Fórum dos Leitores

MENSALÃO

O Estado de S.Paulo

15 Novembro 2013 | 02h12

República

Os brasileiros de bem, pela primeira vez em anos, têm hoje motivos para comemorar a Proclamação da República. Obrigado, presidente Joaquim Barbosa. Delúbio, conte suas piadas de salão aos colegas de penitenciária.

JULIUS BOROS

Cotia

Viva, corruptos na cadeia!

A maioria da população brasileira duvidava, e com muita razão, se num dia qualquer desta República uma quadrilha de corruptos especialistas em desviar recursos públicos, formada por banqueiros, publicitários e, principalmente, políticos com relevantes cargos conquistados democraticamente nas urnas, pudesse ser implacavelmente condenada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e posta atrás das grades. Mas esse grande dia chegou! Os criminosos de colarinho-branco, historicamente protegidos pela venosa impunidade que, infelizmente, ainda assola este país, agora, com essa decisão histórica do STF que determina a prisão da quadrilha do mensalão - arquitetado e protagonizado pelo governo Lula e, diga-se, julgado à luz da Constituição -, têm uma resposta dignificante para nossa sociedade de que o crime não pode mais compensar no Brasil. E a classe política brasileira doravante que se cuide e passe a respeitar literalmente nossas instituições, não escolhendo a dedo seus colaboradores porque são exímios na arte de superfaturar, receber propinas, que vergonhosamente Lula rotula como "apenas caixa 2"... O País clama por homens públicos probos, não com vocação para bandidagem, que, no lugar de servir à Nação, se serve dela criminosamente, desviando recursos recolhidos regiamente aos cofres públicos pelos contribuintes, na esperança que prevaleça e se privilegie o desenvolvimento econômico e social.

PAULO PANOSSIAN

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

Belo presente

Finalmente estamos de alma lavada com a decisão tão esperada do STF que manda os condenados pelo chamado mensalão ir para a cadeia, após tantos e tantos anos de espera e expectativa. Por ter sido tomada às vésperas do dia consagrado à Proclamação da República, com certeza é o mais belo presente que o Brasil ganha para comemorar essa grande data. A Justiça está sendo feita, faltando, quem sabe ao Conselho Nacional de Justiça, abrir caminhos para, definitivamente, ser levantada a censura ao nosso Estadão no caso do sigilo de filho do sr. José Sarney. Está na hora. Continuamos a ter esperança e a aguardar.

UBIRATAN DE OLIVEIRA

uboss20@yahoo.com.br

São Paulo

'Res publica'

Com a decisão do STF justamente às vésperas de seu aniversário, a República brasileira finalmente pode considerar-se uma res publica, e não res privata, como pensavam os asseclas de Lula e do PT, comprando impunemente os votos dos representantes do povo. O Brasil é dos brasileiros, não dos mensaleiros!

GILBERTO DIB

gilberto@dib.com.br

São Paulo

E agora, Josés?

Enfim, após oito anos, STF determinou a prisão de pelo menos 13 condenados do mensalão, entre eles José Dirceu e José Genoino, ex-dirigentes do PT. O castigo tardou, mas não falhou.

CLÁUDIO MOSCHELLA

arquiteto@claudiomoschella..net

São Paulo

Chabu

O Brasil comemora, ainda que com fogos que dão chabu, a determinação da prisão dos mensaleiros. Tripudiando sobre os brasileiros, esses criminosos se dizem inocentes, confundindo a opinião pública. Todos tiveram amplo direito de defesa e não conseguiram provar que foram acusados injustamente. Os embargos dos embargos sobre embargos mostram que nossos tribunais foram extremamente empáticos com os réus e, mesmo assim, estes não provaram sua lisura. Esperamos que este seja o início do fim das pizzas, se bem que esta foi de quatro pedaços. Se fosse na China, as famílias, desapropriadas, pagariam as balas.

VITÓRIO F. MASSONI

suporte@eam.com.br

Catanduva

Complementando o STF

Quem sabe, agora, incomodado por ter que cumprir na prisão a condenação imposta pelo STF por ter participado de um dos piores atos vandálicos de corrupção cometidos pelo governo que se instalou no poder em 2003 - o mensalão, considerado de longe o maior escândalo da História da República -, e para não ter de pagar sozinho, algum presidiário decida entregar o chefe maior de toda a quadrilha. Faria um grande serviço à Nação.

HUMBERTO BOH

hubose@gmail.com

São Paulo

BIZARRICES

A cabeça dos governantes

É, no mínimo, bizarra a forma como pensam nossos governantes. Anteontem ocorreram dois fatos. Um, atual, pelo qual os brasileiros começam a sentir a possibilidade de viver num país menos podre: a condenação de pessoas que se julgavam acima da lei e faziam parte de uma rede de corrupção que foi condenada pelo nosso Judiciário. Nenhuma palavra do Executivo federal, apesar de essas pessoas fazerem parte do mesmo partido. O outro fato, a exumação de um ex-presidente, falecido há 37 anos, para verificar se os militares fizeram mais uma malvadeza. Honras de Estado, com todas as manifestações de nossos governantes. Eu só queria entender: a eles interessa mais o passado do que o presente ou o futuro?

ALDO BERTOLUCCI

accpbertolucci@terra.com.br

São Paulo

Mais indenizações

A movimentação em torno da exumação do ex-presidente João Goulart tem como objetivo mais uma substancial indenização.

ERALDO B. CIDREIRA REBOUÇAS

real742@yahoo.com.br

São Paulo

IPTU

Liminar cassada

Também foi exumado o aumento do IPTU de Haddad.

ROBERTO TWIASCHOR

rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

Justiça mantém a injustiça

O presidente do Tribunal de Justiça, Ivan Sartori, manteve o injusto aumento do IPTU da cidade de São Paulo. A Justiça deveria aguardar o término das apurações sobre a atuação da máfia do ISS e do IPTU, visto que a cada dia fica mais claro que tanto Kassab como Haddad têm culpa no cartório. Os prefeitos mudaram, mas a máfia, não.

VICTOR GERMANO PEREIRA

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

A PRISÃO DOS MENSALEIROS

Cumprimento o Supremo Tribunal Federal (STF) pela decisão de autorizar a execução imediata das penas aplicadas aos condenados no mensalão. Chega de manobras, chicanas e embargos meramente protelatórios dos advogados dos criminosos. Excelente também a decisão de vetar a prisão domiciliar para um bandido do quilate de Roberto Jefferson (PTB), que deveria ir para a cadeia, em regime fechado, e não para o semiaberto. O ex-presidente Lula (PT) também deveria estar entre os condenados. O povo brasileiro não aguenta mais tanta corrupção e impunidade do País. Lugar de corruptos é na cadeia e devolvendo o dinheiro roubado aos cofres públicos.

Renato Khair

renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

O MENSALÃO PUNIDO

Bravo, Brasil!

J. S. Decol

decoljs@globo.com

São Paulo

*

CUSTOU CARO

Ame com fé e orgulho a terra em que nasceste. Jamais verá um país como este. E dizer que o Judiciário é o melhorzinho dos Três Poderes. O Executivo e o Legislativo são uma lástima e com os três dá para entender claramente por que somos o eterno país do futuro e porque temos o famoso "custo Brasil". É inadmissível que o STF não tenha entre as centenas (ou será milhares?) de funcionários um que fosse responsável por, depois da triste sessão dos 6 x 5 de 18/9/2013, mandasse para o "protocolo" uma relação dos réus da Ação Penal 470 que teriam direito aos famosos embargos infringentes por terem tido ao menos quatro votos em seu favor. Se fosse medianamente administrado o STF, a maior parte da reunião de quarta-feira poderia ter sido evitada na discussão das penas dos infratores que, mesmo com apenas um, dois ou três votos, entraram com tais embargos e acabaram beneficiados. Ou seja, como sempre os infratores das leis foram beneficiados. Quanto nos custa uma hora de reunião do STF? Quanto custará ao País a confirmação de que nesta terra os infratores são gratificados? Quanto nos custou toda a discussão e a dos citados 6 x 5? Creio que o STF está precisando de mais Joaquins, Barrosos, Mendes e Fux e de menos decanos. Lewandowski, então, só tem um bom e está no Borrusia Dortmund.

Carlos E. da Silva Braga

carlosbraga@mmol.com.br

São Paulo

*

UM GESTO DE GRANDEZA

Lula disse que só fala após o fim do caso mensalão. Ele daria um excelente exemplo se, ao final do julgamento, deixasse claro aos brasileiros que ele deveria estar preso, pois foi o maior articulador do plano. Seria um gesto de grandeza e solidariedade.

Izabel Avallone

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

SINAL DE DEMOCRACIA

Agora que os guerreiros da liberdade José Dirceu, José Genoino e os outros membros da quadrilha criminosa do mensalão finalmente tombaram na batalha e tiveram a prisão decretada, resta saber quando receberão a ilustre visita do ex-presidente Lula e seu poste. Fidel Castro e Hugo Chávez, reencarnado como um passarinho, que orienta Nicolás Maduro, devem estar rindo da trapalhada de Lula, que não soube controlar a imprensa e muito menos o Judiciário. Eles sabem que, sem isso, não há ditadura que resista.

Mário Barilá Filho

mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

VALDEMAR COSTA NETO

Em agosto de 2005, para escapar de um eventual processo de cassação pelo seu envolvimento no esquema do mensalão, Valdemar Costa Neto renunciou ao mandato de deputado federal e, com essa malandragem, poder candidatar-se nas eleições seguintes e ser eleito. Correm rumores, agora, de que Valdemar está propenso a renunciar ao mandato atual para, de novo, escapar da cassação, que desta vez virá com certeza, com a sua prisão determinada pelo STF. Se vivo fosse, Jorge Amado, que escreveu o célebre "A Morte e a Morte de Quincas Berro D’Água", poderia inspirar-se nos golpes do deputado e escrever "A Renúncia e a Renúncia de Valdemar Costa Neto".

Ronaldo Gomes Ferraz

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

A PRAIA DE DIRCEU

Enquanto esperava pelo veredicto a ser determinado pelo Supremo Tribunal Federal, José Dirceu descansava com a família num hotel em Itacaré, no litoral baiano. Sem dúvidas, gastando nosso dinheiro surrupiado no caso mensalão, com um forte esquema de segurança, para que não fosse incomodado, pelo seu direito adquirido com os bons serviços e dedicação ao Brasil.

Angelo Tonelli

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

À ESPERA DA CONDENAÇÃO

Sobre a foto da primeira página de ontem, de Dirceu na praia de Itacaré: o regime semiaberto é como o mar. As ondas se recolhem aos primeiros momentos da noite.

Amadeu R. Garrido de Paula

amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

FRENTE E VERSO

Frente: será que desta vez vamos assistir à triunfal entrada de políticos e colarinhos brancos na cadeia, ainda que seja apenas para dormir? Não basta estrear o colchão duro das penitenciárias, é preciso devolver cada tostão desviado. Verso: o presidente do Tribunal de Justiça derrubou a liminar que suspendia a cobrança do escorchante aumento do IPTU em São Paulo, proposto por um prefeito que até o momento só veio infernizar nossa cidade e seus munícipes e, como bom aluno de seus padrinhos, só sabe administrar aumentando impostos. O argumento da Prefeitura, de que "frustraria um incremento na arrecadação da ordem de R$ 800 milhões", é facilmente rebatido, pois bastaria evitar o assalto proporcionado pelos altos funcionários do primeiro escalão da Prefeitura, que chega muito perto do valor apontado no recurso. Chega de "eu não sabia"! É preciso um pouco de vergonha na cara.

Roberto Luiz Pinto e Silva

robertolpsilva@hotmail.com

São Paulo

*

SEM ALGEMAS

Os mensaleiros, sem moral alguma, querem negociar a prisão sem algemas? Por quê? São ladrões como os outros, merecem algemas e fotos para a posteridade. No Brasil, até os canalhas querem ter direitos. É uma vergonha, pois já deveriam estar presos, não fosse o tal Lewandowski.

Jani Baruki

janibaruki@bol.com.br

São Paulo

*

VITÓRIA DO POVO

Por que os mensaleiros querem o privilégio de ser presos diferentemente dos demais criminosos? Por que os condenados do mensalão não querem as algemas? Eles têm vergonha? Não acredito! Vergonha é algo que certamente não existe nos neurônios de seus cérebros, porque, se este sentimento existisse, não cometeriam os crimes pelos quais foram acusados e punidos. Os mensaleiros devem ser presos com todas as "pompas" dos prisioneiros de guerra da época do império romano, desfilando em fila na Via Ápia para todo o povo ver. Essa será a comemoração da vitória do povo.

Mário Negrão Borgonovi

marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

*

PAUTA URGENTE

Mais uma vez o povo honesto deste país deve penhoradamente agradecer o ministro Joaquim Barbosa a prisão dos condenados do mensalão. Espero que, com a conclusão deste capítulo que é um marco para a recuperação da credibilidade e da dignidade do sistema judiciário brasileiro, o STF possa se voltar para outros assuntos de interesse do povo. Estou me referindo especificamente à abdução perpetrada pelos banqueiros quando dos planos econômicos (Collor, Bresser, Verão, etc.), cujo pagamento foi suspenso por uma liminar da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) aceita e engavetada pelo sr. Toffoli quando, pelo procedimento regimental do STF, ele deveria imediatamente relatar a liminar e levá-la ao julgamento do plenário. Concordo que ele deveria estar muito mais preocupado com os mensaleiros e não dispunha de tempo (só dois anos) para relatar uma liminar.

José Gilberto Silvestrini

jsilvestrini@hotmail.com

Pirassununga

*

OS ADVOGADOS RECLAMAM

É constrangedor ver bacharéis, defensores de marginais que estão para ser julgados pelo STF, virem aos meios de comunicação de massa para se queixar de decisões contrárias a seus clientes. Como devem saber, e o dizem a três por dois, os juízes só devem manifestar-se nos autos. Ora bem, e deveriam saber, que sobre os casos que defendem, os advogados somente deveriam manifestar-se nos tribunais. Será isso questão de ética ou de mera compostura e civilidade?

Mário Rubens Costa

costamar31@terra.com.br

Campinas

*

O QUE DIZEM OS JUÍZES

O julgamento dos mensaleiros no STF (conforme Joaquim Barbosa) e publicado ("Estadão"): chicana, chicana, procrastinação, litigância de má-fé, abuso de direito, não são palavrões. Tudo depende da ocasião. A ocasião faz a situação. "Palavras fortes", mas sempre mais compatíveis para descrever e designar mais honestamente atos e fatos. O ministro Joaquim Barbosa disse que "usa as palavras que bem entender e assume a responsabilidade por seus atos". E deve saber o que está dizendo, muito mais do que nós, pobres mortais. Chicana, procrastinação, protelações, postergações, litigância de má-fé, abuso de direito, são palavras de nosso vernáculo (basta procurar) para designar situações, atos e fatos, quer gostemos ou não. Se não gostamos dos fatos, não pratiquemos os atos. Desonestidade intelectual, legal ou jurídica. Se um ministro do Supremo diz, e se este julga ser compatível com o momento, está dito; e, ninguém mais do que ele sabe ao que se refere. Ridículo (sabe o que fala): "O ministro Marco Aurélio disse ter havido "manipulação no plenário" com finalidade de tirar no meio do julgamento os ministros Cesar Peluso e Carlos Ayres Britto, que foram aposentados no ano passado e substituídos por dois novatos nomeados pela persistente Dilma (ridículo! Deve saber do que fala). Ao povo é dado o direito de ser bobo, enganado e de não saber o que fala. Mas aos magistrados, nem sempre. A não ser aos "legal e intelectualmente desonestos".

Sebastião Pereira

jardins@oadministrador.com.br

São Paulo

*

PENA

Político preso deve cumprir a pena no Estado que o elegeu e deveria ser obrigado a colocar seus filhos em escolas públicas, fazer tratamento de saúde em hospitais públicos e, principalmente, devolver aos cofres públicos todo o dinheiro surrupiado.

Angelo Antonio Maglio

angelo@rancholarimoveis.com.br

Cotia

*

CÉU ESTRELADO

Os astrônomos que observam o céu estão olhando para o passado muito distante. Os nobres advogados e os juízes do STF no caso mensalão também. Estão julgando crimes com um Código Penal da época em que caneta tinteiro era moderna, a máquina de escrever era um luxo e os advogados eram apenas simples advogados, e não pesquisadores com centenas de funcionários vasculhando o passado para encontrar um caso julgado que pode criar uma jurisprudência várias décadas depois e favorecer o réu. Para isso contam com o orgulho, a prepotência de juízes que mais do que julgar dão aulas de Direito em seus votos. Nós, brasileiros, só queremos justiça. Se houve roubo, houve um ladrão, se houve desvio de verbas, houve um ladrão que distribuiu para os corruptos. Simples, julgar ladrão como ladrão e corrupto como corrupto, mesmo que o placar seja por 2 a 1 ou 6 a 5. Obs.: se o STF estava com o quadro incompleto, por que não decretaram paralisação de todos os trabalhos até a chegada do novo membro? São perguntas simples de um cidadão simples, que assistiu atônito a um julgamento que foi uma verdadeira aula de história de um juiz que veio para o Brasil, fugindo de Benito Mussolini, e conseguiu alterar o presente após tantas décadas, uma verdadeira estrela no céu. Agradeço ao juiz pela aula e lamento pela decisão.

Luiz Ress Erdei

gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

TRAMBIQUES

Finalmente chegou a hora de ir para a cadeia para esse bando de facínoras do partido trambiqueiro. Infelizmente, está faltando um, que foi o mandante de todos os crimes praticados por essa quadrilha de bandidos. Ainda há uma esperança de colocá-lo na cadeia. Basta não reeleger o poste. Certamente um novo governo federal vai continuar a investigar o processo do mensalão e concluir que o mandante foi "elle". Como não bastasse o processo em julgamento, agora o partido trambiqueiro está metido até o último fio de cabelo no mensalão da Prefeitura de São Paulo. Nesse vai até o poste árabe.

Carlos A. R. Soares de Queiroz

soares.queiroz@terra.com.br

São Paulo

*

SERVIÇOS COMUNITÁRIOS

Sou favorável a que os condenados do mensalão tenham direito a prisão domiciliar. Por um único motivo: o regime fechado os tornaria muito piores. Aprenderiam outros tipos de delitos. E, como a mídia e especialistas noticiam, nosso sistema penal não corrige ninguém. Porém ela deveria ser acompanhada de medidas do tipo prestar serviços comunitários. Deveriam, por exemplo, vestir um uniforme com a palavra "preso" estampada e varrer, no total da sentença, as ruas do condomínio onde moram e adjacências. Essa medida teria um efeito devastador nas suas poluídas cabecinhas e seria um alerta para aqueles que se sentissem tentados a repetir os mesmos erros. Seria uma medida realmente eficaz. A ideia está lançada.

Paulo H. Coimbra de Oliveira

ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro

*

CHEGA DE MANIPULAÇÃO!

Ao invés de falar na apresentação de recursos numa "receita de bolo", o ministro Gilmar Mendes faria melhor se tivesse dito "receita de pizza".

A.Fernandes

standyball@hotmail.com

São Paulo

*

SUPREMO RIDÍCULO

Gilmar Mendes vocalizou o que o povo brasileiro já sabia: nossa Corte Maior é ridícula e tolera manipulações de advogados e de seus próprios membros.

Ademir Valezi

adevale@gmail.com

São Paulo

*

HISTORINHA IMAGINÁRIA

Dá para imaginar a cena? Dirceu preso; um grupo de black blocs sequestra o embaixador do Irã, cria um problema diplomático enfurecendo os teocratas de lá e agita a aflita Brasília que, por meio do sr. Marco Aurélio Garcia, negocia com os aiatolás, felizmente desconhecedores do significado dos frenéticos top-tops a todo momento espocados na mesa de negociações. Resultado, após muitas reuniões: o embaixador será trocado pelo ex-chefe da Casa Civil, que deverá ser transportado para a Venezuela no Aerolula, com direito a caviar a bordo, sendo, a partir daí, procurado pela Interpol, além de Maluf. Ensinamento da pequena parábola hipotética: a História, ao contrário do que se pensa, jamais se repete.

Paulo Roberto Gotaç

prgotac@hotmail.com

São Paulo

*

DIRCEU E JANGO

Duas fotos me surpreenderam no "Estadão" de ontem. Ao ver uma delas, na primeira página (Dirceu em Itacaré), pensei: será que José Dirceu conseguiu chegar a Cuba nadando? Ao ver a segunda, na página A18, pensei: será que uma equipe da Nasa resolveu exumar Clark Kent, para investigar a hipótese de envenenamento por cryptonita?

Sergio S. de Oliveira

ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

SINTOMAS BENÉFICOS

Afinal, após denúncias de tantos desmandos ocorridos no Departamento de Fiscalização da Prefeitura de São Paulo, que causaram um prejuízo de R$ 500 milhões aos cofres da entidade, duas notícias que melhoram nosso ânimo e que ajudam a consolidar um pouco mais a frágil democracia brasileira. Em decisão histórica o Supremo Tribunal Federal decide pela prisão de vários condenados no indecoroso esquema denominado mensalão, inclusive o poderoso José Dirceu. Portanto, já começa a haver indícios de que no Brasil a cadeia não é lugar feito exclusivamente para pobres. Outra boa notícia que dá mais um passo para o aprimoramento de nossas instituições é que o Senado aprovou, em primeiro turno, o projeto de Emenda Constitucional que extingue o voto secreto em todos os casos praticados no Legislativo, apesar das resistências do PT e do PMDB, que urdem manobras para protelar a decisão. Uma democracia consolidada, com instituições fortes, inibem com eficácia os possíveis desmandos e falcatruas, dos quais o Brasil têm sido vítima nos últimos tempos.

Francisco Zardetto

fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

15 DE NOVEMBRO

A minirreforma política aprovada pelo Senado esta semana consolida a imagem da República proclamada no dia 15 de novembro de 1889, que desencantou Ruy Barbosa e o povo brasileiro. Todos esperavam por um sistema de governo integrado, orgânico e progressista, voltado para o desenvolvimento social e político da Nação. Foi um golpe de Estado, que só atendeu aos ricos proprietários de terras descontentes com a monarquia, que libertou os negros e mestiços da escravidão no Brasil. Ao lado dos militares e de um grupo de religiosos descontentes, os donos das terras formavam a aristocracia, que se consolidou como a oligarquia no Brasil. O Senado é o retrato sem cor dessa República, longe do povo e da Nação.

Sinesio Müzel de Moura

sinesiomuzel.demoura@gmail.com

Campinas

*

IMPOSIÇÃO À BRASILEIRA

O termo propalado no Congresso Nacional, esta semana, foi o orçamento impositivo. Aprovado no Senado, obriga o governo a liberar verbas para despesas inseridas por deputados e senadores no Orçamento da União, as emendas parlamentares individuais. Ou seja, mais uma imposição voltada a fortalecer os parlamentares, distribuindo dinheiro pelas cidades e visando a comprar o voto do eleitor, consequentemente, sua reeleição. Aliás, a mesma que nos impõe, muitas vezes, políticos corruptos sem capacidade e sem escrúpulos, gerando péssimos serviços públicos e a maior carga tributária do planeta. Como se vê, imposição é quando temos de engolir, goela abaixo, "coisas" assim sem outras opções.

João Direnna

joao_direnna@hotmail.com

Quissamã (RJ)

*

ABUSO COM RECURSOS PÚBLICOS

Parlamentares em Brasília poderiam deixar de criar leis inócuas, desnecessárias, como, por exemplo, a lei da palmada e pensar na mudança de leis e até da Constituição para reduzir a quantidade abusiva de recursos. É claro que o cidadão tem direito de recorrer contra decisão que o prejudique, mas ficar livre, solto impunemente durante mais de dez anos por conta de intermináveis recursos é uma agressão a todos os que buscam por justiça. A extinção de alguns desses procedimentos seria bem-vinda e ajudaria no combate à corrupção. Avançar no progresso não é somente ser campeão na venda de celulares, e sim na diminuição da criminalidade aos índices que nos coloque em igualdade com os demais países. Lá, são algemados quando presos e acorrentados quando perigosos. Não podemos dizer que seja tratamento desumano, mas em defesa dos inocentes.

Odiléa Mignon

cardosomignon@gmail.com

Rio de Janeiro

*

IDELI ABUSADA

Guindada ao Ministério das Relações Institucionais, a nobre senadora Ideli Salvatti (por isso ausente no Senado) poupou-nos de seus acessos "ranhetas". Entretanto, continua cometendo "alcances", ao bem público, em benefício próprio. Tal qual outdoors (lembram?) patrocinados pelo contribuinte, Ideli usou em Santa Catarina aeronave destinada a atender emergências como se ela fosse sua. Ministra, perdoe-me a franqueza, mas a senhora continua muito abusada.

J. Perin Garcia

jperin@uol.com.br

São Paulo

*

CARTAS MARCADAS

A ministra Ideli Salvatti submeter-se ao Conselho de Ética é um engodo. Ideli é ministra de Dilma, que continua aprovando a sua atuação. O Conselho de Ética é de livre nomeação por Dilma, que desfeiteia os conselheiros que não se submetem às suas orientações. Assim, o que temos aí? Um jogo de cartas marcadas para consumo do povão que não acompanha a nefasta política da situação, entorpecido pelas migalhas em forma de bolsas.

Paulo Mello Santos

policarpo681@yahoo.com.br

Salvador

*

PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA

Como diria minha mãe, "bela roba", como se diz "grande coisa" em italiano, mas de todo jeito, como todos somos filhos de Deus, até os bandidos e quadrilheiros, a República serve como ninguém aos políticos, eles são os únicos que se beneficiam da República. Para os cidadãos que não são políticos, de nada serve, aliás, melhor que fosse uma monarquia. Eles devem muito mais respeito à população, afinal têm uma família por quem zelar. Na República, ao contrário, qualquer "zé fulano" entra, fica bilionário e vai embora, e em poucos anos ninguém nem mais dele se lembra. Portanto, parabéns aos políticos pelo dia 15 de novembro, dia da "sua" República.

Roberto Moreira da Silva

rrobertoms@uol.com.br

São Paulo

*

EXPEDIENTE PRESIDENCIAL

Li um dia desses que a presidente Dilma fará campanha para a sua reeleição no período "pós expediente" do Palácio do Planalto. Por favor, alguém me explique se isso é legal, porque eu entendo que, se a presidente da República - que se considera uma boa gerenta (diz que sempre foi assim, desde o tempo de estudanta) - entende que não estará sendo deseleganta nem inconsequenta ou infringindo a Constituição por "panfletar" após as 18 horas, o País ficaria no piloto-automático até a manhã do dia seguinte. Ou seja, entre o final de um expediente e o início do próximo, quem responde pelo País? O vice-presidente? Mas ele também não tem o seu próprio horário de trabalho? E nos feriados e fins de semana, então? O País fica acéfalo? Porque eu sou médico 24 horas por dia. Mesmo quando encerro meu horário de atendimento, se alguém passa mal na minha frente, seja na rua, no supermercado, no shopping, durante uma viagem de ônibus, navio ou avião, no cinema ou até mesmo no motel, não importa, eu continuo médico, e as pessoas - dedo em riste e cara feia - me lembrarão disso, e com razão (só se esquecerão de me pagar, mas isso já é uma outra história). Eu jamais poderei dizer para alguém que precise de mim que "estou de folga", "meu horário já acabou", "hoje, só amanhã" ou coisa do gênero. Portanto, se a presidenta - assim como um médico - pode ser acordada de madrugada durante uma "emergência" qualquer, ou solicitada em qualquer outro momento de sua "vida privada" (coloquei entre aspas porque acho que uma figura pública perde o direito de ter vida privada) a responder pelo País, é porque ela exerce a Presidência 24 horas por dia, 365 dias por ano, e, sendo assim, ela não pode fazer campanha sem renunciar ao seu mandato durante o período que antecede as eleições, porque o expediente dela dura quatro anos, e qualquer interpretação diferente disso fere a Constituição. Como o PT reagiria se a presidenta fosse do PSDB? Por favor, alguém venha em meu socorro e ilumine minha mente!

João Manuel F. S. C. Maio

clinicamaio@terra.com.br

São José dos Campos

*

PT DA BOCA PARA FORA

O Partido dos Trabalhadores (PT), que se gaba de dizer que é a favor das cotas para negros, pardos, índios, etc., em diversas atividades humanas, inclusive na política, quando o assunto é mulher, o partido de Lula vira suas costas, como vimos na eleição realizada no domingo para a presidência do partido, em que jamais em tempo algum constou o nome de uma mulher para tentar esse cargo. Ou seja, para o demagogo Lula, que manteve em seu governo Rosemary Noronha, não somente por ser sua amante, mas por ser trambiqueira de primeira linha, o ex-presidente não autorizaria uma mulher no comando do partido porque elas não comungam da a corrupção reinante entre boa parte dos membros da sigla. Não fosse assim, as ex-petistas Heloisa Helena, Luiza Erundina e Marina Silva não teriam abandonado o PT.

Paulo Panossian

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

ELEIÇÕES INTERNAS DO PT

Embora não sendo eleitor do PT, uma verdade tem de ser dita: a eleição interna do PT, com a reeleição de Rui Falcão, é uma demonstração de organização e unidade que os outros partidos políticos não têm. O PSDB, por exemplo, não consegue realizar nem uma prévia eleitoral porque não tem o cadastramento de seus filiados. Já que o PT demonstra tanta organização e dá lições a outros partidos, por que não dá exemplo e abre mão da generosa verba do Fundo Partidário, que é dinheiro do povo brasileiro, que já paga 37% do PIB de impostos, e ande com as próprias pernas com a colaboração financeira dos 800 mil filiados do partido?

Edgard Gobbi

edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

O VERNÁCULO DE LULA

Num de seus rompantes, o cabo eleitoral de Dilma e de Padilha declarou que São Paulo já está cansado do PSDB. Aproveito para dizer a Lula que também estamos cansados e de saco cheio, parafraseando suas próprias palavras, do PT, em âmbito nacional, pois em matéria de corrupção e incompetência ele é campeão nacional. Lula, menos.

Olavo Fortes C. Rodrigues

olavo_terceiro@hotmail.com

São Paulo

*

VAI PRA CASA, LULA!

Agora, apurar corrupção é ser afoito? Vai pra casa, Lula, e nos deixe com o pouco de decência pública que nos restou.

Honyldo Roberto Pereira Pinto

honyldo@gmail.com

Ribeirão Preto

*

LULA E GETÚLIO

Um despropósito, uma tirada arrogante de Lula declarar "se me encherem o saco, volto em 2018". Lembrei-me de Getúlio Vargas, que disse, depois de deposto em 1945, que voltaria nos braços do povo, fiel tradução da declaração do petista. Se, para o mesmo desenlace, precisa ser assim, votarei em Lula.

Paulo Roberto Santos

prsantos1952@bol.com.br

Niterói (RJ)

*

FORA DE RUMO

Lula da Silva me parece um pouco fora de rumo e extremamente demagógico nas declarações que tem proferido por aí. Se Deus quiser, será o início do seu fim.

Jose Roberto Iglesias

rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

*

TUDO PELO PODER

Muito bom o editorial "Tudo pelo poder" (10/11, A3), que relata o desespero do PT em reeleger Dilma Rousseff e manter-se no poder. Promovendo grandes projetos, como base da campanha eleitoral. Esse editorial deveria ser capa do "Estado", assim como o "Tesouradas às cegas", para mostrar claramente à população quem nos governa hoje.

Wagner Monteiro

wagnermon@ig.com.br

São Paulo

*

HUMANO?

Em matéria do "Estadão" sobre a reeleição de Rui Falcão na presidência do PT, o professor de Ética e Filosofia da USP Renato Janine Ribeiro foi entrevistado sobre o que achava do atual PT. Foi indagado se ele via luz no fim do túnel para a acomodação em que o partido se instalou, ao que o eminente filósofo respondeu que o PT "tomou gosto pelo poder, tanto que pelo que isto permite fazer de bom quanto pelas vantagens que estar no governo dá". E finaliza dizendo que, no fundo, tudo isso é humano. Humano? O genial Freud se notabilizou pela noção de que o ser humano precisa desenvolver, até para salvaguarda da espécie, uma instância chamada "superego", determinante para a elaboração de um conjunto de valores éticos e morais que norteiam o mundo interno do indivíduo e uma falha nesta instância implica em psicopatias ou sociopatias, quando seus portadores perdem o sentido da culpa e se tornam capazes de "fazer o diabo" para atingirem objetivos nada humanos. Animais domésticos são capazes de um grau maior de compaixão e sensibilidade do que "humanos" que carecem de ética e preocupação com danos que possam causar a outrem. Pergunto ao professor Janine se ele vê nesta união amalgamada do PT algum traço de humanidade quando se deseja estar no poder a qualquer custo e que usa o "vale tudo", além dos vales bolsas, vales ONGs, vales mensalões e outros vales, para consumarem seus projetos de poder. O que há de humano nisso? E o que há de ética?

Eliana França Leme

efleme@terra.com.br

São Paulo

*

MARINA E AS MANIFESTAÇÕES

Causa estranheza reportagem de Marina Silva (12/11) dizendo "ter certeza de que manifestações vão ressurgir". É óbvio que suas declarações estão voltadas para as manifestações de rua, que na oportunidade resultaram significativo aumento do índice de sua popularidade política. Será que ela vai depender, de agora em diante, dessas manifestações para se consolidar politicamente? Será também que ela não se preocupa, sabendo que essas manifestações sejam sempre agregados daqueles indivíduos criminosos que participam unicamente para a destruição do patrimônio público e privado? Lamentável.

Roberto Julião

rjjuliao@uol.com.br

São Paulo

*

QUEBREI A PETROBRÁS, MAS ELEGI A SUCESSORA

Desde 1951 o petróleo "é nosso". Em1953 a estatal Petrobrás assumiu a responsabilidade de extraí-lo. O problema foi que a empresa tinha a tecnologia, mas não tinha dinheiro. Enquanto isso, o País não queria em seu território empresas privadas explorando o "nosso" petróleo e o continuamos importando. Na medida em que o País crescia, mais cara ficava a conta do petróleo, o que trouxe muito sacrifício ao País, prejudicando significativamente seu crescimento. Ao longo da vida da estatal, governantes a tornaram repositório de companheiros dos partidos, compadres e todo o tipo de gente, inchando o quadro e, muitas vezes, fazendo negociatas. A Petrobrás sobreviveu a isso, para uma nova derrocada, a partir de 2003. Apesar de há algumas décadas ter sido descoberto o pré-sal, foi o presidente Lula quem tirou proveito da descoberta e usou eficientemente como tema de sua campanha de reeleição, embora para a exploração naquela camada não tínhamos, como ainda não temos, dinheiro e tecnologia. Entretanto os dois governos de Lula contribuíram para arrasar financeiramente a empresa com projetos que tiveram que ser suspensos, associação malfeita com a Venezuela, enormes estouros em orçamentos como a da refinaria de Pernambuco, compras desastrosas e muito suspeitas como na refinaria de Pasadena (EUA), num negócio de mais de US$ 1 bilhão por uma refinaria que valia US$ 400 milhões e no que, se suspeita, dinheiro foi também desviado para campanha política. A tal ponto chegou a penúria da empresa que, agora, inchada com funcionários (companheiros) e fornecedores amigos que a Petrobrás foi obrigada a aceitar, teve de, desesperadamente, vender ativos para não quebrar. Entretanto, Lula foi eleito. Parafraseando governador de São Paulo que disse "quebrei o Banespa, mas elegi meu sucessor", Lula poderia dizer o mesmo em relação à Petrobrás e a Dilma, sua sucessora. Afinal, com cinco anos de atraso, Dilma lança a leilão do pré-sal, em que compareceu somente um consórcio "arranjado", mas que deu à presidente Dilma a oportunidade de capitalizar eleitoralmente o feito, já que a maioria da população não sabe o que realmente aconteceu. O que hoje se discute no "mercado" é de onde a Petrobrás obterá recursos para a sua participação de 40% no empreendimento, de retorno extremamente lento. Segundo Dilma serão investidos US$ 100 bilhões em 35 anos, o que especialistas corrigem para US$ 400 bilhões, uma amostra de como nosso governo "toca" a atividade de petróleo, "no chute". Além disso a presidente promete recursos para saúde e educação com royalties do petróleo, também como propaganda política, sabendo que só haverá recursos para esses setores dentro de 6 a 10 anos, otimistamente. Assim, voltamos a 1951, pois dizem que temos petróleo, mas não temos dinheiro para explorá-lo. Nos últimos dez anos a Petrobrás perdeu R$ 48 bilhões com subsídios à gasolina, que a presidente teima em manter, e o lucro no último trimestre foi 39% menor do que o mesmo período em 2012. Os acionistas da Petrobrás tiveram perdas imensas em seu patrimônio, com queda das ações. E continuamos importando petróleo.

Fabio Figueiredo

fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

O PRÉ-SAL É NOSSO

Perdemos Serra Pelada, que, segundo consta, ainda tem reservas de 51.5 milhões de toneladas de ouro, para uma mineradora canadense. A pergunta que fica é o que vale mais, Serra Pelada ou o pré-sal?

Alberto Nunes

albertonunes77@hotmail.com

Itapevi

*

O PREÇO DOS INGRESSOS

A decisão da Copa Brasil terá como palco o estádio do Maracanã, onde o campeão terá direito a participar da Taça Libertadores de 2014, Flamengo do Rio de Janeiro e Atlético Paranaense, de Curitiba (SC). Para a diretoria do Flamengo, essa decisão será entre Real Madrid e Barcelona ou o Bayern de Munich e seu homônimo Leverkusen, imitando o preço dos ingressos iguais ao da Copa das Confederações. É evidente que esses preços escorchantes afastarão o "povão" do estádio e o rubro-negro catarinense estará à vontade. A diretoria do Flamengo se mostra avarenta. Sua lógica é que nos três últimos jogos arrecadou R$ 8 milhões e que, com esses preços, somente nesse jogo poderá arrecadar os mesmos R$ 8 milhões. Em boa hora o Procon estará intervindo nessa grande injustiça onde o olho grande da diretoria poderá até colocar em perigo uma conquista que será analisada como "coisas do futebol". Afastando a sua torcida, o Flamengo entrará em campo em desvantagem.

Jair Gomes Coelho

jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.