Fórum dos Leitores

GOVERNO DILMA

O Estado de S.Paulo

11 Outubro 2013 | 02h06

Inflação em alta

O País vai muito bem, obrigado - é o que não se cansa de exaltar a presidente Dilma Rousseff. Os fatos, porém, comprovam com evidência que o Brasil não está no rumo certo, como nossa presidente tanto alardeia. A taxa básica de juros (Selic) pode atingir dois dígitos, como aponta o Comitê de Política Monetária (Copom), estratégia elaborada para uma possível contenção da inflação, o que, infelizmente, não vem ocorrendo. Enquanto o governo federal não frear o esbanjamento de dinheiro com despesas supérfluas, tais como excessiva propaganda de estatais e ampliação de suas políticas paternalistas, nada de positivo deverá ocorrer na esfera econômica no Brasil. O ano que vem será de eleições e o partido que detém o poder vai pretender sua permanência a qualquer custo, jogando mais dinheiro pelo ralo. As consequências futuras poderão ser danosas. Aguardemos.

FRANCISCO ZARDETTO

fzardetto@uol.com.br

São Paulo

Economia desastrosa

Há muito tempo os economistas vêm dizendo que a política econômica do governo Dilma é um somatório de erros. O Brasil é o país que tem a maior carga tributária e depois da última reunião do Copom, que elevou a taxa Selic para 9,5%, somos também o país que tem os juros mais altos do planeta. Sem contar que a banda larga mais cara do mundo é a nossa. A explicação para juros altos é conter a inflação. O bolso do cidadão já está sentindo as consequências desse desastre. Lula e Dilma inventaram os truques para aumentar o gasto público e a dívida total. Os sintomas negativos são a inflação mais alta, o baixo crescimento, a falta de investimentos (pela desconfiança do setor privado e pela ineficiência do setor público), o custo Brasil recorde, a situação delicada de estatais como a Petrobrás e as elétricas... Afinal, quem ganha com isso? Com toda a certeza, o trabalhador contribuinte não é.

IZABEL AVALLONE

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

Vontade política

Quando o Banco Central era um pouco mais independente, no passado recente, toda vez que os juros eram majorados nosso glorioso ex-presidente Lulla I e último, se Deus quiser, dizia que faltava vontade política para baixar ou manter a taxa. Com o Copom sendo obrigado a aumentar a Selic para tentar levar a inflação não ao centro da meta, pois, para os petralhas, o teto de 2 pontos para cima é convenientemente aceito como "ainda dentro da meta", gostaria de ouvir nosso ex-presidente. E agora José, ou melhor, Luiz Inácio? A economia continua patinando, a inflação galopando e nós vamos sobrevivendo... Marina Silva, Eduardo Campos e Aécio Neves têm muito o que explorar na propaganda política de 2014.

RENATO AMARAL CAMARGO

natuscamargo@yahoo.com.br

São Paulo

CORRIDA ELEITORAL

A raposa e as uvas

O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, como que descobrindo o segredo do "ovo de Colombo", disse que no Brasil ninguém vota em vice, menosprezando a aliança Marina-Campos. Realmente, nossa legislação eleitoral não prevê candidatura isolada para tal cargo, que, no caso presente, é inerente à do candidato à Presidência da República Eduardo Campos, que acolherá Marina Silva como sua vice, segundo informa a mídia. Assim, votando no candidato presidencial, o eleitor automaticamente vota no seu vice. Isso é tão corriqueiro, tão pueril que a declaração do ministro não produz efeito político algum. Mas há um ponto importante que o sr. ministro parece ignorar: um candidato a vice politicamente bem credenciado, como Marina, levará para a sua chapa uma quantidade de votos que pode decidir a eleição. No caso em tela, poderão ser os 20 milhões que ela obteve em eleição anterior para presidente. Sr. ministro, "quem não se comunica se trumbica"!

ANTONIO BRANDILEONE

abrandileone@uol.com.br

Assis

O direito de falar bobagem

O ministro das Comunicações se trumbicou. Tentando desconstruir a campanha Marina-Campos, afirmou que "ninguém vota por causa de vice". Isso é um tremendo desrespeito à memória do empresário José Alencar, vice-presidente durante os primeiros mandatos do governo petista. Creio que os anões estão na situação, e não na oposição.

FLAVIO MARCUS JULIANO

opegapulhas@terra.com.br

Santos

Desapontamento de quem?

O PT está empenhado em mostrar as "contradições" da união Marina-Campos. Seu secretário-geral vê "incoerências que decepcionaram militantes da Rede". O PT fala de cátedra: depois de ter articulado e se empenhado no impeachment de Fernando Collor, recebeu-o com festa e o tem como fiel aliado. Paulo Maluf, o "nefasto", segundo Marta Suplicy, também é importante aliado do petismo. Por outro lado, algum desses porta-vozes tinha intenção de votar em Marina?

MARIO HELVIO MIOTTO

mhmiotto@ig.com.br

Piracicaba

Incoerências

A entrevista do ex-prefeito Gilberto Kassab ao Estadão (10/10, A8) está repleta de incoerências. A que mais se destaca é a de que vai caminhar com o PT - partido que sempre o atacou durante sua gestão na Prefeitura - no cenário nacional e apoiará a reeleição de Dilma. Pela entrevista, caso se candidate por seu partido (PSD), apoiado pelo PT, ao governo do Estado de São Paulo, a derrota será fragorosa, porque o paulista não suporta mais corrupção, impunidade e incompetência, símbolos dos petistas.

JOSÉ WILSON DE LIMA COSTA

jwlcosta@bol.com.br

São Paulo

Apoio ao PT

Não foi Kassab que declarou que o "PSD não será de direita, de esquerda, nem de centro"? Agora é "de cima", onde está a mamata?

OMAR EL SEOUD

elseoud@usp.br

São Paulo

Arrependimento

Kassab vai apoiar a presidenta? Que falta faz o recall... Ele já teve meu voto, agora teria meu veto!

GILBERTO DIB

gilberto@dib.com.br

São Paulo

Estratégia

Agora deu para entender a estratégia de Kassab para se manter na política e se aproximar do PT. Ao relaxar a administração da cidade no último ano de mandato, garantiu a eleição do inexperiente Fernando Haddad, que tem como único objetivo infernizar a vida dos motoristas que usam seus veículos como condução.

JOSÉ MILLEI

millei.jose@gmail.com

São Paulo

*

A ECONOMIA EM 2014

Segundo as projeções do Fundo Monetário Internacional (FMI), o Brasil terá o menor crescimento entre os países emergentes em 2014. A previsão para 2013 foi mantida em 2,5%, enquanto a previsão de crescimento da Índia para 2013 será de 5,1% e a da China, 7,6%. De que cor a presidente Dilma vai pintar a economia do Brasil? Em tempos de eleição, costuma-se carregar nas tintas. Os números estão postos. O Brasil tem como causa do baixo crescimento uma infraestrutura insuficiente, além de questões regulatórias. O marqueteiro de Dilma vai se esmerar para colorir o PIB brasileiro. Como a maioria dos eleitores nem sequer sabe o que significa PIB, não será difícil convencer a massa de que o baixo crescimento nada tem que ver com desemprego, com alta da inflação e com a piora dos serviços essenciais. Pobre Brasil, país rico é país sem corrupção e, nesse caso, estamos longe da riqueza, porque os homens eleitos para nos representar estão cuidando de suas contas e de seus lucros. Para o contribuinte, impostos cada vez mais altos para sustentar a facção que tomou conta do País.

Izabel Avallone

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

QUE FALEM MENOS

Segundo o FMI, e para calar as bocas da presidente Dilma e do ministro Mantega, ano que vem, 2014, nosso pibinho será o menor entre os países emergentes. Quem sabe agora eles falam menos e trabalham mais.

Arnaldo de Almeida

Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

CONTRA A CONTABILIDADE CRIATIVA

O FMI fez uma análise das contas públicas para 2014: crescimento, investimentos e arrecadação em baixa, gastos governamentais e inflação em alta. A presidente, embora arrecade muito mais do que seria justo, gasta muito mais do que arrecada. Os gastos públicos são crescentes, principalmente com a folha de pagamento dos servidores, superando a arrecadação. Se governos incompetentes e marqueteiros tivessem os mesmos parâmetros da iniciativa privada, a assembleia de acionistas já os teria posto no olho da rua. Mas os espertos eleitores são capaz de dar-lhe mais um (des)mandato. E depois as louras é que levam a fama.

Mario A. Dente

dente28@gmail.com

São Paulo

*

JUROS MAIS ALTOS

Pela quinta vez seguida, o Banco Central (BC) elevou a taxa básica de juros em 0,5%, passando para 9,5% ao ano. Com esse aumento, o Brasil volta a ter o maior juro real do mundo, que, descontada a inflação, fica em 3,5%. Quando Dilma irá anunciar essa proeza em rede nacional de televisão? Irei aguardar ansiosamente esse pronunciamento. E espero também que o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, o único da equipe de Dilma que ainda tem um pouquinho de credibilidade no mercado financeiro, consiga convencer a nossa digníssima "presidenta" de que somente com o aumento da Selic não vai ser possível resolver o problema inflacionário brasileiro. Ela precisa começar a fazer um pouquinho da lição de casa e cortar um pouquinho dos gastos públicos. Caso contrário, o Brasil vai cair da prancha de surf e vai morrer afogado nas ondinhas da marolinha.

Maria Carmen Del Bel Tunes

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

O PESO DA INFLAÇÃO

A inflação no acumulado do ano mostrou uma pequena queda, mas, mesmo assim, a taxa básica de juros subiu, o que é uma incoerência, pois se a inflação estivesse realmente em declínio não haveria razão para o aumento na taxa básica de juros. É que, melhor do que ninguém, o governo sabe que essa queda da inflação é totalmente artificial, causada pelo represamento de preços por ele administrados, como a energia, a gasolina, os pedágios, os transportes e por aí afora. É a política do "vamos enganar os trouxas". Pela frente, alardeiam uma queda da inflação maquiada, mas, por trás, aumentam os juros para segurar o dragão, que cada vez está botando mais fogo pelas ventas.

Ronaldo Gomes Ferraz

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

A CAIXA A SERVIÇO DO PT

Se o objetivo do mensalão era fisgar o crédito político dos aliados e arrebatar votos para o PT nas urnas, a Caixa Econômica Federal (CEF) é utilizada irresponsavelmente pelo Planalto para que financie seus clientes no Minha Casa, Minha Vida e em outros programas envoltos em demagogia institucional, com altos riscos nos créditos concedidos, como demonstrou o "Estadão" (6/10, B1). E não é pouca coisa! Os números apontam para um prejuízo do Tesouro em torno de R$ 2,9 bilhões até 2016. Documentos obtidos pelo citado jornal indicam que o possível calote sobre financiamentos concedidos nesses programas poderá chegar a até 50,57%. Esse vergonhoso uso da Caixa Econômica para fins políticos caracteriza um subsídio a um programa de governo, que a Lei de Responsabilidade Fiscal não autoriza. Ou seja, é crime eleitoral de primeiro grau! Porque, no início do programa Minha Casa Minha vida, a Caixa e o Planalto se recusaram a explicar como os subsídios seriam bancados. Lógico é que os petistas criaram essa fonte de financiamentos com recursos dos contribuintes para se aproximar dos eleitores de baixa renda, das classes C e D, assim como fazem com o clonado programa Bolsa Família, originalmente conhecido por Bolsa-Escola, criado por FHC. Ou seja, o desvio de conduta ética nesta era petista é de toda ordem, e descarado. Mas com possível data de validade. 2014 é o seu limite. Estamos até orando para que assim seja...

Paulo Panossian

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

CRÉDITOS PODRES

Caixa (CEF) ignorou análise técnica interna ao bancar o Minha Casa Melhor. É revoltante ler esta manchete e tomar conhecimento de que quase R$ 3 bilhões poderão ir para o ralo em nome de mais um negócio de puro oportunismo eleitoreiro do governo, para garantir mais quatro anos para a presidente Dilma Rousseff. Ninguém, com certeza, será responsabilizado por mais este rombo que o Tesouro terá de suportar. Em qualquer outra instituição financeira, não atrelada às "financeiras" do governo, leia-se, CEF, Banco do Brasil, BNDES, os responsáveis já estariam no "olho da rua". Qualquer concessão de crédito sem observar a boa técnica bancária, ou seja, cadastro organizado, avalistas, garantias reais, constitui falta grave e o autorizador do empréstimo punido severamente. Mas, trabalhar com o nosso dinheiro, fazer sombra com o chapéu alheio é muito fácil, tanto que, mesmo alertada por técnicos do próprio banco quanto ao potencial de perdas, a direção da CEF, com certeza, subserviente a superiores, concedeu os créditos que, de acordo com a análise técnica, serão de difícil recebimento. Que tal um cartão vermelho à presidente e a todos os seus paus mandados, por mais este ato de irresponsabilidade?

Sérgio Dafré

sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

*

POR UM PROJETO MAIS BARATO

Embora tenham surgido argumentações provenientes de instituições de respeito na área de mobilidade urbana, assinadas por profissionais técnicos competentes, o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, nunca se dispôs a debater seriamente com a sociedade e com as comunidades afetadas o problema da demolição da Avenida Perimetral. Levando em consideração o delicado momento de protestos na cidade, infelizmente acompanhados às vezes por vandalismos impunes, exigindo, entre outros pleitos importantes, mais investimentos na qualidade da educação, seria de todo aconselhável que a administração municipal, numa corajosa contramão na via de arrogância que caracteriza nossos governantes, reveja suas prioridades de gastos públicos. Se a recusa para essa atitude se basear, como é provável, na limitação de tempo de mandato, fica demonstrado o fato evidente, mas lamentável, de que o foco não são os investimentos que deveriam ser contínuos, visando ao interesse público, mas os ganhos políticos, o que demonstra o baixo grau de maturidade da nossa classe política, na medida em que direciona seus esforços às ascensões individuais. Se a remoção da importante via é justificada pela prefeitura com base em considerações estéticas, que tal mobilizar sua eficiente equipe de arquitetos e urbanistas a fim de formular um projeto mais barato e suficientemente debatido, que aperfeiçoe seu funcionamento e torne a região mais bela e funcional, mesmo que a execução atravesse vários mandatos, como acontece com as metrópoles do Primeiro Mundo?

Paulo Roberto Gotaç

prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

PROTESTOS

O protesto pacífico e ordeiro é bem-vindo. O que não pode é a cada passeata de protesto se infiltrarem vândalos que não têm nenhum compromisso com o protesto. Mascaram-se, escondendo o rosto covardemente, com o intuito de quebrar e vandalizar. Contra estes a mão da polícia e da Justiça tem que ser forte. Direitos humanos são para humanos, não para estes vândalos.

Panayotis Poulis

ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

BLACK BLOCS OU RED BLOCS?

"Follow the money" (siga o dinheiro). "Cui bono" (a quem beneficia). Podemos fazer "o diabo" na hora da eleição. Se juntar todas as afirmações acima, e sabendo dos custos para pagar internet, celular (a mais cara tarifa do mundo) para se comunicar, gasolina, também das mais caras do mundo, transporte, alimentação e vestuário, não deve ser difícil identificar quem está por trás dos manifestantes violentos. Só mesmo no Brasil é que o crime com hora e local marcados não é impedido pela polícia.

Luiz Nusbaum

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

ELIMINAÇÃO DA BADERNA

Não se pode aceitar em regime democrático que ocorra o desenvolvimento impune da baderna e do caos em manifestações públicas, como as ocorridas recentemente em São Paulo e Rio. A lei federal que prevê punição sensível para o delito de associação criminosa merece ser aplicada, desde que as pessoas realizem atos de vandalismo ou se associem para realmente perturbar a ordem pública, como nas atuações dos Black Blocs. Entretanto, a aplicação indevida de leis, como é o caso da Lei de Segurança Nacional, tornará a defesa dos indiciados muito fácil, porque, na verdade, a nação não corre perigo em sua segurança, mas sim os cidadãos e os patrimônios público e privado, comportando, pois, os comportamentos agressivos, inclusive os que se referem à destruição de veículos públicos, a aplicação da vigorante lei de associação criminosa, cujo tipo legal apreende perfeitamente as atuações agressivas e injustificadas dos grupos de baderneiros, cuja associação é endereçada para a realização de danos e de conturbações da ordem pública.

José C. de Carvalho Carneiro

carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

MOTIVAÇÃO POLÍTICA

O que fica muito evidente para a população impedida de ir e vir, a pé, de ônibus ou de carro, e com medo de andar nas ruas em locais de "manifestações", é que a ação dos vândalos Black Blocs tem motivação política. Substituíram os ataques do PCC pelos ataques e saques de vândalos aloprados, que estão fazendo o diabo em São Paulo e no Rio de Janeiro. Black Blocs nunca protestam contra médicos cubanos, o aumento de impostos ou os embargos infringentes que favoreceram mensaleiros. Não é nada difícil concluir quem está por trás deles.

Maria Cristina Rocha Azevedo

crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

A QUEM ELES SERVEM?

Por que os baderneiros apelidados Black Blocs só agem em São Paulo e no Rio, duas cidades de maior importância no País e não administradas pelo PT? A quem interessa e quemfinancia as atividades desses desordeiros? Por que não vão a solenidades onde discursa o presidente Lula (ainda é), para vaiar e cobrar dele o escândalo do "mensalão"? Por que não fazem o mesmo diante da presidente criatura, para exigir dela respostas pelas muitas irregularidades ocorridas no PAC, o maior programa de obras do País e do qual era sua gerente? Por que jamais foram fazer protestos em frente ao STF quando do julgamento do "mensalão"? Por que não cobram do governo PT as facilidades para os financiamentos que o BNDES fez ao falido empresário das empresas X, que ao que tudo indica dará um prejuízo bilionário ao País? Pois é, como as desordens desse grupo de terroristas causa imenso desgaste político aos atuais governadores paulista e carioca, quem lucra com essa situação? Só mesmo ignorantes elevados ao cubo ainda não perceberam que o maior beneficiado é o PT, cujo projeto maior é manter a presidência do País, e falta apenas a tomada desses dois Estados para completar sua República de Lulândia. Quem viver verá!

Laércio Zannini

arsene@uol.com.br

São Paulo

*

AMBIÇÕES IMEDIATAS

Notaram que os auto denominados Black Blocs só atacam em São Paulo e Rio, onde os petralhas concentram suas ambições políticas imediatas? Fica evidente que os mascarados e covardes Black Blocs são uma invenção fascista do PT e aliados fascistoides para inibir as multidões de irem às ruas protestar, como em junho, legitimamente contra o fracasso rotundo de todas as suas políticas. Cadeia neles, pois. Vê se acorda de sua letargia, Alckmin.

Renato Pires

repires@terra.com.br

Ribeirão Preto

*

LONGE DOS LOBOS

A liderança das manifestações de algumas categorias que estão em greve ou pretendem entrar em greve deve pensar em uma mudança radical na forma, horário e quantidade de manifestantes. Se os professores do Rio de Janeiro estão em greve, por uma justa razão, e querem o apoio da população, devem se reunir em grupos de no máximo 20 pessoas, portando faixas e placas, aproveitando o fechamento dos semáforos das maiores avenidas, e circulem entre os carros. Com certeza pelo comportamento exemplar e pela mensagem clara terão o apoio da população e não criam as condições ideais para a quadrilha chapa-branca, os Black Blocs, agirem, pois precisam de uma multidão, escuridão e do medo dos manifestantes, que poderiam muito bem, sendo milhares, massacrar uma centena, mas, não tendo a mesma índole, foge assustada e a sua fuga precipita os acontecimentos. Protestar é fácil, é preciso, é democracia, exercício de cidadania, mas devem também fazer de modo inteligente. Cem grupos de 20 pessoas têm como se comunicar com a população de forma fácil, segura e longe dos lobos de Brasília.

Luiz Ress Erdei

gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

O BRASIL AGONIZA

Mais que Fernão Dias no poema de Bilac, o Brasil agoniza sem esperança. A baderna está instalada e o governo nada faz. Os mais velhos já estão vendo reprise dos fatos - e não são simples vândalos se divertindo, pois essa gente não faz nada de graça, alguém os está patrocinando. Quem e com qual intenção, senão a de trazer a instabilidade ao País? O sistema não inova, se repete - assim foi em 1964, assim foi no advento do nazismo (confirmado por um amigo alemão). O fato se repete após 50 anos quando a sociedade clamou pelos militares e, obviamente, hoje não querem ser novamente execrados, apesar de já se ter transformado numa questão de segurança nacional. Mas naquela época havia líderes para levantarem a voz em defesa do povo em geral, mas hoje, só levantam a voz para defender favelados e parasitas da Bolsa Família, já que esses dão voto. Aos demais, desprezo e tapa na cara - pelo visto parece mais desespero de causa.

João Roberto Gullino

jrobertogullino@gmail.com

Petrópolis (RJ)

*

IGUAIS PERANTE A LEI

Todos são iguais perante a lei. Se toneladas de remédios vencidos são jogadas fora, os culpados devem sair algemados. Se toneladas de comida são jogadas fora, os culpados devem sair algemados. Se toneladas de livros estragam e são jogados fora, os culpados devem sair algemados. Se lojas, agências bancárias, consulados, bancos, prefeituras, Câmara de Vereadores e palácio de governo são depredados, os culpados devem sair algemados.

Luiz Roberto Da Costa Jr.

lrcostajr@uol.com.br

Campinas

*

DIFÍCIL EQUILÍBRIO

Nas primeiras manifestações de junho, a ação da polícia foi definida como truculenta, ditatorial, exagerada, etc. Agora, como os protestos estão cada vez mais violentos e a polícia mais assiste do que age, estão sendo chamados de coniventes, permissivos e cúmplices por omissão. Temos de entender que a Polícia Militar está de mãos atadas devido à lei, que é fora da nossa realidade. Que adianta prender, se no outro dia a justiça solta? Se é para ressuscitar antigas leis, a primeira deveria ser usando máscara fora do carnaval, o sujeito seria conduzido para a delegacia pelo menos para dar explicações. Tudo dentro da lei, é claro.

Sérgio Aparecido Nardelli

sergio9@ig.com.br

São Paulo

*

QUEBRA-QUEBRA

Fácil acabar com esta quebradeira: proibindo ônibus de circular e agências bancárias de funcionar. Eles são sempre os primeiros a serem destruídos... só podem ser eles! Ops, esqueci as joalherias.

Jacques Germano

jacques.germano@gmail.com

São Paulo

*

VALE TUDO

Ideli Salvatti, ministra das Relações Institucionais, utilizou, em Santa Catarina, helicóptero do Samu cuja única e exclusiva utilização é para remover pacientes resgatados em acidentes e tragédias - portanto, mesmo sem ser utilizado para a finalidade, deve ficar de prontidão 24 horas por dia, pois esses acontecimentos não são previsíveis. Vale lembrar que ela fez tal utilização em Santa Catarina, sua base eleitoral. Porém, em sua defesa, alegou que o uso da aeronave foi com anuência da Polícia Rodoviária Federal, tão irresponsável como ela por não terem tido bom senso, muito menos critério, para analisar a falta que a aeronave poderia causar.

Angelo Tonelli

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

SINTOMA

Só num governo doente ministros se deslocam em viaturas de resgate...

A.Fernandes

standyball@hotmail.com

São Paulo

*

DE VOLTA AO BOLSO DOS CORRUPTOS

Ineficiente, decepcionante e lerda, a Justiça brasileira é incapaz de recambiar US$ 28 milhões que estavam depositados na Suíça. O país receptor já disponibilizou o dinheiro e aguarda decisão da Justiça do Brasil. O que é mais revoltante é que esse dinheiro desviado foi produto de um esquema indecoroso de corrupção, denominado "propinoduto", que envolvia fiscais federais corruptos ligados ao governo de Anthony e Rosinha Garotinho, do Rio de Janeiro. Em razão dessa lentidão, corre-se o risco de que o dinheiro possa ser devolvido aos corruptos. Só nos faltava mais essa! Quão decepcionante é a atuação de nossa Justiça, onde juízes são abonados com robustas mordomias, muitas vezes incompatíveis com a morosidade dos serviços que prestam à população.

Francisco Zardetto

fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

MENSALÃO SUÍÇO

A Suíça ameaça devolver US$ 28 milhões a condenados no Brasil por corrupção e outros delitos. Alegam que a Justiça brasileira está muito lenta para decidir a questão. Esse arremedo de decisão está me parecendo um erro justificando outro. É no mínimo absurda tal interpretação. Tenho a impressão de que os juízes suíços andaram estagiando no Brasil.

Paulo H. Coimbra de Oliveira

ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro

*

UM PAÍS SÉRIO

A lentidão da Justiça brasileira pode fazer com que cerca US$ 28 milhões que estão bloqueados na Suíça acabem retornando aos bolsos de condenados por corrupção, lavagem de dinheiro e quadrilha no caso que ficou conhecido como "propinoduto", que envolvia fiscais das receitas federal e estadual do Rio de Janeiro, entre eles Rodrigo Silveirinha - ligado aos ex-governadores Anthony e Rosinha Garotinho. E ainda tem gente dizendo que este é um país sério? Só se for na área da corrupção.

Alice Baruk

alicebaruk@bol.com.br

São Paulo

*

SUÍÇA ATREVIDA

Absolutamente inaceitável a intromissão nos assuntos internos de um país soberano. Como a Suíça se atreve a cobrar a definição de um caso, que já dura uma década e está parado no STJ? O governo brasileiro foi eleito de forma democrática e não irá tolerar ter sua incompetência questionada por quem quer que seja. O Brasil irá pegar em armas para defender a corrupção e a incompetência de seu governo.

Mário Barilá Filho

mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

PRENDE E SOLTA

Só dá ladrão em todos os setores administrativos do País, assim não dá mais. Agora, mais uma vez, é no Ministério do Trabalho (não bastava o Lalau). Eu só queria entender como essa gente que rouba o povo brasileiro dribla a Receita Federal, que, diga-se de passagem, é eficientíssima no combate à sonegação, com os olhos e as garras da harpia sobre todos nós, cidadãos comuns. Esses corruptos compram mansões, carrões, uma ilha inteira e até helicópteros, têm grandes depósitos bancários e dinheiro vivo à beça, e ninguém vê? Só quando a Polícia Federal prende a quadrilha é que tomamos conhecimento da roubalheira. E a novela continua, a polícia prende e a "Justiça" solta. Até quando vamos tolerar esse circo?

Carlos dos Reis Carvalho

bigcharles020@gmail.com

Avaré

*

DANOS MAIORES

Contra a corrupção não há meio-termo: ou você é a favor ou é contra! Não existe meia corrupção. Os políticos e funcionários públicos corruptos são muito mais danosos à Nação do que criminosos como Fernandinho Beira-mar. Eles roubam muito mais, drenam o sangue dos que dependem dos órgãos da saúde e mantêm na ignorância os que mais precisam, comprometendo o futuro do País.

Eugênio José Alati

alatieugenio@gmail.com

Campinas

*

NOSTALGIA

Vendo como os nossos corruptos de hoje roubam descaradamente e deixam de realizar as obras prometidas, não usando nem parte do recurso para completá-las, fica-me (vejam em que ponto chegamos) uma certa nostalgia dos antigos políticos que, como se dizia, roubam, mas fazem...

Valdir Pricoli

cambuci@yahoo.com

São Paulo

*

CORRUPÇÃO

No momento em que você, leitor, lê esta carta, uma enorme quantia de dinheiro público está sendo desviada (roubada) sob diferentes formas: superfaturamento de obras e compras, salários de funcionários fantasmas, supersalários e tantas outras formas. Isso está ocorrendo nas autarquias dos governos federal, estaduais e municipais, ministérios, Congresso, Câmaras Municipais, Poder Judiciário, etc., etc., etc. Esse dinheiro todo seria suficiente para transformar nosso país em algo decente, com um futuro promissor e poderoso. No entanto, chegamos a tal nível e abrangência de corrupção que não sei se temos condições de reverter esse danoso processo. O Brasil está sendo destruído. Esse tipo de desvio, sempre acobertado e com envolvimento de deputados, senadores, apadrinhados políticos, sindicatos, ONGs, etc., não causa mais medo em quem o pratica. Há sempre uma porta aberta no Congresso, nas Assembleias Legislativas, nos Ministérios e gabinetes do Poder Executivo, em todas as esferas, além da conivência da Justiça. É este país que queremos?

André L. Coutinho

arcouti@uol.com.br

Campinas

*

CLANDESTINOS

O presidente do Senado, Renan Calheiros, cujo sujeito poderia ser alvo de adjetivos depreciativos ao longo de páginas, quer barrar a criação de novas Siglas (6/10), dizendo do alto da sua arrogância e cinismo que é ruim para a democracia a pulverização de partidos, uma vez que o eleitor perde identificação ideológica. Isso faz tempo que já não existe, nobre senador, e quem destruiu foram vocês mesmos. Não preciso retomar toda a História desde 2003, com os comunistas da igualdade se corrompendo em nome do capital, que ironia! É repugnante ver petistas abrindo suas bocas cheias de dentes. Muito bem. Vocês, de Brasília, não representam mais ninguém, tão só seus lacaios, iletrados e bestializados. Como a nossa democracia é uma "puta", aqui se torna terreno fértil para empresas inescrupulosas investirem e se instalarem, no roldão das fraudulentas licitações. Assim, a nossa "democracia", que permite a libertinagem social e política, caminha diretamente para o inferno. Neste contexto, a proibição de novos partidos é uma afronta à democracia, que este nobre senador diz querer proteger. Diz que devemos combater esta prática de pulverização política, mas não fala em combater a corrupção. Sendo assim, vendo a deterioração do Congresso dia após dia, a ingovernabilidade do Estado brasileiro e o cinismo (que aos meus olhos é o pior e mais perigoso dos crimes que eles andam cometendo, porque contra isso não há justiça, tão só ódio e sede de vingança), a única alternativa para aqueles que não se veem mais representados é a clandestinidade

Luiz Fabiano Alves Rosa

fabiano_agt@hotmail.com

Antonina (PR)

*

A INÉDITA PROIBIÇÃO

Estranhamente é muita coincidência a noticiada imediata aprovação no Congresso da matéria proibindo a criação de novos partidos, imediatamente após a (acho) inédita recusa da inscrição do partido de Marina Silva, por falta de assinaturas mínimas e com tantas assinaturas não aceitas. E ela, uma provável candidata a presidente da República, com extrema aceitação popular.

Nilton de Freitas Guimarães

nfguimaraeseo@gmail.com

Rio de Janeiro

*

‘NINGUÉM VOTA EM VICE’

O ministro Paulo Bernardo falou e disse: No Brasil ninguém vota em vice. Sempre haverá a primeira vez, caro ministro. O dia em que o povo brasileiro puder votar em partidos que respeitem ideologias, metas e programas e não em populistas oportunistas, estaremos livres de postes, incompetências e irresponsabilidades tão comuns ao governo que aí está.

Victor Germano Pereira

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

A ‘COMPETÊNCIA’ PETISTA

O editorial "O problema dos portos" (10/10, A3) abordou um dos mais constrangedores nós de nossa infraestrutura logística: os equívocos relacionados ao sistema portuário nacional. Também matéria da mesma edição, Dilma - que fará campanha para reeleição com Lula a tiracolo - está em "fase de beijos", enquanto o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, analisando a chapa Eduardo Campos-Marina Silva, já antecipa que no Brasil "ninguém vota em vice", minimizando o temor com um adversário que precisará ser muito efetivo para contrabalançar todas as promessas demagógicas que o "40º ministro" (João Santana) já está preparando para 2014. Seria bom que o governo do PT demonstrasse, para administrar o País, a perspicácia e competência sempre exibidas quando o assunto são eleições. Mas nem assim teria meu voto.

Silvio Natal

silvionatal49@gmail.com

São Paulo

*

RECONHECIMENTO INTERNACIONAL

Finalmente o mundo reconheceu os "valores" brasileiros. Não são só os espiões que vêm aqui procurá-los, e mesmo com os equipamentos moderníssimos não os encontram nos nossos setores públicos, origem da raiva presidencial. Agora, abertamente, a humanidade dá demonstração de reconhecimento do conceito de um político brasileiro e o incontestável respeito que têm por ele. Nosso vice-presidente, Michel Temer, recebeu em 8/10, na Feira de Frankfurt, uma enorme vaia, assistida também por brasileiros que lá estavam e amplamente comentada no Facebook. Aparentemente, nossos patrícios não gostaram do que viram, mas concordam que a fama e o correto conceito do político brasileiro já cruzou fronteiras e não se situa apenas em eventos no Brasil, com a presença de Lula ou Dilma, o que, aliás, já se tornou um costume.

Fabio Figueiredo

fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

DECISÃO AUTORITÁRIA

A aprovação, pela Câmara dos Deputados, do projeto que transfere para o Ministério da Saúde a responsabilidade pela concessão do registro a profissionais estrangeiros, é mais um capítulo tenebroso deste verdadeiro filme de terror chamado Programa Mais Médicos. Desta forma, o Parlamento endossa o projeto autoritário e eleitoreiro da presidente Dilma e de seu ministro da Saúde e, pior ainda, com a anuência do presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM). Politizar a saúde a este ponto e utilizá-la como instrumento de barganha para outros fins que não seu princípio fundamental, que é a prevenção e tratamento de doenças, é imoral e beira os limites da ignorância.

Luciano Harary, médico

lharary@hotmail.com

São Paulo

*

A MISÉRIA DA SAÚDE PÚBLICA

O governo conseguiu a aprovação do Mais Médicos, aquilo que eu considero como o episódio mais hipócrita da história da saúde pública no Brasil. Os Conselhos Regionais de Medicina curvaram-se aos políticos do governo. O incrível é que o povo brasileiro que usa o SUS sabe muito bem a humilhação a que é obrigado a tolerar. Não consegui dormir. Como funcionário público federal há tantos anos, docente da melhor Escola de Medicina do País, a Escola Paulista de Medicina, tenho de me manifestar. O problema é que não sou ninguém. Não tenho um amigo político sequer. Não sou presidente de nada. Simples professor de medicina, convicto apenas do meu destino. Que meu povo acorde nesta manhã e se revolte contra esses políticos do governo, que vão cada vez mais destruir este país tão maravilhoso, diferente, carinhoso, amoroso. Vou lutar contra um monstro, afilhado bastardo de Lula, que se aproxima do governo do meu Estado. Que Deus nos proteja do ministro Padilha. Por que, em vez de Mais Médicos, não colocar simplesmente melhores médicos? Mais higiene, mais saneamento básico, mais amizade e, sobretudo, mais amor no nosso Brasil.

Beny Schmidt

benyschmidt@agoracomunicacao.net

São Paulo

*

MAIS MÉDICOS

Agora que o Congresso aprovou que o Ministério da Saúde conceda o registro de trabalho para os médicos desse programa, penso que o Conselho Federal de Medicina e todos os conselhos regionais orientem os médicos já registrados para que não atendam mais os congressistas e todos os seus familiares e os derivem para os profissionais que serão agora qualificados por esse ministério. Eles têm de provar do veneno que criaram.

Alberto Martinez

alberto.martinez@terra.com.br

São Paulo

*

SUGESTÃO AO PLANALTO

Considerando a falta de médicos em Brasília, comprovada pela necessidade dos políticos de serem atendidos no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, e a segurança do governo na capacidade dos médicos cubanos, sugiro a alocação de alguns aos serviços médicos do Palácio do Planalto, da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, de forma que nossos ilustres governantes e representantes não tenham de interromper sua árdua labuta para serem tratados. Claro, sob a supervisão direta do dr. Mercadante, conforme a medida provisória que certamente será aprovada.

Antonio Claudio G. Lellis Vieira

lellisvieira@gmail.com

São Paulo

*

DEMÉTRIO MAGNOLI

É uma pena não contar mais com a lucidez e os textos honestos de Demétrio Magnoli neste jornal. E que fechamento apropriado com o "Sigam a história!" (10/10, A2). Parabéns e obrigada.

Dida Dourado

didadourado@gmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.