previdência, propinas e dezenas de outros "casos" provocam asco à população. Agora, além do apurado pela Operação Miquéias também surge a suspeita de que os resultados de jogos dos campeonatos regionais de futebol foram fraudados para favorecer apostadores do exterior. Perde o cidadão brasileiro até a ilusão ficar rico honestamente, ganhando loteria...

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.