Fórum dos Leitores

MENSALÃO

O Estado de S.Paulo

18 Novembro 2013 | 02h03

Afinal, é pra valer?

A prisão dos mensaleiros e comparsas teve sua efetivação pela dedicação, e coragem principalmente, do ministro Joaquim Barbosa, coincidindo com a data da Proclamação da República de um país tão carente de moralidade política e lavando um pouco a nossa cidadania, aviltada por esse tipo de políticos que insistem em nos desmoralizar. Os brasileiros decentes agradecem, aplaudem e perguntam: afinal, é pra valer? Que assim seja! Viva a Nação brasileira.

JOÃO BATISTA PAZINATO NETO

pazinato@competence.cnt.br

Barueri

Há um bom juiz em Brasília

Muito bela a "twittada" da presidente Dilma Rousseff neste dia 15 a respeito do significado da palavra República. Disse que uma das finalidades de sua função é combater a corrupção, e bem no dia do cumprimento de mandados de prisão de seus companheiros petistas condenados no processo do mensalão. Das duas, uma: ou ela é uma estadista ou tem grande perspicácia política na entrada de ano eleitoral. Mas quem honrou mesmo este dia 15, talvez como nunca antes neste país, foi o nosso presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa. Senso político ou qualidade de um possível estadista? Nem uma coisa nem outra, apenas um bom juiz.

JOSÉ EDUARDO ZAMBON ELIAS

zambonelias@estadao.com.br

Marília

'Teje preso'

Como a grande maioria dos brasileiros, assisti à prisão e comecei a recuperar o orgulho de ser brasileiro. O ministro Joaquim Barbosa escolheu muito bem a data da Proclamação da República para enviar para a cadeia os mensaleiros da era Lula. Alguns se apresentaram como injustiçados, numa manifestação explícita de sua megalomania, tentando ainda mostrar uma altivez que não lhes cabe mais, condenados que foram. De agora em diante, esperamos, os costumeiros prevaricadores e achacadores terão em que pensar antes de cometer crime assemelhado. Membros do PT ainda se regozijam porque o chamado mensalão, após cansativo e demorado processo, chegou ao estágio do "teje preso", pois acreditam que assim não atrapalhará o partido nas eleições do ano que vem. Contam com a memória curta do povo e a fatura eleitoral do Bolsa Família, mas parece-nos que realmente o País está mudando, e para melhor, sendo este 15 de novembro um marco zero no fim da impunidade para os poderosos. Para pelo menos um dos presos foi uma piada de salão sem graça nenhuma.

GILBERTO PACINI

benetazzos@bol.com.br

São Paulo

A lógica da coisa

Fiquei, a princípio, deveras perplexo ao ver alguns ministros do STF conhecidos pela defesa intransigente que fizeram dos mensaleiros votar pela execução antecipada das penas dos réus petistas. Por que, afinal, votaram desse modo? Mas ao ver que para Lulla e Dilma a prisão dos condenados agora é "mais favorável ao governo que a prisão em 2014" (em face do calendário eleitoral), ficou cabalmente esclarecida a decisão pela antecipação "por unanimidade" do pleno da Corte. Uma vez que a prisão - em regime fechado ou semiaberto - teria de ocorrer de qualquer maneira, melhor ser já, para evitar sua exploração em época eleitoral. Ficou, assim, bem clara a "lógica da coisa".

SILVIO NATAL

silvionatal49@gmail.com

São Paulo

Fazendo o diabo

Dilma e Lula estão felizes com a prisão dos mensaleiros agora. Querem 2014 livre para voar.

ARNALDO DE ALMEIDA DOTOLI

arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

Segundo tempo

Mais uma vez o comportamento de Lula foi decepcionante e melancólico, seus seguidores esperavam discursos elogiosos aos mártires petistas injustamente condenados e presos. Mas, lamentavelmente, Lula fez pouco-caso do drama que seus asseclas estão passando e pensou apenas na reeleição, dizendo que foi bom a prisão ter ocorrido agora, assim a oposição não poderá usar esse argumento em campanha. Pois esse senhor está muito enganado, o segundo tempo do mensalão deve ocorrer em abril ou maio de 2014.

IVAN BERTAZZO

bertazzo@nusa.com.br

São Paulo

Preso político?

Então, José Genoino considera-se preso político! Acredito que ele seja um "genuíno" político preso. E para dirimir possíveis dúvidas, esclarecer os menos avisados e tirar a máscara dos hipócritas quanto à lisura do julgamento a que ele e mais algumas dúzias de outros bandidos foram submetidos, vale lembrar que a Corte que os condenou foi escolhida em sua grande maioria - 7 dos 11 ministros - pelos governos do PT. E mais, esperem para ver: a "presidenta" que faz parte desse partido vai manter o bico fechado para não ter de pisar na lama, visando à reeleição no próximo ano.

HUMBERTO DE L. FREIRE FILHO

hlffilho@gmail.com

São Paulo

Bandidos comuns

Seria bom lembrar aos srs. José Dirceu e José Genoino que, se insistirem na tese da prisão política, não contem com a solidariedade de Lula. Afinal, quando (em Havana) se referiu aos presos políticos de Cuba, o ex-presidente comparou-os a bandidos comuns. Greve de fome, então, nem pensar!

EVELINA HOLENDER

eveholender@hotmail.com

São Paulo

Banquete

É pertinente a pergunta, após as absurdas regalias do presidente do Senado: os mensaleiros - encarcerados no regime fechado ou no semiaberto - receberão o mesmo tratamento dado a Renan Calheiros no tocante à alimentação (bacalhau, camarão, azeite de oliva, etc., etc.), cabendo ao povo o ônus do custo?

ITALO POLI JUNIOR

polijau@terra.com.br

Jaú

Lixo da História

Os gestos de punho cerrado exibidos por José Genoino e José Dirceu ao entrarem, presos, na sede da Polícia Federal em São Paulo foram nada menos que patéticos. Semelhantes aos de oficiais nazistas que, condenados à morte depois da 2.ª Grande Guerra, imediatamente antes de serem executados faziam a saudação típica aos gritos de "Heil Hitler!". E para arrematar, Dirceu e Genoino ainda divulgaram notas colocando-se de forma arrogante acima da Justiça. Se já não entraram para o lixo da História, estão quase lá.

  __________

INDÚSTRIA PENALIZADA

É preocupante perceber que, pelo quinto mês seguido, cai o nível de emprego no setor industrial.  Se em setembro a queda foi de 0,4%, comparado com o mesmo mês de 2012, a queda chega a 1,4%.  Esse é um triste retrato da situação da indústria brasileira, que há mais de uma década vem perdendo espaço para produtos estrangeiros, porque os elevados custos internos não permitem melhor competitividade. E a razão é simples de explicar. Os custos que existem sobre o salário do trabalhador nesta terra tupiniquim chegam a 102%. Captar recursos no mercado, direcionados para capital de giro, ou investimento, é altíssimo. O excesso de burocracia oficial exige que se trabalhe mais de 2.600 horas por ano, o que onera o orçamento das empresas. A carga tributária está entre as mais altas do mundo. A caótica situação das nossas estradas, portos, aeroportos, ferrovias, etc., penaliza a dinâmica de se produzir no País. Para embarcar ou liberar mercadorias nos portos ou aeroportos, se perdem dias, ou semanas, o que impõe, além de um custo absurdo, grande humilhação para aqueles que desejam desenvolver esta nação. Isso sem falar que o Brasil é um dos países mais fechados ao comércio exterior devido às barreiras impostas. E este também é um fator de entrave, que prejudica parceiras que poderiam propiciar maiores vendas no exterior de produtos manufaturados. E o desemprego na indústria só não é maior por causa da ociosidade existente e da baixa lucratividade que ocorre hoje, porque dispensar um trabalhador neste país é muito caro, e quando da necessidade de reposição a mão de obra qualificada pela baixa oferta pode não estar disponível no mercado. É por todas essas lacunas citadas é que o nosso setor industrial sucumbe. Mesmo porque, nos países da zona do euro e nos EUA, além de Rússia, China e Índia, esses mesmos custos que inviabilizam a nossa indústria aqui por lá são infinitamente menores. Esse quadro de eficiência também existe nos nossos vizinhos Paraguai, Peru, Chile e México, que, comparando com o nosso PIB, crescem mais que o dobro. Uma prova constrangedora: neste ano de 2013 a indústria terá um déficit comercial de US$ 100 bilhões! Porém, bem diferente do nosso agronegócio, que somente nos primeiros dez meses deste ano já acumula um superávit na balança comercial de US$ 72 bilhões. Precisa mais?!

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

ANO AGRÍCOLA FAVORÁVEL?

Mesmo que em 2014 o nível de produtividade agrícola cresça 1% e que a produção total de grãos beire os 200 milhões de toneladas, não me sai da cabeça a imagem desoladora, publicada recentemente no “Estadão”, mostrando milhares de toneladas de milho em grãos, amontoadas a céu aberto, numa propriedade agrícola no interior do Mato Grosso.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

INFLAÇÃO

O emprego na indústria caiu 0,4% em setembro. É a quinta queda mensal seguida, conforme divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Só notícias ruins do desgoverno da dona Dilma: os pedidos de falência sobem para 181 em outubro, diz Serasa; analistas projetam um crescimento menor do PIB para 2014. Isso com a redução na demanda e no consumo das famílias, tudo em razão do elevado endividamento e da inflação real, que não para de aumentar. A inflação manipulada e maquiada tenta enganar os brasileiros, mas não “cola” mais.

 

Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br 

São Paulo

*

COMPARAÇÕES

Além de ser um deboche, como publicado pelo “Estado” (9/11, A3), a afirmação do ministro da Fazenda, Guido Mantega, de que a inflação de outubro (0,57 %) pode ser considerada boa, Mantega quer nos passar atestado de ignorantes. A inflação pode ter sido boa para os Rousseffs, Calheiros, Sarneys, Temers, Mantegas, etc., que não gastam um tostão em supermercados, pois as despensas de suas suntuosas residências estão sempre recheadas do bom e do melhor, sustentadas pelo dinheiro do povão.  Agora, senhor ministro, pergunte aos Silvas, exceto um, pois seria suspeitíssimo, aos Santos, aos Sousas, sobrenomes mais comuns da classe menos privilegiada, que sentem na “carne” a alta do custo de vida, o que acham de sua de atuação e de suas declarações – com certeza os elogios seriam impublicáveis, saturados que estão com suas blasfêmias.

Sérgio Dafré sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

*

PARA BOI DORMIR

Para justificarem aumento de inflação, já culparam o chuchu e o tomate, mas acusarem o seguro-desemprego como responsável pelos desajustes na conta do Tesouro é muita infantilidade. Afinal, não estamos em pleno emprego? É tudo história para boi dormir.

Sérgio Barbosa sergiobarbosa@megasinal.com.br

Batatais

*

SONHO UTÓPICO

 

Paira no ar uma esperança de dias alvissareiros. É promissora a promessa da presidente de, ainda neste ano, reformar os ministérios. Deve ter caído a ficha. Afinal 39 ministérios empregam um dispendioso batalhão de funcionários, quando uma dúzia é mais que suficiente. Só assim vai sobrar algum para investir, suprir a carência dos combalidos serviços básicos disponibilizados pelo governo (infraestrutura, saúde, educação, transportes, segurança). A presidente Dilma será digna de calorosos elogios, se assim proceder.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

RECEITA FEDERAL

Questionada, a Receita Federal informou que opera “nos padrões de normalidade” (“Receita suspende fiscalizações por falta de dinheiro e prejudica arrecadações”, 10/11, B1 e B4). Apenas deixou de aduzir que tais padrões são de quinta categoria, aliás, como é de quinta o governo que a abriga. Como o eleitorado que elege estes governos também é de quinta, fica tudo bem equilibrado e sem maiores discrepâncias. Para todos os efeitos, potência de quinta sem risco de melhorar na classificação. Ou, para não discrepar da quinta classificação, não, isso toda a gente entende, quinta no ranking seja lá do que for.

Mário Rubens Costa costamar31@terra.com.br

Campinas

*

GESTÃO HADDAD

A cidade de São Paulo está sofrendo os mesmos descalabros que sofreu na gestão petista de Marta Suplicy, da qual o atual prefeito, Fernando Haddad, participou. Agora, na sua péssima administração, está difícil para os cidadãos deste município conviver com ruas escuras e esburacadas, calçadas cheias de lixo, trânsito caótico, saúde com  programas reduzidos, falta de medicamentos em todas as redes de distribuição, fraudes no IPTU e no ISS em troca de propina e, o pior, a mando do prefeito, para evitar pressão da sociedade nas galerias da Câmara dos Vereadores, 29 inescrupulosos vereadores, traidores de seus eleitores, aprovaram na calada da noite o indecente projeto do aumento do IPTU – característica  das administrações petistas. O reajuste para 2014 será de 20% para as residências e de 35% para o comércio e a indústria, enquanto a inflação é estimada em 6%.  O Poder Judiciário chegou a suspender essa aberração, mas durou pouco e a liminar já foi derrubada.

José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br

São Paulo

*

JUSTIÇA BRASILEIRA

Por que a Justiça brasileira é tão rápida em aprovar o IPTU de São Paulo e a privatização do campo do pré-sal de Libra e tão lenta para julgar a ação civil pública dos planos econômicos Verão e Bresser (mais de 20 anos)?

José Luiz Martin jluizmartin@yahoo.com.br

São Paulo

*

O NEGÓCIO É NÃO PAGAR

 

Os amigos dos quadrilheiros do ISS da capital paulista, além das vantagens expostas abundantemente pelo “Estadão”, podem deixar de pagar dívidas do IPTU, mediante propinas. Os desenvoltos quadrilheiros, contra pagamento de propinas, zeravam as dívidas de IPTU. Vê-se, assim, que a arrecadação do IPTU sofria inúmeros reveses e, portanto, não precisaria o alcaide opinar pelo escorchante aumento. Bastaria fiscalizar melhor a arrecadação da municipalidade. Entretanto, os paulistanos já demonstraram que estão prontos a demandar até que consigam o não pagamento do tributo como desejado. Mas o que há de bom na atuação do prefeito é que não mais existem dúvidas sobre a ousadia tributária do PT. E, como consequência, espera-se uma debandada total nas pretensões da agremiação de assumir o governo paulista. Em sã consciência, não se pode trocar o atual governador pelo novo aventureiro do lulopetismo.

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

SEM VONTADE

Se o prefeito Fernando “Malddad”, digo, Haddad, de São Paulo, quer passar a limpo todo o trabalho da prefeitura, deveria colocar os vereadores para fiscalizar os roubos, ao invés de aumentar o IPTU. Em todas as secretarias, há funcionários indicados pelos vereadores. Nada mais justo que os indicadores investiguem os indicados. As descobertas de roubos na prefeitura são apenas a ponta do iceberg. E o prefeito, se quisesse administrar com competência, deveria conter os roubos.  Todo o dinheiro recuperado seria suficiente para cobrir o IPTU sem tirar dinheiro dos contribuintes. Como se vê, tudo tem jeito, basta vontade.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com 

São Paulo

*

FALTA PLANEJAMENTO

A população ainda se encontra estupefata com o reajuste desmesurado do IPTU e o prefeito Haddad e seu fiel secretário dos Transportes/presidente da SPTrans/CET, Jilmar Tatto, já providenciaram um novo calvário para a população paulistana, principalmente os que residem na região leste. Trata-se da extinção, agrupamento e mudanças de itinerários das linhas de ônibus daquela região, a mais populosa da cidade. E, ante a enxurrada de reclamações dos usuários, a explicação da SPTrans é de que as mudanças foram executadas para a racionalização dos serviços e que serão feitos os ajustes necessários. Mas a administração municipal jamais poderia ter implantado tais modificações sem um detalhado planejamento, pois na balbúrdia que é o trânsito em São Paulo não se pode tumultuá-lo ainda mais por decisões aparentemente tomadas de afogadilho. Elas afetam diretamente o cotidiano de milhares de pessoas, principalmente se elas não contarem uma explicação antecipada e puder dispor de informações precisas e não as que foram disponibilizadas para os usuários. O que assistimos nas reportagens ao vivo pelos canais de televisão foi a um vexame de corar um frade de pedra. E agora, não é uma questão de se fazer ajustes e, sim, de corrigir o que foi feito errado e pedir escusas à população atingida. Essa verdadeira obra prima de engenharia de trânsito ainda por cima foi implantada num sábado em que se realizaria na cidade um exame do Enem, aliás, velho conhecido do prefeito. Assim o que a administração denomina de ajustes ou correções, eu chamaria de falta de um planejamento bem feito.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

O PT NO PODER

Nós, povo de São Paulo, somos muito gratos ao prefeito “Malddad”, que mostrou para o que veio, juntamente com o seu PT.

 

Ivan Bertazzo bertazzo@nusa.com.br 

São Paulo

*

VOLTEMOA ÀS RUAS!

O IPTU aumentou através de uma votação secreta entre políticos totalmente incompetentes e descompromissados com a população paulistana. E é uma grande injustiça com os verdadeiros cidadãos desta grande metrópole que sofre mês a mês para pagar os vários e altos impostos concedidos por este governo atrasado e extremamente cruel do qual, infelizmente, nós fazemos parte. Por consequência, várias ações já estão em andamento. A Justiça de São Paulo chegou a conceder liminar – já derrubada – que impedia a prefeitura de sancionar o projeto de lei de reajuste do IPTU na capital paulista. Na minha opinião, era um bom caminho para que se anulasse o projeto infeliz, mas não é a única saída. O verdadeiro ato necessário a ser realizado é voltarmos às ruas da cidade para mostrar a nossa revolta e o descontentamento com esta política de pão e circo que assassina o futuro da maior cidade do País e uma das maiores do mundo. Vamos lutar, em busca de mudanças para o bem-estar de todos nós, brasileiros e paulistanos.

 

Flávio Porto Gomes Camacho fpcamacho@bol.com.br

São Paulo

*

A MÁSCARA DE HADDAD

Para se fazer de bonzinho para os mais humildes, Haddad – de olho no voto, claro – isentou bairros inteiros da periferia do IPTU e, ao mesmo tempo, onerou desumanamente o comércio, gerando desemprego, porque muitos irão fechar e famílias que moram há décadas em bairros tradicionais terão de se mudar porque não vão aguentar pagar o tributo.

Fernando Castellari castellarinando@yahoo.com.br

São Paulo

*

‘ELLES’ SÃO CAROS

 

Os governos ditos de esquerda, os petistas são ótimos gastadores e esfoladores dos bolsos dos brasileiros. Em São Paulo, o prefeito Haddad aumenta o IPTU em valores escorchantes. Já em Brasília, o governador Agnelo Queiroz, também do PT, quer contratar um jatinho particular por R$ 1,3 milhão por ano com todas as mordomias, cansado dos aviões de carreira. Sr. Agnelo, um cálculo rápido: dez passagens para Paris todos os meses e de primeira classe custariam mais ou menos uns R$ 500 mil por ano. O povo de Brasília merece pagar por isso ou também vai aumentar o IPTU? E aí vem o sr. Lula falar mal das “zelites” esquecendo-se de que o PT faz parte da elite política e quer mesmo é mordomia.

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

ADIAMENTO

A Prefeitura do Rio de Janeiro desistiu de fazer alteração no IPTU para o exercício de 2014. Esperem. O presente do prefeito para a cidade será em 2015 ou 2016. Ele não vai deixar passar. Preparem os bolsos.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

COMO SE SENTE O CONTRIBUINTE?

Diante de tantos escândalos financeiros, mesadas para mafiosos, desvio de recursos, cartel de trens, quadrilhas de fraudadores em órgãos públicos, obras superfaturadas, isenção de impostos para algumas pessoas, apadrinhados, moleza com baderneiros, moleza com os torcedores briguentos, falta de policiais à noite, trânsito caótico, falta de transporte público de qualidade, atendimento precário nos postos de saúde, assaltos, arrastões e chateações de toda ordem, pergunto: como você se sente, cidadão contribuinte brasileiro, que paga os tributos com seu dinheiro suado para isto que está aí? Eu digo como me sinto: um bobo da corte, um imbecil e um estúpido, portanto sem nenhuma esperança no Brasil.

José Luiz Martin jluizmartin@yahoo.com.br

São Paulo

*

A MÁFIA DO ISS

Pelas dimensões do valor do golpe do Imposto sobre Serviços (ISS) e pela ameaça do auditor Luis Alexandre Magalhães feitas ao seu antigo chefe e também envolvido no caso em questão, Ronilson Bezerra Rodrigues, de que, “se caírem cinco, vão cair 50”, por ele ter tudo anotado com todos os acertos desde 2002, está provado que o buraco é mais embaixo. Portanto, não tenham a menor sombra de dúvidas de que temos nomes fortes envolvidos que poderão nos surpreender ao serem delatados.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

INÊS É MORTA

Só no ISS o assalto à Prefeitura de São Paulo pode chegar a R$ 500 milhões. Já os valores assaltados do IPTU, só Deus sabe. Agora a prefeitura irá informatizar o sistema para evitar assaltos aos cofres públicos. Quanto ao dinheiro que já foi roubado, presumo que quem paga impostos deverá arcar com os prejuízos também.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

GILBERTO KASSAB

Não morro de amores por Gilberto Kassab, mas me parece que é o único que está tendo coragem de peitar o PT, devolvendo as  acusações que lhe estão sendo feitas sobre corrupção na Prefeitura de São Paulo com as mesmas palavras. Dá-lhe Kassab...

 

Eliana Pace pacecon@uol.com.br

São Paulo

*

GRAVIDADE

Se Kassab não sabia, é grave; se sabia, é gravíssimo!

J. S. Decol decoljs@globo.com 

São Paulo

*

HADDAD E KASSAB

E será que os sarracenos se rebelaram contra São Paulo?

Mauro Lacerda de Ávila lacerdaavila@uol.com.br

São Paulo

*

CHAMUSCADO

Kassab, em toda essa crise do ISS, parece o bobo da corte, está saindo chamuscado e queimado totalmente em relação às eleições para governador. É lamentável ver um tipo de político aproveitador, agora siamês de Dilma, e ainda deve levar de lambuja um ministério para chamar dele e levar algumas verbas, ou seja, prêmio de consolo para um cara que agora também é acusado de corrupção. No Brasil, em matéria de escândalos de políticos, estamos só vendo a criatividade desses canalhas, que ninguém supera, infelizmente.

Jani Baruki janibaruki@bol.com.br

São Paulo

 

*

NADA DE NOVO NO FRONT

É justamente por causa de máfias como a do ISS que a indicação de cargos na política brasileira é uma briga de foice. A facilidade de formação de máfias desse tipo faz com que os membros dos “partidos aliados” se peguem a tapa pela nomeação de um carguinho qualquer. Ou estou falando alguma inverdade?

Victor Germano Pereira  victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

Ô, SAUDADE!

Quando lemos nos jornais, todo santo dia, notícias sobre propinas, falcatruas e todo assalto praticado contra nosso bolso, através dos desvios dos impostos pagos, me lembro daquele ministro do trabalho, do governo do presidente defenestrado por corrupção, cujo símbolo foi uma carroça genuinamente nacional (Fiat Elba), e fico a pensar como o “imexível” ministro foi modesto ao se vangloriar por haver recebido US$ 30 mil, por haver liberado verba do FGTS, para uma obra no Acre. Todos os “assaltantes” atuais, na sua maioria, ligados ao desgoverno petista, desviam milhões para paraísos fiscais e não só não sofrem punição, como não vemos a devolução do dinheiro, que falta para educação, saúde, infraestrutura, etc. Ainda por cima, recebemos ameaça de mais impostos para o próximo ano.  Como tenho saudades do PT oposição.  “Elles” eram bons, verdadeiros guardiães da ética, moral e bons costumes na política. Nada como dar poder a quem não tem caráter, não?

Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

*

CORRUPÇÃO

Bons tempos aqueles em que as crônicas falavam sobre nosso dia a dia, nosso bairro, nossa cidade, retratavam nossos costumes e descreviam pessoas folclóricas fazendo coisas extravagantes ou simplesmente relatando casos e coisas simples por que todos nós passamos. Hoje, a primeira palavra que vem à mente de um cronista é corrupção. Ele roda, mexe, vira, revira, procura assunto mais ameno, mas se sente constrangido em falar sobre futilidades, enquanto uma corja de bandidos assalta os cofres públicos se lixando para seu bairro, sua cidade, seu estado e para este pobre país. Será que nosso povo, que é bom e honesto por natureza, não vai acordar e retomar os protestos de junho? Pois lindas foram aquelas manifestações, espontâneas como devem ser, e que estavam caminhando tão bem, até que fossem contaminadas por um bando de malfeitores mascarados que, a soldo de partidos políticos, invadiu nossas ruas para depredá-las. O grande mal que esses picaretas estão nos causando nem é tanto a depredação do patrimônio público e privado. Pior do que isso é a quebra de confiança das pessoas nos protestos que estavam promovendo. Agora, todo mundo tem medo de sair às ruas temendo ser confundido com black blocs ou qualquer outro bando de delinquentes. Enquanto isso os chefes do bando continuam refestelados em seus tronos, indiferentes à derrocada de nossa economia, nossa saúde, educação e cultura – para não falar na infraestrutura –, preocupados apenas em ganhar pontos nas pesquisas eleitorais, garantindo mais alguns anos de acesso às nossas polpudas burras.

Percy Castanho percy@clubedoscompositores.com.br

Santos

*

ZONA COM DINHEIRO PÚBLICO

A Prefeitura libera R$ 125 milhões ao Itaquerão, não me refiro à torcida corintiana, refiro-me a preferências. Pessoas doentes morrem em filas nos corredores por falta de leito, remédios, médicos, por falta de hospitais. Refiro-me ao transporte público, que é vergonhoso e arcaico, onde mulheres são assediadas nos vagões de trens e metrôs, além do que os pontos de ônibus são mal iluminados, não têm ao menos cobertura para abrigar os usuários.  Refiro-me à educação pública, em que passar o aluno é mais fácil e dá menos gasto para Estado/Prefeitura do que reprová-lo e ensiná-lo, e muitas vezes os alunos não têm onde sentar e o que comer na escola. Refiro-me à segurança pública, que atingiu nível máximo de insatisfação, assaltos diários e dependentes químicos aos montes sem tratamento e largados nas ruas. Refiro-me ao assalto a mão armada com aumento do IPTU para 2014, e as pessoas não percebem que toda essa disponibilidade de verba pública quem paga somos nós! Até quando essa zona vai continuar?

Edward Brunieri patricia@epimaster.com.br

São Paulo

*

BRASÍLIA DESFIGURADA

Mais uma iniciativa em que os idealizadores de Brasília devem estar se revoltando em seus túmulos ou onde estiverem. O orgulho de todos os moradores da cidade está sendo destruído pelos empresários da construção civil. A ganância sem limites dos políticos envolvidos que pretendem apenas se locupletarem financeiramente e garantirem suas reeleições em 2014 está em vigor. A população de bem que vota e paga seus impostos em dia, está sendo lesada sem saber. Eles pretendem fazer passar em regime de urgência, isto é, por “baixo dos panos”, este projeto intitulado de Preservação da Área Tombada de Brasília (PPCUB). A pequena qualidade de vida da cidade está se escoando pelo ralo. Todos os pequenos espaços livres ainda existentes estarão sendo ocupados por inúmeras construções. Adeus às áreas verdes de nossa cidade. Se aprovado, viveremos em uma selva de pedras ou de concreto. Será difícil respirar um ar puro. Precisamos abolir os políticos atuais dos próximos pleitos. A quem mais recorrer? Que Deus nos acuda!

João Coelho Vítola jvitola@globo.com

Brasília

*

O PREJUÍZO DA USP

O prejuízo de mais de R$ 1 milhão causado pelos alunos da Universidade de São Paulo (USP) quando dessa ultima invasão na reitoria da universidade é no mínimo um absurdo. Essa moçada inculta e despreparada e que são apenas hábeis “marcadores de alternativas” corretas, dado que há que se reconhecer não ser fácil ser aluno da entidade, são de fato um bando de mal agradecidos, pois depredam seus próprios bancos escolares em uma escola de excelência. Certamente seus pais ou responsáveis não concordam com essa bandalheira toda. O que lhes falta em verdade é criatividade, coisa essa que não se aprende na escola.

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

*

SÓ NA PORRADA

Não concordo com a carta “Fim da invasão da USP – de rebelde a bandidos” (14/11, A2). Num país onde a corrupção rola solta, fazendo o povo de marionetes, a luta de jovens ou de qualquer que seja, mascarado ou não, não faz a menor diferença. Hoje, no Brasil, não se resolve nada através de manifestação pacífica. Só se vê resultado quando há quebra-quebra. Não estou aqui defendendo vândalos, mas relatando que essa é a realidade de hoje. Isso porque os maiores vândalos estão lá, no poder, e são chamados de deputados, senadores, governadores, prefeitos e presidentes. Com eles não tem conversa, só a porrada resolve. Enquanto tentamos dialogar com eles, os mesmos enchem seus bolsos com o dinheiro público, e povo fica com o prejuízo. Nunca participei de nenhuma manifestação, mas fico revoltado com a maneira como a mídia trata os manifestantes. Chama de vândalos, bandidos, sem-vergonha, etc. E, enquanto isso, chama os verdadeiros bandidos de Vossa Excelência.

Lindenberg Pinheiro berg_pinheiro2008@hotmail.com

São Paulo

*

DESOCUPADOS

Verdadeiro absurdo só terem prendido dois estudantes na retomada da reitoria da USP, e maior absurdo ainda o ato que os liberou apenas um dia depois. Borracha nesses vagabundos, desocupados e facínoras que eu e mais 43 milhões de paulistas estamos pagando para que estudem.

Alcides Ferrari Neto ferrari@afn.eng.br

São Paulo

*

‘PORCOS!’

Diante do lastimoso estado em que os invasores deixaram a Reitoria da USP, só cabe um grito de indignação: “Porcos, porcos, porcos!”. Não são estudantes os vândalos que praticaram tal vilania. Pertencem a uma espécie que nada tem que ver com quem busca a excelência de ensino da instituição. Acabo concordando com uma opinião que os qualifica como membros de uma tribo que frequenta cursos com pouca demanda e onde vicejam as hordas dos “QI abaixo de 80”, facilmente cooptados por doutrinas esdrúxulas cujo slogan parece ser “todos os direitos, nenhum dever”. E o politicamente correto, que assusta as autoridades e infla os meios de comunicação, deixa a sociedade de mãos atadas para uma reação à altura ante tal marginalidade. Que tal a USP identificar e divulgar o currículo escolar dessa malta?

Alexandre de Macedo Marques ammarques@uol.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.