Fórum dos Leitores

CORRIDA ELEITORAL

O Estado de S.Paulo

15 Outubro 2013 | 03h47

Coerência do PSB

Em São Paulo, a deputada federal Luiza Erundina (PSB) quer distância do governador Geraldo Alckmin (PSDB), o que beneficiará sobremaneira a candidatura petista. No Rio de Janeiro, a bancada do PSB cogita de apoiar a candidatura de Lindbergh Farias (PT) na disputa pelo governo do Estado fluminense em 2014. Tendo em conta a soma das forças eleitorais, não vejo coerência nessas duas posições, em que a oposição apoia a situação. Será que a tão decantada aliança programática nos poderia esclarecer quem é o adversário a ser batido?

JOSÉ CARLOS DEGASPARE

degaspare@uol.com.br

São Paulo

Sem 'ruptura'

O PSB e a Rede Sustentabilidade negam "ruptura" com o PT. Afinal a que vieram?

LUIGI VERCESI

luigiapvercesi@gmail.com

Botucatu

Decepção e traição

Se realmente Eduardo Campos e Marina Silva mantiverem "fidelidade" a Lula, será uma grande decepção e traição para quem espera uma mudança no desgoverno que está aí. Já não estou tão seguro de dar meu voto ao PSB!

CÉSAR ARAUJO

cesar0304araujo@gmail.com

São Paulo

Cordeiros de Lula

O discurso medroso da dupla Marina-Campos em relação ao PT só confirma as minhas suspeitas de que ambos não passam de cordeiros de Lula e, caso eleitos, pouca coisa mudariam em relação ao péssimo governo atual.

FERNANDO FENERICH

ffenerich@gmail.com

São Paulo

PODER JUDICIÁRIO

Excessiva lentidão

Impecável o editorial O crime compensa? (13/10, A3), que comenta o incompreensível pendor à excessiva lentidão da Justiça brasileira a pretexto de privilegiar a ampla defesa, do que resulta a falta de encerramento em tempo razoável dos processos que leve a um desfecho ansiado pela sociedade. Só não é possível concordar que a "falta crônica de juízes" possa estar relacionada como problema primordial para a solução dessa questão, uma vez que o magistrado precisa ser entendido como gerente e supervisor de uma equipe que deveria atuar para garantir aos jurisdicionados e aos Ministérios Públicos uma resposta legal para as demandas apresentadas. Portanto, o juiz não atua sozinho, mas com uma equipe, estando comprovado que o Judiciário foi um dos mais beneficiados com a ampliação do quadro funcional.

AIRTON REIS JUNIOR

areisjr@uol.com.br

São Paulo

O crime compensa, sim

É triste verificar como o nosso país não é sério e seus governos, instituições, bem como os mais altos estratos da sociedade são incapazes. Comparado com países desenvolvidos e civilizados, Pindorama é uma vergonha. Pena que a Terra de Vera Cruz poderia ser um paraíso, fosse outro o caráter do povo e de seu escol.

MÁRIO RUBENS COSTA

costamar31@terra.com.br

Campinas

CORRUPÇÃO

Triste Brasil

Será que existe roubo tão ou mais desprezível do que o praticado por corruptos que desviam dinheiro da merenda escolar, da saúde e do saneamento? Pelo visto, o que muitos políticos eleitos fazem, como receber Bolsa Família, nada fica a dever em termos de torpeza. E, pior, estão todos em liberdade.

LUIZ NUSBAUM

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

Bolsa Família

Contra os 2.168 "políticos" que receberam Bolsa Família de nada adianta pedir qualquer tipo de punição, visto que temos um político preso e ele continua com o seu mandato em vigor... O mínimo seria pedir a este atuante jornal, o Estadão, a publicação do nome de todos eles, seus partidos, quanto e desde quando vêm recebendo...

ARTUR TOPGIAN

topgian.advogados@terra.com.br

São Paulo

CRIME ORGANIZADO

PCC na política

Tomamos conhecimento de que a organização criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) pensou em entrar na política, mas desistiu - porque perderia para a concorrência.

LAÉRCIO ZANNINI

arsene@uol.com.br

Garça

MPE e serviço público

O único órgão público decente que temos é o Ministério Publico Estadual (MPE), somente ele se coloca ao lado da população, fato comprovado mais uma vez em seu inquérito sobre o PCC. Os Poderes constituídos deveriam aprender pelo exemplo do MPE que qualquer órgão público pode e deve, simplesmente, servir ao público com eficiência, numa verdadeira democracia.

SUELY MANDELBAUM

suely.m@terra.com.br

São Paulo

Cenário desanimador

Conforme reportagens do Estadão, o PCC está mais vivo que nunca, até o governador Geraldo Alckmin está na lista para ser eliminado. Se o governo Alckmin tivesse instalado o superbloqueador de celulares - testado com sucesso em 2006 no presídio federal de Catanduvas (PR) - nos presídios do nosso Estado, certamente seria um avanço e tanto para enfrentar o PCC. Mas como a lentidão para soluções concretas faz parte da nossa administração pública, o que se viu foi a solução "quebra-galho" de transferência dos líderes do PCC para prisões distantes chamadas de "segurança máxima". E será que é tão difícil instalar um portal para detectar metais, em funcionários e visitantes, nos 144 presídios paulistas? Se em São Paulo, o Estado líder da União, o cenário é desanimador, imaginem por esse Brasil afora...

EDGARD GOBBI

edgardgobbi@gmail.com

Campinas

Agora vai?

Depois de três anos de investigação a polícia chegou a uma conclusão óbvia, isto é, o poder e o perigo que o PCC representa, querendo até mesmo liquidar o nosso governador e outras autoridades. Então, pergunto: que lobby ou que "forças ocultas" impediram que se instalassem os bloqueadores de celular nas cadeias? Será que agora vai? Ou vão esperar morrer algum "figurão"? Certamente essa providência não vai resolver todos os problemas, mas com certeza vai dificultar ou minimizar a atuação dessa facção criminosa e de outros bandidos.

LUIZ ROBERTO SAVOLDELLI

savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo

*

DIA DO PROFESSOR

Ao comemorar o seu dia, o professor vê com tristeza o avanço de um processo de dilapidação permanente da atividade. Tentando opor-se a tal tendência, o que se observa é a luta da categoria por uma sobrevivência digna, muitas vezes sem o devido respaldo dos governantes, tendo de se engajar em longos movimentos grevistas, prejudiciais às comunidades que, assim mesmo, lhe credita simpatia e apoio. É lamentável, portanto, a postura de determinados profissionais da educação que, publicamente, apoiaram a atuação, em suas manifestações, dos chamados black blocs, predadores infiltrados, numa atitude que corre o risco de provocar a perda do capital de credibilidade da classe. Senhores professores, parabéns pela data e continuem buscando a merecida valorização, repudiando "solidariedades" que só fazem enfraquecê-los.

Paulo Roberto Gotaç

prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

UMA INDECÊNCIA

O Plano de Cargos e Salários apresentado pela prefeitura e aprovado pela Câmara do Rio de Janeiro é, no mínimo, uma indecência. Remunerar com quase R$ 7 mil, em fim de carreira, um professor com pós-doutorado é um acinte. Vejam bem, estamos falando de pós-doutorado. Não é um curso de extensão caça-níqueis qualquer, não. O professor, para chegar a este ponto, fez mestrado e doutorado. E a prefeitura vem e o desestimula por completo. Por que não remaneja as verbas do orçamento? Ah, sim, se remanejar não vai ter verba para a Parada do Orgulho Gay, por exemplo. Quanto é que a prefeitura deu à parada este ano, hein? Quando é que este país vai valorizar e respeitar o professor? Quando é que vão ver que os países só se desenvolveram depois de priorizarem a educação? De 40% a 60% dos alunos de 1.ª a 4.ª séries não sabem ler nem escrever. Que educação é esta? Aonde pensam que vão chegar com essa educação? Só se for ao caos.

Panayotis Poulis

ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

UM DIA PARA REFLEXÃO

Em 15 de outubro comemora-se o dia do professor. Mas será que eles têm mesmo o que comemorar? O professor é o profissional que desperta em muitos sua vocação, que ensina e aprende a cada instante, com cada palavra, em cada gesto, em cada aula. Ser professor é, antes de tudo, lidar com pessoas. É dedicar-se não apenas durante as aulas na escola, mas também algumas horas fora dela para se atualizar. É utilizar maneiras atraentes para que o aluno se interesse pelo estudo. Ele precisa saber entreter e despertar o interesse dos alunos, e nem sempre é respeitado em sala de aula. E um exemplo do drama que vivem os professores é o que acontece hoje no Rio de Janeiro, onde professores estão há mais de 60 dias em greve reivindicando melhores salário e condições de trabalho melhores. Mas não é só no Rio que esses profissionais são desrespeitados em seus direitos, mas em todo o País, nas redes municipal e estadual. A categoria vem sendo desvalorizada e, muitas vezes, desafiada e ameaçada por alunos muitos deles envolvidos com drogas e com o crime, pais de estudantes, diretores, governantes e até mesmo pelos próprios professores. Salários são baixos e, em sua maioria, os professores são obrigados a trabalhar quase 50 horas semanais para o sustento da família, em dois e até três lugares diferentes. O respeito dos aprendizes sumiu, escafedeu-se, reivindicações são ignoradas e o "mestre com carinho", em raríssimas exceções, perdeu a compostura com o passar do tempo. Os conflitos pipocam aqui e acolá, não é por acaso que a educação no Brasil é tratada em segundo plano pelos governos municipais, estaduais e federal. E o aprendizado deixa a desejar. No ensino superior, três em cada dez cursos universitários avaliados pelo Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) tiveram desempenho vergonhoso em 2012, com notas médias abaixo do nível considerado aceitável pelo Ministro da Educação. A classe se vê cada vez mais sozinha nessa luta, numa disputa de queda de braço que só tem perdedores. Assim, o dia do professor é dia de reflexão de todos nós, que queremos um país desenvolvido com boa educação de qualidade para todos, mestres, alunos, pais, cidadãos e brasileiros, sobretudo a qualidade da educação que queremos para o futuro. Um dia, quem sabe, podemos comemorar para valer esse dia de fato. As mudanças para que isso aconteça também dependem de cada um de nós, cobrando dos nossos governantes cada vez mais melhorias não só para o ensino, mas também para os educadores que recebem salários cada vez mais aviltantes.

Turíbio Liberatto

turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

*

EDUCAÇÃO, PRIORIDADE NACIONAL

Todos os problemas que temos remontam à nossa maior vulnerabilidade: a educação. Nossas elites governamentais, desde sempre, nunca lhe deram a atenção devida. Urge, mais do que nunca, que pressionemos nossas lideranças no sentido de priorizar nos próximos anos a solução de tal fragilidade estrutural, afastando da vida pública pelo voto os dirigentes que prometem e nunca cumprem melhorar essa fundamental necessidade nacional.

José de Anchieta Nobre de Almeida

josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

UM APELO PELOS PROFESSORES

Ao mestre, com carinho, obrigada por ter escolhido ser professor, pela dedicação e amor que pratica todos os dias na arte de ensinar, na informação clara e precisa na hora de passar conhecimento da metodologia de forma simples e rica, no carinho de seus gestos, na preocupação da busca do interesse individual da aplicação do conhecimento, obrigada pela precisão e compreensão de uma didática que atinja a todos de forma correta no entendimento de várias matérias escolares de forma objetiva, na base sólida da aprendizagem, na diversidade de estudos e, ao mesmo tempo, na transmissão de tudo com descontração. Tudo começa nas mãos de nossos educadores. Portanto, a todos eles que se dedicam na formação de indivíduos nas várias classes profissionais, nosso respeito e admiração, pois aonde desejarmos chegar, precisamos dessa fonte inesgotável de conhecimentos e aprendizagem que está no professor. Não vamos só hoje nos lembrar dessa classe desprestigiada em nosso país, mas vamos ajudar todos os dias. Faço um apelo: senhores governantes e representantes da Nação, deem aos nossos mestres do ensino o respeito e a dignidade que esses profissionais merecem para exercer suas funções com o básico que necessitam na aplicação dos seus conhecimentos, salas de aulas dignas e materiais didáticos para quem quer aprender, remuneração adequada, junto com salários justos a esses profissionais, e teremos um Brasil sem tanta divisão de classes sociais.

Márcia Callado

marciacallado@bol.com.br

São Paulo

*

‘SANGUE POLÍTICO’

Que belo trabalho o levantamento feito pelo "Estadão" sobre as mortes nas disputas políticas pelo poder na era da democracia ("Sangue político - as mortes nas disputas pelo poder na era democrática", caderno especial, 13/10/2013). Parabéns ao jornalista Leonêncio Nossa pela investigação que levou 17 meses. Os dados são chocantes. O raio x da matança silenciosa detectou que o crime está em alta. Dois terços dos inquéritos policiais não apontam nem autor nem mandante. Um descaso total. Triste saber que governadores perseguem delegados, promotores, responsáveis por formalizar as denúncias. O que esperar da Justiça quando se sabe que assim agem os governantes? Para quem apelar, se os responsáveis por fazer justiça são ameaçados? De norte a sul, de leste a oeste, as pressões acontecem pelos coronéis, pseudodonos do poder. Ao longo do belo trabalho do jornalista, vemos que a história simplesmente se repete. Os crimes são os mesmos, sempre pela disputa do poder, e nada acontece aos poderosos. O Brasil que se esconde em plena democracia vem se rendendo às pressões políticas. Basta ver o caso do mensalão, do caixa 2 do PT, da omissão da Câmara em não punir seus pares. Que exemplo essa gente acha que está dando ao País? A investigação criminalista apontou o Nordeste e o Sudoeste como as regiões onde a política fez o maior número de vítimas. Esse trabalho deveria causar vergonha e constrangimento aos políticos deste país, no entanto eles estão ocupados em saber quem matarão para alcançar mais poder. Pobre Brasil!

Izabel Avallone

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

GATILHO DEMOCRÁTICO

Cumprimento o "Estado" e o jornalista Leonêncio Nossa pelo brilhante caderno "Sangue Político". Estão todos lá, PT, PSDB, PMDB, PSB, DEM, PPS, PTB..., de braços dados com a pistolagem. Simplesmente estarrecedor.

Fernando Moreno

frodg434@hotmail.com

São Paulo

*

GUERRA AO CRIME

Com mais esta reveladora reportagem "Sangue Político", só há duas alternativas: ou o Estado brasileiro declara guerra ao crime ou o povo terá de declarar guerra ao Estado. Não dá mais pra segurar!

Gilberto Dib

gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

DOIS BRASIS

O mapa apresentado em "Sangue Político" nos dá a visão clara dos grandes problemas brasileiros. Está claro que estamos falando de dois Brasis: um, atrasado e arcaico, amarrado no chicote dos coronéis, basicamente sediado no Nordeste; e outro, que procura se livrar desse anacronismo colonial. Se deixarmos de lado o racismo idiota e cínico, e procurarmos sermos mais honesto conosco mesmos, os crimes de forma geral com certeza também seguem a mesma geografia do crime político, basta começar a fazer estatística sobre de onde provém a maioria dos criminosos espalhados por todo o Brasil. O coronelismo não produz só miséria, mas produz também criminosos mercenários pagos por mais criminosos ainda coronéis do poder ou do "pudê". E quem está dando as cartas no Brasil de hoje? Coronéis do "pudê"? Lula é algo diferente?

Ariovaldo Batista

arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

CORRUPÇÃO, A ORIGEM DE TUDO

Repercutem as informações sobre o mapeamento do Primeiro Comando da Capital (PCC), especialmente a informação de que planejava matar o governador e resgatar seus presos no regime de segurança máxima. O governo, o Ministério Público (MP) e a polícia de São Paulo abortaram as ações. É obrigação das autoridades e do poder constituído combater tanto essa como as demais organizações criminosas em operação no País. E não somente as dedicadas ao tráfico e drogas ou armas e sediadas no seio do sistema prisional. Também é seu dever enfrentar sem trégua, com rigor, as diferentes formas de corrupção e ações que minam o poder de organização e controle do Estado brasileiro. As organizações e facções criminosas só existem por causa da incompetência, inoperância e - pasmem - até do interesse político-eleitoral de governantes que fizeram vistas grossas aos crimes ocorridos sob suas barbas. A contravenção e o crime só prosperam quando há a omissão. A corrupção é a mãe de todos os males. O noticiário está repleto de casos de concorrências e licitações viciadas, mensalões (ainda pendentes), sanguessugas, tapiocas e outros crimes que se cometem, desde o simples presente ou agrado ao servidor público até as grandes fraudes identificadas nas prefeituras, governos estaduais e federal e nas Casas Legislativas. Combater o PCC e todo o crime organizado é preciso. Mas não se pode esquecer de fazer o mesmo com todos os focos de corrupção de norte a sul do País. Comparado à corrupção - chaga maligna de nossa sociedade -, o crime organizado, apesar de grave, não passa de um filme de temática infantil...

Dirceu Cardoso Gonçalves

aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

O PCC E A POLITICALHA

Se o PCC movimenta R$ 120 milhões por ano, os políticos nefastos ao País movimentam é muito mais: somente pelo que sabemos, no Ministério do Trabalho foram R$ 400 milhões numa só canetada. Os aloprados, os mensaleiros de toda espécie, as roubalheiras em todos os Estados da Federação, os pagamentos indevidos de salários (R$ 300 milhões, no Senado, que não querem devolver), etc. Então, o PCC é insignificante diante da roubalheira desgovernada dessa politicalha que se incrustou em Brasília e no País. Com a diferença de que o PCC está preso, mas a politicalha está livre leve e solta. Então cadeia é somente para o PCC?

Alberto Nunes

albertonunes77@hotmail.com

Itapevi

*

DESISTIRAM DA POLÍTICA

De repente, tomamos conhecimento de que a organização criminosa PCC pensou em entrar para a política, mas desistiu porque perderia para a concorrência...

Laércio Zannini

arsene@uol.com.br

São Paulo

*

LOBBY

PCC tenta lobby no Supremo Tribunal Federal (STF). Se o PT conseguiu...

Victor Germano Pereira

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

PARÂMETRO

Se o crime institucionalizado influi no Poder Judiciário, por que não o crime organizado? É a permissividade enxertada da cultura do povo.

Bernardo Schulze

bernardoschulze@gmail.com

São Paulo

*

EXEMPLO

Na capa do "Estadão" de sábado (12/10, Dia da Criança, isto é, de todos nós), lê-se "PCC tenta influenciar STF e planeja matar Alckmin". No corpo da matéria, os seguintes dizeres: "A facção (PCC) também procura fazer lobby no STF para obter benefícios a presos e planeja a eleição de uma deputada estadual em São Paulo - a candidata seria uma advogada". Exemplo atrás de exemplo. Afinal, se deu certo com o mensalão, por que não daria certo com o PCC? Se os mensaleiros tiveram advogados ex-ministros, por que não o PCC eleger uma deputada? Faz todo o sentido num país sem moral e sem ética. Eu tenho vergonha de ser brasileiro e não me envergonho disso.

Caio Mario Britto

caiomario.britto@terra.com.br

São Paulo

*

MÃOS AO ALTO!

Um país com toda potencialidade material e humana, de que poucos podem se vangloriar no mundo, está simbolicamente de "mãos para o alto" quando a maior parte da sua população é arrochada de todos os meios, seja pelos itens da habitação, segurança, educação e um recrudescimento do crime que suplantou o Estado em matéria de organização. Uma facção criminosa, o PCC, não precisou de espaço, bastando o exíguo território de uma penitenciária para faturar R$ 100 milhões por ano, comandar de dentro dos presídios quem deve viver e quem já viveu o bastante. Uma organização que a cada dia "peita" as autoridades responsáveis pela segurança pública e se dá ao desplante de sugerir que o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, está endurecendo com a bandidagem e que, por isso, deve ser morto. O mundo do crime se assenhorou da situação exatamente há mais ou menos dez anos, o que coincide com a tomada do poder por uma outra facção. Chicago dos anos 20 não pode ser copiada. O signo do mal está prosperando entre nós de tal forma e em tal quantidade que o cidadão poderá chegar ao absurdo de se envergonhar de ter nascido "nesta terra tão dadivosa que em nela se plantando tudo dá", segundo o escrivão de El Rei, Pero Vaz de Caminha.

Jair Gomes Coelho

jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

E A AÇÃO DA POLÍCIA?

Tendo sido policial por mais de 35 anos, o que eu não consigo entender é como o MP fez uma investigação tão complexa e como ocorreram várias operações envolvendo a Rota e não vi nas reportagens nenhuma palavra com relação ao Deic e ao Denarc, departamentos da Polícia Civil especializados no combate ao crime organizado e ao narcotráfico. Fica com a palavra a direção da Polícia Civil. Por outro lado, é bom destacar que mais de 70% dos integrantes desta facção (PCC) estão presos e o uso do celular pelos presos é uma excelente fonte de informações.

José Renato Nascimento

jrnasc@gmail.com

São Paulo

*

GRAFIA E EXALTAÇÃO

Porque todos os jornais e sites colocam o nome pcc em letras maiúsculas? Esses marginais devem ser grafados em letras bem minúsculas. A mídia acaba exaltando o pcc e todas as outras facções ao grafar o nome delas em letras gigantes, no nível do MP e de outros órgãos que valem ser ressaltados.

Arléle Oli

arleleoli@gmail.com

São Paulo

*

FRUTOS

Por que será que a mídia propaga o domínio do PCC nos presídios, e o plano para matar o governador, mas não fala em qual governo essa organização criminosa nasceu? Se não me falha a memória, o secretário de Estado da Administração Penitenciária era o sr. Nagashi Furukawa, quando estourou 27 rebeliões de uma só vez no Estado de São Paulo. E por que essa demora do governo para detectar o problema? Essa é a colheita dos frutos da administração, não adianta tapar o sol com peneira.

Paulo Maia Costa Júnior

paulomaiacjr@hotmail.com

São José dos Campos

*

PCC: CRIME COMBATENDO CRIME?!

Foi interceptada uma ligação do chefe da facção PCC, conhecido como Marcola, em que ele afirma que a criminalidade em São Paulo caiu não porque os políticos trabalharam de verdade, mas porque o PCC "burocratizou" os assassinatos, tornando-os mais difíceis de serem executados. O mais incrível (e temível) nisso é que a desconfiança nas instituições políticas no Brasil anda tão alta que já encontramos pessoas comuns que apoiam essa ação do crime organizado para a manutenção da segurança pública. Nossa! Que contradição! "Não é difícil confundir Deus com o diabo se acaso Deus pecar demais e o diabo começar a prometer bênçãos!"

Wellington Anselmo Martins

am.wellington@hotmail.com

Bauru

*

QUEM TEME O PCC?

Quem teme o PCC, quando temos um ex-presidente que fumava dentro do Alvorada e nos trata com impropérios todos os dias, uma presidente amarrada com o populismo, um ex-presidente do Senado que praticava atos sem o devido processo legal, o atual, infrator, não cassado sob a manta do voto secreto, um deputado federal preso exercendo mandato, um Judiciário que demora dez anos para finalizar um processo, uma polícia militar moldada ao militarismo de combate, uma polícia civil que não resolve 3% dos crimes, um funcionalismo desanimado pelos comissionados e, para finalizar, uma máquina burrocrática (sic) criando obstáculos desde que nascemos e uma pseudoelite prepotente, autoritária, que só pensa nela mesma? Repito: com uma turma dessa, quem teme o PCC?

Honyldo Roberto Pereira Pinto

honyldo@gmail.com

Ribeirão Preto

*

PENA DE MORTE

Pelo noticiário dos últimos dias ficamos sabendo que existe, além das forças policiais (municipais, estaduais e federal) e das Forças Armadas (Exército, Aeronáutica e Marinha), um verdadeiro exército de criminosos pelo Brasil inteiro, com tentáculos em outros países, mais poderosos que os citados acima, só que os últimos são protegidos pelos outros e têm direito a deslocar-se por todos os lugares deste país, chegando ao desplante de ameaçar até o governador de São Paulo. Possuem armas de alto poder destrutivo e são fornecedores de drogas, mais mortais que as armas. Por isso, embora católico praticante, entendo que está na hora de fazer um plebiscito propondo a pena de morte, pois, somando as duas forças oficiais e contrapondo-as às do crime organizado, formamos dois exércitos em que o combate justifica a morte, pois se trata da defesa de toda a população. E a morte em combate para defender a própria vida não é assassinato, mas é permitida como sendo autodefesa.

Francisco Samuel Fiorese

samucafiorese1@yahoo.com.br

Campinas

*

S.O.S.

Ameaçada e encurralada pelo PCC e pelos PCs (Policiais Corruptos), São Paulo grita SOS!

J. S. Decol

decoljs@globo.com

São Paulo

*

E AGORA?

Que grande feito essa investigação sobre o PCC! Precisaram de três anos? Quanta eficiência! Já descobriram que o PCC tem pretensões e com ramificações em todo o País, nas Polícias, no Judiciário e na Política? É inacreditável! Até minha netinha de 5 anos, que ainda acredita em Papai Noel, já havia percebido. A família do governador é que teve mais sorte do que tantas outras por aí afora, que choram a perda dos entes queridos. Agora chegou aonde tudo precisa chegar, para providências serem tomadas? E o próximo passo? Reforçar a segurança privada e continuar enxugando gelo, e o cidadão comum que se dane? Ou fazer com rigor o saneamento necessário em todas as esferas, a começar pelas polícias? Uma alternativa, quem sabe, seria aproveitar a onda do "MAIS" importados, agora médicos, e por que não governantes e equipes que, em seus países de origem, conseguiram acabar com as mazelas e ineficiências em vários setores. Nova York é uma referência, tida anteriormente como uma das mais violentas do mundo. Caso contrário, do jeito que vai, sugiro o "MAIS" Nero. Só colocando fogo em tudo e começando de novo.

Heloisa A. Martinez

heloisa_martinez@hotmai.com

Mogi das Cruzes

*

ACABEM COM TODOS

Segui as reportagens do "Estadão" sobre a investigação a respeito do PCC. Eles querem assassinar o governador Geraldo Alckmin. Ele é o alvo errado! Ele só está cumprindo sua função, como chefe máximo da Segurança Pública. Porém, em nome dos "homens de bem" (aqueles que trabalham e pagam seus impostos para serem espoliados pelo outro PCC, o Política Comandada por Corruptos), permito-me dar uma lista de nomes (bem incompleta, por sinal) que, caso vingassem eliminar, talvez até fizessem com que estes "homens de bem" invadissem as cadeias e liberassem os líderes da facção: Lula, pela "bordelização" da política brasileira; todos os condenados pelo mensalão, encabeçados por José Dirceu, pelo uso indiscriminado do bordel; os seis ministros que confirmaram que no Brasil há duas categorias de cidadãos, os que podem (utilizando o bordel e tendo duas instâncias na mesma corte) e os outros; Dilma, por achar que com 39 sintonias, digo, ministérios consegue governar alguma coisa e não escancarar o bordel para mais gente incompetente; Serra, por crer que "le partie c’est moi" e assassinar a única oposição possível; Temer, Sarney, Calheiros, Eunício, Ciro, Cid, Barbalho, Jucá, Wagner, Ideli e um sem número de outros que querem a manutenção do feudalismo no País; Gabrielli, que com incompetência ímpar arrasou uma empresa até então redonda; a própria Marina, que quer um partido político para impor a plataforma de que dinheiro nasce em árvores (talvez na Amazônia dela); enfim há pelo menos duas centenas de alvos livres, leves, soltos e que, inexistindo, poderiam dar uma chance (veja, não estou dizendo que é certo) de gestão séria ao País. Seria uma grande bandeira para o PCC que vem sendo investigado.

Dário Nardini

dario.nardini@uol.com.br

São Paulo

*

SEM PERDÃO

Do jeito que as coisas andam, muito em breve os congressistas serão substituídos pelos componentes do PCC, organização em que a ética realmente funciona e as leis são cumpridas. Lá não existe STF e muito menos embargos infringentes, ou seja: infringiu normas e leis, tá morto, não tem perdão.

Arnaldo de Almeida Dotoli

arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

DE VOLTA ÀS MASMORRAS

Basta! O PCC ultrapassou as medidas, demonstrando assim que Beccaria estava errado quando afirmou que "pena não é castigo, mas sim uma forma de reeducar o criminoso". Portanto, o retorno às masmorras é inevitável.

Caio Augusto Bastos Lucchesi

cblucchesi@yahoo.com.br

São Paulo

*

MAIS UM PARTIDO

Jornais informam que o PCC, organização criminosa, pretendia formar um partido político. Se o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) acatasse a pretensão, seria o 33.º partido do País, todos os nomes começando com P e com as mesmas finalidades. Mas estranhei que no Distrito Federal só haja sete componentes desse grupo criminoso. Esqueceram-se do Congresso, do Planalto, seus ministérios e estatais?

Mário A. Dente

dente28@gmail.com

São Paulo

*

ABRIGO

Os bandidos do CV, PCC, etc. querem entrar para a política. Simples, as siglas já estão prontas, é só escolher: PT, PR, PDT, PP, entre outras. Alguma dúvida? Não? Ótimo, sejam bem-vindos.

Celia Henriques Guercio Rodrigues

celitar@hotmail.com

Avaré

*

ORGANIZAÇÃO

Embora seja uma facção criminosa, portanto totalmente ilegal, não se pode negar nem duvidar de sua organização. Comando e leis que devem ser obedecidas à risca. E quem não as acatar é julgado e, se condenado, imediatamente penalizado. Vejam, eles são tão organizados e demonstram tanta força que fizeram com que, dos oito integrantes que comandam o PCC, seis estão na mesma penitenciária 2 de Presidente Venceslau, em São Paulo, entre eles o chefe-mor, Marcola.

Angelo Tonelli

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

ELEIÇÕES 2014

Segundo a última pesquisa Datafolha, a presidente Dilma Rousseff tem quase 45% das intenções de voto para presidente em 2014. Isso a torna a principal candidata a assumir o governo do País no próximo ano. O segundo colocado tem 20%. Seu governo não resolveu tudo, como é notório, mas ajudou muita gente. Aliás, o PT tem "tocado" na alma do povo mais pobre, em seus problemas mais cruciais e, com isso, tem conquistado a simpatia da população. Os maiores problemas dos brasileiros são a fome e o desemprego. Coisas que o PT tem conseguido diminuir e colocar como foco principal de seus objetivos de governo. Assim, parabéns à presidente Dilma pelos esforços em diminuir a miséria e a pobreza em nosso país. Que ela seja bem aceita pelo povo, esquecendo-se as "briguinhas" partidárias ou as rixas regionais.

Adriano Henrique

adriano.ah@bol.com.br

Caruaru (PE)

*

O PLANALTO DE CABELO EM PÉ

Esta pesquisa para corrida presidencial de 2014 divulgada pelo Datafolha deixa o petismo em polvorosa. Porque, no melhor cenário desta pesquisa para a candidata já declarada do PT, se fosse hoje o pleito, Dilma venceria no 1.º turno com os seus 42% alcançados. Mas Aécio Neves, provável candidato do PSDB, cresceu vigorosos 61% na preferência do eleitorado, saindo dos 13% para 21%; e Eduardo Campos cresceu 150%, de 6% foi para 15%, no que certamente esses números já indicam influência da filiação de Marina Silva ao seu partido, o PSB. Não podemos esquecer que estamos ainda distantes 12 meses do pleito. E a já declarada candidata Dilma, que vai tentar a reeleição, mesmo tendo à sua disposição a caneta das bondades do governo federal em mãos, não consegue recuperar a preferência do eleitorado que, numa pesquisa realizada no início de junho deste ano, indicava aprovação de seu governo de 57%. E os dois prováveis candidatos, Aécio e Campos, sem estar com suas campanhas nas ruas, devem crescer muito até 5 de outubro de 2014. E, como o céu não se declara de brigadeiro para as pretensões do Planalto, pior ainda fica para a candidata do PT, quando os eleitores que participaram desta pesquisa respondem suas preferências num cenário disputado por Dilma, Aécio e Marina. Não somente se consagra um 2.º turno, como também a cria de Lula cai para 39%, Marina Silva sobe para 29% e o senador do PSDB, com 17%. E com Dilma, Marina e Serra, respectivamente, 35%, 28%, 25%. Ou seja, neste último caso, se o ex-governador de São Paulo José Serra entrar no jogo eleitoral, a presidente corre um sério risco de inclusive ficar fora até do 2.º turno. Neste caso, restaria somente ao Lula entoar pelos bares da Vila Euclides o samba de João Sergio, gravado pela Simone, "O Amanhã": "A cigana leu o meu destino / eu sonhei / jogo de búzios, cartomante / eu sempre perguntei / o que será do amanhã? / como vai ser o meu destino? / já desfolhei o mal-me-quer / primeiro amor de um menino...". Até 2014!

Paulo Panossian

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

O CASO DO ‘DEFESO’

No editorial econômico de sábado (12/10, B2) há uma informação que me surpreendeu: "a Bolsa Pescador, que pagou auxílio-desemprego a 700 mil ‘pescadores’, até em Brasília". Acredito que se trate do também denominado "auxílio defeso". Esse auxílio é pago a pescadores, com alguma exigência, nos três meses do período do "defeso" da pesca, sob a justificativa de que nesse período esses pescadores ficariam à míngua por não ser permitida a pesca. No início do governo Lula, a atividade pesqueira estava subordinada ao Ministério da Agricultura, e os cadastrados montavam a 89 mil. A produção pesqueira anual era próxima de 1 milhão de toneladas. Algum tempo depois, Lula criou a Secretaria da Pesca e do Pescado, em nível ministerial. O seu titular anunciou que elevaria a produção para 4 milhões de toneladas/ano. Para isso, passou a cadastrar novos "pescadores". Ao fim da gestão, eles eram 500 mil, e a produção também tinha aumentado para 1,25 milhão de toneladas. É isso mesmo, 400% mais pescadores e 25% mais pescado. Em certo momento, uma investigação levou a descobrir fraudes no cadastramento, e 89 mil registros foram cancelados. A Secretaria de Pesca foi elevada a Ministério e o secretário, promovido a ministro, por certo, em reconhecimento de seu mérito. Mais recentemente, para melhorar a governabilidade, esse Ministério foi entregue ao senador-bispo Crivella. Pelo jeito, ele intensificou os esforços de cadastramento, atingindo os 700 mil pescadores citados no editorial econômico. Não temos notícia da produção pesqueira. Mas o que se sabe é que estamos comendo peixe importado até do Vietnã.

Mario Hélvio

Miotto mhmiotto@ig.com.br

Piracicaba

*

PRÊMIO NOBEL DE ECONOMIA

Conforme noticiado pelo "Estadão" de 14/10, o Prêmio Nobel de Economia deste ano foi concedido a um trio norte-americano: Eugene Francis Fama, da Universidade de Chicago, Lars Peter Hansen, do mesmo centro acadêmico, e Robert James Shiller, da Universidade Yale. O prêmio da Academia Real das Ciências da Suécia se deu pela "análise empírica do preço dos ativos", como ações, bônus soberanos e bens imobiliários. Embora não exista uma forma de prever os preços de ações e bônus no curto prazo de dias e semanas, diz o comunicado, é certamente possível prever o curso amplo dos preços no longo prazo - entre três e cinco anos. O comportamento do preço de ativos é chave para decisões sobre poupança, compras de imóveis e políticas econômicas nacionais, disse a academia. "A má precificação de ativos pode contribuir para crises financeiras e, como a recente recessão global demonstra, tais crises podem prejudicar a economia como um todo", acrescentou. Só o ministro Mantega não sabe disso.

Cláudio Moschella

arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

*

COMBINAR COM OS AMERICANOS

Em princípio, deveríamos ficar todos muito entusiasmados com a notícia segundo a qual o governo do PT vai criar um sistema nacional de e-mail criptografado para evitar que as autoridades nacionais sejam alvo de espionagem. A Serpro e os Correios também estudam o lançamento de um serviço de e-mail público e gratuito, "seguro" (?) para a população. Todavia, algo me diz que os EUA, no estágio tecnológico em que estão, têm recursos suficientes para quebrar qualquer mensagem criptografada, só precisando de algum tempo para isso. Algo também me diz que toda essa bravata em torno do assunto visa apenas a "mostrar serviço" e dar alguma satisfação ao distinto público, naturalmente de olho nas urnas de 2014. Por fim, entre ser espionado pelo governo do PT e estar na improvável mira dos serviços de segurança dos EUA, sinceramente opto pelos últimos - até porque, se me espionarem, terão certeza de que não constituo ameaça e me deixarão em paz, certeza que já não tenho em relação ao PT. Quanto à eficácia de tudo isso, parafraseando o dito da lenda futebolística de que para certo estratagema funcionar, num jogo Brasil e Rússia, deveríamos, antes, "combinar com os russos", não seria ocioso que Dilma, também antes de gastar o dinheiro dos contribuintes nesse projeto antispy, tratasse de "combinar com os americanos".

Silvio Natal

silvionatal49@gmail.com

São Paulo

*

PROMESSA

A presidente Dilma anunciou que vão criar um novo sistema para evitar espionagem no Brasil. Há, há, há, se isso se realizar como a promessa do trem-bala, a da Refinaria Abreu Lima, a da melhora das estradas, dos portos, da saúde, esse fingir que a inflação não chegou a mais de 6%, mais as balelas trombeteadas sobre tudo o que nos falta, e com tantas promessas não cumpridas... Acho que os espiões podem dormir sossegados.

Ruth Moreira

ruthmoreira@uol.com.br

São Paulo

*

ENIGMA

Realização mais importante do governo no atual momento: e-mail antiespião para Dilma. Aliás, o próprio alarde em toda mídia parece um convite tipo esfinge: "Decifre-me".

Ulysses Fernandes Nunes Jr

ulyssesfn@terra.com.br

São Paulo

*

ESPIONAGEM INTERNACIONAL

De nada adianta explorar politicamente a espionagem norte-americana. A única saída para minimizar seus efeitos, já que a contraespionagem tupiniquim não consegue interceptar espiões nem impedir a saída de informações secretas, é o revide: vamos nos organizar para espionar os EUA.

Sergio S. de Oliveira

ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

CAMPEONATO BRASILEIRO DE FUTEBOL

Rogério Ceni que se aposente, antes que fique pior. É a maldição da mentira do 100.º gol contra o Timão, quando na realidade era o 98.º. O Timão não perde do Tricolor há 13 (treze) anos em jogos decisivos e há 12 (doze) jogos no Morumbi. A taça de "freguês" preferencial está à disposição. Como time grande não cai, cuidado com a "zona" de rebaixamento. Está perto!

Luiz Dias

lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

*

‘UM TRISTE FIM’

Manchete da edição de "Esportes" do "Estadão" de ontem. Rogério, você bem poderia passar sem essa nódoa em sua carreira, brilhante até 2008. Bastaria ter aceitado o convite do Marcos, no ano passado, para uma despedida festiva, como realmente foi a deste imortal Marcos. É o que acontece com aqueles que, por soberba, egolatria, ignorância ou ganância, são incapazes de se autoavaliar e, como consequência, julgam-se imunes ao passar dos anos. E não falo somente dos gols perdidos, aliás nem deveriam ser de suas funções em campo, mas dos recordes negativos alcançados este ano pelo glorioso São Paulo Futebol Clube, que podem ser expressos por números: além de outros mais, 13 derrotas nas 26 partidas deste campeonato em que foi o goleiro; apenas 6 vitórias; 29 gols sofridos em 26 jogos. Uma vez que, até hoje, não houve técnico nem diretor capaz de lhe mostrar essa evidência, aceite um pedido de um são-paulino: Ceni, saia de cena, deixe seus sucessores se projetarem, como já pedia o falecido jornalista Mauro Chaves em 2009 ("Estadão", 5/12, A2, "O país das vacas sagradas"). Assim talvez nos safemos do rebaixamento.

Antonio Carlos Gomes da Silva

acarlosgs@uol.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.