Fórum dos Leitores

MANIFESTAÇÕES

O Estado de S.Paulo

09 Outubro 2013 | 02h12

O domínio do Black Bloc

É vergonhoso ver na primeira página do Estado a foto dos desordeiros do Black Bloc cantando vitória com a bandeira negra do movimento anarquista desfraldada sobre um carro tombado e destruído da Polícia Militar (PM)! Essa também é a fotografia do centro da nossa cidade, que a cada manifestação é assolada e destruída por esses vândalos vestidos de negro que se escondem no anonimato atrás de máscaras. Será nossa polícia tão incompetente que não consegue identificar e prender esses delinquentes quando atacam e destroem? Como é que as redes de TV flagram e transmitem ao vivo os ataques destrutivos desses monstros e a polícia os ignora? Até quando vamos esperar para lhes dar a merecida resposta com a força da lei, que é a cadeia? A polícia precisa agir com mais rigor e inteligência para prender os líderes dessa horda que sai às ruas não para reivindicar, mas espalhar o terror. A lei precisa ser aplicada com o máximo rigor contra o Black Bloc.

JOSÉ EDUARDO MEDRADO

jevmedrado@terra.com.br

São Paulo

Vandalismo

Ao assistir pela TV às cenas de vandalismo em São Paulo e no Rio, não pude deixar de pensar em defesa. Imagino o que aconteceria se o dono de um estabelecimento que estivesse sendo destruído respondesse à bala e matasse um mascarado. O mundo ficaria contra ele, afinal, defender o patrimônio parece não configurar legítima defesa, caso contrário a polícia já poderia ter agido, porque ela existe para a proteção das pessoas, do patrimônio e da ordem pública. Ou não?

SÉRGIO BARBOSA

sergiobarbosa@megasinal.com.br

Batatais

Autoridade policial?

A inversão de valores continua, até na autoridade policial, que nada faz contra o Black Bloc. Este desafia a polícia com uma dúzia de mascarados virando viaturas e depredando patrimônio público e privado, numa clara demonstração de que se trata de grupos de esquerda usando da mais sórdida técnica de acobertamento e falta de diálogo para atingir fins nada democráticos e desviando o foco da manifestação de apoio aos professores. Quando a polícia vai agir com rigor para mostrar o limite entre liberdade e libertinagem?

JOÃO HELOU

helouhelou@gmail.com

São Paulo

Chega de desordem!

O motivo da manifestação que causou todo o quebra-quebra na noite de segunda-feira em São Paulo foi totalmente idiota, ou seja, nossas autoridades não têm nada que ver com a greve dos professores do Rio de Janeiro. Os organizadores de tais atos não têm nada melhor para fazer? Essas pessoas devem ter trabalho de menos e tédio demais na vida delas. Por outro lado, a PM precisa tomar uma atitude mais firme, já chega de timidez. Afinal, os baderneiros estão armados com, por exemplo, estilingues, que não são brinquedos, e com o uso de esferas de aço podem até matar. Então a cavalaria tem de entrar em ação e os soldados devem ser utilizados massivamente para cercar e prender os envolvidos. Se eles não pagarem um preço por seus atos, isso vai se repetir indefinidamente.

NESTOR R. PEREIRA FILHO

rodrigues-nestor@ig.com.br

São Paulo

Condescendência

Atribuir o termo "manifestações" para o que vem ocorrendo é ser condescendente com uma prática sistêmica de vandalismo. O que se configura e percebe é que estamos acéfalos, sem governo, sem autoridade para agir e impor o cumprimento das leis e, acima de tudo, o respeito ao patrimônio público e privado. Inadmissível a continuidade desses movimentos, independentemente de seus patrocinadores.

HAROLDO ROCHA

haroldoerocha@ig.com.br

São Paulo

Chapa-branca

Tudo indica que o Black Bloc é chapa-branca. Daí, tal como os mensaleiros, agir impunemente. Enquanto as forças repressoras assistirem às badernas sem atuar energicamente, punindo rigorosamente, nada vai mudar, vai até aumentar o vandalismo.

HUMBERTO SCHUWARTZ SOARES

hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

Coincidência

Quando a reedição dos protestos de junho começa a ser mais que justificável, pois continua a lambança nas administrações petistas, o Black Bloc aparece para jogar água fria na população.

VICTOR GERMANO PEREIRA

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

Curiosidade

O secretário-geral da Fifa visitou a Arena Pantanal e havia lá um grupo de manifestantes. Mas os mascarados não apareceram...

RICARDO SANAZARO MARIN

s1estudio@ig.com.br

Osasco

Criminosos mascarados

É preciso um projeto de lei federal para coibir o vandalismo em passeatas de quem covardemente se esconde atrás de máscaras, o que impede sua identificação e a aplicação de medidas judiciais e policiais. Proíba-se seu uso em lugares públicos, permitindo-o só em ambientes fechados, festivos, ou por pessoas com deficiências faciais. Estados e municípios podem adiantar-se com leis locais para esse fim, já que o Congresso é lento e desinteressado...

ORLANDO CESAR BARRETTO

ocdobarr@usp.br

São Paulo

Rio em chamas

Incendiar o Clube Militar em 2013 é tão inaceitável como foi incendiar a sede da UNE em 1964. A sociedade, a imprensa e o governo federal devem estar atentos à clara escalada de radicalismo e enfrentamento político polarizado numa tensa eleição presidencial em 2014.

LUIZ ROBERTO DA COSTA JR.

lrcostajr@uol.com.br

Campinas

REDE-PSB

Esclarecimento

Em nome da boa informação, quero esclarecer aos leitores do jornal O Estado de S. Paulo que a reportagem Ex-ministro de Dilma vai coordenar programa de ex-ministros de Lula (8/10, A4) está totalmente equivocada quando afirma que serei o representante da Rede Sustentabilidade na equipe que será encarregada de discutir o conteúdo da coligação programática Rede-PSB. Desde o acerto das bases da aliança, em nenhuma hora nomes para aqui ou para acolá foram alvo de discussão. Ambos os partidos se dedicam neste momento a estabelecer a metodologia para a construção do programa a ser apresentado ao País para aprofundar a democracia e construir as bases para um ciclo duradouro de desenvolvimento sustentável.

JOÃO PAULO R. CAPOBIANCO

São Paulo

*

PROTESTOS E VIOLÊNCIA

Não há como ignorar a baderna em que vândalos criminosos transformaram qualquer manifestação nas cidades brasileiras. Os tais Black Blocs, grupo que se aproveita de qualquer protesto para depredar bens públicos e privados e para agredir a polícia, tem o beneplácito da grande imprensa, que não vejo condenar veementemente essas atitudes criminosas e que, na maioria das vezes, declara que as polícias são violentas. A destruição de tudo o que está na frente deles é comum e, quando se prende um, até astro da música brasileira vem defendê-los. E a presidente da República ameniza essa situação sem precedentes com declarações como as que ela deu no "Programa do Ratinho". Disse ela que "as manifestações têm um sentido positivo", enquanto no Rio punham fogo em ônibus e tentavam incendiar a Assembleia Legislativa. Enquanto no Rio e em São Paulo, na segunda-feira, a barbárie corria solta, ela dizia coisas como "querem mais garantias de direito, mais democracia" e dizia que era coisa de gente que quer sempre avançar. Inadmissível!

Maria Tereza Murray

terezamurray@hotmail.com

São Paulo

*

A ESTÉTICA DOS MASCARADOS

"Alguma coisa acontece no meu coração, que só quando cruza a Ipiranga e a Avenida São João." Gostaria de saber do compositor Caetano Veloso o que seu coração sentiu vendo que a poucos metros da esquina da Avenida São João com a Avenida Ipiranga, os seus queridinhos do Black Blocs provocaram o caos. Será que a estética dos mascarados foi linda? Ou não?

Maurício Rodrigues de Souza

mauriciorodsouza@globo.com

São Paulo

*

ATÉ QUANDO?

Forte, ilustrativa e didática a foto estampada na primeira página do "Estadão" de terça-feira mostrando vândalo (que alguns teimosamente chamam de "manifestante") posando triunfalmente sobre uma viatura da Polícia Militar com uma bandeira negra à mão, tendo ao seu redor um cenário de guerra. Eu enxerguei, e tenho a absoluta certeza de que muita gente mais lúcida também enxergou, naquela viatura tombada o Estado de Direito sendo afrontado como há muito não se via neste país. A mim me choca a pusilanimidade das autoridades que governam o Estado de São Paulo e do Rio de Janeiro, particularmente, em coibir estas manifestações violentas. Isso não tem nada que ver com democracia, muito pelo contrário. Estão cedendo um lindo, aquecido e confortável cesto para chocar ovos de serpentes. E como desgraça pouca é bobagem, a mandatária maior da Nação comparece a um midiático programa televisivo comandando por uma conhecido "lambe-botas" de donos do poder para afirmar que é totalmente favorável a "manifestações populares" sem ao menos dizer sobre a qual tipo de manifestação ela se refere, se a esta que tem assustado a indefesa população ou àquela outra que execrou tudo o que está de errado na condução da coisa pública durante o mês de junho - no que por dedução é ela que tem sobre seus ombros a maior carga de responsabilidade por tudo de errado a que a gente tão cansada e penosamente assiste diariamente. Se é verdade que para um bom entendedor meia palavra basta, dona Dilma certamente deu a estes predadores da democracia um recado muito perigoso: "Continuem!".

Fernando Cesar Gasparini

phernando.g@bol.com.br

Mogi Mirim

*

BLACK BLOCS

Não acreditei no que vi na foto da primeira página do jornal de terça-feira. Cambada de arruaceiros, vândalos, depredadores, ladrões escondidos atrás de máscaras, acobertados pela tolerância da imprensa, extrapolam o direito à comunicação, violam o direito humano, intimidando a repressão policial.

Sergio S. de Oliveira

ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

SOB O DOMÍNIO DA BADERNA

Vi na primeira página do "Estadão" de ontem um carro de polícia virado com baderneiros mascarados ao seu lado. As notícias de ônibus queimados são frequentes, como frequentes são as quebras das portas das lojas, dos bancos e de outros estabelecimentos comerciais de interesse público. Onde está a polícia? Talvez, por motivos estritamente políticos, não reage para que os donos do poder não percam votos. Quanta ignorância por parte desses políticos que não sabem que a maioria silenciosa quer a proteção do Estado para viver em paz! Os policiais são feridos por pedradas e tijoladas e não podem responder com tiros de borracha, pois isso agora é proibido. Os baderneiros, quando levados às delegacias, recebem apenas suave admoestação. O povo trabalhador, ora o povo trabalhador! Se essa baderna continuar, não há outra solução: mudar de país.

Labibi João Atihe

labibi.atihe@atihe.com.br

São Paulo

*

A LIBERDADE PARA OS ARRUACEIROS

Para quem assistiu aos telejornais de segunda-feira, parecia que vivíamos uma guerrilha assemelhadas àquelas de algumas cidades do Oriente Médio. Em São Paulo, por volta das 7 horas, moradores de uma comunidade do Morumbi interromperam o trânsito de uma avenida com barricadas incendiadas, sob o olhar complacente de viaturas policiais. O protesto era justo, mas o método não. Pior quando chegou um caminhão do Corpo dos Bombeiros, os soldados do fogo também se transformaram em espectadores. Até quando os arruaceiros arrastaram um veículo para a citada barreira eles continuaram impassíveis. Como era previsível, o veículo explodiu e feriu gravemente uma criança que a tudo assistia sem se dar conta do perigo que corria. À noite, outra manifestação, dos professores, em solidariedade aos seus colegas cariocas, foi invadida pelos arruaceiros de carteirinha que se deram o direito de aparecer em todas as manifestações legítimas nas ruas, para depredarem e saquearem equipamentos públicos e propriedades particulares. E, como ápice dos seus desmandos contra a ordem pública, amassaram e tombaram uma viatura da Polícia Militar de São Paulo. Ora, como a nossa Polícia Militar permite tantos aviltes contra a nossa Constituição e a própria democracia? Já passou da hora de trancafiá-los nas prisões e fazê-los pagar pelos estragos que praticaram. Não é possível que as polícias de São Paulo e do Rio de Janeiro não consigam infiltrar agentes nessas passeatas e, tão logo um mascarado desses iniciar uma depredação, prendê-lo de imediato e encaminhá-lo à delegacia.

Gilberto Pacini

benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

IMAGINA NA COPA

Será que esses petistas descarados (e mascarados) terão coragem de quebrar tudo nos protestos da Copa do Mundo? Duvido.

Ricardo Sanazaro Marin

s1estudio@ig.com.br

Osasco

*

GATO NA TUBA

O movimento de protesto dos professores obteve apoio da população do Rio de Janeiro e de São Paulo. Entretanto, a manifestação de segunda-feira foi invadida pelos indesejáveis Black Blocs, o que resultou em verdadeira desordem pelas ruas das duas cidades. Seria interessante que as forças de segurança do País apurassem o que está por trás das atitudes inconsequentes e incoerentes desse grupo, podendo ocorrer que forças políticas estejam interessadas em auxiliar a conturbação da ordem, conspurcando os movimentos legítimos e contra os governos atuais. Porém, presos alguns, as investigações morrem e o povo não fica sabendo a que vieram esses elementos, completamente despreparados para a convivência em democracia. Mais uma vez, como diz o caboclo paulista: "Tem gato na tuba". Precisamos tirá-lo de lá e apresentá-lo aos brasileiros!

José C. de Carvalho Carneiro

carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

ESPÉCIE

Essa nova geração de agitadores e baderneiros não deixa de representar uma evolução natural, não digo da espécie humana, mas de alguns espécimes dela. Desenvolveram o hábito de usar máscaras para não ter de trocar de identidade e fazer plástica amanhã. Todavia, o fato de não serem capturáveis (?) suscita uma grande dúvida quanto à sua classificação: pertenceriam ao ramo político, narcotraficante ou híbrido da zoobiologia nativa? Talvez só Darwin conseguiria responder essa.

Hermínio Silva Júnior

hsilvajr@terra.com.br

São Paulo

*

TERRORISMO URBANO

Inexiste o "espontaneísmo das massas". Manifestações de rua são invariavelmente planejadas, organizadas, dirigidas, coordenadas, controladas e financiadas por instituições, legais ou clandestinas, que dispõem de recursos humanos, materiais, financeiros e tecnológicos para fazê-lo. E principalmente, que têm objetivos político-ideológicos bem definidos: normalmente o de tentar desestabilizar o poder constituído e impor seu ideário. Já vimos esse filme, particularmente ao início da década de 1960. Os incendiários de então, avós dos de hoje, transmitiram adequadamente a estes seu DNA deletério. Sabemos bem onde vai dar tudo isso: a História se repetirá como farsa, como preconizado por Karl Marx, inspirador maior dos agitadores de todos os matizes. Cabe apenas recordar ao governador que o que está ocorrendo no Rio de Janeiro é terrorismo urbano e como tal deve ser tratado - decretem-se medidas de emergência e imponha-se a ordem. Naturalmente, se houver coragem moral e política para tanto.

Gil Cordeiro Dias Ferreira

gil.ferreira@globo.com

Rio de Janeiro

*

A QUEM INTERESSA?

As constantes e revoltantes notícias das ações dos grupos Black Blocs nas genuínas manifestações em favor das melhorias nos serviços públicos trazem dúvidas com respeito às suas reais origens e finalidades. As odiosas depredações dos bens públicos e privados não referendam nenhum benefício a qualquer classe. A instabilidade social prejudica a todos. A quem interessa a desqualificação destes legítimos movimentos? Quais os fundamentos dos atos de vandalismo promovidos? Seria apenas a desordem por desordem sem um fim útil? Fica a intrigante pergunta para os filósofos, sociólogos e demais estudiosos do comportamento humano.

João Coelho Vítola

jvitola@globo.com

Brasília

*

QUEM PAGA A CONTA?

Qualquer ônibus incendiado entra na composição do custo do ônibus e aumenta as passagens urbanas. Cada caixa incendiado, estourado ou conta clonada entra no aumento de juros das prestações e serviços dos bancos, encarecendo todos os tipos de financiamentos (carros, geladeiras, fogões, etc.). Cada carro incendiado entra no aumento de custos de seguros, IPVA, etc. Cada lei feita por um deputado e suas aposentadorias, mensalões, indenizações de qualquer origem são pagos pelos impostos. As leis que só distribuem dinheiro sem saber quem pagará por elas, ou seja, qualquer desordem pública, legal ou ilegal, sempre quem paga é o lado mais fraco, ou seja, o cidadão comum e o pobre que não sabe se defender, nem com o voto. A propósito, nossa Constituição, que tem 25 anos, tem 74 palavras "direito" e apenas 4 vezes a palavra "dever". Não é à toa que estamos assim.

Ciro Bondesan dos Santos

cirobond@hotmail.com

São José dos Campos

*

E O NOSSO DIREITO?

Muito se fala sobre o "direito de protestar". Quero saber onde está o nosso direito, o da maioria da população, de não arcar com os prejuízos que os "ativistas" (palavrinha da moda, que serve para designar membros de qualquer grupo em protesto, até mesmo em chás de bonecas) causam. Quando a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do Rio de Janeiro ou a OAB nacional defendem a ação de grupos que destroem patrimônio público, seria o caso de os governos e as prefeituras lhes enviarem as faturas dos prejuízos. O que não é correto é que nós, a população ordeira, paguemos a conta. Esta população, que precisa trabalhar e estudar, que não tem estabilidade no emprego (como os professores públicos, os agentes dos Correios ou os funcionários do Banco do Brasil e da Caixa) nem vivem do dinheiro dos sindicatos, está farta de ver as ruas bloqueadas e, em seguida, depredadas por grupos de funcionários públicos que agem por evidente motivação política e simplesmente não têm nenhuma consideração com quem lhes paga os salários. A nós, a OAB não defende.

Maria Cristina Rocha Azevedo

crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

DE ONDE VEM O DINHEIRO

A declaração da Dilma (5/1, B20) - "Tem gente que fala em melhorar salário (de professores) e não diz de onde vai tirar dinheiro. Nós sabemos de onde sai dinheiro, é carimbado" - é pura realidade. O "dinheiro" está com eles que criam infinitas formas de desviá-lo "como nunca antes neste país". O povo trabalhador e honesto que se exploda.

Laert Pinto Barbosa

laert_barbosa@ig.com.br

São Paulo

*

ENADE

Qual será a explicação que nos dará o ilustre dublê de ministro da Educação e papagaio de pirata, Aloízio Mercadante, para o vergonhoso resultado do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade), que mostrou que 30% dos cursos superiores do País têm notas insatisfatórias? Será que isso já é o primeiro reflexo do nivelamento por baixo das nossas universidades, com a política de cotas?

Ronaldo Gomes Ferraz

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

AINDA UM PAÍS DE TOLOS

O teste do governo federal feito a cada três anos serve para avaliar as redes de ensino públicas e privadas. O Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) mostrou que 30% dos cursos de ensino superior têm desempenho insuficiente e por isso mesmo a luz foi acesa no Ministério da Educação (MEC), que poderá suspender vestibulares. Mais uma piada contada às vésperas de mais um vestibular. Todos os anos a história se repete, algumas faculdades de fundo de quintal enfeitam o pavão quando vão receber a fiscalização do MEC e depois voltam ao estado normal, sem bibliotecas, sem internet, sem professores eficientes. O aluno é o bode expiatório desse sistema perverso, que enriquece donos de escolas, enquanto ele, quando termina o curso, não tem a menor perspectiva de arrumar um emprego na área para a qual se graduou. Também é do conhecimento do ministro Aloízio Mercadante que certas faculdades escolhem os melhores alunos para prestarem esse exame, pois o desempenho dos melhores melhora a foto da faculdade no MEC. O Brasil continua sendo um país de tolos!

Izabel Avallone

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

NÃO SOMOS CEGOS

O noticiário da TV trouxe uma informação que, em outro país, mereceria uma análise séria: segundo o governo (portanto são dados oficiais) 30% dos cursos na área de ciências humanas estão dentro da nota mínima estabelecida pelo governo. Isso significa que 70% estão abaixo da nota satisfatória. Outro dado divulgado pelo Enade é que, das escolas "preparatórias", apenas 3% (das particulares) e 17% (das públicas) conseguem sair da "mediocridade". O noticiário não disse, mas a conclusão é estatisticamente óbvia: 97% das particulares e 83% das públicas estão abaixo dos "padrões" que o próprio governo estabeleceu. Enquanto isso, a Universidade de São Paulo (USP), considerada a melhor do País, foi rebaixada não figurando mais entre as 200 melhores do mundo. E, enquanto isso, professores fazem manifestação no Rio (que terminou em mais um "confronto" com a polícia -dizem que a culpa é dos Black Blocs, seja lá o que for isso, porque, até agora, é uma caixa preta) e estudantes da USP ocupam a reitoria e, obviamente, interrompem as aulas. Enquanto isso, o governo declara que gasta fortunas com a educação e a saúde. Pelo menos o "gasto" com televisão, para anunciar o progresso, deve ser enorme. Depois disso alguns amigos ainda reclamam do fato de sermos contra o governo. Não somos contra, apenas não somos cegos, surdos e mudos.

Roberto de Almeida

robmeida22@gmail.com

São Paulo

*

GOVERNO DILMA

BNDES esconde dados sobre empréstimo ao Itaquerão. Ideli Salvatti usa helicóptero do Samu em Santa Catarina. Petrobrás fechará 38 de seus escritórios e empresas no exterior. Exportação de uma plataforma de petróleo e gás por US$ 1,9 bilhão dá superávit ao Brasil. Tesouro cobrirá prejuízos da Eletrobrás. O que essas manchetes têm em comum: o desgoverno enganador lulopetista. Dinheiro público indo para os ralos da incompetência. Maquiagem contábil das contas públicas. Vide o caso da "exportação" da plataforma. Foi construída aqui e aqui permanecerá. Não foi exportada para lugar nenhum e, mesmo assim, os gênios da administração pública federal a colocam como "exportação de US$ 1,9 bilhão", portanto, como se esse dinheiro tivesse entrado no País. A Petrobrás, endividada até o pescoço, sem dinheiro para aumentar o refino de petróleo (está importando combustíveis, e muito!), sem dinheiro para participar com os 30% da aventura dilmista no pré-sal, está vendendo ativos, mas não consegue vender o elefante branco que comprou nos EUA por mais de US$ 1 bilhão, quando valia US$ 100 milhões. O BNDES despeja dinheiro público (do Tesouro, nosso) a juros subsidiados em empresas públicas ineficientes e em outras grandes privadas (Eike Batista, JBS, Oi, etc.) ou através de participação societária. Todos estão vendo no que está dando. Enquanto isso, Dilma, visando a 2014, está ultrapassando seu criador em exposição na mídia. São viagens e viagens, promessas e promessas. Soluções para os problemas da saúde pública agora são camufladas pelos Mais Médicos; aumento da taxa de analfabetismo no Brasil em pleno século 21 e péssimos índices com a educação básica são camuflados por propagandas de criação de mais universidades federais. Como na Alemanha nazista de Goebbles, o ministério que mais funciona e o 40.º: o da propaganda.

Éllis A. Oliveira

elliscnh@hotmail.com

Cunha

*

SURPRESA BOA NA POLÍTICA

Às vezes, a história e o destino são escritos por linhas tortas: os 6 votos contrários do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ao registro da Rede Sustentabilidade deram uma grande e inesperada visibilidade à legenda de Marina Silva, impulsionando sua participação nas eleições de 2014. Fosse dado o registro de maneira normal, como receberam os dois novos partidos recém-formados, não haveria motivo nem razão para tamanha exposição e discussão do fato na mídia. Ao fazer do limão doce limonada, aceitando abrigo e guarida no PSB de Eduardo Campos, Marina desopila o fígado do amargo sentimento de ter tido o tapete puxado debaixo dos pés pela rigidez e má vontade cartorial, surpreende a cena política como há muito não se via no País e promete disputa acirrada e cheia de emoções na próximas eleições. A política, como o futebol, também pode ser uma caixinha de surpresas. Das boas!

J. S. Decol

decoljs@globo.com

São Paulo

*

PENSANDO NO 2º TURNO

Eduardo Campos foi ministro e aliado de Lula, Marina Silva foi ministra de Lula, e Fernando Bezerra, ex-ministro de Dilma, vai coordenar o programa da candidatura à Presidência dos dois primeiros. Alguém se ilude com que a aliança Marina Silva e Eduardo Campos não é apenas uma armação para garantir a vitória no 2.º turno da mesmice e da incompetência petista por mais quatro anos?

Victor Germano Pereira

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

A SOMA DE TODOS OS MEDOS

O "Estadão" de terça-feira (8/10) noticiou que Dilma Rousseff descarta tese de que Marina esteja enfraquecida e diz que a ex-ministra "não é qualquer pessoa"; e que, em fevereiro deste ano, o senador Aécio Neves (PSDB) classificou as possíveis candidaturas de Eduardo Campos e Marina Silva como "costelas do projeto petista". Noticiou também que, para Roberto Freire (PPS), o "polo" Campos é o maior "medo" que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem em relação à disputa do ano que vem. Pelo que se vê, os petistas e Lula estão atônitos, porque não esperavam por essa.

Cláudio Moschella

arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

*

FUTURO DO PRETÉRITO

Terá Marina Silva dado mesmo um tiro no pé, como alardeia Lula? O PT está atarantado. Aécio está aturdido. FHC e Serra, estupefatos. Os Gomes, sim, deram um tiro n’água. Marina, que todos tinham por morta após ter sido negado registro à sua Rede, aplicou um golpe de mestre. Mas não exulte a oposição, pois a transferência de votos nunca mostrou-se bem-sucedida até Lula conseguir erguer seus "postes". A chapa Campos-Marina pode tornar-se, dependendo das pesquisas de opinião, Marina-Campos. Caso Marina, cabeça ou não de chapa, vá ao 2.º turno com Dilma (ou Lula), leva os votos da atual oposição e o PT é enxotado do governo. Mas se a disputa final for entre Aécio (ou Serra) e Dilma, a dama da floresta não controlará os seus eleitores que se bandeariam, na maioria, para Dilma. O verbo, no futuro do pretérito, favorece os bons augúrios!

Roberto Maciel

rvms@oi.com.br

Salvador

*

PERDIDOS

O PT mais uma vez se mostra campeoníssimo nacional de "tiro no pé". Fizeram de tudo para inviabilizar a Rede de Marina Silva, agindo nos cartórios do ABC, Suzano e Osasco, e o resultado final foi colocar Marina Silva no mesmo barco de Eduardo Campos. Depois elogiam o tirocínio político de Lula... Devem estar tentando entender onde foi que erraram.

Claudio Juchem

cjuchem@gmail.com

São Paulo

*

OPOSIÇÃO

José Serra podia ter-se mudado para o PSB para a oposição vencer a eleição. Marina seria vice, ele ocuparia as Finanças, viriam redução de Ministérios, pente fino em todos os contratos... Chega de incompetência! Chega de improvisação! Vamos mudar!

Caio Lorena Bueno

caiolorena@bol.com.br

São Paulo

*

PRÓ-PT

O deputado do PT André Vargas disse que a união de Marina com Eduardo Campos é oportunismo. Disso o PT entende: afinal, na oposição, sempre criticou Collor, Sarney e, principalmente, Maluf, mas quando chegou o poder fez questão de se aliar a eles para manter-se lá. Depois disse que "quem não consegue 500 mil votos não está preparado para governar o País". Só se esqueceu de explicar por que nos redutos políticos do PT mais de 70% das assinaturas foram negadas, enquanto o partido que se declarou governista teve caminho suave para ser criado. E não disse uma palavra sobre aquele que foi criado com assinaturas até de gente morta. Se Marina fosse pró-PT, seria eleita vice de Dilma em 2014.

Sérgio Aparecido Nardelli

sergio9@ig.com.br

São Paulo

*

DESENVOLVIMENTO SUSTENTADO

A decisão da senadora Marina, aliando-se ao governador Eduardo Campos, exigirá muitos seminários "programáticos" para ambos. De um lado Marina, com vistas à proteção do meio ambiente, que significa a proteção da maior biodiversidade do mundo guardada nas florestas, a maior reserva de água potável do mundo, o maior território ensolarado do mundo, o combate às poluições do ar, do água e do solo, e, enfim, a proteção da humanidade. De outro lado, o desenvolvimento econômico, ou seja, a produção de matéria e energia que, em última análise, se transformará em empregos, infraestrutura eficaz, hospitais, ensino de qualidade, mobilidade urbana sem problemas, etc., etc., etc. O sucesso dessa aliança dependerá da compreensão técnica, científica e social destes elementos. A sociedade espera que este bom meio termo seja alcançado em tempo, para mostrar ao Brasil que, mesmo com o mensalão atacado de todas as formas pelos representantes da velha política, a esperança para as futuras gerações ainda não morreu.

Mário Negrão Borgonovi

marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

*

BIOGRAFIA

Como muitos brasileiros, Marina Silva tem uma história de sofrimentos, lutas e vitórias. A alfabetização aconteceu através do Movimento Brasileiro de Alfabetização (Mobral), aos 16 anos. A vida política teve início no Partido Revolucionário Comunista (PRC), posteriormente foi para o Partido dos Trabalhadores (PT), onde foi eleita vereadora, deputada estadual e senadora, sendo sempre a mais votada. E como senadora não honrou os votos, abdicou do cargo para ser ministra do Meio Ambiente. Nas eleições presidenciais de 2010 se filiou ao Partido Verde (PV), obtendo quase 20% dos votos válidos. E em 2013 criou o Partido Rede Sustentabilidade (PRS), cujo registro foi negado pelo TSE. Diante do ocorrido, Marina foi a menina ($) dos olhos de muitos partidos, mas optou pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB), do simpático e inteligente Eduardo Campos, governador de Pernambuco. Conclusão: Marina é igual aos outros políticos, só a biografia é diferente!

Alex Tanner

alextanner.sss@hotmail.com

Sumaré

*

MUDANÇA

Em entrevista recente, Marina Silva disse não ver diferenças entre Dilma Rousseff, Aécio Neves, Eduardo Campos e Lula da Silva. Como perguntar não é ofensa: Marina, como é possível á curtíssimo prazo alguém mudar tanto?

Virgílio Melhado Passoni

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

ALERGIA

Desejo pronto restabelecimento, à ex-senadora Marina Silva, da alergia alimentar que a acometeu por ter ingerido chocolate por descuido. No entanto, não é recíproco o desejo à cura pela alergia ao PT. Muito pelo contrário, espero que se torne crônica e contamine também seus atuais aliados, para num futuro bem próximo (2014) dar um verdadeiro chocolate nos condôminos do Palácio do Planalto.

Sérgio Dafré

sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

*

UMA LUZ, E NÃO É A DO TREM-BALA

Palavras de Marina: "A gente tem que quebrar a polarização oposição por oposição, situação por situação. Devemos pensar no País". A união de duas forças verdadeiramente capazes de enfrentar o Bolsa Família, sim, porque excetuando-se o formidável assistencialismo-cabresto exercido pelo governo do PT, o que o governo tem para oferecer ao eleitor é apenas um rosário de escândalos financeiros e um escapulário representado pelo aparelhamento dos três poderes, a humilhação às Forças Armadas e um plano nada sutil de implantar no Brasil o bolivarianismo chavista acoplado ao comunismo castrista. O sono da noite de 5 para 6 de outubro, para os petistas, deve ter sido povoado de duendes, gnomos e toda sorte de presságios maléficos. O exército do Bolsa Família é um adversário que não pode ser minimizado, mas pior que este é o perigo já tantas vezes alertado: será que as urnas eletrônicas merecem total confiabilidade na hora em que os pés de barro do império petista ameaça ruína como "jamais, em tempo algum?". "Nasci para transformar a escuridão em luz, a dor em prazer e o caos em ordem. Esse é o dom que me deram, e é minha vontade utilizá-lo. Agora" (Yehuda Berg). O PSB tem a Rede, e olha que a malha é fina.

Jair Gomes Coelho

jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

UM GOLPE DE MESTRE

Parabéns a Marina e seus articuladores. Dois dias após ter sua Rede rejeitada no TSE, apesar de "estranhas coincidências" como a rejeição de boa parte das assinaturas no ABC paulista, Marina retribui com um tapa com luva de pelica, anuncia sua entrada no PSB e seu apoio a Eduardo Campos. Mostra com isso uma rara atitude entre os políticos brasileiros, sendo capaz de colocar à frente de seu projeto político pessoal um projeto maior, que é o interesse da Nação, e que não é tão radical como muitos pensavam. Quero ver se Lula, levado por sua imensurável soberba, achando que tudo pode e que todos estão a seus pés, continuará a fazer pouco das intenções de Campos e a pseudo-oposição continuará omissa e dividida.

Luiz Nusbaum

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

DEDO NA FERIDA

Mesmo não sendo eleitor de Eduardo Campos, até porque não acreditava nessa tal candidatura presidencial, achando que tudo isso era apenas parte de um plano de ocupar espaços na mídia, devo admitir que a inesperada parceria entre Eduardo e Marina Silva foi um "golpe de mestre". Outra coisa que tem me impressionando é a virulência com que esse acordo tem sido tratado pelos que se sentem ameaçados pela parceria, notadamente os petralhas, que, entre outras coisas, acusam Eduardo e Marina de oportunismo político, esquecendo-se, com o cinismo que lhes é peculiar, de que ficaram de "bico fechado" quando Lula, o "poderoso chefão" do PT, impôs ditatorialmente uma composição com Paulo Maluf para garantir a eleição de Fernando Haddad à Prefeitura de São Paulo. Isso sem falar em outras tantas alianças absolutamente cretinas, a exemplo das que foram firmadas por Lula e Dilma com Zé Sarney, Fernando Collor, Renan Calheiros, Severino Cavalcanti, Sérgio Cabral e outras tantas "figurinhas carimbadas" do que de pior existe na política brasileira, com o único propósito de garantir a manutenção do poder. Pelas histéricas reações que tenho visto, começo a achar que Eduardo e Marina conseguiram "colocar o dedo na ferida"...

Júlio Ferreira

julioferreira.net@gmail.com

Recife

*

A VOZ DA EXPERIÊNCIA

Quem esta vivo aparece (7/10, A5). Ciro Gomes deu as caras e palpitou, afirmando que Marina e Campos não têm propostas. Bem, se as propostas forem como as que ele em campanha (1998 e 2002) apresentou, afirmando com números "falsos" ter realizado, é bom que não tenham propostas mesmo. Portanto, cale-se!

J. Perin Garcia

jperin@uol.com.br

São Paulo

*

PACIÊNCIA

Basta se aproximar uma eleição para que o mitômano do Ceará dispare sua metralhadora de grosserias. Paciência, Eduardo! Paciência, Marina!

Euclides Rossignoli

euros@ig.com.br

Itatinga

*

TARIFA DE TELEFONIA CELULAR

Alguém ficou com a divulgação da pesquisa da União Internacional de Telecomunicações (UIT) que diz que o Brasil tem a tarifa de celular mais cara do mundo, sabendo que nós já somos campeões do mundo e recordistas em corrupções, impostos, juros, tarifas, pedágios, etc.?

Angelo Tonelli

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

É SÓ A TARIFA DO CELULAR?

Temos a mais cara tarifa de celular do mundo! Não é só isso: temos uma das maiores cargas tributárias e taxa de juros do mundo; temos o pior serviço público do mundo, quando comparamos com os impostos pagos; índices ridículos de desenvolvimento humano; os piores políticos existentes na face da Terra, etc., etc. Tudo por quê? Temos os piores eleitores do universo...

João Batista Piovan

jbpiovan@gmail.com

Osasco

*

NOS TEMPOS DO ORELHÃO

Segundo pesquisa da União Internacional de Telecomunicações (UIT), a tarifa de celular do Brasil é a mais cara do mundo, embora a pesquisa seja contestada pela consultoria Teleco. Para mim, além de cara, é péssima, e diga o que quiser a consultoria Teleco. Mas devemos isso ao sr. Fernando Henrique e seu partido, PSDB, que promoveram a privatização com promessas de paraíso e nos entregaram um inferno. Vendem o que não têm, e fica por isso mesmo. O pior é que tem gente que ainda bate palmas para esses caras. Devem ser masoquistas. Procurem ver o custo do minuto em Hong Kong e na China, e depois vejam quem merece as palmas. Mesmo incluindo na pesquisa a telefonia fixa e internet, a posição do Brasil não melhora. Fica atrás, pasmem, da Índia, da Colômbia e do Peru. Não estamos muito diferentes da época do orelhão, não. Patinamos, não só na privatização da telefonia, como nas outras também.

Panayotis Poulis

ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

AFINAL, PARA QUE SERVE A ANATEL?

Vimos a notícia de que (como sempre tudo aqui é maior) temos a maior taxa de custo de ligação no mundo. Esqueceram de informar que a ligação é verdadeiramente um lixo, o atendimento por parte das operadoras é uma tragédia, horrível. E o pior é que a tal da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) me parece que não serve para nada. Serve como um cabidão de emprego, mais nada. Quem tem de se virar com o pepino é o Procon, basta ver os índices de reclamação ora informados via imprensa.

Ailton Dias Pereira

ailton7@ig.com.br

Ribeirão Preto

*

FALTA REGULAÇÃO DO GOVERNO

Comprova-se que os celulares no Brasil apresentam o preço mais elevado do mundo e, comparativamente, têm a pior qualidade de serviço da ligação.Temos mais de 150 milhões de aparelhos, que reservam às operadoras um ganho excepcional, porém o governo, as agências reguladoras e o ministério público do consumidor não são capazes de ditar diretrizes a fim de que o consumidor brasileiro receba um serviço à altura daquilo que paga.

Carlos Henrique Abrão

abraoc@uol.com.br

São Paulo

*

BRASIL, UM PAÍS DESANIMADOR

Ao descobrir que nossos celulares têm a maior tarifa entre outros países, nos tocamos de que tudo no Brasil é surpreendentemente maior do que nos outros países, até na imoralidade, na corrupção, na pouca vergonha da maioria dos políticos, na justiça com processos intermináveis e outros tantos. Infelizmente, somos os maiores no que há de mais desonrante é desanimador.

Leila E. Leitão

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.