Fórum dos Leitores

GOVERNO DILMA

O Estado de S.Paulo

09 Dezembro 2013 | 02h07

Alice no país das maravilhas

O Brasil está totalmente desgovernado, literalmente falando. A política econômica, financeira e administrativa está um caos, aqui se mascara tudo: índices, balanços, gastos públicos. É um tal de tira daqui para tapar ali, um eterno e crescente desencontro de informações entre o ministro da Fazenda, Guido Mantega, sua equipe e a presidente Dilma Rousseff, enfim, uma verdadeira balbúrdia instalada! Para maiores detalhes das trapalhadas da política econômica ler o editorial O truque falhou (6/12, A3). Mas o mais temível é o que está por vir. Dois grandes eventos esportivos, Copa do Mundo e Olimpíada, poderão mascarar ainda mais a situação aqui, na ilha da fantasia. Se a seleção brasileira vencer em 2014, levará à reeleição, quase certa, da presidente, pois alguém já disse que o futebol é o ópio do povo. E cada medalha ganha na Olimpíada de 2016 será um voto antecipado a mais para o padrinho da atual mandatária e candidato à sua sucessão em 2018. Alguma dúvida?

SÉRGIO DAFRÉ

sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

Tesouro - só rindo

A presidente Dilma e o ministro Mantega fazem gato-sapato do Tesouro Nacional. Foram tantos os esquemas e as estratégias na condução da política fiscal que o secretário Arno Augustin e os demais funcionários estão mais perdidos que cachorro que caiu de mudança. Tudo pelo fechamento das contas de 2013. Quando é que ambos vão se tocar de que em economia, quando se tapa um buraco, se abre uma cratera? Ou será que existe débito sem crédito?

ARNALDO DE ALMEIDA DOTOLI

arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

PIB

Quando saiu o resultado do produto interno bruto (PIB) do segundo trimestre, de 1,5%, agora corrigido para 1,7%, a nossa presidente convocou logo rede de rádio e televisão para divulgá-lo com grande pompa. Agora com um PIB de -0,5%, ela convocou o Mantega. Ah, ah, ah!

SILVIO LEIS

silvioleis@hotmail.com

São Paulo

Pibinho miúdo

Guido Mantega continua muito otimista. Contudo, como ministro da Fazenda, ele não pode esquecer que um país só cresce quando os números da economia são favoráveis, o que não vem ocorrendo em nosso país há muito tempo.

VIRGÍLIO MELHADO PASSONI

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

Distribuição de renda

O pensamento do governo militar, no início dos anos 1970, era de que deveríamos esperar o bolo crescer para depois dividi-lo. Agora o PT está dividindo o bolo sem fazê-lo crescer.

GERALDO MAGELA XAVIER

gsilvaxavier@bol.com.br

Belo Horizonte

MENSALEIROS

Meu hotel, minha vida

Esse pessoal do PT é como aquela máxima do lobo: perde o pelo, mas não a astúcia. José Dirceu escandalizou a Nação, mais uma vez, com o tal emprego de gerente no Hotel Saint Peter, com o nababesco salário de R$ 20 mil. Descoberto o currículo profissional do dono do hotel, a imprensa mostrou uma grande aproximação entre ele e o governo do PT. O advogado de Dirceu justificou a desistência do emprego dizendo que mensaleiro e hoteleiro estavam sob linchamento midiático. Só o sr. Dirceu e o dono do hotel não viam o tamanho da excrescência a que estavam submetendo a sociedade brasileira. Mais um ponto para a mídia!

JAIR GOMES COELHO

jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

Alternativa

Como jogada de marketing, melhor faria o Hotel Saint Peter se contratasse, pelo mesmo valor, mais de 20 ex-presidiários para reintegrá-los à sociedade.

JOSÉ CARLOS FERNANDES

novoafernandes@hotmail.com

São Paulo

A farsa do emprego

Revelada a pantomima, resta ao conhecido farsante recolher um pouco a sua costumeira soberba. Outras virão!

ARI CESAR PORTILHO

ariportilho@yahoo.com.br

Belo Horizonte

Atitude

Entre idas e vindas, Dirceu deixa de fazer a única coisa decente nesse processo todo do mensalão: recolher-se envergonhado.

DOCA RAMOS MELLO

ddramosmello@uol.com.br

São Sebastião

De agora em diante...

... o "canal" perigoso é o Panamá: afunda qualquer brasileiro.

JOSÉ PIACSEK NETO

bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

O fio da meada

Oi, Dirceu, descobriram que o hotel é teu? Puxem a linha que atrás vem muita gente.

JOSÉ MARIA GONÇALVES

josemagoncalves@ig.com.br

Santos

Questões em aberto

O cancelamento do pedido para trabalhar no hotel não pode ser motivo para deixarem de ser investigadas sua direção e administração, a formação do quadro acionário e a origem do investimento para a sua construção. Quem é o real proprietário do hotel? E se for concedido a José Dirceu o direito ao uso de computador dentro da Papuda, todos os demais presos também deveriam ter esse benefício.

ADIB HANNA

adib.hanna@bol.com.br

São Paulo

Blog do Dirceu

Será que os blogs do Fernandinho Beira-Mar e do Marcola estão atualizados?

GUTO PACHECO

daniguto@uol.com.br

São Paulo

Isonomia

Já ouvimos as bravatas e lamúrias de Dirceu, Genoino e Delúbio. Gostaríamos de ouvir agora seus companheiros de "hábitat" Fernandinho Beira-Mar, Marcola, Elias Maluco...

CARLOS ALBERTO ROXO

roxo_7@terra.com.br

São Paulo

Só para entender

Valdemar Costa Neto renunciou ao mandato de deputado para não ser cassado. Não estou entendendo. Ele já não havia sido cassado pelo Supremo Tribunal? Ou as decisões da Suprema Corte do País não valem nada?

HUMBERTO DE L. FREIRE FILHO

hlffilho@gmail.com

São Paulo

 ____________  

INCOMPETÊNCIA OU MÁ-FÉ

O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil caiu 0,5% no 3.º trimestre de 2013. É um resultado péssimo, que escancara a incompetência e o despreparo do governo da presidente Dilma Rousseff (PT). Em qualquer empresa privada que se preze, o ministro Guido Mantega já teria sido demitido por dar resultados tão ruins e levá-la à beira da falência. Estranhamente, no governo federal, a presidente Dilma o prestigia e não o manda para casa nem a tiro. Os números não mentem e contra os fatos não há argumentos. Como se não bastasse, a Petrobrás teve prejuízo de bilhões de dólares e em pouco tempo passou de empresa forte e lucrativa para um grande abacaxi. De duas, uma: ou o governo age de forma incompetente ou com má-fé. O fato é que do jeito que está não dá para continuar e nós, o povo, é que estamos pagando o pato.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

ACREDITE SE QUISER

PIB tem o pior resultado em quatro anos, de -0,5%. Contudo, tivemos de ouvir Guido Mantega soltar mais uma das suas balelas: "Esse resultado do terceiro trimestre favorece um crescimento no quarto trimestre". Sem dúvidas isso é possível, pois, se o resultado do PIB no quarto trimestre for de -0,4%, será considerado crescimento, e ele e Dilma festejarão o feito. Além do que, para encerrar com chave de ouro seu rico e esfuziante pronunciamento, disse que: "O PIB ainda pode crescer 2,5%".

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

OTIMISTA

Queda de 0,5% do crescimento no terceiro trimestre, segundo o ministro Mantega, favorecerá um crescimento maior no quarto trimestre. Em se tratando de otimismo, tenho certeza de uma coisa: caso o ministro ganhe uma lata de esterco como presente de Natal, sem dúvidas sairá procurando o seu cavalo...

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

PIBLÁ BLÁ BLÁ

Até quando teremos de aturar o PIBlablablá do ministro Mantega, hein?!

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

QUIMIOTERAPIA

Como químicos, Dilma e Mantega foram reprovados – estão na rabeira do Bric (Brasil, Rússia, Índia e China). Estão longe de elaborar a fórmula mágica do viagra econômico para que o PIB não decepcione a nação brasileira.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

DUREZA

A comparação de uma foto do ano de 2011 de Guido Mantega, tirada no início do governo Dilma, com a sua atual aparência mostra um envelhecimento rápido da sua fisionomia, conseguido nesses menos de três anos comandando o Ministério da Fazenda. Deve ser muito duro para ele assistir ao naufrágio da nossa economia, tendo de passar a maior parte do seu tempo dando explicações sobre resultados negativos, dando declarações otimistas que sabe que não são verdadeiras e bolando maquiagens para promover engodos que permitam a eleição da sua chefe, tudo isso com ele sabendo no seu íntimo da sua não qualificação para o cargo. Será que esse poder transitório justifica o alto preço pago?

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

FALA SÉRIO!

As tentativas de explicações do ministro Mantega sobre o desempenho do PIB estão cada vez mais hilárias, e é notória a dificuldade dele em tentar ser convincente. A última tentativa de explicar que o desempenho pífio do trimestre justifica-se porque usou como termo de comparação igual período em que o crescimento foi maior (mas nunca o esperado ou o almejado para que o Brasil decole) remete as explicações de Nicolás Maduro sobre a causa da falta de papel higiênico na Venezuela: "O povo passou a comer mais"... Como ministro da Fazenda, Mantega é um grande humorista.

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo

*

MANTEGA E O PIB

"Apud Tiririca": Pior do que tá num fica.

Ricardo Hanna ricardohanna@bol.com.br

São Paulo

*

DERRETENDO

O PIB Brasileiro do "Manteiga" está tão ruim e mole que não fica firme nem na geladeira.

Alice Baruk alicebaruk@bol.com.br

São Paulo

*

O LADO BOM

De certa forma, "Deus escreve certo por linhas tortas". O chamado "pibinho" da presidente Dilma atende ao conceito adotado por vários economistas consagrados, como os britânicos Tim Jackson e o brasileiro Andrei Cechin. Para eles, não é possível crescer indefinidamente simplesmente porque a Terra não é capaz de sustentar o crescimento de forma infinita. Já reparei, por exemplo, que o desmatamento da Amazônia é diretamente proporcional ao crescimento do PIB. Concluo que a incompetência do ministro Guido Mantega é de favorável à proteção da floresta amazônica. Este fato fundamenta minha concepção de que o "crescimento zero" não é nenhuma tragédia, pelo contrário, pode ser uma benesse para as gerações futuras.

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

*

ATÉ QUANDO, SRA. PRESIDENTE?

Até quando, sra. presidente, assistiremos à falência do País e a sua inobservância e incompetência em tomar atitudes? Seu grande ministro anunciou PIB de 2,5%, logo depois essa m... de PIB de -0,5%. Petrobrás resgatando R$ 28 bilhões dos seus fundos, porque vocês quebraram uma empresa de capital aberto (meus parabéns!). Será que existe um cenário mais pessimista do que o que estamos vivendo: juros elevadíssimos, aumento do IPTU, aumento da gasolina, inflação a níveis alarmantes, PIB de -0,5%, pior resultado de exportação e importação, pior resultado da indústria automobilística, pequenas e médias empresas se descabelando com a sua ingerência em comandar um país? Meus parabéns, minha cara presidente, vocês conseguiram quebrar a Petrobrás. E agora vão quebrar o País!

Patricia Brunieri patricia@epimaster.com.br

São Paulo

*

O DIFÍCIL FUTURO DE DILMA

O fato de Dilma ter dito ao jornalista do "El País" a mentira de que em 2012 crescemos 1,5% não surpreende, pois ela mente com facilidade, quando quer dar uma impressão melhor. O número foi realmente corrigido, de 0,9% para 1%, um aumento ridículo. Será difícil ela relacionar-se com as questões econômicas, pois trarão prejuízos à sua campanha. O PIB de 2013 será ruim, mas o de 2014 também. A inflação, um item que pode derrubar um candidato, está realmente muito elevada, avizinhando-se de 6%, e também será pior no próximo ano. Outra questão que prejudicará a campanha petista são os juros, que continuarão subindo, e o crédito, escasseando. Não tem como consertar, dada a má administração da economia. Infelizmente para ela, a presidente não poderá agora fazer alusão à melhoria da renda dos brasileiros, que está no nível de US$ 11 mil per capita, o que significa que precisaríamos de um século para chegar ao nível dos americanos, com US$ 50 mil. Serão necessários, também, de 30 a 50 anos para chegarmos aos níveis de Austrália, Alemanha e França, que têm, respectivamente, US$ 42 mil, US$ 39 mil e US$ 35 mil per capita. Ou seja, apesar de termos aumentado nossa classe média, os outros países também o fizeram. O governo petista, há 12 anos no poder, tenta gerar uma impressão de progresso, mas o fato é que nos distanciamos dos melhores países, ficamos para trás. Quanto à educação e saúde, o Brasil também está na rabeira dos melhores, mas, também, de alguns países piores em termos de renda. Esse quadro induz analistas estrangeiros a fazerem más previsões para o Brasil, incluindo manifestações populares em 2014.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

SOLUÇÕES REAIS

O noticiário preocupante sobre a nossa economia desperta opiniões variadas em que experts se expressam sobre causas e efeitos do atual momento que vivemos. Urge, assim, que nossas verdadeiras lideranças públicas e da iniciativa privada, unidas, operacionalizem soluções factíveis para os imbróglios da gestão governamental, para que atravessemos esses momentos com os menores riscos possíveis, tal a fase da crise em questão.

José de A. Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

AS BARBEIRAGENS DO MINISTRO

Infelizmente não conseguimos passar um dia sem ler e/ou ouvir as barbeiragens das justificativas do sr. Mantega, tentando explicar o inexplicável: ora é o Pibinho, ora a inflação, ora o crescimento e por aí vai. Se desconsiderarmos a "presidenta", ninguém bota fé neste ministro. Daí fiquei pensando, será que ninguém se beneficiou destes dez anos do sr. Mantega no Planalto? Então lembrei-me de que quem deve estar feliz da vida é a Fundação Getúlio Vargas, pois não consigo imaginar essa instituição de tamanha credibilidade ter em seu quadro este senhor como professor, pois, se sua capacidade como professor era igual à de ministro, coitados de seus alunos. Ou será que "desaprendeu" desde que foi fazer parte da elite petista?

Luiz Roberto Savoldelli savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo

*

ANDANDO PARA TRÁS

Por muito menos no Brasil, os nossos ex-presidentes defenestravam seus ministros da Fazendo quando as medidas econômicas eram desastrosas e os resultados da economia não eram bons. Ninguém consegue entender os motivos pelos quais Dilma, a "presidenta" famosa por ser exigente e mandona, está a tolerar tantos transtornos na economia nacional. O atual ministro, lácteo passou tanto tempo no comando de tão importante Ministério, dando foras em seus prognósticos e prometendo melhoras e recordes nunca efetivados, que nos chama a atenção. Qual será o segredo para tamanha tolerância nunca vista antes pelos cidadãos pagantes? O Brasil, tão conhecido como o país do futuro, passou a ser visto como o país que caminha para o passado. Lastimável!

Leila E. Leitão

São Paulo

*

MANTEGA FICA

É inacreditável: dois corruptos dentro do Ministério da Fazenda e a incompetência do ministro Mantega continua como está. Acorda, Dilma!

Valdir Sayeg valdirsayeg@uol.com.br

São Paulo

*

TROCA

Dilma faria um grande serviço ao País se destituísse o Mantega da Fazenda e, no lugar, colocasse o Serra.

Carlos Leonel Imenes climenes@ig.com.br

São Paulo

*

TRAQUINAGENS CONTINUAM

O saldo da balança comercial até novembro de 2013, ficou negativo em US$ 89 milhões! Certo?! Não! Quase certo! Acontece que a Petrobrás desde o início deste ano vem se utilizando de uma artimanha contábil (em 2013, esta esperteza abominável já está em US$ 6,5 bilhões) em que diz (de mentirinha) que está exportando uma plataforma para exploração de petróleo, mas esse equipamento continua sendo utilizado pela estatal. Aquele negócio do "vai,vai,vai, não vou" como da bela composição de Vinícius de Morais, "Canto de Ossanha". E o valor lançado em novembro para esta falsa exportação foi de US$ 1,8 bilhão! E somente por esta esdrúxula razão é que o saldo da balança comercial ficou apenas negativo em US$ 89 milhões! Creiam leitores, nestes tempos delirantes do Palácio do Planalto, mesmo com esse saldo negativo citado, diga-se, a custa de traquinagens, o resultado foi comemorado! Ou seja, como esse incompetente governo não consegue contabilizar mais vitórias, festeja derrotas... A que ponto deprimente chegou esta República brasileira, sob os auspícios da turma de Lula e Dilma!

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

COMÉRCIO EXTERIOR

Os EUA seriam a nossa salvação para a compra dos produtos industrializados, mas o governo brasileiro preferiu cortar as relações com o país e se aliar à Argentina, que está mal das pernas. O México não perdeu tempo, se aliou aos EUA e agora colhe os frutos do investimento. Com isso, o Brasil vem perdendo as boas oportunidades de avançar nos diversos setores econômicos. O governo do PT, que tanto criticou a gestão anterior por ter privatizado a telefonia, hoje privatiza também, só que trocou o nome privatização por concessão. O maior fracasso desse governo deu-se com a destruição da Petrobrás, a joia da coroa, que já foi considerada a quarta maior petrolífera do mundo. O próximo será o BNDES, que tem financiado obras de governos latinos que não honram os contratos e deixam as dívidas para os brasileiros pagarem. Como se pode notar, para o PT o que vale é o discurso mentiroso repetido tantas vezes até virar verdade. Brasil, um país de tolos!

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

REVISÃO DOS PLANOS ECONÔMICOS

Na sua entrevista ao "Estado" (6/12, B12), a sra. Marilena Lazzarini, presidente do Conselho diretor do Idec, procura resolver um problema pulando diretamente para o final, ou seja, admite que os planos econômicos teriam sido inconstitucionais e os poupadores perderam – e supondo existir nisso uma verdade apolítica, que prescinde de demonstração, conclui algo apressadamente que a conta deva ser apresentada aos bancos. Ocorre que os dois primeiros pontos não estão solucionados e não é razoável pular diretamente para os "finalmente". Quanto ao terceiro ponto, a conta, se houver, há de ser apresentada a quem determinou os índices de correção. Para não falar no caos que se seguiria, caso, olhando o outro lado da moeda, semelhante conta fosse apresentada aos mutuários do SFH, supostamente beneficiados pelos tais planos. Não custa repetir que os bancos seguiram uma determinação superior que não admitia contestação. Afirmar que uma eventual derrota dos poupadores "pode tirar a confiança do brasileiro da poupança" é outra afirmação a ser demonstrada. Seria a confiança no governo e suas intervenções na economia que sairão chamuscadas. Basta lembrar o caso de um ex-presidente que, num passado não tão distante, confiscou a poupança (e boa parte das contas correntes). A partir daí, surgiu o argumento usado em campanhas eleitorais posteriores para apavorar os eleitores: "Fulano, se eleito, passará a mão na poupança". Seria o tal fulano não as instituições financeiras. Será que os donos dos postos de combustível, seguindo esse raciocínio, deveriam entrar com ações contra a Petrobrás, que nada mais faz do que submeter-se (sem mugir nem tugir) à injunção governamental?

Alexandru Solomon Alex101243@gmail.com

São Paulo

*

‘NOVO GOLPE CONTRA A PETROBRÁS’

Nos idos de 1945, quando corríamos pelo Viaduto do Chá, escorraçados pela PE, os beleguins da ditadura, gritávamos que o petróleo era nosso, sonho juvenil de um futuro melhor. Passaram-se uns tantos anos, temos a Petrobrás, uma das grandes petroleiras do mundo. Só que o presidente de seu Conselho de Administração, o regiamente pago ministro Guido Mantega, acaba de mais uma vez demonstrar sua formação cultural tomista, de São Tomaz de Aquino, para quem todo lucro é usura, coisa de judeu, anátema para os bons católicos. Ouvimos à distância as gargalhadas das demais petroleiras internacionais, vendo a Petrobrás enterrar seu objetivo de explorar como operadora prioritária o potencial do pré-sal. Deem um terço a Mantega, mandem-no comungar em outra freguesia, petróleo é para economistas liberais, e não para tomistas. A presidenta Dilma deveria ouvir a presidente Graça Foster, e até o ex Lula, colocando um dos muitos liberais disponíveis no ministério, tirando de seu governo o ranço tomista. Sabe Dilma quanto custou aos investidores, fundos de pensão e aos trouxas que acreditaram no liberalismo da Petrobrás a queda de 10% do valor de suas ações?

Luiz Celso Mattosinho França lcfranca@uol.com.br

São Paulo

*

PIBINHO E PISINHO

Em cerimônia em São Bernardo do Campo, onde o ex-presidente Lula recebeu seu (inacreditável) 26.º título de Doutor "Honoris Causa" – para variar concedido por uma universidade federal –, o "ex" e atual "adjunto" aproveitou o momento para alfinetar o seu "Judas" de praxe, o tucano FHC, dizendo que nos governos petistas padrão "nunca antes" a educação no País melhorou muito, haja vista as universidades criadas em sua gestão. Por ironia, desmentindo o "ex", acabam de sair os números atualizados do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa) que colocam o Brasil em 58.º lugar, num "ranking" que inclui 65 países. Segundo se informa, 70% dos estudantes brasileiros não passam no nível "1" da escala de habilidade em Matemática e somente 0,8% podem ser incluídos nos níveis 5 e 6, os maiores do Pisa. No país em que o "pibinho" de 2012 (desculpa aí, Roberto Macedo!) de 0,9% foi revisto para 1%, também temos direito a um "pisinho", que a todos envergonha, menos ao Lula, que só vê maravilhas nos 11 anos de PT no poder. Enquanto o ex-presidente se derrama em autoelogios na área da educação, os jovens protestam justamente contra as carências no setor; nossas universidades seguem pessimamente ranqueadas – ao contrário das asiáticas, que ocupam os primeiros postos – e nosso lugar no Pisa é, por consequência, lá atrás. Meu caro Lula, entenda uma coisa: país rico é país educado. O nosso segue mal educado e governado por gente que não estudou e detesta ler. Como o senhor.

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com

São Paulo

*

FUTURO COMPROMETIDO

Dois em três alunos brasileiros não sabem frações ou porcentagens, segundo os resultados do Pisa 2012. Que ensino está sendo ministrado nas escolas? Ou são os alunos que não se interessam? Se é o caso tem que se apurar por que não se interessam. Professor(a) fraco(a), sem didática ou conhecimento? Pelo visto o futuro do País é negro. Mas é o que querem os políticos. Se a maioria mal tem o 2.º grau querem o quê?

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

RENOVAÇÃO EDUCACIONAL

Será que estamos realmente começando a renovar o que, para muitos, é a base de um país, a educação? Com várias universidades sendo fechadas, o povo espera um ensino de maior qualidade e mais acessível. Que acreditemos num início, ao menos, de uma renovação educacional. Países como Japão e Alemanha souberam trabalhar tal base e hoje contam com índices de analfabetismo baixíssimos, além de serem países que souberam se refazer com louvor depois de terem sido assolados por guerras. Torço para que este seja o começo de uma ampla reforma educacional. Veremos.

Felipe da Silva Prado felipeprado39@gmail.com

São Paulo

*

‘A EDUCAÇÃO É A ARMA MAIS PODEROSA’

A trajetória de Nelson Mandela foi caracterizada pela demonstração de que é possível fazer política no contexto de uma ética que, em vez de dirigida exclusivamente para a manutenção de poder, cenário comum em muitos países com pouco amadurecimento democrático, tem como propósito primordial o combate às injustiças e desigualdades que eventualmente vitimam o povo ao qual o político responsável deve servir. Apesar de uma vida atribulada, condenado á prisão em regime fechado durante longo tempo, tinha consciência de que só podia levar a bom termo sua missão se dispusesse do necessário carisma e de uma certa formação acadêmica que lhe permitisse reivindicar e transigir com um regime cruel, violento e discriminatório. Por isso, com sacrifício, graduou-se em direito, o que provavelmente lhe fez entender, após vitórias importantes, que não era sob o signo do revanchismo que a nova sociedade deveria florescer, mas com a implantação de uma mentalidade de cooperação que melhorasse e aperfeiçoasse o que já estava construído, por piores que fossem os antigos governantes, o que permitiu à África do Sul tornar-se uma promissora economia e uma sociedade mais justa, ainda hoje com problemas, é verdade. Daí sua fé na educação, resumida na frase "a educação é a arma mais poderosa que você pode usar para mudar o mundo". Que ela sirva de legado construtivo a todos os países, entre os quais o Brasil, que ainda não despertaram para a necessidade investir maciça e sistematicamente no setor, independentemente de estímulos eleitorais.

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

CONSELHOS PARTICIPATIVOS MUNICIPAIS

Muito bom o artigo de Washington Novaes "Exemplos admiráveis, impasses insuportáveis" (6/12, A2). Realmente preocupante termos 9% de déficit habitacional e inadmissível constatar que chegam a 2 milhões de pessoas na Grande São Paulo, área mais rica do País. Quanto à necessidade de "vontade política dos partidos nos Legislativos", acrescentaria também "nos Executivos". Bons exemplos de outras grandes cidades pelo mundo são bem-vindos, porém nem tudo pode ser implantado sem análise e adaptação – vide os belos pontos de ônibus de vidro, algo que se mostrou incompatível com nosso quente clima tropical. Quanto ao Conselho Participativo Municipal, a ideia é muito boa, porém eles funcionarão de fato ou é apenas mais uma medida populista? Acompanho e participo dos Conselhos Gestores dos parques municipais desde sua implantação, há quase dez anos. Apesar do caráter consultivo, deliberativo, normativo ou fiscalizador (Lei 15.910 de 27/11/2013, recém revisada), ao longo do tempo assistimos ao Poder Público Municipal desrespeitar muitas vezes as deliberações desse conselho.

Otávio V. de Freitas, membro do Conselho Gestor do Parque Ibirapuera otaviovf@gmail.com

São Paulo

*

COLETA DE LIXO

A Prefeitura de São Paulo, na surdina, está alterando a forma de coleta de lixo na cidade. No bairro em que moro, instalarão caçambas nas quais deverão ser depositados os sacos de lixo. Essas caçambas ficarão instaladas próximas ao meio do quarteirão na frente de casas que não tenham guias rebaixadas para entrada de veículos. A coleta de lixo em meu bairro funciona perfeitamente. Por que mudar? Quem gostaria de ficar com uma lata de lixo gigante na frente de sua casa 365 dias por ano? Se morássemos num país civilizado, talvez essa medida funcionasse, mas em poucos dias (horas talvez) essas lixeiras estão pichadas e entupidas de todo o tipo de entulho. Fora a enorme probabilidade da atração de ratos e baratas. Por que a população nunca é consultada sobre medidas que a afetam diretamente?

Rogério Tófoli Kezerle M5232@corpr.bradesco.com.br

São Paulo

*

ELEIÇÃO NO TJ-SP

José Renato Nalini, meu amigo e conterrâneo, sempre dignificou os setores onde trabalhou. Atuamos juntos na imprensa de Jundiaí, onde a "Coluna do Nalini", publicada e elogiada durante muitos anos, era leitura obrigatória. Ele também era funcionário do gabinete do prefeito, enquanto estudava Direito na vizinha Campinas, onde se formou. Foi promotor e depois juiz, tendo servido em diversas comarcas, inclusive em Jundiaí. Presidiu o extinto Tribunal de Alçada Criminal (Tacrim), foi promovido a desembargador, continuando sua carreira de sucesso: é o atual corregedor-geral da Justiça e acaba de ser eleito presidente do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP), com posse em janeiro próximo. Ao futuro novo chefe do Judiciário paulista, meus cumprimentos e a certeza de que fará uma elogiada gestão.

Carlos C. Abumrad sintoniatotal@uol.com.br

São Paulo

*

VOTO DOS JUÍZES

Foi eleito pelo voto dos desembargadores o novo presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ/SP). O que se questiona é por que apenas os desembargadores votam e não os juízes de 1.ª instância. Nas demais carreiras jurídicas do Estado (Ministério Público, Defensoria Pública, etc.) há eleições diretas onde os integrantes da carreira votam e escolhem democraticamente quem será o chefe da instituição, em lista tríplice. Oxalá em breve o Poder Judiciário siga o mesmo caminho e, de forma aberta e democrática, permita que os juízes também possam votar e escolher livremente o presidente do TJ estadual.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

INSEGURANÇA EM SÃO PAULO

Em 1/12/2013, chegando em casa, na Rua Thereza Masironi Gonfiantini (CEP 05358 030, São Paulo), era por volta de 1 hora (madrugada), aproximei o veículo para entrar na garagem, fui abordado por dois indivíduos numa motocicleta de cor azul. O que estava na garupa desceu de arma em punho anunciando o assalto, enquanto o outro elemento ficou na motocicleta. Saí em marcha à ré com o veículo, sei que não procedi como os especialistas em segurança orientam, ou seja, não reagir, porém minha reação foi sair com o veículo dali. É uma rua sem saída e sem saída está a situação dos moradores desta rua, pois após as 21 horas nenhum morador sai à rua, com a certeza de que será assaltado. Saí da rua com o veículo em direção à avenida principal, os bandidos seguiram na direção contrária, liguei para o 190, passando o endereço. Depois de 20 minutos chegou uma viatura com dois policiais, eu solicitei para que um deles entrasse comigo em casa para certificar-me de que não havia ninguém. Confirmado de que não havia ninguém, os policiais foram embora e eu e minha família fomos tentar dormir. O sono não vinha, ficamos muito nervosos com a situação, mesmo não sendo levado nenhum bem material, levaram nossa tranquilidade. No mesmo dia, por volta das 23 horas, havia saído, porém antes de entrar na rua de casa procurei uma viatura da Polícia Militar na rua. Avistei uma na Rua Otacílio Tomanick e pedi para que me acompanhassem até minha casa. Os policiais militares concordaram. Eu fui de veículo, à frente, e a viatura com os dois policiais foi atrás, a uma distancia de 400 a 500 metros. Quando eu entrei na Rua João Francisco de Melo, havia duas motos. Numa, dois indivíduos, e numa outra, um indivíduo. A moto com dois indivíduos já estava na entrada da Rua Thereza Masironi Gonfiantini, verificando qual o veículo que entraria na rua para assaltar. Já a outra moto, com um indivíduo (que dava cobertura), voltou para confirmar que não havia ninguém atrás. Porém, quando este avistou a viatura, buzinou para a outra moto com os dois indivíduos e as duas motos foram embora. Entrei em casa com minha família com segurança, graças ao acompanhamento da viatura com os dois policiais militares. Registrei o caso no 51.º DP (Butantã). Como é difícil morar num bairro inseguro.

José Luís de Andrade jose.andrade@mpsa.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.