Fórum dos Leitores

MENSALÃO

O Estado de S.Paulo

16 Novembro 2013 | 02h12

Prisão dos condenados

Xilindró neles! Quem mandou? Papai e mamãe não ensinaram?

ALESSANDRO LUCCHESI

timtim.lucchesi@hotmail.com

Casa Branca

Não se iludam. No máximo, prisão domiciliar. E casa não é prisão, aliás, como disse o ministro.

PAULO SÉRGIO LOREDO

psloredo@uol.com.br

São Paulo

Demorou demais

Um homem foi assassinado por assaltante porque reagiu. Uma dentista foi queimada viva porque tinha só R$ 30 na conta. Assassinos "incompetentes" matam uma pessoa de cada vez. Outros, mais "eficientes", matam grupos de quatro, cinco e até mais ao dirigirem alcoolizados. Já os mensaleiros condenados - mas não só eles - matam muito mais ao desviarem dinheiro público para alimentar um esquema criminoso de compra de parlamentares em troca de apoio para sua perpetuação no poder. Milhares morrem nas filas do SUS à espera de uma cirurgia jamais marcada, ou de ambulâncias que não chegam por serem insuficientes para a demanda, etc. Ou mesmo à espera de uma reforma do Código de Processo Penal nunca executada, sabe-se lá por quê. Quem disse que roubo de dinheiro público, mesmo sob a desculpa esfarrapada de caixa 2, é crime menor, como bem corrigiu a ministra Cármen Lúcia? E ainda há gente - até professor de Direito - que questiona a justiça da prisão imediata dos réus finalmente condenados pelo STF. Não, professor, não foi imediata. Demorou demais!

ADILSON LUCCA SABIA

adilsonsabia@gmail.com

São Paulo

RECURSOS

Justiça justa

Um ministro do STF disse na TV que em lugar nenhum do mundo existe o direito ilimitado aos recursos: "Chega um dia que o processo tem que acabar". Fiquei feliz, porque não me parecia que no Brasil também fosse assim. Renovei minhas esperanças de que chegará ao fim meu processo para recuperar perdas da Caderneta de Poupança no Plano Verão, em 1989. Aguardo.

EUCLIDES ROSSIGNOLI

euros@ig.com.br

Itatinga

USP

O que é isso?!

Cada vez mais fica comprovado que a leniência do Estado brasileiro nos leva a testemunhar uma onda crescente de atitudes injustificáveis, nos mais diversos setores da sociedade. O que se viu na USP, com a ocupação da Reitoria por 42 dias, é o triste sintoma de uma sociedade muito doente. Destruição, roubo, apropriação indébita (ainda que temporária) de um espaço privado dentro da universidade demonstram claramente que entre tais estudantes e bandidos comuns a diferença está apenas na retórica fascista e ideológica de um discurso vazio com que tentam justificar o injustificável. Em que lugar do mundo civilizado se aceitaria que um bando de desocupados, em vez de estudar e pesquisar, passasse um tempo enorme desafiando acintosamente o senso comum, aquele que exige dos alunos um mínimo de compostura e respeito pela instituição que os abriga? E de graça! Ninguém ignora quanto a participação política e social dentro da universidade é importante para a formação dos alunos. Todavia algo está muito errado quando se passa do limite do razoável e se chega ao inconcebível. A quem devemos responsabilizar?

MARIA LUIZA FEITOSA DE SOUZA

souzamlu@uol.com.br

São Paulo

Invasões

Antes quem invadiu a USP e a depredou foi o Comando de Caça aos Comunistas (CCC), convalidado pelos ditadores judicantes. Agora quem a invade e depreda são os filofascistas, convalidados pela judicatura democrata.

ÁLVARO BORGES

alvaro.jborges@gmail.com.br

São Paulo

Vandalismo

Não frequentei a USP, mas posso avaliar a sua grandeza. O que ocorreu no câmpus foi uma barbaridade. É inconcebível que um bando de estudantes e funcionários filiados a partidos de esquerda queira interferir violentamente no processo de escolha do reitor (será isso mesmo o que eles querem?). Inconcebível também é que, uma instituição como a USP, que abriga as melhores cabeças pensantes do País, possa adotar um sistema ditatorial e anacrônico, como querem os esquerdistas, para eleger o reitor. É desnecessário falar sobre a magnitude da USP e a responsabilidade do seu reitor. É questão de suma relevância e não está ao alcance de jovens recém-saídos da puberdade. Qualquer diploma fornecido pela USP, pago pelo dinheiro público, abrirá ao portador as portas para uma carreira brilhante, aqui e em qualquer lugar do mundo, o que deveria ser levado em consideração por qualquer uspiano. Mas nos tempos que vivemos os jovens devem ser respeitados e obedecidos... Quem sabe se um dia não teremos um reitor da USP militante do PSTU e violentamente contestado por outros militantes, estes do PCO?

AFFONSO MOREL

affonso.m.morel@hotmail.com

São Paulo

GASTANÇA

Vidão de políticos

O presidente da Câmara, Henrique Alves, mais seis deputados saíram em viagem na quarta-feira para Nova York, onde terão uma reunião só na segunda. Quatro dias de gastança geral, tudo por nossa conta. Isto é o Brasil... Enquanto isso, na Alemanha, o povo de Munique se nega a sediar a Olimpíada de Inverno de 2022 pela incerteza dos gastos.

VILMA FREDIANI MOURA

vilma.frediani.moura@terra.com.br

São Paulo

INVESTIGAÇÃO

Que a verdade apareça

Depois de 36 anos o governo brasileiro decidiu investigar a morte do ex-presidente João Goulart e ainda fazer um enterro (de mentirinha) com honras militares, na presença de vários ministros e ex-presidentes. Aqui cabe uma grande preocupação: será que vão levar também 36 anos para descobrir a verdadeira causa do assassinato do prefeito Celso Daniel, da cidade paulista de Santo André, em janeiro de 2002, e dar-lhe igualmente um enterro com honras militares? É muito tempo, né? Mas, quem sabe, numa dessas circunstâncias oportunas a verdade apareça.

VALDY CALLADO

valdypinto@hotmail.com

São Paulo

MÉDICOS CUBANOS

Questões humanitárias

Estou muito mal informado ou não enviaram médicos cubanos para as Filipinas, por questões humanitárias? Segundo um dos cubanos que aqui aportaram na primeira leva, ele não veio pelo dinheiro, e sim por questão humanitária. Faz-me rir.

JORGE CARRANO

carrano.adv@gmail.com

Niterói (RJ)   _________  

PIADA DE SALÃO

Engana-se quem acha que esta corja de mensaleiros, bandidos de colarinho branco, mas sujo, vai ficar atrás das grades pelo tempo previsto, como qualquer preso ficaria. Vão ter celas especiais, todas as mordomias inerentes ao colarinho e, assim que o burburinho acalmar e o povo se distrair com outros aloprados de plantão, por outros fatos esdrúxulos que com certeza virão, pois estamos falando do Brasil do PT, nem na cadeia eles ficarão mais. Em pouco tempo vão andar por aí gastando o nosso dinheiro que roubaram, lindos, leves e soltos, por causa da curta memória, ignorância e indolência deste povo tupiniquim. Acho que é isso o que Delúbio Soares queria dizer com "o mensalão vai virar piada de salão".

Lourival Geraldo Moreira Logmoreira@yahoo.com.br

Botucatu

*

MENSALEIROS NA PRISÃO

Vendo o Supremo Tribunal Federal (STF) correndo para mandar prender os mensaleiros, como uma prestação de contas antecipada, ainda com parte da Ação Penal por julgar, parecendo cada dia mais claro que vão aliviar o crime por formação de quadrilha e, consequentemente, a pena, mudando o regime prisional; alguns ministros dizendo que não há cadeias disponíveis; notícias do PT dizendo que vai ser bom para eles na eleição; Zé Dirceu dizendo que se entrega pacífica e alegremente; os advogados dizendo que vão à Corte Interamericana de Direitos Humanos; e o artigo "Retrocesso e Tensão" no "Estadão" (15/11, A2), dá para desconfiar. Ou não?

Nelson Pereira Bizerra nepebizerra@hotmail.com

São Paulo

*

CEDO PARA COMEMORAR

No "Fórum dos Leitores" (15/11), muita gente comemorando a possível prisão iminente dos "mensaleiros". Calma, pessoal, não se esqueçam de que vivemos na "República Bolivariana do Brasil", onde são chamados "consultores cubanos", democratas especialistas e respeitadores dos direitos humanos para assessorar a Comissão da Verdade (fala sério). Como praticamente não existe no nosso sistema prisional "ambiente à altura dos hóspedes condenados", podem ter certeza de que a pena de muitos dos mentores do esquema será convertida em prisão domiciliar. Esperem e constatem.

Marco Antônio R. Nunes nunesmarcelao@hotmail.com

Pindamonhangaba

*

BOIS DE PIRANHA

Convenhamos, a sentença contra os réus do mensalão foi branda e suave, à proporção dos crimes praticados sob o manto protetor da bandeira vermelha do PT. Quem haveria de imaginar, entre as propostas trazidas por dom Lula, o resultado obtido? Promete maravilhas e nos entrega criminosos. Quem haverá logo, se tem juízo, que não se persuada de que eles todos, pegos com a boca na botija e condenados, figuram como bois de piranha, biombos a esconder o mentor e maior usufruidor da quadrilha: o chefão? O mesmo se diga e afirme da Prefeitura de São Paulo, e tal qual ela todas as do Brasil. Arranjam-se os Danúbios, os Dirceus, os Magalhães, os Netos, os Fiorilos, os Aurélios, os Donatos, os Lalaus, num jogo bem arranjado para chupar mel de todas as flores, mancomunados de alto a baixo (de presidentes a prefeitos). Mas todos, (os que aparecem e os que estão por trás), sem exceção alguma, são tanto quanto quadrilha de corruptos. Quem nos prova são o bom senso e as evidências. A responsabilidade civil da Administração Pública está sujeita ao "princípio da moralidade administrativa", valor este de cunho e ordem constitucional, prefixada no Art. 37 da Constituição, a cujo princípio de moralidade sujeita a todo o indivíduo que for investido no cargo ou função pública, a responder pelo ilícito administrativo, civil e penal. Do que se vê e lê, o Brasil não padece de falta de leis. O mal maior que assola nossa pátria é a escassez de homens de caráter.

Antonio Bonival Camargo bonival@camargoecamargo.adv.br

São Paulo

*

LULA E DILMA COMEMORAM

Estampada na primeira página do "Estadão" de ontem, vejo que a postura de Lula e da presidente Dilma, longe de contristada pela condenação e prisão de seus ex-comandados, é de alegria, por no futuro próximo "evitar ataques na eleição" de 2014. Ora, ora, isso parece piada de salão a provocar risos e sorrisos das pessoas mais sérias deste país, visto que é do conhecimento público quais são os mandantes de tão danosa, catastrófica e antirrepublicana ocorrência.

Carlos Rolim Affonso profrolim@globo.com

São Paulo

*

‘COMEMORAR O QUÊ?’

Li a análise da Marta Machado na página A4 em 15/11 ("Comemorara o quê?") e não entendi. A execução das penas dos acusados do mensalão é, sem dúvida, um marco na nossa história recente. Outra coisa é que realmente precisamos de urgentes reformas institucionais. O que ela quer? Que não se desse consequência ao resultado do julgamento do mensalão. Foi mais um passo para a consolidação da República.

Ary Simonetto Pereira ritaary@hotmail.com

São Paulo

*

TODOS PERDEMOS

A Ação Penal 470, também denominada mensalão, e sua demorada conclusão acabam sendo para todos nós, brasileiros, um fato triste e lamentável. Excessos houve de ambos os lados, o que afinal acabou causando perplexidade. Nem tanto ao mar nem tanto à terra, o equilíbrio, enfim, seria uma melhor solução. Ninguém ganhou com isso tudo. Perdemos todos.

Jose Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

*

DÚVIDAS

Dúvida 1: José Dirceu apressou-se em sair de jatinho de Itacaré (BA), onde pretendia passar o feriado, com medo de ser levado algemado ou com pavor de ser vaiado em avião de carreira? Dúvida 2: quem pagou todos esses deslocamentos de jatinho de José Dirceu? E, agora, uma pergunta: Dilma Rousseff e José Eduardo Cardozo alardearam à exaustão as providências de apoio (?) aos governos do Rio de Janeiro e de São Paulo contra os Black Blocs, o povo brasileiro quer saber se vão fazer o mesmo contra o "MST da Base", que invadiu 16 fazendas no Estado de São Paulo neste fim de semana, ou se vão continuar sem cumprir suas obrigações?

S. E. Alpha sebastiao.alpha@icloud.com

São Paulo

*

CONSCIÊNCIA

Zé Dirceu disse que nenhuma prisão acabará com sua consciência, mas quem sabe o ajudará a ganhar, não é? Porque roubar dinheiro público é atavicamente considerado antissocial digno de desvio de caráter. Ele pode não perder sua consciência, mas poderá meditar sobre os benefícios que o fruto do seu roubo trariam às comunidades carentes.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

IMAGEM HISTÓRICA

O País aguarda, ansioso, a transmissão das imagens dos condenados do mensalão em cadeia nacional.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

RESUMO

Resumo da ópera: os mensaleiros condenados pelo STF, exceto um ou outro bode expiatório, receberão regime semiaberto, ou seja: só dormirão na cadeia, podendo passar o dia todo fora da cadeia. Isso tudo, para logo em seguida receberem prisão domiciliar. Ou seja: cumprirão pena em casa, tomando champanhe, e rindo de todos nós, que pagaremos as contas. Essa é a nossa Justiça brasileira. Quem viver verá!

Conrado de Paulo conrado.paulo@uol.com.br

Bragança Paulista

*

NÃO TERMINOU EM PIZZA

Alívio. Foi o que senti. De uns tempos para cá, bateu em mim uma enorme descrença acerca das prisões dos condenados do mensalão. Essa desesperança mexia com o meu emocional. Por ter dito inúmeras vezes que eu acreditava que todos pagariam pelos crimes praticados, recebi críticas de pessoas que pensavam diferente e que apostavam que ficaria tudo como dantes no quartel de Abrantes. Quantas vezes ouvi frases como "você está querendo demais"; "no Brasil isso nunca vai acontecer"; "estou pagando pra ver"; "vai terminar em pizza"; e tantas outras. Eu lembrava das tardes emocionantes que o Supremo Tribunal Federal (STF) proporcionou a milhões de brasileiros de bem, com a transmissão do grande julgamento, e me perguntava: Será que os mensaleiros vão jogar no rosto daqueles que clamam por justiça o glacê do bolo? 13 de novembro de 2013. O Supremo Tribunal Federal calou a boca dos pessimistas. Decretou a prisão dos condenados. Assustou muita gente. A Justiça não fraquejou diante do brado de criminosos que se diziam inocentes e que, por desfilarem pelos corredores dos palácios, acreditavam estar acima da lei. Os brasileiros que anseiam por um país melhor receberam antecipadamente um grande presente de Natal. Que todos os condenados possam um dia retornar à liberdade plena e com o desejo de trabalhar para o bem da Nação. Tomara que nunca mais a Justiça tenha a necessidade de julgar outros mensaleiros.

Jeovah Ferreira jeovahbf@yahoo.com.br

Taquari (DF)

*

JUSTIÇA

Empresários envolvidos, 130 anos de cadeia; políticos, embargos infringentes e, na pior das hipóteses, oito a dez anos no semiaberto.

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo

*

E AGORA, JOAQUIM?

Assisti pela TV a toda a sessão plenária do STF convocada para o início do julgamento dos recursos dos condenados pelo tribunal, no famigerado processo mensalão, que se estendeu até as 9h30 da noite. Foram apresentados dois tipos de recursos: embargos de declaração e embargos infringentes, com fundamentos diferentes. Houve também condenados que impetraram, ao mesmo tempo, os dois recursos. Acontece, porém, que todos os embargos declaratórios foram indeferidos por unanimidade, por serem meramente protelatórios e suas condenações transitaram em julgado, ensejando a prisão imediata dos postulantes (o que será feito), com exceção de um, do deputado federal (PT) João Cunha, embargo declaratório admitido por fundamento diferente. Os embargos infringentes (novo julgamento do mérito) ficaram para o ano de 2014. E, se forem absolvidos os impetrantes de todas as acusações, como sair desse imbróglio? É como diria JK, "e agora, Joaquim?".

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br

Assis

*

CINCO ESTRELAS

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), declarou que os condenados do mensalão a prisão semiaberta terão de cumprir a pena em casa por falta de presídios adequados. Logo pedirão ao governo para construir um "hotel 5 estrelas", em Brasília, para abrigar esses condenados. Aguardem, a desculpa será para uso na Copa de 2014.

Valdy Callado valdypinto@hotmail.com

São Paulo

*

A PRISÃO DOS MENSALEIROS

Tomara que o pronunciamento do eminente ministro Marco Aurélio de Farias Mello anteveja tão apenas uma hipótese, jamais, uma realidade. Pelo que foi dito pelo insigne jurista, possivelmente os réus condenados a cumprir suas penas em regime penitenciário semiaberto poderão, pela falta e/ou lotação de estabelecimentos específicos onde deveriam cumpri-las, beneficiar-se da prisão domiciliar, ou seja, serão "condenados" pelos crimes que cometeram a permanecer confortavelmente em sua casa, sem que sejam molestados e, ainda, protegidos por todo aparato policial, à nossa custa. O povo brasileiro não merece passar por mais essa decepção. Por isso, ouso fazer uma sugestão. Muitos dos presos em regime semiaberto já devem ter cumprido uma grande parte de sua pena, inclusive com bom comportamento, trabalhando honestamente. Por que, então, não promover uma troca, transformando a pena desses diversos presos para o de prisão domiciliar, dando seu lugar àqueles condenados no processo do "mensalão"? De preferência, na seguinte proporção: para cada grupo de 10 (dez) presos que sai do regime semiaberto e vai para o regime de prisão domiciliar entra em seu lugar 01 (um) condenado no processo do "mensalão? Far-se-á justiça e, no mínimo, diminuirá em parte a lotação dos referidos estabelecimentos prisionais.

Paulo Guida paulo.guida@yahoo.com.br

São Paulo

*

VITÓRIA DE PIRRO

Como advogado, gostaria de poder comemorar o resultado da Ação Penal n.º 470, popularmente conhecida como Julgamento do Mensalão, por presenciar que pela primeira vez na história o foro privilegiado dos políticos deixou de ser o foro privilegiado da impunidade. Contudo, como cidadão, fico triste que no final de contas nenhuma justiça social foi feita, isso porque teremos de pagar a conta da justiça "feita". Explico melhor. Após oito anos de julgamento do mensalão, o Supremo Tribunal Federal se reunião ao menos em 50 sessões para tratar sobre o caso. Levando em conta que o salário de cada ministro é de R$ 30 mil ao ministro e outros R$ 70 mil para custear sua equipe técnica e encargos sobre o salário; e que o julgamento teve uma participação média de dez ministros por sessão; e, por fim, que os ministro se reúnem em sessão especial – em média –, apenas cinco vezes por mês; posso considerar que dez salários dos ministros foram dedicados para julgar o processo do mensalão. Ou seja, foram gastos R$ 10 milhões para julgar os mensaleiros, apenas em salário de ministros. E considerando que o processo do mensalão tem quase 100 mil folhas, e aproximadamente 500 volumes; e que cada folha impressa custe R$ 1; foram gastos R$ 100 mil em folhas. E, por fim, considerando que a somatória das penas dos 25 réus atingiu aproximadamente 200 anos, e que, se os condenados cumprirem apenas 1/6 da pena em regime fechado, perfazendo 33 anos, e que o custo mensal de cada preso em regime fechado é de R$ 3 mil, teremos gastos ao final aproximadamente R$ 1.118.000 (um milhão, cento e dezoito mil reais). Ou seja, para condenar 25 pessoas foram gastos quase R$ 12 milhões. Afinal de contas, para cada pessoa julgada, gastaram-se quase R$ 500 mil. Posso considerar que o mensalão não acaba com o seu julgamento, e sim apenas começa, pois o cidadão continuará a pagar esta conta por anos. Então pergunto, a justiça social foi feita? Ou continuamos apenas aplaudindo a cultura do pão e circo por meio de um Supremo Tribunal Federal comemorando a vitória de pirro?

Álvaro Barbosa da Silva Junior jralvaro@ig.com.br

São Caetano do Sul

*

UM PASSO À FRENTE

O ministro Gilmar Mendes, do STF, em uma das últimas sessões do julgamento do mensalão, num desabafo legítimo afirmou que há postura flagrante de postergação desse processo durante todo o tempo em que ele vem ocorrendo, tirando dois ministros com a subsequente substituição, o que, sabemos, favoreceu os réus. E houve silêncio sepulcral por parte de todos, principalmente pelo principal responsável, Lewandowski, que nem pediu que Mendes provasse em que momento isso teria ocorrido, pois o ministro certamente o faria. Mas, mesmo apesar dessa desonesta manobra, propiciando ilusionismos com as leis, e da também desonesta constante afirmação do mesmo Lewandowski de que os hoje condenados não tiveram direito a julgamento justo e que coisas extraordinárias aconteceram ali, sempre tentando manobrar para aliviar o lado de seus amigos petistas, penso que podemos celebrar passo importante de nossa Justiça porque, pela primeira vez na história, o núcleo duro de um partido político vai dormir na cadeia. Agora só nos resta aguardar o que o sr. ex-presidente Lula tem a contar sobre o mensalão, como prometeu. Será que, heroicamente, vai assumir seu papel de protagonista?

Myrian Macedo myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

*

CORRUPÇÃO EM SÃO PAULO

Em fevereiro deste ano, os paulistanos ficaram boquiabertos com a notícia da vertiginosa evolução patrimonial do vereador Aurélio Miguel. Por meio de notas, o ex-judoca explicou essa riqueza era fruto de negócios legítimos realizados antes mesmo de ele assumir o cargo de vereador e que, além disso, ele havia recebido várias heranças. Como a mentira tem perna curta, acabamos de descobrir que a origem da riqueza de Aurélio Miguel era proveniente do recebimento de propinas desse milionário esquema criminoso instalado na Secretaria de Finanças da Prefeitura de São Paulo. Foi o ippon mais feio de sua carreira, esse dado na ética, na honestidade e na confiança dos eleitores que o elegeram como seu representante.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

REINCIDENTE

Pela segunda vez, o vereador Aurélio Miguel é acusado de participação em esquema de corrupção, em São Paulo. Agora, são gravações dos fiscais corruptos o citando diretamente no esquema de propinas do ISS que desviou mais de R$ 500 milhões dos cofres públicos da Prefeitura do Município de São Paulo. A Câmara Municipal irá ficar de braços cruzados, mais uma vez? Alguém que é acusado e que está sob suspeita de tais crimes jamais poderia ocupar qualquer cargo público. O mínimo que se espera é o seu afastamento imediato e que responda na Justiça pelas gravíssimas acusações de corrupção e enriquecimento ilícito que pesam contra ele. Triste fim de um judoca que foi campeão olímpico e que hoje representa o que há de pior na política. Em pouco tempo, Aurélio Miguel passou de herói e modelo para a juventude para vilão e antiexemplo.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

ATÉ TU, AURÉLIO?

Mais um ippon do vereador Aurélio Miguel. Este não foi, como nos seus áureos tempos, em cima do tatame. A cidade que o acolheu, e está prestes a completar 449 anos, não precisava suportar tamanho desaforo de um dos seus mais ilustres habitantes. Seus eleitores, como ficam? Lamentável e vergonhoso!

J. Perin Garcia jperin@uol.com.br

São Paulo

*

JOÃO GOULART E DILMA ROUSSEFF

Vão analisar os restos mortais de Jango, e determinar se ele morreu de morte morrida mesmo ou se foi assassinado. E se foi assassinado? Vão exumar os restos mortais dos assassinos? Por que não usam o seu precioso tempo para examinar o passado duvidoso dos que estão aí, vivos e atuantes?

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

CIRCO OU EXUMAÇÃO?

Passados 37 anos e a Comissão Nacional da "Inverdade" quer reescrever a história e achou um cadáver para fazê-lo. Os petralhas compraram uma tese baseados no depoimento de um ex-agente uruguaio, Mario Neira, detido no Brasil por tráfico de armas, em 2008, que contou essa história de um possível assassinato de João Goulart. Como são mal intencionados! Tanta gente no cemitério, que mais parecia um espetáculo, e não a exumação de um ex-presidente. Lá estavam Maria do Rosário, a justiceira, o grande ministro da Injustiça José Eduardo Cardozo, que deveria estar cuidando das penitenciarias "destepaiz" e da violência que cada dia mais se agrava, além do insuportável Tarso Genro, que não perde uma oportunidade para enxovalhar os militares. Por que só agora, durante o governo dos petralhas, foi feito esse pedido? Por acaso essa exumação irá mudar o futuro deste país? Quando será que essa gente irá parar de olhar pelo retrovisor?

Agnes Eckermann agneseck@gmail.com

Porto Feliz

*

PARAFERNÁLIA

Não pode ser verdade. Os petralhas e companhia saem de seus gabinetes, param de trabalhar para esperar os restos mortais de um ex-presidente deposto. Que façam a exumação, mas sem a parafernália toda. Infelizmente, este é o Brasil em que vivemos.

Cecilia C. Junqueira cecilia.junqueira@terra.com.br

São Paulo

*

PROCURAM-SE MÁRTIRES E HERÓIS

Insatisfeita por ter perdido o governo para a população e os militares quando depuseram o presidente João Goulart, que tentava transformar o Brasil num país comunista, a esquerda brasileira busca todo o tipo de vingança. A mais conhecida é a Comissão da Verdade, que deveria chamar-se Comissão da Vingança, já que procura atingir os militares envolvidos na contrarrevolução de 1964. Os apoiadores do comunismo tentam, também, produzir heróis e mártires, tendo conseguido apenas o jornalista Herzog como mártir. A tentativa de tornar Mariguella herói não foi adiante, visto que ele teve um papel de terrorista fracassado. Agora, a esquerda tenta transformar João Goulart em herói nacional, com a ajuda da presidente Dilma, que o recebeu em Brasília com honras de chefe de Estado. Não será possível, dado que ele não teve papel na resistência comunista, exilando-se na Argentina, onde morreu, segundo testemunhas, de problemas cardíacos.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

MUDANDO A HISTÓRIA

Para ajudar a Comissão da Verdade nesta empreitada de exumação do ex-presidente Goulart, para mais uma vez verificar se foi envenenado, fato este delatado por um agente uruguaio, equipe de exumação que tem como chefe de equipe um cubano – portanto bastante isenta, competente e confiável –, gostaria de lembrar-lhes que em sua última viagem ao México, como presidente, Jango foi direto para o hospital do coração mexicano, pois era cardíaco e gostava demasiadamente de churrascada, bastante engordurada. Quem depôs Jango foi a vontade popular, não mudemos a história, temos muitos canalhas no governo aproveitando estes momentos para se mostrarem como heróis. Dá pena vê-los com os olhos cheios de lágrimas.

Julio Jose de Melo julinho1952@hotmail.com

Sete Lagoas (MG)

*

FALSAS VERDADES

Na época de 1964 eu estava no 4.º ano da faculdade, portanto vivi os acontecimentos e ainda sou apolítico. A propaganda maciça transformou terroristas que tentavam implantar uma ditadura de esquerda padrão Cuba em defensores da democracia, atualmente recompensados em dinheiro e/ou exercendo cargos pagos pelos contribuintes. Um presidente que construiu uma "ilha da fantasia" e iniciou um período inflacionário que durou mais de meio século no presidente que mais desenvolveu o Brasil, e ai de quem falar mal. Finalmente, estão transformando um presidente tíbio e sem nenhuma condição de liderar um país em estado caótico de turbulências institucionais, como era o Brasil de 64, num novo herói. Tenho pena das gerações atuais, que não viveram os acontecimentos e estão sendo submetidos a uma lavagem cerebral, sem contar o perigo que essas falsas verdades possam causar.

Carlos Tullio Schibuola cschibuola@gmail.com

São Paulo

*

VERGONHA DE SER BRASILEIRO

Esta semana, assistindo pela TV ao "Jornal Nacional", vi a dona Dilma colocando uma coroa de flores sobre o caixão contendo os restos mortais do ex-presidente João Goulart. Senti náuseas e vergonha de ser brasileiro.

João Gilberto Fogaça jg.fogaca@uol.com.br

Ribeirão Preto

*

ENCENAÇÃO

Acho que Jango deve estar rindo do choro da chefona. Quanta falsidade!

José Roberto Palma palmapai@ig.com.br

São Paulo

*

AS REFORMAS DE JANGO

A exumação para apuração da real "causa-mortis" do ex-presidente João Goulart é historicamente emblemática. As homenagens que tardiamente agora lhe prestam nos fazem lembrar que, se as Reformas de Base que tentou implantar há quase meio século tivessem ocorrido – como uma reforma agrária capitalista, como pregava –, certamente não teríamos os grandes problemas estruturais em nossas megalópoles que temos hoje, "inchadas" por migrações rurais desordenadas que tanto infernizam a vida urbana brasileira.

José de A. Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

‘FAREMOS O DIABO’

Nítido o objetivo da exumação de Jango neste momento. Querem achar um "Chávez" tupiniquim para amalgamar a opinião dos incautos em prol das derradeiras eleições em 2014. Espero, fervorosamente, que a "presidenta" não comece a receber mensagens telepáticas ou sonoras das pobres aves que habitam seu jardim planaltino. "En passant", ainda existe o famigerado canteiro em forma de estrela petista nos arrebaldes de sua cozinha?

Klaus Reider vemakla@hotmail.com

Guarujá

*

REPÚBLICA BOLIVARIANA

"Pico de inflação e falta de comida afetam Caracas" ("Estadão", 9/11). Não seria oportuno o governo Dilma/Lula oferecer ajuda à Venezuela, já que por aqui não há inflação nem falta comida? Caracas, como diria Calvin, personagem criada pelo americano Bill Watterson.

Cláudio Moschella arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

*

NÃO GOSTO QUE ME ENGANEM!

Se na Venezuela o presidente Maduro teve o descaramento de criar o vice-ministério para a Felicidade Suprema, no Brasil a presidenta Dilma pode muito bem criar o vice-ministério para a Enganação Extrema.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

A AJUDA BRASILEIRA

O Brasil vai concentrar suas doações para manter Nicolás Maduro no poder na Venezuela ou socorrer as vítimas do tufão nas Filipinas? Na Venezuela o ditadorzinho Maduro incentiva os saques, como um verdadeiro bandido, e nas Filipinas a polícia evita o saque dos famintos. É a diferença entre homens de verdade e um fantoche.

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

GOVERNO MADURO

Quanto falta para a Venezuela virar uma nova Cuba?

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

OLHAR BRASILEIRO

Evo Morales obteve a aquiescência subserviente do Tribunal Constitucional da Bolívia para um terceiro mandato, tal como Fujimori agiu no Peru. Portanto, a possibilidade de mais um período de corrupção, narcotráfico, criminalidade e miséria. O Brasil se insurge contra supostas violações constitucionais e dos direitos humanos quando isso interessa a seu alinhamento na América Latina com uma esquerda canhestra e esclerótica, como no episódio do Paraguai e sua exclusão do Mercosul. Entretanto, o governo petista olha para o outro lado ao serem pisoteados princípios constitucionais básicos na Bolívia, Venezuela e Nicarágua.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

DILMA NO MUNDO DA LUA

Dilma Rousseff está preocupada com o delicado momento econômico do Brasil, rejeitando projetos que elevem gastos do governo. Onde está ela para ver a festa da comitiva da Câmara dos Deputados passando feriadão em Nova York? Com diárias de US$ 500? Haverá outro embarque de 22 deputados em dezembro? Parece piada, mas não é. Ela está na mesma nave espacial do Lula, que nunca viu nada, não sabe nada do que os trapalhões do seu governo andavam fazendo.

Elza Telles tellesskipper@hotmail.com

São Paulo

*

FERIADÃO INDECENTE

Simplesmente vergonhoso, indecente, como lamentável, o comportamento dos políticos brasileiros habituados e viciados a conviver queimando nosso dinheiro em viagens com atividades falsas, forjadas e totalmente inúteis para, desta forma, emendar o feriado e aproveitarem um fim de semana prolongado em Nova York, considerando que o compromisso oficial é só na segunda-feira, dia 18. Onde o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), terá direito a uma diária de US$ 550, enquanto os seis deputados pertencentes à corriola farão jus a US$ 428 cada um, tudo isso além da vinda deles de Brasília para São Paulo em jato da Força Aérea Brasileira (FAB) e com passagens aéreas para Nova York. E dois assessores viajaram antecipadamente para preparar o cerimonial.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

‘HAY QUE ADOLECER’

É repugnante essa ética torta dos tais ativistas que, mais uma vez, invadiram o Instituto Royal, em São Roque (SP), pois amarraram e aviltaram seres humanos trabalhadores – os seguranças – para soltar ratos. Por uma questão de coerência esses agressores de gente deveriam recusar tratamento quando eventualmente doentes, para "manifestar ternura" também por vírus, bactérias e outros organismos patogênicos. Afinal, "hay que adolecer, pero sin perder la ternura jamás".

Túllio M. Soares Carvalho tulliocarvalho.advocacia@gmail.com

Belo Horizonte

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.