Fórum dos Leitores

POLÍTICA EXTERNA

O Estado de S.Paulo

26 Setembro 2013 | 02h17

Dilma na ONU

O discurso da presidente Dilma Rousseff na abertura da Assembleia-Geral da ONU, de que seja regulamentado e limitado o serviço de espionagem das grandes potências mundiais, teve destaque na imprensa internacional, mas é inexequível. Trata-se de uma área em que estabelecer regras, na prática, é impossível. Ou seja, é um campo minado e a melhor reação não é questionar, e sim desenvolver mecanismos próprios de contraespionagem. Segundo analistas, esse episódio não vai abalar as relações Brasil-EUA - na verdade, o discurso de Dilma foi mais voltado para a eleição presidencial. Quanto à antiga reivindicação do Brasil de integrar o Conselho de Segurança da ONU, pode esquecer, pois os cinco membros permanentes e com direito de veto (EUA, Rússia, França, Reino Unido e China) são experts em espionagem.

EDGARD GOBBI

edgardgobbi@gmail.com

Campinas

Espionagem

Dilma falou grosso em Nova York. Com todo o respeito, puro jogo de cena, como o de Obama quando diz que vai estudar o assunto. Como ambos bem sabem, a espionagem internacional é uma instituição antiquíssima, consagrada, tacitamente aceita e, acima de tudo, indispensável à segurança das nações. Só não espionam (ou o fazem mal) os países que, por falta de recursos e/ou competência, não conseguem. É uma regra do jogo, que cabe oficializar e aceitar.

JAN KROTOSZYNSKI

jankroto@gmail.com

Carapicuíba

Discurso contestado

O discurso "duro" de Dilma na ONU contra a espionagem americana no Brasil foi contestado pela BBC, para a qual nosso país deveria criar condições para se defender contra qualquer tipo de invasão adotando legislação e tecnologia para proteção contra interceptações ilegais. Essa parece uma atitude mais moderna, efetiva e impactante para um país que quer igualar-se aos de Primeiro Mundo. Cancelamento de visita a Washington como represália, cara feia, protestos de braveza e indignação, ofensa e desapontamento são atitudes infantis e desapropriadas no mundo em que vivemos atualmente.

REGINA ULHÔA CINTRA

regina.cintra@yahoo.com.br

São Paulo

Compra de caças cancelada?

Será que o cancelamento da visita da presidente a Washington não foi influenciado pelo desinteresse explícito do atual governo em comprar os jatos F-18 para a Força Aérea Brasileira? Com a obsolescência dos jatos Mirage que hoje ainda temos, corremos o risco de muito breve não termos mais jatos para a defesa aérea e para o controle de fronteiras. É isso que se quer?

WILSON SCARPELLI

wiscar@terra.com.br

Cotia

Desperdício

Se realmente houve espionagem feita pelos "gringos", que tanto ofendeu Dilma, então eles hão de supor que o Brasil descrito pela presidente em seu discurso é pura peça de marketing, pois sabem exatamente como estamos em relação às contas externas, à nossa infraestrutura e à inflação, entre outras maravilhas. Para os americanos fica difícil entender como num país com tantas necessidades em saúde, educação e segurança uma "chefa" de Estado se aloja com seus servilãos em suítes com diárias de US$ 10 mil, um verdadeiro desperdício do dinheiro do povo. Afinal, Dilma discursou para os chefes de Estado na ONU ou para os seus eleitores brasileiros?

LEILA E. LEITÃO

São Paulo

Direito à privacidade

Em seu soporífero palavrório palanqueiro na ONU, Dilma chamou de "afronta" a suposta espionagem dos EUA de que teria sido vítima e fez candente defesa do direito à privacidade. Pergunta interessante a ser dirigida à "presidenta": o direito à privacidade também vale para um rapaz chamado Francenildo?

HENRIQUE BRIGATTE

hbrigatte@yahoo.com.br

Pindamonhangaba

De indignação

Dilma declarou-se indignada e revoltada com a espionagem no seu governo e na Petrobrás. Nós, brasileiros, estamos indignados com a espionagem do governo do PT nos casos do caseiro Francenildo, dos dossiês dos aloprados, da quebra de sigilo da filha de José Serra e de milhares de outros episódios de violação que ocorrem diariamente em nossos computadores, telefones, tudo sem autorização judicial. Quem escreve para jornais e revistas sabe muito bem como agem os "patrulheiros" no Brasil. Presidente Dilma, é melhor não cutucar Barack Obama com vara curta, dependemos, e muito, dos EUA, que exportam o etanol necessário para nossa frota de carros bicombustíveis. E pensar que Lula brigou até o último instante para que os EUA importassem etanol brasileiro, sem atentar para que, sem o aumento da gasolina, estava acabando com a indústria do etanol no País... O mundo gira, "presidenta"!

LUIZ RESS ERDEI

gzero@zipmail.com.br

Osasco

Novo país...

Pelo visto, Dilma não leu previamente o discurso que fez na abertura dos trabalhos na ONU. Sem ensaiar, acabou inventando um país novo chamado "Cuênia". Será que ela nunca ouviu falar do Quênia antes? Os assessores de Dilma deveriam ser mais cuidadosos com ela, treiná-la antes de eventos com tal repercussão, já que ela tem evidentes problemas de leitura e compreensão de texto. Eu não estou inventando nada, pois todos os que assistiram ao discurso da presidenta ouviram muito bem esse despautério vindo da boca de uma chefe de Estado.

MARA MONTEZUMA ASSAF

montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

IMPRENSA

Mestres do Jornalismo

Nada mais justo do que essa homenagem do Prêmio Comunique-se 2013 ter sido endereçada a Ruy Mesquita, do Estadão, e Roberto Civita, do Grupo Abril. Porque Ruy Mesquita, em especial, foi realmente mestre e um dos maiores jornalistas que o Brasil já teve. E esteve muito bem representado no ato da outorga por outro grande jornalista, Fernão Lara Mesquita, cujas palavras foram adotadas, como consenso, pelos brasileiros responsáveis e patriotas: "Agora, depois da aceitação dos embargos infringentes, só resta a imprensa". E para satisfação dos brasileiros temos uma imprensa livre e forte, servida por grandes jornalistas, capazes de mostrar ao povo as mazelas dos Poderes constituídos, o Judiciário incluído. De fato, a imprensa brasileira, e particularmente o Estadão, não tem deixado nada ser jogado para debaixo do tapete, como querem os poderosos de plantão.

JOSÉ CARLOS DE C. CARNEIRO

carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

CARTEL DO METRÔ

Gilberto Carvalho, fiel escudeiro do PT e limpador de carniça das lambanças petralhas, eleva seu sobrinho Vinícius Marques Carvalho ao mais alto cargo no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e ele, em seu currículo oficial, se esquece de incluir entre suas experiências profissionais o fato de ter assessorado os petista Simão Pedro, tradicional opositor do governo paulista. Vinícius tomou para si a incumbência de investigar casos de corrupção na Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) em São Paulo, para tentar melar a reeleição do governador Geraldo Alckmin, da oposição. Tudo devidamente orquestrado, mas entalado na garganta, já que a estratégia chamuscou em várias comarcas do PT onde a empresa alemã Siemens também atua. O tiro saiu pela culatra, atingiu o PT em cheio e ricocheteou de volta como um bumerangue no idealizador da trama, Gilberto Carvalho. A política no Brasil está ficando tão óbvia... Onde se fuça tem petralha no comando.

Beatriz Campos

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

IRRELEVANTE?

O "Estadão" (1.457 dias sob censura) não apreende mesmo, onde já se viu descobrir e publicar a omissão do chefe do Cade de sua ligação com deputado do PT? E o pior é que eles não acham relevante e alegam que não fizeram uso político de informações. Me engana que eu gosto.

Jose Roberto Palma

palmapai@ig.com.br

São Paulo

*

VÍNCULOS

Será que o sr. Vinícius Carvalho, presidente do Cade, num lapso permanente de memória, não está se esquecendo de que é sobrinho do ministro Gilberto Carvalho?!

José Gilberto Silvestrini

jsilvestrini@hotmail.com

Pirassununga

*

VINÍCIUS CARVALHO

Parem as máquinas! Socorro! Meu deus! O presidente do Cade já foi ligado a deputado do PT. E onde está a notícia, mesmo? Ah, ele forjou o currículo. Manchete principal. Por isso não precisa dar muita atenção a esse caso do metrô de São Paulo... Bobagenzinha.

Nanci Pittelkow

pittnan@uol.com.br

São Paulo

*

TRAMBIQUES

Nada a estranhar sobre esse caso do Cade. Tem PT? Tem trambique e tem sujeira. Até o diploma de mestrado da presidente Dilma é falso, não existe. O Brasil está imundo.

Milton Bonassi

mbonassi@uol.com.br

São Paulo

*

LARÁPIOS NO FOME ZERO

Governo campeão de todos os tempos nas manchetes policiais dos nossos meios de comunicação, nesta era de Lula e Dilma no comando do Palácio do Planalto, virgem mesmo no quesito corrupção estão somente o Banco Central e o Planejamento. No mais, todos os ministérios e estatais federais tiveram centenas de seus larápios desviando bilhões de reais de recursos dos contribuintes. E agora o PT, como pseudopartido dos pobres, se supera nesta extensa lista de falta de ética dentro das nossas instituições. Nossa laboriosa Polícia Federal acaba de prender em vários Estados 11 pessoas que desviaram recursos também do Programa Fome Zero, incluindo o coordenador da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). E Dilma Rousseff, indiferente a essa gatunagem que ocorre debaixo de seu nariz, estufa o peito na ONU para criticar a suposta espionagem que sofreu, e também a Petrobrás, por gente do governo Obama. A presidente precisa cantar de galo é aqui, no Brasil, para espantar seu galinheiro bem infestado de larápios.

Paulo Panossian

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

SEM LIMITES

Funcionários da Conab foram presos por desviar verbas que se destinavam ao Fome Zero. Já dizia minha mãe: para aqueles que não têm vergonha, o mundo inteiro é deles.

Virgílio Melhado Passoni

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

DE NOVO

Por acaso os 11 que foram presos pelo desvio de verbas do Fome quase Zero eram do PT ou aliados? Que novidade.

Jose Roberto Iglesias

rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

*

E MAIS UM ESCÂNDALO NO PLANALTO

Então o assessor da ministra da Casa Civil, Ideli Salvatti, que atende pelo nome de Idaílson Vilas Boas, acusado pela Polícia Federal de formação de quadrilha transformando a sede da Presidência da República num balcão de mutretas, teve seu pedido de prisão e bloqueio de bens negados pela Justiça? Pergunto, será que esses juízes que negaram o pedido da Polícia Federal para enquadrar mais um vândalo do dinheiro público são da turma que recentemente inocentou os mensaleiros? Será que atingimos o status de República bolivariana do Brasil?

Peter Cazale

pcazale@uol.com.br

São Paulo

*

É PRECISO MÃO FIRME

De acordo com a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), cerca de R$ 80 bilhões por ano são sugados pela corrupção. Desse valor, só conseguimos recuperar menos de 1%, e, como o dinheiro consegue driblar as leis, ninguém é preso. Considerando que, além de 39 ministérios, o governo mantém mais de 90 mil pessoas em cargos de confiança, que trabalham para os partidos, e não para o povo, pergunto à presidente Dilma: Se o desejo de acabar com a miséria é verdadeiro, por que razão mantém este alto custo e não ataca com mão firme a corrupção? Informo à presidente que essa prática maléfica só vai acabar quando ela tomar atitudes firmes e rígidas, demonstrando que a corrupção não vale a pena. Se não for agora, quando será?

José Carlos Costa

policaio@gmail.com

São Paulo

*

CORRUPÇÃO

Na atualidade, quando as melhores e justas esperanças do povo se desvanecem diante da indiferença e irresponsabilidade dos seus dirigentes, lembramos das palavras do insigne brasileiro Rui Barbosa fazendo análise crítica da situação política da época: "De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto agigantar-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto".

Alcides Benjamin Porcaro

porcaro2010@hotmail.com

São Paulo

*

ROSEMARY NORONHA

Rosemary Noronha foi finalmente destituída do cargo de chefe do Gabinete Regional da Presidência da República em São Paulo pela Controladoria-Geral da União (CGU). A ex-chefe de gabinete foi denunciada à Justiça por falsidade ideológica, tráfico de influência, corrupção passiva e formação de quadrilha. Pelo menos um desses delitos está diretamente ligado ao ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, seu ex-chefe, ex-companheiro de viagens internacionais e sabe-se lá se seu ex-amante. Ninguém faz tráfico de influência se não tiver a cumplicidade de alguém influente.

Victor Germano Pereira

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

LULA QUER FALAR

O senhor Lula da Silva, o único ex-presidente em exercício deste planeta, disse, quando perguntado sobre o julgamento do mensalão (25/9, A8), que tem muita coisa para dizer, todavia quer esperar o fim do julgamento para se manifestar. Ora, senhor Lula da Silva, todos nós sabemos que o senhor não quer é expressar o julgamento pela sua ótica, uma vez que ela fatalmente é inversa ao que poderemos ter na realidade como resultado no fim deste demorado julgamento. Quem sabe, então, o senhor não possa nos brindar com suas estapafúrdias declarações sobre o caso da dona Rosemary Nogueira, já que, além de sua amiga íntima, ela também o acompanhou em 27 viagens ao exterior e foi destituída em definitivo do cargo de chefe de gabinete da Presidência da República em São Paulo pela Controladoria-Geral da União, devido ao seu total envolvimento na Operação Porto Seguro, da Polícia Federal. Fale, senhor Lula da Silva.

Antônio Carelli Filho

palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

*

MENSALÃO

Temos visto, nos últimos dias, vários "juristas de plantão", não sei se pagos pelo PT ou para aparecer na mídia, que dizerem que alguns réus do mensalão foram condenados sem provas. Há uma diferença entre a ordem legal e os critérios morais, que obriga, às vezes, a utilizarmos de meios mais exigentes de que a simples aplicação das leis. A dignidade dos cidadãos está em jogo e o Supremo Tribunal Federal (STF) é a última fortaleza na defesa do povo.

Alvaro Augusto de Oliveira Bento

obento@uol.com.br

São Paulo

*

E AGORA?

As manifestações de alguns juristas paulistas que são luminares do conservadorismo mostram uma situação interessante. Eles acusam de forma objetiva a manipulação de que foi vítima o ex-ministro José Dirceu. E usam expressões objetivas, de que o mesmo não teve nenhum envolvimento com o mensalão. E então, como ficam aqueles que montaram esse esquema? Vão contestar os dois juristas ou ficarão calados?

Uriel Villas Boas

urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

ATÉ ELE

Tu quoque, Yves Gandra da Silva Martins?

Flávia de Castro Lima

lgcastrolima@uol.com.br

São João da Boa Vista

*

O SILÊNCIO DA OAB

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), sempre opinando sobre tudo, até agora se mantém calada sobre o resultado do julgamento do mensalão. O presidente da OAB Brasil e suas seccionais estão nos deixando curiosos... e não me venham com tecnicalidades, ao modo Celso de Mello.

Roberto Viana Santos

rovisa681@gmail.com

Salvador

*

INVERSÃO DE VALORES, HERANÇA MALDITA

A confiabilidade da sociedade brasileira no combate à corrupção sofisticadíssima está desgastada, é difícil após ver tudo o que acontece em parte dos poderes e do país não basta dizer que se está combatendo-a, partidos de apoio e coligações isso não é bom para a saúde da democracia porque muitas vezes se infiltram interesses anticonstitucionais e por isso têm que ser desfeitas, há muita esperteza, sabe-se muito bem como fazer os malfeitos e escondê-los sob o manto da impunidade, a raposa é espertíssima no sítio, estamos no século 21 e não há engenharia que se sustente diante do corporativismo facilitador da corrupção que se protege e não deixa rastro, sabe muitíssimo bem como agir. O individualismo e o egoísmo estão em alguns mandatos fisiológicos preocupados apenas como se eleger às vezes com ajuda de marqueteiros especialistas na manipulação das massas não politizadas, preocupados apenas com a obtenção de recursos para seus estados e o resto do Brasil não os interessa, acham que foram eleitos apenas para solucionar assuntos econômicos de seus estados mas quando se trata de assuntos relevantes à nação aí há vistas grossas. Algumas instituições já foram orgulho dos brasileiros conscientes, Banco Central, BNDES, Petrobrás, etc., a partir do presente a nação com esse inchaço todo nos poderes, corrupção sofisticada pelo país a fora, lavagem de dinheiro, grilagem de terra da União, precário patriotismo, nepotismo cruzado etc. com tudo isso a nação ficará mesmo sucateada para as próximas gerações. Em tempos de tecnologia que permite a espionagem de tudo, venda de informações sigilosas do País, parte da massa se cala porque não quer se indispor com alguns corruptos e posteriormente receber benesses deles, alguns até se declaram que são a favor dos julgamentos secretos, olhem só o absurdo! Há alguns dias vimos pela mídia a mulher de um assaltante dizer que seu ex-marido disse "que preferia ser ladrão do que trabalhar e receber salário mínimo", o mau exemplo vem mesmo de todos os lados a nação que o diga, há lobistas de esquemas pelo Brasil a fora, por isso muitos acham que pouco vale a pena exercitar a cidadania, pois as coisas continuam da mesma maneira enquanto o tempo passa. Os brasileiros conscientes esperam mesmo que o novo procurador da república não seja procurador com dente de vampiro como ele declarou, mas que a sua atuação esteja em consonância com a justiça sem soberba acima do bem e do mal, é o que os brasileiros honrados tanto esperam na conjuntura que tantos corroem para encher os bolsos, turbinar o poder e praticar negociatas imorais, em nome da tecnicidade jurídica parte da justiça brasileira falhou, para o Brasil entrar nos trilhos três coisas são necessárias: investigação, fiscalização permanente e combate à corrupção sofisticadíssima e em rede em parte das instituições. Em parte dessa sociedade obtusa, medíocre, desinformada, os cidadãos de bem não merecem tantas incoerências, por que são eles que pagam os impostos à nação até o último alento para pagar as suas contas e manter a dignidade, com parte dos poderes inchados e ineficientes à saúde da democracia. Os malditos embargos infringentes no repugnante julgamento do mensalão apresentaram aos cidadãos que assistiram pelos meios de comunicação favoráveis aos réus, contaminada pela suspeita alteração do script com a entrada em cena de dois novos integrantes da corte isso só decepcionou os cidadãos honrados, pois os malfeitos são atitudes de fariseus. Concluindo, impunidade farisaica e justiça não devem e não podem trilhar no mesmo caminho, a Pátria já não suporta mais os conluios, até quando? Merecem parabéns os poucos parlamentares transparentes que trabalham pela pátria.

Maria Luiza Azzallini Medeiros

profm.luiza@bol.com.br

São Paulo

*

AMIGUISMO CONSAGRADO

Ao ministro Celso de Mello coube o voto de Minerva, por ser o decano da Corte do STF, ao julgar o "mensalão". Deveria saber que a Constituição de 1988 e a Lei 8.038 de 1990 cancelaram os embargos infringentes do nosso ordenamento jurídico. Talvez saiba, mas não tomou conhecimento e atropelou a lei. Por causa disso, consagrou o amiguismo (foi colega de faculdade de José Dirceu) e a esperteza que conduzem ao conchavo e à corrupção.

Edward Brunieri

patricia@epimaster.com.br

São Paulo

*

IMPUNIDADE OFICIALIZADA

18 de setembro de 2013 é uma data para ser esquecida, ou não, depende do ponto de vista de cada um. Ocorre que nesse dia fatídico um emérito ministro do Supremo Tribunal Federal, com o seu voto de Minerva, oficializou a "oficiosa" impunidade.

José Marques

seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

UMA PIADA

Sr. Delúbio Soares disse que o mensalão viraria uma piada de salão. O que talvez ele não sabia era que a Justiça brasileira é uma piada já faz muito tempo...

Geraldo Macias Martins

maciasfilho@hotmail.com

Catanduva

*

VOLTA AO PASSADO

O maior escândalo político-policial da história do Brasil, o mensalão, serviu para esclarecer o porquê da resistência ao regime militar. Os próceres da resistência daquela época, sem exceção, estão todos envolvidos em processos de corrupção e enriquecimento ilícito. Ah, agora entendi o objetivo dos "heróis da resistência".

José Carlos Saliba

fogueira2@gmail.com

São Paulo

*

REVELAÇÕES DE JOSÉ DIRCEU

Segundo conta Claudio Humberto, José Dirceu se revelou ao criticar a presidente Dilma Rousseff em almoço oferecido por uma dezena de convidados. Disse Dirceu que Dilma é incompetente e desastrada. Sua revolta é maior por causa da declaração da presidente, que no auge do julgamento do mensalão pediu o fim do julgamento para que o assunto não contaminasse sua campanha. Interessante notar que, diante dos holofotes, Dirceu rasga seda e defende a presidente. Por acaso ele achou que essa declaração não viria à tona? Ou é mais um jogo de cena, pois nos bastidores eles se adoram?

Izabel Avallone

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

ÓRFÃOS

Junto-me aos milhões de brasileiros que após o fatídico dia 18/9 tornaram-se órfãos de sua pátria. Esboroou-se sob os nossos pés a terra amada, hoje sem leis supremas capazes de extirpar os tentáculos funestos desse imenso polvo que cada vez mais se apodera de nosso país. São muito apropriadas as palavras de alguém (não me recordo quem) que escreveu: "Quando se peca contra a lei da proporção, dando velas grandes demais para um pequeno navio, refeições fartas para um pequeno corpo, poderes grandes para uma pequena mente, o resultado está fadado a ser uma ruína completa: o navio soçobrará, o corpo superalimentado adoecerá e o burocrata se inclinará para a desonestidade que a hybris sempre gera e a mediocridade será a tônica dos atos". Não é essa, justamente, a realidade de nosso país após a chegada de Lula, o apedeuta, o homem medíocre, ao poder?! Lastimável! Recomendo o livro "O homem medíocre", de José Ingenieros.

Ione Burmeister

ionembecker@gmail.com

Valinhos

*

E AO POVO...

Aos mensaleiros os benefícios da Lei. Ao povo, resta chorar o dinheiro surrupiado e continuar pagando as contas. Inclusive os altos salários dos 11 ministros do STF.

Rosangela Barollo Sforcin

rosesforcin@hotmail.com

São Paulo

*

A VEZ DOS PLANOS ECONÔMICOS

Em se procrastinando a decisão final dos processos dos mensaleiros, cujo zelo é notório, ficamos, nós, pobres mortais, na expectativa de quando será o desfecho da responsabilidade dos bancos pelos planos Bresser, Verão, Color, Real, que se arrastam pelo menos há uma década, cujos prejudicados há muitos faleceram. E assim, quando chegasse esse dia, os preclaros julgadores teriam o mesmo desvelo aos suplicantes mortais?

Anízio Menuchi

amenuchi@uol.com.br

Praia Grande

*

NOVOS PARTIDOS PARA AS ELEIÇÕES DE 2014

Com a recente autorização da Justiça Eleitoral, surgem mais dois novos partidos políticos (total de 32), que são o PROS - Partido Republicano da Ordem Social - e o Solidariedade, do deputado federal Paulo Pereira da Silva, que foi condenado por desvio de dinheiro do Programa Banco da Terra ("Estadão", 9/3/2011). Sempre é bom lembrar que um partido político é uma organização constituída por cidadãos em torno de ideias e movido pelo espírito público, porém no sistema partidário brasileiro (com exceções) falta esse espírito público e o nepotismo domina na grande parte dos pequenos partidos. Conforme "O Globo" (9/6/2013), entre os 30 partidos na época havia 150 familiares dos donos da legenda que sobrevivem à custa de recursos públicos vindo do Fundo Partidário. Pelo visto, essa verdadeira mamata do financiamento público das campanhas eleitorais já está sacramentada pelos donos do poder - PT à frente -, sob o pretexto de eliminar a "influência do poder econômico" nas eleições. Como no sistema partidário brasileiro predomina o interesse pessoal ou de grupos, que tal as torcidas uniformizadas do Corinthians e do Flamengo criarem também um partido político?

Edgard Gobbi

edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

MAIS UM COME-DORME

Pasmem os senhores. O Tribunal Superior eleitoral (TSE) acaba de aprovar a criação de mais um partido político, o partido republicano da ordem social (pros), ele é tão pequenininho que achamos por bem anunciar sua chegada com letras minúsculas. Atribui-se todo o mérito de sua criação a um fraco candidato a deputado federal chamado Eurípedes Macedo Junior, um cara que se quer teve 3 mil votos na eleição que concorreu. Macacos me mordam se por traz disso não tiver atuando o Paulinho da Força Sindical, deputado envolvido no escândalo da ONG Meu Guri. Agora temos 31 partido para ir comendo pelas beiradas a grana do Fundo Partidário, uma benesse do governo federal. Aguardem, até 5/10/2013 vai nascer o rede sustentabilidade (rede), de Marina Silva. Mais um pequenino come-dorme para a gente sustentar. Acorda, TSE.

Leônidas Marques

leo_vr@terra.com.br

Volta Redonda (RJ)

*

MAIS MÉDICOS

Temos certa desconfiança sobre os motivos pelos quais os Conselhos Regionais de Medicina (CRMs) baixaram a guarda em relação à legislação que exige os diplomas e especificações dos médicos que vêm de fora do País, tal qual exige dos nossos médicos formandos no Brasil. Estão expondo a população a riscos? Qual será a responsabilidade dos tais tutores e supervisores se os próprios "médicos" não comprovaram suas qualificações? Mais uma vez, o governo coloca seu marketing eleitoreiro como prioridade na frente da saúde dos cidadãos, principalmente daqueles que são os menos assistidos em todos os sentidos. O ministro da Saúde espera alcançar sua eleição para o governo de São Paulo com essa bandeira carregada de irresponsabilidade. O programa Mais Médicos, cheio de manobras estranhas, será o maior tiro no pé dos governistas. A conferir!

Leila E. Leitão

São Paulo

*

PELA PORTA DA FRENTE

Alexandre Gustavo Bley, alguém o conhece? Não? Saibam que é um cidadão brasileiro, médico, que acaba de renunciar à presidência do Conselho Regional de Medicina do Estado do Paraná (CRM-PR), por não aceitar imposição dos bandoleiros oficiais comandados por um ministro da Saúde de reputação duvidosa e que, infelizmente, encontra dentro dos próprios Conselhos Regionais colegas que, por interesses pessoais ou mesmo por covardia, aceitam essa excrescência denominada Mais Médicos. Porta de entrada de uma política suja que, além de por em risco a vida da população carente, desmoraliza a nossa medicina e desrespeita os direitos humanos, quando passa a contratar os escravos de Fidel Castro, repaginando a escravatura. Em tempo: por onde anda a hipócrita ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República? Como médico, jamais me submeteria a essa palhaçada, porque nada devo a ninguém. Tenho o direito, em defesa da classe, de chamar a atenção de todos os colegas que atualmente dirigem os vários Conselhos Regionais de Medicina do Brasil para que atentem para a gravidade da situação e não se mantenham nos cargos só por vaidade ou interesses pessoais. Não transformem nossos conselhos em chiqueiro do PT, não tornem nossa classe subserviente aos interesses políticos dessa quadrilha, que está usando a saúde para fazer política ideológica de péssima qualidade, não se deixem intimidar, não menosprezem a moral e a ética, não pisem na Constituição, enfim, não desmoralizem a classe. Aos corajosos, sigam o exemplo do colega paranaense, reúnam os colegas, mostrem que não abrem mão de suas convicções e, se for o caso, assinem sua renúncia e saiam pela porta da frente. Aos covardes e subservientes, percam sua identidade, filiem-se a um partido político e sorrateiramente deixem a entidade pela porta dos fundos.

Humberto de Luna Freire Filho

hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

CORAGEM

Cumprimento o dr. Alexandre Bley, pena que o vice-presidente Maurício Marcondes não teve a mesma coragem.

Odomires Mendes de Paula

odomires@abrampe.com.br

São Paulo

*

DEMOCRATURA?

Em bom português, o governo de Dilma Rousseff está, à força, encaixando cubo no espaço onde só cabe um cone quando usa a Advocacia-Geral da União (AGU) para atropelar as leis e as regras que nortearam até hoje o CRM em todo o território nacional. O que conta é o seu programa Mais Médicos... Portanto, ao se sentir forçado a assinar irregularmente registros de oito médicos estrangeiros, não restou ao presidente do Conselho Regional de Medicina do Paraná, Alexandre Bley, outra opção honrosa que não fosse a renúncia de seu cargo. Quantos cubos mais encaixará Dilma onde só cabem cones, transformando esta farsa de democracia numa ditadura declarada?

Mara Montezuma Assaf

montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

MAIS MÉDICOS, MAIS DECEPÇÃO

Há mais de 40 anos atendo ao Sistema Único de Saúde (SUS) e com frequência recebo pacientes recém-chegados dos mais longínquos municípios que, trazidos por parentes, vêm a São Paulo procurar atendimento médico especializado e que depende de tecnologia mais recente. A esse paciente o governo, através do programa Mais Médicos, pretende oferecer atendimento primário, com profissionais de formação desconhecida, que mal falam nosso idioma e com tecnologia do século passado. Será que só a presença do médico será suficiente ou a doutrinação a que serão submetidos os transformará em "brasileiros cubanizados e conformados"?

Luiz Nusbaum, médico

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

OS SALÁRIOS NO MAIS MÉDICOS

Numa empresa, o trabalhador que recebe quantia inferior ao colega que faz o mesmo serviço entra na Justiça do Trabalho e pede equiparação salarial. Será que os médicos que recebem quantia inferior ao ofertado pelo governo terão equiparação salarial? Será que o Ministério Público do Trabalho irá se manifestar? Ou tal classe não merece justiça?

Everson Rogério Pavani

roger.advog@gmail.com

São Paulo

*

CONDIÇÕES DE TRABALHO

Cumprimento o jornalista Fernando Reinach pelo seu artigo "Mais médicos hoje, maus médicos amanhã" ("Estadão", 21/9, A22). Mostra as consequências nefastas para o ensino médico e para a fiscalização da atividade médica desta aberração, a importação de médicos estrangeiros, particularmente os cubanos, que serão sentidas exatamente por aqueles que mais necessitam da atenção à saúde, tanto hoje como no futuro. Cansamos de dizer, e os leigos nos encaravam como corporativistas, que o foco não é a falta de médicos, mas a falta de financiamento adequado e bem planejado. Seria corporativismo se fôssemos contra a vinda de médicos formados em Harvard. No editorial "Mais um lote de cubanos" (21/9, A3), os depoimentos de colegas que desistiram do tal Mais Médicos e a confirmação de plano adrede preparado pelo governo federal, pelo menos seis meses antes do seu anúncio, destrói as versões da falta de médicos, da sabotagem do Mais Médicos e da prioridade para os médicos brasileiros. Reafirmamos que apenas queremos condições decentes de trabalho para o devido atendimento médico que o doente pobre merece.

Antonio Carlos Gomes da Silva, membro da Academia de Medicina de São Paulo

acarlosgs@uol.com.br

São Paulo

*

PAPEL HIGIÊNICO

Conforme divulgado pela "TV Estadão" (23/9), o governo chavista invade fábrica de papel higiênico, porque a sua escassez é um dos vários problemas venezuelanos. O presidente Nicolás Maduro atribui a falta do produto ao fato de que o venezuelano está comendo melhor. Não seria para limpar a enorme quantidade de sujeira deixada pelo governo de Hugo Chávez?

Cláudio Moschella

arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

*

TERRORISMO

Desumano o massacre cometido em Nairobi, no Quênia. O fanatismo religioso deve ser execrado, independentemente se praticado por muçulmanos, cristãos ou judeus. Todo ato terrorista é abominável, inclusive os de Estado.

Wilson Haddad

wilson.haddad@uol.com.br

São Paulo

*

FUNDAÇÃO CASA

A revelação, no editorial "A ‘elite’ da Fundação Casa" ("Estado", 22/9, A3), de que cada interno daquela instituição custa inacreditáveis R$ 7.100,00 mensais ao Estado - R$ 65 milhões no total, considerando-se que ela abriga 9.200 internos - é inacreditável, um monumento à inesgotável capacidade dos governos de desperdiçarem recursos. Não há justificativa para tamanho descalabro.

Luiz M. Leitão da Cunha

luizmleitao@yahoo.co.uk

São Paulo

*

MINHA FUNDAÇÃO, MINHA VIDA

A presidente da Fundação Casa disse que cada menor infrator internado na instituição custa, mensalmente, R$ 7.100. Cientes que somos: 1) de que não existem filhos de políticos por lá (muitos, talvez, mais infratores que os internos), 2) de que a alimentação não deva ser extremamente farta, rica ou exótica; 3) de que a instrução para a vida profissional não é dada por algum centro de excelência; 4) de que o valor mencionado é totalmente incoerente com a vida fora da Fundação, perguntamos se esse supergasto não representa uma tortura à sociedade, um problema de caráter, de má índole dos seus responsáveis, que talvez estejam precisando de uma reeducação?

Flavio Marcus Juliano

opegapulhas@terra.com.br

Santos

*

‘INDÚSTRIA E COMPETIVIDADE SISTÊMICA’

Excelente o artigo de Carlos Rodolfo Schneider publicado em 21/9/2013 (página B2). O artigo aborda de maneira clara, objetiva e resumida todo o problema da nossa derrocada industrial. Nossos impostos estratosféricos, nossa energia caríssima, nossa produtividade em queda livre, impedem que o País concorra com outros muito mais eficientes. Se não houver uma reforma tributária urgente, em breve o Brasil deixará de ser economicamente viável, seremos apenas um país exportador de produtos agrícolas e importador de tudo o mais. Poderíamos ser uma potência econômica mundial se tivéssemos pessoas competentes e com vontade de trabalhar no governo.

Károly J. Gombert

gombert@terra.com.br

Vinhedo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.