Fórum dos Leitores

FAIXAS EXCLUSIVAS

O Estado de S.Paulo

23 Dezembro 2013 | 02h06

A vez dos táxis

Faixas exclusivas para ônibus, para bicicletas e, agora, para táxis. E não se esqueçam de deixar um corredor para os pedestres ("SP avalia proposta de faixa exclusiva para táxi", 20/12, A20). Os carros ficam nas garagens, fecham-se as montadoras e o trânsito volta a ser o sonho de todos os governantes que passaram pelo poder em São Paulo e não investiram em transporte público de qualidade, incluindo o metrô. Como são criativos.

IZABEL AVALLONE

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

Táxis nos corredores

O principal argumento utilizado para justificar a retirada definitiva dos táxis dos corredores de ônibus em São Paulo não tem fundamento. O táxi não prejudica a velocidade dos ônibus, pois só pode trafegar pelo corredor se estiver com passageiros e nunca para no corredor para embarcá-los ou desembarcá-los. E essa já é uma exigência da Prefeitura, sempre respeitada e apoiada pelos taxistas. A Associação das Empresas de Táxi do Município de São Paulo (Adetax), que representa 58 empresas de táxis de São Paulo, defende o uso das faixas, pois retirar os táxis dos corredores de ônibus é um retrocesso na melhoria do trânsito de nossa cidade. A própria Prefeitura reconhece a importância desse meio de transporte, que ajuda a reduzir os engarrafamentos, e desde 2005 tem renovado a autorização para que utilize os corredores. Os táxis da capital transportam mais de 450 mil passageiros por dia, que, com uma eventual proibição, obrigatoriamente voltarão para as outras pistas das vias. Circular pelos corredores, ao contrário, é um estímulo para que os donos de carros os deixem na garagem, pois sabem que de táxi chegarão mais rápido ao seu destino. A fluidez dos corredores de ônibus abrange outras questões, e não apenas a presença dos táxis. Especialistas em mobilidade urbana apontam serem necessárias medidas como a reorganização de linhas, investimentos em ônibus que levem um maior número de passageiros, readequação do tempo dos semáforos, etc. As soluções para o complexo trânsito de nossa cidade demandam medidas coordenadas, e não decisões que favoreçam um modal em detrimento de outro.

RICARDO AURIEMMA, presidente da Adetax

rita@raf.com.br

São Paulo

Para especialistas

O tema mobilidade urbana deveria ser discutido somente por especialistas, deixando de lado os palpiteiros. Obviamente, a implantação de faixas exclusivas de ônibus privilegia o transporte coletivo - tanto que o Ministério Público obrigou a Prefeitura a retirar os táxis das faixas. Se a medida vale para os táxis, com maior razão para os carros particulares. É evidente que, tendo em vista o caótico trânsito da cidade, a implantação das faixas exclusivas é necessária, mas não suficiente, e aperfeiçoamentos deverão ser feitos para corrigir eventuais erros.

WILSON HADDAD

wilson.haddad@uol.com.br

São Paulo

Lambança

Todo mundo sabe que a engenharia da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) está só no nome, mas há um limite para tudo. No caso da faixa exclusiva de ônibus da Rua Heitor Penteado, a lambança foi a extremos: afixaram avisos (faixas de pano) nos postes e, a seguir, da noite para o dia, apagaram a sinalização de solo existente, inclusive a faixa de pedestres, e pintaram nova sinalização. Instalaram novos semáforos (embrulhados em plástico) e, depois, sumiram. Cheguei a ler no jornal que haviam adiado a implantação para 2014. Depois apareceram ali duas "técnicas" da CET e, questionadas, informaram que a faixa de ônibus não seria mais implantada por ser inviável. E só depois de fazerem a lambança, apagarem sinais de conversão e repintarem outras faixas é que eles perceberam isso? Fizeram um projeto em cima de um mapa, ninguém foi ao local conferir, é isso? Como engenheiro, sinto-me envergonhado com projetos e experiências feitos (à nossa custa) sem uma mínima verificação no local. Isso não é engenharia, é tapeação e irresponsabilidade, quando menos pelo fato de que a faixa de pedestres ficou apagada por nove dias, o que poderia ter tido sérias consequências. No dia 20/12 repintaram, enfim, a faixa. No mesmo lugar! Pergunto: Quem vai pagar por isso? Nós? De novo? Afinal, quem é o responsável pela lambança?

NELSON NEWTON FERRAZ

nelfer@estadao.com.br

São Paulo

DEFESA

Tecnologia no Brasil

O professor James Rojas Waterhouse, da USP de São Carlos, cometeu um equívoco na entrevista publicada pelo Estado (19/12, A4). Não só a Helibras, empresa instalada no Brasil há 35 anos, mantém um índice de nacionalização de sua aeronave Esquilo superior a 54%, como desde 2011 implantou um inédito programa de transferência de tecnologia para produção no Brasil dos helicópteros EC725 fornecidos para as Forças Armadas brasileiras, inclusive com a participação de alunos daquela universidade no processo de transferência de conhecimento que resultou no desenvolvimento em seu Centro de Engenharia, em Itajubá, do sistema de missão das aeronaves EC725 destinadas à Marinha do Brasil.

ELAINE WATONIKI

Elaine.Watoniki@helibras.com.br

São Paulo

Piloto de testes

A negociação dos caças para a Força Aérea Brasileira (FAB) inicialmente pendia para os aviões franceses e os americanos, mas o Brasil acabou escolhendo os aviões suecos Gripen NG, mais fracos. Em 2010, o ex-ministro do Trabalho de Lula Luiz Marinho (PT), hoje prefeito de São Bernardo do Campo, esteve na Suécia para voar no Gripen NG, sem nunca ter pilotado um aviãozinho de parque de diversões. Isso está cheirando mal...

CELSO DE CARVALHO MELLO

celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

BOAS-FESTAS

O Estado agradece e retribui os votos de feliz Natal e próspero ano-novo de ABS Quality Evaluations, Associação Nacional dos Servidores da Previdência e Seguridade Social (Anasps), Carlos Magno, Center for Hemispheric Policy (University of Miami), Centro de Direito Internacional (Cedin), Clésio Andrade - senador, Diego Feron - Jô Ribes Comunicação, Eduardo José Bernini, Evolution Indústria, Graber, Gustavo Guimarães da Veiga, José Piacsek Neto, Jose Roberto Marforio, Luiz Alberto de Paula Souza e família, Meta Consultoria e Comunicação, Ovasco Resende - presidente nacional do PRP, Paulo Trani, Pimenta Comunicação, Pinacoteca Benedito Calixto, PR Newswire, Prata - Passagens, Cargas e Encomendas, Sueli Pereira - Original 123 Comunicações, Tania Tavares, Torres de Melo e Wanderley Rebello Filho.  

 

_______________________    

 

  

VENCEMOS

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, negou, na sexta-feira, o pedido de suspensão de liminar da Prefeitura de São Paulo para obter o aumento do Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU) em 2014. A lei aprovada pela Câmara Municipal neste ano prevê uma alta de até 20% para imóveis residenciais e de 35%, para imóveis comerciais em 2014. O reajuste foi barrado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) numa decisão provisória e, por isso, a Prefeitura só poderá corrigir o imposto pela inflação oficial, estimada em 6%. Agradeço ao presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, ao PSDB, autores da medida que contestou o aumento proposto pelo prefeito Fernando Haddad, e ao nobre ministro Joaquim Barbosa, por ter feito mais uma vez a verdadeira justiça.

Vanderlei Pereira de Jesus pvanderlei@hotmail.com

São Paulo

 

*

 

MÃOS À OBRA

Não tem jeito mesmo, a solução para o prefeito paulistano, Fernando Haddad, é melhorar a gestão fazendo a "máquina" funcionar, porque em cima dos munícipes não dá mais. Agora é o momento ideal para mostrar toda a sua competência, tão alardeada durante sua campanha à prefeitura paulistana. A grande chance quem lhe oferece é o Supremo Tribunal Federal (STF). Mãos à obra, caro alcaide.

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

 

*

 

IPTU

O prefeito Fernando Haddad afirma que só aumentará o IPTU acima da inflação em São Paulo em 2015. Em outras palavras: só após as eleições de 2014.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

 

*

 

TIRO NO PÉ

Haddad, com este aumento do IPTU que o STF negou, só se queimou com o povo de São Paulo e com o seu patrício Paulo Skaf, presidente da Fiesp. Lula nunca deve ter se arrependido tanto por apoiá-lo. Foi o verdadeiro tiro no pé.

Valdir Sayeg valdirsayeg@uol.com.br

São Paulo

 

*

 

QUEIMANDO A LÍNGUA

Haddad, comparando a falta do reajuste do IPTU ao fim da CPMF, diz que a Fiesp foi contra a CPMF, mas se esqueceu de que, quando o PT era oposição, passava o tempo criticando esse imposto e, quando chegou ao poder, dizia que ele era muito importante para a saúde. Esse é mais um episódio em que petistas queimam a língua. É como se só ficamos doentes quando o PT está no poder.

Sérgio Aparecido Nardelli sergio9@ig.com.br

São Paulo

 

*

 

HADDAD X FIESP

Engana-se o prefeito de São Paulo, a Fiesp prestou um enorme serviço à sociedade ao impedir judicialmente o aumento do IPTU. O governo do PT precisa entender que o Brasil não tem vocação para o comunismo, e deveria parar de tratar o cidadão que tem uma casa e um carro como se fossem criminosos que têm de ser punidos por suas "posses burguesas". O jovem prefeito poderia mostrar algum vestígio de criatividade e buscar outras formas de obter os recursos para seus programas sociais. Que tal criar um imposto sobre as propinas dos fiscais corruptos da Prefeitura?

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

 

PREFEITURAS PODEM TER DINHEIRO A JURO?

Chama a atenção na fala do presidente da Fiesp, Paulo Skaf, contra o aumento do IPTU, a informação de que a Prefeitura de São Paulo possui R$ 9 bilhões aplicados a juros (quase 20% de toda arrecadação anual, de R$ 50,5 bilhões) e, portanto, não ter necessidade dos R$ 800 milhões a mais que o prefeito pretende arrecadar com o reajuste do imposto. A comunidade paulistana precisa questionar a razão de sua prefeitura essa dinheirama aplicada no mercado financeiro. Esses recursos não deveriam estar rendendo juros, mas transformados em obras e serviços públicos. Usar dinheiro público no mercado especulativo é, no mínimo, desviar sua finalidade, e isso precisa ser apurado. Os interesses políticos e eleitoreiros levam os prefeitos a negligenciar na correção dos tributos cobrados da população. Muitas prefeituras a têm o IPTU defasado. Alguns prefeitos tentam recuperar o tempo perdido pelos seus irresponsáveis antecessores, mas isso gera a grita geral dos contribuintes e até ações como as promovidas pela Fiesp. Deveriam os governantes municipais permanecer atentos à questão. Saber que não há condições de eliminar de pronto as negligências do passado. Mas também não continuar negligenciando. Eles têm todo o direito de corrigir anualmente a inflação e, ainda, de lançar a valorização apurada em função de obras públicas e outras melhorias da região onde se encontra o imóvel.

Dirceu Cardoso Gonçalves cardosodirceu34@gmail.com

São Paulo

 

*

 

QUEM QUER DINHEIRO?

Quem quer dinheiro? O prefeito Fernando Haddad quer, porém desejava isso aumentando absurdamente o IPTU da cidade. Ora, prefeito, se é só isso, os seus problemas acabaram. O senhor não precisa chamar as organizações tabajara nem frequentar o auditório do programa Silvio Santos para pegar dinheiro atirado à plateia em forma de aviãozinho. O pote de ouro não está no fim do Arco Íris, mas se encontra bem atrás do senhor nesta foto de capa do "Estadão" de 20/12: Paulo Maluf. Faça um esforço para repatriar o dinheiro que a Justiça afirma que Maluf guarda em contas no exterior e tudo se resolverá sem traumas.

Leon Diniz leondinizdiniz@gmail.com

São Paulo

 

*

 

FALTA DE VERGONHA

Com os escândalos de corrupção e desvios de verbas acontecendo todos os dias, percebe-se claramente que a Fiesp tem razão quando afirma que anualmente a corrupção desvia por baixo o valor de R$ 80 bilhões. E, se isso não bastasse, a equipe econômica do governo declara que, os R$ 1,10 necessários para arredondar o salário mínimo para R$ 724 vão gerar um custo adicional de R$ 250 milhões, e, pasmem, dizem que não sabem de onde vão tirar esse dinheiro. Se não é falta de vergonha na cara, o que é então?

José Carlos Costa policaio@gmail.com

São Paulo

 

*

 

AMEAÇA

É impressionante a desfaçatez do prefeito de São Paulo, chamado apropriadamente de "Malddad", ameaçando, sim, ameaçando cortar vagas em creches, hospitais e corredores de ônibus, caso o aumento do IPTU não viesse a cabo. Até as pedrinhas sabem que o problema não seria falta de recursos, e sim má gestão desses recursos. Além disso, no próximo ano, o partido ao qual o prefeito serve está louco para abocanhar o governo do Estado, e estão fazendo o "diabo" para isso, haja vista as propagandas (são legais/morais?) em que aparece o pretendente, para enganar a população.

Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

 

*

 

CHEGA DE POSTES

Enganada pela propaganda eleitoral, em que os marqueteiros inventam planos mirabolantes para os candidatos e mostram uma pessoa diferente do que ela realmente é, a população de São Paulo elegeu o prefeito Fernando Haddad. Ignorando sua péssima atuação no ministério da Educação. Comprovadamente, ele fez besteiras homéricas como ministro. Agora estamos todos provando da incompetência do segundo poste que Lula conseguiu eleger. O primeiro, a presidente Dilma Rousseff, está mostrando ao Brasil como não se administra um país, como não se deve ficar refém de ideologias para fazer um país crescer. Já Haddad, com só um ano de governo, está provando que não tem capacidade para governar uma cidade complexa como São Paulo (não conseguiu governar o ministério antes). A cidade está um caos: trânsito horroroso, sujeira, camelôs, bagunça por todos os lados. Drogados e desocupados ocupam as ruas e praças e a população trabalhadora e pagadora dos tributos não tem como passar nem pelas calçadas e muito menos pelo meio das ruas. O trânsito tornou-se pior ainda com as faixas exclusivas dos ônibus feitas sem planejamento algum. Uma coisa que, se fosse bem feita, planejada e executada, poderia ser muito benéfica para a melhoria dos deslocamentos. Do jeito que está sendo feito, o caos está instalado. Está comprovado que, quando uma cidade fica suja, tomada por mendigos e sem governo, a violência se alastra rapidamente. Em qualquer bairro que se vá a paisagem é desoladora. O conceito que ele usa é o de confronto entre ricos e pobres. Não pode dar certo. O aumento abusivo do IPTU é mais um absurdo e comprova que ele pretende instigar as diferenças entre pessoas do modo mais hostil e maléfico. Com ar de bom moço, evidenciado pela propaganda enganosa na qual muitos caíram, o prefeito Haddad está tornando a vida dos paulistanos muito pior e muito mais cara. Não é à toa que sua popularidade e aprovação caem todo dia. Alerta para os paulistas: cuidado com o 3º poste que Lula pretende nos impingir. Postes só iluminam ruas, não servem para administrar nada.

Maria Tereza Murray terezamurray@hotmail.com

São Paulo

 

*

 

MENTIROSO E VERGONHOSO

Fernando Haddad, para pressionar seu intento maléfico aumentando o IPTU de 20% a 35%, disse que, caso o mesmo não fosse aprovado, o município terá de abrir mão de diversos projetos federais, entre eles: 40 mil vagas em creches, 200 leitos hospitalares, 20 km de corredores de ônibus, além de graves impactos em "programação de precatórios". Vale lembrar ao digníssimo prefeito que a cidade necessita de imediato de: 130 mil vagas de creches, 2 mil leitos hospitalares, 60 km de corredores de ônibus e pelo menos iniciar o pagamento dos precatórios, esperados há décadas. Já estamos nos habituando a viver sendo enganados pelos PT-lulistas no poder há mais de 11 anos. Ou seja: o povo brasileiro é como mulher de malandro, quanto mais apanha, mais ama! Né não?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

 

HADDAD E AS CRECHES

Esse é o jeito petista de governar. Sem o escandaloso IPTU, ao invés de cortar os cabides de empregos que além de tudo alimentam o cabide de corrupção, vai cortar creches, que nem sequer existem de forma suficiente.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

 

*

 

PREFEITO ESPERTO

É de admirar o sr. prefeito apregoar que a Prefeitura terá um "prejuízo" de R$ 800 milhões com a falta do reajuste do IPTU. Prejuízo é a perda de um bem ou valor seu, já adquirido. Seria o mesmo que o Fernandinho Beira-Mar alegar que está tendo prejuízo por não poder traficar, por estar na prisão. Quem teria prejuízo certo seriam os contribuintes, que seriam literalmente roubados pela majoração absurda pretendida. Na rua onde moro, existem imóveis à venda há pelo menos cinco anos! Como medir a valorização dos mesmos, se não têm liquidez? O que ele deveria dizer é que, por falta de planejamento e competência, deixará de fazer determinadas obras ou serviços. Ou que estava contando com o ovo dentro da galinha, e que não pode cortar despesas comprometidas com a "cumpanheirada", os "aspones" e petistas na máquina em geral!

Rubens Sousa Pinto rubanfilho@hotmail.com

São Paulo

 

*

 

ACORDO

Como morador da capital e indignado com atitudes arbitrárias deste aprendiz de prefeito, venho propor ao sr. prefeito um acordo, assinado em cartório: por que eu não me comprometer a aumentar o meu IPTU (e tenho certeza de que milhares também o fariam), desde que o sr. prefeito cuide corretamente da cidade: arrume calçadas, proporcione ruas e avenidas com asfalto de primeiro mundo, pode e remova árvores em risco, tenha iluminação pública, tome medidas para melhorar o caos no trânsito (não só maquiando faixas fantasmas de ônibus), nos dê segurança e dignidade que justifique ser esta cidade a maior do País, entre outras das várias necessidades da população. Topa, sr. prefeito?

Mauricio Flank

São Paulo

 

*

 

TÁXIS NAS FAIXAS EXCLUSIVAS

Qualidade obrigatória para quem pretende ser líder é a coragem de assumir suas decisões. O sr. Prefeito Haddad, convencido de que deve proibir o tráfego de táxis nas faixas de ônibus, não está tendo a coragem de assumir essa decisão, procurando, assim, se ocultar atrás de um parecer de um promotor, e todos sabem que este não tem a obrigatoriedade de ser acatado, que para tal necessita do referendo do Poder Judiciário. O mais pitoresco deste lamentável engodo que se pretende vender aos motoristas de táxis e à população, que serão altamente prejudicados. E na fotografia estampada nos jornais o promotor aparece ao lado do sorridente secretário de Transportes, mostrando que se trata realmente de jogo de cartas marcadas.

António de A. Machado Rudge aamrudge@gmail.com

São Paulo

 

*

 

CET

São Paulo, "a cidade que nunca para", está literalmente travada, a qualquer hora de qualquer dia, com suas ruas e avenidas entupidas de veículos que não encontram saída para a livre circulação. Com decisões de caráter politiqueiro, na contramão da engenharia de tráfego, a Prefeitura de São Paulo transformou a CET na Companhia de "Engarrafamento de Trânsito". Até quando os motoristas vão ter de aturar o rush diário que só piora?!

J. S. Decol decolis@uol.com.br

São Paulo

 

*

 

FALTA TATO OU SOBRA TATTO?

Tentarei não me perder em detalhes e eufemismos, mas há coisas sobre a administração do Partido dos Trabalhadores que incomodam demais, a ponto de quase não poder esperar pela próxima eleição! Eles seguem possuindo e executando vícios de cálculo, costumes e "filosofias" cujos preços a população tem que pagar. Já que a referência ideal do PT ainda é Cuba e Venezuela, eles ainda terão muito que desconstruir por aqui, em nossa Sampa e em nosso Brasil! Quando necessário e pressionados, lançam mão dos seculares paradigmas comunistas, julgando-se sabedores do correto, do conveniente, do melhor... e se jogam, sempre "possuídos" por seu vício determinista e intrometido... uma estúpida vocação impulsiva para burradas! São eles que sabem das coisas e do que nos convém, conforme temos visto no que fazem em nosso horroroso transito, com as faixas exclusivas para ônibus coletivos. O progressivo e agravado estrangulamento das principais vias, para que os antigos usuários saiam a pé, sem seus carros e táxis, coisas decadentes e antiproletárias da "zelite". Um "pensamento" 100% absurdo, distorcido e infeliz, enquanto fazem "cara-de-paisagem" e tentam parecer inteligentes! Equivaleria isso, nesta estratégica manipulação, a fazerem uma campanha regulatória dos banhos e necessidades fisiológicas dos usuários, em locais e bairros onde haja insuficiente disponibilidade de água! Está evidente também que as pistas decretadas como exclusivas, não irão suportar o pesado desgaste! Daqui dois ou três anos veremos então novo espetáculo de outra antiga especialidade petista: a aplicação da antiga e nojenta sensação de obras... Coisa que tanto desfrutamos nos saudosos tempos da Martaxa!

Murilo Luciano Filho muarilou@uol.com.br

São Paulo

 

*

 

TERRA SEM LEI DE TRÂNSITO

Moro na rua Cristina de Vasconcelos Cecato, uma rua paralela à Avenida Interlagos e próxima ao Autódromo de Interlagos. É uma rua muito estreita e para ajudar tem um enorme Centro Educacional Unificado (CEU Cidade Dutra) na rua. Há alguns dias reclamei que em dias de eleição não conseguimos sair de casa pelos estacionamentos irregulares, hoje reclamo pois esta rua mesmo sendo mão única, constantemente há carros andando na mão contrária e não há lei para eles. Quem vê? Há CET ali? Há Radar? O que há que os pune? Nada. E o mais chocante é que é uma rua onde tem crianças. Mas as pessoas não estão nem aí, eles só se preocuparão se levarem uma multa ou se acontecer um acidente grave (o que não é difícil visto que hoje ao sair da minha garagem olhei apenas para um lado – afinal de contas a rua é mão única – e eis que estava vindo um espero!). Isso eu não vejo apenas na minha rua, vejo em vários lugares, sei que não dá para ter agentes em todas as ruas da cidade... por isso digo: esta é uma cidade sem Lei. De trânsito.

Viviane Batista vi_batista@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

 

SÃO PAULO TRAVADA

Com faixas exclusivas de ônibus maciçamente implantadas sem um mínimo de coerência e bom senso, a Prefeitura do senhor Kassab conseguiu levar ao caos total o tráfego de São Paulo. Locais onde há pouco ainda era possível trafegar, estão completamente congestionados. Mal comparado a uma situação de prisão de ventre, nosso trânsito necessita de um bom e forte laxante. Os responsáveis pela adequação das vias provavelmente nem sabem a diferença que há entre tráfego e trânsito, ou seja, já provaram que são completamente ignorantes em relação ao bom planejamento das vias de trânsito para tornar viável o tráfego de veículos. Senhor prefeito, acabe imediatamente com selecionadas malfadadas faixas exclusivas, o purgante necessário para que o tráfego evacue e o paulistano volte a usufruir o direito constitucional de ir e vir.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

 

*

 

IMOBILIDADE URBANA PERTO DO CAOS

Além dos nocivos efeitos econômicos e de saúde pública da imobilidade urbana nas grandes cidades brasileiras, tal triste realidade tem ainda uma outra nefasta consequência: impede uma salutar convivência presencial entre familiares e amigos que vivam em bairros disparares de nossas megalópoles, numa espécie de apartheid emocional. Urge assim que nossas lideranças, sejam do setor público como da iniciativa privada unidas, equacionem tal fragilidade de infraestrutura para que a sociedade urbana brasileira não se torne mais sofredora, o que acaba provocando um latente e perigoso potencial de revolta, como aconteceu em junho passado.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

 

*

 

ECOVIAS – SERVIÇO OU DESSERVIÇO?

Temos nos defrontado com situações bastante desagradáveis no uso das vias Anchieta e Imigrantes. Basta se iniciar um vestígio de neblina, e a Ecovias já aciona o esquema de comboio. Mesmo que a visibilidade em toda a extensão da rodovia esteja em pelo menos 200 metros, causando assim transtornos para os usuários, que se vê obrigado a enfrentar um congestionamento provocado propositalmente. O que se necessita sim, são investimentos em sinalizações, que em situações de riscos, possam alertar os usuários da existência de condição insegura a menos de 1 km. Assim, se houvesse um painel eletrônico a cada quilometro da rodovia, seria desnecessária a "operação comboio" que mais atrapalha do que ajuda. Pelo custo do pedágio, não se pode pagar para assistir a incompetência da Engenharia aplicada as vias.

Carlos Hashimoto carlos.hashimoto@uol.com.br

Santos

 

*

 

DESCARAMENTO SEM LIMITES

Em boa hora, um sopro de moralidade instaurou-se no País com a condenação dos mensaleiros. O processo de higienização da administração pública brasileira deve seguir seu curso com toda eficácia e rapidez na punição de corruptos. A desfaçatez de alguns nos estarrece pela audácia e pelo cinismo. Segundo notícia, o auditor fiscal Ronilson Bezerra Rodrigues, integrante da máfia do ISS, teve a ousadia de receber R$ 52 mil de propina do próprio condomínio em que reside, parte de um total de R$ 252 mil pagos pela construtora. Não deve haver mais a mínima tolerância do Poder Público com essas falcatruas sórdidas. Espera-se que a Justiça coloque um basta na ação maléfica desses usurpadores do erário com toda urgência, colocando-os no único lugar que merecem estar: na cadeia e com todos os seus bens confiscados.

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

 

*

 

GRANDES EMPRESAS NA CORRUPÇÃO DO ISS EM SP

No megaescândalo de corrupção envolvendo os fiscais do ISS da Prefeitura de São Paulo, descobriu-se que grandes empresas, Shoppings Centers e até hospitais atuaram diretamente no esquema de corrupção e fraude que desviou mais de R$500 milhões dos cofres públicos. O mínimo que se espera é que os empresários, diretores e responsáveis pelas empresas corruptoras sejam presos e condenados, juntamente com os fiscais venais. A corrupção é um crime de mão dupla, ativa e passiva, nela há sempre quem paga e quem recebe, ambos igualmente corruptos e altamente nocivos a toda a sociedade.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

 

*

 

PUNIÇÃO

A pergunta que não quer calar: até quando ficaram soltos os membros do bando que roubou centenas de milhões de reais dos cofres da prefeitura, vale dizer, roubou centenas de milhões de reais das crianças e dos enfermos dessa cidade?

Eduardo Britto britto@znnalinha.com.br

São PauloVENCEMOS

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, negou, na sexta-feira, o pedido de suspensão de liminar da Prefeitura de São Paulo para obter o aumento do Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU) em 2014. A lei aprovada pela Câmara Municipal neste ano prevê uma alta de até 20% para imóveis residenciais e de 35%, para imóveis comerciais em 2014. O reajuste foi barrado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) numa decisão provisória e, por isso, a Prefeitura só poderá corrigir o imposto pela inflação oficial, estimada em 6%. Agradeço ao presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, ao PSDB, autores da medida que contestou o aumento proposto pelo prefeito Fernando Haddad, e ao nobre ministro Joaquim Barbosa, por ter feito mais uma vez a verdadeira justiça.

Vanderlei Pereira de Jesus pvanderlei@hotmail.com

São Paulo

 

*

 

MÃOS À OBRA

Não tem jeito mesmo, a solução para o prefeito paulistano, Fernando Haddad, é melhorar a gestão fazendo a "máquina" funcionar, porque em cima dos munícipes não dá mais. Agora é o momento ideal para mostrar toda a sua competência, tão alardeada durante sua campanha à prefeitura paulistana. A grande chance quem lhe oferece é o Supremo Tribunal Federal (STF). Mãos à obra, caro alcaide.

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

 

*

 

IPTU

O prefeito Fernando Haddad afirma que só aumentará o IPTU acima da inflação em São Paulo em 2015. Em outras palavras: só após as eleições de 2014.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

 

*

 

TIRO NO PÉ

Haddad, com este aumento do IPTU que o STF negou, só se queimou com o povo de São Paulo e com o seu patrício Paulo Skaf, presidente da Fiesp. Lula nunca deve ter se arrependido tanto por apoiá-lo. Foi o verdadeiro tiro no pé.

Valdir Sayeg valdirsayeg@uol.com.br

São Paulo

 

*

 

QUEIMANDO A LÍNGUA

Haddad, comparando a falta do reajuste do IPTU ao fim da CPMF, diz que a Fiesp foi contra a CPMF, mas se esqueceu de que, quando o PT era oposição, passava o tempo criticando esse imposto e, quando chegou ao poder, dizia que ele era muito importante para a saúde. Esse é mais um episódio em que petistas queimam a língua. É como se só ficamos doentes quando o PT está no poder.

Sérgio Aparecido Nardelli sergio9@ig.com.br

São Paulo

 

*

 

HADDAD X FIESP

Engana-se o prefeito de São Paulo, a Fiesp prestou um enorme serviço à sociedade ao impedir judicialmente o aumento do IPTU. O governo do PT precisa entender que o Brasil não tem vocação para o comunismo, e deveria parar de tratar o cidadão que tem uma casa e um carro como se fossem criminosos que têm de ser punidos por suas "posses burguesas". O jovem prefeito poderia mostrar algum vestígio de criatividade e buscar outras formas de obter os recursos para seus programas sociais. Que tal criar um imposto sobre as propinas dos fiscais corruptos da Prefeitura?

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

 

 

*

 

 

PREFEITURAS PODEM TER DINHEIRO A JURO?

Chama a atenção na fala do presidente da Fiesp, Paulo Skaf, contra o aumento do IPTU, a informação de que a Prefeitura de São Paulo possui R$ 9 bilhões aplicados a juros (quase 20% de toda arrecadação anual, de R$ 50,5 bilhões) e, portanto, não ter necessidade dos R$ 800 milhões a mais que o prefeito pretende arrecadar com o reajuste do imposto. A comunidade paulistana precisa questionar a razão de sua prefeitura essa dinheirama aplicada no mercado financeiro. Esses recursos não deveriam estar rendendo juros, mas transformados em obras e serviços públicos. Usar dinheiro público no mercado especulativo é, no mínimo, desviar sua finalidade, e isso precisa ser apurado. Os interesses políticos e eleitoreiros levam os prefeitos a negligenciar na correção dos tributos cobrados da população. Muitas prefeituras a têm o IPTU defasado. Alguns prefeitos tentam recuperar o tempo perdido pelos seus irresponsáveis antecessores, mas isso gera a grita geral dos contribuintes e até ações como as promovidas pela Fiesp. Deveriam os governantes municipais permanecer atentos à questão. Saber que não há condições de eliminar de pronto as negligências do passado. Mas também não continuar negligenciando. Eles têm todo o direito de corrigir anualmente a inflação e, ainda, de lançar a valorização apurada em função de obras públicas e outras melhorias da região onde se encontra o imóvel.

Dirceu Cardoso Gonçalves cardosodirceu34@gmail.com

São Paulo

 

*

 

QUEM QUER DINHEIRO?

Quem quer dinheiro? O prefeito Fernando Haddad quer, porém desejava isso aumentando absurdamente o IPTU da cidade. Ora, prefeito, se é só isso, os seus problemas acabaram. O senhor não precisa chamar as organizações tabajara nem frequentar o auditório do programa Silvio Santos para pegar dinheiro atirado à plateia em forma de aviãozinho. O pote de ouro não está no fim do Arco Íris, mas se encontra bem atrás do senhor nesta foto de capa do "Estadão" de 20/12: Paulo Maluf. Faça um esforço para repatriar o dinheiro que a Justiça afirma que Maluf guarda em contas no exterior e tudo se resolverá sem traumas.

Leon Diniz leondinizdiniz@gmail.com

São Paulo

 

*

 

FALTA DE VERGONHA

Com os escândalos de corrupção e desvios de verbas acontecendo todos os dias, percebe-se claramente que a Fiesp tem razão quando afirma que anualmente a corrupção desvia por baixo o valor de R$ 80 bilhões. E, se isso não bastasse, a equipe econômica do governo declara que, os R$ 1,10 necessários para arredondar o salário mínimo para R$ 724 vão gerar um custo adicional de R$ 250 milhões, e, pasmem, dizem que não sabem de onde vão tirar esse dinheiro. Se não é falta de vergonha na cara, o que é então?

José Carlos Costa policaio@gmail.com

São Paulo

 

*

 

AMEAÇA

É impressionante a desfaçatez do prefeito de São Paulo, chamado apropriadamente de "Malddad", ameaçando, sim, ameaçando cortar vagas em creches, hospitais e corredores de ônibus, caso o aumento do IPTU não viesse a cabo. Até as pedrinhas sabem que o problema não seria falta de recursos, e sim má gestão desses recursos. Além disso, no próximo ano, o partido ao qual o prefeito serve está louco para abocanhar o governo do Estado, e estão fazendo o "diabo" para isso, haja vista as propagandas (são legais/morais?) em que aparece o pretendente, para enganar a população.

Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

 

*

 

CHEGA DE POSTES

Enganada pela propaganda eleitoral, em que os marqueteiros inventam planos mirabolantes para os candidatos e mostram uma pessoa diferente do que ela realmente é, a população de São Paulo elegeu o prefeito Fernando Haddad. Ignorando sua péssima atuação no ministério da Educação. Comprovadamente, ele fez besteiras homéricas como ministro. Agora estamos todos provando da incompetência do segundo poste que Lula conseguiu eleger. O primeiro, a presidente Dilma Rousseff, está mostrando ao Brasil como não se administra um país, como não se deve ficar refém de ideologias para fazer um país crescer. Já Haddad, com só um ano de governo, está provando que não tem capacidade para governar uma cidade complexa como São Paulo (não conseguiu governar o ministério antes). A cidade está um caos: trânsito horroroso, sujeira, camelôs, bagunça por todos os lados. Drogados e desocupados ocupam as ruas e praças e a população trabalhadora e pagadora dos tributos não tem como passar nem pelas calçadas e muito menos pelo meio das ruas. O trânsito tornou-se pior ainda com as faixas exclusivas dos ônibus feitas sem planejamento algum. Uma coisa que, se fosse bem feita, planejada e executada, poderia ser muito benéfica para a melhoria dos deslocamentos. Do jeito que está sendo feito, o caos está instalado. Está comprovado que, quando uma cidade fica suja, tomada por mendigos e sem governo, a violência se alastra rapidamente. Em qualquer bairro que se vá a paisagem é desoladora. O conceito que ele usa é o de confronto entre ricos e pobres. Não pode dar certo. O aumento abusivo do IPTU é mais um absurdo e comprova que ele pretende instigar as diferenças entre pessoas do modo mais hostil e maléfico. Com ar de bom moço, evidenciado pela propaganda enganosa na qual muitos caíram, o prefeito Haddad está tornando a vida dos paulistanos muito pior e muito mais cara. Não é à toa que sua popularidade e aprovação caem todo dia. Alerta para os paulistas: cuidado com o 3º poste que Lula pretende nos impingir. Postes só iluminam ruas, não servem para administrar nada.

Maria Tereza Murray terezamurray@hotmail.com

São Paulo

 

*

 

MENTIROSO E VERGONHOSO

Fernando Haddad, para pressionar seu intento maléfico aumentando o IPTU de 20% a 35%, disse que, caso o mesmo não fosse aprovado, o município terá de abrir mão de diversos projetos federais, entre eles: 40 mil vagas em creches, 200 leitos hospitalares, 20 km de corredores de ônibus, além de graves impactos em "programação de precatórios". Vale lembrar ao digníssimo prefeito que a cidade necessita de imediato de: 130 mil vagas de creches, 2 mil leitos hospitalares, 60 km de corredores de ônibus e pelo menos iniciar o pagamento dos precatórios, esperados há décadas. Já estamos nos habituando a viver sendo enganados pelos PT-lulistas no poder há mais de 11 anos. Ou seja: o povo brasileiro é como mulher de malandro, quanto mais apanha, mais ama! Né não?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

 

HADDAD E AS CRECHES

Esse é o jeito petista de governar. Sem o escandaloso IPTU, ao invés de cortar os cabides de empregos que além de tudo alimentam o cabide de corrupção, vai cortar creches, que nem sequer existem de forma suficiente.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

 

*

 

PREFEITO ESPERTO

É de admirar o sr. prefeito apregoar que a Prefeitura terá um "prejuízo" de R$ 800 milhões com a falta do reajuste do IPTU. Prejuízo é a perda de um bem ou valor seu, já adquirido. Seria o mesmo que o Fernandinho Beira-Mar alegar que está tendo prejuízo por não poder traficar, por estar na prisão. Quem teria prejuízo certo seriam os contribuintes, que seriam literalmente roubados pela majoração absurda pretendida. Na rua onde moro, existem imóveis à venda há pelo menos cinco anos! Como medir a valorização dos mesmos, se não têm liquidez? O que ele deveria dizer é que, por falta de planejamento e competência, deixará de fazer determinadas obras ou serviços. Ou que estava contando com o ovo dentro da galinha, e que não pode cortar despesas comprometidas com a "cumpanheirada", os "aspones" e petistas na máquina em geral!

Rubens Sousa Pinto rubanfilho@hotmail.com

São Paulo

 

*

 

ACORDO

Como morador da capital e indignado com atitudes arbitrárias deste aprendiz de prefeito, venho propor ao sr. prefeito um acordo, assinado em cartório: por que eu não me comprometer a aumentar o meu IPTU (e tenho certeza de que milhares também o fariam), desde que o sr. prefeito cuide corretamente da cidade: arrume calçadas, proporcione ruas e avenidas com asfalto de primeiro mundo, pode e remova árvores em risco, tenha iluminação pública, tome medidas para melhorar o caos no trânsito (não só maquiando faixas fantasmas de ônibus), nos dê segurança e dignidade que justifique ser esta cidade a maior do País, entre outras das várias necessidades da população. Topa, sr. prefeito?

Mauricio Flank

São Paulo

 

*

 

TÁXIS NAS FAIXAS EXCLUSIVAS

Qualidade obrigatória para quem pretende ser líder é a coragem de assumir suas decisões. O sr. Prefeito Haddad, convencido de que deve proibir o tráfego de táxis nas faixas de ônibus, não está tendo a coragem de assumir essa decisão, procurando, assim, se ocultar atrás de um parecer de um promotor, e todos sabem que este não tem a obrigatoriedade de ser acatado, que para tal necessita do referendo do Poder Judiciário. O mais pitoresco deste lamentável engodo que se pretende vender aos motoristas de táxis e à população, que serão altamente prejudicados. E na fotografia estampada nos jornais o promotor aparece ao lado do sorridente secretário de Transportes, mostrando que se trata realmente de jogo de cartas marcadas.

António de A. Machado Rudge aamrudge@gmail.com

São Paulo

 

*

 

CET

São Paulo, "a cidade que nunca para", está literalmente travada, a qualquer hora de qualquer dia, com suas ruas e avenidas entupidas de veículos que não encontram saída para a livre circulação. Com decisões de caráter politiqueiro, na contramão da engenharia de tráfego, a Prefeitura de São Paulo transformou a CET na Companhia de "Engarrafamento de Trânsito". Até quando os motoristas vão ter de aturar o rush diário que só piora?!

J. S. Decol decolis@uol.com.br

São Paulo

 

*

 

FALTA TATO OU SOBRA TATTO?

Tentarei não me perder em detalhes e eufemismos, mas há coisas sobre a administração do Partido dos Trabalhadores que incomodam demais, a ponto de quase não poder esperar pela próxima eleição! Eles seguem possuindo e executando vícios de cálculo, costumes e "filosofias" cujos preços a população tem que pagar. Já que a referência ideal do PT ainda é Cuba e Venezuela, eles ainda terão muito que desconstruir por aqui, em nossa Sampa e em nosso Brasil! Quando necessário e pressionados, lançam mão dos seculares paradigmas comunistas, julgando-se sabedores do correto, do conveniente, do melhor... e se jogam, sempre "possuídos" por seu vício determinista e intrometido... uma estúpida vocação impulsiva para burradas! São eles que sabem das coisas e do que nos convém, conforme temos visto no que fazem em nosso horroroso transito, com as faixas exclusivas para ônibus coletivos. O progressivo e agravado estrangulamento das principais vias, para que os antigos usuários saiam a pé, sem seus carros e táxis, coisas decadentes e antiproletárias da "zelite". Um "pensamento" 100% absurdo, distorcido e infeliz, enquanto fazem "cara-de-paisagem" e tentam parecer inteligentes! Equivaleria isso, nesta estratégica manipulação, a fazerem uma campanha regulatória dos banhos e necessidades fisiológicas dos usuários, em locais e bairros onde haja insuficiente disponibilidade de água! Está evidente também que as pistas decretadas como exclusivas, não irão suportar o pesado desgaste! Daqui dois ou três anos veremos então novo espetáculo de outra antiga especialidade petista: a aplicação da antiga e nojenta sensação de obras... Coisa que tanto desfrutamos nos saudosos tempos da Martaxa!

Murilo Luciano Filho muarilou@uol.com.br

São Paulo

 

*

 

TERRA SEM LEI DE TRÂNSITO

Moro na rua Cristina de Vasconcelos Cecato, uma rua paralela à Avenida Interlagos e próxima ao Autódromo de Interlagos. É uma rua muito estreita e para ajudar tem um enorme Centro Educacional Unificado (CEU Cidade Dutra) na rua. Há alguns dias reclamei que em dias de eleição não conseguimos sair de casa pelos estacionamentos irregulares, hoje reclamo pois esta rua mesmo sendo mão única, constantemente há carros andando na mão contrária e não há lei para eles. Quem vê? Há CET ali? Há Radar? O que há que os pune? Nada. E o mais chocante é que é uma rua onde tem crianças. Mas as pessoas não estão nem aí, eles só se preocuparão se levarem uma multa ou se acontecer um acidente grave (o que não é difícil visto que hoje ao sair da minha garagem olhei apenas para um lado – afinal de contas a rua é mão única – e eis que estava vindo um espero!). Isso eu não vejo apenas na minha rua, vejo em vários lugares, sei que não dá para ter agentes em todas as ruas da cidade... por isso digo: esta é uma cidade sem Lei. De trânsito.

Viviane Batista vi_batista@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

 

SÃO PAULO TRAVADA

Com faixas exclusivas de ônibus maciçamente implantadas sem um mínimo de coerência e bom senso, a Prefeitura do senhor Kassab conseguiu levar ao caos total o tráfego de São Paulo. Locais onde há pouco ainda era possível trafegar, estão completamente congestionados. Mal comparado a uma situação de prisão de ventre, nosso trânsito necessita de um bom e forte laxante. Os responsáveis pela adequação das vias provavelmente nem sabem a diferença que há entre tráfego e trânsito, ou seja, já provaram que são completamente ignorantes em relação ao bom planejamento das vias de trânsito para tornar viável o tráfego de veículos. Senhor prefeito, acabe imediatamente com selecionadas malfadadas faixas exclusivas, o purgante necessário para que o tráfego evacue e o paulistano volte a usufruir o direito constitucional de ir e vir.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

 

*

 

IMOBILIDADE URBANA PERTO DO CAOS

Além dos nocivos efeitos econômicos e de saúde pública da imobilidade urbana nas grandes cidades brasileiras, tal triste realidade tem ainda uma outra nefasta consequência: impede uma salutar convivência presencial entre familiares e amigos que vivam em bairros disparares de nossas megalópoles, numa espécie de apartheid emocional. Urge assim que nossas lideranças, sejam do setor público como da iniciativa privada unidas, equacionem tal fragilidade de infraestrutura para que a sociedade urbana brasileira não se torne mais sofredora, o que acaba provocando um latente e perigoso potencial de revolta, como aconteceu em junho passado.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

 

*

 

ECOVIAS – SERVIÇO OU DESSERVIÇO?

Temos nos defrontado com situações bastante desagradáveis no uso das vias Anchieta e Imigrantes. Basta se iniciar um vestígio de neblina, e a Ecovias já aciona o esquema de comboio. Mesmo que a visibilidade em toda a extensão da rodovia esteja em pelo menos 200 metros, causando assim transtornos para os usuários, que se vê obrigado a enfrentar um congestionamento provocado propositalmente. O que se necessita sim, são investimentos em sinalizações, que em situações de riscos, possam alertar os usuários da existência de condição insegura a menos de 1 km. Assim, se houvesse um painel eletrônico a cada quilometro da rodovia, seria desnecessária a "operação comboio" que mais atrapalha do que ajuda. Pelo custo do pedágio, não se pode pagar para assistir a incompetência da Engenharia aplicada as vias.

Carlos Hashimoto carlos.hashimoto@uol.com.br

Santos

 

*

 

DESCARAMENTO SEM LIMITES

Em boa hora, um sopro de moralidade instaurou-se no País com a condenação dos mensaleiros. O processo de higienização da administração pública brasileira deve seguir seu curso com toda eficácia e rapidez na punição de corruptos. A desfaçatez de alguns nos estarrece pela audácia e pelo cinismo. Segundo notícia, o auditor fiscal Ronilson Bezerra Rodrigues, integrante da máfia do ISS, teve a ousadia de receber R$ 52 mil de propina do próprio condomínio em que reside, parte de um total de R$ 252 mil pagos pela construtora. Não deve haver mais a mínima tolerância do Poder Público com essas falcatruas sórdidas. Espera-se que a Justiça coloque um basta na ação maléfica desses usurpadores do erário com toda urgência, colocando-os no único lugar que merecem estar: na cadeia e com todos os seus bens confiscados.

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

 

*

 

GRANDES EMPRESAS NA CORRUPÇÃO DO ISS EM SP

No megaescândalo de corrupção envolvendo os fiscais do ISS da Prefeitura de São Paulo, descobriu-se que grandes empresas, Shoppings Centers e até hospitais atuaram diretamente no esquema de corrupção e fraude que desviou mais de R$500 milhões dos cofres públicos. O mínimo que se espera é que os empresários, diretores e responsáveis pelas empresas corruptoras sejam presos e condenados, juntamente com os fiscais venais. A corrupção é um crime de mão dupla, ativa e passiva, nela há sempre quem paga e quem recebe, ambos igualmente corruptos e altamente nocivos a toda a sociedade.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

 

*

 

PUNIÇÃO

A pergunta que não quer calar: até quando ficaram soltos os membros do bando que roubou centenas de milhões de reais dos cofres da prefeitura, vale dizer, roubou centenas de milhões de reais das crianças e dos enfermos dessa cidade?

Eduardo Britto britto@znnalinha.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.