Fórum dos Leitores

GESTÃO HADDAD

O Estado de S.Paulo

26 Outubro 2013 | 02h08

E a tramoia se consumou

De acordo com o golpe engendrado pelo prefeito e asseclas, foi atingido o objetivo que ardilosamente traçaram e, em primeira votação da Câmara Municipal, aprovaram os novos valores do IPTU, que, dadas as altas taxas propostas inicialmente, dão a impressão de que algo de bom foi concedido ao povo de São Paulo, quando, na verdade, o aumento agora sugerido ainda é escorchante, vergonhoso e só vai manchar ainda mais o nome do partido do prefeito, que aos poucos vai descambando para seu verdadeiro lugar: o rés do chão.

DOUGLAS JORGE

douglasjorge@terra.com.br

São Paulo

Partidos e vereadores

Os partidos aliados e o prefeito Fernando Haddad se conchavaram para aprovar o aumento do IPTU. Mais uma vez me convenço de que os que "habitam" a Câmara Municipal não são representantes dos cidadãos paulistanos, estão lá para apenas "ver as dores" dos munícipes, sem tomar nenhuma providência. Os partidos a que pertencem não se chamam partidos por acaso. Não tomam o partido de uma causa ou de uma ideologia, como deveriam aqueles dignos de se chamar partido. Os conchavados com o prefeito, como todos os partidos políticos brasileiros, chamam-se partidos porque não são inteiros, íntegros, são aglomerados de pessoas partidas pela metade, sem voz ativa, maria-vai-com-as-outras. Os vereadores aceitaram o mentiroso desconto programado de 10% "concedido benevolentemente" pelo poste-prefeito em troca de sabe-se lá que tipo de recompensa, e pronto, não há contestação. A inflação é de 6% ao ano, o aumento de IPTU é de 20% a 35% e os vereadores que aprovaram esse absurdo vão para casa dormir tranquilamente, como se nada houvesse. Os vereadores paulistanos devem continuar dando e mudando nomes de ruas, que é para isso, e só isso, que servem...

VICTOR GERMANO PEREIRA

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

Voto perdido

Sou vizinho de Ari Friedenbach. Eu, minha família e amigos votamos nele porque queríamos ter um representante do bairro e uma renovação política na Câmara. Após sua posição na votação do IPTU, noticiada no Estadão, o meu voto não tem mais.

HELIO OLDANI

hmoldani@uol.com.br

São Paulo

Bolha imobiliária

Os vereadores da base aliada do prefeito Fernando Haddad, alegando valorização excessiva dos imóveis na nossa cidade, aprovaram aumento escorchante do IPTU. Segundo Robert Shiller, professor de Yale e Prêmio Nobel de Economia de 2013, São Paulo caminha para um processo inexorável de bolha imobiliária. Entende o economista, que previu a crise nos EUA em 2008, que os preços dos imóveis na capital subiram muito mais do que deveriam. Se essa bolha de fato estourar, os nobilíssimos vereadores e S. Exa. o prefeito reduzirão o nosso IPTU?

LEÃO MACHADO NETO

lneto@uol.com.br

São Paulo

Mais sacrifícios

Após o gozo de férias pela Europa sem sequer ter cumprido um ano de mandato, o prefeito Haddad deve estar exultante. Seu projeto de massacrar a classe média paulistana em parte se concretizou. Foi, enfim, aprovado em primeira sessão da Câmara o aumento do IPTU para 2014: índice de 20% para imóveis residenciais e 35% para imóveis comerciais. Um aumento abusivo, desproporcional aos índices de inflação e que comprometerá sensivelmente o orçamento da sacrificada classe média paulistana. Sensibilizados, agradecemos ao operoso prefeito por mais essa brilhante iniciativa.

FRANCISCO ZARDETTO

fzardetto@uol.com.br

São Paulo

IPTU - a frustração

Nunca atrasei um pagamento de imposto sequer, mas depois de trabalhar durante 42 anos a gente se aposenta com os parcos benefícios do INSS e vê os nossos recursos serem consumidos pela inflação. Se não bastasse isso, vem o sr. Haddad e aumenta o IPTU de maneira exorbitante e muito acima da inflação. Então, digo ao prefeito de São Paulo que terei de pensar muito se ponho as coisas necessárias dentro da minha casa ou se pago o IPTU. Sinto-me tão frustrado desta vida que tenho vontade de partir para outra. Quem sabe, lá, não terei de me preocupar com mais nada...

JOSÉ LUIZ MARTIN

jluizmartin@yahoo.com.br

São Paulo

POLÍTICA ECONÔMICA

'Fora, China'

A indústria têxtil, principalmente a de São Paulo, vem protestando contra os produtos chineses. Uma faixa onde se lia "Fora, China" foi estendida num evento em São Paulo. Acho que os representantes do setor deveriam ir a Brasília protestar contra a carga tributária, que faz o produto nacional ser mais caro que o importado - da China ou de onde for. A desoneração da folha de pagamentos que o governo promoveu em alguns setores não é o suficiente, ainda temos IPI, ICMS, PIS, Cofins, CSLL, Imposto de Renda, ISS, IPTU, IPVA, etc. A goela do governo (ou será dos políticos? Ou de ambos?) não tem tamanho. E o pior: sem retorno para a sociedade.

PANAYOTIS POULIS

ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

Pedido à presidente

Presidente Dilma Rousseff, a senhora, denodada defensora de que um dos pratos da balança comercial de exportação de produtos brasileiros, em competição com estrangeiros congêneres, penda para o nosso Brasil, como sói acontecer com o agronegócio, use seu poder como chefe da Nação para impedir e evitar o que está acontecendo, inacreditavelmente, com os produtos brasileiros de confecção infantil e com os importados da China. O preço destes chega a ser 50% menor que o dos nossos, como se viu numa propaganda na TV em que um comerciante chegou a dizer que só venderá as aludidas confecções importadas desse país. E as nossas empresas de tais confecções para onde irão, com seus empregados e suas obrigações tributárias e sociais, se não forem à falência? Hoje não se pode dizer, quando o negócio é bom, que é um "negócio da China". O tempora o mores...

ANTONIO BRANDILEONE

abrandileone@uol.com.br

Assis

CORRUPÇÃO

Eleições internas do PT

Esse partido está tão habituado a falcatruas, negociatas, etc., que até para a eleição interna do novo presidente um candidato está elaborando uma cartilha para se precaver de maracutaias. Seria cômico, se não fosse trágico!

LUIZ ROBERTO SAVOLDELLI

savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo  _____________________ 

IBOPE

Por que será que, após alguns dias de o Ibope ser contratado pela Secretaria de Comunicação Social do governo federal, para realizar pesquisas, foi divulgada pesquisa de opinião sobre as eleições de 2014 com a "presidenta" atingindo 41% das intenções de voto? Parece-me uma encomenda para alavancar a candidatura Dilma.

Olavo Fortes C. Rodrigues olavo_terceiro@hotmail.com

São Paulo

*

CAMPANHA ANTECIPADA, CRIME ELEITORAL

"Dilma venceria Campos e Aécio no 1.º turno, diz Ibope" ("Estadão", 25/10). Também, pudera: a máquina estatal compra votos com programas popularescos, como Fome Zero, Bolsa Família, Minha Casa, Minha Vida, Minha Casa Melhor e por aí vai. Já a dupla Campos/Marina (PSB) não deslancha. Talvez porque a chapa deveria ser invertida e passar para Marina/Campos. Depois, e principalmente, porque a imensa maioria dos eleitores desconhece o significado do termo "sustentabilidade". Melhor seria rebatizá-lo como "sustentabilidade, pão para todos".

Cláudio Moschella arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

*

VANTAGEM DO BOLSA FAMÍLIA

Acredito que o redator do "Estadão" cometeu um equívoco que passou despercebido pelo revisor. A manchete de ontem (25/10) deveria ter siso: "Bolsa Família venceria Aécio e Campos no 1.º turno, diz Ibope".

Moyses Cheid Junior jr.cheid@gmail.com

São Bernardo do Campo

*

‘É MELHOR ENSINAR A PESCAR’

O Bolsa Família completará dez anos de existência, cópia mal ajambrada do Bolsa Escola, que tinha um objetivo construtivo, mas que não deveria ter sido esquecida. Hoje ela se caracteriza como o maior programa de compra de votos já visto, com um custo, só no governo Dilma, de R$ 54 bilhões em benefícios para cidadãos pobres do Brasil, sendo que a metade desse montante se destinou para o Nordeste, onde Dilma teve elevados índices de votos. Com essa enorme quantia, muitas outras providências poderiam ter sido utilizadas para tirar esses cidadãos da linha da miséria e da dependência se houvesse vontade política para tanto. Nada a comemorar, pois, quanto mais se gasta com "esmolas", menos cidadãos conscientes e livres serão apontados. Continua valendo o mote "é melhor ensinar a pescar".

Leila E. Leitão

São Paulo

*

A ÚNICA EM CAMPANHA

Em vez de proibir a divulgação de pesquisas eleitorais nas vésperas das eleições, deveriam permiti-las somente nos três meses do período eleitoral oficial, quando todos os candidatos têm chance de expor seus argumentos à Nação. Esta semana o Ibope divulga que pesquisa ora terminada mostra que Dilma ganharia já no primeiro turno. Isso é óbvio, pois ela é a única candidata que está em plena campanha, que segue a todo vapor e sem se atrelar aos prazos e datas da Lei Eleitoral teoricamente em vigor.

Wilson Scarpelli wiscar@terra.com.br

São Paulo

*

PREOCUPADOS

A divulgação da recente pesquisa do Ibope que aponta uma melhoria nos índices de aprovação da atual presidente e a divulgação da verba federal para o Metrô de São Paulo deixam os peessedebistas cada vez mais preocupados. E os dados da pesquisa ainda apontam José Serra com melhor índice do que o "candidato" Aécio. E, para completar, o mesmo acontece no atual partido da ex-senadora Marina Silva, em melhor situação do que o nome que vem sendo cogitado como candidato há algum tempo. Como se conclui, a presidente Dilma está com muitas possibilidades de continuar no cargo.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

*

PENA

Ao ler os resultados da pesquisa Ibope para as eleições presidenciais de 2014 ("Dilma venceria Campos e Aécio no 1.º turno", "Estadão", 25/10), pensei comigo mesmo: infeliz é o país onde as duas principais candidatas ao cargo máximo da Nação são uma ex-guerrilheira e uma ex-seringueira.

Fernando Fenerich ffenerich@gmail.com

São Paulo

*

LIBERDADE DE IMPRENSA AMEAÇADA

Na 69.ª Assembléia da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP), realizada em Denver (EUA), o presidente da SIP, o equatoriano Jaime Mantilla, afirmou que em seu país a imprensa tornou-se um "serviço público" e a produção jornalística é fiscalizada pelo governo. Esse conceito de que a imprensa é utilidade pública já está sendo aplicado na Bolívia, na Nicarágua, na Venezuela e também na Argentina, onde Cristina Kirchner estatizou a produção de papel jornal para colocar a imprensa argentina sob o controle do governo. Como existem nos dias atuais o Brasil honesto e o Brasil canalha, o que seria da nossa frágil democracia sem a liberdade da imprensa e os meios de comunicação? Os brasileiros devem ficar em estado de alerta, pois a fiscalização da imprensa e dos meios de comunicação é também um sonho do PT.

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

IMPRENSA PRESSIONADA

A SIP está descobrindo a América, ou melhor, a roda. Qualquer imbecil que leia um jornal por semana sabe que o Brasil é "fascista oportunista", agora de braços dados com o comunismo cubano (pode?), a Argentina "nazista por vocação", os chilenos estão lutando para sair do autoritarismo comunista e o resto é um festival de caudilhos da vez, cuja ideologia é ficar no poder, seja lá com que ideologia for. Claro que a grande imprensa comercial tem de dançar de acordo com a música, e em geral dança e só sai do ritmo quando a baderna é demais e a ditadura precisa usar o cabresto diretamente. Os latinos acham que são o que são porque os EUA são imperialistas. Foi essa pobreza de espírito que levou a URSS à falência, e estamos indo no mesmo caminho, já conseguimos quase falir a Petrobrás.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

UMA LEI INDECENTE

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aplicou a pena máxima a um desembargador do Tocantins que forjou a posse de fazenda invadida. E a pena máxima, como se sabe, é mandar o, digamos, traquinas aposentado para casa com vencimentos proporcionais, que salvo falha minha é calculado em referência ao tempo de exercício na magistratura. Ora, o desembargador em questão, Bernardino Dias Luz, ingressou na magistratura em 1982 e, portanto, com no mínimo 30 anos de exercício na carreira. Assim sendo, sua aposentadoria proporcional seria não menos do que 87,71% da atual. E essa é a pena máxima para um criminoso de tamanho quilate, segundo as normas legais que regem a carreira. No frigir dos ovos, a malandragem funciona assim: o juiz comete um crime e, se não for pego, beleza pura, se for, terá aposentadoria proporcional. Num país sério um desembargador que cometesse os crimes relatados não só perderia o cargo e a aposentadoria, como iria para a cadeia e teria as propriedades adquiridas por tal malandragem expropriadas. Aqui, não, ao contrário do que ocorreria com os demais mortais do País, ele irá para casa usufruir, até a sua morte, dos vencimentos pagos pelo erário, que por sua vez é abastecido por nós, contribuintes, moradores do Tocantins ou não. E como agora sabemos nenhum de nós poderá interpor embargo infringente no caso. Seria motivo de gostosas gargalhadas, não fora um assunto de lesa Pátria, pois no fundo é disso que se trata. Evidentemente, já passou da hora de o Congresso Nacional acabar com essa pouca-vergonha e revogar lei tão indecente.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

BRASIL, UM PAÍS CORRUPTO

Como é possível uma democracia funcionar sem justiça? Como é possível combater a corrupção no País com uma justiça em que se origina a impunidade? No dia 22/10 o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) julgou o desembargador Bernardino Lima Luz, condenando-o à pena máxima. A pena é aposentadoria compulsória, recebendo o salário, como ocorre com todo juiz condenado por crimes no exercício da função. No mesmo dia, o plenário do CNJ tinha 123 processos, sendo 17 disciplinares contra magistrados. O que faz com que haja tanta corrupção no Brasil é, principalmente, o fato de que "não há justiça" e os juízes desonestos recebem "prêmios", em vez de penas. O Congresso Nacional tem mais de 250 membros condenados pela Justiça, inclusive por assassinato, e que continuam sua vida parlamentar. A maioria foi condenada por apropriação indébita e entra com recursos no Supremo Tribunal Federal (STF) que ficam adormecidos nas gavetas dos juízes por longos períodos. A imprensa tem-se cansado de relatar a demora nas ações na Justiça de uma maneira geral e em todo o Brasil. Enquanto não tivermos uma Justiça melhor, continuaremos a ser um dos países mais corruptos e que mais envergonham sua população.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

PLANO DE SAÚDE PARA SERVIDORES

Não consigo entender. Qual a necessidade de planos de saúde privados, se o programa Mais Médicos está a pleno vapor e o SUS, beirando à perfeição? Será que é só para privilegiar, através de uma "sutil tramoia", o plano do Geap, que, segundo o artigo 1.º de seu estatuto, se denomina "fundação com personalidade jurídica de direito privado"?

Luiz Nusbaum, médico lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

FLEX

Gente, a Geap é flex! Movida a pública e privada. Só aqui mesmo.

Alessandro Lucchesi timtim.lucchesi@hotmail.com

Casa Branca

*

O AFAGO DE DILMA

Muito comovente o abraço de Dilma Rousseff, seguido de desculpas ao médico cubano por ter sido vaiado em Fortaleza ao chegar da ilha prisão dominada pelo regime comunista muito reverenciado por Dilma e seu PT. A mesma solidariedade da presidente não se estendeu à jornalista Yoani Sánchez, que, quando recém-chegada ao Brasil, foi vítima de atos de selvageria promovidos em todas as aparições públicas, ordenadas pelos irmãos Castro e obedecidas pelo comitê petista à disposição da ditadura cubana para desmerecer a blogueira que desafiou o regime perverso, indispondo-se perigosamente com os responsáveis por uma ditadura sangrenta. Pelo comportamento de Dilma, amiga dos irmãos Castro, uma inimiga de seus amigos é sua inimiga também, ao contrário do cubano vaiado no Ceará, que foi recebido como se fosse um amigo dos seus amigos. Fora comunistas e simpatizantes.

Peter Cazale pcazale@uol.com.br

São Paulo

*

YOANI E O MÉDICO

Por que a presidenta Dilma, que esta semana externou sua solidariedade e pedido de desculpas ao médico cubano que foi vaiado por um grupo de manifestantes, não teve a mesma postura em relação à blogueira cubana Yoáni Sanchez, quando de sua visita ao Brasil em fevereiro, em que, numa ação orquestrada pelo cônsul de Cuba e com setores do governo do PT, grupos de vândalos fizeram manifestações raivosas contra ela, inclusive com riscos à sua integridade física? Obviamente, para não desagradar aos irmãos Castro, colocando-se mais vez em postura subserviente. Aliás, a única voz que se fez ouvir em solidariedade à blogueira foi a do senador Eduardo Suplicy, porém este não pode ser levado a sério, visto que não perde a oportunidade de aparecer em momentos relevantes. Imagino na ocasião as reuniões de celebração realizadas no Palácio do Planalto, com direito a "salve geral" e "top top top" coletivo, coordenadas garbosamente pelo assessor Marco Aurélio Garcia.

Silvestre Levi Sampaio silvestrelevi@ymail.com

São Paulo

*

O TERNO DO MENDIGO

Os médicos brasileiros ficam como baratas que se ajuntam num canto e só saem de lá se alguém cutucar. Os profissionais de saúde não querem ficar no interior do País e criticam o governo pelo programa Mais Médicos. A verdade é que somente com médicos não se vai resolver um problema secular e conjuntural que precisa começar com a distribuição de renda verdadeira, água tratada e esgoto, saúde, educação de qualidade, planejamento familiar e prioridades. Sem isso o Brasil não sai da UTI (Unidade de Tapeação de Idiotas). O que está se fazendo é vestir um mendigo com terno e gravata e deixando ele sem calça e sapato. Brasil sem miséria é um país com prioridades.

Manoel José Rodrigues manoel.poeta@hotmail.com

Alvorada do Sul (PR)

*

DEMAGOGIA

Fazendo bonito com o chapéu do outro, como se diz, Dilma Rousseff pediu desculpas públicas ao médico cubano que foi hostilizado ao entrar no Brasil. Ora, dona Dilma tem mesmo é de pedir desculpas ao povo brasileiro pelo péssimo tratamento que esse recebe no nosso combalido sistema de saúde. O resto é blá blá blá eleitoreiro, aliás é o que ela faz de melhor ultimamente.

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

HUMILDADE

Se o médico cubano mereceu desculpas oficiais da presidente Dilma numa solenidade transmitida para todo o Brasil, segundo ela por ter ele sido "ofendido" pelo povo brasileiro, esse mesmo povo, principalmente aqueles que não têm atendimento digno pelo SUS, pois têm de esperar meses e, muitas vezes, mais de um ano para marcar consultas e realizar exames, deve merecer também uma desculpa pública dela pela humilhação que sofre de parte do sistema de saúde brasileiro. Terá ela humildade para esse ato nobre?

Pedro Akiiwa Fukumura fukumura@uol.com.br

São Paulo

*

A PRESIDENTE PEDE DESCULPAS

Vejo, estupefato, na primeira página do "Estadão" de quarta-feira, a presidente Dilma desculpando-se com um médico cubano que teria sido hostilizado quando de sua chegada ao Brasil. Sem entrar no mérito da questão com os cubanos, eu, como cidadão brasileiro que trabalha, emprega e paga os impostos que me são impingidos, também quero receber pedido de desculpas (públicas) da presidente pelos seguintes problemas/ações/situações que o governo dela vem causando, entre eles: inflação muito acima do aceitável; falta de segurança; falta de escolas; vergonhoso sistema de saúde; não implementação das melhorias (prometidas) nos portos, aeroportos, ferrovias; vergonhoso aparelhamento político de ministérios e agências regulatórias; vergonhosas manobras para impedir a criação de partidos políticos de oposição ao governo; vergonhosas manobras para agilizar a criação de partidos políticos de apoio ao governo; escandalosa manipulação política da Petrobrás visando a "segurar" a inflação; assustador aumento da corrupção no governo; completa falta de interesse em reforçar a presença de forças de segurança nas fronteiras; estanha falta de interesse em coibir o tráfico de drogas e produtos proibidos (remédios, agroquímicos, etc.) pelas fronteiras; vergonhosa política de financiamentos do BNDES; vergonhosa política de apoio e (quase) submissão aos governos da Argentina, Bolívia, Equador e Venezuela; absoluto desconhecimento de estratégia de comércio internacional, a atuação do Brasil no Mercosul é medíocre e os resultados (comerciais) práticos são muito pequenos. Vou esperar que a presidente se desculpe com todos os brasileiros.

Vlamir Breternitz vlamirb@atlanticafoods.com

Jundiaí

*

O AUMENTO DO IPTU

A informação de que a base para cálculo do IPTU é pequena, segundo técnico especialista da Secretaria de Finanças do Município de São Paulo, em socorro ao sr. prefeito, que quer aumentar esse tributo com essa alegação, pode induzir o cidadão a uma interpretação equivocada. Em primeiro lugar, valorização de um bem não paga conta de supermercado, que isso fique bem claro, a valorização de um bem somente se realiza quando esse bem é comercializado, e aí, a prefeitura paulista tem a sua parte no Imposto de Transição de Bens. Essa decisão do aumento do IPTU merece mais atenção dos cidadãos, visto que vai inviabilizar a moradia de muitos. Digamos, como exemplo, aquela vizinha que mora em sua casa há 30 anos pode imaginar que ela terá de vender a sua casa e mudar para um bairro menos favorecido pelo aumento de imposto, você acha justo isso? O outro vizinho, agora aposentado, que herdou a casa de seus pais, como vai fazer para pagar o imposto, já que vive apertado? Não pense que esses casos são raridades, porque não são, é uma agressão ao cidadão já cometida no governo Marta. Parece-nos que é uma constante nos administradores desse partido aumentar os impostos ao máximo resultando em que o País tenha mais insolvência tributária do que mercantil.

José Eduardo Leal Rebouças leal@reboucasbrasil.com.br

São Paulo

*

ASSIM É FÁCIL

Com o aumento escorchante e anual do IPTU, proposto pelo prefeito Haddad, até um poste consegue administrar a capital paulista...

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

O CRUEL IPTU

O poste Fernando Haddad, depois dessa tremenda injustiça de aumentar o IPTU para faturar à custa dos otários que votaram nele, vai virar malddad.

Antonio Jose G. Marques a.jose@uol.com.br

São Paulo

*

O GOLPE SAFADO DO IPTU

Há que se tirar o chapéu para a criatividade da corja petista que vai se instalando nos governos e que, para servir seus propósitos, entra com fome voraz no bolso do contribuinte, como agora, quando bastou tomar posse da Prefeitura paulistana e pimba!, gol do IPTU! Safadeza pura, porque, inicialmente, propõe aumentos no IPTU de 35% e 45%, sabendo que haveria uma grita geral, então vem o golpe de batedor de carteiras no contribuinte: o covarde prefeito, que sem um ano de mandato foi tirar férias na Europa e ficar longe do barulho que sabia iria causar aumento tão indecente, revela seu golpe de "joão sem dedo", quer parecer generoso ao oferecer uma benesse ao contribuinte e manda baixar em 10% os aumentos, como se 25% e 35% não fossem porcentuais ainda escandalosamente altos e muito acima da inflação e do que recebe de aumento salarial grande parte dos contribuintes. Este jornal fará um grande favor se mantiver sempre a lista dos vereadores petistas e seus aliados, para nas próximas eleições mandarmos este bando para a... Melhor não expressar-me com as palavras de baixo calão que essa cambada merece. Se esse aumento safado vingar, e como pensam também em se apossar de nosso Estado, legalmente é possível fazer um plebiscito para nós, paulistas, decidirmos sair dessa República de lulândia e nos tornarmos um Estado independente?

Laércio Zannini arsene@uol.com.br

São Paulo

*

VEREADORES DE SÃO PAULO

A Câmara Municipal paulistana poderia invalidar o extorsivo aumento do IPTU imposto por Haddad. Por que não o fazem? Algum mensalinho?

Mário A. Dente dente28@gmail.com

São Paulo

*

IPTU

Foi muito bom saber que no meio da podridão política ainda remanescem políticos comprometidos com o povo. Os nomes desses representantes do povo deveriam ser divulgados para que soubéssemos em quem votar nas próximas eleições.

Everson Rogério Pavani roger.advog@gmail.com

São Paulo

*

TÁTICA MALANDRA

Previ, em mensagem enviada a esta coluna no começo deste mês, que o sr. Haddad usaria a velha tática malandra do bate/afaga para empurrar goela abaixo do paulistano mais um aumento de impostos. Primeiro agita com 40%, depois deixa por 20% e ainda sai como "bonzinho". Haddad está-se revelando um misto de Martaxa + Kassab. Aliás, parece que foi ele o culpado pelo apelido que sua chefe ganhou, pois ele era o responsável pelas finanças da prefeitura na época. Portanto seu "brilhantismo" era previsível e como tal não deveria ter sido eleito. Parece copiar também o também "brilhante" Kassab, que quis acabar com os drogados derrubando a cracolândia e solucionar os congestionamentos proibindo a circulação de veículos. Os cidadãos não podem ser castigados por vencerem na vida ou por precisarem se deslocar por onde acharem mais conveniente. Um imóvel no centro não é necessariamente mais valioso que um na periferia e o morador desse imóvel pode não ser o dono dele e muito menos ser rico. Aliás, para isso já existe uma implacável alíquota de imposto de renda e um feroz imposto de transmissão na hora da venda. Agora parece que Haddad quer favelar ainda mais o centro de São Paulo, que comparado com outras capitais pelo mundo afora, tornou-se feio, sujo, solitário e perigoso. Graças a restrições e abandonos provocados por administradores públicos "brilhantes", não se passeia mais pela São João com a Ipiranga, nem pelo Viaduto do Chá como nos anos 70. Mas políticos malandros pouco se importam com isso, pois enchem seus bolsos com o dinheiro farto dos impostos e vivem isolados nos seus mundinhos intocáveis. Para se manter no poder, vale qualquer coisa, como aumentar o número de isentos, transformando o IPTU numa espécie de bolsa-família, o que lhes garantirá milhões de votos nas próximas eleições. O problema é que quando se isenta um cidadão, outro paga por ele. Esse sobrecarregamento de IPTU, já empurrou muitos paulistanos de bom poder aquisitivo para belos condomínios nas cidades limítrofes. Acho que mais alguns milhares, pensarão nessa hipótese.

João Carlos A. Melo jca.melo@yahoo.com.br

São Paulo

*

CARTA AO PREFEITO

Senhor prefeito de São Paulo, ouvindo e lendo suas declarações nos últimos dias sobre o IPTU e transporte público e, depois de refletir bastante, tenho a dizer: o IPTU dos imóveis comerciais são aqueles responsáveis por gerar empregos e pagarem muito (mas muito) impostos, assim como aquele cidadão que tem imóvel não comercial. Sabe o que vai acontecer no ano que vem, senhor prefeito? Algumas pessoas vão perder o emprego e muito provavelmente haverá atraso no pagamento e outros impostos serão também prejudicados. Se o senhor tivesse um imóvel comercial, muito provavelmente não conseguiria passar suas bodas com sua esposa na Itália. Com relação ao transporte público, o seu partido que está no poder há mais de dez anos vem incentivando a compra de veículos a anos, a frase de seu ex-presidente há pouco tempo foi "comprem". Gostaria muito de ir trabalhar de metrô ou ônibus, mas vou levar três vezes mais o tempo que levo hoje, que já é muito, e vou chegar a meu trabalho uma pessoa diferente da que saiu de casa, pois nosso transporte público trata o cidadão como um animal. O problema não é pagar imposto, o problema é não ter retorno (escola, transporte, saúde, justiça, saneamento básico). Amigos que moram fora dizem que o custo Brasil é um absurdo e que viver no Brasil, além de ser caro, não há qualidade de vida. Pois é, senhor prefeito, sei que os políticos como o senhor lembram-se disso apenas de quatro em quatro anos em seus discursos e campanhas e que, após a eleição, voltamos à nossa rotina normal de anos. Os senhores políticos, seres diferentes de nós, cidadãos, vivem num mundo que não existe, ou seja, existe apenas para os senhores. Grato (por nada).

Marcelo de Moura mdemoura@globo.com

São Paulo

*

FIM DA LINHA

Quando prefeito, Gilberto Kassab fechou albergues, privando moradores de rua de ao menos um banho, uma sopa quente e uma noite decente de sono. Foi muito criticado por isso. Fernando Haddad está conseguindo fazer bem pior que isso: fechou clínicas de reabilitação de drogados, cancelou linhas de ônibus, trocou abrigos de ônibus por postes, e ainda tem o aumento absurdo do IPTU. Essas medidas impopulares são um prato cheio para os adversários. Ele deveria saber que o que faz na maior metrópole do País afeta a Nação principalmente em época de eleição. E não será pintando faixas exclusivas de ônibus que maquiará o lado negativo de seu mandato. Que seja o começo do fim do PT em São Paulo.

Sérgio Aparecido Nardelli sergio9@ig.com.br

São Paulo

*

BIOGRAFIAS

O que querem os defensores da liberdade de expressão dos nossos conturbados dias? Só para esclarecer, faltar verbalmente com o respeito a outra pessoa é falta de educação ou liberdade de expressão? Nos casos das biografias não censuradas não seria uma nova versão do "BBB", em pelo menos alguns casos? Afinal, muita gente gosta como gosta das novelas. O importante é que seja bem embalada, embrulhada em papel celofane e com laços de fitas de cetim. E sobre o pacote uma linda flor. Mas ai o poeta Pedro Bial pode fazer o prefácio ou coisa do gênero. Diz o ditado que, para ensinar latim ao João, não basta conhecer bem o latim. É preciso, sobretudo, amar o João. Mutatis mutandis, para ser biógrafo é preciso amar o biografado, porque quem não merece ser amado não é exemplo para ser biografado.

Marisa Stucchi marisastucchi@hotmail.com

Ribeirão Preto

*

VELHA GUARDA

A rebelde e contestadora jovem guarda dos anos 60 transformou-se na curvada velha guarda dos nossos dias. O tempo passou por eles e deixou sua marca indelével. A pele enrugou, os cabelos embranqueceram ou caíram e as atitudes covardes de hoje se escondem atrás de porta-vozes e advogados. Nossos ídolos de outrora erraram a letra, perderam o ritmo e saíram do tom. Desafinaram geral.

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

AO LIXO COM A CENSURA

Eu gostaria de saber qual seria a credibilidade de uma biografia de Adolf Hitler, Mao Tse-Tung, Getúlio Vargas, Paulo Maluf ou José Sarney, se fosse contada apenas a versão autorizada por esses ou seus descendentes. Pessoalmente, não tenho nenhum interesse na vida íntima de celebridades do mundo artístico, mas é fato que a maioria dessas personalidades vive exatamente da superexposição intencional de suas vidas íntimas pela imprensa sensacionalista. Não são poucos os que chegam a pagar por matérias nesse tipo de imprensa apenas para se manterem em evidência. Ainda tenho esperança de que essa censura seja definitivamente varrida para o lixo da história.

Luciano Nogueira Marmontel automat_br@ig.com.br

Pouso Alegre (MG)

*

PELÉ

Pelé realmente é abençoado pelos deuses. Escapou de ter como biógrafo Juca Kfoury. Não mereceria tamanha afronta e desgosto.

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

LIBERAÇÃO DE BIOGRAFIAS

É importante que a nossa maior Casa de Leis, em ato de homenagem à democracia e à liberdade de expressão, libere as biografias para comentários e escritos. É inaceitável que biografias de cidadãos e cidadãs, que se tornaram públicos e que até interferem nas posturas de milhares de pessoas, fiquem sujeitas a vetos familiares ou transações espúrias e até ofensivas à liberdade de expressão. Deve, sim, a legislação conter punições, como as criminais, com remissão ao Código Penal, e, ainda, indenizações por danos morais e materiais, cujos montantes e oportunidades serão analisados pelo Poder Judiciário, em ação civil própria. Assim, não tem sentido impedir escritos de biografias, por exemplo, de Getúlio Vargas, Machado de Assis, Roberto Carlos, Pelé, e outras figuras que se tornaram do domínio público e cuja vida merece ser levada, também, a público, com a parcimônia e a correção necessárias.

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

CENSURA E DOUTRINAÇÃO

O risco de censura existe e paira sobre os jornais brasileiros. O pior é que pelo menos uma geração de jornalistas foi doutrinada nas universidades federais a curvar-se diante do esquerdismo e a aceitar sua doutrinação. Não é nada impossível que a maioria deles nem sequer se indigne, considerando uma eventual censura um bem para o partido. Liberdade e socialismo nunca foram compatíveis e jamais serão.

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

‘ABAPORU’ VETADO EM ESPETÁCULO

Ao se completarem 1.485 dias de censura ao jornal, leio que herdeiros de Tarsila do Amaral reclamam pagamento sob divulgação de uma obra, que pela incompetência de alguém está em poder um mecenas argentino (e, consequentemente, fora do País) alegando poder de negociação. Antevejo em breve o "Estadão" com tarjas pretas novamente por causa de pessoas com pensamentos tão egoístas e ambiciosos.

José Roberto Palma palmapai@ig.com.br

São Paulo

*

TARSILA FORA DE CENA

Será que Tarsila do Amaral teria apreciado estar ausente de um espetáculo modernista? As famílias pensam nos direitos autorais, mas jamais no direito do finado autor de seguir brilhando.

Silvia Cintra Franco scfranco@uol.com.br

São Paulo

*

CAZUZA FOI TUDO ISSO?

O Museu da Língua Portuguesa recebe a primeira mostra dedicada a um músico. Trata-se da mostra "Cazuza, mostra a sua cara", sobre o compositor e líder da banda Barão Vermelho. Concordo que Cazuza foi autor de algumas belas músicas, mas dai a ser chamado de "visionário" ou de "um cara que viveu muito além do seu tempo", vai uma enorme distância, convenhamos.

Maurício Rodrigues de Souza mauriciorodsouza@globo.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.