Fórum dos Leitores

JOAQUIM BARBOSA

O Estado de S.Paulo

03 Dezembro 2013 | 02h05

Eventual candidatura

Noticia o Estadão que a maioria dos 32 partidos brasileiros assume não ter espaço para eventual candidatura do ministro Joaquim Barbosa (2/12, A4). Ainda faltam dez anos para a aposentadoria compulsória do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), mas, dado que a próxima presidência da Corte ficará a cargo do ministro Ricardo Lewandowski, cujos entreveros com o atual presidente são por demais conhecidos da Nação, é quase certo que Barbosa procure candidatar-se ao Planalto ou ao Senado. Negar-lhe vaga, na realidade, só demonstra o nível de nossa política, cujos partidos abrem as portas até para bandidos, mas recusam o ingresso a uma pessoa digna e correta. A estatura moral deveria ser o primeiro requisito para o ingresso em tais agremiações, devendo essa regra ser acolhida pela reforma política.

JOSÉ CARLOS DE C. CARNEIRO

carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

Jubilado antecipadamente

A maioria dos partidos diz não haver espaço para a candidatura de Joaquim Barbosa e sabemos bem qual é o receio e o motivo principal de seus líderes e coadjuvantes: é que, vencendo a eleição, faria uma limpeza generalizada e poria no olho da rua todos os políticos corruptos, que, além de ficarem desempregados - pois nada sabem fazer além de falcatruas -, perderiam a teta!

ANGELO TONELLI

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

O porquê da rejeição

A integridade do ministro Joaquim Barbosa na sua luta pela independência das instituições tem demonstrado que seu objetivo não é utópico. E isso assusta os políticos, tanto quanto a sua determinação em pôr bandidos atrás das grades. Daí a rejeição ao seu nome - não só pelos caciques do PT -, como demonstra a pesquisa do Estadão.

NILSON OTÁVIO DE OLIVEIRA

noo@uol.com.br

Valinhos

Me engana...

A fama de justiceiro que Joaquim Barbosa adquiriu com o julgamento do mensalão empolga pouco os partidos. Das 32 legendas, 16 dizem que não filiariam o presidente do STF para disputar o Planalto em 2014, oito siglas afirmam que precisariam discutir o assunto antes da decisão e apenas sete, todas nanicas, declaram que abririam as portas para ele, segundo a enquete feita pelo Estado. Fustigado pelo escândalo julgado por Barbosa e crítico feroz do magistrado, o PT foi o único que não quis responder. Se todos esses partidos sem nenhuma filosofia podem ter candidatos, por que não o "Barbosão", que é "o cara"? Me enganem que faz de conta que eu gosto. O povo quer gente honesta, não ladrões ou enganadores. Joaquim Barbosa ganharia essa eleição com um pé nas costas. Prova disso é que o PT nem quis comentar. Os petistas sabem o quanto erram e metem a mão...

ANTONIO JOSE GOMES MARQUES

a.jose@uol.com.br

São Paulo

PT X STF

O temor do PT em relação ao STF, na pessoa do insigne ministro Joaquim Barbosa, não se restringe aos acontecimentos que resultaram na prisão de 12 condenados do mensalão. O fator preponderante da projeção do ministro no cenário político, conquistando a confiança e o respeito da população brasileira, credencia-o, sim, à condição de candidato potencial à Presidência da República para realizar as grandes transformações de que o Brasil tanto necessita.

ALCIDES BENJAMIN PORCARO

porcaro2010@hotmail.com

São Paulo

Mensalões

O processo que envolve políticos mineiros - um deles ex-presidente do principal partido de oposição, ex-governador de Minas Gerais, ex-senador e hoje deputado federal - teve início em 1998 e há dez anos está praticamente parado no STF. Se levarmos em consideração o destaque obtido pelo presidente do STF com a tramitação do denominado mensalão envolvendo integrantes do governo federal, dá para imaginar o que vai acontecer quando ele pautar o "mensalão mineiro". Que por certo vai contribuir para aumentar as pressões contra sua possível candidatura a algum cargo eletivo, como atestam as informações com os vários partidos. Mas que isso não sirva de motivo para mais enrolação. Que pode servir para críticas ao nosso Judiciário, o que não é nada positivo.

URIEL VILLAS BOAS

urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

GESTÃO HADDAD

Avaliação dos paulistanos

Pesquisa Datafolha revela que o sr. prefeito Fernando Malddad tem 18% de aprovação dos munícipes. Sua gestão não convenceu os eleitores quanto às promessas feitas. O trânsito continua caótico. Sua eficiente gestão implantou corredores de ônibus na cidade inteira, expulsando os carros das ruas, enquanto muitos pontos de ônibus - na Avenida Santo Amaro, por exemplo - foram retirados, sem contar que esses pontos ficaram a um quilômetro de distância um do outro, além de várias linhas terem sido extintas. A cidade está uma beleza. Basta chover que os semáforos não funcionam, o lixo está em toda parte e as ruas, às escuras. O que funciona realmente é a indústria das multas e o aumento de impostos, "benefícios" que só fazem bem ao prefeito e seus aliados. Ah, ele que aguarde a chegada dos carnês do IPTU - sua avaliação vai ficar mais lá embaixo ainda. Bem feito para quem se disse "novo" e que iria melhorar São Paulo. A pesquisa revelou o contentamento dos paulistanos.

IZABEL AVALLONE

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

Será que entendi?

O prefeito de São Paulo (vulgo Malddad) e o exímio engenheiro de tráfego Jilmar Tatto fizeram essa lambança com o trânsito para que 1 milhão de pessoas que utilizam ônibus tenham viagens mais rápidas. Agora pergunto ao prefeito: e os 7 milhões de carros que existem em São Paulo, esses que se danem? Mais de 50% desses veículos que estão nas ruas da cidade são de pessoas que usam os carros para produzir. Será que isso vai render votos?

WASHINGTON BOTELLA

wa.botella@me.com

São Paulo

ARTESP

Esclarecimento

Na matéria Ex-diretor da CPTM recebeu R$ 33 mi de SP por consultorias (29/11, A10), a Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp) é citada por manter contrato com a Focco Tecnologia. É preciso esclarecer que a contratação terminou no dia 7 de novembro. Teve o valor de R$ 5 milhões e foi feita por meio de licitação.

EDUARDO REINA, Assessoria de Imprensa da Artesp

artespimprensa@sp.gov.br

São Paulo        

 

 

 

___________               

 

 

 

‘SINAIS ALARMANTES’

 

Muito importante e oportuno o artigo de Fernando Henrique Cardoso de domingo no “Estadão” (“Sinais alarmantes”, 1/12, A2). Sem ser totalmente explícito, o ex-presidente faz um alerta contra os crescentes sinais de manifestação fascista, demagógica e autoritária dos atuais donos do poder e de seu partido (PT). Mais especificamente, faz um claro e forte chamamento às oposições e a todos quantos desejam defender os valores democráticos que tão arduamente conquistamos com a queda da ditadura e com a promulgação da Constituição de 1988. Entretanto, infelizmente, falta às oposições um personagem dotado de carisma, coragem, respeitabilidade e afiada contundência oratória (uma espécie de Carlos Lacerda democrático), capaz de apontar o dedo e mostrar que o rei está nu. Será que ele existe? Urge encontrá-lo. E rápido!

 

Ailton Coentro Filho coefilho@uol.com.br

São Paulo          

 

 

 *    

 

 

FORA DA CURVA O artigo  “Sinais alarmantes”, do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (1/12, A2), expõe de forma clara o nível atingido pela desfaçatez, pela mentira corriqueira e pelo embuste no jogo político, acumpliciados pela corrupção que grassa em nosso  território, atingindo patamares “nunca antes neste país” alcançados. Neste artigo, Lula é denominado  de mago do ilusionismo, que quem sabe um lapso verbal expressou “sinceridade” com a frase “estamos juntos”. Infelizmente, FHC tem sua parcela de culpa, porque, de acordo com a reportagem do “Estadão” de 31 de agosto de 2008, agiu para impedir que se pedisse o impeachment de Lula num momento crucial da nossa incipiente democracia. E os descalabros multiplicaram-se nestes anos. Com certeza aquele era o momento para evitar que o ponto saísse da curva.

 

Antonio C. Gomes da Silva acarlosgs@uol.com.br

São Paulo        

 

 

 

  *

 

      

LIÇÃO À OPOSIÇÃO Merece ser aplaudido de pé o artigo “Sinais alarmantes”, do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que condena o estranho gesto fascista dos punhos cerrados dos mensaleiros bandidos petistas ao serem presos no processo do mensalão. Esperemos que a boa análise sirva de lição para uma atuação mais firme e corajosa de nossa pobre oposição, esclarecendo o eleitorado sobre quem estabilizou o País, acabando com a inflação galopante, e que quem surfou a onda da estabilidade econômica foi Lula – situação que nossa oposição deveria evidenciar com mais clareza no Congresso Nacional, a fim de desmascarar as administrações populistas do PT. Como deixa claro o ex-presidente, se continuarmos assim, os ventos soprados pelos governos populistas não são os mais favoráveis para a sobrevivência do regime democrático de direito e de uma economia austera e de sustentabilidade que pretendemos. Esperemos que a bem elaborada análise de FHC contribua para chamar uma maior consciência de nossas oposições e dos eleitores que vão escolher o novo governo no ano que vem, para que no futuro não tenhamos de chorar lágrimas de sangue.  José Eduardo Medrado jevmedrado@terra.com.br

São Paulo     

 

 

  *    

 

 

BASTA Cumprimento o “Estadão”, por publicar mais um brilhante artigo de Fernando Henrique Cardoso. Realmente, o Brasil está vivendo um período perigoso e que precisa de um basta. Mas quem irá dar esse basta? Pois eu discordo de FHC quando ele afirma que a “impotência das oposições está permitindo a montagem de um sistema de poder que, se duradouro, acarretará riscos de regressão irreversível”. Não é impotência, é burrice, quando algumas pessoas insistem em ser o candidato do partido, apenas para o seu bel-prazer, e não pensam nem no partido e muito menos no País.  Será que Aécio Neves, Eduardo Campos, José Serra e Marina Silva leram o artigo e, se leram, será que entenderam o recado? Ou FHC vai ter de desenhar? Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana    

 

 

  *

 

 

O JULGAMENTO DA HISTÓRIA

 

Nada mais preocupante do que as previsões do professor Fernando Henrique Cardoso no seu artigo “Sinais Alarmantes” (1/12, A2). Da forma como é manipulado hoje o processo eleitoral, não precisamente pelo fato de haver ou não fraude dos resultados, ele deixou de ser representativo. Esse processo tinha validade quando a disputa entre candidatos era mais ou menos equilibrada, e ele girava em torno de ideias e propostas. O PT se apossou do poder através do engodo e da mentira, e se mantém nele única e exclusivamente porque literalmente comprou as consciências dos menos instruídos, e é sustentado por um esquema de corrupção nunca antes imaginado. Ou a oposição arregaça as mangas e vai realmente à luta para salvar o País das garras destes corruptos que se instalaram no poder em 2003, ou a história a julgará por omissa. Humberto Boh hubose@gmail.com

São Paulo          

 

 

  *    

 

 

INTELIGÊNCIA E DIGNIDADE Excelente o artigo do professor Fernando Henrique Cardoso, retrato seco da realidade atual e das mentiras ditas pelos petralhas. Artigo escrito com inteligência, classe e profundidade. Entendo os motivos de os petralhas terem-no escolhido como inimigo maior. Não conseguem fazer política com a classe e a dignidade com que FHC a fez. Não têm a inteligência para argumentar contra suas análises ou sequer para entendê-las. Não têm a competência que ele evidenciou na condução dos destinos da Nação. Não têm a postura e a dignidade com que ele exerceu a Presidência e, principalmente, como se porta depois de deixar a Presidência. Não têm a cultura, mesmo que o tal Lula receba todos os títulos de doutor honoris causa. Não têm a formação e a educação com que ele dignificou o exercício da Presidência e tão bem representava o País no exterior. Cláudio E. Duarte claudio_duarte@hotmail.com São Paulo   *

A DEMOCRACIA EM PERIGO O artigo de Fernando Henrique Cardoso “Sinais alarmantes”, no “Espaço Aberto” de domingo, deveria ser lido por todos os brasileiros que estão sendo enganados por este desgoverno mentiroso, sem escrúpulos e irresponsável. Com base neste alerta, as oposições têm de se manifestar com veemência, deixarem de ser impotentes para evitar que, conforme FHC, “acarretará riscos de regressão irreversível caso este partido consiga montar um sistema de poder duradouro”. A democracia está correndo perigo e a salvação será a mudança nas urnas nas próximas eleições. José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br

São Paulo          

 

 

  *

 

 

    

FOTOGRAFIA DA REALIDADE Muito lúcido o  artigo  de  FHC  no domingo  no “Estadão”. Ao menos ele... tem de ser alguém da estirpe do grande sociólogo para mostrar a fotografia de nossa realidade. Pedro Paulo Santos santospedrop@hotmail.com

Sorocaba          

 

 

   *

 

 

      

A MESMA FARINHA Que todos já sabem que o PT é o que é é notório. O problema é que se pensava que o PSDB fosse o que se pensava – é isso que estamos aguardando para ver. No meu entender, são farinha do mesmo saco. Em matéria de corrupção, tucanos e petistas andam até de mãos dadas. Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo        

 

 

 

   *    

 

 

QUEM É A OPOSIÇÃO? Li com atenção o artigo do ex-presidente Fernando Henrique, em que ele termina dizendo: “Com a palavra, as oposições”. Pergunto, oposição não é ele? Não é Serra? Não é Aécio? Não é o PSDB? Dina de Carvalho Palma rcpalma@uol.com.br

São Manuel      

 

 

    *    

 

 

ELEIÇÕES 2014 A pesquisa Datafolha que apontou 43% das intenções de votos a favor da reeleição do governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, em 2014, comprova que boa parte do eleitorado paulista já está “vacinada” contra os meios possíveis e imaginários que o PT vem usando para sabotar e denegrir a imagem do governador. José Millei millei.jose@gmail.com

São Paulo          *    

QUE PAÍS É ESTE? O Datafolha acabou de divulgar que Dilma Rousseff sobe em todos os cenários para a eleição presidencial de 2014, e a oposição encolhe. Chego à triste conclusão de que aquelas manifestações de junho que tomaram o Brasil de norte a sul aconteceram no ano errado. Deveriam eclodir em junho de 2014, às vésperas das eleições, quando o governo não teria tempo hábil para reagir com as suas caríssimas e irreais propagandas, nem teria como colocar os black blocs nas ruas intimidando os protestantes e jogando água na fervura. O mais incrível é que a situação do nosso país piorou bastante de lá para cá, sob qualquer ângulo que se analise. Que país é este que esquece tão rápido, que aceita tão fácil um mau governo ou que é adepto daquele “me engana, que eu gosto”?

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro        

 

 

     *

 

 

 

      

PESQUISA CERTA Dilma, 47%; Aécio, 19%, Eduardo Campos, 11%. Será verdade? Caso esta pesquisa Datafolha seja real, fico cada vez mais descrente do grau de informação do brasileiro, de um lado, motivado pela falta de escolaridade e consequente senso político, por outro lado, as  benesses oferecidas pelo governo petista, como a Bolsa Família, sem contrapartida de emprego e obrigatoriedade de manter os filhos estudando, exposição na mídia, com intermináveis visitas da presidente para entregar caminhões, motoniveladoras, fazendo afagos aos prefeitos, ou seja, dona Dilma está em campanha eleitoral (onde está o Superior Tribunal Eleitoral?). O padrinho Lula, com suas bravatas e linguajar chulo, transformou-se em cabo eleitoral e coordenador de campanha e, para anular o estrago do mensalão, passa para os sem-memória que os recolhidos na Papuda são uns injustiçados e o ministro Joaquim Barbosa é  o carrasco deles. Portanto, com todas as mentiras, bravatas  e um marketing para enganar o eleitor, talvez a pesquisa Datafolha esteja correta. Um grande estadista disse certa vez que se pode enganar alguns, que no Brasil infelizmente são muitos e não todos. Vamos aguardar outubro de 2014, para saber se a oposição, que até agora permanece muda, saberá mostrar o quanto o mal dos 12 anos de petismo está atrasando o Brasil.

 

Olavo Fortes C. Rodrigues olavo_terceiro@hotmail.com

São Paulo        

 

 

    *    

 

 

O QUE O FUTURO NOS RESERVA Dilma tem 47%, Aécio, 19%, e Campos, 11%, diz Datafolha. Nesse cenário, presidente seria reeleita no primeiro turno. Como venho dizendo há algum tempo, salvo algum imprevisto econômico, Dilma terá mais um mandato. Infelizmente não há um programa alternativo da oposição, e, mesmo que houvesse, não haveria como implementá-lo, dada a postura (ou falta de compostura?) dos membros do Congresso, que – pelo nível de preocupação dos partidos – deve ser mantida. O correto, no meu ponto de vista, claro, seria que os partidos sérios se preocupassem não em conseguir a Presidência da Nação, mas sim em obter maioria no Congresso, o que permitiria aprovar as reformas de que precisamos e obrigar o Executivo a atender aos interesses dos cidadãos (não em termos de lhes facilitar o consumo, mas pela implementação de projetos que os tornem capazes dentro de um sistema que premie o mérito) e não ao seu projeto de continuidade. Mas, pelo visto, além de Dilma continuar por mais um período, os congressistas vão continuar oferecendo seus votos em troca do atendimento de interesses paroquiais – quando tanto – para manter suas sinecuras. Continuo na expectativa de estar enganado, mas o tempo passa e cada vez vejo menos possibilidades de a realidade me contradizer. Jorge Alves jorgersalves@2me.com.br

Jaú         

 

 

 

      *      

 

 

JOAQUIM BARBOSA

Uma enquete do “Estadão” revelou que a maioria dos partidos políticos não daria espaço para eventual candidatura de Joaquim Barbosa, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF). A pesquisa mostra coerência, ao expor a péssima imagem dos partidos brasileiros, e como consequência não está à altura de oferecer espaço a um homem com a magnitude do ministro Joaquim Barbosa. O presidente do STF mostrou-se incorruptível, corajoso e profissional, adjetivos que não interessam a quem busca legenda para se candidatar, e certamente o ministro não está disposto a se misturar com as facções que tomaram conta do poder no Brasil. Joaquim Barbosa saiu grande dessa missão, enquanto alguns de seus companheiros também se apequenaram. O Brasil que enxerga saberá recompensar os bons. Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo        

 

 

 *

 

 

    

PROVÁVEL CANDIDATURA O “Estadão”, em enquete feita com os 32 partidos políticos do Brasil indagando se lançariam o ministro Joaquim Barbosa candidato à Presidência da República em 2014, apurou: entre os primeiros 16 partidos, incluindo os partidos anões, que pouco influem no resultado do pleito, notadamente o pequenino PSOL, que já brilhou quando tinha uma senadora que fazia oposição ferrenha ao ex-presidente Lula e hoje tem um  senadorzinho que precisa engrossar a voz para fazer jus ao cargo, disseram que não o lançariam. O PSDB e o DEM, entre os aludidos 16 partidos, também disseram que não apoiariam o referido ministro, deixando cair a máscara de uma oposição falsa ao atual governo e ao anterior do mesmo partido (PT). O combativo senador do DEM José Agripino, que só vai à tribuna do Senado para desmascarar e denunciar os desmandos do atual governo, também afinou.  Os outros 8 seguintes partidos, por não terem orientação política própria, “terão de discutir bastante o assunto”. Outros 7, demonstrando unidade em sua ideologia partidária, responderam à enquete dizendo que sim, lançariam Barbosa. Finalmente, o último partido consultado, o PT, como é óbvio, não quis dar sua opinião por já ter candidata própria. Cumprimento o “Estadão” por orientar a nação brasileira, pela presente enquete, sobre quem é quem, politicamente falando. Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br

Assis

    

*    

AVULSO “Temos partidos de mentirinha. Nós não nos identificamos com os partidos que nos representam no Congresso, a não ser em casos excepcionais. Eu diria que o grosso dos brasileiros não vê consistência ideológica e programática em nenhum deles. E tampouco seus partidos e os seus líderes têm interesse em ter consistência programática ou ideológica. Querem o poder pelo poder.” Após ter feito essa grave declaração, em maio, ao ministro Joaquim Barbosa, presidente do STF, resta a árdua missão de lutar por uma candidatura avulsa, sem filiação partidária, ainda proibida no Brasil. A notícia de que a maioria dos grandes partidos rejeita sua filiação deve ser recebida como estímulo e desafio para seu ingresso no cenário político, que terá muito a ganhar com seu perfil independente, corajoso e fora dos padrões de indecência que assolam o País em todos os seus quadrantes. A história do Brasil já elegeu Joaquim Barbosa como um de seus grandes e notórios personagens. J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo        

 

 

 *

 

    

OUTRA PESQUISA Essa enquete deveria ter sido feita com o povo, com o eleitor brasileiro, e não com “as cabras” que dominaram a horta que, por ironia do destino, eu chamo de Brasil. Que tal uma nova enquete, desta vez com o eleitor brasileiro que não seja bolsista? Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo      

 

 

 

  *    

 

 

QUEM TEM MEDO DE JOSÉ DIRCEU? À judiciosa análise do filósofo Denis Lerrer Rosenfield “Ausência de Pudor” (“Estado”, 2/12, A2) acrescente-se que a primeira posição dos companheiros de partido dos mensaleiros, ocupantes dos principais cargos da República, e do ex-presidente Lula, foi o de deixá-los à própria sorte e manter o máximo de silêncio, para subestimar o episódio. José Dirceu foi ao confronto e venceu. Começou a história de inverter a alocação dos adjetivos – políticos presos e presos políticos – e vergastar o STF e seu presidente. Quanto poder ainda remanescente! Derivado, provavelmente, de razões que nossa razão desconhece.

 

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

 

*    

COM O DEVIDO RESPEITO Se os dirigentes, correligionários e simpatizantes do Partido dos Trabalhadores (PT) se dignassem a ler o artigo muito esclarecedor de Denis Lerrer Rosenfield, professor de Filosofia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (“Estadão” de 2/12, A2), com o título “Ausência de pudor”, e sem querer generalizar, certamente ficariam no mínimo muito constrangidos. Se é que ainda existe um pouco de pudor ali.

 

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo        

 

 

  *      

 

CASSAÇÃO Diante do artigo do professor Denis Lerrer Rosenfield “Ausência de pudor” e do editorial do “Estadão” “Réus que fazem leis”, pergunto: Por que ainda não cassaram o mandato desses políticos? Até quando esses políticos continuarão enxovalhando o Brasil? João Ricardo Silveira Jaluks jr.jaluks@hotmail.com

São José dos Campos            

 

 

 

*  

NA FILA DO SEMIABERTO Em Brasília, 900 presos aguardam vaga no regime semiaberto. Para José Dirceu, isso não levou uma semana. Como sempre diz o ex-presidente Lula, realmente a elite manda neste país. Enquanto o povo vive à margem dos seus direitos (detento ou não), a elite manda e desmanda, não é Lula? José Dirceu, Delúbio e Genoíno (quantos detentos estão presos sem atendimento médico?) são a prova viva da “elite” e seus desmandos no País. Não é, Lula? Márcia Rossi Soares marciarossisoares@terra.com.br

São Paulo

 

 

*

 

 

A ‘ZELITE’ DO PT Em Brasília há 900 pessoas na fila para o semiaberto. Presumimos que, enquanto esperam vagas, ficam em regime “fechado”. Mas os da “zelite do PT” entraram direto no semiaberto, sem fila, e, aparentemente, com celas especiais esperando por eles. Enquanto isso o “pobre” Genoino quer tratamento mais especial: regime domiciliar e, em vez de ser cassado, pela Câmara dos Deputados, quer uma aposentadoriazinha de 20 e tantos mil (muito maior do que pessoas normais, contribuindo por mais de 35 anos, possam sonhar em ter). O primeiro dia da turma na Papuda acabou em pizza, ou, melhor, muitas pizzas especiais para os criminosos Dirceu e companhia. Julian White julian.white1@yahoo.com

Campinas

 

 

 

*

AUMENTO DOS COMBUSTÍVEIS

 

Gasolina, aumento de 4%; diesel, aumento de 8%. Por consequência, os postos de combustíveis já aumentaram também o etanol. Ou seja, como neste país enorme de meu Deus todos os produtos dependem de frete por transporte rodoviário, obviamente que também os custos desse transporte serão reajustados. Já vimos este filme e os responsáveis por este (des)governo, no mínimo, esconderão os acréscimos nos níveis de inflação, principalmente na cadeia de produtos alimentares. Só espero que os petistas bolivarianos não venham novamente com o discurso-chavão, vociferando falácias de que a inflação é invenção dos derrotistas de plantão, da imprensa conservadora e das elites dominantes. Mais uma “maracutaia” para apresentar um resultado financeiro com efeito puramente eleitoreiro. Acorde, eleitor brasileiro, já passou da hora!

 

Antônio Carelli Filho palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

 

 

 

*

GASOLINA E INFLAÇÃO No Brasil, a fictícia inflação oficial não acompanha a elevação real de preços. Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

 

*

BLACK FRIDAY A maioria dos consumidores teve a percepção de enxergar que a Black Friday não é séria no Brasil e em grande parte dos estabelecimentos comerciais. Enquanto lá fora os descontos são para valer, aqui os preços são quase todos iguais. E quem não deixou para menos foi o governo, que, em plena Black Friday, anunciou mais um aumento da gasolina, a fim de que a população percebesse que aquilo que se dá com uma mão se retira com a outra

 

Carlos Henrique Abrao abraoc@uol.com.br

São Paulo

 

*

NOVOS REAJUSTES Para aqueles que acreditam que o aumento nos preços dos combustíveis foi pequeno, aguardem: depois de passar as eleições de 2014, aí é que a cobra vai fumar. Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

IMOBILIDADE URBANA Aumentar o diesel mais que a gasolina estimula o uso de automóvel e desestimula o uso de ônibus, contribuindo para a imobilidade urbana. Aproveitamos o aumento dos combustíveis como financiamento de campanha eleitoral, pois temos mais eleitores proprietários de automóveis do que eleitores proprietários de ônibus.  Alfredo M. Dapena alfredomdapena@gmail.com

Rio de Janeiro

 

 

*

VIOLÊNCIA Estudo da taxa de homicídios revela que 15 cidades brasileiras estão entre as 50 mais violentas do mundo, em número de mortes violentas. E 2, entre as 10 mais. É um triste retrato do Brasil de hoje, com sua desigualdade social e sua concentração de renda vexatória e que, apesar de ser a 7.ª economia mundial, é o 85.º em Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). Somos também o país da corrupção e da impunidade para os crimes de colarinho branco cometidos pelos ricos e poderosos. Para piorar as coisas, o Judiciário brasileiro encarcera pequenos usuários de drogas como se fossem traficantes perigosos, o que faz com que já sejamos o 4.º país do mundo em números de presos. Deveríamos seguir o bom exemplo do nosso moderno e civilizado vizinho Uruguai, que descriminalizou o consumo e irá regulamentar a venda de maconha, numa visão realista e de puro bom senso.

 

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

 

 

*

UPPS Depois de mais de cinco anos do início as Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) mostram que vieram para nada. A cada dia os moradores estão mais inseguros e a polícia, mais acuada. Digo a polícia honesta, pois a corrupção aumentou, e muito. José Beltrame vai ter de se mandar, pois não conseguiu o que queria nem vai conseguir. O dinheiro fala mais alto e a parte podre da polícia está mais preocupada e com o próprio bolso. Até músicas os traficantes fazem debochando do Bope. Se o Bope está nessa situação, podemos imaginar o resto. O melhor mesmo e dar uma de Uruguai, liberar a maconha e cobrar impostos. Aí a coisa acaba ou piora de vez. Asdrubal Gobenati asdrubal.gobenati@bol.com.br

Rio de Janeiro

 

 

 

*

CENTRO CULTURAL DA LUZ Leio, estarrecido: “Atrasado, teatro vira espaço para o crack” (“Estadão”, “Caderno 2”, 2/12). O sr. secretário do Estado da Cultura foi lacônico. “É uma preocupação para todos (sic). Um grande problema social”. Há alguns dias, quando estive no Detran, na Estação Armênia, fiquei, além de boquiaberto, bastante assustado ao deparar com numerosos barracos, de lonas, papelão, madeira  no passeio, quase dentro daquela repartição estadual, a ponto de ser necessário solicitar permissão aos acampados para adentrá-la. Novo espaço para o tal crack. Sobre essa matéria indago: qual a atitude do sr. governador do Estado ou pronunciamento do sr. secretário da Segurança? Até agora nada. Após tantos recentes escândalos (cartel de trens) envolvendo correligionários de mandatos anteriores, a sigla do partido dos srs. dirigentes paulistas pode ser perfeitamente cognominada de tacanha, ao invés de tucana, como é popularmente chamada. Carlos Laué Junior bibalaue@gmail.com 

São Paulo

 

 

*

MUSEU SEM ALVARÁ Se eu não tirar o “Habite-se” da minha residência, me enchem de multas. Se eu não pagar o IPTU, me processam e posso perder minha casa. O Memorial da América Latina, que está com o alvará de funcionamento vencido há 20 anos, pega fogo dá um prejuízo danado a todos nós, e adivinha se alguém vai pagar por isso? Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

HÁ 20 ANOS Vinte anos sem renovar o alvará! O Brasil tá tão chinfrim que até memorial fica desmemoriado...

 

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

 

 

 

*

GAMBIARRAS A comprovada competência da Polícia Científica (Polícia Técnica) do Estado de São Paulo irá comprovar que o incêndio no Memorial da América Latina não foi o excesso de manutenção em sua rede elétrica, mas, sim, o excesso de gambiarras lá executadas. Os laudos dirão. José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

*

INCÊNDIO E DESCULPAS O incêndio no Memorial da América Latina, na Barra Funda, nos mostra de novo a inoperância do prefeito “Malddad”. O que ele adora é criticar inimigos políticos, sem pestanejar, mas na verdade nua e crua ele está mais perdido neste cargo do que cachorro quando cai da mudança. De cara, fala que o problema é do Estado, mas se esquece burramente de que quem fiscaliza e controla alvarás é a Prefeitura, ou seja, não adiantou nada morrerem mais de 240 no Rio Grande do Sul, continua sempre a lesma lerda, e, pior, só desculpas esfarrapadas e ridículas. O prefeito “Malddade” – aquele que acha que o IPTU é um condomínio, para não termos nada em troca – deve, por favor, assumir o seu cargo ou sumir, pois quem gosta de desculpas é o PT, e eu não sou deste ético partido.

 

Jani Baruki janibaruki@bol.com.br

São Paulo

 

 

 

*

HERÓIS Os quatro integrantes do Corpo de Bombeiros que ficaram gravemente feridos no combate ao incêndio no Memorial, que de fato merecem e devem ser chamados de heróis, pois eles ariscam a própria vida para nos salvar, seriam de fato um exemplo aos nossos políticos corruptos que fazem exatamente o contrário, sacrificando nossa vida para nos roubar, massacrar e dizimar. Pergunto: sabemos que foram internados na UTI em estado grave, então estariam eles no Hospital Sírio-Libanês ou no Albert Einstein ou será que foram enviados ao Sistema Único de Saúde (SUS), conhecido como “o corredor da morte”? Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

 

 

 

 *

OPORTUNIDADE O lamentável incêndio no auditório do Memorial da América Latina pode ser uma grande oportunidade. O Memorial é na verdade uma feia piscina de concreto. Não tem verde, tampouco árvores frondosas ou sombra. Não tem água, sequer um lago. Pior que tudo isso, não tem gente. É uma construção feita para se passar ao lado, de carro. O calor para quem caminha ali é insuportável. A Barra Funda é um dos bairros mais quentes da capital. O próprio Memorial, com sua área construída e cimentada, agrava o problema de temperatura de seu entorno. É uma área pública desperdiçada numa cidade tão carente de verde e espaços de lazer. A melhor solução seria o governo do Estado encampar um projeto de mudança do Memorial, transformando aquela insípida e inóspita réplica de Brasília num verdadeiro parque, com toda a estrutura necessária para receber a população. Há um obstáculo a superar. O Memorial é um bem tombado pelo Condephaat (órgão estadual do patrimônio cultural), através da Resolução SC 75/97. Seria necessária uma revisão desse tombamento, a fim de dar à Barra Funda e a São Paulo uma nova área de lazer. Creio que o momento é oportuno para rever o projeto de Niemeyer que, com perdão ao nobre arquiteto, jamais atingiu sua finalidade social de ser um espaço integrado à cidade. As pessoas, bem como as suas obras, devem evoluir, adaptando-se às necessidades de seu tempo e à vida nas cidades. Eis a chance! Luiz Augusto Módolo de Paula luaump@yahoo.com.br

São Paulo

 

 

 

*

MAUSOLÉU DA AMÉRICA LATINA Falam tanto do Minhocão do Maluf, mas e aquele Memorial da América Latina, que mais parece o Mausoléu da América Latina? A América Latina não é feia como este monstrengo que Niemeyer construiu a mando de Quércia, o Maluf caipira. Mas como não foi uma obra do Maluf, a esquerda romântica da Vila Madalena não pediu que ele fosse abaixo. Mas de quem quebrou o Banespa para eleger seu sucessor não sairia coisa melhor, mesmo. Marcelo Cioti marcelo.cioti@gmail.com

Atibaia

 

 

 

*

BELO EXEMPLO Pesquisa realizada pela Vagas, empresa de tecnologia, revelou que 28% de brasileiros se endividou para estudar. Notícia boa, mas não muito.  O jovem de hoje, viciado em vídeos games e em jogos pela web, pura perda de tempo, “parece que caiu na real” e despertou para a realidade. Sabe, se perder o trem da tecnologia que avança célere, terá um futuro sombrio. Triste, por que o estado brasileiro ainda não “caiu na real”. Tem mantido as escolas públicas, capengas, mal estruturadas, sem condições para que um professor, aliás, mal remunerado, ministre suas aulas dignamente, motivos do êxodo para escolas particulares e consequentemente as dívidas apontadas. Em 2012, havia em nosso País, 7 milhões de alunos, segundo a mesma pesquisa, matriculados em curso superior, a maioria (73%) em redes particulares e, diga-se de passagem, não é o suprassumo do ensino. Para 2013, segundo estimativas do IBGE, R$ 75 bilhões serão creditados a essas redes, em razão desse desleixo com o ensino público. Em oito anos de preparação, a Copa do Mundo de 2014 e a Olimpíada de 2016 consumirão, se não houver maracutaias, quase esse valor, para atender aos devaneios de um deslumbrado ex-presidente.

 

Sérgio Dafré sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

 

 

 

*

FLÁVIO MARCUS JULIANO Comunicamos aos leitores deste fórum e demais escribas de cartas que o leitor, escriba e nosso amigo Flávio Marcus Juliano faleceu no dia 25/11/2013, após três anos de intensa luta contra um câncer. Viemos a nos conhecer através desta seção de cartas, há cinco anos. Desde então, passamos a trocar e-mails e acabando por nos conhecer. Assim, cultivamos uma bela amizade no decorrer desses anos. Demos o nome a esse grupo de “Por um Brasil Melhor”, já que comungamos dos mesmos ideais. Flávio, inteligente e com um humor ácido, mesmo doente, continuou a escrever suas brilhantes cartas e, já internando, teve sua última carta publicada no “Estadão” online no dia 8/11/2013, cujo título sugestivo foi “Dormindo com Inimigo”. Flávio, um cidadão íntegro e de ideais honestos, deixou uma enorme lacuna, difícil de ser preenchida dentro do nosso grupo, e sabemos que o “Fórum dos Leitores” do nosso “Estadão” perde um grande “escrevinhador de cartas”. Agnes Eckermann (integrante e em nome do Grupo “Por um Brasil Melhor”) agneseck@gmail.com

Porto Feliz

 

 

 

*

PAUL WALKER Os filmes de ficção com carros em alta velocidade mostram os protagonistas sempre escapando e sobrevivendo em rachas nas ruas, mas a dura realidade da morte pode provocar finalmente uma reflexão nas pessoas sobre o distanciamento entre o enredo planejado do roteirista e a imponderabilidade na vida. Luiz Roberto Da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br

Campinas

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.