Fórum dos Leitores

SENADO

O Estado de S.Paulo

08 Novembro 2013 | 02h13

Esbórnia obscena

O Estado de ontem noticiou o escandaloso número de cargos políticos no Senado brasileiro: 3.241! Mais escandaloso ainda é o total de 6.232 cargos na Casa, muitos deles até há pouco com salários superiores a R$ 28 mil. Seguramente não há no Brasil mais de cem empresas com essa quantidade de empregados. E para que tanta gente no Senado? Ora, para pendurar nesse obsceno cabide a cupinchada amiga, parentes e agregados! Essa esbórnia custa a nós, contribuintes, a bagatela de R$ 3 bilhões por ano. Até quando os srs. senadores abusarão da nossa paciência?

HÉLIO DE LIMA CARVALHO

hlc.consult@mail.com

São Paulo

Revoltante e alarmante

É revoltante tomarmos conhecimento de que o Senado Federal tem uma estrutura administrativa composta por 6.232 servidores e que o número de cargos comissionados (não concursados) supera o de funcionários concursados. Numa simples conta de "aritimética" se constata uma média de 76,93 servidores para cada senador - a Casa é composta por 81 parlamentares. Existem ainda mais 2 mil trabalhadores terceirizados. E os recursos públicos para manter essa Casa de Leis são alarmantes - mais de R$ 3 bilhões por ano!

ALOISIO PEDRO NOVELLI

celnovelli@terra.com.br

Marília

CORRUPÇÃO

Nação frustrada

Conversando com juízes de Direito, promotores públicos e policiais, o desalento se repete: todos estão frustrados com a aplicação da lei. A população, então, nem se fala: todo mundo, além de frustrado, está revoltado com tudo o que acontece no âmbito do Poder Judiciário: prende e solta, recursos esdrúxulos, demora do tipo volta ao mundo de skate, poderosos criminosos que jamais são presos, gente que desvia dinheiro de impostos, de remédios, até de merenda escolar, e que está por aí gozando da nossa cara. E o nosso Congresso? Fala sério, aquilo não é lugar para tratar de assuntos de interesse da população. Até nos botecos há mais respeito.

SÉRGIO BARBOSA

sergiobarbosa@megasinal.com.br

Batatais

Corruptos premiados

Não consigo entender: esses corruptos, salafrários, a quem nós pagamos para trabalhar (na Prefeitura), comentem roubos milionários e são apenas exonerados? Não deveriam devolver o dinheiro surrupiado e ser presos? É realmente de dar asco a situação a que esse governo que assumiu o poder em 2003 nos está levando. E ainda pretende o governo do nosso Estado!

HUMBERTO BOH

hubose@gmail.com

São Paulo

Incongruências

O prefeito Fernando Haddad, que é acusado de receber ordens do Lula, agora é responsabilizado de agir de forma egoísta por não atender aos interesses eleitorais de Dilma Rousseff e Alexandre Padilha em suas ações. Sem entrar no mérito dessas ações, o prefeito demonstra que tem personalidade própria e age de acordo com a sua consciência, independentemente dos interesses eleitorais do seu partido. Somos obrigados a ouvir afirmações absurdas, como a de que a prisão dos quatro auditores fiscais corruptos serviram unicamente para desviar a atenção do aumento do IPTU, como se o prefeito estivesse em conluio com o Ministério Público. Absurdo maior foi afirmação de que Gilberto Kassab, por apoiar Dilma na esfera federal, deveria ter sido avisado previamente da operação policial contra um esquema de corrupção que há oito anos corria solto na Secretaria Municipal de Finanças (gestão Serra/Kassab). Ou seja, avisado com antecedência, alertaria os investigados. Só falta agora os críticos do prefeito desejarem que ele seja exemplarmente punido por ter criado a Controladoria-Geral do Município, que possibilitou a descoberta de um rombo de R$ 500 milhões, que deverão ser ressarcidos, dando um exemplo aos administradores de todo o País.

WILSON HADDAD

wilson.haddad@uol.com.br

São Paulo

ESPIONAGEM

Salto alto

Espionagem daqui e de lá. A daqui foi legal e a de lá, ilegal. É isso? Então, tá! A propósito, a excelentíssima presidente Dilma só vai visitar os EUA se o presidente Barack Obama pedir desculpas, publicamente. Pergunto: será que ela acha estar fazendo falta por lá? Não precisa responder.

J. PERIN GARCIA

jperin@uol.com.br

São Paulo

Dentro da lei

Muita gente não entendeu essa história de espionagem dentro da lei. Vou explicar como funciona: você manda uma notificação com firma reconhecida (serve timbre da embaixada também) para a vítima pedindo autorização e aguarda a resposta. Se ela concordar, você começa a espioná-la. Se não, a espionagem é ilegal. Entenderam ou querem que eu desenhe?

HERMÍNIO SILVA JÚNIOR

hsilvajr@terra.com.br

São Paulo

O Moita está de volta

Órgãos de inteligência costumam organizar-se em chefia, operações (obtenção de dados), inteligência (processamento dos dados para gerar informações), contrainteligência (proteção de nossos dados e informações), arquivo e administração. O setor de contraespionagem (CI) quase sempre atua em três vertentes: a segurança do órgão, por medidas passivas (suas instalações, pessoal, documentação, comunicações, etc.); os controles de CI (monitoramento permanente, em nível federal, de certas atividades/locais/indivíduos que possam ser alvos ou promotores, reais ou potenciais, de espionagem, subversão ou terrorismo, como as telecomunicações, os estrangeiros residentes ou em trânsito, as zonas de fronteira, a propaganda adversa, etc.); e a contraespionagem, que contempla medidas ativas desencadeadas sobre agentes e organizações de inteligência adversários, situados ou não no país, buscando neutralizar suas ações e/ou iludi-los pela desinformação. Não posso falar pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin), mas, à vista do noticiado, as ações conduzidas contra russos, iraquianos e iranianos em passado recente não parecem ter sido de contraespionagem, visando à sua neutralização, mas de controle de CI de estrangeiros, vale dizer, simples monitoramento. Não era, pois, James Bond que atuava, mas o velho Moita.

GIL CORDEIRO DIAS FERREIRA

gil.ferreira@globo.com

Rio de Janeiro

Profissionalismo

Pobre país onde o ministro da Justiça confessa que o serviço de inteligência é tão chinfrim que não espiona, só bisbilhota...

A. FERNANDES

standyball@hotmail.com

São Paulo

*

OBRAS IRREGULARES

O Tribunal de Contas da União (TCU) recomenda paralisação de sete obras do governo federal com indicação de irregularidades graves como superfaturamentos e erros de projeto. Quatro delas pertencem ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), implantado por Lula e Dilma Rousseff, esta por ele chamada de "mãe do PAC". O programa é uma farsa, porque até hoje não se viu uma obra entregue. E o pouco que foi feito está se deteriorando com o tempo.

Angelo Tonelli

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

ACELERAÇÃO DA CORRUPÇÃO

Com a frequente constatação dos superfaturamentos, desvios de recursos, favorecimentos e enriquecimentos ilícitos - neste programa que foi inventado para alavancar a candidatura de Dilma em 2010 e que, até hoje, só apareceu bem nas páginas de escândalos, sem nada de efetivo e positivo para ser mostrado, além de uma cara propaganda enganosa -, que se mude o seu nome, mantendo a mesma sigla PAC, para Programa da Aceleração da Corrupção.

Ronaldo Gomes Ferraz

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

AONDE CHEGAREMOS?

Depois de ler a primeira página do "Estadão" de 6/11, é difícil entender o crescimento, nas pesquisas de intenção de voto, da preferência pela presidente. Imaginem aonde chegaremos se o País continuar neste ritmo de corrupção por toda parte, elevando o custo Brasil cada vez mais.

Laert Pinto Barbosa

laert_barbosa@ig.com.br

São Paulo

*

DILMA REELEITA

O resultado da última pesquisa CMT/DMA aponta que Dilma venceria qualquer candidato em 2014. Então, vamos sair às ruas e aclamá-la logo como presidente reeleita, assim nos livramos da baixaria da campanha de 2014. É esse tipo de notícia que nos mantém presos no Terceiro Mundo, no país subdesenvolvido que o Brasil é hoje, com pequenas ilhas de prosperidade. 15 milhões de famílias recebendo o Bolsa Família, totalizando quase 45 milhões de miseráveis, e o desemprego declarado pelo Ministério do Trabalho é de 6% da população ativa. Pesquisas encomendadas um ano antes das eleições servem para quê? Qual é a intenção e seriedade de quem encomendou a pesquisa? Manter a candidata em evidência? Isso não é preciso, a situação atual do Brasil já mantém a presidente e todos os ministros no noticiário, sempre com más notícias, uma afirmação idiota da minha parte, pois notícia boa vinda da política, só em país de Primeiro Mundo.

Luiz Ress Erdei

gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

PROBLEMAS NA OPOSIÇÃO

A cada pesquisa de opinião pública sobre o atual governo federal, sobe o favoritismo da atual presidente da República em relação ao próximo pleito eleitoral. E por certo crescem também as preocupações de dois futuros candidatos, o tucano Aécio Neves e o socialista Eduardo Campos. Por sinal, ambos enfrentam problemas com outros nomes em seus próprios partidos. E não se pode dizer que a situação da economia brasileira está tão bem assim, o que não tem influído nas pesquisas.

Uriel Villas Boas

urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

FICÇÃO MARQUETEIRA

Receitas abaixo do esperado abriram um rombo nas finanças federais. A fatura, mais uma vez, vai ser paga pelo Tesouro Nacional. Pior: erros de proporções inéditas no cálculo das despesas geraram o descompasso. No mês anterior, com a usual soberba turbinada pelo marqueteiro João Santana, a presidente Dilma rebateu as acusações de Marina Silva: as três principais despesas federais estavam em queda. Mais uma vez, mentiu pela gorja.

Helena Rodarte Costa Valente

helenacv@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

VOTO ALIENADO

O slogan do desgoverno da presidente Dilma é uma grande mentira: "Brasil, país rico é país sem pobreza". Mas, como até agora não começou a governar, o próprio slogan se desclassifica. Como seria bom se fosse verdade, mas o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) confirma que o País ainda tem 11 (onze) milhões de favelados e grande parte beirando à miséria. Como explicar, dona Dilma? Com certeza grande parte, senão todos, já participa de algum programa social em troca do voto alienado, mesmo permanecendo na "pobreza". Como justificar? Só falácia não acaba com a pobreza, assim é abusar da humildade do povo brasileiro!

Luiz Dias

lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

*

DILMA ATACA DE NOVO

Dona Dilma, como não poderia deixar de ser, de novo nos afronta com mais uma ação puramente populista e eleitoreira, enviando ao Congresso projeto de lei federal para que os concursos de funcionalismo público tenham 20% das vagas reservadas aos candidatos afrodescendentes, mulatos ou pardos. Por que, então, ela não dá o exemplo e começa pelos seus próprios 39 ministérios e passe a contar com 20% de ministros afrodescendentes, mulatos ou pardos? Aliás, neste (des)governo petralha, que aí está há longos 11 anos, nunca teve mais do que dois ministros afrodescendentes, mulatos ou pardos. Eleitores brasileiros, acordai antes que seja tarde, muito tarde, e mais uma eleição nos leve para o brejo novamente.

Antônio Carelli Filho

palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

*

CORRUPÇÃO NA PREFEITURA DE SP

Desde o dia 1/11/2013 o "Estadão" vem publicando farta matéria sobre a corrupção nos quadros da Prefeitura de São Paulo citando nomes e cargos dos envolvidos. Cita também o nome de algumas empresas acusadas, destacando apenas o nome de uma delas, que confirmou o pagamento de propinas. O assunto, obviamente, envolve corruptos e corruptores. De um lado, o noticiário citando prisões, exonerações, favorecimento político, etc. e, de outro, a recusa, orientada pelos seus advogados, de qualquer pronunciamento, quando o mínimo que se poderia esperar era uma ampla manifestação daqueles cartéis imobiliários acusados, sobejamente conhecidos, através da imprensa escrita, para satisfação do público em geral. Notei, também, a falta de manifestação dos leitores do "Estadão" na coluna "Fórum dos Leitores" sobre este assunto que reputo de suma gravidade. Tudo isso é estranho, muito estranho.

Carlos Laué Junior

janaina@volny.cz

São Paulo

*

O RIGOR DAS LEIS

Essa turma que vendeu quitação de impostos municipais com grande redução a empresários igualmente corruptos, além de passar vários anos na abastança, tinha a certeza de que iria gozar da condescendência dos julgadores de seus atos. Mas se fosse a turma do baixo escalão que tivesse desviado esses milhões, aplicando-os, por exemplo, em obras de saneamento básico de alguma favela, seriam presos definitivamente e julgados e penalizados com todo o rigor das leis.

Carlos A. Silveira

silvercharles@uol.com.br

Boa Esperança (MG)

*

A MALHA FINA DA RECEITA

Desde 2011 meu marido, Robinson Bichi, está na malha fina da Receita Federal, porque tivemos de declarar no Imposto de Renda um recibo de R$ 29 mil reais que tivemos de pagar numa cirurgia de tumor maligno de esôfago do meu marido. Tivemos questionados também outros recibos de pagamentos de consultas. Para pagar essas despesas, tivemos de fazer grande sacrifício. Como esse gasto não combina com o salário do meu marido, caímos na malha fina da Receita Federal. Agora quero entender: nós, pobres mortais brasileiros, se quisermos ter um atendimento médico decente, temos de pedir dinheiro emprestado para pagar médicos particulares e a Receita Federal duvida dos recibos que apresentamos honestamente, agindo de acordo com a lei, declarando no Imposto de Renda. Caímos na malha fina por estarmos sendo honestos e cumprindo nosso dever de cidadão. Enquanto isso, estes altos funcionários públicos corruptos e ladrões, cujos salários milionários nós pagamos, roubam e dobram em muitas vezes seu patrimônio, mas só depois de sete anos de roubalheira são descobertos? E, neste caso, onde estava a malha fina da Receita Federal estes anos todos? A triste verdade é: só nós, pobres mortais brasileiros, temos de cair na malha fina da Receita Federal! Para políticos e funcionários públicos corruptos e ladrões, a malha fina da Receita Federal não funciona! Eu, pobre mortal brasileira, exijo uma explicação dos órgãos competentes!

Angela Bichi

angela_bichi@hotmail.com

Santo André

*

DOSE DUPLA

Não bastassem as notícias sobre o mensalão, que se arrastam por mais de uma década, agora a sociedade brasileira terá de se acostumar também a ouvir notícias do semanalão da Prefeitura de São Paulo. Embora a princípio os valores surrupiados dos cofres federais tenham sido maiores, inicialmente a quadrilha municipal aparentemente é bem maior.

Virgílio Melhado Passoni

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

O PESADO SENADO DE RENAN

Em nove meses sob comando de Renan Calheiros, o Senado loteia mais cargos comissionados por indicação do que por mérito. Hoje a Casa tem 3.241 funcionários comissionados, o maior número dos últimos 11 anos, contra 3.233 de efetivos, com folha de pagamento beirando a R$ 3 bilhões anuais. Uma vergonha nacional.

Arnaldo de Almeida Dotoli

arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

NADA MUDA

Não é possível que o sr. Renan Calheiros continue existindo politicamente e apadrinhando como nunca! Onde está a dita oposição? Nunca vi o sr. Fernando Henrique dizer uma palavra contra Renan. Serra, Aécio, Marina, Eduardo Campos, onde estão, que não abrem a boca?! O Brasil vive no império da corrupção e da incompetência, assistimos diariamente ao triunfo inquestionável das nulidades, da corrupção e da impunidade. Não há nenhum sinal de que algo irá mudar nas próximas eleições. Vivemos na desesperança.

Mário Barilá Filho

mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

CONTRAESPIONAGEM

As palavras do ministro da Justiça sobre espionagem e contraespionagem ("espionagem brasileira não viola a privacidade") vão entrar nas minhas coletâneas de "abobrinhas" que assolam um grande país. Tenho vergonha de ouvir essas "pérolas da vingança nacional". Sugiro diminuir a quantidade de legumes e começar a governar com seriedade.

Ricardo M. Guerrini

irgguerrini@uol.com.br

São Paulo

*

DORMINDO COM O INIMIGO

Segundo o jornal britânico "The Guardian", os serviços de inteligência alemão (risos), espanhol, britânico, francês, sueco e holandês espionam em conjunto na internet e na telefonia, vigilantes, como os EUA. Notícia embaraçosa para o Brasil, que, junto com Alemanha (risos), apresentou um projeto de resolução na ONU pedindo o fim da vigilância eletrônica excessiva. A "indignada" Alemanha, segundo o jornal, tem um grande potencial tecnológico e bom acesso ao coração da internet (risos).

Flavio Marcus Juliano

opegapulhas@terra.com.br

Santos

*

VANTAGEM VERDE E AMARELA

Espionagem todos os países da América e da Europa praticam, até o Brasil, o único a ganhar com isso, pois os EUA, espionando os ministros Edson Lobão e Guido Mantega, estariam regredindo no tempo e no espaço. No caso da Petrobrás, eles constataram como se quebra uma grande empresa, tanto que nem se habilitaram no leilão do pré-sal.

Celso de Carvalho Mello

celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

*

PEDIDO DE DESCULPAS

Se Dilma Rousseff entende que os EUA devem pedir desculpas pelos grampos, por que o PT não pede desculpas ao povo brasileiro por ter prometido uma coisa e feito outra? São dois pesos e duas medidas ou só vale para este governo descabido?

Tanay Jim Bacellar

tanay.jim@gmail.com

São Caetano do Sul

*

COMO GRAVIDEZ

O governo federal usa do conhecido expediente dos "dois pesos, duas medidas" ao comparar a espionagem brasileira com a americana. Espionagem é como gravidez: ou é ou não é.

Luciano Harary

lharary@hotmail.com

São Paulo

*

A AJUDA DO BRASIL À VENEZUELA

Publicou este jornal a notícia sobre a ajuda que os contribuintes brasileiros estarão sendo obrigados a dar à Venezuela, aquele país onde "há democracia até demais", segundo Lula. A forma pela qual o governo federal, aconselhado por Marco Aurélio Garcia, quer dar auxílio ao presidente venezuelano, Nicolás Maduro, é um grande absurdo. O Banco do Brasil avalizará os exportadores brasileiros de alimentos, pois estes não querem perder dinheiro ao exportar diretamente ao governo venezuelano. Já sabemos que a tal refinaria em associação com a Venezuela, tão brindada por Lula, nunca recebeu um só centavo deles. Sabe-se que a Venezuela está à beira da bancarrota, mesmo sendo um dos países que mais tem petróleo no mundo. Isso por causa das políticas insensatas, irreais e irresponsáveis de Hugo Chávez e de seu sucessor. Tornou-se um país onde é preciso tudo importar, alimentos, insumos e até papel higiênico. E o que nós temos com isso? O suor dos brasileiros (todos) que pagam impostos não pode ser menosprezado pelos assessores e governantes em prol de ideologias mais que ultrapassadas e provadas erradas. Queremos não só ter acesso a esta operação, como aos empréstimos dados a Cuba e a Angola. Os brasileiros não gostam de ditadores, nunca gostaram. Tivemos os nossos e conseguimos nos livrar deles. Ajudar os dos outros é que não dá.

Maria Tereza Murray

terezamurray@hotmail.com

São Paulo

*

A VENEZUELA SUCATEADA

O país destruído por Chávez está sofrendo um desabastecimento imenso. Sem comida, a população fica desesperada. Os exportadores brasileiros temem não receber pelos produtos que enviam à Venezuela. Marco Aurelio Garcia, o assessor especial da Presidência, tenta acalmar os ânimos dos empresários dizendo que a Venezuela não está sucateada, diz que os problemas daquele país são estruturais e que logo isso passará. O presidente Maduro segue a linha chavista e culpa os agentes do imperialismo, e também pediu ao Congresso poderes especiais, para impedir a imprensa de divulgar notícias sobre o desabastecimento, pois, na sua ótica perversa, tais notícias levam pânico à população e geram corrida aos supermercados. É fácil falar de barriga cheia, quem sabe um povo com fome aprenda a reagir. Com medo das eleições em 8 de dezembro, Maduro quer garantir que não falte alimentos até a eleição. Para bom entendedor, um pingo é uma letra: depois das eleições pode faltar comida, pois, se o chavismo for derrotado, será por culpa das forcas ocultas; se ganhar, muito mais miséria virá. E a população terá grande culpa pelas escolhas erradas que vem fazendo, inclusive o Brasil apoiando essa administração venezuelana que está levando o país ao fundo do poço.

Izabel Avallone

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

ERA ESTE O SONHO DE SIMON BOLÍVAR?

O mais recente vice-Ministério anunciado pelo presidente venezuelano, Nicolás Maduro, o da Suprema Felicidade Social, assim denominado, segundo ele, "em honra ao nosso comandante Chávez", que, provavelmente através da intermediação de um lindo passarinho, lhe sugeriu o nome, constitui uma ação diversionista visando a desviar a atenção da população venezuelana dos graves problemas econômicos que atormentam o país, marcados por desabastecimento e inflação alta, causadores certos da sua inevitável insolvência. Trata-se de estratagema comum no âmbito do infeliz continente, levado a efeito, ao longo das últimas décadas, por governos demagógicos e perigosamente populistas, o brasileiro incluído, que provocam retrocessos e atrasos no seio de suas respectivas sociedades. Atualmente, o processo de deterioração está sendo fermentado num estranho caldeirão onde se agitam os chamados Estados bolivarianos, amalgamados por um decadente e improdutivo Mercosul, do qual se afastam alguns governos do hemisfério, realmente preocupados em promover o progresso em seus respectivos países, através da inserção em blocos que detêm a maior parte da atividade comercial do mundo. Pobre e estigmatizada América Latina! Será que era este o sonho de Simon Bolívar?

Paulo Roberto Gotaç

prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

BRASIL FIADOR

O Brasil, pelo que parece, em vez de se tornar um líder do continente sul-americano, fortalecendo sua natural liderança econômica e política, desempenha sempre em papéis ridículos de socorrista de vizinhos desajustados. O ditos bolivarianos estão fazendo água e o Brasil sai em socorro de democracias falidas com líderes longe de serem exemplos de democráticos. Era hora de parar com essa história de ser ajudante de Cuba, Venezuela, Bolívia, Argentina e Paraguai e ir tomar conta de nossas contas, que caminham para uma tragédia anunciada. Chega de ser fiador bolivariano, não temos nada a ganhar ajudando estes caudilhos. Quem aprova esta ajuda? Por que e como fazem isso com nosso dinheiro?

João Braulio Junqueira Netto

jonjunq@gmail.com

São Paulo

*

MADURO, PERO NO MUCHO

O sr. Nicolas Maduro parece que de maduro não tem mesmo nada. Depois de adiantar o Natal dos venezuelanos, agora quer que a Nação pare para comemorar o dial da lealdade e do amor a Hugo Chávez. O que ele pensa que ganhou com a presidência da Venezuela? Talvez um brinquedo do Dia da Criança? Quanta inconsequência junta! Coitados dos nossos vizinhos venezuelanos!

Rodolfo C. Bonventti

rbonventti@superig.com.br

São Caetano do Sul

*

MAUS VENTOS

Maus ventos insistem em soprar contra a América Latina quando se trata de alguns líderes de grandes nações. Vejam a Venezuela bolivariana concebida por Hugo Chávez, que trocou a medicina do Sírio-Libanês pela medicina cubana e deu no que deu. Seu sucessor e poste, Nicolás Maduro, está se esforçando para transformar a Venezuela numa Cuba piorada. Sabe-se que o abastecimento da ilha é tão precário que estava faltando papel higiênico no país. Ora, convenhamos, a Venezuela sem papel higiênico poderia recorrer ao papel jornal. Mas como nada é tão ruim que não possa piorar, o jornal "El Nacional", diário de oposição ao governo, está ameaçado de parar de circular por falta de papel. O presidente Nicolás Maduro não libera divisas para que o jornal possa comprar papel. Como se vê, parte da América sofre pela incompetência administrativa e pelo concubinato que insistem em manter com "companheros" voltados para o mais opressivo marxismo. Nesse time de completa ausência de meritocracia estão o Brasil de Dilma/Lula, a Argentina de Cristina Kirchner e a Venezuela de Nicolás Maduro. A bíblia do poste de Hugo Chávez é o "Livro Azul", de 50 páginas, escrito por Chávez na prisão e raiz do projeto bolivariano.

Jair Gomes Coelho

jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

ASSOMBRAÇÃO

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, diz que viu imagem de Chávez em obra do metrô de Caracas. Chávez voltou nas suas alucinações. Será que é isso que tem atormentado a nossa presidente Dilma? Que imagem estaria vendo em Brasília, de quem e do que está tão assombrada? Só pensa na reeleição, então que tal começar a trabalhar e se assessorar melhor, antes que seja tarde? Pobre Brasil rico, que está caminhando sem direção. Só pode ser assombração. Tenhamos fé, ainda bem que Deus é brasileiro, a nossa única esperança.

Maria Teresa Amaral

mteresa0409@2me.com.br

São Paulo

*

O MERCOSUL SEM SAÍDA

Causa espanto o ridículo presidente venezuelano, com sua pieguice e falta de conteúdo, para impor sua personalidade. Pendurado no populismo de Chávez, vai levando a Venezuela à bancarrota. Será que o "povão" acredita em "babaquices" do tipo aparições? É, o Mercosul não tem como evoluir...

André C. Frohnknecht

caxumba888@gmail.com

São Paulo

*

A IMPRENSA ARGENTINA

O elo do Grupo Clarín com a ditadura argentina era tão forte quanto o de grande grupo carioca com os generais. Só que aqui, no Brasil, o grupo passou a servir ao atual governo, e assim leva vida mansa. No caso argentino, documentos "originais" comprovariam a conivência com fortes violações legais no passado. Foram chamados, inclusive, técnicos abalizados para avalizar a autenticidade do achado. Já chegaram cubanos, venezuelanos e bolivianos. Estão pensando em convocar brasileiros a serem indicados pelo Dr. Marco Aurélio.

Paulo Mello Santos

policarpo681@yahoo.com.br

Salvador

*

IMIGRANTES NA EUROPA

É estranha a reação dos europeus em relação aos imigrantes oriundos principalmente da África e do Oriente Médio. Eles provavelmente se esqueceram de que um dia colonizaram muito dos países dessas regiões. Exploraram, escravizaram, subjugaram. Os descendentes dos colonizadores europeus têm uma dívida com os descendentes dessas regiões. A dívida está sendo cobrada, afinal, a riqueza europeia se deve, e muito, a essas regiões. Ou alguém tem alguma dúvida de onde vem a matéria-prima que abastece a indústria europeia? Com certeza das minas de carvão que não é.

Gislaine Perpetua Roberto

gi.roberto@hotmail.com

São Paulo

*

IMPUNIDADE

A Justiça de São Paulo concedeu habeas corpus ao estudante de 22 anos, preso por espancar o coronel da Polícia Militar (PM) Reynaldo Simões Rossi junto com outros dez mascarados, nas depredações de sexta-feira, dia 25/10. Que tipo de justiça temos neste país e que tipo de justiça queremos para este país? Todo mundo viu ao vivo e em cores em todas as primeiras páginas dos jornais brasileiros e do mundo o espancamento de uma autoridade policial por um bando de covardes mascarados sem que algum tipo de razão, motivo ou provocação houvesse. Estamos às vésperas de duas das maiores competições esportivas do planeta e fazemos questão de mostrar para todos os interessados em nos visitar que não é seguro vir gastar o seu dinheiro aqui, pois não temos capacidade de garantir a segurança nem da nossa própria polícia.

Victor Germano Pereira

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

QUAL É A DIFERENÇA?

Já caminhando para a velhice, ainda não consegui entender qual é a diferença entre um bandido encapuzado e um componente dos tais black blocs, que, dissimulados e com as caras encobertas, arruínam o que veem pela frente e agridem até mesmo autoridades, sendo que os primeiros têm chance de serem presos, mesmo que liberados rapidinho. Os únicos coerentes são muitos políticos que, sem disfarces, também nos arruínam, assim como a Nação, acobertados apenas pela dita "imunidade parlamentar". Até quando?

João Batista Pazinato Neto

pazinato51@hotmail.com

Barueri

*

PROCURE ENTENDER

O imbróglio em torno das biografias não autorizadas lembra o filme "Queime depois de ler", de Joel e Ethan Coen, no qual os personagens perseguem um quimérico CD, supostamente contendo as memórias de um agente da CIA. Ao final do filme, brigou-se muito, até matou-se, mas ninguém conseguiu botar as mãos no CD, muito menos saber se ele de fato existiu um dia. Pergunto: afinal, onde estão as biografias não autorizadas que tanto tiram o sono de alguns músicos brasileiros? Quem lê o jornal sem frequentar as livrarias pode pensar que, no Brasil, estamos vivendo um tsunami de biografias não autorizadas. Acho saudável lembrar que não estamos e, pelo jeito, outro filme mereceria ser revisto por certos artistas brasileiros: "Fahrenheit 451", de François Truffaut.

Paola Prestes

paola@serenafilmes.com.br

São Paulo

*

DEBAIXO DOS CARACÓIS

Décadas após a homenagem ao ídolo exilado, parece que o "nosso amor morreu". Depois de provocar nomes expressivos da música popular brasileira fazendo-os dar a cara para bater na questão das biografias, o "rei" Roberto Carlos enfiou a viola no saco e puxou o carro, ou o calhambeque. Em seguida às desavenças na Associação Procure Saber, com o Chico desdizendo o que havia dito, Caetano Veloso desancando Roberto Carlos em defesa da sua ex-mulher, o próprio Roberto voltando atrás na ideia inicial, e coisas quetais, o rei abandonou o grupo e deixou todos falando sozinhos. Parece que debaixo dos caracóis, hoje grisalhos e nem tanto encaracolados, há mesmo muitas histórias para contar. É o que dá meter o bedelho em seara alheia. Cantor tem de cantar e deixar as questões legais para os juristas, que são do ramo.

Carlos R. Barretto

crbarretto@uol.com.br

São Paulo

*

SOZINHO

E, no imbróglio das biografias, após recuar de sua posição radical inicial, o velha-guarda Roberto Carlos acabou sozinho, com seu calhambeque parado na contramão. Suas iniciais, RC, viraram sinônimo de Rabugento Censor. É isso aí, bicho!

J. S. Decol

decoljs@globo.com

São Paulo

*

DEPOIS DE MORTO

Quando não se tem o que fazer, se inventa chifre na cabeça de cavalo. Que tal uma lei que verse que biografia só pode "depois que alguém morre"? A imprensa também deve estar cheia de mentiras.

Ariovaldo Batista

arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

DESINTERESSE

Após a biografia do Visconde de Mauá, inexistem em Pindorama personalidades cuja passagem por esta existência tenha algum interesse. Entretanto, por oportunismo, algum profissional focará um "meme" na ânsia de faturar sobre o sucesso alheio. E, dependendo da repercussão, teremos a "exceptio veritatis", ou difamação e injúria...

Caio Augusto Bastos Lucchesi

cblucchesi@yahoo.com.br

São Paulo

*

INOVAÇÕES NA EDUCAÇÃO

Após ler e meditar sobre o excelente artigo do ilustre educador Paulo Nathanael Pereira de Souza (7/11, A2), ouso acrescentar o que segue: além das inovações em educação levarem um longo tempo para serem implementadas, existem, na atualidade, dois obstáculos praticamente intransponíveis, em razão, primeiro, da desqualificação e do desinteresse de nossos governantes sobre o tema educação, e, segundo, pela expectativa que se tem do socorro improvável das jazidas de petróleo. E, como disse o autor deste artigo, leva-se de 10 a 20 anos para "o sistema" aceitar qualquer inovação educacional e mais outro tanto de tempo para começar obter-se o enigmático recurso do petróleo. Fica claro que ainda por muito e muito tempo continuaremos a ocupar os derradeiros lugares nos Índices de Desenvolvimento Humano (IDH), formando apenas "analfabetos funcionais".

Carlos Rolim Affonso

profrolim@globo.com

São Paulo

*

AUMENTO DO IPTU

Moro há 27 anos no mesmo imóvel e não tenho intenção de me mudar. Por isso, para mim, pouco importa se o imóvel em que resido se valorizou ou se perdeu valor. No caso de mudar, caso o meu imóvel tenha se valorizado, outro que vier a adquirir para minha moradia, com as mesmas características de metragem quadrada e de bairro, provavelmente também se terá valorizado. Então estarei trocando seis por meia dúzia. Por isso, não vejo o menor sentido e justiça o sr. Fernando Haddad aumentar o IPTU com a alegação de que os imóveis se valorizaram em São Paulo. Para o aumento do valor venal dos imóveis já existe o Imposto de Renda e o imposto de transmissão, incidindo o primeiro sobre a diferença entre o valor da compra e o valor da venda e o outro sobre o valor da transação. No caso do IPTU somos passivos. Não praticamos nenhum ato para valorizar ou desvalorizar o imóvel em que residimos e não usufruímos de nenhuma vantagem pela sua eventual valorização. Assim, não podemos ser penalizados por um alegado aumento do valor venal dos imóveis. E, como os imóveis podem se valorizar, também podem perder valor por obsolescência e outros fatores. Alguém já teve o seu IPTU reduzido? Mas a história se repete com uma lógica cruel: Erundina (era do PT na época), Marta, vulgo Martaxa, e agora Haddad. Todos impuseram aumentos escorchantes aos contribuintes paulistanos. É marca registrada do PT?

Avelino Schmitt

abschmitt@uol.com.br

São Paulo

*

VOTO A FAVOR

Em atenção ao leitor sr. Helio Oldani ("Fórum dos Leitores", 26/10, A3), também sou vizinho do vereador Ari Friedenbach, que votou a favor do aumento do IPTU e perdeu seu voto bem como o de seus familiares, vou sugerir o nome do vereador em que votei, Adilson Amadeu, para a próxima eleição. Amadeu votou a favor do povo paulistano, contra o aumento do IPTU.

Arcangelo Sforcin Filho

arcangelosforcin@gmail.com

São Paulo

*

REAJUSTE ABUSIVO

Já que o cidadão paulistano não tem mais representantes na Câmara dos Vereadores que defendam os seus interesses, resta-nos uma alternativa a ser considerada pelos órgãos do Judiciário desta capital: analisar a viabilidade jurídica de o contribuinte somente pagar o IPTU na íntegra no dia 31 de dezembro. Isso faria com que o caixa da Prefeitura não tivesse os recursos suficientes para administrar a cidade, voltando atrás nos valores abusivos, permanecendo apenas com os reajustes de acordo com os valores inflacionários. Igual situação ocorreu na cidade de Santos em anos passados, quando a população se uniu, decidindo pagar o IPTU somente no dia 31 de dezembro, e a prefeitura santista imediatamente recuou na sua proposta de aumentar o referido imposto, dentro dos limites inflacionários.

Carlos Claus Janeba

ejaneba@terra.com.br

São Paulo

*

SANHA ARRECADATÓRIA

Que ninguém se engane, o incremento desenfreado de faixas exclusivas de ônibus, a redução dos limites de velocidades em vias públicas, entre outras armadilhas, têm um único objetivo: amealhar milhões e milhões em multas à custa dos incautos e desprotegidos motoristas desta cidade. Melhor nem falar do novo preço do IPTU. Trata-se dessa sanha arrecadatória da Prefeitura de São Paulo nas mãos do senhor Haddad. O resto é o resto!

José Marques

seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.