Fórum dos Leitores

GOVERNO DILMA

O Estado de S.Paulo

10 Outubro 2013 | 02h05

Números preocupantes

O Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgou projeção para 2014 do produto interno bruto (PIB) de 15 das maiores economias do mundo, entre elas, o Brasil. Destas, as de 12 países devem apresentar crescimento maior no próximo ano do que em 2013, incluídos os da zona do euro, que na maioria, em meio a uma grande crise econômica, não terão mais PIBs negativos. Isto é, recuperam-se porque estão fazendo a penosa lição de casa. E o Brasil? Bem, nosso país, com um governo que vive de discursos improdutivos, pela projeção do FMI, deve continuar no mesmo ritmo pífio deste ano, que projeta crescimento econômico máximo de 2,5%. Ou seja, Dilma Rousseff, juntamente com seu PT, continua a administrar a Nação teimosamente de forma equivocada, para não dizer desastrosa, porque não privilegia as regras saudáveis do livre-mercado e investimentos em infraestrutura. O que sobrecarrega os custos de produzir no País, impedindo a competição em condições favoráveis com produtos do exterior. Enquanto a China lamenta as projeções do FMI de que em 2014 deve crescer apenas 7,3%, ante 7,6% este ano, nosso relapso governo festeja os estagnados 2,5%... Dá para entender?!

PAULO PANOSSIAN

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

Nada de novo

O FMI reduz a projeção de crescimento do Brasil em 2014 para 2,5%. Segundo as projeções, o Brasil terá o menor crescimento entre os países emergentes. Para 2013 a previsão foi mantida em 2,5%. Qual é a novidade...?!

VAGNER RICCIARDI

vbricci@estadao.com.br

São Vicente

Deus é brasileiro

Apesar das falsas promessas do PT, que está no poder há mais de dez anos, e da ausência total de investimentos na área de infraestrutura, o agronegócio continua investindo e puxando o crescimento nacional. Parabéns aos guerreiros empresários que investem na agricultura e na pecuária e conseguem ainda dar alguma esperança de dias melhores aos brasileiros.

MARIA CARMEN DEL BEL TUNES

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

Teoria do Caos

A apatia do cidadão brasileiro, a ineficiência da nossa Justiça, a ganância de nossos políticos e a incompetência de nossos governantes nos conduzem para a chamada Teoria do Caos. Estamos colocados nos primeiros lugares dos indicadores ruins, mas, em contrapartida, estamos colocados nos últimos lugares dos indicadores bons.

ANTONIO BOER

toboer@uol.com.br

Americana

BLACK BLOC

Cadeia para quem merece

Mais uma vez o presente se torna refém da História. Na mitologia grega, usar máscara era deixar de ser o que se é para encarnar, durante a mascarada, uma alienação em relação a si mesmo, um controle do deus que nos passa o freio. Pois não é que esses black blocs continuam a personificar a perda da razão e o desrespeito às leis que procuram refrear inconveniências? Será necessário alguém que, como Perseu, enfrente o olhar mortal do monstro e, arrancando a cabeça dele, nos ponha livres de todo esse terror. Alguém que tenha pulso e arranque a máscara desses malucos que se mantêm distantes da realidade política e social. Se eles querem encarnar o pavor e o terrificante, que o façam lá onde o sol nasce quadrado. Cadeia neles!

MARIA DA GLÓRIA DE ROSA

mg-de-rosa@hotmail.com

Agudos

Vândalos

Diariamente nos deparamos com cenas de vandalismo praticadas principalmente por pessoas mascaradas, depredando bancos, prédios públicos, lojas, etc... E nada acontece, pois se a polícia intervém, lá vem a turma de sempre dizendo que houve truculência, e o quebra-quebra continua, prejudicando inúmeras pessoas. Que tal doravante todo mascarado que depredar, seja o que for, ser preso e só sair da cadeia depois de ressarcir totalmente os prejuízos?

LUIZ ROBERTO SAVOLDELLI

savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo

Baderneiros enquadrados

Até que enfim os governos de São Paulo e do Rio de Janeiro vão endurecer contra a prática de vandalismo que tomou conta das passeatas pacíficas de protesto que se vêm multiplicando nas ruas das duas capitais. Afinal, o Estado tem a obrigação de defender o patrimônio público e privado, exigindo mais rigor da polícia, que parece mais passiva do que repressora. Notícias pontuais mostram que os encapuzados são pagos para badernar. Assim, a sociedade precisa saber o que está por trás disso e o porquê da tolerância descabida das autoridades competentes.

M. CECÍLIA NACLÉRIO HOMEM

mcecilianh@gmail.com

São Paulo

Intolerável

Ao que parece, nossas autoridades finalmente resolveram fazer algo para coibir essa onda de vandalismo disfarçada de manifestação. Não é mais possível tolerar esse pessoal quebrando tudo o que vê pela frente, pichando monumentos, o Masp, lançando bombas caseiras, e nada acontecer. Manifestações, sim, mas não isso que estamos vendo, que não passa de destruição pura e simples. Chega!

ALEXANDRE FONTANA

alexfontana70@yahoo.com.br

São Paulo

Fotos artísticas...

Parabéns ao delegado dr. Antônio Luiz Tuckumantel, que prendeu os black blocs que viraram o carro da polícia para tirar fotos com sua bandeira e os enquadrou na Lei de Segurança Nacional. O advogado dos bandidos alegou que eles só estavam tirando fotos artísticas. Pode?!

JOSÉ GILBERTO SILVESTRINI

jsilvestrini@hotmail.com

Pirassununga

Comissão da Verdade

Sugestão: por que não mandar esse pessoal da Comissão da Verdade cuidar dos vândalos do Black Bloc? Afinal, os meninos têm "direitos"...

DECIO FISCHETTI

etcmkt@terra.com.br

São Paulo

USP

Invasão

A que ponto chegamos neste país! Baderneiros invadem e vandalizam a Reitoria da USP, uma propriedade privada, e a Justiça não autoriza a reintegração de posse! Conclusão: no Brasil de hoje a propriedade já não é privada, a Constituição pode ser aviltada. Estamos vivendo uma ditadura violenta sob a fachada (falsa) de democracia.

OSCAR SECKLER MÜLLER

oscarmuller2211@gmail.com

São Paulo

_________  

LENIÊNCIA COM O VANDALISMO

Como nosso país é atrasado em matéria de legislação. Depois da violência e do vandalismo protagonizado pelos arruaceiros mascarados do Black Bloc, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, disse que vai endurecer contra manifestantes que praticarem vandalismo. Já passou da hora de reagir, senhor governador. Inadmissível a polícia assistir de longe ao quebra-quebra e nada fazer. Manifestação nas ruas tem de ser de cara limpa. São Paulo deveria ser exemplo de eficiência, e a aplicação da lei não pode ficar na dependência de se este ou aquele vai gostar. Quando se trata de educação, não há partido que mande. Praticou crime como destruir patrimônio público, além de multa, pode dar prisão. Se a punição for exemplar, quero ver quantos mascarados terão coragem de aparecer. Parece que a polícia só gosta de bater em professores.

Luciana Lins lucianavlins@gmail.com

Campinas

*

JÁ ERA HORA

Os governos de São Paulo e do Rio de Janeiro finalmente decidiram endurecer contra manifestantes que praticarem atos de vandalismo, entre eles integrantes do tal Black Bloc, com base na Lei de Organização Criminosa, aplicada quando, entre outras coisas, o ato de destruir propriedades público-privadas é praticado por quatro ou mais indivíduos. Cuidado, então, caríssimos Gil, Caetano e outros demagogos da MPB que apoiam esses vândalos.

Sérgio Luiz Corrêa seluco@uol.com.br

Santos

*

FORMAÇÃO DE QUADRILHA

O governo decidiu enquadrar os manifestantes que praticaram atos de vandalismo no crime de formação de quadrilha. É uma forma covarde de lidar com o problema e que está a um passo de proibir que o povo se manifeste. Em breve teremos algum ato institucional nesse sentido, um AI-6. Aos brasileiros democráticos, só resta esperar que sejam usados os mesmíssimos critérios que forem usados no caso do mensalão para saber se houve ou não crime de formação de quadrilha, e que o julgamento dos manifestantes dure décadas, com direito a infinitos recursos.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

PARAÍSO DE ADOLESCENTES REBELDES

Parte importante da sociedade brasileira precisa, com urgência, crescer, amadurecer. Tem muita gente que se considera muito bem formada intelectualmente e aplaude as manifestações dos vândalos ou, pelo menos, minimizam a sua gravidade. De artistas famosos a jornalistas estrelados, ouvimos e lemos justificativas ou amenização de atos inaceitáveis em um país civilizado. Nada justifica aquela barbárie. As imagens de vândalos atacando estabelecimentos comerciais, bancos, viaturas de polícia e tudo mais que vissem pela frente, chocam pela selvageria. O pior é que tudo aquilo é gratuito, sem motivo. Não estamos sob uma ditadura, não vivemos uma revolução, nada disso! Aplaudir ou amenizar atos como os que assistimos, chamando-os de "liberdade de protestar" é mera expressão de ignorância e imaturidade. Quem investe seu dinheiro num país onde a depredação de bens públicos e privados ocorre assim, sem que ninguém seja preso ou punido? Quem visita um país onde, a qualquer momento, uma horda de selvagens alucinados toma as ruas, quebrando tudo? Acordem para a vida, senhores intelectuais, senhores formadores de opinião! Liberdade, democracia e liberdade de expressão nada têm a ver com o que se vê nas ruas de São Paulo e Rio de Janeiro. Cresçam! O Brasil não pode continuar sendo o paraíso dos eternos adolescentes rebeldes.

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

SEM EXCESSOS

O meu nono costumava dizer: "Quem perde a cabeça perde a razão". Na minha opinião, excessos dos dois lados não levam a nada. Os governantes deveriam chamar humildemente os manifestantes e dialogar. Os manifestantes têm de abrir o coração e colocar na mesa tudo o que sentem sobre a vida, os escândalos na política, a situação do País, a falta de competência na administração pública, os desperdícios de obras públicas, os desvios do dinheiro público, etc. Os governantes precisam deixar de lado a arrogância e a enrolação e fazer propostas viáveis e que não massacrem mais ainda o cidadão contribuinte com pesados impostos, afinal são os governantes que possuem poder, gente, materiais e dinheiro para resolver os problemas do País.

José Luiz Martin jluizmartin@yahoo.com.br

São Paulo

*

BALAS DE BORRACHA

Achei boa a ideia do retorno ao uso de balas de borracha contra aqueles que estão prejudicando as manifestações pacíficas e legítimas. Mas creio que a Secretaria de Segurança de São Paulo deveria modernizar-se, ou seja, acoplar uma minicâmera, de alta definição, na arma que dispara as balas de borracha. Assim, o policial tem a imagem e o criminoso é marcado. O cidadão que protesta sem violência e é atingido pela bala de borracha terá o direito de ser indenizado pelo Estado e o policial, identificado, será punido. Não é caro! Basta usar um pouquinho das verbas extras ou do dinheiro do mensalão, das cuecas, das extorsões que pipocam dia a dia. Que tal Dilma Rousseff e a cúpula do PT já condenada ajudarem, especialmente o milionário Zé Dirceu?

José Rubens Macedo Soares joserubens@federmacedoadv.com.br

São Paulo

*

MARCA

Vendo pela TV este grupo de vândalos tão perto da câmera, fico pensando como um repórter assiste ao estrago e nada de a polícia evitá-lo. Minha sugestão, já que não estão enfrentando de perto estes malandros, seria usar aquele carro blindado com esguicho, e em vez de água usar tinta vermelha. Talvez assim, usando a cor do PT, fica para mais divertido ver os Black Blocs virarem Red Blocs.

Gregório Zolko gzolko@terra.com.br

São Paulo

*

DESMASCARADOS

Além de ter os baderneiros/vândalos presos temporariamente para averiguações, a polícia deveria fazer publicar nos jornais: fotos sem máscaras, nomes e endereços. Assim poderiam ser reconhecidos pelas ruas. Vejamos se assim, despidos de disfarces, terão compostura para aparecer perante o povo.

Marcos R. Pougy marcoslaly@gmail.com

São Paulo

*

IDENTIFICANDO MANIFESTANTES

Policial militar antes de atirar com munição de borracha: "Boa noite, cidadão mascarado, desculpe-me incomodá-lo num momento tão tenso, mas você se considera um manifestante pacífico que luta pelos seus direitos civis ou um membro odioso do movimento ilegal Black Bloc?".

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

O PORQUÊ DA PASSIVIDADE

Muito simples a explicação para a passividade dos governos com relação a essa atuação de grupos de vândalos em protestos de rua: esses marginais não protestam contra nada. Só visam a extravasar sua fúria quebrando e incendiando patrimônio alheio, além de buscar confronto com a polícia, espalhando o terror e desestimulando a presença de pessoas normais nos protestos. No fundo, isso é que os governos querem. Aquelas multidões que saíram às ruas em junho em protestos pacíficos não querem se expor a esse vandalismo, nem ao gás de pimenta da polícia, e decidiram ficar em casa, dando a falsa impressão que as medidas emergenciais tomadas pelos nossos governantes atenderam às suas reivindicações. Acho que esses movimentos de vândalos são, até, estimulados pelos governos.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

LEI DE SEGURANÇA NACIONAL

Dói muito ver o patrimônio público e o privado sofrerem depredações, mas esta situação é o resultado de anos de inércia dos governos, federal, estadual e municipal, que simplesmente fecham os olhos para a corrupção, o excesso de tributação, o transporte público inadequado, a falência da segurança pública, saúde, educação, previdência social, etc. Parece-me o quebrar dos ovos para o feitio do omelete, o passo atrás para o caminhar novamente. O povo está cansado de tanto "desgoverno", e ainda por cima sofrerá o peso da lei. Na verdade, como cidadão, gostaria de ver aquela senhora vendada que segura a balança, que já não a segura como outrora, equilibrá-la novamente e aplicar a Lei de Segurança Nacional àqueles que fazem parte desse desgoverno, estes, sim, é que depredam a honra, a dignidade, e o futuro do povo brasileiro.

Everson Rogério Pavani roger.advog@gmail.com

São Paulo

*

PÁ DE CAL E VENENO

Esses neofascistas chapa-branca, bandidos, a serviço da baderna e destruição, os tais Black Bloc, precisam ser de uma vez por todas banidos dos legítimos movimentos sociais que fazem parte da democracia. Mas democracia não é a bagunça, não é a casa da mãe Joana em que se tornou este país, onde tudo pode e tudo se faz, como se as leis (ora, as leis) não existissem. Acredito que, se os governos estaduais, sob a mira do PT, não tomarem urgentes e enérgicas medidas contra esse vandalismo tosco e vazio, provarão ser, por covardia política, apenas um genérico ao que tudo aí está, mera pá de cal no que resta de civilidade e cidadania do povo brasileiro. E vai em tempo um recado: muito cuidado, PT. Como diz velho ditado popular, quando a esperteza é muita, vira bicho grande e come o dono. Não aposte no caos como arma de permanência no poder, pois haverá, num dado momento, de provar do seu próprio veneno. Será o nosso fim. Mas o seu também.

Gloria de Moraes Fernandes glorinhafernandes@uol.com.br

São Paulo

*

A IMAGEM DO DESCONTROLE

Do alto das minhas mais de sete décadas de vida, nunca imaginei que assistiria a uma viatura da Polícia Civil ser capotada e destruída por vândalos. Isso é o símbolo do descontrole, da falta de autoridade e da covardia dos agentes públicos no uso da força policial. À noite, um telejornal noticiou que o delegado que conduz o inquérito daqueles baderneiros que foram presos enquadrou-os na Lei de Segurança Nacional (LSN). Em seguida, a repórter de bancada disse "que não foi do governo do Estado a iniciativa de enquadrar estes elementos na LSN, e sim do delegado de Polícia". Ora, não me digam que o governo do Estado está achando ruim ou mesmo se eximindo de receber os louros por esta fantástica atitude deste agente da lei. Este delegado, que não sei nem o nome, deveria ser condecorado, cumprimentado publicamente e apresentado à população. Por fim, no mesmo telejornal, assisti ao momento exato da depredação da viatura policial (que era o mesmo veículo que de manhã aparecia fotografado no "Estadão") e, após as imagens, apresentaram uma entrevista do secretário da Segurança Pública dando declarações sobre os episódios de vandalismo. Foi possível perceber nitidamente que ele não sabe nada do que está acontecendo e que a situação está totalmente fora de controle. É um mero figurante em meio ao caos. Perdoe-me o governador Alckmin, mas este secretário está mais para diretor de escola do que para policial.

David B. do Nascimento davidbatistadonascimento@hotmail.com

Itapetininga

*

INCOMPETÊNCIA

É muito estranho mesmo que suspeitos agitadores, truculentos, fascistas, infiltrados em legítimas manifestações populares e democráticas, sejam de forma estranha, por assim dizer, "blindados" pela inoperante polícia de São Paulo; não sejam presos rapidamente, antes mesmo de agredirem, depredarem, quebrarem tudo, enquanto a polícia apenas sonda, sem agir, também sem nenhum projeto objetivo e dinâmico de investigação; infiltração no grupelho ou mesmo planejamento de defesa ou estratégia hábil e imediata para investigar, punir, descobrir antes, deter líderes e acabar com essa instituição criminosa de porte internacional, uma horda de verdadeiros vândalos coxinhas-Daslu. O que o secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo teria a dizer a respeito de tanta incompetência técnico-administrativa funcional a respeito?

Silas Correa Leite poesilas@terra.com.br

Itararé

*

APAGÃO MORAL

Depois do elétrico e do dos médicos, vivenciamos mais um apagão no Brasil: o moral. Os protestos pacíficos que começaram em Junho, demandando mudanças e cobrando atitudes políticas, tornaram-se um álibi para a infiltração dos Black Blocs – modinha rebelde europeia – nas ruas. Protegidos pelos "direitos humanos" e os "advogados ativistas" (?!), entre outras instituições/grupos, esses baderneiros aproveitam qualquer manifestação para protagonizar seu show de destruição. Não defendem uma causa, não querem mudanças, não lutam por melhorias nem cobram políticos. Querem apenas destruir tudo e todos. São semeadores da anarquia – aquela sobre a qual sempre lemos e ouvimos falar, mas nunca vimos de perto. E, acuada pela "falsa opinião pública", a Polícia tem temido reagir de maneira mais firme. Resultado: o vandalismo cresce em proporções desenfreadas. Pior do que a falta de ação policial é a lei, ineficiente e beneficiadora do malfeitor. Cidadão sai na rua, põe uma máscara, quebra tudo e, se for preso, sabe que sairá impune, no máximo sendo fichado pela Polícia. É o fim da autoridade. Ninguém quer autoritarismo, mas, como cidadãos de bem, queremos a manutenção da ordem e a condução dos criminosos à responsabilidade do que cometem. Típica do esquerdismo, a anarquia está fugindo até do controle deles. E logo mais atacará inclusive aqueles que a defendem – os grupos que citei acima. Aí, talvez estes acordem. Será tarde.

Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

*

É O FIM DO CAMINHO

Em meio às democráticas manifestações de protesto pacífico e ordeiro nas ruas, a reclamar um Brasil novo, continuam ocorrendo as abomináveis cenas de brutal vandalismo e destruição do patrimônio público e privado País afora, sem o devido enfrentamento combativo da força policial e das autoridades competentes à altura dos graves acontecimentos. Um verdadeiro festival de incendiários coquetéis molotov, atirados contra tudo e contra todos, provocam pânico e caos na população, impedindo o fluxo normal do dia a dia e causando profundo mal estar e prejuízos de monta à cidade como um todo. A situação está preta e ultrapassa, de longe, o limite do tolerável. Basta de baderna do Black Bloc! É pau, é pedra, é o fim do caminho.

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

DEMOCRACIAS

Em determinados momentos, fico com inveja da "democracia cubana", tão valorizada pelas nossas atuais lideranças políticas. É nojenta a "democracia brasileira" que assiste aos vândalos chapa-branca, infiltrados nas manifestações de professores ou bancários para, num arrastão, praticar sérios danos, sem que as forças de repressão atuem com rigor, retirando e punindo exemplarmente o joio do trigo. Da forma como o Black Bloc é tratado, tudo indica que as nossas lideranças estão coniventes com tais vandalismos. Que falta faz aqui a punição do "paredón" de Fidel Castro para extirpar este crescente mal infiltrado nas manifestações.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

QUEM É PIOR?

Nós temos no meio dos protestos e passeatas vândalos como Black Bloc mascarados que roubam, atacam, depredam e danificam bens públicos e privados, sem temer a polícia, pois até o presente momento estão totalmente impunes. Agora temos um mal muito pior vigente no País, que é o mar de políticos corruptos que, sem máscaras, roubam, desviam, superfaturam, atacam e dilapidam o erário, e da mesma forma, até o presente momento, impunes. Pergunto: Quem será pior para nós, entre esses dois cancros instalados e dominando?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

MAL-ESTAR GERAL

O Congresso Nacional não promoveu a reforma política até 5 de outubro e não houve convocação de plebiscito. A acentuada distância entre representantes e representados está provocando uma radicalização nas ruas porque os canais de representação estão sendo abandonados por ambos os lados. Greves se espalham pelo País, assim como os protestos de rua. Caminha-se na direção errada e há um mal-estar geral no País.

Luiz Roberto da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br

Campinas

*

PEDIDO DE AJUDA

Espero que a Agência Nacional de Segurança (NSA) dos EUA envie com urgência um relatório para a imprensa livre do Brasil informando qual o órgão oficial que faz o pagamento do Black Bloc, antes que destruam totalmente o patrimônio público e privado das duas maiores cidades do País. Nas terras tupiniquins, o serviço de informação ainda está colhendo material genético no carro que resgatou o senador boliviano, para um possível relatório que deverá ser publicado no próximo ano. Se Edward Snowden, lá da Rússia, puder dar uma mãozinha, o cidadão brasileiro agradece.

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

É TARDE

Um carro da polícia é completamente destroçado; agências bancárias, destruídas; estabelecimentos comerciais arrasados; e a nossa polícia, inerte, faz o papel de observadora atenta. Tardiamente as autoridades irão utilizar-se da Lei de Segurança Nacional para enquadrar os vândalos depredadores. Lamentável essa demora da polícia em agir, após tantos prejuízos causados por aqueles que são contra a legítima manifestação pacífica.

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

INSEGURANÇA PÚBLICA

Se os órgãos de Segurança Pública, depois de quatro meses de manifestações seguidas de quebra-quebra, não conseguiram dar um basta nesse absurdo a que assistimos mais uma vez na noite de segunda-feira passada, como vão poder coibir a insegurança generalizada em que vivemos?

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

SOBRE ABUSOS

Já havia ficado pasma quando Caetano Veloso havia apoiado as máscaras dos manifestantes que depredavam o patrimônio público. Agora, ler que a Arquidiocese do Rio, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-RJ) e a Associação Brasileira de Imprensa (ABI) estão contra a atuação da polícia em relação aos mascarados que se misturam aos manifestantes, justamente para confundir, e depredam e apavoram todos, é inacreditável. Uma coisa são os policiais que estão nas UPPs usarem de violência gratuita e que devem ser punidos. Vejam o que vem acontecendo na Universidade de São Paulo (USP). Quando das invasões passadas ninguém foi punido, e sim anistiado. NÃO pagaram os prejuízos causados aos cofres públicos, pagos com nossos impostos. Agora voltam a invadir, depredar e exigir com violência o que querem e não aceitam as regras para reintegração de posse. Estão todos confundindo autoridade com autoritarismo, e eles aproveitam. Não foi para isso que minha geração lutou contra a ditadura! No artigo de Mario V. Llosa "Direito de Decidir" ("Estadão", 29/9, A21), sobre a independência da Catalunha, ele cita o artigo de Javier Cercas, escritor e comentarista político, que bem serve para o nosso momento atual. "No artigo, Cercas explica que, numa democracia, a liberdade não implica que o cidadão pode exercê-la desrespeitando as leis que a delimitam, decidindo, por exemplo, que tem o direito de atravessar todos os semáforos no vermelho. Liberdade não significa libertinagem nem caos." Chegamos à surpreendente situação atual, em que o vandalismo cresce e se apropria da agenda das manifestações, ao passo que seus adversários são todas as pessoas de bem que se sentem impotentes, ainda mais que a polícia, ao agir, como é de sua obrigação, é criminalizada. Preciso dizer mais alguma coisa?

Tania Tavares taniatma@yahoo.com.br

São Paulo

*

BRASIL DESGOVERNADO

Os Black Blocs merecem estudo psiquiátrico. Há quem assegure que vieram de outro planeta. Pelo jeito um mundo mais louco do que o nosso. É preciso pesquisar o cérebro desses demônios. Cientistas respeitados já admitem que os "block blocs" não têm miolo. Recorrendo ao dicionário, o famoso pai dos burros, está lá: "block blocs", moleques irresponsáveis, facínoras, vândalos, marginais. Os dicionários ensinam. Tiram dúvidas. Não mentem. Já os chegados a gírias podem chamar os "block blocs" de otários, manés ou babacas. O certo é que a corja de "block blocs" veio para tirar o sossego das pessoas de bem. Ninguém de bom senso pode aplaudir, estimular ou achar bonito o enredo, o script, o papelão desses inocentes inúteis. Por mais tumultuado que seja o mundo, sem um pingo de respeito e civilidade entre as pessoas, o resultado é perigoso e melancólico: o caos e a intransigência tomam o lugar da ordem e do diálogo. Os Black Blocs estão fazendo com sucesso o dever de casa. Desafiam, com enorme sucesso, a lei e a autoridade. Agem sabendo que nada sofrerão. Acreditam que o Brasil é desgovernado. É preciso um basta nesses meliantes.

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

DIA DE ROCK

São Paulo não quer ver mais Black Bloc, e sim Black Sabbath e também manifestações pacíficas.

Alessandro Lucchesi timtim.lucchesi@hotmail.com

Casa Branca

*

MISTÉRIO NAS PASSEATAS

Qualquer cidadão sabe que as passeatas trazem consigo vândalos que assaltam e danificam lojas e agências bancárias situadas no trajeto. Exceto a polícia, pelo que se evidencia. Não dá para entender que a polícia não esteja presente nas laterais das passeatas, para deter arruaceiros, e nem nos quarteirões onde se situam as lojas e agências bancárias, para manter a ordem e dissuadir os saques, que só ocorrem na sua ausência. Um "mistério" que pode ser desvendado, analisando-se quais seriam os beneficiários – inclusive politicamente – de tal omissão. Nada difícil...

Nelson Carvalho nscarv@gmail.com

São Paulo

*

FIQUEMOS DE OLHO

Até onde esses vândalos infiltrados nos protestos de ruas não estão a "serviço" das "forças das trevas" que sonham com a volta do regime autoritário de que nos livramos há décadas? É significativa a "utilização" da Lei de Segurança Nacional para punir tais baderneiros, quando nós temos o Código Penal, que pode muito bem dar conta do recado de tais punições. Como bem alertava o ex-premiê inglês Churchill: a democracia é o pior dos regimes inventados, exceto todos os demais. Fiquemos de olho.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

CONTRA DITADURAS E DITADORES

Os protestos não saíram do controle, pelo contrário, voltaram ao controle dos que governam o País. Agora são os Black "Black" vestidos de preto, antes eram os "ativistas" vestidos de vermelho e portando inúmeras bandeiras também vermelhas. Os protestos de fato ainda continuam, apenas com nova ordem. Estamos prestes a ter de novo as Forças Armadas nas ruas, porque as polícias se tornaram aparelhos bem controlados, parte delas até dentro das cadeias. Os protestos são obras da informação (internet), que derrubaram o Muro de Berlim do comunismo soviético, estão derrubando os muros de barro das ditaduras fundamentalistas do Oriente Médio e começaram a derrubar as ditadurazinhas socialistas da América Latina, começando pelo Brasil. Com certeza os próximos serão a Argentina. O "nome das coisas" é um só: chega de ditaduras e ditadores, seja lá que cor tiverem. Agora estamos vendo dona Dilma "picar" os EUA como uma pulga puçá um elefante. Traz votos para a próxima eleição. Ainda somos idiotas para acreditar em comunistas? E dona Marina, afinal, o que é?

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

VANDALISMO E GREVE

A continuidade da greve dos bancários, dos professores e dos correios, somada ao vandalismo que vem ocorrendo em diversas capitais brasileira, onde vemos a destruição generalizada do patrimônio público e o privado, dão sinais evidentes de que algo de errado está ocorrendo em nosso país. Oxalá nossos governantes façam algo para conter os ânimos dos vândalos, caso contrário, nosso país se tornará uma terra de ninguém.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

A GREVE DOS BANCÁRIOS

Greves de longa duração, em serviços que afetam diretamente a população, são algo inconcebível. Todos os anos é a mesma coisa em relação aos bancários e tanto patrões quanto o governo (TST e MPT) cruzam os braços. Em nenhuma democracia do mundo se paralisam serviços públicos por mais de 48 horas – nestes as greves são geralmente periódicas, por 24 horas, com intervalos de dias para outra paralisação de duração idêntica. Por outro lado, países com inflação em torno de 6%, como o Brasil, não propiciam sequer possibilidade de reajuste anual automático por tal índice. Basta olharmos para todos os países em tais condições, como bem perto de nós aqui, na America do Sul. No Brasil já ganhamos anualmente uma segunda greve em bancos, quando no primeiro semestre dos anos, vigilantes fazem paralisações. Esses trabalhadores devem ter em mente que a população fica revoltada com eles, e não com os banqueiros – especialmente no caso dos bancos estatais, onde as mordomias já são exorbitantes, sem falar em greves no INSS, que prejudicam não o governo, e sim as pessoas mais humildes do País.

Heitor Vianna P. Filho bob@intnet.com.br

Araruama (RJ)

*

O BRASIL E O PRIMEIRO MUNDO

Algumas pessoas não entendem por que o Brasil, com inegáveis fontes de recursos materiais e humanos, não consegue alcançar o Primeiro Mundo. Basta ler os jornais para identificar alguns dos motivos. Na semana passada foi noticiado que, no Japão, os únicos súditos não obrigados a curvar-se diante do imperador são os professores, pois eles entendem que sem professores não haveria imperador. Na mesma semana apareceu a foto de um policial, certamente da banda podre, que se gabou nas redes sociais de ter quebrado o cassetete no lombo dos professores, em manifestações por melhores salários e condições de trabalho. Precisa mais motivos?

Carlos Gonçalves de Faria marshalfaria@hotmail.com

São Paulo

*

O DIREITO DE INDIGNAÇÃO

E mais uma vez os protestantes embrulham a carne, cujo melhor pedaço fora devorado pelo imenso leão. Enquanto isso, bandidos engravatados arrotam nosso caviar... Um slogan diz que o País é de todos, mas na verdade ele é de quem? Temos grandes hospitais, que levam até nome de importante cientista, mas é para a grande fila de um sistema lento, mal administrado e injusto que vamos. Também há grandes universidades, porém aqui quem a maioria educa é a TV, que manipula e a tudo deturpa. Nas grandes empresas, os maiores cargos dessa nova potência já estão ocupados, mas quem é essa gente? Um herdeiro, apadrinhado, alguém realmente competente? Nas ruas, muitos carros e imensos boletos rodando num trânsito cada vez mais caótico, fazendo a alegria daqueles "engomadinhos" com seus caça-níqueis de multas eletrônicas, pedágios e tudo mais. As igrejas ensinam que é normal ser triste, que tudo faz parte de um outro plano (mero engano?!). E com a desculpa de estarmos numa terra de paz e bela (mérito do Criador), outra ilusão se alimenta, pois jornais são feitos de sangue e nossos quintais são favelas. Mas somos um povo que tenta, não desistimos nunca e chegamos a crer no assumido palhaço, talvez a decepção seja menor, já que nossos supremos, com suas becas e discursos brilhantes, acabam contando a mais sem graça piada. De tudo, há quem comemore: – Vai lá, Brasil, o hexa é nosso! E a dívida também... O valor das obras para a Copa está nas alturas, os serviços e supermercado idem e o nosso salário "óh!". Tanto barulho ocasiona um pequeno e passageiro arranhão nos poderosos ilustres, que, preocupados, pedem mais espaço na mídia, inclusive em programas considerados bregas. Imagina só as figurinhas tentando nos conquistar, falando nossa língua, chegam a jurar até que gostam de farinha e ovo frito. Quanta apelação! Infelizmente, a realidade é essa, as opções continuam sendo as mesmas, sai o pilantra avó e entra o pilantra neto, e mais uma vez irão nos convencer a digitar alguns números para, depois, quando reclamarmos, dizerem que a culpa é de nós mesmos, que não temos cultura, capacidade de bem escolher e que, se estamos na pior, fazemos por merecer. O maior trabalho de tais eleitos será discutir o aumento do próprio salário, justificar suas falcatruas para a imprensa, jogar um assunto polêmico no ar, distraindo a população de um momento de cura, de lucidez (como no início dos protestos) e pensar num modo de se reelegerem. Para nós, o relógio continuará gritando às madrugadas, nos chamando para a difícil jornada, mal valorizada, nosso sono será sufocado nas caras e desconfortáveis lotações. Os finais de semana serão limitados pelo cansaço e o dinheiro escasso, e a nós mesmos atribuiremos tanto fracasso, pois vivemos num país "cada vez melhor, de oportunidades, de encantos e belezas mil", onde tudo é festa, onde nem o direito de indignar-se pode ter vez.

Marcelo Barros marceloalo@yahoo.com.br

São Paulo

*

ÔNIBUS A R$ 3,00

Depois que a Prefeitura de São Paulo resolveu manter as tarifas dos ônibus municipais em R$ 3, tendo em vista o grande número de protestos, os empresários de transportes coletivos resolveram seus problemas: diminuíram consideravelmente a quantidade de ônibus em circulação. Por exemplo, na Avenida Francisco Morato, nos poucos ônibus municipais que vão em direção ao centro só é possível embarcar após as 9 horas da manhã. Mesmo assim, uma sardinha está mais bem acondicionada em sua lata que um usuário de ônibus. É assim o modo PT de administrar a coisa pública: em São Paulo, a exemplo do que ocorre na esfera federal, a prioridade é para os empresários que financiam o PT e para o Bolsa Família que compra votos. O cidadão da classe média (B, C ou...), que é obrigado a trabalhar para sobreviver e paga os impostos mais altos do planeta, que se vire.

Marcelo Luís Zordan Bernabe zbernabe@hotmail.com

São Paulo

*

HAJA DEMAGOGIA!

O prefeito do PT cancelou o repasse da Prefeitura Municipal de São Paulo para o Metrô e está investindo em latas de tinta. Cancelou o túnel da Avenida Roberto Marinho para a Imigrantes para construir casas para os favelados invasores da região. O contribuinte de classe média, que paga toda essa conta, agora vai colaborar com mais 30% de IPTU. Se isso é democracia, então é uma m...

Frederic Stiebler Couto fred@programma.com.br

São Paulo

*

PRÊMIOS NOBEL

Foi divulgado o Prêmio Nobel de Física, que contemplou dois cientistas (um belga e outro britânico) que pesquisaram o "bóson", apelidado de "partícula de Deus". Toda vez que vejo o assunto Prêmio Nobel fico chateado por lembrar que até hoje brasileiro algum conseguiu ganhar um, porque os cientistas que conseguem essa honraria, em sua quase totalidade, são de países de Primeiro Mundo, onde o nível de educação é tal que nós, brasileiros, estamos distantes – e isso explica nossa falta de prêmios. Difícil de engolir nossa mediocridade em ciências que fazem a humanidade progredir, mas porque não nos interessarmos por tais prêmios, afinal, aqui é o país do futebol, do samba, do carnaval e da corrupção, no que em geral somos imbatíveis. Vivemos de "heróis" do esporte, como foram ontem Pelé no futebol, Fittipaldi, Piquet e Senna no automobilismo e pode ser que agora, com Messi meio "baleado", talvez Neymar leve o prêmio de melhor futebolista do mundo pela Fifa e encha de orgulho o peito do brasileiro. Afinal, nos contentamos com pouco. Também pode ser que amanhã criem um Nobel para a corrupção (que disfarçamos apelidada de "jeitinho") e daí não terá para ninguém, tamanha é a quantidade de governantes brasileiros mestres em tal "ciência".

Laércio Zanini arsene@uol.com.br

Garça

*

FÍSICA OU REALITY SHOW

Três cientistas descobrem a "partícula de Deus" após anos e anos de pesquisa, são laureados com o Nobel de Física de 2013 e vão dividir prêmio de US$ 1,2 milhão. Enquanto isso, por aqui, terra virgem de Nobel, em programas de gosto duvidoso, onde casais de desocupados se meneiam lascivamente na cama por algumas semanas, a TV brasileira agracia essa gente com valores até maiores que esse, se considerarmos o total de benesses distribuídas. Só na Banânia mesmo.

Joaquim Quintino Filho jqf@terra.com.br

Pirassunuga

*

MISTÉRIOS

Estariam Englert e Higgs, cientistas belga e britânico, ganhadores do Nobel da Física, pela descoberta da "partícula de Deus", tentando desvendar os mistérios do Todo-Poderoso?

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

EXPRESSÃO EQUIVOCADA

Um clima de vitória de final de Copa do Mundo refletiu a euforia dos cientistas na Real Academia Sueca de Ciências. Afinal, as teorias científicas existem em profusão, mas somente são reconhecidas como verdadeiras as que passam por experimentos – a exemplo do sofisticado acelerador de partículas que confirmou a presença no universo dos "bósons de Higgs". Só não se justifica, e a comunidade científica, a partir do próprio Higgs, critica o fato de nominar-se o objeto da descoberta como "partícula de Deus". Conforme mencionado na matéria produzida pelo "Estado", o mundo intrincado e misterioso da Física só restou exposto concludentemente em 5% do universo. Em futuro ainda distante, quando o todo (mais 95%) estiver posto ao alcance induvidoso da inteligência humana, estaremos credenciados, eventualmente, a falar não em mundo, mas em universo de Deus. Ou desconstruiremos um arquétipo que acompanha o homem desde o princípio da humanidade. Enquanto isso, a fé não perde seu lugar na consciência humana.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

‘PARTÍCULA DE DEUS’

Com a premiação do Nobel de Física para o bóson de Higgs, tenho a certeza, sem nenhum medo de errar, de que, se Deus existe, certamente ele é agnóstico.

Carlos Laue Jr. bibalaue@volny.cz

São Paulo

*

BÓSON DE HIGGS

Até quando o "Estadão" vai ofender a inteligência de seus leitores ao usar a expressão "partícula de Deus" para se referir ao bóson de Higgs? Como se sabe, nada há de religioso na descoberta, esse estúpido e inconveniente apelido vem de um editor espertalhão que viu no seu uso a chance de aumentar as vendas do livro que publicava sobre o tema, nada além disso. Misturar Deus com ciência neste caso dá aos leitores a falsa impressão de que as descobertas da área estão aproximando o homem da comprovação da criação divina, quando, na verdade, é exatamente o oposto. Ou será que a descoberta do bóson indica que viemos do barro?

Paulo Eduardo Ribeiro pauloribeiro@locall.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.