Fórum dos Leitores

GOVERNO DILMA

O Estado de S.Paulo

03 Novembro 2013 | 02h08

Gatilho e inflação

Gatilho no preço dos combustíveis? A hiperinflação, derrotada no governo de Fernando Henrique Cardoso, começou com o gatilho salarial que virou indexação... Santayana já dizia: "Aqueles que não se lembram do passado estão condenados a repeti-lo".

GILBERTO DIB

gilberto@dib.com.br

São Paulo

Recuperar a Petrobrás

Não vejo a menor necessidade de aumentar os combustíveis. Analisando seus últimos balanços, a Petrobrás tem é de reduzir custos. Num comparativo produção/quadro de empregados, verificamos que seu efetivo é 50% superior ao de outras petrolíferas. Evitar desperdícios do tipo compra de refinarias no exterior e associações indevidas com países bolivarianos. E mais seriedade na aquisição de máquinas e equipamentos. Isto feito, estará no mesmo nível das concorrentes.

PAULO HENRIQUE C. DE OLIVEIRA

ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro

Reajuste da gasolina

Sem querer fazer um exame técnico do preço da gasolina, gostaria de saber se, quando comparam com o valor em outros países, levam em consideração que a do Brasil tem álcool misturado. É injusto fazer um parâmetro com um produto mais puro.

VANDERLEY JORDÃO

vanjord@gmail.com

São João da Boa Vista

País acéfalo

O desgoverno central e os ministros da área econômica estão metendo os pés pelas mãos. Quando a presidente vai começar a governar e se assessorar melhor? É bom esquecer a reeleição, antes que o povo a esqueça de vez. A incompetência é comprovada pela urgência do leilão do pré-sal do campo de Libra a qualquer preço (no caso, preço mínimo) como tentativa de melhorar o estrondoso déficit das contas públicas. O País está acéfalo.

LUIZ DIAS

lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

Libra, um descalabro

Fantástico o artigo Libra, um equívoco do tamanho do campo (30/10, A2)! Só acrescento que não é um equívoco, é um descalabro. Esse governo Dilma-Lula-PT, visando à reeleição, vai levar a Petrobrás à falência. Torna-se necessário o povo voltar às ruas contra o leilão. FHC deveria ter tido a coragem de privatizar a Petrobrás.

AURÉLIO BATISTA PAIVA

aureliobpaiva@gmail.com

Brasília

Privatizações

A privatização de Libra supera em muito a soma de tudo o que foi privatizado pelo governo de Fernando Henrique Cardoso. O consórcio vencedor poderá descontar parte dos custos investidos, a parcela do petróleo que de fato ficará com a União será metade da anunciada. Mais de 60% do petróleo de Libra irá para o exterior, inclusive para a Shell, que perfurou o campo em 2011, não achou petróleo e o devolveu. Todo país precisa de investimento privado, que já deu provas de que mais enriquece a população do que empobrece. Mas o combustível que move a nossa presidenta é ideológico e provoca uma crise de confiança entre seu governo e empresários, inibindo os investimentos tão necessários ao País. Mas o que esperar de uma presidenta que, no caso de Libra, se mostrou atrapalhada, com um contraditório discurso antiprivatista?

CARLOS IUNES

carloiunes@gmail.com

São Paulo

Contas públicas padecem

Confirmando a surdez crônica deste governo, que não ouve especialistas que há muito vêm sugerindo a redução drástica dos gastos improdutivos, em setembro o déficit das contas públicas piorou e foi o maior desde 2001: R$ 9 bilhões. Perdida que está a gestão petista, vem agora seu ministro da Fazenda, Guido Mantega, enquanto mostra preocupação com a deteriorada meta fiscal, anunciar que estuda reduzir a concessão do seguro-desemprego e do abono salarial, que até setembro consumiu em torno de R$ 45 bilhões, como se os trabalhadores fossem culpados pelo péssimo resultado fiscal do governo Dilma. Mas a realidade é outra: bilhões jogados no lixo da irresponsabilidade com seus 40 desconexos ministérios, milhares de camaradas recrutados sem necessidade nem qualificação profissional lotados na administração federal, recursos milionários entregues a fundo perdido e sem critério a centenas de ONGs fantasmas, etc. Se é verdade que o déficit público do País não está em estágio agonizante, a continuar essa passividade, ou desprezo do PT pelo dinheiro do contribuinte, o futuro próximo não indica céu de brigadeiro...

PAULO PANOSSIAN

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

Sob controle

As contas do governo central tiveram o pior desempenho para o mês de setembro em 17 anos? Não pode ser, deve haver algo errado! Ora, a "presidenta" não disse recentemente que "as contas públicas estão sob controle"?

HENRIQUE BRIGATTE

hbrigatte@yahoo.com.br

Pindamonhangaba

Mais um recorde...

... do governo no pudê, o qual vem se superando sucessivamente, batendo todos os recordes negativos. Agora é a vez do déficit público. E viva o PT-lulismo!

ANGELO TONELLI

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

Comércio exterior

Dentre os grandes desacertos do governo, o que mais chama a atenção é o da economia, que está um desastre. Dilma Rousseff acumula recordes negativos, como o déficit das contas públicas, o maior em 11 anos. E agora se anunciou um novo recorde, este nas contas externas: o déficit comercial em outubro foi o maior em 15 anos, US$ 1,8 bilhão. Esse número pode ser pior, pois o governo costuma atrasar lançamentos das importações da Petrobrás, uma daquelas contas da "contabilidade paralela". No comércio exterior, chama a atenção também o fato de que, segundo a OMC, o País foi classificado em 106.º lugar entre 118 países quanto à rapidez e eficiência no desembaraço de importações. A demora para liberar mercadorias no Brasil é de 5,5 dias; na China, 3,5; e na Índia, 3,4. O aeroporto de Xangai libera mercadorias em 4 horas, o de Guarulhos leva 177 horas (8 dias) e o do Galeão, 217 (10 dias). Não há motivo razoável para tanta demora, a não ser a incrível incompetência.

FABIO FIGUEIREDO

fafig3@terra.com.br

São Paulo

Quebrou

Por causa da total falta de administração e do surrupio de funcionários, o País afundou. Pediremos então recuperação judicial.

ALESSANDRO LUCCHESI

timtim.lucchesi@hotmail.com

Casa Branca

LULA E MARINA

O ex-presidente Lula não gostaria de deixar transparecer nenhuma irritação, como estadista que se considera. A calma, a fleuma e o equilíbrio devem ser a marca de um estadista que se preze. Entretanto, com a senadora Marina Silva Lula perdeu o controle ao escutar alguns elogios a governos anteriores e à ideia de que a presidente Dilma não tinha marca própria. Recomendou que a ex-senadora se informasse melhor sobre os números e lições de Economia. Eu também concordo em parte com o "estadista" no que se refere à marca de Dilma. Ela tem, sim, a marca própria: o estigma de ser a "criatura de Lula".

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

*

SOMBRAS

Lula, que pensa ser fundador do Brasil, disse que Marina é a sombra de Eduardo Campos, assim como José Serra é a sombra de Aécio Neves. Faltou assumir que dona Dilma é a sombra feminina dele próprio, Lula. Acredito que a ira do ex-presidente se deve à citação pública de Marina reconhecendo os grandes feitos econômicos da era FHC, de quem Lula morre de inveja.

Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

*

O CAVALO PASSOU

Já que Serra não desiste e Aécio não consegue emplacar, a melhor saída para o PSDB em março de 2014 seria apoio a Campos e Marina, porque será muito tarde para viabilizar uma candidatura própria. O cavalo arriado já passou.

Ulysses Fernandes Nunes Jr Ulyssesfn@terra.com.br

São Paulo

*

POSTES E PADRINHOS

Recomendo ao Aécio que arrume uma celebridade como vice, porque a característica da eleição do ano que vem vai ser: votar no poste para eleger o padrinho...

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

O BONDE ANDANDO

Lula, ao atacar Marina Silva e querer se autoelogiar, com toda a sua falsa modéstia, perguntou se ela se lembra de que a inflação quando ele chegou ao poder era de 12%, e disse que agora ela está dentro da meta há dez anos. Só se esqueceu de citar algo de suma importância: quem foi o responsável que iniciou esta caminhada e como ele pegou o bonde andando tendo só de mantê-lo na linha. Fácil, não?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

ELE QUER VOLTAR

"Se encherem muito o meu saco, eu volto em 2018." Belíssima expressão dita por um ex-presidente da República por duas vezes, estadista de Garanhuns e doutor honoris causa da Universidade de Coimbra ("Estadão", 30/10). O saco do PT já está muito cheio, sr. Lula, chega de abusar da paciência dos brasileiros esclarecidos.

F. Kairalla fkairalla@itelefonica.com.br

Neves Paulista

*

POBRES MORTAIS

Se Lula está com o saco cheio, imagem o nosso, pobres mortais! É melhor que fique em casa.

Luzia A. Fernandes Trabbold luziatrabbold@hotmail.com

São Paulo

*

TRAÍDO

Lula se deixou trair pelo subconsciente quando disse que, "se encherem o saco" dele, ele será candidato em 2018. Ora, somente uma pessoa que presume que Dilma irá perder as eleições em 2014 diz que terá de voltar em 2018.

Eugênio José Alati alatieugenio@gmail.com

Campinas

*

PAPO FURADO

Com suas palavras, Lula já encheu o saco. Conseguiu emporcalhar ainda mais a política do País. Juntamente com sua substituta, está conseguindo formar um Supremo Tribunal a seu gosto. Tudo em que mexem vira bagunça, vide Petrobrás. Espero que não acabem com a Caixa Econômica, com o Banco do Brasil, etc. Conseguiu transformar o correto em incorreto e acha que o povo é burro, que engole seus papinhos furados.

Ferdinando Perrella fperrella@hotmail.com

São Paulo

*

NOVOS ELEITORES

Com todo respeito, quem já esta enchendo o saco é o sr. ex-presidente. Em 2018, daqui a cinco anos, jovens de 13, 14, 15, 16 anos serão novos eleitores e tenho certeza de que não irão votar no PT, por tudo o que agora está acontecendo e que eles estão vendo e sentindo na pele, pois graças a estes últimos oito anos, no nosso país faltam Justiça, escola, salários decentes, estrutura, moradia e, agora, acima de tudo, segurança. Vai voltar para quê?

Jose Pedro Vilardi vilardijp@ig.com.br

São Paulo

*

AMEAÇA?

"Se me encherem o saco, volto em 2018", assim se pronunciou Lula. É uma ameaça? E para se preocupar? E dona Rose, digo Mariza, digo Rose, também voltam?

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

'SE ME ENCHEREM O SACO...'

Com a elegância que todos conhecem, o ex-presidente Lula fez esta declaração infeliz, aliás, o que o caracteriza em muito. É ele, depois de deixar o governo, em 2010, que não para de encher o saco de todos os brasileiros.

Ariovaldo J. Geraissate ari.bebidas@terra.com.br

São Paulo

*

FALA DE EX-PRESIDENTE

Lobo perde o pelo, mas não perde o vício. Podem preferir a revelação pura e simples de que um apedeuta será sempre um ignorante, não aproveitando o tempo para se instruir. Tempo, aliás, "elle" sempre o teve, mas sempre mal empregado.

Flávia de Castro Lima lgcastrolima@uol.com.br

São João da Boa Vista

*

COCHICHO

Que o ex-presidente Lula converse abertamente com a presidente Dilma Rousseff e deixe de cochichar no seu ouvido (foto "Estadão", 31/10). Para defender a gestão da economia, precisa recorrer ao comadrismo? Diz o ditado: quem cochicha o rabo espicha.

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br

Assis

*

MUDAR O SISTEMA

Não adianta mudar o imperador, temos de mudar o sistema. Parlamentarismo já. Tanto faz se o monárquico ou o republicano, o que não dá mais é para ficar dando cheque em branco a "imperadores" do presidencialismo podre de viciado.

Roberto Moreira da Silva rrobertoms@uol.com.br

São Paulo

*

EDUARDO CAMPOS SOBRE LULA

Não me sinto confortável ouvindo o "ex" deitar falação, bater a torto e direito e não ter resposta a altura. Estas de "tenho muito respeito", "relação preservada" e outras do tipo estão requentadas. Daqui a pouco, estarão estendendo o tapete vermelho. Para com isso, gente!

J. Perin Garcia jperin@uol.com.br

São Paulo

*

MANTENHA DISTÂNCIA

Acho bom o candidato Eduardo Campos não sair por aí dizendo que seu relacionamento com Lula vai além das questões conjunturais e eleitorais, pois todos os mensaleiros mantinham tal relação e caíram, é claro, não pela justiça feita pelos ministros da "casa", mas caíram na opinião popular. Então, caro sr. Eduardo, se ainda não vendeu sua alma ao Partido dos Trabalhadores, fique longe dele.

Everson Rogério Pavani roger.advog@gmail.com

São Paulo

*

EM DEFESA DE LULA

Ao ouvir o pronunciamento do ex Presidente Lula (PT) no Congresso Nacional falando sobre o povo indo às ruas em junho, deu vontade de ir para a rua para agradecê-lo por tudo de bom que o Brasil vem alcançando. Prouni, Fies, Bolsa Família, Luz para Todos, Vale Gás, economia forte, Mais Médicos, pré-sal, fortalecimento das fronteiras... Governo Lula e governo Dilma, muito obrigado por vocês permitirem ao povo brasileiro de fato ter direito a uma vida mais digna, mais justa e mais igualitária, o que contradiz o desejo de uma parte da elite brasileira que odeia as minorias e que não suporta vê-las ocupando as filas dos supermercados, das concessionárias e, principalmente, ver os filhos dos pobres estudando no nível superior para deixarem de ser manipulados por quem se achava uma raça superior e intocável. O Brasil é um país de todos, para todos, e não só para quem comia filé sozinho e zombava de quem comia acém.

Renato Silva, estudante de pedagogia financiado pelo Fies renatosilva.kl@hotmail.com

São Paulo

*

SACO POR SACO

Ai de mim, ai de nós todos que temos de suportar o falatório arrogante, tosco, rastaquera de nosso ex-presidente. O nome dele cansa, cansa até pronunciar, pois, se um dia valeu alguma coisa, hoje não vale mais nada. Só sua foto conspiratória e bajulativa ao lado de Sarney dá náuseas. Só a maneira como se refere à imprensa ("Estadão" sob censura há 1.495 dias) prova que ele dela tem pavor, não por avacalhar política alguma (sic), mas por ainda revelar certos fatos e sórdidas verdades deste podre poder. E, finalmente, ao desmoralizar de forma debochada e até ameaçadora futuros candidatos rivais, termina suas elegantes afirmações com uma bravata que ninguém, mas ninguém mesmo, em país algum, deveria merecer: "E, se encherem muito meu saco, vou voltar em 2018". Portanto, depois dessa pérola, façamos um reflexão: de saco por saco, acho que devemos, após profunda meditação, avaliar quem está de mais saco cheio de quem. É válido, é democrático e revelador do último grau em que se encontra nossa indigente e agônica democracia.

Gloria de Moraes Fernandes glorinhafernandes@uol.com.br

São Paulo

*

ANIVERSÁRIO DA CONSTITUIÇÃO

Em sessão solene, o Senado entregou, na terça-feira, medalhas em homenagem aos 25 anos da Constituição de 1988 para os ex-presidentes Lula e José Sarney. Na época, Lula e seu partido, PT, criticaram duramente e votaram contra a Constituição. Portanto, se tivesse um pouco mais de ética administrativa, ele deveria ter declinado dessa homenagem. E mais, na mesma solenidade ele enalteceu o ex-presidente José Sarney, que na época ele chamou de "o maior ladrão da nova República". Haja hipocrisia!

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

AVACALHAÇÃO

Nosso país avacalhou de vez. Como pode um ex-presidente, maior beneficiário do mensalão, ser convidado para comemorar os 25 anos da Constituição se seu partido votou contra ela? Esculhambou geral.

L. A. B. Moraes labmoraes@uol.com.br

Santos

*

CULPA DA IMPRENSA?

O senhor Lula da Silva blasfemou novamente no Congresso Nacional, alegando que a imprensa é que "avacalha" a política nacional. Ora, senhor Lula da Silva, nós, eleitores brasileiros, sabemos muito bem quem "avacalhou" verdadeiramente nossa política nos últimos dez anos. É que o senhor nunca sabe de nada, quando lhe convém, portanto, vamos dar-lhe uma ajudazinha. Relacionarei alguns fatos para refrescar vossa memória: o mensalão, juntamente com a cúpula do seu partido; os dólares na cueca, com deputado do seu partido; o dossiê dos "aloprados", com correligionários do seu partido; acordos nefastos do seu partido com José Sarney, Fernando Collor e Paulo Maluf; a Operação Porto Seguro, da Polícia Federal, com a efetiva participação de sua amiga íntima Rosemary (Rosegate); e, mais recentemente, a queda do castelo de areia das empresas "EBX", do empresário Eike Batista, aquele que o senhor cantou em verso e prosa como o empresário que deveria ser exemplo para todos os demais empresários brasileiros. Francamente, senhor Lula da Silva, depois desses fatos, que são apenas alguns, ligados diretamente ao senhor, que definitivamente "avacalharam" nossa política, o senhor blasfema novamente que a imprensa é a culpada? A sua cara de pau continua a mesma, principalmente quando, no mesmo evento, o senhor nos faz a ameaça de voltar em 2018. Por favor, aposente-se de vez, antes que nosso Brasil vire uma Venezuela ou uma Cuba, mais endividado, é claro.

Antônio Carelli Filho palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

*

CONSCIENTIZAÇÃO

Quando escuto os impropérios ditos pelo sr. Lula contra a imprensa, a que não é "chapa branca", mais me conscientizo da importância de continuar assinando os jornais, revistas, ouvindo as rádios que não avacalham com a política, para que estes meios de comunicação não fiquem reféns das propagandas oficiais federais, tendo a independência necessária para fazer seu jornalismo sem coerção.

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

FINO

Em ato pelos 25 anos da Constituinte (sabotada por ele e por membros de sua "quadrilha"), o ébrio de Rosemary, com sua habitual finesse e tão a gosto deste imbecilizado Brasil, ameaçou voltar em 2018, se lhe "encherem o saco". Prefiro estar morto até lá a vê-lo ser novamente eleito.

Renato Otto Ortlepp renatotto@hotmail.com

São Paulo

*

ESSA FOI DE LASCAR, COMPANHEIRO

Durante evento de comemoração dos 25 anos da Constituição de 1988, provando mais uma vez que não se pode levar a sério o que dizem os políticos oportunistas nem a política praticada por eles, o ex-presidente Lula da Silva saiu mais uma vez com uma de suas metáforas comprando o saudoso e imortal Ulysses Guimarães ao forasteiro e nefasto coronel do maranhão José Sarney, cuja família mantém censura há quase 1.500 dias sobre o jornal "O Estado de S. Paulo", que num passado não tão longínquo Lula só não chamou de "santo" em seus discursos radicais, como fez também com outros políticos picaretas da política nacional. Incrível como em política, com o passar do tempo, as pessoas vão mudando para bem pior, com algumas exceções, o que não é o caso do demagogo Lula. Por que o ex-presidente odeia tanto a imprensa? A mesma que no passado tanto o ajudou para que seu projeto de governo fosse concretizado ao chegar ao Palácio do Planalto.

Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

*

MOTIVO PARA COMEMORAR

O presidente de fato reuniu-se há pouco, em Brasília, com a presidente de mentirinha. Motivo: comemorar os dez anos do "bolsa mensalão". Gostaria muito de ver o dia em que a Presidência da República reúna seus 39 ministros para comemorar a saída de alguns milhões de brasileiros desse esquema de escravização eleitoral. Aí, sim, haverá motivo para comemorar.

Nelson Penteado de Castro pentecas@uol.com.br

São Paulo

*

SEM VERGONHA

Lula mais uma vez mostrou sua hipocrisia e empáfia, costumeiras depois que se tornou presidente. Durante a comemoração de aniversário da Constituinte, no Congresso, ele discursou e, com a desculpa de homenagear José Sarney, comparou-o a Ulysses Guimarães, que deve ter-se revirado no túmulo com tal afronta. O presidente Burla (ele é) esqueceu-se de que no passado chamava Sarney de "ladrão". Mas como político não tem vergonha na cara, ele engole o sapo hoje para vomitar amanhã na cara de quem o ofendeu.

Laércio Zannini arsene@uol.com.br

São Paulo

*

FIXAÇÃO EM FHC

Lula parece que jamais abandonará as "comparações" (descabidas) entre seu período e o de FHC. A fixação do petista com o tucano parece não ter limites. Agora saiu-se com esta: "É importante lembrar que a gente tinha uma inflação de 12% quando cheguei à Presidência e hoje a inflação está em 5,8%" - garganteou, (mal) comparando. Mestre das meias verdades, Lula esqueceu-se de que, na campanha de 2002, o mercado tratou de ir ao dólar fazer um "hedge", já que não queria pagar para ver um carbonário socialista na Presidência. Como corolário, a cotação da divisa foi a R$ 4,00 (quatro reais). Se para os padrões cambiais de hoje isso é alto, imagine em 2002... Evidentemente, a inflação foi no rastro do câmbio. Esse "incidente" inflacionário deu-se pelo único fato de o então candidato petista não inspirar confiança nos mercados, fato que, ao depois, foi contornado aos poucos, tendo a "Carta ao Povo Brasileiro" e uma política de juros consequente, praticada pelo ex-tucano Henrique Meirelles no Banco Central, contribuído para a volta à normalidade. O petista sabe muito bem disso, mas a velhacaria o impede de admiti-lo de público. Quanto a dizer que a inflação está há "dez anos dentro da meta", essa é outra falácia típica de petralha. A meta é de 4,5%, e não de 6,5%. A verdadeira "meta" de Lula e de seu partido é o poder a qualquer custo, não o respeito à verdade dos fatos.

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com

São Paulo

*

DEBATE

Que tal um debate em rede nacional de rádio e televisão reunindo FHC e Lula? Dessa forma, o eleitor poderia avaliar melhor aqueles que realmente dão as cartas neste país, facilitando a sua escolha em 2014, por razões óbvias.

Luiz Antonio Fescina terrasfescina@terra.com.br

Conchas

*

A BAGAGEM DE LULA

Lula chegou a Brasília em 2003 praticamente com uma pequena bagagem e, em 2011, foram 11 (onze) caminhões baús transportando os seus pertences para São Paulo. Naquela época, por motivo de "segurança nacional", o uso do "cartão corporativo" não poderia ser divulgado. Agora, não mais envolvendo a tal da "segurança nacional", o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, bem que poderia esmiuçar e divulgar todos os gastos do ex-presidente com o "cartão corporativo". Lembro que pela praticidade, para sua excelência não perder tempo, é que foi criado o tal cartão. Janot, sob o pretexto de transparência das contas públicas, para o bem do País tem o dever de divulgar, saciar a curiosidade do povo e comprovar a honestidade do nosso exótico "estadista". Janot, não nos decepcione.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

AMIGOS COMPANHEIROS

Quatro ex-funcionários da Prefeitura de São Paulo foram presos acusados de um desvio milionário que pode chegar a pelo menos R$ 500 milhões. O Ministério Público comprovou um rombo de R$ 200 milhões ao longo de três anos. Mas a Prefeitura estima que a fraude chegue a R$ 500 milhões pelo tempo em que o grupo atuou no esquema desvendado. Não foi à toa que Gilberto Kassab se juntou ao PT, ou seja, diz-me com quem andas e eu te darei algo em troca. Este já é o segundo mega caso de corrupção na gestão Kassab, e agora o time está completo: Lula, o surdo, Maluf "não fui eu" e Kassab, o vira-casaca.

Antonio Jose G. Marques a.jose@uol.com.br

São Paulo

*

OS RATOS EM AÇÃO

Segundo Kassab, os acusados de falcatruas e desvio de dinheiro dos cofres da Prefeitura de São Paulo não foram indicados pelo ex-prefeito, pois são funcionários de carreira. Os funcionários Ronilson Bezerra Rodrigues, Eduardo Barcelos, Carlos Augusto Di Lallo Leite do Amaral e Luis Alexandre Cardoso de Magalhaes, acusados de integrar a quadrilha que recebia propina de grandes construtoras para aliviar o Imposto sobre Serviços (ISS), aprenderam com seus antecessores. Quando entra um governo de oposição ao que saiu, existe interesse em investigar. Não podemos esperar muita coisa, pois essa história de propina para aprovar o "habite-se" tambem vem do século passado, há muitos fiscais envolvidos, mas a lei sempre foi tolerante com eles. As propinas estão em todas as prefeituras de todo o País. Todo prefeito sabe, mas quem vai punir os financiadores de campanha, da qual todos dependem? A se confirmarem as acusações, a legislação prevê demissão dos funcionários, a bem do serviço público. Ultimamente o que mais se vê são funcionários desonestos infiltrados em todos os setores públicos, como uma missão especial de corromper e ficar rico. Só isso, o resto é conversa para boi dormir. Enquanto quem lê está distraído com essa notícia, os ratos estão agindo.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

FORAS-DA-LEI

Não se para de presenciar barbaridades na Prefeitura de São Paulo. Quando é que esta gente vai se moralizar e fornecer documentos para "habite-se" e licença de funcionamento dentro dos conformes, sem necessidade de os interessados terem de recorrer a mecanismos não recomendados?

Marco Antonio Martignoni mmartignoni@ig.com.br

São Paulo

*

CORRUPÇÃO NA PREFEITURA

A ingenuidade hipócrita dos políticos beira o ridículo. O sr. Haddad descobriu a "pólvora"? Ou somente quer limpar a área e substituir os protagonistas? Ou ele não sabe que as propinas neste segmentos de liberação de obras, alvarás e habite-se é endêmica, e vem de muitos anos, tendo passado por todos os partidos, inclusive o dele. Ou ele nunca conversou com um incorporador? Será que ele quer mesmo acabar com a corrupção? Se quiser, deve mudar o sistema, e não somente trocar pessoas. O que ele anunciou para estancar com este poder paralelo que tira o dinheiro do povo? Vai mudar o sistema? Vai informatizar? Vai criar um comitê de apelação quando algum destes malfeitores criarem dificuldades para obterem "facilidades"? Vai criar uma ouvidoria e uma auditoria independente? É isso que os paulistanos estão esperando dele, para o dia seguinte. Vamos aguardar e ver para que ele veio.

Manoel Sebastião de Araujo Pedrosa Link.pedrosa@gmail.com

São Paulo

*

RANKING DOS PARTIDOS

A Máfia do Asfalto, sobejamente divulgada pela imprensa e que graças a um trabalho longo de investigação do Ministério Público e da Polícia Federal, no qual levaram para cadeia a quadrilha que desviava recursos públicos, em 78 municípios, agora o "Estadão" divulga uma planilha encontrada com um contador dos vis, com nomes de nove deputados estaduais e federais, prováveis beneficiados por propinas num total de R$ 3,048 milhões. O que chama a atenção é a predominância de parlamentares do PT nesta lista. Dos 9 nomes descobertos, 7 são da sigla de Lula, 1 do PSB, de Eduardo Campos, 1 do PSD do Kassab, e 1 dos tucanos. Ou seja, desde que chegaram ao Palácio do Planalto, isso há 11 anos, os petistas se mantêm líderes quando o assunto é corrupção! E neste episódio da Máfia do Asfalto, o PT, também não perdendo a sua vocação, se sustenta garbosamente na ponta das indignações.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

PREGAR NO DESERTO

Dias desses, num supermercado, não pude deixar de ouvir duas senhoras reclamando dos preços abusivos dos alimentos e que o que ganhavam não dava sequer para a alimentação básica. Dizia uma delas: subiu o pão, o arroz, o feijão a carne, então, nem se fale, muito difícil entrar lá em casa, no que foi prontamente aprovada pela segunda, que acrescentou: e o legumes, as verduras "agente" tem de comprar das mais baratas e cheias de inseticidas (agrotóxicos) as outras (hidropônicas) estão muito caras, imagine um pé de alface custar R$ 7,00. Quem frequenta supermercados sabe que estas conversas são corriqueiras, principalmente no momento atual, em que os preços estão pela hora da morte. Ao se separarem aproveitei o "gancho", puxei conversa com a que mais reclamava e ouvi a mesma ladainha e, também, em tom de descontentamento afirmei em palavras entendíveis minha opinião. É, precisamos acabar com essa pouca vergonha, com esse bando ladrões, com os fingidos que vivem enganando os pobres com discursos oportunistas de que a pobreza no Brasil acabou, e finalizei. Não é mesmo? O senhor tem razão. Se não fosse a presidente, como que é, ah, Dilma, dá uma ajudazinha com a bolsa família, coitada dos pobres. Preguei no deserto! Assim como estas senhoras, com certeza eleitoras desinformadas, outros milhões estão neste mesmo barco furado, cujo naufrágio é iminente. "A desinformação é o analgésico dos pobres" (Rafael Silveira).

Sérgio Dafré sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

*

A NOVA CLASSE C

Dados confirmam que a classe C ganhou mais adeptos. Eles melhoraram de vida, tiveram acesso a muitos bens, provaram e gostaram do que viram. Muitos viajaram, compraram carros, casas, etc. Agora que provaram do que e bom, certamente ficarão mais exigentes. Ser rico e ter acesso aos serviços essenciais. Então, classe C, mãos à obra. Exijam educação de qualidade para seus filhos, as melhores escolas, acesso aos melhores hospitais e tratamentos, saúde de ponta, segurança para ir e vir, transporte e moradia dignos. O ponto positivo desse aumento virá com a consciência dos cidadãos, que certamente reivindicarão seus direitos.

Luciana Lins lucianavlins@gmail.com

Campinas

*

QUANTO PIOR MELHOR?

Li no "Estadão" (28/10/2013) que o senhor Marcos Farnese, do sindicato dos despachantes aduaneiros de São Paulo, teria dito, a respeito do cipoal que é a legislação aduaneira brasileira, que quanto pior a burocracia melhor para o despachante. Já há alguns anos ouvi de um bem cotado "jurista", o senhor Ives Gandra Martins, aquele que propôs uma Adin para excluir os correntistas dos bancos da proteção da Lei de Defesa do Consumidor, que a legislação tributária produzida em Brasília é boa, mas mal aplicada nas pontas, servidores fazendários criando dificuldades para vender facilidades. Isso em evento promovido pelo sindicato dos fiscais! O que lhe falta em tino tem em sobra em coragem... Discordo de ambos. Nossa legislação é péssima, é excessiva, é confusa, é conflitante. É ruim para os contribuintes, que não a conseguem entender e cumprir. É ruim para os fiscais, que podem a qualquer momento ser acusados de prevaricação ou de excesso de exação, ao deixarem de exigir o que devem ou cobrar o que não devem. É ruim para o Estado, que perde energia navegando no cipoal de regras, para acabar constituindo créditos tributários que permanecerão anos em discussão nos tribunais, em vez de poder efetuar fiscalizações rápidas e corretas. É ruim para os juízes, que julgam sem realmente saber o que estão julgando, tão perdidos como os demais nessa selva. A pretensa vantagem que os despachantes, e, pelo mesmo raciocínio, os advogados, teriam por auxiliarem os exportadores e importadores a lidar com essa confusão, desaparece quando se imagina quanto poderia crescer o País se não fosse tolhido em seu desenvolvimento por essas barreiras. Certamente o custo de um despacho seria menor, a remuneração do despachante seria reduzida, mas quantos novos despachos poderia esse despachante despachar? Sem estresse? Os advogados teriam menos causas, mas causas que efetivamente chegariam a termo, num Judiciário menos entulhado de ações, e poderiam finalmente receber seus proventos. Ou, melhor ainda, poderiam assessorar as empresas em contratos internacionais, empresas que estariam crescendo e oferecendo mais oportunidades, talvez não de litígios tributários. Quanto pior, pior.

Paulo Werneck tofaneto@terra.com.br

Rio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.