Fórum dos Leitores

GOVERNO DILMA

O Estado de S.Paulo

13 Dezembro 2013 | 02h08

Política econômica

O produto interno bruto (PIB) do Brasil foi o pior entre todos os países do G-20 no terceiro trimestre de 2013. Um resultado mais do que negativo, que reflete a incompetência da política econômica da despreparada presidente Dilma Rousseff (PT) e do seu ministro Guido Mantega (Fazenda). É um mistério que Mantega seja prestigiado e mantido no cargo tendo resultados tão ruins, que levariam à sua imediata demissão em qualquer microempresa que se preze. O Brasil é um país continental com mais de 200 milhões de habitantes, a sétima economia mundial, tem tudo para crescer e progredir, mas é administrado de forma amadora e incompetente, e os resultados são esses que estamos vendo, com a derrocada da Petrobrás e um enorme desperdício de talentos e potenciais, que retardam o crescimento e o desenvolvimento do nosso país.

RENATO KHAIR

renatokhair@uol.com.br

São Paulo

Mini-PIB

Em diversos quesitos o nosso Brasil varonil ostenta posições, digamos, do meio para baixo (algumas bem para baixo). Em "compensação", quanto ao PIB dos países participantes do G-20, somos o 20.º. Que dureza!

J. PERIN GARCIA

jperin@uol.com.br

São Paulo

De mal a pior

No Brasil o PIB caiu 0,50% no terceiro trimestre deste ano em relação ao trimestre anterior. Ou seja, o que já estava ruim ficou ainda pior.

VIRGÍLIO MELHADO PASSONI

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

Ministro joga a toalha

Finalmente Mantega reconhece a quase estagnação da nossa economia. O ministro afirmou que "a economia está crescendo com duas pernas mancas". Teria dito melhor se afirmasse que todo o governo Dilma está literalmente manco! De qualquer forma, esse ministro, que, na minha humilde opinião, é o "otimista mais improdutivo" que tivemos na história da Fazenda, joga a toalha da incompetência, que também ajudou a construir em mais este governo petista. Se, por um lado, Mantega enfim usou um mínimo de sinceridade, difícil mesmo para nós, brasileiros, é engolir estes anos de retrocesso de gestão do PT, mestre em promessas e demagogia. Enfim, estamos todos mancos também na nossa esperança de ver um Brasil melhor.

PAULO PANOSSIAN

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

Pernas mancas

É incrível a falta de visão desse governo que está aí, sempre trocando os pés pelas mãos. Em todos os setores podemos constatar análises estapafúrdias dos "gestores" nomeados, ou melhor, impostos pelos partidos da "base aliada". Para tentar mascarar a incapacidade generalizada da administração usam-se os mais criativos artifícios. Na linguagem codificada desse pessoal só não valem franqueza, sobriedade e identidade de bons propósitos na gestão da coisa pública, pois a ordem é levar o andor na base da demagogia e da politicagem, para manter ao máximo o statu quo que os garanta nos gozos do poder - essa é a mira. Exemplo desse modus operandi é a conduta do ministro da Fazenda (nomeado e mantido pela "cota" de Lulla), que toda semana apresenta táticas extravagantes para fechar as contas do governo - cada vez mais distantes das metas -, quando não produz inacreditáveis desculpas para justificar os pífios resultados na gestão da economia. Agora veio esta declaração lapidar: "A economia brasileira está crescendo com duas pernas mancas. De um lado, financiamento ao consumo escasso e, de outro, a crise internacional, que rouba parte da capacidade de crescimento. Se o vento contrário se tornar a favor, de popa, e o crédito ao consumidor possa aumentar, teremos duas novas formas dinamizadoras para estimular". Nada se falou de investimentos inúteis, como do BNDES e da Caixa no Grupo X, de Eike Batista, da transposição do Rio São Francisco e tantas obras inacabadas e/ou superfaturadas do PAC, enquanto os indispensáveis investimentos em infraestrutura são ínfimos, para não lembrar o "pibinho", que, na opinião do ministro, precisa primeiro diminuir 0,5% para depois crescer. Mas a meta anual da inflação, cujo teto era de 4,5%, já está na casa dos 6,5%. Onde vamos parar com tudo isso?

LUIZ CARLOS SOARES FERNANDES

luiz68017@gmail.com

São Paulo

Pernetas

Mantega alega que freio na concessão de crédito e turbulências provocadas pelo prolongamento da crise financeira nas economias desenvolvidas, que acabam comprando menos produtos brasileiros, fazem o País crescer com "pernas mancas". Vale lembrar ao sr. ministro que o País já perdeu uma perna há tempos. Portanto, somos "pernetas", né?

ANGELO TONELLI

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

Cai-cai

Este final de ano tem revelado quedas em vários setores no Brasil: o número de empregos com carteira assinada caiu, bem como o PIB e o satélite lançado em conjunto com a China - esse país, sim, subindo nas costas de emergentes como nós. Até o Vasco e o Fluminense caíram... Mas ainda falta caírem os impostos, os índices de corrupção, a impunidade, a criminalidade e, principalmente, a máscara e a desfaçatez de tantos políticos por aí.

JOÃO DIRENNA

joao_direnna@hotmail.com

Quisssamã (RJ)

Estão destruindo a LRF

Nos anos 1990, início do governo FHC, a maioria dos Estados e municípios brasileiros estava quebrada, os bancos estaduais e as Caixas Econômicas, idem. Eram todos restos do butim das gerações de políticos corruptos e incompetentes que haviam passado por lá. Conheci uma das pessoas que participaram das renegociações das dívidas públicas e do fechamento das instituições falidas e sei quanto se trabalhou para concentrar na dívida pública federal toda essa massa falida. Em seguida, no início dos anos 2000, votou-se a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), cujo objetivo era preservar o futuro das finanças públicas. Agora, em mais uma ideia genial, o Executivo planta proposta de recalcular desde o início toda essa dívida de Estados e municípios para que todos possam reiniciar o ciclo terrível da irresponsabilidade total. Logo em seguida, faz de conta que se arrependeu e solta seus amigos do Congresso para que, "contra a vontade do Executivo", votem o que já combinaram entre eles. O pobre Executivo, coitado, será obrigado a ceder "absolutamente contra a vontade" e estará reinaugurada a nova farra do boi. Que belos governantes temos e como estão convencidos de que somos absolutamente idiotas! Que país estou legando a meus netos...

ALDO BERTOLUCCI

accpbertolucci@terra.com.br

São Paulo  

 

 _____________    

 

 

ÁGUAS DA MORTE Já antes do início do próximo do verão (21/12/2013) as chuvas estão provocando enormes e inúmeras catástrofes pelo Brasil. E essas catástrofes poderiam ser previsíveis. Mas a nossa ocupação do solo sempre foi, é e continuará sendo, no mínimo, desastrosa. Não há nenhum planejamento e o que se faz são, no máximo, obras eleitoreiras, principalmente os (precários) asfaltamentos das vias, mas raramente um (eficiente) sistema de escoamento de esgotos, de águas fluviais e das chuvas. E quando as catástrofes ocorrem, a culpa é sempre atribuída às administrações anteriores. E há alguma dúvida de que as “águas de março”, que “fecharão o verão” (20/3/2014), não serão “a promessa de vida” cantada pelo nosso grande poeta Tom Jobim, mas muito mais catastróficas do que as atuais? 

 

Nilton de Freitas Guimarães nfguimaraeseo@gmail.com 

Rio de Janeiro

 

*

A HISTÓRIA SE REPETE É lamentável, dói ter de admitir, mas os problemas anuais de enchentes, desmoronamentos e mortes causados pelas chuvas em todo o Brasil não vão acabar. Nossos políticos, de todas as instâncias, desconhecem a política do futuro, não pensam no amanhã. Ou será que você já viu algum político inaugurar galerias de água e esgoto? Você sabia que o Brasil, há 50 anos, produzia 2 milhões de toneladas de grãos anuais e que hoje produz 50 milhões, mas as estradas  são as mesmas? Na realidade, as catástrofes que acontecem no Brasil, para nossos políticos, viram filão eleitoreiro. Aposto que você já viu, esta semana, governadores, prefeitos, deputados, senadores e até nossa presidente sobrevoando, de helicóptero, é claro, as áreas atingidas para, em seguida, começarem as promessas. Eu há 50 anos ouço a mesma história, promessas e mais promessas, mas solução eu nunca vi. Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

 

 *

A VIDA CONTINUA? O Brasil parece ter parado no século passado. Hoje, por tudo o que acontece com os pobres cidadãos, o nome da Nação poderia ser reduzido a caos, corrupção, desgraça ou tragédia. Nomes que representariam aquilo em que se transformou o antigamente sonhado país do futuro. A ver a derrocada sistemática do País nos índices de comparação mundial, a constatar a falência progressiva em todas as áreas anunciadas nos períodos de eleição como prioridade dos estafermos candidatos, tem-se de engolir a cada dia mais fracassos. Veja-se a triste derrubada da Petrobrás, o engodo da ridícula economia, as quedas na educação, o vexame da saúde – por um lado reduzida ao escárnio pela humilhação e falta, por outro sendo manipulada com fins eleitoreiros que ainda remetem dinheiro público para o exterior. Posto que o País caminha acelerado para o fundo do poço, resta ao cidadão brasileiro viajar e, se possível, mudar-se para um país melhor. A reforçar diariamente o rumo inconcebível de descaso e descontrole que esta “máquina” sofre nas mãos dos inomináveis políticos de então, a lamentar que tudo ocorra como que em paralelo, a vida formal prossegue, as pessoas cumprem suas rotinas mesmo com o País caindo de podre, como se a realidade de um fosse distinta da do outro. Acordamos e vamos às ruas sem saber se voltamos ou ficamos mortos numa esquina. Agora os assaltos são mais sofisticados, os bandidos dos estádios estão mais fortalecidos e atacam com mais vigor, os traficantes de dentro ou de fora dos presídios ditam normas, elegem políticos e matam ou pagam ou subornam na medida de suas conveniências, a sociedade é refém de há muito do poder criminoso, hoje já estabelecido de alto a baixo, no mais literal sentido de postos. Como representante maior desta desgraceira geral em que transformaram o País, o querido Rio de Janeiro personaliza toda a sorte de exemplos. Em meio às trágicas enchentes, decorrentes das falhas de administração, de obras e de atenção das autoridades, os coitados alagados sofrem assaltos, assim como os turistas em filas nas estradas para pegar um solzinho no feriado. A desgraça da violência desmedida, alucinada e horrenda acometem sempre a cidade. Crimes hediondos, rotina de mortes por balas perdidas, tráfico no padrão Fifa, arrastões por sobre banhistas no domingão da praia, políticos abusando do dinheiro público, tem lá todo o repertório que compõe o resto do País dos anos 2000,  a sensação de que o novo século matou o Brasil e colocou em seu lugar um cadeião a céu aberto, uma falange do mal que desceu à Terra, um câncer que avançou, tomou conta e prossegue sem medicação. Ronaldo Parisi rparisi@uol.com.br

São Paulo

 

 *

ESCOAMENTO Os apelos à Prefeitura do Rio de Janeiro para a verificação do ralo existente em frente ao n.º 103 da Rua Afonso Pena, aqui, na Tijuca, não são ouvidos. Alguma cabeça brilhante lacrou a saída de escoamento da água e, quando chove, alaga logo. Não é uma obra faraônica, é simples de fazer, mas cadê a vontade política ou o interesse do ente público em atender à população? Apelar para o n.º 1746 é a mesma coisa que ir para o purgatório indagar o caminho do inferno. Vamos combinar uma coisa, Prefeitura? O Rio é um todo, não tem fronteiras, divisas ou partilhas. Ou tem? S. Paschoal s_paschoal@hotmail.com

Rio de Janeiro

 

 *

CABRAL DE NOVO A BORDO Não surpreende que o governador do Rio de Janeiro, o lamentável Sérgio Cabral Filho (PMDB), tenha voltado a usar o helicóptero oficial do Estado para passear nos fins de semana com a família rumo à sua mansão em Mangaratiba, no litoral fluminense. Cabral é o típico político brasileiro, não tem um pingo de ética ou espírito público. Usa e abusa das benesses do cargo público, sem o menor pudor. Curioso que seu pai, o jornalista Sérgio Cabral, nunca tenha dito uma palavra sequer de crítica sobre as barbaridades cometidas pelo seu filho político. Os cariocas precisam voltar às ruas e infernizar a vida de políticos oportunistas e aproveitadores como ele, verdadeiros inimigos do povo.

 

Renato Khair renatokhair@uol.com.br 

São Paulo

 

*

PELOS ARES O real motivo de Cabral se deslocar de helicóptero pelo Rio de Janeiro é a sua enorme impopularidade. E, se for por receio dos traficantes, ele confessa publicamente que a sua gestão merece realmente a péssima avaliação. Mas é certo que os políticos brasileiros no momento andam com a reputação em baixa, e o governador carioca é um expoente disso. Ademar M. de Moraes ammoraes57@hotmail.com 

São Paulo

 

 *

SEGURANÇA DE QUEM? Ajeita daqui, ajeita dali, alega questão de segurança e, pronto, o governador Sergio Cabral e seus familiares podem usar o helicóptero do governo para irem a Mangaratiba nos fins de semana, onde ele tem uma casa de veraneio. A alegação foi questão de segurança. É? E a segurança do cidadão? Vergonha. Votem nele em 2014. Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com 

Rio de Janeiro

 

 *

CABRAL VAI À PRAIA Pelo mesmo motivo, descaso com a população, os franceses usaram a guilhotina. Ely Weinstein elyw@terra.com.br 

São Paulo

 

*

PREFEITURA DE SÃO PAULO Tivemos a felicidade de nos desfazer de um péssimo prefeito “roto” que a cidade de São Paulo amargou com Gilberto Kassab, para dar lugar a um “rasgado” Fernando Haddad (PT-SP), que segue a mesma cartilha, porque nada fez até o presente momento de bom. Contudo, Haddad solicita um reajuste absurdo, exorbitante e escorchante de 20% a 35% no IPTU, aumento que a Justiça suspendeu, mas o prefeito, inconformado por não estar até então concluindo seu golpe, alega que para tal vai recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF). Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

 

 *

CORRUPÇÃO INVESTIGADA As notícias sobre os condenados no processo do mensalão estão perdendo espaço na imprensa. Agora o destaque é para as denúncias sobre as ligações de integrantes dos governos paulistas com os cartéis multinacionais nos últimos 15 anos pelo menos. E também merece destaque a divulgação das ações de uma quadrilha de servidores da Prefeitura paulistana que foi montada para “negociar” valores a serem cobrados a quem teria um “desconto maior” nos recolhimentos de IPTU e ISS. Que os fatos sejam devidamente apurados e, mais, que os culpados não apenas sejam condenados, mas, sobretudo, que o erário seja ressarcido. O Estado mais rico da Federação precisa dar exemplo de seriedade na apuração e conclusão de investigações. Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

 

 *

A MÁFIA DO ISS A lista com nomes de empresas que se beneficiaram com a máfia do Imposto sobre Serviços (ISS) em São Paulo é assustadora. Será que ninguém sabia de nada, ou será que muitos sabiam e aproveitaram para colocar algum dinheiro em seus bolsos também? Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

 

*

DEMONSTRAÇÃO Apesar da máfia do ISS, da máfia do IPTU e da máfia ferroviária, se os partidos de oposição brasileiros não conseguirem arrancar do poder o Partido dos Trabalhadores e suas máfias de sindicalistas que vêm destruindo as instituições, as empresas estatais, a moral e a ética da sociedade brasileira, esses partidos vão dar, nas eleições para a Presidência da República do ano que vem, a maior demonstração de incompetência política da história deste país. Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

 

 *

INEFICIÊNCIA E CORRUPÇÃO O Estado de São Paulo, quase diariamente, tem chamado a atenção para o aparelhamento das organizações do Estado (federal, estaduais e municipais), o que resulta em ineficácia, ineficiência e corrupção. Atualização de sistemas e equipamentos não resolvem problemas de estrutura e profissionalização. Creio que a solução para combate efetivo da corrupção e desenvolvimento da eficácia e eficiência das organizações será a eliminação do loteamento das organizações do Estado pelos partidos políticos (que se assemelham a quadrilhas de parasitas do Estado), é o que mostra o exemplo dos países desenvolvidos. Darcy de Almeida dalmeida1@uol.com.br

São Paulo

 

*

CORRUPÇÃO E PUNIÇÃO Se projeto do novo Código Penal estabelecer que corrupção seja crime hediondo com metade de pena cumprida em regime fechado, com está sendo votado no Congresso Nacional, certamente teremos melhoria no comportamento geral da sociedade brasileira, que terá mecanismos para evitar e punir futuros eventuais desvios éticos de conduta entre nós. Alvíssaras. José de A. Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

 

*

OS EMPRESÁRIOS DO BNDES Deixe-me ver se entendi: a JBS (aquela que mantém vínculos com Lulinha) vai “investir” R$ 7,5 bilhões. Só que a família controladora coloca 33% (R$ 2,5 bilhões), um fundo nórdico coloca 12% (R$ 0,9 bilhão) e nós, brasileiros, por meio do BNDES e do FDCO, colocamos 55% (R$ 4,1 bilhões). É isso? Bela maracutaia hein. A empresa vai faturar por ano R$ 2 bilhões! Quando vai pagar isso? Vai faturar R$ 2 bilhões e não lucrar. Se o financiamento for de dez anos, terá de ter uma sobra no faturamento de 25% só para pagar o empréstimo. Isso é inviável e essa empresa vai quebrar antes de o prazo do empréstimo acabar. De novo: é isso dona Dilma? Por que para a JBS, que é um projeto de empresa? Por que não a VCP, a Klabin, a Suzano e outras que estão há décadas malhando ferro frio e conhecem a fundo o mercado e seus percalços?  Eike Batista, Joesley Batista, família Batista. Não é só o nome que estes “empresários” pendurados no BNDES e no povo brasileiro têm em comum. É também a relação escusa com o governo altamente suspeito. Mais um conta pra gente pagar. Ricardo Gasparino de Sousa ricardo.gasparino@gmail.com

São Paulo

 

*

O PIB DE MANTEGA Ao ler que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil teve o pior desempenho no terceiro trimestre deste ano, entre todas as 20 mais poderosas economias do mundo (G-20), na rabeira, léguas de distância da China e da Índia que são as primeiras colocadas, e bem abaixo da penúltima do ranking, chego à conclusão de que a nossa economia não está manca das duas pernas: ela está irremediavelmente paralisada, e que o ministro Guido Mantega, que alardeia que estamos bem e com um futuro promissor, deveria ser internado num hospital para tratamento de doentes otimistas crônicos. Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

 

  *

 

MANCO O ministro Mantega disse que “a economia brasileira está crescendo com duas pernas mancas”. Diante do quadro geral de estagnação e contração, melhor seria dizer que o País caminha de marcha à ré, aos trancos e barrancos, saltitando como um saci. Até quando?! J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

 

*

 

A BOLSA COMPENSA Brasil teve o pior PIB (Produto Interno Bruto) do terceiro trimestre entre os países do G-20, com queda de 0,5%, em relação ao trimestre anterior. O PIB é a soma de todas as riquezas produzidas no País. Os dados foram divulgados pela Organização Internacional para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Mas não podemos reclamar nem nos queixar, afinal de contas temos o “Bolsa Esmola”, que o PT usa como sendo a salvação do País, usando o nosso dinheiro, e não o deles, é claro. Mustafa Baruki mustafa-baruki@bol.com.br

São Paulo

 

*

LISO COMO QUIABO Mantega tenta comunicar-se com o povo no estilo Lula, por meio de metáforas. Disse que a economia brasileira está “crescendo com as pernas mancas”. Outro aluno, Aldo Rebelo tiraria nota zero nas aulas de Lula. Sua última obra prima foi comparar a inauguração dos estádios da copa com os atrasos de uma noiva em um casamento. Os alunos não chegam nem perto de seu professor. Este, sim, fazia metáforas com grande potencial para enganar o povo. Sua pérola foi dizer que a crise internacional chegaria aqui no Brasil com uma “marolinha”. Era um mestre! Depois acrescentou com um repertório imbatível relacionado ao Corinthians e com a falácia do pré-sal quando, a exemplo de Getúlio Vargas sujou as mãos de petróleo ilustrando suas metáforas teatrais. “Vamos combinar”que Lula é um artista raro, além de ser um malabarista de circo para escapar das acusações que pesam sobre ele e que não o atingem porque é liso como quiabo. Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

 

 *

SEM PÉ NEM CABEÇA O ministro da Fazenda, Guido Mantega, quer liberar as montadoras da obrigatoriedade de instalação de airbag e freios ABS nos veículos novos. Sugestão: exigir de todos brasileiros a supressão do hábito de alimentar-se, pois, com isso, haverá, também, economia de água. Senhor ministro, o Brasil não está com pernas mancas, o sr. ministro da Fazenda é que está “sem pé nem cabeça”. Carlos Rolim Affonso profrolim@globo.com

São Paulo

 

*

DANE-SE A SEGURANÇA! Anos atrás, já tardiamente, o governo instituiu a obrigatoriedade da adoção de freios ABS e airbags em todos os automóveis vendidos no país, à partir de janeiro de 2014. Desde 2010, os fabricantes estão se adaptando às normas, aumentando gradativamente a proporção dos veículos com tais itens. No próximo mês, deveríamos atingir a totalidade, passando a oferecer a todos os compradores de veículos novos, um melhor nível de segurança. Mas aí o brilhante ministro Mantega, cuja incapacidade em gerir a economia do País está mais do que provada, propõe que o governo prorrogue a obrigatoriedade de tais itens. O motivo? O controle da inflação. Afinal, em janeiro o governo tem de subir o IPI e a adoção de ABS e airbags vai pesar no preço dos carros, o que reflete no combate à inflação. O brilhante ministro poderia ter utilizado o bom senso – já que lhe falta capacidade administrativa – e reter a subida do IPI, para reduzir o impacto nos preços. Mas, ao invés de se preocupar com a segurança dos brasileiros, ele prefere manobrar o que puder para maquiar sua desastrosa gestão diante do Banco Central. Com isso, “ratoeiras jurássicas” como o VW Kombi poderão continuar em linha, colocando ainda mais brasileiros sob risco de vida, diariamente. A matéria do “Estadão” (12/12) demonstra ainda outro fator assustador. O lobby contra o fim da Kombi é tão pesado que se torna passível de consideração que haja um impulso da montadora para que o governo prorrogue tal medida. Isso é absurdo e inaceitável. Ministro Mantega, faça algo que o sr. deveria ter feito há muito tempo: entregue seu cargo e saia do governo. O sr. é uma vergonha para este país!

 

Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

 

*

AIRBAG JÁ Se depender da visão do ministro Guido Mantega, os brasileiros continuarão morrendo como baratas esmagadas nos acidentes de trânsito. No mundo civilizado, há décadas, os carros são equipados com airbags e ABS, dispositivos de segurança que comprovadamente evitam acidentes e minimizam muito os ferimentos. No Brasil, um dos países com os maiores índices de mortes no transito, finalmente, os carros seriam obrigados a serem dotados desses dispositivos salvadores de vidas, mas o ministro da fazenda entende que é mais importante segurar a inflação e vai adiar o uso desses dois verdadeiros equipamentos salva-vidas! O Zé povinho, que anda de carro popular sem airbag, pode continuar morrendo à vontade. Lamentável. Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

DESPREZO PELA VIDA Se o PT já mandou às favas a ética, principalmente no que tange aos desvios de recursos públicos, e ainda é capaz de proteger sua quadrilha da mensalão, agora a presidente Dilma pretende adiar de janeiro de 2014, com estava estabelecido, para 2016 a obrigatoriedade das montadoras instalarem airbag e freio ABS, nos novos carros produzidos.  Governo diz que, os carros podem ficar mais caros devido à instalação destes novos equipamentos (algo próximo de mais R$ 800) e com isso fomentar a alta da inflação no próximo ano! É muita balela! Esse é um puro acerto entre amigos, porque este governo petista, sabe Deus por que, sempre fica de cócoras para as montadoras , e neste caso, em detrimento das vidas humanas que podem ser salvas em acidentes, se instalados o quanto antes o airbag, e freio ABS. Oras, o governo jamais esteve preocupado com a inflação. Se assim fosse, teria reduzido ao longo destes anos, os gatos improdutivos, as traquinagens contábeis, e com uma posição fiscal robusta e não deteriorada como está hoje, no mínimo os índices inflacionários estariam em torno dos 4,5%. Mas incompreensível é que, no lugar de oferecer mais segurança àqueles que dependem de seus veículos, Dilma, ao lado de seus camaradas, está preocupada mesmo em fazer média com as montadoras, para garantir verbas que financiem o PT na eleição de 2014.  Ou seja, o poder em primeiro lugar. E as vidas humanas que se lixem! Pelo jeito é assim que pensa a turma do Planalto. Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

 

 *

PATAVINAS Na África do Sul, os surdos-mudos não compreenderam patavinas do que o falso intérprete gesticulou no memorial em homenagem a Nelson Mandela. No Brasil, há ministros e governantes que, por mais que tentem explicar verbalmente certas situações, não se entende absolutamente nada...

 

Luciano Harary lharary@hotmail.com 

São Paulo

 

*

TRADUTOR NOTA 10

 

O tradutor da cerimônia na África do Sul que gesticulava para os deficientes auditivos deveria ser contratado pelo governo brasileiro para traduzir os discursos da presidente Dilma, quando fala de improviso. Ela não fala nada com nada e ele traduz com perfeição...

 

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

 

*

MAS QUE CARA DE PAU!

 

Dei boas risadas ao ler no jornal sobre o falso tradutor e intérprete de surdos-mudos que apareceu em rede mundial de TV ao lado de Barack Obama, enquanto esse discursava durante o funeral de Mandela, na África do Sul. Os representantes das sociedades de surdos-mudos não puderam vaiá-lo – por motivos óbvios – e o picareta ficou lá fazendo sinais sem qualquer sentido, curtindo com a cara de todos, em transmissão ao vivo e em cores. Fez o mundo inteiro de bobo e ainda virou celebridade. Mesmo sem poder perdoá-lo pelo desrespeito cometido para com os surdos-mudos, venhamos e convenhamos, se o que ele queria era aparecer, conseguiu! Lembrou até alguns políticos brasileiros, já que gesticulou muito, enrolou todo mundo, e não disse coisa nenhuma. Que cara de pau! João Manuel Carvalho Maio clinicamaio@terra.com.br

São José dos Campos

 

 *

SURDOS E MUDOS Li a reportagem a respeito do intérprete de surdos no funeral de Mandela e, como fonoaudióloga, me senti no dever de escrever para esclarecer que a terminologia utilizada na reportagem é incorreta. Pessoas surdas não são pessoas mudas. O surdo tem uma deficiência auditiva que faz com que haja um rebaixamento da qualidade da audição, que pode ser leve, moderado ou profundo. Para que uma pessoa seja muda é necessário que ela seja incapaz de falar. O aparelho responsável pela fala é o aparelho fonador, composto pelos pulmões, laringe, pregas vocais, dentes, língua e lábios (além da musculatura associada a estas estruturas). Uma vez que a pessoa surda não apresenta necessariamente uma alteração no aparelho fonador, ela não é muda. Muitos surdos são oralizados, ou seja, são capazes de se comunicar verbalmente, mesmo não escutando, outros comunicam-se apenas pela língua de sinais e não utilizam o aparelho fonador para a fala, o que não faz deles pessoas mudas. Thays Nogueira thays.nogueira@gmail.com

São Paulo

 

*

MANDELA, EXEMPLO DE PAZ Ao ouvir a notícia da morte de Nelson Mandela me veio à mente a sensação de que o mundo tinha acabado de perder um dos maiores incentivadores da paz e da liberdade. Seu legado não será jamais esquecido. Um ícone da sociedade moderna e pai da liberdade na África do Sul e do seu povo. Não poderia deixar de registrar minha admiração e respeito por este ícone da história da humanidade que passou 26 anos na cadeia seu crime? Lutar pelo o fim do regime de segregação racial da África do sul, o apartheid. Porém, em algum momento de insanidade alguns seres humanos, estes viram seus irmãos terrenos cuja cor da pele era mais escura, para serem seus escravos. Essa demência fez com que se esquecessem que o sangue que corre nas veias de toda vida na Terra é igual. Entre aqueles que foram escolhidos para sofrer humilhações estava um homem chamado Nelson Mandela no país onde estava, uma minoria de seres com cor de pele clara “surtou” e achou que deveria mandar na minoria daqueles que tinha a cútis mais escura. Porém Mandela gritou que aquilo estava errado, e por isto ficou 26 anos na cadeia. Mas para os que pensavam que o guerreiro estava deposto, venceu esta segunda batalha para ganhar a guerra e tornar-se o primeiro presidente negro de sua nação. Não conheci até hoje uma única pessoa que não fosse fã dessa homem de 95 anos que revolucionou o mundo com sua bravura e perseverança de um vencedor. Mandela é um exemplo de foco em um objetivo, sem ver barreiras ou obstáculos. Mandela, assim como Gandhi na Índia, superou todas as adversidades em sua vida e foi sem sombra de dúvida um grande vencedor. E como ele disse uma vez: “A pobreza não é um acidente.(coloco aqui, por minha conta, também a pobreza de espírito). Assim como a escravização e o apartheid, a pobreza foi criada pelo homem e poder ser removida pelas ações dos seres humanos. Descanse em paz, guerreiro, tem um lugarzinho reservado no céu para você repousar por toda a eternidade. Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

 

 *

 

NELSON MANDELA Entrou para a História o guerreiro e exemplo de luta contra o Estado opressor e a favor dos Direitos Humanos, o grande líder Nelson Mandela. Que o mundo não esqueça e nem repita esse passado de absurdos. Quase em frente de casa numa praça tem a estátua de Jesus Cristo, por se tratar de espaço público e estar quase em frente da Igreja Católica Santa Maria Goretti, me deixa muito incomodado por violar o Estado laico. A estátua deve ficar no interior da igreja, e não em espaço público. A Prefeitura de Santo André deveria substituir a estátua de Cristo pela de Mandela. Estaria, dessa forma, prestando um grande serviço público, evidenciando a importância desse líder e sua atuação histórico-social.

 

Eliel Queiroz Barros  elipetshopboys@hotmail.com

Santo André

 

 *

O ‘CIRCO VOADOR’ FOI À ÁFRICA Afinal, o grupo dos cinco brasileiros que posou para foto ao embarcar no Aerolula (Dilma Rousseff, José Sarney, Fernando Collor, Fernando Henrique Cardoso e Lula) iam para uma festa ou velório?  Foto infeliz, de mau gosto, e combina com os donos do País. Se eu ainda tinha alguma consideração por Fernando Henrique Cardoso, essa acabou a ver a foto na qual é mais que visível sua fisionomia constrangida entre os demais que sorriam. Então pergunto: por que aceitou ser arrebanhado pelo Lula para acompanhar este “circo voador”? Arrebanhado como gado pelo nefasto, sim, porque a “presidente” criatura não solta um pum sem autorização dele. Minha bronca contra FHC era ter deixado uma herança maldita não ao Lula, mas a todos nós, brasileiros que não dependemos de esmolas federais, e sim sustentarmos a corja que tomou conta do País.  Laércio Zannini arsene@uol.com.br

São Paulo

 

*

O EXEMPLO UCRANIANO As cenas de protesto, com as consequentes reações de repressão, protagonizadas durante os últimos dias por boa parte da população ucraniana demonstram inequivocamente que a União Soviética, a rigor, ainda não se desfez e corporifica, em essência, a própria Rússia, com seus tentáculos imperialistas de dominação. Na verdade, os atores estão somente com indumentárias diferentes e o título da peça teatral é outro, mas a dinâmica é a mesma. O povo ucraniano, ciente da imutabilidade e ainda marcado pela recordação das crueldades e arbitrariedades concretizadas por Stalin em seu território, foi para a praça e, em pleno inverno, bradou por uma alternativa que aumentasse o grau de interação com a União Europeia e diminuísse as ligações seculares com a potência eurasiana. Embora a questão seja complexa, agravada pela situação geopolítica do país, espremido entre a Europa e a terra dos antigos Czares, e os interesses econômicos, sensíveis, com dutos de energéticos produzidos na Rússia passando por seu território, é de se destacar a determinação da sociedade de diminuir a dependência de velhos grilhões e procurar novos destinos e opções. É sempre bom assistir às movimentações de um povo que decidiu sair da inércia, resolvido a influir no futuro de seu país. Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

 

*

‘COMO MELHORAR O SUS’ O editorial publicado na quarta-feira (“Como melhorar o SUS, 11/12, A3), sobre a pesquisa do Banco Mundial a respeito dos serviços do Sistema Único de Saúde (SUS), ratificou o gargalo crescente do setor no Brasil. Sabe-se que a saúde como um todo se utiliza de modelos ultrapassados que não mais atendem às demandas da população, principalmente dos doentes crônicos. O sistema foi moldado para tratar casos agudos e episódicos, sendo que, na maioria das situações, as condições crônicas poderiam ser evitadas com monitoramento e prevenção. É nesse cenário que a Gestão de Saúde Populacional (GSP) se enquadra, principalmente para os doentes crônicos que respondem por mais de 70% do custo de saúde segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). Minimizar impactos econômicos sem deixar de promover a saúde requer técnicas de mudança de comportamento, tecnologia e integração de informações que o mercado já está apto a oferecer. Fábio de Souza Abreu thaiane@scritta.com.br

São Paulo

 

 *

O BRASIL DOENTE Toda e qualquer sugestão para melhorar o SUS é bem-vinda. Com todo respeito que merece o estudo de três especialistas do Banco Mundial, falta a eles a vivência do atendimento ao usuário. Há pelo menos 40 anos atendo aos usuários do SUS, e conheço bem a realidade de ter apenas uma mesa entre eu e o paciente. Sou eu, como médico, que escuto suas queixas clínicas, suas angústias, suas frustrações e tomo ciência da sua realidade socioeconômica. E o que eles/elas procuram. Resume-se numa única palavra: resolubilidade, que alias é uma das diretrizes do SUS. O que se busca é a qualidade do atendimento, e não a quantidade de lugares para tal. Ao contrário do que fazem as autoridades, que só pensam em construir, comprar equipamentos, não que não seja importante, é necessário investir em recursos humanos e propiciar que cada tratamento prescrito seja acessível a todos. Se não houver investimento em educação, saneamento básico, por exemplo, a saúde continuará sendo um enorme buraco negro.

 

Luiz Nusbaum, médico lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

    

*

FATOR PREVIDENCIÁRIO O novo fator previdenciário pode diminuir as aposentadorias em até R$ 200 (duzentos reais), saiba porque: a expectativa de vida dos brasileiros aumentou para homens 71 anos e para mulheres 78,3 anos. Por consequência, a maior redução será para as mulheres. Os homens com 60 anos e 35 de contribuição receberiam R$ 3,535,15, mulheres com 55 anos e 30 de contribuição receberiam R$ 2.287,45. É isso que o PT chama de justiça social. Esses serão os valores máximos para aposentadorias requeridas a partir de 2/12/2013. São inúmeros os brasileiros que se aposentaram até 1990 com dez salários mínimos, após terem contribuído sobre dez salários, mas com as diversas reduções não recebem na atualidade cinco salários mínimos, comprovando que a Previdência Social só sabe fazer contas de “chegar para eles” e continuam sempre com enormes prejuízos. Fazem tantas “bene$$es” com o dinheiro do IN$$, inclusive para pagar despesas do Tesouro, que com certeza os aposentados continuarão sendo roubados descaradamente. É a triste comprovação que o sr. Lula da Silva é o maior mentiroso e desonesto da face do planeta Terra e ainda quer que o PT permaneça no poder até 2022? Enquanto as aposentadorias das chamadas “autoridades” e da maioria dos funcionários públicos são atualizadas de acordo com salário atual dos que permanecem em serviço. Essa é “justiça” do desgoverno do PT? As aposentadorias em queda e as corrupções crescentes continuam. Até quando?

 

Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

 

 *

É OBRIGAÇÃO Estou aposentado pelo INSS, sou cadeirante, idoso, tenho 73 anos, e não posso receber auxílio saúde junto do INSS, porque julgam que estarei recebendo dois benefícios. Ora, não compreendo: aposentado não pode ficar doente. Mesmo porque, o que recebo como aposentado não é benefício, e sim obrigação, paguei por isso, com minhas contribuições e com meu trabalho. Para que serve a longevidade alcançada? Graças à benevolência da empresa em que trabalhei por 50 anos (Construtora Ferreira Guedes S/A), ainda continuo registrado como funcionário e continuo contribuindo novamente com o INSS. No momento estou afastado por problemas de saúde e necessito do auxílio saúde do INSS, a quem contribui e continuo contribuindo. Antonino José Pereira antoninopereira@terra.com.br

São Paulo

 

  *

ELEIÇÃO NAS RUAS Nós, que moramos em ruas que tem escolas, só sofremos, principalmente quando há eleições, de qualquer natureza. No último domingo, dia 8, foi eleição para o Conselho Participativo Municipal na cidade de São Paulo. Moro na rua de uma escola municipal, o Centro Educacional Unificado Cidade Dutra, na região de Interlagos, São Paulo. Temos diversos problemas, mas em dias de eleição, Deus me livre, nosso direito de ir e vir fica nulo, ficamos reféns dentro de casa porque os governos fazem as eleições, mas não colocam um agente da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) na porta das escolas, o dia todo, para impedir que carros parem em frente às nossas garagens. De hoje em diante eu votarei para sempre nulo, porque votos todos querem, mas ninguém se preocupa com os moradores nesses dias, nem com a população o tempo todo, diga-se de passagem. Cansei.

 

Viviane Batista vi_batista@yahoo.com.br                              

São Paulo

               

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.